Você está na página 1de 6

É a primeira vez que vem ao México?

Sim, é a primeira vez. Eu não vi nada ainda, mas estou gostando. Eu


gosto do hotel (ele ri).

Conte-me sobre a experiência mais engraçado com uma fã.

Eu não sei, a maioria das pessoas que aparecem para mim são muito
gentis. Provavelmente no Comic Con em San Diego, porque tinha mais
de 7000 pessoas na platéia e até aquele momento eu não tinha idéia
de quão grande Twilight era. Eu subi no palco, e as pessoas ficaram
gritando por 45 minutos. Foi a coisa mais estranha que aconteceu
comigo.

Você diz isso porque você ainda não conheceu os fãs


mexicanos.

Sim, aqui também, no aeroporto, foi meio assustador.

Twilight usa alguns clássicos elementos de um filme de


vampiros, você acha que esses elementos foram
modernizados?

Sim, eu espero. A história é baseada no mundo real, e não tem muitas


situações de vampiro tradicionais como as presas, o alho e beber
sangue. Ser um vampiro em Twilight é mais uma doença, do que algo
que você com, algo que é muito ruim. Eu acho que é isso que a
diferencia das outras histórias...bem, talvez não seja tão diferente (ele
ri) a maioria dos vampiros são adorados, mas em Twilight eles são
pessoas normais, eu acho.

O que você tem que se parece com Edward Cullen?


Realmente eu não sei, eu suponho que seja o fato de ter muitas
dúvidas sobre eu mesmo e sobre não ser bom o suficiente para as
pessoas com quem me relaciono, coisas do tipo. Sinto uma
identificação com isso.

E o lado sedutor dos vampiros...você é sedutor como o


Edward?

Não, absolutamente não (ele ri)

Como você conquista as garotas?

Isso significa que vou ter que lhe dizer meu segredo (risos), bem não,
eu não digo nada em particular.

Qual desafio esse personagem lhe trouxe como ator?

É um personagem muito interessante, porque todo mundo que leu o


livro coloca o personagem num pedestal, é muito importante para eles.
Mesmo ele sendo fictício é quase impossível de fazer esse papel... o
jeito como ele age, o modo como se comporta e a sua
aparência...muito perfeito. É um grande desafio.

Você já se envolveu numa situação tão intensa como a do


Edward e da Bella?

Mnn, não.

Talvez não com uma garota, mas com um amigoo ou um


membro da família?

Uma vez tive um intenso relacionamento com uma namorada. Não


intenso como isso, mas foi muito difícil o tempo em que estive com ela.
Você acredita em vampiros?

Não acredito...seria maravilhoso se eles existissem, mas não, eu não


acredito em vampiros.

O que você acha que fascina as pessoas com relação aos


vampiros?

Eu acho que tem a ver com o poder que eles têm. Eles são imortais, e
muito fortes comparados com humanos e isso os tornam mais
atraentes, mas ao mesmo eles são totalmente indefesos sem
humanos.

Se você pudesse mudar algo na história de Twilight, o que


seria?

Eu não sei. Quando algo já existe, tudo que eu penso é em como


entender cada passo da história. Eu gosto de tentar entender os
momentos que fazem a história avençar, ao invés de tentar mudá-la.
Algo que tentei fazer no filme foi impedir Edward e Bella de se
tocarem...mas eles não me deixaram fazer (risos).

O que você pode nos dizer sobre “Never Think”, sua música na
trilha sonora de Twilight?

É apenas uma música...bem, para ser honesto nem foi terminada.

E mesmo assim o mundo todo está esperando por ela...

Eu sei, a verdade é que isso me assusta muito. Eu achei que foi muito
divertido porque a diretora tinha um CD com coisas que eu gravei no
computador ano passado e ela me perguntou se poderia incluir minha
música na trilha sonora e eu disse sim. E agora é o sucesso e parece
que estou querendo iniciar uma carreira como músico e eu acho –não,
de forma alguma- Existe outra música minha que também está no
filme e eu acho que ela vai estar na trilha sonora como um ‘bônus’, ela
aparece numa parte muito significativa do filme e eu acho que faz a
cena ficar melhor.

Você gosta de filmes de terror?

Meu filme favorito é o ‘Exorcista’.

Por quê?

É um dos filmes mais originais que eu vi e um dos melhores atuados.


Tem Ellen Burcken...não, não Ellen Burcken, Ellen Burstyn...Foi a Ellen
errada (risos).

O que você pode nos dizer sobre sua interpretação como Dali
em Little Ashes?

É um papel muito diferente dos outros, ele foi dos fundadores do


surrealismo.

Existe algo surrealista na sua vida ou você se identifica com


esse personagem?

Eu o filmei antes de Twilight, dois meses antes, mas foi muito diferente
de qualquer coisa que fiz. Não entendi porquê fui escolhido para o
papel, eu não tenho nada a ver com ele, mas quando comecei fiquei
obcecado com o papel. Todos envolvidos na produção eram espanhóis
e sabiam quem ele era, eu não sei falar espanhol, então a única coisa
que pude fazer foi ler os livros sobre Dali todo dia e depois me senti
afeiçoado por ele depois disso. Acho que embora por alguma razão ele
tenha se transformado num homem bem estranho, sinto que poderia
ter me identificado com ele quando ele era jovem, e comecei e me ver
como ele no filme, o que foi meio estranho.

O que você mais gostou, fazer Edward Cullen ou Dali?

Eles são muito diferentes. Para o o filme de Dalitive que fazer muita
pesquisa e isso foi um desafio maravilhoso. Em Twilight também tive
que fazer pesquisas e esses foram os dois primeiros papeis em que eu
realmente trabalhei duro. Eles são muito diferentes um do outro, mas
tentei dar a cada um o interesse que lhe era devido. Eu acho que
aprendi muito com esses dois filmes, eu acho que você pode
interpretar qualquer personagem, desde que você coloque a sua
mente naquilo e você faça o personagem ser tão interessante quanto
você possa.

Você pode nos contar a surpresa com a fama que Harry Potter
e o novo filme Twilight trouxe para você?

Com Harry Potter de uma forma sabia que seria desse jeito, porque já
era grande mesmo antes de fazer parte dele, mas com Twilight eu não
tinha idéia que seria desse tamanho, continua crescendo e crescendo
enquanto filmamos.

Você tem medo de perder algo com a fama?

Sim, tenho medo. É estranho quando você não pode ir a lugares que
você costumava ir, porque tudo está tão diferente, tudo parece
diferente. De repente pessoas estão olhando para você e você pensa –
certo, não posso mais fazer coisas estúpidas-, isso sempre me irrita
(risos).

Claro que você pode...


Risos

Você tem receio de ser identificado como Edward Cullen como


aconteceu com Daniel Radcliffe com Harry Potter?

Não, eu acho que isso é impossível de ser rotulado com esse papel, é
muito especifico e eu não envelheço, ou algo do gênero...então quando
acabar, acabou. Espero que não seja rotulado como esse personagem,
não acho que isso vá acontecer.

O que você mais gosta em atuar?

Eu gosto de poder me comprometer totalmente com algo; você pode


criar o mundo em que você quer viver e você pode criar a pessoa que
você quiser naquele momento. É interessante, eu não tenho muita vida
fora do meu trabalho, então é bom sentir como se você tivesse algo a
fazer (risos).

Se você não fosse um ator, o que você seria?

Eu teria desejado ser um pianista ou escritor de discurso político.

Quais são os seus próximos projetos? O sucesso está ajudando


você a escolher o que fazer no futuro?

Sim ajuda, mas a uma tendência a me oferecer muitos papeis que são
exatamente iguais ao de Twilight, mas estou fazendo um pequeno
projeto independente ano que vem, e duas outras coisas das quais eu
posso falar ainda.