Você está na página 1de 6

Sistemas de Organizao Sonora

Apoio para Unidade 12

Contraponto: Modal X Tonal


Coordenador: Fernando Lewis de Mattos

Bolsistas: Fernanda Krger Garcia Bernardo Grings Gerson de Souza

Departamento de Msica - UFRGS


Porto Alegre, setembro de 2007.

1. Caractersticas
Geralmente, o contraponto elaborado com base nas relaes de intervalos existentes entre as vozes resulta em uma estrutura de carter modal, ao passo que o contraponto elaborado com base na harmonia refora os aspectos tonais do cantus firmus. Por essa razo, costumamos considerar que: a msica modal tem por base um contraponto de intervalos, isto , o contraponto estruturado a partir das relaes de consonncia e dissonncia;

a msica tonal tem por base um contraponto de acordes, isto , o contraponto elaborado a partir das notas que compem a harmonia.
comum dividirmos o estudo de contraponto em Contraponto Modal e Contraponto Tonal.

2. Contraponto Modal
O estudo do Contraponto Modal tem por base as tcnicas contrapontsticas da msica vocal sacra do Renascimento (sc. XV-XVI), principalmente da Escola Romana, cujos compositores mais proeminentes foram Giovanni Pierluigi da Palestrina (1525-1594) e Orlando di Lasso (1532-1594). Esta msica est elaborada com base no controle dos intervalos consonantes e dissonantes existentes no interior de cada um dos modos (Drico, Frgio, Ldio, etc.).

2. Contraponto Modal
Abaixo, temos o trecho inicial do moteto Super flumina Babylonis, de Palestrina(partitura ampliada).

2. Contraponto Tonal
O estudo do Contraponto Tonal embasado nas tcnicas contrapontsticas da msica instrumental da ltima fase do Perodo Barroco (primeira metade do sc. XVIII), em que o modelo mais importante tomado a partir das invenes e fugas de Johann Sebastian Bach (1685-1750). Essa msica organizada com base no controle dos intervalos existentes na formao dos acordes. Isso faz com que haja algumas diferenas no conceito de consonncia e dissonncia. Em um acorde de G7, por exemplo, os intervalos de 4J (re-sol) e 7m (sol-f), que seriam considerados dissonantes na poca de Palestrina, podem ser tratados como consonncias por msicos do perodo tonal (Purcell, Bach, Haydn, Mozart e Chopin, entre outros).

3. Contraponto Tonal
Aqui apresentamos como exemplo a Inveno N 1, de J. S. Bach. (partitura ampliada)