Você está na página 1de 2

O HOMEM DA CALDEIRA

Sempre que eu tenho por repetidas vezes o mesmo sonho, fico preocupado, pois aí
sei que tem mensagem importante a ser decifrada. Percebo que Deus quer me falar sobre algo
importantíssimo. Então, preocupo-me por saber que verdade e mensagem Deus quer ministrar
através dessa visão.

O sonho:
Quando eu trabalhava numa empresa estatal de petróleo, era comum, em minhas
rotinas de área, passar pelas caldeiras, pegar a máscara de raio ultra-violeta e observar a
qualidade da chama em cada caldeira. Ceta vez, sonhei que estava numa dessas rotinas. Ao
observar as chamas da Caldeira B, tomei o maior susto. Havia um homem, sem qualquer
proteção pessoal, vestindo-se normalmente, sentado à mesa, lendo um jornal em meio a toda
aquela chama.
O que mais me intrigava era aquele ambiente ser totalmente inóspito e impossível
de alguém poder suportar sequer um segundo exposto ao agressivo recinto e sobreviver. A
temperatura girava em torno dos 1500°C, os gases tóxicos e a exaustão por falta de oxigênio
devido à queima tornava totalmente impossível de aquela cena ser uma realidade. No entanto
aquele homem estava lá, fiquei sabendo, já há bastante tempo, participando de uma
experiência para determinar como seria a vida do ser vivente em meio a ambientes agressivos,
num mundo contaminado por explosões nucleares e muito mais coisas não reveladas naquele
momento.
Lembrei-me de um seriado antigo (não recordo o nome), que os cientistas faziam
uma experiência com crianças de várias etnias, pondo-as sob uma exposição radioativa diária
e crescente, para desenvolver pessoas capazes de suportar meios similares, numa pós-guerra
nuclear. Aquele homem da caldeira começara com a temperatura ambiente, sendo a cada dia
acrescentado um grau até chegar àquele nível absurdo de 1500°C. Mais curioso ainda era que
o tal homem jamais poderia voltar à vida normal pois a experiência era irreversível. Teria que
passar o resto de sua vida ali. Ele aceitara aquela situação e, em hipótese alguma, havia como
retornar à uma vida normal. Algo semelhante à condição do homem após a queda, no paraíso.
A menos que Deus interviesse a seu favor.
Hoje, voltei a sonhar com a mesma cena, porém, não havia mais um homem,
porém vários no interior daquela caldeira, na mesma situação. Com eles estava um homem,
com uma roupa de astronauta, parecendo de amianto, customizada para aquela temperatura,
tentava dar palavras de ânimo e conforto àquelas pessoas que estavam fadadas a viver
eternamente naquela situação. De repente, soou o alarme de um possível aumento brusco de
temperatura com sérios riscos de explosão. Imediatamente, aquele sujeito foi puxado para
fora, antes que aquilo viesse acontecer. Toda atenção da brigada de segurança estava voltada
par o homem que fora retirado da caldeira. Ninguém se importava com os que lá dentro
estavam. Afinal, fora escolha deles mesmos participar daquela experiência.
Deus me trouxe o pensamento de como nós desistimos tão facilmente de lutar pelo
bem-estar das pessoas, tão logo somos ameaçados de alguma forma. Somos imediatista e,
pior, sempre ao nosso favor. Nunca pró-terceiros. Num momento de crise, enxergamos
somente o nosso umbigo e, salve-se quem puder! Qual foi verdadeiramente o seu chamado?
No instante pós-empolgação, quando as euforias se vão, você está disposto(a) a prosseguir?
Quão preciosa é a salvação de outrem para você? Estaria predisposto(a) a doar sua vida em
resgate de muitos? Essa é a pergunta que não cala e a única resposta esperada é: “Sim,
Senhor. Eis-me aqui. Conte comigo!”. O Senhor deu o exemplo ao tornar-se homem,
esvaziando-se do ser Deus para tornar-se como um de nós. Foi um caminho sem volta, e
suportou o Seu chamado até cumpri-lo totalmente.
Que possamos responder positivamente ao chamado de nosso Mestre e Senhor,
com o compromisso firme e fiel de cumpri-lo até o fim, seja a que preço for, honrando a
confiança e a comissão daquele que nos chamou para a boa obra, que nos capacita e formoseia
os pés dos que vão anunciando as Boas Novas de paz. Que cada um de nós possa, sem sombra
de hesitação, responder convicto ao divino chamado do Senhor para o cumprimento do Seu
IDE:
“Sim, Senhor! Eis-me aqui! Envia-me a mim!”.

Por: João Bosco Rolim Esmeraldo


Pastor da Comunidade Evangélica Cristo Vive
Cidade do Crato - CE

Interesses relacionados