Você está na página 1de 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE

DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA
XIX CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA
Autor: Sebastião Jacinto dos Santos
Co-Autor: Edmilson Pinto Albuquerque
Orientadora: Nísia Floresta Brasileira A. de Paula e Sousa

ARTETERAPIA: FUNDAMENTOS, PERCURSO HISTÓRICO E TEÓRICO,


APLICAÇÕES SÓCIO-EDUCACIONAIS NO TRABALHO COM JOVENS EM
CONFLITO COM A LEI

METODOLOGIA
Os adolescentes tiveram o contato com diversas técnicas de arte,
sempre associada ao senti-se bem, vivenciando uma prática
corporal, com um incentivo para o resgate da auto-estima. Na
seqüência, se utilizou os elementos da Arteterapia, visando uma
proposta que levasse os adolescentes à descoberta de suas
potencialidades. A pesquisa, de cunho bibliográfico foi
reestruturada ao ritmo da pesquisa ação, com a finalidade de
ampliar o conhecimento dentro de uma prática e descoberta de
novos movimentos visando desenvolver as habilidades motoras e
INTRODUÇÃO motivar o prazer dos adolescentes por esse campo de
A pesquisa sobre os elementos formadores da Arteterapia com conhecimento.
base em estudo bibliográfica, acentua a importância de uma
prática, na busca de uma resposta transformadora, unitária e CONCLUSÕES
integrada à situação da criança e do adolescente. Trabalhamos A origem da Arteterapia tem relação com o alvorecer da
com o objetivo do resgate da cidadania, dando oportunidade aos revolução industrial, os avanços tecnológicos, e as várias mazelas
adolescentes atendidos pela Pastoral do Menor, oriundos de originárias do advento do capitalismo, quando o homem passa a
comunidades carentes da grande Natal. Nesse ínterim, ao viver em um constante conflito de interesse político, social e
pesquisar sobre a Arteterapia, avaliamos as atividades artísticas cultural. Em suas ações frenéticas, estão associadas o
como um processo criativo que levou o grupo atendido a um esgotamento do corpo-mente, originando assim, as doenças
maior relaxamento, abertura para o sentido da vida, absorvendo psicossomáticas, estresse, perda do sentido de vida. Surge assim,
melhor seu compromisso como jovens em dividas com a uma nova maneira de relaxar e resgatar a auto-estima a partir do
sociedade, o resgate da cultura, promover um atendimento direto desenvolvimento de atividades artísticas terapêuticas,
com a participação desses adolescentes e a participação da exercitando o corpo e se educando para o sentido integral corpo-
família. mente-natureza-transcendente.
OBJETIVOS Atualmente, multiplicam-se formações em Arteterapia por
todo o planeta e particularmente no Brasil como uma resposta as
GERAL pressões da vida cotidiana sob o impacto dos efeitos da
Promover a integração dos adolescentes atendidos pela modernidade.
Pastoral do Menor de comunidades da grande Natal, Quanto a realização da pesquisa do nosso projeto junto a
consolidando os elementos de estudo da Arteterapia. Pastoral do Menor da Arquidiocese de Natal, traduziu muito bem
ESPECÍFICOS as definições da Arteterapia na atualidade.

· Aprofundar a importância da dança, pintura, desenho e do teatro BIBLIOGRAFIA


na definição dos conceitos terapêuticos; ANDRADE, L.Q. Terapias expressivas. Arte-Terapia, arte-educação e terapia-artística. São Paulo: Vetor, 2000.

· Promover a cidadania a partir dos conceitos da Arteterapia; BARBALHO, C. Arterapia - um caminho de equilíbrio e descoberta do ser. Monografia de Especialização, no curso de Arteterapia Holística,
UNP, Natal, 2004

· Caracterizar os vários elementos que constitui o saber da FRANZ, M.L. A tipologia de JUNG, Cultrix, São Paulo: 1999.

Arteterapia. GOLEMAN, D. et alli. Espírito Criativo. Ed. Cultrix, São Paulo, 2002.

JUNG, C.G. O homem e seus símbolos. 4. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1964.

NACHMANOVITCH, S. Ser criativo. Summus Editorial, São Paulo: 2002.

SILVEIRA, Nise. JUNG - vida e obra. Paz e Terra, Rio de Janeiro: 1981.

VALLADARES, A. C. A. A Arteterapia e a tipologia de Jung: uma experiência abordando os quatro elementos da natureza. Rev. Arteterapia:
Imagens da Transformação. Rio de Janeiro: Clínica Pomar, v.9, n.9, p.35-50, 2002. (ISSN: 1516-4128).