Você está na página 1de 44
Prefeitura Municipal de Guaratinga 1 Sexta-Feira • 07 de outubro de 2005 • Ano I
Prefeitura Municipal de Guaratinga 1 Sexta-Feira • 07 de outubro de 2005 • Ano I
Prefeitura Municipal de Guaratinga

Prefeitura Municipal de Guaratinga

1

Sexta-Feira • 07 de outubro de 2005 • Ano I • Nº 43

NOTA PÚBLICA DE REPUBLICAÇÃO DE LEI COM A RETIFICAÇÃO DE NÚMERO, NA FORMA ABAIXO:

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUARATINGA, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições legais, torna público que a Lei Municipal n. 484, de 26 de setembro de 2005, que Dispõe Sobre Alteração da Lei Municipal n. 478, de 04.04.2005, publicada na edição número 40 do Diário Oficial do Município, de 27 de setembro de 2005, está sendo republicada com o número 484-A, na forma abaixo, visto que o número 484 já tinha sido consignada na Lei que dispõe sobre criação de dotação da Câmara Municipal.

visto que o número 484 já tinha sido consignada na Lei que dispõe sobre criação de

Sexta-Feira

07

de outubro de 2005

2

• Ano I • Nº 43

Guaratinga

de outubro de 2005 2 • Ano I • Nº 43 Guaratinga INTEGRA DA LEI N.

INTEGRA DA LEI N. 484-A:

LEI MUNICIPAL N°484-A, DE 26 DE SETEMBRO DE 2005.

Dispõe sobre alteração da Lei Municipal n° 478, de 04/04/2005, reestruturação dos órgãos da Administração Municipal e dá outras providências.

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARATINGA, ESTADO DA BAHIA, no uso de suas prerrogativas legais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou, e sanciona a seguinte Lei:

Art. 1° Os dispositivos da Lei Municipal n° 478, de 04 de abril de 2005, com seus respectivos anexos passam a vigorar com as seguintes redações:

Parágrafo único – A classificação dos Cargos de provimento em Comissão - CC, previstos no artigo 59 da Lei Municipal n°478, de 04/04/2005 passa a ser a seguinte:

I – CC1 R$ 1.800,00

II – CC2

R$ 1.500,00

III – CC3

R$ 1.200,00

IV – CC4

R$ 1.000,00

V – CC5

R$ 850,00

VI – CC6

R$ 750,00

VII – CC7

R$ 600,00

VIII- CC8

R$ 500,00

IX – CC9

R$ 450,00

X – CC10

R$ 400,00.

“Art. 33. Compõem a estrutura organizacional da Prefeitura Municipal de Guaratinga:

I - Administração Direta

a) Órgão diretamente vinculados ao Prefeito:

1. Chefia de Gabinete;

2. Procuradoria Geral do Município;

3. Chefia de Controle Interno

II

- Secretarias Municipais de:

a)

Administração;

b)

Finanças;

c)

Educação, Cultura e Esportes;

d)

Meio Ambiente;

e)

Saúde;

f)

Ação Social;

g)

Agricultura, Indústria, Comércio e Desenvolvimento Agrário;

h)

Infraestrutura.

III

- Órgãos Colegiados:

a)

Conselho de Acompanhamento e Controle Social do Programa de Renda Mínima;

Sexta-Feira

07

de outubro de 2005

3

• Ano I • Nº 43

Guaratinga

de outubro de 2005 3 • Ano I • Nº 43 Guaratinga b) Conselho Municipal da

b) Conselho Municipal da Juventude, Cultura, Esporte e Lazer;

c) Conselho Municipal de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e Valorização do Magistério;

d) Conselho Municipal de Alimentação Escolar;

e) Conselho Municipal de Assistência Social;

f) Conselho Municipal de Defesa Civil;

g) Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável;

h) Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano;

i) Conselho Municipal de Educação;

j) Conselho Municipal de Saúde;

k) Conselho Municipal de Segurança Alimentar;

l) Conselho Municipal de Bolsa Escola;

m) Conselho Municipal do Meio Ambiente;

n) Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente;

o) Conselho Tutelar;

p) Conselho Municipal de Desenvolvimento Agrário Sustentável.

Parágrafo único - São vinculados por linha de coordenação

a) Ao Secretário Municipal de Ação Social: o Conselho Municipal de Assistência Social, Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, Conselho Tutelar, Conselho Municipal de Segurança Alimentar, Conselho de Acompanhamento e Controle Social do Programa de Renda Mínima;

b)

Ao Secretário Municipal de Educação: o Conselho Municipal de Educação, o Conselho Municipal de Acompanhamento e Controle Social do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e Valorização do Magistério, Conselho Municipal de Bolsa Escola, Conselho Municipal de Alimentação Escolar e o Conselho Municipal da Juventude, Cultura, Esporte e Lazer;

c)

Ao Secretário Municipal de Meio Ambiente: o Conselho Municipal do Meio

Ambiente;

d)

Ao Secretário Municipal de Infraestrutura: o Conselho Municipal de Defesa Civil, o Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano;

e)

Ao Secretário Municipal de Saúde: o Conselho Municipal de Saúde;

f)

Ao Secretário Municipal de Agricultura, Indústria, Comércio e Desenvolvimento Agrário, o Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável, o Conselho Municipal de Desenvolvimento Agrário e o Grupo Gestor”.

TÍTULO V

DA ESTRUTURA E COMPETÊNCIA DAS SECRETARIAS E ÓRGÃOS MUNICIPAIS

CAPÍTULO I DOS ÓRGÃOS VINCULADOS DIRETAMENTE AO GABINETE DO PREFEITO

“Art. 34. Ao Prefeito são vinculados os seguintes órgãos: Chefia de Gabinete, Procuradoria Geral e Chefia de Controle Interno, com competências, estruturas e atribuições previstas nesta Lei e demais legislação correlata.

§ 1° A Chefia de Gabinete tem por finalidade exercer a coordenação das ações do Gabinete do Prefeito, a representação nas relações política e institucional do Município com outros entes da Federação, com a seguinte área de competência:

I - Assistir pessoalmente ao Prefeito;

Sexta-Feira

07

de outubro de 2005

4

• Ano I • Nº 43

Guaratinga

de outubro de 2005 4 • Ano I • Nº 43 Guaratinga II - Coordenar a

II - Coordenar a agenda, audiências, reuniões do Prefeito e cerimonial;

III - Receber, distribuir, controlar o andamento e arquivamento das correspondências oficiais e

documentos diversos junto aos demais órgãos do Município;

IV - Prestar assistência ao Chefe do Executivo em suas relações político-administrativas com os

munícipes, órgãos e entidades públicas e privadas e associações de classe;

V - Preparar e expedir a correspondência do Prefeito;

VI - Preparar, registrar, publicar e expedir os atos do Prefeito;

VII - Organizar, numerar e manter sob sua responsabilidade originais de leis, decretos, portarias e

outros atos normativos pertinentes ao Executivo Municipal;

VIII - Responsabilizar-se pela execução das atividades de expediente e de apoio

Administrativo do Gabinete;

IX – Acompanhar a execução das atividades de assessoramento legislativo e de relação com

lideranças políticas e parlamentares do Município;

X - Acompanhar a tramitação dos projetos de interesse do Executivo, prestando as informações

necessárias.

§ 2° A Procuradoria Geral do Município tem por finalidade exercer a representação judicial do

Município, a defesa em juízo ou fora dele, de seu patrimônio, seus direitos e interesses, e assessoramento

jurídico dos órgãos e entidades de sua administração, com a seguinte área de competência:

I - Defender e representar, em juízo ou fora dele, os direitos e interesses do Município;

II - Promover a cobrança judicial da Dívida Ativa do Município ou de quaisquer outras dívidas que não forem liquidadas nos prazos legais;

III - Promover a expropriação amigável ou judicial de bens declarados de utilidade

pública, necessidade pública ou interesse social;

IV - Redigir projetos de leis, justificativas de vetos, decretos, regulamentos, contratos e outros

documentos de natureza jurídica;

V - Promover a uniformização da jurisprudência administrativa de forma a evitar

contradição ou conflito na interpretação das leis e atos administrativos;

VI - Assessorar o Prefeito nos atos executivos relativos a desapropriação, alienação e aquisição de

imóveis pela Prefeitura e nos contratos em geral;

VII - Instaurar e participar de inquéritos administrativos e dar-lhes orientação jurídica

conveniente;

VIII - Manter atualizada a coletânea de leis municipais, bem como a legislação federal e do Estado de

interesse do Município;

IX - Proporcionar assessoramento jurídico-legal aos órgãos da Prefeitura;

X - Emitir parecer sobre questões jurídicas que lhe sejam submetidas pelo Prefeito e Secretários;

XI - Examinar as ordens e sentenças judiciais cujo cumprimento envolva matéria de competência do

Prefeito ou de outra autoridade do Município;

Sexta-Feira

07

de outubro de 2005

5

• Ano I • Nº 43

Guaratinga

de outubro de 2005 5 • Ano I • Nº 43 Guaratinga XII - Promover pesquisa

XII - Promover pesquisa e a regularização dos títulos de propriedade do Município;

XIII - Exercer função normativa, supervisora e fiscalizadora em matéria de natureza jurídica;

XIV - Executar outras competências correlatas.

Parágrafo único - A Procuradoria Geral do Município tem a seguinte estrutura:

a) Procurador Geral do Município

b) Assessor Jurídico

c) Defensor Público.

§ 3°A Chefia de Controle Interno é o órgão que tem por finalidade verificar a regularidade dos atos de

gestão financeira, orçamentária, patrimonial, operacional e administrativos, praticados nos órgãos da Administração Municipal, nos termos dos artigos 70 e 74, incisos I, II, III e IV da Constituição Federal, § 3°do art. 50, combinado com o art. 59 da Lei Complementar Federal n°101/2000 e Decreto de Regulamentação de seu funcionamento a ser emitido pelo Chefe do Poder Executivo no prazo de 15 (quinze) dias a partir da publicação desta Lei, que respeitará o seguinte:

I – A área de competência, prerrogativas e outras atribuições deste órgão são as definidas na Lei Municipal n°441, de 31 de outubro de 2002;

II – A Chefia de Controle Interno tem a seguinte estrutura:

a) Chefe de Controle Interno

b) Assessor

c) Oficial de Gabinete”

CAPÍTULO II SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO

“Art. 35. A Secretaria Municipal de Administração tem por finalidade coordenar as atividades de administração geral, desenvolvimento de administração, bem como a gestão de recursos humanos e assistência aos servidores municipais, assistir o Chefe do Poder Executivo em suas atribuições legais, em especial na programação e no acompanhamento das ações governamentais, planejar, coordenar e executar a política de comunicação do governo municipal em conjunto com as demais secretarias, com as seguintes competências:

I - executar atividades relativas ao recrutamento, à seleção, à avaliação de mérito, ao plano de cargos e

vencimentos, a proposta de lotação e outras de natureza técnica da administração de recursos humanos da

Prefeitura;

II - executar atividades relativas aos direitos e deveres, aos registros funcionais, ao

controle de freqüência, à elaboração das folhas de pagamento e aos demais assuntos relacionados aos prontuários dos servidores públicos municipais;

III - executar atividades relativas ao bem-estar dos servidores municipais;

IV - promover serviços de inspeção de saúde dos servidores municipais para fins de admissão, licença,

aposentadoria e outros fins;

V - executar atividades relativas à padronização, à aquisição, à guarda, à distribuição e ao controle do

material utilizado;

Sexta-Feira

07

de outubro de 2005

6

• Ano I • Nº 43

Guaratinga

de outubro de 2005 6 • Ano I • Nº 43 Guaratinga VI - executar atividades

VI - executar atividades relativas ao tombamento, ao registro, ao inventário, à proteção e à conservação

dos

bens móveis, imóveis e semoventes;

VIII

- conservar, interna e externamente, prédios, móveis, instalações, máquinas de escritório e

equipamentos leves;

IX - promover as atividades de limpeza, zeladoria, copa, portaria e telefonia da Prefeitura;

X - conservar e manter a frota de veículos leves da, bem como responsabilizar-se por sua guarda,

distribuição e controle de utilização de combustível e de lubrificantes;

XI - avaliar permanentemente o desempenho da administração municipal;

XII - promover estudos visando a descentralização dos serviços administrativos;

XIII

- promover estudos visando a informatização dos serviços administrativos;

XIV - estudar e analisar o funcionamento e a organização dos serviços da Prefeitura, promovendo a

execução de medidas que visem a simplificação, racionalização e o aprimoramento de suas atividades;

XXIV - desenvolver atividades de imprensa e relações públicas;

XXV - divulgar e promover o município através da imprensa escrita, televisiva e Rádio.

XXVI - administrar o diário oficial do município;

XXVII - promover campanhas de esclarecimento a comunidade, especialmente na área de saúde,

educação e assistência social.

XXVIII - promover a integração das comunidades através de programas de comunicação social

XXIX - executar outras competências correlatas.

Parágrafo único. A Secretaria Municipal de Administração tem a seguinte estrutura básica:

I - Órgãos da Administração Direta

a) Assessoria Administrativa;

b) Assessoria Técnica;

c) Assessoria de Comunicação;

d) Ouvidoria Geral;

Sexta-Feira

07

de outubro de 2005

7

• Ano I • Nº 43

Guaratinga

de outubro de 2005 7 • Ano I • Nº 43 Guaratinga e) Departamento de Convênios

e) Departamento de Convênios e Prestações de Contas;

f) Departamento de Recursos Humanos;

g) Departamento de Compras e Almoxarifado

h) Departamento de Informática e Estatística;

i) Administrações Regionais;

j) Departamento de Patrimônio:

1. Divisão de Serviços Gerais e Vigilância;

2. Divisão de Arquivo e Documentação;

3. Divisão de Recepção e Protocolo”

CAPÍTULO III SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS

“Art. 36. A Secretaria Municipal de Finanças tem por finalidade coordenar a execução da política econômica e financeira do Município; acompanhar a programação orçamentária para cumprimento das metas fiscais, modernizando a Secretaria que terá as seguintes competências:

I – formular a política financeira e tributária do município;

II – executar a política fiscal-fazendária do Município;

III – cadastrar, lançar e arrecadar as receitas e rendas municipais e exercer a fiscalização tributária;

IV – administrar a dívida ativa do Município;

V – processar a despesa e manter o registro e os controles contábeis da administração financeira,

orçamentária e patrimonial do Município;

VI – preparar os balancetes, bem como o balanço geral e as prestações de contas de recursos

transferidos para o Município por outras esferas de Governo;

VII

– fiscalizar e realizar a tomada de contas dos órgãos da administração centralizada encarregados

da

administração dos recursos financeiros e valores;

VIII – receber, pagar, guardar e movimentar os recursos financeiros e valores do município, inclusive assinar cheques e movimentar as contas bancarias da prefeitura, fundos municipais e convênios;

IX – elaborar a Lei de Diretrizes Orçamentária, a proposta orçamentária anual e o Plano Plurianual, em

elaboração com os demais órgãos da prefeitura, de acordo com as políticas estabelecidas pelo governo

municipal;

X – acompanhar, controlar e avaliar a execução orçamentária;

XI – assessorar o Prefeito quanto ao planejamento, coordenação, execução e avaliação dos planos e

programas de governo.

Sexta-Feira

07 de outubro de 2005

8 • Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 8 • Ano I • Nº 43 Guaratinga Parágrafo único –

Parágrafo único – A Secretaria Municipal de Finanças tem a seguinte estrutura básica:

a) Assessoria Financeira/Contábil;

b) Contabilidade;

c) Tesouraria;

d) Departamento de Licitações, Contratos

e) Departamento de Tributação:

- Divisão de Cadastro;

- Divisão de Tributos;

- Divisão de Fiscalização”.

Capítulo IV SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

“Art. 37. A Secretaria Municipal de Educação tem por finalidade desempenhar as funções do Município em matéria de educação, com a seguinte área de competência:

I - Formular a política de educação do Município, em coordenação com o Conselho Municipal de Educação;

II – Propor a implantação da política educacional do Município, levando em conta os objetivos de desenvolvimento econômico, político e social;

III - Promover a gestão do ensino público municipal, assegurando o seu padrão de qualidade;

IV - Garantir igualdade de condições para o acesso e permanência na escola, inclusive para crianças e

adolescentes portadores de deficiência física;

V - Assegurar aos alunos da zona rural a gratuidade e obrigatoriedade do transporte escolar;

VI - Promover estudos, pesquisas e outros trabalhos que visem aprimorar o Sistema Municipal de

Educação e adequar o ensino à realidade social;

VII - Fixar normas para a organização escolar, didática e disciplinar dos estabelecimentos de ensino,

incluindo definição do calendário escolar;

VIII – Elaborar e supervisionar o currículo dos cursos municipais de ensino, de acordo com as normas

em vigor;

IX

-

Desenvolver

os

serviços

de

orientação

e

supervisão

técnico-pedagógica

junto

aos

estabelecimentos de ensino pré-escolar e de ensino fundamental e médio;

X - Garantir o ensino fundamental e obrigatório, inclusive para os que a ele não tiveram acesso na

idade própria;

XI - Proporcionar o ensino regular noturno, adequado às condições do educando;

XII - Organizar os serviços de merenda escolar, de material didático e outros destinados à assistência

ao educando;

XIII - Promover programas de educação para o trânsito, educação ambiental e sanitária, bem como programas de primeiros socorros;

Sexta-Feira

07

de outubro de 2005

9

• Ano I • Nº 43

Guaratinga

de outubro de 2005 9 • Ano I • Nº 43 Guaratinga XIV - Promover o

XIV - Promover o aperfeiçoamento e a atualização dos professores e demais profissionais de educação;

XV - Eexecutar outras competências correlatas.

Parágrafo único. A Secretaria Municipal de Educação tem a seguinte estrutura básica:

I - Órgãos Colegiados:

a) Conselho Municipal de Educação;

b) Conselho

Desenvolvimento do Ensino Fundamental e Valorização do Magistério;

Municipal

de

Acompanhamento

e

Controle

Social

do

c) Conselho Municipal de Alimentação Escolar – CAE;

d) Conselho Municipal de Bolsa Escola;

II - Órgãos da Administração Direta:

a) Departamento de Planejamento e Estatística;

b) Departamento de Alimentação Escolar;

c) Departamento de Projetos Especiais;

d) Departamento de Assuntos Pedagógicos:

- Divisão de Educação;

- Divisão de Ensino;

- Divisão de Supervisão;

- Divisão de Treinamento;

- Divisão de Planejamento.

e) Departamento de Administração Geral:

Divisão de Material e Patrimônio;

Divisão de Transporte.

f) Departamento de Esportes e Lazer;

g) Departamento de Cultura Eventos”

Fundo

de

Manutenção

e

CAPÍTULO VII SECRETARIA MUNICIPAL DE INFRAESTRUTURA

“Art. 40. A Secretaria Municipal de Infraestrutura tem por finalidade planejar, coordenar e executar a política de saneamento, infra-estrutura e urbanização, do município, a limpeza pública, iluminação pública e as atividades relacionadas com cemitérios e transportes, manutenção e conservação da malha rodoviária municipal, com a seguinte área de competência:

I - executar atividades concernentes à construção, à manutenção e

à conservação de obras públicas

municipais e instalações para a prestação de serviços à comunidade;

II - promover a elaboração de projetos de obras públicas municipais e os respectivos orçamentos, indicando os recursos financeiros necessários para o atendimento das respectivas despesas;

III - verificar a viabilidade técnica do projeto ou obra a ser executado, sua conveniência e utilidade para o interesse público, indicando os prazos para o início e a conclusão de cada empreendimento;

IV - promover a execução de trabalhos topográficos e de desenho indispensáveis às obras e aos

serviços a cargo da Secretaria;

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 10• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 10• Ano I • Nº 43 Guaratinga V - executar as

V - executar as atividades de análise e aprovação de projetos de obras públicas e particulares;

VI - fiscalizar o cumprimento das normas referentes às construções particulares;

VII - fiscalizar o cumprimento das normas referentes a zoneamento e loteamento;

VIII - promover e acompanhar a execução dos serviços relativos aos sistemas de

abastecimento de água e de esgotos;

IX - executar atividades relativas aos serviços de limpeza pública;

X - promover e acompanhar a execução dos serviços de iluminação pública, no seu âmbito de atuação,

em coordenação com os órgãos competentes do Estado, quando for o caso;

XI - executar os reparos necessários à manutenção dos parques e jardins;

XII - zelar pela administração dos cemitérios municipais e supervisionar a execução dos serviços

funerários;

XIII - realizar os serviços de fiscalização de posturas nas áreas sob sua responsabilidade;

XIV - fiscalizar e controlar os serviços públicos ou de utilidade pública concedidos ou permitidos pelo

Município;

XV - promover a administração, a regulamentação, a fiscalização e o controle dos transportes coletivos;

XVI - administrar os serviços de trânsito municipal no seu âmbito de atuação em coordenação com os

órgãos competentes do Estado;

XVII - promover a manutenção e conservação das estradas vicinais e das vias urbanas;

XVIII - promover a sinalização do trânsito nas vias urbanas;

XIX

- supervisionar as atividades desenvolvidas no terminal rodoviário;

XX

- conservar e manter a frota de máquinas e veículos da Prefeitura, bem como responsabilizar-se por

sua

guarda, distribuição e controle de combustível e de lubrificantes;

XXII

- executar outras competências correlatas.

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 11• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 11• Ano I • Nº 43 Guaratinga Parágrafo único - A

Parágrafo único - A Secretaria Municipal de Infraestrutura tem a seguinte estrutura básica:

I – Órgãos Colegiados:

a) Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano;

a) Conselho Municipal de Defesa Civil;

II - Órgãos da Administração Direta:

a) Departamento de Transportes

1. Divisão de Controle e Fiscalização de Trânsito;

2. Divisão Máquinas, Equipamentos, Estradas e Rodagens;

b) Departamento de Obras e Serviços Públicos

a. Divisão de Obras, Serviços Públicos e Manutenção;

b. Divisão de Limpeza Urbana e Iluminação Pública.

CAPÍTULO X SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA, INDÚSTRIA E COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO

“Art. 54. A Secretaria Municipal de Agricultura, Indústria e Comércio e Desenvolvimento agrário tem por finalidade planejar, coordenar e executar a política agrícola, desenvolver projetos na área de agricultura, indústria e comércio, com a seguinte área de competência:

I - promover a celebração de convênios entre o Município e organismos das esferas

privadas e públicas nos âmbitos federal e estadual, visando ao fortalecimento da economia agrícola, pecuária e pesqueira, em articulação com os demais órgãos da administração;

II - formalizar alternativas de política agrícola, pecuária e o desenvolvimento econômico, compatível com

a

realidade social, econômica, cultural e ambiental, tendo em vista subsidiar os organismos estaduais, regionais

e

federais do sistema de planejamento agrícola;

III - promover e incentivar programas de educação rural, através de aulas, palestras, manuais, cartilhas e demais elementos de repasse de métodos, processos técnicos e procedimentos alternativos;

IV - promover por todos os meios assistência ao pequeno produtor;

V - incentivar a criação e o desenvolvimento de fazendas experimentais e hortas

comunitárias;

VI - incentivar e orientar a formação de cooperativas e outras organizações voltadas

para as atividades agrícolas, pesqueiras, pecuárias e de desenvolvimento econômico;

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 12• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 12• Ano I • Nº 43 Guaratinga VII - promover e

VII - promover e coordenar atividades relacionadas com a produção, aquisição e distribuição de sementes e mudas em todo o município;

VIII - promover e coordenar atividades relacionadas com o abastecimento alimentar no município;

IX

- promover, coordenar, e fiscalizar as atividades inerentes a arborização e jardinagem no município,

em

articulação com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente;

X - promover programas de desenvolvimento econômicos;

XI - orientar e controlar a utilização de defensivos agrícolas, em articulação com órgãos de saúde

municipal, estadual e federal;

XII - promover medidas para prevenir e corrigir as alterações do meio ambiente natural, urbano e rural;

XIII - propor políticas e estratégias para o desenvolvimento das atividades industriais, comerciais e de

serviços do município;

XIV - incentivar e orientar a instalação e localização de industrias que utilizem os

insumos disponíveis do município, sem prejuízo do meio ambiente;

XV - promover a execução de programas de fomento às atividades industriais e

comerciais compatíveis com a vocação da economia local;

XVI - administrar e fiscalizar os funcionamentos dos mercados, feiras livres e

matadouros;

XVII - promover e executar a defesa sanitária animal e vegetal;

XVIII – promover e executar o controle e a inspeção de produtos de origem agropecuária;

XIX – executar a política agrária no Município, com vistas ao aperfeiçoamento do sistema fundiário e

elaborar, em benefício dos projetos de assentamento, um plano municipal específico, de forma integrada com o

Plano Nacional de Reforma Agrária;

XX - estimular a organização dos segmentos sociais em entidades cooperativas ou associativas, visando aumentar o seu acesso aos benefícios sócio-econômicos e a defesa dos seus interesses legítimos;

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 13• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 13• Ano I • Nº 43 Guaratinga XXI - promover e

XXI - promover e executar a política de desenvolvimento florestal e apoiar as ações de preservação e conservação de recursos naturais renováveis, no âmbito do Município; IV - executar projetos e ações voltados para o desenvolvimento dos produtores rurais da agricultura familiar e dos assentamentos em áreas de reforma agrária;

XXII - executar outras atividades correlatas

Parágrafo único. A Secretaria Municipal de Agricultura, Indústria e Comércio e Desenvolvimento Agrário tem a seguinte estrutura básica:

I - Órgãos da Administração Direta:

a) Departamento de Agricultura;

b) Departamento de Pecuária;

c) Departamento de Abastecimento;

d) Departamento de Desenvolvimento Agrário

1 - Divisão de Feiras e Mercados;

e) Departamento de Parques e Jardins”.

Art. 2° O Prefeito Municipal, no prazo de 15 (quinze) dias contados da publicação desta Lei, emitirá Decretos referentes ao regulamento do funcionamento e regimento interno de cada órgão e colegiado vinculados direta ou indiretamente à Administração Municipal.

Art. 3° Ficam revogados os artigos 38, 41 e 55, da Lei Municipal n° 478, de 04 de abril de 2005, e demais disposições em contrário.

Art. 4°Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Gabinete do Prefeito Municipal de Guaratinga – Bahia, 26 de setembro de 2005.

DELDI FERREIRA COSTA Prefeito Municipal

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 14• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 14• Ano I • Nº 43 Guaratinga ANEXO I TABELA DE

ANEXO I TABELA DE CARGOS DE PROVIMENTO EM COMISSÃO

ÓRGÃO

 

QU

SÍMBOLO

 

CARGO

ANT.

VENCIMENTO R$

 

Chefe de Gabinete

1

CC1

1.800,00

Assessor

1

CC5

850,00

Gabinete do Prefeito

Oficial de Gabinete

1

CC8

500,00

TOTAL

3

   
 

Chefe de Controle Interno

1

CC1

1.800,00

Chefia de Controle Interno

Assessor

1

CC5

850,00

Oficial de Gabinete

1

CC8

500,00

TOTAL

3

   
 

Procurador Geral

1

CC1

1.800,00

Procuradoria Geral do Município

Assessor Jurídico

2

CC3

1.200,00

Oficial de Gabinete

1

CC8

500,00

 

Defensor Público

1

CC3

1.200,00

TOTAL

5

   

Secretaria Municipal de Administração

Secretário Municipal de Administração

1

CC1

1.800,00

Assessor

2

CC4

1.000,00

 

Assessoria de Comunicação e Imprensa

1

CC3

1.200,00

Ouvidor Geral

1

CC5

850,00

Diretor do Depart. Controle Interno

1

CC4

1.000,00

Diretor de Depart. Convênios e Prest.Contas

1

CC3

1.200,00

Diretor Depart. Recursos Humanos

1

CC3

1.200,00

Diretor Depart. Informática e Estatística

1

CC4

1.000,00

Diretor Depart. Patrimônio

1

CC5

850,00

Administrador Regional

5

CC6

750,00

Chefe de Divisão

7

CC7

600,00

TOTAL

22

   

Secretaria Municipal de Finanças

Secretário Municipal de Finanças

1

CC1

1.800,00

Assessor

1

CC3

1.200,00

 

Diretor Departamento Tesouraria

1

CC3

1.200,00

Diretor Depart. Licitações e Contratos

1

CC3

1.200,00

Diretor Departamento Contabilidade

1

CC4

1.000,00

Diretor Departamento Tributação

1

CC4

1.000,00

Chefe de Divisão

3

CC7

600,00

TOTAL

9

   

Secretaria Municipal de Educação

Secretário Municipal de Educação

1

CC1

1.800,00

Assessor

2

CC4

1.000,00

 

Diretor de Departamento

5

CC6

750,00

Chefe de Divisão

7

CC7

600,00

Diretor Escolar – Grande Porte

4

CC5

850,00

Diretor Escolar – Médio Porte

6

CC6

750,00

Diretor Escolar – Pequeno Porte

5

CC8

500,00

Vice-Diretor Escolar – Grande Porte

4

CC7

600,00

Vice-Diretor Escolar – Médio Porte

6

CC7

600,00

Vice-Diretor Escolar – Pequeno Porte

5

CC10

400,00

Secretário Escolar – Grande Porte

4

CC7

600,00

Secretário Escolar – Médio Porte

6

CC8

500,00

 

Secretário Escolar – Pequeno Porte

5

CC10

400,00

Diretor de Núcleo

5

CC6

750,00

TOTAL

60

   

Secretaria Municipal do Meio Ambiente

Secretário Municipal do Meio Ambiente

1

CC1

1.800,00

Assessor

2

CC5

850,00

 

Diretor de Departamento

2

CC6

750,00

Chefe de Divisão

5

CC7

600,00

TOTAL

10

   

Secretaria Municipal de Saúde

Secretário Municipal de Saúde

1

CC1

1.800,00

Assessor Assuntos Téc. e Informática

1

CC2

1.500,00

 

Diretor Administrativo de Hospital

1

CC2

1.500,00

Diretor Clínico de Hospital

1

CC2

1.500,00

Chefe Divisão Atenção Básica

1

CC3

1.200,00

Chefe de Divisões Especiais

6

CC7

600,00

TOTAL

11

   

Secretaria Municipal de Ação Social

Secretário Municipal de Ação Social

1

CC1

1.800,00

Assessor

1

CC3

1.200,00

 

Diretor de Departamento

2

CC5

850,00

Diretor de Creche

6

CC7

600,00

Chefe de Divisão

6

CC8

500,00

TOTAL

16

   

Secretaria Municipal de Agricultura e Des. Agrário

Secretário Municipal de Agricultura

1

CC1

1.800,00

Assessor

1

CC5

850,00

 

Diretor de Departamento

4

CC6

750,00

Chefe de Divisão

2

CC8

500,00

TOTAL

8

   

Secretário Municipal de Infraestrutura

Secretário Municipal de Infraestrutura

1

CC1

1.800,00

Assessor

1

CC4

1.000,00

 

Diretor de Departamento

2

CC5

850,00

Chefe de Divisão

4

CC7

600,00

TOTAL

8

   

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 15• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 15• Ano I • Nº 43 Guaratinga LEI MUNICIPAL Nº 486,

LEI MUNICIPAL Nº 486, DE 28 DE SETEMBRO DE 2005.

Dispõe sobre o Estatuto do Magistério Público do Município de Guaratinga e dá outras providências.

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARATINGA, ESTADO DA BAHIA, no uso das suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou, e eu, sanciono e promulgo a seguinte lei:

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E PRINCÍPIOS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

Art. 1°Esta lei institui o Estatuto dos Servidores do Magistério Público do Município de Guaratinga-Ba, contendo os princípios e normas de direito público que lhes são peculiares.

Art. 2° São servidores do Magistério Público os profissionais da Educação que exerçam atividades de DOCÊNCIA e os que fornecem suporte pedagógico às atividades de ensino, relativo à DIREÇÃO OU ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR, PLANEJAMENTO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL.

CAPÍTULO II DOS PRECEITOS ÉTICOS DO MAGISTÉRIO

Art. 3°Constituem preceitos éticos e próprios do Magistério:

I – A gestão democrática da educação; II – O esforço em prol da educação integral do aluno que assegure a formação para o exercício da cidadania;

III – A preservação dos ideais e dos fins da educação brasileira;

IV – A participação nas atividades educacionais, pedagógicas, técnico-administrativas e científicas, tanto na unidade escolar, na unidade técnica da Secretaria Municipal de Educação, como na comunidade que serve;

V – Desenvolvimento do aluno, através de exemplo do espírito de solidariedade

humana, de justiça e de cooperação;

VI – A defesa dos direitos e da dignidade do Magistério;

VII – O exercício de práticas democráticas que possibilitem o preparo do cidadão para

a efetiva participação na vida da comunidade;

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 16• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 16• Ano I • Nº 43 Guaratinga VIII – O desenvolvimento

VIII – O desenvolvimento do conhecimento, das habilidades e da capacidade reflexiva

e crítica dos alunos;

IX – O cumprimento de seus deveres profissionais e funcionais, a exemplo da pontualidade e assiduidade, e a contribuição para a gestão democrática;

X – A valorização dos profissionais do ensino, assegurada através da formação

permanente e sistemática de todo o pessoal do quadro do Magistério, promovida pela Secretaria Municipal de Educação ou realizada por Universidades;

XI – Piso salarial profissional;

XII – Garantia de proteção da remuneração a qualquer título, contra os efeitos

inflacionários, inclusive com a correção monetária dos pagamentos em atraso;

XIII – Exercício do direito à livre negociação entre as partes;

XIV – Direito a manifestações públicas, quando os interesses da categoria forem ameaçados, sem penalidades por parte dos poderes públicos.

Parágrafo Único – É assegurado ao servidor afastar-se do seu cargo ou função, para exercer atividades sindicais, desde que seja feita uma eleição democrática na categoria e tenham sido escolhidos até dois representantes para exercer o mandato sindical, com prazo estabelecido no Estatuto da entidade, sem prejuízo de vencimentos, com garantia de todos os direitos previstos nesta Lei.

TÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO DO MAGISTÉRIO

CAPÍTULO III DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO

Art. 4° O Estatuto do Magistério, instituído pela presente Lei objetiva o aumento do padrão da qualidade de ensino, a valorização e profissionalização dos servidores do Magistério, mediante:

I – Ingresso exclusivamente através de Concurso Público de provas e títulos;

II

– Progressão baseada na titulação e desempenho;

III

– Piso salarial profissional que se constitua em remuneração condigna;

IV

– Vantagens financeiras em face do local de trabalho e clientela;

V

– Estimulo ao trabalho em sala de aula;

VI

Capacitação permanente e garantia de acesso a cursos de formação e

atualização.

VII

– Jornada de trabalho que incorpore os momentos diferenciados das atividades

docentes;

VIII

– Incentivo baseado no desempenho profissional;

IX – Aperfeiçoamento profissional continuado;

X – O gozo de férias remuneradas com pelo menos 1/3 (um terço) a mais do salário

normal, conforme consta em Lei.

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 17• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 17• Ano I • Nº 43 Guaratinga Art. 5° O Quadro

Art. 5° O Quadro de Pessoal do Magistério do Município de Guaratinga é constituído de cargos de provimento efetivo, organizados em carreira e cargos em comissão e funções de confiança, sendo estes últimos de livre nomeação e exoneração do Chefe do Poder Executivo Municipal.

TÍTULO III DAS DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS

CAPÍTULO IV DO INGRESSO

Art. 6° O ingresso na carreira do Magistério dar-se-á no cargo de Professor e é facultado a todos os brasileiros que preencham os requisitos legais, e será precedido de aprovação em Concurso Público de provas e títulos.

Parágrafo único Não se publicará edital para provimento de cargo enquanto vigorar

o

prazo de validade do concurso anterior para o cargo que ainda houver candidato aprovado

e

não convocado para exercer suas atividades no quadro do Magistério.

Art. 7° O Concurso Público terá validade de 02 (dois) anos, podendo ser prorrogado, uma única vez, por igual período.

Art. 8° São condições indispensáveis para o provimento de cargo da Rede Pública Municipal de Ensino de Guaratinga:

I – Existência de vaga, após a Segunda Chamada do último Concurso Público, para lotação dos suplentes aprovados; II – Previsão de lotação numérica específica para o cargo; III – Idade igual ou superior a 18 (dezoito) anos.

Art. 9° É assegurado às pessoas portadoras de necessidades especiais o direito a inscreverem-se no Concurso Público para provimento de cargo cuja atribuição seja compatível com a deficiência, reservado até 10% (dez por cento) das vagas oferecidas no certame seletivo.

Art. 10. Para o exercício do cargo de Professor é exigida a habilitação específica para atuação nos diferentes níveis e modalidades de ensino, obtida em nível médio ou em nível superior, em curso de licenciatura, de graduação plena e pós-graduação.

CAPÍTULO V DA NOMEAÇÃO

Art. 11. A nomeação para cargo do Magistério será feita:

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 18• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 18• Ano I • Nº 43 Guaratinga I – em caráter

I – em caráter efetivo, quando se tratar de cargo organizado em carreira; II – em caráter temporário, quando se tratar de cargo em comissão e funções de confiança, como Secretário com CET (Condições Especiais de Trabalho), Diretor e Vice-Diretor, Coordenador Pedagógico, Supervisor e Orientador Educacional, que são oriundos da carreira do Magistério.

§ 1° - A nomeação para cargos de provimento efetivo obedecerá rigorosamente à ordem de classificação obtida no concurso público de provas e títulos, podendo haver segunda chamada dos suplentes, na existência de vaga.

§ 2° - O servidor nomeado para cargo de provimento efetivo está sujeito ao estágio

probatório, pelo período de 03 (três) anos.

CAPÍTULO VI

DA POSSE

Art. 12. A posse é o ato solene de aceitação formal, pelo servidor do Magistério das atribuições relativas ao cargo, devendo ocorrer após a publicação de resultado do Concurso Público em qual fora aprovado, obedecidos os prazos e procedimentos previstos no ato de regulamentação do certame, com a obrigatória assinatura do respectivo termo de posse, onde deverão constar as atividades, os deveres, as responsabilidades e os direitos inerentes ao cargo ocupado, que não poderão ser alterados unilateralmente, por qualquer das partes, ressalvadas os atos de ofício previsto em Lei.

CAPÍTULO VII DO EXERCÍCIO

Art. 13. Exercício é o ato pelo qual o servidor do Magistério assume o efetivo desempenho das atribuições do seu cargo, mediante a apresentação de certificado fornecido por instituições regulamentadas e reconhecidas pelo MEC (Municipais, Estaduais, Federais, Particulares), inclusive solicitando mudança de função.

§ 1°- É de até 30 (trinta) dias corridos o prazo para o servidor do Magistério, entrar em

exercício, contados da data da posse;

§ 2° - Quando a posse se verificar nos períodos de férias ou recessos escolares, em

se tratando do professor, em função de docência, o exercício terá início na data fixada para o começo das atividades previstas no calendário letivo.

CAPÍTULO VIII DAS CONDIÇÕES E JORNADA DE TRABALHO

Art. 14. Serão observados os parâmetros abaixo para garantir as condições mínimas de distribuição dos alunos por classe e por série, de acordo com as determinações legais:

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 19• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 19• Ano I • Nº 43 Guaratinga I – De Educação

I – De Educação Infantil: até 20 (vinte) alunos;

II – De 1ª e 2ª séries: até 25 (vinte e cinco) alunos;

III – De 3ª e 4ª séries: até 30 (trinta) alunos;

IV – De 5ª à 8ª séries: até 35 (trinta e cinco) alunos;

V – De Classe Multisseriadas: até 30 (trinta) alunos.

Art. 15. Os Servidores que exerçam atividades de docência e de suporte pedagógico direto à docência, integrantes do quadro do Magistério Público Municipal submeter-se-ão a uma das seguintes Jornadas de Trabalho:

I – de Tempo Parcial, com 20 (vinte) horas semanais;

II – de Tempo Integral, com 40 (quarenta) horas semanais.

Art. 16. Na hipótese de carência de professor por qualquer motivo, em unidades de ensino, o professor cuja jornada normal de trabalho seja 20 (vinte) horas semanais, a título de regime diferenciado de trabalho, poderá exercer mais 20 (vinte) horas semanais, fincando-lhe assegurado à jornada de 40 (quarenta) horas semanais, e obedecendo aos seguintes critérios:

I – Ser efetivo;

II – Ter maior tempo de serviço na rede municipal;

III – Ter maior grau de titulação;

IV – Estar em efetiva regência;

V – Respeitar ordem cronológica de entrada do pedido do enquadramento de 20

(vinte) para 40 (quarenta) horas semanais;

VI – Ter comprovação de eficiência e eficácia em sala de aula.

Parágrafo único O vencimento e os salários dos docentes submetidos ao regime de 40 (quarenta) horas serão o dobro do valor, atribuído no mesmo cargo, em regime de 20 (vinte) horas, incidindo sobre os vencimentos ou salários de 40 (quarenta) horas.

Art. 17. Na hipótese de licenças e afastamentos em que seja necessário suprir eventuais carências do ensino, por período não superior a 12 (doze) meses, o Secretário Municipal de Educação atribuirá ao Professor, submetido à jornada de 20 (vinte) horas, um acréscimo de mais 20 (vinte) horas, a título de regime diferenciado de trabalho, de acordo com os critérios estabelecidos por esta Lei.

§ 1° - A carga horária efetivamente prestada e resultante da atribuição do regime diferenciado de trabalho, a que refere este artigo, será remunerada nos períodos de férias e recessos escolares, se o servidor as tiver exercido pelo menos 30 (trinta) dias contínuos ou não, a razão de 1/12 avos do valor percebido.

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 20• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 20• Ano I • Nº 43 Guaratinga § 2° - Cessado

§ 2° - Cessado os motivos que determinam a atribuição do regime diferenciado de

trabalho, o professor retorna automaticamente à sua jornada normal.

Art. 18. Os servidores, na função de Coordenação Pedagógica, Supervisão e Orientação Educacional cumprirão o regime de trabalho de 40 (quarenta) horas, em jornada de 08 (oito) horas diárias, durante 05 (cinco) dias da semana.

Art. 19. A jornada de trabalho de Professor compreende:

I – Hora/aula, que é o período de tempo em que desempenha as atividades de efetiva regência de classe;

II – Hora/atividade, que é o período de tempo em que desempenha as atividades complementares, extra-classe e outras programadas pela Secretaria Municipal de Educação.

§ 1° - Além do número normal de aulas em tempo parcial, ou seja, 20 (vinte) horas, a

que se obriga pelo exercício do cargo, o docente poderá ministrar aulas extraordinárias em razão das necessidades do ensino mediante o acréscimo da sua retribuição calculada pelo valor da hora/aula, respeitando o limite de 05 (cinco) horas/aulas no mesmo turno.

§ 2° - Num mesmo estabelecimento de ensino, não poderá o professor ministrar, por

dia, mais de 04 (quatro) horas/aulas consecutivas e nem menos de 02 (duas) horas/aulas.

Art. 20. O professor em função de docência de 5ª a 8ª séries do Ensino Fundamental, quando em efetiva regência de classe, terá 30 % (trinta por cento) de sua carga horária destinada à preparação de Atividades Complementares (AC) e extra-classe, o que corresponde a 06 (seis) horas/aula, ficando 02 (duas) dessas para serem cumpridas na unidade escolar.

Parágrafo único - O professor em função de docência que atua no ensino de Educação Infantil a 4ª série do Ensino Fundamental, será remunerado de acordo com a jornada a que se vincule, sendo-lhe garantindo, o pagamento de uma gratificação compensatória de 20 % (vinte por cento) pela execução das atividades complementares e extra-classe, fora de sua jornada normal de trabalho.

Art. 21. Quando o número mínimo de horas/aulas não puder ser cumprido apenas em uma unidade escolar, ou em apenas um turno, em razão da especificidade da disciplina, a jornada do professor será complementada em outro turno ou estabelecimento, conforme sua disponibilidade.

Art. 22. O professor será convocado para ministrar aulas sempre que houver necessidade de reposição ou complementação de carga horária anual, exigida por Lei, de 200 (duzentos) dias letivos.

CAPÍTULO IX DAS FALTAS AO TRABALHO

Art. 23. As faltas ao trabalho são caracterizadas por:

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 21• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 21• Ano I • Nº 43 Guaratinga I – dia letivo;

I – dia letivo;

II – hora/aula ou hora/atividade.

§ 1°- O servidor integrante da carreira do Magistério que faltar ao serviço perderá:

I – a remuneração do dia para os docentes de Educação Infantil a 4ª série, salvo se a

ausência for ocasionada por motivo legal, tendo sido comprovada por atestado médico,

atestado ou certificado de participação em seminários, congressos, assembléias, cursos de aperfeiçoamento na área de Educação;

II – 1/90 (um nonagésimo) da remuneração mensal por hora/aula ou hora/atividade não cumprida;

III – parcela da remuneração, proporcionalmente aos atrasos acima da tolerância, 10

(dez) minutos pela ausência e saídas antecipadas, quando não autorizadas pela chefia

imediata, conforme disposto em regulamento.

§ 2° - Para efeito deste artigo, aplica-se ao conceito hora/atividade às exercidas em

unidades de ensino ou em unidades técnicas da Secretaria Municipal de Educação.

CAPÍTULO X DO ESTÁGIO PROBATÓRIO

Art. 24. Estágio Probatório é o período inicial de 03 (três) anos, de efetivo exercício do servidor nomeado em virtude de concurso público, quando a sua aptidão e capacidade para permanecer no cargo serão objeto de avaliação obrigatória.

Art. 25. Durante o período de Estágio Probatório serão observados, do servidor integrante da carreira do Magistério, o cumprimento dos seguintes requisitos:

I – Preceitos éticos do Magistério, definidos no Art. 3°, desta Lei;

II – Idoneidade moral;

III – Disciplina;

IV – Eficiência;

V – Responsabilidade;

VI – Capacidade para o desempenho das atribuições do cargo;

VII – Produção pedagógica e científica; VIII – Freqüência e aproveitamento em cursos promovidos pela Secretaria Municipal

de Educação.

Art. 26. A conclusão do Estágio Probatório será reconhecida automaticamente, após três anos de efetivo exercício do servidor.

CAPÍTULO XI DA LOTAÇÃO E REMOÇÃO

Art. 27. Lotação é o ato pelo qual a Secretaria Municipal de Educação determina o local de trabalho do servidor integrante da carreira do Magistério, observando as disposições desta Lei.

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 22• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 22• Ano I • Nº 43 Guaratinga Art. 28. O servidor

Art. 28. O servidor integrante da carreira do Magistério será lotado:

I – em unidade escolar, o Professor, em função de docência; II – em unidade escolar, ou em unidade técnica da Secretaria Municipal de Educação, o servidor que fornece suporte administrativo e pedagógico.

Art. 29. A Lotação do professor em unidade escolar é condicionada à existência de vaga e sempre ocorrerá no início do ano letivo.

Art. 30. Independentemente da fixação prévia de vagas, a lotação do Professor poderá ser alterada nos casos de modificação da distribuição numérica, ao nível de unidade escolar, comprovados através da formalização de processo específico.

§ 1°– São passíveis de alteração de lotação os casos comprovados de:

I – Redução do número de alunos matriculados na unidade de ensino;

II – Diminuição de carga horária na disciplina ou área de estudo no local da unidade escolar;

III – Ampliação da carga horária semanal do professor, em função de docência.

§ 2° - Na hipótese de alteração da lotação prevista neste artigo, serão deslocados os

excedentes, assim considerados os de menor tempo de serviço na unidade de ensino.

Art. 31. Remoção é a movimentação do servidor, no âmbito do mesmo quadro, de um local de trabalho para outro, condicionada à existência de vaga, ainda que da mesma localidade (sede ou povoado).

Art. 32. A Remoção será processada:

I – A pedido do servidor:

b) Mediante critérios de prioridade,no caso do número de candidatos ser superior ao de vagas existentes;

c) Por permuta.

II – ex-ofício: quando, por necessidade de serviço, devidamente demonstrada, mediante justificativa e audiência do interessado, determinar a mudança de local de trabalho do servidor integrante da carreira do Magistério;

III – Por necessidade do Serviço Público Municipal.

Parágrafo único - Sempre que a Direção da Unidade Escolar solicitar a remoção do servidor do Magistério, este obrigatoriamente deverá, no prazo máximo de 02 (dois) dias úteis, ser comunicado por escrito e com os devidos motivos pelo Diretor, sob pena de nulidade do ato deferido.

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 23• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 23• Ano I • Nº 43 Guaratinga Art. 33. A Remoção

Art. 33. A Remoção de que trata a alínea “a” do inciso I, do Art. 31, será realizada anualmente, sempre anterior ao concurso público de ingresso, se houver.

Parágrafo único Para efeito de remoção, os candidatos serão escolhidos mediante os seguintes critérios de prioridade:

I – Motivo de saúde, comprovado por inspeção médica; II – Maior tempo de serviço no Magistério Público;

III – Maior tempo de serviço público prestado ao município;

IV – Proximidade da residência à unidade escolar pleiteada;

V – Ordem cronológica de entrada do pedido de remoção;

VI – Por motivo de melhoria na qualidade do Serviço Público Municipal.

Art. 34. A Remoção por permuta será realizada desde que os interessados ocupem atribuição de igual nível e habilitação e haja o deferimento da Secretaria Municipal de Educação.

Art. 35. A audiência do interessado, no processo de remoção ex-ofício, de que trata o inciso II, do Art. 31, poderá ser acompanhada por membros da Coordenação da APLB/Sindicato dos Trabalhadores em Educação e pela Comissão de Gestão do Plano de Carreira.

Art. 36. Serão considerados como cargos vagos, para efeito de remoção, as vagas criadas por afastamento do titular em decorrência de:

I – Aposentadoria;

II – Falecimento;

III – Exoneração;

IV – Demissão;

V – Recondução;

VI – Perda do cargo por decisão judicial.

Art. 37. A Remoção referida nesta Lei será processada no início do ano letivo, salvo em situações especificas definidas pela Secretaria Municipal de Educação.

CAPÍTULO XI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS, TRANSITÓRIAS E FINAIS

SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 38. Ao ocupante de cargo da Rede Municipal de Ensino são assegurados, nos termos da Constituição Federal, além do direito à livre associação sindical os seguintes direitos, dentre outros dela decorrentes:

I – Ser representado pelo Sindicato, inclusive como substituto processual;

II – Inemovibilidade do dirigente sindical, até 01 (um) ano após o final do mandato, exceto se a pedido;

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 24• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 24• Ano I • Nº 43 Guaratinga III – Descontar em

III – Descontar em folha e repassar automaticamente para a conta do Sindicato, sem ônus para a entidade, o valor das mensalidades e contribuições definidas em assembléia geral da categoria, a que for filiado, devidamente comprovado através da ficha de autorização.

Art. 39. É assegurado ao ocupante de cargo da Rede Municipal de Ensino o direito à licença para o desempenho de mandato em confederação, federação, associação de classe de âmbito nacional, estadual ou municipal, sindicato representativo da categoria a que pertence em função do cargo ocupado, sem prejuízo de sua remuneração e direito de até 02 (dois) diretores sindicais.

Parágrafo único A licença terá duração igual ao mandato, podendo ser prorrogada no caso de reeleição.

SEÇÃO II DAS DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 40. O presente Estatuto do Magistério Público Municipal será implantado de acordo com as normas estabelecidas nesta Lei, podendo o Chefe do Poder Executivo Municipal emitir decretos de regulamentação necessários à sua fiel execução e cumprimento.

Art. 41. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, ficando revogadas as Leis Municipais de números 365 e 358, de 1997 e demais disposições em contrário.

Gabinete do Prefeito Municipal de Guaratinga, 27 de Setembro de 2005.

Deldi Ferreira Costa

Prefeito Municipal

contrário. Gabinete do Prefeito Municipal de Guaratinga, 27 de Setembro de 2005. Deldi Ferreira Costa Prefeito

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 25• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 25• Ano I • Nº 43 Guaratinga LEI MUNICIPAL 487, DE

LEI MUNICIPAL 487, DE 28 DE SETEMBRO DE 2005.

Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração dos Servidores do Magistério Público do Município de Guaratinga e dá outras providências.

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE GUARATINGA, ESTADO DA BAHIA, no uso das suas atribuições legais, faz saber que a Câmara Municipal aprovou, e eu, sanciono e promulgo a seguinte lei:

TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E PRINCÍPIOS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

Art. 1° - Esta lei institui o Plano de Carreira e Remuneração dos Servidores do Magistério Público do Município de Guaratinga-Ba, nos termos da Lei Federal N° 9.424/96 que implantou o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e Valorização do Magistério.

Art. 2° - O Plano de Carreira e Remuneração, instituídos pela presente Lei objetiva o aumento do padrão da qualidade de ensino, a valorização e profissionalização dos servidores do Magistério, mediante:

I – Ingresso exclusivamente através de Concurso Público de provas e títulos;

II – Progressão horizontal e vertical baseada na titulação e desempenho;

III – Piso salarial profissional que se constitua em remuneração condigna;

IV – Vantagens financeiras em face do local de trabalho e clientela;

V – Estímulo ao trabalho em sala de aula;

VI – Capacitação permanente e garantia de acesso a cursos de formação e

atualização, inclusive com licenciamento periódico remunerado para este fim;

VII

– Jornada de trabalho que incorpore os momentos diferenciados das atividades

docentes;

VIII

– Incentivo baseado no desempenho profissional;

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 26• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 26• Ano I • Nº 43 Guaratinga IX – Aperfeiçoamento profissional

IX – Aperfeiçoamento profissional continuado;

X – O gozo de férias remuneradas com pelo menos 1/3 (um terço) a mais do salário normal, conforme consta em Lei.

Art. 3°- Para os efeitos desta Lei considera-se por:

I - REDE MUNICIPAL DE ENSINO, o conjunto de instituições e órgãos que realizam atividades de educação sob a coordenação da Secretaria Municipal de Educação; II – MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL- o conjunto de profissionais de educação, titulares de cargo de professor e pedagogo, do ensino Público Municipal;

III – GRUPO OCUPACIONAL: conjunto de cargos que integram o Magistério

identificado pela similaridade de área de conhecimento e de atuação;

IV – CATEGORIA FUNCIONAL: o agrupamento de cargos classificados segundo as

habilitações exigidas;

V – CARGO: o conjunto de atribuições específicas e vencimentos correspondentes,

para ser provido e exercido por um titular, na forma estabelecida nesta Lei;

VI – CARREIRA: o conjunto de cargos do provimento permanente organizado em

níveis e referências;

VII – NÍVEL: a gradação de um cargo, em linha ascendente em virtude de titulação

específica; VII – REFERÊNCIA: a posição distinta na faixa de vencimentos, dentro de cada nível, em função de desempenho; VIII – FAIXA DE VENCIMENTOS: o conjunto de valores (referências) definidos para cada nível e que compõem a matriz de vencimento do Magistério.

CAPÍTULO II

DOS CARGOS E PROVIMENTOS TEMPORÁRIOS

Art. 4° São servidores de carreira do Magistério Público os profissionais efetivos da Educação que exerçam atividades de docência, os aprovados em concurso público de provas e títulos para o cargo de pedagogo.

Art. 5° São de livre nomeação e exoneração do Chefe do Poder Executivo Municipal, os cargos caracterizados como função de confiança nas áreas de DIREÇÃO OU ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR, PLANEJAMENTO, SUPERVISÃO E ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL, de acordo o previsto na Lei Municipal n°478/2005, com a atribuição de desenvolver atividades pedagógicas de planejamento, supervisão, orientação educacional fornecer suporte pedagógico às atividades de ensino.

Art. 6° Na organização administrativa da unidade escolar, haverá os seguintes cargos com características de função de confiança:

I – Diretor; II – Vice-Diretor.

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 27• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 27• Ano I • Nº 43 Guaratinga Art. 7° Ao Diretor

Art. 7° Ao Diretor compete superintender as atividades escolares, desempenhando funções de natureza pedagógica e administrativa, promovendo a articulação escola-comunidade e demais atribuições definidas no Regimento Escolar.

Art. 8° Ao Vice-Diretor compete administrar o turno de sua responsabilidade, supervisionar a execução de projetos pedagógicos e dos serviços administrativos, substituindo o Diretor nas suas ausências e impedimentos e demais atribuições definidas no Regimento Escolar.

Art. 9° Para nomeação dos ocupantes dos cargos de Diretor e Vice-Diretor, o Chefe do Poder Executivo, deverá, quando possível, priorizar os servidores efetivos de carreira, com experiência mínima de 02 (dois) anos em sala de aula, ou Pedagogo com habilitação em Gestão Escolar ou Licenciatura Plena na área de educação.

Art. 10. Na organização administrativa da unidade escolar haverá também a função de confiança do Secretário Escolar de livre designação e dispensa, devendo a escolha recair sobre servidor municipal (agente administrativo).

Parágrafo único Ao Secretário Escolar compete à execução de atividades de organização, controle e atendimento na respectiva unidade de ensino, realização dos registros e documentação escolar em dia e demais atribuições definidas no Regimento Escolar.

Art. 11. Os cargos efetivos, comissionados e funções de confiança, instituídos por esta Lei são estruturados quanto à denominação, classificação, carga horária, turno de funcionamento e vencimentos, na forma constante dos Anexos I, II, III e IV.

CAPÍTULO III DAS CATEGORIAS FUNCIONAIS

Art. 12. Ao Professor compete a Regência de Classe, a participação na elaboração da proposta pedagógica do estabelecimento de ensino, a elaboração e o cumprimento do plano de trabalho, o zelo pela aprendizagem dos alunos e a elaboração nas atividades de articulação da escola com as famílias e comunidade, e demais atribuições definidas no Estatuto do Magistério Público Municipal e Regimento Escolar.

Art. 13. Os cargos da Rede Pública do Município de Guaratinga são acessíveis aos brasileiros natos ou naturalizados, que preencham os requisitos estabelecidos em Lei em que o ingresso na carreira dar-se-á por aprovação em Concurso Público de provas e títulos, para o cargo e nível em que o candidato concorreu, sempre na referência inicial, conforme especificado em Lei.

CAPÍTULO IV DA ESTRUTURA DA CARREIRA

Art. 14. Os cargos do Quadro de Pessoal Permanente da Rede Pública Municipal de Ensino do Município de Guaratinga serão distribuídos na carreira em níveis e referências.

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 28• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 28• Ano I • Nº 43 Guaratinga Art. 15. O Grupo

Art. 15. O Grupo Ocupacional do Magistério é composta por 04 (quatro) níveis designados pelos numerais arábicos 1, 2, 3 e 4 aos quais estão associados aos critérios de formação, habilitação e titulação, na forma abaixo:

I – Nível 1 – Professor com habilitação específica em nível médio, na Modalidade

Normal;

II – Nível 2 – Professor com habilitação específica de grau superior, obtido em curso de Licenciatura Plena, ou com formação superior em área correspondente e complementação nos temos da legislação vigente e Pedagogo com graduação plena em Pedagogia;

III – Nível 3 – Professor e ou Pedagogo com formação em nível de Pós Graduação;

em cursos na área de educação com duração mínima de 360 horas;

IV – Nível 4 – Professor e ou Pedagogo com formação em nível de Pós Graduação;

em cursos na área de educação com duração mínima de 360 horas e Pós-Graduação strictu-sensu ou Mestrado em área ou disciplina específica.

§ 1° - Os docentes concursados em 1997, para o Nível 2, e empossado como tal,

mesmo sem habilitação específica, serão enquadrados no mesmo nível, em cumprimento ao Direito Adquirido destes funcionários, na forma da Lei. § 2° - Os docentes com direito adquirido no Nível 2, citado no parágrafo anterior, sem

titulação no Curso Normal, antigo Magistério, deverão se habilitar na titulação, no prazo estipulado por Decreto Executivo.

§ 3° - A categoria funcional, cargo, descrição sumária e atribuições dos servidores

ocupantes do Nível 4 serão definidos em Decreto emitido pelo Poder Executivo, na forma da

Lei.

Art. 16. A diferença percentual entre os níveis em relação ao Nível 1 (um) é:

I – Nível 1: Piso

II – Nível 2: Piso mais 30 % (trinta por cento)

III – Nível 3: Piso mais 50 % (cinquenta por cento)

IV – Nível 4: Piso mais 75 % (setenta e cinco por cento)

§ A mudança de nível vigorará no exercício seguinte àquele em que o interessado apresentar, em conjunto com o requerimento, o comprovante de nova habilitação. § 2º O servidor da carreira do magistério não poderá ter promoção funcional por nível e por referência durante o estágio probatório.

Art. 17. Cada nível será subdividido em 5 (cinco) referências designadas pelas letras A, B, C, D e E.

Parágrafo único A diferença percentual será de 5 % (cinco por cento) cumulativo, para os Níveis 1 e 2, e de 10% (dez por cento) cumulativo para os Níveis 3 e 4, entre as referências, levando-se em consideração as seguintes condições e fatores:

I – Interstício mínimo de 03 (três) anos na classe em que se encontra;

II – Freqüência regular, assim considerada a inexistência da falta injustificada ao serviço.

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 29• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 29• Ano I • Nº 43 Guaratinga Art. 18. A promoção

Art. 18. A promoção funcional por referência dar-se-á mediante avaliação de desempenho realizada pela Comissão de Gestão do Plano de Carreira, levando-se em conta as seguintes condições e fatores:

I – Interstício mínimo de 03 (três) anos na classe em que se encontra;

II

– Freqüência regular, assim considerada a inexistência da falta injustificada ao

serviço.

III

– Aperfeiçoamento funcional, assim considerado a demonstração, pelo servidor da

capacidade para melhor desempenhar as atividades do cargo que ocupa, adquirida em

cursos regulares inerentes às atividades, bem como mediante estudos e trabalhos específicos.

IV – Dedicação exclusiva ao cargo no sistema de ensino.

V – O tempo de serviço na função docente.

Art. 19. Os servidores do Quadro de Pessoal Permanente da Rede Municipal de Ensino estão descritos e especificados nos Anexos I e IV da presente Lei.

CAPÍTULO V DO DESENVOLVIMENTO DA CARREIRA

Art. 20. O desenvolvimento na Carreira do Grupo Ocupacional criado na presente Lei ocorrerá mediante os procedimentos de:

I – Progressão Horizontal: Passagem do servidor de uma referência (classe) para outra imediatamente seguinte, dentro do mesmo nível com interstício mínimo de 05 (cinco) anos por tempo de serviço.

II – Progressão Vertical: Passagem do servidor de um nível para outro, conforme

exigência de nova habilitação ou titulação após conclusão de curso em sua área de atuação.

§ 1º O servidor que adquirir nova habilitação ou titulação passará para a grade de

vencimentos correspondente ao nível de nova habilitação ou titulação permanecendo na referência (classe) em que se encontra;

§ 2º Os cursos de Pós-Graduação latu-sensu e strictu-sensu de nova habilitação para

os fins previstos nesta Lei, realizados pelo ocupante de cargo do Grupo Ocupacional do

Magistério, somente serão considerados para fins de progressão, se ministrados por instituição autorizada ou reconhecida por órgãos competentes;

§ 3° A progressão por nova habilitação ou titulação ocorrerá a qualquer tempo e será efetivada automaticamente mediante requerimento do servidor com a apresentação de comprovante de nova habilitação;

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 30• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 30• Ano I • Nº 43 Guaratinga § 4º O professor

§ 4º O professor com acumulação de cargo previsto em Lei poderá usar a nova

habilitação ou titulação em ambos os casos, obedecidos aos critérios estabelecidos neste artigo;

§ 5º A percepção dos benefícios e vantagens pecuniários decorrentes da progressão

por nova habilitação ou titulação será devido na data da aprovação do seu requerimento.

CAPÍTULO VI DA QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

Art. 21. A Qualificação Profissional ocorrerá com base no levantamento prévio das necessidades e prioridades da instituição, visando:

I – Valorização do servidor do Magistério e melhoria da qualidade do ensino;

II – Formação ou complementação de formação de servidores, para a obtenção da habilidade necessária às atividades do cargo;

III – Aperfeiçoar e/ou complementar valores, conhecimentos e habilidades necessárias

ao cargo;

IV – Utilização de metodologias diversificadas, incluindo as que empregam recursos da educação à distância;

V – Incorporação de novos conhecimentos e habilidades decorrentes de inovações

científicas, tecnológicas ou alterações da legislação.

Art. 22. O processo de Qualificação Profissional ocorrerá por iniciativa do governo, através da Secretaria da Educação, mediante convênio, ou por iniciativa do próprio Servidor, cabendo ao Município atender prioritariamente:

I – Programa de Integração à Administração Pública: aplicado aos Servidores nomeados e integrantes do Quadro de Rede Pública Municipal de Ensino, para informar sobre a estrutura e organização da Administração Pública da Secretaria de Educação do Município, dos direitos e deveres definidos na Legislação Municipal e sobre o Plano Municipal de Educação e Plano Nacional de Educação;

II – Programa de Capacitação: aplicado ao Servidor do Magistério para incorporação

de novos conhecimentos e habilidades, decorrentes de inovações científicas e tecnológicas ou de alteração da legislação, normas e procedimentos específicos ao desempenho do seu cargo ou função;

III – Programa de Desenvolvimento: destinado à incorporação de conhecimento e habilidades técnicas inerentes ao cargo, através de cursos regulares oferecidos pela Instituição;

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 31• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 31• Ano I • Nº 43 Guaratinga IV – Programa de

IV – Programa de Aperfeiçoamento: aplicado aos Servidores com a finalidade de

incorporação de conhecimentos complementares, de natureza especializada, relacionados

ao exercício ou desempenho do cargo ou função, podendo constar de cursos regulares,

seminários, palestras, simpósios, congressos e outros eventos similares.

Art. 23. A licença para Qualificação Profissional consiste no afastamento do titular de cargo de carreira de suas funções, sem prejuízo do vencimento e vantagens, computado o tempo do afastamento para todos os fins de direito, devendo ter substituto enquanto perdurar o afastamento e será concedida:

I – Para a freqüência de cursos de atualização, em conformidade com a política educacional ou com o Plano de Desenvolvimento Estratégico;

II – Para a freqüência de cursos de graduação, aperfeiçoamento e especialização profissional, e estágio no país ou no exterior, se do interesse do ensino;

III – Participar de congressos e outras reuniões de natureza científica, cultural técnica

ou

sindical, inerentes às funções desempenhadas pelo profissional da educação.

Parágrafo único – Os Servidores da carreira do Magistério, terá direito ao afastamento

de

suas atribuições sem prejuízos de seus vencimentos e vantagens de caráter permanente,

a

que se refere o caput deste artigo, a critério da Comissão Permanente de

Acompanhamento (COPEA) e do Secretário Municipal de Educação e será regulamentado

por ato do Executivo Municipal.

Art. 24. Os Servidores beneficiados com o afastamento para aprimoramento profissional, quando reassumir o exercício do seu cargo, permanecerá prestando serviços ao Município pelo prazo não inferior a uma vez e meia o tempo do afastamento.

§ 1º - O município será ressarcido pelo servidor na hipótese dele pedir exoneração ou

ser demitido, abandonar o curso, ser reprovado em decorrência de faltas ou ser suspenso do curso em caráter definitivo, pelo valor correspondente ao que recebeu a titulo de

remuneração e bolsa de estudo, devidamente corrigido.

§ 2º - Será descontado do ressarcimento a que se refere o parágrafo anterior o valor

correspondente ao período em que o servidor exerceu as suas atribuições, após o curso de que participou.

CAPÍTULO IX DOS VENCIMENTOS E VANTAGENS

Art. 25. O Salário base dos docentes efetivos do Magistério Público Municipal é de R$ 400,00 (quatrocentos reais).

Parágrafo único – O salário inicial para os docentes que ingressarem na carreira do magistério a partir da vigência desta Lei será de R$ 350,00 (trezentos e cinqüenta reais), valor pago pelo Município, enquanto durar o período de estágio probatório.

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 32• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 32• Ano I • Nº 43 Guaratinga Art. 26. Os valores

Art. 26. Os valores dos vencimentos dos integrantes da carreira do Magistério Público

serão fixados segundo os níveis e referências (classe) a que pertençam e de acordo com o regime de trabalho a que estiverem submetidos, com base de cálculo nos 60 % (sessenta por cento) do FUNDEF e nunca inferior ou igual ao mínimo estabelecido pelo Governo Federal.

.

§

1°- Os valores dos vencimentos são fixados no Anexo IV desta Lei;

§

2° - Os vencimentos dos servidores do Magistério serão reajustados, na forma da

Lei, nas mesmas datas dos demais servidores do Município.

Art. 27. O servidor integrante da Carreira do Magistério enquanto estiver no exercício de regime diferenciado de trabalho fará jus dos vencimentos correspondentes do regime de 40 (quarenta) horas, para todos os efeitos legais.

Art. 28. Os servidores do Magistério Público Municipal, além dos vencimentos e demais vantagens conferidas em Lei dos servidores em geral, previstas em Lei específica, inclusive alteração, farão jus às seguintes vantagens:

I – Gratificação por Regência de Classe como incentivo à permanência em sala de

aula;

II – Gratificação de Atividades Complementares;

III – Gratificação por Deslocamento ou área de difícil acesso;

IV – Gratificação de estímulo ao Aperfeiçoamento Profissional;

V – Gratificação de Diretor, Vice-diretor e Secretário Escolar;

VI – Gratificação a título de Qüinqüênio;

VII – Licença como Prêmio à assiduidade de 03 (três) meses por cada 05 (cinco) anos de exercício ininterrupto.

§ 1° - As gratificações de que trata este artigo serão incorporadas aos vencimentos e

não servirão de base para cálculo de outras vantagens.

§ 2° - É permitida a percepção cumulativa dos percentuais previstos neste artigo,

desde que decorrentes de cursos diferenciados e limitado ao percentual máximo de 50% (cinqüenta por cento).

Art. 29. Ao professor que possuir habilitação específica na área de educação especial com a carga horária de 360 horas e trabalhar com inclusão, é devida a gratificação de 20% (vinte por cento) do valor do vencimento básico enquanto no exercício da atividade especializada.

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 33• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 33• Ano I • Nº 43 Guaratinga Art. 30. Ao Professor

Art. 30. Ao Professor em regência de classe de Educação Infantil a 4ª série do Ensino Fundamental é devida à gratificação a que se refere o Art. 17, para compensar a execução de atividades pedagógicas e extra-classe, correspondente a 20 % (vinte por cento) do vencimento.

Art. 31. Ao professor em efetiva Regência de Classe e dedicação exclusiva é devida à gratificação no percentual de 20 % (vinte por cento) sobre o vencimento básico da carreira.

Art. 32.

A gratificação por Deslocamento ou área de difícil acesso, é devida no

percentual de 20% (vinte por cento) do valor do vencimento, ao Professor.

Parágrafo único - A classificação das Unidades escolares de difícil acesso ou provimento será fixada anualmente por proposição da Comissão de Gestão do Plano.

Art. 33. O professor fará jus à Gratificação de Estímulo ao aperfeiçoamento profissional por conclusão de curso de atualização, aperfeiçoamento ou pós-graduação, que incidirá sobre o vencimento, nos seguintes percentuais:

I – 5 % (cinco por cento) para cursos com duração mínima de 20 horas;

II

– 10 % (dez por cento) para cursos com duração mínima de 40 horas;

II

– 15 % (quinze por cento) para cursos com duração mínima de 80 horas;

III

– 20 % (vinte por cento) para cursos com duração mínima de 120 horas;

IV

– 25 % (vinte e cinco por cento) para cursos com duração mínima de 360 horas.

§ 1° - A percepção da Gratificação pelo servidor a que se refere este artigo, fará jus enquanto perdurar o curso;

§ 2° - É permitida a percepção cumulativa dos percentuais previstos neste artigo, desde que decorrentes de cursos diferenciados e limitado ao percentual máximo de 50 % (cinqüenta por cento).

Art. 34. Os ocupantes do cargo de Direção de Unidade de Ensino e Secretário Escolar estão estruturados na organização administrativa de Unidade de Ensino, obedecendo a seguinte escala:

I – Núcleo de Escolas Rurais conjuntas ou isoladas que funcione em dois ou três

turnos, com mais de 500 (quinhentos) alunos, contará com um Diretor de Núcleo e um

Secretário Escolar;

II – Unidade Escolar de porte especial que possua mais de 15 salas de aula contará com um Diretor, três Vice-Diretores e um Secretário Escolar;

III – Unidade de grande porte que possua de 10 a 14 salas de aulas, contará com um

Diretor, dois Vice-Diretores e um Secretário Escolar;

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 34• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 34• Ano I • Nº 43 Guaratinga IV – Unidade de

IV – Unidade de médio porte que possua no mínimo 07 e no máximo 10 salas de aula

contará com um Diretor, um Vice-Diretor e um Secretário Escolar;

V – Unidade de pequeno porte que possua no mínimo 04 e no máximo 06 salas de aula contará com um Diretor e um Secretário Escolar.

Parágrafo único – A Secretaria Municipal de Educação definirá através de portaria as escolas que se enquadram no que estabelecem este artigo, bem como a definição daquelas que comportarão um Diretor e Vice-diretor.

Art. 35. Ao Secretário Escolar, sem prejuízo de vencimento e vantagens a que faz jus perceberá gratificação referente a Unidade de Ensino que estiver lotado.

Art. 36. Aposentado, o servidor terá fixado seus proventos na forma da Legislação Federal em vigor, com base exclusivamente no valor integral do vencimento mais vantagens que venham percebendo por período igual ou superior a 05 (cinco) anos continuo ou interrompido.

CAPÍTULO XI DAS DISPOSIÇÕES GERAIS, TRANSITÓRIAS E FINAIS

SEÇÃO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 37. Fica criada a Comissão de Gestão do Plano de Carreira, composta de 03 (três) membros designados pela Secretaria Municipal de Educação, de 03 (três) representantes do Legislativo Municipal e 03 (três) membros representantes dos Servidores da Educação indicados pela APLB/Sindicato, com o objetivo de:

I – Acompanhar de forma permanente a aplicação deste Estatuto e Plano de Carreira

e Remuneração dos Servidores do Magistério Público; II – Emitir parecer sobre as concessões das gratificações de que trata esta Lei; III – Apreciar os requerimentos de pedidos de remoção, de jornada de trabalho, etc;

IV – Exercer as competências que lhe forem delegadas em regulamento;

V – Acompanhar o processo de enquadramento no novo Estatuto do Magistério e

Plano de Carreira.

Art. 38. Os Servidores que se encontrem, à época de implantação do Novo Estatuto e Plano, em licença para trato de interesse particular, serão enquadrados por ocasião da reassunção, desde que atendam aos requisitos.

Art. 39. Fica o Chefe do Poder Executivo obrigado a conceder ABONO ESPECIAL, ao final de cada exercício financeiro, aos Profissionais de Educação, de que trata esta Lei que esteja em efetivo exercício no Ensino Fundamental Público, sempre que o dispêndio com vencimento, gratificações e encargos sociais, não atingirem a aplicação mínima obrigatória de 60% (sessenta por cento) dos recursos destinados ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização de Magistério (FUNDEF), preconizado na Emenda Constitucional N°14 de 12/09/96.

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 35• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 35• Ano I • Nº 43 Guaratinga § 1º A distribuição

§ 1º A distribuição eqüitativa do saldo complementar, será proporcional à remuneração

de cada profissional, em relação ao montante dos dispêndios com os mesmos, no mês de

referência.

§ 2° O pagamento das vantagens e gratificações previstas nesta Lei fica condicionado à existência de recursos e receitas efetivadas no exercício financeiro de cada mês, desde que não ultrapasse o limite de 60% (sessenta por cento) dos valores transferidos ao FUNDEF.

SEÇÃO II DAS DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS

SUBSEÇÃO I DO ENQUADRAMENTO

Art. 40. O Enquadramento dos Servidores do Quadro do Pessoal Permanente da Rede Pública de Ensino, dar-se-á conforme critérios de habilitação e de tempo de efetivo exercício no serviço, em Níveis e Referências vencimentos iguais ou superiores aos que já ocupam no momento da implantação do Estatuto do Magistério e Plano de Carreira, garantida a continuidade da contagem dos interstícios de acordo com o tempo de serviço, observando-se ainda, a jornada de trabalho:

I – Ficam enquadrados no Nível 1 de vencimento, os atuais ocupantes do Cargo de Professor Nível 1, portadores de Ensino Médio na Modalidade Normal;

II – Ficam enquadrados no Nível 2 de vencimento, os atuais ocupantes do Cargo de Professor Nível 2, portadores de Ensino Médio na Modalidade Normal, acrescido de Estudos Adicionais, professor com habilitação específica de grau superior obtido em curso de Licenciatura Plena ou com formação superior em área correspondente e complementação nos termos da legislação vigente e Pedagogo com graduação plena em Pedagogia;

III – Ficam enquadrados no Nível 3 de vencimento, os atuais ocupantes do Cargo de Professor e ou Pedagogo com formação em nível de pós-graduação, em cursos na área de educação com duração mínima de 360 horas.

§ 1° – Os docentes concursados em 1997 e empossados no Nível 2, mesmo sem habilitação específica, ficam enquadrados naquele nível, em cumprimento ao Direito Adquirido dos servidores, na forma da Lei.

§ 2° – A correlação de cargos a que se refere este Artigo consta no Anexo IV desta

Lei.

Art. 41. O Servidor que, ao ser enquadrado, sentir-se prejudicado, poderá requerer avaliação junto à Comissão de Gestão do Plano de Carreira, para Enquadramento no Quadro do Pessoal da Rede Pública Municipal de Ensino dentro de um prazo de 60 (sessenta) dias da publicação daquele ato.

Art. 42. A Secretaria Municipal de Educação deverá oferecer curso de capacitação a fim de que os Professores de Nível 1 complementem a graduação em Licenciatura Plena, dentro da possibilidade dos recursos financeiros, obedecendo a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 36• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 36• Ano I • Nº 43 Guaratinga Art. 43. As despesas

Art. 43. As despesas decorrentes da aplicação desta Lei correrão à conta de dotações orçamentárias próprias dos Recursos previstos na Lei 9.424/96.

Art. 44. Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, ficando revogadas as disposições em

Gabinete do Prefeito Municipal de Guaratinga.

Deldi Ferreira Costa

Prefeito Municipal

ANEXO I

PROVIMENTO EFETIVO

27 de Setembro de 2005.

DENOMINAÇÃO DO CARGO

NÍVEL

CARGA HORÁRIA

Professor Municipal

1

20

Professor Municipal

2

20

Professor Municipal

3

20

Professor Municipal

4

20

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 37• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 37• Ano I • Nº 43 Guaratinga ANEXO II PROVIMENTO ELETIVO

ANEXO II

PROVIMENTO ELETIVO

DENOMINAÇÃO DO CARGO

CARGA

N°DE SALA DA UNIDADE ESCOLAR

N°DE

 

HORÁRIA

REPRESEN

PERÍODO

   

TANTE

Diretor

40

h.

De 04 a 06 salas de aula

01

Diurno/Noturno

Diretor I

40

h.

De 07 a 10 salas de aula

01

Diurno/Noturno

Vice-diretor I

20

h.

De 07 a 10 salas de aula

01

Diurno/Noturno

Diretor II

40

h.

De 10 a 15 salas de aula

01

Diurno/Noturno

Vice-diretor II

20

h.

De 10 a 14 salas de aula

02

Diurno/Noturno

Diretor III

40

h.

Mais de 15 salas de aula

01

Diurno/Noturno

Vice-diretor III

20

h.

Mais de 15 salas de aula

03

Diurno/Noturno

ANEXO III

PROVIMENTO EM COMISSÃO

DENOMIINAÇÃO DO CARGO

CARGA

NÍVEL

TURNO

HORÁRIA

Coordenador Pedagógico

40

h.

2, 3

Diurno

Orientador Educacional

40

h.

2, 3

Diurno

Secretário Escolar

40

h.

Médio

Diurno

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 38• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 38• Ano I • Nº 43 Guaratinga ANEXO IV TABELA DE

ANEXO IV

TABELA DE VENCIMENTOS

CARGO EFETIVO – JORNADA DE 20 HORAS SEMANAIS

   

Referências – Avanços Horizontais

 

Salário

         

Nível

 

Formação

Base R$

0-02

A

03-05

B

06-08

C

09-11

D

12-15

E

16-18

 

anos

anos

anos

anos

anos

anos

 

Ensino

Médio

na

           

1

Modalidade Normal

400,00

5%

5%

5%

5%

5%

 

Habilitação

específica

           

2

obtida

em

curso

de

30%

5%

5%

5%

5%

5%

licenciatura Graduação Plena.

de

 

Pós-graducação latu-sensu em área ou

           

3

disciplina específica,

50%

10%

10%

10%

10%

10%

com

Carga

Horária

de

360h.

 

Pós-Graduação

           

4

strictu-sensu

ou

75%

10%

10%

10%

10%

10%

Mestrado

em

área

ou

 

disciplina específica.

           

*Os docentes com Direito Adquirido no Nível II, sem titulação no Magistério deverão, no prazo estipulado por Decreto Executivo, se habilitarem na titulação.

ANEXO V

DESCRIÇÃO DE ATRIBUIÇÃO DOS CARGOS

Grupo Ocupacional: Magistério

 

CATEGORIA FUNCIONAL

   

CARGO

Professor Municipal

 

Professor

Nível

1

-

Professor com habilitação

Docência

na

Educação

Infantil

e

especifica

 

de

Nível

Médio

na

séries

iniciais

do

Ensino

Modalidade Normal.

 

Fundamental.

 

Descrição Sumária: Executar as atividades de Regência de Classe, planejamento escolar, participação em elaboração da proposta pedagógica da Unidade Escolar, estabelecimento de estratégias de recuperação para os alunos de menos rendimento e colaboração na articulação da escola com a família e a comunidade.

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 39• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 39• Ano I • Nº 43 Guaratinga Atribuições: • Participar e

Atribuições:

Participar e desenvolver a proposta pedagógica da Unidade de Ensino;

Elaborar e cumprir plano de trabalho segundo a proposta pedagógica da escola;

Zelar pela aprendizagem dos alunos;

Estabelecer e implementar estratégias de recuperação para os alunos de menor rendimento;

Ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos;

Participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional;

Colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade;

Desincumbir-se das demais tarefas indispensáveis ao atingimento dos fins educacionais da escola e ao processo de ensino-aprendizagem.

Pré-requisitos:

Habilitação especifica de Nível Médio na Modalidade Normal;

Registro no órgão competente, quando exigido por Lei;

Aprovação em concurso público de provas e títulos.

CATEGORIA FUNCIONAL

CARGO

Professor Municipal

Professor

Nível 2 –*Direito Adquirido

Docência na Educação Infantil e

(Concursados/1997)

Ensino Médio mais Estudos Adicionais, professor com habilitação específica em grau superior, Licenciatura Plena ou com formação superior em área correspondente e complementação nos termos da legislação vigente e Pedagogo.

séries iniciais e finais do Ensino Fundamental.

Descrição Sumária: Executar as atividades de Regência de Classe, planejamento escolar, participação em elaboração da proposta pedagógica da Unidade Escolar, estabelecimento de estratégias de recuperação para os alunos de menos rendimento e colaboração na articulação da escola com a família e a comunidade.

Atribuições:

Participar e desenvolver a proposta pedagógica da Unidade de Ensino;

Elaborar e cumprir plano de trabalho segundo a proposta pedagógica da escola;

Zelar pela aprendizagem dos alunos;

Estabelecer e implementar estratégias de recuperação para os alunos de menor rendimento;

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 40• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 40• Ano I • Nº 43 Guaratinga • Ministrar os dias

Ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos;

Participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional;

Colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade;

Desincumbir-se das demais tarefas indispensáveis ao atingimento dos fins educacionais da escola e ao processo de ensino-aprendizagem.

Pré-requisitos:

Habilitação especifica de Nível Médio na Modalidade Normal, mais Estudos Adicionais de 360h. somatórias em cursos específicos e Curso de Nível Superior com no mínimo 04 (quatro) semestres concluídos em graduação específica;

Registro no órgão competente, quando exigido por Lei;

Aprovação em concurso público de provas e títulos.

CATEGORIA FUNCIONAL

CARGO

Professor Municipal

Professor

Nível 3 – Professor e ou Pedagogo com formação e nível de Pós-graduação em cursos na área de educação com duração mínima de 360h.

Docência na Educação Infantil e séries iniciais e finais do Ensino Fundamental, Coordenador Pedagógico, Orientador Educacional.

Descrição Sumária: Executar as atividades de Regência de Classe, planejamento escolar, participação em elaboração da proposta pedagógica da Unidade Escolar, estabelecimento de estratégias de recuperação para os alunos de menos rendimento e colaboração na articulação da escola com a família e a comunidade. Organizar, coordenar, dirigir e supervisionar as atividades e/ou ações administrativas desenvolvidas no âmbito escolar.

Atribuições:

Participar e desenvolver a proposta pedagógica da Unidade de Ensino;

Elaborar e cumprir plano de trabalho segundo a proposta pedagógica da escola;

Zelar pela aprendizagem dos alunos;

Estabelecer e implementar estratégias de recuperação para os alunos de menor rendimento;

Ministrar os dias letivos e horas-aula estabelecidos;

Participar integralmente dos períodos dedicados ao planejamento, à avaliação e ao desenvolvimento profissional;

Colaborar com as atividades de articulação da escola com as famílias e a comunidade;

Desincumbir-se das demais tarefas indispensáveis ao atingimento dos fins educacionais da escola e ao processo de ensino-aprendizagem.

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 41• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 41• Ano I • Nº 43 Guaratinga Pré-requisitos: • Formação em

Pré-requisitos:

Formação em Curso Superior de Graduação, de Licenciatura Plena;

Registro no órgão competente, quando exigido por Lei;

Aprovação em concurso público de provas e títulos

Coordenar a elaboração e a execução da proposta pedagógica da Unidade de Ensino;

Participar da administração do pessoal e dos recursos materiais e financeiros da escola, tendo em vista o atingimento de seus objetivos pedagógicos;

Assegurar o cumprimento dos dias letivos e horas-aula estabelecidos;

Zelar pelo cumprimento do plano de trabalho de cada docente;

Promover meios para recuperação dos alunos de menor rendimento;

Promover a articulação com as famílias e a comunidade, criando processos de integração da sociedade com a escola;

Informar aos pais ou responsáveis sobre a freqüência e o rendimento dos alunos, bem como sobre a execução da proposta pedagógica da escola;

Coordenar, no âmbito da escola, as atividades de planejamento, a avaliação e o desenvolvimento profissional;

Acompanhar o processo de desenvolvimento dos estudantes, em colaboração com os docentes e as famílias;

Elaborar estudos, levantamentos qualitativos indispensáveis para o desenvolvimento do sistema ou rede de ensino ou da escola;

Elaborar, acompanhar e avaliar os planos, programas e projetos voltados para o desenvolvimento do sistema e/ou rede de ensino e da escola, em relação a aspectos pedagógicos, administrativos, financeiros, de pessoal e de recursos materiais;

Acompanhar e supervisionar o funcionamento das escolas, zelando pelo cumprimento da legislação e normas educacionais e pela Referência de qualidade de ensino;

Planejar, controlar, avaliar e executar o plano de orientação educacional da rede escolar;

Participar de reuniões do conselho de classe, bem como executar outras atribuições correlatas.

Garantir a participação, o diálogo e a cooperação entre educadores, educandos e a comunidade em geral, visando à construção de uma sociedade livre, democrática, solidária, próspera e justa;

Garantir que a escola cumpra os compromissos com os princípios e fins da educação brasileira, através do seu desempenho profissional;

Empenhar-se em prol do desenvolvimento integral do aluno, quanto a valores, atitudes, comportamentos, hábitos e conhecimentos universais, utilizando processos que acompanhem o progresso cientifico e social;

Assegurar ao aluno a sua participação no processo educativo e comprometer-se com a eficiência dos instrumentos essenciais para o aprendizado da leitura, escrita, expressão oral, cálculo e solução de problemas;

Promover o desenvolvimento do senso crítico e da consciência política do educando, bem como prepará-lo para o exercício consciente da cidadania e para o trabalho;

Assegurar a efetivação dos direitos pertinentes à criança e ao adolescente, nos termos do Estatuto da Criança e do Adolescente, comunicando às autoridades competentes os casos de que tenha conhecimento, envolvendo suspeita ou confirmação de maus tratos

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 42• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 42• Ano I • Nº 43 Guaratinga • Valorizar os procedimentos

Valorizar os procedimentos didáticos e instrumentos de avaliação do processo de ensino aprendizagem e estimular a utilização de materiais apropriados ao ensino de acordo com o Projeto Pedagógico da Escola;

Dar cumprimento às deliberações do Colegiado Escolar;

Elaborar juntamente com a Comunidade Escolar e em articulação com o Colegiado, o Plano Escolar Anual;

Zelar junto com o Colegiado Escolar, pelo patrimônio público, estabelecendo sistema de manutenção e conservação das instalações e equipamentos do estabelecimento de ensino;

Proteger o trabalho realizado no interior da Unidade Escolar, objetivando a segurança indispensável aos integrantes daquela comunidade;

Assinar juntamente com o Secretario Escolar, todos os documentos de ordem administrativa que digam respeito às atividades da Escola;

Aprovar escala de férias do pessoal técnico-administrativo;

Apurar ou mandar apurar irregularidades de que venha a tomar conhecimento, no âmbito administrativo e pedagógico;

Distribuir o horário dos professores de acordo com as necessidades do estabelecimento e atendendo, quando possível, a disponibilidade dos mesmos;

Promover o bom relacionamento entre os servidores e alunos que constituem a comunidade escolar;

Favorecer a integração da Escola com a comunidade, através da mútua cooperação na realização das atividades de caráter cívico, social e intelectual;

Determinar a aplicação de penalidades disciplinares, conforme as disposições legais, regulamentares e/ou regimentais;

Autorizar a matrícula e transferência de aluno;

Coordenar, juntamente com o corpo técnico pedagógico da rede de ensino, as ações pertinentes à avaliação do currículo, bem como o acompanhamento, avaliação, controle e regularidade de aprovação, repetência e evasão escolares;

Exercer outras atividades inerentes ou correlatas, necessárias ao pleno desempenho das funções de Diretor e Vice-diretor de Unidade Escolar.

inerentes ou correlatas, necessárias ao pleno desempenho das funções de Diretor e Vice-diretor de Unidade Escolar.

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 43• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 43• Ano I • Nº 43 Guaratinga CERTIFICAÇÃO DIGITAL: 7DD2E63D -

07 de outubro de 2005 43• Ano I • Nº 43 Guaratinga CERTIFICAÇÃO DIGITAL: 7DD2E63D -
07 de outubro de 2005 43• Ano I • Nº 43 Guaratinga CERTIFICAÇÃO DIGITAL: 7DD2E63D -
07 de outubro de 2005 43• Ano I • Nº 43 Guaratinga CERTIFICAÇÃO DIGITAL: 7DD2E63D -

CERTIFICAÇÃO DIGITAL: 7DD2E63D - 46075C42 - D9E98A0A - CBD0F669

Sexta-Feira 07 de outubro de 2005 44• Ano I • Nº 43

Guaratinga

07 de outubro de 2005 44• Ano I • Nº 43 Guaratinga CERTIFICAÇÃO DIGITAL: 7DD2E63D -

07 de outubro de 2005 44• Ano I • Nº 43 Guaratinga CERTIFICAÇÃO DIGITAL: 7DD2E63D -
07 de outubro de 2005 44• Ano I • Nº 43 Guaratinga CERTIFICAÇÃO DIGITAL: 7DD2E63D -
07 de outubro de 2005 44• Ano I • Nº 43 Guaratinga CERTIFICAÇÃO DIGITAL: 7DD2E63D -

CERTIFICAÇÃO DIGITAL: 7DD2E63D - 46075C42 - D9E98A0A - CBD0F669