Você está na página 1de 110

Copyright©2004 by Maria Antonia Malajovich Texto atualizado em 2009

Edições BIBLIOTECA MAX FEFFER do INSTITUTO DE TECNOLOGIA ORT do Rio de Janeiro Rua Dona Mariana 213 Rio de Janeiro, 22280-020 RJ-Brasil Tel.:(5521) 2539-1842; FAX: (5521) 2286-9174

Autora: Maria Antonia Malajovich

BIOTECNOLOGIA: FUNDAMENTOS

SUMÁRIO

CAPÍTULO 1. O QUE É BIOTECNOLOGIA?

Pág. 1

A BIOTECNOLOGIA TRADICIONAL A BIOTECNOLOGIA MODERNA AS DEFINIÇÕES DE BIOTECNOLOGIA O IMPACTO DA BIOTECNOLOGIA BIOTECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO CRONOLOGIA DE ALGUNS ACONTECIMENTOS MARCANTES NA HISTÓRIA DA BIOTECNOLOGIA

CAPÍTULO 2. AS CÉLULAS E OS CROMOSSOMOS

Pág. 9

A CÉLULA COMO UNIDADE DOS SERES VIVOS Unidade estrutural Unidade funcional Relação entre as estruturas celulares e sua função Técnicas laboratoriais Toda célula deriva de outra preexistente OS CROMOSSOMOS A TEORIA CROMOSSÔMICA DA HEREDITARIEDADE AS CÉLULAS E OS CROMOSSOMOS COMO AGENTES BIOLÓGICOS

CAPÍTULO 3. OS MICRORGANISMOS

Pág. 21

A DIVERSIDADE MICROBIANA As eubactérias As arqueas Os protistas Os fungos Os vírus, na fronteira do vivo e do não vivo AS TÉCNICAS MICROBIOLÓGICAS BIOSSEGURANÇA E BIOSSEGURIDADE OS MICRORGANISMOS COMO AGENTES BIOLÓGICOS

CAPÍTULO 4. AS ENZIMAS E OS ANTICORPOS

Pág. 31

AS PROTEÍNAS Estrutura As bases de algumas técnicas laboratoriais (Cromatografia, eletroforese, espectrometria de massa) AS ENZIMAS A catálise enzimática Os diversos tipos de enzimas Importância econômica OS ANTICORPOS A molécula de anticorpo A produção de anticorpos no organismo A produção de anticorpos no laboratório A utilização dos anticorpos

CAPÍTULO 5. OS ÁCIDOS NUCLEICOS E OS GENES

Pág. 43

OS ÁCIDOS NUCLEICOS

A DUPLA HÉLICE

O CÓDIGO GENÉTICO A AÇÃO GÊNICA

A REGULAÇÃO DA AÇÃO GÊNICA Células procarióticas Células eucarióticas

A GENÔMICA O genoma humano A genômica brasileira

i

Autora: Maria Antonia Malajovich

CAPÍTULO 6: OS PROCESSOS FERMENTATIVOS

Pág. 53

OS PROCESSOS FERMENTATIVOS E A INDÚSTRIA OS MICRORGANISMOS INDUSTRIAIS Noções sobre o metabolismo As linhagens industriais A ESCOLHA DA MATÉRIA-PRIMA OS PROCESSOS TRADICIONAIS OS PROCESSOS SUBMERSOS Os fermentadores ou biorreatores A mudança de escala A condução do processo A recuperação do produto

OS BIOPROCESSOS NA INDÚSTRIA DE BIOFERTILIZANTES

CAPÍTULO 7: A CULTURA DE CÉLULAS E TECIDOS

Pág. 63

A MICROPROPAGAÇÃO DE PLANTAS As etapas Os meios de cultura As diferentes modalidades Melhoramento econservação da biodiversidade vegetal A difusão da tecnologia A CULTURA DE CÉLULAS ANIMAIS A manipulação in vitro das células animais As aplicações da cultura in vitro de células de mamíferos

CAPÍTULO 8: A TECNOLOGIA DO DNA

Pág. 73

AS FERRAMENTAS DISPONÍVEIS AS NUCLEASES OU ENZIMAS DE RESTRIÇÃO A ELETROFORESE DO DNA Hibridização e sondas gênicas A técnica de Southern O fingerprint A SÍNTESE E AMPLIFICAÇÃO DE DNA Síntese de oligonucleotídeos Síntese de cDNA A reação em cadeia da polimerase O SEQUENCIAMENTO DO DNA OS ARRAYS

CAPÍTULO 9: A ENGENHARIA GENÉTICA

Pág. 83

O NASCIMENTO DA BIOTECNOLOGIA MODERNA As primeiras experiências Mitos e realidades As bibliotecas de genes A CONSTRUÇÃO DE UM MICRORGANISMO RECOMBINANTE Encontrar o gene Inserir o gene Identificar os microrganismos recombinantes A CONSTRUÇÃO DE PLANTAS TRANSGÊNICAS O transgene A transferência dos genes a células vegetais O problema dos marcadores seletivos Do laboratório ao campo CÉLULAS E ANIMAIS TRANSGÊNICOS

O supermouse Os animais como modelos para a experimentação Os animais como biofábricas

O TAMBO FARMACÊUTICO ARGENTINO

BIBLIOGRAFIA

Pág. 99

ii

CAPÍTULO 1. O QUE É BIOTECNOLOGIA?

A BIOTECNOLOGIA TRADICIONAL

Cultivar vegetais, domesticar animais, transformar os alimentos ou aproveitar as propriedades curativas de algumas plantas são atividades que remontam à alvorada da humanidade e se desenvolveram com base no conhecimento empírico, ignorando a existência dos microrganismos ou das leis da hereditariedade.

No início do século XIX, a demanda de mão de obra por uma indústria incipiente estimula a migração da população do campo para a cidade. Em condições sanitárias cada vez mais degradadas, as doenças e a fome acompanham o homem. Ao mesmo tempo, o progresso exige processos industriais mais eficientes. A compreensão dos fenômenos naturais torna-se indispensável para responder às necessidades da sociedade.

A partir de 1850 surgem novas áreas do conhecimento; nascem a Microbiologia, a Imunologia, a Bioquímica e a Genética. A Química Industrial se desenvolve aceleradamente e, também, aumenta a intervenção da Engenharia Agrícola e da Pecuária no gerenciamento do campo.

Em 1914, Karl Ereky, um engenheiro agrícola húngaro, desenvolve um gigantesco plano de criação de suínos visando substituir as práticas tradicionais por uma indústria agrícola capitalista baseada no conhecimento científico. Deve-se a Ereky (1919) a primeira definição de biotecnologia, como “a ciência e os métodos que permitem a obtenção de produtos a partir de matéria-prima, mediante a intervenção de organismos vivos”. Para ele, a era bioquímica substituiria a era da pedra e do ferro.

O século XX assiste a um desenvolvimento extraordinário da ciência e da tecnologia (eletrônica, informática). Da convergência entre ambas resultam logros extraordinários em vários setores produtivos, onde os seres vivos constituem a base de itens tão diversos como a produção de variedades vegetais mais produtivas, a fabricação de novos alimentos, o tratamento do lixo, a produção de enzimas e os antibióticos.

A BIOTECNOLOGIA MODERNA

A proposta de Watson e Crick (1953) de um modelo helicoidal para a molécula de DNA representa, sem dúvida, um marco fundamental na história da Biologia Molecular. Mas a divisória entre a Biotecnologia clássica e a Biotecnologia moderna é uma série de experiências realizadas por H. Boyer e S. Cohen que culmina em 1973 com a transferência de um gene de sapo a uma bactéria. A partir desse momento é possível mudar o programa genético de um organismo transferindo-lhe genes de outra espécie.

A importância e os riscos inerentes à nova tecnologia não passaram despercebidos para as pessoas envolvidas. Fato inédito na história, em 1975 os cientistas reunidos em Asilomar (USA) estabeleceram uma moratória em seus trabalhos até serem definidas as condições de segurança adequadas, o que aconteceu pouco tempo mais tarde.

Na passagem de uma biotecnologia de laboratório a uma biotecnologia industrial, a Engenharia Genética ocupa um lugar de destaque como tecnologia inovadora. Em alguns casos, como os da insulina e do hormônio do crescimento, a inovação consiste em substituir os métodos de obtenção tradicionais. Em outros casos, como o dos anticorpos monoclonais ou do Golden Rice, um arroz com vitamina A, trata-se de produtos inteiramente novos.

Entretanto, a manipulação gênica não é a única ferramenta disponível. A Biotecnologia abrange hoje uma área ampla do conhecimento que decorre da ciência básica (biologia molecular, microbiologia, biologia celular, genética etc.), da ciência aplicada (técnicas imunológicas e bioquímicas, assim como técnicas decorrentes da física e da eletrônica), e de outras tecnologias (fermentações, separações, purificações, informática, robótica e controle de processos). Trata-se de uma rede complexa de conhecimentos onde ciência e tecnologia se entrelaçam e complementam.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 1: O que é Biotecnologia?

AS DEFINIÇÕES DE BIOTECNOLOGIA

O impacto causado pelas primeiras experiências de Engenharia Genética estimulou numerosas tentativas de redefinição do campo da Biotecnologia. Mediante a substituição da expressão “intervenção de organismos vivos” por “utilização de processos celulares e moleculares” tratou-se de diferenciar a Biotecnologia clássica da moderna. Porém, devido à enorme difusão das técnicas de manipulação gênica, elas acabam se superpondo, e, fora do contexto histórico, é difícil distinguir o limite entre ambas.

Por outro lado, como a definição de um setor de atividades depende dos interesses dos grupos envolvidos, muitas vezes reflete a visão dos setores profissionais predominantes. Por isso, se revisitarmos os textos da década de 1980, anos em que a expressão “biotecnologia” se expande, encontraremos mais de uma dúzia de definições diferentes do termo. Levantamos, entre as definições encontradas com maior frequência, as seguintes:

OECD - Organisation for Economic Co-Operation and Development: A aplicação dos princípios da ciência e da engenharia no tratamento de matérias por agentes biológicos na produção de bens e serviços (1982).

OTA – Office of Technology Assessment: Biotecnologia, de uma forma abrangente, inclui qualquer técnica que utiliza organismos vivos (ou partes deles) para obter ou modificar produtos, melhorar plantas e animais, ou desenvolver microrganismos para usos específicos (1984).

EFB - European Federation of Biotechnology: Uso integrado da bioquímica, da microbiologia e da engenharia para conseguir aplicar as capacidades de microrganismos, células cultivadas animais ou vegetais ou parte dos mesmos na indústria, na saúde e nos processos relativos ao meio ambiente (1988).

E.H. Houwink: o uso controlado da informação biológica (1989).

Biotechnology Industry Organization: em sentido amplo, Biotecnologia é "bio" + "tecnologia", isto é o uso de processos biológicos para resolver problemas ou fazer produtos úteis (2003).

Observa-se que, com o tempo, o conceito ganha uma expressão mais simples. As definições mais recentes não fazem mais referência aos processos tecnológicos envolvidos; talvez porque, além de complexos e diversos, estes evoluam muito rapidamente.

Neste texto consideraremos a biotecnologia de uma maneira ampla, definida como uma atividade baseada em conhecimentos multidisciplinares, que utiliza agentes biológicos para fazer produtos úteis ou resolver problemas. Esta definição é suficientemente abrangente para englobar atividades tão variadas como as de engenheiros, químicos, agrônomos, veterinários, microbiologistas, biólogos, médicos, advogados, empresários, economistas etc.

Figura 1.1: O campo da Biotecnologia.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 1: O que é Biotecnologia? AS DEFINIÇÕES DE BIOTECNOLOGIA O impacto causado pelas

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 1: O que é Biotecnologia?

O IMPACTO DA BIOTECNOLOGIA

Já não se trata de promessas ou de perspectivas futuras; os produtos e processos biotecnológicos fazem parte de nosso dia a dia, trazendo oportunidades de emprego e investimentos. Trata-se de plantas resistentes a doenças, plásticos biodegradáveis, detergentes mais eficientes, biocombustíveis, e também processos industriais menos poluentes, menor necessidade de pesticidas, biorremediação de poluentes, centenas de testes de diagnóstico e de medicamentos novos.

Tabela 1.1: Produtos e serviços de origem biotecnológica, em diferentes setores.

SETORES

TIPOS DE PRODUTOS OU SERVIÇOS

ENERGIA

Etanol, biogás e outros combustíveis (a partir de biomassa).

INDÚSTRIA

Butanol, acetona, glicerol, ácidos, vitaminas etc. Numerosas enzimas

MEIO AMBIENTE

para outras indústrias (têxtil, de detergentes etc.). Recuperação de petróleo, biorremediação (tratamento de águas servidas e de lixo, eliminação de poluentes).

AGRICULTURA

Adubo, silagem, biopesticidas, biofertilizantes, mudas de plantas livres de doenças, mudas de árvores para reflorestamento. Plantas com características novas incorporadas (transgênicas): maior valor nutritivo, resistência a pragas e condições de cultivo adversas (seca, salinidade, etc.).

PECUÁRIA

Embriões, animais com características novas (transgênicos), vacinas e medicamentos para uso veterinário e humano.

ALIMENTAÇÃO

Panificação (pães e biscoitos), laticínios (queijos, iogurtes e outras bebidas lácteas), bebidas (cervejas, vinhos e bebidas destiladas) e aditivos diversos (shoyu, monoglutamato de sódio, adoçantes etc.); proteína de célula única (PUC) para rações, alimentos de origem transgênica com propriedades novas.

SAÚDE

Antibióticos e medicamentos para diversas doenças, hormônios, vacinas, reagentes e testes para diagnóstico, tratamentos novos etc.

BIOTECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO

Por se tratar de uma coleção de tecnologias diversas, o uso das biotecnologias não se restringe necessariamente aos países desenvolvidos. Existe um espaço que os países emergentes podem ocupar, em função de suas riquezas naturais, desde que existam prioridades econômicas e políticas definidas claramente. A condição fundamental é contar com instituições competentes que formem uma massa crítica de pesquisadores e pessoal técnico treinado.

A China e a Índia contam hoje com uma indústria biotecnológica avançada e diversificada. Assim como a América Latina, onde esta se concentra principalmente na Argentina, no Brasil, no Chile, na Colômbia, em Cuba e no México. Países como Uruguai e Venezuela também têm atividade em algumas áreas, assim como, em menor escala, Equador, Costa Rica, Paraguai, Peru e Bolívia. Na região, umas 500 empresas incidem em vários setores:

meio ambiente e indústria, agroalimentos e pecuária, saúde animal e humana.

No entanto, a Biotecnologia suscita ainda opiniões e sentimentos controversos. Enquanto alguns setores a percebem como uma tecnologia baseada em um sólido conhecimento científico, para outros se trata de uma atividade antinatural e perigosa. O enfrentamento de partidários e opositores ocorre com menos frequência no terreno das razões que no das paixões, sejam elas políticas, religiosas ou ideológicas. Ao discutir se a biotecnologia é progressista ou reacionária, boa ou ruim, se esquece que o que caracteriza uma tecnologia é o uso que fazemos dela.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 1: O que é Biotecnologia?

Produtos e processos inimagináveis trinta anos atrás entram em nosso cotidiano antes que os alicerces científicos e tecnológicos correspondentes se insiram em nossa cultura, através de uma divulgação ampla que atinja também o sistema educativo em todos os seus níveis. Não existe possibilidade alguma de construir uma sociedade moderna se os seus integrantes ignorarem os aspectos mais gerais de ciência e tecnologia. O desconhecimento aumenta o risco de rejeitar tecnologias promissoras, capazes de abrir perspectivas novas, com vistas a um desenvolvimento sustentável em áreas tão críticas como a saúde, a produção de alimentos, a energia e o meio ambiente.

A proposta deste livro é revisar os fundamentos das biotecnologias e mostrar como esses se aplicam em diversos setores produtivos da sociedade, destacando como exemplos alguns empreendimentos latino-americanos bem sucedidos. Esperamos que ele seja de ajuda para todos os que nos preocupamos com os alcances desta fascinante (r)evolução tecnológica.

CRONOLOGIA DE ALGUNS ACONTECIMENTOS MARCANTES NA HISTÓRIA DA BIOTECNOLOGIA

DATA

ACONTECIMENTOS FUNDAMENTAIS

ANTIGUIDADE Preparação e conservação de alimentos e bebidas por fermentação (pão, queijo, cerveja, vinho e vinagre); cultivo de plantas (batata, milho, cevada, trigo etc.); domesticação de animais; tratamento de infecções (com produtos de origem vegetal tais como pó de crisântemo e derivados de soja com fungos).

IDADE MÉDIA

Século XII

Destilação do álcool.

IDADE MODERNA

Século XVI

Cronistas registram a colheita de algas para alimentação, nos lagos de

Século XVII

México, pelos astecas. Início da produção comercial de cerveja; extração de metais por ação

microbiana na Espanha; cultivo de fungos na França; Hooke descobre a existência de células (1665). Século XVIII Invento da máquina a vapor (1752). Entre 1750 e 1850, aumenta o

cultivo de leguminosas na Europa e se difunde a prática de rotação de cultivos que aumenta a produtividade e melhora o uso da terra.

IDADE CONTEMPORÂNEA

  • 1797 Jenner inocula uma criança com um vírus que o protege contra a varíola.

  • 1809 Appert utiliza o calor para esterilizar e conservar comida, processo que será utilizado nas campanhas napoleônicas.

  • 1835 Schleiden, Schwann e Virchow enunciam a teoria celular.

a 1855

  • 1863 Pasteur inventa um processo para conservar alimentos sem alterar suas propriedades organolépticas (Pasteurização, 1863), derruba a teoria da abiogênese (1864), investiga as doenças do bicho-da-seda (1865), identifica a levedura como o agente responsável pela fermentação alcoólica (1876), usa microrganismos atenuados para obter vacinas contra o antraz e a cólera (1881), faz os primeiros testes de uma vacina contra a raiva (1881). Paralelamente, Koch inicia o desenvolvimento de técnicas fundamentais para o estudo dos microrganismos (1876), e enuncia quatro postulados sobre os agentes infecciosos como causa de doenças. Em 1865 Mendel apresenta o seu trabalho “Experiências de hibridização em plantas”.

a 1886

  • 1887 Inauguração em Paris do Instituto Pasteur.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 1: O que é Biotecnologia?

  • 1892 Descoberta do vírus do mosaico do tabaco; introdução do trator na agricultura.

  • 1897 Büchner mostra que enzimas extraídas da levedura podem transformar açúcar em álcool.

  • 1899 Primeiro transplante de um órgão: o rim de um cachorro a outro cachorro.

  • 1900 Redescobrimento das leis da hereditariedade, já enunciadas por Mendel em 1865, porém esquecidas.

  • 1905 O primeiro transplante de córnea se realiza com sucesso; isto porque a córnea não tem antígenos.

  • 1906 Ehrlich descobre o primeiro agente quimioterápico, chamado Salvarsan, que será utilizado contra sífilis.

  • 1910 Em Manchester, na Inglaterra, começam a ser introduzidos os sistemas de purificação de esgoto baseados na atividade microbiana.

  • 1912 Rhöm obtém a patente de uma preparação enzimática para a lavagem de roupas; Weizmann consegue a produção de acetona e butanol por microrganismos.

a 1914

  • 1915 Morgan publica “Mechanism of Mendelian Heredity”.

  • 1916 Imobilizam-se as enzimas, uma técnica que facilita sua utilização em processos industriais.

  • 1918 Morrem de gripe espanhola mais de vinte milhões de pessoas, um número de vítimas superior ao da Primeira Guerra Mundial. Constroem- se biodigestores para a produção de metano (China e Índia).

  • 1919 O engenheiro agrícola húngaro Ereky utiliza pela primeira vez a palavra biotecnologia.

  • 1927 Muller descobre que os raios X causam mutações.

  • 1928 F. Griffith descobre a transformação, isto é a transferência de informação genética de uma linhagem bacteriana a outra.

  • 1933 Comercialização do milho híbrido, isto é de sementes de um milho mais produtivo.

  • 1936 Obtenção de ácido cítrico por fermentação.

  • 1938 Na França, produção comercial de um biopesticida (Bacillus thuringiensis).

  • 1940 Avanços na mecanização do trabalho agrícola.

a 1950

  • 1944 Produção em grande escala da penicilina (descoberta por Fleming em 1928, desenvolvida por Florey e Chain).

  • 1951 Inseminação artificial de gado utilizando sêmen congelado. Descoberta da presença de genes saltatórios no milho por Bárbara Mc Clintock.

  • 1953 Watson e Crick propõem um modelo da estrutura do ADN

  • 1959 Reinart regenera plantas de cenoura a partir de uma cultura de células (calo).

  • 1960 Aumento da produção de ácido láctico, ácido cítrico, acetona e butanol por via fermentativa.

  • 1961 Descoberta do código genético. Desenvolvimento de uma protease alcalina para uso em sabões para a lavagem de roupas pela empresa dinamarquesa Novo.

  • 1962 Plantio de novas variedades de trigo mais produtivas, no México, dando início ao que será chamado de Revolução Verde.

  • 1967 Primeiro transplante de coração, na África do Sul. O paciente sobrevive 18 dias.

  • 1968 Produção industrial de aminoácidos utilizando enzimas imobilizadas.

  • 1973 Havendo desenvolvido técnicas de corte e reunião do DNA, Cohen e Boyer transferem um gene a um organismo de outra espécie. Lançado no Brasil o programa de produção de álcool a partir de biomassa (Pró- Álcool)

  • 1975 Köhler e Milstein desenvolvem a tecnologia de hibridomas e obtêm anticorpos monoclonais. A empresa Novo produz xarope com alto conteúdo de frutose por via enzimática como adoçante alternativo à sacarose. A Conferência de Asilomar pede ao National Institute of Health (NIH) que sejam estabelecidas normas para a regulação dos experimentos com DNA-recombinante, o que acontecerá meses mais tarde.

  • 1976 Utilização da técnica de hibridização molecular no diagnóstico pré-natal da alfa talassemia.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 1: O que é Biotecnologia?

  • 1978 Genentech, Inc., a primeira empresa biotecnológica, fundada um ano antes por Boyer e Swanson, obtém a proteína somatostatina (hormônio de crescimento) mediante a tecnologia do DNA-recombinante. Nasce na Inglaterra Louise Brown, o primeiro bebê de proveta.

  • 1979 Produção do hormônio de crescimento humano, utilizando a tecnologia do DNA-recombinante.

  • 1980 A Suprema Corte de Justiça dos Estados Unidos aprova o princípio de patentes para as formas de vida de origem recombinante. As primeiras patentes são de Chakrabarty, para um microrganismo para biorremediação de petróleo, e de Cohen e Boyer, pelo processo de 1973. Mullis inventa a técnica da Reação em Cadeia de Polimerase (PCR) cuja patente será obtida por Cetus, Inc. em 1985 e vendida em 1991 a Hoffman-LaRoche, Inc. por 300 milhões de dólares.

  • 1981 Obtenção da primeira planta geneticamente modificada. Obtenção da primeira linhagem de células-tronco de camundongo.

  • 1982 A insulina humana de origem recombinante da Genentech, Inc. é comercializada. Uma licença será obtida mais tarde pela empresa Ely Lilly, que a venderá com o nome de Humulina®. A primeira vacina de DNA-recombinante para o gado é comercializada na Europa.

  • 1983 Realizam-se as primeiras experiências de Engenharia Genética em plantas (petúnia). Syntex Corporation recebe a aprovação da Food and Drug Administration (FDA) de um teste para Chlamydia trachomatis baseado na utilização de anticorpos monoclonais. Isolado o vírus HIV no Instituto Pasteur (França) e no NIH (National Institute of Health, Estados Unidos).

  • 1984 Jeffrey introduz a técnica do Fingerprint (impressões digitais), que, um ano depois, será utilizada pelos tribunais para a identificação de suspeitos. Clonagem e sequenciamento do genoma do HIV pela empresa Chiron Corp.

  • 1986 A Environmental Protection Agency (EPA) dos Estados Unidos aprova a liberação de plantas de tabaco transgênicas. Um grupo de especialistas em segurança em Biotecnologia da Organização para a Cooperação Econômica e o Desenvolvimento (OECD) declara que a previsibilidade das mudanças genéticas obtidas por Engenharia Genética é frequentemente maior que a correspondente às técnicas tradicionais, e que os riscos associados com organismos transgênicos podem ser avaliados do mesmo modo que os riscos associados aos outros organismos. Aprovada a primeira vacina biotecnológica para uso humano, trata-se de Recombivax-HB, contra a hepatite B.

  • 1987 Advanced Genetic Sciences libera em campo bactérias DNA- recombinante (Frostban) que inibem a formação de gelo nos cultivos de morango, na Califórnia; a FDA aprova o fator ativador de plasminogênio, obtido por engenharia genética, para o tratamento de ataques cardíacos.

  • 1988 A Universidade de Harvard obtém a patente de um rato transgênico desenvolvido especialmente para o estudo do câncer; na mesma década, os europeus obterão a patente de outro rato transgênico, sensível a substâncias carcinogênicas. Genencor International Inc. obtém a patente de um processo que permite obter enzimas (proteases) resistentes a alvejantes (processo bleach) para a fabricação de sabões para a lavagem de roupa.

  • 1989 Com a criação do National Center for Human Genome Research se inicia o mapeamento do genoma humano.

  • 1990 Primeira experiência de terapia gênica para uma doença rara (ADA) em uma menina de quatro anos. Pfizer comercializa Chy-Max TM , uma enzima de origem recombinante para a preparação de queijos. GenPharm International, Inc. consegue uma vaca transgênica que produz no leite proteínas humanas para alimentação infantil. A Universidade da Califórnia (UCSF) e a Universidade de Stanford contabilizam 100 patentes relativas ao DNA-recombinante.

  • 1992 Uma técnica, elaborada por cientistas americanos e britânicos, permite testar anormalidades como a fibrose cística e a hemofilia em embriões in vitro. A FDA declara que os alimentos de origem transgênica não demandam uma regulação especial.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 1: O que é Biotecnologia?

  • 1993 Aprovada a utilização do hormônio de crescimento bovino rBGH/rBST, produzido por Monsanto Co., para aumentar da produção de leite.

  • 1994 Lançamento no mercado do tomate FlavSavr®, que, devido à inativação de um gene, amadurece na planta.

  • 1995 Decifrado o primeiro genoma de uma bactéria, Haemophilus influenzae.

  • 1996 Sequenciado o primeiro genoma de um organismo eucarionte, a levedura Saccharomyces cerevisiae. Desenvolve-se o primeiro GeneChip (Stanford, Affymetrix).

  • 1997 Nascem Dolly, uma ovelha clonada, e, meses mais tarde, uma segunda ovelha, Polly, clonada e geneticamente modificada. Os cultivos transgênicos são introduzidos em vários países.

  • 1998 Contabilizam-se mais de 1.500 empresas de Biotecnologia nos Estados Unidos e mais de 3.000 no mundo. Células-tronco embrionárias são utilizadas para regenerar tecidos. Sequenciamento do primeiro genoma animal, o verme Caenorrabditis elegans. Isolada a primeira linhagem de células-tronco embrionárias humanas.

  • 1999 Sequenciamento do primeiro cromossomo humano. Pesquisadores descobrem que as células-tronco podem ser induzidas a se diferenciar em diversos tipos celulares.

  • 2000 O rascunho do sequenciamento do genoma humano é anunciado simultaneamente por Collins, do Consórcio do Genoma Humano, e Venter, da Celera Inc. Sequenciados também o genoma da mosca Drosophila melanogaster, o primeiro genoma de uma planta (Arabidopsis thaliana) e, no Brasil, o de uma bactéria que ataca os cítricos (Xylella fastidiosa).

  • 2001 O rascunho do sequenciamento do Genoma Humano é publicado simultaneamente nas revistas Science e Nature. Sequenciamento do genoma de plantas de interesse agronômico para os países em desenvolvimento (arroz, banana). Sequenciamento do genoma de bactérias de importância agronômica. Obtenção de células sanguíneas a partir de células-tronco embrionárias.

  • 2002 Completados o rascunho do proteoma funcional da levedura e o sequenciamento do genoma do agente e do vetor transmissor da malária. Identificam-se mais de 200 genes envolvidos na diferenciação das células-tronco. Descoberta da participação de moléculas de RNA na regulação de vários processos celulares. Em diversos países inicia-se a utilização de células-tronco adultas para o tratamento experimental de diversas doenças (leucemia, mal de Chagas, diabetes e anemia falciforme).

  • 2003 A venda, como mascote, do GloFish, um peixe transgênico que brilha na escuridão, originalmente criado para detectar poluentes. Clonagem de vários tipos de animais e de espécies ameaçadas de extinção.

  • 2004 Sequenciado o genoma do frango. Um grupo de pesquisadores coreanos anuncia a obtenção de uma linhagem de células-tronco embrionárias pluripotentes, após uma transferência nuclear; descobrindo-se mais tarde que este resultado era uma fraude. Novos medicamentos e testes de diagnósticos entram no mercado.

  • 2005 A Alemanha aprova os primeiros cultivos de plantas transgênicas. Publicado o genoma da vaca. Obtenção de células-tronco a partir de células da pele.

  • 2006 Videiras geneticamente modificadas são testadas na África do Sul. O grupo de pesquisadores liderado por S. Yamanaka consegue induzir a pluripotencialidade celular introduzindo, mediante um vetor viral, quatro genes em células somáticas murinas.

  • 2007 As autoridades europeias de segurança alimentar concluem que os genes marcadores de resistência aos antibióticos não apresentam riscos relevantes para a saúde humana ou animal nem para o meio ambiente.

  • 2008 Pesquisadores japoneses desenvolvem a primeira rosa azul, geneticamente modificada. Cultivam-se plantas transgênicas em 25 países, incluídos sete da União Europeia. Yamanaka anuncia a obtenção de células pluripotentes induzidas utilizando um plasmídeo como vetor.

  • 2009 Pesquisadores canadenses e britânicos conseguem reprogramar células da pele, murinas e humanas, utilizando um transposon como vetor de um pacote de quatro genes.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 1: O que é Biotecnologia?

CAPÍTULO 2. AS CÉLULAS E OS CROMOSSOMOS

A CÉLULA COMO UNIDADE DOS SERES VIVOS

UNIDADE ESTRUTURAL

A célula é a unidade estrutural dos seres vivos. Trate-se de bactérias, amebas, espermatozoides ou neurônios, todas as células são formadas por água, íons inorgânicos e moléculas orgânicas (proteínas, carboidratos, lipídios e ácidos nucleicos). E todas elas apresentam uma membrana plasmática que separa o citoplasma do meio externo e permite o intercâmbio de moléculas entre ambos.

As células procarióticas se encontram exclusivamente no Reino Monera. Pequenas (0,001 a 0,005 mm) e com requerimentos nutricionais simples, estas células se multiplicam rapidamente. A informação genética se encontra em um cromossomo circular formado por uma molécula de DNA e associado a uma invaginação da membrana plasmática (mesossomo); pequenas moléculas circulares adicionais (plasmídeos) podem também estar presentes. Numerosos ribossomos asseguram a síntese proteica (Figura 2.1).

Bem mais complexa é a estrutura das células eucarióticas, presentes nos quatro Reinos restantes (Protista, Fungo, Planta e Animal). Com um tamanho variando entre 0,01 e 0,10 mm, estas células são dez vezes maiores que as procarióticas. A presença de compartimentos diferenciados, ou organelas, que cumprem atividades específicas, resulta em uma subdivisão do trabalho que garante a eficiência do funcionamento celular (Figura

CAPÍTULO 2. AS CÉLULAS E OS CROMOSSOMOS A CÉLULA COMO UNIDADE DOS SERES VIVOS UNIDADE ESTRUTURAL

2.2).

Figura 2.1: Representação esquemática de uma célula procariótica.

O citoplasma é percorrido por um sistema de membranas, o retículo endoplasmático, que está associado aos ribossomos e, por conseguinte, à síntese de proteínas. Processados no aparelho de Golgi, os produtos celulares são secretados ou distribuídos em outras estruturas (lisossomos, membrana celular). O metabolismo energético está associado a organelas citoplasmáticas, complexas e rodeadas de membranas (mitocôndrias, cloroplastos e peroxissomos). Um citoesqueleto, formado por túbulos e filamentos proteicos, mantém a forma da célula, além de assegurar o transporte interno das organelas e os movimentos celulares.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos

A informação genética está distribuída em cromossomos, cada um deles formado por uma molécula linear de DNA associada a proteínas. Os cromossomos e o nucléolo se encontram no núcleo, que funciona como um centro de controle celular. A membrana nuclear, um envoltório com poros que separa o núcleo do citoplasma, permite o intercâmbio de substâncias entre ambos.

Apesar de ter uma organização muito parecida, as células animais diferem das células vegetais em alguns aspectos. Nas células vegetais encontramos uma parede celular ao redor da membrana plasmática; o citoplasma contém cloroplastos, onde ocorre a fotossíntese, e grandes vacúolos, onde se armazenam substâncias e degradam macromoléculas. Nenhuma dessas estruturas se observa nas células animais; estas têm um centríolo que falta nas células vegetais.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos A informação genética está distribuída em cromossomos,

Figura 2.2: Representações esquemáticas da estrutura celular eucariótica, animal e vegetal.

Célula animal

Célula vegetal

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos A informação genética está distribuída em cromossomos,

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos

UNIDADE FUNCIONAL

A célula

também é

a unidade funcional

de

um organismo. O citoplasma é uma solução

viscosa onde continuamente ocorrem reações de síntese e degradação de substâncias,

consumindo ou liberando energia. Estas reações constituem o que denominamos metabolismo.

As reações metabólicas são facilitadas por proteínas com atividade catalítica, denominadas enzimas. Assim como as proteínas estruturais, as enzimas se sintetizam nos ribossomos, que são organelas citoplasmáticas pequenas não membranosas. A estrutura das proteínas depende da informação genética codificada no ácido desoxirribonucleico (DNA) e transcrita no ácido ribonucleico (RNA), que a leva do núcleo até o citoplasma.

As semelhanças de estrutura e funcionamento celulares decorrem de uma origem evolutiva comum, aproximadamente 3,8 milhões de anos atrás. Os dois tipos celulares que reconhecemos hoje, as células procarióticas e as eucarióticas, apareceram entre um e um milhão e meio de anos mais tarde.

RELAÇÃO ENTRE AS ESTRUTURAS CELULARES E SUA FUNÇÃO

Tabela 2.1: A função e a distribuição das estruturas celulares.

ESTRUTURA

FUNÇÃO

CÉLULA BACTERIANA

CÉLULA

CÉLULA

ANIMAL

VEGETAL

PAREDE CELULAR

Manutenção da forma e proteção da célula.

Presente ou ausente

Ausente

Presente

MEMBRANA PLASMÁTICA

Manutenção da estabilidade do meio intracelular; controle das trocas entre a célula e o meio extracelular.

 

Presente

CARIOTECA ou

Controle do fluxo de

Ausente

Presente

MEMBRANA NUCLEAR

substâncias entre o núcleo e o citoplasma.

CROMOSSOMO(S)

Controle da estrutura e do funcionamento celular.

Único e circular; apenas DNA.

Múltiplos e lineares; ADN e proteínas.

NUCLÉOLO(S)

Formação de ribossomos.

Ausente

Presente

CENTRÍOLOS

Formação de cílios e flagelos; participação na divisão celular.

Ausente

Presente

Ausente

RIBOSSOMOS

Síntese de proteínas.

 

Presente

RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO

Síntese de proteínas.

   

RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO LISO

Síntese de lipídios; armazenamento e inativação de substâncias.

Ausente

Presente

COMPLEXO DE GOLGI

Secreção celular.

LISOSSOMOS

Digestão intracelular.

VACÚOLO CENTRAL

Equilíbrio osmótico e armazenamento.

Ausente

Presente

MITOCÔNDRIAS

Respiração celular

Ausente

Presente

Presente

aeróbia.

CLOROPLASTOS

Fotossíntese.

Ausente

Presente

CITOESQUELETO

Manutenção da forma celular; contração; ancoragem de organelas.

Ausente

Presente

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos

TÉCNICAS LABORATORIAIS

O estudo das células se vê facilitado por um conjunto de técnicas laboratoriais, tais como:

Técnicas microscópicas que permitem uma visualização detalhada da célula:

  • - Microscopia óptica, que se utiliza para observar os cortes de tecidos. Geralmente, estes são fixados (álcool, ácido acético, formaldeído) e tingidos com corantes que reagem com as proteínas ou com os ácidos nucleicos, aumentando o contraste da imagem.

  • - Microscopia de contraste de fase, que transforma as diferenças de espessura ou de densidade do fragmento observado em diferenças de contraste.

  • - Microscopia fluorescente, que associa anticorpos específicos a um reagente como o PVF (proteína verde fluorescente de medusa), de forma a marcar as moléculas e visualizar sua distribuição nas células.

  • - Microscopia confocal, que combina a microscopia fluorescente com a análise eletrônica da imagem, fornecendo uma imagem tridimensional.

  • - Microscopia eletrônica, que permite a observação em um plano de cortes tingidos com sais de metais pesados (microscopia de transmissão) e a observação tridimensional de células (microscopia de varredura).

  • - Microscopia de tunelamento, com os diversos tipos de microscópios de varredura por sonda (SPM, do inglês scanning probe microscope) que, além de fornecer uma imagem de moléculas e átomos, permitem medições e a manipulação de moléculas e átomos.

Técnicas físicas como a centrifugação diferencial (ultracentrifugação, centrifugação em gradiente) para separar os componentes celulares para estudos bioquímicos posteriores.

Técnicas instrumentais que possibilitam a contagem de células e a separação populações celulares (cell sorter) ou de cromossomos (flow sorter).

de

Técnicas de cultura de células com objetivos diversos.

TODA CÉLULA DERIVA DE OUTRA PREEXISTENTE

Assim como uma planta se forma a partir de outra planta e um animal de outro animal, toda célula deriva de outra preexistente. Este conceito, enunciado por R. Virchow em 1855, não foi plenamente aceito até dez anos mais tarde, quando L. Pasteur mostrou experimentalmente que a proliferação de microrganismos em um meio orgânico estéril se deve à contaminação deste com os microrganismos presentes no ar, que, ao encontrar um meio propício, se multiplicam rapidamente.

Todo organismo multicelular se forma a partir da multiplicação de uma única célula-ovo ou zigoto. As contribuições dos genes maternos e paternos para o desenvolvimento do embrião não são idênticas (imprinting). As células embrionárias se diferenciam, formando mais de 200 tipos de células em animais, e um pouco menos nos vegetais. Os diferentes tipos celulares cumprem funções específicas que, integradas, asseguram a unidade do organismo.

Nos vegetais, a persistência de tecidos embrionários totipotentes (meristemas) na planta adulta permite o crescimento e a regeneração durante a vida toda do organismo. Em condições apropriadas, células especializadas podem reverter a um estado não diferenciado e regenerar um organismo completo e diferenciado. Nessas propriedades se fundamenta a propagação de plantas in vitro.

Nos animais superiores, a totipotência se restringe às células do embrião com menos de quatro dias, que são as únicas capazes de regenerar um organismo inteiro. No entanto, no embrião de mais de quatro dias, algumas células internas do blastócito (células-tronco embrionárias) podem originar todos os tecidos do organismo, sendo consideradas pluripotentes (Figura 2.3).

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos

Figura 2.3: As células-tronco embrionárias.

As células-tronco podem ser extraídas do blastócito com 5 a 7 dias e cultivadas in vitro; colocadas em condições experimentais adequadas, diferenciam-se nos distintos tipos celulares.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos Figura 2.3 : As células-tronco embrionárias. As

Também tecidos adultos (medula óssea, sangue, córnea e retina, polpa dentária, fígado, pele, trato digestivo e pâncreas) apresentam células-tronco. Elas podem permanecer nos tecidos, multiplicando-se durante longos períodos de tempo sem que ocorra a diferenciação. No entanto, em determinadas condições fisiológicas, estas células-tronco adultas originam células especializadas de vários tipos, assegurando a manutenção e o reparo do tecido onde se encontram. Um único tipo de célula-tronco multipotente da medula óssea, por exemplo, gera todas as células sanguíneas (hemácias, leucócitos e plaquetas). Células-tronco unipotentes se diferenciam em uma única linhagem celular como, por exemplo, os queratinócitos da pele.

Por ser mais fáceis de conseguir, as células-tronco adultas encontraram rapidamente aplicações terapêuticas promissoras. Não aconteceu o mesmo com as células-tronco embrionárias. Estas podem ser obtidas seja a partir de um embrião, obtido por transferência de um núcleo a um ovócito anucleado, seja a partir dos embriões supernumerários congelados nas clínicas de fertilização assistida. Os dois métodos suscitaram grandes debates éticos em torno de quem forneceria os ovócitos e do status do embrião.

A polêmica deveria esmorecer com o desenvolvimento de uma tecnologia que permite obter, a partir de células somáticas, a obtenção de células iPS (do inglês, induced pluripotent stem cells) com propriedades equivalentes às das células-tronco embrionárias.

A indução de pluripotencialidade mediante a inserção de alguns genes em células adultas é um passo importante para acabar com a necessidade de dispor de embriões congelados. Entender os mecanismos que controlam o crescimento e a diferenciação celular é um dos maiores desafios atuais, porque as células-tronco possibilitarão novos tratamentos de regeneração celular para doenças cardíacas, diabetes e doença de Parkinson.

A tecnologia de reprogramação celular se desenvolve rapidamente, aumentando nosso conhecimento sobre o controle genético da diferenciação e abrindo uma nova senda para a implementação de testes, medicamentos e tratamentos novos.

OS CROMOSSOMOS

Cada cromossomo está formado por um filamento de DNA enrolado, a espaços regulares, sobre proteínas (histonas). Durante a maior parte do ciclo celular, os cromossomos se encontram distendidos, formando uma rede de filamentos finos (cromatina). Na divisão celular, a cromatina se condensa, possibilitando a observação microscópica dos cromossomos. Do ponto de vista morfológico, estes se caracterizam pelo tamanho e a posição do centrômero, uma constrição que divide o cromossomo em dois braços.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos

O número de cromossomos n é constante em todos os indivíduos de uma mesma espécie; n = 4 em Drosophila melanogaster e n = 23 no homem, por exemplo. Como nas células somáticas os cromossomos se encontram sempre em pares, na espécie humana o número de cromossomos (2n) é de 46, sendo que um par determina o sexo. Os cromossomos sexuais são idênticos na mulher (46, XX) e diferentes no homem (46, XY). Em outras espécies, a determinação do sexo segue mecanismos diversos.

Um pouco antes da divisão de uma célula, os cromossomos se duplicam, de maneira que cada uma das células filhas recebe 2n cromossomos. A mitose mantém constante o número de cromossomos nas células somáticas dos indivíduos de uma mesma espécie. Já nas células reprodutivas, a meiose reduz a n o número de cromossomos; na fecundação, a fusão dos gametas irá restaurar o número n característico da espécie. Durante a meiose, o entrecruzamento dos cromossomos permite a permuta e recombinação dos genes (Figura

2.4).

Durante a formação dos gametas, erros na disjunção dos cromossomos podem dar origem a indivíduos com fórmulas cromossômicas alteradas. Na síndrome de Down, por exemplo, a pessoa apresenta geralmente um cromossomo 21 adicional. (mulheres 47, XX + 21; homens 47, XY + 21).

Estima-se que a percentagem de recém-nascidos com alguma anomalia cromossômica estaria em torno de 0,85%, dos quais 0,65% apresentariam algum sintoma. Alterações cromossômicas também podem ser relacionadas com alguns tipos de câncer. Na leucemia mieloide crônica, por exemplo, se observa a translocação recíproca de dois pedaços dos cromossomos 9 e 22. De um modo geral, é frequente encontrar alterações no número de cromossomos das células cancerosas.

Figura 2.4: Mitose e meiose.

Durante a meiose, a permuta de fragmentos cromossômicos homólogos possibilita a recombinação dos genes.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos O número de cromossomos n é constante

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos

A TEORIA CROMOSSÔMICA DA HEREDITARIEDADE

Em 1865, Gregor Mendel apresentou seu trabalho “Experiências de hibridização em plantas”; este reunia os resultados experimentais realizados com ervilhas (Pisum sativum), durante sete anos, no jardim do monastério Agostino de Brno (Morávia). Apesar de passar quase despercebido, o trabalho acabou sendo distribuído por várias bibliotecas da Europa e América, graças a sua publicação um ano mais tarde nos Anais da Sociedade de História Natural.

No texto figuram algumas generalizações. Conhecida como Primeira Lei de Mendel, Lei de Segregação ou Monoibridismo, a primeira delas se refere à segregação dos fatores (alelos) de um par (um gene) na formação de gametas. A segunda, que é conhecida como Segunda Lei de Mendel, Lei de Segregação Independente ou Diibridismo, se refere à segregação dos fatores (alelos) de dois ou mais pares (dois ou mais genes) independentes na formação de gametas.

Em 1900, depois de chegar de maneira independente a conclusões semelhantes, os pesquisadores K. Correns, E. Von Tschermak e H.de Vries redescobriram nas bibliotecas o trabalho de Mendel. Nesse intervalo de 35 anos tinha sido descrita a divisão celular (mitose, 1875; meiose, 1890); o próximo passo correspondeu a Sutton e Boveri (1902), sugerindo que os fatores hereditários de Mendel estariam nos cromossomos.

A confirmação desta hipótese decorreu dos trabalhos de T.H.Morgan e sua brilhante equipe na Universidade de Columbia (Nova York), com a mosca da fruta, Drosophila melanogaster (Figura 2.5).

Figura 2.5: Drosophila melanogaster, a mosca do vinagre.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos A TEORIA CROMOSSÔMICA DA HEREDITARIEDADE Em 1865,
BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos A TEORIA CROMOSSÔMICA DA HEREDITARIEDADE Em 1865,
BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos A TEORIA CROMOSSÔMICA DA HEREDITARIEDADE Em 1865,

Em 1910, depois de uma série de cruzamentos e de análises estatísticas, Morgan mostrou que a herança da cor branca do olho do mutante white está associada à transmissão do cromossomo X, que determina o sexo.

Morgan e seus colaboradores identificaram numerosos outros mutantes de Drosophila melanogaster com um padrão mendeliano de hereditariedade (Figura 2.4). Além de moscas com olhos brancos em vez de vermelhos, encontraram outras com asas curtas em vez de longas, com corpo de cor marrom ou preta em vez de amarela etc. Os genes correspondentes se classificam em quatro grupos de ligação, sendo que cada um deles está associado a um dos quatro pares de cromossomos da Drosophila.

Como durante a meiose se produzem permutas entre segmentos cromossômicos, nos cruzamentos aparecem indivíduos recombinantes, isto é, com outras combinações gênicas diferentes das previstas pelas leis mendelianas. A partir dos dados obtidos em milhares de cruzamentos sobre a recombinação dos genes de um mesmo grupo de ligação chega-se a estabelecer a distância genética entre estes.

Com a descoberta de células com cromossomos gigantes (politênicos) nas glândulas salivares das larvas de Drosophila, começaram os primeiros trabalhos de mapeamento, associando os dados genéticos aos dados físicos.

A observação microscópica das bandas nos cromossomos mostrou com enorme riqueza de detalhes uma sucessão consistente de bandas largas e estreitas. Da associação entre os métodos genéticos e os métodos citológicos surgiram os primeiros mapas físicos, associando uma região cromossômica a cada gene.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos

Das descobertas de Morgan e sua equipe, nasce a Teoria do Gene, segundo a qual:

Os caracteres de um indivíduo correspondem a elementos pares, os genes.

Os genes estão ligados uns aos outros nos cromossomos, formando um determinado número de grupos de ligação.

Os genes de cada par se separam durante a gametogênese, de acordo com a Primeira Lei de Mendel e, em consequência, cada gameta fica contendo apenas um conjunto de genes (Figura 2.5).

Os genes pertencentes a grupos de ligação diferentes segregam independentemente, de acordo com a Segunda Lei de Mendel (Figura 2.6).

Entre os elementos pertencentes a cada grupo de ligação, ocorre uma troca ordenada chamada permuta ou crossing-over, que leva à recombinação dos genes (Figura 2.4).

A frequência da permuta fornece a prova da linearidade dos genes em cada grupo de ligação e permite determinar sua posição relativa.

Figura 2.5: Monoibridismo.

A cor do corpo da Drosophila depende de um gene, localizado no cromossomo III, com dois alelos (e = corpo preto ou ebony, e + = corpo amarelo). O cruzamento entre duas linhagens puras de moscas que diferem pela cor do corpo (amarelo ou preto) gera, na primeira geração (F1), moscas de corpo amarelo, mostrando a recessividade do alelo e. Do cruzamento entre indivíduos da F1 nasce uma segunda geração (F2) com uma proporção fenotípica de 3 moscas amarelas: 1 mosca preta. Esta proporção decorre da segregação dos alelos de um gene, na formação de gametas.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos Das descobertas de Morgan e sua equipe,
BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos Das descobertas de Morgan e sua equipe,

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos

Figura 2.6: Diibridismo.

A cor do corpo da Drosophila depende de um gene, localizado no cromossomo III, com dois alelos (e = corpo preto ou ebony; e + = corpo amarelo). A presença ou ausência de olhos depende de um gene, localizado no cromossomo IV, com dois alelos (ey = sem olhos, ey + = com olhos). O cruzamento entre duas linhagens puras de moscas que diferem pela cor do corpo (amarelo ou preto) e a presença ou ausência de olhos gera, na primeira geração (F1), moscas com olhos e de corpo amarelo, mostrando a recessividade dos alelos ey e e. Do cruzamento entre moscas da F1 nasce uma segunda geração (F2) com uma proporção fenotípica de 9 moscas amarelas com olhos: 3 moscas amarelas sem olhos, 3 moscas pretas com olhos: 1 mosca preta sem olhos. Esta proporção decorre da segregação independente dos alelos dos genes localizados em diferentes cromossomos homólogos na formação de gametas.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos Figura 2.6 : Diibridismo. A cor do
BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos Figura 2.6 : Diibridismo. A cor do

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos

Os estudos posteriores mostraram a complexidade dos padrões de hereditariedade, que incluem casos de:

Alelismo múltiplo, quando um gene admite múltiplos alelos; dominantes, recessivos ou

codominantes (Sistema ABO, por exemplo). Pleiotropia, quando um gene determina diversos caracteres (pelagem e sobrevivência em

ratos, por exemplo). Herança poligênica, quando um caráter está determinado por vários genes de efeito

cumulativo (altura, cor dos olhos). Interação gênica, quando uma característica depende da ação de muitos genes.

Finalmente, deve-se destacar que o fenótipo de um indivíduo é o resultado da interação entre o genótipo e o ambiente em que este se expressa.

CÉLULAS E CROMOSSOMOS COMO AGENTES BIOLÓGICOS

Um dos testes pioneiros de diagnóstico genético está baseado na observação microscópica dos cromossomos de células somáticas durante a divisão celular (mitose). A identificação se vê facilitada pela presença de regiões ou bandas reveladas mediante algumas técnicas de coloração. O número e a estrutura dos cromossomos são analisados e apresentados em um arranjo (cariótipo) que segue uma classificação convencional (Figura 2.7).

Figura 2.7: Representação dos cromossomos humanos.

O arranjo segue uma classificação convencional que leva em conta o tamanho, a posição do centrômero (tracejado no esquema) e o padrão das bandas de cada cromossomo. Fonte: http://www.molecularstation.com/molecular-biology-images/data/502/karyotype.png

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos Os estudos posteriores mostraram a complexidade dos

Os testes de diagnóstico genético envolvendo a análise de cariótipos estão amplamente difundidos na prática médica, sendo facilitados atualmente pela utilização de corantes específicos para cada par cromossômico.

Como agentes biológicos, as células encontram outras aplicações (Tabela 2.2). Células vegetais cultivadas in vitro produzem substâncias de alto valor agregado, importantes para as indústrias alimentar, cosmética e farmacêutica. Também se utilizam para regenerar plantas. A multiplicação de vírus em cultivos de células de insetos permite a comercialização de práticas de controle biológico.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos

A síntese de algumas substâncias importantes para a indústria farmacêutica, como o fator ativador de plasminogênio, depende do cultivo in vitro de células animais. Estas também substituem os animais nos testes toxicológicos e são utilizadas na multiplicação de vírus para a preparação de vacinas. Também possibilitam a produção de anticorpos.

Combinando as técnicas de cultivo celular com o desenvolvimento de materiais biológicos semelhantes ao colágeno, uma área nova de engenharia de tecidos visa a reparação ou substituição de tecidos lesionados. Os enxertos de pele artificial, cultivada in vitro, saram ferimentos e/ou queimaduras em seres humanos.

Tabela 2.2: As células como agentes biológicos.

   

Indústria alimentar e cosmética

Vegetais

(Adoçantes, corantes, flavorizantes e aromatizantes)

Indústria farmacêutica

 

(Alcaloides e esteroides)

CÉLULAS

 

Estudos toxicológicos

Animais

Diagnóstico clínico

e/ou

Indústria farmacêutica

(Produção de anticorpos, soros e vacinas)

humanas

Medicina regenerativa

(Produção de tecidos de substituição)

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 2: As células e os cromossomos

CAPÍTULO 3. OS MICRORGANISMOS

A DIVERSIDADE MICROBIANA

O termo “microrganismos” se aplica a um grupo heterogêneo de seres que vivem como células independentes ou como agregados celulares: bactérias, arqueas, protozoários, algas e fungos e, também, vírus. Salvo estes últimos, que estão na fronteira entre o vivo e o não vivo, os encontramos dentro dos três domínios em que se classificam os seres vivos:

Bacteria, Archaea e Eukarya (Tabela 3.1).

Os microrganismos mostram uma diversidade surpreendente de estrutura e modos de vida. Alguns são procariontes, como as bactérias; outros eucariontes, como os protozoários, as algas e os fungos. Os aeróbios crescem se houver oxigênio, os anaeróbios se não o houver. Formas livres colonizam todos os ambientes terrestres, desde o cume das montanhas até as profundidades dos oceanos. Mas há também parasitas que crescem à custa de outros seres vivos, onde encontram abrigo e alimento, e os que mostram diversos graus de dependência de outros seres vivos.

Os autótrofos sintetizam seus alimentos a partir de dióxido de carbono; os fotossintéticos utilizam a luz como fonte de energia e os quimiossintéticos, algumas reações químicas inorgânicas. Os heterótrofos dependem das moléculas orgânicas elaboradas pelos autótrofos, que absorvem ou ingerem.

O fato de mantê-los agrupados sob a denominação de “microrganismos” talvez obedeça menos a uma questão de semelhança que a razões práticas; já que os mesmos métodos básicos de estudo (isolamento, cultura in vitro, identificação) podem ser aplicados, com pequenas variações, a esses grupos.

Tabela 3.1: Os microrganismos dentro do marco da uma classificação biológica atual.

DOMÍNIO

BACTERIA

ARCHAEA

 

EUKARYA

 

REINO

EUBACTERIA

ARCHAEBACTERIA

PROTISTA

FUNGI

PLANTAE

ANIMALIA

TIPO DE

Procariótica

Procariótica

Eucariótica

Eucariótica

Eucariótica

Eucariótica

CÉLULA

ESTRUTURA

Parede celular

Parede celular

Parede

Parede celular

Parede celular

Sem parede

CELULAR

com

sem

celular de

de quitina

de celulose;

celular nem

peptidoglicano

peptidoglicano

celulose, em

cloroplastos

cloroplastos

alguns;

cloroplastos,

 

em alguns

ORGANIZAÇÃO

Unicelular

Unicelular

Uni ou

Uni ou

Pluricelular

Pluricelular

pluricelular

pluricelular

NUTRIÇÃO

Autotrófica (*)

Autotrófica (*) ou

Autotrófica

Heterotrófica

Autotrófica

Heterotrófica

ou

Heterotrófica (**)

ou

(absorção)***

(ingestão)***

Heterotrófica

Heterotrófica

(**)

EXEMPLOS

Eubactérias

Arqueas

Protozoários

Leveduras,

Briófitas

Invertebrados

e Algas

Mofos, Bolores

(musgos),

e Cordados

e Cogumelos.

Pteridófitas

(samambaias),

Gimnospermas

e

Angiospermas.

* Nutrição heterotrófica: o organismo se alimenta de moléculas orgânicas elaboradas por outros seres vivos por

absorção (captação de nutrientes dissolvidos na água), dissolvidas).

ou

ingestão (entrada de

partículas de alimentos não

** Nutrição autotrófica: o organismo produz seu próprio alimento a partir de substâncias inorgânicas e de uma fonte de energia. Os seres autotróficos podem realizar fotossíntese (para a qual a fonte de energia é a luz solar) ou quimiossíntese (para a qual a fonte de energia é uma reação química exotérmica).

*** A absorção permite a captação de nutrientes dissolvidos na água; a ingestão se refere às partículas de alimentos não dissolvidas.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 3: Os microrganismos

AS EUBACTÉRIAS

As eubactérias ou bactérias são organismos unicelulares procarióticos em que uma parede celular pode cumprir uma função protetora. Além do DNA cromossômico, podem apresentar moléculas circulares extras de DNA denominadas plasmídeos.

Em condições favoráveis de umidade, acidez e temperatura, as bactérias se multiplicam rapidamente por fissão celular produzindo milhões de células em poucas horas (Figura 3.1). Em uma de suas acepções, a palavra clone se aplica às células que derivam de uma única célula Algumas espécies bacterianas também mantêm formas de reprodução sexuada, possibilitando a recombinação do material genético.

Figura 3.1: Bactérias e clones. Por divisão binária de uma bactéria gera-se um clone de bactérias semelhantes.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 3: Os microrganismos AS EUBACTÉRIAS As eubactérias ou bactérias são organismos unicelulares procarióticos

As eubactérias formam um grupo com mais de 5.000 espécies conhecidas. Pequenas (0,0005-0,005 mm) e de formas diversas (esféricas, bastonetes, helicoidais), elas podem ser encontradas isoladas ou em pares, cadeias ou agregados. Algumas se locomovem livremente, mediante um ou mais flagelos distribuídos na superfície celular, outras se aderem mediante pelos ou fímbrias a um organismo hospedeiro. O grupo inclui também as cianobactérias, que serão comentadas mais adiante junto com as algas.

Em condições desfavoráveis, algumas bactérias formam esporos que resistem em forma latente até que a situação mude, germinando e retomando sua atividade fisiológica. Um exemplo interessante, na Europa do século XIX, é o da existência de “campos malditos”, campos em que as ovelhas não deviam transitar, devido ao alto risco de contrair o carbúnculo ou antraz. De fato, os bacilos presentes nos animais vitimados pela doença e enterrados nesses campos formavam esporos que, trazidos à superfície pelas minhocas, contaminavam as pastagens.

Uma técnica laboratorial (coloração de Gram) permite diferenciar as bactérias pela estrutura da parede celular. Entre as Gram-positivas, cuja parede celular é mais simples, encontramos gêneros como Clostridium, Bacillus, Mycobacterium (com algumas espécies que causam a tuberculose e a lepra) e os Actinomicetes, como Streptomyces, produtora de antibióticos como a estreptomicina.

Entre as Gram-negativas, encontramos os micoplasmas, Escherichia coli, uma colonizadora do trato digestivo de muitos organismos, Salmonella, um agente de muitas intoxicações alimentares, as cianobactérias fotossintéticas, os espiroquetas (Treponema pallidum e Borrelia burgdorferi, causa da sífilis e da doença de Lyme, respectivamente) e as clamídias (responsáveis por tracoma e uretrites).

Estima-se que as bactérias sejam responsáveis por aproximadamente metade das doenças humanas. As Gram-negativas resultam mais difíceis de tratar que as Gram-positivas, devido a uma camada adicional na parede celular que as protege e dificulta a entrada de antibióticos. Assim como o homem, os animais e as plantas também são afetados por patógenos bacterianos. O dano decorre da invasão dos tecidos do hospedeiro ou da liberação de substâncias tóxicas (exo e endotoxinas). Mas nem todas são patogênicas.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 3: Os microrganismos

A participação das bactérias na reciclagem dos elementos é fundamental do ponto de vista ecológico, possibilitando o tratamento de resíduos e de águas servidas e, também, a eliminação de compostos recalcitrantes (biorremediação) e a extração de minérios (biolixívia). Por outro lado, a fixação de nitrogênio e a produção de toxinas pesticidas contribuem para melhorar as práticas agrícolas.

Devido a suas propriedades metabólicas, muitas eubactérias são utilizadas na produção de alimentos (laticínios, vinagre, picles e azeitonas) e de aditivos (vitaminas, aminoácidos, gomas emulsificantes e estabilizantes), na indústria química (acetona, butanol e plásticos biodegradáveis) e na indústria farmacêutica (vacinas, toxinas e antibióticos). Também se utilizam na produção de enzimas para uso industrial e médico (Tabela 3.2).

AS ARQUEAS

As arqueobactérias, ou arqueas, diferem das eubactérias pela estrutura da parede celular e, também, por alguns aspectos metabólicos relacionados com a síntese de proteínas que as aproximam dos eucariontes.

Algumas vivem em habitats inóspitos, como as solfataras dos vulcões ou gêiseres, a temperaturas superiores a 60-80 0 C (Islândia, Costa Rica). Outras prosperam em lagos onde a concentração salina é altíssima, como o Grande Lago Salgado (Estados Unidos) ou o Mar Morto (Israel). Entre as arqueas existem também gêneros com vias metabólicas peculiares que as tornam dependentes de enxofre ou produtoras de metano.

Devido a estas propriedades, nos últimos anos tem-se acelerado a prospecção de arqueas com propriedades potencialmente interessantes, para serem utilizadas em processos industriais que exijam condições ambientais extremas.

No entanto, estudos recentes de ecologia molecular mostram que as arqueas não se limitam a ambientes extremos, sendo sua diversidade bem maior do imaginado previamente.

Tabela 3.2: As bactérias (Eubactérias e Arqueas) como agentes biológicos.

 

Tratamento de resíduos e de águas servidas

Produção de energia

Ex: Metano

Biorremediação, extração de minério

Indústria química

Ex: Acetona, butanol, ácido láctico, ácido acético

BACTÉRIAS

Enzimas industriais

Agricultura

Ex: Rizóbios, biopesticidas

Alimentos

Ex: Laticínios, vinagres, picles, azeitonas, silagem

Indústria de alimentos Ex: Vitaminas B 12 e β-caroteno, aminoácidos lisina e ácido glutâmico;

polissacarídeos xantana e dextrana*

Indústria farmacêutica

Ex: Enzimas de uso médico, antibióticos, vacinas e toxinas

(*) A dextrana também tem usos médicos

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 3: Os microrganismos

OS PROTISTAS

Os Protozoários se classificam no reino Protista, um grupo mal definido de seres eucarióticos unicelulares ou pluricelulares, autótrofos ou heterótrofos, de reprodução sexuada ou assexuada.

Trata-se de organismos unicelulares heterotróficos, cujo tamanho varia entre 0,002 e 1mm. Alguns vivem livres em ambientes marinhos, de água doce, ou simplesmente muito úmidos. Outros parasitam outras espécies, nas quais causam doenças: Giárdia, Amoeba, Trichomonas, Plasmodium, Toxoplasma, Leischmania etc. De importância fundamental para o ser humano do ponto de vista médico, sua caracterização molecular pode dar origem a testes diagnósticos e vacinas.

Classificadas junto com os protozoários no reino Protista, as algas são organismos uni ou pluricelulares, autotróficos e aquáticos. Situadas na base das cadeias alimentícias aquáticas, as algas cumprem um papel fundamental na biosfera por serem capazes de fixar gás carbônico e produzir oxigênio. Algumas participam na formação de solos e na fixação de nitrogênio.

Apesar de não ter órgãos diferenciados, as macroalgas marinhas (algas pardas, algas vermelhas e parte das algas verdes) formam filamentos e talos que podem chegar a medir mais de trinta metros. São utilizadas na alimentação humana (Porphyra ou nori e Laminaria, como o kombu, no Oriente; cochayuyo no Chile); e, também, como adubo. Devido a sua capacidade de formar géis e emulsões, os ficocoloides extraídos delas (Agar, carragenina, alginato) são empregados em análises clínicas (preparação de meios de cultivo para cultivo de bactérias e fungos) e em várias indústrias, tais como a alimentícia (sorvetes, cremes, geleias etc.), a farmacêutica (laxantes, cápsulas de remédios) e a cosmética (cremes, sabonetes, xampus, dentifrícios etc.).

As microalgas representam um grupo extremamente diversificado de umas 25.000 espécies das quais só um pequeno grupo está bem estudado. Este compreende aproximadamente cinquenta espécies de microrganismos fotossintéticos, tanto eucariontes (diatomáceas, dinoflagelados, euglenoides e outras algas verdes) como procariontes (cianobactérias, antigamente algas azul-esverdeadas).

Tabela 3.3: As algas como agentes biológicos.

   

Tratamento de efluentes, biomonitoramento de poluição, energia

Biomassa

Ex: Biomassa para a produção de energia.

Agricultura

Ex: Adubo.

Produção de alimentos

ALGAS

Ex: Alimentação humana, ração para avicultura e aquicultura.

 

Indústria de alimentos

Ex: Aditivos, espessantes e emulsionantes, substitutos proteicos e

Moléculas

complementos nutricionais.

Indústria de cosméticos

Ex: Ácidos graxos e outras substâncias tais como ficocoloides,

pigmentos, glicerol, abrasivos finos etc.

Indústria farmacêutica

Ex: Compostos biologicamente ativos, tais como toxinas, antibióticos, antivirais e antitumorais.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 3: Os microrganismos

A proliferação de microalgas como florações na natureza (marés vermelhas) ou em reservatórios, geralmente devido à eutrofização das águas, causa a morte de outros organismos, sendo muito perigosa se estiver acompanhada pela liberação de toxinas. Porém, em alguns sistemas de tratamento de efluentes as microalgas são incorporadas nos tanques para remover nutrientes inorgânicos e adicionar oxigênio. Também são usadas como indicadores de poluição.

O metano, um gás combustível, resulta da degradação de biomassa de algas por microrganismos anaeróbios. Por outro lado, a produção de hidrogênio por algas representa uma alternativa energética promissora.

As microalgas são aproveitadas na alimentação animal como ração para a avicultura e a aquicultura. Algumas das substâncias que elas sintetizam são incluídas na alimentação humana como complementos nutricionais e substitutos proteicos; trata-se de aminoácidos, ácidos graxos e vitaminas (B12, β-caroteno ou provitamina A). Também são utilizadas na formulação de cosméticos e na indústria farmacêutica (Tabela 3.3).

OS FUNGOS

O Reino Fungi comporta mais de 100.000 espécies. Os fungos são organismos eucarióticos, uni ou pluricelulares, com uma parede celular formada por quitina. Todos eles são heterótrofos e podem se reproduzir sexuada ou assexuadamente.

As leveduras são fungos unicelulares que se desenvolvem em lugares úmidos e se reproduzem por brotamento. Pertence a este grupo um dos microrganismos de maior importância econômica: Saccharomyces cerevisiae, o popular levedo de cerveja (ou, simplesmente, levedura) utilizado tradicionalmente na preparação de alimentos e de bebidas, assim como na produção de etanol, vitaminas e outros metabólitos. Transformada mediante técnicas de engenharia genética, esta levedura produz uma vacina contra a hepatite B (Tabela 3.4). Entretanto, nem todas as leveduras são benéficas; Candida albicans, um microrganismo oportunista da flora normal humana pode, em certas condições, proliferar de maneira anormal, tornando-se patogênica.

Tabela 3.4: Os fungos como agentes biológicos.

 

Agricultura

Ex: Controle biológico de insetos e nematoides, micorrizas.

Produtos de fermentação

Ex: Etanol, glicerol, ácido cítrico.

Enzimas industriais

Biomassa

FUNGOS

Ex: Fermento de padaria, micoproteína.

Indústria de alimentos

 

Ex: Panificação, queijaria.

Indústria de bebidas

Ex: Cervejas e vinhos, destilados.

Produtos metabólicos

Ex: Extrato de levedura, hormônios de crescimento vegetal.

Indústria farmacêutica

Ex: Antibióticos, vitaminas, vacinas, esteroides.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 3: Os microrganismos

Nos bolores e mofos, as células formam um emaranhado de filamentos ou hifas, denominado micélio. Os mofos crescem rapidamente por fragmentação do micélio e se disseminam mediante esporos; como Aspergillus niger, um produtor de ácido cítrico; ou como Rhizopus, o fungo preto do pão, que se expande sobre a superfície deste apesar dos conservantes acrescentados; ou ainda como Aspergillus flavus, um bolor que ataca as sementes de leguminosas (amendoim, feijão, soja) e produz uma toxina poderosa, a aflatoxina, causando graves intoxicações.

Neste grupo também se encontra o Penicillium, um gênero que conta com diversas espécies, uma das quais é utilizada na indústria farmacêutica, para a produção de penicilina, e outras na indústria de alimentos, para a maturação de queijos como o Roquefort, o Gorgonzola e o Camembert.

Os cogumelos são os corpos reprodutivos de muitos fungos. Alguns são venenosos (Ammanita), outros produzem substância alucinógena, tais como a psilobicina, utilizada por grupos nativos mexicanos em rituais religiosos, ou a ergotamina, sintetizada quimicamente no século XX com o nome de LSD (ácido lisérgico). Mas também os há comestíveis como o Agaricus ou champignon, o Shiitake e o Pleurotus, que são cultivados e comercializados pelo homem.

Em termos ambientais, um quarto da colheita de frutas e vegetais é destruído pelos fungos; pragas como a ferrugem do café, o esporão do centeio e a vassoura-de-bruxa afetam gravemente a agricultura. Na Irlanda no século XIX, o Phytophtora infestans atacou a batata, destruindo a fonte básica de alimentação; a praga causou um milhão de mortes e a emigração forçada de boa parte da população.

Os liquens resultam da simbiose entre um fungo e uma alga. Alguns são comestíveis, supondo-se que a Lecanora esculenta seja o maná referido na Bíblia. O grupo não tem sido muito explorado economicamente, apesar de ter encontrado aplicações como corantes (tintura de tornassol, um indicador de pH), no tingimento de tecidos e como fixadores na indústria de perfumes. Também são indicadores de poluição (biomonitoramento).

Em contrapartida, outra associação, desta vez entre um fungo filamentoso e as raízes das plantas vasculares, as micorrizas, ocupam um lugar de destaque na agricultura em solos tropicais por facilitarem a solubilização dos fosfatos.

OS VÍRUS, NA FRONTEIRA DO VIVO E DO NÃO VIVO

Os vírus são partículas inertes sem nenhuma atividade metabólica, no limite entre o “vivo” e o “não vivo”. Os menores medem 20 nanômetros (1nm = 10 -4 mm). Podem atravessar filtros extremamente finos e cristalizar. Sua estrutura é muito simples: um ácido nucleico (ADN ou ARN, como filamento simples ou duplo) dentro de uma capa proteica ou capsídeo. Muitos possuem enzimas que serão liberadas dentro da célula hospedeira (Figura 3.2)

Figura 3.2: Alguns tipos de vírus.

Os

adenovírus

e

o

HIV parasitam

células

humanas;

o bacteriófago,

bactérias.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 3: Os microrganismos Nos bolores e mofos, as células formam um emaranhado de

Como parasitas obrigatórios de bactérias, plantas ou animais, ao infetar uma célula viva passam a utilizá-la para sua própria reprodução. Alguns se integram no genoma da célula infetada (bacteriófagos, retrovírus). Devido a esta propriedade, os vírus têm sido utilizados como vetores para introduzir genes em uma célula hospedeira (Figura 3.3).

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 3: Os microrganismos

Figura 3.3: A multiplicação de um bacteriófago.

A infecção da bactéria pelo bacteriófago destrói a célula (ciclo lítico). Em alguns casos, o DNA viral se integra no cromossomo sendo transmitido às células filhas; em determinadas condições o vírus retoma sua atividade, reiniciando o ciclo lítico.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 3: Os microrganismos Figura 3.3 : A multiplicação de um bacteriófago. A infecção

Várias doenças humanas são causadas por vírus, tais como o poliovirus, o HIV, o coronavirus responsável pela SAR (síndrome aguda respiratória) etc. Ao infectar as células animais normais, alguns vírus as transformam em células cancerosas.

Os vírus que infectam insetos podem ser utilizados no controle de pragas. Na luta contra a lagarta da soja, o Baculovírus evita a aplicação de 1,2 milhão de litros de inseticidas por ano nas lavouras brasileiras.

AS TÉCNICAS MICROBIOLÓGICAS

Diversos tipos de técnicas, muitas das quais datam do século XIX, facilitam o trabalho laboratorial. A identificação de um microrganismo demanda a observação microscópica e a utilização de alguns métodos específicos de coloração, complementados por testes bioquímicos e eventualmente genéticos e imunológicos. Encontrar e manter um microrganismo no laboratório demanda a aplicação de técnicas bacteriológicas aplicáveis também, com algumas variações, a fungos e algas.

Cultivar microrganismos exige, além do desenho de um meio nutriente que satisfaça suas necessidades metabólicas, um cuidado especial com as condições de temperatura e iluminação em que este será incubado. Os meios nutrientes se empregam líquidos ou solidificados com agar, uma substância que lhes confere uma consistência gelatinosa. Os recipientes mais comuns são tubos de ensaio e placas circulares de vidro com tampa (Placas de Petri); e, para inocular os meios, se utilizam alças de platina e pipetas de diferentes tipos (Figura 3.4).

Figura 3.4: Material clássico de Microbiologia

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 3: Os microrganismos Figura 3.3 : A multiplicação de um bacteriófago. A infecção

A grande dificuldade do laboratório microbiológico está em conseguir a multiplicação do

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 3: Os microrganismos

microrganismo desejado evitando as contaminações, isto é a multiplicação de outros microrganismos.

Trabalha-se em condições assépticas, o que demanda a esterilização prévia do material de vidro, dos meios nutrientes e dos instrumentos (alças, pipetas) que serão utilizados. E na transferência do material biológico, evita-se cuidadosamente toda contaminação com os microrganismos do ar. Equipamentos especialmente desenhados para trabalhar sob um fluxo de ar esterilizado ajudam o profissional. Também se evitam as contaminações na hora de eliminar o material utilizado, a fim de não liberar microrganismos prejudiciais no ambiente.

Os microrganismos são isolados a partir de amostras de solo, água, ar ou fluidos corporais. As linhagens obtidas se conservam como culturas puras. Microrganismos com características diferentes são obtidos induzindo mutações e selecionando as linhagens mutantes. Cada laboratório mantém os estoques microbianos necessários, que também podem ser solicitados a centros especializados (Coleções de cultura).

O número de microrganismos em uma amostra pode ser estimado por diversos métodos:

contagem microscópica, contagem eletrônica, contagem em placa, turvação do meio, massa seca, conteúdo de nitrogênio ou medidas indiretas da atividade microbiológica.

Em geral, as técnicas clássicas são trabalhosas e muito demoradas para o diagnóstico clínico, por isso estão sendo substituídas por técnicas miniaturizadas mais rápidas que identificam os microrganismos com base em algumas reações bioquímicas em kits padronizados. A tendência geral é de automatização do laboratório microbiológico.

Em outra linha de ação, a partir do início do século XX surge a Microbiologia Ambiental, trazendo uma nova visão em relação às populações microbianas presentes na natureza. No entanto, nossa ignorância em relação aos microrganismos ainda é enorme. O número de espécies que conseguimos cultivar no laboratório não representa ainda mais do que 1 a 5 % da totalidade existente; dependemos dos avanços na área da genômica para ampliar nosso conhecimento das comunidades microbianas do ambiente.

BIOSSEGURANÇA E BIOSSEGURIDADE

Os microrganismos são classificados segundo o risco de causarem danos aos profissionais que trabalham com eles e à coletividade. Os critérios são: a patogenicidade para o homem, a virulência, o modo de transmissão, a endemicidade e a existência ou não de uma terapêutica eficaz. Definem-se assim quatro grupos de risco:

Grupo 1: Baixo risco individual e coletivo. Microrganismos que nunca foram descritos como agente causador de doenças para o homem e que não constituem risco para o meio ambiente. Exemplos: Bacillus cereus, Bacillus subtilis, Escherichia coli (algumas linhagens).

Grupo 2: Risco individual moderado, risco coletivo limitado. Microrganismos que podem causar doenças no homem, com pouca probabilidade de alto risco para os profissionais do laboratório. Exemplos: Salmonella, Toxoplasma, Schistosoma mansoni, vírus do sarampo, vírus da hepatite B.

Grupo 3: Risco individual elevado, risco coletivo baixo. Microrganismos que podem causar doenças graves aos profissionais do laboratório. Exemplos: Mycobacterium tuberculosis e HIV.

Grupo

4:

Sério

risco

para

os

profissionais

do

laboratório

e

para

a coletividade.

Microrganismos que causam doenças graves para o homem. Exemplos: vírus Ebola, vírus

Marburg.

A cada grupo de microrganismos correspondem normas estritas de trabalho, que abrangem desde a arquitetura do laboratório e as características dos equipamentos até as precauções que devem ser tomadas pelos profissionais e a forma em que o lixo será descartado.

O conceito de biossegurança se complementa com o de biosseguridade, isto é, o conjunto de medidas necessárias para evitar a remoção intencional de material biológico valioso como, por exemplo, em caso de bioterrorismo.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 3: Os microrganismos

OS MICRORGANISMOS COMO AGENTES BIOLÓGICOS

Tabela 3.5: Principais destaques entre os agentes biológicos microbianos.

EUBACTÉRIAS

UTILIZAÇÃO

Bactérias lácticas Os gêneros Lactobacillus e Streptococcus são responsáveis por vários processos, tais como a elaboração de queijos e de iogurtes, o envelhecimento dos vinhos, a conservação de alimentos (sauerkraut ou repolho fermentado, silagem para o gado); a produção de ácido láctico, um aditivo utilizado na indústria de alimentos como acidulante e estabilizante.

Bacillus thuringiensis

Este microrganismo prolifera no solo e na superfície das plantas, sintetizando uma toxina fatal para as larvas de insetos. Esta é produzida comercialmente há mais de 40 anos, representando 90% das vendas de inseticidas biológicos e reduzindo a necessidade de aplicação de pesticidas químicos nas lavouras. Nos últimos anos, o gene codificador da toxina tem sido transferido a plantas (algodão, milho) para que estas sintetizem diretamente o inseticida.

Streptomyces

Além do cheiro característico da terra removida, este gênero de bactérias do solo produz substâncias antibióticas (estreptomicina, tetraciclina, eritromicina), antifúngicas (nistatina), herbicidas, antitumorais e supressoras de rejeição a transplantes.

Pseudomonas

Várias linhagens se utilizam na eliminação de poluentes. Algumas quebram moléculas de hidrocarbonetos, como os existentes nos acidentes de derramamento de petróleo; outras podem remover o mercúrio aquático.

Agrobacterium tumefaciens

Agente patogênico para as plantas dicotiledôneas que desenvolvem um tumor ou galha quando infetadas. Com a remoção de um gene, perde a capacidade de provocar tumores, conservando a capacidade infecciosa, utilizada na engenharia genética de vegetais.

Bactérias butíricas

Na indústria têxtil, Clostridium butiricum libera as fibras vegetais durante a maceração do cânhamo e do linho. Clostridium acetobutyricum é utilizado na produção industrial de acetona e butanol. Clostridium botulinum produz uma toxina poderosíssima; calcula-se que um grama desta bastaria para matar um milhão de pessoas. A ingestão de conservas contaminadas e mal esterilizadas resulta quase sempre em um desfecho fatal. Devido a sua ação inibitória da contração muscular, a toxina botulínica é utilizada em concentrações muito pequenas, para reduzir as rugas e marcas de expressão durante certo tempo (efeito cosmético).

Escherichia coli

Descoberta em 1855, esta bactéria Gram-negativa vive no

trato digestivo do homem e de outros animais. Têm forma de bastonete (0,002 mm de comprimento, 0,0008 mm de diâmetro), 1 a 4 moléculas de DNA e 15.000 a 30.000 ribossomos. Flagelos e pelos lhe permitem movimentar-se rapidamente. Algumas linhagens são patogênicas, podendo contaminar os alimentos (carne, leite, vegetais) que devem ser cozidos adequadamente. Os seus requerimentos nutricionais básicos são simples: água, sais minerais, uma fonte de nitrogênio e uma fonte de energia. Em condições adequadas, se divide a cada 20-40 minutos; também pode se reproduzir de maneira sexuada (conjugação).

Devido à facilidade com que ela pode ser cultivada no laboratório, Escherichia coli tem se tornado uma ferramenta indispensável para estudos bioquímicos e genéticos, incluindo a Engenharia Genética. O seu genoma compreende 4,6 milhões de pares de bases que codificam em torno de 4.000 proteínas diferentes.

A introdução de transgenes em Escherichia coli K12, uma linhagem inofensiva de laboratório, possibilitou os primeiros processos de produção de insulina, de interferon e de hormônio de crescimento. Entretanto, por se tratar de uma célula procariótica, nem sempre é a melhor opção de "fábrica" para a síntese de produtos de origem animal ou vegetal, tendo sido aos poucos substituída por outras células eucarióticas, como a levedura.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 3: Os microrganismos

ARQUEOBACTÉRIAS

UTILIZAÇÃO

Thermus aquaticus Isolada em uma poça do parque nacional de Yellowstone (Estados Unidos), esta bactéria produz uma enzima que copia o DNA a uma temperatura alta. Esta enzima permite obter milhões de cópias de um fragmento de DNA em um processo automatizado que revolucionou a Biotecnologia, chamado PCR (Polymerase Chain Reaction ou Reação em cadeia da polimerase).

Bactérias metanogênicas Vivem em lugares onde há ausência de oxigênio, seja no tubo digestivo de alguns animais (gado, cupins) ou nos pântanos. Estas bactérias transformam o acetato resultante da degradação de celulose por outras bactérias em metano, um gás combustível.

ALGAS

UTILIZAÇÃO

Spirulina

O seu alto teor proteico, que corresponde a 60% do peso seco, lhe confere um elevado valor nutritivo; as proteínas representam aproximadamente 2% do peso seco da batata e 6-10% do trigo. Quando da chegada dos espanhóis, os astecas já preparavam umas bolachas (tecuitlatl) com a Spirulina coletada no lago Texcoco. Na África, no lago Tchad, ainda hoje ela é coletada e consumida como alimento. Spirulina, assim como Chlorella, são vendidas em tabletes como complemento nutritivo.

Dunaliella

Acumula glicerol em condições de alta salinidade, com o

qual

consegue evitar a desidratação. Pode crescer no Mar Morto, sendo também cultivada em tanques ou lagoas, perto do Mar Vermelho, para extração do glicerol e de β-caroteno, outro produto metabólico.

 

FUNGOS

UTILIZAÇÃO

Saccharomyces cerevisiae Conhecido como levedo de cerveja ou levedura, é utilizado na preparação de alimentos (pão, biscoitos, fermento de padaria) e de bebidas (cerveja, vinho e destilados), assim como na produção de outras substâncias de importância industrial (etanol, vitaminas e outros metabólitos). A levedura cresce facilmente em laboratório. Também pode ser manipulada geneticamente. Nos fermentadores ou biorreatores industriais onde se multiplica rapidamente a partir de matérias-primas de baixo custo, ela permanece ativa durante períodos longos e, ao concluir o processo, pode ser separada por filtração ou centrifugação. Com 12.000.000 de pares de bases e 6.000 genes em 16 cromossomos, Saccharomyces cerevisiae foi, em 1997, o primeiro organismo eucariótico a ter o seu genoma sequenciado.

Aspergillus

Algumas espécies alcançam grande importância industrial, como A.niger, utilizada para a produção de ácido cítrico ou de enzimas (em linhagens modificadas geneticamente).

Penicillium

Algumas espécies são utilizadas na indústria farmacêutica (penicilina) ou indústria de alimentos (queijos azuis, como o Roquefort e o Gorgonzola; queijo Camembert).

CAPÍTULO 4. AS ENZIMAS E OS ANTICORPOS

AS PROTEÍNAS

Todos os organismos estão formados por água e moléculas de diversos tipos, inorgânicas e orgânicas (Figura 4.1). Entre estas últimas, se encontra um grupo de macromoléculas, as proteínas, que participam em numerosas atividades, cumprindo um papel fundamental para os seres vivos. Pertencem a este grupo as enzimas, moléculas de ação catalítica, e os anticorpos, moléculas que participam na defesa do organismo.

Tabela 4.1: As funções das proteínas no organismo.

FUNÇÃO

EXEMPLOS

Componentes estruturais

Queratina do

cabelo, colágeno

da derme, actina

e miosina

das

fibras

musculares.

Substâncias de reserva

Albumina do ovo, caseína do leite.

 

Ação catalítica

Enzimas que controlam as reações químicas celulares.

 

Outras

Transmissão de informação (hormônios proteicos), participação nos mecanismos de defesa (anticorpos, citocinas), transporte e armazenamento de pequenas moléculas (hemoglobina).

Figura 4.1: A composição química de uma bactéria.

Apesar de algumas diferenças nas proporções de alguns componentes, a composição química de outros microrganismos ou das células eucariontes é comparável à de uma bactéria.

CAPÍTULO 4. AS ENZIMAS E OS ANTICORPOS AS PROTEÍNAS Todos os organismos estão formados por água

ESTRUTURA

As proteínas são macromoléculas formadas por 20 aminoácidos diferentes. Estes se caracterizam por ter, unidos ao átomo de carbono, um grupo amino (básico), um grupo carboxila (ácido) e um radical variável (Figura 4.2 A). A presença de um carbono assimétrico resulta em duas formas moleculares (L) e (D) que diferem por suas propriedades ópticas. Os aminoácidos que compõem as proteínas correspondem à forma (L).

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos

A reação de condensação entre o grupo carboxila de um aminoácido e o grupo amina de outro cria uma ligação peptídica (Fig.4.2 B). A união de vários aminoácidos forma uma cadeia peptídica que se caracteriza não só pelo número e tipo de aminoácidos que a compõem, como pela sequência em que estes se encontram, denominada estrutura primária. Ao se estabelecerem ligações entre os grupos que formam os enlaces peptídicos, a cadeia adota uma estrutura regular ou estrutura secundária, geralmente em forma de hélice ou de folha. As interações entre as cadeias laterais dos aminoácidos causam o dobramento da proteína, resultando uma configuração espacial que é chamada de estrutura terciária. A forma final de uma proteína dependerá ainda da associação entre vários polipeptídios, no que se denomina de estrutura quaternária (Figura 4.2 C).

Quando sintetizada dentro da célula, uma proteína adotará espontaneamente a configuração espacial que decorre de sua estrutura primária. Entretanto, fatores ambientais como o pH, a concentração salina ou a temperatura podem causar alterações momentâneas ou definitivas na forma da molécula.

Figura 4.2: Aminoácidos e proteínas

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos A reação de condensação entre o grupo

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos

AS BASES DE ALGUMAS TÉCNICAS LABORATORIAIS

Cromatografia

Esta técnica permite separar as substâncias de uma mistura com fins analíticos e preparativos. Está baseada na migração diferencial das moléculas de uma mistura, colocada em uma fase móvel, sobre um suporte estacionário ou matriz. Em função das características da fase estacionária, distinguem-se diferentes modalidades: cromatografia em papel, em camada delgada, cromatografia em gás, cromatografia líquida etc.

Na cromatografia em coluna, por exemplo, a separação das proteínas de uma mistura depende da estrutura da matriz, sólida e permeável, que se encontra imersa em um solvente (Figura 4.3). A separação obedece a três tipos de mecanismos:

Troca iônica. A matriz está formada por pequenas partículas carregadas que retêm as moléculas de carga contrária. Como a associação depende de fatores como o pH e a força iônica da solução, a modificação destes fatores permite controlar a separação.

Filtração em gel. A matriz consiste em partículas porosas que separam as proteínas em função de seu tamanho, como uma peneira molecular.

Afinidade. As

partículas da

matriz estão unidas por ligações covalentes a moléculas

(enzimas, anticorpos) que interagem com a proteína de interesse. Para liberar a proteína retida na coluna, muda-se o pH ou a concentração salina. Desse modo se consegue a proteína purificada.

Figura 4.3: Cromatografia em coluna

O processo está baseado na velocidade de migração diferencial das moléculas proteicas em uma matriz imersa em um solvente.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos AS BASES DE ALGUMAS TÉCNICAS LABORATORIAIS Cromatografia

Eletroforese

Moléculas ionizadas colocadas em um campo elétrico migram de acordo com suas cargas e pesos moleculares. Se a carga for positiva, elas migrarão para o pólo negativo ou cátodo e, inversamente, se ela for negativa, a migração ocorrerá na direção do pólo positivo ou ânodo. Este é o fundamento de outra técnica analítica, a eletroforese.

Se uma mistura de peptídeos for colocada em um campo elétrico, eles migrarão de acordo com sua carga, forma e tamanho, formando cada um deles uma banda característica que será visualizada mediante um corante ou uma reação química específica (Figura 4.4). Observe-se que a carga de um peptídeo resulta da soma das cargas correspondentes aos grupos amina e carboxila terminais e dos radicais dos aminoácidos que o compõem, e que essa carga varia com o pH do meio.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos

A eletroforese permite separar os componentes de uma mistura. Existem numerosas variações desta técnica em função do suporte (papel de filtro, sílica-gel, membranas de acetato de celulose, gel de agarose, amido ou poliacrilamida), da disposição da cuba (horizontal ou vertical), da direção da migração (unidirecional ou bidirecional) etc.

Figura 4.4: Eletroforese

Separação dos peptídeos de uma mistura, por migração diferencial em um campo elétrico.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos A eletroforese permite separar os componentes de

Espectrometria de massa

Esta técnica analítica mede a massa molecular a partir da razão entre a massa e a carga de moléculas ionizadas, medida que permite a identificação de uma substância. Com a descoberta de métodos de ionização adaptados às moléculas biológicas como o MALDI (do inglês Matrix Assisted Laser Desorption/Ionization), a espectrometria de massa se tornou nos últimos anos uma ferramenta indispensável na identificação de proteínas, açúcares, ácidos nucleicos, lipídios e outros compostos orgânicos.

Aplicada às proteínas, a espectrometria de massa identifica a molécula por comparação com outras de um banco de dados. Também fornece uma análise estrutural da molécula indicando a sequência de aminoácidos. Com esta técnica é possível estudar o conjunto de proteínas de um organismo (proteoma) e dissecar as interações das proteínas com outras moléculas. Por ser um método automatizado e rápido, tem alcançado múltiplas aplicações em farmacologia e diagnóstico.

AS ENZIMAS

A CATÁLISE ENZIMÁTICA

As reações químicas que ocorrem nos seres vivos dependem da atividade catalítica das enzimas. Estas moléculas agem diminuindo a energia de ativação necessária de uma reação química, sendo capazes de promovê-las e acelerá-las, sem ser alteradas ou destruídas.

A molécula de enzima reconhece um substrato específico, formando com ele um complexo molecular ou estado de transição. O encaixe no sítio ativo da molécula facilita a transformação do substrato no(s) produto(s) da reação. A enzima é recuperada no fim da reação, podendo atuar inúmeras vezes. O processo pode ser representado como a seguir:

S + E

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos A eletroforese permite separar os componentes de

SE

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos A eletroforese permite separar os componentes de

P + E

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos

A primeira característica das enzimas é a especificidade; uma enzima como a lactase, que opera sobre a lactose, não agirá sobre a sacarose; duas enzimas que hidrolisem o amido poderão fazê-lo cortando a molécula de maneira diferente, como a α-amilase e a β-amilase. A segunda é que, em função de sua origem biológica, as enzimas são biodegradáveis e agem em condições brandas de temperatura e pH.

A ação enzimática depende do pH, da temperatura, da presença de cofatores inorgânicos (zinco, ferro, cobre) e/ou orgânicos (coenzimas, muitas das quais são vitaminas). Os metais pesados alteram a estrutura molecular da enzima de maneira irreversível impedindo sua ação catalítica (desnaturação).

Uma inibição da atividade enzimática ocorre quando moléculas muito parecidas com o substrato competem com este para ocupar o sítio ativo da enzima (inibição competitiva). Ou quando outras moléculas se ligam a determinadas partes da enzima, alterando a estrutura espacial e dificultando o encaixe com o substrato (inibição não competitiva).

Figura 4.5: O mecanismo da atividade enzimática.

A atividade enzimática não modifica o equilíbrio da reação.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos A primeira característica das enzimas é a

OS DIVERSOS TIPOS DE ENZIMAS

Uma forma de classificar as enzimas é pelo tipo de reação que catalisam, acrescentando o sufixo “ase” ao nome do substrato que é transformado: protease, lactase, amilase, lipase, celulase. Também se pode adicionar “ase” ao nome da reação catalisada: hidrolase, oxirredutase. Quando combinadas as duas regras anteriores, se mencionam o nome do substrato e da reação catalisada adicionando ”ase” como, por exemplo, em DNA-polimerase. Porém, algumas enzimas, como a renina ou a trombina, conservam seus nomes tradicionais.

Tabela 4.2: A classificação internacional das enzimas

CLASSE

TIPO DE REAÇÃO CATALISADA

EXEMPLOS

Oxirredutases

Reações onde se transferem elétrons.

Desidrogenases, oxidases.

Transferases

Reações onde se transferem grupos químicos.

Transaminases, fosforilases.

Hidrolases

Reações de hidrólise, isto é, de transferência de grupos funcionais para a água.

Proteases, carboidrases, peptidases, lipases.

Liases

Adição de grupos a duplas ligações ou formação de duplas ligações por eliminação de grupos.

Decarboxilases (renina, trombina).

Isomerases

Produção de isômeros por transferência de grupos dentro de moléculas.

Isomerases, mutases.

Ligases

Formação de ligações C-C, C-S, C-O e C-N por reações de condensação.

Sintetases.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos

IMPORTÂNCIA ECONÔMICA

As enzimas apresentam numerosas vantagens quando utilizadas como agentes biológicos em processos tecnológicos: especificidade, operação em condições facilmente controláveis e biodegradabilidade. De um modo geral, os tratamentos enzimáticos diminuem a carga poluidora dos efluentes industriais.

Das 25.000 enzimas que, segundo as estimativas, existiriam na natureza, até o momento só foram classificadas umas 2.800, sendo comercializadas 400. O mercado se distribui fundamentalmente entre as proteases (59%), as carboidrases (28%) e as lipases (3%), três grandes conjuntos de enzimas que são utilizadas por diversas indústrias; os 10% restantes do mercado correspondem às enzimas analíticas e farmacêuticas (Tabela 4.3).

Tabela 4.3: As enzimas como agente biológico

 

Indústria de alimentos e bebidas

Ex: clarificação de vinhos e sucos de frutas, substituição da maltagem pelo tratamento do amido na elaboração de cervejas, fabricação de pão, biscoitos e bolachas, produção de adoçantes, fabricação de laticínios, suplementação de rações animais.

Produtos de limpeza

Ex: detergentes e lava-roupas para a remoção de manchas difíceis, produtos

para limpar dentaduras e lentes de contato.

Indústria têxtil

ENZIMAS

Ex: desengomador de tecidos, acabamento de jeans.

Curtumes

Ex: amaciamento de couros.

Indústrias de papel e celulose

Ex: branqueamento de polpa de celulose.

Indústria farmacêutica

Ex: reagentes para uso em análises clínicas, nucleases para a manipulação

gênica.

Tratamentos médicos

Ex: combate de inflamações, edemas e lesões; dissolventes de coágulos sanguíneos, agentes terapêuticos em transtornos digestivos.

Nos sabões lava-roupas, as enzimas prometem ao consumidor roupas limpas e com aparência de novas. Um exército constituído por proteases, amilases e lipases digere as manchas difíceis (sangue, leite, molho de tomate, capim, chocolate, batom etc.), enquanto que as celulases removem as microfibrilas de celulose das roupas. Não sendo mais necessário esfregar as manchas, a limpeza se realiza com pouco esforço e sem desgaste do tecido; como estas moléculas trabalham a temperaturas baixas, o consumo de energia é menor. Com mais uma vantagem para o fabricante: as enzimas não representam mais que uma fração muito pequena do sabão (0,4-0,8%), correspondente a 1% do seu custo.

As enzimas são empregadas também no acabamento de roupas. Para conseguir o aspecto usado, os jeans eram lavados com pedras (stone washed), um processo que tinha o inconveniente de causar a abrasão da maquinaria e o desgaste do tecido. Nos últimos anos, as pedras foram substituídas por celulases, com resultados satisfatórios.

Os curtumes, em vez de excrementos de cachorro ou de pombo, se valem hoje de enzimas pancreáticas para amaciar e desengordurar as peles.

Na indústria de alimentos e bebidas, as enzimas participam na produção de adoçantes, de pão, biscoitos e bolachas, de queijos. Na extração de sucos de frutas, as pectinases aumentam substancialmente o rendimento do processo, ao liberar o suco retido na pectina das paredes celulares vegetais. Também facilitam a clarificação de vinhos e cervejas.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos

Como medicamentos, as enzimas se aplicam em vários contextos, especialmente em quimioterapia e nas terapias trombolíticas. E muitos entre os mais corriqueiros testes de diagnóstico dependem de reagentes enzimáticos.

As enzimas permitem a resolução de misturas de moléculas racêmicas, nas que há duas formas isoméricas, tipo “mão direita” e “mão esquerda”, com diferente atividade biológica. Desse modo, poderão ser evitados problemas como o da talidomida, um medicamento que causou o nascimento de numerosos bebês com deformações congênitas, na década de 1960. A tragédia teria sido consequência da presença no produto comercial da forma molecular tipo “mão direita”, de ação teratogênica, junto ao tipo “mão esquerda”, de ação calmante.

Atualmente, estão sendo estudados métodos enzimáticos para eliminar os príons responsáveis pela denominada “doença da vaca louca”. Também se cogita a utilização de enzimas para limpar áreas contaminadas com agentes químicos como o gás sarin.

OS ANTICORPOS

Dentro da estratégia de defesa de um organismo, os anticorpos são elementos importantes no reconhecimento do “eu” e na eliminação do “não eu” (antígeno). Uma parte importante da resposta imune envolve a produção de anticorpos que reconhecem o antígeno, desencadeando os mecanismos de destruição adequados.

Em condições experimentais de laboratório, a reação antígeno-anticorpo ocorre quando os reagentes se encontram em meio líquido e nas concentrações adequadas, sendo visualizada como:

Uma precipitação, se os antígenos estiverem dissolvidos em um meio líquido ou em um gel (poliacrilamida).

Uma aglutinação, se os antígenos estiverem localizados sobre partículas (hemácias ou bactérias).

A MOLÉCULA DE ANTICORPO

A molécula de anticorpo denominada IgG (Imunoglobulina G) é formada por duas cadeias polipeptídicas leves e duas pesadas em forma de Y, ao qual se associa um pequeno número de grupos carboidrato. Uma parte da molécula é constante; as regiões variáveis localizadas nas extremidades dos braços do Y respondem pelo reconhecimento do antígeno (Figura 4.6).

Este tipo de anticorpo se encontra no soro sanguíneo, na fração proteica caracterizada por eletroforese como γ-globulina.

Figura 4.6: A estrutura da molécula de anticorpo (IgG).

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos Como medicamentos, as enzimas se aplicam em

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos

A UNIÃO ANTÍGENO-ANTICORPO

A união antígeno-anticorpo ocorre quando um anticorpo encontra no antígeno uma forma complementar, geralmente parte de uma molécula livre ou ancorada na membrana celular. Um antígeno pode ter várias destas formas (epítopos ou determinantes antigênicos) e ser reconhecido por anticorpos diferentes (Figura 4.7).

Figura 4.7: Os anticorpos e o reconhecimento do antígeno.

Observe-se que, ao compartilhar estruturas (determinantes antigênicos ou epítopos), alguns antígenos podem ser reconhecidos por um mesmo anticorpo, dando origem a uma reação cruzada.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos A UNIÃO ANTÍGENO-ANTICORPO A união antígeno-anticorpo ocorre

A PRODUÇÃO DE ANTICORPOS NO ORGANISMO

As células responsáveis pela produção de anticorpos são os linfócitos B, que se formam na medula óssea. Depois de um processo de diferenciação que envolve uma série de rearranjos genéticos, cada linfócito pode reconhecer um único epítopo (Figura 4.8).

Ao encontrar o epítopo específico, o linfócito B prolifera, originando um clone de células secretoras de anticorpos

Uma vez eliminado o antígeno, algumas células desse clone permanecerão no organismo como células-memória. Em um contato posterior com o mesmo epítopo, as células-memória darão início à resposta imune, que será mais rápida e mais intensa que a primeira.

Apesar de cada linfócito ser capaz de reconhecer um único epítopo, todos os linfócitos podem reconhecer aproximadamente 10 8 epítopos diferentes, o que explica a eficiência da resposta imune.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos

Figura 4.8: O encontro do linfócito B e do antígeno, e a seleção clonal.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos Figura 4.8 : O encontro do linfócito

A PRODUÇÃO DE ANTICORPOS NO LABORATÓRIO

Os anticorpos ocupam um lugar de destaque nos testes de diagnóstico clínico, por reunir duas propriedades que os transformam em uma ferramenta ideal: especificidade e diversidade.

Ao injetar animais (ratos, ovelhas, coelhos) com um antígeno, se induz em pouco tempo uma resposta imune. Esta envolve a produção de anticorpos contra o antígeno, sendo possível separá-los do soro sanguíneo do animal.

Se o antígeno utilizado possuir vários epítopos, no soro extraído se encontrará uma mistura de anticorpos, chamados “policlonais”. Estes resultam da ativação de vários clones de linfócitos B, cada um dos quais reconhece um dos epítopos do antígeno. Observe-se que o soro também terá anticorpos contra eventuais impurezas do antígeno, assim como anticorpos contra outros antígenos aos que o animal esteve exposto anteriormente. A purificação de um soro é um processo longo e complexo, que deverá ser repetido a cada extração de sangue do animal. Apesar destes problemas, reagentes de laboratório deste tipo foram utilizados normalmente até a década de 1980.

Não é possível cultivar separadamente os linfócitos porque estes sobrevivem pouco tempo in vitro. A obtenção de clones que sintetizem anticorpos específicos contra um único epítopo, isto é “monoclonais”, só se tornou possível com o desenvolvimento da tecnologia de hibridomas (Kohler, Milstein, 1975).

Um hibridoma resulta da fusão entre um linfócito B e uma célula cancerosa de mieloma. Reunindo as propriedades de ambas as células, cada hibridoma é capaz de sintetizar um único tipo de anticorpo (monoclonal) e de se multiplicar indefinidamente no laboratório, seja em cultivo de tecidos, seja na cavidade do peritoneu de um animal hospedeiro (Figura 4.9).

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos

Figura 4.9: A produção de anticorpos no laboratório

baço do
baço do

4.9.A: A produção de anticorpos policlonais. Recolhe-se o soro de um animal imunizado contra uma mistura de moléculas entre as quais está a molécula X. No soro se encontrarão misturados anticorpos de diferente especificidade, um dos quais reconhece X.

4.9.B: A produção de anticorpos monoclonais.

Injeta-se em um rato a mesma mistura de

moléculas; dias mais tarde, extrai-se o

animal e fusionam-se os linfócitos B (alguns dos quais reconhecem a molécula X) com células de mieloma. Os hibridomas são separados, cultivados e testados para identificar os que produzem anticorpos contra X.

A UTILIZAÇÃO DOS ANTICORPOS

Os anticorpos monoclonais encontraram imediatamente aplicações, substituindo praticamente os anticorpos policlonais, tanto na purificação de biomoléculas e células como nos testes de diagnóstico clínico ou ambiental ou no controle de qualidade dos alimentos.

Anticorpos específicos fixados nas partículas de uma coluna de afinidade permitem separar moléculas de uma mistura que circule por ela. Outra utilização extremamente engenhosa está na separação de populações celulares em um aparelho denominado cell sorter. As células são marcadas com anticorpos ligados a uma molécula fluorescente; ao passar através de raios laser, adquirem cargas elétricas, sendo separadas mediante uma placa defletora do equipamento.

A visualização da reação entre o antígeno e o anticorpo se vê facilitada quando estes últimos recebem alguma marcação. Em cortes histológicos, o antígeno é localizado pelos anticorpos acoplados a uma molécula fluorescente que possa ser identificada microscopicamente (Figura 4.10). Associados a uma molécula radiativa, os anticorpos são utilizados na dosagem de substâncias presentes nos fluidos corporais, sendo quantificada a radioatividade por exposição de uma placa sensível.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos

Figura 4.10: Ensaios imunofluorescentes

O anticorpo marcado pode reconhecer diretamente o antígeno (reação direta) ou reconhecer o anticorpo unido ao antígeno (reação indireta).

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos Figura 4.10 : Ensaios imunofluorescentes O anticorpo

A obtenção de anticorpos contra a fração constante da molécula de anticorpos humanos representa um avanço considerável na produção de reagentes para o diagnóstico clínico. Nos ensaios imunoenzimáticos, utilizam-se estes anticorpos acoplados a uma enzima que reage com o seu substrato, formando um produto colorido (Figura 4.11).

Figura 4.11: Ensaios imunoenzimáticos.

O antígeno pode ser reconhecido por um anticorpo associado a uma enzima que reage com o seu substrato, formando um produto colorido (reação direta). Também pode ser reconhecido por um anticorpo específico, e este por um anticorpo que reconhece a fração constante do anticorpo. O segundo anticorpo se associa a uma enzima que, ao reagir com o seu substrato específico, forma um produto colorido (reação indireta).

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos Figura 4.10 : Ensaios imunofluorescentes O anticorpo

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 4: As proteínas e os anticorpos

A utilização de anticorpos monoclonais com fins terapêuticos demorou muito mais que o esperado. Sendo produzidos por células de camundongo ou de rato, eles são reconhecidos como estranhos quando injetados no homem, formando-se complexos imunes que lesionam gravemente os rins.

A fim de evitar essas reações, começaram a serem elaborados anticorpos monoclonais quiméricos (33% de proteína animal) e humanizados (10% de proteína animal). Estes conservam parte das sequências animais, especialmente nas partes que reconhecem o antígeno, sendo o restante da molécula substituído por sequências humanas. Ultimamente, com a obtenção de anticorpos monoclonais humanos mediante técnicas de engenharia genética, se abriram novos caminhos para o diagnóstico e o tratamento de doenças (Figura 4.12).

Figura 4.12: Os anticorpos como agentes biológicos

 

Purificação de moléculas

Reagentes de laboratório

ANTICORPOS

Reagentes para diagnóstico

Imunoterapias

CAPÍTULO 5. OS ÁCIDOS NUCLEICOS E OS GENES

OS ÁCIDOS NUCLEICOS

Embora descobertos em 1869, por Miescher, no pus das bandagens de ferimentos, o papel dos ácidos nucleicos na hereditariedade e no controle da atividade celular começou a ser esclarecido apenas em meados do século XX.

O ácido desoxirribonucleico (DNA) carrega em sua estrutura as instruções necessárias para a construção de um organismo. Estas direcionam o desenvolvimento de suas características bioquímicas, fisiológicas, anatômicas e inclusive de algumas das comportamentais.

Nas células procarióticas, uma molécula grande e circular de DNA forma o cromossomo, havendo também uma ou duas moléculas de DNA extracromossômico, formando estruturas circulares, denominadas plasmídeos.

Nas células eucarióticas, várias moléculas lineares de DNA associadas a proteínas formam os cromossomos, localizados dentro do núcleo celular. Também há DNA em algumas organelas, como os cloroplastos e as mitocôndrias. O ácido ribonucleico (RNA) se encontra no núcleo e no citoplasma celular.

Do ponto de vista químico, os ácidos nucleicos (ácido ribonucleico e desoxirribonucleico) são macromoléculas formadas a partir de unidades chamadas nucleotídeos. Um nucleotídeo resulta da associação mediante ligações químicas covalentes de três tipos de elementos:

uma molécula de ácido fosfórico, um açúcar de cinco carbonos (pentose: ribose ou desoxirribose) e uma base cíclica nitrogenada: adenina, citosina, guanina, timina ou uracila.

Da união dos nucleotídeos mediante uniões covalentes entre as extremidades 5' e 3', formam-se cadeias (Figura 5.1).

Figura 5.1: A composição dos ácidos nucleicos.

Observe-se a posição dos grupos 3´ e 5´ no açúcar.

CAPÍTULO 5. OS ÁCIDOS NUCLEICOS E OS GENES OS ÁCIDOS NUCLEICOS Embora descobertos em 1869, por

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 5: Os ácidos nucleicos e os genes

A DUPLA HÉLICE

Já na década de 1940, vários trabalhos indicavam claramente que o material responsável pela hereditariedade era o DNA. Porém, o modo “como” esta molécula poderia assegurar essa função só começou a ser vislumbrado em 1953, quando Watson e Crick formularam um modelo da estrutura tridimensional do DNA que, segundo suas próprias palavras, poderia ter um “considerável interesse biológico”.

No modelo de Watson e Crick, duas cadeias de nucleotídeos formam uma figura parecida com uma escada de corda torcida, a dupla hélice. Nessa escada, o ácido fosfórico e o açúcar são as partes verticais (corrimãos) e as bases nitrogenadas são os degraus (Figura 5.2A). As cadeias são antiparalelas, isto é, se uma corre na direção 5' 3' a outra corre na direção 3' 5. Ambas as cadeias estão unidas entre si por pontes de hidrogênio entre as bases, sendo que as ligações ocorrem sempre entre adenina e timina (2 pontes) e entre citosina e guanina (3 pontes).

De acordo com o modelo, quando em um filamento a sequência de bases é AGTACG, no outro filamento ela será TCATGC. Como as sequências são complementares, cada filamento pode servir como molde para a síntese de uma nova molécula. E, no momento da divisão celular, cada célula-filha poderá receber uma molécula semelhante à da célula-mãe (Figura

5.2B).

Figura 5.2: A molécula de DNA

A: A dupla-hélice (à esquerda).

O pareamento das bases ocorre sempre entre uma purina e uma pirimidina: adenina e timina ou uracila; guanina e citosina.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 5: Os ácidos nucleicos e os genes A DUPLA HÉLICE Já na década

B:

A duplicação do

DNA

origem

a

duas

moléculas

semelhantes

direita).

Observe-se que o processo de duplicação envolve numerosas enzimas, sendo bem mais complexo do que está representado no esquema.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 5: Os ácidos nucleicos e os genes A DUPLA HÉLICE Já na década

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 5: Os ácidos nucleicos e os genes

O CÓDIGO GENÉTICO

A autoduplicação do DNA permite que cada célula receba uma cópia do material genético, com as instruções necessárias para a construção e funcionamento do indivíduo.

O funcionamento de uma célula depende, fundamentalmente, de dois tipos de moléculas: os ácidos nucleicos e as proteínas. Ambos estão relacionados, sendo que a estrutura primária de um polipeptídeo é codificada por um gene, isto é, um segmento de DNA. O código é simples, correspondendo um aminoácido a cada trinca de bases.

A tabela a seguir nos mostra quais os aminoácidos correspondentes aos diferentes códons ou trincas de bases do mRNA. Alguns são codificados por uma única trinca, como o triptófano (UGG) ou a metionina (AUG); outros admitem vários códons que geram sinonímia como, por exemplo, a prolina (CCU, CCC, CCA, CCG). O início da sequência é sinalizado por AUG, o códon correspondente a metionina, sendo este aminoácido removido posteriormente; o fim da sequência é sinalizado por UAA, UAG ou UGA, três códons que significam stop.

Tabela 5.1: O código genético

   

Segunda Base

   

Primeira Base

Uracila (C)

Citosina (C)

Adenina (A)

Guanina (G)

Terceira Base

 

Phe

Ser

Tyr

Cys

(U)

Uracila

Phe

Ser

Tyr

Cys

(C)

(U)

Leu

Ser

stop

Stop

(A)

Leu

Ser

stop

Trp

(G)

 

Leu

Pro

His

Arg

(U)

Citosina

Leu

Pro

His

Arg

(C)

(C)

Leu

Pro

Gln

Arg

(A)

Leu

Pro

Gln

Arg

(G)

 

Ile

Thr

Asn

Ser

(U)

Adenina

Ile

Thr

Asn

Ser

(C)

(A)

Ile

Thr

Lys

Arg

(A)

Met

Thr

Lys

Arg

(G)

 

Val

Ala

Asp

Gly

(U)

Guanina

Val

Ala

Asp

Gly

(C)

(G)

Val

Ala

Glu

Gly

(A)

Val

Ala

Glu

Gly

(G)

Abreviaturas: Asp = Ácido Aspártico; Glu = Ácido Glutâmico; Ala = Alanina; Arg = Arginina; Asn = Asparagina; Cys = Cisteína; Phe = Fenilalanina; Gly = Glicina; Gln = Glutamina; His = Histidina; Ile = Isoleucina; Leu = Leucina; Lys = Lisina; Met = Metionina; Pro = Prolina; Ser = Serina; Tyr = Tirosina; Thr = Treonina; Trp = Triptófano; Val = Valina.

Mudanças na sequência de bases do DNA podem ter como consequência a substituição de um aminoácido por outro. No exemplo da figura 5.3, se GUG for substituído por CGU, no peptídeo correspondente a valina será substituído por leucina. Mas, em função da sinonímia do código, se a trinca GUG for substituída por GUA ou GUC, o aminoácido codificado continuará sendo a valina. Perdas ou adições de uma base modificam o resto da sequência do peptídeo.

As pequenas mudanças ou mutações de ponto se devem a erros na duplicação do DNA; sua frequência aumenta em presença de alguns agentes químicos e físicos como a luz UV e os raios X.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 5: Os ácidos nucleicos e os genes

A AÇÃO GÊNICA

A informação codificada no DNA é transcrita em uma molécula mensageira que a leva até os ribossomos, onde as indicações serão traduzidas da linguagem dos ácidos nucleicos à linguagem das proteínas, sendo montado o peptídeo correspondente. Deste modo, se estabelece na célula um fluxo da informação genética que segue em uma direção única: do DNA ao RNA, do RNA ao peptídeo (Figura 5.3).

Uma exceção a esta regra é a dos retrovírus, cujo material hereditário é RNA e que contam com uma enzima (transcriptase reversa) que lhes permite transcrever a informação no sentido RNADNA.

Na síntese de proteínas intervêm, basicamente, três tipos de RNA: mRNA, rRNA e tRNA.

O ácido ribonucleico mensageiro, ou mRNA, é de tamanho variável e filamento único. A molécula de mRNA leva até os ribossomos a informação genética transcrita em trincas de bases (códons) complementares a algum segmento de uma das cadeias do DNA.

Associado a proteínas, o ácido ribonucleico ribossômico ou rRNA forma as duas subunidades dos ribossomos, que são as estruturas celulares onde ocorre a síntese proteica.

O ácido ribonucleico de transferência tRNA é capaz de reconhecer simultaneamente um aminoácido e um códon de mRNA. Existem 61 tipos moleculares diferentes de tRNA.

Observe-se que, além dos genes codificadores de proteínas, existem também genes codificadores de rRNA e tRNA, ácidos ribonucleicos que não são transformados em proteínas.

Existem outros tipos de RNAs (pequenos RNA nucleares, RNAs nucleolares e microRNAs etc.) que cumprem diversas funções na atividade celular.

Figura 5.3: O fluxo da informação genética

Segundo o Dogma Central da Biologia Molecular, a informação genética codificada no DNA é transcrita no mRNA e traduzida no ribossomo com a participação dos tRNAs. O produto final é um peptídeo.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 5: Os ácidos nucleicos e os genes A AÇÃO GÊNICA A informação codificada

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 5: Os ácidos nucleicos e os genes

A REGULAÇÃO DA AÇÃO GÊNICA

Mecanismos diversos de regulação agem em cada uma das etapas da síntese proteica. O processo apresenta algumas diferenças em células procarióticas e eucarióticas (Figura 5.4). Diversos mecanismos regulam cada etapa.

Figura 5.4: A síntese de proteínas em células procarióticas e eucarióticas

A) Célula eucariótica

B) Célula procariótica

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 5: Os ácidos nucleicos e os genes A REGULAÇÃO DA AÇÃO GÊNICA Mecanismos

CÉLULAS PROCARIÓTICAS

Uma bactéria pode contar com aproximadamente 2.500 genes; nem todos funcionando simultaneamente. Se houver lactose no meio (e faltar glicose), as bactérias sintetizarão aquelas enzimas que possibilitem sua utilização. E se faltar o aminoácido triptófano no meio, produzirão os vários tipos de enzimas necessárias para sintetizá-lo. Isto se vê facilitado pela agrupação dos genes correspondentes em baterias (óperons), que são ligadas ou desligadas em conjunto (Figura 5.4).

Figura 5.4: A organização e regulação dos genes nas células procarióticas.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 5: Os ácidos nucleicos e os genes A REGULAÇÃO DA AÇÃO GÊNICA Mecanismos

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 5: Os ácidos nucleicos e os genes

Neste processo de “ligar e desligar” estão envolvidas três regiões anteriores à sequência codificadora: o promotor, o operador e o regulador. A enzima RNA-polimerase encaixa no promotor, desde onde começará a se deslocar ao longo do gene. Proteínas sintetizadas pelo gene regulador agem no operador, abrindo ou bloqueando a passagem da RNA-polimerase. Este mecanismo possibilita a indução ou repressão da transcrição da sequência codificadora (Figura 5.5).

A organização dos genes de uma mesma via metabólica em óperons permite que a célula se adapte rapidamente às condições ambientais, com certa economia de recursos. O funcionamento do óperon depende da função exercida pelos genes (degradação ou síntese). Por isso, a presença de lactose induz a transcrição do óperon lac, sendo sintetizadas várias enzimas necessárias para degradá-la; em ausência de lactose, o óperon deixa de funcionar. Já no óperon Trp, a presença de triptófano reprime a transcrição das enzimas necessárias para sintetizar esse aminoácido.

Na célula procariótica, além dos genes funcionarem em bloco, a síntese proteica começa quando o mRNA está ainda sendo transcrito, de maneira que a transcrição e a tradução são simultâneas.

CÉLULAS EUCARIÓTICAS

A transcrição

As bactérias não são as únicas que ligam e desligam os seus genes. Uma célula humana com 30.000 a 35.000 genes não expressa mais que 3 a 5% destes, que não serão necessariamente os mesmos ao longo da vida embrionária ou em diferentes tipos celulares. Entretanto, salvo em nematódeos, não foram achados óperons nas células eucarióticas; os genes responsáveis por uma sequência de reações metabólicas se encontram dispersos em um ou em vários cromossomos.

O controle da transcrição começa na compactação do cromossomo e na metilação de algumas bases que podem dificultar o acesso da maquinaria de transcrição ao DNA. Esta inclui fatores de ativação, fatores de transcrição e proteínas reguladoras, algumas das quais dependem de outras sequências, estimuladoras e inibidoras, distantes do gene em até vários milhares de bases (Figura 5.5). As sequências reguladoras iniciais determinam quando, por quanto tempo e em que células o gene será transcrito.

Figura 5.5: A organização e regulação dos genes nas células eucarióticas

Regiões denominadas UTR (do inglês untranslated regions), portadoras de sequências sinalizadoras que não serão traduzidas, se localizam a montante e a jusante da unidade de transcrição.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 5: Os ácidos nucleicos e os genes Neste processo de “ligar e desligar”

Ao reconhecer a presença desses fatores e proteínas reguladoras na região anterior ao gene, a RNA-polimerase encaixa nas sequencias promotoras da transcrição. Associada a outros fatores adicionais, a enzima se desloca abrindo a dupla hélice e transcrevendo a sequencia codificadora de um ou outro filamento no RNA. A enzima avança na direção 5´- 3´, sendo que várias moléculas de RNA-polimerase podem estar transcrevendo o mesmo gene simultaneamente em algo parecido com uma fila indiana.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 5: Os ácidos nucleicos e os genes

A síntese acaba quando a RNA-polimerase encontra uma sequencia finalizadora. Uma vez cumprida sua tarefa, a molécula de RNA-polimerase será liberada. As sequências reguladoras terminais indicam qual será a duração média de vida da molécula.

O processamento do RNA transcrito

Nos organismos eucarióticos, a estrutura do gene é fragmentada (Figura 5.4). A sequência gênica é transcrita por inteiro no RNA e, posteriormente, um mecanismo de “corte e reunião” irá eliminar algumas das sequências intercalares. Estas permanecerão no núcleo (íntrons) em quanto que as restantes (éxons) formarão o RNA mensageiro que sairá do núcleo na direção do citoplasma. Tanto o número como a extensão das sequências intercalares varia em diferentes genes.

As consequências biológicas deste mecanismo são importantes. Proteínas sintetizadas utilizando as vias alternativas de “corte e reunião” permitem que um único gene se expresse de maneira diferente em diversos tecidos.

O corte e reunião dos fragmentos não é a única modificação do RNA transcrito; este recebe um revestimento inicial ou cap (7-metilguanosina) que o dirigirá ao ribossomo, e uma cauda de poli(A) que lhe dará estabilidade na sua viagem até a maquinaria de tradução.

A tradução e o destino das proteínas

A síntese proteica se inicia depois do mRNA atravessar a membrana nuclear e migrar para o citoplasma. Assim como a transcrição, a tradução envolve a participação de numerosas enzimas e proteínas reguladoras.

Algumas moléculas de mRNA levam sequências sinalizadoras que as dirigem até os ribossomos associados ao retículo endoplasmático, sendo as proteínas sintetizadas secretadas fora da célula. Outras moléculas de mRNA serão traduzidas nos ribossomos livres no citosol, sendo as proteínas resultantes utilizadas no mesmo lugar ou nas organelas celulares.

O mRNA reconhece o ribossomo mediante uma sequência específica; a associação entre ambos dá início à síntese peptídica. Cada tRNA carrega o aminoácido que lhe corresponde até a cadeia peptídica. A complementaridade entre um dos códons do mRNA e o anticódon do tRNA garante que este coloque o aminoácido no lugar adequado na sequência.

Existem vários mecanismos de regulação envolvendo a ação de proteínas associadas ao complexo ribossômico, variações na vida média do mRNA e inclusive a tradução do mRNA por vários ribossomos ao mesmo tempo. O peptídeo sintetizado passará por diversas modificações e associações, até se constituir no produto final ativo, uma proteína com uma estrutura quaternária determinada.

A Figura 5.6 resume as diferentes etapas da síntese de proteínas em células procarióticas e eucarióticas.

Figura 5.6: As etapas da síntese de proteínas em células procarióticas e eucarióticas

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 5: Os ácidos nucleicos e os genes A síntese acaba quando a RNA-polimerase

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 5: Os ácidos nucleicos e os genes

A GENÔMICA

O GENOMA HUMANO

O termo genoma designa o conjunto completo de cromossomos haploides que contém toda a informação genética de um indivíduo. O genoma da espécie humana está representado em 24 cromossomos diferentes (22 autossômicos, X e Y) em cada um dos quais há uma molécula de DNA.

Em 1990, teve início o Projeto Genoma Humano (HGP, do inglês Human Genome Project), um dos projetos científicos mais ambiciosos já realizados, envolvendo pesquisadores de mais de 18 países na tarefa de mapear e sequenciar o DNA humano e também o de outros organismos.

Em Junho do ano 2000, o International Human Genome Sequencing Consortium e a Celera Genomics, uma empresa privada norte-americana, anunciaram simultaneamente ter completado o rascunho do genoma humano. Os resultados foram publicados em fevereiro de 2001, nas revistas Nature e Science.

Em abril de 2003, cinquenta anos depois da descoberta da dupla hélice, o Consórcio anunciou ter completado 99% do mapeamento. Os seus resultados estão armazenados em bancos de dados públicos que podem ser acessados via Internet.

Entre as principais conclusões:

O número de bases no genoma humano chega a 3,2 bilhões, e o número de genes a um valor compreendido entre 30.000 e 40.000; só 2% do genoma codificaria proteínas.

O número de genes em organismos como a mosca Drosophila melanogaster ou o verme Caenorrabditis elegans é três vezes menor. Compartilhamos com estes organismos alguns genes e contamos com outros que são característicos dos vertebrados como, por exemplo, vários dos genes referentes ao sistema imune.

A densidade dos genes em diversos cromossomos e em diferentes partes deles varia. Existem grandes espaços entre os genes, às vezes chamados de DNA-lixo. Sequências repetidas, não codificadoras, cuja função direta ainda não é bem conhecida, ocupam pelo menos 50% do genoma.

O

tamanho

dos

genes é variável, sendo

na

média de

3.000

bases. Na realidade, o

tamanho não parece ter muita importância. Como boa parte dos genes poderia ser lida de

diversos modos, o número de proteínas poderia ser bem maior.

Independentemente de nossa origem étnica, compartimos com os outros seres humanos 99,9% da sequência gênica.

As diferenças entre os seres humanos se devem a variações de uma base em 3.000.000 de pontos dentro e fora dos genes. Estas variações se denominam polimorfismos de um nucleotídeo único ou SNPs (do inglês, single nucleotide polymorphisms). Os SNPs podem dar informações sobre a base genética da susceptibilidade a uma série de doenças ou servir como marcadores das mesmas (doença cardiovascular, diabetes, artrite e cânceres).

Em vários genes foram encontradas sequências associadas a doenças (câncer de mama, cegueira, surdez, doenças musculares).

Os laboratórios de sequenciamento modernos estão altamente automatizados, sendo que muito do trabalho é feito por robôs e computadores. Uma quantidade enorme da informação obtida se encontra na Internet, armazenada em grandes bancos de dados.

O desenvolvimento da Bioinformática, um conjunto de novas tecnologias que utiliza métodos computacionais e matemáticos para analisar as informações, tem sido fundamental para o progresso dos estudos sobre os genomas. Muitos dos estudos atuais não são mais feitos in vivo nem in vitro, mas in silico.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 5: Os ácidos nucleicos e os genes

A Genômica surge como uma nova disciplina que tenta responder a algumas questões fundamentais: Onde estão os genes? O que faz cada gene? Como diferem os organismos em relação a seus genes? Cada uma dessas perguntas a subdivide em especialidades como a Genômica estrutural, a Genômica funcional ou a Genômica comparativa.

Paralelamente, se definem outras áreas de estudo, tais como:

A transcriptômica, concernente ao RNA transcrito ou transcriptoma, isto é, aos padrões de expressão gênica.

A proteômica, referente ao conjunto de proteínas da célula ou proteoma, que varia ao se diferenciarem as células e em resposta a estímulos ambientais.

A metabolômica, relativa ao conjunto de substratos e subprodutos de reações enzimáticas que incidem no fenótipo celular.

A genômica tem aplicações imediatas no campo médico e farmacológico, através dos testes genéticos e dos novos medicamentos (Tabela 5.2). Estima-se que, entre os 30.000 a 40.000 genes humanos recentemente descobertos, 5.000 a 10.000 poderiam ser o alvo de novos produtos farmacológicos. Se forem consideradas as proteínas, o número de alvos pode ser multiplicado por dez.

Paralelamente ao mapeamento do genoma humano, mais de 900 outros organismos foram sequenciados (microrganismos, plantas, animais). Em 2009, os mais de 4.500 projetos em andamento abrangem organismos eucariontes (22%), bactérias (53%), arqueas (22%) e metagenomas (3%). Em curto ou médio prazo, esta informação reverterá também no desenvolvimento da agricultura, da pecuária e da indústria química.

Tabela 5.2: O DNA como agente biológico.

 

Identificação de microrganismos patogênicos

Controle da qualidade dos alimentos

Medicina molecular

Ex: Diagnósticos, tratamentos personalizados, terapias gênicas.

Testes genéticos

Ex: Diagnósticos, avaliação dos riscos de saúde.

DNA e

Agronomia e pecuária

Ex: Métodos seletivos mais eficientes.

GENÔMICA

Indústria farmacológica

Ex: Novos medicamentos (proteínas terapêuticas), vacinas recombinantes e

de DNA.

Prática forense

Ex: Identificação das pessoas.

Estudos antropológicos e evolutivos

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 5: Os ácidos nucleicos e os genes

A GENÔMICA BRASILEIRA

Vários países de América Latina contam com projetos em andamento (Argentina, Brasil, Chile e México). De um modo geral, estes envolvem parcerias entre instituições públicas e privadas, sendo beneficiados por acordos internacionais com países desenvolvidos (Estados Unidos, França, Alemanha) ou por redes de cooperação inter-regionais (Brasil, Argentina, Chile, Uruguai e Paraguai).

Pioneiro na ciência genômica, o Brasil alcança resultados significativos em diversas áreas, tais como:

Saúde humana: Sequenciamento de Schistosoma mansoni (um protozoário causador da esquistossomose), de Leischmania chagasi (um protozoário causador do calazar), de Paracoccidioides brasiliensis (um fungo causador de micose), de Trypanosoma cruzi (um protozoário causador da doença de Chagas), de Anopheles darlingi (um mosquito transmissor da malária) de Leptospira interrogans (uma bactéria transmitida pela urina do rato e que afeta o homem). Também se desenvolvem importantes estudos sobre o Genoma Humano do Câncer e o Genoma Clínico.

Saúde animal: Sequenciamento de Mycoplasma synoviae (um vírus que afeta os bovinos) e Mycoplasma hyopneumoniae (um vírus que afeta os suínos).

Pecuária: Mapeamento de Bos indicus (gado Nelore adaptado ao Brasil), estudos sobre o genoma funcional do boi, do frango, da abelha.

Agricultura: Sequenciamento de Xylella fastidiosa (causadora da praga do amarelinho das videiras), de Xanthomonas (uma bactéria causadora do cancro cítrico ou tristeza), de Leifsonia xyli (bactéria que ataca a cana-de-açúcar), de Crinipellis perniciosa (um fungo causador da vassoura de bruxa, que ataca o cacau), de Baculovírus anticarsia (um vírus que ataca a lagarta da soja), de Mycosphaerella fijiensis (que causa a sigatoka negra da banana) de Gluconacetobacter diazotrophicus e de Herbaspirillum seropedicae (bactérias fixadoras de nitrogênio).

Indústria: Sequenciamento de Chromobacterium violaceum (uma bactéria que pode originar compostos de interesse farmacológico) e de várias plantas industriais (guaraná, café, cana-de-açúcar, eucalipto, além de leguminosas como soja, feijão, feijão-caupi e amendoim).

Estas realizações foram possíveis graças ao envolvimento pioneiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e à criação de Rede Nacional de Sequenciamento do Programa Genoma Brasileiro (CNPq, Ministério de Ciência e Tecnologia), com 25 laboratórios regionais e um laboratório de bioinformática (Laboratório Nacional de Computação Científica), a participação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e várias universidades que deram a infraestrutura necessária e possibilitaram a capacitação profissional.

A criação de empresas novas com fundo de capital de risco (Votorantim) visa desenvolver produtos biotecnológicos que gerem e comercializem patentes na área da genômica aplicada, com o qual, em um futuro próximo, a participação do Brasil nesta área se verá afiançada. Algumas destas empresas (Allelyx, Canavialis) foram adquiridas em 2008 pela multinacional Monsanto.

CAPÍTULO 6: OS PROCESSOS FERMENTATIVOS

OS PROCESSOS FERMENTATIVOS E A INDÚSTRIA

A produção de vinhos e cervejas é o primeiro processo fermentativo desenvolvido em escala industrial. Ao longo do século XX, a expansão da Microbiologia Industrial possibilitou, mediante o desenvolvimento de processos baseados no metabolismo microbiano, a produção de diversas substâncias (acetona, butanol, etanol, ácido cítrico, antibióticos etc.). Atualmente, as fermentações encontram aplicações novas, tanto no tratamento ambiental como na produção de alimentos e aditivos, de produtos químicos e de medicamentos.

Por

motivos

históricos,

ainda

hoje

o

termo

processos

fermentativos

se

aplica

em

biotecnologia a qualquer processo microbiano operado em grande escala, independentemente de ser ou não uma fermentação. E o termo fermentador se usa como sinônimo de biorreator, designando o recipiente onde ocorre o processo.

Tradicionais ou revigoradas pelas possibilidades oferecidas pela manipulação gênica, as fermentações ou bioprocessos visam um dos seguintes objetivos:

A multiplicação de microrganismos para a obtenção de biomassa (leveduras, rizóbios, proteína de célula única).

A obtenção de produtos microbianos (antibióticos, aditivos, álcool, enzimas etc.).

A conversão de um substrato em outro, por ação de microrganismos ou de enzimas (transformação de esteroides, isomerização de glicose em frutose).

A purificação de um solvente (tratamento de efluentes, transformação de algum poluente em alguma substância facilmente degradável etc.).

Um processo fermentativo começa com a escolha do agente biológico adequado (microrganismo ou enzima); segue com a transformação da matéria-prima, em condições que podem exigir esterilização, aeração e controle do processo (pH, temperatura etc.); e finaliza com a separação e purificação do produto final (Fig.6.1).

Figura 6.1: O processo fermentativo genérico.

CAPÍTULO 6: OS PROCESSOS FERMENTATIVOS OS PROCESSOS FERMENTATIVOS E A INDÚSTRIA A produção de vinhos e

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos

Para que o processo seja economicamente viável deve-se contar com uma matéria-prima barata, um procedimento passível de ser bem controlado e uma forma de recuperar o produto que simplifique ao máximo sua purificação.

Observe-se que células animais e vegetais também podem ser cultivadas em grande escala, como será visto no próximo capítulo, junto com as técnicas de cultura de tecidos.

OS MICRORGANISMOS INDUSTRIAIS

NOÇÕES SOBRE O METABOLISMO PRIMÁRIO E SECUNDÁRIO

Denominamos metabolismo o conjunto de reações químicas de degradação (catabolismo) e de síntese (anabolismo) de substâncias em um organismo. As primeiras liberam energia, as outras a consomem.

As células e a maioria dos microrganismos retiram dos compostos orgânicos a energia que precisam, para a manutenção de sua estrutura e para suas atividades. Nas vias catabólicas, a degradação de compostos orgânicos em moléculas menores libera energia; uma parte desta será acumulada sob a forma de ATP (trifosfato de adenosina), e a restante dissipada como calor.

Respiração e fermentação são as principais vias catabólicas (Figura 6.2). A quantidade de energia liberada e os produtos finais diferem se a oxidação do composto orgânico for total ou parcial. Na glicólise, a glicose é degradada até uma molécula de três carbonos, o piruvato. Em presença de oxigênio, a entrada do piruvato no ciclo de Krebs e a fosforilação oxidativa permitem a quebra total da glicose em CO 2 e H 2 O, liberando uma grande quantidade de energia sob a forma de ATP (respiração aeróbia).

Mediante a redução do piruvato ou de algum de seus derivados (fermentação), vários microrganismos geram outras substâncias orgânicas: acetona, butanol, etanol, ácido láctico, ácido acético, glicerol etc. Estas reações ocorrem geralmente em ambientes onde o substrato é abundante, sendo pequena a quantidade de energia obtida. Dependendo das condições ambientais, isto é, da presença ou ausência de oxigênio, algumas leveduras e bactérias (assim como as células musculares) podem respirar ou fermentar.

Figura 6.2: Respiração e fermentação.

Na respiração, onde o último aceptor de elétrons é o oxigênio, a oxidação de glicose se completa até chegar a CO 2 e H 2 O, produzindo 36-38 moléculas de ATP. Na fermentação, o último aceptor de elétrons é o piruvato ou algum outro derivado, produzindo 2 ATP.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos Para que o processo seja economicamente viável deve-se contar

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos

A respiração e algumas fermentações são representadas mediante equações, como a seguir:

Respiração aeróbia:

C 6 H 12 O 6 + 6 O 2 +38 ADP + 38Pi

Glicose

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos A respiração e algumas fermentações são representadas mediante equações,

6 CO 2 + 6 H 2 O

+ 38 ATP

Fermentação alcoólica (leveduras como Saccharomyces cerevisiae e algumas

bactérias):

C 6 H 12 O 6 + 2 ADP + 2Pi

Glicose

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos A respiração e algumas fermentações são representadas mediante equações,

CH 3 CH 2 OH

Etanol

+

CO 2

+

2 ATP

Fermentação láctica (bactérias como Streptococcus e Lactobacillus):

C 6 H 12 O 6 + 2 ADP + 2Pi

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos A respiração e algumas fermentações são representadas mediante equações,

Glicose

CH 3 CHOH COOH + 2 ATP

Ácido láctico

No metabolismo, os caminhos de degradação se cruzam com os de síntese. Outras moléculas (aminoácidos, ácidos graxos) podem entrar em determinados pontos da via catabólica da glicose, convergindo para a produção de energia e de pequenas moléculas simples (CO 2 , H 2 O e NH 3 ). Inversamente, alguns dos compostos intermediários do catabolismo são os pontos de partida para vias anabólicas.

Entretanto, as vias metabólicas não são reversíveis: o caminho seguido na degradação de uma substância é parcial ou totalmente diferente do caminho de síntese correspondente, podendo inclusive ocorrer em compartimentos celulares diferentes. Esta separação facilita a regulação enzimática do metabolismo que ocorre com o menor desperdício de matéria e energia.

Além das vias metabólicas primárias, que são comuns a todos os microrganismos, existem outras vias metabólicas secundárias específicas. A ativação de umas e/ou de outras depende do microrganismo e das condições em que ele se desenvolve em seu ambiente natural ou em que irá ser cultivado.

Os metabólitos primários estão relacionados com o crescimento dos microrganismos e a transformação de nutrientes em biomassa; sendo os principais exemplos o etanol, o ácido láctico ou os aminoácidos. Já os metabólitos secundários, mesmo sendo desnecessários no metabolismo microbiano, permitem a sobrevivência em ambientes extremamente competitivos que contam com escassos nutrientes. São metabólitos secundários os antibióticos, os alcaloides, os pigmentos, algumas enzimas e toxinas.

De um modo geral, quando os microrganismos se desenvolvem em um meio com uma quantidade limitada de nutrientes, a população passa por diversas fases (Figura 6.3).

Fase lag: período de adaptação em que, apesar de não se multiplicar, os microrganismos sintetizam enzimas e constituintes celulares.

Fase log: a população cresce de maneira exponencial, sendo sintetizados numerosos metabólitos primários.

Fase estacionária: devido ao esgotamento dos nutrientes e à acumulação de excretas, algumas células morrem, enquanto outras se dividem. No fim da fase log e início da fase estacionária começam a serem sintetizados os metabólitos secundários.

Fase de declínio: sem a renovação dos nutrientes, as células morrem em um tempo variável.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos

Figura

6.3:

As

fases

de

crescimento de uma população.

Células e metabólitos primários são produzidos na fase log; os metabólitos secundários no fim da fase log e início da fase estacionária.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos Figura 6.3: As fases de crescimento de uma população.

Com vistas ao desenvolvimento de um bioprocesso, a escolha do microrganismo terá que ser feita em função de suas vias metabólicas; e as condições de cultivo dependerão do objetivo da fermentação, um metabólito primário ou um metabólito secundário (Figura 6.4).

Figura 6.4: A produção de metabólitos primários e secundários

Os nutrientes do meio permitem a multiplicação celular e a formação do metabólito primário, que pode ser utilizado pelas células para sintetizar o metabólito secundário (a); este pode também ser sintetizado diretamente a partir de alguma substância do meio (b).

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos Figura 6.3: As fases de crescimento de uma população.

AS LINHAGENS INDUSTRIAIS

De um modo geral, para que o cultivo em um fermentador resulte economicamente viável, o microrganismo deve ser capaz de se multiplicar rapidamente, sintetizando grande quantidade do produto a partir de uma matéria-prima barata. Existem Bancos e Coleções de Cultura que vendem esse tipo de linhagens de microrganismos como culturas puras, geneticamente estáveis e aptas para o cultivo em grande escala.

Apesar de terem sido isoladas do meio ambiente, as linhagens industriais diferem substancialmente das linhagens originais, em virtude de uma série de alterações genéticas (mutações, recombinações) obtidas no laboratório. Algumas vias metabólicas, especialmente as do metabolismo secundário, podem ter sido alteradas, de maneira a aumentar ao máximo a síntese do produto desejado e evitar a produção de algumas substâncias desnecessárias.

Em geral, por estar tão selecionadas geneticamente, tendo inclusive algumas vias metabólicas anuladas ou desbalanceadas, estas linhagens sobrevivem pouco tempo no meio ambiente. Porém, como norma geral, as linhagens industriais não devem ser patogênicas nem produzir toxinas. A produção de medicamentos ou de vacinas é um caso especial que exige medidas de segurança estritas.

Os microrganismos constituem um grupo biológico muito diversificado e, ainda, pouco conhecido, por isso existem muitas expectativas em relação à prospecção de linhagens em ambientes extremos ou pouco usuais. Não se precisa desenvolver um processo novo para cada microrganismo que apresente alguma característica comercial interessante. A tendência atual é de transferir os genes correspondentes a algum dos microrganismos conhecidos, adaptados às condições industriais.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos

A ESCOLHA DA MATÉRIA-PRIMA

A composição do meio de cultura depende das necessidades metabólicas do microrganismo escolhido. Este deve conter todos os nutrientes necessários nas concentrações adequadas, que variam em função do microrganismo e do objetivo do processo. Em geral, os meios de cultura utilizados no laboratório incluem:

Água.

Uma fonte de energia e de carbono: glicose, amido etc.

Uma fonte de nitrogênio: inorgânica (sulfato de amônia, nitrato de potássio etc.), orgânica (asparragina, succinato de amônia, glutamato, ureia, etc.) ou complexa (farinha de soja, peptona etc.).

Sais minerais, tais como fosfato de potássio (K 2 HPO 4 ou KH 2 PO 4 ), sulfato de magnésio (MgSO 4 7H 2 O), cloreto de cálcio (CaCl 2 ) etc.

Elementos-traço: ferro, zinco, manganês, cobre, cobalto, molibdênio.

Com vistas a uma exploração comercial, os meios definidos são substituídos na indústria por matérias-primas de baixo custo como, por exemplo, soro de leite, melaço de cana ou de beterraba, amido de milho etc. Em alguns casos, a matéria-prima passa por um tratamento prévio com métodos físicos e/ou químicos.

No caso de se tratar de um processo enzimático, o meio deverá levar, além do substrato adequado, os elementos necessários para que a enzima possa desenvolver sua atividade catalítica (precursores, cofatores etc.).

OS PROCESSOS TRADICIONAIS

Algumas fermentações se desenvolvem sobre resíduos agroindustriais ou florestais, como grãos, palha, bagaço, serragem etc. Este tipo de fermentação em meio sólido umedecido é utilizada na produção de alimentos como, por exemplo, o levedo da massa na panificação, a maturação de queijos por ação de fungos (Roquefort, Gorgonzola), o cultivo de fungos, a fermentação do cacau, do café e do chá etc. Na Ásia, a preparação do koji, soja fermentada, é a base de alimentos tradicionais como o tofu, o missô, o shoyu e o sakê.

Em alguns lugares, estas fermentações ainda ocorrem artesanalmente, dentro de folhas de bananeira e cestas de bambu ou mesmo em montões; também existem hoje equipamentos sofisticado com bandejas, colunas, frascos e tambores rotativos, alguns totalmente automatizados (Figura 6.5)

Figura 6.5: Biorreator para fermentações em fase sólida

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos A ESCOLHA DA MATÉRIA-PRIMA A composição do meio de

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos

Outra variante interessante do processo fermentativo é a produção tradicional de vinagre (Processo Francês ou de Orléans) em barris de carvalho. O vinho é inoculado com bactérias do gênero Acetobacter que formam na superfície a "mãe do vinagre", uma película que flutua, presa a um quadriculado de madeira que a impede de afundar. Deste modo, o microrganismo cresce na superfície de um meio líquido, em contato simultâneo com o ar e com o meio.

O processo fornece excelentes vinagres, mas é lento e exige muito espaço, sendo a capacidade de cada barril de 200 litros (Figura 6.6). Existem outros processos semelhantes, conduzidos por fungos, que formam uma película de micélio na superfície do líquido.

Figura 6.6: Um processo tradicional, a produção de vinagre (Método de Orléans)

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos Outra variante interessante do processo fermentativo é a produção

OS PROCESSOS SUBMERSOS

OS FERMENTADORES OU BIORREATORES

Atualmente, a maioria dos processos industriais se desenvolve em cubas de vidro ou de aço de até 20 litros. Os agentes biológicos se encontram submersos no meio de cultivo que ocupa, aproximadamente, 75% da cuba. Às vezes é necessário injetar ar, e em muitas fermentações se forma espuma.

O

desenho

do

biorreator

deve

se

adequar

ao

objetivo

do

processo, respondendo

eventualmente a diversos imperativos, tais como a esterilização do sistema, a aeração e homogeneização do meio, o acréscimo de nutrientes e de aditivos antiespuma, a manutenção do pH etc.

Os modelos de fermentadores mais utilizados com microrganismos contam com aeração e agitação mecânica. Esta facilita a distribuição dos nutrientes na cuba, mas gera calor que deve ser eliminado mediante a circulação de água fria (Figura 6.7). Se o processo exigir assepsia, esta será conseguida mediante:

A esterilização do meio, dentro ou fora do fermentador.

A desinfecção ou esterilização do equipamento, por injeção de vapor ou mediante o calor gerado por serpentinas, sendo esta medida extensiva a todos os ductos de entrada e saída e às válvulas correspondentes.

A esterilização do ar, mediante filtros adequados.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos

Em outros tipos de biorreatores, em coluna ou torre, a homogeneização depende da injeção de ar (Figura 6.7). Os tanques podem chegar a 3.000 m 3 de capacidade como, por exemplo, os fermentadores para a produção de proteínas de célula única, da Imperial Chemical Industries (ICI), no Reino Unido.

Os sistemas submersos são apropriados para o cultivo de microrganismos livres, mas resultam pouco econômicos quando se trabalha com células ou enzimas caras. A imobilização em fermentadores menores, seja por adesão a um suporte inerte, seja por inclusão dentro de um polímero que permita o contato com o meio de cultura, além de simplificar a purificação do produto permite a reutilização das células ou das enzimas, que permanecem dentro do biorreator (Figura 6.8). O crescimento da população microbiana, ou a quantidade do produto formado são monitorados a partir de amostras extraídas ao longo do processo.

Figura 6.7: Modelo de biorreator utilizado em fermentações submersas.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos Em outros tipos de biorreatores, em coluna ou torre,

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos

Figura 6.8: Fermentações submersas, agentes biológicos e biorreatores.

Estes últimos se adaptam às necessidades de cada agente biológico e de cada tipo de processo.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos Figura 6.8 : Fermentações submersas, agentes biológicos e biorreatores.

A MUDANÇA DE ESCALA

A capacidade de

uma

cuba

varia

entre

1

e

10

l

para um

fermentador de

laboratório,

chegando a 5.000 l em uma planta piloto e 100.000 l em uma planta industrial.

Uma operação simples de laboratório pode ser impraticável, ou pouco econômica, quando realizada em grande escala. No laboratório, após as primeiras experiências realizadas na bancada, o processo passa a ser estudado em um biorreator de até 10 litros de capacidade, onde se analisam as variáveis físico-químicas em outra escala.

Ao aumentar o tamanho do equipamento, altera-se a relação superfície/volume, de modo que as condições de operação do fermentador na planta piloto deverão ser ajustadas até se aproximar das correspondentes a um processo comercial. Se a experiência na planta piloto for bem-sucedida, o processo poderá ser desenvolvido em um fermentador industrial (Figura

6.9).

A automatização do monitoramento e do controle da fermentação permite que a informação relativa aos parâmetros físicos e químicos (pH, temperatura, oxigênio, velocidade de agitação, o nível do meio etc.) seja recolhida on-line por sondas e sensores. Para que o processo se aproxime das condições ideais, a informação é analisada em relação a um modelo previamente estabelecido. Como este se elabora a partir da experiência obtida com cubas menores (laboratório, piloto), os ajustes à mudança de escala são de grande complexidade.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos

Figura 6.9: A mudança de escala do laboratório à indústria.

A mudança de escala entre o processo laboratorial e o processo industrial cria vários problemas de índole tecnológica.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos Figura 6.9 : A mudança de escala do laboratório

A CONDUÇÃO DO PROCESSO

O processo fermentativo pode ser conduzido de maneira contínua ou descontínua (batelada), sendo que ambas as formas apresentam vantagens e inconvenientes.

Em um sistema descontínuo de produção, uma vez que o fermentador é carregado com a matéria-prima e o inóculo correspondentes, a fermentação prossegue até o esgotamento dos nutrientes. Concluído o processo e extraído o produto, o fermentador é esvaziado, limpo e esterilizado antes de receber outra carga.

Apesar do tempo improdutivo entre uma batelada e a seguinte, o sistema é relativamente flexível, já que o mesmo equipamento pode ser utilizado na fabricação de produtos diferentes. A produção em bateladas é bastante utilizada na indústria farmacêutica porque o risco de contaminação permanece relativamente baixo.

Já no sistema contínuo de produção, o acréscimo de nutrientes e a retirada do produto ocorrem simultaneamente ao longo do processo, eliminando-se quase totalmente o tempo improdutivo. Como o risco de contaminação aumenta, o sistema se adapta a processos que não exijam assepsia, como a produção de proteína microbiana e de álcool e, obviamente, o tratamento de água.

Entre o sistema em batelada e o sistema contínuo existe um sistema intermediário de batelada alimentada em que, periodicamente, parte do conteúdo (meio de cultivo + produto) é retirada e substituída por meio fresco.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 6: Os processos fermentativos

A RECUPERAÇÃO DO PRODUTO

A recuperação do produto representa uma fração considerável do custo de um processo fermentativo. Se o produto for secretado fora da célula, estará disperso em um volume grande de água e será necessário separá-lo por decantação ou filtração. Mas se o produto permanecer dentro das células, estas terão que ser desintegradas para proceder a sua extração.

O produto se concentra por sedimentação, precipitação, filtração, centrifugação, extração por solventes, destilação, evaporação do solvente e secagem. Se a purificação for necessária, esta envolverá outros procedimentos, como a cristalização e os métodos cromatográficos.

Um problema a considerar é o despejo dos resíduos de uma fermentação, alguns dos quais podem representar um perigo para o meio ambiente como, por exemplo, o vinhoto resultante da produção de etanol ou o soro das indústrias de laticínios. Existem formas de tratamento, como o crescimento de biomassa sobre resíduos industriais, que eliminam o problema e ainda permitem a obtenção de mais um produto.

OS BIOPROCESSOS NA INDÚSTRIA DE BIOFERTILIZANTES

Na América Latina, a produção de biofertilizantes envolve numerosas empresas, pequenas e médias, que contam com um sólido suporte tecnológico originado em universidades e instituições públicas de pesquisa agronômica.

O termo biofertilizante se aplica aos produtos que contém agentes biológicos capazes de favorecer o desenvolvimento vegetal. Um destes agentes é o Rhizobium, uma bactéria simbionte das raízes de leguminosas que fixa o nitrogênio atmosférico, reduzindo a necessidade de aplicar fertilizantes nitrogenados nas lavouras.

Vários países produzem inoculantes agrícolas; entre eles: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Cuba, México, Peru e Uruguai.

As linhagens bacterianas são estirpes selecionadas por sua eficiência em uma ampla gama de cultivares e amplamente adaptadas às condições locais. A multiplicação dos microrganismos se realiza em etapas sucessivas, utilizando recipientes cada vez maiores até chegar a biorreatores de 1.500 litros. Uma vez recuperados, os microrganismos são veiculados em meio líquido ou em turfa estéril, sendo empacotados e posteriormente vendidos e distribuídos aos agricultores. Segundo a legislação do Mercosul, durante o prazo de validade do produto, a concentração deverá ser de 10 8 microrganismos viáveis por grama de produto.

Com o mapeamento do genoma de microrganismos como o Rhizobium etli (México) e o Gluconacetobacter diazotrophicus (Brasil), a biotecnologia moderna começa a se inserir neste campo. No entanto, até o presente, a indústria baseia a produção dos microrganismos nas tecnologias fermentativas clássicas.

CAPÍTULO 7: A CULTURA DE CÉLULAS E TECIDOS

A MICROPROPAGAÇÃO DE PLANTAS

A reprodução assexual é utilizada para obter um grande número de mudas a partir de uma única planta. Dependendo do caso, aproveitam-se bulbos (cebola), cormos (gladíolo), rizomas (samambaias), tubérculos (batata-inglesa), caules (banana), raízes (batata-doce, maça, amora), folhas (begônia, espada-de-são-jorge), estacas (videiras) etc. As plantas obtidas por propagação assexuada ou vegetativa são idênticas à planta-mãe e idênticas entre si. Em outras palavras, são clones.

A capacidade de uma célula regenerar réplicas do organismo do qual ela deriva é denominada totipotência. Restringida em animais, esta propriedade é característica das plantas. Em função das condições fisiológicas e ambientais, as células vegetais seguem vias metabólicas diferentes. A totipotência permite a sobrevivência das plantas superiores após o ataque de herbívoros, pragas e patógenos ou em condições ambientais desfavoráveis.

As primeiras tentativas de cultura de tecidos vegetais em laboratório datam de 1902, no entanto, a primeira experiência bem-sucedida é a germinação in vitro de sementes de orquídea (Knudson, 1922). Transferidas assepticamente ao meio de cultura, e incubadas em condições favoráveis, as sementes e mais tarde as plântulas se mantiveram protegidas do ataque de fungos e bactérias. Com algumas variações, o método é usado ainda hoje por numerosos floricultores, porque, devido ao tamanho minúsculo das sementes e à ausência de reservas nutritivas, as possibilidades de sobrevivência das plântulas após a germinação in vivo são muito baixas.

AS ETAPAS

Distintamente das experiências anteriores, a micropropagação se inicia a partir de explantes, isto é, de pequenos fragmentos de tecido extraídos de diversas partes da planta, tais como folhas, raízes, segmentos nodais e gemas axilares, gemas florais e apicais (Figura

7.1).

Figura

7.1:

As

diversas

partes

de

uma

planta

angiosperma

 
CAPÍTULO 7: A CULTURA DE CÉLULAS E TECIDOS A MICROPROPAGAÇÃO DE PLANTAS A reprodução assexual é

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 7: A cultura de células e tecidos

Os explantes se cultivam assepticamente em meios de composição adequada, possibilitando a regeneração direta da planta. O processo envolve quatro etapas:

  • 1. Estabelecimento de uma cultura asséptica.

Uma vez retirados da planta-mãe, os explantes são desinfetados com um agente químico, geralmente hipoclorito de sódio, que é mais tarde lavado. Os explantes são transferidos para o meio de cultura, em condições assépticas semelhantes às utilizadas para a cultura de microrganismos (Figura 7.2). A incubação ocorrerá a uma temperatura entre 23 e 28°C, com iluminação durante 12 a 14 horas diárias.

  • 2. Multiplicação.

Os propágulos desenvolvidos são divididos e transferidos para um meio de multiplicação, de maneira a se obter numerosas subculturas (Figura 7.3).

  • 3. Preparação das plântulas para a transferência ao solo.

As plântulas das subculturas são transferidas para um meio de enraizamento onde, além de desenvolver raízes, enrijecem e começam a fotossintetizar.

  • 4. Aclimatação.

Transferência das plântulas, primeiro para o solo ou para algum outro substrato, mais tarde para uma casa de vegetação. Protegidas da iluminação solar direta, elas aumentarão sua capacidade fotossintética adaptando-se lentamente as condições ambientais.

A capacidade de regeneração é maior nas plantas herbáceas que nas lenhosas, distribuindo- se em forma desigual entre algumas famílias de Solanáceas, Crucíferas, Gesneriáceas, Compostas e Liliáceas; depende também do genótipo e das condições ambientais, diminuindo com a idade da planta.

A cultura in vitro tem a vantagem de ser mais rápida e de ocupar muito menos espaço que a multiplicação in vivo. As principais aplicações estão no cultivo de plantas ornamentais, de hortaliças e na silvicultura.

Figura 7.2: O procedimento a seguir para se obter uma cultura asséptica no laboratório.

Figura 7.3: Micropropagação.
Figura 7.3: Micropropagação.

A micropropagação dos explantes nodais permite a obtenção de numerosas subculturas.

BIOTECNOLOGIA / Capítulo 7: A cultura de células e tecidos

OS MEIOS DE CULTURA

O meio de cultura inclui água, uma fonte de carbono, substâncias inorgânicas (sais minerais), vitaminas, hormônios e fatores reguladores do crescimento (Ver Tabela 7.1). Alguns destes componentes podem ser substituídos por misturas pouco definidas, mais econômicas ou simples de manipular (água de coco, suco de tomate, suco de laranja). Geralmente, o pH do meio varia entre 5,0 e 6,5.

A composição do meio de cultura varia com as necessidades de cada espécie. O crescimento e a diferenciação celular são controlados modificando a proporção entre os hormônios e reguladores de crescimento. De um modo geral, se a proporção entre citocininas e auxinas for maior que 1, desenvolvem-se brotos, se for menor, raízes e, se for igual, calos.

A incubação

ocorre a uma temperatura entre 23 e 28°C, com 12 a 14 horas diárias de

iluminação.

Tabela 7.1: Os componentes do meio de cultura para células vegetais.

Componentes

Água destilada

Fonte de carbono

Substâncias

inorgânicas

Vitaminas

Hormônios e

reguladores de