Organização, digitalização e montagem de José Rabaça Gaspar Corroios 2011 12

Lista completa http://www.joraga.net/gruposcorais/pags01_pautas_01_TSerpa/0000_pautasmusicais.htm

OBRAS e AUTORES consultados:
01 in TRADIÇÃO de SERPA, publicada entre Janeiro de 1899 e Junho de 1904.
http://www.joraga.net/gruposcorais/pags01_pautas_01_TSerpa/0000_63pautas _TradicaoSerpa.htm

63

02

in Cancioneiro de Músicas Populares - Cesar A. das Neves – 1893-1899.
http://www.joraga.net/gruposcorais/pags01_pautas_01_TSerpa/0000_63pautas _TradicaoSerpa.htm

89

152

03

in subsídio para o Cancioneiro Popular do Baixo Alentejo (Volume II) - Comentário, recolha e notas de Manuel Joaquim Delgado... 1980 (1ª ed. 1955).
http://www.joraga.net/gruposcorais/pags03_pautas_03_MJDelgado/0153_moda sBAlentejo_JMDelgado_00_listade51.htm

51

203

04

in A CANÇÃO POPULAR PORTUGUESA, de Fernando Lopes Graça, 2ª ed., Publicações Europa América, 1974.
http://www.joraga.net/gruposcorais/pags04_pautas_04_CPP_FLGraca/0204_CPP _FLGraca_00_listade10.htm

10

213

05

in CANTARES DO POVO PORTUGUÊS, estudo crítico, recolha e comentário de RODNEY GALLOP, Instituto de Alta Cultura,2ª ED., Lisboa, MCMLX.
http://www.joraga.net/gruposcorais/pags05_pautas_05_CPP_RGallop/0214_CPP _RGallop_00_listade31pautas.htm

31

244

06

in CANCIONEIRO POPULAR PORTUGUÊS, Michel Giacometti, com a colaboração de Fernando Lopes Graça, Círculo de Leitores, Lisboa, 1981.
http://www.joraga.net/gruposcorais/pags06_pautas_06_CPP_MGiacometti/0245 _CPP_MGiacometti_00_listade38pautas.htm

38

282

07

in Música Tradicional Portuguesa - Cantares do Baixo Alentejo, por J. Ranita da Nazaré, Biblioteca Breve, Instituto de Cultura Portuguesa, Venda Nova Amdora, 1979.
http://www.joraga.net/gruposcorais/pags07_pautas_07_mtp_CBA_JRNazare/02 83_MTP_CBA_JRNazare_00_listade25pautas.htm

25

307

08

in Momentos Vocais do Baixo Alentejo- Cancioneiro da Tradição Oral , por João Ranita da Nazaré, Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1986.
http://www.joraga.net/gruposcorais/pags08_pautas_08_mvBA_JRNazare/0308_ MVBA_CTO_JRNazare_000_listade125pautas.htm

125 432

09

in Cancioneiro de SERPA, de Maria Rita Ortigão Pinto Cortez, edição da Câmara Municipal de Serpa, 1994.
http://www.joraga.net/gruposcorais/pags09_pautas_09_CSerpa_MRitaOPC/0433 _CdeSerpa_MRitaCortez_000_000_p410_listade410pags.htm

145 592 23 600 133 733

10

in ESTUDOS SOBRE O CANTE ALENTEJANO, de Padre António Marvão, Instituto Nacional para o Aproveitamento dos Tempos Livres dos Trabalhadores, 1997.
http://www.joraga.net/gruposcorais/pags10_pautas_10_PadreMarvao/lista10_pa uta_EstudosCante_PMarvao_600_733_listade133pautas.htm

11

in ALENTEJO 100 POR CENTO, de Prof. JOAQUIM ROQUE, 2ª Edição 1990, Peroguarda, Ferreira do Alentejo, com 196 páginas.
http://www.joraga.net/gruposcorais/pags11_pautas_11_JRoque/lista11_pauta_A lentejo100_JRoque_734_listade18pautas.htm

18

751

63 PAUTAS

01 - in TRADIÇÃO de SERPA, publicada entre Janeiro de 1899 e Junho de 1904

63

01 - in TRADIÇÃO de SERPA, publicada entre Janeiro de 1899 e Junho de 1904.
Nº Pauta
1 2

Título da MODA

Obra Tradição Serpa, JAN 1899 – JUL 1904
Tradição Anno I – Nº 1 – Serpa, Janeiro de 1899 – série I, p. 8 (letra) e 9 (pauta). Tradição Anno I – Nº 2 – Serpa, Fevereiro de 1899 – série I, p. 24 (letra) e 25 (pauta). Tradição Anno I – Nº 3 – Serpa, Março de 1899 – série I, p. 41 (pauta) e 42 (letra). Tradição Anno I – Nº 4 – Serpa, Abril de 1899 – série I, p. 54 (letra) e 57 (pauta). Tradição Anno I – Nº 5 – Serpa, Maio de 1899 – série I, p. 73 (pauta) e 74 (letra). Tradição Anno I – Nº 9 – Serpa, Setembro de 1899 – série I, p. 89 (pauta no nº 6) e 139 a 141 (letra). Tradição Anno I – Nº 7 – Serpa, Julho de 1899 – série I, p. 104 (letra) e 105 (pauta). Tradição Anno I – Nº 8 – Serpa, Agosto de 1899 – série I, p. 120 (letra) e 121 (pauta). Tradição Anno I – Nº 9 – Serpa, Setembro de 1899 – série I, p. 136 (letra) e 137 (pauta). Tradição Anno I – Nº 1 – Serpa, Janeiro de 1899 – série I, p. 8 (letra) e Tradição Anno I – Nº 10 – Serpa, Outubro de 1899 – série I, 153 (pauta). Tradição Anno I – Nº 11 – Serpa, Novembro de 1899 – série I, 169 (pauta) e 173 (letra). Tradição Anno I – Nº 1 – Serpa, Janeiro de 1899 – série I, p. 7 (letra) e Tradição Anno I – Nº 12 – Serpa, Dezembro de 1899 – série I, 185 (pauta). Tradição Anno II – Nº 1 – Serpa, Janeiro de 1900 – volumeII, p. 11 (pauta) e p. 13 (letra). Tradição Anno II – Nº 2 – Serpa, Fevereiro de 1900 – volume II, p. 25 (pauta) e p. 28 (letra). Tradição Anno II – Nº 3 – Serpa, Março de 1900 – volume II, p. 41 (pauta) e p. 45 (letra). Tradição Anno II – Nº 4 – Serpa, Abril de 1900 – volume II, p. 59 (pauta) e p. 60 (letra). Tradição Anno II – Nº 5 – Serpa, Maio de 1900 – volume II, p. 73 (pauta) e p. 78 (letra). Tradição Anno II – Nº 6 – Serpa, Junho de 1900 – volume II, p. 89 (pauta) e p. 93 (letra). Tradição Anno II – Nº 7 – Serpa, Julho de 1900 – volume II, p. 104 (letra) e p. 105 (pauta). Tradição Anno II – Nº 8 – Serpa, Agosto de 1900 – volume II, p. 120 (letra) e p.

Totais

REIS Manuelsinho Vai Colher a Silva Os OLHOS da Marianita Verde Caracol O S. JOÃO EM SERPA Dizes qu'eu sou lavadeira Marianita foi á fonte Hei-de m'ir para o Algarve ÁS JANEIRAS

1. 2.

3 4 5 6

3. 4. 5. 6.

7

7.

8

8.

9

9.

10

10.

11

Tinhas-me tanta amisade AO DEUS-MENINO

11.

12

12.

13

DE NOITE BATEM Á PORTA CARMESITA, CARMESITA MARIANITA VEM COMIGO OS PINHÕES O TOUREIRO NOVO A MACELLA ADEUS, MARIANNITA, ADEUS! AS COBRINHAS D'AGUA

13.

14

14.

15

15.

16

16.

17

17.

18

18.

19

19.

20

20.

21

AS LETTRAS O FANDANGO PEDITÓRIO A SANTOS TRISTE VIUVINHA ANGELICA, DÁ-ME A CAPINHA! MINHA MANASINHA EU FUJO! SILVA, QUE ESTÁS ENLEADA O' meu panninho, panninbo… O CERRO DA NEVE Vamos lá seguindo As saias á camponeza Minha HESPANHOLA Vae fazer a cama Ai! que chita! QUERO BALHAR Ru'ábaixo, ru'ácima Eu fui um dia a passeio Valha-me a senhora Angélica Um raminho de alecrim Lá vae o balão ao ar Não te assome

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

32

33

34

35

36

37

38

39

40

41

42

43

121 (pauta). Tradição Anno II – Nº 9 – Serpa, Setembro de 1900 – volume II, p. 137 (pauta) e p. 138 (letra). Tradição Anno II – Nº 10 – Serpa, Setembro de 1900 – volume II, p. 153 (pauta). Tradição Anno II – Nº 11 – Serpa, Novembro de 1900 – volume II, p. 169 (pauta). Tradição Anno II – Nº 12 – Serpa, Dezembro de 1900 – volume II, p. 183 (pauta). Tradição Anno III – Nº 1 – Serpa, Janeiro de 1901 – volume III, p. 7 (pauta) e p. 10 (letra). Tradição Anno III – Nº 2 – Serpa, Fevereiro de 1901 – volume III, p. 23 (pauta) e p. 24 (letra). Tradição Anno III – Nº 3 – Serpa, Março de 1901 – volume III, p. 38 (letra) e p. 39 (pauta). Tradição Anno III – Nº 4 – Serpa, Abril de 1901 – volume III, p. 54 (letra) e p. 55 (pauta). Tradição Anno III – Nº 5 – Serpa, Maio de 1901 – volume III, p. 71 (pauta) e p. 72 (letra). Tradição Anno III – Nº 6 – Serpa, Junho de 1901 – volume III, p. 85 e 86 (letra) e p. 87 (pauta). Tradição Anno III – Nº 7 – Serpa, Julho de 1901 – volume III, p. 104 (pauta) e p. 105 e 106 (letra). Tradição Anno III – Nº 8 – Serpa, Agosto de 1901 – volume III, p. 118 e 120 (letra) e p. 119 (pauta). Tradição Anno III – Nº 9 – Serpa, Setembro de 1901 – volume III, p. 132 (letra) e p. 135 (pauta). Tradição Anno III – Nº 10 – Serpa, Outubro de 1901 – volume III, p. 148 (letra) e p. 151 (pauta). Tradição Anno III – Nº 11 – Serpa, Novembro de 1901 – volume III, p. 166 (letra) e p. 167 (pauta). Tradição Anno III – Nº 12 – Serpa, Dezembro de 1901 – volume III, p. 178 (letra) e p. 181 (pauta). Tradição Anno IV – Nº 1 – Serpa, Janeiro de 1902 – volume IV, p. 5 (pauta) e p. 6 (letra). Tradição Anno IV – Nº 2 – Serpa, Fevereiro de 1902 – volume IV, p. 21 (pauta) e p. 24 (letra). Tradição Anno IV – Nº 3 – Serpa, Março de 1902 – volume IV, p. 37 (pauta) e p. 38 (letra). Tradição Anno IV – Nº 4 – Serpa, Abril de 1902 – volume IV, p. 53 (pauta) e p. 55 (letra). Tradição Anno IV – Nº 5 – Serpa, Maio de 1902 – volume IV, p. 69 (pauta) e p. 70 (letra). Tradição Anno IV – Nº 6 – Serpa, Junho de 1902 – volume IV, . 84 (letra) e p. 85 (pauta). Tradição Anno IV – Nº 7 – Serpa, Julho de 1902 – volume IV, p. 100 (letra) e p. 101 (pauta).

21.

22.

23.

24.

25.

26.

27.

28.

29.

30.

31.

32.

33.

34.

35.

36.

37.

38.

39.

40.

41.

42.

43.

44

EU OUVI MUITO CHOREI EU O LOUREIRO AMANHÃ ANDA A RODA Minha saia NA BOTICA NOVA O’ GOUVEIA SENHORA QUINTANEIRA MARIA RITA TANTAS LIBRAS ATIRA CAÇADOR

45

46

47

48

49

50

51

52

53

54

Tradição Anno IV – Nº 8 – Serpa, Agosto de 1902 – volume IV, p. 114 (letra) e p. 117 (pauta). Tradição Anno IV – Nº 9 – Serpa, Setembro de 1902 – volume IV, p. 132 (letra) e p. 133 (pauta). Tradição Anno IV – Nº 10 – Serpa, Outubro de 1902 – volume IV, p. 146 (letra) e p. 149 (pauta). Tradição Anno IV – Nº 11 – Serpa, Novembro de 1902 – volume IV, p. 165 (pauta) e p. 170 (letra). Tradição Anno IV – Nº 12 – Serpa, Dezembro de 1902 – volume IV, p. 181 (pauta) e p. 184 (letra). Tradição Anno V – Nº 1 – Serpa, Janeiro de 1903 – volume V, p. 4 (letra) e p. 5 (pauta). Tradição Anno V – Nº 2 – Serpa, Fevereiro de 1903 – volume V, p. 21 (pauta) e p. 27 (letra). Tradição Anno V – Nº 3 – Serpa, Março de 1903 – volume V, p. 37 (pauta) e p. 39 (letra). Tradição Anno V – Nº 4 – Serpa, ABRIL de 1903 – volume V, p. 53 (pauta) e p. 55 (letra). Tradição Anno V – Nº 5 – Serpa, MAIO de 1903 – volume V, p. 68 (letra) e p. 69 (pauta). Tradição Anno V – Nº 9 – Serpa, Setembro de 1903 – volume V, p. 132 (letra) e p. 133 (pauta). Tradição Anno V – Nº 10 – Serpa, Outubro de 1903 – volume V, p. 149 (pauta) e p. 152 (letra). Tradição Anno V – Nº 11 – Serpa, Novembro de 1903 – volume V, p. 165 (pauta) e p. 168 (letra). Tradição Anno V – Nº 12 – Serpa, Dezembro de 1903 – volume V, p. 181 (pauta sem letra). Tradição Anno VI – Nº 1 – Serpa, Janeiro de 1904 – volume VI, p. 2 (letra) e p 5 (pauta). Tradição Anno VI – Nº 2 – Serpa, Fevereiro de 1904 – volume VI, p. 20 (letra) e p 21 (pauta). Tradição Anno VI – Nº 3 – Serpa, Fevereiro de 1904 – volume VI, p. 37 (pauta) e p 49 (letra). Tradição Anno VI – Nº 4 – Serpa, Abril de 1904 – volume VI, p. 53 (pauta) e p 56 e 57 (letra). Tradição Anno VI – Nº 5 – Serpa, Maio de 1904 – volume VI, p. 68 (letra) e p 69 (pauta). Tradição Anno VI – Nº 6 – Serpa, Junho de 1904 – volume VI, p. 84 (letra) e p 85 (pauta).

44.

45.

46.

47.

48.

49.

50.

51.

52.

53.

54.

55

Eu já vi uma andorinha VOCÊ DIZ OUE ME NÃO OUER ALIPUM Já lá vem a Mariannita O' minha. pombinha branca. A mim não me enganas tu Eu sou marujinho Anda aqui uma menina Esse leu vestido

55.

56

56.

57

57.

58

58.

59

59.

60

60.

61

61.

62

62.

63

63.

89 PAUTAS

02 - in Cancioneiro de musicas populares contendo letra e musica de canções, serenatas, chulas, danças, descantes, cantigas dos campos e das ruas, fados, romances, hymnos nacionaes, cantos patrioticos, canticos religiosos de origem popular, canticos liturgicos popularisados, canções políticas, cantilenas, cantos maritimos, etc. e cançonetas estrangeiras vulgarizadas em Portugal / collecção recolhida e escrupulosamente trasladada para canto e piano por Cesar A. das Neves ; coord. a parte poetica por Gualdino de Campos ; pref. pelo Exmo Sr. Dr. Teophilo Braga. - V. 1, fasc. 1 (1893)-V. 3, fasc. n. 75 (1899). - Porto : Typ. Occidental, 1893-1899. - 33 cmTR

152

02 - in Cancioneiro de Musicas Populares - Cesar A. das Neves – 1893-1899.

Nº cont.
64.

Título

Obra
CMP - CesarANeves Vol I –II – III Vol. I – 24 114 e 115 202 e 203 260 e 261 Vol. II – 44 65 118 e 119 121 144 169 179 238 240 252 258 274 296 e 297 Vol. III - 10 12 26 27 42 46 53 60 62 68 69 71 72 74 75 81 82 89 90 100 104

Nº obra

SanJoao - Estremoz 65. A Viuvinha – Vila Viçosa 66. A do Valentim – Vila Viçosa 67. Ao Menino Jesus – Elvas 68. A Jardineira – Montemor-o-Novo 69. Moreninha dança de roda 70. Basta Sim Basta Alentejo – Elvas 71. Rosa Pastorinha – Elvas 72. A Polka (Olhos negros) – Alentejo 73. Minha Doce Lima – Elvas 74. Oh Anna – Odemira 75. Chegou, Chegou – Alentejo 76. Ti Manel Tem Coisas – Sousel – Alentejo 77. Zini Pini Pini – Vila Viçosa – Alentejo 78. Vae-te embora Passarinho – Odemira 79. Chapéu Novo – Elvas 80. Maria do Carmo – Vila Viçosa 81. O Meu Noivado – Alentejo 82. Adeus oh Vale de Cordéis – Alentejo 83. Serenata á morena – Conde de Monsaraz 84. Ao Saltar do barranquinho – Vimieiro – Arraiolos 85. A Camponesa – Elvas 86. Oh MÃE de-me pão – Elvas 87. Oh Galamba – Alentejo 88. São João – Gavião – Alentejo 89. Siga o forte – Alentejo 90. Viva a laranjinha – Alentejo 91. AI sim, AI não – Elvas 92. Casará? – (jogo) Alemtejo 93. Da outra Banda do Rio – Alemtejo 94. O Gato da Vizinha – Alemtejo 95. O Ladrão do Gato – Alemtejo 96. Francisquinha – Alemtejo 97. O Maridinho – Alemtejo 98. 1 Cartola – 2 Carambola – Alemtejo 99. O Romão (Cravo Roxo) – Vila Viçosa 100. 1 (Chegadinho)? – 2 Madaminha – Alemtejo 101. Podemos Casar – Alemtejo

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38

102. O

Manuel Coutinho – Vila Viçosa 103. Viva a súcia – Elvas 104. O Belo Rapazinho – Alemtejo 105. O Pastor Alli – Vila Viçosa 106. 1 A Sereia – 2 Solteiras, Casadas, Viúvas 2 danças – Alemtejo 107. A Saloia dos 3 ovos – Alemtejo 108. Passarinho Repenica – Alemtejo 109. Da Casa Para a Rua – Alemtejo 110. Toca a caixa – Alemtejo 111. Minha Querida – Vila Viçosa 112. Cravo Roxo – Vila Viçosa 113. Ai SIM Meu Bem – Alemtejo 114. Moinho das Entre-Aguas – Ferreira do Alemtejo 115. Oh Que Bellas Moças – Alemtejo 116. Bela Milharada – Alemtejo 117. As SAIAS – Elvas 118. Cabello d’Arrepio – Alemtejo 119. Oh Minha Pombinha - Vimieiro (Arraiolos) 120. Oh TERRÁ-TÁ-TÁ – dança – Alemtejo 121. Riguidon – dança – Elvas 122. A Douradinha – Elvas 123. A Laranjinha – Elvas 124. Minha Queridinha – Viver sem ti (Duas Danças) - Alemtejo 125. Rita Maritana – Allemtejo 126. Machadinha – Só ouço bradar (duas danças) Beja 127. Manuelito – Vila viçosa 128. Marianita foi à fonte – Vila Viçosa 129. Atrás das Pulgas – Moura 130. Pulgas (dança pulada) – oh Comadre (cantiga) Alemtejo 131. Rosa Branca (cantiga) – Olha a Noiva (dança de roda) – Alemtejo 132. Atira Caçador – Moleirinha (duas danças de roda) – Alemtejo 133. A Botica é boa (dança) – Alemtejo 134. Senhora Preta (dança de roda) – Alemtejo 135. Oh Senhor Da Roda (jogo) – Alemtejo 136. A Saia Balão (cantiga das ruas) – São Palmas (cantiga) – Beja – Alemtejo 137. Oh Palmas – A minha Lavadeira (danças de roda) – Vimeiro 138. Ai Laços – Vimeiro 139. O Nunes Cacilhas – Vimeiro

105 111 119 124 130 137 142 143 144 149 152 154 156 164 165 166 e 167 168 178 179 180 181 182 183 189 192 194 196 198 199 200 216 224 227 229 230 231 237 252

39 40 41 42 43

44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61

62 63

64 65 66 67

68

69

70 71 72 73

74

75 76

140. O

Valverde, Ladrão – Vila Viçosa 141. Aldeia das Laranjas (dança) – Alemtejo 142. O Trevo (Porto) – Frum Frum – Alemtejo 143. Dona Águeda de Mexia – romance – Alemtejo 144. Cantigas Carnaval 1 – Alemtejo 145. Cantigas Carnaval 2 e3 – Alemtejo 146. Meu Doce Bem (Eu não quero mais amar…) – Alemtejo 147. Diga Usted (cantiga portuguesa) – Cabello Entrançado (dança de roda) - Alemtejo 148. Puladinho (dança) – Alemtejo 149. Vá de GIRA Gira (dança de roda ou passeio) – Alemtejo 150. Bahiana (Já Fui à Baia…) – Alemtejo 151. Venho do Delgado (dança) – Alemtejo 152. (As Vaccas – Açores) – Oh Brinches (dança ed roda) Alemtejo

253 254 255 257 258 259 267 270 271 272 280 281 295

77 78 79 80 81 82 83 84

85 86 87 88 89

51 PAUTAS
(várias acopladas 25)

03 - in subsídio para o Cancioneiro Popular do Baixo Alentejo (Volume II) - Comentário, recolha e notas de Manuel Joaquim Delgado... 1980 (1ª ed. 1955).

203

03 – in subsídio para o Cancioneiro Popular do Baixo Alentejo (Volume II) - Comentário, recolha e notas de Manuel Joaquim Delgado, 1980 (1ª ed. 1955).
Nº conti

Título - Melodia in http://wencesmc.web.interacesso.pt/delgado1.htm#Acom Ai Que Chita tão bonita http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad01.mid Quando eu ouvi esta moda http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad02.mid Partida para os Açores http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad03.mid A Nossa Senhora d’Aires http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad04.mid A vinda do Rei a Beja http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad05.mid Ó Loendreiro http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad06.mid Chamaste-me extravagante http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad07.mid Solidão http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad08.mid Ao passar a ribeirinha http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad09.mid Vai colher a rosa http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad10.mid Manjerico da janela http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad11.mid Estava de abalada http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad12.mid Ao cantar do passarinho http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad13.mid Ó Pavão http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad14.mid Ai que praias http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad15.mid Se fores ao Alentejo http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad16.mid Lá vai o comboio, lá vai http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad17.mid Vamos nós seguindo http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad18.mid Não quero que vás à monda http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad19.mid Olha a laranja da China http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad20.mid Eu ouvi, mil vezes ouvi http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad21.mid Linda jovem era pastora http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad22.mid (A Rita) Esta é que é a moda http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad23.mid

Pág. e nº na obra

153 154 155 156 157 158

11 12 13 14 15 16

1 2 3 4 5 6

159 160 161 162 163 164 165 166 167

16 17 17 17 18 18

7 8 9 10 11

12 18 19 19 19 20 20 21 13 14 15 16 17 18 19 20 22 21 22 23 23

168 169 170 171

172
173 174 175

176 177 178 179 180 181 182 183 184 185 186 187 188 189 190 191 192 193 194 195 196 197 198 199 200 201 202 203

Vila Nova de Ferreira http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad24.mid Amareleja, minha terra http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad25.mid Se fores um dia a Serpa http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad26.mid Camponesa, camponesa http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad27.mid Ribeira vai cheia http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad28.mid Fui ao trevo http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad29.mid Eu esta manhã achei http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad30.mid Alecrim http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad31.mid Senta-te aqui, ó António Meu lírio roxo do campo http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad33.mid Anda cá se queres água Anda cá, José, se queres http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad35.mid Fui-te ver, estavas lavando http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad36.mid Os olhos da Marianita http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad37.mid Maria da Rocha http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad38.mid Meu lírio roxo (Se eu tivesse a liberdade...) http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad39.mid Ó minha amora madura http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad40.mid Ó erva cidreira http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad41.mid Todos os bem casadinhos http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad42.mid Doba, doba, dobadeira, doba http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad43.mid Moreninha alentejana http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad44.mid Rosa branca desmaiada http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad45.mid Já morreu quem me lavava http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad46.mid Ao romper da bela aurora http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad47.mid Acorda, Maria, acorda http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad48.mid Vai-te embora, António http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad49.mid Eu atrás das pulgas http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad50.mid Ó oliveira da serra http://wencesmc.web.interacesso.pt/midis/delgad51.mid

24 24 25 26 25 27 28 29 27 30 31 32 33 34 29 35 36 30 37 38 31 39 40 32 41 42 43 34 44 45 35 46 47 36 48 49 37 50 51

28

10 PAUTAS

04 - in A CANÇÃO POPULAR PORTUGUESA, de Fernando Lopes Graça, 2ª ed., Publicações Europa América, 1974

213

04 - in A CANÇÃO POPULAR PORTUGIESA, de Fernando Lopes Graça, 2ª ed., Publicações Europa América, 1974.

Totais soma
204 205 206 207 208 209 210 211 212 213

Nome

Refª

Pág e Nº na obra 66 70 71 99 102 121 122 124 125 126
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Fui-te ver. ‘stavas lavando Meu amor me deu um lenço Ó minha amora madura Eu hei-de dar ao Menino Entrai, Pastores, entrai Ó Serpa. Pois tu não ouves Olha a noiva se vai linda Chamaste-me extravagante Aldeia da Caridade Não quero que vás à monda

(14 Alentejo) (18 Serpa Alentejo) (19 ??) (34 Natal Évora) (37 Natal Peroguarda) (53 Serpa) (54 Serpa) (56 Alentejo) (57 Caridade – Alentejo) (58 Caridade – Alentejo)

31 PAUTAS

05 - in CANTARES DO POVO PORTUGUÊS, estudo crítico, recolha e comentário de RODNEY GALLOP, Instituto de Alta Cultura,2ª ED., Lisboa, MCMLX.

244

05 - in CANTARES DO POVO PORTUGUÊS, estudo crítico, recolha e comentário de RODNEY GALLOP, Instituto de Alta Cultura,2ª ED., Lisboa, MCMLX.

Totais soma
214

Nome

Refª

Pág e Nº na obra 41 42 43 43 44 45 46 47 47 48 49 49 50 50 51 52 53 54 54 55 55 56 57 58 59 60 60 61
11

As ondas do teu Cabelo Sisirão, Sisirão, Sisirão A morte vem e não tarda De noite tudo são sombras Meu amor me deu um lenço Ó vizinha tem lá lume Esta palavra Saudade Hei-de ir para o Algarve A Senhora d’Aire Ladrão 1 – foste tu, foste tu ladrão Ladrão 2 – Ó Matilde levanta a saia Ladrão 3 – Ó pavão, linda pavão Ladrão 4 – ó meio tostão Tenho barcos, tenho remos Donde vens ó Ana Senta-te aqui, ó António Aurora teve um m’nino Eu ouvi, mil vezes ouvi Ai que praias tão lindas Ó Senhora, Mãi dos Homens O primeiro amor que tive (Rapariga tola, tola…) Senhora Santa Susana Gira que gira fiando o linho À entrada d’Elvas (Rouba, rouba, rouba…) Apanhar o trevo São João p’ra ver as moças São João (melodia de uma moda ouvida…) Portas d’Elvas, portas d’Elvas

215

Cantiga bailada do Passeiro do Monte, na Serra de Monfurado (Montemor-oNovo) Cantiga bailada do Passeiro do Monte, na Serra de Monfurado (Montemor-oNovo)

12

216 217 218 219 220 221 222 223 224 225 226 227 228 229 230 231 232 233 234 235 236 237 238 239 240 241

Recolhida em Serpa Recolhida em Serpa Recolhida em Serpa Recolhida em Serpa Recolhida em Serpa (poema de Afonso Lopes Vieira) Recolhida em Serpa Recolhida em Serpa Cantiga bailada recolhida em Serpa. Variante do «LADRÃO» Variante do «LADRÃO» recolhida em Serpa Variante do «LADRÃO» recolhida em Serpa Variante do «LADRÃO» recolhida em Serpa Recolhida em Serpa Recolhida em Serpa Recolhida em Serpa Recolhida em Serpa Recolhida em Serpa
Canção de Romaria, dos arredores de Beja Recolhida no Maranhão (Alto Alentejo – Avis - Barragem) Dos arredores de Évora De Pavia (Alto Alentejo - Mora) Cantiga bailada de Aviz Cantiga bailada de Aviz Cantiga bailada de S. João (Aviz)

13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38

Recolhida em Aviz (cantiga das raparigas solteiras…) Recolhida em Elvas

242 243 244

Nossa Senhora faz meia (melodia???) Não quero que vás à monda

Recolhida em Elvas (Quadra de António Nobre) Recolhida em Elvas Recolhida em Elvas

62 62 63

39 40 41

38 PAUTAS

06 - in CANCIONEIRO POPULAR PORTUGUÊS, Michel Giacometti, com a colaboração de Fernando Lopes Graça, Círculo de Leitores, Lisboa, 1981

282

06 - in CANCIONEIRO POPULAR PORTUGUÊS, Michel Giacometti, com a colaboração de Fernando Lopes Graça, Círculo de Leitores, Lisboa, 1981.

Totais soma
245 246 247 248

Nome

Refª

Nº na obra Pág Nº obra – p - Nº

Por baixo di a porta hai luz Descante aos noivos Senhora do Livramento Rogativa Lá Vai o Comboio, Lá Vai Moda dos adeuses Vou-me embora pra Lisboa Moda de despedida Eu hei-de dar ao Menino Natal Entrai Pastores, Entrai Natal Do tronco nasceu a rama Natal Esta Noite é de Janeiras Canto de Peditório Quais são os Tres Cavalheiros Canto de Peditório pelos Reis Quais foram os três Cavalheiros Canto de Peditório pelos Reis À porta duma Alma Santa Canto de Peditório pelos Reis O Tempo do Entrudo Moda do Carnaval Toque de Peditório (No dia de S. Pedro) A Nossa Senhora d’Aires Canto de Romeiros (3º DOM / SET Vai-se o Dia, Vem a Noite Moda da Lavoura Ai, Tu é que és o meu Rapaz Moda da Lavoura Nos somos Trabalhadores Moda de protesto Camponês Alentejano Moda de protesto Oliveiras, Oliveiras Moda do varejo Ó Laurinda, Linda, Linda Romance novelesco Ó Pavão, Lindo Pavão Moda de cadeia

M. Giacometti – F. Lopes Graça Amareleja \ Moura. Beja, 1973 A. I. Pombinho Matos Veiga Portel / Évora, ant. 1962 A. Marvão Vidigueira / Beja 1920 – 1942 M. Giacometti – F. Lopes Graça Peroguarda / Ferreira do Al., 1970 G. Cartaxo Évora, 1930 - 1931 M. Giacometti – F. Lopes Graça Peroguarda / Ferreira do Al., 1966 M. Giacometti – F. Lopes Graça Safara / Moura / Beja 1968 M. Giacometti – F. Lopes Graça Mértola / Beja 1970 M. Giacometti – K. Setti (F. Lopes Graça) Peroguarda / Ferreira do Al., 1965 M. Giacometti – F. Lopes Graça Barbacena / Elvas. Portalegre 1970 M. Giacometti – F. Lopes Graça S. Aleixo da Restauração / Moura, Beja 1965 M. Giacometti – F. Lopes Graça Granja de Mourão / Mourão, Évora 1963 E. Monteiro Serpa / Beja 1900 A. Marvão Vidigueira / Beja 1920 – 1942 M. Giacometti – F. Lopes Graça Vila Verde de Ficalho / Serpa, Beja 1967 A. Marvão Amareleja / Moura, Beja 1920 – 1942 M. Giacometti – K. Setti (F. Lopes Graça) - Peroguarda / Ferreira do Al., 1965 M. Giacometti – F. Lopes Graça Vidigueira / Beja 1966 M. Giacometti – F. Lopes Graça Aldeia Nova de S. Bento / Serpa, Beja 1965 M. Giacometti – F. Lopes Graça Monte da Casa Velha, Alferce / Monchique, Faro 1962 A. Duarte Portel, Évora ant. 1943

14 17 18 20 23 25 26 27 29

26 30 32 35 42 44 45 46 51

42 43 44 45

249 250

46 47

251 252 253

48 49 50

254

31 32 35 58 61 72 73 92 93 96 133 146

55 56 61 88 91 104 106 127 128 135 181 198

51

255

52

256

53

257 258

54 55

259

56

260

57

261

58

262 263

59 60

264

61

265

62

266 267 268 269 270 271 272

Ai, Festas de Campo Maior (Saias) UM AH! Pregão de caramelos Peles de Chibo Pregão de peles Loiça de Folha Barata (pregões) Amolar Tixoiras (pregões) OH DEVOTOS E DEVOTAS Peditório Trovoadas Nasce Sol e seus Horizontes (do auto da Criação do Mundo) O Vos Omnes Canto da Verónica (Padeirinha) Ó que Linda Pomba Branca (pauta em 3 páginas) Não quero que vás à Monda Meu Lírio Roxo do Campo Ó Aldeia das Laranjas Fui-te ver, ‘stavas lavando Meu Amor me deu um Lenço Não quero que me dês Nada Toca a caixa, acerta a Marcha Ó Galamba, avança, avança Canção de guerrilha (1846)

M. Giacometti – F. Lopes Graça Campo Maior / Portalegre 1965 A. Tomás Pires Elvas, 1906 (?) A. Tomás Pires Elvas, 1906 (?) C. das Neves e G. de Campos (?) 1870 – 1898 A. Tomás Pires Elvas, 1906 (?) A. Tomás Pires Elvas, 1906 (?) M. Giacometti – F. Lopes Graça Rio de Moinhos / Borba, Évora 1964 M. Giacometti – F. Lopes Graça Redondo / Évora 1970 M. Giacometti – F. Lopes Graça Aldeia Nova de S. Bento / Serpa, Beja 1965 F. Lopes Graça Caridade / Reguengos de Monsaraz, Évora 1949 A. Marvão Beja 1920 – 1942 A. Duarte Portel / Évora, ant. 1943 F. Lopes Graça Alentejo (?) – 194? F. Lopes Graça Serpa / Beja – 1946 D. Garcia Pulido Serpa / Beja – 1901 Soeiro de Brito e Vitorino de Almada Alentejo (?) 1870 - 1898 J. M. Soeiro de Brito e Vitorino de Almada Alentejo (?) 1870 - 1898

161 180 185 187 189 192 198 204 207 209 210 212 217 220 225 243 247

212 228 229 230 230 231 238 243 250 255 256 258 263 267 271 293 296

63 64 65 66 67 68 69

273 274

70 71

275

72

276 277 278 279 280 281

73 74 75 76 77 78

282

79

25

07 - in Música Tradicional Portuguesa - Cantares do Baixo Alentejo, por J. Ranita da Nazaré, Biblioteca Breve, Instituto de Cultura Portuguesa, Venda Nova Amadora, 1979

307

07 - in Música Tradicional Portuguesa - Cantares do Baixo Alentejo, por J. Ranita da Nazaré, Biblioteca Breve, Instituto de Cultura Portuguesa, Venda Nova Amdora, 1979.
Totais soma
283

Nome

Refª

Nº na obra Pág Nº obra – p - Nº

Valha-me Deus, tanta calma Que anda por lá trabalhando Valha-me Deus, tanta calma Algum dia eu cantando Ó minha Mãe. Minha Mãe Na mesma campa, nasceram Oliveiras, oliveiras Uma mãe que o filho embala Se eu te quisesse dar pena Muito bem parece Ó rua Alegre de Pias Deitei um limão correndo Qualquer filho d’homem pobre À porta duma alma santa O Menino está na neve Ó Serpa pois tu não ouves Ó Virgem Senhora d’Aires Das ruas que Serpa tem Amores daquela banda (modo de Fá) (modo de Sol) Mal não uses, mal não cuides Linda flor é a da murta P’ra lá d as ondas do mar Venho-lhe dar os bons anos Vamos cantar os Reis O Menino está na neve Eu hei-de dar ao Menino

Fig 1 Fig 2 Fig 3 Fig 4 Fig 5 Fig 6 Fig 7 Fig 8 Fig 9 Fig 10 Fig 11 Fig 12 Fig 13 Fig 14 Fig 15 Fig 16 Fig 17 Fig 18 Fig 19 Fig 20 Fig 21 Fig 22 Fig 23 Fig 24 Fig 25 Fig 26 Fig 27 Fig 28

35 36 37 38 40 42 43 44 46 47 48 49 50 51 52 56 57 58 60 61 62 63 64

80

284 285 286 287 288 289 290 291 292 293 294 295 296 297 298 299 300

81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97

301 302 303 304 305 306 307

98 99

66 100 67 101 68 102 69 103 70 104

125

08 - in Momentos Vocais do Baixo Alentejo, por João Ranita da Nazaré, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1986

432

08 - in Momentos Vocais do Baixo Alentejo- Cancioneiro da Tradição Oral , por João Ranita da Nazaré, Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1986.
Totais soma
308. 309. 310. 311. 312. 313. 314. 315. 316. 317. 318. 319. 320. 321. 322. 323. 324. 325. 326. 327. 328. 329. 330. 331. 332. 333. 334. 335. 336. 337. 338. 339. 340. 341. 342. 343. 344. 345. 346. 347. 348. 349. 350. 351. 352. 353. 354. 355. 356. 357. 358.

Nome
Senhora Santa Luzia Lírio Roxo Adeus Alentejo querido Levantei-me um dia cedo Fui colher uma laranja Ribeira do Enxoé Menina que estás à janela Ao romper da bela aurora Trovoada Ó água que vais correndo Serpa do Alentejo O passarinho Não quero que vás à monda Serpa que és minha terra Avoa Pombinha avoa Aurora tem um menino Lá vai Serpa lá vai Moura Vai remando O Menino Jesus Ceifeira linda ceifeira Não tem sombra o Alentejo Ao entrar no cemitério Ó Loendreiro Dia da Cruz é feriado Quando eu fui ao Jardim Menina da saia branca Martim Moniz Sentei-me a beira do rio Ó que linda pomba branca Onde vais ó camponesa Varejo Janeiras O Menino Jesus Já lá vão em alto mar Vai-te, vai-te que te não quero Já lá vem rompendo a aurora Cabelo entrançado Já lá vem as cinco pretas Santo Aleixo povo herói Meu Alentejo dourado Lindo ramo verde-escuro Janeiras Malmequer criado no campo Nossa Senhora das Pazes Resolvi ir até Lisboa O ponto do nosso grupo Adeus ó Baixo Alentejo Quando abalei da Baia Já morreu quem me lavava Janeiras Menino

Refª
Pias 01 Pias 02 Pias 03 Pias 04 Pias 05 Pias 06 Pias 07 Pias 08 Pias 09 Pias 10 Serpa 01 Serpa 02 Serpa 03 Serpa 04 Serpa 05 Serpa 06 Serpa 07 Serpa 08 Serpa 09 Aldeia Nova S Bento 01 Aldeia Nova S Bento 02 Aldeia Nova S Bento 03 Aldeia Nova S Bento 04 Aldeia Nova S Bento 05 Aldeia Nova S Bento 06 Aldeia Nova S Bento 07 Aldeia Nova S Bento 07 Aldeia Nova S Bento 08 Aldeia Nova S Bento 09 Aldeia Nova S Bento 10 Aldeia Nova S Bento 11 Aldeia Nova S Bento 12 Aldeia Nova S Bento 13 S Aleixo da R 01 S Aleixo da R 02 S Aleixo da R 03 S Aleixo da R 04 S Aleixo da R 05 S Aleixo da R 06 S Aleixo da R 07 S Aleixo da R 08 S Aleixo da R 09 Vila Verde de Ficalho 01 Vila Verde de Ficalho 02 Vila Verde de Ficalho 03 Vila Verde de Ficalho 04 Vila Verde de Ficalho 05 Vila Verde de Ficalho 06 Vila Verde de Ficalho 07 Vila Verde de Ficalho 08 Vila Verde de Ficalho 09

Nº na obra Pág Nº obra – p - Nº

001 002 003 004 005 006 007 008 009 010 011 012 013 014 015 016 017 018 019 020 021 022 023 024 025 026 027 028 029 030 031 032 033 034 035 036 037 038 039 040 041 042 043 044 045 046 047 048 049 050 051

48 - 49 50 - 51 52 - 53 54 - 55 56 - 57 58 - 59 60 - 61 62 - 63 64 - 65 66 - 67 72 - 73 74 - 75 76 - 77 78 - 79 80 - 81 82 - 83 84 - 85 86 - 87 90 - 91 96 - 97 98 - 99 100 - 101 102 - 103 104 - 105 106 - 107 108 - 109 110 - 111 112 - 113 114 - 115 116 - 117 118 - 119 122 - 123 124 - 125 130 - 131 132 - 133 134 - 135 136 - 137 138 - 139 140 - 141 142 - 143 144 - 145 148 - 149 154 - 155 156 - 157 158 - 159 160 - 161 162 - 163 164 - 165 166 - 167 170 - 171 172 - 173

105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121 122 123 124 125 126 127 128 129 130 131 132 133 134 135 136 137 138 139 140 141 142 143 144 145 146 147 148 149 150 151 152 153 154 155

359. 360. 361. 362. 363. 364. 365. 366. 367. 368. 369. 370. 371. 372. 373. 374. 375. 376. 377. 378. 379. 380. 381. 382. 383. 384. 385. 386. 387. 388. 389. 390. 391. 392. 393. 394. 395. 396. 397. 398. 399. 400. 401. 402. 403. 404. 405. 406. 407. 408. 409. 410. 411. 412. 413. 414. 415. 416. 417. 418. 419.

Ó António lindo António Almodôvar minha Terra Caminhando pró Vapor Já lá vem no alto mar Pensei ir a Lisboa Levantei-me um dia cedo Trigueirinha Vamos nós saindo Muito bem parece Afonso Henriques um dia Flores da nossa terra São João Ó Virgem Senhora d’Aires_ Pelo toque da viola A pastorinha A tirana Muito bem parece Janeiras Menino Jesus Onde vais ó Luisinha Alentejo dá Pão Saudades são martírios Eu sou marinheiro Sai a pomba do pombal A ribeira do Sol-Posto A ponte do Roxo OLÁ Andorinha vem das ilhas Estava de abalada Já lá vem rompendo a aurora Meu lírio roxo Janeiras O meu anel Rio Guadiana As cobrinhas de água Mértola do Guadiana Nossa Senhora das Neves Passarinho prisioneiro Não quero que vás à monda Maria pega na carta Ao rompe da bela aurora Lírio roxo Reis Janeiras Quinta-Feira da Ascensão Faço vazas de ganhão Uma jovem era pastora São João de Messejana Senhora da Assunção A palavra saudade Algarve é um jardim Passarinho prisioneiro Janeiras Menino Jesus Angola é portuguesa Noite tão serena Maria morreu O Alentejo quando canta Onde mora a saudade Igreja da nossa Terra Aljustrel é o meu concelho

Almodôvar 01 Almodôvar 02 Almodôvar 03 Almodôvar 04 Almodôvar 05 Almodôvar 06 Almodôvar 07 Castro Verde 01 Castro Verde 02 Castro Verde 03 Castro Verde 04 Castro Verde 05 Cuba 01 Cuba 02 Cuba 03 Cuba 04 Cuba 05 Cuba 06 Cuba 07 Ferreira do Alentejo Ferreira do Alentejo Ferreira do Alentejo Ferreira do Alentejo Ferreira do Alentejo Ferreira do Alentejo Ferreira do Alentejo Ferreira do Alentejo Ferreira do Alentejo Ferreira do Alentejo Ferreira do Alentejo Ferreira do Alentejo Ferreira do Alentejo Mértola 01 Mértola 02 Mértola 03 Mértola 04 Mértola 05 Mértola 06 Mértola 07 Mértola 08 Mértola 09 Mértola 10 Mértola 11 Mértola 12 Messejana 01 Messejana 02 Messejana 03 Messejana 04 Messejana 05 Messejana 06 Messejana 07 Messejana 08 Messejana 09 Messejana 10 Rio de Moinhos 01 Rio de Moinhos 02 Rio de Moinhos 03 Rio de Moinhos 04 Rio de Moinhos 05 Rio de Moinhos 06 Rio de Moinhos 07

01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13

052 053 054 055 056 057 058 059 060 061 062 063 064 065 066 067 068 069 070 071 072 073 074 075 076 077 078 079 080 081 082 083 084 085 086 087 088 089 090 091 092 093 094 095 096 097 098 099 100 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112

182 - 183 184 - 185 186 - 187 188 - 189 190 - 191 192 - 193 194 - 195 202 - 203 204 - 205 206 - 207 208 - 209 210 - 211 218 - 219 220 - 221 222 - 223 224 - 225 226 - 227 230 - 231 232 - 233 240 -241 242 - 243 244 - 245 246 - 247 248 - 249 250 - 251 252 - 253 254 - 255 256 - 257 258 - 259 260 - 261 262 - 263 266 - 267 272 - 273 274 - 275 276 - 277 278 - 279 280 - 281 282 - 283 284 - 285 286 - 287 288 - 289 290 - 291 294 - 295 296 - 297 304 - 305 306 - 307 308 - 309 310 - 311 312 - 313 314 - 315 316 - 317 318 - 319 322 - 323 324 - 325 330 - 331 332 - 333 334 - 335 336 - 337 338 - 339 340 - 341 342 - 343

156 157 158 159 160 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 171 172 173 174 175 176 177 178 179 180 181 182 183 184 185 186 187 188 189 190 191 192 193 194 195 196 197 198 199 200 201 202 203 204 205 206 207 208 209 210 211 212 213 214 215 216

420. 421. 422. 423. 424. 425. 426. 427. 428. 429. 430. 431. 432.

Menino Jesus Janeiras Reis Ó águia que vais tão alta Linda jovem era pastora A bandeira portuguesa Muito bem parece Brasil e Portugal Ceifeira linda ceifeira Toda a bela noite Passarinho prisioneiro Menino Jesus Ó Maria ó António

Rio de Moinhos 08 Rio de Moinhos 09 Rio de Moinhos 10 Vidigueira 01 Vidigueira 02 Vidigueira 03 Vidigueira 04 Vidigueira 05 Vidigueira 06 Vidigueira 07 Vidigueira 08 Vidigueira 08 São Marcos da Ataboeira

113 114 115 116 117 118 119 120 121 122 123 124 125

346 348 350 358 360 362 364 366 368 370 372 376 386

-

347 349 351 359 361 363 365 367 369 371 373 377 387

217 218 219 220 221 222 223 224 225 226 227 228 229

145 + 23? PAUTAS

09 - in Cancioneiro de SERPA, de Maria Rita Ortigão Pinto Cortez, 1994...

592 600

09 - in Cancioneiro de SERPA, de Maria Rita Ortigão Pinto Cortez, edição da Câmara Municipal de Serpa, 1994.
432. Nº de linhas 433. 1. 434. 435. 436. 437. 438. 439. 440. 441. 442. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Nº na obra Título Página na obra

443. 11. 444. 12. 445. 13. 446. 447. 448. 449. 450. 451. 452. 453. 14. 15. 16. 17. 18. 19. 20. 21.

10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40

454. 22. 455. 23. 456. 24. 457. 458. 459. 460. 461. 462. 463. 464. 465. 466. 467. 468. 469. 470. 471. 472. 473. 474. 25. 26. 27. 28. 29. 30. 31. 32. 33. 34. 35. 36. 37. 38. 39. 40. 41. 42.

Lá vai Serpa, lá vai Moura [inclui a versão em fado de Coimbra de Francisco Menano]. Ó Serpa, pois tu não ouves? Ó Serpa do Alentejo. Adeus, ó vila de Serpa / letra do Mestre José Gato. Ó Serpa velhinha (cantiga) / letra de António Santinhos. Ó Serpa velhinha (moda) / letra de António Santinhos. Serpa que és minha terra. Viva o rei, viva a rainha. Cantigas: Cantiga: Despedida e Cantiga Ó Serpa, tu não és vila. (Cantam-se frequentemente com a música de “Ó Serpa do Alentejo” De Aldeia Nova, São Bento. Mondadeira alentejana. As mondadeiras cantando / poema de José Elias Torrão; música de Francisco António Elias Torrão. Não quero que vás à monda. Ceifeira, linda ceifeira. Cantigas. Aqui vou mais minha prima e Esta noite Choveu prata Melancolia dos campos. Moreninha alentejana. Fui-te ver, 'stavas lavando. O pastor alentejano. + Cantigas: De noite, pelas estrelas e Sendo eu Sol e tu Sombra Toda a vida fui pastor. O lírio roxo. Cantigas: O cantar é dos anjinhos + Ó amor, amor + Onte’à noite, à meia noite O lírio roxo do campo. Fui passear. Rosa branca desmaiada. Rosa amarela. Vamos apanhar a rosa. Que inveja tens tu da rosa. Uma flor que abriu em Maio. A erva cidreira... A macela A medronheira no vale. O alecrim. Vai colher a silva. Silva que estás enleada. A rama da oliveira. Lindo ramo verde escuro. Ó amendoeira. A flor da laranjeira. A laranjinha.

44 e 45 46 46 e 47 48 e 49 50, 51 e 52 53 54 e 55 56 e 57 58 e 59 60 e 61

62 e 63 64 e 65 66 e 67 68 e 69 70, 71 e 72 73 74 e 75 76 e 77 78 e 79 80 e 81 82 e 83 84 85 e 86 87 88 e 89 90 e 91 92 e 93 94 e 95 96 e 97 98 e 99 100 e 101 102 e 103 104 e 105 106 e 107 108 e 109 110 e 111 112 e 113 114 e 115 116 e 117 118 e 119 120 e 121 122 e 123

475. 476. 477. 478. 479. 480. 481. 482. 483. 484. 485. 486. 487. 488. 489. 490. 491. 492. 493. 494. 495. 496. 497. 498. 499. 500. 501. 502. 503. 504. 505. 506. 507. 508. 509. 510. 511. 512. 513. 514. 515. 516. 517. 518. 519. 520. 521. 522. 523. 524. 525. 526. 527. 528. 529. 530. 531. 532.

43. 44. 45. 46. 47. 48. 49. 50. 51. 52. 53. 54. 55. 56. 57. 58. 59. 60. 61. 62. 63. 64. 65. 66. 67. 68. 69. 70. 71. 72. 73. 74. 75. 76. 77. 78. 79. 80. 81. 82. 83. 84. 85. 86. 87. 88. 89. 90. 91. 92. 93. 94. 95. 96. 97. 98. 99. 100.

41 42 43 44 45. 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 74 75 76 77 78 79 80 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98

Uma laranja, duas laranjas. Mangerico, folha verde. Mangerico da janela. Eu esta manhã achei (coreográfica). Menina (que) 'stás à janela. O extravagante. Olha a noiva, se vai linda. Ó mei' tostão. Amanhã anda à roda. Ó tim, ó tlim, tim, tim. O balão. Estou-me divertindo. Rouxinóis, caracóis, bichas móis. (PASSARADA) Olha o passarinho. O passarinho. Levantou-se o mundo inteiro. O cartaxinho. O papagaio. A pombinha branca. Atira, caçador, atira. O pavão (coreográfica). Os quatro patinhos. Lá nos campos cantavam os grilos. As cobrinhas de água. O milhano. Há lobos sem ser na serra. O comboio. Tinhas-me tanta amizade. (CARTA) Vou-me embora, vou partir. O emigrante. Eu hei-de ir para o Algarve. Estando eu à porta sentado. Ó morena. Tenho barcos, tenho remos. Ai que praias. A jovem linda. Eu ouvi, mil vezes ouvi. Meu amor me deu um lenço. O sol é que alegra o dia. As nuvens que andam no ar. Estrelinha do Norte. Dá-me uma gotinha de água. Eu ia pela rua. (Não é tarde nem é cedo…) O que levas na garrafinha?. Foste tu, ó ladrão, ladrão. Era meia-noite. (O ladrão) Meus senhores, que rapariga esta. - O Bimbas. (O Bimbas) Acorda, Maria, acorda. Com que letra se escreve Maria? Maria Malveira. (Ribeira vai cheia…) Minha mãe chama por Ana. Donde vens, ó Ana?. Os olhos da Marianita. Marianita, és baixinha. Matilde, levanta a saia. Ó Menina Florentina. Aurora. (Uma mãe que o filho embala…)

124 e 125 126 e 127 128 e 129 130 e 131 132 e 133 134 e 135 136 e 137 138 e 139 140 e 141 142 e 143 144 e 145 146 e 147 148 e 149 150 e 151 152 e 153 154 e 155 156 e 157 158 e 159 160 e 161 162 e 163 164 e 165 166 e 167 168 e 169 170 e 171 172 e 173 174 e 175 176 e 177 178 e 179 180 e 181 182 e 183 184 e 185 186 e 187 188 e 189 190 e 191 192 e 193 194 e 195 196 e 197 198 e 199 200 e 201 202 e 203 204 e 205 206 e 207 208 e 209 210 e 211 212 e 213 214 e 215 216 e 217 216 218 e 219 220 e 221 222 e 223 224 e 225 226 e 227 228 e 229 230 e 231 232 e 233 234 e 235 236 e 237

533. 534. 535. 536. 537. 538. 539. 540. 541. 542. 543. 544. 545. 546. 547. 548. 549. 550.

101. 102. 103. 104. 105. 106. 107. 108. 109. 110. 111. 112. 113. 114. 115. 116. 117. 118.

99 100 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116

551. 552. 553. 554. 555. 556. 557. 558. 559. 560. 561. 562. 563. 564. 565. 566. 567. 568. 569. 570. 571. 572. 573.

119. 120. 121. 122. 123. 124. 125. 126. 127. 128. 129. 130. 131. 132. 133. 134. 135. 136. 137. 138. 139. 140. 141.

117

Ó Rosa (Rita), arredonda a saia. Esta é que era a moda. Claudina (Celestina). Senta-te aqui, ó António. Ó António, já lanchaste? José Marques (coreográfica). Linda Jóia. A tourada. (Foste, foste, eu em sei que foste…) Tira o capotinho. Ó Elvas, ó Elvas. Camponesa, camponesa. Coração, alma e vida. (Portel ó lindo Portel…) Baleizão. Já lá vem rompendo a aurora / letra de António Santinhos. Nasce o sol no Alentejo / letra de José Lopes Gato. Alentejo, que és nossa terra. Alentejo, Alentejo / letra e música de José Lopes Gato. Cantigas. – (16 páginas com muitas letras… Cantando na linda Rama (mais duas) – 272 Passarinho que cantais (mais cinco) – 273 Os olhos requerem olhos – 274 Algum dia eu era (mais três) – 275 Eu já estava de abalada – 276 Mais tarde deu em chover – 277 Eu tenho quarenta amores… (com 12 (doze) quadras) – 278 Ó minha Mãe, minha Mãe… (com 14 (catorze) quadras) – 279 Chorai olhos, chorai olhos… (com 13 (treze( quadras…) – 280 Com um “a” se escreve amor… (com 12 (doze) quadras) – 281 Se eu soubesse quem tu eras (com 14 (catorze) quadras) – 282 Da minha janela à tua (com 12 (doze) quadras) – 283 Nestes campos solitários (Com 4 (quatro) quadras) – 284 As estrelas do céu correm (com 5 (cinco) quadras) – 285 Se fores ao cemitério (com 12 (doze) quadras – 286 O cantar não é ciência (com 13 (treze) quadras) – 287 Vamos lá saindo. Cancioneiro infantil: - texto -

238 e 239 240 e 241 242 e 243 244 e 245 246 e 247 248 e 249 250 e 251 252 e 253 254 e 255 256 e 257 258 e 259 260 e 261 262 e 263 264 e 265 266 e 267 268 e 269 270 e 271 272 a 287

288 e 289 293 a 296 297 298 a 301 302 e 303 304 e 305 306 e 307 308 e 309 310 e 311 312 e 313 314 e 315 316 e 317 318 e 319 321 a 324 325 326 e 327 328 e 329 330 a 333 334 e 335

sp 118 119 120 121 122 123 124 125 126 127

Lengalengas. A Viscondessa (roda infantil). Floreira jardineira. (roda infantil). Na Botica Nova. Olha a borboleta. Rosa branca ao peito. Ó Senhora Dona Anica. Diga lá, minha menina. As pombinhas da Catrina Venho da Ribeira nova Que barca é aquela Contos, lendas, provérbios: texto explicativo…

sp sp sp sp sp

O sapo e a zorra. Periquito e Periquita. O Era-Não-Era. Romance de Dona Silvana. A Cobra da Marreira.

574. 142. sp 575. 143. sp 576. 577. 578. 579. 580. 581. 582. 583. 584. 585. 586. 587. 588. 589. 590. 591. 592. 593. 594. 595. 596. 597. 598. 599. 600. 601. 602. 603. 604. 605. 606. 607. 608. 609. 610. 144. 145. 146. 147. 148. 149. 150. 151. 152. 153. 154. 155. 156. 157. 158. 159. 160. 161. 162. 163. 164. 165. 166. 167. 168. 169. 170. 171. 172. 173. 174. 175. 176. 177. 178. sp sp sp sp sp sp

O medo da Bemposta, e outras histórias. A lenda da Condessinha. (A janela entaipada… a filha do Conde de Ficalho que caiu…) Histórias de dois cruzeiros. São Próculo e Santo Hilarião. O milagre de S. Francisco e Sto. António. Nossa Senhora de Guadalupe. A Serpe do Rio Ana. A lenda de Serpínia. Ditos e provérbios. (ilustrados e notas…) Cancioneiro religioso: (notas explicativas…)

336 e 337 338 e 339 340 341 341 342 a 345 346 347 a 349 350 a 356 357 a 361 362 a 364 366 e 367 368 e 369 370

128 129 130 131 132 133 134 135 136 137 138 139 140 141 142 143 144 145 sp sp sp sp sp sp

Moda de Deus Menino. Janeiras. Reis. Preces a São Francisco: [Bendita e louvada seja e Cântico a S. Francisco] e nota explicativa. Cântico a S. Francisco] e nota explicativa. Bendita sejais. (Pauta da versão de Serpa e outra de Pias Bendita sejais. (Pauta da versão de Serpa e outra de Pias Além vai Jesus. Kyrie e Aleluia. O Bom Pastor. Senhor Jesus, Pão da Vida. Fonte de Água Viva. Nossa Senhora do Carmo / música, J. Coelho. Ó Virgem Maria. Senhora do Livramento. A Nossa Senhora de Guadalupe. Hino a Nossa Senhora de Guadalupe. Bênção da Tia Candelária. Oração a São Jerónimo. Oração (pela manhã). Padre Nosso pequenino. Ó meu Jesus do Horto. (Confissão) A vinda do Senhor.

372 e 373 374 a 377 378 e 379 378 e 379 380 e 381 382 383 384 e 385 386 e 387 388 e 389 390 e 391 392 e 393 394 e 395 396 397 398 399 400 401

133 PAUTAS

10 - in
ESTUDOS SOBRE O CANTE ALENTEJANO, de Padre António Marvão, Instituto Nacional para o Aproveitamento dos Tempos Livres dos Trabalhadores, 1997 - (que nos chegou através da colaboração de José Francisco Pereira e Eduarda Rosa, do Tratado do Cante) – (Como acontece muitas vezes: "Os últimos são os primeiros) !!!

601 733

10 - in ESTUDOS SOBRE O CANTE ALENTEJANO, de Padre António Marvão, Instituto Nacional para o Aproveitamento dos Tempos Livres dos Trabalhadores, 1997.

ÍNDICE DOS EXEMPLOS MUSICAIS:

Adeus, cemitério novo Adeus, Vila da Idanha* Água leva o regador* Ai, ai, ai Ai, ai, ai, ai* Ai de mim, tanta laranja Ai que praias. Ai sim, meu benzinho Aldeia de Amareleja Alecrim Aleluia Amores daquela banda Anda cá, José, se queres Anda cá, senta-te aqui A Nossa Senhora d'Aires Ao cantar do passarinho Ao passar a ribeirinha Ao romper da bela aurora À porta duma Alma Santa * A ribeira do sol posto A roupa o marinheiro As cobrinhas de água As saias (A)voa, pombinha (a)voa Cantem, bailem, moças Ceifeira * Chamaste-me lavadeira

12 11 50 48 69 153 66 101 127 169 182 62 142 173 20 70 78 8 36 195 40 121 188 56 190 61 147

Com que letra se escreve Maria Dizem que o cigarro tira Doba, doba, dobadeira doba Donde vens, ó Ana Estas calçadinhas Eu deitei o limão verde Eu esta manhã achei Eu fui ao mar à laranja Eu já vi uma andorinha Eu sou manjarico Eu sou marinheiro Ferreira do Alentejo Foste(s),eu bem sei que foste(s) Foste(s)-te a gabar ao Porto Fui ao trevo Fui-te ver 'stavas lavando Gira vai-te* Hino da paz Já fui bago Já lá vai o comboio novo Já lá vem rompendo aurora * Já morreu o boi capote * Já morreu quem me lavava Já não vou a Vendas Novas João Brandão Lá em Santa Iria Lá vai o comboio Lindo amor Manjarico

85 95 100 57 84 155 44 151 162 42 98 129 55 86 80 92 193 13 183 81 16 22 90 130 143 102 23 120 88

18 PAUTAS

11 - in ALENTEJO 100 POR CENTO de Prof. JOAQUIM ROQUE, 2ª Edição 1990, Peroguarda, Ferreira do Alentejo, com 196 páginas.

734 751

11 - in ALENTEJO 100 POR CENTO, de Prof. JOAQUIM ROQUE, 2ª Edição 1990, Peroguarda, Ferreira do Alentejo, com 196 páginas.

ÍNDICE DOS EXEMPLOS MUSICAIS: 1 A Nossa Senhora de

Aires - como exemplo de uma MODA que difere das Cantigas, pela ligação que nas MODAS se faz entre as respectivas QUADRAS, que é, regra geral, a repetição do último verso da quadra anterior... A PONTE DO GUADIANA A RIBEIRA QUANDO ENCHE Ó minha Mãe, Minha Mãe A Pastorinha Ó LENDROEIRO RESSUSCITOU menino_vidigueira
menino_beringel menino_SMatias

73

2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18

88 88 88 88 89 111 113 113 113 113 113 115 116 116 117 118 119

menino_Aljustrel menino_ANSBento janeiras_Amareleja janeiras_Peroguarda
janeiras_Beja

reis_Peroguarda reis_Trigaches almas_Peroguarda

joraga 2011 12