Você está na página 1de 5

Potencial toxicológico da planta Ruta graveolens (Rutaceae) sobre larvas de insetos aquáticos (Insecta: Odonata

)
André Vitor Sobreiro Sigora1, Andrômeda Oliveira1, Daniel Kazuhiko Kuruiwa1, Emilene da Silva Morais1, Herina Satie Tatibana1, Jéssica Ribeiro Alves1.
1

Engenharia Biotecnológica, Departamento de Ciências Biológicas, Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP, Assis - São Paulo, Brasil. ABSTRACT Due to the negative impact of Odonata larvae in Brazilian pisciculture, emerges the need of finding natural insecticides that are efficient against the larvae and harmless to the fish. The insects of Odonata Order are terrestrial-aerial in their adult phase and aquatic in larvae phases, being one of the insects that are prejudicial to the pisciculture, because they are natural predators of alevins becoming plagues economically relevant. The rue (Ruta graveolens)is a medical plant that belongs to the Rutaceae family, adapting itself easily to any weather, which the main toxins are the rutin, tannins, essential oils and furocoumarins. The main objective of this work was to evaluate the toxicological effects of the vegetal extract of R. graveolens in the larvae control of Odonata. In order to do that, were made extractions in alcohol to obtain the brute extract, which was administrated in three samples of Odonata. After 24 hours, the cytotoxic effects caused by R. graveolens in different concentration gradients were able to be verified. Key-words: rue, Odonata, pisciculture, rutin. RESUMO Devido ao impacto negativo das larvas de Odonata na piscicultura brasileira, surge a necessidade de encontrar inseticidas de origem natural que sejam eficientes no combate às larvas e inócuos aos peixes. Os insetos da Ordem Odonata são terrestre-aéreos em sua fase adulta e aquáticos na fase larval, figurando entre os insetos que têm efeito nocivo para a piscicultura, já que são predadores naturais de alevinos tornando-se assim pragas economicamente relevantes. A arruda (Ruta graveolens) é uma planta medicinal pertencente à família das Rutáceas, facilmente adaptável a qualquer clima, cujas principais toxinas são a rutina, taninos, óleos essenciais e furocomarina. O objetivo desse trabalho foi avaliar o efeito toxicológico do extrato vegetal de R. graveolens no controle de larvas de Odonata. Para isso foi preparado um extrato alcoólico para obtenção do extrato bruto, este foi aplicado em diferentes amostras de insetos. Verificou-se após 24 horas os efeitos citotóxicos provocados pela R. graveolens em diferentes concentrações. Palavras-chave: arruda, Odonata, piscicultura, rutina.

1. INTRODUÇÃO Dentro dos compostos vegetais, o terpeno é considerado a principal substância inseticida, dentro dessa classe os limonóides ou tetranortripenóides são as

substâncias que apresentam maior atividade contra insetos, pois possuem maior sequência de produção de terpenóides. Em menor quantidade encontram-se os monoterpenos, que

São quatro os compostos ativos principais: meliantriol. Ela age causando distúrbios fisiológicos em insetos. zigue-zague e jacinta. cavalo-dejudeu.também são substâncias secundárias produzidas pela planta para defesa contra insetos. graveolens é bastante utilizada como alternativa de tratamento e prevenção de enfermidades como varizes. culinários e medicinais. resultando em formação de bolhas quando em contato com a pele. como na inibição alimentar e interferência na metamorfose dos insetos.5 metros de altura e adapta-se e desenvolve-se facilmente em qualquer clima. furocumarinas e alcalóides (quinolonas). São utilizadas para fins ornamentais. taninos. O cinamomo (Melia azedarach) é outra planta com efeito toxicológico em insetos. arruda-doméstica. com aproximadamente 5. embora sejam encontrados em maior parte nas folhas (especialmente antes da floração). da divisão celular e síntese de proteínas. além de promover a regulação do fluxo menstrual (Barbosa. 1987. esta planta vem sendo utilizada há centenas de anos como um repelente para insetos. As furocumarinas. Adapta-se facilmente ao ambiente com grande expansão vegetativa. graveolens possui substâncias tóxicas como metil-nonil-cetona. O grupo Odonata é relativamente pequeno. Em relação às pétalas. estão associadas com a fotossensibilização. que excita a motilidade das células do endométrio (útero). mucosas e a exposição solar.600 espécies no mundo. A azadiractina é um limonóide com alta atividade inseticida. arrudados-jardins e ruta-de-cheiro-forte. A planta A. sarnas e piolho. estas são amarelo-esverdeadas. MENGUE et al. inibição alimentar. Possui muitos ramos e suas folhas são ovais e pequenas. azadiractina. impedindo o desenvolvimento da larva. aromáticos. óleos essenciais. A R. abscessos. lava-bunda. apresentando uma cor verde acinzentada. É conhecida popularmente como arruda-fedida. 2007). É cultivada em jardins. que são toxinas encontradas na arruda. extremamente referida no combate a insetos. vermicida. estimulante e espasmódica. entre os quais podemos citar: inibição do crescimento e desenvolvimento. A arruda (Ruta graveolens) é uma planta medicinal pertencente à família das Rutáceas. além de interferir no funcionamento de glândulas endócrinas responsáveis por controlar a metamorfose dos insetos. A R. extraído de plantas do (Azaradichta indica) e do cinamomo (Melia azedarach). Não obstante. Geralmente ocorre em pessoas que coletam a planta e aplicam diretamente na pele com a finalidade de repelir insetos (TYLER. preferencialmente em solos secos e rochosos e é resistente à seca. Estas plantas possuem importantes propriedades antihemorrágicas. As principais toxinas são: rutina (glicosídeo). É uma planta originária do sul da Europa que pode atingir até 1. além de ser fonte de terpenos e limonóides.. Rutaceae e Cneraceae são as que mais produzem esses metabólitos. 2001). As famílias Meliaceae. indica é a planta com maior atividade inseticida do mundo. anti-inflamatória. flebites. encontradas em ambientes lóticos e lênticos e algumas espécies habitam . A atividade inseticida é semelhante à azadiractina. os adultos são terrestreaéreos e as larvas são aquáticas. salanina e ninbim. Todas as partes da planta contém princípios ativos. são conhecidos como libélula. podendo provocar aborto e teratomas. São insetos hemimetálobos (possuem metabolismo incompleto). da reprodução. lavadeira.

Esta ordem pertence à classe Insecta. consequentemente. CESNIK e QUEIROZ. redução dos lucros da produção (ZANIBONI FILHO. As larvas de Odonatas foram separadas em três grupos. Os adultos são. recebeu uma gota de álcool. Umas das grandes ameaças da piscicultura no Brasil e em outros países estão relacionadas à predação de alevinos por larvas de insetos aquáticos. pode causar a contaminação da água e a morte de parte do zooplâncton necessária para a alimentação das pós-larvas e alevinos. Figura 1 – Esquema metodológico para obtenção dos extratos alcoólicos brutos. pode haver a diminuição da sobrevivência dos peixes e. resultando em um extrato de coloração verde escuro. prejudicando outros animais que participam da cadeia alimentar. posteriormente. surge a necessidade de encontrar inseticidas de origem natural que sejam eficientes no combate às larvas e inócuos aos peixes. diurnos. o triturado foi macerado com o auxílio de um pistilo e um cadinho. logo em seguida. com o auxílio de um conta-gotas.ambientes especiais (fitotelmatas). 2004). MATERIAIS E MÉTODOS A planta Ruta graveolens e os insetos Odonatas foram coletados na cidade de Assis. permitindo uma maior economia de energia para o indivíduo. Estado de São Paulo. Este é alongado e dobrado abaixo da cabeça e projetado rapidamente para a captura da presa que podem ser alevinos ou pequenos vertebrados. . sendo uma das amostras diluída a 50% e a outra se manteve concentrada em 100%. pode haver o desequilíbrio do habitat aquático. O segundo foi tratado com uma gota da solução de 50% de extrato de Ruta graveolens e o terceiro grupo foi tratado com uma gota da solução concentrada em 100% do extrato da mesma planta. fosse aquecido em banhomaria (Quimis® Q-304.260.8° INPM. 2000. como a água acumulada nas bainhas das folhas de bromélias e nos ocos de árvores. filtrou-se o produto em um béquer utilizando papel filtro e funil para que. Em tanques aquáticos. Realizado isto. e alguns são crepusculares. As larvas de libélulas possuem os lábios modificados. Devido ao impacto negativo das larvas de Odonata na piscicultura brasileira. O extrato foi separado em dois tubos de ensaio. 2. Utilizou-se caules secos da planta Ruta graveolens e. reduzindo a disponibilidade de alimento natural. também na presença do mesmo álcool. Este trabalho tinha como objetivo avaliar o efeito do extrato vegetal da planta Ruta graveolens no controle de larvas de Odonata predadores de formas jovens de peixes. os caules foram batidos no liquidificador (Arno®) com álcool 92. Brasil. Além disso. Finalizadas essas etapas. O primeiro foi utilizado como controle e. Depois. Essas adaptações do aparelho bucal do inseto funcionam por pressão hidráulica. em sua maioria. são voadores ativos que apresentam comportamentos territoriais e sexuais bastante complexos.2E) durante trinta minutos para que o álcool contido evaporasse. Dessa forma. aguardouse 24 horas para a verificação do efeito toxicológico da planta sobre as Odonatas.

Vitória. M. Concentração de extrato Controle Baixa (50%) Alta (100%) Larvas vivas 1 1 0 concentrações mais baixas (50%) apenas metade das larvas morreram. D. a Arruda pode não ser indicada para o controle das larvas Odonatas. E. 2009.. UFPB – PRG: 2007. contendo o número de larvas mortas pela concentração de extrato aplicado. CARDINALE. foi possível construir a tabela abaixo.. n. H. BARBOSA. J.. Revista Brasileira de Plantas Medicinais. Sendo assim. DISCUSSÃO O extrato da arruda mostrou-se eficaz. p. podendo prejudicar os próprios peixes nos tanques aquáticos assim como as pessoas que eventualmente vierem a se alimentar dos peixes. 9. pode-se inferir que podem ter ocorrido erros aleatórios no processo de aplicação das amostras e manuseio dos insetos. Biodiversity and biocontrol: emergent impacts of a multi-enemy assemblage on pest suppression and crop yield in an agroecosystem. L. F. T.. G.S. Ecology Letters... A.. 221-229. Anais.. Produção de fungos entomopatogênicos para o controle de larvas de Odonata na piscicultura. R. GUANABENS. v. 2004. M. E. S. B. QUEIROZ. Esses resultados demonstram que apenas o extrato puro. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BARBOSA. A. de. numa concentração de 100% de extrato vegetal.3. sem diluições. R. Métodos de extração e concentrações no efeito inseticida de Ruta graveolens L. v. a Diabrotica speciosa Germar. G. OLIVEIRA. depois de 24 horas. IVES. In: I CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE AQUICULTURA E BIOLOGIA AQUÁTICA. DE SOUSA. p. 3. J. 2003. 11. 6. HARVEY. 6. C. já que apresentam um alto potencial toxicológico. SILVA. Vitória: Sociedade 4. Tabela 1 – Número de larvas vivas restantes com a adição das soluções com concentrações de extrato às amostras de Odonata. A.. M. MEDEIROS. W. CESNIK. RESULTADOS A partir dos dados obtidos no experimento depois de 24 horas. F. 857-865. porém. M. S. K. torna-se necessário realizar novos ensaios toxicológicos para avaliar a concentração mínima necessária para desencadear efeitos colaterais em humanos e peixes... Artemisia verlotorum Lamotte e Petiveria alliacea L. ela sobreviveria.. ao matar apenas uma das duas larvas.. CONCLUSÃO O extrato de Ruta graveolens mostrou-se eficiente no combate às larvas de Odonatas em altas concentrações (100%). Devido à alta concentração letal mínima necessária. n. L. matando os dois espécimes de Odonata. GROSS. 5.. R. C. S. é eficiente no combate aos espécimes de Odonata nas condições dadas no experimento. não exibiu resultados satisfatórios. MARTINS. em padrões normais. 2011.. Assis – SP. Plantas Medicinais: Aspectos do Uso de Fitoterápicos na Melhoria da Qualidade de Vida Humana. LEITE. SILVA. visto que todas as larvas morreram. E. A amostra com a solução com concentração de 50% de extrato vegetal 50% de etanol. B. Assim. O grupo controle ainda teve uma das larvas mortas. R. Em .

J. Plant Science. Terpenos com atividade inseticida: uma alternativa para o controle químico de insetos. RAGURAN.. 45. (Ed. E. DAL MAGRO. M. 2009. 2008. 423-450.. Larvicultura de peixes de água doce. 21. Ruta graveolens L. M. Uso de inseticidas botânicos no controle de pragas. SINGH. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS.E. 2001. v. 390-400. v.. C. ZANIBONI FILHO. n. V. G.. E. Stickley Company. PUBVET.. MARTINS.. Londrina. p. 1 CD. Chapecó. J. S. In: VENZON. 6. p. TOMAZELLI.. Milesi S. 449.). C. MOREIRA. v. S. S. C. TYLER. NORONHA. p. 1. 69-77. SchullerFaccini. Massot B. 1999. Guckert A. Art. 2003. 26. R. E. 2. n. O. S. p. Uso de plantas medicinais na gravidez. PALLINI. Uso de extratos vegetais no controle de larvas de insetos aquáticos (Insecta: Odonata) predadores de alevinos em viveiros de piscicultura. The new honest herbal.161.V. M.. Philadelphia: George F. J.) Manual de teratogênese. S.: a promising species for the production of furanocoumarins. SCHENKEL. Gontier E. 2004. L. 89-120. 92. P. MORENO. J. Informe agropecuário.. n. C.. M. PAULA JÚNIOR. e Biologia MENGUE. . Viçosa: Epamig/CTZM. n. Belo Horizonte.T. Química Nova. p. Spritzer.. Ed. MENTZ L. In: Sanseverino.. (org. PICANÇO. p. 3. M. D. 203. 2000. Bourgaud F. v. T.. M. A. Trichogramma chilonis. FRANCO.. Método de controle de Odonatas na piscicultura. V. VIEGAS JÚNIOR.T. 1274-1280. SILVA. N. 1987. Controle alternativo de pragas e doenças.Brasileira de Aquicultura Aquática. Biological effects of neem (Azadirachta indica) seed on an egg parasitoid. 2001..A. 1898-199. Journal of Economic Entomology. 2006.. 56. C..P. D.