Você está na página 1de 196

A PRIMEIRA REVISTA ELETRÔNICA BRASILEIRA EXCLUSIVA DE ASTRONOMIA

revista

macroCOSMO.com Ano I - Edição nº 1 - Dezembro 2003

Radioastronomia
A ciência do invisível

Como descobrir
uma supernova Foguetes Russos

http://www.revistamacrocosmo.com 1
revista macroCOSMO.com
Ano I - Edição nº 1 - Dezembro de 2003 editorial

Hemerson Brandão Trabalhar com Ciência não é uma tarefa fácil. Trabalhar
Diretor Geral
com Ciência é aceitar o desafio de ficar horas, meses, anos ou até
mesmo uma existência inteira buscando a solução para um
enigma da natureza. Com certeza é extremamente gratificante
Redação:
obter sucesso nesta empreitada.
Hemerson Brandão Mas se é excitante e desafiante trabalhar na construção
Editor Chefe cientifica certamente a divulgação científica ocupa um espaço
privilegiado neste ato. A primeira coisa que lembramos é que o
Audemário Prazeres cientista tem o dever de publicar suas idéias e seus achados, pois
Roberta Maia somente com a divulgação destes fatos é que a humanidade pode
Revisão progredir tanto a ponto de um objeto construído pela mão humana
estar atingindo os confins do sistema solar como sermos capazes
Rodrigo Donato de aniquilar a nossa existência a partir de um simples apertar de
WebMaster
botão.
O outro fato bastante pertinente sobre a divulgação é que
William Fernandes
Tradutor ela não é fácil, pois todo cientista é um ser humano carregado com
valores e crenças, mergulhado em uma cultura que lhe é própria.
Naelton Araújo Lembremos por exemplo de Isaac Newton (1642-1727) que por ter
Hélio Ferreira uma desavença acirrada com Robert Hooke (1635-1703)
Paulo Monteiro (microscópio e lei de elongação das molas) guardou suas idéias
Rosely Grégio por quase 20 anos antes de publicar o Principia. Não fosse
Redatores Edmund Halley (1656-1742) que se desdobrou em esforços
imensos para convencer Newton, talvez o mundo ficasse sem
Audemário Prazeres descobrir a genialidade do pai da Gravitação Universal.
José Carlos Diniz Assim podemos estabelecer que a evolução cientifica está
Michael Schwartz
diretamente ligada a nossa comunicação científica, onde a escrita
Pedro Ré
Roberto Silvestre ocupa um lugar de destaque. E mais, nossa capacidade de
Viviana Bianchi comunicar a Ciência precisa de cada vez mais de pessoas sérias e
Colaboradores comprometidas que possam também estar ajudando a que a
Ciência chegue a quem é de direito: toda a humanidade.
Lílian Luccas Queremos desta forma mostrar a importância desta
Divulgação/Publicidade iniciativa de termos uma revista sobre Ciência, uma iniciativa de
astrônomos que querem contribuir para cada vez mais pessoas
possam sair das sombras do analfabetismo científico que anda
reinando pelo mundo afora.
Sejam bem vindos a Revista macroCOSMO.com.

Hélio Ferrari | Redator - Revista macroCOSMO.com

2 http://www.revistamacrocosmo.com
revista macroCOSMO.com
redacao@revistamacrocosmo.com sumário

4 Guia Digital | Meteoros e Meteoritos


6 Radioastronomia: A ciência do invisível
16 Campanha Contra a Poluição Luminosa
23 Efemérides
30 Binóculos - O primeiro instrumento de astrônomo
32 Fotografando o Universo | Introdução à Astrofotografia
35 Plataforma Fotográfica Manual

Hercolubus não existe! 43


Foguetes Russos 45
Descobrindo uma supernova 47
SAR – Sociedade Astronômica do Recife 51
Quem faz a Revista macroCOSMO.com? 52
Autoria 54
Próxima Edição 55

Capa: VLA – Very Largy Array, formação de radiotelescópios no Novo


México/EUA. Cortesia de NRAO/AUI.

© É permitida a reprodução total ou parcial desta revista desde que citando sua fonte, para uso pessoal sem fins
lucrativos, sempre que solicitando uma prévia autorização à redação da Revista macroCOSMO.com.
A Revista macroCOSMO.com não se responsabiliza pelas opiniões vertidas pelos nossos colaboradores.
Versão distribuída gratuitamente na versão PDF em http://www.revistamacrocosmo.com

http://www.revistamacrocosmo.com 3
© APOD
Guia Digital | Meteoros e Meteoritos

Rosely Gregio | Redatora - Revista macroCOSMO.com

“Estrela que cai”, “estrela que muda de lugar” e “estrela cadente” são nomes populares usados
desde muito tempo para denominar o que, em astronomia, conhecemos como Meteoros. Embora esse
termo seja usado em meteorologia para descrever todos os fenômenos atmosféricos como chuva, raios,
auroras boreais, granizo, etc., mais recentemente esses acontecimentos foram separados dos estudos
que se referem aos meteoróides que entram em nossa atmosfera vindos do espaço exterior quando, em
sua órbita, a Terra cruza o caminho desses corpos celestes que na maioria das vezes são ionizados em
sua trajetória pela nossa atmosfera. Todavia, quando os meteoros não são totalmente desintegrados,
alguns deles conseguem chegar ao solo e então são chamados de Meteoritos.
Se você se interessa em melhor conhecer e/ou na observação de meteoros, visite os sites
relacionados abaixo. Se seu interesse for ainda maior e desejar encontrar pessoas que também gostem
de observar chuveiros de meteoros e caçar bólidos ou bolas de fogo (fireball), que são meteoros
extremamente brilhantes que muitas vezes explodem em nossa atmosfera, ou mesmo observar
impactos de meteoritos na Lua, existem algumas listas específicas onde esses assuntos são relatados e
discutidos entre seus membros e onde você pode participar e aprender muito.

Assim... Aproveite as dicas abaixo e feliz caçada!

http://home.ism.com.br/~zucoloto/ http://www.meteoritos.kit.net

Site da Astrônoma Maria Elizabeth Zucolotto, Mais um excelente site sobre meteoritos brasileiros
atualmente curadora da coleção de meteoritos do para quem se interessa por meteoritos, crateras,
Museu Nacional que é a maior do Brasil. Segundo tectitos e fulguritos. Conheça também a fantástica
a própria astrônoma, ‘’o Brasil possui apenas 52 história do meteorito Bendegó, o maior do Brasil, e
meteoritos conhecidos, ou seja, cadastrados, muito mais, no site mantido por Wilton Carvalho,
contra cerca de 30.000 em todo o mundo. um grande estudioso e colecionador de meteoritos
Entretanto, entre os meteoritos brasileiros, temos da Bahia.
alguns dos meteoritos mais famosos e disputados ***
em todo o mundo como: o Angra dos Reis, o http://www.astronotas.cjb.net
Governador Valadares, o Ibitira e o Santa Catarina.
A conscientização da população e a sua Observatório do Capricórnio (Campinas/SP) –
participação são de fundamental importância para Mantém vários projetos de observação, entre eles
a descoberta de novos meteoritos, pois os estão os projetos de observação de impactos
meteoritos caem aleatoriamente em toda a Terra, lunares e os chuveiros de meteoros Delta
vamos elevar o número de meteoritos brasileiros, Aquáridas (Julho/Agosto), Orionidas (Outubro),
participe divulgando’’. Leônidas (Novembro) e Geminidas (Dezembro)
aos cuidados de José Victor Rodrigues Júnior,
*** Diretor Administrativo dessa instituição brasileira.

4 http://www.revistamacrocosmo.com
*** ***
http://www.imo.net/
Para observação de meteoritos lunares, existe a lista
de observação rob-il - Lista de discussão da Rede de
Site em inglês mantido pela Organização Internacional
Observadores Brasileiros - Impactos Lunares. Neste
de Meteoros para observação e envio de dados
grupo são trocadas informações e relatórios de
observacionais. Conta com excelente material sobre o
observadores lunares de todo o Brasil e são também
assunto e diversas técnicas de como observar
esclarecidas as dúvidas dos iniciantes da área. Os
meteoros. Tem dados sobre observações recentes e
reportes enviados ao grupo são direcionados a
passadas. Também mantém, uma lista completa dos
instituições competentes, como o Observatório do
chuveiros e mapas dos radiantes, além de formulário
Capricórnio, para serem devidamente analisados e
online para reporte.
usados para os devidos fins.
***
http://br.groups.yahoo.com/group/rob-il/
Assinar:
http://comets.amsmeteors.org/
rob-il-subscribe@yahoogrupos.com.br
Outro excelente site do expert Gary W. Kronk sobre
***
chuveiros de meteoros e cometas (em inglês), com
Lista portuguesa - Lusometeoros - Grupo de
excelente banco de dados e mapas dos principais
discussão português sobre meteoros, meteoritos, nas
radiantes anuais de meteoros.
mais diversas vertentes. Relatos de observações
também são aceitos.
***
Para mais informações:
Mais informações, em português, sobre chuveiros,
http://groups.yahoo.com/group/lusometeoros/
meteoros, meteoritos e bólidos também podem ser
Assinar:
encontradas em nossa homepage:
lusometeoros-subscribe@yahoogroups.com
http://geocities.yahoo.com.br/rgregio2001/
***
***
Estamos esperando você na lista de discussão e MeteorObs – Fórum internacional de observadores e
observação de Bólidos (Fireball), as famosas ‘’bolas de relatos de meteoros. Integrado tanto por profissionais
fogo’’ provenientes de meteoróides que entram como da astronomia como amadores. O idioma usado é o
meteoros na atmosfera terrestre e que são fontes de inglês e o site é:
possíveis meteoritos. A associação é livre, não
necessitando aprovação nem prévios conhecimentos http://www.meteorobs.org
na área. Para assinar a lista veja:
http://br.groups.yahoo.com/group/bolidos/ http://groups.yahoo.com/group/meteorobs/
Assinar: ou
bolidos-subscribe@yahoogrupos.com.br http://www.meteorobs.org/subscribe.html

Abraços celestes e até a próxima edição com mais dicas e novos temas. Felizes observações com céus
limpos e sem poluição luminosa para todos nós!

Rosely Grégio | Redatora – Revista macroCOSMO.com


rgregio@uol.com.br
http://rgregio.astrodatabase.net
Mococa/SP

http://www.revistamacrocosmo.com 5
Radioastronomia - A Ciência do
Invisível

Viviana Bianchi | Grupo Astronómico Don Torcuato

Durante muito tempo, o homem conheceu o Universo somente através de seus olhos, mas
nas últimas décadas temos sentido o desejo de observar mais do que os nossos olhos ou o que os
telescópios mais potentes podem apreciar. A presença dos corpos celestes é conhecida graças à
emissão de luz, porém, a luz constitui somente uma pequena parte de um fenômeno muito mais
amplo conhecido como radiação eletromagnética.

Um raio de luz não é apenas o que Ondas Eletromagnéticas


podemos ver com nossos olhos, mas sim um
conjunto de numerosas radiações que resultam na A luz visível é somente uma pequena parte
impossibilidade de se observar naturalmente sem a do espectro eletromagnético. Em ordem
ajuda da tecnologia. A somatória de todas essas decrescente de freqüência, o espectro
radiações, conhecemos como espectro eletromagnético está composto por: raios gama,
eletromagnético. Se somente estudamos a parte raios X, radiação ultravioleta, luz visível, raios
visual do espectro, ignoramos uma grande infravermelhos, microondas e ondas de radio.
quantidade de informação. A radioastronomia é a
confluência da radiocomunicação e a astronomia. Temos uma série de parâmetros
característicos: amplitude, freqüência e longitude de
As ondas onda. Analisando, podemos dizer que:
A Amplitude, em efeito de ouvido humano,
As radiações eletromagnéticas são um representa a intensidade acústica com que
deslocamento de energia, através de um fenômeno percebemos o som.
que conhecemos como ondas. Falando em termos
gerais, uma onda é a transmissão de energia que A freqüência representa o número de vezes
necessita de um movimento material. O som, as por segundo com que a onda eletromagnética
ondas do mar, ondas sísmicas, a luz, os raios X e oscila, melhor dizendo, é o tom com que
as ondas de rádio são exemplos de ondas, ainda percebemos o som. A unidade de medida da
que muito diferentes. Ainda assim, sem ter em conta freqüência é o Hertz (hz), em honra ao físico
a sua natureza, todas as ondas têm as mesmas Frederic Hertz. Por último, a longitude da onda (λ) é
características gerais. um parâmetro relacionado à velocidade das ondas
eletromagnéticas (c) com a freqüência (f) da
Pode-se dizer que o mundo físico está seguinte forma:
composto somente de duas entidades básicas: λ = c/f
objetos materiais e ondas. c= 300.000 Km/s

À medida que aumenta-se a freqüência de um sinal eletromagnético, diminui-se a sua longitude da


onda. As ondas eletromagnéticas não necessitam de um meio para se propagarem. Todas as radiações do
espectro eletromagnético apresentam as propriedades típicas do movimento ondulatório, como a difração e
a interferência. Sua velocidade no vácuo eqüivale aproximadamente a 300.000 Km/s.

6 http://www.revistamacrocosmo.com
Uma descoberta acidental

O engenheiro americano Karl G. Jansky, catalogadas em número crescente e desde a


detectou acidentalmente enquanto trabalhava no década de cinqüenta foram identificadas muitas
Bell Laboratories, em 1932, ruídos provenientes da radiofontes como distantes galáxias visíveis. Em
região que cerca o centro de nossa galáxia, a Via- 1963, a contínua investigação de radiofontes muito
Láctea, durante um experimento para localizar pequenas, levou ao descobrimento das radiofontes
fontes distantes de interferência de radio terrestres. quase estelares, chamadas de quasares. Tendo
A distribuição desta radioemissão galáctica foi suas magnitudes sem precedentes, devido ao seu
cartografada pelo engenheiro Grote Reber, deslocamento para o vermelho, pareciam
utilizando uma parabólica de 9,5 metros que encontrar-se a distâncias enormes da Terra. Pouco
construiu em seu quintal em Illinois. Em 1943, tempo depois, em 1965, os radioastrônomos
Reber também descobriu a largamente conhecida americanos, Arno Penzias e Robert W. Wilson
radioemissão do Sol. A radioemissão solar havia anunciaram a descoberta da radiação de fundo de
sido detectada poucos anos antes, quando fortes microondas cósmicas de 3 K (-270º C), que possui
estrondos solares produziram interferências nos muitas implicações para as teorias da origem do
sistemas de radares britânicos, americanos e Universo e sua evolução. Em 1968 se descobriu
alemães desenhados para detectar aviões. Como um novo tipo de radiofonte, os pulsares,
resultado, os grandes progressos realizados identificados rapidamente como uma estrela de
durante a II Guerra Mundial foram as antenas de neutrons que gira numa grande velocidade.
radio e receptores sensíveis. Os cientistas
adaptaram as técnicas de radar do tempo da Durante muitos anos, os astrônomos se
guerra para construir diversos radiotelescópios na concentram no estudo de longitudes de ondas
Austrália, Grã-Bretanha, Países Baixos, Estados relativamente largas, cerca de 1 metro, visto que
Unidos e a União das Repúblicas Socialistas era fácil construir grandes estruturas de antenas e
Soviéticas, e de imediato foi despertado o receptores sensíveis. Ao desenvolver as técnicas
interesse dos astrônomos profissionais. A para construir estruturas maiores e mais precisas,
radioastronomia nasce na década de 1950. e aperfeiçoarem os equipamentos de recepção de
ondas curtas, as bandas de longitude de onda de
Discretas fontes de radioemissão foram até 1 mm receberam especial importância.

Janela para o Universo

Os corpos celestes emitem radiações em todas as regiões do espectro eletromagnético, ainda que
com uma distinta intensidade. Além do que, nem todas as radiações conseguem chegar à superfície da
Terra, pois a nossa atmosfera as absorve. A primeira janela se conhece como "janela óptica" e é utilizada
pela astronomia óptica. A outra janela, "janela do rádio" é utilizada pela radioastronomia. Como vemos, as
ondas de rádio são iguais a da luz visível, pois podem penetrar nossa atmosfera e chegar a superfície da
Terra.

http://www.revistamacrocosmo.com 7
Tanto o astrônomo óptico como o radioastrônomo, extraem informações da radiação
eletromagnética que detectam. Recordemos que tanto a luz, como as ondas de rádio, são radiações
eletromagnéticas e são diferentes em sua longitude de onda. Para captar estes dados, os astrônomos
devem projetar novos tipos de telescópios que possam captar a radiação distinta de uma longitude de onda.
O radiotelescópio trabalha somente com longitudes de ondas de rádio.

Muito mais que nossos olhos podem ver

Através do campo da radioastronomia é possível realizar interessantes observações:

GÁS E POEIRA INTERESTELAR: Muitos acreditam que o espaço exterior está povoado somente
por estrelas, pois à noite somente se vê o negror entre os diminutos pontos brilhantes. Essa obscuridade só
confirma os limites de nossa visão. Na realidade o espaço entre as estrelas não está vazio, ele possui uma
massa muito diluída de poeira de gás. Esse gás produz emissões de ondas de rádio.

Com essa descoberta, a radioastronomia, reafirma o fato de que no espaço não existe o vácuo
absoluto, de modo que as radioemissões celestes provêm principalmente do meio interestelar, porém, como
veremos mais adiante, existe muito mais. Esse gás une-se formando nuvens milhões de vezes maiores do
que a Terra. A poeira interestelar não é muito diferente da poeira doméstica que se acumula em nossos
móveis. Essa partículas de poeira que estão mescladas com o gás, impedem que a luz das estrelas
distantes cheguem até nós. Aqui está a vantagem da radioastronomia sobre o método óptico. As ondas de
rádio produzidas pelo gás, penetram sem dificuldade através dessas grossas nuvens de poeira interestelar.

RADIOESTRELAS: Os restos de supernovas são nuvens de fragmentos de uma estrela que


explodiu. Os elétrons relativísticos produzidos durante a explosão de uma supernova, são capturados pelo
campo magnético que rodeia o lugar da explosão. Quando esses elétrons giram em espiral ao redor das
linhas do campo magnético, continuam irradiando durante milhões de anos. Em alguns casos, até mesmo a
estrela continua sendo fonte de radioemissão e se denomina radioestrela. Outra classe importante de
radioestrela compreende os sistemas de estrelas duplas (binárias) que emitem ondas de rádio quando sua
massa é transferida de um elemento para outro.

HIDROGÊNIO: Uma das vantagens mais importantes do radiotelescópio, é que ele permite nos
mostrar onde estão situadas nuvens de hidrogênio frio. Devido a 90% dos átomos do Universo serem de
hidrogênio, esta é uma informação fundamental. Este elemento surgiu muito cedo na vida do Universo e é a
partir dele que toda a matéria conhecida é formada. Ele é um combustível para a produção de energia que
faz as estrelas brilharem e para a gestação de novas estrelas.

Além de emitir unicamente rádio, o estudo do gás hidrogênio tem grandes vantagens. É possível
detectar sua emissão em lugares obscurecidos e muito distantes em nossa galáxia, e o que é mais
importante, permite medir a velocidade dos gases e até estudar o movimento das galáxias. As grandes
nuvens de hidrogênio frio, são completamente invisíveis para os telescópios normais, devido a não
produzirem nenhuma luz por si só, e refletem muito pouco para serem detectadas mediante fotografias.
Ainda assim o hidrogênio frio emite um radiosinal na longitude da onda especifica de 21 cm, somente
detectável mediante radiotelescópios.

MATÉRIA ESCURA: Graças às grandes extensões do gás hidrogênio, pode-se observar o


movimento do centro de galáxias muito distantes. Acontece que geralmente o gás (situado nas bordas
estelares) se move muito mais rápido do que o esperado, segundo o cálculo da quantidade da matéria que
se conhece e que pode ser detectado. Não existe massa suficiente para explicar os efeitos gravitacionais
sobre o gás. Existe muito mais matéria em uma galáxia do que é detectada. Surgiu aí uma das maiores
incógnitas conhecidas e ainda não reveladas: a existência da matéria escura.

GALÁXIAS E ESTRELAS DISTANTES: Devido aos sinais de rádio terem longitudes de ondas
relativamente largas, podem penetrar grandes nuvens de poeiras, como já falamos anteriormente. As ondas
luminosas atravessam e interagem com a poeira do espaço se dispersando e não chegando até os
telescópios ópticos situados na superfície terrestre. Já os sinais de radio procedentes de pontos mais
distantes da galáxia passam através dessa poeira sem nenhum impedimento.

8 http://www.revistamacrocosmo.com
Esta capacidade das ondas de radio atravessarem essas nuvens também é aplicada à atmosfera
terrestre. Um radiotelescópio normal pode trabalhar 24 horas por dia, tanto com tempo aberto como com um
céu nublado.

A detecção de fracas radiofontes é de grande interesse. Como sabemos, quando miramos nas
regiões do Universo mas distantes de nós, estamos vendo como ele era há muito tempo, obtendo dados
muito importantes para definir o Universo em que vivemos.

ASTROQUÍMICA: Depois do gás Hidrogênio os astrônomos interessam-se em achar a emissão de


moléculas, deste modo surge um inédito ramo da ciência: a astroquímica. Hoje em dia são observadas mais
de 80 espécies moleculares, desde a água, ácido fórmico, monóxido de carbono, etc. Até mesmo moléculas
completas de 12 átomos. A maioria contem em sua composição: hidrogênio, oxigênio, nitrogênio e carbono.
Sendo em geral, compostos orgânicos essenciais para a vida.

NEBULOSAS - FÁBRICA DE ESTRELAS: Grandes nuvens moleculares e verdadeiras fábricas


químicas interestelares acompanham estas nebulosas. A matéria contida nestas nuvens são suficientes
para formar 100.000 sóis. Estas regiões se encontram envoltas em nuvens de poeira, que como já dizemos,
se fazem invisíveis para os telescópios, mas não para um radiotelescópio.

RADIOGALÁXIAS: São em geral distantes, nada exóticas se observadas por um telescópio. Ainda
assim, sua aparência no rádio é muito estranha: apresenta intensas emissões (produto de jatos de
partículas atômicas desprendida do núcleo galáctico) estendidas muito além de uma galáxia.

Uma estrela comum como o Sol, emite por segundo a energia equivalente de 3.800 milhões de
bombas atômicas de 20 Megatons. Nossa galáxia é 300.000 milhões de vezes mais potente, posto que
esse é o número de estrelas que possui. As radiogaláxias em geral possuem uma potência em rádio,
milhares de vezes maior do que a da Via-láctea. Podem imaginar o equivalente a milhares de galáxias
concentradas no espaço habitualmente ocupado por uma só? Atualmente acredita-se que existe no coração
da galáxia um objeto massivo, colapsado em um pequeno tamanho, com tanta gravidade que nem mesmo a
luz pode escapar: um buraco Negro. Porém emite enorme quantidade de energia da matéria que está
atraindo para si. A maior parte desta potência não se origina nas galáxias, mas em nuvens de gás ionizados
e plasma aquecido, situado a centenas ou mesmo milhões de anos-luz de nossa galáxia.

QUASARES: Nos anos 60, a astronomia sofreu uma revolução ao descobrir os objetos mais
distantes do Universo e às vezes o que mais energia libera: os quasares ou quase-estrelas. Visto através de
telescópios parecem como estrelas fracas, mas observados por radiotelescópios, mostram emissões
energéticas tão intensas quanto à de centenas de galáxias juntas.

No rádio, alguns quasares se assemelham à radio-galáxias, apresentando jatos de material


radiante, muito distante do objeto central. Os quasares possuem um desvio para o vermelho muito grande,
e por isso, pensa-se que está a grande distância da Via-láctea.

http://www.revistamacrocosmo.com 9
PULSARES: As estrelas de nêutrons magnéticas em rotação produzem fases de ondas de rádio
que se propagam a medida que a estrela rotaciona. Quando essas fases varrem a Terra, são percebidos
como ruídos pulsantes e regulares nos radiotelescópios (como se fossem faróis). Estes objetos se
denominam pulsares. O primeiro pulsar conhecido foi descoberto casualmente em 1967 por uma equipe da
Universidade de Cambridge. A estudante Jocelyn Bell encontrou esses "raríssimos" pulsos que pareciam
repetir a cada 24 horas siderais. O radioastrônomo Anthony Hewish, prémio Nobel de Física confirmou o
que Jocelyn encontrou. Havia construído um novo tipo de radiotelescópio para observar os centelhos da
emissão de rádio dos quasares. Quando os teóricos repararam que os pulsares poderiam ser estrelas de
nêutrons em rotação, abriram um novo caminho na investigação de objetos muito densos (estrelas de
nêutrons e buracos negros).

Já foram descobertos quase 1.000 pulsares e a lista ainda está crescendo. Seus campos
magnéticos estão ao redor de 1.000 milhões de vezes mais intenso do que a da Terra. Os pulsares giram
num ritmo aproximado de uma vez por segundo, o mais lento possui um período de 4 segundo, porem o
mais rápido gira sobre si, mais de 600 vezes por segundo. Sua densidade é tão grande que se uma ponta
de uma caneta tivesse uma densidade semelhante à sua massa, alcançaria mais de 90.000 toneladas.

A VIA-LÁCTEA: Nossa galáxia, a Via-láctea, emite ondas de rádio como resultado da radiação do
sincrotón de elétrons de raios cósmicos que se movem dentro de seu débil campo magnético. A emissão na
linha de 21 cm do Hidrogênio neutro também se observa em toda a Galáxia. As pequenas variações na
longitude da onda de 21 cm são produzidas pelo movimento das nuvens de Hidrogênio. Essas variações
são um exemplo do fenômeno conhecido como efeito Doppler. As nuvens mais distantes do centro da
Galáxia giram ao redor do centro e as observações do efeito Doppler são utilizadas para medir a velocidade
e determinar a posição dessas nuvens. Desta forma tem sido possível traçar a forma dos braços espirais da
Via-Láctea, que ainda não foi observada na longitude de ondas ópticas.

Radiofontes do Sistema Solar

O SOL - RADIOHELIOGRAFIA: O sol é a radiofonte mais brilhante de nosso céu. Sua


radioemissão é muito mais intensa do que a emissão térmica da superfície visível, que possui uma
temperatura de cerca de 6.000º C. Isto se deve ao fato de que a maior parte da radioemissão observada em
longitudes de rádio mais largas provêm da atmosfera exterior, muito mais aquecida, porém opticamente
invisível possuindo temperaturas de ordem de 1.000.000º C. Além da emissão térmica, se produzem
explosões e tormentas térmicas, sobretudo nos períodos de grande atividade solar, quando a intensidade
da radioemissão pode aumentar ao fator de um milhão ou mais em intervalos de tempo de uma hora.

A radioheliografia surgiu durante a segunda guerra mundial, quando casualmente os radioperadores


captaram sinais de origem desconhecida, que em determinados momentos impediam completamente a
recepção dos comunicadores. Fora atribuído à esses momentos de interferências, produção intencional dos
alemães para confundir os sistemas de defesa antiaéreo britânico. Depois fora comprovado que provinham
de fortes irradiações solares associados a grandes manchas no disco solar.

10 http://www.revistamacrocosmo.com
A grande importância do estudo da radioemissão solar reside em que os resultados obtidos nessas
longitudes de ondas, não se repetem à informação do espectro óptico, mas nos dá novos conhecimentos
necessários para conhecer a estrutura física do Sol.

É interessante mencionar o observatório radioheliográfico de Nobeyama, Japão, que opera em 27


GHz com 84 antenas parabólicas de 1 metro de diâmetro, fotografando imagens diárias do Sol com
resolução de 10 segundos de arco, disponíveis para todo o mundo na internet.

JÚPITER: Outra fonte de radioemissão natural térmica do Sistema Solar é o planeta Júpiter. Em
longitudes de ondas de cerca de 15 cm, Júpiter emite fortes estalidos de radiação que provêm de regiões
relativamente pequenas, próxima da superfície das nuvens que giram com o planeta. A intensidade dos
estalidos parece estar condicionada pela posição do satélite Io. São fenômenos esporádicos e sua captação
da Terra tem muito que ver com o equipamento utilizado e a habilidade do investigador. Alem disso, Júpiter
está rodeado por extensos cinturões de radiação, que irradiam na banda de microondas em longitudes de
ondas menores de 1 metro.

METEOROS: Seu estudo, utilizando técnicas de rádio fornecem resultados muito abundantes do
que os estudos ópticos. Por este meio pode-se tomar conhecimento de muitos dados, como sua velocidade,
massa, seu radiante e uma idéia bastante aproximada de sua órbita. Dados muito importantes no estudo do
Sistema Solar, por serem meteoros residuais da época de sua formação.

Cosmologia

Como as radiogaláxias e os quasares são radiofontes com tanta potência, podem ser detectados a
grandes distâncias. Devido ao tempo que demoram para que os sinais cheguem a Terra, os
radioastrônomos podem observar o Universo como ele era há mais de um bilhão de anos, ou ainda na
época de sua origem (a chamada Grande Explosão). Infelizmente, não é possível determinar a distância de
uma radiofonte utilizando somente as radioemissões, de modo que é impossível distinguir entre uma
potente fonte distante e uma próxima, porém, relativamente fraca. Somente pode-se determinar a distância
se a fonte é opticamente identificada como uma galáxia ou um quasar que tem um desvio para o vermelho
mensurável. Apesar disso, os estudos da distribuição da grande quantidade de radiofontes tem nos
mostrado que quando o Universo só teria poucas centenas de milhões de anos, a quantidade de
radiofontes intensas era muito maior e suas dimensões muito pequenas.

O radiotelescópio

Consiste normalmente em quatro partes:

- Antena ou disco refletor (pois existe radiotelescópios com vários tipos de antena, não
necessariamente parabólicos)
- Receptor (radiômetro ou radiotelescópio)
- Amplificador
- Registrador

Estes componentes trabalhando conjuntamente, fazem possível aos astrônomos detectarem a


radiação de objetos celestes. As longitudes de onda são relativamente largas, desde 1 mm até maiores que
um 1 km e os radiotelescópios devem ser muito grandes para enfocar os sinais que entram e produzem
uma radioimagem nítida. O radiotelescópio é parecido com um aparelho de rádio comum. Uma estação
emissora está enviando informações por meio de ondas de rádio. O aparelho de rádio capta essas ondas
mediante sua antena e o receptor reproduz a informação (música, etc.) em forma audível.

O prato refletor, igual ao espelho de um telescópio refletor, recolhe e foca a radiação. Devido às
ondas de radio serem muito mais largas do que a luz, o prato não necessita ser tão polido como um
espelho. Uma tela metálica funciona bem como refletor de várias longitudes de onda (em alguns
radiotelescópios o refletor não precisa ter, necessariamente, a forma de um prato). Apesar de que o prato
possa ter centenas de metros de diâmetro, a antena pode ser tão pequena como uma mão. Igual a uma
antena de televisão, sua única função é absorver a energia que transporta as ondas e direcioná-la mediante
um cabo para um amplificador. As partes críticas do receptor está mantida em temperatura baixas,
próximas ao zero absoluto para obter o maior rendimento possível.

http://www.revistamacrocosmo.com 11
Logo após a amplificação, o sinal chega a um instrumento de registro (papel, fita magnética,
ordenador). Como os astrônomos não podem ver as ondas de rádio, as converte em algo perceptível.
Uma forma é medir a intensidade do sinal em distintos lugares do céu e desenhar um mapa sobre o qual
é marcado os contornos das áreas que possuem uma mesma intensidade de rádio. Com nossos olhos,
uma fotografia ou com telescópios, podemos ver, simultaneamente, em detalhe, vários objetos presentes
em um amplo espaço. Porém, com um radiotelescópio, se recolhe uma única informação de um
determinado lugar. Então, para conhecer como é uma certa zona, é observado várias vezes, o
necessário para desenhar o campo de interesse. A informação é processada em computadores, e
através dela é que são elaborados os mapas de uma certa região. Para construir esses radiomapas
celestes, unem-se os lugares de igual intensidade de emissão dos átomos moleculares dentro de uma
nuvem gasosa, e se constroem assim as chamadas curvas de níveis, semelhantes ao de um mapa
terrestre.

Um modo mais apropriado para nossos olhos, é converter diferentes intensidades em uma
graduação de cores e tons de cinza, com uma certa correspondência com a intensidade real observada.
As limitações do radiotelescópio são: sua pobre resolução, a baixa intensidade e as
interferências. As duas primeiras só podem ser melhoradas construindo-se pratos refletores de tamanho
maior. Atualmente o maior radiotelescópio do mundo possui 300 metros de diâmetro. Devido a suas
dimensões, ele não pode ser apoiado em forma usual. Construído no Vale de Arecibo, Porto Rico, o
prato é uma delgada superfície metálica apoiada sobre cabos que atravessam o vale. A antena está
pendurada por cabos desde torres construídas em três montanhas que rodeiam o vale. Preferiu-se
sacrificar a capacidade de movimento para poder obter um tamanho maior. Possui uma resolução de 1
minuto de arco aproximadamente, equivalente ao do olho humano em longitudes de onda óptica.

Quanto às interferências, o radiotelescópio é um receptor de rádio extremamente sensível que


pode captar sinais de rádio milhares de vezes mais débeis que a as transmissões de rádio e televisão
normal. A presença de emissoras, telefonia celular, radares e satélites artificiais afetam o desempenho
do radiotelescópio. Uma forma de solucionar este problema é instalar os radiotelescópios tão distantes
quanto for possível da civilização.

Radiotelescópio de Arecibo, em Porto Rico

A Radiointerferiometria

As vantagens que apresenta um radiotelescópio são impressionantes. Nós podemos revelar


partes do Universo que não podemos ver de nenhuma outra forma. Porém, devido a seu pobre poder
separador, não é possível captar muitos detalhes dos objetos que estudamos. Tampouco podemos
localizar com grande precisão a posição de uma radiofonte.

12 http://www.revistamacrocosmo.com
Um sistema interferômetro é definido como sendo um radiotelescópio que consiste em duas ou mais
antenas distintas que trabalham em conjunto, de modo a produzir o mesmo efeito de uma única antena e
possuindo propriedades determinadas.

Essas antenas podem ficar próximas uma das outras, ou até superpostas mas é mais comum elas
estarem a certa distância uma da outra. Essas antenas não são necessariamente idênticas ou similares;
freqüentemente o interferômetro alcança resultados satisfatórios através da combinação de propriedades
de antenas bem diferentes.

Os radioastrônomos conectam radiotelescópios da Europa, USA, Canadá e Austrália, formando


um radiointerferômetro tão grande como nosso planeta. Devido a impossibilidade de conectar por cabos,
registram-se os sinais em fitas magnéticas conjuntamente com sinais horários procedentes de relógios
atômicos. Posteriormente são reproduzidas sincronizadas de acordo com os sinais horários. Este sinal
combinado equivaleria a um radiotelescópio de 13.000 km de diâmetro, oferecendo uma resolução
extraordinária. Esse sistema de conectar radiotelescópios separados por largas distancias se chama:
"Interferometria de Base Muito Larga" (VLBI).

O National Astronomy Observatory construiu no distrito do Novo México, o VLA "Vey Large
Array", um radiointerferômetro que constitui em 27 pratos parabólicos, cada uma com 25 metros de
diâmetro, que se movem sobre trilhos ao longo de três braços, distribuídos na forma de Y de tal forma
que cada um dos braços possui 20 km de longitude. Os sinais destes, combinados mediante um
computador, simula um radiotelescópio de 40 km de diâmetro.

VLA – Formação de 27 antenas no Novo México/EUA

Cada antena contem seu próprio receptor, e os sinais de cada um são enviados a um edifício
onde são combinados para formar uma imagem.

Existem duas categorias gerais de radiotelescópios. Há em primeiro lugar um tipo familiar e


fotogênico que todos gostam de associar com os programas espaciais, ficção e radioastronomia, que tem
a famosa parabólica gigante.

Para este, é chamado de LSD, que vem da expressão inglesa “Large Single Dish”. Em segundo
lugar, existe o radiotelescópio formado por duas ou mais antenas (ou partes), não necessariamente
continuas e possivelmente separadas por grandes distâncias que contenham propriedades não
atribuídas aos modelos LSD. Estes modelos são chamados de maneira genérica de
INTERFERÔMETROS.

Para obtermos o chamado “poder de resolução” de um radiotelescópio, temos que levar em


conta o diâmetro da sua antena (quando parabólica), ou em sua quantidade. Em cima dessa afirmação,
as vantagens de um sistema interferométrico em relação a um radiotelescópio LSD comum, são bem
consideradas. Por exemplo:

a) A pena do registrador se move de maneira mais rápida e continuamente no interferômetro que


em um LSD comum.
b) As antenas de um sistema interferométrico podem ser de baixo custo, e podem ser feitas de
inúmeras formas, podendo ser montadas em postes ou tripés simples,. Quando feitas por
amadores podem ser facilmente ajustadas manualmente, (quando não, por meio motorizado),
para ajustarmos a declinação de ângulo horário.

http://www.revistamacrocosmo.com 13
c) Um radiotelescópio LSD comum, necessita de um local isolado para a sua instalação (mediante
as interferências). Já em um sistema interferométrico, podem ser portáteis, totalmente
transportáveis dependendo do modelo de antena confeccionada. E quando é feito por amadores,
cabe até em um carro e alimentados pela própria bateria do veiculo. Com isto, o radiômetro pode
ser levado para um local tranqüilo e fazer as suas medições.
d) O sistema interferométrico, existe de duas maneiras: INTERFERÔMETRO SOMADOR e o
INTERFERÔMETRO COMUTADOR DE FASE ou conhecido como INTERFERÔMETRO DE
CORREÇÃO, que é o sistema mais utilizado nas pesquisas em Radioastronomia, por oferecer
uma melhor definição das radiofontes em relação às interferências artificiais. No sistema LSD
comum, tem a necessidade da utilização de filtros eletrônicos, que às vezes inibem os sinais
mais fracos das radiofontes estudadas, quando comparados aos modelos de filtros encontrados
nos sistema Interferométricos.

IAR - Instituto Argentino de Radioastronomia

Instalado no Parque Pereira Iraola, foi inaugurado oficialmente no dia 26 de março de 1966.
Possui duas antenas de 30 metros de diâmetro armadas sobre uma estrutura de alumínio e apoiadas em
suportes de aço. O tipo de montagem é equatorial, se movendo em direção norte-sul, abrangendo quase
todo o céu sul; e na direção leste-oeste de modo que, com os motores sincronizados que compensam o
movimento de rotação da Terra, podem seguir uma radiofonte no céu durante quatro horas. Está
sintonizado na freqüência de 1.420 milhões de Hertz (uma longitude de onda de 21 cm, para a busca de
emissões de hidrogênio interestelar).

Estar situado no hemisfério sul, é um privilégio para os astrônomos. A maior parte do nosso céu
é invisível para o hemisfério norte, com regiões muito interessantes que somente se vê daqui. Por
exemplo, a região interna de nossa galáxia, incluindo seu centro, as duas galáxias mais próximas da
nossa: a pequena e a grande Nuvem de Magalhães, e a radiogaláxia mais próxima: Centauro A.

A radioastronomia é uma ciência cara, pois necessita de especializados componentes


eletrônicos, muitas vezes desenhados para o propósito. Dado o grande interesse internacional em
observar nosso céu austral, e nosso interesse em obter caros equipamentos de tecnologia avançada,
muitos dos projetos se desenvolvem através da cooperação internacional.

Projeto SETI

Chamado de "Busca de Inteligência Extraterrestre" o SETI (do inglês Search for Extra Terrestrial
Intelligence), supõe que podemos estabelecer contato por rádio mediante sondas espaciais. Mas, o que
os astrônomos buscam realmente, são indícios de tecnologia extraterrestre. Agora a única perspectiva
real de se encontrar inteligências extraterrestres se baseia especialmente numa área específica: o rádio.

À medida que a Terra gira, o radiotelescópio de Arecibo varre uma banda do céu entre o equador
e uma latitude celeste de 35 graus. Felizmente, esta zona contém muitas estrelas que já se sabem estar
acompanhadas de planetas. A equipe SETI está acoplada ao radiotelescópio e aproveita todo instante
livre para estudar qualquer lugar para que aponte o aparato, cuja orientação decidem os astrônomos no
curso de seus trabalhos habituais.

SETI@home - O Projeto SETI na Internet

Além de necessitar de um radiotelescópio com o qual detectará sinais débeis do espaço, outro
grande problema do SETI é dispor de tempo suficiente para o calculo em computadores. Um modo de
solucionar o problema foi o projeto SETI@home, que congrega mais de um milhão de computadores
domésticos através da internet para processar os dados obtidos do radiotelescópio de Arecibo. A equipe
do SETI@home oferece aos entusiastas um protetor de tela que pode ser instalado sem custo algum em
qualquer PC. Este protetor vai acompanhado com um pequeno programa que descarrega uma minúscula

14 http://www.revistamacrocosmo.com
fração de dados de Arecibo, de maneira que quando o computador não está em uso, o programa
empreende a análise dos dados: http://www.setiathome.ssl.berkeley.edu/

Projeto ALMA

O Grande telescópio de Atacama, chamado ALMA é um dos maiores projetos astronômicos dos
próximos anos. Estará localizado em Chajnantor, próximo de São Pedro de Atacama, Chile, a uma altura
de 5.000 metros sobre o nível do mar. Chajnantor é um lugar excepcional, possivelmente o único do
mundo, para a instalação de um radiotelescópio, devido as características atmosféricas que apresenta o
sítio e pelo seu fácil acesso.

O ALMA será formado por 64 antenas capazes de observar ondas sub-milimétricas de 12 metros
de diâmetro, estendidas em uma área de 10 Km por 10 Km. Seus receptores cobrirão longitudes de
onda tão pequenas como 0.3 mm, permitindo obter imagens com precisão na escala de sub-segundos de
arco. A riqueza do céu em longitudes de ondas milimétricas de emissões térmicas, desde gases frios e
corpos sólidos, até mesmo materiais que brilham nas longitudes de ondas infravermelhas. Atualmente,
essas emissões cósmicas naturais podem ser estudadas somente no espaço com a resolução e
sensibilidade limitadas que podem oferecer esses pequenos telescópios orbitais.

O ALMA é a união de três projetos de radiotelescópios: O Grande Radiotelescópio Austral da


Europa (LSA), o Conjunto Milimétrico Americano (MMA) e o Grande Ajuste Milimétrico do Japão (LMSA).
É o primeiro projeto realmente global de astronomia. A construção do ALMA está marcada para o
período de 2002-2008.

Notas Bibliográficas:
* Dr. Carlos Varsavsky, Astronomía elemental. "Una introducción al Universo"
* Michael Seeds, "Fundamentos de astronomía".
* John Gribbin, "Nuestro Universo, La última frontera".
* Burnham, Dyer, Garfinkle, George, Kanipe y Levy,"Observar el cielo II".
* Observatorio Nacional de Física Cósmica, "Introducción a la radioheliografía".
* Augusto Osorio, AAAA, "Radioastronomía".
* Ing. Jesús López, AAAA, "Técnicas de Radioastronomía".
* Revista del IAR.
* Dr. Marcelo Arnal, Apuntes

Páginas sobre o assunto:


www.angelfire.com/id/torres
www.iafe.uba.ar/astronomia/mirabel/mirabel.html
http://www.naic.edu/
http://www.tat.physik.uni-tuebingen.de/
http://www.aoc.nra.edu.intro/
http://www.iar.unlp.edu.ar/
www.terra.es/personal4/radioastronomia/index.html
http://www.radiojove.gsfc.nasa.gov/
www.radiosky.com/rspplsr.html
www.jb.man.ac.uk/~pulsar

Agradecimentos:
Ing. Ester Letrica - Foro-Liga Iberoamericana de Astronomía -
Dr. Diego Torres - IAR - Lawrence Livermore National Laboratory -
Claudio Martínez - Observatorio Bs.As. -
Lic. Hipólito Falcoz - Observatorio Nacional de Física Cósmica de San Miguel
Grupo Galileo - Observatorio Nacional de Física Cósmica de San Miguel
Lorena Rubén - Sunchales Sta. Fe -
Alberto Lavignase - Uruguay -
Ing.Ricardo Sánchez – AAAA

Viviana Bianchi | Grupo Astronómico Don Torcuato


gadtorcuato@hotmail.com
http://www.gadt.com.ar/
Argentina

A Revista macroCOSMO.com agradece a Viviana Bianchi pela permissão de tradução do seu


artigo para a íngua portuguesa. Traduzido e adaptado do Espanhol por Hemerson Brandão.

http://www.revistamacrocosmo.com 15
Campanha Contra a Poluição Luminosa

Roberto Silvestre | Colaborador – Revista macroCOSMO.com

Você já notou como o céu das áreas urbanas é muito menos estrelado do que o céu das
áreas rurais? Já percebeu aquelas bolhas luminosas que cobrem as cidades, quando delas você se
aproxima em viagem noturna? Você já perdeu totalmente a visibilidade da estrada, dirigindo à noite,
quando o motorista que vinha em sentido contrário acendeu o farol alto? Já teve dificuldade para
dormir porque uma grande quantidade de luz da rua ou do vizinho entrava pela janela do seu
quarto? É claro que sim. Todos nós já passamos, vez ou outra, por algumas dessas situações.
Esses fatos são causados pela utilização incorreta da iluminação artificial noturna, que gera a
menos conhecida de todas as formas de agressão ao meio ambiente: a poluição luminosa.

A poluição luminosa pode ser definida como corretamente, enviando luz apenas para as áreas
sendo qualquer efeito adverso causado ao meio que queremos enxergar.
ambiente pela luz artificial excessiva ou mal
direcionada. Um desses efeitos, que prejudica ou
mesmo impossibilita totalmente o trabalho dos Fazendo um levantamento da iluminação
astrônomos, é o fulgor do céu noturno, percebido artificial noturna em nossas cidades, podemos
principalmente sobre as cidades, mas não se perceber facilmente o enorme desperdício de luz
limitando a essas áreas, já que a interferência que causado por luminárias que lançam grande parte
algumas aglomerações urbanas causam pode ser de sua luz para cima, paralelamente ao solo ou
notada a centenas de quilômetros de distância. E para além da área útil. São os postes da
não há quem não tenha percebido a diferença entre iluminação das ruas, os das praças, em forma de
o aspecto do céu noturno urbano e o daquele que se globo esférico, os refletores das quadras de
pode ver a partir de regiões afastadas, ainda esportes, estacionamentos, canteiros de obras,
primitivas, sem iluminação artificial. clubes, aeroportos, etc. Se cada dispositivo de
iluminação fosse criado com o cuidado de
Mas antes que você comece a imaginar aproveitar toda a luz gerada, dirigindo-a para
que os astrônomos querem apagar todas as baixo, os níveis de poluição luminosa cairiam mais
lâmpadas das cidades, deixando tudo e todos na de 80 por cento.
mais completa escuridão durante a noite, para que Pense no incômodo imposto à população com o
eles possam ver as estrelas, é bom saber que a horário de verão e com as sugestões para que se
principal causa da poluição luminosa é o evite o consumo exagerado de energia elétrica,
desperdício de luz. Portanto, reduzir os seus principalmente no horário do pico de demanda.
efeitos negativos significa economizar luz, energia
elétrica e muitos bilhões de dólares por ano em
todo o mundo. Assim, não precisamos apagar a
cidade, mas cuidar para que a iluminemos

16 http://www.revistamacrocosmo.com
Ouvimos dizer que não devemos tomar banho quente nem abrir a porta da geladeira por muito tempo, mas,
quando vamos lá fora e olhamos para as luzes da cidade, vemos todo o nosso sacrifício indo em direção ao
espaço sideral, sem maiores explicações. E talvez a maioria das pessoas não perceba isso, mas jogar luz
para cima não aumenta a segurança de ninguém nem melhora a visibilidades das nossas ruas. É apenas a
mesma coisa que queimar dinheiro, que em muitos casos é público.

Cidade de Uberlândia

Poupar energia é importante para o País, mas, se o é a impunidade que gera esse tipo de distorção. Os
povo vai contribuir com a sua cota de sacrifício, ele proprietários dessas áreas se sentem com o direito
também espera ver mais competência técnica nos de fazer o que querem, enquanto, por outro lado,
projetos das luminárias externas utilizadas à noite. nenhuma autoridade deve querer perder tempo com
Não é mais possível fingir que o problema não isso, já que há problemas mais importantes
existe nem querer desviar a atenção do povo com esperando por atendimento.
frases que o induzam a acreditar que os astrônomos
querem ruas escuras. O que estamos propondo é Aos astrônomos só resta tentar
apenas a utilização racional das energias elétrica e conscientizar a população, solicitando seu apoio.
luminosa, principalmente porque sabemos que nos Você pode ajudar, se não poluir o céu com luz
lugares onde o problema da poluição luminosa foi desperdiçada em sua própria residência, se
tratado com a atenção que merece, as vias públicas protestar quando sentir o incômodo causado pela
ficaram mais visíveis, o ofuscamento foi poluição luminosa, seja por ofuscamento, invasão
drasticamente reduzido e uma grande economia foi de luz para dentro de sua propriedade, ou
obtida. simplesmente porque não consegue ver o céu, cuja
beleza é um direito de todos. Você pode orientar
No Brasil, mesmo naqueles locais onde alguém sobre o modo correto de iluminar, evitando,
algumas leis foram aprovadas para evitar o por exemplo, que uma quadra de esportes de um
fechamento de observatórios astronômicos, o vizinho jogue fora a metade da luz gerada. Você
descaso e o desrespeito ao meio ambiente imperam também pode tentar evitar que os responsáveis pela
sem controle. Há casos de áreas particulares cujos iluminação pública usem o nosso dinheiro suado
proprietários parecem fazer questão de inviabilizar o para lançar luz diretamente para cima e depois
trabalho dos cientistas, mesmo sabendo que uma ainda venham falar em economia ou racionamento
iluminação correta em nada prejudicaria a de energia, o que significa que é o povo, como
visibilidade e a segurança de suas propriedades. E sempre, quem vai pagar o pato.

Má iluminação em quadra de esportes

http://www.revistamacrocosmo.com 17
Por enquanto nossa campanha nada na iluminação pública, nas quadras de esportes, nos
conseguiu em termos práticos, mas estamos jardins de vizinhos, nas fachadas de prédios, na
fazendo muito barulho, mostrando os erros que não iluminação de cartazes, etc. Algumas vezes
podem continuar. Esperamos que, com o passar do causado pela instalação incorreta de boas
tempo, muitas pessoas venham a ficar conscientes luminárias, esse fluxo de luz mal direcionado
sobre mais esse problema urbano, até que a opinião representa a perda de uma enorme quantidade de
pública exija providências das autoridades energia, além de causar problemas ambientais.
responsáveis no sentido de resolvê-lo e de
assegurar o respeito ao céu noturno através de leis
ambientais mais abrangentes. É preciso mostrar a todos que as soluções
para esse transtorno não significam uma redução do
O estado atual da iluminação pública é nível da iluminação útil. Elas consistem apenas no
lamentável, principalmente depois que as lâmpadas corte daquela luz que não está sendo utilizada, por
de mercúrio começaram a ser substituídas pelas de partir na direção errada. Em muitos casos, o
sódio, amarelas, em luminárias dispersivas, redirecionamento correto do fluxo faz aumentar a
aumentando muito o desperdício de luz. Mas ainda iluminação da área a tal ponto que as lâmpadas
temos esperança de que alguma coisa mude para originais podem ser substituídas por lâmpadas mais
melhor. Se isto acontecer, estaremos também aqui, fracas, produzindo o mesmo efeito de um modo
elogiando. mais econômico.

Há milhões de pessoas no mundo que Explicar a um vizinho que ele não tem o
começam a compreender que não se pode destruir direito de iluminar a minha casa não é tarefa fácil.
o Planeta em nome do lucro, como estamos Em geral, a primeira coisa que ele vai pensar é que
fazendo hoje, sob o risco de nada deixarmos para estou querendo que ele fique no escuro. Ele pode
as futuras gerações. Muitos estão acordando para sentir também que estou limitando sua liberdade de
os novos tempos que se aproximam e, por isso, fazer o que ele quiser em sua propriedade.
começam a exigir mais respeito à Natureza. Estes Entretanto, o fluxo de luz que vem da casa dele
percebem que pessoas inescrupulosas estão para a minha é uma invasão que pode ser um
transformando a Terra em um verdadeiro inferno, grande incômodo. Como esse fluxo não tem
por motivos puramente egoístas. Se você nada nenhuma utilidade para o meu vizinho, ele tem o
fizer, estará concordando com os destruidores. dever de eliminá-lo. Trata-se aqui de economia,
Portanto, reaja! Junte-se a nós nesta campanha por competência técnica e respeito ao meio ambiente e
cidades melhores, bem planejadas, nas quais seja aos direitos dos outros, trazendo como benefício
garantido o espaço existencial de cada um. direto uma iluminação não agressiva e melhor
também para o seu proprietário.
Iluminação intrusa
A iluminação pública de baixa qualidade é
Iluminar uma área corretamente é tarefa que mais difícil de ser eliminada. Os postes das ruas
deveria ser deixada para os técnicos costumam ter luminárias muito dispersivas, que
especializados. O que se vê, na imensa maioria dos enviam luz diretamente para dentro de nossas
locais que recebem iluminação artificial noturna, propriedades. Nesse caso, fica muito difícil
hoje em dia, é uma demonstração de total reclamar, já que os políticos são, em geral, muito
desconhecimento dos princípios mais elementares distantes do povo. Os técnicos responsáveis pela
da física, da matemática, da astronomia, da fabricação e pela instalação das luminárias também
economia, da biologia e da ecologia. Essa falta de não se mostram interessados em colaborar porque
atenção vem criando um problema urbano do qual sua preocupação é ter garantida a venda do
poucos têm conhecimento: a iluminação intrusa, que produto. Enquanto as prefeituras das cidades
é uma das formas de poluição luminosa. comprarem suas luminárias poluentes, eles vão
continuar fabricando. A única saída está numa
A luz é considerada intrusa quando exigência de qualidade para as luminárias cujos
ultrapassa os limites da área a ser iluminada. Ela fabricantes queiram participar dos processos de
penetra através das janelas de nossas casas, atinge licitação abertos pelas prefeituras. Por isso a
nossos olhos e nos ofusca em nossa propriedade, educação do povo é tão importante. Nenhum
violando nossos direitos constitucionais. Ela nos político vai querer fazer uma obra de iluminação de
causa incômodos como a insônia, nos tira a visão péssima qualidade, que desagrade à maioria. Tais
das estrelas e provoca acidentes fatais nas obras são feitas hoje, mas poucas pessoas
rodovias. Ela só continua existindo porque ficamos percebem os erros cometidos. Assim, os políticos
em silêncio, supondo que nada pode ser feito para continuam a aprovar a iluminação dispersiva,
evitá-la. principalmente porque ela permite que o eleitor leigo
a observe à distância. Quando o povo compreender
Essa luz inútil e prejudicial é gerada por que a luz diretamente avistada de longe é uma luz
luminárias dispersivas de todos os tipos, utilizadas desperdiçada, a situação vai mudar.

18 http://www.revistamacrocosmo.com
Veja um exemplo do desrespeito: Na fotografia astronômica é comum utilizarmos um tempo de
exposição mais prolongado, para podermos captar a luz tênue das estrelas que não conseguimos observar
a olho nu. Veja o que aconteceu com o céu noturno, e com a paisagem em geral, nesta foto com três
minutos de exposição. Parece dia, mas não é. O céu ficou claro porque o filme captou e acumulou a luz que
dele vinha, refletida pelo ar numa noite quase sem nuvens:

Solução do Problema

A figura acima, não exatamente em escala, serve para explicar e essência da nossa proposta por
uma iluminação menos agressiva e menos dispendiosa. Foi feito um corte plano no espaço por onde a luz
se espalha ao redor de um poste que utiliza um tipo de luminária que vem causando um grande problema
para a Astronomia.

http://www.revistamacrocosmo.com 19
A área 1 corresponde à luz necessária, útil para todos. Os astrônomos não são contra ela. Por isso,
quem afirma que queremos as ruas escuras não entendeu a nossa proposta ou pretende fazer com que a
população nos veja como loucos, inimigos do progresso, a favor do crime e da violência urbana ou coisas
piores. É provável que a maioria das pessoas acredite nessa mentira.

A área 2 corresponde à região que não recebe praticamente nenhuma luz direta. Ela é estreita
porque o globo de vidro se projeta para fora da parte metálica da luminária, ficando visível até mesmo de
muito acima desta. Somente daquela região escura não se pode observar diretamente o globo difusor de
luz.
A luz emitida para dentro da área 3 atinge o solo a uma grande distância, onde pouco efeito útil tem.
Transversalmente à via pública, como na figura, ela pode invadir residências sem o consentimento dos
moradores, causando diversos tipos de incômodos. No sentido longitudinal, ofusca os motoristas, produz
cansaço visual e dificuldade para enxergar o próprio caminho por onde eles dirigem seus veículos. Ela
causa problemas também para os pedestres.

A área 4 é de uma iluminação totalmente estúpida, porque vai para cima, causando um desperdício
de energia e de dinheiro sem nenhum sentido. Ela é responsável pela perda da visibilidade dos objetos
cósmicos que são importantes para as pesquisas astronômicas. Se essa luz inútil é gerada pelas luminárias
que são consideradas como padrão brasileiro de qualidade, então estas são uma vergonha para o País. Se
as normas técnicas exigem ou permitem a emissão de luz para cima, deveriam ser modificadas com
urgência, já que não respeitam o meio ambiente nem os direitos constitucionais dos cidadãos.

Nossa proposta técnica está no direcionamento, para dentro da área 1, de toda a luz que hoje é
enviada para dentro das áreas 3 e 4 pelas luminárias dispersivas. Assim, o que esperamos é que haja uma
maior concentração de luz na área 1, uma emissão mínima ou nula para dentro da área 3 e absolutamente
nenhuma para dentro da área 4, pelo uso de luminárias projetadas com mais cuidado. Com isso, todos
continuariam a ter os benefícios da iluminação e os astrônomos profissionais e amadores não seriam
prejudicados em sua profissão e seu lazer. O povo teria preservado o seu direito de apreciar a beleza do
céu noturno.
Com o aumento do fluxo de luz na área 1, a potência das lâmpadas poderia ser proporcionalmente
reduzida, gerando economia de energia e um efeito visual melhor, pela diminuição do ofuscamento. Isto já
está sendo feito em outros países e não vemos razão para que não seja feito aqui também.

Seria muito bom que o respeito ao meio ambiente saísse das propagandas da TV para uma ação
verdadeira, responsável, que viesse ao encontro do direito dos astrônomos à preservação de seu material
de trabalho, laboratório infinito, que é parte integrante maior da Natureza.

Bons exemplos de iluminação

20 http://www.revistamacrocosmo.com
http://www.revistamacrocosmo.com 21
ANTES DEPOIS

Resumo

Como todos sabem, estamos com um grave problema energético e precisamos eliminar gastos inúteis.

1. Existe um desperdício na iluminação das cidades que é ignorado pela maioria das pessoas e que
não está sendo levado em consideração entre as possíveis medidas para economizarmos energia.
2. Esse desperdício ocorre por um descuido nos projetos das luminárias. Estas lançam para cima e
para áreas distantes uma quantidade de luz estimada em cerca de 30%.
3. Essa fração de luz, além de ser jogada fora, causa diversos problemas ambientais, como o
incômodo ofuscamento, que faz diminuir a nossa capacidade de enxergar e ameaça a nossa segurança.
4. A utilização de luminárias não dispersivas faria direcionar para baixo toda a luz que hoje é
desperdiçada, melhorando a visibilidade das áreas que precisamos iluminar.
5. Com o aumento do fluxo de luz sobre o solo e o fim do ofuscamento, lâmpadas mais eficientes e de
menor potência poderiam ser usadas no lugar das antigas, para economizar energia elétrica e evitar
medidas radicais como a do desligamento de lâmpadas.

Observação: Nada do que está escrito aqui tem a intenção de prejudicar nem de ofender qualquer
pessoa ou instituição. É apenas uma tentativa honesta de mudar para melhor o que entendo estar errado.
Quem não concordar comigo deve impor a sua própria opinião, para que todos possam ler.

Campanha em Uberlândia

Roberto Silvestre | Colaborador – Revista macroCOSMO.com


silvestre@revistamacrocosmo.com.br
Uberlândia/MG
http://www.astronomia.triang.net/

22 http://www.revistamacrocosmo.com
EFEMERIDES | DEZEMBRO 2003

Rosely Grégio | Redatora - Revista macroCOSMO.com

Dezembro, enquanto temos tempos secos para as regiões norte/nordeste do Brasil, o que faz um céu
muito bom para aqueles observadores; em outras regiões temos o tempo das chuvas, o que dificulta
em muito a observação dos astros celestes. Todavia, é sempre bom poder aproveita qualquer
abertura de céu para observar o que os céus de Dezembro nos proporcionam.

Fases da Lua

Lua Cheia: Dia 8


Lua Minguante: Dia 16
Lua Nova: Dia 23
Lua Crescente: Dia 30

Mudança de Estação: Início do Verão em 22 de Dezembro

Cometas Visíveis em Dezembro

Salvo saltos em brilho e novos cometas descobertos, as estimativas de magnitude


para os cometas esse mês são:

Para o Hemisfério Sul


Ao Anoitecer Mag Pela Noite Mag
C/2002 T7 (LINEAR) 8 C/2002 T7 (LINEAR) 8
C/2001 Q4 (NEAT) 9 C/2001 Q4 (NEAT) 9
C/2003 T3 (Tabur) 10 C/2003 T3 (Tabur) 10
C/2001 HT50 (LINEAR- NEAT) 11 C/2001 HT50 (LINEAR- NEAT) 11

Para o Hemisfério Norte


Ao Anoitecer Mag Pela Noite Mag
2P/Encke 6 C/2002 T7 (LINEAR) 8
C/2002 T7 (LINEAR) 8
C/2003 T3 (Tabur) 10
C/2001 HT50 (LINEAR- NEAT) 11

Fonte de dados, cartas de busca e mais informações em: http://reabrasil.astrodatabase.net/ e


http://aerith.net/index.html

Chuveiros de Meteoros em Dezembro

Radiantes Período Máximo


Geminids (GEM) Dez. 6-19 Dez. 13 .
Delta Arietids Dez. 8-Jan. 2 Dez. 8/9 11
Canis Minorids Dez. 4-15 Dez. 10/11
Coma Berenicids (COM) Dez. 8-Jan. 23 Dez. 18-Jan. 6
Sigma Hydrids (HYD) December Dez. 4-15 Dez. 11/12
Monocerotids (MON) Nov. 9-Dez. 18 Dez. 11/12
Northern Chi Orionids (XOR) Nov. 16-Dez. 16 Dez. 10/11
Southern Chi Orionids (XOR) Dez. 2-18 Dez. 10/11
Phoenicids (PHO) Nov. 29-Dez. 9 Dez. 5/6
Alpha Puppids (PUP) Nov. 17-Dez. 9 Dez. 2-5
Ursids (URS) Dez. 17-25 Dez. 22 -

http://www.revistamacrocosmo.com 23
Agenda Diária

Segunda-feira, 1 de Dezembro
Conjunção de Marte com a Lua as 12:48 hora local (GMT –3)
A Lua passa a 2.15 graus ao sul de Marte as 21:26 hora local.
O Asteróide 2003 UC20 passa a 0.082 UA da Terra.

Terça-feira, 2 de Dezembro
Chuveiro de Meteoros Alpha Puppids (PUP)com máximo estendido de 2 a 5 de dezembro. O radiante
parece ser bastante difuso tendo sido observado por equipamento de radar. Ao que parece este chuveiro
apresenta uma média horária de mais ou menos 10 meteoros, e são descritos com rápidos, mag média de
3.29 e cores tendendo para azul-branco ou brancos.

Quarta-feira, 3 de Dezembro
Hoje se comemora 30 anos (1973) em que a sonda Pioneer 10 sobrevoou o planeta Júpiter.
Ocultação da estrela TYC 4820-02831-1, (mag 12.5 ) pelo Asteróide 225 Henrietta (mag 15.1). Duração de
9.0 segundos as 6h27m TU, visível para o Brasil, Bolívia e Peru.
Chuveiro de Meteoros Cygnids AS 10H TU em AR=13.9h, Decl =-11.9 graus (Vir).

Quinta Feira, 4 de Dezembro


Há 25 anos (1978) a Sonda Pioneer Venus 1 era inserida na órbita do planeta Vênus.
O cometa P/2003 U2 (LINEAR) em Periélio a 1.710 UA do Sol.
O Asteróide 799 Gudula oculta a estrela HIP 51251 (mag 8.3)
O Asteróide 2003 UB5 passa a 0.097 UA da Terra.

Sexta-feira, 5 de Dezembro
Mercúrio e Vênus separados a 7.2 graus (menos que um punho = 10 graus) as 9h49m TU.
Chuveiro de Meteoros Phoenicids (PHO). Esse radiante acontece na constelação Fênix. Estimativas de
ZHR parecem permanecer durante 2 a 7 de dezembro, enquanto uma subida para cinco ou seis meteoros
por hora acontece em 5 de dezembro com Radiante: Alfa= 1h12m; Delta=-53graus. Os meteoros possuem
uma magnitude média de 3.27, enquanto só 2% deixam rastros. O chuveiro é muito notável por haver
produzido uma taxa de 100 meteoros por hora em 1956 - o ano que marcou sua descoberta. O fluxo
provavelmente é produzido pelo cometa periódico Blanpain (1819 IV) desaparecido.

Sábado, 6 de Dezembro
O Asteróide 1145 Robelmonte oculta a estrela HIP 30751 (mag 9.9).
O Asteróide 2000 YJ11 passa a 0.141 UA da Terra.
O Asteróide 2001 WF49 PASSA A 0.152 UA da Terra.
Lua no Nodo Ascendente as 16:00 TU.
A Lua passa a 1.3 graus da estrela SAO 93144 SIGMA ARIETIS (mag 5.5) as 6.3h TU.
Chuveiro de Meteoros Geminids às 24h TU, com previsão de 18.12 meteoros por hora.

Domingo, 7 de Dezembro
Lua em Apogeu a 11:35 TU.

Segunda-feira, 8 de Dezembro
O Asteróide 2000 WJ10 passa a 0.190 UA da Terra.
A Lua passa a 1.0 graus de separação da estrela SAO 76608 UPSILON TAURI (mag 4.3).
A lua Ganymed (mag 5.1) é eclipsada por Júpuiter as 6h34.4m TU.
A Lua passa a 0.9 graus da estrela SAO 76613 72 TAURI (mag 5.4).
A Lua cheia acontece as 17:37 horas. Durante este mês o resfriamento do inverno firma seu aperto, e as
noites ficam mais longas e mais escuras para o hemisfério Norte. Para antigos habitantes da América do
Norte, a Lua Cheia de Dezembro recebia vários nomes: Cold Moon (Lua Gelada ou Fria), Long Night Moon
(Lua da Longa Noite), Moon of Matching Reindeer (Lua de Emparelhar Renas). Full Cold Moon (Lua Cheia
Fria), ou Full Long Nights Moon (Lua Cheia da Longa Noite) e as vezes também é chamada Moon before
Yule (Lua Antes do Natal). O termo Long Night Moon (Lua da Longa Noite) é um nome duplamente
apropriado porque a noite de solstício de inverno realmente é longa, e porque a Lua está por muito tempo
sobre o horizonte. A Lua cheia no solstício de inverno tem uma trajetória alta pelo céu porque está oposta
ao Sol que está baixo por esta época do ano nas latitudes boreais.
Chuveiro de Meteoros Delta Arietids com duração de 8 de dezembro a 2 de janeiro e máximo em 8/9 de
dezembro. O primeiro aparecimento deste chuveiro pode ter acontecido no início do século 20 com a
ocorrência de vários fireballs (bolas de fogo). As órbitas das filiais do norte e meridional apresentam taxas

24 http://www.revistamacrocosmo.com
entre 12 a 3 meteoros por hora. O clarão da Lua deve atrapalhar a observação desse e de outros chuveiros
que acontecem em torno dessa data.

Terça-feira, 9 de Dezembro
Comemora-se hoje 25 anos (1978) da sonda Pioneer Venus 2, Venus Atmospheric Probes. Mercúrio em
Máxima Elongação Este a 21 graus do Sol, as 03:04 horas.
Cometa West-Hartley em periélio a 2.129 UA do Sol.
O Asteróide 1999 YC passa a 0.040 UA da Terra.
O Asteróide 2001 MT18 passa a 0.174 UA da Terra.

Quarta-feira, 10 de Dezembro
Conjunção de Saturno com a Lua a 19:10 hora local (GMT –3)
A Lua passa a 4.76 graus ao norte de Saturno as 18:37 horas.
Júpiter em Quadratura Oeste as 10:44 TU.

Os radiantes estão assinalados em cor laranja.

Chuveiro de Meteoros 11 Canis Minorids com atividade máxima em 10/11 de dezembro com radiante na
constelação do Cão Menor. Segundo Kresakova, o chuveiro 11 Canis Minorids poderia ser parte de uma
associação em cadeia, considerando que o cometa Mellish é o responsável pelo chuveiro December
Monocerotids que produziu o 11 Canis Minorids e que subseqüentemente produziram os Geminids.
Kresakova teorizou que essa cadeia pode ter começado em seguida ao rompimento do cometa Mellish.

Chuveiro de Meteoros Northern Chi Orionids (XOR). O Chi Orionids acontecem a pelo menos 100 anos. A
descoberta mais importante em relação a este chuveiros veio através de pesquisas fotográficas realizadas
durante a década de 1950, quando o chuveiros Chi Orionids se tornou um de vários chuveiros de meteoro
anuais reconhecido com divisão em filiais do norte e sul. Esse chuveiro tem um máximo ZHR de 2
meteoros que tendem a ser luminosos e aproximadamente 14% deles deixam rastros.
Chuveiro de Meteoros Southern Chi Orionids (XOR). O Chuveiro Soutern Chi Orionids (Chi Orionídeos do
sul), com um máximo ZHR de três que entra em 10 de dezembro. Os meteoros deste fluxo tende a ser
luminoso, com aproximadamente 14% deles deixando rastros. Os radiante do Norte e Sul estão localizados
na constelação do Orion. Hoje temos uma área do céu bastante congestiona por diferentes chuveiros. Para
separar os meteoros dos diferentes radiantes, refaça os rastros dos meteoros avistados para trás e veja de
qual radiante o meteoro mais se aproxima.

http://www.revistamacrocosmo.com 25
Quinta Feira, 11 de Dezembro
Hoje Annie Jump Cannon’s completaria 140 anos (1863).
Plutao em Conjunção as 05:18 TU.
Asteróide 14 Irene (mag 9.6) em Oposição.
O /Asteróide 1172 oculta a estrela TYC 0766-01250-1 (mag 9.3).
O Asteróide 2001 XX4 passa a 0.095 UA da Terra.
O Asteróide Newburn passa a 1.448 UA da Terra.
Chuveiro de Meteoros Sigma Hydrids (HYD). A atividade de pico acontece em 11/12 de dezembro com taxa
máxima ZHR típica normalmente é ao redor de 3 a 5 meteoros por hora.
Mais um chuveiro de Meteoros pode ser observado hoje, o December Monocerotids (MON). A taxa visual
global deste chuveiro é só de 1 a 2 por hora. O uso de instrumentos como binóculos de grande campo pode
ser necessário para observar melhor a atividade produzida por este fluxo.

Sexta-feira, 12 de Dezembro
O Asteróide 4457 van Gogh oculta a estrela HIP 24757 (9.7 mag).
O Asteróide 627 Charis oculta a estrela HIP 113412 (mag 9.3).
Plutão em Conjunção.

Sábado, 13 de Dezembro
Chuveiro de Meteoros Geminids (GEM). É o melhor chuveiro desse mês e acontece na madrugada de 13/14
com radiante localizado dentro da constelação de Gêmeos próximo a estrela Castor de Gêmeos. Os
meteoros tendem a ser rápidos e bastante luminosos com máximo em torno de 80 meteoros/h nos anos de
boas exibições. A velocidade média dos meteoros está na casa de 34.9km/h. A melhor posição para
observação é apontar seus pés em direção entre leste e norte (NE) e centrar seu olhar em 45 graus sobre
o horizonte.

Domingo, 14 de Dezembro
O Cometa C/2002 T7 (LINEAR) passa a 1.560 UA da Terra.
O Asteróide 1867 Deiphobus (mag 15.6) oculta a estrela TYC 2419-00556-1 (mag 11.0) a 1h09m TU, com
duração de 6.4 segundos, visível para a Arábia, África, Brasil e Peru.
Lua em Libração Sul a 1h35.7m TU.

Segunda-feira, 15 de Dezembro
Saturno oculta a estrela PPM 94676 (mag 9.8).
O Asteróide 1153 Wallenbergia oculta a estrela HIP 43613 (mag 7.8).

Terça-feira, 16 de Dezembro
A Lua entra em seu Último Quarto, Quarto Minguante as 14:42 h.
Conjunção de Júpiter (mag –2.1) com a Lua as 01:11 horas.
A Lua passa a 3.81 graus a norte de Júpiter a 01:28 hora.

Quarta-feira, 17 de Dezembro
Há 100 anos (1903) os irmãos Wright fazia seu primeiro vôo com um aeroplano lançado por catapulta.
Mercúrio Estacionário a Leste começando seu movimento Retrógrado as 15:55 TU.
Asteróide Ceres (mag 7.3) pode ser a 01:.5 TU, na constelação de Gêmeos. O Asteróide também continua
sendo visto em Gêmeos nos próximos dias.
Lua em Máxima Libração as 24:00.0 TU.

Quinta Feira, 18 de Dezembro


Chuveiro de Meteoros Coma Berenicids (COM). A data precisa de sua máxima atividade não é conhecida,
mas provavelmente cai dentro do período de 18 a 29 de dezembro. A atividade do fluxo é muito fraca, mas
já foram fotografados numerosos meteoros desse fluxo nos Estados Unidos e na União soviética.

Sexta-feira, 19 de Dezembro
A sombra da lua Ganymed (mag 5.3) passa sobre o disco iluminado de Júpiter as 3h59.1m TU.
Trânsito da lua Callisto (mag 6.2) sobre Júpiter começa as 4h55.3m TU. Para ver os trânsito com facilidade
use instrumento de maior abertura.

Sábado, 20 de Dezembro
O Asteróide 3362 Khufu passa a 0.195 UA da Terra.
Lua em Nodo Descendente as 16:03 TU.

26 http://www.revistamacrocosmo.com
Domingo, 21 de Dezembro
Há 35 anos (1969) era lançada a Apollo 8.
Vigésimo quinto aniversário (1978) da Venera 12, Venus Landing.
Conjunção Urano com a Lua às 21:54 h.

Segunda-feira, 22 de Dezembro
Há 15 anos (1988) era descoberto na Antártida o meteorito marciano LEW 88516.
Pelo calendário Persa hoje é o primeiro dia do décimo mês do ano de 1382.
O Sol entra na constelação do Capricórnio as 7:00 TU.
O Asteróide 925 Alphonsina oculta a estrela HP 23799 (mag 6.3)
A Lua passa a 11.33 graus ao sul de Plutão as 14:40 h.
Lua em Perigeu as 12:00 TU.
O solstício de Inverno para o Hemisfério Norte começa às 07:04 TU. Para o Hemisfério Sul é o Solstício de
Verão. Nesse momento o Sol passa pelo Equador da Terra dirigindo-se para o Hemisfério Austral, e devido
a inclinação da Terra nossos dias ficam ainda mais quentes.
Chuveiro de Meteoros Ursids (URS).É um chuveiro de atividade moderada cujo radiante está localizado
dentro da constelação da Ursa Menor. O radiante está sobre o horizonte ao longo da noite, com exceção
para os observadores do Hemisfério Meridional. O melhor momento para observar é de meia-noite ao
começo de crepúsculo matutino, com o alçamento do radiante ligeiramente mais alto com a chegada do
amanhecer. Estes meteoros são tipicamente lânguidos. Infelizmente, este chuveiro não é visível aos
observadores do Hemisfério sul. Sua altitude mais elevada é 18 graus abaixo do horizonte e isso acontece à
luz do dia. A altitude maior em céus escuros acontece logo antes do crepúsculo matutino com o radiante a
aproximadamente 32 graus abaixo do horizonte. A máxima taxa de hora em hora alcança normalmente de 5
a 10 meteoros, com exceção de explosões ocasionais que podem alcançar 100 ou mais meteoros por hora.

Terça-feira, 23 de Dezembro
Pelo Calendário Indiano, hoje é o primeiro dia de Pausa, o décimo mês do ano 1925.
O Asteróide 5535 Annefrank passa a 1.119 UA da Terra.
A Lua Nova acontece as 06:43 h (GMT –3).
Conjunção de Mercúrio com a Lua as 18:33 h (GMT –3). A Lua passa a 5.29 graus ao sul de Mercúrio.

Quarta-feira, 24 de Dezembro
Quadragésimo aniversário (1963) da Deep Space Network's.
Pelo calendário Hebreu, hoje é o primeiro dia do Tevet, quato mês do ano 5764 com a subida das estrelas
ao pôr-do-sol
Pelo calendário Islâmico Tabular, é o primeiro dia do Dhu al;Q’adah, é o décimo primeiro mês do ano 1424
ao nascer das estrelas ao pôr-do-sol.
E pelo calendário Cristão, a 2003 anos nascia Jesus Cristos na cidade de Belém. Então, que a Estrela
Guia ilumine e guie a todos nós pelos caminhos do bem, da harmonia, do amor, da paz, da fraternidade, da
humildade e das bem-aventuranças.
Marte oculta a estrela PPM 143321 (mag 10.1).
Mercúrio em Perigeu entre 6.4 e 06:23 TU.

Quinta Feira, 25 de Dezembro


Vigésimo quinto aniversário (1978) da sonda Venera 11, Venus Landing.
Conjunção de Vênus com a Lua as 12:50 hora local.
A Lua próxima de Vênus ( mag –4) com separação de apenas 2.5 graus as 19:2 TU.
A Lua passa a 3.24 graus ao sul de Mercúrio.
A Lua passa a 5.26 graus ao sul de Netuno as 21:59 h.

Sexta-feira, 26 de Dezembro
Mercúrio em Conjunção Inferior as 22:05 h.
O Cometa C/2002 T6 (LINEAR-NEAT) passa a 2.661 UA da Terra.
O Asteróide 2002 XP37 passa a 0.268 UA da Terra.
O Asteróide 31824 Elatus passa a 9.189 UA da Terra.
Conjunção de Mercúrio com o Sol as 22:06 TU.
A Lua em Libração Norte as 16h12.9m TU.

Sábado, 27 de Dezembro
Conjunção de Urano com a Lua a 05:04 hora local (GMT –3). A Lua passa a 4.65 graus ao sul de Urano.
Mercúrio em Conjunção Inferior a 01:06 TU.

http://www.revistamacrocosmo.com 27
Domingo, 28 de Dezembro
Júpiter eclipsa a lua Io (mag 5.6) as 4h04.1m TU. O reaparecimento da ocultação acontece as 7h32.0m TU.
Use binóculo para ver todo o interessante evento
Lua em Libração Este as 11h04.0m TU.
Chuveiro de Meteoros Quadrantids, radiante na constelação de Draco, o Dragão as 24 h TU. Os dados
apontam para uma média horária de 7.1 meteoros.

Segunda-feira, 29 de Dezembro
Cometa Encke em Periélio a 0.338 UA do Sol.
O Asteróide 2985 Shakespeare passa a 1.977 UA da Terra.
A Lua passa a 5.44 graus ao sul de Marte as 20:39 h.

Terça-feira, 30 de Dezembro
Lua em seu Primeiro Quarto, Quarto Creste, as 07:04 h.
Conjunção de Marte (mag 0.2) com a Lua as 03:50 hora local. As 2:7 TU ambos os astros estão separados
por apenas 4.4 graus.
Conjunção de Vênus e Netuno. Vênus passa a 1.88 graus ao sul de Netuno as 04:27 h.
Marte em Quadratura Este as 05:28 TU.

Quarta-feira, 31 de Dezembro
Dia de São Silvestre para lembrando os atletas maratonistas e aqueles que gostam de assistir esse
importante evento de resistência que acontece na cidade de São Paulo. É o último dia e evento esportivo do
ano. Assim, que o ano de 2003 tenha sido leve e produtivo para todos e que 2004 seja muito melhor com
céus limpos, menos poluição luminosa, muita saúde, trabalho, observações celestes, sonhos realizados e
sucesso para toda a comunidade astronômica e habitante da esfera terrestre! Vamos festejar porque
estamos vivos e .... Se beber não dirija, e se for dirigir não beba!
Saturno em Oposição à 20:30 TU.
A aproximação mais íntima de Saturno acontece às 17h TU.
O Asteróide 208 Lacrimosa oculta a Estela TYC 1397-01764-1 (mag 9.0).
O Asteróide 1995 CR passa a 0.051 UA da Terra.

Quinta Feira, 1 de Janeiro de 2004


Dia da Confraternização Universal. Paz e Amor na Terra entre todos os seres desse pequenino planeta
azul!
O Asteróide 2421 Nininger passa a 2.315 UA da Terra.

Notas:
* As conjunções geocêntricas dos planetas com a Lua (dia e hora) foram calculadas por Roberto Ferreira
Silvestre pela hora legal de Brasília (GMT-3), não afetada pelo horário de verão. Esses dados são úteis
para a localização dos planetas visíveis a olho nu (de Mercúrio até Saturno), bastando procurá-los perto da
Lua, quando ela estiver acima do horizonte naquela data. http://inga.ufu.br/~silvestr/
* Cartas Celestes para ambos os hemisférios podem ser baixadas através da internet em:
http://www.skymaps.com/index.html
* Para observar as ocultações e trânsitos use instrumentos de maiores aberturas.

Pequeno Glossário

Apogeu: Posição de um satélite terrestre (a Lua ou satélite artificial) em sua órbita quando, em sua
revolução em torno da Terra, se encontra mais afastado dela. P. ext. Posição do Sol, em sua órbita relativa
aparente em redor da Terra, quando se encontra mais afastado desta.
Conjunção: Configuração de dois astros cujas ascensões retas são iguais.
Conjunção Superior: Conjunção de um planeta com o Sol, quando este se acha entre a Terra e o planeta.
Conjunção Inferior: Conjunção de um planeta com o Sol, quando o planeta está entre a Terra e o Sol.
Estacionário: Que não progride nem retrocede; estacional.
Elongação: A Elongação (alongamento) de um corpo celestial é a separação angular do corpo sobre qual
ele órbita (normalmente o Sol). Vênus tem um alongamento de máximo de 47°, e Mercúrio de 28°.
Elongação geocêntrica: Elongação dum planeta em relação ao centro da Terra.
Elongação topocêntrica: Elongação de um planeta em relação ao observador situado na superfície da
Terra.
Libração: Movimento oscilatório, real ou aparente, de um corpo celeste.
Nodo: Cada uma das interseções da órbita de um corpo celeste com determinado plano de referência.

28 http://www.revistamacrocosmo.com
Nodo ascendente: Aquele no qual o planeta, em seu movimento orbital, passa do hemisfério sul para o
hemisfério norte.
Nodo descendente: Aquele em que o planeta, em seu movimento orbital, passa do hemisfério norte para o
hemisfério sul.
Ocultação: Fenômeno do desaparecimento de um astro pela interposição da Lua, de um planeta ou outro
corpo celeste entre ele e o observador terrestre.
Periélio: O ponto de menor afastamento de um astro do Sistema Solar no seu movimento de translação em
torno do Sol. [Opõe-se a afélio.]
Perigeu: Ponto da órbita de um astro em torno da Terra, no qual esse astro se encontra mais próximo do
centro do nosso planeta.
Quadratura: Configuração de dois astros quando a diferença de suas longitudes celestes é de 90°.
Solstício: Época em que o Sol passa pela sua maior declinação boreal ou austral, e durante a qual cessa
de afastar-se do equador. Os solstícios situam-se, respectivamente, nos dias 22 ou 23 de junho para a
maior declinação boreal, e nos dias 22 ou 23 de dezembro para a maior declinação austral do Sol. No
hemisfério sul, a primeira data se denomina solstício de inverno e o segundo solstício de verão; e, como as
estações são opostas nos dois hemisférios, essas denominações invertem-se no hemisfério norte.
Trânsito: É quanto um astro passa pela frente de outro.
TU: Tempo universal. Tempo referido a um meridiano de origem, que, por convenção, é o meridiano de
Greenwich. O Tempo Médio de Greenwich (TMG) para a maioria dos Estados brasileiros é de –3 horas. No
horário de Verão o TMG é de –2 horas.
UA: Unidade Astronômica. Unidade de distância, equivalente a distância média da Terra ao Sol, ou seja,
149.504.200 quilômetros [sigla: UA ] .
ZHR: Taxa de meteoros vistos por hora com o radiante no zênite.

Softwars Usados:
Sting’s Sky Calendar (Gerador de Efemérides) - © http://www.skycalendar.com/skycal/index.html
SkyMap Pro 6 (Gerador de carta de busca) © C.A. Marriott - http://www.skymap.com/
Dicionário Aurélio Eletrônico Século XXI (Glossário)

Fontes Consultadas e mais informações em:


http://www.jpl.nasa.gov/calendar/
http://inga.ufu.br/~silvestr/
CalSky: http://www.calsky.com/

Rosely Grégio | Redatora


rgregio@uol.com.br
http://rgregio.astrodatabase.net
Mococa/SP

http://www.revistamacrocosmo.com 29
Binóculos | O Primeiro Instrumento de um astrônomo

Audemário Prazeres | Sociedade Astronômica do Recife

Praticamente, todo interessado pela Astronomia possui um binóculo e, infelizmente, não faz
uso do mesmo para fins astronômicos. Às vezes ele indaga que quer comprar um instrumento de
médio porte para fazer uso nas observações, e desconhece que com o seu binóculo é possível
observar vários objetos celestes. É bem verdade, que para ser vista, essa variedade de objetos que
agora descrevo vai depender do nível de poluição luminosa do local onde o observador se encontra,
como também, do tipo de binóculo que ele possui. O binóculo que atende à lista de objetos descrita
abaixo seria no mínimo um 7 X 50 ou de preferência um 10 X 70 ou 20 X 60. É necessário apoiar o
mesmo em um tripé do tipo máquina fotográfica ou improvisando um suporte de madeira fixo em
uma escada por meio de fixadores do tipo “boca de jacaré”. Com isto, haverá uma estabilidade do
binóculo, não ocorrendo cerca de 30% de perda da imagem em segurar o mesmo diretamente com
as mãos. Por último, será necessário que o observador possua um planisfério estelar e uma
efeméride astronômica para facilitar a identificação do astro a ser observado.

EIS O QUE É POSSÍVEL SE VER COM UM BINÓCULO:

GALÁXIAS:

a) M31 Andromeda = Galáxia espiral de magnitude 4,8


b) M33 Triangulum = Galáxia espiral, que curiosamente é mais visível por binóculos do que por
instrumentos de médio porte. Magnitude 6,7
c) Nuvem Maior de Magalhães = Galáxia irregular bem visível no hemisfério Sul, tendo uma dimensão
aparente de 6º
d) Nuvem Menor de Magalhães = Galáxia Irregular, análoga à anterior, e dimensão aparente de 3,5º

NEBULOSAS:

a) M8 Sagittarius = Nebulosa com magnitude 6


b) M16 Serpens = Esta nebulosa, como a maioria, brilha pela ação de pequenos cúmulos de estrelas
brancas e azuis em seu interior. Sua magnitude é 7
c) M17 Sagittarius = Nebulosa que lembra o número “2”, sua magnitude é 7
d) M27 Vulpecula = Nebulosa planetária, sendo um pouco difícil observar pois sua magnitude é 8
e) M42 Orion = “A grande nebulosa”, sua magnitude é 5

CÚMULOS:

a) M6 Scorpius = Cúmulo galáctico de magnitude global de 4,3, fácil observação.


b) M13 Hercules = Cúmulo globular, com aparência difusa vista de binóculos. Magnitude 6
c) M37 Auriga = Cúmulo galáctico formado por cerca de 150 estrelas. Magnitude 6,2
d) M44 Cancer = Cúmulo galáctico, possui uma visão excelente vista no binóculo. Magnitude 4,5
e) M45 Taurus = Cúmulo galáctico “As Plêiades”. Muito bonito visto em binóculos.
f) M47 Puppis = Cúmulo galáctico formado por cerca de 50 estrelas de fácil observação.
g) NGC869 e NGC884 Perseus = “O duplo cúmulo”. Soberba visão, às vezes são vistos a olho nu.
h) Omega Centauri = Cúmulo globular gigante, composto de um milhão de estrelas com mag. Média 4.

ESTRELAS BINÁRIAS:

a) Theta Tauri = Branca e laranja


b) Ipsilon Geminorum = grande contraste
c) Alfa Leonis = muito brilhante
d) Dzeta U. Majoris = Mizar e Alcor
e) Alfa Librae = Amarela e branca
f) Ipsilon Scorpii = Sistema quadruple
g) Dzeta Lyrae = Branca

30 http://www.revistamacrocosmo.com
h) Epsilon Lyrae = Célebre quadruple
i) Beta Lyrae = Azul e Laranja
j) Beta Cygni = Maravilhoso contraste

ESTRELAS VARIÁVEIS:

a) Eta Aquilae = Tipo cefeída, variando 3,7 a 4,5 magnitude, em um período de 7,1764 dias. A estrela
“sobe” em aproximadamente 2 dias e “baixa” em 5 dias.
b) Delta Cephei = Tipo cefeída, variação entre 3,6 a 4,3 magnitude, período de 5,3663 dias.
c) Beta Lyrae = Tipo lírida, variação entre 2,1 a 3,4 magnitude. Período 2,8673

SISTEMA PLANETÁRIO:

a) Mercúrio = Difícil observação, mas é possível observá-lo uma hora antes do nascer e do ocaso do Sol.
É visto um pequeno ponto brilhante.
b) Vênus = Fácil observação, depois da Lua e do Sol é o astro mais brilhante, sua magnitude é –4,4 visto
em horários matutinos e vespertino.
c) Marte = Bastante visível, tendo uma magnitude em média de –2,0
d) Júpiter = Fácil de observar, inclusive com o seu “sistema solar”, ou seja, os principais satélites
descobertos por Galileu, Io com mag. 4,8; Europa com mag. 5,2; Ganimedes com mag. 4,5 e Calixto
mag. 5,5;
e) Saturno = Fácil observação, sendo possível notar o “contorno” dos anéis. Mag. 0,7
f) Urano e Netuno = O difícil não é observá-los, e sim, reconhecê-los entre as estrelas. Mag. 5,5 e 7,8
g) Ceres = Asteróide mais brilhante com mag. 7,4

COMETAS, LUA E SOL:

a) Quanto aos cometas, é necessário colher dados de sua magnitude e área de localização. De uma
forma geral, observações com binóculos resulta em melhores resultados do que com instrumentos de
médio porte, principalmente para “caçá-los”.
b) A maravilhosa Lua - para esta observação é necessário que o observador possua um mapa de sua
superfície para facilitar a identificação de seus acidentes. Logo nos primeiros dias de lunação, é visto o
Mar Crisium. A melhor fase para observações é no Quarto Crescente, onde notamos as crateras
Arzachel, Pitolomeo, Alfonso, Arquímedes, Copérnico, Platón, etc.
c) O majestoso Sol - a observação solar por binóculo pode ser feita diretamente desde que sejam
colocados nas duas objetivas, filtros especiais do tipo Solar Skreen. Mas a observação mais indicada é
pelo método de projeção da imagem solar em um anteparo de fundo branco. Deste modo, é possível
observar vários tipos de grupos de manchas solares.

Audemário Prazeres | Sociedade Astronômica do Recife


audemarioprazeres@ig.com.br
http://www.sociedadeastrorecife.kit.net
Recife/PE

http://www.revistamacrocosmo.com 31
Fotografando o Universo

© Pedro Ré
Introdução à astrofotografia

Pedro Ré | Revista macroCOSMO.com

Fotografar o céu e uma ambição natural de muitas pessoas, entre as quais incluem-se os
entusiastas da fotografia e da astronomia, os amantes da natureza e os astrônomos amadores. Por
vezes pensa-se que registrar estas imagens exige equipamentos altamente sofisticados e amplos
conhecimentos, mas algumas destas fotografias, estão ao alcance de qualquer pessoa motivada e
persistente e nem por isso deixam de ser belas. O equipamento necessário é por vezes, muito
simples.

Tudo o que necessita para realizar as suas ISO/ASA 200 ou 400. Aponte-a para um grupo de
primeiras fotografias astronômicas é de uma câmara estrelas brilhantes (por exemplo a constelação de
fotográfica, de preferência reflex (SLR), de um tripé Órion e o Cruzeiro do Sul) e realize com o auxilio de
fotográfico e de um cabo disparador. um cabo disparador, uma serie de exposições de
longa duração (20 s, 1 min e 4 min) tendo o cuidado
Estas primeiras astrofotografias poderão ser de focar a objetiva no infinito e utilizar a sua
realizadas numa noite sem Lua e longe das luzes da máxima abertura.
cidade (poluição luminosa). A câmara fotográfica
deve ser munida de uma objetiva normal, (50 mm, Quando revelar o filme, verificará que a
1:2.8 ou mais luminosa; evitar o uso de objetivas fotografia que efetuou com uma exposição de 20
com zoom) montada num tripé estável. Devem segundos apresenta imagens estelares quase
utilizar-se, de preferência, câmaras fotográficas que pontuais, enquanto que nas poses superiores (1 e 4
sejam munidas de obturação mecânica (a maioria min) as imagens das estrelas surgem como traços
das câmaras existente atualmente no mercado (Figura 1). Estes traços estelares são devidos a
possui obturação eletrônica). Se utilizar uma câmara rotação da esfera celeste, ou seja a rotação da
com obturação eletrônica, as pilhas se gastarão Terra. As estrelas observáveis próximo do equador
rapidamente por terem de efetuar poses celeste (constelação de Órion) parecem "mover-se"
relativamente longas (maiores que 30 segundos) segundo linhas quase retas, enquanto que as
estrelas próximas dos pólo celestes sul (Cruzeiro do
Carregue a sua câmara com um filme Sul) parecem "movimentar-se" segundo círculos.
colorido de sensibilidade igual ou superior a

32 http://www.revistamacrocosmo.com
© Pedro Ré
Fotografia da Constelação de Sagitário, utilizando diversos períodos de exposição.(1973)
Câmara Pentax, objetiva Takumar 50 mm, 1:1.4

Um outro projeto interessante consiste em fotografar, recorrendo às mesmas técnicas anteriormente


descritas, próximo a área dos pólos celestes norte ou sul, utilizando tempos de exposição mais longos, da
ordem de 10 min, 30 min 1 h ou tempos de exposição superiores.

© Pedro Ré

Exposição de 10 minutos da região circumpolar norte (1973)


Câmara Pentax, objetiva Takumar 50 mm, 1:1.4

http://www.revistamacrocosmo.com 33
Tomando como referência os tempos de interessantes de fotografar antes do final do
exposição fornecidos na tabela acima, é possível crepúsculo astronômico. Nestas ocasiões o céu
realizar com enorme facilidade, fotografias das ainda se encontra iluminado pelo Sol, porém as
principais constelações. Os tempos de exposição, exposições serão da ordem da fração de segundo
apesar de reduzidos, permitem registrar um número ou da ordem dos segundos. Nestes casos recorrer-
de estrelas superior ao que é observado à vista se-á ao fotômetro da câmara fotográfica para
desarmada num local escuro. calcular a exposição correta, ou mesmo, ao uso de
câmaras que não sejam adequadas para a
A maioria das câmaras fotográficas SLR obtenção de fotografias de longa exposição. As
atuais é totalmente automática e conseqüentemente câmaras digitais podem também ser usadas apesar
pouco adequada para a realização de fotografias das limitações que alguns modelos
astronômicas de longa exposição. Qualquer tipo de apresentam.Uma película com uma sensibilidade
câmara fotográfica pode ser utilizado na realização baixa ou média,100 a 200 ISO/ASA, produzirá
de astrofotografias. Existem muitos modelos excelentes resultados.
distintos de câmaras fotográficas, nomeadamente:
câmaras 110, câmaras 126, câmaras Polaroid, No caso de se recorrer à utilização de câmaras
câmaras básicas de 35 mm de visor direto, câmaras digitais, a melhor opção é realizar as imagens logo a
automáticas de 35 mm de visor direto, câmaras seguir ao pôr do sol. A maioria das câmaras digitais
reflex (SLR) manuais, câmaras reflex (SLR) existentes atualmente no mercado apresenta
automáticas, câmaras de grande formato (120 e características pouco adequadas para a realização
superior), câmaras digitais. Dentre estes modelos as de fotografias astronômicas. De entre estas pode
câmaras 35 mm, as câmaras de grande formato e mencionar-se o foco fixo ou automático e a
algumas câmaras digitais são as mais adequadas exposição automática. Somente alguns modelos
para a realização de fotografias astronômicas. permitem focar manualmente o infinito e controlar o
tempo de exposição. Apesar destas limitações é
As câmaras manuais permitem a realização possível obter excelentes imagens de conjunções
de poses longas sem necessitarem de utilizar com o auxílio de câmaras digitais. A focagem pode
baterias internas. Devem utilizar-se câmaras que ser efetuada tomando como referência um objeto
possuam seletor B (“bulb”) ou T (“Time”). Devem que se encontre em primeiro plano, e a exposição
igualmente utilizar-se câmaras de objetivas será efetuada de um modo automático. Torna-se
intermutáveis do tipo SLR. Torna-se deste modo necessário bloquear o sistema de focagem
possível usar diversas objetivas com distâncias apertando o disparador até o meio do seu percurso
focais distintas. As câmaras que utilizem películas e só depois enquadrar e efetuar a integração
de 35 mm são as mais adequadas.

As conjunções de planetas ou da Lua com As diversas técnicas e instrumentos utilizados em


planetas constituem excelentes motivos astrofotografia são abordado de um modo
fotográficos. A conjunção da Lua com estrelas simplificado na obra “Fotografar o Céu” de Pedro
brilhantes é igualmente interessante e fácil de Ré, Plátano Edições Técnicas, Lisboa/Portugal,
fotografar. As técnicas a utilizar são ligeiramente 2002.
distintas das referidas anteriormente. Os tempos de
exposição podem ser mais curtos, e nestes casos Pedro Ré | Colaborador
deve recorrer-se à utilização de objetivas com pedro.re@mail.telepac.pt
distâncias focais superiores. Pode inclusivamente http://www.astrosurf.com/re
utilizar-se objetivas de zoom.
Na próxima edição da Revista
Neste tipo de imagens, o enquadramento é macroCOSMO.com a segunda parte desse tutorial
essencial. Muitas vezes as conjunções são mais sobre astrofotografia.

34 http://www.revistamacrocosmo.com
Plataforma fotográfica manual

© Diniz
José Carlos Diniz | REA – CANF - CARJ

Com uma câmera manual, um tripé e um cabo disparador podemos nos iniciar na
astrofotografia. As primeiras fotos nos surpreendem com o registro de muito mais estrelas e objetos
do que conseguimos discernir à vista desarmada.
Estamos, no entanto, limitados pela rotação da Terra que faz com que as estrelas risquem o
céu. Embora essas trilhas sejam bonitas e esteticamente agradáveis não nos permitem ver detalhes
das nebulosidades nem podemos ir mais fundo na captura das estrelas mais fracas.
Com a fotografia de longa exposição podemos avançar nesta busca e registro de um céu mais
profundo.
As montagens motorizadas nem sempre estão ao alcance dos nossos bolsos, mas usando de
criatividade podemos construir mecanismos simples e baratos que nos permitem fazer essas
exposições prolongadas e obter excelente resultados. Esses mecanismos têm vários nomes: Barn-
door, plataforma equatorial, madeirógrafo, etc...

Propomos a construção de uma plataforma que tenha as seguintes características:

1-Montagem simples e barata.


2-Guiagem manual.
3-Portátil, leve e robusta.
4-Ideal para ser usada com tripé.
5-Melhores resultados com objetivas de 50mm ou menores.
6-Tempos de exposição curtos com ótimos resultados.

Material Necessário

Três pedaços de compensado de


madeira de 18mm medindo 10 x
35 cm, um pedaço de 10 x 13cm
e um outro de 3 x 3 x 10cm.

http://www.revistamacrocosmo.com 35
Duas peças formam a plataforma e as outras duas formam o suporte.

As dobradiça não devem ter movimentos laterais!

As fixações são feitas com parafusos e cola para dar maior rigidez.

4 parafusos de ¼” tipo cama, 2 com 1” e 2 com 1,5”


de comprimento.
4 arruelas de ¼”
3 borboletas de ¼”

Parafusos cônicos, cola, dobradiça.


Rótula ou ball-head

36 http://www.revistamacrocosmo.com
A pequena peça de madeira fixa na base serve para dar mais
rigidez e evitar a flexão do suporte. Devemos fazer uma fenda na
parte traseira para dar mais apoio à fixação da plataforma evitando,
assim, deslocamentos.

Montagem
É importante que a dobradiça seja de boa qualidade, o mais
rígida possível, e não tenha folgas que permitam movimentos laterais.
Podemos diminuir essas folgas aplicando pequenos golpes no seu
eixo com um martelo de modo a que fique mais rígida e sem
movimentos laterais.
Outro ponto importante é a distância entre o eixo da dobradiça e
o furo por onde passa o eixo motor, ela deve ser de EXATOS 29,1cm
! Esta medida é fundamental para que a plataforma se mova na
velocidade sideral!

http://www.revistamacrocosmo.com 37
Detalhes e acessórios

Parafuso motor: Um parafuso de ¼ de polegada e


vinte espiras por polegada será nosso eixo motor.
Ele deve ter uns 8cm somente. Rosqueamos um
disco de madeira e o mantemos fixado com uma
porca. A ponta desse parafuso deve ser desbastada
de forma cônica e com a ponta arredondada.

A fixação do parafuso motor à plataforma deve ser


feita com dois pedaços de alumínio , um de cada
lado da madeira e rosqueados. Fixa-se o primeiro,
respeitando a distancia de 29,1cm e o segundo deve
ser deslocado ligeiramente para fazer com que o
parafuso fique justo,sem folgas, mas girando de
forma suave. Em seguida, após este ajuste, fixamos
a segunda placa de aluminio.

O Apoio do parafuso motor deve ser uma pequena


placa de metal ( latão por exemplo)

38 http://www.revistamacrocosmo.com
Outros acessórios necessários ao alinhamento,
orientação e funcionamento da plataforma são
lanterna, inclinometro, bússola, nível de bolha,
relógio e elástico.

Alinhamento polar

Para que nossa plataforma acompanhe com


perfeição o movimento aparente das estrelas
precisamos alinhá-la, ou seja, apontar o eixo da
dobradiça o mais precisamente possível para o pólo.
Após acoplar o suporte da plataforma ao tripé,
o nivelamos usando para isso o nível de bolha.
Depois apoiamos a bussola sobre o pequeno pedaço
de madeira que reforça a estrutura e colocamos a
agulha paralela a ele. A seguir, giramos o suporte da
plataforma de modo a deslocar o ponteiro da bússola
até a declinação magnética do local onde estamos .
Isto nos dará nivelamento e alinhamento em azimute.

Para o alinhamento em altura usamos o inclinometro


( alternativamente um fio de prumo e um transferidor)
e deslocamos a plataforma ( mantendo o suporte
fixo) até lermos no inclinometro a nossa altura de
polo local ( por exemplo para o Rio de Janeiro são
23° ).

http://www.revistamacrocosmo.com 39
Estamos agora com o eixo da dobradiça apontado para o pólo e portanto todo o movimento da
plataforma se dará em torno desse ponto.

Funcionamento
1-Coloca-se a plataforma sobre um tripé, de modo que o eixo motor fique voltado para o Leste.

2-Nivela-se a plataforma usando o nível de bolha.

3-Ajusta-se a altura usando o inclinometro e apertam-se os parafusos de fixação posteriores.

4-Ajustamos o azimute usando a bússola e fixamos a plataforma.

5- O elástico serve para manter o parafuso motor apertado de encontro ao apoio do parafuso motor,
evitando que ele se desloque.

6-Com a câmera presa na ball-head, adapte o propulsor, escolha o campo, focalize, ajuste a velocidade
para B e feche o diafragma dois pontos.

7-O eixo motor possui uma marca referencial (no nosso caso um parafuso), ele deve ser movimentado no
sentido dos ponteiros do relógio e acompanhando a velocidade de deslocamento do ponteiro dos segundos
de um relógio colocado próximo. Usamos colocar o relógio preso na própria plataforma e o iluminamos com
a luz vermelha o mais tênue possível de uma lanterna de bolso.

8- Podemos colocar o eixo motor a Oeste e, nesse caso, o movimento será contrário ao movimento dos
ponteiros do relógio. O eixo estará como que “desparafusando”. Isto nos permite fixar um relógio junto ao
eixo motor e girá-lo de modo a manter o ponteiro dos segundos sempre apontado para o mesmo local.

Espero que vocês construam a sua plataforma e que possam, como eu, ter a satisfação de obter
ótimas imagens celestes com um instrumento tão simples, prático e de baixo custo.
Na minha home-page w w w .astrosurf.com/diniz pode-se ver esse e outros experimentos simples
clicando em “Engenhocas”.

40 http://www.revistamacrocosmo.com
Resultados Preliminares

© Diniz

Centro galáctico – Nikon F2 35mm @f/3,5 em filme Kodak Supra 7min.

http://www.revistamacrocosmo.com 41
©Diniz

Região do Cruzeiro - Nikon F2 50mm @f/2,8 em filme Kodak Supra 5min.

José Carlos Diniz | REA – CANF – CARJ


diniz.astro@terra.com.br
http://astrosurf.com/diniz

42 http://www.revistamacrocosmo.com
HERCOLOBUS NÃO EXISTE!

Paulo Monteiro | Redator – Revista macroCOSMO.com

Os astrônomos profissionais e amadores de todo o Brasil passam madrugadas observando o céu.


Uma observação pode começar por volta de 18h30min e ir até o nascer do Sol. São horas de dedicação,
ainda mais para um amador como eu e muitos outros do Brasil.

Conhecemos muito bem o céu. Sabemos clima da Terra são causadas pela poluição, CFC, e
onde estão os planetas, nebulosas, galáxias... Se não por nenhum planeta.
qualquer astrônomo amador praticante há alguns
anos juntar as horas de observação, teremos O pior de tudo é que não existe nenhuma
milhares de horas olhando pela ocular de um imagem do suposto planeta. Um astrônomo sério
telescópio em noites frias. Quantas horas de desenvolveria um grande trabalho, e caso não
observação do céu terão os autores dos artigos conseguisse as fotos, mostraria os cálculos que
referentes a existência de Hercolobus? comprovariam a existência do planeta. Há mais de
200 anos, os astrônomos por meios de cálculos, já
Acontece que tem gente que nunca olhou o acreditavam e provavam a existência de planetas
céu por um telescópio ou a olho nu, nunca se além de Saturno, que foram chamados de Urano,
preocupou em saber que ponto é aquele no céu, e Netuno e Plutão. Atualmente, para descobrir
de uma hora para outra, começa a falar de astros planetas em órbita de outras estrelas, astrônomos
que não existem. Durante anos, eu ou qualquer apresentam cálculos, dezenas já foram
amador da astronomia não vimos algo que poderia descobertos, e não precisaram de fotos, mas
ser um décimo planeta. Mesmo a NASA e seu precisaram de cálculos e observações sistemáticas
Hubble não viram nada. Isso é fácil, jamais viram da estrela que orbitavam. Agora eu pergunto...cadê
porque ele não existe. os cálculos feitos para se chegar na afirmação de
que existe um décimo planeta? e mais....cadê o
Há anos, pessoas divulgam por meio de outro cálculo mostrando que ele irá bater justamente
livros, documentários e artigos que existe um na Terra?
décimo planeta, o nome dele é Hercolobus, e o pior
de tudo, sem mostrar nenhum cálculo, afirmam Na década de 90 já se dizia que ele já havia
veementemente que ele irá bater justamente em entrado em nosso sistema solar... por favor... um
nosso planeta. Porque justo aqui? Se fosse verdade planeta tão grande seria facilmente visto a olho nu,
sua existência, porque não em Júpiter ou Urano? nem telescópio precisaríamos, mas os "pseudos"
Falam que vai bater aqui por um motivo simples, têm sempre uma escapatória, e apoiados na falta de
gostam de tragédias e de assustar o nosso sofrido conhecimento do povo, dizem coisas como " ele só
povo que, carente de boa educação, acaba é visível no outro hemisfério" ou então " ele está
acreditando em tais pessoas, comprando seus escondido na sombra de outro planeta". Pode ter
"trabalhos". certeza, no outro hemisfério, ele vai dizer a mesma
coisa!
Esse planeta seria originário de um outro
sistema solar e estaria entrando no nosso. Ele Podemos ver Mercúrio, Vênus, Marte,
atingiria em cheio nosso planeta. Além disso, Júpiter e Saturno a olho nu facilmente, Urano e
afirmam que as alterações climáticas que sentimos Netuno com telescópios simples, e Plutão com
na Terra é causa da aproximação de Hercolobus. Já telescópios potentes!..., se um planeta como esse,
sabemos há mais de 30 anos que as alterações no estivesse "entrando" em nosso sistema solar, nem
precisaríamos de um Hubble para vê-lo, bastaria

http://www.revistamacrocosmo.com 43
observá-lo a olho nu. Com tamanho tão grande nosso sistema solar está formado. Os planetas
como afirma o autor, ele brilharia no céu assim rochosos já não são bolas de fogo, a Terra já tem
como brilham Júpiter e Vênus. mais de 5 bilhões de anos, está tudo estável, além
disso, nosso conhecimento avançou muito, já
Além de Hercolobus, acreditam que em conhecemos muito bem nosso sistema solar. Uma
Vênus existam peixes! Vênus tem + 400ºC. Para se ameaça tão grande como Hercolobus, já teria sido
ter uma idéia, o fogão da sua casa não passa dos + descoberta não agora, mas sim há muitos anos
300ºC. Imagine um pobre peixinho em Vênus! E a pois, para ser visto de um ano para o outro, ele teria
água para ele nadar? Certamente teria evaporado! que estar em uma velocidade absurda!

Quem acredita e divulga a existência de Eu desafio os defensores da existência de


Hercolobus, também demonstra nada saber a Hercolobus a provar que ele exista, e também
respeito da formação de nosso sistema solar. No desafio a provar que ele irá bater aqui na Terra!
inicio, era até comum que corpos se chocassem. Seus artigos são até agora, no mínimo, insuficientes
Nossa Lua pode ter sido formada pelo choque com e equivocados!
um planeta. Os anéis de Netuno também. Agora

Paulo Monteiro | Redator – Revista macroCOSMO.com


arqpaulo@directnet.com.br
www.astronomos.com.br/paulo

44 http://www.revistamacrocosmo.com
Heranças de Guerra
Foguetes de Paz

Naelton Mendes de Araujo | Redator – Revista macroCOSMO.com

1945 – Com o fim da II Grande Guerra, os aliados apressaram-se em ocupar territórios, em


busca de um precioso butim: a tecnologia das bombas voadoras. Os russos e americanos acabam a
guerra cada um com sua parcela de foguetes e técnicos.
A V2 pode ser considerada o protótipo ancestral de todos os foguetes modernos. Seu
funcionamento pode ser resumido da seguinte forma: um dispositivo que permite uma reação química
controlada que gera um jato de gás a alta velocidade. Os dois reagentes devem ser mantidos em tanques
separados e misturados sob pressão numa câmara de combustão. Na combustão, uma substância
(combustível) é combinada com o oxigênio (oxidante) produzindo muito calor e gases em expansão. Os
gases gerados são direcionados para traz e impulsionam o foguete a velocidades supersônicas. Se a V2
tivesse se tornado operacional alguns anos antes, o destino da guerra seria bem diferente. Os vencedores
sabiam disso. O conceito militar de defesas aéreas e marítimas se tornou obsoleto. Um foguete pode levar
cargas consideráveis de explosivos sobre as linhas inimigas. Faz isso sem tripulação, sem escolta,
praticamente sem interceptação e em quantidades muito maiores.

Na década de 50, durante o início da guerra fria, russos e americanos


desenvolveram o conceito de ICBM (Intercontinental Balistic Missile – Míssil
Balístico Intercontinental). Enquanto uma V2 leva algo em torno de 1 tonelada
de TNT a uma distância de uns 320 km, os primeiros ICBMs podiam levar uma
ogiva nuclear (equivalente a 1000 toneladas de TNT) a mais de 6000 km.
Em 1957, Sergei Korolev (1906-1966) dispunha de um dos primeiros
ICBM russos capazes de carregar uma ogiva nuclear até os USA. Sua
denominação era R7. Na verdade, havia várias denominações e nomes
código para ICBMs conforme o serviço secreto americano denominava. Assim
o R7 também era chamado Semyorka, A2, Sapwood e SS-6. Era uma
grande evolução em relação a V2. Enquanto a V2 possuía somente um
estágio, o R7 tinha dois num arranjo característico e revolucionário: o 1º
estágio era composto de 4 foguetes menores cônicos ao redor do 2º cilíndrico.
Após consumirem todo o seu combustível os foguetes do 1º estágio se
desprendem do corpo principal. A V2 possuía somente uma câmara de
combustão. Cada um dos cinco foguetes individuais (1 cilíndrico e 4 cônicos)
do O R7 tinha 4 câmaras principais e dois pequenos jatos direcionais
totalizando 20 câmaras em funcionamento do momento do lançamento.
Curiosamente seu desempenho como ICBM não foi dos melhores. Demorava
muito abastecê-lo e lançá-lo deixando-o vulnerável a ataques durante este
período. Modelos mais práticos e ágeis acabaram por compor a espinha
dorsal do sistema tático nuclear soviético durante os anos 60: os R-12, R-14,
UR-100 entre outros.
As diferenças básicas entre um lançador de satélites e um míssil
balístico são bem sutis: a trajetória escolhida (uma parábola ou uma elipse) e
a carga útil (uma ogiva ou um satélite).
Se o R7 não foi uma arma muito eficaz para levar destruição ao inimigo,
mostrou-se uma arrasadora arma de propaganda. Essa história começa em 4

de outubro de 1957, enquanto os americanos amargavam vários insucessos com seus foguetes, um R7
partiu de um cosmódromo russo. A bordo daquele foguete subiu, no lugar da ogiva, uma esfera de alumínio
de 83 Kg e 58 cm de diâmetro cheia de nitrogênio. Levava um transmissor à bateria com quatro antenas
emitindo um bip-bip que revolucionou o mundo. Era o Sputnik 1, o primeiro satélite artificial. A única
informação objetiva que enviava era a variação da sua temperatura interna durante os 96 minutos de cada
órbita que o levava a alturas entre 228 e 900 km de altura. Durante os quatro meses que esteve em órbita,
o Sputnik transmitiu uma mensagem subjetiva que sugeria superioridade e ameaça aos americanos. Foi o
início da corrida espacial.

http://www.revistamacrocosmo.com 45
Daquele primeiro ano da era espacial o R7 deu início a uma família, ou
melhor, uma dinastia de foguetes de sucesso. Com mais um estágio sobre os
dois do velho R7, o foguete Vostok levou Yuri Gagarin (1934-1968), o primeiro
homem no espaço, em 12 de abril de 1961. Desde então o desenho básico do
foguete não mudou muito: 4 foguetes cônicos radiais e dois cilíndricos em série.
Os nomes das naves que iam na carga útil passaram a denominar o conjunto
todo. A cada missão, os descendentes do R7 acumulavam novos nomes e novos
sucessos a medida que as fronteiras eram cruzadas. Foram então: Luna (1ª
sonda extraterrestre, 1º objeto na Lua), Vostok (tripuladas), Molniya (satélites de
comunicação), Voskhod (1ª nave com 3 tripulantes) e finalmente o nome usado
até hoje desde 1966, Soyuz.
A família de foguetes lançadores Soyuz acumula então mais de 1670
lançamentos de sucesso com um menos de 5% de falhas. Atualmente, com a
queda do regime socialista, uma empresa multinacional comercializa a sua versão
mais moderna: o Soyuz-Fregat. O Fregat é uma espécie de 4º estágio ou
“manobrador orbital” permitindo uma flexibilidade e alcance incomparáveis. Este
módulo foi usado em várias sondas espaciais famosas. O Fregat foi a base da
sonda Luna, que levou um robô a superfície lunar - o Lunakhod, e trouxe
amostra de solo. Outras sondas notáveis foram a Vega e Fobos cujo módulo
propulsor era um estágio Fregat. Recentemente, os satélites Cluster (europeus
de aplicação científica) e os Globalstar (comunicação) foram postos em órbita
por este possante sistema lançador.
Não podemos deixar de falar que os foguetes Soyuz foram os lançadores
da naves orbitais Soyuz T (tripuladas) e das Progress (automáticas) que
mantiveram o contato com as estações orbitais MIR e ISS.

Uma trajetória brilhante destes artefatos ruidosos: de armas de destruição em massa, passando por
exploradores do cosmos e se tornando instrumentos de progresso tecnológico pacífico.

Referências Bibliográficas:
MOURÃO, Ronaldo R. F. – Dicionário Enciclopédico de Astronomia e Astronáutica, 1987 – CNPq/Nova
Fronteira
Encyclopedia Astronautica - http://www.astronautix.com/
RussianSpaceWeb by Anatoly Zak - http://www.russianspaceweb.com/
ZAK, Anatoly – “Rockets Rus” – IEEE SPECTRUM – February, 2002.

Naelton Mendes de Araujo | Redator – Revista macroCOSMO.com


naelton@yahoo.com
http://www.geocities.com/naelton

46 http://www.revistamacrocosmo.com
COMO DESCOBRIR UMA
SUPERNOVA

Michael Schwartz | Observatórios Tenagra

Introdução

Talvez desconhecida por muitos amadores, existe uma nova forma de descoberta astronômica:
achar supernovas. Até agora, os astrônomos amadores estiveram limitados a descoberta de
cometas ocasionais e muitos grandes observadores se aplicaram a isto diligentemente. Talvez
menos conhecidos sejam aqueles amadores que procuram por novas VCs (variáveis cataclísmicas)
ou procuram por novas explosões nas já conhecidas VCs. Por fim, especialmente com o advento
das câmeras CCD, os amadores estão fornecendo informações essenciais para o crescente banco
de dados de planetas menores.
Enquanto há um valor tremendo nesses estudos, a descoberta de supernovas tem vastas
implicações como novos indicadores de distância que ajudará os astrônomos a determinar o destino
do universo. Nunca antes os amadores estiveram hábeis a tão facilmente acrescentaram dados para
as grandes questões propostas pela cosmologia teórica e observacional. As supernovas devem
ajudar a determinar respostas às tais questões: onde está a massa que falta do universo? A hipótese
inflacionária para o princípio do universo está correta? Há um componente repulsivo à gravidade?
Por que e como, precisamente, a nossa parte do universo está se movendo para o “big crunch”? Se
você deseja fazer parte da solução dessas questões então assim o faça!

O que é uma Supernova (SN)? precisamente, essas supernovas são conhecidas


como o tipo SN Ia.
O tipo SN II, ou Supernova é similar, exceto
A vários níveis tal conceito é discutido entre porque ganha o excesso de matéria por ter nascido
astrônomos observacionais e teóricos. O que é de uma estrela massiva. Diferentemente da maioria
certo é que supernovas são grandes explosões das outras estrelas, os núcleos desses monstros
provenientes de uma única estrela ou de um são "usados" numa escala de tempo relativamente
sistema binário. As supernovas são tão claras que rápida, milhões de anos. Quando o núcleo está
podem brilhar mais do que toda a galáxia em que muito pesado e denso, a estrela repentinamente cai
ocorre. sobre si mesma, novamente resultando numa
Superficialmente falando, existem dois grupos enorme explosão.
aos quais se classificam as supernovas. O tipo SN I, No entanto, os dois tipos de implosões
ou Nova, supostamente são originados de estrelas diferem-se num plano físico. O tipo supernova II
binárias. Uma estrela anã órbita uma maior, onde a libera mais energia que o tipo Ia, mas a maior parte
menor acaba por “roubar” parte da matéria da desta na forma de uma criatura fantasmagórica, o
companheira numa órbita muito próxima. O neutrino. No tipo SN Ia a energia é liberada na de
resultado é que a anã rouba mais matéria do que luz visível, portanto, elas são de magnitudes mais
pode suportar. Uma imensa implosão ocorre com o brilhantes que as do tipo II. Esse fato se torna mais
ressalto de uma grande quantidade de energia no importante quando discutimos como encontrar uma
espaço com velocidade próxima a da luz. Mais supernova.

http://www.revistamacrocosmo.com 47
Supernova: história na velocidade da luz O sucesso de Dr. Evans realmente dependeu
de dedicação e paciência. Literalmente milhares de
Mudanças no céu sempre fascinaram os observações foram feitas para que se descobrisse
astrônomos, talvez porque o céu noturno oferece uma supernova, e poucas pessoas estão dispostas
aparentemente uma pequena diferença comparada a fazer isso. Encontrar supernovas requer
ao mundo que nos rodeia. A nova e Supernova apreciação da beleza dos restos nebulares.
eram classificadas numa única categoria, muito Obviamente, Dr. Evans possui essas qualidades.
diferente da aparição de cometas e relativamente Aos atuais notáveis se incluem Michael
das chuvas de meteoros. A mais famosa e antiga Schwartz e Tim Puckett dos Estados Unidos, Mark
supernova observada, ocorreu em 1054 e resultou Armstrong e Tom Boles do Reino Unido, e Aoki do
da Nebulosa do Caranguejo, M1. Muito foi escrito Japão.
sobre ela por astrólogos chineses. Dadas
evidências de petroglifos, ela deve ter sido Limitando Magnitudes
registrada por índios americanos. Na Idade Média,
os europeus mantiveram o olhar fixo nela a partir da Como estabelecido e restabelecido, as
Terra. câmeras CCD fizeram de um simples telescópio,
A supernova de 1572 foi catalogada por uma categoria de instrumento de pesquisa. Entre
Tycho Brahe e consideravelmente acrescentada ao outras notáveis qualidades elas acrescentaram duas
seu renome. Similarmente, a supernova de 1604 foi qualidades que aumentaram enormemente as
estudada por Johannes Kepler. O astrônomo suíço condições para se encontrar supernovas. A primeira
naturalizado americano Fritz Zwicky foi o primeiro é sensibilidade. Enquanto a magnitude visual limite
astrônomo moderno a pesquisar extensivamente as do telescópio do Dr. Evans era de aproximadamente
supernovas. Ele criou o termo “supernova” e até 16, um típico CCD num telescópio de 10 polegadas
hoje mantém o recorde de descoberta delas. Ele alcança 17 numa exposição relativamente curta. É
também era conhecido como uma das pessoas possível cobrir muito mais galáxias fracas numa
mais repugnantes que já trabalhou no Palomar e única noite, portanto aumentando as chances de
não era estava abaixo de intimidar colegas. encontrar uma supernova. Esses valores são, em
geral, as chaves para o sucesso. Quantas galáxias
você pode observar e o quão fracas você pode ver?
Reverendo Robert Evans, o amador pioneiro Um historiograma de magnitudes das
descobertas do Dr. Evans mostra que a grande
O levantamento original do céu de Palomar e maioria delas está entre 13.5 e 14.5. Dr. Evans
o trabalho de Zwicky foram as maiores fontes de sempre foi cuidadoso para tentar catalogar
descobertas de supernovas. Houveram ocasionais supernovas no seu primeiro brilho. Portanto, é
descobertas feitas por astrônomos profissionais seguro supor em geral que as magnitudes das
quando estudavam certas galáxias. descobertas do Dr. Evans são tão fracas quanto ele
A possibilidade de amadores descobrirem poderia detectar visualmente, a maioria entre 13.5 e
supernovas parecia não se considerada até que Dr. 14.5. Por outro fim do espectro está a descoberta de
Robert Evans apontou seu pequeno refletor de 16" magnitudes das supernovas achadas por Zwicky
para seu objetivo em 1981. Dr. Evans mostrou que usando o primeiro Palomar Observatory Sky Survey
para descobrir uma supernova é necessário dois (POSS) e anteriormente panoramas fotográficos.
ingredientes: uma capacidade incomparável de Tais panoramas ainda são os mais profundos, onde
concentração e habilidade de memorizar campos de a maioria das supernovas possui magnitudes de 17
estrelas ao redor das galáxias. Ele também a 20.
pesquisou de forma inteligente. Ele notificou que Amadores com CCDs usam telescópios com
não há lógica procurar algo num lugar onde não abertura entre 8” e 24”. Dados os tamanhos desses
conseguirá encontrar. Estudou galáxias próximas telescópios e a necessidade de cobrir a quantidade
onde ele percebeu que poderia ver supernovas com de galáxias possíveis, a maioria das descobertas é
seus instrumentos. Escolhas inteligentes para de magnitude entre 16 e 17, consideravelmente
galáxias alvo, é o mais importante aspecto na mais profundo que uma procura visual.
descoberta de supernovas, e devem ser A principal máquina profissional de busca por
consideradas tanto por amadores como por supernovas é a KAIT (Katzman Automated Imaging
profissionais. Telescope) usado pelos Drs. W. Li e A. Fillipenko da
Dr. Evans trabalhou quase exclusivamente da Universidade da Califórnia, Berkeley. Ele utiliza um
Austrália. Talvez pela baixa freqüência de seus telescópio do monte Hamilton de 30”, o lar dos
achados (menos de 2 por ano) e pela carência de Observatórios Lick. Portanto o programa KAIT é
Internet para comunicação, o que não houve geralmente referido como LOSS (Lick Observatory
equivalente no hemisfério norte. Certamente um Supernovae Search). A maior parte das descobertas
esforço conjunto de amadores de ambos de LOSS são de magnitudes entre 17.5 e 18.5,
hemisférios resultaria em um número muito maior apreciavelmente mais escuras que as do grupo
de descobertas e teria substancialmente as amador.
acrescentado ao atual banco de dados de Então, estas são as escolhas. Observações
supernovas descobertas. fotográficas profundas são caras. Para isso há um

48 http://www.revistamacrocosmo.com
telescópio-robô de 30”, que usa metodologia visual descobrir é diretamente proporcional ao número
e CCD. Obviamente, que o CCD é mais de galáxias que você pode observar.
aproveitável, especialmente considerando a Obviamente, o telescópio automatizado GOTO
crescente concorrência, porém as descobertas tem uma vantagem distinta na caça a
visuais ainda não estão fora da questão. Dr. Evans supernovas. Alguns sistemas de software lhe
recentemente descobriu a SN2000cj. Obviamente permitem programar um telescópio GOTO para
que o melhor e ao alcance de muitos amadores é o começar as observações ao pôr do sol e acabar
relativamente pequeno SCT com um sensível CCD. ao nascer do sol e ainda dormir durante o
processo. Essa é uma tremenda vantagem para
Escolhendo as galáxias aqueles que se levantam pela manhã e vão ao
trabalho!
As galáxias precisam ser escolhidas de
acordo com suas distâncias. Iniciantes na caça a 3. Suas próprias imagens são a sua melhor
supernovas, cometem um mesmo simples erro. Eles referência. Pode ser tentador comparar as suas
escolhem suas galáxias apenas levando em imagens com recursos como RealSky ou atlas
consideração seu brilho e concluem que são as fotográficos de galáxias. Mesmo sendo benéfico,
mais próximas. As galáxias do catálogo NGC são as imagens de CCD são muito diferentes das
seus principais alvos. Sim é correto, mas há muitas fotografias de outras fontes. Coleções de gases
galáxias UGC e outras catalogadas que também ardentes em galáxias, como em regiões HII,
são próximas, porém menos luminosas. O autor pode parecer muito mais com uma estrela uma
descobriu supernovas no catálogo NGC, IC, UGC, imagem de CCD. Em todo caso, nas suas
MCG, CGCG e em galáxias avulsas. próprias imagens há verdadeiras imagens
As galáxias precisam ser escolhidas de referenciais para uma possível supernova. O
acordo com o seu tipo. Lembre que o tipo SN Ia DSS (Digital Sky Survey) é uma vantagem
necessita de uma estrela anã com uma valiosa para se ter certeza quando uma imagem
companheira. Estrelas anãs são geralmente muito referencial não existe.
velhas; portanto o tipo SN Ia pode ocorrer nas 4. Visite sites na internet ou outras fontes para
populações estelares mais velhas no bojo central de observar supernovas descobertas com o seu
uma galáxia espiral. Similarmente elas podem telescópio. Como você pode saber com que
ocorrer nas populações estelares de galáxias parece uma supernova sem ter visto as que
elípticas. Porém, as do tipo II são resultado de foram descobertas por outros? Esse é um
jovens estrelas massivas e de rápida rotação, exercício essencial e também divertido. Você
portanto apenas ocorre nas galáxias onde ainda há também pode submeter medidas de brilho para a
formação de estrelas. O resultado é que galáxias VSNET ou IAU. Com isso, você vai ter também a
espirais produzirão tanto supernovas do tipo Ia oportunidade de praticar usando programas
quanto do tipo II. Galáxias elípticas apenas podem astrométricos para medir a compensação de
produzir supernovas do tipo Ia. Se você quer supernovas de suas galáxias hospedeiras assim
aumentar as chances de encontrar uma supernova como ter certeza que as suas medidas estão
o melhor a ser feito é desprezar as galáxias corretas. É muito fácil de se cometer erros
elípticas. Deve-se ter em conta que a falta de poeira astrométricos quando você tem a terrível
obscura em elípticas, torna-se as mais valiosas combinação de cansaço e excitação.
supernovas que podem ser achadas.
5. Mantenha-se consciente do processo parar
Juntando tudo relatar a descoberta de uma supernova. Não há
espaço nesse artigo iniciar o procedimento de
Você quer descobrir uma supernova? Então reportagem de uma supernova para o IAU mas é
preste muita atenção aos seguintes fatores: essencial que seja apresentado no formato exato
exigido e não mais nem menos informações.
1. Não olhe para onde você não pode achar algo. Você sempre pode ter ajuda de um descobridor
É mais importante que você saiba o limite de de supernovas consagrado através da
magnitude para o seu telescópio. Não tem lógica International Supernova Network.
procurar em galáxias onde supernovas na sua
capacidade de maior brilho mal possa ser vistas.
Você deve fazer exposições das mesmas 6. Tenha um método padrão para checar suas
galáxias para determinar esse limite abaixo de imagens. Lembrem-se que as melhores imagens
muitas condições em que você trabalhará. Como referenciais são as suas próprias. Estabeleça um
mencionado acima, as chances de achar uma método fácil para comparar uma imagem nova
supernova são muito maior, caso você observe com a sua imagem referencial. Os métodos
galáxias irregulares e espirais. usados variam de um para outro, de uma simples
comparação visual. Pode ser uma tarefa árdua,
2. Olhe para quantas galáxias for possível. O seu mas você verá a glória e a beleza das galáxias.
sucesso depende de números. Estatisticamente Lembre-se de observar dentro do núcleo das
falando, o número de supernovas que você pode galáxias! A distribuição de estrelas nas galáxias

http://www.revistamacrocosmo.com 49
tende que as supernovas aconteçam geralmente descoberta. Isso não deve te atrapalhar! Isso
perto do centro e longe das bordas. Isso significa significa que o seu método que aumenta suas
que cada imagem de ser ressaltada para ver as chances de descoberta está funcionando!
regiões exteriores mais fracas e depois para o Ninguém pode desprezar o fato de você ter
núcleo. Ambas as regiões de uma galáxia podem descoberto uma supernova só porque você não
ser examinadas facilmente usando ajustes de foi o primeiro! As minhas pesquisas resultam
brilho e contraste. numa supernova a cada 1400 imagens ou mais.
Novamente, isso é estatístico. Eu cheguei a
7. Não se sinta desencorajado! Mesmo que os descobrir 3 supernovas em 3 semanas. Eu
métodos vistos nesse artigo aumentem suas também passei quatro meses sem descobrir
chances, elas ainda são chances. As nenhuma. Apenas acompanhe a guia deste
descobertas têm um pesado componente, sorte. artigo, faça um plano e vá em frente. Você
Eu posso estar perturbado para descobrir uma achará uma supernova se seus instrumentos
supernova e achar uma que já tenha sido satisfazerem os pré-requisitos básicos.

Existem outras publicações sobre descoberta de supernovas que são muito mais profundas do que
essa curta introdução. Eu convido suas perguntas para que mais e mais amadores entrem para o grupo dos
caçadores de supernovas.

Michael Schwartz | Observatórios Tenagra


mbs@tenagraobservatories.com
http://www.tenagraobservatories.com/
EUA

A Revista macroCOSMO.com agradece a Michael Schwartz, pela permissão de tradução do seu


artigo para a língua portuguesa. Tradução de William Fernandes.

50 http://www.revistamacrocosmo.com
Sociedade Astronômica do Recife
30 ANOS DA SAR, COMEMORAÇÃO OU REFLEXÃO?

Audemário Prazeres | Sociedade Astronômica do Recife

Chegamos aos 30 anos de existência. Não importante entidade nascida do pioneirismo do Pe.
foram poucos os obstáculos que suplantamos ao Jorge Polman, o qual tive a grande satisfação de ter
longo desse tempo. Afinal, desenvolver educação e como mestre e amigo.
cultura neste país não é uma tarefa fácil, e se A Sociedade Astronômica do Recife - S.A.R. foi
tratando de uma ciência pura e cara como é a fundada em 1973, e em 21 de Junho de 1974 foi
Astronomia, inserida em uma região carente como é registrada em cartório para usufruir dos efeitos
o nosso Nordeste, acreditem: As dificuldades são legais na condição de pessoa jurídica. Sua criação
bem maiores. partiu de um projeto que visava a implantação de
Certa feita, o Prof. Luiz Eduardo da Silva um planetário na cidade do Recife. Seu fundador foi
Machado, então diretor do Observatório do Valongo o Pe. Johannes Michael Antonius Polman, mais
no Rio de Janeiro, comentou: “Aprendi que amar os conhecido como Pe. Jorge Polman, nascido na
céus é dever do profissional, como ao inverso, Holanda e chegado ao Brasil em 1952, sendo que,
profissionalizar a contemplação estética é obrigação em 1972 veio morar no Recife, onde exerceu o
dos aficionados da Astronomia”. Não resta a menor cargo de professor de Ciências do antigo Colégio
dúvida que a obstinação e dedicação são São João situado no bairro da Várzea. Nesta sua
expressões bastante peculiares entre os amadores vinda, trouxe um telescópio newtoniano de 4”
que desenvolvem esta ciência no Brasil e no (polegadas), que foi a pedra fundamental na
mundo, forjando elementos fundamentais para divulgação da Astronomia em Pernambuco.
melhor prosseguirmos com uma Astronomia, não O projeto intitulado “UM PLANETÁRIO PARA
em níveis acadêmicos, e sim, buscando cada vez O RECIFE!” acabou virando uma frase bastante
mais a popularização de um conhecimento, que ao alardeada na década de 70 entre a mídia e a
meu ver, melhor expressa o contexto universal em comunidade astronômica do Brasil.
que estamos inseridos. Em 07 de Maio de 1975, o diário Oficial do
Mas, para o exercício de qualquer atividade Estado publicou: “PROJETO PLANETÁRIO DO
humana dependem recursos MATERIAIS , RECIFE ENTREGUE ONTEM AO GOVERNADOR”.
HUMANOS e FINANCEIROS. E nas entidades Uma comissão esteve presente com o Governador
astronômicas brasileiras, ou de outras áreas de Moura Cavalcanti, e era presidida pelo Padre Jorge
interesse, há carência nos três tipos de recursos. Polman, e composta por professores, economistas e
Nas divulgações, sempre se tentou conseguir vários estudantes.
um maior número de associados, e com isto, as A diretoria fundadora da S.A.R. foi eleita em
mensalidades pudessem gerenciar um bom uma Assembléia no 24 de Agosto de 1974, sendo
programa administrativo e melhores condições das composta por: Pe. Jorge Polman - Presidente;
atividades astronômicas. Porém, atingir este Manoel Claudino de Pontes - Vice-Presidente; José
objetivo é extremamente difícil quando não temos Jorge Correia - Secretário e José Vianney
uma SEDE PRÓPRIA, e sim, provisória que é no Mendonça com o cargo de Tesoureiro, além de
Espaço Ciência, órgão da Secretaria de Ciência e outros colaboradores como os colegas do
Tecnologia do estado. Dessa forma, o número de Observatório Galileu Galilei de Juiz de Fora (MG)
membros da Sociedade é extremamente pequeno. que criou o símbolo e o slogan da campanha.
Mas são esses que por terem a obstinação e Lamentavelmente o Governo de Moura
dedicação que lhes são peculiares, mantêm viva Cavalcanti não transformou a brilhante idéia em
uma das poucas (se não a única) entidade amadora uma realidade. É bem provável, que a grande
atuante na Astronomia em Pernambuco. Apesar da enchente ocorrida no Recife em 1975, tenha vetado
previsão orçamentária ser bastante modesta, (às o desenvolvimento desse projeto.
vezes bancadas do próprio bolso), não inibe o Oxalá haver um governante ou empresário que
sentimento que temos de manter viva uma viabilize um dia termos um planetário.

Texto extraído do Jornal do Commercio e no Supernovas – Boletim Brasileiro de Astronomia em


05/06/2003 na sua edição de número 206

Audemário Prazeres | Sociedade Astronômica do Recife


Atual Presidente da Sociedade Astronômica do Recife
audemarioprazeres@ig.com.br
http://www.sociedadeastrorecife.kit.net

http://www.revistamacrocosmo.com 51
Quem faz a Revista macroCOSMO.com
A Revista macroCOSMO.com só existe hoje, graças ao empenho e a dedicação de uma
grande equipe, que apenas visa levar a astronomia a todos que despertem interesse pela mais antiga
das ciências.

Hemerson Brandão | Diretor Geral e Editor Chefe


Hemerson de França Santos Brandão, 20 anos, Bragança Paulista/SP. Nascido na pequena
cidade de Lima Duarte/MG e criado boa parte de sua vida em São Paulo, desde pequeno apresentou
inclinação para a Ciência. Aos 11 anos, observando o seu primeiro eclipse total do Sol, decidiu que a
astronomia seria seu futuro. Todo conhecimento atual, só foi conquistado através do estudo livros, revistas,
jornais, computadores e internet, mas fica contente em saber que ainda existe muita coisa a ser
estudada.Com a falta de uma publicação científica que abordasse a astronomia, a idéia da Revista
macroCOSMO.com surgiu há mais de dois anos, mas só começou implementá-la há 4 meses, através do
incentivo de seu amigo Audemário Prazeres.
E-mail: editor@revistamacrocosmo.com

Audemário Prazeres | Revisão


Audemário Inácio dos Prazeres Filho, 38 anos, Recife/PE. Atual presidente da Sociedade
Astronômica do Recife, completou em 2003 20 anos no exercício da Astronomia teórica e prática em seus
diversos segmentos. Exercendo a Presidência do Clube Estudantil de Astronomia entre 1985 e 1987, foi
coordenador da seção de Radioastronomia onde desenvolveu o primeiro radiotelescópio com sistema
interferiomêtrico do Norte e Nordeste.
Em 1985 foi o Presidente-Fundador da Associação Astronômica de Pernambuco, na cidade de
Carpina, onde ministrou várias aulas no Curso de iniciação em astronomia e confecção de telescópios
refletores.
É membro participante da Rede REA em São Paulo e na seção Solar do International Halley Watch.
Desenvolve além de observação das manchas solares, o rastreamento de ondas eletromagnéticas em baixa
freqüência, foguetismo e uma formulação de prateamento de espelhos para telescópios refletores.
Convidado pelo Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro, Sr. Sérgio Cabral, em seção
solene para entrega da medalha ao mérito Pedro Ernesto ao Ex.mo. Sr. Ministro da Ciência e Tecnologia
Renato Archer em 10 de Outubro de 1986. Onde se fez presente sendo o único representante do Norte,
Nordeste e Centro-Oeste no segmento da Astronomia Amadora.
Foi o coordenador e financiador da Primeira Equipe Amadora do Brasil a redescobrir e fotografar o
cometa Halley, reconhecido pela LIADA.
E-mail: audemarioprazeres@ig.com.br

Roberta Maia | Revisão


Roberta Fernandes Maia, 19 anos. Nascida em São Caetano do Sul/SP, atualmente mora em São
Bernardo do Campo e cursa o segundo ano de Letras na Universidade Metodista de São Paulo.
Acompanha a astronomia há alguns anos, através do incentivo do seu pai, mas não com a
freqüência que gostaria.
E-mail: reyazuka@yahoo.com.br

William Fernandes | Tradutor


William Fernandes, 18 anos, Maceió/AL, Alagoano é astrônomo amador há dois anos, porém neste
pequeno período de tempo se familiarizou com a astronomia que se tornou sua maior paixão amadoresca.
Iniciou os estudos no dia 14 de junho de 2001, já com a sua primeira observação digna de registro.
Como pretende forma-se em biologia, a vida fora da Terra é um dos temas mais apaixonantes e que
mais fazem admirar a beleza, harmonia e complexidade do Universo.
E-mail: helevorn@bol.com.br

52 http://www.revistamacrocosmo.com
Hélio Ferrari | Redator
Helio Oliveira "Gandhi" Ferrari, 32 anos, Uberlândia/MG, nasceu em Barretos/SP, apaixonou-se
pela ciência aos 14 anos de idade quando participou de um evento que levava a turma da escola para o
laboratório de química e física da faculdade de engenharia. O golpe de misericórdia veio com a série
“Cosmos” de Carl Sagan.
E-mail: gandhiferrari@yahoo.com.br

Naelton Mendes de Araújo | Redator


Naelton Mendes de Araujo, 40 anos, Rio de Janeiro,RJ. Nascido na mesma cidade e residente na
Ilha do Governador, é Astrônomo formado pela UFRJ (Observatório do Valongo) em 1992. Seu projeto de
fim de curso foi em Radioastronomia: "Radio Espectros Contínuos de Fontes Discretas".
Trabalhou 10 anos no Museu de Astronomia e Ciências Afins no Departamento de Educação.
Ministrou vários cursos de introdução à Astronomia. A mais de 8 anos coordena um grupo de discussão
astronômico na Internet: a Urânia Brasil http://www.uraniabr.cjb.net/ atualmente com 400 assinantes em
todo o Brasil.Atualmente é analista orbital na Supervisão de Operações Orbitais da Star One (Empresa do
Grupo Embratel). Sempre esteve envolvido com ensino e divulgação de Ciências Espaciais.
E-mail: naelton@yahoo.com

Rosely Grégio | Redatora


Rosely Gregio, nasceu na cidade de São Paulo em maio de 1954, logo se mudou para o sul de
Minas Gerais onde, deitada na calçada ficava olhando para o céu na busca pelas ‘’estrelas cadentes’’. Sua
curiosidade aumentou com os bip-bips do Sputinic 4, e quando ouvia falar que algum cometa brilhante
estava no céu. Esse interesse cresceu ainda mais quando da missão Apollo 11. Aos 12 anos a família se
muda para Mococa, onde vive até hoje. É formada em Artes e Desenho pela UNAERP e professora da
Rede de Ensino do Estado de São Paulo. Como amadora procura pesquisar e divulgar a Astronomia.
Atualmente participa de alguns programas de observação desenvolvida na Brasil e internacional envolvendo
meteoros, cometas, a bela Luna e mais recentemente o Sol. Seus outros interesses são Astrofotografia,
Geologia e ciências afins, Arqueoastronomia, Astronáutica, meteoritos e crateras de impacto.
E-mail: rgregio@uol.com.br

Paulo Ricardo Monteiro | Redator


25 anos é arquiteto e urbanista, pós graduado em gerenciamento e execução de obras, estuda
astronomia de forma amadora desde os 13 anos, é autor do site “astronomia para amadores“
www.astronomos.com.br/paulo, contribui para a Revista macroCOSMO.com, como autor de artigos sobre
temas polêmicos, como grandes mitos inventados, mais conhecidos como “astrobobagens”, confrontando os
autores de tais absurdos, utilizando uma visão critica dos fatos, tentando conscientizar e despertar nas
pessoas o pensamento racional, não aceitando prontamente qualquer informação jogada em sites, jornais
ou ate mesmo na tv.
E-mail: arqpaulo@directnet.com.br

http://www.revistamacrocosmo.com 53
Autoria

A Revista macroCOSMO.com, a primeira revista


eletrônica brasileira de astronomia, abre espaço para todos
autores brasileiros, uma oportunidade de exporem seus
trabalhos, publicando-os em uma de nossas edições.

Instruções aos autores:

1. Os artigos deverão possuir Título, resumo, dissertação, conclusão, notas bibliográficas e


páginas na internet que abordem o assunto;

2. Fórmulas matemáticas e conceitos acadêmicos deverão ser reduzidos ao mínimo, sendo


claros e concisos em seus trabalhos;

3. Ilustrações e gráficos deverão conter legendas e serem mencionadas as suas respectivas


fontes. Pede-se que as imagens sejam enviadas nos formatos JPG ou GIF.

4. Quanto as referências: Jornais e Revistas deverão constar número de edição e página da


fonte pesquisada. Livros, pede-se o título, autor, editora, cidade, país e ano.

5. Deverão estar escritos na língua portuguesa (Brasil), estando corrigidos ortograficamente.

6. Os temas deverão abordar um dos ramos da Astronomia, Astronáutica ou Física. Ufologia


e Astrologia não serão aceitos.

7. Traduções de artigos só serão publicados com prévia autorização de seus autores originais.

8. Antes do envio do seu arquivo envie uma solicitação para autoria@revistamacrocosmo.com,


fazendo uma breve explanação sobre seu artigo. Caso haja um interesse por parte de nossa
redação, estaremos solicitando seu trabalho.

9. Os artigos enviados serão analisados e se aprovados serão publicados em uma de


nossas edições.

10. O artigo estará sendo revisado, e as opiniões serão de total responsabilidade de seus
idealizadores.

11. O autor receberá um exemplar no formato PDF da revista respectiva, por e-mail ou correio
convencional através de mini-cds.

54 http://www.revistamacrocosmo.com
revista
macroCOSMO.com Ano I - Edição nº 1 - Dezembro de 2003

"Todas as palavras são inúteis, desde que se olha para o céu.”


Cecília Meireles

http://www.revistamacrocosmo.com 55
A PRIMEIRA REVISTA ELETRÔNICA BRASILEIRA EXCLUSIVA DE ASTRONOMIA

revista

macroCOSMO.com Ano I - Edição nº 2 – Janeiro de 2004

Buscando novas
FRONTEIRAS
O desenvolvimento humano e
tecnológico da conquista espacial

Entrevista: Walmir Cardoso Plataforma Equatorial


Presidente da SBEA para Dobsonianos
revista macroCOSMO.com
Ano I - Edição nº 2 – Janeiro de 2004

Redação
redacao@revistamacrocosmo.com editorial
Diretor Editor Chefe
Hemerson Brandão
hemersonbrandao@yahoo.com.br
A
pós dois anos planejando seu lançamento, a Revista
macroCOSMO.com, a primeira revista eletrônica brasileira de
astronomia finalmente é lançada.
Revisão
Audemário Prazeres Brindados com uma procura muito maior do que
audemarioprazeres@ig.com.br
Roberta Maia esperávamos, a primeira edição da revista conquistou mais de
anck_su_namon@bol.com.br mil acessos, apenas em seu mês de estréia. Elogios e
mensagens de apoio foram muitos! Presente melhor que esse, a
equipe da Revista macroCOSMO.com não poderia ter recebido,
WebMaster
mas ainda pretendemos melhorar a cada edição atendendendo
Hemerson Brandão
hemersonbrandao@yahoo.com.br a sede de conhecimento científico dos astrônomos brasileiros.

Até mesmo uma parceria com o Boletim Centaurus, da


Tradutor Fundação CEU em Brotas (SP), já está acertada. Com essa
William Fernandes nova união, pretendemos ampliar de forma “astronômica” a
arquibaldo@bol.com.br
difusão da mais antiga das ciências.
Redatores Atrasada devido às festas de final de ano, a segunda
Hélio “Gandhi” Ferrari edição da Revista macroCOSMO.com traz em seu artigo de
gandhiferrari@yahoo.com.br capa, uma reflexão sobre os avanços conquistados pelo homem
Paulo Monteiro em sua “breve” aventura pelo espaço.
astronomia@ig.com.br
Rosely Grégio Uma entrevista exclusiva com o presidente da Sociedade
rgregio@uol.com.br
Brasileira para o Ensino de Astronomia, o astrônomo Walmir
Cardoso, além de um tutorial de como construir uma plataforma
Colaboradores equatorial para telescópios dobsonianos também são destaques
Audemário Prazeres dessa edição.
audemarioprazeres@ig.com.br
Paulo Oshikawa Conteúdo e diagramação aprimorada é a nossa
oshikawa@bitti.com.br retribuição pelo carinho que todos nos receberam.
Pedro Ré
pedro.re@mail.telepac.pt Um feliz 2004 e céus limpos sem poluição luminosa para
Roberto Silvestre todos.
silvestre@revistamacroCOSMO.com
Ronaldo Garcia
ronaldo@centroastronomico.com.br

Divulgação e Publicidade Hemerson Brandão


Lílian Luccas Editor Chefe | Revista macroCOSMO
lilianluccas@hotmail.com
editor@revistamacrocosmo.com

2 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


revista macroCOSMO.com
redacao@revistamacrocosmo.com sumário

4 macroLEITORES
5 OPINIÃO | A Lua volta ao alvo
6 ENTREVISTA | Walmir Thomazzi Cardoso
11 ASTRONÁUTICA | Buscando novas fronteiras
18 EFEMÉRIDES | Janeiro de 2004
43 MITOS CIENTÍFICOS | De volta às trevas
48 ASTROFOTOGRAFIA | Fotografando o Universo – Parte II
53 OFICINA | Plataforma Equatorial para Dobsonianos
71 PALESTRA | A astronomia e seu começo
75 GUIA DIGITAL | Mapas Celestes
79 AUTORIA

Capa: Concepção artística de uma missão exploratória na superfície


do planeta Marte. Cortesia da NASA/JPL

© É permitida a reprodução total ou parcial desta revista desde que citando sua fonte, para uso pessoal sem
fins lucrativos, sempre que solicitando uma prévia autorização à redação da Revista macroCOSMO.com.
A Revista macroCOSMO.com não se responsabiliza pelas opiniões vertidas pelos nossos colaboradores.
Versão distribuída gratuitamente na versão PDF em http://www.revistamacrocosmo.com

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 3


macroLEITORES

Enquanto a astronáutica brasileira viveu


em 2003 o indesejável tempo em que "A Bruxa
está solta" (Alcântara/MA), acho que a
Astronomia Brasileira deu um grande salto este
ano, principalmente através da iniciativa e da
ajuda dos amadores, além da sempre sólida
competência dos profissionais.
A proeza de Daminelli com a monstruosa
estrela Eta Carinae, a transmissão pelo rádio de
Sobral (CE) e Ouro Preto (MG) do eclipse de
novembro, para vários municípios de seus
respectivos Estados, atitude esta pioneira e que
será repetida muitas e muitas vezes, e agora o
"serviço de parto" de duas revistas brasileiras de
astronomia coloca o ano de 2003 na condição de
"se tentar melhorar estraga" Ano I – Edição nº 01 – Dezembro de 2003
Saulo M. Filho, Sobral (CE)

ERRATA
A revista está realmente supimpa, Na pagina 2 (Edição nº 1 – Ano I),
um filet mignon para os amantes da na lista de redatores da revista, o
astronomia! Gostei muito da qualidade do sobrenome correto, seria Hélio Ferrari e
texto, do enfoque dos assuntos e da não Hélio Ferreira como foi publicado.
linguagem com que foram expostos.
Olha, o Brasil estava precisando Na página 22 (Edição nº 1 – Ano I),
mesmo de uma publicação destas... E o verdadeiro e-mail do autor Roberto
Silvestre seria:
ainda precisa de muito mais, não e
mesmo?! Pois, é, tenho consciência que silvestre@revistamacroCOSMO.com
faço parte da próxima geração da
astronomia amadora e quero contribuir Na pagina 27 (Edição nº 1 – Ano I)
O correto seria: Segunda-feira, 22 de
muito para seu desenvolvimento no Brasil.
Dezembro : O solstício de Inverno para o
Por isso, essa revista veio como um jato Hemisfério Norte começa às 07:04 TU.
propulsor para estimular meus planos. Para o Hemisfério Sul é o Solstício de
Muito obrigado por esse belíssimo Verão. Nesse momento o Sol passa pelo
presente! Trópico de Capricórnio e NÃO pelo
Equador da Terra dirigindo-se para o
Lima Ivan, Londrina (PR)
Hemisfério Austral

Entre em contato com a Revista macroCOSMO.com:


redacao@revistamacrocosmo.com
Inclua nome endereço e telefone. Os e-mails poderão ser editados
para publicação.
http://www.revistamacrocosmo.com

4 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


OPINIÃO
A LUA VOLTA AO
ALVO
Hemerson Brandão | Revista macroCOSMO.com

Com o sucesso do programa espacial O novo plano espacial americano para


Chinês, uma nova corrida espacial surge. 2004 poderia catapultar a baixa popularidade
Autoridades chinesas e indianas se tornam do presidente George W. Bush nas futuras
rivais na busca pelo espaço e lançam o desafio eleições presidenciais.
de qual nação chegará primeiro na Lua. Não me espantaria se a Rússia
Durante a década de 60 e 70, em meio entrasse também na competição, assim como a
à Guerra Fria, os Estados Unidos e a então ESA da Europa e a NASDA do Japão. A União
União Soviética disputavam a soberania do Européia mantém o projeto de um novo ônibus
espaço. Durante boa parte do que ficou espacial conhecido como Hermes, mas
conhecida como “corrida espacial”, os continua engavetado ha duas décadas. O
Soviéticos mantiveram-se pioneiros, como a Japão testa seu foguete lançador para futuras
colocação em órbita do primeiro satélite missões tripuladas.
artificial, o primeiro ser vivo e o primeiro homem A China pretende colocar um sonda em
no espaço. Também foram os primeiros a órbita da Lua até 2006 e uma missão tripulada
fotografar o lado oculto da Lua e a pousar um até 2020. A Índia, mais modesta, marcou para
veículo explorador em sua superfície. Só não 2008 o envio de sondas lunares.
foram os primeiros a alcançar a Lua com uma Particularmente acredito que uma
missão tripulada, pois estavam interessados na segunda corrida espacial não poderia chegar
implantação de estações espaciais orbitais, em melhor hora. Com o acidente do ônibus
deixando o caminho livre para os americanos. espacial Columbia, no início do ano passado e
Abandonada desde 1972, a Lua foi os cortes no orçamento do Programa Espacial
visitada por 12 astronautas em seis missões do Russo, isso só vêm propulsionar a conquista do
Programa Apollo. Como a conquista da Lua era espaço. É claro que isso só deve ocorrer
apenas um objetivo político, os americanos não através da cautela, para que não ocorra o
concordavam em manter um programa tão caro, mesmo com os astronautas da primeira disputa
em prol da pesquisa científica.. espacial, morrendo em acidentes que poderiam
Com o anúncio dos interesses da China ter sido evitados, na busca única pela
em alcançar a Lua ainda nessa década, através vanguarda espacial.
de sondas espaciais, os Estados Unidos já Uma cooperação internacional seria
estão organizando uma força tarefa para que a mais lucrativa econômica e cientificamente,
NASA chegue antes da nação oriental e mas como esse povo só pensa em rivalidade,
estabelecer a tão esperada base selenita, eles que são estrangeiros que se entendam! ∞
iniciando assim a colonização da Lua.

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 5


ENTREVISTA

ERA UMA VEZ, HÁ MUITO TEMPO ATRÁS E...

Foi desta maneira que o físico e astrônomo


Walmir Thomazzi Cardoso cativou o público que estava
presente na abertura da 1ª Semana Cientifica Cultural do
Curso de Pedagogia: Gestão e Tecnologia Educacional da
Uniminas em Uberlândia (MG).
Walmir Cardoso é um grande difusor da ciência
em nosso país, de uma maneira extremamente cativante
ao apresentar o céu, através dos mitos que fazem parte da
cultura dos povos.
Foi com uma enorme simpatia que o professor,
numa tarde chuvosa, concedeu esta entrevista exclusiva
para Hélio “Gandhi” Ferrari, redator da Revista
macroCOSMO.com, onde fala sobre seus projetos e suas
opiniões sobre ciência e tecnologia. Walmir Thomazzi Cardoso

macroCOSMO.com: Boa tarde prof. Walmir uma como outra tem o sentido de "tornar
conhecido para o vulgo" ou seja, aquele que
Walmir: Tudo bom, Gandhi? não tem conhecimento nenhum da ciência. Isso
não é bem verdade. As pessoas têm um
macroCOSMO.com: Gostaria de fazer
conhecimento sobre ciência que pode não ser
algumas perguntas. Sobre essa iniciativa nova
um conhecimento perfeito e formal, mas é um
que estamos realizando com a Revista
conhecimento científico. Eu gosto muito da
macroCOSMO.com, nos lançando na
palavra difusão, eu sempre uso essa palavra,
divulgação cientifica, o que o Sr. acha hoje da
porque difusão e uma força que vai do meio
questão da difusão cientifica no Brasil e no
mais concentrado para o menos concentrado.
Mundo?
Então eu acho mais interessante ter uma
Walmir: Bom, em primeiro lugar gostaria de concentração de trabalhos e conhecimentos
agradecer bastante a possibilidade de falar que estão sendo desenvolvidos num lugar e
para a macroCOSMO.com. É uma iniciativa isso começa a se espalhar para outros lugares
excelente, como todas as iniciativas ligadas à onde não há tanta concentração. E isso que eu
divulgação e a difusão cientifica são. Eu penso penso que tenha acontecidos nestes últimos
que de uns 15 anos para cá o que aconteceu anos.
no Brasil e isso e um fenômeno mundial, a
ciência esta saindo de dentro da academia.
Antigamente a ciência era uma coisa só macroCOSMO.com: Talvez por influência
praticada dentro da academia e a divulgação desta nova mídia que é a Internet ou tem
cientifica era chamada, principalmente aqui no aumentado a literatura na área?
Brasil de "vulgarização cientifica". Essa palavra Walmir: A Internet ajudou bastante, mas eu
"vulgarização" estava associada a um termo acho que houve iniciativas aqui no Brasil,
francês cujo significado na Franca é particularmente que foram muito positivas. Por
divulgação. Eu não gosto nem da palavra exemplo: começaram a ser publicados livros
vulgarização nem de divulgação, porque tanto sobre astronomia, a difusão cientifica e isso daí

‘As pessoas têm um conhecimento sobre


ciência, que pode não ser um conhecimento perfeito e
formal mas é um conhecimento científico!’

6 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


ENTREVISTA

começou a ajudar bastante. Outra coisa, sem cientifica etc. e aí os pesquisadores


sombra de duvida, é a possibilidade de ir para começaram a se interessar, porque havia
os meios de comunicação: rádio, televisão, etc. recursos.
Neste sentido eu tive uma sorte imensa porque
eu fiz uma serie de programas de astronomia e macroCOSMO.com: Falando sobre a
realmente, acho que foi um marco importante questão da ciência nas escolas, como você
para abrir possibilidades para outras pessoas. O qualifica o ensino de ciências nas escolas de
prof. Mourão no Rio de Janeiro publicou mais ensino fundamental e médio?
de 60 livros voltados para a difusão cientifica..
Walmir: Isso varia muito de lugar para lugar e
macroCOSMO.com: O anuário dele é um de escola para escola. Eu tenho andado
best-seller... bastante o Brasil e tenho ido a muitas escolas.
Walmir: O anuário é vendido a rodo e é claro Hoje em dia em faço uma consultoria para
a Internet é um meio de comunicação bastante UNESCO, para o Ministério da Educação e da
democrático, contanto que você tenha acesso a Cultura e acho que tem uma coisa que me
ela. Ainda não e um meio que chega a todo o chama muito a atenção. Quando os
Brasil, mas ao poucos ela vai chegando. professores são bem formados e quando os
professores têm interesse em fazerem difusão
macroCOSMO.com: o Sr. acredita que as cientifica e ensinar ciências aos estudantes,
sociedades têm contribuído para isso? Por obviamente começam a se interessar. Então
exemplo, há uma organização de vários não é a escola, não são as condições. Eu fui
segmentos da ciência, cada uma se agrupando para o meio do sertão do Xique-Xique e
em torno de seu nicho, encontrei um professor fazendo experimentos
vamos assim dizer. Temos as sociedades bárbaros, básicos da área cientifica, com
brasileiras de física, a sociedade brasileira de astronomia, usando conhecimento astronômico.
a sociedade brasileira de Então não se trata claramente
astronomia,
brasileira de
a sociedade
ensino de ‘A ciência precisa de recurso econômicos, é claro
que ajuda, mas de capacitação e
astronomia, da qual o Sr. é o
presidente, os grupos de
deixar de ser chata!’ formação de professores. Então
hoje, se eu tivesse no bolso 1
pesquisa de ensino de química, real para investir, investira 98
o GREF entre outros... centavos na capacitação e o
Walmir: Sim, mas este é um fenômeno resto em outras coisas...
curioso. Os pesquisadores há muito tempo eles
macroCOSMO.com: Então como
não tinham o menor interesse de fazer
venceríamos o fantasma do chamado
divulgação e nem difusão do seu conhecimento.
"analfabetismo cientifico"? Uma dentre outras
Isso acontecia por dois motivos essencialmente:
formas de analfabetismo que temos como o
não havia investimentos na área e portanto eles
analfabetismo digital, o analfabetismo
não tinham muito interesse em fazer e segundo
funcional...
havia um mito que ainda existe dentro da
universidade de que se o professor se dedica a Walmir: A ciência precisa deixar de ser chata.
fazer difusão ele não vai fazer pesquisa, então As pessoas falam da ciência de uma maneira
se ele esta com tempo livre para fazer difícil, porque isso valoriza a imagem delas.
divulgação ou difusão cientifica isso significa Valoriza a imagem do conhecimento que elas
que ele esta publicando menos, ou seja, ele tem detém e isso é um problema, porque vias de
uma produção cientifica menor. Esse mito foi regra, as pessoas utilizam conceitos mais
quebrado por vários pesquisadores que fazem complicados, como se elas estivessem se
pesquisa serias, profundas em suas áreas de aproximando mais do rigor, mas muitas das
conhecimento e fazem difusão como é o caso vezes quando você vai analisar rigorosamente
do prof. Roberto Boscko, em São Paulo. Uma um conceito, você verá que ele esta par e par
outra coisa foi que começaram a aparecer os de outras aproximações que são feitas muitos
investimentos em educação e em difusão próximas do senso comum. Eu diria que a
cientifica. Começaram a aparecer linhas de gente tem que aproveitar o conhecimento que
créditos governamentais para a criação de as pessoas tem. Esse "analfabetismo" ele tem
museus de ciências de centros de difusão que ser bem pensado entre aspas porque não

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 7


ENTREVISTA

é só calculando a posição do planeta que a maravilha, uma espetacular aventura, como se


pessoa sabe astronomia. Eu conheço inúmeros fosse um belíssimo livro de ficção que você lê e
bons, excelentes pesquisadores que estudam a vai se apaixonando pelos personagens dele.
galáxia NGC alguma coisa e não sabem achar a
direção.. macroCOSMO.com: Na sua opinião qual a
importância da gente ter cientistas formados no
macroCOSMO.com: Não sabem achar o Brasil.
cruzeiro do sul...
Walmir: Eu acho assim... o Brasil e um país
Walmir: Exatamente.Também é analfabetismo. que produz modestamente ciência, mas
Então são pesquisadores hiperespecializados, recentemente...
mas são analfabetos nas bases do
conhecimento cientifico. Então como que essa macroCOSMO.com: O Feynmann na
pessoas vão poder dizer que o que uma pessoa década de 50 ou 60 disse que não fazíamos
comum, que não se dedica à pesquisa nada de ciência.
cientifica, deve saber minimamente de ciência?
Eu acho que isso é uma discussão que esta Walmir: Para ser bondoso eu vou dizer que
sendo feita e vai continuar sendo feita. Acho somos modestos. Bondoso porque o Brasil tem
que a gente deve falar sobretudo de uma ilhas de observação, de trabalhos, de produção
maneira simples utilizando os conhecimentos cientifica, ilhas de excelência como eles
que as pessoas tem. Eu já falei, como a chamam que são extraordinárias, que fazem
palestra que eu vou dar esta noite em trabalhos de ponta, mas são ilhas. O restante
Uberlândia, já fiz para assentados do do território não esta imerso dentro desta
movimento dos sem-terra em Uberaba (MG) produção. Eu sempre penso assim, tem
que vieram lá do Paranapanema para melhorado porque quando eu comecei a
assistirem uma palestra e um curso. Tudo bem, trabalhar com divulgação ou difusão cientifica,
mas era uma palestra para pessoas que não quando comecei a trabalhar com ensino de
tinham realmente um conhecimento cientifico astronomia, as pessoas diziam para mim "você
formal, mas elas tinham um conhecimento vai morrer de fome" , " você não deve seguir
cientifico. Elas eram alfabetizadas, mas elas este caminho" etc. Olha, muitas dessas
eram alfabetizadas numa língua que nos não pessoas hoje estão desempregadas
conhecíamos. Como eu acho que o atualmente...
pesquisador, por ele ter uma melhor mobilidade
lingüística e cultural, ele tem que quase por macroCOSMO.com: O Sagan (Carl) foi
obrigação de falar varias línguas, varias crucificado em seu próprio meio por causa
linguagens. Ele precisa aprender a linguagem disso.
destas pessoas para poder se comunicar com Walmir: No caso dele, principalmente por
elas. causa desta tensão entre a chamada pesquisa
cientifica e o trabalho amador, que é um outro
macroCOSMO.com: Poderíamos dizer que ponto que eu sempre brigo muito. Eu sou um
ele precisa dar significado para essas pessoas. pouco brigão com os pesquisadores porque
Walmir: Exatamente. eles usam a palavra “amador”. A palavra
amador, ela tem uma conotação pejorativa
macroCOSMO.com: Não adianta falar em muitas vezes. Eu sei que muitos pesquisadores
quantização da matéria se... não usam esta palavra com esta conotação,
Walmir: Eu gosto muito do Paulo Freire que mas amador é aquele que faz um trabalho
vocês seguem diretamente aqui, exatamente amadorístico e não aquele que ama. Eu penso
por essa posição freirista, em não tentar que amadores deviam ser todos, quer dizer
entortar o conhecimento de uma pessoa para pesquisadores, pessoas que trabalham com
ela se transformar numa outra pessoa. Valorizar difusão, pessoas que são "analfabetas
o conhecimento que ela tem é associar mais cientificamente" mas que gostam de ciência e
conhecimento ainda, mostrando que o querem aprender. Todos são amadores mas a
conhecimento é uma grande aventura. Isso é gente estava falando sobre os pesquisadores
uma coisa importante para gente, mostrar que formados no país... É claro que é importante
o conhecimento humano é uma grande formar gente capaz, não tenha duvida , mas

8 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


ENTREVISTA

‘O Brasil precisa continuar a investir na criação e


manutenção de astronautas brasileiros’

também é importante sair daqui para ir a outros Sem falar no grande prazer de trabalhar
lugares, aprender e voltar para cá e aqui com o Marcos , que e uma figura extraordinária,
eventualmente encontrar as condições que hoje e um cara inteligentíssimo. O Brasil fez uma
em dia não existem. escolha fora de serie. Realmente penso que as
Cansei de ver isso, desde que eu era pessoas devam se manifestar para que o
estudante até virar professor universitário e astronauta brasileiro seja mantido na NASA e
pesquisador. Você olha e vê excelentes para que continue no projeto da estação
cabeças sendo formadas no Brasil e sendo espacial internacional.
enviadas para países centrais que investem em
ciência e tecnologia e o Brasil fica sem essas
cabeças e sem possibilidade de continuidade de macroCOSMO.com: Por falar em iniciativas,
projetos que estão em andamento. o Audemário Prazeres, lá de Recife, pergunta
Acho isso triste, acho importante que se como fazer para captar recursos para projetos
forme. Sou favorável à mestiçagem, a todas as educacionais que Sociedade Astronômica do
mestiçagens, principalmente a mestiçagem Recife esta desenvolvendo?
cultural, porque ela permite que você possa
independente de cruzar seu gene, cruzar as Walmir: Audemário um grande abraço a você,
culturas, então isso permite que você tenha que também é um dos grandes batalhadores da
uma idéia planetária, o que acho que essa é a astronomia no Brasil. Eu diria o seguinte, a
grande contribuição do ensino da astronomia, a SBEA também tem os mesmos professores
idéia de que a gente vive num planeta. É a que você. Eu tento me aproximar das
consciência de que esse planeta é único, que secretarias estaduais e municipais de
esse planeta não pode ser destruído e de que educação. Existem algumas linhas de crédito
mesmo que fique tudo escuro muitas vezes, é que estão ligadas com as Secretarias
importante que fique escuro para que possamos Estaduais e com Secretarias de Ensino Médio e
ver as estrelas... Tecnológico e a Secretaria de Ensino Distancia
Uma das grandes iniciativas que o no MEC. Eu diria para o Audemário que em
Brasil precisa continuar investindo é na criação primeiro lugar, ele tem que produzir parte do
e manutenção de astronautas. A gente tem um projeto. A primeira parte vai ser mesmo com
astronauta hoje que o Marcos Cesar Pontes, amor, a combustível individual e depois disso
alias quero falar uma coisa muito legal pra você documenta muito bem esse material.
macroCOSMO: Eu e o Marcos estamos Fotos, depoimentos, teste com professores,
produzindo uma série de 28 programas de alunos, vídeos... juntar essa documentação
televisão. Um astrônomo e um astronauta juntos enviar para a Secretaria de Ensino Médio e
Ele tem ficado muito tempo em Houston, mas Tecnológico do MEC , Secretaria do Ensino
quando ele vem para o Brasil, nós nos Fundamental e Secretarias Estaduais
encontramos e agora estamos numa etapa de mostrando qual o trabalho que você esta
captação de recursos. É uma etapa difícil, fazendo e tentando estabelecer uma parceria.
porque os textos básicos os roteiros, já estão É assim que esta gente esta tentando
sendo produzidos rapidamente e espero que sobreviver nestes tempos difíceis.
daqui uns 3 ou 4 meses estejamos colocando o
primeiro programa no ar. A produção é da macroCOSMO.com: Para gente encerrar,
Larutia, uma empresa de produção uma mensagem final para esta nossa iniciativa
cinematográfica e vídeo em São Paulo, mas ela que estamos realizando com a
certamente vai ser uma co-produção. A gente macroCOSMO.com.
esta tentando envolver o Senado Walmir: Eu já disse a iniciativa é maravilhosa.
essencialmente por causa da captação de Eu acho que as dificuldades que a gente tem
recursos, a UNESCO e a iniciativa privada, são muito grandes, nós somos realmente um
Petrobras, Embraer...essas empresas . bando de pessoas sonhadoras que acreditam

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 9


ENTREVISTA

muito naquilo que fazem. Acreditamos na É sempre muito difícil, não desistam,
transformação que estão operando no mundo, parabéns, parabéns mesmo pela iniciativa e
mas se não fossem essas pessoas hoje em dia muito obrigado pela oportunidade de inaugura-
um número maior de pessoas no Brasil não la com vocês. Estamos aí sempre que vocês
saberiam ou saberiam menos sobre ciência. quiserem e o endereço da SBEA – Sociedade
Acho que todas as iniciativas que puderem ser Brasileira para o Ensino da Astronomia:
feitas no sentido de difundir e no sentido de www.sbeastro.org. Entrem lá, escrevam,
fazerem as pessoas aprenderem não somente contribuam. Muito obrigado!
astronomia, mas sobre a ciência de um modo
geral. Todas essas iniciativas são excelentes, macroCOSMO.com: Muito obrigado prof.
são maravilhosas, então a iniciativa desta Walmir. ∞
revista eletrônica é uma iniciativa que eu
considero que se existissem pelo menos umas
seis ou sete revistas como essa, coisa que
espero que existam em pouco tempo, a gente
vai aos pouquinhos chegando nas pessoas.
Quanto mais programas de rádio, televisão
puderem ter, mais eventos astronômicos que
pudermos colocar telescópios na rua e mostrar
para as pessoas, é melhor, porque a gente não
sabe, é um efeito caótico. A gente mudando um
pequeno grãozinho aqui, poderá causar um
efeito extraordinário.
Página da SBEA

Gandhi Ferrari é engenheiro eletricista, especialista em Física e em Educação para a Ciência.


Atualmente é professor de Tecnologias de Informação e Comunicação no curso de Pedagogia:
Gestão e Tecnologia Educacional em Uberlândia/MG e redator da Revista macroCOSMO.com.
E-mail: gandhiferrari@yahoo.com.br

10 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


ASTRONÁUTICA

Buscando Novas

FRONTEIRAS
O DESENVOLVIMENTO HUMANO E TECNOLÓGICO DA CONQUISTA DO ESPAÇO

Ronaldo Garcia | Boletim Centaurus

O céu profundo e escuro sempre fascinou o homem desde


a Antigüidade. À medida que a História do homem avançava com a
sua tecnologia, foi ficando cada vez mais claro que descobrir o
que nos rodeava era apenas uma questão de tempo. Somam-se a
isso, as antigas disputas territoriais, que de uma maneira ou de
outra, sempre contribuíram para o progresso de uma nação em
relação às outras. Pensava-se antes que, quem dominasse os
mares dominaria a Terra; depois quem dominasse os ares,
conquistaria também a Terra. De modo que, inevitavelmente...

© NASA

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 11


ASTRONÁUTICA

Concepção artística do primeiro


encontro entre a nave americana
Apollo, com a russa Soyuz

Depois que o homem pisou na voltar demora, em média uma semana,


superfície da Lua pela primeira vez, em 20 de dependendo do tempo de permanência na
Julho de 1969, o céu acabou ficando pequeno. superfície da Lua. Já uma viagem a Marte é
Nunca antes o ser humano tinha ido tão longe algo muito mais complexo. A viagem de ida
de casa quanto nesse dia. Realmente, um demora em torno de seis meses, mais um ano
grande passo para a humanidade foi dado e meio na superfície e mais seis meses para
nessa época. A partir daquele momento, a raça voltar. Total: dois anos e meio!
humana entrou para o clube - que nem sequer
sabemos se existe - das raças interplanetárias. Até o começo da década de 70,
Finalmente, saímos do nosso berço. ninguém tinha ficado mais que 14 dias no
espaço, façanha realizada pelos astronautas
Mas ir para a Lua não é nada. O nosso Jim Lovell - que voaria depois na famosa Apollo
Sistema Solar compreende nove planetas, 13 - e Frank Borman, numa das naves da série
centenas de luas, cometas e milhares de Gemini. Depois que os soviéticos "perderam" a
asteróides, o que nos impõe mais um delicado corrida para a Lua, algumas "línguas" disseram
problema: para onde ir agora? Marte tornou-se que eles agora queriam ir a Marte e sabiam
o que é chamado no jargão astronáutico de "o que não seria fácil. Tal afirmação nunca
próximo passo lógico" e não poderia deixar de chegou a ser totalmente confirmada, mas o fato
sê-lo. Vênus é o planeta mais próximo da é que os soviéticos, em abril de 1971, lançaram
Terra, mas as condições que reinam na sua a primeira estação espacial em órbita da Terra,
superfície são totalmente desagradáveis. Já a Salyut 1, tripulada por Dobrovolski, Volkov e
Marte, o segundo planeta mais próximo de nós, Patsayev, permanecendo em órbita por 22
tem uma série de condições - atmosféricas dias.
principalmente - que parecem até convidativas.
Mas, para ir a Marte, seria necessário um outro A Salyut 1 era um cilindro com 15,8
desenvolvimento tecnológico e, pela primeira metros de comprimento por 4,15 metros de
vez, um desenvolvimento humano no espaço largura e dentro havia um tocador de fitas
como não tinha acontecido até então. cassete, uma "mesa" para refeições, uma
pequena biblioteca com alguns livros e, pela
Na época das naves Apollo que foram primeira vez, os cosmonautas - como são até
para a Lua, o espaço interno das naves era hoje chamados os "astronautas" russos -
muito pequeno e apertado para que os podiam dormir em pé! Parece estranho "dormir
astronautas pudessem desenvolver qualquer em pé", mas o fato era que havia um lugar
tipo de pesquisa ou mesmo ter um certo reservado para as "camas" e estas eram
conforto. Mesmo antes, com as naves norte- presas às paredes da estação. Como no
americanas Mercury e Gemini e as soviéticas espaço nem é possível definir "em cima" ou
Vostok e Voskhod, as dependências não eram "em baixo", não importa o jeito que você
agradáveis: eram apenas cubículos onde os durma!
astronautas ficavam durante praticamente todo
o vôo. A viagem para a Lua, incluindo ir, ficar e Infelizmente, depois de 22 dias no

12 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


ASTRONÁUTICA
espaço a tripulação da Salyut 1 morreu durante
a descida, devido a uma falha na pressurização
da nave que os traria de volta. A Salyut 1 caiu,
o que estava totalmente previsto e sem
ninguém a bordo, no dia 11 de outubro de
1971, permanecendo seis meses no espaço.

Existiram várias estações Salyut.


Descontando as que falharam no lançamento
As Salyuts 6 e 7 eram a segunda geração de
estações espaciais. As primeiras versões da
Salyuts tinham apenas uma porta de docagem,
ou seja, para entrar e sair da estação, só por
um lado. Já com a 6 e 7 existiam duas portas,
possibilitando que duas tripulações visitassem
a estação ao mesmo tempo e com naves Estação espacial Skylab
diferentes.
extremamente elevado - orçado hoje em 250
Para ter uma idéia da evolução desse bilhões de dólares - seria interessante
novo tipo de artefato espacial, a Salyut 7 subiu "começar devagar". Primeiro fator a ser
em abril de 1982 e foi desativada em junho de mudado: ter uma nave que fosse capaz de ir ao
1986. Nesses quatro anos de uso, muitas espaço sem ter que se construir outra nave a
experiências médicas, astronômicas, físicas e cada missão. Nasceu, então, o programa
químicas foram realizadas. A Salyut 7 caiu em Space Shuttle - conhecido como Ônibus
fevereiro de 1991 e alguns pedaços foram Espacial - que consistia num veículo que podia
encontrados na Argentina. ir ao espaço, voltar a Terra, ir ao espaço
novamente, voltar para a Terra...
Os norte-americanos também
investiram numa estação espacial na década O primeiro vôo desse novo conceito de
de 70. O Skylab, a primeira e única estação nave espacial ocorreu em 12 abril de 1981 com
espacial norte-americana até o momento, era, o veículo Columbia, tripulado pelo comandante
na verdade, o terceiro estágio do poderoso John W. Young - que já tinha voado no projeto
foguete Saturno V, que havia levado os Gemini e nas Apollo 10 e 16 - e pelo piloto
homens à Lua anos antes. O Skylab subiu em Robert Crippen, na época ainda novato. Pois
maio de 1973 e contou com três tripulações bem, no dia 12 de abril de 2001, foi
diferentes em quase um ano de atividades. A comemorado os 20 anos de um veículo que
última tripulação deixou o Skylab em fevereiro trouxe grandes mudanças nos vôos espaciais
de 1974 e ficaram lá em cima por 84 dias. tripulados.
Durante esse período muitas experiências
foram realizadas, como observações do Sol e
do cometa Kohoutek - que passava na época -
pesquisas de recursos naturais terrestres e
dezenas de experiências médicas. Caiu em
julho de 1979 e sua queda foi a mais
comentada e coberta pela mídia em todo o
mundo. Vários pedaços foram encontrados no
deserto da Austrália.

Enquanto a antiga União Soviética


insistia no seu programa de estações
espaciais, os Estados Unidos resolveram
construir um veículo mais ambicioso. Como o
preço para uma viagem ao planeta Marte era

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 13


ASTRONÁUTICA

Mas qual é a missão principal do


ônibus espacial? Para que ele foi construído?
Para ir a Marte? Com certeza, não. A missão
principal era construir e realizar manutenções
periódicas e dar apoio logístico à estação
espacial. Mas qual estação espacial? Qualquer
uma. A idéia era que o ônibus seria o veículo
de ligação permanente entre a Terra e o
espaço.

Apesar das enormes perdas dos


veículos Challenger (1986) e do Columbia
(2003) e suas tripulações, os sucessos dos
ônibus espaciais ainda continuam.

Depois dos sucessos dos primeiros


anos de operação dos ônibus espaciais,
decidiu-se construir a estação espacial norte-
americana Freedom, que não chegou a sair do
papel devido aos custos literalmente
astronômicos. Sem uma estação espacial, os
três ônibus espaciais restantes - Discovery,
Atlantis e Endeavour - permanecem sem
realizar a sua principal missão, aquela para a
qual eles foram criados e desenvolvidos. Dessa
maneira, os ônibus espaciais continuaram
sendo apenas um veiculo com viagens
espaciais rotineiras.

Dentro do desenvolvimento humano no


espaço, em fevereiro de 1984 pela primeira vez
um ser humano se viu livre de qualquer ligação
com a nave que o trouxera ao espaço. Bruce
McCandless foi o primeiro astronauta a flutuar
solto no espaço, sem o "cordão umbilical" com
o ônibus espacial. Para se locomover no
espaço, McCandless estava acoplado a uma
"mochila" conhecida como Unidade Tripulada
de Manobras (MMU) e, através de jatos de gás,
no caso o nitrogênio, foi possível "caminhar no
espaço" sem problemas. McCandless se tornou
o "primeiro satélite humano" da História!

Os ônibus espaciais levaram os


europeus para o espaço através do Spacelab,
um cilindro que cabia no compartimento de
carga do ônibus espacial, desenvolvido pela
Agência Espacial Européia (ESA) para
Ônibus Espacial Americano Chalenger demonstrar a capacidade de se conduzir
pesquisas num ambiente tão adverso quanto o
espaço. No Spacelab foram feitas pesquisas
em Astronomia, Física, observações da Terra,

14 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


ASTRONÁUTICA

biologia, Ciência dos Materiais, Física da não existe pôr-do-sol mais maravilhoso que o
Atmosfera e tecnologias, ampliando, assim, o visto do espaço... Deve ser mesmo!
desenvolvimento humano no espaço.
Enquanto isso, do outro lado do
Os ônibus espaciais levaram e mundo, a então União Soviética, no mesmo
consertaram o Telescópio Espacial Hubble, ano em que o Challenger explodiu, lançou o
lançaram várias sondas interplanetárias como a primeiro módulo da estação espacial Mir, a
Magalhães (para Vênus) e a Galileo (para primeira estação permanente. Lançada em 19
Júpiter), o Telescópio Chandra, lançaram e de fevereiro de 1986. Foi completada pelos
consertaram em órbita vários satélites, sem russos em 1996, com o lançamento do último
contar as centenas de horas de Atividades módulo, o Priroda. A Mir era uma estação
Extra-Veiculares (EVA), quando os astronautas espacial totalmente independente e auto-
saem da nave para "passear no espaço". suficiente. A água, o ar e os sistemas de
Pesquisas científicas nas diversas áreas do temperatura e de pressão eram providos e
conhecimento humano foram realizadas, mantidos por ela mesma. Vale dizer que a
inclusive uma para o Brasil, levada a cabo em comida e várias peças de manutenção eram
1997. Levaram para o espaço animais - enviadas da Terra por meio de veículos não
abelhas, aranhas, galinhas, entre outros, tripulados conhecidos com o nome de
embora os soviéticos também já tinham feito Progress. A diferença básica entre as estações
isso antes dos norte-americanos, só que em Salyut, o Skylab e a Mir era que esta última
naves mais modestas e com objetivos podia se sustentar no espaço. A Mir tinha dois
diferentes - pesquisaram a conduta do corpo motores principais que, com o passar do
humano, tanto física como psicologicamente, tempo, faziam a correção na órbita para que a
dormiram em pé ou alojados no teto do veículo, estação não caísse. Isso justifica o termo
"brincaram" no ambiente sem gravidade e "permanente" usado acima. O tempo de vida
trabalharam muito. Os astronautas dizem que útil previsto para a Mir era de nove anos - no

Estação Espacial MIR

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 15


ASTRONÁUTICA

máximo 10 - no espaço. No entanto, ela


permaneceu em órbita por quinze anos e nesse
tempo todo foram realizadas mais de vinte mil
experiências científicas para vários países. Ela
foi visitada diversas vezes pelo ônibus espacial
norte-americano entre 1995 e 1997 num ensaio
geral da construção da Estação Espacial
Internacional. A Mir já abrigou, além dos
russos, um jornalista japonês, um astronauta
muçulmano, além de franceses, italianos e
norte-americanos. Depois da queda do Império
Soviético, ocorrida entre os anos de 1989 a
1991, o espaço ficou mais democrático...

Se a intenção era treinar longos


períodos de permanência humana no espaço
para uma viagem a Marte, a Mir detém todos
os recordes até hoje. Já houve missões que
ficaram 141 dias no espaço, 176, 186, 191, 366
e assim por diante...

A antiga União Soviética também tinha


o seu "ônibus espacial". Não comentar sobre
ele não seria justo. O Buran (Nevasca, em
russo) teve o seu projeto iniciado em 1976,
numa clara resposta ao mesmo programa
americano. O seu primeiro e único vôo
aconteceu em 1988 e foi totalmente
automático, sem tripulantes. Esse vôo durou
apenas uma órbita, aproximadamente uma
hora e meia. Tal vôo foi curto devido à
capacidade de memória dos computadores do
Buran. Neles tinham que ser programados o
lançamento, as atividades em órbita e o pouso
e, como não cabia muita coisa na memória
desses computadores, a opção era realizar
uma única volta em torno da Terra. E mesmo
com pouca memória, os computadores deram
conta do recado: o Buran parou as rodas do
trem de pouso 300 metros além do
programado! Depois disso, o Buran nunca mais
voou. Atualmente, o Buran "enfeita" shows de
aviação pelo mundo.

A famosa ISS, a Estação Espacial


Internacional, da qual o Brasil participa através
de um consórcio que inclui outros quinze
países, terá o mesmo desempenho da Mir, ou
seja, será uma estação espacial permanente,
auxiliada por motores de correção de órbita.
Evidentemente, o espaço interno da ISS é Ônibus Espacial Russo Buran
muito superior ao da Mir. A ISS comportará
com muita folga sete tripulantes. Poderia ser

16 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


ISS – Estação Espacial Internacional

mais? Não. Em caso de pane ou de algum mau necessários. Um departamento de Física inteiro
funcionamento que torne a presença humana cabe num desses módulos. Assim, o
ameaçada dentro da estação, existe um astronauta só tem que puxar uma caixa,
módulo de fuga que só é usado em casos colocar o experimento e esperar pelos
extremos... E, como esse só comporta sete resultados.
astronautas...
A ISS é o maior complexo já montado
Pois bem, a participação brasileira no espaço. São 110 metros de comprimento
nesse projeto é mínima, mas existe e é por 88 metros de largura. O seu brilho no céu
imprescindível. O Brasil, o único país do deve se equiparar ao de Vênus, o astro mais
terceiro mundo no projeto, vai contribuir com brilhante no céu depois do Sol e da Lua. A
0,25% do total do preço, orçado em torno de 60 altitude da órbita é de 406 quilômetros e a sua
bilhões de dólares. Esses 0,25% dão certos inclinação é de 51,6 graus. O valor dessa
privilégios ao Brasil como, por exemplo, ter inclinação permite que todos os países do
0,25% do tempo útil de pesquisas para o nosso mundo, no seu devido horário, possam ver a
país. Os equipamentos feitos aqui têm sempre ISS passando e brilhando no céu. Essa
um local reservado para experiências inclinação é a mesma da Mir.
puramente brasileiras. Além disso, a presença
de um astronauta brasileiro também foi A construção da ISS começou em 20
acordada. Assim sendo, o major da Força de novembro de 1998 e estima-se que esteja
Aérea Brasileira, Marcos César Pontes, que pronta em abril de 2006, embora o acidente
esteve na Fundação CEU, situado em Brotas com o Columbia tenha atrasado mais um pouco
(SP), para a inauguração da Base de o término dessa construção. É esperar para
Lançamento de mini-foguetes que leva o seu ver. Cada tripulação da ISS deve ficar no
nome, em abril de 2002, está treinando em espaço de três a seis meses e dificilmente
Houston, Texas, para poder voar dentro de baterão o recorde de permanência no espaço,
algum tempo. que pertence aos russos. Mas, depois de
pronta e funcionando, quem sabe...
Engana-se quem pensa que os
astronautas-pesquisadores vão trabalhar Como foi dito, é muito provável que tais
sentados numa mesa cercados de esforços estejam sendo dirigidos para se
equipamentos sofisticados, com microscópios e alcançar Marte daqui alguns anos. A espécie
outras coisas. Na verdade, dos diversos humana é uma raça exploradora por natureza e
módulos que compõem a ISS, alguns são um campo tão vasto quanto o espaço, antes de
laboratórios científicos por natureza . Dentro trazer medo ou aversão, deixa para nós uma
desses módulos estão armazenados em esperança de paz e união para todo o mundo.
"caixotes" todos os materiais científicos ∞

Ronaldo Garcia é designer digital e professor de Astronomia no Centro de Estudos do Universo. O


presente artigo é fruto da parceria entre a Revista macroCOSMO.com e o Boletim Centaurus.
E-mail: ronaldo@centroastronomico.com.br

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 17


EFEMÉRIDES

2004
Estação do Ano

Verão para o Hemisfério Sul e Inverno para o


Hemisfério Norte.
JANEIRO
Fases da Lua
Lua Cheia: dia 7
Lua Minguante: dia 15
Lua Nova: dia 21 Rosely Grégio | Revista macroCOSMO.com
Lua Crescente: dia 29

Cometas Visíveis em Janeiro


Salvo saltos em brilho e novos cometas descobertos, as estimativas de magnitude para os
cometas esse mês são:

Magnitude Visibilidade Visibilidade


Cometa
estimada Hemisfério Sul Hemisfério Norte
C/2002 T7 (LINEAR) 8 Entardecer / Noite Entardecer
C/2001 Q4 (NEAT) 9 Entardecer / Noite -
C/2003 T3 (Tabur) 11 Entardecer / Noite Entardecer
C/2001 HT50 (LINEAR- NEAT) 12 Entardecer Entardecer
43P/Wolf- Harrington 12 Entardecer Entardecer
2P/ Encke 12 Amanhecer -
Fonte de dados, cartas de busca e mais informações em:
http://reabrasil.astrodatabase.net/ e http://aerith.net/index.html

Chuveiros de Meteoros para Janeiro


Chuveiro de Maior Atividade:
Quadrantids (QUA) com duração de 28 de dez a 7 de janeiro e máximo em 4 de janeiro.

Chuveiros de Menor Atividade:


Radiante Duração Máximo
Zeta Aurigids Dez 11-Jan 21 Dez. 31/Jan. 1
January Bootids Jan 9-18 Jan. 16-18
Delta Cancrids (DCA) Dez 14-Fev 14 Jan. 17
Canids Jan 13-30 Jan. 24/25
Eta Carinids Jan 14-27 Jan. 21/22
Eta Craterids Jan 11-22 Jan. 16/17
January Draconids Jan 10-24 Jan. 13-16
Rho Geminids Dez 28-Jan 28 Jan. 8/9
Alpha Hydrids Jan 15-30 Jan. 20/21
Alpha Leonids Jan 13-Fev 13 Jan. 24-31
Gamma Velids Jan1-17 Jan. 5-8

18 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


EFEMÉRIDES

Agenda Diária
O céu de janeiro será bastante movimentado esse mês, principalmente ao entardecer,
com seis planetas passeando pelo céu - Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter, Urano e Netuno fazem
um belo bailado, contudo, alguns deles não serão muito fáceis de serem encontrados. Entretanto,
Saturno e Vênus merecem destaques especiais. Cerca de 5 cometas estarão nas proximidades
dos planetas quando vistos de nossa posição da Terra. Infelizmente, a proximidade do Sol
juntamente com a claridade do céu vai dificultar em muito a tarefa de observação desse belo
espetáculo celeste.
1 Janeiro, quinta-feira (diâmetro do disco = 20.7 ") e mais luminoso
(mag. 0.5) em 30 anos. Seus anéis
Quando o relógio bater meia-noite em 31 permanecem próximos a sua máxima
de Dezembro de 2003 anunciando a primeira inclinação oferecendo algumas das melhores
hora do início de 2004 olhe para o céu e visões, até mesmo em um telescópio pequeno.
encontre a ''estrela'' amarelada na constelação Uma visão gloriosa que não deve ser perdida!
de Gêmeos excedendo em brilho as suas O ano de 2004 anuncia-se um grande
vizinhas. Aquela estrela é um planeta: Saturno, ano para o Senhor dos Anéis. A nave Cassini-
tendo seu encontro mais íntimo com Terra (748 Huygens, lançada em 1997, deverá chegar lá
milhões de milhas) do que terá durante 30 em junho, onde permanecera orbitando e
anos. Seus anéis estarão inclinados para nós, estudando o planeta durante pelo menos 4
e a luz do Sol refletida neles faz com que o anos. Saturno, seus anéis e suas luas guardam
planeta fique mais luminoso. Se você tem um muitos mistérios sobre seu passado e o que
telescópio ou até mesmo um simples binóculo será no futuro. A lua gigante que órbita o
ou luneta, aponte-o para Saturno, pois até planeta é Titã que pode ser vista como uma
instrumentos pequenos revelaram a presença estrela pontuada de oitava magnitude, através
dos espetáculos anéis. Saturno é o segundo de um instrumento. Titã é maior que os
maior planeta do Sistema Solar. Sua planetas Mercúrio e Plutão, e tem uma
característica mais óbvia é um sistema de atmosfera 60% mais densa que a da Terra. em
anéis que órbita o planeta exatamente no plano outras palavras, Titã é um mundo crescido. Se
do equador. Saturno tem a mais baixa ela orbitasse o Sol, certamente seria
densidade de todos os planetas no sistema considerada um planeta. Em janeiro de 2005, a
solar. Saturno é o último dos cinco planetas nave Cassini soltará a sonda Huygens da
que foram conhecidos desde o tempo antigo e Agência Espacial Européia que fará mais de
pode alcançar uma magnitude máxima que o 1.100 imagens enquanto desce de pára-
faz ser um dos objetos mais brilhantes do céu quedas pelas nuvens de Titã, em um trajeto
noturno. Visto através de um telescópio, que deve durar cerca de duas horas e meia .
Saturno pode ser chamado o objeto mais Instrumentos científicos estarão estudando e
magnífico entre os planetas. Considerando que medindo a atmosfera de Titã, medindo seus
o plano dos anéis de Saturno é relativamente ventos, e, se a sonda sobreviver a
inclinado em sua órbita para o Sol, o aterrissagem fará medições das propriedades
aparecimento e inclinação dos anéis mudam físicas do solo. Há água, gelo ou algum tipo de
durante uma órbita de Saturno ao redor do Sol vida em Titã? A verdade é que ninguém sabe o
(um ano de Saturno equivale a 29 anos e 169 que a pequena Huygens ou a Cassini achará.
dias terrestres), a projeção dos anéis muda de Assim, ao iniciar o novo ano, ao olhar para
acordo com as estações. A abertura dos anéis Saturno, você estará olhando para um mundo
pode alcançar aproximadamente 26°. Nesta de mistério!
posição, o anel é até mesmo visível atrás de O Asteróide 2421 Nininger passa a
Saturno e a sombra do planeta pode ser 2.315 UA da Terra.
observada facilmente nos anéis. Contudo, Urano com mag 5.9 na constelação de
dependendo da inclinação dos anéis em Aquário pode ser observado antes das 21h55m
relação ao Sol eles se tornam quase invisíveis. hora local (GMT -2 horário de verão). Ele está a
Saturno em oposição. Visível a noite toda, o 1.26 graus da estrela iota Aquarri (mag 4.29), a
planeta dos anéis está em mais íntimo da Terra 6 graus da estrela Deneb Algedi (mag 2.85) da

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 19


EFEMÉRIDES

constelação do Capricórnio, e cerca de 15 Em 1801, Guiseppe Piazzi descobria


graus de Vênus (mag -4.0) . Para informações no Observatório de Palermo (Itália) o primeiro
sobre o que observar em Vênus , veja: asteróide, 1 Ceres, entre as órbitas de Marte e
Júpiter. Ceres é o maior asteróide e seu nome
www.astroseti.hpg.ig.com.br/venus.htm
vem da mitologia romana, a deusa da
Netuno (mag 8.0) está a 3,4 graus de agricultura. Observações adicionais por Piazzi
Vênus (mag -4.0),. Procure ambos os planetas não foram feitas devido a uma enfermidade.
ao entardecer também na constelação do Carl Friedrich Gauss, com a idade de 24, então
Aquário. resolveu um sistema de 17 equações lineares
Marte (mag 0.2) na constelação de para determinar órbita de Ceres e isso permitiu
Peixes se esconde as 23h55m (GMT -2). que Ceres fosse redescoberto, um feito notável
O Cometa C/2003 T3 Tabur com mag para aquele tempo. Como resultado dentro de
estimada em 10.5 pode ser encontrado na um ano de sua descoberta inicial, Heinrich
constelação de PsA. Ele desaparece em torno Olbers e Franz von Zach puderam localizar
das 21h49m (GMT -2) . O cometa se dirige novamente o asteróide. Sua órbita ao redor do
para a constelação do Aquário entrando em Sol é de 4.6 anos terrestres e tem um diâmetro
seu limite em 11 de janeiro próximo. calculado a aproximadamente 960 km.
Em 1909, astrônomos de Londres
O cometa C/2001 HT50 (LINEAR- indicam a existência de um planeta para além
NEAT) com mag estimada em 12 se põe em de Netuno.
torno da meia-noite junto com a constelação de
Peixes.
O Cometa C/2002 T7 (LINEAR) com 2 Janeiro, sexta-feira
mag estimada em 8 também está na
constelação do Peixe e se põe ao redor das Hoje, 2 de janeiro de 2004, é um dia
23h52m. O Clarão da Lua Crescente histórico no que tange a Astronáutica e
transitando pela mesma constelação pode observação íntima de cometa. A nave Stardust
atrapalhar a busca dos cometas. Chuveiro de estará visitando o Cometa 81P/ Wild 2 a uma
meteoros ZETA AURIGIDEOS (Zeta Aurigids). distancia de 389 milhões de quilômetros da
Com duração de 11 de dezembro a 21 de Terra. A astronave de 5 metros deve encontrar
janeiro e máximo em 31 dezembro/1 janeiro, e o cometa que tem apenas 5.4 quilômetro de
radiante médio a RA=77 graus, DECL=+35 tamanho com a velocidade de seis vezes a de
graus. Embora a maior atividade pareça só ser uma bala. Segundo os técnicos da NASA a
detectável por meio de rádio-meteoro radar ou Stardust deverá retornar a Terra em janeiro de
telescópios, numerosos meteoros fotográficos 2006 fazer uma aterrissagem suave U.S. Air
indicam que alguma atividade é visível a olho Force Utah Test and Training Range. Sua
nu. Uma filial do norte também está presente cápsula trará a Terra amostra segura de
de 11 de dezembro a 15 de janeiro, com partículas microscópicas do cometa e pó
máximo em 2 de janeiro, de um radiante a interestelar que será levado à planetary
RA=65 graus, DECL=+57 graus. Os meteoros material curatorial facility at NASA's Johnson
de ambos os chuveiros são geralmente de Space Center, Houston, onde as amostras
movimentos lentos. Através de dados serão armazenadas cuidadosamente e serão
acumulados deste chuveiro Gary W. Kronk o examinadas. O material cometário das
computa como um fluxo fendido, com dados amostras de poeira interestelar trazidos pela
mais fotográficos que visuais que indicam que Stardust trará respostas para perguntas
a filial do norte possui uma população maior de fundamentais sobre origens do Sistema Solar.
partículas grandes. A maioria da informação Mais informação sobre a missão de Stardust
juntada sobre a filial meridional mostra que está disponível em:
contém partículas principalmente pequenas
que são facilmente detectáveis para quem usa www.jpl.nasa.gov/stardust/news/news96.html ou
equipamento, porém, esta filial produziu vários http://stardust.jpl.nasa.gov Informações sobre o
fireballs no passado, mas não é uma cometa 81P/ Wild 2 em:
característica presente na filial do norte. http://cometography.com/pcomets/081p.html

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

20 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


EFEMÉRIDES

Há 45 anos (1959), era lançada a Luna usando o Keck telescope no Havaí. Sua
1 pela antiga USSR. Tinha como meta se distancia foi calculada em 15 bilhões de anos-
chocar com a Lua. Embora o objetivo não luz foi nomeada como 8C 1435+63.
tenha sido alcançado, foi a primeira astronave
Em 1960, John Reynolds estabelecia a
a deixar a órbita da Terra. Perdeu-se da Lua
idade do Sistema Solar em 4,950,000,000 de
por 5,000/6000 km e entrou em órbita ao redor
anos.
do Sol.
Em 1839, o pioneiro francês da
Em 1920 nascia em Petrovichi, Rússia,
fotografia Louis Daguerre fazia a primeira
Isaac Asimov (morreu em 6/4/1992).
fotografia da Lua.
Bioquímico e entre outras coisas prolífero
escrito de ficção científica, ele publicou cerca
de 500 volumes.
3 Janeiro, sábado
Em 1729 nascia na Prússia Johann
Daniel Titius Bode (morreu em 11/12/1796).
Astrônomo, físico e Biólogo que formulou Dezenas de centenas de asteróides,
(1766) as distâncias entre os planetas e o Sol, também chamados de planetas secundários ou
o que foi confirmado por J.E. Bode em 1772, planetóides, viajam em torno do Sol, porém
quando passou a ser chamada Lei de Bode. apenas alguns maiores e muito luminosos
Titius sugeriu que as distancias médias entre podem ser vistos através de binóculos. Mas
os planetas do Sol seriam quase uma relação com pesquisa sistemática, usando
simples de A=4+(3x2n) dando a série 4, 7, 10, instrumentos maiores e automatizados, e com
16, 28 *, 52, 100, correspondendo à distância ajuda de uma boa carta de busca alguns deles
relativa dos seis planetas conhecidos, até podem ser vistos diariamente. A principal
Saturno, e um valor de unassigned (*) entre diferença de um asteróide para um planeta
Marte e Júpiter. Olbers procurou um objeto clássico está no diâmetro que apresentam, na
planetário nesta posição vazia e assim ordem de quilômetros. Hoje mesmo podemos
descobre o cinto de asteróide. Porém, como a ver alguns desses pequenos objetos como
descoberta de Netuno que não se ajustava ao pontos estelares se movendo muito
padrão da " lei " é considerada como uma rapidamente contra o fundo das estrelas. Entre
coincidência sem significado científico. eles você poderá encontrar o Asteróide Ceres
Em 1913 morria Leon (-Philippe) (mag 6.9) na constelação de Gêmeos , sendo
Teisserenc de Bort (nascido em 5/11/1855). O melhor visto das 23.1h - 7.6h LCT J2000:
meteorologista francês foi o descobridor da ra = 7:31:53.2, de = +29:29:46 , r = 2.607UA
estratosfera (1902) e o primeiro a usar balões dist = 1.635UA. Na mitologia romana Ceres era
estratosféricos para investigar a atmosfera. Em uma deusa da terra e protetora da agricultura,
1892 morria Sir George Biddell Airy (nasceu em especialmente das frutas e grãos. Em
27/07/1801 em Alnwick, Northumberland). Foi o astronomia, Ceres (1) foi o primeiro dessa
sétimo astrônomo Real (1836-92). Estudou as classe de objetos a ser descoberto, e é o maior
franjas de interferência em óticas, fez um dos asteróides. Foi descoberto pelo astrônomo
estudo matemático do arco-íris e computou a italiano Giuseppe Piazzi em 1801 quando ele
densidade da Terra balançando um pêndulo ao procurava planetas que foram preditos que
topo e fundo de um profunda mina, existisse entre Marte e Júpiter pela Lei de
determinado a massa do planeta Júpiter e seu Bode. A órbita de Ceres o trás para próximo da
período de rotação, calculou as órbitas de Terra e por isso ele pode ser visto em
cometas e catalogou estrelas. Seu desenho de pequenos instrumentos em boas condições de
lentes corretivas para astigmatismo (1825) foi céu.
pioneiro. A motivação dele no estudo das O Asteróide Pallas (2) com mag 9.1
lentes corretivas deveu-se ao seu próprio pode ser encontrado na constelação de Cetus,
astigmatismo. melhor visto entre 23.3h e 3.0h LCT em J2000:
Em 1995, era descoberta a galáxia ra= 1:31:04.6 de=-21:25:28 , r=2.527 UA
mais distante (para a época) por cientistas dist=2.323UA. Pallas recebeu o nome da deusa

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 21


EFEMÉRIDES

grega da sabedoria, foi o segundo asteróide há do horizonte. Mas, para observadores de radar
ser descoberto e também é o segundo e rádio-meteoros é um bom chuveiro. O
asteróide em tamanho. Foi achado em 1802 chuveiro Quadrantídeos (Quadrantid) tem seu
pelo astrônomo e médico alemão Wilhelm radiante situado principalmente em direção ao
Olbers, apenas um ano depois da descoberta nordeste, assim o melhor modo para maximizar
de Ceres. Pallas mede 490 quilômetros em sua visualização é colocar uma cadeira
largura. Sua órbita o leva a uma distância de reclinada com seus pés voltados para qualquer
mais de 414,390,000 quilômetros ao redor do lugar dentro da região que cerca o sudeste, sul,
sol e também é parte do cinto de asteróide oeste, e noroeste (para o hemisfério Norte).
entre Marte e Júpiter. É tão grande que é Neste momento, recline a cadeira de gramado
pensado que ele tem sua própria gravidade de a sua posição mais aplainada e observe
maneira que ele apresenta forma esférica, diretamente. A duração deste chuveiro de
como uma bola. meteoro acontece de 28 de dezembro a 7 de
No início do dia a Terra está em Periélio, o janeiro. O Máximo normalmente acontece em
ponto mais próximo do Sol em sua órbita, a 3/4 de janeiro, de um radiante médio a RA=229
uma distancia de 147.062.600 km. graus, DEC=+49 graus. O máximo é
Lua perto das Pleiades a 19h UT no céu do normalmente bastante afiado e, dependendo
anoitecer. da localização do observador, a taxa de hora
Lua em apogeu (mais distante da Terra) a 20h em hora pode variar de 45 a 200. Portanto,
UT (distância 405,707 km; tamanho angular de para observadores do hemisfério sul seria
29.5 '). recomendável que o fizessem através de rádio
Cuveiro de Meteoros QUADRANTÍDEOS - observação e/ou radar. Este é o único chuveiro
QUA (Quadrantids) com duração de 28 de principal cujo cometa de origem permanece
dezembro a 7 de janeiro e máximo ocorrendo desconhecido. A Lua pode interferir na
em 3 de janeiro, os meteoros desse chuveiro observação desse chuveiro.
emanam da constelação de Boötes, mas seu Em 1906 nascia o astrônomo
nome provém de uma extinta constelação americano William Wilson Morgan (morreu em
chamada Quadrans Muralis (Quadrante Mural - 21/06/1994). Em 1951 apresentou a primeira
antiga constelação boreal situada entre Draco evidência que a Via-Láctea tinha braços
(Dragão), Bootes (Boieiro) e Hercules espirais. Toda sua carreira foi no Observatório
(Hércules), introduzida por Bode em de Yerkes, e inclui três anos como diretor.
homenagem ao quadrante solar.). Este Dedicou-se a pesquisa da morfologia,
chuveiro é rico em meteoros lânguidos e são classificação de objetos pelas suas formas e
de velocidade moderada. O radiante nunca estrutura. Com Keenan e Kellman, introduziu a
alcança uma altitude alta para os observadores classificação da luminosidade estelar e a
de hemisfério mais ao norte e observadores do classificação bidimensional de espectros
hemisfério meridional provavelmente não verá estelares estritamente baseado nos seus
nenhuma atividade. Para aqueles que podem espectros. Com Osterbrock e Sharpless ele
observar os Quarantids, eles são mais bem demonstrou a existência de braços espirais da
observados aproximadamente de 22:00 h até o nossa Galáxia usando distâncias precisas de
começo de crepúsculo matutino para estrelas dos tipos O e B obtida de
observadores no Hemisfério Norte, com o classificações espectrais. Morgan inventou o
alçamento do radiante mais alto ao longo do sistema de UBV de magnitudes e cores.
amanhecer. Este radiante não é considerado Em 1908 morria Charles Augustus
uma boa exibição de meteoro boa para Young. Astrônomo americano que fez as
observadores do Hemisfério Meridional. primeiras observações do espectro de flash do
Embora o radiante esteja realmente sobre o Sol, provou a natureza gasosa da coroa solar e
horizonte por pouco tempo, isto acontece descobriu a reversão da atmosfera na capa. Foi
durante a luz do dia matutina, assim nenhuma um pioneiro no estudo do espectro do Sol e
observação visual pode ser feita. A altitude experimentou fotografar as proeminências
mais alta em céus escuros acontece logo antes solares em toda a luz solar. No eclipse solar
de começar o alvorecer e neste tempo o em 22/12/1870, na Espanha, ele viu todas as
radiante está aproximadamente a 20° abaixo linhas do espectro solar, por talvez um segundo

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

22 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


EFEMÉRIDES

e um meio (o " espectro de flash'') e anunciou a mag de 8.6 e sua distância da Terra será de
reversão da capa solar. Em 1872, ele mais que 1.383 UA. O Asteróide Hebe (6) foi descoberto
dobrou o número de linhas luminosas que ele em 1 de julho de 1847 por K L Hencke a
tinha observado na cromosfera. Por uma Driesen. Com diâmetro de aproximadamente
comparação de observações, ele concluiu que 200 km, seu período orbital é 3.78 anos, sua
a condição magnética na terra responde as distância do Sol varia entre 1.93 e 2.92 UA, de
perturbações solares. forma que no máximo de suas oposições
favoráveis ele estará a aproximadamente 0.93
Em 1641 morria com a idade de 22
UA da Terra.
Jeremiah Horrocks (nascido em 1617).
Astrônomo e clérigo inglês que aplicou as leis Em 4 de janeiro de 1797 nascia
do movimento planetário de Johannes Kepler Wilhelm Beerd (morreu em 27/03/1850).
para observações da Lua e Vênus. Suas Banqueiro e astrônomo amador alemão junto
observações através de um pequeno com Johann Heinrich von Mädler construíram o
telescópio o convenceram que as tabelas de mapa mais completo da Lua de seu tempo,
Lansberg estavam incorretas. Ele aceitou as Mappa Selenographica (1836). O primeiro
órbitas elípticas de Kepler, e trabalhando na lua mapa lunar a ser dividido em quadrantes,
ele aplicou uma órbita elíptica para ela, e continha uma representação detalhada da face
estabeleceu a linha de precessão das apsides, da Lua. Morria em 1990 Harold Eugene
um efeito que ele designou à influência do Sol. Edgerton (nasceu em 6/4/1903). Engenheiro
Horrocks predisse e observou um trânsito de elétrico e fotógrafo americano e fotógrafo,
Vênus em 24/11/1639, o primeiro a observar, e desenvolvei técnicas para fotografia de alta
da observação ele corrigiu a paralaxe solar e velocidade aplicando-as para vários usos
indicou uma distancia muito maior do sol que científicos.
qualquer um antes dele tinha admitido. Morria em 1961 Erwin Schrödinger
(nascido em 12/08/1887). Físico teórico
austríaco que contribuiu à teoria da onda de
matéria e outros fundamentos da mecânica do
4 Janeiro, domingo
quantum. Ele compartilhou o Premio Nobel de
Física em 1933 com o físico britânico P.A.M.
Terra em periélio (mais íntimo do sol)
Dirac.
as 18h UT. A distância de Sol-terra é 0.983265
a.u. ou aproximadamente 147.1 milhões de Em 1958, era lançado da base do
quilômetros. Kazakistão o satélite Sputnik I russo, o primeiro
O Objeto 20000 Varuna do Cinturão de objeto artificial colocado em órbita da Terra.
Kuiper em Oposição a 42.219 U.A. Após 92 dias no espaço ele reentrou na
A Lua passa a 0.6 graus da estrela atmosfera terrestre e desintegrou-se. O Sputnik
SAO 76430 37 TAURI (A TAURI) de mag 4.5 (significando " companheiro " ou " o viajante ").
aa 0.6 TU. Ele circulou a terra toda em 95 minutos a quase
Júpiter oculta a lua Io (mag 5.6) as 2,000 milhas por hora e a 500 milhas sobre a
5h57.4m TU. Terra. O 184-lb satélite transmitiu um sinal de
Hoje, o asteróide Hebe apresenta rádio que foi detectado ao redor do mundo, e
magnitude de 8.7, é melhor visto entre 23.7h e levava instrumentos para medida de
7.1h LCT a J2000: ra= 7:37:35.5 de= +8:48:31, temperatura.
na constelação do Cão Menor a r=2.334UA Em 1912, a aproximação mais íntima
dist=1.378UA. Carta de busca em da Lua para a Terra foi de 221,441 milhas de
http://www.rasnz.org.nz/MinorP/Hebe.htm ou centro para centro.
então procure a posição do asteróide em algum
planetário virtual como por exemplo o SkyMap.
Hebe moverá pelo denso campo estelar em
Canis Minor até 25 de janeiro. Em 10 de 5 Janeiro, segunda-feira
janeiro, Hebe estará a menos de 2° da estrela
beta Canis Minoris (mag 2.85). Hebe está em
oposição no dia 12 de janeiro apresentando Netuno e Vênus estão separados a 7.57 graus

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 23


EFEMÉRIDES

e a distancia entre Vênus e Urano é de 10.18 sobre a superfície do planeta Vênus.


graus. Aniversário (1905) do descobrimento da
lua Elara de Júpiter por Charles Perríne.
O Cometa C/2003 T3 Tabur (mag
Em 1972 o então presidente Richard M.
estimada em 10) em PsA, estando a 11.42
Nixon, aprovava o programa do Transportador
graus de Vênus.
Espacial.
O Cometa Encke pode ser observado
melhor nas latitudes do Norte/Nordeste do
Brasil. Efemérides e cartas de busca para 6 Janeiro, terça-feira
cometas visíveis em janeiro são encontradas
no site costeira1.astrodatabase.net/cometa/
Chuveiro de Meteoros GAMA VELÍDEOS O Asteróide 2002 XT90 passa a 0.200
(Gamma Velids) com duração de 1 a 17 de UA da Terra.
janeiro e máximo de 5 a 8 de janeiro. Embora A Lua passa a 4.56 graus a norte de
Cuno Hoffmeister parece ter determinado o Saturno as 20:50 h (GMT-3). Lua e Saturno em
primeiro radiante para este chuveiro em 12 de conjunção as 21:22 h.
janeiro de 1938 (RA=132 graus, DECL=-47
graus), este fluxo foi basicamente ignorado até A Lua passa a 0.3 graus da estrela
1979, quando o Western Australia Meteor SAO 77675 136 TAURI, 4.5 mag a 4:8 TU.
Section (WAMS) iniciou observações Mercúrio estacionário, iniciando movimento
sistemáticas deste chuveiro. As pesquisas progressivo a 14:2 TU. Mercúrio orbita o Sol
realizadas durante 1978-1979 pelo WAMS que em aproximadamente 3 meses (da Terra) e
observou os céus continuamente de 19/20 de nunca está muito longe do Sol por mais que 25
dezembro a 6/7 de janeiro revelaram que o graus, conseqüentemente sempre está dentro
primeiro meteoro Gama Velids foi notado em do crepúsculo luminoso. Isto faz com que
1/2 de janeiro, e seus números alcançaram um Mercúrio seja um objeto difícil, embora pode
ZHR de 8.24±0.81 6/7 de janeiro. A posição chegar a ser tão luminoso quanto à estrela
média do radiante foi determinada como Sirius. Mercúrio também apresenta fases
RA=125 graus, DECL=-49 graus. Baseado em diferentes, como a nossa Lua, enquanto órbita
27 meteoros observados foi concluído que a o Sol. Usando um telescópio, é possível
magnitude média dos meteoros era de 2.89, identificar suas fases e acompanhar sua
enquanto 3.7% dos trens aconteciam a mudança durante os de em que o planeta se
esquerda dos meteoros. Em relação às cores, apresenta melhor posicionado para nossa
foi calculado que 10% dos meteoros eram observação da Terra.
laranjas, 10% eram amarelos, 20% eram azuis Sexto aniversário (1998) do
e 60% eram brancos. Observações mais lançamento da sonda Lunar Prospector (Moon
extensas de 1979 a 1980 revelou que esse Orbiter).
chuveiro estava ativo de 1 a 17 de janeiro, com Trigésimo sexto aniversário (1968) do
radiante médio a RA=125 gruas, DECL=-48 lançamento da sonda Surveyor 7 (Moon
graus. Tendo um máximo de 7.06±1.36 sido Lander).
alcançado em 3 de janeiro. As análises
realizadas por Gary W. Kronk dos dados
obtidos pelas observações do WAMS durante 7 Janeiro, quarta-feira
os anos de 1982 a 1986, concluiu-se a
existência de um máximo relativamente plano Ocultação da estrela SAO 79533
que varia de 5 a 9 meteoros por hora acontece UPSILON GEMINORUM (mag 4.2) acontece as
durante 5 a 8 de janeiro. 23:13:7 TU.
O asteróide Ceres (1) com mag 6.8
Em 1892, foi feita a primeira fotografia localizado na constelação de Gêmeos é visto
da aurora boreal. melhor entre 17.1h e 6.0h LCT.
Aniversário de 35 anos (1969) do A Lua Cheia acontece as 12: 40 h
lançamento da sonda automática Venera 5 (GMT -3).A Lua cheia de Janeiro era conhecida
(Soviet Venus Lander) com a missão de descer nos antigos almanaques como Wolf

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

24 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


EFEMÉRIDES
suas observações e conclusões foram
Moon (Lua do Lobo), Old Moon (Lua Velha),
publicadas mais elaboradamente depois de
Moon After Yule Moon After Yule (Lua Depois
alguns meses em sua obra Sidereus Nuncius".
do Natal), Full Snow Moon (Lua Cheia da
Neve) e Full Wolf Moon (Lua Cheia do Lobo).
Entre o resfriar e a neve profunda do solstício
de inverno, as matilhas de lobo uivavam 8 Janeiro, quinta-feira
famintos fora das aldeias índias. Assim, surgiu
o nome para a Lua Cheia de janeiro. Às vezes
também estava chamada Old Moon (Lua Marte, ainda visível a noite, oculta a
Velha), ou a Lua Depois do Natal (Moon After estrela PPM 143928 (mag 9.9). Marte é o único
Yule). Alguns a chamaram de Lua Cheia da planeta do Sistema Solar cuja superfície sólida
Neve (Full Snow Moon), mas a maioria das pode ser vista com telescópios a partir de
tribos da América do Norte aplicava esse nome nossa posição da Terra. O melhor momento
para a próxima Lua Cheia. para observar é o periélio de oposição. Como o
ano marciano equivale a aproximadamente
A Lua perto de Saturno a 0h UT. dois anos da Terra, as oposições acontecem a
Nascia em 1755 Stephen Groombridge cada dois anos. A órbita de Marte é bastante
(morreu em 30/03/1832). Astrônomo inglês, elíptica, conseqüentemente, as ''oposições
compilador do catálogo estelar conhecido com mais íntimas'' de periélio mostra muito mais
seu nome. detalhes da superfície do planeta que as
Morria Richard Hamming em 1998 oposições de afélio, pois a distância Terra-
(nascido em 11/02/1915). Matemático Marte varia por um fator até 2. Após a oposição
americano que descobriu as fórmulas de agosto de 2003, Marte já se afastou muito
matemáticas e técnicas que tornaram possível da Terra e por isso, no momento, não é
os computadores corrigirem seus próprios possível observar muitos detalhes de sua
erros, e a criação de vários dispositivos que superfície. A próxima oposição de Marte será
empregam microprocessadores e em 7 de novembro de 2005, quando o planeta
processadores notáveis digitais, como modem, vermelho estará a 0.4700 UA da Terra.
discos compactos, e comunicações de satélite; Informações sobre como e o que observar no
algumas destas técnicas foram nomeadas por planeta vermelho veja:
ele. http://geocities.yahoo.com.br/reabrasil_marte .
Morria em 1893 Josef Stefan (nascido
em 24/03/1835) físico austríaco que em 1879 Às 6:30 TU a Lua passa a 0.6 graus da
formulou a lei de estados da energia radiante estrela SAO 79650 76 GEMINORUM (mag
de um corpo negro - objeto teórico que absorve 5.4).
toda a radiação que se cai sobre ele. Sua lei foi Chuveiro de Meteoros RHO
um dos primeiros passos importantes para a GEMINÍDEOS (Rho Geminids) . A duração
compreensão da radiação de blackbody. deste chuveiro estende de 28 de dezembro a
Em 1610, Galileo datou sua primeira 28 de janeiro, com mudança diária do radiante
carta que descrevia as observações em aproximadamente +1.1 graus em RA e -0.2
telescópicas das crateras e superfície da Lua graus em DECL. O máximo acontece em 8/9
usando sua luneta com 20 aumentos. Ele de janeiro, com radiante médio na posição de
escreveu: "... é visto que a Lua não é RA=108 graus, DECL=+32 graus. Um máximo
evidentemente plana, lisa e de superfície secundário parece acontecer a 21 de janeiro de
regular, como acredita um grande numero de RA=125 graus, e DECL=+25 graus. Segundo
pessoas e dos outros corpos celestes, mas análises de Gary W. Kronk dos dados orbitais,
pelo contrário é áspera e desigual. Em resumo revela que o movimento diário do fluxo sendo
ela está cheia de proeminências e cavidades em +1.1 graus em RA e -0.2 graus em DECL.
semelhantes, mas muito maior, que as Como os dados obtidos do radiante através de
montanhas e vales esparramados em cima da órbitas fotográficas e dados de radar são muito
superfície da Terra.'' Galileu foi o primeiro em semelhante, certamente indica que existe uma
descrever o fenômeno em um ensaio com associação de duas populações distintas de
consideráveis detalhes de como era a Lua, meteoros.

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 25


EFEMÉRIDES
seu pai para investigar este fenômeno novo
Trigésimo primeiro aniversário (1973)
com ele. O brilho do centro do Sol era muito
do lançamento da as sonda Luna (Soviet Moon
doloroso, e os dois trocaram depressa para um
Lander/Rover).
método de projeção por meio de uma câmera
Em 1952 morria Antonia Maury, escura. Johannes foi o primeiro a publicar
pioneira na classificação dos espectros informação sobre tais observações em seu "
estelares. Narração em Manchas Observadas no Sol e a
Há 136 anos (1868) nascia Sir Frank Rotação Aparente delas com o Sol ", datada de
(Watson) Dyson (morreu em 25/05/1939). 13 de junho de 1611.
Astrônomo britânico educado em Cambridge, Em 8 de Janeiro de 1642 morria em
passou toda sua carreira (com exceção de 5 sua casa em Florença (Firenze) Itália Galileu
anos em Edinburgh) no Real Observatório de Galilei (nascido em 15/02/1564). Foi filósofo
Greenwich onde ele foi Astrônomo Real de naturalista, astrônomo, e matemático italiano
1910-33. Ele dirigiu medidas de magnetismo que fez contribuições fundamentais às ciências
terrestre, latitude, e tempo, e iniciou a do movimento, astronomia, força de materiais e
radiodifusão de hora via rádio. Ele determinou para o desenvolvimento do método científico.
os movimentos formais de estrelas do norte e Sua formulação de inércia (circular), a lei de
completou sua porção no projeto do Catálogo corpos cadentes, e trajetórias parabólicas
Internacional do Céu de fotografar o céu inteiro. foram o marco inicial para uma mudança
Dyson é mais conhecido por dirigir (com fundamental no estudo do movimento.
Eddington) a expedição do eclipse de 1919 que Condenado pela ''Santa Inquisição'' a
confirmou o dobrando da luz estrelar pelo permanecer em prisão domiciliar ali morreu a
campo gravitacional do Sol. Essa dobra de luz, 362 atrás. Somente em 31 de outubro de 1992
predita por Einstein, era a evidência que apóia a Santa Sé reconheceu o erro que havia
a teoria geral da relatividade de Albert Einstein. cometido contra Galileu em suas afirmativas
feitas em 1642 que a Terra girava em torno do
Em 1942 nascia Stephen W. Hawking Sol.
físico teórico inglês em cuja teoria dos buracos Em 1935, era concedida a primeira
negros utilizou a teoria da relatividade e patente norte-americana para um
mecânica quântica. Ele também trabalhou com spectrophotometer, foi emitida ao Professor
singularidades de espaço-tempo. Apregoando Arthur C. Hardy de Wellesley, esse
e defendendo a posição de Professor Lucasian, equipamento foi chamado por ele de
de Matemática. Da Universidade de ''photometric apparatus''. Sua invenção era um
Cambridge, antigamente ocupada por Sir Isaac dispositivo eletrônico capaz de descobrir dois
Newton. Afligido com a doença de Lou Gehrig milhões de sombras diferentes de cores e fazer
(amyotrophic esclerose lateral; ALS), um quadro de registro permanente dos
Atualmente está limitado a uma cadeira de resultados. A primeira máquina foi vendida em
rodas, está impossibilitado falar sem a ajuda de 24 de maio de 1935.
um sintetizador de voz de computador. Porém,
apesar dos seus próprios desafios físicos, ele 9 Janeiro, sexta-feira
continua usando sua inteligência,
conhecimento e habilidades para fazer O Cometa 58P Jackson-Neujmin em
contribuições notáveis ao campo de periélio a 1.398 UA do Sol as 23:8 TU, em
cosmologia (o estudo do universo como um r = 1.389AU delta=1.939AU mag = 19.1m
todo). Entre suas obras se destaca o livro Uma elon=42.8 graus.
História Breve de Tempo.
O Asteróide 2002 AA29 passa a 0.044
Em 1587 nascia Johannes Fabricius UA da Terra.
(morreu em 1615 com 29 anos de idade).
Astrônomo holandês que pode ter sido o O Asteróide Ceres (1) com mag 6.8 em
primeiro observador de manchas solares. Em 9 oposição à 13:9 TU em r=2.604AU
de março de 1611, ao amanhecer, Johannes delta=1.626A, elon=171.9 graus.
dirigiu seu telescópio para o sol ascendente e A Lua perto do agrupamento da
viu várias manchas escuras nele. Ele chamou Colméia (M44) às 7h UT (céu matutino).

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

26 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


EFEMÉRIDES

Binóculos provêem uma excelente visão. Em 1839, o processo de fotografia de


daguerreotipo foi anunciado na Academia
Em 1976 morria Rupert Wildt (nascido
francesa de Ciência.
em 25/06/1905). Astrônomo alemão-americano
que se especializou em estudar a atmosferas Em 1839, Thomas Henderson mediu a
dos planetas. Em 1932, identificou certa alta primeira paralaxe estelar: Alfa Centauri.
absorção (observada por Slipher) nos Em 1643, Giovanni Riccioli foi o
espectros de Júpiter e os planetas exteriores primeiro a informar o fenômeno conhecido
como indicativo de amônia e metano. Estes como a Luz Pálida de Vênus. É dito que seja
seriam componentes secundários destes uma lânguido luminescência no lado noturno
planetas que são compostos principalmente de do planeta, semelhante ao " earthshine " na
hidrogênio e hélio. Em 1937, ele especulou que Lua, embora não tão luminoso. A Luz pálida foi
a cobertura nebulosa de Vênus poderia observada quando Vênus estava no céu da
consistir em droplets de formaldeído, desde noite, e o terminator da noite do planeta está
que água parecia estar ausente. As sondas voltado para a Terra. Estudos foram tentados
enviadas a Vênus posteriormente confirmam por algumas missões espaciais, inclusive pelas
que não há água de superfície em Vênus, mas sonda Pionner e a Venera russa 11 e 12.
as nuvens contêm água, junto com enxofre e Ainda, o fenômeno permanece esporádico e a
ácido sulfúrico. explicação duvidosa, a melhor época para
Em 1848 morria Caroline Lucretia observar esse fenômeno começa em 14 de
Herschel (nascida em 16/03/1750). Astrônoma janeiro próximo.
britânica-alemã ficou conhecida por suas 10 Janeiro, sábado
contribuições para as pesquisas astronômicas
de seu irmão Sir William Herschel,; ela
executou muitos dos cálculos dos estudos do Ocultação da estrela HIP 87069 (mag
irmão e ela própria descobriu através de 7.2) por Mercúrio ao entardecer. O uso de
telescópio três nebulosas em 1783 e oito binóculo é indispensável.
cometas de 1786 a 1797. Caroline publicou o O Asteróide 4446 Carolyn passa a
Índice para as Observações de Flamsteed das 4.046 UA da Terra.
Estrelas Fixas e uma lista dos enganos dele em
Júpiter eclipsa a lua Europa (mag 6.2)
1797. Aos 10 anos ela adoece com tifo o que
subseqüentemente retardou seu crescimento. com início as 3h29.5 TU.

Em 1998, duas equipes de cientistas Saturno continua brilhando entre as


em colaborações internacionais anunciaram a estrelas de Gêmeos com mag 0.4, sendo visto
melhor quando o planeta está mais alto no céu
descoberta que as galáxias estão acelerando e
separando-se velocidades cada vez mais durante a noite.
rápidas. Esta observação implica a existência Lua em Libração Sul as 4h15.4 TU.
de uma misteriosa propriedade do espaço de Nessa ocasião o Pólo Sul da Lua está mais
auto repulsão, proposta por Albert Einstein, a visível de nossa posição na Terra.
qual ele chamou de a primeira constante Lua perto de Júpiter a 14h UT.
cosmológica. Investigadores na Inglaterra, Há 35 anos (1969) era lançada a sonda
França, Alemanha, e Suécia estão entre os
Venera 6 (Soviet Venus Lander).
membros do Projeto da Supernova Cosmologia
fundada pelo Laboratório Nacional de Berkeley Em 1936 nascia Robert Woodrow
(encabeçado por Saul Perlmutter) e também Wilson. Radio astrônomo americano que junto
pela equipe Procura de Supernovas fundada com Arno Penzuas, recebeu o prêmio Nobel
na Austrália (conduziu por Brian Schmidt). para Física em 1978 pela descoberta da
radiação de fundo de microonda cósmica
Em 1968, a sonda Surveyor 7 fez uma
usando uma antena do Bell Laboratories,
aterrissagem suave na Lua e marca o fim da Holmdel, New Jersey. A descoberta deles em
série americana de explorações não tripuladas 1964 é agora amplamente interpretada como
na superfície lunar.
sendo os restos da radiação de vários bilhões

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 27


EFEMÉRIDES
atrás do que teria sido o ''''Big Bang " da a superfície da Lua. Uma pulsação de 180
criação do universo. Wilson continua seus ondas de ciclo com uma duração 1/4 de
trabalhos de astrofísica com Penzias, procuram segundo foi irradiada pelo Army Signal Corps
moléculas interestelares e determinam as do Evans Signal Laboratories, Belmar, N.J. O
abundâncias relativas de isótopos interestelar. eco foi recebido 2.4 segundos. depois. O
O Físico soviético Pyotr Leonidovich evento provou que as ondas de rádio podem
Kapitsa também compartilhou o premio Nobel penetrar a atmosfera da Terra. A experiência
para pesquisa independente. foi supervisionada por Lt. Col. John H. De Witt,
Nascia em 1573 Simon Marius (morreu o pioneiro de radiodifusão e astrônomo amador
em 26/12/1624). Astrônomo alemão, foi aluno que primeiro teve a idéia em 1940. Suas
de Tycho Brahe, e que nomeou as quatro luas primeiras tentativas de amador foram
maiores de Júpiter como: Io, Europa, fracassadas, mas a sua chance veio alguns
Ganymede, e Callisto (1609). Seus nomes são anos, depois da Segunda guerra Mundial com
provenientes de figuras mitológicas com quem a cortesia do U.S. Army, at the Signal Corps
Júpiter se apaixonou. Ele e o astrônomo Laboratories. Durante a guerra, ele tinha
italiano Galileo Galilei reivindicaram te-las desenvolvido o radar para localizar morteiros e
descoberto em aproximadamente 1610, e é dirigir counterfire.
provável ambos fizeram isso de forma
independente. Marius foi um dos primeiros a
11 Janeiro, domingo
utilizar uma luneta e foi o primeiro a observar a
Nebulosa de Andrômeda (1612).
Em 1989 morre Valentin Petrovich O Cometa C/2003 L2 (LINEAR) passa
Glushko (nascido em 20.08/1908). Cientista de a 2.623 UA da Terra.
foguete soviético, um pioneiro em sistemas de O Asteróide 2002 CQ11 passa a 0.152
propulsão de foguete, e um dos principais UA da Terra.
contribuintes da tecnologia soviética de defesa
e espaço. Em 1929, ele trabalhou em Em 1991 morria Carl David Anderson
Leningrad no GDL - Laboratório de (nascido em 3/9/1905). Físico americano que,
GasDynamics, a organização de pesquisa de com Francis Hess da Áustria, ganhou o Prêmio
foguete militar, fundada em 1921. Glushko Nobel para Físicas em 1936 pela descoberta
trabalhou com o renomado desenhista de do positron, ou elétron positivo, a primeira
foguete Sergey Korolyov de 1932 a 1966. Os partícula conhecida de antimatéria.
dois tiveram um ano triunfante em 1957, Em 1787, William Herschel descobriu a
quando eles lançaram o primeiro projétil primeira lua de Urano, seis anos depois dele
balístico intercontinental em agosto e enviaram haver descoberto o planeta. O diâmetro de
o primeiro satélite artificial, Sputnik I, em órbita Titania é de 1610 km e sua distância do Urano
em outubro. Em 1974 Glushko se tornou o é 436,300 km.
desenhista principal para o programa espacial
soviético e ajudou no desenvolvimento da Em 1789 William Herschel descobria as
plataforma espacial Mir. Durante sua vida, ele luas Titânia e Oberon de Urano.
projetou com sucesso a maioria das máquinas Em 1988 morre Isidor Isaac Rabi
que sobem verticalmente do programa espacial (nascido em 29/07/1898). Físico americano
soviético. premiado com o Nobel para Físicas em 1944
Em 1970 morre Pavel Belyayev pela invenção (em 1937) atomic and molecular
(nascido em 26/06/1925). Cosmonauta que beam magnetic resonance method of
serviu como piloto da astronave Voskhod 2 measuring magnetic properties of atoms,
durante a oitava missão espacial tripulada da molecules, and atomic nuclei. Ele passou a
União soviética, lançada em 18/03/1965, o vôo maior parte de sua vida na Universidade de
no qual Aleksey Leonov, o co-piloto Belyayev, Columbia (1929-67), onde executou a maioria
se tornou o primeiro homem a andar no da pesquisa abrindo caminho para o radar e o
espaço. momento magnético associados com giro de
Em 1946, a equipe do U.S. Army elétron nos anos trinta. O trabalho que lhe
Project Diana lançava sinais de radar refletidos rendeu o Nobel conduziu à invenção do laser,

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

28 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


EFEMÉRIDES
desenho e teste, construção, e lançando da
o relógio atômico, e usos diagnóstico de
astronave Vostok, e a maioria dos outros
ressonância magnética nuclear.
projetos da antiga U.S.S.R. Ao redor de 1958,
Korolev discutia a mudança para vôo espacial
12 Janeiro, segunda-feira tripulado em vez dos satélites militares de
reconhecimento. Depois de muito debate, foi
Júpiter (mag -2.3) e Lua em conjunção aprovado o projeto da Vostok contanto que o
as 07:50 h (GMT -3). A 01:6 TU ambos os veículo de lançamento também pudesse ser útil
astros estão separados a 5.9 graus. A Lua está ao exército.
em Libração Oeste as 14h42.8m. A Cratera Em 1909 morre Hermann Minkowski
Grimaldi pode ser vista melhor de nossa (nascido em 22/06/1864). Matemático alemão
posição na Terra. Grimaldi tem forma meio que desenvolveu a teoria geométrica dos
elíptica e mede 225 x 235 km, é uma das números e os métodos geométricos usados
características mais notáveis na borda da Lua para resolver problemas difíceis em teoria de
(5,5 º S e 68,3 º W.), tendo cinco anéis número, físicas matemáticas, e a teoria de
concêntricos de montanhas. A melhor época relatividade. Por volta de 1907, Minkowski
para sua observação é entre 13 e 13.5 dias, percebeu que o trabalho de Lorentz e Einstein
perto da Lua Cheia. Grimaldi pode ser vista podia ser entendido melhor em um espaço não-
como uma mancha escura a qual corresponde euclidiano. Ele considerou que o espaço e o
a zona inundada de lava. A primeira coisa que tempo, que era pensado antigamente como
podemos notar é que não está totalmente sendo independentes, podiam ser juntados em
inundada. Em direção ao Sul vemos as altas uma quantidade contínua " de espaço-tempo
montanhas que chegam a 3.500 metros de quarta dimensão ". Seu modelo conhecido
altura. No extremo Norte da cratera se nota um desde então como "Minkowski espace",
rille (greta), perto dela se encontra a maior combinava as três dimensões do espaço físico
cratera em seu interior, Grimaldi-B com cerca com a de tempo, pôs a fundação matemática
de 30 km de diâmetro. Ao sul de Grimaldi-B, da teoria geral de Albert Einstein de
podemos notar o que se assemelha a três relatividade.
domos no interior da grande cratera Grimaldi. A
Em 1986 a 6:55:00 a.m. EST a
SW dos domos, vemos a cratera Grimaldi-A
lançadeira Columbia iniciava sua 24ª missão da
medindo 15 k, de diâmetro localizada sobre a
nave Columbia. Entre os objetivos dessa
parede Oeste. Precisamente a Oeste de
missão estava fotografar o cometa Halley,
Grimaldi-A podemos notar a brilhante parede
lançamento de satélite e vários experimentos
da cratera Grimaldi, e a E e SE vemos o que
científicos. A tripulação era composta por 7
parece ser um canal de lava que formou um
astronautas, entre eles o Dr Franklin R. Chang-
terraço que se eleva sobre o nível da lava no
Diaz, o primeiro astronauta hispânico-
interior cratera Grimaldim entre 100 e 200
americano a ir ao espaço.
metros de altura.
Em 1820 era criada a Royal
Astronomical Society. 13 Janeiro, terça-feira
Em 1907 nasce Sergey Pavlovich
Korolev (morreu em 14/01/1966). Desenhista O Asteróide 2001 FC58 passa a 0.047
soviético de projéteis dirigidos, foguetes, e UA de Vênus.
astronave. Foi a favor dos fundadores de O Asteróide 2003 OT 13 passa a 0.196
Grupo de Moscou para Study of Reactive UA da Terra.
Motion. Em 1933, ele participou no primeiro O asteróide 2956 Yeomans passa a
lançamento da União soviética de foguete de 1.907 UA da Terra.
propelente líquido. Como ele não era um A lua Ganymed (mag 5.1) é eclipsada
membro do Partido Comunista, passou boa por Júpiter as 2h23.7m TU. O final da ocultação
parte de sua vida em prisão domiciliar. Depois acontece as 5h54.2m.
de demonstrar sua perícia na modificação da A Lua passa a 0.7 graus da estrela
captura dos foguetes V2, Korolev dirigiu o SAO 119156 7 VIRGINIS (mag 5.2) as 8.1h TU.

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 29


EFEMÉRIDES

Mercúrio (mag -0.1) em Sagitário e primeiras astronautas norte-americanas


visto melhor entre 7.1h - 8.3h LCT. mulheres.
Chuveiro de Meteoros DRACONÍDEOS DE Em 1610, Galileu Galilei descobria a
JANEIRO (January Draconids) com duração de lua Calisto, o quarto satélite de Júpiter. Galileu
10 a 24 de janeiro e máximo prolongando de chamou originalmente as luas de Júpiter de "
13 a 16 de janeiro. A evidência que apóia a planetas de Medicean", em homenagem a
existência deste fluxo é escassa, mas o que faz família florentina dos Medici e se referiu a elas
este chuveiro interessante é que as numericamente como as luas individual I, II, III
observações disponíveis parecem e IV. Esse sistema de nomenclatura seria
razoavelmente apontar para um chuveiro de usado durante um par de séculos. Em meados
pequena duração. O maior apoio para este de 1800 os nomes das luas Galileanas Io,
fluxo apareceu durante 1969 na sessão de Europa, Ganymede e Callisto, seria adotado
Zdenek Sekanina do Projeto de Rádio Meteoro. oficialmente. É sabido agora que Callisto é
Um total de 32 meteoros foi descoberto durante maior que o planeta Mercúrio, é composta
13 a 17 de janeiro de um radiante médio a principalmente de água e gelo de água com
RA=245.9 graus, DECL=+62.4 graus. quantidades grandes de gelo expostas na
Em 1864 nascia Wilhelm Wien (morreu superfície.
em 30/08/1928). Físico alemão que recebeu o
Nobel para Físicas em 1911 pela lei do
deslocamento relativo à radiação emitido pelo 14 Janeiro, quarta-feira
blackbody (corpo negro) perfeitamente eficiente
(uma superfície absorve toda a energia
radiante que se incide sobre ele). Enquanto Marte Oculta a estrela TYC 0025-
estudava fluxos de gás ionizado em 1898, 00636 (mag 8.7).
Wien identificou uma partícula positiva igual em As 2:8 TU a Lua passa a 0.9 graus da
massa a do átomo de hidrogênio. Com este estrela SAO 138917 PORRIMA (GAMMA
trabalho, ele fundamentou a espectroscopia de VIRGINI, (mag 2.9).
massa. J J Thomson refinou o aparato de Wien A Lua passa a 0.93 graus a sul de
e administrou experiências adicionais em 1913, Urano as 21:45 h (GMT -3).
depois do trabalho de E. Rutherford em 1919, Hoje começa um bom período para
foi aceita a partícula de Wien nomeada como observação da luz cinzenta em Vênus.
próton. Wien também fez contribuições Informações de como observar o brilhante
importantes ao estudo de raios de cátodo, e Vênus se encontra no website Terra de Ishtar
outros importantes trabalhos. em: www.astroseti.hpg.ig.com.br/luzcinz.htm
Em 1845 nascia François Félix Chuveiro de Meteoros CANÍDEOS
Tisserand (morreu em 20/10/1896). Astrônomo (Canids) com duração de 13 a 30 de janeiro e
francês ficou conhecido por seu livro de ensino máximo estendido num período de 14 a 25 de
Traité de mécanique céleste, 4 vol. (1889-96; " janeiro Nenhuma observação visual
Tratado de Mecânicas Celeste"). Este trabalho, convincente foi registrada deste radiante e a
uma atualização do trabalho de Pierre- Simon prova de sua existência vem puramente das
Laplace no mesmo assunto, ainda é usado duas pesquisas de meteoro de rádio
como um sourcebook por autores que administradas por Zdenek Sekanina durante os
escrevem sobre mecânicas celestes. Com 28 anos sessenta. Considerando que estas
de idade, ele foi nomeado Diretor do pesquisas podem descobrir meteoros abaixo
Observatório de Toulouse (1873-78). Em 1874, da visibilidade a olho nu, observações futuras
Tisserand foi ao Japão para observar o trânsito provavelmente serão novamente através de
de Vênus pelo Sol. Em 1875, ele instalou um sistemas sensíveis de rádio e radar, embora
telescópio de 83 cm no Observatório de observadores que usam binóculos ou
Toulouse, mas a base de madeira não era telescópios poderiam ver alguns. As pesquisas
suficientemente estável, mas Tisserand pôde das sessões de Sekanina no Projeto de Rádio
usar o instrumento para observação dos Meteoros indicam que este fluxo é ativo de 13 a
satélites de Júpiter e de Saturno. 30 de janeiro. Provavelmente o radiante médio
Em 1978, a NASA selecionou suas agora esteja em RA=113.4 graus,

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

30 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


EFEMÉRIDES

DECL=+12.6 graus, enquanto seu movimento aprovado o projeto da Vostok contanto o


diário é +0.97 graus em RA e -0.35 graus em veículo de lançamento também pudesse ser útil
DECL. ao exército.
Pelo velho calendário romano instituído Em 1905 morria Ernst Abbe (nascido
por Julius Caesar em 46 A.C., hoje começa o em 23/01/ 1840). Físico alemão que fez
ano 2757. Como o calendário de César não inovações teóricas e técnicas na concepção
fosse bastante certo, em 1582 o Papa Gregory óptica. Ele melhorou o desenho do
modificou o Calendário Juliano e passou a ser microscópio, como o uso de uma lente
conhecido como o Calendário Gregoriano, condensadora para prover iluminação forte e
sendo o atual calendário usado pela maioria plana (1870). Sua fórmula óptica aplicada a
das nações. Alguns ainda consideram o uma lente forma uma imagem afiada, livre de
sistema do calendário atual incorreto e distorção. Ele inventou o refractometer de Abbe
continuam propondo reformas. Veja, por para determinar o índice refrativo de
exemplo: http://personal.ecu.edu/mccartyr/ substâncias. Em 1866, ele se uniu a Carl Zeiss
em trabalhos ópticos, depois se tornou sócio da
calendar-reform.html.
companhia, e com a morte de Zeiss, em 1888
Em 1943 nascia Shannon Lucid. se torna dono da companhia.
Bioquímica e astronauta americana que ficou a Concorrentemente, ele foi designado professor
bordo plataforma espacial russa Mir em 1996 ao Univ. de Jena em 1870 e diretor de seus
por 188 dias. Em 1976, quando NASA observatórios astronômicos e meteorológicos
anunciou que começaria a aceitar mulheres no em 1878.
programa espacial, Lucid imediatamente se
Em 1742 morria Edmond Halley
candidatou. Seu primeiro vôo em lançadeira
(nascido em 8/12/1656). Astrônomo e
aconteceu em Junho de 1985 na Discovery,
matemático inglês nascido em Londres é
seguida pelo Atlantis em outubro de 1989 e
conhecido melhor por seu trabalho de 1682 em
agosto de 1991, onde ela administrou uma
reconhecer, calcular a órbita e prever seu
variedade de experiências biomédicas. Em
reaparecimento de um luminoso cometa que
outubro de 1993, ela se tornou a primeira
posteriormente recebeu o seu nome, o Cometa
mulher a viajar ao espaço em quatro ocasiões
Halley. Ele não chegou a ver suas previsões se
separadas na Columbia e marca um recorde
confirmarem pois morreu pouco antes da data
durante o tempo de vôo total acumulado por
prevista do reaparecimento do cometa. Halley
um astronauta mulher em lançadeira (838
se tornou um membro influente da Sociedade
horas, 54 minutos). Na Mir, ela executou
Real e amigo de Newton, a publicação do
experiências, principalmente nos efeitos de
Philosophiae Naturalis Mathematica de
longterm de vôo espacial no corpo humano.
Principia de Newton foi devida em grande parte
Em 1966 morria Sergey Pavlovich
devido a Halley. Ele se tornou o professor de
Korolev (nasceu em 12/01/1907). Desenhista
geometria em Oxford e posteriormente foi
soviético de projéteis dirigidos, foguetes, e
designado Astrônomo Royal. Ele percebeu que
astronave. Ele foi a favor um dos fundadores
as nebulosas eram nuvens de gás luminoso
de Grupo de Moscou do Estudo de Movimento
entre as estrelas, e que a aurora era um
de Reactive. Em 1933, ele participou no
fenômeno conectado com o magnetismo da
primeiro lançamento da União soviética de um
terra.
foguete com propulsor líquido. Como ele não
era membro do Partido Comunista, passou
grande parte de sua vida em prisão domiciliar. 15 Janeiro, quinta-feira
Depois de demonstrar sua perícia na
modificação de capturaram dos foguetes V2,
Korolev dirigiu o desenho e testes, construção, A Lua de Quarto Minguante ou Último
e lançando da astronave Vostok, e a maioria Quarto acontece a 01:46 h (GMT -3). Esse é
dos outros projetos da antiga U.S.S.R. Ao redor um bom momento para pegar seu instrumento
1958, após muito debate sobre a substituição e observar o terminador da Lua com suas
dos satélites de reconhecimento militar pelos magníficas crateras e demais acidentes
vôos tripulados, Korolev conseguiu que fosse topográficos da bela Luna.

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 31


EFEMÉRIDES

16 Janeiro, sexta-feira
O asteróide 2001 BE10 passa a 0.060
UA da Terra.
O asteróide 1996 AE2 passa a 0.146
O Asteróide 2000 CH59 passa a 0.200 UA da Terra.
UA da Terra. Chuveiro de Meteoros BOOTIDEOS
Vênus (mag -4) passa entre 0.87° a 0.9 DE JANEIRO JBO - (January Bootids) com
graus de Urano (mag +5.9) a 7 TU. Essa é uma duração de 9 a 18 de janeiro. Este chuveiro de
rara oportunidade tanto para observar ambos duração bastante pequena alcança máximo ao
os planeta no mesmo campo de visão através redor de 16 a 18 de janeiro, de um radiante
de instrumentos e obtenção de um excepcional médio a RA=226 graus, DECL=+44 graus. A
registro fotográfico. Atente para o fato que evidência mais forte para a existência deste
ambos os planetas se põe em torno das 21 chuveiro de meteoro de pequena duração foi
horas (GMT -2 horário de verão). obtida por Zdenek Sekanina em 1969, durante
a segunda sessão do Projeto de Meteoro de
Em 1976 era lançado o orbitador solar Rádio. A órbita estava baseada em 15
Helios 2. meteoros e é notavelmente semelhante à
Em 1815 nascia Warren De la Rue classe dos asteróides do grupo Aten, ou corpos
(morreu em 19/04/1889). Pioneiro inglês em com eixo semimaior a menos de 1 AU de
fotografia astronômica, o método pelo qual são distância de nós. Ao mesmo tempo a duração
feitas quase todas as observações pequena do chuveiro poderia indicar que o
astronômicas modernas. fluxo é bastante jovem, de forma que o objeto
de origem desses meteoros ainda pode estar
Em 1948 morria Henri-Alexandre
se mudando para essa órbita ou uma órbita
Deslandres (nascido em 24/07/1853). Físico e
semelhante.
astrofísico francês que em 1894 inventou um
Chuveiro de Meteoros ETA
spectroheliograph, um instrumento que
CRATERÍDEOS (Eta Craterids). Este fraco
fotografa o Sol em luz monocromática.
chuveiro é visível durante o período de 11 a 22
Aproximadamente um ano antes George E.
de janeiro e sua atividade de máximo acontece
Hale havia tinha inventado um
ao redor de 16-17 de janeiro quando o radiante
spectroheliograph independentemente nos
médio está a RA=176 graus, DECL=-17 graus.
Estados Unidos.) De 1886 a 1891 ele estudou
O chuveiro consiste em meteoros geralmente
os espectros da radiação emitidos por
rápidos, com raias. A magnitude média
moléculas. Se juntando ao Observatório de
provavelmente não está acima de 4 e pode ser
Paris em 1889, ele se voltou para a astrofísica
melhor visto do Hemisfério Meridional. A
e estuda primeiro os espectros moleculares e
conclusão obtida de vários estudos
então os espectros de planetas, o Sol, e outras
relacionados a existência deste fluxo foi que
estrelas.
este radiante possui uma baixa taxa de hora
Em 1969 acontecia o primeiro docking , em hora (dificilmente acima da taxa para
a ancoragem de duas astronaves tripuladas meteoros esporádicos) e pode ser de natureza
entre as naves soviética Soyuz 4 e Soyuz 5. A irregular ou periódica, em vez de um chuveiro
astronave formou a "primeira plataforma anual. O fluxo é quase destituído de meteoros
espacial " do mundo com uma tripulação de luminosos com uma magnitude média não
quatro cosmonautas. Elas permaneceram maior que 4. Para observadores do Hemisfério
ligadas durante quatro horas e meia - três Norte localizado próximo as latitudes
órbitas da Terra. Durante aquele tempo, dois equatoriais, aqueles que podem, verão os
cosmonautas ' fizeram uma caminhada meteoros ficarem visíveis provavelmente a
espacial da Soyuz 4 para a Soyuz 5, se todas as horas quando o radiante está acima
tornando os primeiros spacefarers a voltar para do horizonte. O radiante alcança o meridiano
a Terra em uma astronave diferente da qual aproximadamente às 4 da manhã (hora local),
eles foram ao espaço. As manobras de docking sendo que a altitude para observadores de
haviam sido antes treinadas por duas vezes - Hemisfério mais ao norte nunca excede 35
em 1967 e 1968 entre naves Soyuz sob graus. Portanto, este será um bom chuveiro a
controle completamente automático. ser valorizado pelos observadores do

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

32 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


EFEMÉRIDES
Hemisfério Sul a fim de colher melhores dados amanhecer.
sobre esse radiante e assim colaborar para Vênus oculta a estrela PPM 240224
melhor comprovação e fornecer subsídios mais (mag 9.6).
efetivos sobre os Eta Craterids.
O Cometa C/2002 T5 em sua máxima
Em 1730 nascia Jean-Baptiste- aproximação da Terra a 3.121 UA.
Gaspard Bochart de Saron (morreu em Chuveiro de Meteoros DELTA CANCRIDEOS -
20/04/1794). Advogado e cientista naturalista DCA (Delta Cancrids) com duração de 14 de
francês que se tornaram especialmente dezembro de 14 de fevereiro e máximo em 17
conhecido pelos seus avanços em astronomia. de janeiro ao redor de um radiante médio em
Ele era um protetor das ciências e financia a A=128 graus, DECL=+20 graus.. Este chuveiro
publicação da Teoria do Movimento de Laplace exibe uma duração tipicamente longa que é
e Figura Elíptica dos Planetas (1784), e uma característica principal dos fluxos de
desenvolvendo um das maiores e melhores eclíptica. Um centro secundário pode estar a
coleções da Europa de telescópios e outros aproximadamente 5° para o sul com um
instrumentos astronômicos para seu próprio máximo muito fraco que acontece de 19 de
uso dele e uso de seus amigos de ciências. Os janeiro ao redor de um radiante médio a
próprios estudos de Bochart incluíram cálculo RA=133 graus, DECL=+14 graus. O movimento
das órbitas de cometas e o uso de seus dados diário do fluxo Delta Cancrideos (Delta
contribuiu para elaborar os cálculos de cometas Cancrids) é +1.0 graus em RA e -0.2 graus em
de longo período se Charles Messier. A suas DECL. A filial do norte é o filamento mais forte
atividades políticas fez com que ele fosse deste chuveiro. A pesquisa mais completa
conduzido a guilhotina durante a Revolução desta filial foi obtida de 1968 a 1969, em
francesa. sessão do Projeto de Rádio Meteoro. A órbita
Em 1991, astrônomos informam a obtida por Zdenek Sekanina foi baseada em 37
descoberta de duas estrelas extremamente meteoros. A filial meridional é certamente fraca
grandes e quentes pelo Telescópio Espacial e está baseado em uma pesquisa de rádio
Hubble. meteoro do hemisfério meridional em 1961 e
um punhado de meteoros fotográficos
Em 1978, a NASA nomeia 35
descobertos durante o início da década de
candidatos para voar na nave espacial,
1950.
inclusive Sally K. Ride que se tornou a primeira
mulher da América no espaço e Guion S. Em 1997 a sonda automática Galileo
Bluford Jr., que se tornou o primeiro astronauta captava as primeiras imagens da lua Europa de
negro da América no espaço. Em 1973, o Júpiter.
Lunakhod 2 de URSS começa a exploração por Em 1997 morria Clyde W. Tombaugh
rádio controle da Lua. Ancorando primeiro em (nascido em 4/02/1906). Astrônomo americano
espaço Em 1969, duas astronaves soviéticas que descobriu o planeta o Plutão em 1930, o
da série Soyuz tripuladas (Soyuz 4 e Soyuz 5) único planeta descobriu no século XX, depois
foram os primeiros veículos a acoplarem no que uma sistemática procura instigada pelas
espaço e trocar tripulantes. predições de outros astrônomos. Tombaugh
Em 1909, o explorador britânico Ernest tinha 24 anos de idade quando ele fez esta
Shackleton encontrou o Pólo Magnético Sul da descoberta no Observatório de Lowell em
Terra. Flagstaff, Arizona. Ele também descobriu vários
agrupamentos de estrelas e galáxias, estudou
a distribuição aparente de nebulosas
17 Janeiro, sábado extragaláctica, e fez observações das
superfícies de Marte, Vênus, Júpiter, Saturno, e
a Lua. Filho de fazendeiros pobres, seu
Mercúrio em Máxima Elongação a 24 primeiro telescópio foi feito de partes de sucata
graus a Oeste do Sol as 06:17 h (GMT -3). de equipamento agrícolas.
Mercúrio (mag. 0.2) visível no baixo sudeste a
Em 1938 morria William Henry
aproximadamente 45 minutos antes do
Pickering (nascido em 15/02/1858). Astrônomo

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 33


EFEMÉRIDES

americano que descobriu Phoebe, a nona lua A Lua em Perigeu (mais íntimo a Terra)
de Saturno em 1899. Este foi o primeiro satélite a 19h UT., a distância de 362,770 km e
planetário com movimento retrógrado a ser tamanho angular de 32.9 '.
descoberto, i.e., com movimento orbital no A Lua passa a 11.49 graus a sul de
sentido oposto ao dos planetas. Ele montou Plutão as 2:16 h (GMT -3). Plutão é o último
várias estações de observação para Harvard. dos planetas descoberto e o nono em distância
Realizou extensas observações de Marte e do Sol. Ainda depois da descoberta de Netuno,
reivindicou, como Lowell, que ele avistara irregularidades minúsculas existiram no
sinais de vida no planeta observando o que ele movimento observado de Urano e Netuno.
achou ser oásis em 1892. Porém, ele foi mais Lowell predisse a existência de Plutão através
adiante que Lowell quando em 1903 ele disse de cálculo. O planeta foi descoberto de fato 16
ter observado sinais de vida na Lua. anos depois da morte de Lowell, por Clyde
Tombaugh em 1930, mas há vários graus de
arco da posição predita. Porém, o pequeno
18 Janeiro, domingo tamanho de Plutão - menos que o diâmetro de
nossa Lua - não parece resolver todas as
Vênus oculta a estrela TYC 5807- irregularidades observadas do movimento dos
01427-1 (mag 8.6). planetas exteriores. Plutão é um corpo sólido
que provavelmente é coberto de gelo - metano
O Asteróide 2212 Hephaistos passa a sólido, amônio e dióxido de carbono.
0.033 UA da Terra. Realmente é um lugar frio com
A Lua passa a 0.4 de separação da aproximadamente -220°C, mas a luz do Sol
estrela SAO 184382 RHO OPHIUCHI (mag 4.8) ainda lustra 1500 vezes mais luminosa que
as 6:1 h TU. nossa lua cheia iluminando a Terra. A órbita
fortemente elíptica do pequeno planeta põe
A Lua perto de Antares a 10h UT (céu Plutão ao redor do tempo de periélio dentro da
matutino). Ao amanhecer de amanhã a Lua órbita de Netuno. Plutão esteve em periélio em
estará em conjunção com a Estrela Antares da
1989 e foi o oitavo planeta mais distante até
constelação do Escorpião. 1999. Em 1978 foi descoberto um satélite de
O Cometa 2P Encke (mag entre 8 e Plutão: Charon cujo diâmetro mede mais que a
9.2) localiza-se na constelação do Sagitário AR metade de Plutão. O Telescópio Espacial
18h 47m 35.6s e Declinação -27° 54' 42"e Hubble produziu um mapa do albedo da
Elongation: 18.7°. O cometa nasce em torno superfície do planeta. Não é possível para
das 04:12 hora e se põe em torno das 17h 54m telescópio amador até de maior abertura ver
27s. e o Sol nasce em torno das 05:40 h. Esse Plutão como um disco brilhante, porque ele
é um pequeno desafio para tentar localizar o brilha como uma mancha escura de luz a
cometa de menor período orbital. aproximadamente 14 de magnitude.
Em 1969, pulsares foram identificados Trânsito da lua Europa (mag 6.1) sobre
pela primeira vez por Astrônomos da o disco iluminado de Júpiter com início as
Universidade do Arizona. 2h09.9m TU. A passagem da sombra termina
as 3h05.1m TU. E o final do trânsito termina as
4h58.7m TU.
19 Janeiro, segunda-feira
A Via-Láctea está posicionada melhor
para observação no hemisfério sul às 2.9 h TU.
Ao amanhecer de amanhã acontece
uma conjunção da Lua com o planeta Mercúrio. Em 1851 nascia Jacobus Cornelius
Mercúrio oculta a estrela TYC 6277-01052-1 Kapteyn (morreu em 18/06/1922). Astrônomo
(mag 9.4). holandês que usava fotografia e métodos
Mercúrio (mag -0.2) e a Lua a 8.8 graus estatísticos para determinar os movimentos e
de separação as 7.4h TU. distribuição das estrelas no espaço. Seus
O Cometa C/2003 L2 (LINEAR) em trabalhos foi o primeiro maior passo após os
Periélio a 2.865 UA do Sol. trabalhos de William e John Herschel. Ele
tentou resolver as perguntas de densidade

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

34 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


EFEMÉRIDES

espacial de estrelas como uma função de chuveiro apresenta dois fluxos. Segundo os
distância do Sol, e sua distribuição de acordo dados obtidos por Gary W. Kronk, o primeiro
com brilho por volume de unidade. Alguns de radiante, composto de 4 meteoros de rádio e 2
seus resultados tiveram valor duradouro, mas meteoros fotográficos, é aparentemente
alguns foram superficiais porque ele não responsável pela atividade visual. A duração
respondia pela absorção interestelar. Em vai de10 a 28 de janeiro. A passagem nodal
estudos que usam movimento formal para acontece em 17 de janeiro, com o radiante
determinar as distâncias estelares, ele estando então a RA=135.9 graus, DECL=-10.0
descobriu que os movimentos estelares não graus. O movimento diário radiante é +0.98
são fortuitos (1904) como era anteriormente graus em RA e -0.57 graus em Decl.. O outro
pensando. Ele introduziu o conceito de fluxo é composto de 15 meteoros de rádio e é
magnitude absoluta e cores indexadas como ativo de 11 a 30 de janeiro. A passagem de
conceitos padronizados. nodal acontece em 21 de janeiro de RA=149.0
Em 1747 nascia Johann Elert Bode graus, DECL=-9.1 graus. O movimento diário é
(morreu em 23/12/1826. Astrônomo alemão +0.88 graus em RA e -0.51 graus em DECL.
melhor conhecido pela popularização de Como os dados de radar cobriram
chamada Lei de Bode. Em 1766, o compatriota adequadamente o período de 20 a 2 5 de
dele Johann Titius tinha descoberto uma janeiro, é possível que os máximos de ambos
relação matemática curiosa da distancia dos os fluxos podem acontecer depois das datas
planetas em relação ao Sol. Se somados 4 a indicadas das passagens nodais.
cada número na série 0, 3, 6, 12, 24,... e as Em 1930 nascia Edwin Eugene Aldrin,
respostas divididas por 10, a sucessão Jr. Astronauta americano que marcou um
resultante dá as distâncias dos planetas em recorde de atividade de extraveicular e foi o
unidades astronômicas (terra = 1). Também segundo homem a colocar os pé na Lua na
conhecido como a Lei Titius-Bode. Esse missão Apollo 11.
modelo entrou em desuso após a descoberta
de Netuno que não se enquadrava nesse Em 1969, astrônomos na Universidade
modelo e nem o planeta Plutão. Bode foi diretor de Arizona estabeleceram a primeira
do Observatório de Berlim onde ele publicou identificação óptica de um pulsar.
Uranographia (1801), um das primeiras Em 1633, Galileu, com a idade 68
tentativas prósperas a traçar todas as estrelas anos, deixa sua casa em Florença, Itália, para
visível a olho nu sem qualquer interpretação enfrentar a Inquisição em Roma. Em 22 de
artística das figuras das constelações. Junho de 1633, sob as ameaças e
interrogatório da Inquisição, publicamente
Galileu aparentemente renunciou sua
20 Janeiro, terça-feira convicção de que a Terra girava ao redor do
Sol.
Conjunção de Mercúrio com a Lua. A
bela Lua passa a 4.75 graus a sul de Mercúrio 21 Janeiro, quarta-feira
a 00:15 h (GMT -3).
Mercúrio oculta a estrela TYC 6278- Pelo Calendário Persa hoje é o
00447-1 (mag 10.0). Primeiro dia do Bahman, o 11° mês do ano
A lua Io (mag 5.5) é eclipsada por 1382.
Júpiter as 4h12.7m. Io reaparece da ocultação A Lua Nova acontece as 18:15 h (GMT
a 7h25.6m TU. -3, começando a Lunação 1003.
O Sol entra na constelação de Aquário O Asteróide 2002 AL14 passa a 0.156 UA da
as 18h TU. Terra. A obra da lua Io (mag 5.5) inicia sua
Chuveiro de Meteoros ALFA passagem sobre o disco de Júpiter a 1h32.5m
HYDRIDEOS (Alpha Hidrids) com duração de TU. O Trânsito de Io começa as 2h27.9m. O
15 a 30 de janeiro e máximo em 20/21 de final da sombra termina as 3h48.8m e o
janeiro. As taxas prevista são de 2 a 5 Trânsito termina as 4h42.7m TU.
meteoros por hora de um radiante de RA=140 Para quem reside nas latitudes meio-
graus, DECL = -9 graus. Aparentemente este norte pode observar de uma localização

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 35


EFEMÉRIDES

escura a luz zodiacal ao término do crepúsculo tem uma órbita altamente elíptica ela o leva por
astronômico, cerca de 1 1/2 a 1 3/4 horas algum tempo para mais íntimo do Sol que a
depois do pôr-do-sol. A forma piramidal pode órbita de Netuno.
ser facilmente confundida com o brilho do
Em 1472, o Grande cometa visível a
crepúsculo, assim confira o tempo
luz do dia de 1472 passou dentro de 10.5
cuidadosamente para se assegurar que o
milhões de km da Terra.
crepúsculo terminou. A luz zodiacal segue ao
longo do zodíaco (conseqüentemente o nome)
que atualmente está subindo fora do horizonte 22 Janeiro, quinta-feira
oeste-sudoeste. O fenômeno é criado pela luz
solar refletida na poeira localizada dentro do
plano do nosso Sistema Solar. Pelo Calendário Civil Indiano, hoje é o
Chuveiro de Meteoros ETA CARINÍDEOS (Eta primeiro dia do Magha, o 11° Mês do ano de
Carinids). A duração deste chuveiro de meteoro 1925.
estende-se de 14 a 27 de janeiro, com Máximo
parecendo acontecer a 20/21 de janeiro ao O Cometa 40P Vaisala em Periélio em
redor de RA=160 graus, DECL=-59 graus, e r=1.796AU delta=1.550AU mag=14.1m
com ZHRs de 2 a 3 meteoros. elon=87.3 graus, a 1.796 UA do Sol. A Lua em
Libração Norte as 23h26.5m TU. O Pólo Norte
Em 1908 nascia Bengt (o Georg da Lua é melgor visto.
Daniel) Strömgren (morreu em 4/7/1987.
Astrofísico dinamarquês que abriu caminho A Lua em conjunção com Netuno
para o conhecimento atual das nuvens de gás passa a 5.17 graus a sul do planeta as 10:25 h
no espaço. Pesquisando para sua teoria da (GMT -3). Netuno foi descoberto por causa de
ionização do gás das nebulosas ao redor de irregularidades do movimento de Urano através
estrelas quentes, ele achou relações entre a de cálculos por Leverrier e Adams; e foi visto
densidade de gás, a luminosidade da estrela, e pela primeira vez ao telescópio em 23 de
o tamanho da " esfera " de Strömgren de setembro de 1846. Quando visto ao telescópio
hidrogênio ionizado ao redor delas. Ele amador eles se revela como um planeta escuro
inspecionou as regiões de H II na Galáxia, e de disco azulado. Com magnitude 7.7 também
também fez importante trabalho em relação as é um objeto binocular. Não é possível ver
atmosferas estelares e ionização em estrelas. detalhes de seu manto nebuloso da Terra.
Em 1892 morria John Couch Adams O Asteróide 1997 AC11 passa a 0.166
(nascido em 5/6/1819). Matemático e UA da Terra.
astrônomo britânico, foi um dos dois estudiosos
que independentemente descobriram o planeta Trigésimo sexto aniversário (1968) da
Netuno. Em 3 de julho de 1841, Adams havia Apollo 5.
anotado em seu diário: "Formed a design in the Em 1992 a primeira astronauta
beginning of this week of investigating, as soon canadense Roberta Bondar ia ao espaço.
as possible after taking my degree, the
irregularities in the motion of Uranus ... in order Em 1865 nascia Louis Paschen
to find out whether they may be attributed to the (morreu em 25/02/1947). Louis Carl Heinrich
action of an undiscovered planet beyond it." " Friedrich Paschen foi um físico alemão que
Adams fez muitas outras contribuições a provavelmente foi o espectroscopita
astronomia, notavelmente seus estudos sobre experimental mais hábil do seu tempo. Em
o chuveiro de meteoros Leonideos (1866) onde 1895, ele estudou o espectro do elemento
ele mostrou que a órbita desse chuveiro era terrestre então recentemente descoberto, o
bem parecida com a de um cometa. Assim hélio. Em 1908, ele descobriu uma série nova
Adams pôde concluir corretamente que de linhas no espectro do hidrogênio, conhecido
chuveiro de meteoro era associado com o como a série de Paschen.
cometa. Adams considerou o movimento da Em 1592 nascia Pierre Gassendi
Lua, e estudou o magnetismo terrestre. (morreu em 24/10/1655). Cientista, matemático,
Em 1979, Netuno se tornou o planeta e filósofo francês que reavivou o Epicureanism
mais externo do Sistema Solar , como Plutão como um substituto ao Aristotelianism. Kepler

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

36 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


EFEMÉRIDES

tinha predito um trânsito de Mercúrio que Em 1857 nascia Andrija Mohorovicic


aconteceria em 1631. Gassendi usou um (morreu em 18/12/1936). O meteorologista e
telescópio Galileano para observar o trânsito, geofísico croata que descobriu o limite entre a
projetando a imagem do sol em uma tela de crosta da Terra , um limite agora nomeado de
papel. Ele escreveu em astronomia, suas Descontinuidade de Mohorovicic. Em 1901 ele
próprias observações astronômicas e em foi designado chefe do serviço meteorológico
corpos cadentes. da Croácia e Slavonia, gradualmente ele
Em 1997, Lottie Williams americano era estendeu suas atividades do observatório para
reportado como o primeiro ser humano a ser outros campos da geofísica: sismologia,
golpeado por restos de um veículo espacial geomagnetismo e gravitação. Depois do
depois de reentrar na atmosfera da terra. Às 3 terremoto de 8 de outubro de 1909 em
da manhã, enquanto entrando em um parque Pokuplje (Vale de Kupa), ele analisou o
em Tulsa, Oklahoma, ela viu um clarão sobre espalhamento das ondas sísmicas com
sua cabeça. " Se parecia com um meteoro, " profundidades rasas pela Terra. Sendo o
ela disse. Minutos depois, ela foi atingida no primeiro a estabelecer, em base de ondas
ombro por um pedaço de seis polegadas de sísmicas, uma superfície de descontinuidade
material metálico enegrecido. O escombro que da velocidade que separa a crosta da Terra do
golpeou a Sra. Williams não foi examinado para manto, agora conhecida como a
confirmar sua origem, mas o foguete Delta II Descontinuidade de Mohorovicic.
que sobe verticalmente, lançado nove meses Em 1840 nascia Ernst Abbe (morreu
antes, havia se chocado com a atmosfera da em 14/01/1905). Físico alemão que fez
Terra meia hora mais cedo. Cientistas de inovações teóricas e técnicas na teoria óptica.
NASA acreditam que Williams foi acertada por Em 1719 nascia John Landen (morreu em
uma parte desse foguete e isso faz dela a 15/01/1790). Matemático britânico que fez
única pessoa no mundo conhecida por ter sido contribuições importantes em integrais
atingida por escombro espacial artificial. elípticos. Landen inventou uma transformação
importante, conhecido com seu nome e dá uma
relação entre funções elípticas que expressam
23 Janeiro, sexta-feira um arco hiperbólico em termos de duas
elípticas. Ele também resolveu o problema do
topo girando e explicou o erro de Newton
Pelo Calendário Hebreu começa ao calculando a precessão. Landen foi eleito
pôr-do-sol o primeiro dia do Shevat, quinto mês Membro da Sociedade Real em 1766. Ele
do ano 5764. corrigiu o resultado de Stewart na distância de
Pelo Calendário Tabular Islâmico o Sol-Terra (1771).
primeiro dia Dhu al-Hijjah, 12° mês do ano de Em 1810 morria Johann Wilhelm Ritter
1424 começa ao pôr-do-sol. (nascido em 16/12/1776). Físico alemão que
A Lua em conjunção com Urano. A Lua descobriu a região ultravioleta do espectro e
passa a 4.47 gruas a sul de Urano as 17:46 h assim ajudou a alarga a visão de homem além
(GMT -3). Urano foi descoberto por William da região estreita de luz visível que cercar o
Herschel em 1781. O terceiro planeta gasoso espectro eletromagnético inteiro dos raios
do Sistema Solar tem um diâmetro gama menores para as ondas de rádio mais
aproximadamente de metade o tamanho de longas.
Saturno, e tem tamanho semelhante ao de Em 1930, Clyde Tombaugh fotografou
Netuno. O minúsculo disco esverdeado de o planeta Plutão.
Urano tem um brilho que o faz perceptível ao
olho sem ajuda (mag 5.9) em excelentes
condições de céu e longe da poluição luminosa 24 Janeiro, sábado
das cidades. Telescópios até maiores
normalmente não mostram distinção de
detalhes de seu manto nebuloso, como faixas Lua em Libração Máxima as 10h16.5m
ou redemoinhos. TU.

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 37


EFEMÉRIDES

Vênus em conjunção com a Lua as 13:08 (GMT polígono inscrito regular de 17 lados usando
-3). A Lua passa a 2.39 graus a sul de Vênus apenas bússolas. Entre outras coisas, ele
as 18:45 h (GMT -3) a 38° do Sol. também deu uma solução geométrica a
Chuveiro de Meteoros ALFA LEONÍDEOS equações quadráticas.
(Alpha Leonids) com duração de 13 de janeiro Em 1915 morria Arthur von Auwers
a 13 de fevereiro e máximo acontecendo de 24 (nasceu em 12/09/1838). (Georg Friedrich
a 31 de janeiro. A evidência mais forte para a Julius) o Arthur von Auwers foi astrônomo
existência deste fluxo vem das de sessões do alemão conhecido pelos seus catálogos de
Projeto de Rádio Meteoro realizada por Zdenek estrela extremamente precisos. Ele também
Sekanina durante os anos de 1960. A duração pesquisou a paralaxe solar e estelar, fez uma
do fluxo definitivamente cobre o período de 13 nova redução das observações de James
de janeiro a 13 de fevereiro, mas pode começar Bradley e medidas das distâncias de estrelas.
de fato já em 28 de dezembro. O Máximo Auwers também observou estrelas duplas, e
acontece alguns dias durante a última semana com precisão calculou as órbitas das estrelas
de janeiro, com um radiante médio próximo a duplas Sírius e Procyon.
RA=156 graus e DECL=+9 graus.
Provavelmente este fluxo é um bom exemplo Em 1914 morria Sir David Gill (nascido
de chuveiro telescópico, mas também existem em 12/06/1843). Astrônomo escocês conhecido
evidências visuais com um máximo ZHR de até pelas suas medidas de paralaxe solar e estelar
mesmo 10 meteoros por hora quando o e mostrar as distâncias do Sol e outras estrelas
radiante está no zênite. A baixa inclinação da Terra, e o uso de fotografia para traçado do
orbital do fluxo faz dele aparentemente um céu. Para determinar a paralaxe, ele
fluxo difícil de ser estabelecido. aperfeiçoou o uso do heliometer, um telescópio
que usa uma imagem fendida para medir a
Em 1832 nascia Jan Harold Delos separação angular dos corpos celestes.
Babcock (morreu em 08/04/1968). Astrônomo Em 1986, a sonda espacial Voyager II fez seu
americano que juntamente com seu filho, primeiro voar por Urano a uma distância de
Horace, inventou o magnetograph solar (1951), 81,593 km do planeta, realizando dezenas de
para observação detalhada do campo fotografias, e descobrindo novas luas .
magnético do Sol. Os Babcocks mediram a Atualmente a Voyager está deixando o Sistema
distribuição dos campos magnéticos em cima Solar.
da superfície solar com precisão sem
precedente e magneticamente descobriram Em 1925, era feito um filme de um
estrelas variáveis com o magnetograph deles. eclipse solar levado realizado de um dirigível
Em 1959 Harold Babcock anunciou que o Sol em cima de Long Island, NY. Em 1544, um
inverte sua polaridade magnética eclipse solar foi visto de Louvain e
periodicamente. O estudo laboratorial preciso posteriormente foi descrito e usado na primeira
dos espectros atômicos de Babcock permitiu ilustração de livro publicada sobre o uso da
que outros identificassem as primeiras linhas câmera obscura. O matemático holandês e
"proibidas" no laboratório e descobrir o raro astrônomo Reinerus Gemma-Frisius observou
isótopo de oxigênio. Com C.E. St. John ele o eclipse solar usando um buraco em uma
melhorou em muito a precisão dos parede de um pavilhão para projetar a imagem
comprimentos de onda de umas 22,000 linhas do sol de cabeça para baixo sobre a parede
do espectro solar e são referencias para oposta. Ele publicou a primeira ilustração de
recentemente determinações dos padrões. uma câmera escura e descreve seu método de
observação do eclipse em De Radio
Em 1798 nascia Nascido Karl George Astronomica et Geometrica (1545. Vários
Christian von Staudt (morreu em 01/06/1867). astrônomos fizeram uso de tal dispositivo na
Matemático alemão que desenvolveu a primeira metade do século XVI. Johannes
primeira teoria completa de pontos imaginários, Kepler e Christopher Scheiner usaram câmera
linhas, e planos da geometria projetiva. Seu escura para estudar a atividade das manchas
trabalho inicial foi determinar a órbita de um solares. A técnica já era conhecida por
cometa e, baseado neste trabalho, recebeu seu Aristóteles (Problems, ca 330 BC).
doutorado. Ele mostrou como construir um

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

38 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


EFEMÉRIDES

Em 1986 a sonda Voyager II a Dorum Termier com dimensão de 90 x 3 km


sobrevoava o planeta Urano. mas que só podem ser vistas através de
telescópio com diâmetro mínimo de 200 mm.
De fato para a observação telescópica nós
vemos no campo ocidental as crateras Peirce e
25 Janeiro, domingo Picard com diâmetro respectivo de 24 e 35 km.
Na base da região SW do Mare Crisium nós
Lua em Libração Este as 14h16.9m TU. podemos notar a cratera Lick, quase
Nesse momento o Mare Crisium está mais completamente enterrada debaixo da capa de
voltado para o centro da Lua. Que tal tirar a rególito que cobre parte grande da superfície
noite de hoje para observar o Mare Crisium lunar. Pouco mais para norte nós temos uma
(Mar da Crise) na Lua? Então, pegue seu outra cratera da mesma categoria: Yerkes,
instrumento e um mapa lunar e encontre quase situado na proximidade da margem ocidental
na borda Este (quadrante norte-este) da Lua deste ''planície'' circular. Neste ponto há dois
aquela imensa formação circular e observe-a Cabos (Cape) um de frente para o outro: o
detidamente. O Mare Crisium (Mar da Crise) Lavinium e o Olivium, respectivamente para sul
localizado na borda oriental da Lua é uma e norte. Ainda mais para o Oeste que destes
enorme bacia em forma elíptica medindo dois cabos está a cratera Proclus, muito
500km leste-oeste e 400km norte-sul e luminosa e com raios brilhantes provavelmente
superfície de 181.000 km2 . O mar é cercado oriundos da ejeção de materiais durante os
por montanhas distintas em todos os lados, impactos de meteoritos que originaram esta
perfeitamente isolado de outras características cratera. Um outro cabo é o Agarun situado no
da planície. O mar foi formado pela lava que campo oriental sul do Mare Crisium. A norte do
encheu a " Bacia " do Mare Crisium, que Mare Crisium se encontra a pequena cratera
também é chamado de ''Crisium Bacin''. Esse Cleomedes, com tamanho de 126 x 126 km
acidente lunar apresenta forma de uma imensa cercada por alto muro (parede) de 3.700
cratera quase elíptica, que segundo estudos, metros de altura. Para o nordeste, mas sempre
foi formada por impacto meteorítico. Apresenta para fora do Mare Crisium está a cratera
chão muito plano com anel de cume e ruga Macrobius, medindo 64 x 64 km, em cuja
para a periferia, crateras fantasma para o Sul e parede oriental há uma pequena cratera de
craterletas. Sua idade remonta ao período poucos km. Para sudeste a cratera Taruntius e
Nectariano e deve ter cerca de 3.85 bilhões uma zona montanhosa que delimita o Mare
anos de idade. Percebe-se claramente que as Tranquillitatis e na extremidade NW o Mare
lavas se acumularam para o centro da bacia o Fecunditatis. Na proximidade da margem norte
que causou um afundamento central devido o do Mare Crisium está o Mare Anguis, uma
peso da lava. O Mare Crisium é visto a olho nu planície pequena de 4000 km2. O Mare Crisium
quando nós observamos o disco lunar sem e o Mare Fecunditatis estão separados por uma
instrumentos, sendo facilmente reconhecível região montanhosa.
como uma mancha circular escura. O Em 1736 nascia De L'empire Joseph-
instrumento mínimo para sua observação é um Louis Lagrange (morreu em 10/04/1813).
binóculo com aumento de 10 vezes. O melhor Matemático italiano-francês que fez grandes
período para sua observação acontece 3 dias contribuições à teoria dos números e para a
após a Lua Nova ou 2 dias após a Lua Cheia. mecânica analítica e celeste. Seu livro mais
Se você dispõe de um instrumento maior que importante foi o Mécanique analytique (1788;
um binóculo e um mapa lunar, pode ser até "Analytic Mechanics"), esse livro de ensino
mesmo um Mapa Virtual da Lua em seu ainda é usado como base em todos os mais
computador, procure localizar as seguintes recentes trabalhos neste campo.
formações que se destacam nessa imensa
bacia. Na área do Mare Crisium não há cadeias Em 1955, os cientistas da Universidade
montanhosas e o fundo de sua superfície nos de Columbia desenvolveram um relógio
aparece praticamente liso e com pequenas atômico preciso com erro de apenas um
crateras. Contudo, existem algumas dorsais no segundo para cada 300 anos.
chão do Maré Crisium, onde se destaca a Vigésimo primeiro aniversário (1983)

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 39


EFEMÉRIDES

do lançamento do satélite infravermelho IRAS Júpiter eclipsa a lua Io (mag 5.5) as 6h06.3m
(Infrared Astronomical Satellite). Em 1994 era TU.
lançada a sonda Clementine (USA Moon O Asteróide 1772 Gagarin passa a
Orbiter). 1.387 UA da Terra.
Em 1829 nascia Isaac Roberts (morreu
26 Janeiro, segunda-feira em 17/07/1904). Astrônomo britânico, foi um
dos pioneiros em fotografar nebulosas. Em
1885 ele construiu um observatório com um
Imersão da estrela SAO 147008 27 refletor de 20''. Com esse instrumento Roberts
PISCIUM mag 5.1 no limbo escuro da Lua a fez consideráveis progressos no
0h46.8m TU. desenvolvimento da então recente ciência da
astrofotografia. Ele fotografou numerosos
Início do transito da sombra da lua
objetos celestes inclusive Nebulosa de Orion
Europa (mag 6.1) pelo disco iluminado de
em 15 de janeiro de 1986 (90 minuciosas
Júpiter as 2h48.2m TU. Europa inicia sua
exposições) e do aglomerado aberto das
passagem pela frente do disco do planeta as
Plêiades. Seu melhor trabalho fotografia foi a
4h31.5m TU. A sombra termina sua passagem
imagem que mostra a estrutura espiral da
as 5h40.5m e o trânsito de Europa termina as
Grande Nebulosa de Andromeda, M31, feita
7h20.3m TU.
em 29/12/1888. Além da sua contribuição na
Vênus continua brilhando ao cair da astrofotografia ele também inventou uma
noite até se esconder em torno das 21:00h máquina para gravar posições estelares em
hora. Normalmente Vênus é o objeto mais placas de cobre, conhecido como o
luminoso ao crepúsculo, depois da Lua. ele Pantograver Estelar.
também apresenta fases diferentes durante sua
Em 1908 Pierre Melotte descobria a lua
órbita ao redor do Sol e até mesmo usando
Pasiphae de Júpiter.
binóculo podemos discernir essas fases. A
proximidade de Vênus para a Terra é bastante Em 1967, durante testes na base de
variável em distância e por isso o diâmetro do lançamento, acontecia o incêndio no módulo de
planeta muda rapidamente desvio a essa comando da Apollo 1 que causou a morte da
distância. A superfície de Vênus está primeira tripulação do projeto: Virgil I. Grissom,
escondida sob uma espessa cobertura de veterano das missões Mercury e Gemini;
nuvens, e assim nenhum telescópio baseado Edward H. White, astronauta que havia feito a
na Terra pode ser sua topografia. A cartografia primeira atividade extraveicular durante o
da superfície só é possível através de técnicas programa Gemini; e Roger B. Chaffee,
de radar, porque as ondas de radar penetram astronauta que se preparava para seu primeiro
nuvens. A astronave de Magellan produziu um vôo espacial.
modelo altamente precisa da superfície e
determinou a elevação de seu relevo.
28 Janeiro, quarta-feira
Em 1992 a sonda automática
americana Magellan iniciava o mapeamento
por radar da superfície do planeta Vênus. Vênus Oculta a estrela PPM 207251
Em 1978 era lançado o satélite IUE - (mag. 9.8).
International Ultraviolet Explorer. crateras. O Asteróide 2002 PN passa a 0.042 UA
da Terra.
A Lua passa a 2.5 graus de separação
do Planeta Marte (mag 0.7) a 1.7h TU. Lua e
27 Janeiro, terça-feira Marte em conjunção as 00:01h (GMT -3).
Transito da lua Io (mag 5.5) sobre o
Pela noite acontece uma Conjunção da disco iluminado do planeta Júpiter. A sobra
Lua com o planeta Marte. A Lua passa a 3.10 começa as 3h25.7m TU e o Transito
graus a sul de Marte as 21:48 h (GMT -3). propriamente dito tem início as 4h14.0m TU. As

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

40 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


EFEMÉRIDES

5h21.4m Io em Conjunção Inferior. A incidência perscrutar a zona do terminador lunar. Examine


da sobra no planeta termina as 5h42.0m TU, e a cratera Plato (Platão), localizada abaixo do
o Trânsito finaliza as 6h28.8m TU. Para Mare Frigoris: Longitude: 9.3° oeste e Latitude:
acompanhar todo o trajeto o uso de 51.6° norte , Quadrante: Norte-oeste. Ela se
instrumento ótico é indispensável. destaca pela forma circular murada (uma
planície) de dimensões 101x101Km e chão de
Em 1986 ocorria a trágica explosão a cor bem escura. Provavelmente foi formada no
73 segundos após o lançamento do período Imbriano Superior. A cratera esmaga a
transportador espacial Challenger STS 51-L em cadeia dos Alpes, apresenta pequenas paredes
que sete astronautas americanos perderam a altas com ápices de 2000m e colapsada a
vida: Francis R. Scobee, Michael J. Smith, Oeste. Apresenta rampas bem íngremes que
Judith A. Resnik, Ellison S. Onizuka, Ronald E. sustentam a cratera Plato G para o Leste. Seu
McNair, Gregory B. Jarvis, Sharon Christa chão aparentemente foi cheio de lava escura e
McAuliffe. A causa da explosão foi devido a posteriormente outros impactos formaram com
deterioração de um anel de vedação. algumas craterletas. Acima do Mare Frigoris,
bem na linha do terminador busque a cratera
Goldschmidt (Hermann Goldschmidt)
29 Janeiro, quinta-feira Longitude: 2.9° oeste e Latitude: 73.0° norte ,
Quadrante: Norte-oeste. Formada no Período
Pré-Nectariano é uma formação tipo planície
A Lua Quarto Crescente ou de Primeiro murada medindo 120x120 Km bem
Quarto acontece as 03:03 h (GMT -3). interessante, embora ela se apresente
Marte oculta a estrela TYC 0624-00684-1 (mag. desgastada, mostra rampas íngremes
9.5). esmagadas a Oeste pela cratera Anaxágoras e
a sudoeste está a cratera Goldschmidt A.
Júpiter eclipsa a lua Io (mag 5.5) a Apresenta colinas, craterletas e pequenas
0h34.7m TU. O Reaparecimento de Io paredes altas. Para uma boa observação o uso
acontece as 3h38.7m TU. Para observadores de instrumentos é indispensável e para
atentos, a cronometragem precisa do evento observação de detalhes use maiores
sempre é de grande valia aos estudiosos do aumentos.
planeta Júpiter.

31 Janeiro, sábado

30 Janeiro, sexta-feira Lua perto das Plêiades a 2h UT.


Lua em Apogeu as 13h58.7m TU, a distancia
de 404,807 km e tamanho angular de 29.5 '.
Transito da lua Ganymede (mag 5.0) sobre o
Mercúrio oculta a estrela TYC 6875-
disco iluminado de Júpiter com início as
00773-1 (mag 9.5).
3h20.6m TU. O final da passagem da sombra
O Asteróide 2247 Hiroshima passa a
acontece as 3h42.3m TU, e o Transito está
1.467 U.A da Terra.
inteiramente terminado as 6h35.6m TU.
O brilhante planeta Vênus pode ser
acompanhado ao entardecer na constelação do A constelação de Pegasus atravessa o
Aquário, quando se põe em torno das 21:03 céu das latitudes meio norte no início da noite.
hora.Uma hora mais cedo, Urano está dizendo A constelação representa o mitológico herói
adeus ao céu noturno (20h6m) também grego que domesticou Pegasus, matou
localizado na constelação do Aquário. Marte Medusa, e salvou Andrômeda. Todos esses
em Peixes se esconde pelas 22h56m hora mitos estão representados no céu. Perseu
local. segura a cabeça de serpentes da Medusa, a
A bela Luna de 8 dias em fase 0.665 qual está marcada por uma estrela variável
nasceu as 13h37m e só esconde seu brilho em chamado Algol que representa o olho maldoso
torno da meia-noite. Quando a Lua estiver mais da megera. A estrela varia entre magnitude 2.1
alta no céu escuro , é um bom momento para e 3.3 em cima de um período de 3 dias

Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 41


EFEMÉRIDES

A razão dessa variabilidade é que Algol de fato torno da Terra e qual o país que realizou essa
é um par de estrelas que orbitam uma a outra. façanha? Se você respondeu Sputnik I e
Do nosso ponto de vista na Terra elas passam Rússia, você acertou em cheio!
alternadamente na frente uma da outra fazendo
com que o brilho total flutue de uma maneira 1 de Fevereiro
previsível.
Em 1862 Alvan Graham Clark Jr. Há 5 anos (1999) a sonda Galileo vazia
descobria a estrela companheira anã de Sirius, seu 19° pela lua Europa de Júpiter.
a Sírius B. Primeiro aniversário (2003) do acidente
Há 46 anos (1958) era lançado o com o ônibus espacial Columbia 7 (Space
satélite Explorer 1, o primeiro satélite terrestre Shuttle Columbia) onde morreram os 7
lançado pelos americanos. Você saberia dizer ocupantes. Mais informações na próxima
qual foi o primeiro satélite artificial lançado em publicação da Agenda Diária.

Notas: * As conjunções planetárias foram calculadas pelo Software SkyMap Pro 6. pela hora
legal de Brasília (GMT-3) segundo as coordenadas Lat.21.27.54S Long.47.00.21W. Esses
dados são úteis para a localização dos planetas visíveis a olho nu (de Mercúrio até Saturno),
bastando procurá-los perto da Lua, quando ela estiver acima do horizonte naquela data.

Cartas Celestes para ambos os hemisférios podem ser baixadas através da internet em:
www.skymaps.com*

Para observar as ocultações e trânsitos use instrumentos de maiores aberturas.

Softwares Usados: Sting's Sky Calendar - © www.skycalendar.com/skycal/index.html


SkyMap Pro 6 © C.A. Marriott - www.skymap.com/

Fontes Consultadas e mais informações em:


/www.skymaps.com/index.html (carta celeste de dezembro para ambos os hemisférios)
http://reabrasil.astrodatabase.net/ ou http://geocities.yahoo.com.br/reabrasil/
http://aerith.net/index.html
http://www.jpl.nasa.gov/calendar/
http://inga.ufu.br/~silvestr/

CalSky: http://www.calsky.com/
http://www.pa.msu.edu/abrams/SkyWatchersDiary/Diary.html
http://comets.amsmeteors.org/meteors/calendar.html
http://www.imo.net/
http://www.lunar-occultations.com/iota/2003bstare/bstare.htm
http://www.lunar-occultations.com/iota/2003planets/planets.htm
Jet Propulsion Lab: http://www.jpl.nasa.gov/

Felizes observações e bons céus para todos! ∞

Rosely Gregio
Redatora | Revista macroCOSMO.com
rgregio@uol.com.br

42 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


MITOS CIENTÍFICOS

DE VOLTA ÀS TREVAS
a renegação dos princípios básicos da astronomia na "nova era"

Paulo Monteiro | Revista macroCOSMO.com

Copérnico, Kepler e Galileu. Ainda hoje contestados!

Estaríamos retornado à época da Inquisição?

Atualmente, crescem os números de pessoas que


simplesmente renegam a ciência em troca de meras especulações,
divulgadas por pessoas que ou não sabem nada do assunto, ou
querem tirar proveito da falta de informação do povo, devido ao
péssimo ensino da astronomia nas escolas.

Em pleno ano 2004, passados mais de quinhentos anos das


descobertas de Galileo e Copérnico, às vezes me sinto em meio à
inquisição. Hoje em dia, astrônomos amadores e profissionais não
possuem quase nenhum espaço na mídia e suas observações,
suas teses baseadas em observações sistemáticas e
cientificamente comprovadas com os mais modernos instrumentos,
são simplesmente ignorados por pessoas que se dizem capazes de
falar com extraterrestres e intraterrestres, que se auto-intitulam um
próprio ET de Urano vivendo no planeta Terra ou que são capazes
de prever o futuro, baseados em meras especulações, onde
transformam os movimentos dos planetas do sistema solar e
fenômenos astronômicos em motivo de pânico, parecendo até que
os planetas são responsáveis pelo que o próprio homem faz.

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 43


MITOS CIENTÍFICOS

Os eclipses solares e os cometas, belos


fenômenos astronômicos, são usados a
milhares de anos como o prenúncio do fim do
mundo. Eu entendo perfeitamente que o
homem no ano de 5000 A.C, ao ver o Sol
simplesmente "apagando" entrasse em pânico,
pois acreditava que o Sol iria sumir pra sempre
e sem sua luz e calor, entrasse numa idade das
trevas onde o mundo iria acabar.

Um cometa é associado até hoje como


sinal de tragédias. A astronomia ridiculariza
essas previsões, pois todo ano aparece um
cometa no nosso céu, mas só utilizam o Halley
como prenuncio de azar. Em 1997 o cometa
Hale-Boop causou o suicídio de centenas de Como as pessoas ganham tamanho
pessoas nos EUA, seguidas por um líder espaço na mídia? Videntes continuam a
fanático, que afirmava existir um disco voador assombrar as pessoas com suas previsões e
na cauda do cometa que os levariam após a como sempre nada acontece, eles
morte. Ate hoje muitos acreditam nisso! descaradamente somem. Em 5 de maio de
2000 ocorreu um alinhamento no sistema solar.
Mas estamos no ano 2004 D.c, isso é Os microfones e câmeras estavam de volta aos
um absurdo mas infelizmente pessoas ainda mesmos videntes que erraram incrivelmente
associam o eclipse solar e os cometas ao fim nas previsões passadas do eclipse de agosto
do mundo, prenuncio de tragédias e mortes. de 1999.
Essas pessoas aparecem toda semana na TV,
e em finais de ano e de milênio, aparecerão Eles voltam dizendo que o alinhamento
muito mais. Suas previsões têm sempre, pelo planetário irá provocar um "cabo de guerra
que percebi dois caminhos: cósmico", e que isso iria elevar o nível dos
oceanos, inundando as cidades litorâneas.
1º Associam eclipses, passagens de Logo após isso divulgado, muitas pessoas
comentas, "transito de planetas" em algumas venderam suas casas de praia e foram parar
constelações como o principal motivo de alguns no topo de montanhas. Algumas dessas
fatos ocorridos na Terra, como se os planetas e infelizes pessoas apareceram em canais de TV
cometas lá no espaço, a milhões de falando que precisavam se salvar do fim do
quilômetros de distância, fossem os mundo! Resultado: em apenas 9 meses
responsáveis por tudo que ocorre por aqui. A tivemos na cabecinha dos "pseudo astrônomos
maioria das previsões estão sempre ligadas a e físicos" dois finais de mundo, que obviamente
tragédias, desastres e catástrofes globais. não ocorreram!

2º Se não citam tragédias e assustam a Além de dois finais de mundo, tivemos


população, criam falsas esperanças. Há anos duas viradas de milênio em um ano! A total
escuto falar de uma tal "nova era", mas se as falta de conhecimento na matemática, física e
pessoas continuarem a acreditar nesse tipo de astronomia foram capazes de gerar tanta
pessoas e previsões e gastarem dinheiro com aberração!
isso, a nova era não será tão bela como os
"videntes" pintam. Será sim uma idade das Infelizmente na edição de dezembro de
trevas, com a renegação da ciência e dos 1999, a revista superinteressante errou ao
princípios básicos da astronomia, tendo a maior mencionar que o planeta Vênus saudaria o
parte do povo acreditando em fantasias que novo milênio, que só ocorre na virada de 2001
mais parecem histórias de conto de fadas. Isso e não em 2000 como a revista informou! Essas
já ocorreu na humanidade por mais de 1000 coisas não poderiam acontecer em uma revista
anos e terminou graças a Copérnico, Kepler e como essa! Uma pena! Nesse ano, a seção de
Galileo! astronomia sumiu. Torço para que volte!

44 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


MITOS CIENTÍFICOS

O número de “astrobobagens” mencionas não param de crescer. Existem muitas


pessoas que acreditam e divulgam isso de forma que eles estão certo, mesmo sem provar
nada, afirmando que os astrônomos estão errados. Abaixo coloco algumas delas com alguns
comentários, que falam por si só. Vejam do que essas pessoas são capazes de afirmar:

civilização inteligente em Vênus a Terra é oca e dentro dela existe um


Vênus possui as mais altas Sol e seres intraterrestres!
temperaturas do sistema solar, alcançando Então todo aquele material expelido por
400º C. Sua rotação é lenta expondo sempre a um vulcão vêm de onde? Como a fina camada
mesma face do planeta ao Sol, durante do planeta não desaba? Esse Sol interior não
centenas de dias, além disso é totalmente iria fritar o solo? Quando cavam uma obra para
coberto por nuvens, num efeito estufa há o metrô ou túnel como não vemos esses
milhões de anos. Nisso a vida fica praticamente seres? Os alicerces do meu prédio estão
impossível. Mesmo assim continuam presos onde? Na TV, certa vez mostrou um
acreditando, então coloco as fotos da superficie intraterrestre! Uma pessoa que se diz capaz
de Vênus logo abaixo. Não vejo traços de falar com ETs 'mostrou’ um, mas a imagem era
nenhuma civilização! Você vê? Mesmo com péssima. Tudo escuro e o tal ser estava
isso, muitos acreditam na existência de vida em escondido no meio do mato, mais parecendo
Vênus! Acham que a imagem é forjada! um macaquinho!

existem bases alienigenas na Lua que


podem ser vistas com qualquer
telescópio e o Homem não foi a Lua!
Já observei a Lua centenas de vezes, e
só vi belos morros, crateras, vales e seus
"mares", mas não vi casinha nenhuma! Além
disso, essa afirmação tem não só um, mas dois
erros graves. O primeiro é a total demonstração
Superfície de Vênus. Temperaturas de 400ºC da falta de conhecimento observacional, pois
para enxergamos qualquer arquitetura no solo
lunar, ela teria que ser monumental, com
um planeta do tamanho de Júpiter
quilômetros de extensão. (Obs: estou me
estaria entrando no sistema solar e iria formando em arquitetura e sei sobre o tema
se chocar com a Terra, de nome também) Quando afirmo isso e mesmo
Hercolobus mostrando ao telescópio todo solo lunar,
Primeiro que, as pessoas que dizem isso pseudoastronômos que não sabem nem
jamais olharam por um telescópio e não montar uma luneta, afirmam: "as bases estão
possuem a mínima noção do sistema solar. na face oculta"! Isso não passa de uma bela
Jamais apresentaram uma foto se quer do desculpa! São tão atrasados e desatualizados
planeta intruso e se fosse mesmo do tamanho que já temos fotos do lado oculto também, mas
de Júpiter, seria visto facilmente pelo Hublle e ainda alegam que foram alteradas pela NASA.
até mesmo por telescópio terrestres. A foto Bom, aí o nível abaixa muito e nem merece
jamais apareceu e não existe nenhuma prova mais comentários!
dele. Alem disso, gostaria de ver os cálculos
(se é que sabem fazer algum), que mostram
com exatidão o choque do planeta com a Terra.
Porque não com Netuno ou Júpiter? Porque
aqui? existe um livro, divulgado até em
outdoors aqui no metrô de São Paulo, que fala
sobre esse planeta, e pelo que parece, deve
vender bem, pois um anuncio lá, não é barato! Neil Armstrong na Lua
Fico no aguardo das fotos desse planeta criado
na imaginação do autor do livro.

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 45


MITOS CIENTÍFICOS

a Terra não gira ao redor do Sol


de busca cadê (www.cade.com.br), na sua
Copérnico e Galileo quase foram seção de astronomia, afirma, baseado em
queimados por isso, e hoje em dia parece que teorias que afrontam os princípios básicos da
tem gente que os tentaria queima-los também! astronomia, que a Terra não gira ao redor do
Mesmo com esses erros grotescos nas Sol e sim "baboleia"! Oras, se ela não girasse,
afirmações, eu até certo ponto sinto não como que sondas enviadas ao solo de marte
revolta, mas tristeza ao ver pessoas caíram exatamente no ponto determinado? Se
mencionarem tantas bobagens e com isso, ele estivesse certo, veríamos estrelas no
levar milhões com elas junto! Mas a partir do hemisfério norte, que não vemos pois a luz do
momento em que uma pessoa diz que existe sol impede!
FRAUDE NA ASTRONOMIA! eu perco todo o
respeito! Tal afirmação atinge a honra de
astrônomos profissionais onde contestam e existem seres inteligentes no
põem em duvida sua competência, seriedade e aglomerado de Plêiades e nas 3 estrelas
profissionalismo! do cinturão de Órion
(3 marias)
Para alguêm para afirmar isso e acusar
astrônomos de fraudadores, deve ter boas O aglomerado de Plêiades é lindo,
explicações pois tal acusação deve ser provada mas suas estrelas são tão jovens que nem
e se for considerada leviana, como claramente tiveram tempo de formar algum planeta ou
é, o acusador deveria arcar com as sistema solar, e assim fica descartado qualquer
conseqüências! tipo de vida. MAS MESMO ASSIM vou fazer
que eles fazem muito bem: Vamos ‘supor’ que
http://www.catar.com.br/hg/davino/index.html exista! Pois bem, como essas pessoas ficaram
sabendo da existência de vida em algum
Escrito por Davino Servidio e que planeta nesse aglomerado ou em alguma
infelizmente foi divulgado e publicado pelo site estrela do cinturão de Órion ou em Plêiades?

Acima, a nebulosa de Orion, distante a muitos anos-luz das 3 marias mas na mesma constelação, onde
alguns afirmam existir vida, um verdadeiro berço de estrelas, e com elas, sistemas solares e quem sabe
algum tipo de vida, mas tudo em plena formação como mostra os 4 quadros. A alta tecnologia atual nos
permite ver a formação de disco proto-planetarios ao redor de estrelas, mas alem de estarem em formação,
ninguem pode afirmar que existe vida em estrelas onde não sabemos nem se existem planetas ao redor! De
onde tiraram as afirmações que existe vida nesse local? Eles ja lhes apresentaram alguma prova? porque
acreditar em palavras sem provas?

46 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


MITOS CIENTÍFICOS

A mais de 3 anos no ar, mais de 100.000 visitas, recebi centenas de e-mails com
pessoas assustadas, em duvida do que ocorreria no alinhamento planetário de 2000, tudo
isso causado pelo pânico instalado por esses tipos de pessoas, que só sabem assustar o
público, aproveitando da sua falta de conhecimento na astronomia!

Enfim, estamos ouvindo falar a toda hora na "nova era"! O que podemos esperar
dela? Se continuar a divulgação dessas mentiras desta forma e incentivando a crença nas
pseudos-ciências, estaremos voltando ao período chamado de idade das trevas,
compreendido entre 400 D.C até 1500, que começou com a morte cruel da filosofa Hipacia e
destruição da biblioteca de Alexandria, berço do conhecimento! A volta da ciência só
ocorreu após 1000 anos, graças a pessoas como Copérnico, Galileo e Kepler, que mesmo
assim, enfrentaram dificuldades e até hoje são contestados!

A renegação da ciência nos dias de hoje, a falta de espaço aos astrônomos e outros
cientistas na TV e mídia em geral, e o grande espaço dado a pseudo-ciências só me deixam
a visão de uma "nova era" igual à “idade das trevas”. ∞

Paulo Ricardo Monteiro


Redator | Revista macroCOSMO.com
astronomia@ig.com.br

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 47


ASTROFOTOGRAFIA

Fotografando o Universo – Parte II

Acompanhando os Corpos Celestes

Pedro Ré | Colaborador

Os astros parecem mover-se na esfera


celeste de leste para oeste devido ao movimento de
rotação da Terra. As montagens equatoriais
permitem “compensar” este movimento tornando
possível a realização de fotografias guiadas de
longa pose. É o passo natural a dar, após a
realização de fotografias de traços estelares e de
constelações.
As montagens equatoriais são constituídas
por um sistema de dois eixos perpendiculares,
sendo um deles, colocado rigorosamente em
paralelo com o eixo da Terra. Se rodarmos este eixo
no sentido contrário ao do movimento de rotação da
Terra, com uma velocidade de 1 rotação por dia
(aproximadamente 15º por hora), é possível manter
um determinado astro imóvel no campo de visão de
um telescópio. As montagens equatoriais têm de ser
orientadas, ou colocadas em estação, para que esta
compensação seja efetivada.

48 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


ASTROFOTOGRAFIA

Existem diversos processos que podemos


utilizar com este fim. O mais simples consiste
em alinhar o eixo polar tomando como
referência à estrela polar que se encontra muito
próximo do pólo celeste norte. Este
alinhamento é suficientemente preciso para a
realização de fotografias guiadas de longa
pose utilizando objetivas fotográficas normais
(50 mm) ou mesmo pequenas teleobjetivas
(135 a 300 mm). Veja mais detalhes de como
construir uma plataforma equatorial na edição
nº 1 da revista macroCOSMO.
Se pretendermos realizar fotografias
guiadas de longa pose, as câmaras
fotográficas podem ser montadas sobre um
telescópio suportado por uma montagem
equatorial motorizada. A guiagem é efetuada
utilizando o telescópio como auxiliar. Desde
que a montagem equatorial seja colocada em
estação, é muito fácil realizar fotografias de
longa pose com o auxílio das mais variadas
objetivas fotográficas. Neste caso podemos
usar objetivas com distâncias focais elevadas
desde que a precisão de guiagem seja mais
elevada.

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 49


ASTROFOTOGRAFIA

Para efetuar astrofotografias através de telescópios torna-se necessário acoplar câmaras


fotográficas a um telescópio. Os telescópios mais freqüentes podem ser classificados em três
tipos principais: (i) refratores; (ii) refletores e (iii) compostos ou catadióptricos. Cada tipo de
telescópio apresenta vantagens e inconvenientes.

Câmaras fotográficas montadas em paralelo ou em piggy-back


(1) Nikon F + objetiva 50 1:2, (2) Mamya + objetiva 135 mm 1:2:8,
(3) Mamya + objetiva Zeiss Sonar 200 1:2:8, (4) Mamya + objetiva Rubinar 1000 mm 1:10

50 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


ASTROFOTOGRAFIA

Principais tipos de Telescópios: 1 – Telescópio refrator, 2 – telescópio refletor,


3 – telescópio Maksutov – Cassegrain e 4 – telescópio Schmidt-Cassegrain

Existem diversos processos de


acoplar uma câmara fotográfica a um
telescópio. O processo mais simples
consiste em utilizar o telescópio como
se este se tratasse de uma objetiva
fotográfica. Neste caso remove-se a
objetiva da câmara fotográfica (reflex
de preferência) e monta-se o corpo da
câmara no foco principal do telescópio.
A distância focal e a relação f/D obtidas
são iguais à do telescópio utilizado. Os
outros dois processos são distintos
fundamentalmente por recorrerem à
interposição de um sistema óptico entre
a objetiva do telescópio e a câmara
fotográfica. O sistema óptico utilizado
pode ser uma ocular (projeção
positiva), uma lente Barlow ou um
teleconversor fotográfico (projeção
negativa) e um redutor/corretor
(compressão). Os três principais
métodos de acoplar uma câmara
fotográfica ou uma câmara CCD19 a
um telescópio. Existe ainda um outro
processo, designado sistema afocal, no
caso das câmaras fotográficas
utilizadas não terem a possibilidade de
retirar as suas objetivas. Este é o
método mais utilizado para acoplar
câmaras digitais a telescópios.

Principais métodos de acoplamento de uma câmera fotográfica ou CCD em um telescópio


1 – Foco principal, 2 – projeção, 3 - Compressão

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 51


ASTROFOTOGRAFIA

Os diversos tipos de
telescópios devem ser
suportados por uma montagem
equatorial, de preferência
motorizada nos dois eixos. Nem
todas as montagens são
adequadas para a realização
de astrofotografias. Quanto
mais robusta for a montagem
tanto melhor. Algumas
montagens frágeis vibram
facilmente sendo menos
aconselhadas para a realização
de fotografias astronômicas. ∞

Exemplo de algumas montagens equatoriais fotográficas: 1 - Montagem alemã refrator acromático


Konus 100 f/10; 2 - Montagem alemã EM10, refrator apocromático Takahashi FS102; 3 - Montagem
alemã, refletor Konuns 114 mm f/8; 4 - Montagens alemãs CM1400 e CM1100, telescópios Schmidt-
Cassegraun C11 e C14; 5 - Montagem de garfo, telescópio Schmidt-Cassegrain C8; 6 - Montagem de
garfo, Meade LX200 10"; 6 - Montagem de garfo, C14 e refrator apocromático Takahashi FS102

Pedro Ré
Colaborador | ANOA
pedro.re@mail.telepac.pt
http://www.astrosurf.com/re

Na próxima edição da Revista macroCOSMO.com, acompanhe a parte final desse tutorial sobre astrofotografia.

52 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


OFICINA

Durante uma seção de observação


astronômica ou de astrofotografia com longa
exposição, uma das grandes dificuldades
encontradas é o movimento aparente que os
astros descrevem de leste para oeste, movimento
este, decorrente da rotação da Terra.
Considerando que este movimento aparente é de
aproximadamente 15 graus por hora, um astro
focalizado por um telescópio permanece no campo
de visão do observador por um período muito
curto (de 15 a 60 segundos em média, dependendo
do aumento utilizado), sendo este deslocamento
percebido com muita facilidade. Para contornar
este problema, muitos modelos de telescópios são
dotados de uma montagem equatorial que
permitem que o movimento do tubo do telescópio
acompanhe perfeitamente a trajetória dos astros.
Se esta montagem equatorial for equipada com um
motor elétrico girando na velocidade adequada, o
movimento do tubo deste telescópio será
automático e o astro poderá ser visualizado
durante muito tempo, permitindo assim fotografias
de longa exposição ou simplesmente, um maior
conforto na observação.

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 53


OFICINA

Plataforma Equatorial para

DOBSONIANOS

Paulo Oshikawa | Colaborador

Quem possui um telescópio Newtoniano Este modelo apresentava muita


em uma montagem Dobsoniana, não pode instabilidade e era inadequado para telescópios
contar com estes recursos, já que este tipo de de grande porte, e por isto "Alan Gee"
montagem é altazimutal, ou seja: o tubo tem a aperfeiçoou o desenho original usando um
capacidade de se movimentar no sentido setor de círculo no pólo elevado e um Pivô no
vertical (altura) e horizontal (azimute). Assim setor oposto. Em Setembro de 1988, outro
sendo, para que um telescópio Dobsoniano francês, Monsieur "Georges d'Autume"
possa fazer o acompanhamento da trajetória publicou na Sky & Telescope (página 303) uma
dos astros, é necessário que, como a câmera outra versão baseada em setores cônicos em
fotográfica, todo o conjunto seja apoiado sobre ambos os pólos. Devido a dificuldade na
uma Plataforma, grande o suficiente para construção de setores cônicos, "Chuck Shaw"
suportar todo o conjunto (telescópio e projetou e construiu uma plataforma que prevê
Montagem Dobsoniana). dois setores de círculo, um no lado norte e
outro no lado sul. Este modelo é o que será
Este é justamente o objetivo deste texto: tratado neste artigo.
mostrar que não é difícil prover
acompanhamento motorizado para telescópios As vantagens de utilização de uma
Newtonianos sobre uma montagem plataforma equatorial de setores de círculo são:
Dobsoniana. Com algum trabalho e um pouco
de habilidade, é possível a construção de uma • Não aumenta demasiadamente a posição
plataforma que poderá ser usada para simples de altura da ocular, e portanto, não haverá
observações ou para fotografia de longa necessidade de recorrer a banquetas ou
exposição. escadas para posicionamento adequado na
observação de objetos, principalmente aqueles
A primeira Plataforma Equatorial para próximos ao zênite.
Dobsonianos, de que se tem notícias, foi
projetada e construída pelo francês "Adrien
• É uma peça que pode ser independente
Poncet", de acordo com publicação na "Sky &
do telescópio, e somente será utilizada quando
Telescope" de Janeiro de 1977, página 64. Por
for necessária. Não há necessidade de
este motivo, ainda hoje este tipo de plataforma
qualquer modificação na montagem
é conhecido como "Plataforma de Poncet". O
Dobsoniana para utilização da mesma em
projeto original previa um pivô no setor do pólo
conjunto com a Plataforma.
elevado e um plano inclinado no setor oposto.

54 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


OFICINA

• É muito simples de construir, com Na astrofotografia com câmera fixa (sem


materiais baratos e ferramentas de uso comum. uso de telescópio), embora a percepção do
Qualquer pessoa com alguma habilidade em deslocamento aparente dos astros seja menor,
“faça você mesmo” poderá construí-lo em ele também ocorre e fatalmente formará trilhas
alguns finais de semana. sobre o filme a partir de 1 minuto de exposição.
Por este motivo, quem utiliza esta técnica de
Este modelo de plataforma já foi fotografia pode fixar sua câmera sobre o tubo
construído por diversos ATMs do Hemisfério de um telescópio dotado de acompanhamento
Norte, e é utilizado com sucesso para simples equatorial (técnica denominada “câmera à
observações ou para Astrofotografia. Não se cavalo”) ou utilizar uma Plataforma Equatorial
tem conhecimento de projetos no Brasil que motorizada, sobre a qual se apóia a câmera.
tratem da construção de uma plataforma deste Assim que o objeto-alvo é focalizado, a
porte, já que os projetos nacionais de José Plataforma Equatorial é ligada e inicia seu
Carlos Diniz, José Agustoni(Zeca) e do movimento giratório de leste para oeste,
Makintoxi se referem a Plafatormas de levando junto consigo a câmera fotográfica. É
pequeno porte para Câmeras fotográficas. desta forma que se consegue registrar
galáxias, nebulosas e vários outros objetos
tênues do nosso céu, que não são visíveis a
olho nu. A fotografia abaixo ilustra uma
Plataforma Equatorial para câmeras
COMO FUNCIONA A PLATAFORMA fotográficas, construída por José Carlos Diniz:
http://www.astrosurf.com/diniz/plataforma.html
Em um tripé equipado com montagem
equatorial, perfeitamente configurado para a
latitude local, o acompanhamento de um astro
é feito através do movimento azimutal do tubo
do telescópio. No caso da Plataforma de
Setores de Círculo, não é necessário que o
tubo do telescópio se movimente para fazer o
acompanhamento de um astro. É a plataforma
que se movimenta, e leva consigo a montagem
Dobsoniana, e conseqüentemente, o
telescópio. O telescópio estará inclinado para
um lado no início da observação, e no final do
período, estará inclinado para o lado oposto.
Por este motivo, tempos de acompanhamento
maiores que 60 minutos não são telescópio for apontado exatamente para o pólo
recomendados, pois haverá o risco de queda celeste elevado, deverá manter esta mesma
do telescópio, devido a uma inclinação posição, embora a plataforma esteja se
excessiva. Importante observar que embora o movimentando. Para que isto ocorra, o tubo do
telescópio se incline de um lado para outro telescópio deverá ser considerado como sendo
(leste/oeste), o centro de gravidade deve o eixo central de um sistema de dois círculos
permanecer sempre no mesmo ponto. Isto é o que giram em torno deste eixo central.
que garante o acompanhamento perfeito do
movimento aparente de um astro. Supondo-se que estejamos em um
local cuja latitude é zero (sobre a linha do
Como nas montagens equatoriais Equador), se montarmos dois círculos de
tradicionais, a plataforma deverá também estar mesmo raio perpendiculares ao solo (90 graus),
perfeitamente alinhada com o pólo celeste ligados por um eixo central que aponta para o
elevado: a estrela polar, no caso do hemisfério pólo-sul celeste, este eixo ficará paralelo ao
norte ou a sigma octantis, no caso do solo, e o giro destes círculos não afetará a
hemisfério sul. direção do eixo. Porém, se estivermos
afastados da linha do Equador, por exemplo,
Para entender o funcionamento desta na cidade de São Paulo, a uma latitude de -
plataforma é necessário assimilar que se um 23,5 graus, para obter o mesmo efeito,

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 55


OFICINA

precisaremos de dois círculos de raios A bem da verdade, podemos afirmar


diferentes, para manter o eixo central apontado que este eixo estará perfeitamente alinhado e
para o pólo sul celeste. Estes círculos não paralelo ao eixo de rotação da terra. Estes dois
ficarão perpendiculares ao solo. Deverão estar círculos de tamanhos diferentes podem
inclinados a 66,5 graus (90 graus menos 23,5 também ser equiparados a duas fatias (setores)
graus) para que o eixo (que corresponderia ao de um cone imaginário cujo ângulo formado do
tubo do telescópio) fique inclinado a 23,5 seu vértice até a base é o dobro da latitude.
graus.

Mesmo com um giro completo


(360º) nos círculos, a posição do eixo permanecerá constante.

Todavia, não necessitamos fazer um giro completo, que corresponderia a 24 horas de


observação, mas sim de apenas uma hora, ou seja, cerca de 15 graus. Desta forma, podemos
segmentar (cortar) estes círculos, mantendo somente os setores necessários para
acompanhamento de 60 minutos. Observe que ao segmentar os círculos, o eixo central perderá o
apoio e não poderá ficar fisicamente sustentado pelos círculos. Vamos considerar, portanto, que
este eixo é virtual e que fica exatamente no centro dos círculos imaginários formados pelo
prolongamento dos setores.

Até o momento, ficou fácil perceber que o tubo do telescópio (representado aqui pelo eixo
central) sempre apontará para o mesmo ponto, quando os círculos giram. A este eixo fixo, que
passa pelo centro dos círculos imaginários, chamaremos de eixo polar, pois ele sempre aponta para
o pólo elevado e está inclinado em relação ao solo, no mesmo ângulo da nossa latitude, e paralelo
ao eixo de rotação da terra.

Imaginemos agora, que o nosso eixo óptico está deslocado alguns graus acima do eixo
polar, mas com o mesmo centro de gravidade. O que ocorreria com a projeção deste eixo na esfera
celeste?

56 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


OFICINA
Veja no desenho abaixo, que se formaria uma circunferência em torno do pólo celeste, após
um giro de 360 graus dos círculos virtuais.

Quanto maior for a inclinação do eixo permanecerá soberbo na imagem da ocular. É


óptico em relação ao eixo polar, maior será a claro que para que isto ocorra, o tubo do
circunferência da projeção. Na verdade, esta telescópio poderá movimentar-se para qualquer
circunferência coincide com o movimento direção, mas deverá permanecer paralelo a sua
aparente dos astros em torno da Terra para posição original.
aquela determinada latitude. Para que este
conceito fique bem consolidado, e usando o Pelo menos alguma vez na vida (talvez
exemplo anterior com um observador a 23,5 na infância), nos intrigou que em uma viagem
graus, assimile que se este eixo óptico for de carro ou trem, toda a paisagem era deixada
apontado para o Zênite (90 graus), após 12 para trás, mas a Lua que era vista da nossa
horas de giro, este eixo não estará apontando janela, insistentemente parecia querer
para o Nadir. A trajetória do eixo forma um acompanhar a viagem, numa perseguição
cone de 133 graus com vértice no centro de interrompida apenas por uma curva no caminho
gravidade e com centro no eixo polar e (mudança do ângulo de direção). Bem, este é
portanto, após o giro de 180 graus, o eixo um problema de paralaxe, e não cabe aqui
óptico estaria apontando para o solo, para um detalhar este assunto, mas apenas concluir
ponto a 43 graus (66,5 – 23,5 ou 133 - 90) em que o acompanhamento não é feito porque o
relação ao solo. telescópio gira de um lado para outro, mas sim,
porque este giro, é acompanhado pela variação
Quanto ao Centro de Gravidade e o do ângulo entre o eixo óptico e o eixo virtual.
eixo virtual, temos que fazer algumas
considerações. Supor que o eixo óptico tem Um outro mito quanto a este tipo de
que ser obrigatoriamente coincidente com o plataforma, é que ela se presta apenas para
eixo virtual que passa pelo centro de gravidade utilização na latitude para a qual foi construída.
é um erro. O eixo óptico tem que ser paralelo Isto é uma “meia verdade”. Para que a
ao eixo virtual para que o acompanhamento do plataforma funcione adequadamente, deverá
pólo celeste seja constante. Imagine que você estar perfeitamente em nível com o solo e
está dentro de um elevador panorâmico, no alinhada com o pólo celeste. Até um raio de
andar térreo de um prédio, e aponta seu 100 quilômetros, não se notará diferença na
telescópio para a estrela Sirius. O que performance do acompanhamento. A partir
acontecerá se este elevador subir para o desta distância (se for no sentido norte-sul),
décimo andar? Se você respondeu que a alguns calços no setor norte ou sul irão
estrela saiu do campo e você terá que re- compensar a variação da latitude. Porém,
posicionar o telescópio para enquadrá-la observe o seguinte: o calçamento da
novamente, se enganou. A estrela continuará plataforma fará com que a mesa na qual
na mesma posição que estaria se o elevador repousa o telescópio fique inclinada, e o risco
ficasse parado (o deslocamento seria de queda do telescópio aumentará de acordo
insignificante e imperceptível). Da mesma com a inclinação da mesa. Isto inviabiliza o uso
forma, se você movimentar o telescópio para da plataforma em regiões com diferença de 15
frente, para trás, para os lados, o astro graus na latitude.

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 57


OFICINA

INICIANDO A CONSTRUÇÃO com os rolamentos (vide a seguir) foram


revestidas com chapas de alumínio para
Primeiramente, vamos considerar que redução do atrito e maior precisão no
um setor de círculo (uma fatia) de 15 graus movimento.
seria suficiente para acompanhamento de 60
minutos. Contudo, uma estrutura com esta
graduação, teria que ficar apoiada sobre um
único ponto e ficaria extremamente estreita.
Para garantir uma boa estabilidade, e suportar
o peso do telescópio, é interessante que a
largura deste setor seja no mínimo igual à
largura da base Dobsoniana. No caso do
Hemisfério sul, o raio do círculo do setor sul
será maior que o raio do círculo do setor norte.
A proporção entre estes raios dependerá da
latitude e da distância entre os setores
(comprimento da plataforma).

Apoiada sobre estes dois setores de


círculo ficará uma plataforma de madeira
exatamente horizontal e paralela ao solo, que Estes segmentos de círculo ficarão
chamaremos Mesa. É sobre esta mesa que apoiados sobre rolamentos que suportarão
repousará o telescópio Dobsoniano. todo o peso da mesa e do telescópio. Num
suporte Dobsoniano, este peso geralmente é
Fixadas na parte inferior desta mesa, suportado por 3 almofadas de teflon. Para
ficarão os setores de círculo, que formarão com garantir uma boa estabilidade, convém apoiar
a mesa, um ângulo correspondente a (90º todo este peso em 4 conjuntos de rolamentos,
menos a latitude). Veja a seguir, uma foto de sendo 2 conjuntos no setor do pólo celeste
um setor fixado na mesa. O construtor elevado, que é o maior, e 2 conjuntos no setor
(D.F.Molyneux), está localizado a 53 graus de oposto. Como a força gravitacional é
latitude, o que explica a grande inclinação do perpendicular ao solo, mas os setores são
setor em relação à mesa. Repare também, que oblíquos é necessário distribuir este peso em 2
as superfícies do setor que entrarão em contato rolamentos de cada conjunto:

58 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


OFICINA

Neste projeto, utilizaremos 8 rolamentos, sendo 4 no setor maior e 4 no setor menor. A


disposição dos rolamentos poderá também ser feita como no desenho abaixo, com 7 rolamentos.
Quanto maior a latitude (tanto ao norte quanto ao sul), mais acentuada será a diferença na largura
da base nos setores norte e sul (o ângulo do cone virtual é muito maior). Se a largura da base for
muito reduzida no setor oposto ao pólo elevado, é possível utilizar neste setor, apenas 3 rolamentos,
sendo um rolamento principal (no centro da base) e dois rolamentos de apoio nas extremidades, ou
ainda, dois rolamentos principais e um rolamento de apoio no centro. Em determinadas situações é
possível ainda, deixar neste setor apenas um ponto de apoio (um pivô), mas isto só é viável a partir
de latitudes acima de 50 graus.

Em resumo, a plataforma equatorial será É fundamental que haja precisão na


composta de 3 partes principais: construção deste esquadro/gabarito, e para
obter esta precisão, deve ser utilizada a
trigonometria básica. Veja no exemplo abaixo o
• A Mesa
cálculo das medidas de um esquadro para
• A Base
latitude de 23,5 graus):
• Sistema de tração
• Hipotenusa = 200 mm
A primeira peça que deverá ser construída
• Cateto menor = sen(latitude) * 200 = 79,75 mm
é um esquadro de madeira que será utilizado
para auxiliar no traçado das linhas e na • Cateto maior = cos(latitude) * 200 = 183,41 mm
aferição dos ângulos obtidos na montagem. •
Este esquadro deverá ter um ângulo reto (90
graus). O segundo ângulo será igual ao da A CONSTRUÇÃO DA MESA
latitude definida e o terceiro deverá medir 90
graus menos a latitude (não esqueça que a Antes de entrar nos detalhes de
soma dos ângulos de qualquer triângulo é igual construção, precisamos tomar algumas
a 180 graus). ATMs de Porto Alegre (latitude 30 medidas que serão necessárias para a
graus) ou de regiões de latitude 45 graus levam construção da plataforma. Para facilitar a
neste particular uma grande vantagem pois construção e os cálculos, a latitude poderá ser
poderão encontrar estes esquadros já prontos. arredondada, visto que isto não será um fator
Um instrumento com hipotenusa de 20 cm será crítico na construção. As medidas constantes
suficiente para todas as medidas necessárias, neste texto são referentes a um telescópio
e terá um tamanho mediano tornando o Newtoniano, Dobsoniano de 250mm, f/5,6. Os
manuseio bastante confortável. dados ficam sendo os seguintes:

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 59


OFICINA

• Latitude: 23,5 graus sul


• Diâmetro da base Dobsoniana (comprimento e largura em caso de base não circular): 650 mm
• Espessura das chapas de compensado: 20mm
• Distância da Mesa até o ponto de apoio: 69 mm
• Tempo máximo de acompanhamento: 60 minutos

Vamos ver a seguir os detalhes de construção de cada uma destas partes. Algumas
medidas são críticas e devem ser exatas para que a plataforma possa cumprir sua função de
forma eficaz. Como os cálculos são trabalhosos e envolvem muita trigonometria, é possível a
utilização de um programa que calcula as medidas e os ângulos necessários para a
construção. Isto dá uma grande flexibilidade para projetar e modificar até que seja encontrada
a configuração ideal.

No endereço http://planeta.terra.com.br/educacao/Astronomia/calculomesa.html
há uma página da Internet que efetua estes cálculos interativamente.

A mesa é uma chapa de madeira


plana, reta e horizontal onde ficará apoiado
o telescópio Dobsoniano (base e tubo).
Podem ser utilizadas placas de
compensado naval de 3/4" de espessura.
Dependendo do tamanho a espessura
poderá variar de 15 a 20 mm). Na superfície
inferior da mesa, serão afixados os setores
de círculo. O Setor maior ficará na direção
do pólo elevado. Os raios dos setores norte
e sul deverão ser calculados.

Mesa Construída por Warren Peters


(Vista pela parte de baixo)

60 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


OFICINA

As medidas necessárias para a


construção da mesa são:

a. Recuo para fixação do setor Sul


b. Recuo para fixação do setor Norte
c. Distância entre os setores Sul e Norte
d. Altura dos setores norte e sul (flecha)
e. Raio do círculo do setor Sul
f. Raio do círculo do setor norte
g. Largura da Mesa no setor sul
h. Largura da Mesa no setor norte
i. Semi-corda da superfície de contato do setor
Sul

Os cálculos envolvidos são relativamente simples, mas trabalhosos, e envolvem um


conhecimento básico de Trigonometria.

A-Recuo para fixação do setor sul - O D-Flecha dos setores Norte e Sul - Em
setor sul ficará ligeiramente afastado da borda da trigonometria, uma reta que corta um círculo
mesa. Para calcular este afastamento, utilize a fora do centro tem o nome de corda e a altura
fórmula: deste setor tem o nome de flecha. Para calcular
a flecha, utiliza-se a fórmula:
Recuo Sul = D * tan(Latitude)
Flecha = Recuo / sen(Latitude)

onde D é a distância da base da mesa até o seu Flecha = 30mm / sen(23,5)


ponto de apoio. Portanto: Flecha = 75,24 mm
Recuo = 69 * tan(23,5)
Recuo = 30mm

B-Recuo para fixação do setor Norte - O


setor norte ficará exatamente na borda da mesa.
Considerando que a chapa teria 20mm de
espessura, o centro desta espessura ficará pouco
mais de 10mm afastado da borda. O cálculo exato
deste afastamento é dado por:
Neste ponto surge uma dificuldade. Os
setores serão fixados na mesa formando um
Recuo Norte = (espessura / 2) / cos(Latitude) ângulo de 66.5 graus. Se o setor de círculo for
cortado em corte reto, o centro da espessura
Recuo Norte = 10,9 da madeira utilizada não tocará a mesa. Para
que a fixação seja firme e com a medida exata,
C-Distância entre os setores Sul e Norte - o corte deverá ser em um ângulo de 23,5
Considerando que o comprimento da plataforma graus. O valor da flecha encontrado ficaria
foi definido em 650mm, basta subtrair os recuos sendo válido para o centro da espessura da
Sul e Norte deste comprimento e teremos a madeira, mas nas superfícies os valores devem
distância entre as linhas centrais dos setores sul e ser calculados. Sendo de 20mm a espessura
norte: da chapa, temos:

Distância=Comprimento – Recuo Sul – Recuo Norte Flecha menor = Flecha central - (20 * tg(23,5)) / 2

Distancia = 650 - 30 - 10,9 Flecha menor = 75,24 – 4,35


Distância = 609,1 Flecha menor = 70,89 mm

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 61


OFICINA

Flecha maior = Flecha central + (20 * tg(23,5)) / 2

Flecha maior = 75,24 + 4,35


Flecha maior = 79,59 mm

E-Raio do círculo do setor Sul - Para calcular o Raio do círculo do setor sul, utilizamos
a fórmula:

corda
Rsul = --------------------------------------------------------------------------------------
2 * sen (180 – (2 * (90 – (arctan (2 * Flecha / corda )))))
650
Rsul = -----------------------------------------------------------
2 * sen (180 – (2 * (90 – (arctan (2 * 75,24 / 650 )))))

650
Rsul = ------------------------------------
2 * sen (180 – (2 * ( 90 – 13,035)))

650
Rsul = -----------------
2 * sen (26,0695)

Rsul = 740mm

F- Raio do círculo do setor norte - O setor G-Largura da mesa no setor Sul - Não é
norte, será menor (está mais próximo do vértice necessário calcular, pois é a mesma medida da
do cone virtual) e poderá ser calculado pela largura da plataforma, no nosso caso, 650mm.
fórmula: Observe que a largura corresponde à linha
onde o setor sul será fixado, e não exatamente
Rnorte = dSnorte * sen (latitude) na borda.

Inicialmente calcularemos a distância do H-Largura da mesa no setor norte - A


setor sul até o vértice do cone virtual: largura da mesa do setor sul será igual ao
comprimento da corda de um círculo de 498mm
de raio e uma flecha de 75mm, e pode ser
dSsul = Rsul / (sen(23,5))
calculada aplicando-se o teorema de Pitágoras:
dSsul = 1858mm
2 2 2
Raio = (Largura/2) + Flecha

Em seguida, a distância do setor norte até Largura = 2 * 262,82


o vértice do cone virtual: Largura = 526 mm

dSnorte = dSsul – Distância entre os setores I- Superfície de contato do setor sul - O


setor Sul, fará um acompanhamento de no
dSnorte = 1858 – 609,1 máximo 60 minutos, ou seja, 15 graus de
dSnorte = 1248,9 mm percurso e contato do setor com o rolamento.
Já dissemos anteriormente que para garantir
Finalmente, o Raio do setor norte uma boa estabilidade, este contato estaria
dividido nas bordas do setor Sul. Assim sendo,
Rnorte = dSnorte * sen (23,5) a parte central do setor Sul não será utilizada, e
pode ser eliminada em caso de necessidade de
redução no peso da plataforma. Eu vou optar
Rnorte = 497 mm
por manter esta área, ou em último caso, vou

62 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


OFICINA

desbastar as bordas, porém, pretendo não revestir de chapa metálica as áreas em que não haverá
contato. Para saber onde estarão as áreas de contato, utilize o esquema abaixo, que foi calculado
supondo um círculo com raio de 740mm e uma flecha de 75mm:

Todos os cálculos acima tiveram por objetivo preparar a mesa e suas partes da maneira
mais exata possível. Um dos segredos para a eficácia no acompanhamento está nos setores de
círculo, que deverão estar perfeitamente preparados, fixados e ajustados. Os setores deverão ser
fixados em um ângulo de exatamente (90 menos latitude) graus. Para obter esta exatidão e
também estabilidade dos setores Sul e Norte, a fixação deverá utilizar 5 escoras triangulares, sendo
3 no setor sul e 2 no setor norte.

Estas escoras deverão ser fabricadas em madeira maciça (caibros de 5x5 cm em peroba,
angico, maçaranduba, sucupira, ipê) cortados na forma de um triângulo em que o ângulo principal
será de (90 menos latitude) graus, no nosso caso, 66,5 graus. Use e abuse do esquadro pois ele foi
construído justamente para esta finalidade.

A CONSTRUÇÃO DA BASE deverão ser fixados os suportes com os seus


respectivos rolamentos, no nosso caso, dois
A base da Plataforma Equatorial deverá suportes ao Sul e dois suportes ao Norte,
ter mesma largura e o mesmo formato da Mesa. totalizando quatro suportes (8 rolamentos). Os
No setor Sul, o comprimento deverá ser cerca de rolamentos mais adequados deverão ter um
30 cm maior para comportar o sistema de diâmetro externo de cerca de uma polegada, e
Tracionamento (motor, engrenagens, mecanismo a medida do diâmetro interno é indiferente.
de Reset, bússola, niveladores por bolha etc) e no
setor norte, 5 cm serão suficientes para a fixação Estes rolamentos deverão ser fixados
dos suportes dos rolamentos. Assim como na em suportes de madeira maciça cortados no
construção da mesa, a base deve ser construída formato de um triângulo retângulo. Nos catetos
com madeira resistente (compensado naval de 15 deste triângulo serão fixados os rolamentos e o
a 20mm de espessura). Na superfície desta base, lado maior (hipotenusa) ficará em contato com

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 63


OFICINA

a base propriamente dita. O ângulo onde os


rolamentos farão contato com o setor de círculo
deverá ter 90 graus e os outros ângulos, deverão
ser compatíveis com a Latitude local. No nosso
caso, 23,5 graus (latitude) e 66,5 graus (90
menos latitude) respectivamente.

É na base da Plataforma equatorial,


que irá repousar o motor e todo o mecanismo
de acompanhamento. A Base deverá ser
equipada com "pés" reguláveis para compensar
as imperfeições do solo, visto que a
horizontalidade da base é fundamental para a
perfeição no acompanhamento. Cápsulas de
controle de nível (as mesmas que pedreiros
Os rolamentos devem ser fixados nos utilizam para conferir o nível ou prumo das
suportes, com a ajuda de um esquadro, tomando- construções) deverão ser fixadas para conferir
se as precauções devidas para que o Rolamento o nível longitudinal ou transversal. Alguns
principal fique bem no centro do ponto de contato ATMs equipam suas plataformas com bússolas
com o setor de círculo. Todavia, convém não fixar e ainda com pequenas lunetas buscadoras
de imediato os suportes na base, deixando esta préviamente colimadas para apontar para a
operação como uma das últimas etapas da estrela polar, facilitando em muito o
construção. Nesta etapa, é que serão ajustadas posicionamento da Plataforma no momento da
eventuais diferenças ou folgas. utilização.

Claro que nós do Hemisfério Sul teremos que adotar uma outra referência, já que não
conseguimos ver a estrela polar, e a nossa Sigma Octantis é dificílima de ser localizada.

OBS: Mesmo a Estrela polar, não está exatamente no polo norte, apresentando um desvio
de 45 minutos de arco. A Sigma Octantis, está a cerca de 1 grau do pólo celeste Sul, mas é
uma estrela de magnitude 5,4 enquanto que a estrela polar é visível a olho nu (mag: 1,96).

Observe ainda que o alinhamento por meio de bússola nos fornecerá o norte magnético e
não o norte geográfico. Se esta diferença fosse consistente, não haveriam grandes problemas,
mas o norte magnético varia de região para região, e varia também com o decorrer do tempo. Para
saber mais sobre o alinhamento polar, visite a página da Astrônoma Rosely Grégio que trata deste
assunto com detalhes:

http://www.constelacoes.hpg.ig.com.br/alinhamento_de_telescopio.htm

64 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


OFICINA

O SISTEMA DE TRAÇÃO

A mesa deverá girar em torno do seu eixo


polar para efetuar o acompanhamento do objeto.
Para que isto ocorra, é necessária a existência
um sistema de tracionamento, que deverá ser
composto por um motor e um sistema de
transmissão. A maioria das Plataformas
pesquisadas utiliza transmissão do giro do motor
por meio de um eixo roscado que movimenta um
braço tangente fixado ao setor sul da mesa.

Outras utilizam tração direta na superfície


de contato do setor sul ou em um dos rolamentos No nosso caso, foi calculado que o
que apóiam a mesa. Este último fornece uma percurso linear do braço tangente,
precisão muito maior, mas é muito mais difícil de (considerando que o ponto de apoio deste
construir. A tração via braço tangente tem um braço esteja na borda do setor de círculo) seria
problema crônico pois o braço que movimenta a de:
mesa percorre uma linha reta a uma velocidade
Cos(90-7,5) * 2 * Raio do Setor Sul = 193,17mm
constante mas o movimento desejado é o
movimento angular da superfície de contato dos
O perímetro deste arco de 15 graus,
setores.
considerando que o raio do setor sul é de
740mm, é calculado por: (2 * pi * Raio) / 360 *
Quanto menor for o raio, maior será a 15 = 193,73mm A diferença entre o percurso
diferença entre a velocidade linear do braço e a do braço e o arco de contato é de menos de
velocidade angular da mesa. Para avaliar o 0,55mm, e apesar de ser uma diferença
quanto esta diferença prejudica o pequena, é uma diferença que talvez possa
acompanhamento, é necessário efetuar alguns trazer alguns problemas de tracking.
cálculos.

Esta diferença não seria propriamente um problema, se a velocidade angular fosse


constante assim como acontece com a velocidade linear. A velocidade angular só será igual a
velocidade angular quando a mesa estiver exatamente na horizontal (aos 30 minutos de
acompanhamento). Analisando as diferenças no ângulo da mesa a cada 5 minutos poderemos ter
noção do "estrago" causado por esta diferença de velocidade:

Percurso Diferença
Tempo Ângulo Desejado Ângulo Real
linear de ângulo
em minutos (minutos de arco) (Minutos de arco)
em milímetros (minutos de arco)
0 0,00 450 450,00 0,00
5 16,10 375 374,67 -0,33
10 32,20 300 299,52 -0,48
15 48,29 225 224,52 -0,48
20 64,39 150 149,62 -0,38
25 80,49 75 74,79 -0,21
30 96,59 0 0,00 0,00
35 112,69 -75 -74,79 0,21
40 128,79 -150 -149,62 0,38
45 144,88 -225 -224,52 0,48
50 160,98 -300 -299,52 0,48
55 177,08 -375 -374,67 0,33
60 193,18 -450 -450,00 0,00

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 65


OFICINA

O desvio máximo calculado foi de 0,48 minutos de arco e a dispersão total pode ser
observada no gráfico abaixo:

O "estrago" parece que não foi grande. As maiores diferenças de velocidade se


concentram no início e no fim do acompanhamento. Para utilização da Plataforma em exposições
curtas, de no máximo 5 minutos, presume-se que este fator, não afetará a qualidade do
acompanhamento.

A MOTORIZAÇÃO

Existem dois tipos de motores que podem ser


utilizados para efetuar o "tracking": Os motores
comuns de corrente contínua (motor DC) e os
Motores de Passo. Motores DC são aqueles
normalmente utilizados em eletro-eletrônicos. Um
grande problema destes motores, é que eles não
garantem uma velocidade de giro regular.
Qualquer variação na corrente, no ciclo ou no
peso do objeto, pode resultar na variação na
velocidade de giro do motor.

No nosso caso, o peso a ser arrastado pelo motor


varia durante o processo de acompanhamento, Para ilustrar o funcionamento de um motor de
devido aos ângulos diferentes em que a passo, a figura acima mostra um motor de
plataforma irá se posicionar. Assim sendo, o uso passo com 4 bobinas. Cada vez que uma
de um motor DC não é aconselhado. destas bobinas do indutor é energizada, cria
um campo magnético que atrai o induzido, que
O motor de passo se caracteriza por uma por sua vez, acompanha a bobina energizada,
exatidão muito grande na velocidade de giro, já efetuando 1/4 de giro. Neste exemplo temos
que o controle é feito por bobinas independentes um motor de 4 passos por giro, e cada passo
que podem ser controladas por um circuito tem 90 graus. Somente uma bobina é
eletrônico ou por um computador. Motores de energizada a cada passo.
passos são encontrados em aparelhos onde a
precisão é um fator muito importante. São usados
em larga escala em impressoras, plotters,
scanners, drivers de disquetes, discos rígidos e
muitos outros aparelhos.

66 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


OFICINA

Este mesmo motor, pode ser programado para ser um motor de 8 passos por giro. Ao
energizar duas bobinas simultaneamente, o induzido se posiciona entre as duas bobinas,
realizando um passo intermediário. Veja no desenho abaixo:

Observe porém, que a existência de 4 Portanto, a opção ideal é controlar o


bobinas é apenas uma apresentação didática, motor de passo através de um pequeno circuito
pois normalmente os motores de passo possuem eletrônico, que deverá ser construído (veja
várias bobinas, o que permite um número maior abaixo). O controlador (driver) pode ser
de passo por giro, tornando a rotação muito mais construído usando transistores de potência,
precisa e isenta de vibrações. Nos exemplos mas é mais fácil é adquirir drivers prontos, por
acima, vimos passos de 90 e 45 graus, mas na exemplo, os circuitos integrados ULN 2003 ou
prática os motores de passo tem passos de 7,5 ULN2803, que nada mais são que arrays de
graus ou menores. transistores Darlington que podem controlar
correntes de até 500mA, estão em forma de
Os esquemas mostrados acima são circuitos integrados prontos para serem usados
semelhantes aos dos motores utilizados nos em interfaces que necessitem controlar
antigos drives de disquete de 5,1/4", que podem motores de passos, solenóides, relês, motores
ser encontrados com facilidade em lojas de DC e muitos outros dispositivos. O CI ULN
sucata de informática. É muito fácil controlar a 2803 tem 8 entradas que podem controlar até 8
velocidade de um motor de passo, usando um saídas. Com ele poderemos controlar até 2
micro-computador. A energização das bobinas motores de passo simultaneamente. Tanto o CI
poderia ser feita pela porta paralela que mandaria ULN 2003 como o ULN 2803 trabalham com
os sinais em sincronia com seus parâmetros correntes de 500mA e tensão de até 50v. A
internos e poderia até mesmo corrigir as utilização de motores de passo que consumam
diferenças entre a velocidade linear da tração e a mais que esse valor, poderão queimar os CIs.
velocidade angular. Dezenas de Hobbistas em É necessário verificar qual a amperagem de
robótica fazem operações muito mais complexas trabalho do motor, e deve-se dar preferência
do que esta. Todavia, isto criaria uma àqueles cujo consumo seja menor que 500mA,
dependência de manter um Lap-top controlando o para não sobrecarregar o CI. Um fator
acompanhamento e isto acabaria sendo um importante que se deve levar em consideração
entrave e prejudicaria a praticidade de utilização. é a fonte de alimentação que terá que fornecer

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 67


OFICINA

a amperagem necessária. A velocidade de giro do O CONTROLADOR DO MOTOR DE


motor de passo depende do circuito controlador. PASSO
A velocidade ideal será a mínima possível, que
seja suficiente para que a rotação não provoque
vibrações que prejudiquem a estabilidade da Na configuração desejada, independente
mesa. Esta velocidade normalmente estará acima do número de bobinas do motor, e já que os
de 300 RPM. sinais não serão enviados por um programa de
computador, é necessário um circuito eletrônico
que faça a energização das bobinas na
A velocidade do braço tangente que
seqüência e na velocidade corretas. Como foi
acionará a mesa, dependerá do comprimento do
visto no exemplo acima, numerando uma
percurso do braço no setor sul. Como já foi visto,
seqüência de 4 bobinas com número de 1 a 4
este percurso é de: Cos(90-7,5) * 2 * Raio do
teríamos que energizar:
Setor Sul = 193,17mm. Portanto, a velocidade
deverá ser de 193,17mm por hora, ou
aproximadamente 3,21mm/minuto. Considerando • passo 1 - bobina 1
que a tração será feita por uma barra roscada de • passo 2 - bobinas 1 e 2
1/4" de bitola com comprimento útil de 193,17mm, • passo 3 - bobina 2
e que existem nesta barra 20 espiras por • passo 4 - bobinas 2 e 3
polegada, concluímos que o percurso total • passo 5 - bobina 3
necessitará de 152 giros da barra roscada, ou • passo 6 - bobinas 3 e 4
seja, 2,53 rotações por minuto. Se o motor girar a • passo 7 - bobina 4
300rpm, será necessária uma redução superior a • passo 8 - bobinas 4 e 1
100 vezes, que deverá ser obtida através de um
conjunto de engrenagens.

O circuito abaixo, projetado pelo Engenheiro Eletrônico e Astrônomo Paulo Bonagura


executa esta tarefa de forma simples e funcional.

68 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


OFICINA

Este circuito é basicamente composto por então submetidos a dois Circuitos Integrados
um temporizador (555D), que envia em com 4 portas lógicas cada, sendo um deles
intervalos regulares e controlados, pulsos composto de 4 portas "And" (7408) e o outro
elétricos para um contador (74393) que utiliza 3 composto por 4 portas "Not And".
bits. Cada vez que este contador recebe um pulso
do temporizador ele executa sua função de Uma porta And é um circuito que
"contar", ou seja, soma 1 ao valor que está na sua recebe duas correntes elétricas (entrada) e
memória. Desta memória só nos interessam os 3 devolve uma (saída). A saída será 1 se, e
bits de peso fraco, e que combinados resultam somente se, as duas correntes de entrada
em valores de 0 a 7. O resultado deste contador é forem 1. Uma porta Not And também é um
lido pelo Decodificador (74138), que transforma circuito que recebe duas correntes elétricas
os 3 bits em um endereço de 8 bits onde um bit (entrada) e devolve uma (saída). A saída será 1
retornará o sinal zero e os restantes o sinal 1. se, e somente se, as duas correntes de entrada
Estes 8 sinais gerados pelo decodificador serão não forem 1.

Abaixo, uma simulação dos 8 passos executados por este circuito, esclarecendo que 0
(zero) significa ausência de corrente elétrica e 1(um) indica presença de corrente.

Valor
Memória do Entrada Porta Saída Porta Entrada Porta Saída Porta
Valor modificado pelo
contador And And Not And Not And
decodificador
000 0 11111110 11 11 11 11 1111 01 11 11 11 1000

001 1 11111101 10 01 11 11 0011 10 10 11 11 1100

010 2 11111011 11 11 11 11 1111 11 01 11 11 0100

011 3 11110111 11 10 01 11 1001 11 10 10 11 0110

100 4 11101111 11 11 11 11 1111 11 11 01 11 0010

101 5 11011111 11 11 10 01 1100 11 11 10 10 0011

110 6 10111111 11 11 11 11 1111 11 11 11 01 0001

111 7 01111111 01 11 11 10 0110 10 11 11 10 1001

A forma com que estas portas foram ligadas ao Decodificador faz com que as saídas das 4
portas Not And gerem sinais que são lidos diretamente pelas 4 primeiras entradas do
controlador de Motor de Passo (ULN 2003) numa combinação que fornece a corrente
necessária para a energização das bobinas.

• passo 1 - bobina 1 (1 0 0 0)
• passo 2 - bobinas 1 e 2 (1 1 0 0)
• passo 3 - bobina 2 (0 1 0 0)
• passo 4 - bobinas 2 e 3 ( 0 1 1 0)
• passo 5 - bobina 3 ( 0 0 1 0)
• passo 6 - bobinas 3 e 4 (0 0 1 1)
• passo 7 - bobina 4 (0 0 0 1)
• passo 8 - bobinas 4 e 1 (1 0 0 1)

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 69


OFICINA

SAIBA MAIS

São dezenas de Home-pages que tratam deste assunto, a esmagadora maioria em idioma
inglês. Abaixo, alguns links selecionados com ilustrações e planos de construção:

• Reagan's Dob Tracker • A Low Profile Equatorial Platform Rob Brown


http://www.geocities.com/reaganjj/ http://home.comcast.net/~mcculloch-
• Chuck Shaw brown/astro/platform.html
http://www.ghg.net/cshaw/platform.htm • Cylindrical Bearing Equatorial Platforms Chuck
• TL System Aluminium Platform Shaw http://www.atmsite.org/contrib/Shaw/platform/
http://astronomy- • Improved Cylindrical Bearing Equatorial Tracking
mall.com/regular/products/eq_platforms/ Table http://faculty.washington.edu/quarn/stpmtr.html
• Don's Equatorial Platform • Robert Duval An Evolved Poncet Platform
http://home.att.net/~segelstein/don/platform-1.html http://www.jlc.net/~force5/Astro/ATM/Poncet/Intro.
• Building an equatorial platform for a dobsonian html
telescope • Bill Mitchell: The equatorial platform
http://home.wanadoo.nl/jhm.vangastel/Astronomy/Ponc http://www.telescope.150m.com/platform/platform.htm
et/e_index.htm • A new stepper motor driver circuit (mainly) for
• Equatorial Platform Meeting Notes driving equatorial platforms
http://www.starastronomy.org/Library/Platform/eqplat1. http://w1.411.telia.com/~u41105032/Stepper/Stepper.
html htm
• The Equatorial Platform • Dobsonian Tracking Platform By Walt Hamler
http://homepage.ntlworld.com/molyned/the_equatorial_ http://www.cfas.org/Library/tracking_platform.htm
platform.htm • How To Build Your Own Poncet Table In Only 18
• Jon Fields Platform Months http://www.rmss.org/gallery/article1.htm
http://home.att.net/~fieldsj/platform.htm • Low Profile Equatorial Table By David Shouldice
• AstroSystems http://members.tripod.com/denverastro/dsdfile/dspfile.
http://www.astrosystems.biz/eqplat1.htm htm
• How to Align your equatorial Platform • Brad's Platform
http://www.geocities.com/reaganjj/tracking http://www.fred.net/bdavy/scope.htm
• Economical Platforms for most Dobsonians • Johnsonian Designs
http://www.equatorialplatforms.com/compact.htm http://www.johnsonian.com/COOL.HTM
• Make An Equatorial Telescope Platform In a Week! • Plataforma Equatorial de Setores de Círculo
http://www.granitic.net/astro/platform.htm http://planeta.terra.com.br/educacao/Astronomia
• Portaball on an Equatorial Platform
http://astronomymall.com/regular/products/eq_platform ∞
s/portaball.htm

Paulo Oshikawa
Colaborador | Revista macroCOSMO.com
oshikawa@bitti.com.br

70 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


PALESTRA

A ASTRONOMIA E SEU

COMEÇO
Audemário Prazeres | Sociedade Astronômica do Recife

Certo dia disseram que a expectativa gerada pela mídia, eu tive a infeliz
ASTRONOMIA era filha de uma mãe muito oportunidade de ver junto ao público, com a
louca, que é a Astrologia. De fato, não podemos passagem do cometa Halley. Onde em 1910
deixar de admitir que esta afirmação é registros nos mostram um temor da população,
verdadeira. Porém, podemos sem sombra de que associavam o cometa a grandes tragédias
dúvidas, diferenciar uma Pseudociência de uma e epidemias. E na sua última passagem, que foi
verdadeira Ciência. A Astrologia ela preconiza a mais próxima do que em 1910, houve um certo
influência dos astros na personalidade e nos descontentamento gerado pela grande
destinos do homem (afirmam os seus expectativa da mídia, provocando reações com
praticantes). Já a Astronomia é uma verdadeira expressões do tipo: “Isso é o Halley!!!”.
ciência pura, que estuda os astros em sua Não é de se estranhar, portanto, que os
constituição e movimento. professores das escolas tenham um certo
Tudo começou, graças a capacidade de receio em levar a Astronomia para a sala de
observação do céu por algumas civilizações aula ou que, quando o fazem, se apeguem aos
mesopotâmias como: caldeus, babilônicos e livros de texto. E os autores desses livros, por
sumérios. E os pensamentos dos antigos sua vez, pouco deixam de reproduzir o que
gregos na Escola de Alexandria como: encontram em outros textos. À medida que as
Aristarco, Eratóstenes, Hiparco e Ptolomeu, nos cópias se sucedem, as incorreções se
quais foram surgindo várias explicações sobre a multiplicam e as definições ficam cada vez mais
origem e os movimentos dos astros. E bem incorretas. Um exemplo bem comum, é que
verdade, que os primeiros conceitos tanto GALÁXIAS como CONSTELAÇÕES
associavam os astros e seus movimentos à encontramos em alguns livros didáticos como
deuses, começando com o Sol, Lua e os sendo um “conjunto de estrelas”. O que na
planetas. Não é à toa que os gregos e romanos verdade, GALÁXIAS são agrupamentos
deram os nomes e sentidos aos planetas à gigantescos de estrelas, gases e poeira. E
deuses da sua mitologia. quanto as CONSTELAÇÕES, são
Na verdade, o fascínio que o céu simplesmente um agrupamento aparente de
sempre exerceu sobre o homem está registrado estrelas, definidas dependendo da referência
na história de todas as civilizações. O interesse utilizada.
pelo céu independe da idade, velhos e crianças,
todos se deixam cativar por sua beleza e pelos
enigmas que ele esconde. A curiosidade das E O PORQUE DA ASTRONOMIA AMADORA?
crianças pela Astronomia tem sido reconhecida
e explorada até abusivamente pelos meios de A característica fundamental dos seres
comunicação: multiplicam-se as estórias humanos é a sua curiosidade. E isso vemos
fantásticas com naves espaciais, seres constantemente com o interesse em terras
extraterrestres, cientistas com ar de malucos distantes e misteriosas; pela fauna dos
em astros desconhecidos, etc. oceanos; a origem pelas montanhas; a
Essa falsa ciência acaba gerando uma composição do centro da Terra, etc. Tudo isso
enorme expectativa em relação a eventos que e muito mais, são estudadas por disciplinas
nada têm a ver com os fatos astronômicos organizadas e objetivas chamadas de Ciência,
reais. E os astrônomos acabam sendo vistos na qual nos possibilita aumentar os nossos
usando instrumentos extremamente sofisticados conhecimentos e satisfazer as nossas
e criando teorias complicadíssimas. Essa curiosidades.

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 71


PALESTRA

E a Astronomia é, hoje em dia, uma profissionais, e constantemente vemos


das poucas Ciências (SE NÃO FOR A ÚNICA), amadores fazendo descobertas em vários
em que o amador realmente tem vez. Como segmentos da Astronomia (cometas; meteoros;
também, é a ciência que oferece uma melhor supernova; etc.).
compreensão sobre o contexto em que
estamos inseridos, satisfazendo o aspecto da Só para se ter uma idéia, no que refere
curiosidade humana. a Astronomia observacional, entre 60 e 70%
das atividades são realizadas pelos
No caso da Astronomia, desde a astrônomos amadores espalhados pelo mundo.
remota antigüidade, o homem tem observado o Pois o instrumento as vezes utilizados pelos
céu e os fenômenos celestes que surgiam, e profissionais, estão ao alcance do amador,
sempre se buscou explicar o que se vê. E isso quando não, os amadores com as suas
se fez de maneira bastante comum, com adaptações promovem pesquisas semelhantes
questionamentos simples, do tipo: O Sol nascer e de alto valor científico. Não podemos deixar
no horizonte Leste, seguido de um período de de destacar, que com o advento da INTERNET,
claridade (dia), e o seu “sumiço” no horizonte boa parte dos programas de computadores
Oeste, dando início a escuridão (noites). voltados para a Astronomia, em que os
profissionais utilizam em suas áreas
Nesse contexto, lembro que com o específicas, são também utilizados pelos
surgimento do telescópio, houve uma mudança amadores.
radical nos conceitos astronômicos, pois
emergiu uma nova Astronomia. E esta nova
ciência se profissionalizou, fazendo com que COMO SER UM O ASTRÔNOMO
esses profissionais tenham na Astronomia a AMADOR???
sua única fonte de subsistência.
É IMPRESCINDÍVEL POSSUIR UM
Já os amadores, são pessoas com as INSTRUMENTO?
mais variadas profissões, que inicialmente se
dedicam as observações astronômicas motivas
pelo prazer. Até este ponto, não há nada de Respondendo esta pergunta, esclareço
incomum. Pois da mesma forma em que existe o seguinte: É desejável claro, mas não
pessoas que encontre divertimento em imprescindível. A olho nu vemos cerca de 6000
atividades como: pescaria; observando aves; estrelas até a Sexta magnitude (antigamente
colecionando variados objetos; fazendo trilhas; falava-se grandeza). O simples uso de um
etc. Há aqueles que se divertem observando o binóculo de médio alcance eleva essa
céu. Mas existe um diferencial relevante que quantidade para cerca de 500.000 estrelas.
vale a pena lembrar que vemos na definição da Com o auxílio de um telescópio (espelho) ou
palavra “amador”. Observe que esta palavra é luneta (lente) esse número fica muito mais
também designada para aqueles que “amam” ampliado. Nesse caso a observação do céu
uma determinada atividade. E estando nós torna-se ainda mais interessante. É bom frisar
amando, prevalecemos a obstinação e que um dos objetivos mais fascinantes dessa
dedicação. Estes sentimentos o amador os ciência é, justamente a parte
aplica de forma inteiramente livre, podendo OBSERVACIONAL Pois já dizia o grande
observar o que ele quiser. Ao contrário dos mestre Pe. Jorge Polman: “SEM
profissionais, que dominam muito bem o campo OBSERVAÇÃO, NÃO HÁ ASTRONOMIA”.
teórico, desenvolvem suas atividades de
maneira específica as quais são “presos” as Mas também devemos ter em mente
rígidas normas sejam da instituição ais quais que é preciso saber o que observar, neste
estão vinculados ou da própria natureza da caso, faz-se necessário algum conhecimento
observação. Com isto, não podemos afirmar teórico da Astronomia. Neste contexto, os
que ocorre uma diversificação de observações astrônomos amadores pertencem a dois grupos
por parte do profissional. Já com o amador, a distintos:
diversificação é uma característica bastante
comum, fazendo desses amadores verdadeiros 1. Os que aprendem os conhecimentos
conhecedores do céu em relação aos básicos e se dedicam apenas à tarefa de

72 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


PALESTRA

observar, fazendo da Astronomia um “hobby” e planetas, procure identificar as constelações do


apreciando os fenômenos celestes e as belas zodíaco, pois são nelas que todos os planetas
imagens que os astros oferecem. caminham.

2. No segundo grupo, temos os amadores 6. Convença-se que o mais importante


que praticam uma Astronomia mais “seria”, ou são as observações, e que suas teorias
seja, tendo ultrapassado o estágio inicial da ninguém está interessado em ouvir. Teorias
simples observação, se dedicam depois a são frutos de anos de pensamento, às vezes
coletar dados do que observam para repassá- séculos de observações, compostas
los às entidades astronômicas nacionais e até geralmente por pessoas que conhecem a fundo
internacionais. e profissionalmente o assunto.
7. Seu hobby ou passa-tempo de
Para os aficionados inseridos nesses Astronomia vai-lhe custar dinheiro.
grupos, é de fundamental importância o Dependendo do que vai querer fazer. De início,
intercâmbio de idéias com entidades e pessoas você vai ter que adquirir um bom atlas do céu
envolvidas com a Astronomia amadora, tanto ou um computador que tenha um planisfério.
na sua forma teórica como pratica. Com o tempo, após definir o que quer observar,
essa sua escolha vai lhe exigir algum material
ou acessório a mais para o seu instrumento.
Alguns conselhos são bastante úteis para 8. Não pense que você estando ligado a
aqueles que iniciam nesta ciência. Se não uma associação de Astronomia, ou fundando
vejamos: uma entidade amadora com seus amigos, você
vai obter recursos financeiros do governo ou
1. Evite ao máximo entrar em contato com entidades particulares. Seja humilde, pois você
os observatórios profissionais e seus não passa de um amador, e ninguém está
astrônomos para pedir informações. Em sua esperando por suas descobertas. Na verdade,
maioria eles não possuem um serviço de você vai passar muito tempo e muito trabalho
relações públicas ou interesse em responder. sério para ser reconhecido.
Procurem entidades amadoras. 9. O leque de opções dentro da
2. Convença-se que mesmo após muitas Astronomia é extremamente grande, busque
leituras, ou consultas na Internet. Você uma determinada pratica observacional e
continua sabendo. Na verdade, geralmente procure informações específicas a esta pratica.
todo este texto teórico não ensinam a prática. Pouco vai lhe ajudar, você optar para
Por exemplo: ler mapas celestes, usar observação solar e ao mesmo tempo querer
coordenadas e encontrar objetos siderais como fazer observações de binárias.
referência. Um fato bastante relevante, é que 10. Por último, vem a questão do
quando existe estas informações as mesmas instrumento a ser utilizado. Não vá diretamente
se mostram como uma mera cópia de outras a uma loja e apenas colha informações nos
informações, não levando em conta a latitude manuais dos instrumentos, e principalmente,
de onde o observador se encontra. informações com os vendedores. Em sua
3. Para o exercício de ser um bom maioria esses vendedores não sabem o que
amador, deve prevalecer o espírito científico, estão vendendo, e os manuais não são
com observações contínuas tendo muita explícitos para que o instrumento é adequado.
paciência e pôr em mente que você se Procure uma entidade amadora, ou algum
encontra sempre pronto para aprender. amador experimentado e informe o que você
4. É fundamental logo de início, você quer observar, e o modelo do instrumento que
saber identificar as principais constelações a deseja comprar. É de fundamental importância
olho nu, e em seguida as suas principais que o amador possua um binóculo e um
estrelas. Depois procure localizar os outros instrumento. Então, compre primeiro um
objetos celestes tipo: nebulosas; aglomerados; binóculo. É bom ressaltar que é possível
e os planetas. efetuar 50 tipos de observações astronômicas
5. Para localização e observação dos com valor científico com um binóculo. ∞

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 73


PALESTRA

ALGUMAS ENTIDADES AMADORAS QUE


EXISTEM (OU EXISTIAM) EM PERNAMBUCO

5) C.E.A. – Clube Estudantil de Astronomia na


Várzea – Recife
6) C.A.O. – Clube de Astronomia de Olinda
7) Clube de Ciências e Astronomia do Colégio São
Luiz
8) Centro de Astronomia e Pesquisa Aeroespacial
de Moreno
9) Sociedade de amadores para Pesquisas
Científicas em Limoeiro
10) CEFEC – Centro Experimental de Foguetes em
Carpina

1) Sociedade Astronômica de Pesqueira – Pesqueira


2) A.A.P. – Associação Astronômica de Pernambuco – Carpina/Jaboatão
3) S.A.R. – Sociedade Astronômica do Recife
4) Clube de Ciências Astronômicas do Colégio Americano Batista

(...) Palestra Ministrada Por: Audemário Prazeres (*), No Auditório Central Da Biblioteca Pública
Do Estado De Pernambuco Em 12 De Junho De 2003, Abrindo O Circuito De Palestras Da Agenda
Cultural Oficial Da Secretaria De Cultura E Fundação De Cultura, Conforme A Sua Publicação Número
94 Ano 9, Página 37

Audemário Prazeres, astrônomo amador atuante há 21 anos, é o Presidente-Fundador da


Associação Astronômica de Pernambuco - A.A.P., criada em 1985; Foi o Coordenador da primeira
equipe amadora do Brasil a redescobrir e fotografar o cometa Halley; tendo exercido cargos na
diretoria do antigo Clube de Estudantil de Astronomia – C.E.A., é atual Presidente da Sociedade
Astronômica do Recife – S.A.R.
E-mail: audemárioprazeres@ig.com.br
Sociedade Astronômica do Recife: http://sociedadeastrorecife.cjb.net
Associação Astronômica de Pernambuco: www.aapbrasil.kit.net

74 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


GUIA DIGITAL

mapas
CELESTES
Rosely Grégio | Revista macroCOSMO.com

A internet é uma imensa biblioteca Celestes Contudo, para aqueles não estão
atualizadíssima sobre todo e qualquer assunto. familiarizados com as tais coordenadas
Quando digitamos uma palavra sobre algum celestes, a maneira mais simples e fácil de
assunto específico em sites de busca como, por descobrir os objetos celestes usando um mapa
exemplo o Google (www.google.com.br) ou o do céu é primeiro acostumar seus olhos ao
Yahoo Brasil (www.yahoo.com.br), aparece uma escuro com pelo menos 15 minutos antes de
infinidade de links sobre o determinado tema nos sua observação; segundo, localizar a
mais variados idiomas. Contudo, nosso propósito constelação que lhe é mais familiar, por
é sempre levar até nossos leitores uma seleção exemplo: Orion, Cruzeiro do Sul ou Touro;
de sites que consideramos confiáveis e que nos terceiro, virar o mapa de forma que a posição
trazem excelentes informações sobre Astronomia das constelações fiquem a mais parecida
e ciências afins. Desta feita selecionamos alguns possível com aquilo que você está vendo no
temas que vão auxiliar, principalmente aos céu, e a partir de uma constelação ir
iniciantes, a ampliar sua forma de contato com o descobrindo as suas vizinhas próximas e assim
céu e sua observação. Claro que para isso é por diante.
necessário ter em mãos mapas ou cartas celestes Existem alguns livros que podem te
mesmo que você não esteja usando nenhum ajudar a conhecer o céu, entre eles temos o
equipamento, apenas seus olhos. Elas vão te Atlas Celeste do Professor Ronaldo Rogério de
ajudar a localizar e identificar os objetos celestes Freitas Mourão, Editora Vozes; e o livro Rumo
com mais facilidade e pouco a pouco, dia a dia às Estrelas de Alberto Delerue, editado pela
você vai estar reconhecendo a olho desarmado Jorge Zahar.
todas as constelações que são visíveis do seu Claro que sempre há a opção de se
hemisfério a cada mês. instalar em seu computador de um planetário
Do mesmo modo que nos orientamos na virtual, mas nem sempre temos um micro de
Terra através de mapas geográficos e suas mão para levar ao campo de observação,
coordenadas, a orientação celeste se faz da assim, onde podemos encontrar cartas celestes
mesma maneira usando as chamadas Cartas gratuitas e imprimíveis na internet?

Entre outras coisas, o site Sky Maps nos


possibilita encontrar a cada mês duas cartas celestes
em PDF para imprimir, uma para o Hemisfério Sul e
outra para o Hemisfério Norte. Nelas, estão
assinalados a posição da Lua, planetas, estrelas e as
principais constelações, agrupamentos de estrela,
algumas nebulosas e galáxias distantes, localizar e
seguir cometas luminosos pelo céu e aprender sobre
o céu noturno e astronomia.

www.skymaps.com

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 75


GUIA DIGITAL

O site INAPE http://www.inape.org.br apresenta


uma gama variada de material sobre astronomia e o Atlas
disponível para download apresenta estrelas de
magnitude até 3.5, alguns objetos deepsky, a Via Láctea
está assinalada em tonalidades diferentes de cores
indicando onde ocorre a maior concentração de estrelas
e informações de forma simplificada. As 15 partes do
Atlas podem ser imprimidas separadamente em papel
formato A4 que pode ser usado como apostila, ou ser
montado como mosaico, originando um belo poster de
tamanho aproximado de 92cm x 80cm. Todas as partes
estão compactadas em um único arquivo auto-extração, www.inape.org.br
bastando executá-lo para extrair as imagens.

No site Hawaiian Astronomical Society existem


excelentes Cartas celestes de todas as 88
constelações com seus respectivos detalhes e
ampliações estão disponíveis no site ao lado. Trás
informações sobre as constelações, imagens de
objetos do céu profundo, e um rico conhecimento
astronômico. Os mapas para imprimir trazem estrelas
de mag 11. Recomendamos que, após imprimir os
mapas que desejar, plastifique-os em ambas as faces
para que a umidade noturna não os danifique.
www.hawastsoc.org/deepsky

Uma bela carta celeste pode ser vista online


no site da National Geographic. Mas se o leitor tem
uma paciência de Jó, e um bom software editor de
imagens, então monte a Carta celeste de ambos os
hemisférios, inclusive com alguns dos deep sky já
observados pelo HST. Será um pouco trabalhoso
salvar as imagens ampliadas, encaixar tudo para
formar o pôster, mas o resultado final vale a pena!
E não esqueça de revesti-lo com papel
transparente adesivo, tipo contact para não perder
todo seu trabalho.
www.nationalgeographic.com/stars/chart/

Mas, se você deseja montar seu próprio


planisfério... Então visite o site Astronomia &
Astronáutica de José Serrano Agustoni [Zeca]. .
Vá à sessão ‘’Na Prática’’ copie, imprima e monte
uma bela carta giratória do céu. Tudo explicado
passo a passo e em português. Aproveite para
conhecer todo o site, construir equipamentos e
ver o trabalho realizado pelo autor.

planeta.terra.com.br/lazer/zeca/astronomia

76 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


GUIA DIGITAL

Ou então, o site de Toshimi Taki (em inglês) e


mãos a obra!

www.asahi-net.or.jp/~zs3t-
tk/planisphere/planisphere.htm

Franz Niklaus König - Celestial atlas


(1826). Para aqueles que tem interesse em
conhecer e ter cartas antigas de diversas
constelações, o site ao lado é uma boa dica
para isso.

www.stub.unibe.ch/stub/koenig/celestial.html

Mas, se você deseja montar seus próprios mapas


do céu, no site você encontra um excelente software é
mais uma opção cuja dica nos foi passada por Hugo
Valentim. Link direto para descarga do programa:

http://www.starmapstudio.de/download/starmapstudiov12e.exe

O programa StarMapStudio é freeware de autoria


de Udo Anschuetz. O site está em alemão, mas o
programa trás um menu com ícones bem interativos.
www.starmapstudio.de

Para buscar planetários virtuais e muitos outros


softwares voltados para a Astronomia, nada melhor do
que encontrar em site total e exclusivamente dedicado a
isso não é? Então, visite o site do nosso amigo Hugo
Valentim e delicie-se com a quantidade e qualidade do
material ali encontrado. Existem duas versões do site,
uma em português e outra em inglês. Lembrando que a
maioria dos Planetários Virtuais apresenta a opção de
imprimir as cartas celestes. Embora a maiorias dos
softwares são idealizados para rodarem em plataforma
Windows, existem alguns poucos programas que
astrotips.com funcionam em Linux e Mac.

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 77


GUIA DIGITAL

Este site é mais uma boa dica para


buscar programas astronômicos.

www2.prossiga.br/astronomia/asp/
SaidaCat.asp?cod=16&id=port

Está querendo ver cometas? Se você está interessado em localizar os cometas que estão
visíveis no momento, recomendamos excelentes na web os sites abaixo que trazem além das
cartas de busca as coordenadas e outras informações sobre eles:

www.geocities.com/costeira1 reabrasil.astrodatabase.net aerith.net/

Se você dispõe de um planetário virtual


instalado em seu computador, a atualização de dados
para cometas de alguns planetários podem ser
baixadas no link ao lado.

cfa-www.harvard.edu/iau/Ephemerides/
Comets/SoftwareComets.html

Programas astronômicos para Palm. Segundo


algumas opiniões, os melhores são 2Sky, Planetarium e
StarPilot. Para quem quer programas gratuitos e
utilitários, dê uma olhada no site.

www.freewarepalm.com/astronomy/
astronomy.shtml

Se a sua intenção é observar a bela Luna... Aguarde nossas dicas nas próximas edições da
Revista MacroCOSMO.com! Abraços Celestes e feliz caçada na web!
Rosely Grégio
rgregio@uol.com.br

78 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


Autoria

A Revista macroCOSMO.com, a
primeira revista eletrônica brasileira de
astronomia, abre espaço para todos
autores brasileiros, uma oportunidade de
exporem seus trabalhos, publicando-os em
uma de nossas edições.

Instruções aos autores:

1. Os artigos deverão possuir Título, resumo, dissertação, conclusão, notas bibliográficas e


páginas na internet que abordem o assunto;

2. Fórmulas matemáticas e conceitos acadêmicos deverão ser reduzidos ao mínimo, sendo


claros e concisos em seus trabalhos;

3. Ilustrações e gráficos deverão conter legendas e serem mencionadas as suas respectivas


fontes. Pede-se que as imagens sejam enviadas nos formatos JPG ou GIF.

4. Quanto as referências: Jornais e Revistas deverão constar número de edição e página da


fonte pesquisada. Livros, pede-se o título, autor, editora, cidade, país e ano.

5. Deverão estar escritos na língua portuguesa (Brasil), estando corrigidos ortograficamente.

6. Os temas deverão abordar um dos ramos da Astronomia, Astronáutica ou Física. Ufologia e


Astrologia não serão aceitos.

7. Traduções de artigos só serão publicados com prévia autorização de seus autores originais.

8. Antes do envio do seu arquivo envie uma solicitação para


autoria@revistamacrocosmo.com, fazendo uma breve explanação sobre seu artigo. Caso
haja um interesse por parte de nossa redação, estaremos solicitando seu trabalho.

9. Os artigos enviados serão analisados e se aprovados, serão publicados em uma de nossas


edições.

10. O artigo será revisado e editado caso se faça necessário. As opiniões vertidas, serão de
total responsabilidade de seus idealizadores.

11. O autor receberá um exemplar no formato PDF da revista respectiva, por e-mail ou correio
convencional através de mini-cds.

revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004 79


revista

macroCOSMO.com
Ano I - Edição nº 2 – Janeiro de 2004

80 revista macroCOSMO.com | Janeiro 2004


A PRIMEIRA REVISTA ELETRÔNICA BRASILEIRA EXCLUSIVA DE ASTRONOMIA
revista

macroCOSMO.com Ano I - Edição nº 3 – Fevereiro de 2004

Viagens
Superluminais
Alternativas para viagens interestelares
hiper-rápidas

Viver e morrer Pelo olhar do


no espaço Hubble
revista macroCOSMO.com
Ano I - Edição nº 3 – Fevereiro de 2004

Redação
redacao@revistamacrocosmo.com editorial
Diretor Editor Chefe
Hemerson Brandão
hemersonbrandao@yahoo.com.br
A viagem interestelar continua sendo um grande
sonho da humanidade, mas a sua realidade ainda é algo
impossível teórica e tecnologicamente.
Revisão
Audemário Prazeres
audemarioprazeres@ig.com.br
Segunda a Teoria da relatividade postulada pelo físico
Roberta Maia alemão Albert Einstein, o excesso de massa causada pelas
anck_su_namon@bol.com.br forças de aceleração de uma nave, inviabilizaria qualquer
aproximação da velocidade da Luz. Poderíamos burlar esse
WebMaster princípio e viajar pelo espaço em velocidades superluminais?
Hemerson Brandão
hemersonbrandao@yahoo.com.br
Físicos, como é o caso do português João Magueijo,
afirmam que Einstein estava errado em suas convicções e
Tradutor abrem novas discussões sobre a “velocidade da luz
William Fernandes variável”.
arquibaldo@bol.com.br

Em nosso artigo de capa, longe de discordar de um


Redatores
Marco Valois
dos maiores gênios da humanidade, justamente no ano em
marcovalois30@hotmail.com que se comemoram os 85 anos da comprovação de sua
Hélio “Gandhi” Ferrari teoria, exploraremos a possibilidade de ultrapassar a barreira
gandhiferrari@yahoo.com.br
da luz, em conformidade com a teoria de Einstein. Os
Paulo Monteiro
arq.pauloricardo@bol.com.br
buracos de minhoca e a Dobra Espacial seriam a solução?
Rosely Grégio
rgregio@uol.com.br
Há um ano assistíamos chocados, a mais um desastre
Colaboradores espacial, vitimando sete astronautas a bordo do ônibus
Audemário Prazeres espacial americano Columbia. Dedicamos essa edição a
audemarioprazeres@ig.com.br
eles e outros cientistas que perderam suas vidas em prol da
Francisco Lobo
flobo@cosmo.fis.fc.ul.pt pesquisa científica.
Pedro Ré
pedro.re@mail.telepac.pt Boa leitura e céus sem poluição luminosa.
Ronaldo Garcia
ronaldo@centroastronomico.com.br

Divulgação/Publicidade Hemerson de França Santos Brandão


Lílian Luccas Diretor Editor Chefe | Revista macroCOSMO.com
lilianluccas@hotmail.com
editor@revistamacrocosmo.com

2 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


revista macroCOSMO.com
redacao@revistamacrocosmo.com sumário

4 EXPLORAÇÃO ESPACIAL | Pelo olhar do Hubble


11 ASTROFÍSICA | O Estudo dos meteoros
13 ASTRONÁUTICA | Viver e morrer no espaço
18 EFEMÉRIDES | Agenda Diária
29 FÍSICA MODERNA | Viagens Superluminais
33 ASTROFOTOGRAFIA | Fotografando o Universo – Parte III
40 FOGUETISMO | Entretenimento científico amador
44 EFEMÉRIDES | Agenda Histórica
55 MITOS CIENTÍFICOS | OVNIS
57 GUIA DIGITAL | Televisão online
60 AUTORIA

Capa: Concepção artística criada por André Fonseca da Silva, ilustrando uma nave
interestelar em velocidade de Dobra Espacial. Cortesia da Fundação CEU - Centro
de Estudos do Universo. Nomeada de Cygnus, essa nave é utilizada como recurso
didático nas aulas de astronomia da Fundação e ilustra também o Boletim
Centaurus da mesma instituição. www.centroastronomico.com.br

© É permitida a reprodução total ou parcial desta revista desde que citando sua fonte, para uso pessoal sem
fins lucrativos, sempre que solicitando uma prévia autorização à redação da Revista macroCOSMO.com.
A Revista macroCOSMO.com não se responsabiliza pelas opiniões vertidas pelos nossos colaboradores.
Versão distribuída gratuitamente na versão PDF em http://www.revistamacrocosmo.com

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 3


EXPLORAÇÃO ESPACIAL

Hubble
PELO OLHAR DO Está preste a encerrar uma das missões
mais bem sucedidas da NASA. O Hubble, o
primeiro telescópio orbital, aproxima-se de sua
aposentadoria, colecionado inúmeras descobertas,
que revolucionaram a astronomia moderna. O
projeto custou mais de 1 bilhão e meio de dólares e
foi lançado do compartimento de carga do ônibus
Hemerson Brandão | Diretor Editor Chefe espacial Discovery em abril de 1990. Está situado a
editor@revistamacroCOSMO.com
600 km de altitude demorando 95 minutos para dar
uma volta completa em torno da Terra.

Em 10 anos de operação, o Telescópio


Espacial Hubble (HST) presenciou o nascimento de
estrelas no interior de nebulosas, colisões de
galáxias e coletou valiosas informações sobre o
surgimento e evolução do nosso universo.
Acumulou provas sobre a existência de buracos
negros, investigou a estrutura dos quasares e
enxergou mais longe do que qualquer telescópio
terrestre poderia alcançar, fotografando as galáxias
mais distantes conhecidas, provavelmente as
O Telescópio Espacial Hubble no espaço primeiras que foram formadas após o Big-Bang.

Mas nem sempre o Hubble contabilizou


sucessos em sua jornada. Logo após entrar em
operação, foi constatado uma falha na curvatura do
espelho principal do telescópio, o que produzia
imagens desfocadas dos objetos fotografados. Três
anos após o seu lançamento, a NASA enviou ao
telescópio uma equipe de manutenção para corrigir
a “miopia” do Hubble. Além da instalação de uma
nova câmera de grande campo, novos painéis
solares, que estavam produzindo vibrações na
estrutura e giroscópios foram substituídos. A
missão foi um sucesso, muito maior do que o
esperado.

Com os novos planos espaciais anunciados


para 2004, pelo atual Presidente Americano,
A Nebulosa do Esquimó George W. Bush, priorizando o término das ISS –
Estação Espacial Internacional e o início dos vôos
tripulados para a Lua e Marte, a NASA cancelou
uma nova missão de manutenção ao telescópio que
iria realizar reparos nos equipamentos do
telescópio. Sem essa manutenção, o Hubble deve
sair de operação em 2008.

Novos projetos de telescópios espaciais


estão em andamento, mas nada tira o destaque
histórico conquistado pelo Hubble. Veja algumas
imagens fascinantes obtidas através de suas
câmeras:
Nebulosa Planetária M2-9

4 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


EXPLORAÇÃO ESPACIAL

Nebulosa da Ampulheta

No interior da Nebulosa da Lagoa (M8) na constelação de Sagitário, encontra-se a


pequena nebulosa conhecida como ampulheta. Restos da estrela MyCn18, essa nebulosa
planetária situa-se há 8.000 anos-luz da Terra.

Acredita-se que a forma dessa nebulosa foi gerada a partir de um vento solar rápido
dentro de uma nuvem lenta de expansão. Há evidências de formação estelar recente nessa
região.

Crédito: Raghvendra Sahai e John Trauger (JPL), o WFPC2 science team, e NASA

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 5


EXPLORAÇÃO ESPACIAL

NGC 604

Nebulosa da galáxia M33, encontra-se na constelação de Triângulo a mais de 2,7


milhões de anos-luz da Terra. Todas as galáxias possuem nebulosas, mas essa em particular
é especial pelo seu tamanho, atingindo quase 1.500 anos-luz de diâmetro.

No interior de NGC 604 existem mais de 200 estrelas super maciças, em torno de 15
a 60 vezes a massa solar. Essas estrelas aquecem as paredes gasosas da nebulosa
causando a fluorescência do gás, destacando a forma tridimensional da nebulosa.

O estudo dessas nebulosas pode determinar o mecanismo de evolução das estrelas


super maciças e como elas afetam o meio interestelar onde se encontram.

Crédito: Hui Yang (University of Illinois), Jeff J. Hester (University of Arizona) e NASA.

6 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


EXPLORAÇÃO ESPACIAL

Eta Carina

Imagem em cor natural do material que envolve a enigmática Eta Carina. A estrela no
centro dessa nebulosa possui massa aproximada de 150 vezes a do Sol e é 4 milhões de
vezes mais brilhante do que nossa estrela local, tornando-a a maior estrela conhecida até
hoje.

Eta Carina é altamente instável provocando explosões violentas. O ultimo desses


eventos ocorreu em 1841, tornando-se a segunda estrela mais brilhante do céu. Cada lóbulo
que vemos nessa imagem tem o tamanho do nosso sistema solar, e consiste de material
ejetado pela estrela.

Recentemente foi comprovada a teoria do astrônomo brasileiro Augusto Daminelli, em


que Eta Carina na verdade é um sistema binário estelar.

Crédito: J. Hester/Arizona State University NASA

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 7


EXPLORAÇÃO ESPACIAL

Nebulosa do Ovo

Denominada como CRL2688, encontra-se aproximadamente 3.000 anos-luz de nós.


A imagem mostra dois pares de feixes misteriosos que emergem de uma estrela central,
escondida por arcos brilhantes.

Há cem anos existia uma estrela gigante vermelha no centro de CRL2688. O que
vemos hoje, é uma grande nuvem de poeira e gás ejetados por essa estrela, numa velocidade
de 20 km/s. A maneira como a nuvem se expande através de jatos finos ainda é um mistério
para astronomia, mas acredita-se que exista uma estrela companheira em redor da estrela
central que estaria interferindo gravitacionalmente na ejeção da nebulosa.

Crédito: Raghvendra Sahai e John Trauger (JPL), a WFPC2 science team, e NASA

8 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


EXPLORAÇÃO ESPACIAL

Galáxia Roda de Carroça

Esse é o resultado da colisão entre duas galáxias, ocorrida há mais de 200 milhões
de anos. Distante 500 milhões de anos-luz da Terra, a forma de anel foi produzida pela
passagem da galáxia azul pelo centro da galáxia principal amarela gerando ondas de choque,
lembrando aros da roda de uma carroça.

Bilhões de estrelas são formadas durante esses encontros intergaláticos, gerando


informações valiosas sobre a interação gravitacional de agrupamentos galáticos.

Crédito: Curt Struck and Philip Appleton (Iowa State University), Kirk Borne (Hughes STX
Corporation), e Ray Lucas (Space Telescope Science Institute), e NASA

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 9


EXPLORAÇÃO ESPACIAL

Campo Profundo de Hubble (HDF)

Esta é a imagem mais longínqua que o Hubble já fotografou. Centenas de galáxias de


diferentes formas, cores e tamanhos, são os objetos mais distantes que conseguimos
detectar do nosso Universo.

Os objetos nessa foto são quatro bilhões de vezes mais fraco do que nosso olho pode
detectar, o que requereu centenas de horas de exposição, para o Hubble montar a imagem
acima. Através dela foi possível estimar a quantidade de galáxias no universo visível, em
torno de 40 bilhões de galáxias. ∞

Crédito: Williams e o Hubble Deep Field Team (STScI) e NASA

10 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


ASTROFÍSICA

www.jplnet.com
O ESTUDO DOS
METEOROS Marco Valois | Centro de Estudos MeteorObservers
marcovalois30@hotmail.com

As pesquisas científicas na área da Recentemente, os centros de


astrofísica e ciências afins nesse início de pesquisas norte-americanos detectaram,
século, têm trazido à tona novidades as mais através do telescópio Hubble, uma "estrela",
diversas. A curiosidade dos pesquisadores tem além de Plutão, que possui características
sido cumulativamente alicerçada por enormes próprias e bem peculiares às de um planeta.
descobertas, destacando-se nesse âmbito, o Assim, dessa forma, a comunidade científica
telescópio espacial Hubble. Sem dúvida que em geral, foi informada que existe mais um
muito da astronomia tem sido reescrito, a partir planeta no nosso Sistema Solar. É bem
do que se consegue captar através desse verdade que o direcionamento do Hubble tem
telescópio. Assim, todo dia, novidades demonstrado que existe a possibilidade de
provenientes do universo têm trazido aos termos alguns sistemas solares, além da Via
laboratórios, uma gama de novos fatos sobre Láctea!
planetas, estrelas, super-novas, novos Para não ficar somente nas recentes
sistemas solares, asteróides, meteoros, até perspectivas concernentes a descoberta de
então, só possíveis de se imaginar novos planetas, o Hubble vem dedicando
teoricamente. grande parte do seu estudo do cosmo a

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 11


ASTROFÍSICA

observar os intrigantes Buracos Negros. Esses nenhum perigo real para os seres humanos.
fenômenos são possuidores de uma força tal, Também, os vários centros de pesquisa de
que são capazes de absorver até mesmo a luz. meteoros espalhados em vários países vêm,
Assim, de acordo com informes advindos de de há muito, perscrutando as suas trajetórias,
centros de pesquisas localizados em vários fotografando-os dispondo-os em mapas
países, tem-se, inclusive, fotografias da estelares, etc, visando assim obter melhores e
existência de um desses fantásticos elementos maiores subsídios sobre suas origens. De
do espaço sideral, localizado bem "próximo" à posse desses dados, os pesquisadores podem
nossa Via Láctea. Essa descoberta, vem calcular com certa precisão, em que época o
atraindo a atenção dos cientistas em geral, meteoro se desprendeu de um planeta, do que
dado à possibilidade infinita de ali estar contido ele é formado, idade, quantidade de meteoros,
a chave para muitas das dúvidas a respeito da (chuva). Se alguns conseguem atingir o solo
própria origem do Universo. terrestre, passam a ser chamados de
Contudo, não indo tão distante, a meteoritos, constituindo-se em importantes
pesquisa de meteoros vem galvanizando o subsídios para uma melhor compreensão do
interesse de vários países. Eles são espaço que nos circunda. Assim, essas são
considerados pela ciência, como verdadeiras também algumas entre as muitas explicações
provas "fósseis" da formação e origem do que os meteoros podem trazer para a ciência.
nosso Sistema Solar. É que, de tempos em Portanto, toda vez que se apresentar
tempos, enormes asteróides ou meteoros, no céu uma estrela cadente, podemos inferir
projeta-se no espaço interestelar, entrando em que sua constituição poderá acrescentar muito
órbitas gravitacionais, e uma vez passando nas mais sobre um melhor conhecimento do
proximidades do sol, projetam, através do seu espaço que nos circunda do que muito do que
brilho, as inúmeras partículas que são já se discutiu ou escreveu, principalmente,
desprendidas desses bólidos. Essas partículas, porque, os mesmos são provas cabais do que
constituídas, na sua maioria por uma massa de provavelmente existe neste ou naquele astro.
rocha, gelo, poeira cósmica e partículas de Entretanto, relatos científicos têm demonstrado
rochas, uma vez desprendidas desses que alguns meteoros de tamanho expressivo,
meteoros projetam-se no espaço em geral, compostos de matéria sólida, conseguem
chegando a ser impulsionadas para a órbita alcançar a superfície terrestre sem contudo
terrestre. Contudo, todos os dias, novas formas constituir num perigo para as pessoas. Eles
de meteoros são encontradas, no que vem geralmente caem no mar, quando muito, em
acrescentando novas descobertas sobre suas terra, em lugares ermos e distantes dos
composições. aglomerados urbanos. Na verdade, se fosse
Na verdade, esse fenômeno pode ser relativamente fácil descobrir o local aonde os
visto em noites escuras, em áreas rurais, sem meteoros 'caem', os pesquisadores já teriam
poluição luminosa (comum nos grandes centros dados suficientes, não apenas para entender
urbanos), e constituem um "show" da natureza melhor sobre a origem da estrutura terrestre,
sem precedentes. Os meteoros têm vários bem como de boa parte do nosso Sistema
nomes. A saber: asteróides, estrelas cadentes, Solar! Mesmo assim, diversos são os centros
bolas de fogo (quando entram na atmosfera astronômicos espalhados mundo afora que
terrestre e se decompõem) etc. É importante estão perscrutando o espaço sideral, tornando
salientar que os mesmos, apesar de esses "viajantes siderais" cada vez mais
apresentarem nos céus um brilho variado, conhecidos dos cientistas. Desnecessário
contudo, quando chegam à órbita terrestre, são destacar que no Brasil, atualmente, diversos
constituídos, na sua maioria por pequenos são os centros de estudo que dedicam tempo
pedaços de rocha e gelo e com o atrito e o aos meteoros. Dessas pesquisas, muito vem
calor intenso da entrada na atmosfera da Terra, sendo acrescentado sobre suas trajetórias,
na maioria das vezes, imediatamente se composição, velocidade, entre outros aspectos.
dissipam. Eles, assim, não apresentam ∞

Marco Valois, é jornalista e filiado ao centro de estudos MeteorObservers. Artigo publicado na


Revista da SBPC, Secretaria Regional de Pernambuco".

12 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


ASTRONÁUTICA

Tripulação vítima do ultimo vôo do


Ônibus Espacial Columbia

VIVER E MORRER

NO ESPAÇO Ronaldo Garcia | Boletim Centaurus


ronaldo@centroastronomico.com.br

Aqui vale uma explicação: até hoje ninguém morreu no


espaço. Para ser considerado "espaço", é necessário estar a
uma altitude superior a 100km, valor alçado pelo Comitê
Internacional de Astronáutica, e abaixo disso estaríamos no
espaço aéreo territorial de algum país.

O primeiro vôo tripulado ocorreu em 12 de abril de 1961,


quando o russo Yuri Gagarin abriu os olhos lá de cima, a 300
km de altura, e viu que a Terra era azul. Esse vôo fora rápido e
simples, apenas uma volta ao redor da Terra em 90 minutos. Foi
esse vôo que inaugurou a presença humana no espaço e, até o
dia 1 de fevereiro de 2004, mais de 400 pessoas já
experimentaram a mesma sensação de Yuri Gagarin.

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 13


ASTRONÁUTICA

Ônibus espacial Columbia sobre a plataforma


de lançamento

14 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


ASTRONÁTICA

O astronauta é a profissão mais seleta A perda nas comunicações com os


do mundo: uma em cada 15.000.000 de astronautas ocorreu 17 segundos depois do
pessoas foi ao espaço. Existe uma estatística inicio do fogo, seguido pela perda de toda
que diz que um astronauta é muito mais telemetria, que são os dados enviados dos
popular que um jogador de futebol (brasileiro) computadores da nave para os computadores
ou de basquete (americano), mais popular do na sala de controle da missão. Devido às
que um estadista ou governante e empata com várias complexidades técnicas, depois de 5
atores de cinema de Hollywood. Esse talvez minutos que o fogo havia começado foi que os
seja o principal motivo pelo qual as pessoas técnicos, do lado de fora, conseguiram abrir a
admiram tanto um astronauta e a tragédia com porta da nave Apollo, mas os 3 astronautas já
o Columbia tenha tido a repercussão e a estavam mortos, provavelmente 30 segundos
comoção mundial que alcançou. depois que incêndio começou.

E como toda nova aventura na qual os Depois foi a vez da União Soviética. No
equipamentos nunca podem falhar, em que mesmo ano do acidente da Apollo 1, o
qualquer erro é veementemente punido, cosmonauta Vladimir Komarov, realizando o
ninguém pode lhe ajudar, não existem primeiro teste tripulado da nave Soyuz 1 em
possibilidades de resgate, as condições órbita da Terra, contou com vários problemas
ambientais simplesmente não existem, durante a missão (um painel solar falhou e
somente poucos tem a oportunidade e a problemas com o controle de reação - que faz
coragem para ir. Os acidentes então, se com que a nave realize manobras no espaço),
transformam em tragédias e essas tragédias os quais obrigaram o controle da missão
abalam o mundo todo. ordenar a Komarov que abortasse a missão e
começasse os procedimentos de descida. Após
O primeiro acidente espacial ocorreu ter reentrado na atmosfera, o pára-quedas
numa plataforma de lançamento no Cabo principal, que deveria ser aberto a 6,5 km de
Kennedy, EUA, no dia 27 de janeiro de 1967. altura, não funcionou, e a cápsula da Soyuz 1
Os astronautas Gus Grissom, Edward White e colidiu com o solo. Enquanto a nave fazia a sua
Roger Chaffee morreram num incêndio dentro descida fatal, os pedidos de ajuda vindos de
do módulo de comando da Apollo 1 durante Komarov podiam ser ouvidos por vários rádio-
uma seqüência de teste de vôo. O objetivo amadores até nos Estados Unidos.
desse ensaio era realizar todos os passos de
uma contagem regressiva completa, sem o O ano de 1971 trouxe a Salyut 1, a
lançamento, e às 18h30min daquela sexta- primeira estação espacial construída pela
feira, o astronauta Chaffee disse sentir "cheiro União Soviética e cuja principal missão era
de fogo". Dois segundos depois, o astronauta realizar experiências científicas. A Salyut 1
White sentenciou: "fogo no cockpit". O incêndio estava equipada com telescópios,
tomou o módulo em questão de segundos por espectrômetros, eletrofotômetros, entre outros
causa do ambiente extremamente rico em instrumentos. No dia 19 de abril daquele ano, a
oxigênio. Salyut 1 fora lançada, sem nenhum
cosmonauta dentro, e no dia 6 de junho do
mesmo ano, a nave Soyuz 11 levando os
cosmonautas Georgy Dobrovolsky, Vladislav
Volkov e Viktor Patsayev acoplou na estação
com a finalidade de torná-la operacional e
realizar as primeiras experiências científicas.
Para isso, os cosmonautas ficariam 30 dias a
bordo da Salyut 1. Um pequeno incêndio e
dificuldades nas condições de trabalho fizeram
com que os cosmonautas voltassem a Terra 7
dias antes do previsto. No dia 29 de junho de
1971, ao abrir a porta da cápsula, os técnicos
encontraram os 3 cosmonautas mortos devido
Tripulação da Apollo 1, as primeiras vítimas da a uma rápida e violenta descompressão da
conquista espacial nave durante a reentrada. Durante a volta, uma

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 15


ASTRONÁTICA

válvula que servia para equalizar a pressão


dentro da nave, com a pressão do lado de fora,
teve um mal funcionamento e abriu, tirando a
pressão e o ar em questão de segundos. Os
cosmonautas tentaram fechar a válvula, mas
não houve tempo suficiente para isso. Os
cosmonautas das naves Soyuz, até essa
época, não usavam trajes pressurizados na
reentrada.

Depois veio a década de 80 e com ela,


chegou a nova geração de veículos: os Ônibus
Espaciais. O primeiro a voar foi o Columbia, no
dia 12 de abril de 1981, exatamente 20 anos
depois do vôo de Yuri Gagarin.

O céu estava limpo e o Sol brilhava


naquela fria manhã de 28 de janeiro de 1986.
O veículo chamava-se Challenger e a bordo
estavam 7 astronautas incluindo a
"professorinha" como fora chamada
posteriormente. Seus nome eram: Richard
"Dick" Scoobe, Michael Smith, Gregory Jarvis,
Ellison Onizuka, Judith Resnik, Ronald McNair
e a professora primária Sharon Christa
MacAuliffe.

Era o décimo vôo do Challenger e a


25ª missão dos ônibus espaciais. Essa missão
tinha como objetivo realizar experiências
científicas e lançar uma sonda que iria estudar
o cometa de Halley que naquela época era a
atração dos céus. O lançamento do Challenger
fora adiado 5 vezes devido às péssimas
condições climáticas, e naquela manhã a
temperatura no cabo Kennedy estava por volta
de 2 graus Celsius, 10 graus mais baixo que
qualquer outro lançamento feito pela NASA.
Mesmo assim, o lançamento havia sido
confirmado e às 13h37m (Horário de Brasília).
Os motores foram ligados e o Challenger
decolou para que 73 segundos depois viesse a
explodir matando os 7 astronautas.

O que a comissão de investigação


formada pelo então presidente Ronald Reagan
descobriu foi que, devido ao intenso frio, um
dos anéis de vedação de um dos foguetes de
combustível sólido (SRB) não agüentou e
rachou, permitindo que gases extremamente
quentes pudessem vazar e com o passar dos
segundos derreter as paredes do tanque de
combustível externo (ET) até a falência da
estrutura, vindo então a explodir. O Challenger
não agüentou a mudança violenta de direção e

16 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


ASTRONÁTICA

1986: Explosão do ônibus Espacial Challenger 2003: Destroços do ônibus espacial Columbia

este veio a se partir em milhares de pedaços, já sabe: o Columbia não existe mais e com ele
devido mais à pressão do ar que à explosão do foram mais outros 7 astronautas. Seus nomes:
tanque externo propriamente dita. Rick Husband William McCool, Michael
Anderson, Kalpana Chawla, David Brown,
Mas, nesse caso, o compartimento da Laurel Clark, e Ilan Ramos, o primeiro
tripulação agüentou. Fora encontrado dias astronauta israelense.
depois no oceano atlântico a uma profundidade
de 60 metros. Todos estavam mortos. Vale frisar que a tragédia do Columbia
ocorreu à cerca de 63km de altura, ou seja, sob
Dezessete anos depois, os astronautas o espaço aéreo territorial dos Estados Unidos.
que estavam no vôo 113, o 28º do Columbia, E assim como foi dito no começo, ninguém, até
fizeram uma homenagem em órbita em hoje, morreu no espaço.
memória dos sete astronautas do Challenger.
Mal sabiam que eles seriam os próximos O Brasil, não fica
homenageados quatro dias depois. fora infelizmente da lista dos
desastres espaciais. Meses
Depois de 16 dias no espaço, depois do acidente com o
realizando mais de 80 experiências científicas Columbia, a Plataforma de
em diversas áreas, trabalhando 24 horas por Lançamento do VLS, o
dia em dois turnos, chegou a hora de "guardar Veículo Lançador de
tudo" e começar a se preparar para a descida. Satélites, incendiou-se ainda
Diferente dos primeiros veículos da era em sua plataforma, matando
espacial, os ônibus espaciais mantinham o 21 técnicos que executavam
contato por rádio mesmo durante a reentrada, testes de pré-lançamento.
um dos períodos mais críticos do vôo, se é que Até o momento, não é
existe alguma parte no vôo espacial que pode desejo desse artigo, expor e esclarecer as
ser definido como o mais crítico. Vale lembrar causas dessa tragédia, já que estas estão para
que o astronauta veterano John Young uma ser investigadas. Quando todas as causas
vez relatou sobre isso, ao dizer que a fase mais forem mostradas, essa será a ocasião
difícil de um vôo espacial é aquela entre o adequada para tratar os verdadeiros agentes
lançamento e o pouso. Mas, 16 minutos antes causadores dessa perda irreparável para todos
do pouso aconteceu o que o mundo todo hoje nós. ∞

Ronaldo Garcia, é designer digital e professor de Astronomia no Centro de Estudos do Universo.


O presente artigo é fruto da parceria entre o Boletim Centaurus e a Revista macroCOSMO.com.
Site: http://www.centroastronomico.com.br

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 17


EFEMÉRIDES

2004
Estação do Ano

Verão para o Hemisfério Sul e Inverno para o


Hemisfério Norte.
FEVEREIRO
Fases da Lua
Lua Cheia: dia 6
Lua quarto Minguante: dia 13
Lua Nova: dia 20 Rosely Grégio | Revista macroCOSMO.com
rgregio@uol.com.br
Lua Quarto Crescente: dia 28

Cometas Visíveis em Fevereiro

Salvo aumentos em brilho e novos cometas descobertos, as estimativas para fevereiro são as
seguintes:
Magnitude Visibilidade Visibilidade
Cometa
estimada Hemisfério Sul Hemisfério Norte
C/2001 Q4 (NEAT) 8 Anoitecer -
58P/Jackson-Neujmin 12 Anoitecer Anoitecer
43P/Wolf-Harrington 12 Anoitecer Anoitecer
C/2003 H1 (LINEAR) 12 Noite Noite
88P/Howell 11 Amanhecer Amanhecer
2P/Enche 12 Amanhecer -
C/2002 T7 (LINEAR) 7 - Anoitecer
Fonte de dados, cartas de busca e mais informações em:
http://reabrasil.astrodatabase.net/ e http://aerith.net/index.html

Chuveiros de Meteoros para Fevereiro


Radiante Duração Máximo
Aurigids 31 jan a 23 fev 5 a 10 fev
Alpha Centaurids (ACE) 2 a 25 fev 8/9 fev
Beta Centaurids 2 a 25 fev 8/9 fev
Delta Leonids (DLE) 5 fev a 19 mar 22/23 fev
Sigma Leonids 9 fev a 13 mar 15/26 fev
Capricornids-Sagittariids 13 jan a 28 fev 30 jan a 3 fev (diurno)
Chi Capricornids 29 jan a 28 fev 13/14 fev (diurno)

Durante o mês de fevereiro acontecem mais quatro chuveiros cujos dias de máximo acontecem
em março. São eles:

Radiante Período Máximo


Beta Leonids 14 de fev a 25 de abr 19 a 21 de mar
Rho Leonids 13 de fev a 13 de mar 1 a 4 de mar
Eta Virginids 24 de fev a 27 de mar 18/19 de mar
Pi Virginids 13 de fev a 8 de abr 3 a 9 de mar

18 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


EFEMÉRIDES

Agenda Diária

1 de fevereiro, domingo ao período geológico Corperniano (entre –


1.1bilhões de anos até os dias atuais). A
O Asteróide 2000 SU180 passa a 0.148 cratera circular se localiza na Longitude: 47.4°
UA da Terra. O e Latitude: 23.7° N, Quadrante: Norte-oeste.
O Asteróide 4116 Elachi passa a 0.893 Com dimensão de 40x40 km e 3000m de altura
UA da Terra. essa formação é visível durante o Earthshine
Qual é a estrela mais luminosa de (luz cinzenta), apresenta raios luminosos que
Orion? Betelgeuse, Alpha Orionis (mag 0.5) se destacam contra a superfície em torno da
provavelmente é a estrela mais conhecida do cratera. A cratera também é famosa por
mitológico caçador, mas Rigel, Beta Orionis apresentar Fenômenos Transientes que foram
(mag 0.2), é a mais luminosa daquela observados em várias ocasiões em Aristarchus.
constelação. Esta supergigante azul marca um A cratera tem rampas íngremes principalmente
dos pés de Órion. Sua cor azul-branca em direção ao Norte, e paredes altas em
contrasta bem com a brilhante vermelha terraços; seu chão é plano e extenso, e
Betelgeuse. A cor de Rigel é decorrente de sua apresenta uma pequena elevação central. Ela
temperatura de superfície de 20.000 graus forma um par bastante interessante com a
Fahrenheit, duas vezes mais quente quanto jovem cratera Herodotus com cerca de 450
nosso Sol amarelo. Betelgeuse marca o ombro milhões de anos. O melhor período para sua
de Orion, é uma estrela agonizante que observação é 4 dias depois do Primeiro Quarto
provavelmente responde por seu brilho ou 3 dias após a Lua Minguante. O instrumento
irregular. A magnitude da estrela varia em mínimo para vê-la é um refrator de 50mm. Mas
brilho aproximadamente +0.2 a +1.2 em cima para observar os detalhes, são necessários
de um período de centenas para milhares de instrumentos de maiores diâmetros.
dias. Tente determinar seu brilho usando para Herodotus, sua formação data do
comparação a Aldebaran (mag 0.87) em Touro, período Imbriano Superior (entre –3.8 a –3.2
e Procyon (mag 0.41) em Cão Menor. Confira bilhões de anos atrás). A cratera de 35x35 km
seus resultados com o banco de dados da e altura de 1.440 m está localizada na
AAVSO: Longitude: 49.7° O, Latitude: 23.2° N,
www.aavso.org/vstar/vsotm/1200.stm Quadrante: Norte-oeste na área da região da
cratera Aristarchus. Essa formação circular
mostra rampas íngremes para o Sul e para o
Leste, têm pequenas paredes altas que contêm
2 de fevereiro, segunda-feira a cratereta Herodotus N para o Norte. Seu
chão é plano e preenchido com lava escura.
O Asteróide 6456 Golombeck passa a Herodotus é o ponto de partida do Vallis
2.076 UA da Terra. Schröter em direção ao Norte. O melhor
A Deep Space STARDUST, executa período para sua observação é 4 dias depois
manobras #4 (DSM-4) da Lua Crescente ou 3 dias após o Quarto
O Asteróide Ceres (mag 7.3) na Minguante. O instrumento mínimo para sua
constelação de Gêmeos entre 17.6h e 21.7h. observação é um refrator de 50mm, mas sem
A Lua de 11 dias de idade está 88.5 % detalhes.
iluminada até que se torne Cheia daqui a 4 Vallis Schroter, é uma formação do
dias. Se você tem um instrumento que lhe dê tipo Rille do período geológico Imbriano (em
condições de observar detalhes da geologia torno de -3.85 a -3.2 bilhões de anos). Essa
lunar, então comece hoje a observar a região famosa formação localiza-se a Longitude: 51.0°
da cratera Aristarchus e continue por mais duas O, Latitude: 26.0° N, Quadrante: Norte-oeste
noites. Esta é uma área bastante complexa e na região da Cratera Aristarchus. Esse vale
de excepcional valor para observação. Entre as mede 160x10Km e altura de 1000 m. Começa
formações dessa área estão: a 25km ao Norte da cratera Herodotus em uma
Aristarchus, formação que remonta craterleta alongada denominada ‘’Head of

Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 19


EFEMÉRIDES

Cobra ‘’ (Cabeça de Cobra) se dirige para o Sagittariids. Esse chuveiro de atividade diurna
norte e volta-se para Oeste. Sua largura varia é ativo de 13 de janeiro a 28 de fevereiro, com
de 6 a 10 km diminuindo a 500 m a sua máximo de 30 de janeiro a 3 de fevereiro. O
extremidade Ocidental. É uma formação de chuveiro está possivelmente relacionado ao
excepcional interesse que é observada melhor Asteróide Adonis da família Apollo. A melhor
4 dias depois do Primeiro Quarto ou 3 dias maneira de monitorar esse chuveiro é através
depois do Último Quarto (Minguante). O de técnicas de rádio meteoro ou então de
instrumento mínimo para sua observação é um radar. Segundo o catálogo da British Meteor
refrator de 100mm. Society a taxa máxima é de 15 meteoros por
hora.
3 de fevereiro, terça-feira A constelação do Leão é a primeira das
constelações da Primavera (para o hemisfério
Marte oculta a estrela TYC 0625- Norte). Sua estrela mais luminosa é Regulus, o
01155-1 (mag 11.4). coração do Leão. Desde as civilizações mais
O Asteróide 6239 Minos passa a 0.056 antigas as estrelas foram usadas para predizer
UA da Terra. as estações do ano de forma muito confiável.
Conjunção em AR entre a Lua e Regulus, de primeira magnitude, sobe
Saturno (mag –0.2) a 05:06 TU. Nesse aproximadamente uma hora depois de pôr-do-
momento, a separação entre eles é de 4° 29' sol no leste-nordeste. Para alguns o Leão
24". O Senhor dos Anéis (mag –2) de cor anuncia a primavera, assim o aparecimento de
amarelada se destaca entre as estrelas da Regulus anuncia que dias mais mornos estão a
Constelação de Gêmeos, contudo, com a Lua caminho. Esta aproximação para prever uma
gibosa atrapalha uma observação mais estação do ano é tão válida e confiável quanto
acurada do planeta. Em torno das 21:00 TU qualquer calendário. O leão se senta no
Saturno estará a apenas 21’11’’ de separação mesmo lugar na mesma data e tempo, ano
da estrela Mu Geminorum (mag 2.8). após ano. Espere até escurecer e contemple
O brilhante Vênus (mag –4.1) se põe Leo.
em torno das 21:00 TU, portanto, se deseja De 3 a 6 acontece o Meeting: X-Ray
observar a ‘’estrela’’ Vespertina mais brilhante and Radio Connections, em Santa Fé, Novo
do céu, busque o planeta a NW ao pôr-do-sol. México.
A 1.49’ graus de Vênus está o cometa C/2002
O7 (LINEAR) com mag estimada em 12.7.
Ambos os astros estão na constelação de 4 de fevereiro, quarta-feira
Peixes. Ainda na borda da mesma constelação,
no limite um Pegaso, outro cometa, C/2002 T7 A sonda Ulysses em aproximação mais
(LINEAR) com magnitude estimada em 7.4, íntima de Júpiter. Veja mais sobre o assunto
está a 23’48’’ graus de separação da estrela em http://ulysses.jpl.nasa.gov/
gamma Pegasi (mag 2.7) localizada em uma O Asteróide 2002 PZ39 passa a 0.152
das extremidades do Grande Quadrado do UA da Terra.
cavalo voador. O cometa se põe as 20.48 TU. A 0h27.3m (GMT –3) a lua Europa
A distância angular mínima ente o (mag 6.0) é eclipsada por Júpiter.
Asteróide (1) Ceres com mag de 7.4 e a Lua O Trânsito de Io (mag 5.4) sobre o
ocorre a 16:53 TU. Os astros estão separados disco de Júpiter começa a 5h59.3m, a sombra
a 4° 54' 32" em Dec. +31° 50' e El. 147.9°. A termina a 7h35.2m e o final do trânsito
Lua nasce em torno das 17:00 TU. Por volta acontece a 8h14.0m (GMT –3).
das 18:00 TU o Asteróide e a bela Luna ainda O Asteróide (1) Ceres (mag 7.3) em
estão bem próximos, dentro da constelação de Gêmeos está mais bem posicionado para
Gêmeos. A melhor hora para observação de observação entre 17.7h - 5.6h LCT, J2000: ra=
Ceres é entre 17.7h - 5.6h LCT. 7:01:15.5, de=+31:54:22, r=2.589AU
Chuveiro de Meteoros Capricornids- dist=1.708 UA.

Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

20 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


EFEMÉRIDES

5 de fevereiro, quinta-feira Lua em Libração Sul a 6h34.5m (GMT –3).


Nesse tempo, parte da região polar sul da Lua
está melhor posicionada para observação.
Lançamento do satélite AMC-10 pelo O Asteróide (1) Ceres com mag 7.4
foguete Atlas 2AS. está mais bem posicionado para observação
O Asteróide 2001 CP36 passa a 0.057 entre 17.7h - 5.4h LCT em Gêmeos J2000: ra=
UA da Terra. 6:59:58.9, de=+31:58:16, r=2.588AU,
Marte oculta a estrela HIP 8973 (mag dist=1.721 UA.
7.6). A Lua Cheia acontece a 08:46 TU.
Io (mag 5.4) é ocultada por Vênus a Através dos tempos, a primeira Lua Cheia de
2h28.5m e reaparece a 5h24.2m (GMT –3). cada mês recebeu diferentes nomes que datam
Ceres (1) com mag 7.3 está mais bem dos tempos dos índios nativos americanos,
posicionado para observação entre 17.7h e onde agora ficam as regiões norte e oriental
5.5h LCT em Gêmeos. J2000: ra= 7:00:36.3, dos Estados Unidos. As tribos mantinham um
de=+31:56:23, r=2.588AU, dist=1.715 UA. reconhecimento sobre as estações do ano,
A sombra de Io (mag 5.4) começa dando nomes distintivos a cada ocorrência
adentra pelo disco iluminado de Júpiter a periódica da Lua Cheia. Seus nomes eram
23h47.3m (GMT –3). aplicados ao mês inteiro no qual cada uma
Chuveiro de Meteoros Aurigids. Existe delas acontecia. Havia alguma variação ao
alguma dúvida sobre a existência continuada nomear a Lua, mas em geral os mesmos
deste radiante e a pergunta só poderá ser nomes eram usados pelas tribos ao longo de
respondia através de observações sistemáticas Algonquin na Nova Inglaterra até o Lago
do chuveiro em seu período de atividade. Em Superior. Os colonos europeus seguiram esse
geral, foram feitas observações entre 31 de costume e criaram alguns outros nomes. Snow
janeiro e 23 de fevereiro, com um máximo de Moon (Lua da Neve), Hunger Moon (Lua da
cerca de 2 meteoros por hora, que acontece Fome), Opening Buds Moon (Lua do Abrir dos
durante 5 a 10 de fevereiro. O radiante Brotos). Full Snow Moon (Lua Cheia da Neve).
normalmente é localizado a RA=74 graus, Desde que a neve mais pesada normalmente
DECL=+42 graus, embora esta deve ser uma cai durante este mês, as tribos nativas do norte
estimativa áspera porque a posição precisa do e leste freqüentemente chamavam a Lua Cheia
radiante, especialmente em recentes décadas, de fevereiro de Lua Cheia da Neve. Algumas
foi raro. Os meteoros são lentos e embora a tribos também se referiram a esta Lua como
magnitude média seja entre 3 e 5, o chuveiro é Full Hunger Moon (Lua Cheia da Fome), isso
conhecido por luminosos bólidos. O devido às condições severas do tempo em
movimento diário do radiante está em torno de suas áreas tornava a caçada muito difícil.
+0.7 graus em AR e +0.3 graus em DECL. Se alguma vez você assistiu a subida da Lua
De 5 a 7 acontece o British - Cheia, você provavelmente testemunhou a
Hungarian N+N Workshop for Young ilusão de que ela parece bem maior quando no
Researchers on Computer Processing and Use horizonte. A Lua parece ser significativamente
of Satellite Data in Astronomy and maior que normalmente é quando está próximo
Astrophysics, Budapeste, Hungria. ao horizonte que depois que escalasse alto no
céu. “Parece” é a palavra importante aqui,
desde que o tamanho da Lua não muda; só
nossa percepção faz com que ela assim
6 de fevereiro, sexta-feira
pareça. Se você quer ‘’tirar a prova dos nove’’,
então pegue um canudo de papel e olhe a Lua
O trânsito da sombra de Io (mag 5.4)
enquanto ela está no horizonte e, mais tarde,
pela frente do disco iluminado de Júpiter
faça a mesma coisa quando ela sobe mais alto
termina a 2h03.5m, e o trânsito termina a
no céu, você verá que a Lua mede meio grau
2h40.1m (GMT –3).
em diâmetro. As próximas várias noites
Mercúrio em Afélio (máxima distancia
provêem um tempo bom para testar esse
do Sol) a 0.4667 UA do Sol.
efeito.
Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 21


EFEMÉRIDES

Hoje começa o Workshop on Europa's está baixa no sudeste. Procure os flash


Icy Shell: Past, Present, and Future, Houston, cuidadosamente de cor, emitido por esta
Texas. beleza. O efeito prismático resulta quando a luz
de Sirius vem em direção a nosso olho e é
refratada, nas cores do arco-íris. A sensação é
7 de fevereiro, sábado aumentada por binóculos e telescópios.
Conjunção em AR entre a Lua e Júpiter
O cometa P/2002 X2 (NEAT) passa a acontece a 13:35 TU. Ambos os astros estão
2.351 UA da Terra. separados a 3° 12' 12". A Lua gibosa, nasce
A Lua passa a 7.6 graus de Júpiter em torno das 20:40 TU e Júpiter as 20:16 TU.
(mag –2.5) a 23.8h (GMT –3). Quando ambos os astros estiverem visíveis em
A sombra da lua Ganymed (mag 5.0) nosso céu, na constelação do Leão, a
começa a passar sobre o disco iluminado de separação entre eles será em torno de 3.39
Júpiter a 4h11.7m e termina a 7h39.1m (GMT – graus.
3). Chuveiro de Meteoros Alpha e Beta
O trânsito de Callisto (mag 6.1) sobre o Centaurids. A duração destes chuveiros de
disco de Júpiter começa a 5h08.9m (GMT –3). meteoros estendem de 2 a 25 de fevereiro,
A Lua passa a 0.3 graus da estrela com máximo, ao redor de 8 de fevereiro. Os
SAO 98955 ETA LEONIS (mag 3.6) a 6.7h meteoros do Alpha Centaurids emanam de
(GMT –3). RA=216 gruas, DECL=-60 graus, enquanto o
Lua em Libração Oeste às 17h27.1m Beta Centaurids têm um radiante em RA=208
(GMT –3). Isso significa que as características graus, DECL=-58 graus. Apesar da
lunares localizadas na borda oeste estarão proximidade dos radiantes, eles têm diferenças.
mais viradas para a Terra do que normalmente O alpha Centaurids têm taxas máxima de hora
estão. em hora de 3 meteoros, enquanto o Beta
O Asteróide 1 Ceres (mag 7.4) está Centaurids pode alcançar taxas de hora em
melhor posicionado para observação entre hora tão alto quanto 14. O Alpha Centaurids
17.8h - 5.4h LCT J2000: ra= 6:59:23.2 têm uma magnitude média de 2.45, enquanto a
de=+32:00:01 (Gem) r=2.587 UA dist=1.728 Beta Centaurids provavelmente apresentam
UA. magnitude de aproximadamente 1.6.
Vênus está espetacular no WSW no De 8 a 12 acontece o AAS/AIAA
céu do entardecer, ele se põe cerca de 4 horas Space Flight Mechanics Meeting, Maui, Hawaii.
após o pôr-do-sol. Embora sua espessa
camada de nuvens não permite que vejamos
sua superfície, através de lunetas e telescópios 9 de fevereiro, segunda-feira
podemos descobrir que, como a Lua, Vênus
apresenta fases. Pelo meio do mês começa Asteróide 12485 Jenniferharris passa a
uma época favorável para tentar descobrir a 1.630 UA da Terra.
‘’luz cinzenta’’ do planeta. A Lua Oculta a estrela SAO 119035 NU
VIRGINIS de mag 4.2 (borda brilhante) a
8 de fevereiro, domingo 4h16.6m e a emersão acontece no limbo
O Asteróide 5036 Tuttle passa a 1.625 escuro a 5h09.7m (GMT –3).
UA da Terra. A sombra de Europa (mag 6.0) passa
O Asteróide 1 Ceres (mag 7.4) está sobre o disco de Júpiter a 7h59.6m
melhor posicionado para observação entre O Asteróide 1 Ceres (mag 7.5) mais bem
17.8h - 5.3h LCT, a J2000: ra= 6:58:49.2 posicionado para observação entre 17.8h -
de=+32:01:39 (em Gem) , r=2.587 UA, 5.2h LCT. J2000: ra= 6:58:17.1 de=+32:03:08
dist=1.736 UA. (Gem) r=2.586 UA dist=1.743 UA.
Veja a estrela Sirius na constelação do De 9 a 11 acontece a X-Ray
Cão Maior em alguma noite ao crepúsculo, Polarimetry Conference, Stanford, California.
De 9 a 13 acontece a Conference on
quando a mais luminosa das estrelas ainda
Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

22 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


EFEMÉRIDES

Sun-Earth Connection: Multiscale Coupling in mais complexa, o relógio-de-sol provocava


Sun-Earth Processes, Kona, Hawaii muita imprecisão, assim ele deu lugar ao
relógio mecânico que proveu um " tempo solar”
médio baseado em um sol "médio fictício". A
10 de fevereiro, terça-feira diferença entre estes dois modos de tempo é
freqüentemente equacionada pela chamada
O Asteróide 2000 WO107 passa a "Equação de Tempo". Hoje a Equação do
0.190 UA da Terra. Tempo o Sol aparente está mais distante do sol
O Asteróide 1 Ceres (mag 7.4) está médio, aproximadamente 14 minutos. Para
melhor posicionado para observação a 17.8h - essas pessoas que se mantêm em um das
5.2h LCT, J2000: ra= 6:57:46.8 de=+32:04:30 longitudes de tempo padrão, ao meio-dia, como
( em Gem) r=2.586 UA dist=1.751 UA. indicado por um relógio normal, o Sol aparente
Os Astrônomos freqüentemente usam ainda chegaria à mesma medida de tempo
o Tempo Sideral para definir objetos de depois de 14 minutos. Assim, hoje é preciso
interesse no céu. Essa é a medida de Tempo somar mais 14 minutos ao relógio-de-sol para
que se baseia na rotação terrestre, tomando-se converter a hora mostrada em hora padrão pelo
para referência a passagem do ponto vernal relógio mecânico.
pelo meridiano superior local. Assim, o Tempo
Sideral segue rigidamente a armação estelar. 12 de fevereiro, quinta-feira
Por exemplo, se nós sabemos que o tempo
sideral é 5 horas, nós também sabemos que O Asteróide 1604 Tombaugh passa a
Orion está no sul. Se próximo a zero horas do 2.312 UA da Terra.
tempo sideral, a Grande Ursa está baixa no Io (mag 5.4) é ocultado por Júpiter a
horizonte, e assim sucessivamente. Como o 4h22.4m e o reaparecimento ocorre a 7h09.1m
‘’Relógio Sideral” ganha 4 minutos por dia de (GMT –3).
um relógio convencional, ambos os relógios A Lua passa a 0.2 graus de separação
estão em sincronismo todos os anos perto do da estrela SAO 158489 LAMBDA VIRGINIS
Equinócio Outonal. O Observatório Naval norte- (mag 4.6) a 8.5h (GMT –3).
americano provê uma calculadora de tempo O Asteróide 1 Ceres (mag 7.5) está
sideral em: melhor posicionado entre 18.5h e 3.2h LCT
http://tycho.usno.navy.mil/sidereal2.html J2000: ra= 6:56:51.7 de=+32:06:52 (em Gem)
r=2.585 UA dist=1.766 UA.

11 de fevereiro, Quarta-feira
13 de fevereiro, sexta feira
Europa (mag 6.0) é eclipsada por
Júpiter a 3h01.0m e reaparece a 6h45.4m Júpiter oculta a estrela PPM 157614
(GMT –3). (mag 11.3).
A sombra de Io (mag 5.4) entra na face O Cometa C/2003 E1 (NEAT) com mag
iluminada de Júpiter a 7h12.4m; o trânsito estimada em 17.8 em Periélio a distância de
começa a 7h43.8m 3.245 UA do Sol a 15.0h (GMT –3)
O Asteróide 1 Ceres (mag 7.5) ainda O Asteróide 2000 KD8 passa a 0.161
bem colocado para observação entre 17.8h - UA da Terra.
5.1h LCT J2000: ra= 6:57:18.3 O Asteróide 2001 KA67 passa próximo
de=+32:05:45 (em Gem) r=2.585 UA do Asteróide Vesta (mag 7.7) a uma distância
dist=1.758UA. de 0.044 UA.
Historicamente, o tempo convencional A Lua Minguante ou de Último Quarto
surgiu do movimento do Sol pelo céu - quando acontece a 13:39 TU.
o Sol estava mais alto, era " meio-dia’’. Os Io (mag 5.4) transitando pela face
relógios-de-sol foram usados para manter o iluminada de Júpiter. A sombra de Io entra a
registro deste " tempo solar " aparente desde 1h40.8m, o trânsito começa a 2h09.8m e
os tempos antigos. Quando a sociedade ficou termina a 4h24.5m (GMT –3).
Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 23


EFEMÉRIDES

Chuveiro de Meteoros Chi UA da Terra.


Capricornids. Esse radiante apresenta Saturno (mag –0.1) em Gêmeos, está a
atividade diurna de 29 de janeiro a 28 de 50’18’’ da estrela Um Geminorum (mag 2.89).
fevereiro, com máximo acontecendo em 13/14 O cometa C/2002 T7 (LINEAR) com
de fevereiro. Se você dispõe de meios para mag em torno de 7.0 é visível ao entardecer
isso, monitore o chuveiro através de técnicas com ajuda de binóculo, está na borda da
de rádio meteoro ou de radar. constelação de Pegaso. Ele está localizado
De 13 a 15 acontece o ESA/CNES cerca de 11.33 graus de Vênus e a apenas
EMC Workshop, Noordwijk, nos Países Baixos. 53’29’’ graus da estrela gamma Pegasi
(Algenib) de mag 2.7.

14 de fevereiro, sábado
18 de fevereiro, quarta-feira
Lançamento do DSP-22 Titan 4B.
O Cometa C/2003 A2 (Gleason) mag O planeta Mercúrio oculta a estrela HIP
estimada em 19.2 passa a 10.451 UA da Terra. 105546 (mag 9.6).
A Lua em Escorpião está a 2° 26' 01" Vênus oculta a estrela PPM 143762
da estrela Antares as 16:34 TU. (mag 8.7).
A Lua passa a 0.9 graus da estrela Europa (mag 6.0) é ocultada por Júpiter
SAO 184014 DSCHUBBA, DELTA SCORPI, de a 5h34.6m (GMT –3).
2.5 mag a 3.0h (GMT –3). Hoje acontece o Space At The
Crossroad Symposium, Washington DC
De 18 a 22 acontece o 10th Annual
15 de fevereiro, domingo Orange Blossom Special Star Party, perto de
Brooksville, Flórida.
O Planeta Mercúrio passa a 1.9 graus
de Netuno.
O Asteróide 2003 WE157 passa a 19 de fevereiro, quinta-feira
0.164 UA da Terra.
Callisto (mag 6.1) é ocultado por Mercúrio oculta a estrela TYC 6365-
Júpiter a 7h29.7m (GMT –3). 00578-1 (mag 9.9).
Conjunção entre a Lua e Netuno as
00:40.TU. Os astros são separados a 5° 11' 49"
16 de fevereiro, Segunda-feira Lua em Libração Norte às 4h55.4m
(GMT –3). Isso significa que boa parte Pólo
Lua em Perigeu (mínima distância da Norte Lunar está mais bem posicionada para a
Terra) a 368322 UA, as 07:42 TU. Terra.
A estrela SAO 186612 66 B. Io (mag 5.4) é eclipsada por Júpiter a
SAGITTARII, 4.7mag emerge no limbo escuro 6h16.5m (GMT –3).
da Lua a 8h15.1m (GMT-3). O Sol entra na constelação zodiacal de
De 16 a 17 acontece o Meeting on Peixes a 8h (GMT –3).
The Impact of Active Galaxies on the Universe A sombra de Europa (mag 6.0) começa
at Large, Londres, Inglaterra. seu Trânsito pela frente do disco iluminado de
De 16 a 19 acontece a Conference: Júpiter a 23h54.2m (GMT –3).
Planetary Timescales: From Stardust to Este é o tempo do ano, quando a luz
Continents, Canberra, Australia. zodiacal é melhor vista. A luz zodiacal é um
De 16 a 20 acontece o 5th Integral cone lânguido de luz visível ao término de
Workshop: The Integral Universe, Munich, crepúsculo astronômico, atualmente
Alemanha. aproximadamente uma hora e meio depois do
pôr-do-sol para latitudes de meio-norte. Essa
17 de fevereiro, terça-feira tênue luminosidade que se estende na região
do zodíaco, após o ocaso e/ou antes do nascer
O Asteróide 5231 Verne passa a 1.699 do Sol, é produzida pela reflexão da luz solar
Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

24 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


EFEMÉRIDES

em partículas de poeira interplanetária que se sombra acontece a 5h50.3m e o trânsito


localizam próximo ao plano da eclíptica; visível finaliza a 6h08.3m (GMT –3).
ao Oeste após o pôr-do-sol e do lado Leste Como a Luz Zodiacal, o Gegenschein,
antes do nascer do Sol. Seu nome vem, muito conhecido como luz anti-solar, é outro lânguido
apropriadamente, devido a essa luminosidade vislumbre da luz solar refletida na poeira
se confundir com a região das constelações do interplanetária. Esse fenômeno foi observado
zodíaco. Também existem evidências que a luz pela primeira vez em 1808 pelo naturalista
zodiacal seja um prolongamento da Coroa alemão A. Humboldt. O brilho oval suave
Solar F, que também é conhecida como Coroa aparece precisamente oposto ao Sol no céu,
de Poeira. Procure a forma de uma pirâmide no assim você que está nas latitudes do norte
oeste e oeste-sudoeste ao escurecer. Ela se precisa observar perto do meio da noite
nos apresenta sob a forma de um cone de luz quando o brilho, atualmente perto de Leão, é
muito fraco e difuso de cerca de 15 a 20 graus mais alto. O céu deve estar sumamente limpo e
em sua base e que se estreita conforme se escuro. O Gegenschein é bastante tênue e
afasta do horizonte, podendo ser observada muitos observadores experientes nunca viram
quando a eclíptica se encontra a 90 graus ou isto. Para o hemisfério sul, as melhores
mais do horizonte, ou um pouco ao Norte, para épocas para tentar observar esse fenômeno
o Hemisfério Sul, quando o Sol está abaixo da são os meses de junho e julho.
linha do horizonte. Na parte mais densa dessa
luminosidade, a claridade pode chegar a ser
duas ou três vezes mais luminosa que a Via- 21 de fevereiro, sábado
Láctea, mas em suas bordas (limites) a
luminosidade é extremamente tênue, sendo Pelo Calendário Civil Indiano, é o
que seu brilho parece variar periodicamente. primeiro dia do Phalguna, o décimo segundo
Para observadores do Hemisfério Sul, uma boa mês do ano 1925.
época para procurar a próxima luz zodiacal Pelo Calendário Tabular Islâmico
será em 23 de março a 06:00 h. começa um Novo Ano. Ao pôr-do-sol começa o
primeiro dia do Muharram, primeiro mês do ano
1425. Então, Feliz Ano Novo de muita Paz aos
20 de fevereiro, sexta-feira Islâmicos!
O Cometa P/2003 T1 (Tritton) mag
Pelo Calendário Persa é o primeiro dia estimada em 13.5, passa a 1.211 UA da Terra.
do Esfand, décimo segundo mês do ano 1382. O Asteróide 3192 A’Hearn passa a
Vênus oculta a estrela PPM 143928 (mag 9.9). 0.992 UA da Terra.
Conjunção em AR entre a Lua e o Sol Júpiter oculta Io (mag 5.4) a 0h45.1m e
às 05:50 TU com separação de apenas 5° 11' o reaparecimento acontece a 3h19m (GMT –3).
27" . Órion o Caçador, se levanta alto no
A Lua Nova acontece às 09:18 TU e, sudeste ao anoitecer. Como de nossas
ao mesmo tempo, acontece uma conjunção em latitudes Órion se apresenta de cabeça para
AR entre a Lua e Urano às 09:20 TU, com baixo, repare as três proeminentes estrelas que
separação de 4° 22' 43". marcam o asterismo chamado de Cinto de
Lua em Máxima Libração a 12h53.5m Órion (popularmente conhecidas como as Três
(GMT –3). Marias); sobre o cinto está outro asterismo
O Trânsito da lua Europa (mag 6.0) conhecido como a Espada de Órion e contém a
sobre o disco iluminado de Júpiter começa a famosa Grande Nebulosa de Órion que
0h34.5m, o final da sombra acontece a aparece como um remendo nebuloso
2h46.5m e o trânsito termina a 3h23.6m (GMT esbranquiçado em binóculos. Estenda o cinto a
–3). 22 graus para a esquerda superior para
A Via-láctea é mais bem apreciada a Aldebaran, o olho vermelho do Touro; nessa
0.8h (GMT –3). região estão as Hyades em formato de um ''A''
Io (mag 5.4) transita pela frente de ou ''V'' invertido (aldebaran não faz parte desse
Júpiter, a sombra começa a 3h34.3m e o aglomerado). Outros 14 graus para além de
trânsito tem início à 3h53.6m. O término da Aldebaran está o aglomerado aberto das
Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 25


EFEMÉRIDES

Plêiades ou Sete Irmãs que marcam outro a 19:26 TU. Ambos os astros estarão
asterisco que é um belíssimo objetivo para separados a 3° 01' 25", e as 23.5 (GMT – 3)
binóculos. Se olhares para a direita de Orion, essa separação cai para apenas 1.7 graus,
verá a estrela mais luminosa daquela região e PA=334.5, h=5.2.
de todo o Céu, Sírius (mag -1.4) na A Via-Láctea é observada melhor a 0.6
constelação do Cão Maior. Embora ela tenha h (GMT –3).
uma estrela anã companheira íntima, Sirius B, A Lua de três dias de idade, em Peixes,
elas não podem ser separadas em binóculo. se põe em torno das 20:58 TU, a 2.7 graus de
Você saberia dizer que constelação está aos Vênus faz uma bela aparição sobre o horizonte
pés de Orion? Lepus é a resposta correta! E no céu do entardecer. Esse é um bom período
qual seria a constelação que sobe logo abaixo para observar algumas das grandes formações
de Órion? As estrelas que representam os na região iluminada da Lua, e entre elas
mitológicos gêmeos Castor e Pollux são suas destacamos: Langrenus: formada no período
estrelas mais luminosas! geológio Eratosteaniano (entre –3.2 a –1.1
bilhões de anos atrás); está localizada na
22 de fevereiro, domingo Longitude: 60.9° E, Latitude: 8.9° S, quadrante
SE no limbo Este da Lua. A cratera Langrenus
Pelo Calendário Hebraico, começa ao mede 132 x 232 km em tamanho com altura em
pôr-do-sol o primeiro dia do Adar, sexto mês do torno de : 2600 m. É uma formação circular
ano 5764. com paredes altas e terraços deformados para
A Via-Láctea está mais bem o Sul. Formação circular deformada em direção
posicionada no céu para observação a 0.7h ao Sul. A cratera apresenta colinas e
(GMT –3). craterletas, suas paredes são muito íngremes e
O Cometa C/2003 H1 (LINEAR) mag com terraços escarpados. Em direção ao Sul,
estimada em 11.3 em Periélio a 2.240 UA do se destacam as crateras Lohse Langrenus C e
Sol. E, para o Nordeste Sommerville e Acosta para
O Asteróide 1996 Adams passa a o Norte. Seu chão é plano e extenso, mais
1.901 UA da Terra. acidentado em direção Norte-oeste. Apresenta
A Lua passa a 2° 35' 33" do cometa uma elevação central dupla com 1000 m de
C/2002 O7 (LINEAR) com mag estimada em altura. É uma formação de excepcional
13.2 as 17:05 TU em Dec. 02° 07', El. 29.1°. interesse para observação para ser observada
Urano em Conjunção com o Sol. principalmente 3 dias depois da Lua Nova ou 2
Conjunção é a configuração de dois astros dias depois de Lua Cheia.
cujas ascensões retas são iguais. Firmicus é uma outra cratera bastante
Lua em Libração Este a 8h26.1m (GMT interessante de se observar. Sua formação
–3). Isso significa que as características data do período Pré-Imbriano (entre - 4.55 a
lunares na borda Leste estão mais voltadas em -3.85 bulhões de anos atrás). É uma formação
direção ao meridiano central lunar. circular com tamanho de 56x56Km e altura de
Chuveiro de Meteoros Delta Leonids. A 1.700 metros situada entre o Mare Crisium e
atividade deste fluxo persiste de 5 de fevereiro Mare Undarium; Longitude: 63.4° E, Latitude:
a 19 de março. O chuveiro alcança máximo em 7.3° N, Quadrante NE na borda Este da Lua. A
22 de fevereiro, de um radiante médio em cratera apresenta pequenas rampas íngremes
RA=156 graus, DECL=+18 graus. O ZHR é 3, que suporta o Lacus Perseverantiae para o
enquanto a magnitude média dos meteoros Oeste e as crateras Firmicus G e F ao Sul-
está próxima a 2.86. Uma possível filial oeste. O Chão da cratera é muito plano
meridional telescópica pode ter uma duração preenchido de lava escura e suas paredes são
que estende de 13 de janeiro a 24 de fevereiro, bem altas com uma craterleta ao Norte. O
com um máximo em 3 de fevereiro e um melhor período para sua observação é 3 dias
radiante médio em RA=135 graus, DECL=+8 depois da Lua Nova ou 2 dias depois da Lua
graus. Cheia e o instrumento mínimo para sua
observação é um refrator de 50mm.
23 de fevereiro, segunda-feira Cleomedes: Formação que remonta ao
Período Geológico do Nectartiano (entre -3.92
Conjunção entre a Lua e Vênus (mag –4.2) a -3.85 bilhões de anos atrás). A cratera
Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

26 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


EFEMÉRIDES

apresenta formato circular medindo 126x126 melhor A 0.5h (GMT –3).


Km, localizada a Longitude: 55.5° E, Latitude: A lua Ganymed (mag 5.0) começa a
27.7° N, Quadrante NE na lateral Note-oeste ser eclipsada por Júpiter a 2h13.4m (GMTT –
do Mare Crisium. Esta cratera circular é de 3). Seu reaparecimento acontece a 6h24.2m
excepcional interesse para observação, GMT –3).
apresenta rampas íngremes que sustentam A lua Europa (mag 6.0) começa a ser
muitas craterletas como Tralles para o Norte- eclipsada por Júpiter a 8h08.3m (GMT –3).
oeste e Delmotte para o Sul-leste. Cleomede Chuveiro de Meteoros Sigma Leonids.
têm paredes bem altas ao Norte-oeste Esse radiante está ativo de 9 de fevereiro a 13
sobrepostas pelas crateras Cleomedes A e E e de março, com pico máximo em 25/26 de
para o Sul por Cleomedes C. Seu chão é fevereiro.
extenso e liso preenchido de lava e sustenta as Quarta-feira de cinza marca o começo
formações Cleomedes B e J, a Rimae da Quaresma, o jejum Cristão de 40 dias. A
Cleomedes e uma pequena elevação fora do palavra deriva de primavera de significado
centro. O melhor período para sua observação Anglo-saxão e se refere à estação. Também é
é 3 dias após a Lua Nova ou 2 dias após a Lua a base para a palavra "longo" que indicar o
Cheia. Um binóculo de 10x de aumento já dá prolongamento dos dias durante a primavera. A
para discernir a cratera, contudo, para 40 graus latitude norte a duração da luz do dia
observações de detalhes recomenda-se está aumentando agora de 2 a 3 minutos por
instrumento de maiores aberturas. dia. Em cima do curso do período Quaresmal,
De 23 a 26 acontece a AIAA's 1st os dias ganham quase duas horas em duração.
Planetary Defense Conference: Protecting
Earth from Asteroids, Garden Grove, California. 26 de fevereiro, quarta-feira

A Via-Láctea é observada melhor a


24 de fevereiro, terça-feira 0.4h (GMT –3).
A Lua passa a 1.2 graus de separação
A Via-Láctea é observada melhor a 0.6 de Marte (mag 1.1) a 0.8h (GMT –3), PA=60.1,
h (GMT –3). h=5.1. Conjunção entre a Lua e Marte acontece
Cassiopéia é um das constelações a 01:31 TU, com apenas 0° 53' 48" graus de
básicas, um padrão de estrelas que você separação. A Lua pode ocultar proporcionar
deveria aprender se você ainda não está uma ocultação rasante do Planeta Marte para
familiarizado com ela. A rainha se senta em algumas localidades.
seu trono, a meio caminho para cima no Júpiter começa a eclipsar a lua Io (mag
noroeste ao fim do crepúsculo. Embora 5.4) a 8h10.7m (GMT –3).
algumas pessoas tentam imaginar uma rainha, Previsto o lançamento (08:16 TU) da
a forma habitual que podemos notar é um ‘’W " sonda Rosetta (Comet Orbiter & Lander) pelo
inclinado para um lado, para as latitudes foguete Ariane 5 da ESA da base Kourou na
boreais e apresenta uma forma de ‘’M’’ aberto Guiana Francesa. A International Rosetta
para as latitudes austrais. Três estrelas de Mission vai encontrar com o Cometa
segunda magnitude e duas estrelas de terceira 67P/Churyumov-Gerasimenko, permanecendo
magnitude incluem a forma. A mais brilhante junto dele fazendo observações enquanto viaja
delas é a estrela Alpha Cas, conhecida pelo para o Sol. A meta de missão era inicialmente
nome de Schedar. O W está em sua posição um encontro com cometa 46 P/Wirtanen.
mais larga estas noites medindo uma largura Depois de vários adiamentos do lançamento
de punho (10 graus) de céu. Muitos devido a problemas técnicos, agora a sonda
aglomerados abertos, cerca de 15 deles, está sendo apontada para o Cometa
podem ser vistos nesta constelação. 67P/Churyumov-Gerasimenko. Em sua jornada
de 10 anos para o cometa, a astronave
passará por pelo menos um asteróide. Seu
25 de fevereiro, quarta-feira objetivo é estudar a origem dos cometas, a
relação entre o material cometário e o
Vênus oculta a estrela TYC 0613- interestelar, e suas implicações em relação a
00933-1 (mag 9.8). A Via-Láctea é observada origem do Sistema Solar e várias outras
Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 27


EFEMÉRIDES
medições científicas. Veja mais em: espreita só alguns graus abaixo de seus
http://sci.esa.int/science- horizontes meridionais, 2 horas depois do pôr-
e/www/area/index.cfm?fareaid=13 do-sol. Canopus, a segunda estrela mais
luminosa da noite, lá se esconde, nunca sobe o
Lançamento do satélite ROC-Sat 2 pelo bastante para ser vista pelas latitudes mais ao
foguete Taurus XL. norte. Observadores abaixo de uma linha que
corre aproximadamente pelo E.U.A. de
Nashville a Las Vegas vêem Canopus durante
27 de fevereiro, quinta-feira um tempo breve, localizada baixo no sul.
Quanto mais se dirigem a latitudes mais baixas,
Mercúrio passa a 1.4 graus de Urano a a estrela sobe um grau mais alto no céu. A
6h41m (GMT –3). estrela pertence à constelação de Carina, a
A Via-Láctea está mais bem Quilha, que foi desmembrada da antiga
posicionada para observação a 0.4h (GMT –3). constelação Argos, o navio que foi em busca
Trânsito da lua Europa (mag 6.0) sobre da lã dourada.
o disco iluminado de Júpiter. A sombra tem De 28 de fevereiro a 6 de março
início à 2h30.5m; o trânsito do satélite começa acontece o Symposium: The Future of Life and
a 2h49.9m; a sombra termina a 5h22.7m e o the Future of Our Civilization, Thessalonika,
transito a 5h39.2m (GMT –3). Grécia.
O Trânsito de Io (mag 5.4) sobre o
disco de Júpiter acontece nas seguintes 29 de fevereiro, domingo
condições: a sombra de Io inicia a 5h27.9m, o
trânsito começa a 5h37.1m, a sombra termina A Via-Láctea está mais bem
a 7h43.8m e o trânsito a 7h51.8m (GMT –3). posicionada para observação a 0.2h (GMT –3).
Lançamento do satélite MB-Sat 1 pelo Trânsito de Io (mag 5.4) sobre o disco
foguete Atlas 3B. iluminado de Júpiter começando a 0h02.9m
(GMT –3). A sombra de Io termina a 2h12.2m e
28 de fevereiro, sexta-feira o trânsito termina 2h17.6m (GMT –3).
O Asteróide 1691 Oort passa a 2.341
O Asteróide 2000 EV70 passa a 0.164 UA da Terra.
UA da Terra. Em Astronomia o Ano Bissexto é
O Asteróide 3066 McFadden passa a aquele que tem 366 dias, sendo que a
1.839 UA da Terra. introdução de um dia extra no mês de fevereiro
O Asteróide 5555 Wimberly passa a compensa a incomensurabilidade entre os
2.051 UA da Terra. períodos de translação e rotação da Terra; ano
A Lua de Quarto Crescente ou Primeiro Bissêxtil. Há um de quatro em quatro anos. Por
Quarto acontece a 03:23 TU. convenção, são bissextos os anos cujo
A Lua em apogeu (máxima distância da milésimo é divisível por 4, com exceção dos
Terra) as 10:43 TU, a 404258 km de nós. anos seculares cujo milésimo não é divisível
A Via-Láctea está mais bem por 400. Ex.: o ano 1900 não foi bissexto, mas
posicionada para observação a 0.3h (GMT –3). o ano 2000 foi.
Júpiter eclipsa Io (mag 5.4) a 2h39.3m A estrela luminosa Capella, em Auriga,
e seu reaparecimento acontece a 5h03.5m o Cocheiro, está quase em cima ao término do
(GMT –3). crepúsculo. Capella, a quarta estrela mais
A grande maioria dos habitantes do luminosa da noite, é semelhante em
hemisfério norte nem suspeitam que beleza
temperatura ao nosso Sol. ∞

Carta celeste para ambos os hemisférios em PDF: http://www.skymaps.com/index.html


Fontes consultadas:
http://inga.ufu.br/~silvestr/ http://www.todayinsci.com/
http://www.jpl.nasa.gov/ http://aerith.net/
http://www2.jpl.nasa.gov/calendar//calendar.html http://www.maa.agleia.de/Comet/index.html
http://www.calsky.com/
Software utilizados: SkyMap, Visual Moon Atlas, Sting’s Sky calendar e Cartas Celestes.
R. Gregio

28 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


© André Fonseca da Silva - Centro de Estudos do Universo
FÍSICA MODERNA

Viagens
Superluminais ALTERNATIVAS PARA VIAGENS INTERESTELARES HIPER-RÁPIDAS

Francisco Lobo | CAAUL


flobo@cosmo.fis.fc.ul.pt

O homem tem procurado explorar a vastidão do


cosmos nas últimas décadas. No entanto, no que diz
respeito às viagens espaciais, tornou-se óbvio que os
seus esforços são severamente limitados por duas
formidáveis barreiras: a própria vastidão do espaço e a
lentidão das viagens espaciais. Por exemplo, uma
viagem a Marte, com as atuais velocidades das naves
espaciais, demora vários meses e uma jornada à estrela
mais próxima, Alfa de Centauro, levaria centenas de
milhares de anos.

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 29


FÍSICA MODERNA

Parece que estamos para sempre


confinados à vizinhança imediata do Sistema
Solar, destinados à solidão cósmica. No
entanto, estas dificuldades podem ser
contornadas teoricamente, no âmbito da teoria
da gravitação de Einstein, a Relatividade Geral.
O ponto fundamental da Relatividade
Geral consiste na possibilidade de modificar o
tempo necessário para efetuar uma viagem
alterando a distância a percorrer ou em em
outra alternativa, obter velocidades
arbitrariamente elevadas, sem no entanto
atingir a velocidade da luz, localmente.
De acordo com a Relatividade Geral, o
espaço-tempo pode ser extremamente curvo,
de modo a ligar duas regiões distantes através
de um atalho. Este atalho hipotético é
designado por wormhole (tradução ao pé da
letra: buraco de minhoca). Um wormhole
contém duas entradas que designaremos por
bocas, ligadas por um túnel, cuja circunferência
mínima chamaremos garganta. É possível
visualizar um wormhole através do diagrama de
mergulho (imagem ao lado), que idealiza um Diagrama de um wormhole
espaço-tempo com apenas duas dimensões
espaciais. Neste diagrama a garganta do Os físicos têm sido bastante céticos em
wormhole é representada por uma relação aos wormholes desde a sua
circunferência, mas no espaço-tempo formulação. Entretanto, deu-se um
quadridimensional seria uma esfera. renascimento do interesse em fins da década
Os wormholes foram descobertos de oitenta, parcialmente devido a um desafio
matematicamente como soluções das lançado por Carl Sagan a Kip Thorne, sobre a
equações de campo, por Flamm, em 1916, possibilidade real de viagens interestelares
poucos meses depois destas terem sido rápidas, idéia utilizada no seu livro “Contato”,
formuladas por Einstein. Em 1935, Einstein e que deu origem a um filme com o mesmo
Rosen, numa tentativa de construir um modelo nome.
geométrico de uma partícula elementar, As novas soluções encontradas
encontraram soluções que representavam o apresentavam algumas características
espaço físico por dois planos idênticos, sendo peculiares: A matéria que constitui o wormhole
a partícula uma ponte de ligação entre os dois tem uma densidade de energia negativa,
planos. Esta solução posteriormente ficou quando observada por um viajante que
conhecida como a "Ponte de Einstein-Rosen". atravessa o wormhole a uma velocidade
Os wormholes foram alvo de um estudo elevada. Diz-se, por vezes, que esta matéria é
exaustivo, na década de 50, pelo físico "exótica", porque viola algumas condições de
americano John Wheeler e seus colaboradores. energia que são fundamentais para os
No entanto, nenhuma das soluções a que teoremas clássicos sobre singularidades do
chegaram, representa um wormhole transitável espaço-tempo. Aparentemente, as leis da física
no espaço-tempo. As soluções encontradas clássica proíbem as densidades de energia
eram as de um wormhole dinâmico que uma negativas, mas a teoria quântica de campo
vez criado, se expandia até um valor máximo prevê a sua existência, conseqüentemente
da garganta, contraindo-se novamente até a violando algumas destas condições de energia.
garganta desaparecer. A expansão e a Este assunto continua a ser alvo de uma
contração do wormhole é tão rápida que investigação muito intensa. Espera-se que uma
impede a travessia de qualquer viajante ou eventual formulação de uma teoria gravitação
mesmo de um raio luminoso. quântica venha a resolver este problema.

30 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


FÍSICA MODERNA

DOBRA ESPACIAL

Em 1994, o físico de origem mexicana


Miguel Alcubierre publicou um artigo notável no
qual descrevia uma solução que permitia
velocidades superluminares. Este resultado
parece extremamente surpreendente, pois a
Relatividade Restrita diz-nos que a velocidade
da luz é o limite máximo para quaisquer
partículas materiais. Em particular, a massa de
uma partícula tende para infinito quando a sua
velocidade se aproxima da velocidade da luz.
Mas na Relatividade Geral, sob certas
condições, o espaço-tempo pode ser Simulação de uma viagem superluminal a bordo de
extremamente curvo, permitindo viagens uma nave espacial
superluminares.
As velocidades arbitrariamente envolvida por uma bolha de Alcubierre, seria
elevadas descritas por Alcubierre advêm da afastada da Terra e aproximada de um destino
expansão do próprio espaço-tempo, numa distante pelo próprio espaço-tempo.
analogia com a fase inflacionária do Universo. A solução de Alcubierre tem
Pensa-se que o Universo terá tido uma fase de propriedades peculiares, pois não comporta
expansão exponencial pouco depois do Big qualquer aumento da massa relativística e os
Bang. O Modelo da Inflação dá resposta a efeitos da dilatação do tempo são inexistentes
alguns dos problemas levantados pela teoria (relembremos que ambos os efeitos são
padrão do Big Bang. Sabe-se também, que previstos pela Relatividade Restrita). Estas
algumas galáxias e quasares longínquos peculiaridades advêm do fato da nave espacial
possuem velocidades de recessão que inserida na bolha de Alcubierre se encontrar
superam a velocidade da luz, fato que é em repouso relativamente ao espaço-tempo
atribuído à própria expansão do Universo. plano no interior da bolha. Existem enormes
O modelo de Alcubierre, denominado forças de maré na região periférica da bolha,
warp drive (tradução: distorção impulsionada, devido à enorme curvatura do espaço-tempo.
também conhecida como “Dobra Espacial”), No entanto, tais forças são desprezáveis no
recorre a uma expansão e uma contração do interior da bolha, na região ocupada pela nave
espaço-tempo, respectivamente, para nos espacial, dado o caráter plano do espaço-
afastarmos de um objeto e aproximarmos de tempo.
outro a enormes velocidades. Teoricamente, Alcubierre chamou a atenção para um
poderíamos utilizar este modelo para efetuar problema considerável levantado pela sua
viagens interestelares hiper-rápidas, criando solução. Resolvendo as equações de Einstein
uma distorção local do espaço-tempo que da gravitação, vemos que a matéria necessária
produzisse uma expansão na parte traseira de para gerar a curvatura do espaço-tempo da
uma nave espacial e uma contração na parte dobra espacial tem uma densidade de energia
frontal da mesma. Deste modo, a nave negativa. Logo, tal como sucede nos
wormholes, a matéria associada à bolha de
Alcubierre tem um caráter exótico, violando
algumas das condições de energia da
Relatividade Geral, associadas às
singularidades. Recentemente, Ken Olum, um
físico norte-americano, provou um teorema, no
contexto da Relatividade Geral, segundo o qual
são necessárias densidades de energia
negativas, para obter velocidades
superluminares.
Alcubierre demonstrou que é
Expansão dos elementos de volume na bolha de necessária uma quantidade enorme de energia
Alcubierre. Esta move-se ao longo do eixo dos 0x. negativa, proporcional ao quadrado da
Consiste numa expansão na parte traseira da bolha, e
uma contração na parte frontal.

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 31


FÍSICA MODERNA

de propagação da bolha, para produzir a no ponto de partida. O espaço-tempo no


curvatura associada à sua solução. Verifica-se interior do tubo de Krasnikov, tal como no
que a distribuição de energia negativa está interior da bolha de Alcubierre, é plano.
concentrada numa região toroidal É possível estabelecer uma
perpendicular à direção do movimento da bolha correspondência entre um wormhole transitável
de Alcubierre. e o tubo de Krasnikov, para efeitos de viagens
interestelares. Em ambos os casos, a distorção
do espaço-tempo produz um atalho entre duas
O TUBO DE KRASNIKOV regiões longínquas do Universo. Existe, no
entanto, uma diferença fundamental: um
Sergei Krasnikov é um físico teórico do wormhole produz um atalho no espaço e no
Observatório Astronmico Central de Pulkovo, tempo, enquanto que o tubo de Krasnikov é
em São Petersburgo, na Rússia. Ao analisar apenas um atalho no tempo. Esta diferença
detalhadamente a solução de Alcubierre, pode ser ilustrada com o seguinte exemplo.
deparou-se com uma falha limitativa da sua Suponhamos que existe um wormhole, com um
utilidade para viagens interestelares. Se a túnel extremamente curto, que liga a Terra e a
bolha de Alcubierre se mover com uma vizinhança de uma estrela distante,
velocidade superluminal, não poderá ser suponhamos, Vega. Um viajante que atravesse
controlada a partir do seu interior. A análise de o wormhole, partindo da Terra, encontrar-se-á,
Krasnikov demonstrou que para velocidades subitamente, próximo de Vega. Ao atravessar o
superiores à da luz, o interior da bolha está wormhole, o viajante percorre uma distância
causalmente separado da sua superfície e praticamente nula, num intervalo
exterior. Isto quer dizer que um fóton emitido na aproximadamente nulo, devido ao pequeno
direção do movimento não pode passar do comprimento do túnel. Ao utilizar um tubo de
interior para o exterior da bolha. Krasnikov, o atalho apenas existe na viagem
Exemplificando, um raio luminoso, enviado na de regresso de Vega à Terra. É necessário
direção do movimento por um observador a percorrer toda a distância entre as duas
bordo duma nave espacial, em repouso no regiões, através do tubo, mas a viagem é
interior da bolha de Alcubierre, atinge um efetuada num intervalo de tempo praticamente
determinado ponto e aí permanece, nulo, ou, mais estranho ainda, o viajante pode
estacionário relativamente à bolha, sendo por regressar à Terra num instante anterior ao da
ela arrastado. Este comportamento é sua partida, conforme é medido por um
remanescente de um horizonte de eventos observador em repouso na Terra.
semelhante ao existente em buracos negros. Como vimos, o tubo de Krasnikov
Krasnikov propôs uma solução bi- constitui um atalho no tempo. Embora um tubo
dimensional, em alternativa à dobra espacial de isolado, não levante quaisquer problemas no
Alcubierre, na qual apenas explorou o que respeita à causalidade, é teoricamente
comportamento causal do espaço-tempo. Mais possível efetuar viagens no tempo utilizando
tarde, dois físicos norte-americanos, Allen uma combinação de dois tubos.
Everett e Thomas Roman, estenderam a Tal como nos wormholes transitáveis e
solução a quatro dimensões (três espaciais e na solução de Alcubierre, são necessárias
uma temporal) e denominaram-na de tubo de densidades de energia negativas para construir
Krasnikov. O tubo é uma distorção do espaço- um tubo de Krasnikov. Allen Everett e Thomas
tempo produzida por um observador que se Roman efetuaram uma análise detalhada da
move a uma velocidade próxima da luz distribuição da densidade de energia, tendo
numa viagem interestelar e pode ser reutilizado concluído que embora a matéria constituinte do
numa viagem de regresso. A solução de tubo de Krasnikov tenha densidades de energia
Krasnikov possui uma propriedade positivas, o interior das suas paredes possui
interessante. A viagem de ida e volta pode ser densidades de energia negativas
efetuada num intervalo de tempo extremamente elevadas, o que implica,
arbitrariamente curto, tal como este é medido prematuramente a impossibilidade tecnológica
por um observador que permanece em repouso da sua construção. ∞

Francisco Lobo, é Investigador do Centro de Astronomia e Astrofísica da Universidade de Lisboa.


Texto extraído do Portal do Astrônomo http://www.portaldoastronomo.org. Para ler a versão
original e completa desse artigo, com mais soluções para a viagem interestelar acesse o site:
www.portaldoastronomo.org/tema6.php

32 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


ASTROFOTOGRAFIA

Fotografando o Universo - Parte III


Os primeiros alvos da Astrofotografia
Pedro Ré | ANOA
pedro.re@mail.telepac.pt

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 33


ASTROFOTOGRAFIA

SOL

A observação e fotografia Solar revestem-se de numerosos perigos: NUNCA SE DEVE


OBSERVAR OU FOTOGRAFAR O SOL SEM RECORRER AO USO DE FILTROS
APROPRIADOS. Os filtros mais seguros são aqueles que podem ser montados antes da
objetiva do telescópio (filtros frontais)

Características dos principais filtros solares frontais

Filtros frontais para observação e fotografia do Sol: 1- Mylar (Solar skreen), telescópio Takahashi FS60; 2- Thousand
Oaks, telescópio C8, 3- Baader Planetarium, telescópio Takahashi FS102, 4- Baader Planetarium, telescópio Vixen 102.
Pedro Ré (2001).

Imagem do Sol obtida em 10-11-2001. Telescópio refrator Vixen (102 mm f/9.8), filtro
Baader Planetarium, FujiFilm FinePix S1 Pro (fotografia no foco principal). Pedro Ré (2001).

34 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


ASTROFOTOGRAFIA

LUA
A Lua é um dos objetos celestes mais fáceis de fotografar. É relativamente simples
obter boas fotografias lunares recorrendo a equipamento pouco sofisticado. A Lua pode ser
fotografada recorrendo a inúmeros instrumentos. Pode utilizar-se uma teleobjetiva ou um
telescópio. O diâmetro da imagem da Lua, no plano focal do filme, ou do sensor CCD, depende
da distância focal do instrumento. O seu valor aproximado pode ser calculado através da
seguinte fórmula.

Diâmetro da imagem da Lua = Distância focal / 110

Diâmetro do disco lunar em função da distância focal. Pedro Ré (2001).

Tempos aproximados em segundos para a fotografia lunar

Telescópio Schmidt-Cassegrain 200 mm f/10, objetiva 80 mm 1:2,8 e Olympus Camedia C-1400L.


Pedro Ré (2001).

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 35


ASTROFOTOGRAFIA

ECLIPSES
A fotografia de eclipses solares ou lunares pode ser levada a cabo, recorrendo a
algumas das técnicas já referidas anteriormente. Os eclipses totais do Sol são sem dúvida um
dos fenômenos naturais mais interessantes de observar e de fotografar. Registrar em filme ou
em vídeo este tipo de acontecimento é uma ambição natural de qualquer astrofotógrafo. Deve-
se porém planejar com antecedência e se possível treinar alguns procedimentos básicos que
nos permitirão obter resultados satisfatórios. Os eclipses são acontecimentos efêmeros
(sobretudo no que diz respeito aos eclipses totais do sol) e não devemos "gastar" demasiado
tempo no seu registro fotográfico. A totalidade pode durar apenas alguns minutos que devem
ser devidamente apreciados. Algum planejamento prévio permitir-nos-á obter imagens do
fenômeno e, ao mesmo tempo, observar o eclipse visualmente em boas condições e em
segurança.

A fotografia dos eclipses lunares é tecnicamente mais simples em comparação com a


fotografia de eclipses solares. Não necessitamos de utilizar qualquer tipo de filtro, tal como
sucede no caso da fotografia solar.

Eclipse total do Sol de 11-08-1999. Telescópio refrator Konus 80 mm f/5. Filme Fujichrome Sensia 100. Exposições
1/500 s e 1/250 s. Imagens processadas por computador para realçar as protuberâncias solares. Bucareste, Romênia.
Pedro Ré (1999).

Eclipse Total da Lua de 17-08-1989. Telescópio refletor de 300 mm f/7,1. Filme Ecktachrome 100. Exposiçções de 30 s
(fases parciais) e 60 s (totalidade). Pedr Ré (1989).

36 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


ASTROFOTOGRAFIA

PLANETAS

A fotografia de planetas, tal como alguns aspectos da fotografia solar e lunar, pode ser
considerada como fotografia de alta resolução, e constitui um domínio relativamente
especializado e exigente da fotografia astronômica. A maioria das fotografias de planetas é
atualmente realizada recorrendo ao uso de câmaras CCD refrigeradas e de Webcams
modificadas. A fotografia planetária pode ser facilmente realizada a partir de um ambiente
urbano em que poluição luminosa é moderada ou intensa.
Apesar da turbulência atmosférica, desempenhar um papel central na obtenção de
imagens planetárias, o instrumento utilizado é sem dúvida mais importante. De um modo geral,
podemos dizer que as imagens são mais degradadas pelo instrumento do que pelas condições
de observação.
Qualquer telescópio de boa qualidade pode ser utilizado na obtenção de imagens
planetárias de alta resolução. Apesar disso, os telescópios do tipo Schmidt-Cassegrain são os
mais usados com esta finalidade. Estes telescópios produzem excelentes resultados, apesar de
possuírem uma obstrução central importante provocada pelo espelho secundário, com
conseqüências marcantes no contraste (redução). Os telescópios refratores apocromáticos,
além de não sofrerem qualquer tipo de obstrução, apresentam geralmente uma qualidade óptica
superior. Este tipo de instrumentos atinge no entanto preços proibitivos em aberturas superiores
a 100 mm. É por esta razão que os telescópios compostos ou catadióptricos (Schmidt-
Cassegrain e Maksutov-Cassegrain) são os mais utilizados para obter imagens de alta
resolução.

Adaptação de duas Webcams para astrofotografia. 1- Philips Vesta Pro não modificada; 2- Vesta Pro munida de um
adaptador standard 1 ¼”; 3 e 4- Toucam Pro modificada. Pedro Ré (2002).

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 37


ASTROFOTOGRAFIA

Saturno. Telescópio Schmidt-Cassegrain 250 mm f/10, câmara Toucam Pro. Paulo de Almeida (2001).

Imagens dos planetas Marte, Saturno e Júpiter. Telescópio Schmidt-Cassegrain 250 mm f/10. Câmaras CCD SBIG ST-
5C. Antônio Cidadão (1999/2001)

38 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


ASTROFOTOGRAFIA

ESPAÇO PROFUNDO

As galáxias, as nebulosas e os enxames ou aglomerados de estrelas, consideram-se


geralmente como objetos do céu profundo, por se encontrarem fora do sistema solar. O método
mais simples de fotografar o céu profundo consiste em montar uma câmera fotográfica sobre um
telescópio que possua uma montagem equatorial motorizada. Neste caso, a câmara é montada
em paralelo ou em piggy-back. Se a montagem equatorial for estacionada poderá realizar
astrofotografias de longa exposição, recorrendo ao uso de diversas câmaras fotográficas (28
mm a 300 mm de distância focal). Este tipo de imagens deve ser efetuado longe da poluição
luminosa das grandes cidades e numa noite sem Lua. No caso das imagens serem realizadas
em ambientes urbanos e suburbanos, podemos recorrer ao uso de diversos filtros especiais. No
caso de utilizarem objetivas com distâncias focais curtas (objetivas grande-angulares e noramis)
a precisão da guiagem não é muito exigente.

Para fotografar o céu profundo, através de um telescópio, é necessário acoplar uma


câmera fotográfica a um destes instrumentos, seguindo um dos processos descritos
anteriormente. No entanto, as exposições são necessariamente mais prolongadas. Isto significa
que durante a exposição, terá que se efetuar uma guiagem precisa do telescópio. Para tanto, é
necessário que este seja suportado por uma montagem equatorial robusta e de boa qualidade.
Para que uma montagem equatorial seja efetiva, torna-se necessário colocá-la rigorosamente
estacionada. A precisão do acompanhamento das montagens equatoriais pode ser muito
variada. Em geral as montagens modernas são motorizadas nos dois eixos por meio de motores
de passo.

Constelação de Escorpião. Olympus OM-1, 50 mm 1:1,8 (2.8). Filme Kodak Exktachrome E200. Exposições de 15 min.
Pedro Ré e José Carlos Diniz (2001).

Pedro Ré, astrofotógrafo português é autor de várias publicações, entre elas o livro “Fotografar o
Céu: Manual de astrofotografia”, editado em Portugal por Plátano Edições Técnicas. 2002
Site: http://www.astrosurf.com/re

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 39


FOGUETISMO

O ENTRETENIMENTO CIENTÍFICO AMADOR DE LANÇAR


FOGUETES, DISPONÍVEL PARA TODO O BRASIL
Audemário Prazeres | Sociedade Astronômica do Recife
audemarioprazeres@ig.com.br

Em 1984, a Revista Mecânica Popular publicou um artigo muito interessante sob o


titulo "O primeiro minifoguete educativo brasileiro". Este artigo tratou de um hobby muito
comum em alguns países (mas precisamente nos Estados Unidos), chamado de "Rocketry",
palavra que pode ser entendida no nosso português como FOGUETISMO. Por outro lado,
essa atividade é definida também como "Espaço-Modelismo ou "Astro-Modelismo.

Essa atividade apesar de ser antes do artigo publicado na Revista Mecânica


apresentada na revista há 20 anos, já é uma Popular, pois como sou natural da cidade do
realidade dentro dos recursos didáticos Carpina, Zona da Mata do estado (cerca de 55
disponíveis para as atividades promocionais de Km do Recife), onde tive a oportunidade de
caráter educacional, voltada para o grande conhecer o CEFEC - Centro de Estudos de
público, realizada pela Sociedade Astronômica Foguetes Experimentais do Carpina, que era
do Recife nos dias atuais. representado pelo Prof. Felix, pessoa na qual
Entre os diversos modelos de foguetes conheci, e como ele sabia do meu
educativos desenvolvidos aqui, no nosso envolvimento com a Astronomia, mediante na
estado, o modelo que utilizamos como recurso época eu fazer parte da diretoria do antigo
didático, é uma réplica do foguete brasileiro Clube Estudantil de Astronomia, no bairro da
SONDA - 2, que utiliza como combustível nos Várzea no Recife, recebi um convite de
seus propulsores, pólvora negra (comum unirmos as praticas dos foguetes com a
nesses modelos de foguetes de combustível Astronomia na minha terra-natal. Durante este
sólido). período, fundei a Associação Astronômica de
Esse meu conhecimento e interesse Pernambuco - A.A.P., que com este breve
com a pratica do Foguetismo surgiu um pouco intercâmbio, conheci um pouco mais sobre a

40 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


FOGUETISMO

pratica de lançar foguetes. Mas por outros


motivos, tive que residir definitivamente na
cidade do Recife e não mais foi possível
desenvolver com o grupo essa interessante
atividade.
Passados alguns anos, fui convidado
para expor fotografias tiradas do Cometa
Halley, no evento elaborado pela Universidade
Federal de Pernambuco chamado "Verão no
Campus", devido a este trabalho ter sido o
Coordenador da Primeira equipe amadora do
Brasil a redescobrir e fotografar o cometa
Halley (em minha página pessoal vemos um
certificado da LIADA sobre este feito. A saber:
www.aapbrasil.kit.net). Na ocasião, tive a
oportunidade de conhecer o pesquisador
foguetista Roberto Santos, no qual também
tinha participado do grupo do CEFEC em
Carpina, e vinha desenvolvendo de maneira
isolada esta atividade no nosso estado. Após
este encontro, surgiu uma nova amizade, e
aquela idéia planejada em outros anos sobre a
união da Astronomia com Foguetismo
novamente veio então a surgir e se concretizar.
Hoje, estou juntamente com o Roberto, Audemário Prazeres e Roberto Santos, mostram o
não comercializando foguetes, mas divulgando foguete de cinco estágios batizado como
esta pratica que além de ser divertida, é “Pernambuco”.
altamente rica em conhecimentos científicos,
sendo uma boa ferramenta didática nas aulas da cidade de Natal, a capital daquele estado, e
de Física, Matemática e Química, além de ser havendo algum acidente (como o que
muito pratica e interessante quando aplicadas aconteceu recentemente em Alcântara), a
em Feiras de Ciências com os alunos. possibilidade de ocorrer muitas vitimas é algo
Por outro lado, não podemos nos considerável. A escolha por Alcântara, além de
esquecer que a pratica do Foguetismo como proporcionar maior segurança, possui uma
um hobby científico, resulta em uma atividade melhor vantagem por se localizar bem próxima
muito importante para o desenvolvimento de à linha do Equador terrestre, onde como nós
alguns programas educativos voltados para as sabemos, a velocidade de escape de um corpo
atividades espaciais no Brasil. Pois o nosso da superfície do nosso planeta é bem menor.
país possui uma moderna e avançada Isto significa que o foguete vem a subir
industria aeroespacial (que nos diga a consumindo menos combustível, resultando em
EMBRAER e a Agência Espacial Brasileira lançadores menores e com capacidade de
juntamente com o INPE, resultando em maior carga útil.
grandes feitos realizados na base de Pois bem, dentro desse importante
lançamento de satélites localizada na cidade programa estabelecido pelo Brasil de lançar
de Alcântara no Maranhão). foguetes visando possuir a tecnologia dos VLS
Em Alcântara, encontra-se o CLA - Veículo Lançador de Satélites, foi
"Centro de Lançamento de Alcântara". Este desenvolvido alguns foguetes brasileiros pelo
importante centro, ocupa cerca de 620 Km² e CTA - Centro Técnico Aeroespacial, batizados
foi criado em 1982, sendo construído em 1987. de “SONDA”. Esses foguetes foram essenciais
Na verdade, desde o ano de 1965 o Brasil para o aprimoramento dos VLS nacionais, que
possui a famosa base de lançamentos de teve como descendente direto o foguete
foguetes da Barreira do Inferno, no Rio Grande SONDA- 4.
do Norte, mas um dos grandes problemas A família SONDA, teve seu início com o
dessa base, é pelo fato dela ser muito próxima SONDA – 1, que possuía 54 quilos, sendo

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 41


FOGUETISMO

possível levar cargas úteis de até 5 quilos e protótipo em escala reduzida do VLS nacional.
atingia uma altitude entre 70 e 120 quilômetros. Em nossas apresentações em que
Esse modelo, abriu as portas junto a industrias envolvem lançamentos de foguetes, utilizamos
de compostos químicos, tubos e outros vários modelos de foguetes, entre eles o mais
artefatos essenciais para o sucesso das utilizado é o KIT SONDA - II e o KIT SONDA II
gerações seguintes. Com maiores dimensões e de DOIS ESTÁGIOS, estes modelos, quando
melhor aperfeiçoamento técnico, viriam em utilizados com motores propulsores de varias
seguida o SONDA - 2 e o SONDA – 3. Mas o potências, podem elevar o foguete desde 20
melhor ainda estava por vir, que foi o SONDA - metros à 300 metros ou mais. Esses KITS se
4 que voou em 21 de Novembro de 1984, na parecem com aqueles de aeromodelistas, onde
Barreira do Inferno (RN). Sendo que em 15 de você mesmo monta as suas partes. Veja como
Dezembro de 1985, o Brasil já possuía um se apresenta um KIT do SONDA - II:

1. Comprimento do foguete: 300 mm


2. Diâmetro de 19 mm
3. Altitude de vôo até 300 metros (depende do tipo de motor utilizado)
4. Peso 35 gramas
5 .Recuperação por meio de um pára-quedas instalado próximo a sua ogiva
6. A ignição dos pavios-ignitores é por meio de 04 pilhas pequenas comuns tipo “AA”
7. Os motores fabricados para os foguetes possuem um Certificado de Registro expedido
pelo Ministério do Exercito.
8. Preço desse KIT completo, tendo incluso um motor de baixa altitude (eleva cerca de 20
metros), R$ 29,00 + R$ 8,00 referente ao frete tipo Encomenda Registrada para qualquer cidade do
Brasil.
9. Os Kits acompanham manual de instruções bastante ilustrado e de fácil entendimento. São incluídas
normas de segurança, e todas as peças necessárias para a montagem e lançamento do foguete.
Inclusive a rampa de lançamento também acompanha o KIT. Só não acompanha as 04 pilhas
comuns tipo "AA" de 1,5 volts cada.
10.Nesse modelo, é possível adicionar um peso de cerca de 25 gramas na sua ogiva, onde não
atrapalha a performance do foguete no seu lançamento (um exemplo: pode ser desenvolvido
algum micro circuito alimentado com pilhas de relógio).
11. Aqueles que desejarem adquirir um desses KITS, basta enviar um e-mail para a minha pessoa,
no qual teremos o imenso prazer em tirar dúvidas e estimular este hobby científico, agora
disponível para iniciantes

42 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


FOGUETISMO

Como informei anteriormente, não se


trata de uma comercialização de foguetes, e
sim, uma divulgação dessa atividade
divertida, curiosa e científica.

Por outro lado, informo que os KITS


FOGUETES, não são fabricados ou de
responsabilidade ou ainda, patenteados pela
Sociedade Astronômica do Recife. Trata-se
de um trabalho exclusivamente desenvolvidos
por horbistas, que por atingirem um elevado
grau de conhecimento na tecnologia de
fabricação e lançamentos de FOGUETES
EDUCATIVOS, vêem divulgar para aqueles
que se interessam neste hobby interessante.
Lançamento da Sonda II

OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: A pratica do


foguetismo, deve-se seguir atentamente as
instruções de montagem e lançamento, pois o
fator segurança é um item que jamais devemos
deixar de considerar. O nosso país ainda
necessita de legislação específica para o
desenvolvimento dessa atividade. Lançamentos
de foguetes requerem locais amplos para o seu
desenvolvimento, e modificações para ganhos
maiores nos motores ou o uso de motores de
elevadas potências, somente com autorização do
Ministério do Exercito. Inclusive, locais de tráfego
aéreo não é permitido lançamento de foguetes
educativos. Os KITS que utilizamos, possuem
Normas de segurança e de lançamentos baseados
nas determinações da renomada entidade:
National Association of Rocketry dos Estados
Unidos, e os motores possuem Certificado
expedido pelo Ministério do Exercito para serem
fabricados. ∞
Pára-quedas aberto na descida

Audemário Prazeres, astrônomo amador atuante há 21 anos, é o Presidente-Fundador da


Associação Astronômica de Pernambuco - A.A.P., criada em 1985; Foi o Coordenador da primeira
equipe amadora do Brasil a redescobrir e fotografar o cometa Halley; tendo exercido cargos na
diretoria do antigo Clube de Estudantil de Astronomia – C.E.A., é atual Presidente da Sociedade
Astronômica do Recife – S.A.R.
E-mail: audemárioprazeres@ig.com.br
Sociedade Astronômica do Recife: http://sociedadeastrorecife.cjb.net
Associação Astronômica de Pernambuco: www.aapbrasil.kit.net

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 43


EFEMÉRIDES

Agenda Histórica

Rosely Grégio | Revista macroCOSMO.com


rgregio@uol.com.br

1 de fevereiro, domingo fotométrico, o Harvard Photometry (1884).


Estabelecendo uma estação no Peru (1891)
Em 1999 a sonda Galileo realizava seu para fazer as fotografias meridionais, ele
19° sobrevôo pela lua Europa de Júpiter. publicou o primeiro mapa fotográfico de todo o
Em 1 de fevereiro de 2003 acontecia o céu em 1903.
terrível acidente com explosão da nave Space Em 3 de fevereiro de 1966, três dias
Shuttle Columbia, sobre o céu do estado depois de sua partida, a sonda soviética não
americano do Texas. Em seu vôo STS-107 tripulada Luna 9, pousava seguramente no
quando a tripulação retornava para a Terra Oceano das Tempestades Longitude: 64.3°
após uma permanência de 16 dias na Estação oeste e Latitude: 7.1° norte, Quadrante: Norte-
Espacial Internacional. Sua tripulação de sete oeste na borda ocidental da Lua. Foi a
astronautas morreu no acidente. O Controle de primeira aterrissagem suave em outro corpo
missão perdeu contato com o shutte ao redor celeste, abrindo caminho para as viagens
das 9 horas da manhã EST (14:00 GMT), tripuladas para a Lua, já que sua alunissagem
aproximadamente 16 minutos antes de sua mostrou que sua superfície não era uma areia
chegada na Flórida. A tripulação do STS-107 movediça parda e insegura para pousos. Seu
era composta pelos astronautas Rick Husband, equipamento fotográfico permitiu a tomada de
Willie McCool, Dave Brown, Laurel Clark, 27 imagens, inclusive visões panorâmicas e
Kalpana Chawla, Mike Anderson e Ilan Ramon visões mais íntimas das rochas próximas, as
primeiro astronauta israelita a ir ao espaço e quais foram enviadas para a Terra até 6 de
representante da Agência Espacial de Israel. fevereiro quando suas baterias terminaram e o
contato com a sonda foi perdido. A sonda
também fez analises da capa de rególito da
2 fevereiro, segunda-feira região.
Em 1966, o E.U.A. lançava seu
Entre 2 e 4 de fevereiro de 1962, oito primeiro satélite meteorológico, o ESSA-1 para
astros estavam em alinhamento (ou pelo prover fotografia da cobertura de nuvens para o
menos quase alinhados) pela primeira vez em U.S. National Meteorological Center na
400 anos: Marte, Saturno, Sol, Vênus, Júpiter, preparação de análises operacionais e
Mercúrio, a Terra e a Lua. previsão do tempo

3 fevereiro, terça-feira 4 fevereiro, quarta-feira

Em 1919 morria Edward Charles Em 4 de fevereiro de 1906 nascia


Pickering, (nasceu em Boston Mass. U.S em Clyde W. Tombaugh (morreu em 17/01/1997).
19/07/1846). Físico e astrônomo norte- Astrônomo americano que descobriu o planeta
americano formado em Harvard, ele ensinou Plutão em 1930, o único planeta descoberto no
física durante dez anos no MIT onde ele século XX, depois de uma investigação
construiu o primeiro instructional physics sistemática devido a predições de outros
laboratory nos Estados Unidos. Aos 30 anos de astrônomos. Tombaugh tinha 24 anos quando
idade dirigiu o Harvard College Observatory fez esta descoberta no Observatório Lowell em
Harvard por 42 anos. Suas observações Haste, Arizona. Ele também descobriu vários
tiveram ajuda de um staff feminino, inclusive agrupamentos de estrelas e galáxias, estudou
Annie Jump Cannon. Ele introduziu o uso do a distribuição aparente de nebulosas
fotômetro meridiano para medir a magnitude de extragalácticas, e fez observações das
estrelas , e estabelecido o primeiro catálogo superfícies de Marte, Vênus, Júpiter, Saturno, e
Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

44 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


EFEMÉRIDES

a Lua. Filho de fazendeiros pobres, seu Equipamentos na Lua (laser reflector e


primeiro telescópio foi feito de partes sucata de Sismometer magnetometer) realizaram
equipamentos agrícolas. análises da poeira lunar e trouxeram 43 kg de
Em 1974 morria Satyendra Nath Bose rochas lunares. Lembrando que a missão
(nascido em 01/011894). Matemático e físico anterior (Apollo 13) foi abortada (não pousou
indiano colaborou com Albert Einstein no na Lua) devido a problemas com a nave, a
desenvolvimento de uma teoria relativa às tripulação apenas contornou a Lua e voltou
qualidades da radiação eletromagnética. Ele para a Terra.
fez trabalho importante na teoria do quantum, Em 1962, o Sol, a Lua, Mercúrio,
em particular na Planck's black body radiation Vênus, Marte, Júpiter, e Saturno estavam em
law. (lei de Planck da radiação do corpo negro). conjunção.
Bose também publicou uma mecânica
estatística que conduziu as Estatísticas
6 fevereiro, sexta-feira
Einstein-Bose. Dirac cunhou o termo Boson
para partículas que obedecem estas
estatísticas. Em 1973 morria Ira Sprague Bowen
Em 1928 morria Hendrik Antoon (nasceu em 21/12/1898) Astrofísico americano
Lorentz (nascido em 18/07/1853). Físico que investigou os espectros ultravioletas de
holandês dividiu o Prêmio Nobel para a Física átomos altamente ionizados o que conduziu à
em 1902 com Pieter Zeeman, pela sua teoria sua explicação para as strong green spectral
da influência do magnetismo em fenômenos da lines não identificadas das nebulosas gasosas
radiação eletromagnético. A teoria foi (nuvens de gás rarefeito) como as forbidden
confirmada pelos achados de Zeeman e deu lines of ionized oxygen and nitrogen (linhas
lugar à teoria especial da relatividade de Albert proibidas de oxigênio e nitrogênio ionizado).
Einstein. Seu trabalho foi fundamental nos Esta emissão, aparentemente ao contrário de
campos de óticas e eletricidade revolucionando qualquer elemento conhecido, tinha sido
as concepções da natureza da matéria. Em previamente atribuída a um elemento
1878, ele publicou uma composição que hipotético, ‘’nebulium ". Porém, Bowen mostrou
relaciona a velocidade da luz em um meio com que a emissão era idêntica com as que
a sua densidade e composição. calculou como as ”linhas proibidas" de
oxigênio e nitrogênio ionizado sob pressão
extremamente baixa. Este foi um avanço
5 fevereiro, quinta-feira primordial no estudo da composição celeste.
Ele foi diretor do Mt. Wilson and Palomar
Em 1974 a sonda americana Mariner Observatories de 1948 a 1964.
10 sobrevoava Vênus e fazia as primeiras Em 1923 morria Edward Emerson
imagens em close da estruturas das nuvens do Barnard (nasceu em 16/12/1857). Astrônomo
planeta. Veja mais em: que abriu caminho para a fotografia celeste e
especializando-se em fotografia de largo
http://www2.jpl.nasa.gov/calendar/mariner10.html campo. Começou a observar em 1881, sua
habilidade e aguda visão combinaram para
Em 1971, a missão Apollo 14 (Módulo fazer dele um dos maiores observadores de
Kitty Hawk, LEM Antares), realizava a terceira seu tempo. Barnard veio a ser um proeminente
expedição tripulada na Lua,. Shepard, Mirchell astrônomo pela descoberta de numerosos
e Roosa, partiram em 31 de janeiro de 1971 cometas. Nos anos de 1880, um protetor da
alunissando em 5 de fevereiro perto da cratera astronomia em Rochester, N.Y. premiava cada
Fra Mauro (Longitude: 17.4° oeste, Latitude: novo cometa descoberto com $200. Barnard
3.6° Sul; Quadrante: Sul-oeste; Área: Sul-leste descobriu oito – o bastante para construir sua
da região do Oceanus Procellarum). Os casa (‘’a casa dos cometas’’) só com o dinheiro
astronautas Alan Shepard e Edward Mitchell ganho por suas descobertas cometárias. No
caminharam na Lua durante quatro horas. Além Observatório de Lambida (1888-95) ele fez a
de realizarem medições e instalações de primeira descoberta fotográfica de um cometa;

Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 45


EFEMÉRIDES

fotografou a Via-Láctea; e descobriu a quinta matemáticos suíços Bernoulli. Ele não só


lua de Júpiter. Depois, ele se juntou ao investigou a matemática como também outros
Observatório de Yerkes e fez seu Atlas campos ligados à medicina, biologia, fisiologia,
Fotográfico de Regiões Selecionadas da Via- mecânicas, físicas, astronomia, e oceanografia.
Láctea. O teorema de Bernoulli desenvolvido por ele,
Experimento curioso. Em 1971, Alan foi assim nomeado em sua Honra.
Shepard, astronauta da Apollo 14, fez duas Em 1677 nascia Jacques Cassini
tacadas de golfe na superfície lunar (morreu em 18/04/1756). Astrônomo francês
experimentando a gravidade lunar (apenas 1/6 que compilou as primeiras tabelas dos
da nossa). movimentos orbitais das luas de Saturno até
então conhecidas.
Em 1974 morria Fritz Zwicky (nasceu
7 fevereiro, sábado em 14/02/1898). Astrônomo e físico suíço que
fez valiosas contribuições para a teoria e
Em 1889 era fundada a Astronomical entendimento de estrelas supernovas.
Society of the Pacific's. Em 1969, um meteorito pesando mais
Há 180 anos (1824) nascia William de uma tonelada foi recuperado em Chihuahua,
Huggins (morreu em 12/05/1910). Astrônomo México.
inglês que revolucionou a astronomia
observacional aplicando métodos
espectroscópicos para a determinação dos 9 fevereiro, segunda-feira
componentes químicos de estrelas e outros
objetos celestes. Em 1999 era lançada a sonda
Em 1926 nascia Konstantin Petrovich STARDUST. Em 2 de Janeiro de 2004 ela
Feoktistov. Cosmonauta e projetista/desenhista chegou ao Cometa Wild 2, fotografando o
de astronaves. da Rússia que junto com núcleo cometário com excelente resolução de
Vladimir M. Komarov e Boris B. Yegorov, imagem e colheu amostras de poeira que serão
realizou o primeiro vôo com tripulação múltipla, trazidas a Terra (2006) para serem analisadas.
Voskhod 1 (1964). Até então, só dez pessoas Em 1865 morria James Melville Gilliss
tinham estado em órbita antes da missão (nasceu em 6/9/1811). Oficial Naval e
Voskhod 1 e era a primeira vez que uma Astrônomo norte-americano que fundou o
astronave levava mais de um ocupante. Ele Naval Observatory em Washington, D.C., o
também foi o diretor de vôo da missão Soyuz primeiro observatório norte-americano
18/Salyut em 1975. completamente dedicado à pesquisa. Gilliss se
engajou na Marinha aos 15 de idade.
Autodidata em astronomia, uma vez que não
8 fevereiro, domingo havia nenhum observatório astronômico fixo no
E.U.A., e muita pequena instrução formal. Em
Hoje Jules Verne (1828) faria 176 anos. 1838, quando Charles Wilkes partiu em sua
Verne. Foi o primeiro escritor de ficção famosa expedição de exploração para os
científica direcionada aos jovens. Muito do que Mares de Sul, Gilliss se tornou oficial em
ele escreveu em sua obra, foi posteriormente charge of the Depot of Charts and Instruments,
corroborado pela NASA, entre outras coisas, a precursor do U. S. Naval Observatory. Suas
instalação de uma base de lançamento na observações astronômicas durante este tempo
Flórida. Sete Dias em um Balão, Viagem a com relação a determinar a diferenças de
Lua, Volta ao Mundo em 80 dias, Viagem ao longitude com a Expedição de Wilkes,
Centro da Terra e Vinte Mil Léguas Submarinas resultando no primeiro catálogo de estrelas
são algumas de suas obras mais publicado nos Estados Unidos.
representativas. Em 1811 morria Nevil Maskelyne
Em 1700 nascia Daniel Bernoulli (nascido em 06/10/1732). Astrônomo britânico
(morreu em 17/03/1782). O mais distinto notório por sua contribuição à ciência da
membro da segunda geração da família de navegação. Em 1761 a Royal Society enviou
Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

46 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


EFEMÉRIDES

Maskelyne para a ilha de St Helena onde ele interessava-se por física e astronomia, e até
realizou medidas precisas de um trânsito de mesmo construiu um observatório para poder
Vênus. Isto dá a distância da Terra ao Sol, e a estudar os movimentos das estrelas.
escala do Sistema Solar. Durante a viagem ele Em 1997, a lançadeira Discovery
experimentou também com o método de levava ao espaço a missão STS-82 para fazer
posição lunar para determinar a longitude. Em reparos nos instrumentos científicas do
1764 ele foi a uma viagem a Barbados levar a Telescópio Espacial Hubble. Esta foi a segunda
cabo, tentativas do uso do Harrison's timepiece de uma série de missões planejadas para
(cronômetro de Harrison), em seguida foi consertar o Telescópio Hubble que foi colocado
designado Astronomer Royal (1765). Em 1774 em órbita em 24 de abril de 1990.
ele levou a cabo uma experiência em uma Em 1970, era lançado o primeiro
montanha escocesa com o uso de uma linha satélite japonês, Osumi 5, fazendo do Japão o
absoluta para determinar a densidade da Terra, quarto país a pôr um satélite em órbita da
determinando que era de aproximadamente 4.5 Terra. Sua missão era explorar a atmosfera
vezes a da água. superior. Quatro lançamentos anteriores desde
Em 1949, era criado o primeiro 1966 haviam falhado. A U.S.S.R. foi a primeira
Departamento de Medicina Espacial, nação a colocar um satélite em órbita da Terra
estabelecido na United States Air Force School (Sputnik em 4/10/1957), seguido pelo E.U.A. (o
of Aviation Medicine em Randolph Field, Texas. Explorer em 31/1/1958), depois a França (A-1,
1965), Japão (Osumi-5, 1970), China (China 1,
1970) e a U.K. (Prospero, 1972).
10 fevereiro, terça-feira

Há 30 anos (1974) a Mars 4, 12 fevereiro, quinta-feira


sobrevoava o planeta Marte. Mais em:
Há 30 anos (1974), a sonda Mars 5,
http://nssdc.gsfc.nasa.gov/database/MasterCatal
og?sc=1973-047A
era inserida na órbita de Marte. Mais
informação em
Em 1997 morria Amron Harry Katz
http://nssdc.gsfc.nasa.gov/database/MasterCatal
(nascido em 15/08/1915). Físico americano og?sc=1973-049A
cujo estudo em reconhecimento aéreo tornou
possível o uso de satélites espaciais para Em 12 de fevereiro de 2001, era
espionagem militar como também coletar tentada a primeira descida controlada sobre a
informação a ser usada como recursos e superfície de um asteróide. A sonda NEAR
ajudando as vítimas de desastre. pousou sobre o asteróide 433 Eros de 21/8
Em 1720, Edmund Halley foi designado milhas em tamanho. A espaçonave orbitou
segundo Astronomer Royal da Inglaterra. essa enorme rocha por um ano em 2000 até
ser lançada sobre sua superfície. A NEAR saiu
da Terra em 1996. Para mais informação desse
11 fevereiro, quarta-feira histórico evento veja: http://near.jhuapl.edu
Em 1918 nascia Seymour Schwinger
Em 1868 falecia Jean-Bernard-Léon Juliano (faleceu em 16/07/1994). Físico
Foucault (nascido em 18/09/1819). Físico americano que juntamente com Richard P.
francês que introduziu e ajudou a desenvolver Feynman e Tomonaga Shin'ichiro ganhou o
uma técnica de medir a velocidade absoluta da Prêmio Nobel para Físicas em 1965 por seu
luz com precisão extrema. Ele apresentou trabalho na formulação da eletrodinâmica e
prova experimental que a Terra gira em seu mecânica do quantum, assim reconciliando
eixo. com a teoria da relatividade de Albert Einstein.
Em 1755 falecia Francesco Scipione di Em 1893 nascia Marcel Gilles Jozef
Marchese Maffei (nascido em 01/06/1675). Minnaert (morreu em 26/10/1970). O
Arqueólogo e dramaturgo italiano. Além dos astrônomo e físico solar flamengo que abriu
estudos históricos e arqueológicos , ele caminho para a espectrofotometria solar e

Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 47


EFEMÉRIDES

e mostrou como tal técnica podia revelar muito estrelas fixas foi centrada na Terra. Mas como
sobre a estrutura das capas exteriores do Sol. Copernicus, concordava que Mercúrio, Vênus,
Marte, Júpiter, e Saturno giravam sobre o Sol.
Assim ele poderia explicar os movimentos dos
13 fevereiro, sexta-feira céus sem "esferas cristalinas" que levam os
planetas por epiciclos ptolomaico complexo.
Em 1852 nascia Johan Ludvig Emil
Dreyer (morreu em 14/08/1926). Astrônomo
dinamarquês que compilou o Novo Catálogo
Geral de Nebulosas e Agrupamentos de 14 fevereiro, sábado
Estrelas, (NGC) em 1888. Quando ele se
tornou o Diretor do Observatório Armagh em Em 1898 nascia Fritz Zwicky (falecido
1882, não tinha condições financeiras e em 8/2/1974). Astrônomo e físico suíço que fez
perspectiva para substituir os velhos valiosas contribuições à teoria e entendimento
instrumentos. Embora Dreyer obtivesse de de supernovas (estrelas que por pouco tempo
Grubb um novo telescópio refrator de 10 ficam mais luminoso que normal).
polegadas, a falta de verbas para um Em 1896 nascia Edward Arthur Milne
assistente o impediu que continuasse a (faleceu em 21/09/1950). Astrofísico e
tradicional astronomia de posição. Ao invés cosmólogo inglês, melhor conhecido pelo
disso, ele se concentrou na compilação de desenvolvimento de seus trabalhos de
observações feita mais cedo. No NGC ele listou relatividade cinemática.
7840 objetos e em seus suplementos (1895, Em 1950 falecia Karl (Guthe) Jansky
1908) ele adicionou mais uns 5386 objetos. (nascido em 22/10/1905). Karl Guthe Jansky
Ainda permanece um dos catálogos padrão de era um engenheiro elétrico americano que
referência. descobriu emissões de rádio cósmicas em
Em 1787 falecia Ruggero Giuseppe 1932. No Bell Laboratories em NJ, Jansky ele
Boscovich (nascido em 18/05/1711). estava analisando a origem dos ruídos
Astrônomo e matemático que fez o primeiro estáticos que infestavam a recepção da
procedimento geométrico para determinar o telefonia ultramarina. Ele achou que certas
equador de um planeta giratório a partir de três ondas de rádio vinham de uma região
observações de uma característica da específica no céu a cada 23 horas e 56
superfície e por computar a órbita de um minutos, da direção de Sagitário no centro da
planeta em três observações de sua posição. Via-Láctea. Na publicação de seus resultados,
Boscovich foi um dos primeiros na Europa ele sugeriu que a emissão de rádio estava de
continental a aceitar as teorias gravitacionais alguma maneira conectada a Via-Láctea e que
de Newton e ele escreveu 70 documentos em não se originava de estrelas mas de gás
óticas, astronomia, gravitação, meteorologia e interestelar ionizado. À idade de 26, Jansky
trigonometria. Boscovich também mostrou havia feito uma descoberta histórica – que os
muita habilidade lidando com problemas corpos celestiais poderiam emitir ondas de
práticos. rádio como também ondas luminosas.
Em 1588, Tycho Brahe fazia seus Em 1744 morria John Hadley (nascido
primeiros esboços, o Tychonic, da idéia do em 16/04/1682). Matemático e inventor
sistema da estrutura do sistema solar. O britânico que melhorou o telescópio refletor e
sistema Tychonic era um híbrido, produziu o primeiro instrumento com precisão
compartilhando ambas a idéia básica do suficiente e resolução para ser útil em
sistema geocêntrico de Ptolemy, e a idéia astronomia.
heliocêntrica de Nicholas Copernicus. Em seu Em 1990, a sonda espacial norte-
‘’De mundi aethorei recentioribus americana Voyager 1 realizou uma fotografia
phaenomenis’’, a proposta de Brahe retém do sistema solar inteiro.
físicas Aristotélicas e manteve o Sol e Lua que Em 1980, o E.U.A. lançou o Solar
girava em torno da Terra no centro do universo Maximum Mission Observatory para estudar as
e, a uma grande distância, a concha das labaredas solares.

Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

48 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


EFEMÉRIDES

15 fevereiro, domingo Em 1956 morria Meghnad N. Saha


(nascido em 06/10/1893). A astrofísico indiano
Em 1858 nascia William Henry notório pelo desenvolvimento em 1920 da
Pickering (morreu em 17/01/1938). Astrônomo equação de ionização térmica, que na forma
americano que descobriu Phoebe, a nona lua aperfeiçoada pelo astrofísico britânico Edward
de Saturno (1899). Este foi o primeiro satélite A. Milne, permaneceu fundamental em todo o
planetário com movimento retrógrado trabalho em atmosferas estelares. Esta
descoberto. Ele fez observações extensas de equação foi aplicada amplamente à
Marte e reivindicou, como Lowell, que o que as interpretação de espectros estelares que são
marcas que ele observara no planeta podiam características da composição química da fonte
ser oásis (1892). Porém ele foi mais adiante luminosa.
que Lowell quando em 1903 ele reivindicou Em 1948, Miranda, uma das famosas
haver observado sinais de vida na Lua. luas de Urano, era fotografada pela primeira
Em 15 de fevereiro de 1564 nascia vez.
Galileu Galilei (falecido em 08/01/1642).
Filósofo natural, astrônomo e matemático 17 fevereiro, terça-feira
italiano, que fez contribuições fundamentais às
ciências do movimento, astronomia, e força de Em 1723 nascia Johann Tobias Mayer
materiais e para o desenvolvimento do método (faleceu em 20/02/1762). Astrônomo alemão
científico. Sua formulação de (circular) inércia, que desenvolveu tabelas lunares que muito
a lei de corpos cadentes, e trajetórias ajudaram aos navegantes na determinação da
parabólicas foram o marco inicial de uma longitude no mar. Mayer também descobriu a
mudança fundamental no estudo do Libração da Lua. Mayer começou a calcular as
movimento. tabelas lunares e solares em 1753, e em 1755
Em 1868 falecia William Rutter Dawes ele as enviou ao governo britânico. Estas
(nascido em 15/03/1799). Astrônomo inglês tabelas eram bastante boas e conseguiam
conhecido pelas suas extensas medidas de ajudar na determinação da longitude no mar
estrelas duplas e por suas meticulosas com uma precisão de meio grau. O método de
observações planetárias. Mayer de determinar a longitude por distâncias
lunares e uma fórmula por corrigir erros em
longitude devido à refração atmosférica foi
16 fevereiro, segunda-feira publicada em 1770 depois de sua morte. A
Tabela de Longitude rendeu como premio para
Em 1514 nascia Georg Joachim a viúva de Mayer um pagamento de 3000
Rheticus (faleceu em 05/12/1576). O libras.
astrônomo e matemático nascido Austríaco, foi Em 1875 morria Friedrich Wilhelm
um dos primeiros a adotar e divulgar a teoria August Argelander (nascido em 22/03/1799).
heliocêntrica de Nicolaus Copernicus. Seu Astrônomo alemão que estabeleceu o estudo
primeiro mestre foi seu pai, um médico que foi de estrelas variáveis como uma filial
decapitado por feitiçaria em 1528 enquanto independente da astronomia, é renomado
Rheticus ainda era um adolescente. Ele é mais devido ao seu grande catálogo listando as
bem conhecido como o primeiro discípulo de posições e magnitudes de 324,188 estrelas.
Copernicus. Em 1540, Rheticus publicou a Ele estudou na Universidade de Königsberg,
primeira ponta da hipótese heliocêntrica que Prussia onde ele foi aluno e depois o sucessor
tinha sido elaborada por Copernicus, intitulada de Friedrich Wilhelm Bessel. Em 1837,
‘’Narratio prima’’ que foi autorizado Argelander publicou a primeira principal
explicitamente por Copernicus, que também investigação do movimento do Sol pelo espaço.
pediu a ajuda do amigo para editar a obra ‘’ De Em 1844 ele começou estudos de estrelas
revolutionibus orbium coelestium’’ . Rheticus foi variáveis.
o primeiro matemático a considerar as funções Em 17 de fevereiro de 1600 morria
trigonométricas em termos de ângulos em lugar Giordano Bruno (nascido em 1548). Filósofo,
de arcos de círculo. astrônomo e matemático italiano cujas teorias

Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 49


EFEMÉRIDES

se anteciparam a moderna ciência. As mais Thabit de astronomia sobreviveram. Em


notáveis delas foram suas teorias do universo mecânica, ele foi o fundador da estática e
infinito e a multiplicidade de mundos nos quais escreveu ‘’ The Book on the Beam Balance ‘’.
ele rejeitava a tradicional astronomia do Em 1957 falecia Henry Norris Russell
geocentrismo, e intuitivamente foi além do (nascido em 25/10/1877). Astrônomo e
heliocentrismo de Copernican, teoria que astrofísico americano que mostrou a relação
ainda mantinha um universo finito com uma entre o brilho de uma estrela e seu tipo
esfera de estrelas fixas. Embora fosse um dos espectral, no que normalmente é chamado de
filósofos mais importantes do Renascimento Diagrama de Hertzsprung-Russell, também
italiano, os vários discursos apaixonados de criou meios de computar as distâncias de
Bruno o conduziram a perseguição da estrelas binárias. Ele analisou a luz de estrelas
oposição. Foi capturado e mantido encarcerado binárias eclipsantes para determinar as massas
durante oito anos em 1592, sendo interrogado estelares e mediu paralaxes. Russell
periodicamente pela ‘’Santa’’ Inquisição. popularizou a distinção entre estrelas gigantes
Quando, ao final, ele recusou retratar suas e "anãs " enquanto desenvolvia a Teoria da
convicções, foi queimado vivo em Roma por Evolução Estelar. Ele aplicou a teoria de
heresia. Meghnad Saha de ionização das atmosferas
estelares e determinou a abundância de seus
elementos, e confirmou a descoberta de Cecilia
18 fevereiro, quarta-feira Payne-Gaposchkin que as estrelas são
compostas principalmente de hidrogênio.
Em 1201 nascia Nasir ad-Din at-Tusi Russell foi e continua sendo uma força
(morreu em 26/06/1274). Filósofo Persa, dominante na astronomia norte-americana.
excelente cientista, matemático e astrônomo. Em 1900 morria Eugênio Beltrami
Quando da invasão da Mongol por Genghis (nascido em 16/11/1835). Físico e matemático
Khan, que o localizou em 1256, ele escapou a italiano conhecido por seus feitos na geometria
morte provavelmente se unindo ao Mongol não Euclidean. Em 1865, ele publicou um
vitorioso como um conselheiro científico. Ele artigo de como enfileirar elementos nas
usou um observatório construído em Maragheh superfícies de curvatura constante e como
(terminado em 1262), ajudado por astrônomos poderia ser representado através de
chineses. Teve vários instrumentos como um expressões lineares. Seu trabalho ofereceu
quadrante mural de 4 metros feito de cobre e uma aproximação para a representação da
um quadrante de azimute inventado por ele nova geometria de curvatura constante, que
mesmo. Usando com precisão os movimentos era consistente com teoria a Euclidean.
planetários, ele modificou o modelo do sistema Beltrami. Estudou elasticidade, teoria de onda,
planetário de Ptolomeu baseado em princípios ótica, termodinâmica, e teoria potencial. Ele
mecânicos. O observatório e sua biblioteca se estava entre os primeiros em explorar os
tornaram um centro para um largo alcance de conceitos do hiperespaço e tempo como uma
trabalho em ciência, matemática e filosofia. quarta dimensão. Suas investigações na
Em 901 nascia Thabit Ibn Qurra . O condução de calor conduzida a equações
estudioso e matemático que contribuiu diferenciais parciais lineares. Entre seus
grandemente preparando o modo para últimos trabalhos consta de uma interpretação
importantes descobertas matemáticas como a mecânica das equações de Maxwell.
extensão do conceito dos números reais Em 1977, o primeiro lançador de nave
(positivo), cálculo integrante, teoremas em espacial, o Enterprise, era testado em vôo
trigonometria esférica, geometria analítica, e "captive mode," (" modo cativo’’), preso ao topo
geometria não euclideana. Em astronomia, ele de um gigantesco jato 747. Inicialmente o
foi um dos primeiros reformadores do sistema empreendimento, foi nomeado Constitution
ptolomaico e escreveu ‘’Concerning the Motion (em comemoração ao Bicentenário da
of the Eighth. Ele acreditava que o movimento Constituição norte-americana). Porém, os
dos equinócios oscilava, inclusive fez espectadores de televisão, fãs de ficção
observações. Oito tratados completos de científica da série Star Trek começaram uma

Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

50 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


EFEMÉRIDES

campanha (de assinaturas) enviadas para a graus. A Mir foi a terceira geração das
Casa Branca que rebatizassem o veículo como estações espaciais russas. Construída para
Enterprise. durar apenas cinco anos, a Mir permaneceu 15
Em 1930, o planeta Plutão foi anos no espaço a uma altitude de 400 km,
descoberto por Clyde Tombaugh, o único realizando uma órbita a cada 90 minutos; com
planeta a ser encontrdo por um astrônomo mais de 82 mil voltas em torno da Terra.
americano. Isto levou a três décadas de Ancoraram a Mir 25 missões russas e 30
trabalho no Observatório de Lowell em Haste, internacionais e foi um exemplo de cooperação
Arizona. Antes que Tombaugh nascesse, internacional, ao acolher astronautas da
Percival Lowell tinha lançado uma procura por Eslovênia, Bulgária, Afeganistão, Casaquistão,
Plutão, um nono planeta cuja gravidade França, Japão, Reino Unido, Áustria,
explicaria as divergências nas posições de Alemanha, Canadá, Estados Unidos e Síria,
Urano e Netuno. Lowell não conseguiu fora às missões conjuntas com a Agência
encontrar o planeta, e em seu testamento Espacial Européia; entre cosmonautas russos e
decretou que a caça deveria continuar. Isso de outras nações, num total de 103 pessoas
significou usar um telescópio para fotografar estiveram à bordo da Mir. Segundo a agência
pedaços minúsculos do céu noturno, e durante espacial russa, o custo da Mir foi de US$ 3
o dia as imagens eram analisadas na busca de bilhões, e o de seus equipamentos científicos
um ponto escuro que se movia entre os US$ 1,8 bilhão. Com a participação de outros
milhões de imagens de estrela. Quando o 29 países, a estação abrigou 24 programas
diretor do Observatório Lowell, Vesto Slipher, espaciais internacionais, e seus laboratórios
contratou para trabalhar no observatório um testaram diversos materiais e substâncias em
jovem fazendeiro do Kansas, Clyde Tombaugh, experiências impossíveis de ser feitas na Terra.
ele se lançou a procura de Plutão em abril de Graças a essas pesquisas, foi possível
1929. desenvolver aparatos médicos que tornam
possível à sobrevivência humana durante
19 fevereiro, quinta-feira longos períodos sem gravidade. Foram
realizados 14.000 experimentos científicos.
Em 1473 nascia Nicolaus Copernicus Foram realizados 66 passeios no espaço,
(morreu em 24/05/1543). Astrônomo Polonês sendo que o mais duradouro levou 7 horas. O
que propôs que os planetas têm o Sol como o record de permanência em órbita foi de 438
ponto central, em torno do qual os planetas se dias do cosmonauta russo Valeri Poliakov.
moviam, chamada de teoria do Heliocentrismo. Outro russo, Serguei Avdeyev, acumulou em
Que a Terra é um planeta que, além de orbitar três vôos, 747 dias no cosmos (mais de dois
o Sol anualmente, também girava em torno do anos). A viagem mais curiosa, no entanto, foi a
seu próprio eixo uma vez por dia; e a existência de Serguei Krikaliov, que saiu da Terra como
da precessão dos equinócios. cidadão soviético e regressou após o colapso
da URSS, como cidadão russo. Módulos
adicionais foram lançados entre Março de 1987
20 fevereiro, sexta-feira e Abril de 1996. Em março de 1986 a Mir
recebeu sua primeira tripulação, os
Há 10 anos (1994), a sonda cosmonautas Leonid Kizim e Vladimir Soloviev.
Clementine era inserida na órbita da Lua. Veja Em março de 2001 a velha e querida Mir volta
mais em: http://www.nrl.navy.mil/clementine para a Terra na madrugada do dia 23 após
Em 20 de fevereiro de 1762 morria uma reentrada induzida em nossa atmosfera
Johann Tobias Mayer (nascido em como uma bola de fogo. Atualmente os restos
17/02/1723). que não se desintegraram da MIR repousa no
Em 20 de fevereiro de 1986 às 0h28 fundo do Oceano Pacífico, a dois mil
(horário de Moscou) um foguete de carga quilômetros da Austrália, abrigando centenas
Proton-K lançado do cosmódromo de Baikonur, de vida marinha.
no Casaquistão, colocava em órbita o primeiro Em 1962, John Glenn subia ao espaço
módulo da Mir (Paz) a uma inclinação de 51.6 pilotando a nave Mercury-Atlas 6 Friendship 7,

Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 51


EFEMÉRIDES

a primeira missão orbital tripulada dos Estados Supernova visível a olho nu desde 1604.
Unidos. Lançada do Kennedy Space Center,
Florida, Glenn completou três órbitas ao redor 24 fevereiro, terça-feira
da Terra, a uma altitude de no máximo 162
milhas e uma velocidade de orbital de Há 35 anos (1969), era lançada a
aproximadamente 17,500 mph. Glenn voltou ao sonda Mariner 6 (Mars Flyby Mission). Mais
espaço 36 anos depois e fez mais 134 órbitas http://nssdc.gsfc.nasa.gov/database/MasterCatal
como membro da tripulação da Discovery de 29 og?sc=1969-014A
de outubro a 7 de novembro de 1998.
Em 1968, uma revista científica
anunciava a descoberta do pulsar (fontes de
21 fevereiro, sábado rádio pulsantes). O primeiro pulsar foi
descoberto por uma estudante diplomada,
Em 1938 morria George Ellery Hale Jocelyn Bell, em 28 de novembro de 1967, que
(nascido em 29/06/1868). Astrônomo trabalha sob a direção de Prof. A. Hewish. Esta
americano conhecido pelo desenvolvimento de fonte extraterrestre de rádio pulsante foi
instrumentos astronômicos importantes, observada no Mullard Radio Astronomy
inclusive o telescópio refletor Hale (completado Observatory, Cambridge University, England.
em 1948) de 200 polegadas no Institute of Eles estavam usando um telescópio de rádio
Technology's Palomar Mountain Observatory especial, large array de 2,048 antenas que
perto de Pasadena na Califórnia. Ele também é cobrem uma área de 4.4 acres. A descoberta
conhecido por suas pesquisas em física solar, destes objetos fascinantes abriu novos
e particularmente a descoberta dos campos horizontes a estudos tão diversos quanto ao
magnéticos em manchas solares. quantum, fluidos degenerados, gravidade
relativística e campos magnéticos
interestelares. Sob extraordinárias condições
22 fevereiro, domingo físicas é gerada radiação e aparece pulsar
como um relógio de muita precisão.
Em 1824 nascia Pierre Janssen Em 1949 era lançado um foguete de
(morreu em 23/12/1907). Pierre (-Jules-César) duas fases (estágios), de White Sands Proving
Janssen foi astrônomo francês que em 1868 Grounds, NM. Foi o primeiro a alcançar
descobriu como observar as proeminências espaço exterior.
solares, sem que o Sol estivesse em eclipse.
Seu trabalho foi independente ao do inglês 25 fevereiro, quarta-feira
Joseph Norman Lockyer que fez a mesma
descoberta aproximadamente ao mesmo Em 1723 morria Christopher Wren
tempo. Ele inventou modos para estudar as (nascido em 20/10/1632). Arquiteto, astrônomo,
proeminências solares, e notou uma linha e geômetra, nascido em Knoyle Oriental,
espectral amarela desconhecida no sol em Wiltshire foi o maior arquiteto inglês do seu
1868. Ele remeteu os dados para Lockyer que tempo. Enquanto na Faculdade de Wadham,
é creditado por reconhecer o novo elemento Oxford (1649), ele se juntou a um grupo de
como hélio. Janssen foi o primeiro a notar o brilhantes estudiosos que depois fundaram a
aparecimento granular do Sol. Foi o primeiro a Royal Society onde foi presidente de 1680 a
fotografar regularmente o Sol e publicou um 1682. Em astronomia, ele desenvolveu
monumental Atlas Solar em 1904 incluindo habilidades em modelos trabalhando em
6000 fotografias. diagramas. Seu trabalho científico foi altamente
considerado por Sir Isaac Newton declarado
23 fevereiro, segunda-feira por ele em seu Principia.
Em 1616, o cardeal Bellarmine intimava
Em 1987 era vista a Supernova 1987A Galileu Galilei a renunciar a sua afirmação que
na Grande Nuvem de Magalhães (LMC). A a Terra girava em torno do Sol sob intimidação
mais luminosa do século XX foi a primeira e que Galileu deixasse completamente a

Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

52 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


EFEMÉRIDES

doutrina... Se ele recusasse seria encarcerado. catalogação de estrelas duplas, que resultou
Dado tal escolha, Galileu fez a renúncia, mas na publicação de catálogo de 10000 astros
ele sabia que isso não mudaria os fatos reais desse tipo (1878). Durante esse período,
do movimento da Terra. De qualquer forma, também desenvolveu observações sobre a Lua
Galileu foi condenado a prisão domiciliar até e Marte. Em Juvisy sur Orge, Essonne, próximo
sua morte com cegueira total. a Paris, fundou o l’Observatoire privado de
Juvisy (1883), onde continuou sua observação.
Também publicou Death and Its Mystery, em 3
26 fevereiro, quinta-feira volumes (1920-1921; tr. 1921-2923) e foi feito
Comandante da Legião de Honra por sua vida
Em 1864 nascia John Evershed dedicada à astronomia (1922). Entre outras
(morreu em 17/11/1956). Astrônomo inglês que coisas Flammarion escreveu "Os Mundos
descobriu (1909) o efeito Evershed - o Imaginários e os Mundos Reais", "As
movimento horizontal dos gases externos dos Maravilhas Celestes", "Deus na Natureza",
centros de manchas solares. Enquanto "Contemplações Científicas", "Estudos e
fotografava as proeminências e espectros das Leitura sobre Astronomia", "Atmosfera",
manchas solares, ele notou que muitas das "Astronomia Popular", "Descrição Geral do
linhas de Fraunhofer nos espectros das Céu", "O Mundo antes da Criação do Homem",
manchas solares mudavam-se para o "Os Cometas", "Narrações do Infinito",
vermelho. Mostrando que estas apresentavam "Sonhos Estelares", "Urânia", "Estela", "O
o efeito Doppler, assim ele provou o movimento Desconhecido", "O Fim do Mundo", etc.
da fonte dos gases. Esta descoberta é Em 1786 nascia François Arago
conhecida como o efeito de Evershed. Ele (morreu em 02/10/1853). Dominique François
também emprestou seu nome para o Jean Arago foi astrônomo e físico francês
espectroscópio de Evershed. descobridor da cromosfera solar (a mais baixa
Em 26 de fevereiro de 1842 nascia atmosfera do Sol, principalmente composta de
Camille Flammarion. (morreu em 04/06/1925). gás hidrogênio). Entre outras coisas, fez
(Nicolas) Camille Flammarion foi um astrônomo estimativa precisa dos diâmetros dos planetas.
francês que estudou estrelas duplas e Em 1878 falecia Pietro Angelo Secchi
múltiplas, a Lua e Marte. Em 1873, ele atribuiu (nascido em 29/06/1818). Padre Jesuíta e
a cor vermelha de Marte a uma possível astrofísico italiano que realizou a primeira
vegetação. Ele apoiou a idéia dos canais em pesquisa dos espectros de mais de 4000
Marte, e vida inteligente, talvez mais avançada estrelas e classificando-as de acordo com seus
que a da Terra. Flammarion informou tipos espectrais. Ele estudou os planetas,
mudanças em uma das crateras da Lua que ele especialmente Júpiter descobrindo que era
atribuiu a crescimento de vegetação. Nascido composto de gases. Secchi estudou as linhas
em Montigny-le-Roi, hoje Haute-Marne, escuras que unem os dois hemisférios de
fundador da Société Astronomique de France Marte; ele os chamou canais como se eles
(1887) e escritor de livros científicos populares, tivessem sido feitos por trabalhos de seres
como por exemplo Marvels of the Atmosphere viventes. (Estes estudos foram depois
(1871, tr. 1873) e l'Astronomie Populaire (1879) continuados por Schiaparelli.) Além de
do qual vendeu mais de 100.000 cópias e foi astronomia, os interesses dele variaram de
traduzido para o inglês por J.E. Gore (1894). arqueologia a geodésica, da geofísica a
Primeiro estudou teologia, mas depois passou meteorologia. Ele também inventou um
a se interessar por astronomia. Escreveu seu meteorograph, um dispositivo automatizado
primeiro livro aos 16 anos, Cosmologie para registrar pressão barométrica,
Universelle (1858), com cerca de 500 páginas temperatura, direção de vento e velocidade, e
manuscritas. Tornou-se assistente de Le chuva.
Verrier no Observatoire de Paris. Trabalhou Em 1966, o primeiro foguete Saturno
temporariamente no Bureau de Longitudes 1B era lançado do Cabo Canaveral, Flórida, em
(1862-1867), e retornou ao Observatório para um vôo de teste suborbital não tripulado no
se envolver em um programa de observação e programa lunar Apollo. A missão AS-201

Fevereiro
D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D S T Q Q S S D
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 53


EFEMÉRIDES

demonstrou a integridade estrutural do foguete da Terra obscurece a coroa comparativamente


Saturno 1B e a compatibilidade do veículo de escura. Lyot observou do Observatório Pic du
lançamento para levar cargas da Apollo. Foi Midi no alto dos Pirineus francês que devido a
testada a separação do primeiro e segundo alta altitude, apresenta menos difusão
estágio do foguete com êxito e testou as atmosférica. Ele também desenvolveu uma
operações da propulsão, direção e controle, lente melhorada e um filtro monocromático para
além de subsistemas elétricos do Saturno. seu coronógrafo. Assim ele pode fazer
Havia vários maus funcionamentos, mas voou fotografias diárias do Sol. Em 1939 ele fazia a
por aproximadamente 37 min viajando por primeira imagem em movimento das
8472 km e alcançando uma altitude sub-orbital proeminências solares.
de 488 km. Em 1906 morria Samuel Pierpont
Langley (nascido em 22/08/1834). Astrônomo,
físico e pioneiro da aeronáutica americana, ele
contribuiu para o conhecimento dos fenômenos
27 fevereiro, sexta-feira
solares relacionaram a meteorologia; e para a
primeira máquina voadora mais pesada que o
Em 1897 nascia Bernard (-Ferdinand) ar a alcançar vôo contínuo.
Lyot (faleceu em 02/04/1952). Astrônomo Em 1994 era confirmado por Alexander
francês inventor do coronógrafo (1930), um Wolszczan da Penn. State University a
instrumento que permite a observação da coroa existência de planetas em torno de uma
solar quando o Sol não está em eclipse e estrela a 1300 anos-luz da Terra. O período de
outros instrumentos para estuda-la. Antes do suas órbitas foi medido como sendo de 66.6
coronógrafo de Lyot, a observação da coroa dias e 98.2 dias (em relação aos 365 dias da
solar ficava limitada a alguns minutos durante Terra).
um raro eclipse total do Sol. Em outros Em 1942, J.S. Hey descobriu as
momentos, a difusão da luz solar na atmosfera emissões de rádio do Sol.

Mais informações sobre fatos históricos científicos em: http://www.todayinsci.com/

Rosely Grégio, redatora da Revista macroCOSMO.com, participa de programas de


observação desenvolvida no Brasil e exterior, envolvendo meteoros, cometas, a Lua e mais
recentemente o Sol.
Site: http://rgregio.astrodatabase.net

54 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


MITOS CIENTÍFICOS

Satélite Iridium, muita vezes confundido


com um OVNI

OVNIS
Observando com responsabilidade
Paulo Monteiro| Revista macroCOSMO.com
arq.pauloricardo@bol.com.br

As pessoas envolvidas no estudo da ufologia, que


passam as noites em vigília procurando OVNIS, deveriam
possuir um conhecimento aprimorado do céu, sabendo
identificá-lo e conhecer os principais fenômenos
meteorológicos e astronômicos. A falta desse conhecimento
compromete totalmente os seus estudos e tudo aquilo que a
pessoa viu e chegou a pensar serem OVNIS, acabam
perdendo totalmente o crédito de seus depoimentos.

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 55


MITOS CIENTÍFICOS

CONHECIMENTO DO CÉU METEORITOS

É necessário o mínimo de Mais conhecidos como estrelas


conhecimento das constelações, das estrelas e cadentes, as chuvas de meteoros também
dos planetas no céu! Principalmente porque confundem as pessoas que as relatam como
muitos ao começarem ao olhar para o céu em ovnis. Na verdade, meteoros são apenas
busca de discos voadores, mal conhecem as minúsculos fragmentos deixados pelo rastro de
constelações, assim, dependendo da noite e do algum cometa ou outro corpo celeste. Eles
clima, algumas estrelas antes não visíveis caem na Terra em alta velocidade e ao cruzar a
devido ao clima ficam visíveis e assim podem atmosfera, acabam sendo destruídos, gerando
ser confundidas com "naves"! aquele brilho muito forte devido ao seu atrito
com a atmosfera.
Outro fato são os planetas. Muitas
pessoa acham que eles são invisíveis a olho SATÉLITES ARTIFICIAIS
nu, mas na verdade 5 deles são visíveis. São
eles: Mercúrio, Vênus, Marte, Júpiter e Saturno! Sem dúvida eles são os que mais
Muitos desses planetas acabam sendo confundem os menos esclarecidos. Existem
relatados em depoimentos como discos milhares de objetos enviados pelo homem na
voadores. O planeta Vênus visível antes nossa atmosfera nos últimos anos. Eles estão
mesmo do anoitecer é o campeão em cruzando o céu constantemente em alta
confusões com Ovnis, devido ao seu brilho velocidade! Cada satélite artificial possui
muito forte, seguido de Júpiter que possui um tamanho e características diferentes, desse
brilho também muito intenso. Mas na verdade modo, cada um emiti um brilho diferente, sendo
são apenas planetas e não ovnis. alguns fracos e outros muito fortes. Os satélites
Iridium, sem dúvida já confundiram muitas
ESTRELAS VARIÁVEIS pessoas. O seu brilho muito forte faz com que
pensem que seja um disco voador, mas na
verdade é um satélite de comunicações!
Existem algumas estrelas no céu
chamadas de "estrelas variáveis". Elas O conhecimento de todos esses
possuem esse nome devido a grande diferença fenômenos é fundamental para alguém que
no seu brilho (magnitude). Assim, durante deseja se tornar um ufólogo, ou para quem já
alguns meses essas estrelas não são visíveis a avistou ou pensa que já viu algo. Tente refletir
olho nu. Depois de certo tempo elas começam para ver se seu objeto avistado não era
a aparecer, pois o seu brilho aumenta e fica nenhum desses citados. Não é nada fácil para
visível para nós. Uma pessoa pode em um dia pessoas que estudam astronomia e ufologia de
não ter avistado aquele ponto no céu, mas no forma séria. Ver uma pessoa assustada
outro dia lá esta ele brilhando. dizendo a você que viu um disco voador,
quando na verdade era um planeta. A falta de
A pessoa sem conhecimento ao ver conhecimento e também a falta de ensino de
esse objeto de um dia para o outro, pode achar astronomia nas escolas fazem as pessoas
que é um disco voador, fato que é apenas uma confundirem esses objetos com discos
estrela variável. Um exemplo é Mira Ceti, uma voadores. e você quer se tornar um ufólogo,
estrela variável que recentemente "sumiu" do deve ter o mínimo desses conhecimentos, caso
nosso céu, mas em breve deve "voltar". contrário vai ser muito difícil trabalhar com isso!

Paulo Ricardo Monteiro, é redator da Revista macroCOSMO.com, promovendo uma


campanha em defesa do conhecimento científico, combatendo as pseudociências e outras
astrobobagens.
Site: www.astronomos.com.br/paulo

56 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


GUIA DIGITAL

TELEVISÃO
online
Rosely Grégio | Revista macroCOSMO.com
rgregio@uol.com.br

Sim. Existem na web alguns canais de televisão que apresentam em sua


programação, edições voltadas para a Astronomia e ciências afins. Claro que uma rápida
transmissão de dados depende da velocidade de sua conexão com a internet (modem,
cabo, DSL, satélite, etc). Assim, para aqueles que usam conexão via modem, não se
assustem se a transmissão aparecer em câmera muito lenta!

TV Rio Sol de Campos – Rede Litoral


Em uma iniciativa pioneira no Brasil,
todos os Sábados e Domingos em torno das
17 e 18 horas (e reprise em outros horários
durante a programação semanal) o Professor
Marcelo de Oliveira Souza, apresenta na TV
Rio-Sol de Campos/TV Litoral (Rio) um
programa educativo editado em português
voltado para a Astronomia, Astronáutica e
dicas de como, onde e o que observar no céu
da semana. O programa é acessível pela
internet, mas para tanto é necessário ter
instalado em seu computador o programa
Windows Media Player. Ficamos torcendo
para que outras iniciativas como essas
possam ser desenvolvidas de forma
permanente em outros canais disponíveis na
Web, como também nos canais normais da
TV aberta em todo o Brasil. Parabéns
Professor Marcelo, parabéns TV Litoral de
www.tvriosol.com.br todos redação da revista macroCOSMO!

NASA TV
Várias organizações de dentro e fora de NASA
transmitem o canal de televisão da NASA na World
Wide Web. A NASA TV provê cobertura em tempo real
das atividades da Agência e missões, como também
vídeo de recurso para as mídias de notícias e
programação educacional para os professores,
estudantes e o público geral. A programação é gratuita
editada no idioma inglês. Para assistir aos vídeos,
lançamentos, entrevistas, documentários, as mais
recentes descobertas e imagens astronômicas obtidas
através de sondas e satélites na NASA TV online é
preciso ter instalado em seu computador o programa
RealMedia Player - (em inglês).
www.nasa.gov/multimedia/nasatv/
MM_NTV_Web.html

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 57


GUIA DIGITAL

KSC Direct
Produção original para Web do Kennedy
Space Center, sobre os lançamentos das naves
espaciais (Space Shuttle) e outros tópicos
(javascript) - (em inglês).

www.ksc.nasa.gov/nasadirect

FAA
Federal Aviation Administration (FAA) apresenta
vídeos e alguns programas conjuntos com a NASA
(javascript) - (em inglês).

http://videoontheweb.faa.gov

Kennedy Space Center


Glenn Research Center em RealMedia public affairs RealMedia

http://technology.grc.nasa.gov/broadc http://vstream1.ksc.nasa.gov/ramgen/
asts/nasatv_rtsp.ram ha/nasa_tv.rm

58 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


GUIA DIGITAL

Classroom of the Future

Apresenta partes de programas da TV NASA


e outro Webcasts educacional em RealMedia.
(Javascript). Também apresenta programas
científicos e ensina a construção de equipamentos
simples com material da fácil aquisição, na produção
de objetos, inclusive para observação como por
exemplo sextantes para medir a altura dos astros -
(em inglês).
www.cotf.edu/ntv/main.html
ou
www.cet.edu/main.html

NASA Quest/Learning Techonologies Channel


Transmite partes selecionadas da programação
da TV NASA em RealMedia - (em inglês).

http://quest.nasa.gov/ltc/ram/
nasalive-v.ram
Programas de TV na Web não pertencentes a NASA
HoustonChronicle.com - Space Central United Space Alliance
Real Media Real Media (Javascript)

www.chron.com/content/interactive/space www.unitedspacealliance.com/live/

Além disso, outras organizações de notícias online, como a CNN, MSNBC, Fox
Online e SPACE.com, podem levar ao ar, coberturas de alguns lançamentos e missão
espaciais. Esta é uma lista parcial de locais que não pertencem a Agencia Espacial
Americana, que podem, de vez em quando, retransmitir o sinal da TV NASA na Web.
R.Grégio

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 59


Autoria

A Revista macroCOSMO.com, a
primeira revista eletrônica brasileira de
astronomia, abre espaço para todos
autores brasileiros, uma oportunidade de
exporem seus trabalhos, publicando-os em
uma de nossas edições.

Instruções aos autores:

1 Os artigos deverão possuir Título, resumo, dissertação, conclusão, notas bibliográficas e


páginas na internet que abordem o assunto;

2 Fórmulas matemáticas e conceitos acadêmicos deverão ser reduzidos ao mínimo, sendo


claros e concisos em seus trabalhos;

3 Ilustrações e gráficos deverão conter legendas e serem mencionadas as suas respectivas


fontes. Pede-se que as imagens sejam enviadas nos formatos JPG ou GIF.

4 Quanto às referências: Jornais e Revistas deverão constar número de edição e página da


fonte pesquisada. Livros pedem-se o título, autor, editora, cidade, país e ano.

5 Deverão estar escritos na língua portuguesa (Brasil), estando corrigidos ortograficamente.

6 Os temas deverão abordar um dos ramos da Astronomia, Astronáutica ou Física. Ufologia,


Astrologia e outros assuntos pseudocientíficos não serão aceitos.

7 Traduções de artigos só serão publicados com prévia autorização de seus autores originais.

8 Antes do envio do seu arquivo, envie uma solicitação para


autoria@revistamacrocosmo.com, fazendo uma breve explanação sobre seu artigo. Caso
haja um interesse por parte de nossa redação, estaremos solicitando seu trabalho.

9 Os artigos enviados serão analisados e se aprovados, serão publicados em uma de nossas


edições.

10 O artigo será revisado e editado caso se faça necessário. As opiniões vertidas são de total
responsabilidade de seus idealizadores.

11 O autor receberá uma notificação da publicação do seu artigo.

60 revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004


revista
macroCOSMO.com

Edição nº 1 – Dezembro 2003 Edição nº 2 – Janeiro 2004 Edição nº 3 – Fevereiro 2003

Disponível em http://www.revistamacrocosmo.com

revista macroCOSMO.com | Fevereiro 2004 61