Você está na página 1de 2
Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Lajeosa do Dão - 160428
Direcção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas de Lajeosa do Dão - 160428

Direcção Regional de Educação do Centro

Agrupamento de Escolas de Lajeosa do Dão - 160428 ESCOLA EB 2,3 PROF. DR. C. MOTA PINTO - 342762

Lajeosa do Dão

3460-153 LAJEOSA TND

AVALIAÇÃO DOCENTE

do Dão │ 3460-153 LAJEOSA TND AVALIAÇÃO DOCENTE DOCENTES – 1º / 2º / 3º CICLOS

DOCENTES – 1º / 2º / 3º CICLOS

OBJECTIVOS INDIVIDUAIS DO DOCENTE

(ORIENTAÇÕES NO PREENCHIMENTO)

1. NOTA PRÉVIA:

Nos termos do art.º 9º do Decreto Regulamentar n.º 2/2008, de 10 de Janeiro, os objectivos individuais são fixados, por acordo entre o avaliado e os avaliadores, através da apresentação de uma proposta do avaliado, no início do período em avaliação, redigida de forma clara e rigorosa, de modo a aferir o contributo do docente para a concretização dos objectivos constantes do Projecto Educativo do Agrupamento e Projecto Curricular de Turma.

2.

DEFINIÇÃO DOS OBJECTIVOS INDIVIDUAIS:

Os itens que orientam a formulação dos objectivos individuais são os seguintes:

a)

(B1) Melhoria dos resultados escolares dos alunos.

Na definição dos objectivos, indicadores a ter em conta:

1.

Ano(s)/Turma(s); 2. Disciplina (s); 3. Percentagens do ano anterior; 4. Metas do PE e PCT; 5. Objectivos Profissionais; 6. Fundamenta-

ção/Contexto Turma (s).

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O

que se pretende com este item:

Melhorar os resultados, tendo como base as taxas que constam do PE, em todos os anos e disciplinas; Melhorar os resultados, tendo em conta as médias dos resultados escolares em relação a 2007/08; Melhorar os resultados, tendo em conta a avaliação diagnostica efectuada no início de 2008/09; Assegurar uma taxa de transição superior a 2007/08 dos alunos matriculados; Assegurar uma taxa de conclusão (incluindo os exames) dos alunos matriculados no 9º ano.

b)

(B2) Redução do abandono escolar.

Na definição dos objectivos, indicadores a ter em conta:

1.

Ano(s)/Turma(s); 2. Idade(s) e repetências; 3. Caracterização sócio-económico-familiar; 4. Tendências e interesses; 5. Objectivos Profis-

sionais (apoios, estratégias, outros); 6. Fundamentação/Contexto.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O

que se pretende com este item:

Considerando que se trata do período de funcionamento da escolaridade obrigatória, o abandono deve situar- se, tendencialmente, nos 0%, para os alunos até aos 15 anos; Para os alunos com mais de 16 ou mais anos, o abandono deve limitar-se a um mínimo, procurando melhorar as taxas dos anos anteriores, tendencialmente, também, para os 0%; Para além do abandono escolar, é também de primordial importância ter em linha de conta a assiduidade e o absentismo escolares; Deve ainda, ter-se em linha de conta, os alunos que não concluem o 9º ano e não se matriculam no ano lectivo seguinte ou, concluindo não prosseguem estudos; Em todo o processo, deve ter-se em conta o número reduzido de turmas existentes na escola e o nº de casos em risco de abandono.

c)

(A3) Prestação de apoio à aprendizagem dos alunos, incluindo aqueles com difi- culdades de aprendizagem.

Na definição dos objectivos, indicadores a ter em conta:

1.

Ano(s)/Turma(s); 2. Disciplina (s); 3. Descritores de sucesso; 4. Objectivos Profissionais; 5. Fundamentação/Contexto Turma (s).

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O

que se pretende com este item:

O apoio à aprendizagem deve ser proporcionado a todos os alunos, incluindo aqueles que revelem dificuldades de aprendizagem ou os que evidenciem potencialidades para níveis mais elevados de desenvolvimento; O apoio pedagógico personalizado deve ser aquele que se mostre necessário e mais adequado; Aos alunos com NEE de carácter permanente, o apoio deve ser personalizado e adequado à sua plena integração na comunidade escolar e ao desenvolvimento das competências escolares e sociais adequadas às suas caracterís- ticas.

d)

(C3) Participação nas estruturas de orientação educativa e nos órgãos de gestão do agrupamento.

Na definição dos objectivos, indicadores a ter em conta:

1. Identificação dos cargos e actividades; 2. Objectivos Profissionais; 3. Fundamentação/Contextual.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O

que se pretende com este item:

Dotar as estruturas intermédias do Agrupamento, nomeadamente, as de orientação educativa e de supervisão pedagógica de recursos humanos que garantam a eficiência do seu funcionamento e a eficácia das medidas e acções que nelas se desenvolvem para prossecução e cumprimento das respectivas finalidades.

e)

(E1) Relação com a comunidade.

Na definição dos objectivos, indicadores a ter em conta:

1.

Identificação das situações, projectos e actividades; 2. Objectivos Profissionais; 3. Fundamentação/Contextual.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O

que se pretende com este item:

Estabelecer com a comunidade inter-relações que possam resultar benefícios mútuos; Promover a escola como pertença da comunidade em que se insere sem prejuízo da sua tutela pelo Ministério da Educação; Promover as relações humanas como um factor fundamental para que se gere um sentimento recíproco de per- tença, potenciando assim os benefícios que possam resultar de uma plena integração; Servir a comunidade em que a escola se insere, respondendo especificamente às suas necessidades educativas e formativas sem prejuízo de outras que se revelem úteis e adequadas à sua natureza de espaço público de educa- ção e formação; Promover a relação directa entre Professores e Pais/EE, como forma de assumir, em conjunto, a educação dos

 

alunos (neste ponto, os DT e Prof. Tit. Turma do 1ºC têm um papel privilegiado).

f)

(D1) Formação contínua adequada ao cumprimento de um plano individual de desenvolvimento profissional do docente.

Na definição dos objectivos, indicadores a ter em conta:

1.

Identificação do plano individual de formação (necessidades); 2. Objectivos Profissionais; 3. Fundamentação.

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O

que se pretende com este item:

Realizar acções de formação contínua que incidam sobre conteúdos de natureza científico-didáctica com estreita ligação à matéria curricular que lecciona, bem como, as relacionadas com as necessidades da escola / agrupa- mento definidas no respectivo PAA.

g)

(C4) Participação e dinamização de:

Projectos e ou actividades constantes do PAA e PCT; Outros projectos e actividades extracurriculares.

Na definição dos objectivos, indicadores a ter em conta:

1.

Identificação das situações, projectos e actividades; 2. Objectivos Profissionais; 3. Fundamentação/Contextual.

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O

que se pretende com este item:

Desenvolver actividades e projectos com relevância para o cumprimento do currículo, de forma a proporciona- rem aos alunos diferentes perspectivas de abordagem dos curricula e uma ocupação integral do tempo escolar com tarefas e actividades relevantes para a sua educação e formação integral.

3. LINHAS ORIENTADORAS:

No processo de elaboração dos objectivos individuais, cada Professor deve ter em linha de conta:

a) O que está definido nos PEA, PAA, e PCT/s;

b) As suas possibilidades e capacidades, não sendo nem muito modesto nem demasiado ambicioso, mas sim rea- lista e pragmático, de modo a não comprometer o cumprimento dos objectivos propostos (os avaliadores vão

comparar os objectivos individuais com os dados recolhidos pelos instrumentos de registo);

c) A organização de um dossier (portfólio) onde fiquem arquivados todos documentos onde constem as evidên- cias (só esses);

d) A concertação de posições com o respectivo Coordenador de Departamento, bem como com o PCE ou com o elemento da Direcção executiva a quem o PCE delegou competências de avaliação.