Você está na página 1de 32
Jener Toscano Lins eSilva 1
Jener Toscano Lins eSilva
1
Estruturas de implementação mais comuns na práti ca E strutura d e reali mentação múl
Estruturas de implementação mais
comuns na práti ca
E strutura d e reali mentação múl t i p l a
MFB (Multiple‐FeedBack )
Polaridade de saída invertida (‐ K)
Estrutura de fonte de tensão controlada por tensão
FTCT ou VCVS (Voltage ‐ Controlled Voltage Source)
A tensão de saída é função da tensão de entrada e do
ganho do circuito
2
Vanta gens de ambas estruturas Boa estabilidade Baixa impedância de saída Faci lid ad e
Vanta gens de ambas estruturas
Boa estabilidade
Baixa impedância de saída
Faci lid ad e d e ajuste d e gan h o e d e f reqüência
Requerem poucos componentes externos
Desvantagem: apresentam um Qo máximo na ordem de 10.
3
Projeto do filtro PB de primeira ordem ‐ VCVS R nab 3 K = 1
Projeto do filtro PB de primeira ordem ‐ VCVS
R
nab
3
K
= 1 +
2 1,414214
1
R
311
2
x
1
4 0,765367
1
1
R
1,847759
1
1 =
5 0,618034
1
b
ω
C
c
1,618034
1
x
1
K
6 0,517638
1
R =
R 1
2
1,414214
1
K − 1
1,931852
1
7 0,445042
1
R
= KR
3
1
1,24698
1
1,801938
1
10
x
1
[µF]
para fc em Hertz.
C =
8 0,390181
1
fc
1
, 11114
1
1,662939
1
1,961571
1
Obs.: R 1 minimiza o efeito da tensão de offset de
entrada.
Parâmetros a e b
para filtros PB e PA
de Butterworth.
4
Etapas do projeto do filtro PB de primeira ordem 1 Estabelecer o valor de K
Etapas do projeto do filtro PB de primeira ordem
1 Estabelecer o valor de K
2 Estabelecer o valor de f c
3 Dete rminar C ≈ 110/fc (comercial)
4 Determinar R1
5 Determinar R 2
6 Determinar R3
7 Montar um protótipo em l a boratório e executar testes
8 Ajustar o ganho através de R2 ou R3
9 Ajustar a freqüência de corte em ‐ 3dB através de R1
10 Substituir os potenciômetros R1, R2, R3 por resistores
comerc iais próximos dos va lores ajus t ad os
11 Montar o circuito definitivo.
5
Projeto do filtro PB de segunda ordem ‐ MFB n a b R 2 1,414214
Projeto do filtro PB de segunda ordem ‐ MFB
n
a
b
R
2
1,414214
1
2
K =− R
311
x
1
1
4
0
, 765367
1
2(
K +
1)
1,847759
1
R
=
5
0,618034
1
2
2
2
[
aC
+
a C
4
bC C ( K
+
1) ]
ω
1,618034
1
2
2
1
2
c
x
1
6
0
, 517638
1
R
2
R
1,414214
1
1 = K
1,931852
1
7
0,445042
1
1
1,24698
1
R
=
1,801938
1
3
2
bC C
ω
R
x
1
1
2
c
2
8
0,390181
1
2
C a C
1,11114
1
2
1
, 662939
1
1 4 (
b K +
1)
1,961571
1
6
O fator m de escalonamento para qualquer filtro ativo Em projetos podemos obter capacitâncias muito
O fator m de escalonamento para qualquer
filtro ativo
Em projetos podemos obter capacitâncias muito grandes
(volumosos e caros) e resistências muito pequenas
(desaconselháveis para circuitos com amp ‐ op).
Um f iltro ativo não tem sua performance a ltera d a quan d o
multiplicamos ou dividimos os valores dos resistores por
um f ator m>1, d es d e que os va lores dos capac i tores sejam
compensados pelo mesmo fator.
Este p rocedimento é muito útil, pois permite a obten ç ão de
valores práticos (comerciais) convenientes ao projeto.
7
Etapas do projeto do filtro PB de estrutura MFB 1 Estabelecer o valor de K
Etapas do projeto do filtro PB de estrutura MFB
1 Estabelecer o valor de K
2 Estabelecer o valor de fc
3 EEsta b e l ecer o va l or d e PRR (no caso d o fil tro ChC ebys h ev )
4 Determinar os parâmetros a e b através da tabela apropriada
5 Determinar C2 ≈ 10/fc ( comercial em µ F para fc em Hertz )
6 Determinar C1
7 Determinar R2
8 Determinar R1
9 Determinar R3
10 Montar um protótipo em l a b orató r i o e executar testes
11 Fazer ajuste de K e fc
12 Montar o circuito definitivo.
8
Projeto do filtro PB de segunda ordem ‐ VCVS R 4 K = 1 +
Projeto do filtro PB de segunda ordem ‐ VCVS
R
4
K
= 1 +
R
3
1
R
=
2
2
bC C R
ω
1
2
1
c
K R
(
+
R
)
1
2
R
=
3
K − 1
R
=
K R
(
+
R
)
4
1
2
C
≈ 10 /
fc
2
2
[
a
+
4 b ( K
1)]
C
2
C
1
4
b
Obs.: Se K=1, R 3 deverá ser “aberto” e R 4 será em curto).
9
Etapas do projeto do filtro PB de segunda ordem ‐ VCVS 1 Estabelecer o valor
Etapas do projeto do filtro PB de segunda ordem ‐ VCVS
1 Estabelecer o valor de K
2 Estabelecer o valor de fc
3 EEsta b e l ecer o va l or d e PRR (no caso d o fil tro ChC ebys h ev )
4 Determinar os parâmetros a e b através da tabela apropriada
5 Determinar C2 ≈ 10/fc ( comercial )
6 Determinar C1
7 Determinar R2
8 Determinar R1
9 Determinar R3
10 D eterm i nar R4
11 Montar um protótipo em laboratório e executar testes
12 Fazer a juste de K e fc
13 Montar o circuito definitivo.
10
Projeto do filtro PA de primeira ordem ‐ VCVS R 3 K = 1 +
Projeto do filtro PA de primeira ordem ‐ VCVS
R
3
K
= 1 +
R
2
b
R
1
1 Estabelecer o valor de K
2 Estabelecer o valor de f c
3 Determinar C ≈ 10/fc
= ω
C
c
(
comerci al)
KR
1
R =
2
K
− 1
R
=
KR
3
1
R R
2
3
R =
1
R + R
2
3
4 Determinar R1
5 Determinar R2
6 Determinar R3
7 Montar um protótipo e
e xecuta r testes
Fazer ajustes de K e fc
9 Montar o circuito definitivo.
Obs : Se K=1 R deverá ser “aberto”
e R 3 será um curto.
.
,
2
11
Projeto do filtro PA de segunda ordem ‐ MFB C 1 K =− C 2
Projeto do filtro PA de segunda ordem ‐ MFB
C
1
K =−
C
2
C
= 10 /
fc
1
a
R =
1 Estabelecer o valor de K
2 Estabelecer o valor de fc
3 Estabelecer o valor de PR ( no caso
do filtro Chebyshev )
4 Determinar os parâmetros a e b
através da tabela apropriada
5 Determinar C1 ≈ 10/fc (comercial em
µF para fc em Hertz)
6 Determinar C2
7 Determinar R1
8 Determinar R2
9 Montar um protótipo e executar
1
( 2
C
+
C
)
ω
1
2
c
( 2
C
+
C b
)
testes
10 Fazer a j uste de K e fc
1
2
R
2 =
aC C
ω
11 Montar o circuito definitivo.
1
2
c
12
Projeto do filtro PA de segunda ordem ‐ VCVS R 4 K = 1 +
Projeto do filtro PA de segunda ordem ‐ VCVS
R
4
K
= 1 +
R
3
4
b
R
=
1
2
[
a
+
a
+
8 (
b K
1)]
w C
c
b
R
2
2
2
= ω
C R
c
1
KR
1
R =
3
K − 1
R
=
KR
4
1
R R
4
R 3
=
1 Estabelecer o valor de K
2 Estabelecer o valor de fc
3 Estabelecer o valor de PR (no caso
do filtro Chebyshev )
4 Determinar os parâmetros a e b
atravé s da tab e la apropri ada
5 Determinar C ≈ 10/ fc (comercial)
6 Determinar R1
7 D etermi nar R2
8 Determinar R3
9Determinar R4
10 Montar um protótipo e executar
testes
11 Fazer ajustes de K e fc
12 Montar o ci rcu ito de fi nitivo.
1 R
+
R
3
4
13
Filtros de ordem superior à segunda A ssociando em cascata filtros PB ou PA de
Filtros de ordem superior à segunda
A ssociando em cascata filtros PB ou PA de primeira e
segunda ordens, podemos obter os filtros de ordem
superior à segunda .
Ex.1: Um filtro de sexta ordem pode ser obtido com a associação de
três está gios PB de se gunda ordem.
PB 6ª ordem
PB
PB
PB
v i
Vo
2ª ordem
2ª ordem
2ª ordem
Ex.2: Um filtro PB de 5ª ordem poder ser implementado com dois
estágios PB de segunda ordem seguidos por um estágio PB de
primeira ordem.
PB 5ª ordem
PB
PB
PB
v i
v o
2ª ordem
2ª ordem
1ª ordem
14
Filtros de ordem superior à segunda A associação poderá ser feita utilizando a estrutura MFB
Filtros de ordem superior à segunda
A associação poderá ser feita utilizando a estrutura MFB
ou a estrutura VCVS (numa mesma associação não
devemos utilizar estruturas distintas).
Ca d a estágio d eve ser projetad o como se fosse um estágio
independente.
O gan h o d a assoc iaç ã o em casca ta (K T ) é d a d o pe lo
produto dos ganhos de cada estágio (K):
K = K
m
T , onde m
é o n º de está ios
g
.
15
Filtros p assa ‐ faixa ( PF ) Podem ser implementados com a estrutura MFB
Filtros p assa ‐ faixa ( PF )
Podem ser implementados com a estrutura MFB ou VCVS,
entretanto, MFB é a mais comum na p rática .
Podemos implementar utilizando um filtro PA associado
em cascata a um filtro PB, ambos com o mesmo ganho e
ordem. A freqüência de corte do filtro PA (fc1) deve ser
menor que a freqüência de corte do filtro PB (fc2).
Infelizmente, esta técnica não apresenta boa precisão em
sua resposta, pois surgem problemas com o fator Qo, com a
largura d e f a ixa resu ltante d a assoc iaç ã o e com o gan h o d o
circuito na faixa de passagem.
16
Projeto do filtro PF com estrutura MFB f = f × f o c1 c
Projeto do filtro PF com estrutura MFB
f
=
f × f
o
c1
c 2
BW = f − f
c 2
c1
2
K < Q
2
, onde Qo ≤10
o
10
C
=
f
o
Q
o
R
1
= ω
CK
o
Q
o
R
=
2
2
ω
C Q
( 2
K
)
o
o
2
Q
o
R
=
3
ω
C
o
R
3
K
=
2
R
1
1
R
+
R
1
2
f
=
o
2 C
π
R
×
R
×
R
1
2
3
17
Etap as do p roj eto do filtro PF de estrutura MFB 1 Estabelecer o
Etap as do p roj eto do filtro PF de estrutura MFB
1 Estabelecer o valor de fc1 e fc2
2 Determinar fo e ω o
3 Determinar Q o
4 Estabelecer o valor de K
5 Determinar C ≈ 10/fo (comercial)
6 Determinar R1
7 Determinar R2
8 Determinar R3
9 Mon t ar um protótipo em l a b ora tór io e execu t ar tes tes
10 Fazer ajuste de K e fo
11 Montar o circuito definitivo.
18
Filtro Rejeita ‐faixa (RF) Basicamente, todas as considerações do filtro PF são aplicáveis ao filtro
Filtro Rejeita ‐faixa (RF)
Basicamente, todas as considerações do filtro PF são
aplicáveis ao filtro RJ, bem como os problemas
decorrentes da associação em cascata para obtenção de
filtros de ordem superior à segunda.
A implementação mais usual para RF é a estrutura
VCVS.
19
Projeto do filtro RF com estrutura VCVS 1 Es t a b e l ecer
Projeto do filtro RF com estrutura VCVS
1 Es t a b e l ecer fc1 e fc2
2 Determinar fo e ω o
3 Determinar Qo
4 Fazer K=1
5 Determinar C ≈ 10/fo
(
comercial )
6 Determinar R1
7 D e term i nar R2
8 Determinar R3
1
2
Q
R
× R
o
1
2
R
R
R =
1 =
2 =
3
2 ω
Q
C
ω
C
R
R
+ 2
o
o
o
1
Obs.: O ajuste de fo pode ser feito
através dos resistores R1 e R2.
9 Montar um protótipo em
laboratório e executar testes
10 Fazer ajuste de fo
11 Mon t ar o c ircu ito d e fin itivo.
20
Circuitos deslocadores de fase ou filtro “ passa ‐to das” São circuitos que possibilitam numa
Circuitos deslocadores de fase
ou filtro “ passa ‐to das”
São circuitos que possibilitam numa dada freqüência o
deslocamento de fase entre o sinal de entrada e o sinal de
saída, com o objetivo de corrigir o atraso do circuito.
São circuitos que não afetam a amplitude dos sinais
transmitid os em f unç ã o d a f reqüê nc ia d os mesmos .
21
Projeto do circuito deslocador de fase MFB de segunda ordem ETAPAS DO PROJETO: 1 Estabelecer
Projeto do circuito deslocador de fase MFB
de segunda ordem
ETAPAS DO PROJETO:
1 Estabelecer Φo fo
R
2 Determinar a
4
K
=
< 1
3 Determinar C ≈ 10/fo (comercial)
R
+ R
3
4
4 Fazer K=1/2
Para K = 1/2, temos:
5 Determinar R1
6 Determinar R2
1
7 Determinar R3 e R4
R
=
1
2 a
ω
C
8 Montar e fazer testes
o
9
R
= 4
R
Fazer ajuste de fo e Φo
10 Montar o circuito definitivo.
2
1
R
= R = 8 R
3
4
1
- Através de R 1 podemos
ajustar a freqüência f o , obtendo
a
defasagem Φ o desejada.
tg ⎜ ⎛Φ ⎞
Para 0 < Φ o < 180° é “positivo”.
2
o
− 1 ±
1
+
4
2
±
- Para obter um K=1, basta
acrescentar um amplificador não
a =
o
inversor de
g
anho 2 em série
2tg ⎛Φ ⎜ ⎞
Para
-180
°
< Φ o < 0 é
negativo .
⎝ 2 ⎠
com o sinal de saída do circuito
deslocador de fase.
22
Filtros ativos integrados Atualmente existem diversos fabricantes de componentes e l etrônicos pro d uzin
Filtros ativos integrados
Atualmente existem diversos fabricantes de
componentes e l etrônicos pro d uzin d o f i l tros ativos sob
a forma de circuitos integrados.
Um dos melhores e mais versáteis é o MF10 da
National Semiconductors .
Possibilita a montagem de todos os filtros aqui
estudados (denominado filtro ativo universal).
23
Vantagens e desvantagens do MF10 Grande versatilidade em termos das funções realizadas. Não necessita de
Vantagens e desvantagens do MF10
Grande versatilidade em
termos das funções
realizadas.
Não necessita de
t
capac ores ex ernos.
it
P
Possibilita ajustes precisos
b
rojeto astante
O
corr nc a e so retensão,
ê
i
d
simplificado.
Permite a execu ão de
todas as aproximações
estudadas.
ç
Custo relativamente alto.
Freqüência máxima de
operação 30KHz.
Só permite a implementação
d e filtros a té 4ª ord em (exce to
montagem em cascata).
b
sobrecorrente, inversão de
p olaridade p ode danificar
totalmente o componente.
Exige um sinal de relógio para
controle.
24
Considerações práticas Quando se projeta filtros ativos para aplicações de média ou alta precisão é
Considerações práticas
Quando se projeta filtros ativos para aplicações de média ou alta
precisão é aconselhável a utilização de componentes de melhor
qualidade.
Utilizar resistores de filme metálicos (1 Ω à 1MΩ/± 1, ± 2 ou ± 5%) para
proje tos d e filt ros a tivos.
Os resistores de filme metálicos apresentam ótima estabilidade e baixos
efeitos de dis persão.
Não utilizar capacitores polarizados e tolerância máxima de ± 10%.
Estar sempre ciente dos novos produtos lançados no mercado e das suas
carac ter ís ticas.
Solicitar catálogos técnicos dos fabricantes nacionais e internacionais e
acessar os diversos sites.
25
Sites dos p rinci p ais fabricantes http://www. farnell .com.br http://www.grupoinformat.com
Sites dos p rinci p ais fabricantes
http://www. farnell .com.br
http://www.grupoinformat.com
http://www.rsdobrasil.com.br
http://www.national.com/
http://www.ti.com/
http://www.fairchildsemi.com/
26
Projeto resolvido 1 ‐ Projetar um filtro PB de terceira ordem, com resposta Chebyshev de
Projeto resolvido
1 ‐ Projetar um filtro PB de terceira ordem, com resposta Chebyshev de
0,5 dB, ganho total igual a 4 e freqüência de corte igual a 1 kHz. Utilizar
estruturas VCVS e fazer todos os capacitores iguais a 0,01 µF.
K T= 1 estágio de 2ª ordem + 2 estágios de 1 ª ordem , assim temos: K = 4 ∴ K = 2
‐ Para n=3 e PR=0,5, temos:
a=0,626456 e b=1,142448 [1º estágio de 2ª ordem]
b=0,626456 [2º estágio de 1ª ordem]
‐ Logo podemos calcular os seguintes resistores para o 1º estágio:
R1 = 25,4 k Ω , R2 = 8,7 k Ω e R3 = R4 = 2( 25,4 + 8,7) = 68, 2k Ω
‐ E para o 2º estágio:
R1 = 25,4 k Ω (com b=0,626456), R2 = 50,8 k Ω e R3 = 50,8 k Ω
Obs.: O projetista com o objetivo de simplificar os cálculos deverá adotar
capacitores iguais a 10 nF e procurar resistores comerciais o mais próximo
possíve l dos va lores te óricos e com tolerânci a m á x i ma de 5 % , utili zand o
potencîômetros de precisão para ajustar se necessário.
27
Projetos Prop ostos 1) Projetar um filtro PB de segunda ordem utilizando estrutura VCVS, ganho
Projetos Prop ostos
1) Projetar um filtro PB de segunda ordem utilizando estrutura
VCVS, ganho 2, freqüência de corte 1 kHz e resposta tipo
Butterworth.
2) Projetar um filtro PA de segunda ordem com estrutura VCVS.
Fazer o ganho unitário e a fre qüência de corte 5 kHz. Utilizar
resposta Butterworth .
3) Projetar um filtro PA de segunda ordem com estrutura VCVS,
ganho 2 e freqüência de corte 500 Hz . Utilizar resposta Chebyshev
de 0,1 dB.
4) Projetar um filtro com estrutura MFB, ganho 10, freqüência de
corte 760 Hz e freqüência superior 890 Hz.
5) Projetar um circuito deslocador de fase que apresente uma
defasa gem de ‐ 9 0 na fre q üência de 1 kHz . Fazer o g anho i g ual a ½.
Utilizar estrutura MFB.
28
Circuito do p rojeto 29
Circuito do p rojeto
29
Parâmetros a e b para filt ros Chebyshev até sexta ordem com RIPPLES de amplitude:
Parâmetros a e b
para filt ros
Chebyshev até
sexta ordem com
RIPPLES de
amplitude:
‐ 0,1 dB
‐ 0,5 dB
‐ 2,0 dB
‐ 3,0 dB
30
Valores comerciais d e res i stores 31
Valores
comerciais
d e
res i stores
31
Val ores comerciais de capac itores 32
Val ores
comerciais de
capac itores
32