CÁLCULO: VOLUME II

MAURICIO A. VILCHES - MARIA LUIZA CORRÊA
Departamento de Análise - IME
UERJ
2
Copyright by Mauricio A. Vilches
Todos os direitos reservados
Proibida a reprodução parcial ou total
3
PREFÁCIO
"Por favor, poderia me dizer que caminho devo seguir agora?
Isso depende bastante de até onde você quer chegar."
Lewis Carrol - Alice no País das Maravilhas
Esta notas são a continuação natural do livro CÁLCULO: VOLUME I, que é pré-requisito para
este livro. Da mesma forma que o Cálculo Diferencial e Integral de uma variável, os conceitos
centrais do Cálculo Diferencial e Integral de várias variáveis são relativamente profundos e
não se espera que possam ser assimilados de uma só vez. Neste nível, o importante é que o
leitor desenvolva a habilidade de calcular e adquira a compreensão geométrica dos problemas.
Esperamos que o livro permita ao leitor um acesso rápido e agradável ao Cálculo Diferencial e
Integral de uma variável.
Não podemos deixar de recomendar aos alunos a utilização, criteriosa, dos softwares de Cál-
culo existente no mercado, pois eles são um complemento útil ao aprendizado da disciplina.
Desejamos agradecer aos nossos colegas do Departamento de Análise e do IME-UERJ que, de
algum modo, nos motivaram e deram condições para escrever estas notas e à Sra. Sonia Maria
Alves pela digitação. Certamente, todos os erros são exclusivamente de responsabilidade dos
autores.
Mauricio A. Vilches - Maria Luiza Corrêa
Rio de Janeiro
4
Conteúdo
1 GEOMETRIA ANALÍTICA 9
1.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.2 Espaços Euclidianos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.2.1 O Espaço Euclidiano Tridimensional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.3 Sistema de Coordenadas Ortogonais no Espaço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.4 Produto Escalar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.5 Norma Euclidiana de um Vetor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
1.5.1 Ângulos Diretores e Co-senos Diretores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.5.2 Trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.6 Produto Vetorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.6.1 Torque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.7 Distância emR
3
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.8 Retas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
1.8.1 Paralelismo e Perpendicularismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
1.8.2 Forma Simétrica da Equação da Reta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.8.3 Distância de um Ponto a uma Reta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
1.9 Planos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.9.1 Ângulo entre Planos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
1.9.2 Paralelismo e Perpendicularismo entre Planos . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1.9.3 Distância de um Ponto a um Plano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.10 Generalizações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.10.1 Produto escalar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.11 Superfícies . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.12 Superfícies Quádricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
1.12.1 Elipsóide . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
1.12.2 Hiperbolóide de uma folha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
1.12.3 Hiperbolóide de duas folhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.12.4 Parabolóide elítico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
1.12.5 Parabolóide hiperbólico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
1.12.6 Cone elítico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
1.12.7 Cilindros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
1.13 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
5
6 CONTEÚDO
2 FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 45
2.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
2.2 Domínio e Imagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
2.3 Gráfico de Funções de Várias Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
2.3.1 Conjuntos de nível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
2.4 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
3 CONJUNTOS ABERTOS, FECHADOS E FRONTEIRA 65
3.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65
3.2 Conjuntos Abertos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
3.3 Conjunto Fronteira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
3.4 Conjuntos Fechados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
4 LIMITES E CONTINUIDADE 71
4.1 LIMITES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
4.2 CONTINUIDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
4.3 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
5 DERIVADAS PARCIAIS 85
5.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
5.2 Generalizações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
5.3 Interpretação Geométrica das Derivadas Parciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
5.4 Derivadas Parciais como Taxa de Variação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
5.5 Diferenciabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
5.6 Aproximação Linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
5.7 Derivadas Parciais de Ordem Superior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
5.8 Regra da Cadeia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
5.9 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114
6 DERIVADA DIRECIONAL 119
6.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119
6.2 Derivada Direcional como Taxa de Variação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
6.3 Gradiente de uma Função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
6.3.1 Observações Geométricas sobre Gradientes . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
6.4 Funções Implícitas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
6.5 Gradiente e Conjuntos de Nível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
6.6 Gradiente e Curvas de Nível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
6.6.1 Ângulo entre Curvas que se Intersectam . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
6.7 Gradiente e Superfícies de Nível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
6.7.1 Ângulo entre Superfícies . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
6.8 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
7 MÁXIMOS E MI
´
NIMOS 151
7.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
7.2 Determinação dos Extremos Locais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
7.2.1 Exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
7.3 Problemas de Otimização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
CONTEÚDO 7
7.3.1 Mínimos Quadrados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170
7.4 Máximos e Mínimos Absolutos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
7.5 Método dos Multiplicadores de Lagrange . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
7.6 Determinação dos Extremos Condicionados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
7.7 Problemas de Otimização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
7.7.1 Generalização do Método . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
7.8 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
8 INTEGRAÇÃO DUPLA 195
8.1 Integração Dupla sobre Retângulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195
8.2 Significado Geométrico da Integral Dupla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
8.3 Integrais Iteradas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
8.4 Teorema de Fubini . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
8.4.1 Extensão do Teorema de Fubini . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
8.5 Integração Dupla sobre Regiões mais Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
8.5.1 Regiões Elementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 205
8.6 Extensão da Integral Dupla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
8.7 Integral Dupla e Volume de Sólidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
8.7.1 Exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210
8.8 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 217
9 MUDANÇA DE COORDENADAS 221
9.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221
9.2 Mudança Linear de Coordenadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224
9.3 Mudança Polar de Coordenadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228
9.3.1 Regiões Limitadas por Círculos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
9.3.2 Aplicação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 236
9.4 Outras Aplicações da Integral Dupla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238
9.4.1 Massa Total . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238
9.4.2 Momento de Massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239
9.4.3 Centro de Massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 239
9.4.4 Momento de Inércia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 241
9.5 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 242
10 INTEGRAÇÃO TRIPLA 245
10.1 Integração Tripla sobre Paralelepípedos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245
10.2 Integrais Triplas sobre Regiões mais Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 248
10.2.1 7.2.1 Regiões Elementares no Espaço . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 248
10.3 Extensão da Integral Tripla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
10.4 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253
11 MUDANÇA DE COORDENADAS 255
11.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255
11.2 Coordenadas Cilíndricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256
11.3 Coordenadas Esféricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
11.4 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265
8 CONTEÚDO
12 APÊNDICE 269
12.1 Limite e Continuidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
12.2 Diferenciabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
12.3 Integração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 274
Bibliografia 277
Capítulo 1
GEOMETRIA ANALÍTICA
1.1 Introdução
Neste capítulo estabeleceremos os conceitos básicos para o estudo do Cálculo em várias va-
riáveis. Não pretendemos fazer um estudo detalhado de vetores ou de Geometria Analítica,
mas recomendamos aos leitores, consultar a bibliografia como complemento necessário deste
capítulo.
1.2 Espaços Euclidianos
O espaço euclidiano n-dimensional (n ∈ N) é o produto cartesiano de n fatores iguais a R:
R
n
= R×R ×. . . . . . ×R.
Se n = 1, R
1
= R é a reta; se n = 2, R
2
é o plano e se n = 3, R
3
é o espaço euclidiano
tridimensional.
1.2.1 O Espaço Euclidiano Tridimensional
O espaço euclidiano tridimensional é definido pelo conjunto:
R
3
= {(x, y, z) / x, y, z ∈ R}.
Logo, os elementos de R
3
são ternos ordenados. Dados (x, y, z) ∈ R
3
e (x
1
, y
1
, z
1
) ∈ R
3
, tem-se
(x, y, z) = (x
1
, y
1
, z
1
) se, e somente se, x = x
1
, y = y
1
e z = z
1
.
EmR
3
podem ser definidas duas operações.
Definição 1.1. Dados (x, y, z), (x
1
, y
1
, z
1
) ∈ R
3
e β ∈ R, definimos:
1. Adição de elementos de R
3
: (x, y, z) + (x
1
, y
1
, z
1
) = (x +x
1
, y +y
1
, z +z
1
).
2. Multiplicação de elementos de R
3
por escalares de R: β (x, y, z) = (β x, β y, β z).
Estas duas operações satisfazem às seguintes propriedades:
Proposição 1.1. Dados x, y, z e 0 = (0, 0, 0) elementos de R
3
e α, β ∈ R; então:
9
10 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
1. x +y = y +x
2. (x +y) +z = x + (y +z)
3. x +0 = 0 +x = x.
4. α(β x) = (αβ) x
5. β (x +y) = β x +β y
6. (α +β) x = αx +β x
7. 1 · x = x · 1 = x
8. ∃ −x ∈ R
3
tal que
x + (−x) = (−x) +x = 0.
Note que, se x = (x, y, z), então −x = (−x, −y, −z)
Em geral, um conjunto onde são definidas as operações de adição e multiplicação por um
número real (escalar), como na definição anterior, satisfazendo às propriedades anteriores é
chamado espaço vetorial sobre Re seus elementos são chamados vetores. Logo, R
3
é umespaço
vetorial (de dimensão 3) sobre R. De forma analoga, R
2
é um espaço vetorial de dimensão 2
sobre R.
1.3 Sistema de Coordenadas Ortogonais no Espaço
Escolhamos três retas mutuamente perpendiculares e denotemos por

0 o ponto de interseção
das retas, chamado origem. Estas retas, ditas eixos coordenados, são designadas como o eixo
dos x, eixo dos y e eixo dos z, respectivamente. Os eixos dos x e dos y formam um plano ho-
rizontal e o eixo dos z é ortogonal a este plano. Os planos que contem os eixos coordenados,
chamados planos coordenados, são: plano xy se contem os eixos dos x e dos y; plano xz se
contem os eixos dos x e dos z e plano yz se contem os eixos dos y e dos z. Os planos coorde-
nados dividem o espaço em oito partes chamadas octantes. Um terno ordenado de números
reais (x, y, z) está associado a um único ponto P do sistema de coordenadas. A distância do
ponto P ao plano yz é a coordenada x de P, a distância do ponto P ao plano xz é a coordenada
y de P e a distância do ponto P ao plano xy é a coordenada z de P. Estas três coordenadas são
as coordenadas retangulares do ponto P e determinam uma correspondência um a um entre
ternos ordenados e pontos do sistema de coordenadas. Ao

0 está associado o terno (0, 0, 0).
P
x
y
z
0
(x,y)
Figura 1.1:
Os elementos de R
3
são denominados pontos ou vetores, como seguinte cuidado: (x, y, z) ∈ R
3
é um vetor que tem a origem em (0, 0, 0) e extremidade em (x, y, z) e é também chamado vetor
1.4. PRODUTO ESCALAR 11
posição de (x, y, z). Para ter uma melhor distinção denotaremos os vetores de forma diferente
da dos pontos. Por exemplo

0 = (0, 0, 0) é o vetor nulo.
(x,y,0)
(x,y,z)
z
x
0 y
Figura 1.2:
Dados P
1
= (x
1
, y
1
, z
1
) e P
2
= (x
2
, y
2
, z
2
), o vetor v determinado por
−−−→
P
1
P
2
é:
v = P
2
−P
1
= (x
2
−x
1
, y
2
−y
1
, z
2
−z
1
)
O vetor v =
−−→
OP é o vetor posição do ponto P.
Exemplo 1.1.
[1] Se P
1
= (3, 2, 1) e P
2
= (−2, 1, −5), determine
−−−→
P
1
P
2
.
Da definição:
−−−→
P
1
P
2
= (−2, 1, −5) −(3, 2, 1) = (−5, −1, −6).
[2] Se P
1
= (

2, 1, π) e P
2
= (2, 1, 2 π), determine
−−−→
P
1
P
2
.
Da definição:
−−−→
P
1
P
2
= (2, 1, 2 π) −(

2, 1, π) = (2 −

2, 0, π).
1.4 Produto Escalar
Definição 1.2. Sejam u = (u
1
, u
2
, u
3
) e v = (v
1
, v
2
, v
3
) vetores em R
3
. O produto escalar de u e v,
denotado por u · v (ou < u, v >) é definido por:
u · v = u
1
v
1
+u
2
v
2
+u
3
v
3
Analogamente se define o produto escalar de vetores emR
2
.
Proposição 1.2. Sejam v, u, w ∈ R
3
e β ∈ R, então:
12 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
1. v · v ≥ 0
2. v · v = 0 se e somente se, v =

0.
3. v · u = u · v.
4. v ·

0 = 0.
5. (β u) · v = u · (β v) = β (u · v).
6. w· (u +v) = ( w· u) + ( w· v).
As propriedades podem ser provadas diretamente da definição.
Definição 1.3. O vetor v é ortogonal a w se e somente se
v · w = 0
O vetor

0 é o único vetor ortogonal a todos os vetores de R
3
. Se w ∈ R
2
e w = (x, y), então os
vetores (−y, x) e (y, −x) são ortogonais a w.
1.5 Norma Euclidiana de um Vetor
Definição 1.4. Seja v = (v
1
, v
2
, v
3
) ∈ R
3
. A norma euclidiana de v é denotada por v e definida por:
v =

v · v =
_
v
2
1
+v
2
2
+v
2
3
O vetor v é dito unitário se v = 1.
Proposição 1.3.
1. Se w =

0 não é unitário, então o vetor definido por v =
w
w
, é unitário e tem a mesma direção
de w.
2. Se θ é o ângulo formado pelos vetores v e u, então:
v · u = v u cos(θ).
A propriedade 1, pode ser provada diretamente da definição. A segunda, aplicamos a lei dos
co-senos ao triângulo da figura, temos: u −v
2
= u
2
+v
2
−2 u v cos(θ).
v
u-v
O
u
θ
Figura 1.3:
u
2
= u · u; temos:
_
u −v
_
·
_
u −v
_
= u · u +v · v −2 u v cos(θ); logo,
u · u −u · v −v · u +v · v = u · u +v · v −2 u v cos(θ);
1.5. NORMA EUCLIDIANA DE UM VETOR 13
então, u · v = u v cos(θ).
Três vetores de R
3
tem um destaque especial, a saber:

i = (1, 0, 0),

j = (0, 1, 0) e

k = (0, 0, 1).
0
k
j
i
Figura 1.4: Os vetores

i,

j e

k.
Os vetores

i,

j e

k são unitários e mutuamente ortogonais. O conjunto {

i,

j,

k} é dito a base
canônica do R
3
. Para todo v = (v
1
, v
2
, v
3
) ∈ R
3
temos:
v = v
1

i +v
2

j +v
3

k
1.5.1 Ângulos Diretores e Co-senos Diretores
Os ângulos diretores de um vetor não nulo v = (v
1
, v
2
, v
3
) são os ângulos α, β e γ, no intervalo
[0, π] que v forma com os eixos coordenados.
γ
α
β
y
z
x
Figura 1.5:
Os co-senos desses ângulos diretores, cos(α), cos(β) e cos(γ) são chamados co-senos diretores
do vetor v. Pelas propriedades do produto escalar, temos:
cos(α) =
v ·

i
v

i
=
v
1
v
=
v
1
_
v
2
1
+v
2
2
+v
2
3
, cos(β) =
v ·

j
v

j
=
v
2
v
=
v
2
_
v
2
1
+v
2
2
+v
2
3
14 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
e
cos(γ) =
v ·

k
v

k
=
v
3
v
=
v
3
_
v
2
1
+v
2
2
+v
2
3
.
O vetor v fica univocamente determinado conhecendo seu comprimento e seus ângulos dire-
tores. De fato:
v
1
= v cos(α), v
2
= v cos(β) e v
3
= v cos(γ).
Note que cos
2
(α) +cos
2
(β) +cos
2
(γ) = 1.
Exemplo 1.2.
[1] Sejam v = (1, 2, 3) e w = (−2, 1, 3). Determine v · w e os vetores unitários nas direções de v
e w, respectivamente.
Primeiramente calculamos v · w = −2 + 2 + 9 = 9. Agora devemos determinar
v
v
e
w
w
:
v =

1 + 4 + 9 =

14 e w =

4 + 1 + 9 =

14; logo,
_
1

14
,
2

14
,
3

14
_
e
_

2

14
,
1

14
,
3

14
_
,
são os vetores unitários nas direções de v e w, respectivamente.
[2] Sejam v = (x, −2, 3) e u = (x, x, −5). Determine o valor de x para que v e u sejam ortogo-
nais.
Da definição v e u são ortogonais se v · u = 0; então, v · u = x
2
−2 x−15 = 0, equação que tem
soluções x = 5 e x = −3; logo: v = (5, −2, 3) e u = (5, 5, −5) são ortogonais e v = (−3, −2, 3) e
u = (−3, −3, −5) são ortogonais.
[3] Sejam P
1
= (3, −2, −1), P
2
= (1, 4, 1), P
3
= (0, 0, 1) e P
4
= (−1, 1, −1). Determine o ângulo
formado pelos vetores
−−−→
P
1
P
2
e
−−−→
P
3
P
4
.
Sejamv =
−−−→
P
1
P
2
= (1 −3, 4 +2, 1 +1) = (−2, 6, 2) e w =
−−−→
P
3
P
4
= (−1, 1, −2). O ângulo formado
por v e w é:
cos(θ) =
v · w
v w
=
_
2
33
.
[4] Calcule os co-senos diretores de u = (−2, 1, 2).
Como u = 3, cos(α) = −
2
3
, cos(β) =
1
3
e cos(γ) =
2
3
.
1.5.2 Trabalho
Suponha que uma força constante

F move uma partícula de um ponto P até um ponto Q. O
trabalho realizado pela partícula é dado por:
W =

F ·
−−→
PQ
Se a unidade de comprimento é dada em metros e a força é dada em Newtons, o trabalho é
dado em Joules (J).
Exemplo 1.3.
Uma força dada por

F = (1, 2, 3) move uma partícula do ponto (1, 1, 1) ao ponto (4, 2, 3); logo:
W = (1, 2, 3) · (3, 1, 2) = 3 + 2 + 6 = 11 J.
1.6. PRODUTO VETORIAL 15
1.6 Produto Vetorial
Definição 1.5. Dados v = (v
1
, v
2
, v
3
) e w = (w
1
, w
2
, w
3
) vetores em R
3
, o produto vetorial de v e w,
denotado por v × w é definido por:
v × w =
¸
¸
¸
¸
¸
v
2
v
3
w
2
w
3
¸
¸
¸
¸
¸

i −
¸
¸
¸
¸
¸
v
1
v
3
w
1
w
3
¸
¸
¸
¸
¸

j +
¸
¸
¸
¸
¸
v
1
v
2
w
1
w
2
¸
¸
¸
¸
¸

k
Logo, da definição segue:
v × w =
_
v
2
w
3
−v
3
w
2
_

i +
_
v
3
w
1
−v
1
w
3
_

j +
_
v
1
w
2
−v
2
w
1
_

k.
Proposição 1.4. Sejam v, w e u vetores do R
3
e β ∈ R. Então:
1. v ×v =

0.
2.

0 ×v = v ×

0 =

0.
3. v × w = − w×v.
4. v ×( w +u) = v × w+v ×u.
5. β v × w = v ×β w = β (v × w).
6. v × w = v w sen(θ), onde θ é o ângulo formado por v e w.
7. Os vetores v e w são paralelos se e somente se v × w =

0.
8. O vetor v × w é ortogonal aos vetores v e w.
9. A área do paralelogramo determinado por v e w é v × w.
v
w
θ
Figura 1.6:
10. Identidade de Lagrange: v × w
2
= v
2
w
2
−(v · w)
2
.
11. u · (v × w) =
¸
¸
¸
¸
¸
u
1
u
2
u
3
v
1
v
2
v
3
w
1
w
2
w
3
¸
¸
¸
¸
¸
.
12. O volume do paralelepípedo determinado pelos vetores u, v e w é dado por
V = |u · (v × w)|.
16 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
Prova: As provas seguem diretamente das definições. Por exemplo:
7. Se v × w =

0 o ângulo formado pelos vetores é zero ou π; logo, os vetores são paralelos.
9. A base do paralelogramo é v e sua altura é w sen(θ), onde θ é o ângulo entre v e w.
10. v × w
2
= v
2
w
2
sen
2
(θ) = v
2
w
2
(1 −cos
2
(θ)) = |v
2
w
2
−(v · w)
2
.
12. A área da base é A = v × w; seja θ o ângulo formado por u e v × w; logo, a altura do
paralelepípedo é h = u |cos(θ)|; então, V = |u · (v × w)|.
Exemplo 1.4.
[1] Sejam v = (−3, −2, 2) e w = (−1, 1, 2). Calcule v × w, ( w×v) ×v e ( w×v) ×u.
Da definição e das propriedades temos: v × w = (−6, 4, −5) e ( w × v) × v = (2, −27, −24) e
( w×v) × w = (−13, −18, 2).
[2] Calcule

i ×

j,

i ×

k,

j ×

k e (

i ×

j) ×(

j ×

k).
Da definição temos:

i ×

j = (0, 0, 1) =

k,

i ×

k = (0, −1, 0) = −

j,

j ×

k = (1, 0, 0) =

i e
(

i ×

j) ×(

j ×

k) =

k ×

i =

j.
[3] Calcule a área do triângulo determinado por P = (2, 2, 0), Q = (−1, 0, 2) e R = (0, 4, 3).
A área do triângulo é a metade da área do paralelogramo determinado por u =
−−→
PQ e v =
−→
PR;
logo:
A =
u ×v
2
=
(−10, 5, −10)
2
=
15
2
.
[4] Calcule o volume do paralelepípedo determinado pelos vetores u = (2, −3, 4), v = (1, 2, −1)
e w = (3, −1, 2).
Como v × w = (3, −5, −7), temos V = |u · (v × w)| = | −7| = 7.
[5] Determine o valor de k tal que u = (2, −1, 1), v = (1, 2, −3) e w = (3, k, 5) sejam coplanares.
Se u, v e w são coplanares, então, u · (v × w) =

0; caso contrário, determinariam um paralele-
pípedo e, portanto, os vetores não poderiam ser coplanares.
v × w = (10 + 3 k, −14, k −6);
logo, u · (v × w) = 7 k + 28; resolvendo 7 k + 28 = 0, temos k = −4.
1.6.1 Torque
Se uma força

F age num ponto de um corpo rígido, de vetor posição r, então essa força tende
a girar o corpo em torno de um eixo que passa pela origem do vetor posição e é perpendicular
ao plano de r e

F. O vetor torque (relativo à origem) é dado por τ = r ×

F. O torque fornece
uma medida do efeito de um corpo rígido ao rodar em torno de um eixo. A direção de τ indica
o eixo de rotação.
Exemplo 1.5.
1.7. DISTÂNCIA EMR
3
17
[1] Uma força

F = (2, 5, 8) age numponto de umcorpo rígido, de coordenadas (1, 1, 2). Calcule
o torque. Da definição r = (1, 1, 2); logo, τ = r ×

F = (1, 1, 2) ×(2, 5, 8) = (−2, −4, 3). A direção
de (−2, −4, 3) indica o eixo de rotação.
[2] Um parafuso é apertado aplicando uma força de 300 N com uma chave de 0.45 m de com-
primento fazendo um ângulo de
π
4
como na figura. Determine o módulo do torque em torno
do centro do parafuso.
Figura 1.7:
τ = r ×

F = r

F sen(α); como r = 0.45,

F = 300 e sen
_
π
4
_
=

2
2
, temos, τ =
67.5

2 J.
1.7 Distância emR
3
Definição 1.6. Sejam P
1
= (x
1
, y
1
, z
1
) e P
2
= (x
2
, y
2
, z
2
) pontos do R
3
. A distância entre P
1
e P
2
é
denotada e definida por:
d
0
(P
1
, P
2
) =
_
(x
1
−x
2
)
2
+ (y
1
−y
2
)
2
+ (z
1
−z
2
)
2
Em particular, se P = (x, y, z):
d
0
(0, P) =
−→
0P =
_
x
2
+y
2
+z
2
Proposição 1.5. Sejam P
1
, P
2
e P
3
pontos do R
3
, então:
1. d
0
(P
1
, P
2
) > 0
2. d
0
(P
1
, P
2
) = 0 se, e somente se P
1
= P
2
.
3. d
0
(P
1
, P
2
) = d
0
(P
2
, P
1
)
4. d
0
(P
1
, P
3
) ≤ d
0
(P
1
, P
2
) +d
0
(P
2
, P
3
).
1.8 Retas
Sejam P = (x
1
, y
1
, z
1
) um ponto e v = (v
1
, v
2
, v
3
) um vetor emR
3
. A reta que passa pelo ponto
P e tem direção v é dada, parametricamente, por:
P(t) = P +t v, t ∈ R
18 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
Em coordenadas:
_
¸
_
¸
_
x(t) = x
1
+t v
1
y(t) = y
1
+t v
2
z(t) = z
1
+t v
3
, t ∈ R.
Dados P
1
= (x
1
, y
1
, z
1
) e P
2
= (x
2
, y
2
, z
2
) emR
3
, vamos obter a equação da reta que passa por
P
1
e P
2
.
P
1
2
z
O
x
y
P
Figura 1.8: A reta que passa por P
1
e P
2
.
A direção da reta é dada por v =
−−−→
P
1
P
2
; logo, as equações paramétricas são:
_
¸
_
¸
_
x(t) = x
1
+t (x
2
−x
1
)
y(t) = y
1
+t (y
2
−y
1
)
z(t) = z
1
+t (z
2
−z
1
), t ∈ R.
Exemplo 1.6.
[1] Determine a equação da reta que passa pelo ponto (1, −1, 1) e tema direção do vetor (2, 1, 3).
Ache outro ponto da reta.
Sejam P = (1, −1, 1) e v = (2, 1, 3); logo,
_
¸
_
¸
_
x(t) = 1 + 2 t
y(t) = −1 +t
z(t) = 1 + 3 t,
t ∈ R. Fazendo, por exemplo, t = 1 na equação da reta, temos que (3, 0, 4) é um ponto da reta.
1.8. RETAS 19
-2.5
0
2.5
5
-2
0
2
-5
0
5
-2.5
0
2.5
5
-2
0
2
Figura 1.9: A reta do exemplo [1].
[2] Determine a equação da reta que passa pelos pontos P
1
= (−2, −1, 3) e P
2
= (3, 2, 7).
A direção da reta é v =
−−−→
P
1
P
2
= (5, 3, 4); logo a equação é:
_
¸
_
¸
_
x(t) = −2 + 5 t
y(t) = −1 + 3 t
z(t) = 3 + 4 t, t ∈ R.
-5
0
5
-5
0
5
-5
0
5
-5
0
5
-5
0
5
Figura 1.10: A reta do exemplo [2].
1.8.1 Paralelismo e Perpendicularismo
Sejam l
1
e l
2
retas de direções v
1
e v
2
, respectivamente; então:
1. l
1
é paralela a l
2
se, e somente se, v
1
×v
2
=

0.
2. l
1
é perpendicular a l
2
se, e somente se, v
1
· v
2
= 0.
A prova segue diretamente das definições.
Exemplo 1.7.
[1] As retas
_
¸
_
¸
_
x = 1 + 2 t
y = −3 + 6 t
z = 1 + 4 t
e
_
¸
_
¸
_
x = 4 −t
y = −3 t
z = −5 −2 t
20 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
são paralelalas. De fato, v
1
= (2, 6, 4), v
2
= (−1, −3, −2) e v
1
×v
2
=

0.
[2] As retas
_
¸
_
¸
_
x = 1 + 2 t
y = −3 + 6 t
z = 1 + 4 t
e
_
¸
_
¸
_
x = 5 −t
y = 3 +t
z = −5 −t
são perpendiculares. De fato, v
1
= (2, 6, 4), v
2
= (−1, 1, −1) e v
1
· v
2
= 0.
[3] As retas
_
¸
_
¸
_
x = 1 + 2 t
y = −2 + 3 t
z = 4 +t
e
_
¸
_
¸
_
x = 5 t
y = 3 + 2 t
z = −3 + 3 t
não são paralelas nem perpendiculares e não se intersectam. Tais retas são ditas reversas.
-5
0
5
10
-5
0
5
-5
0
5
-5
0
5
10
-5
0
5
Figura 1.11: As retas do exemplo [3].
1.8.2 Forma Simétrica da Equação da Reta
Eliminando o parâmetro t na equação da reta, obtemos a forma simétrica da equação da reta:
x −x
1
v
1
=
y −y
1
v
2
=
z −z
1
v
3
sendo os v
i
= 0 (1 ≤ i ≤ 3). Se, por exemplo, v
1
= 0, obtemos:
x = x
1
,
y −y
1
v
2
=
z −z
1
v
3
;
os outros casos são análogos.
1.8.3 Distância de um Ponto a uma Reta
Seja P um ponto que não pertence à reta que passa pelos pontos Q e R. A distância do ponto
P à reta é:
d
1
=
v × w
v
onde v =
−−→
QR e w =
−−→
QP. A prova deste fato fica como exercício.
1.9. PLANOS 21
Exemplo 1.8.
[1] Ache a distância do ponto P = (2, 1, −1) à reta que passa pelos pontos Q = (2, 0, 1) e
R = (−2, −2, 1).
Como v =
−−→
QR = (−4, −2, 0), w =
−−→
QP = (0, 1, −2); logo, d
1
=
v× w
v
=
_
24
5
.
1.9 Planos
Definição 1.7. Sejam o vetor n =

0 e o ponto P
0
= (x
0
, y
0
, z
0
) ∈ R
3
, fixado. O conjunto de todos os
pontos P = (x, y, z) ∈ R
3
tais que:
n ·
−−→
P
0
P = 0
é chamado plano passando por P
0
e tendo normal n. Em particular, se n = (a, b, c), o plano passando
por P
0
e de normal n, tem a equação em coordenadas:
a (x −x
0
) +b (y −y
0
) +c (z −z
0
) = 0
Exemplo 1.9.
[1] Ache a equação do plano que passa pelo ponto (1, −1, 1) e é normal ao vetor (−1, 2, 3).
Sejam P
0
= (1, −1, 1) e n = (−1, 2, 3); então, −1 (x −1) + 2 (y + 1) + 3 (z −1) = −x + 2 y + 3 z.
A equação é −x + 2 y + 3 z = 0.
-1
0
1
-1
0
1
-1
0
1
-1
0
1
-1
0
1
Figura 1.12: Exemplo [1].
[2] Ache a equação do plano que passa pelo ponto (1, −1, −1) e é normal ao vetor (3, 2, −3).
Sejam P
0
= (1, −1, −1) e n = (3, 2, −3); então: 3 (x−1) +2 (y +1) −3 (z +1) = 3 x+2 y −3 z −4.
A equação é 3 x + 2 y −3 z = 4.
22 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
-3
0
3
-3
0
2
-3
0
3
-3
0
2
Figura 1.13: Exemplo [2].
Considerando a equação do primeiro grau nas variáveis x, y e z, a x +b y +c z +d = 0, onde a,
b e c ∈ R não são todas nulas, o subconjunto do R
3
:
P = {(x, y, z) ∈ R
3
/ a x +b y +c z +d = 0}
é o plano com vetor normal n = (a, b, c).
Por simplicidade usaremos a expressão plano a x + b y + c z + d = 0 em lugar de, o plano de
equação a x +b y +c z +d = 0.
Exemplo 1.10.
Determine a equação do plano que passa por P
1
= (1, 1, 1), P
2
= (2, 0, 0) e P
3
= (1, 1, 0).
Qualquer vetor normal ao plano deve ser ortogonal aos vetores v =
−−−→
P
1
P
2
e w =
−−−→
P
2
P
3
, que são
paralelos ao plano. Logo, o vetor normal ao plano é n = v × w, donde n = (1, 1, 0); logo, a
equação do plano é x + y + d = 0; como (2, 0, 0) pertence ao plano, temos: d = −2 e a equação
é x +y −2 = 0.
-1
0
1
-1
0
1
2
-1
0
1
Figura 1.14:
1.9.1 Ângulo entre Planos
Definição 1.8. O ângulo entre dois planos é o menor ângulo formado pelos vetores normais aos planos.
1.9. PLANOS 23
Logo, se n
1
e n
2
são os vetores normais aos planos, então:
cos(θ) =
n
1
· n
2
n
1
n
2

Exemplo 1.11.
[1] Determine o ângulo entre os planos 5 x −2 y + 5 z = 12 e 2 x +y −7 z = −11.
Os vetores normais aos planos são n
1
= (5, −2, 5) e n
2
= (2, 1, −7), respectivamente; logo,
cos(θ) =
n
1
·n
2
n
1
n
2

= −
1
2
e θ =
2 π
3
rad.
-1
-0.5
0
0.5
1
-1
-0.5
0
0.5
1
1
1.5
2
-1
-0.5
0
0.5
1
-1
-0.5
0
0.5
1
Figura 1.15:
[2] Determine o ângulo entre os planos x +y −z = 0 e x −2 y + 2 z = 0.
Os vetores normais aos planos são n
1
= (1, 1, −1) e n
2
= (1, −2, 2), respectivamente; logo:
cos(θ) =
n
1
· n
2
n
1
n
2

= −
1

3
e θ = arccos(−
1

3
) rad.
-1
-0.5
0
0.5
1
-1
-0.5
0
0.5
1
-2
-1
0
1
2
-1
-0.5
0
0.5
1
-1
-0.5
0
0.5
1
Figura 1.16:
1.9.2 Paralelismo e Perpendicularismo entre Planos
Definição 1.9. Dois planos são paralelos se, e somente se, seus vetores normais, respectivamente n
1
e
n
2
, são paralelos, isto é:
n
1
×n
2
=

0
24 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
Dois planos são perpendiculares se, e somente se, seus vetores normais, respectivamente n
1
e
n
2
, são ortogonais, isto é:
n
1
· n
2
= 0.
Proposição 1.6. Os planos a x +b y +c z = d e a
1
x +b
1
y +c
1
z = d
1
são:
1. paralelos, se existe k ∈ R tal que a = k a
1
, b = k b
1
e c = k c
1
;
2. perpendiculares, se a a
1
+b b
1
+c c
1
= 0.
A prova segue das definições.
Exemplo 1.12.
Determine a equação do plano paralelo ao plano 3 x + y − 6 z + 8 = 0 e que passa pelo ponto
P = (0, 0, 1).
O vetor normal ao plano é n = (3, 1, −6); logo, a equação do plano é 3 x+y −6 z +d = 0; como
o ponto P pertence ao plano temos −6 +d = 0, logo, a equação do plano é
3 x +y −6 z + 6 = 0.
O plano:
a x +b y +d = 0
é perpendicular ao plano xy.
O plano:
b y +c z +d = 0
é perpendicular ao plano yz.
O plano:
a x +c z +d = 0
é perpendicular ao plano xz.
Figura 1.17: Planos coordenados.
1.10. GENERALIZAÇÕES 25
1.9.3 Distância de um Ponto a um Plano
Definição 1.10. A distância do ponto P
0
= (x
0
, y
0
z
0
) ao plano a x +b y +c z +d = 0 é dada por:
d
2
=
|a x
0
+b y
0
+c z
0
+d|

a
2
+b
2
+c
2
Exemplo 1.13.
[1] Determine a distância do ponto (1, 1, −5) ao plano 12 x + 13 y + 5 z + 2 = 0.
Aplicando diretamente a fórmula: d
2
=

2
13
.
[2] Determine a distância entre os planos paralelos: x + 2 y −z = 8 e 4 x + 8 y −4 z = 10.
A distância entre dois planos paralelos é a distância entre um ponto qualquer do plano
x +2 y −z = 8 ao plano 4 x +8 y −4 z = 10. O ponto (1, 4, 1) pertence ao plano x +2 y −z = 8.
A distância do ponto (1, 4, 1) ao plano 4 x + 8 y −4 z = 10 é:
d
2
=
|4 + 32 −4 −10|

16 + 64 + 16
=
11
2

6
.
Em geral, se a x + b y + c z = d e a x + b y + c z = d
1
são planos paralelos, a distância entre os
planos é:
d
3
=
|d
1
−d|

a
2
+b
2
+c
2
1.10 Generalizações
Podemos fazer as seguintes generalizações para R
n
, n ≥ 3.
Os pontos x ∈ R
n
são x = (x
1
, x
2
, x
3
, ...., x
n
) onde x
i
∈ R. Dados x, y ∈ R
n
, dizemos que x = y
se e somente se x
i
= y
i
, para todo i = 1, ...., n. (0, ......., 0) é a origem do R
n
. EmR
n
podem ser
definidas duas operações. Dados x = (x
1
, x
2
, x
3
, ...., x
n
), y = (y
1
, y
2
, y
3
, ...., y
n
) ∈ R
n
e β ∈ R:
Adição de elementos de R
n
:
x +y = (x
1
+y
1
, x
2
+y
2
, ........, x
n
+y
n
).
Multiplicação de elementos de R
n
por escalares de R:
β · x = (β · x
1
, β · x
2
, .........., β · x
n
).
Estas duas operações satisfazem as propriedades análogas às enunciadas para R
3
. Logo, R
n
é um espaço vetorial de dimensão n sobre R. Os elementos do R
n
são denominados pontos
ou vetores, com o seguinte cuidado: v ∈ R
n
é um vetor que tem a origem em (0, ......., 0) e
extremidade em v. Para ter uma melhor distinção denotaremos os vetores de forma diferente
da utilizada para os pontos. Por exemplo,

0 = (0, ......., 0) é o vetor nulo.
26 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
1.10.1 Produto escalar
Se u = (u
1
, u
2
, u
3
, ...., u
n
) e v = (v
1
, v
2
, v
3
, ...., v
n
) são vetores do R
n
, o produto escalar de u e v,
denotado por u · v é definido por:
u · v = u
1
· v
1
+u
2
· v
2
+......... +u
n
· v
n
.
O produto escalar tem as seguintes propriedades:
1. (β u) · v = u · (β v) = β (u · v).
2. w· (u +v) = ( w· u) + ( w· v).
3. v é ortogonal a w se, e somente se, u · v = 0.
Norma euclidiana: Se v ∈ R
n
não é nulo:
v =

v · v.
Distância: Se x = (x
1
, x
2
, ...., x
n
) e y = (y
1
, y
2
, ...., y
n
) são pontos do R
n
, então:
d(x, y) = x −y =
_
(x
1
−y
1
)
2
+ (x
2
−y
2
)
2
+........ + (x
n
−y
n
)
2
.
1.11 Superfícies
Em R
3
temos dois tipos de objetos de nosso interesse: os sólidos e as superfícies. De forma
intuitiva podemos dizer que os sólidos são os objetos de R
3
que possuem volume e as super-
fícies são objetos de R
3
que possuem área, mas tem espessura irrelevante. Para leitores com
conhecimentos mais profundos, podemos dizer que um sólido é um objeto de dimensão 3 em
R
3
e as superfícies são objetos de dimensão 2 em R
3
. Os sólidos nos permitem modelar, por
exemplo, depósitos de combustíveis, turbinas de aviões ou carros. As superfícies nos permi-
tem modelar, por exemplo, folhas de papel, membranas ou lâminas de metal. As definições
matemáticas destes objetos estão fora do contexto destas notas e, por isso, ficaremos com estas
idéias intuitivas. Do Cálculo de uma variável, conhecemos os sólidos de revolução. Por exem-
plo, o sólido de revolução obtido girando em torno do eixo dos y a região limitada pelo gráfico
de (x −b)
2
+y
2
= a
2
, 0 < a < b. Veja o seguinte desenho:
1.12. SUPERFÍCIES QUÁDRICAS 27
Figura 1.18: Uma superfície emR
3
.
Os planos são exemplos de superfícies. A seguir definiremos um novo tipo de superfície: as
superfícies quádricas.
1.12 Superfícies Quádricas
Sabemos que o conjunto de todos os pontos (x, y) ∈ R
2
que satisfazem a equação geral do
segundo grau nas variáveis x e y é uma seção cônica: parábola, elipse, hipérbole ou alguma
forma degenerada dessas curvas, como um ponto ou um par de retas. EmR
3
, a equação geral
do segundo grau nas variáveis x, y e z é F(x, y, z) = 0, onde:
F(x, y, z) = Ax
2
+By
2
+C z
2
+Dxy +E xz +F y z +Gx +H y +I z +J,
onde os coeficientes dos termos de segundo grau não são todos nulos, de modo que o grau da
equação é 2. O subconjunto Q ⊂ R
3
, definido por:
Q = {(x, y, z) ∈ R
3
/ F(x, y, z) = 0}
é chamado superfície quádrica ou quádrica central. Usando rotações e translações é possível
mostrar que existem os seguintes tipos de superfícies quádricas não degeneradas:
1) Elipsóides.
2) Hiperbolóide elítico ou de uma folha.
3) Hiperbolóide de duas folhas.
4) Parabolóide elítico.
5) Parabolóide hiperbólico.
6) Cones.
7) Cilindros.
Apresentaremos as equações que definem as quádricas centradas na origem. As outras formas
mais gerais podem ser determinadas a partir de translações e rotações. Uma forma básica
28 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
de esboçar uma superfície quádrica é determinar os interseptos com os eixos coordenados e
desenhar suas seções retas, ou seja, as interseções da superfície com os planos coordenados,
também chamadas traços da quádrica. As quádricas centrais apresentam simetrias em relação
a cada umdos planos coordenados. Se na equação que define a quádrica substituimos x por −x
e a equação não se altera, a quádrica é simétrica em relação ao plano yz; se substituimos y por
−y e a equação não se altera, a quádrica é simétrica em relação ao plano xz; se substituimos z
por −z e a equação não se altera, a quádrica é simétrica emrelação ao plano xy e se substituimos
(x, y, z) por (−x, −y, −z) e a equação não se altera, a quádrica é simétrica em relação à origem
1.12.1 Elipsóide
A equação que representa o elipsóide de centro na origem é:
x
2
a
2
+
y
2
b
2
+
z
2
c
2
= 1,
onde a, b, c ∈ R não são nulos.
Figura 1.19: O elipsóide.
Interseções com os eixos coordenados: (±a, 0, 0), (0, ±b, 0) e (0, 0, ±c).
Simetrias: a equação não se altera se substituimos (x, y, z) por (−x, −y, −z); logo, o elipsóide
tem simetria em relação à origem.
Traços do elipsóide:
No plano xy é a elipse:
x
2
a
2
+
y
2
b
2
= 1.
No plano yz é a elipse:
y
2
b
2
+
z
2
c
2
= 1.
No plano xz é a elipse:
x
2
a
2
+
z
2
c
2
= 1
1.12. SUPERFÍCIES QUÁDRICAS 29
Figura 1.20: O elipsóide e seus traços.
Em particular se a = b = c, temos:
x
2
+y
2
+z
2
= a
2
equação que representa a esfera de centro na origem e raio a.
Figura 1.21: A esfera e seus traços.
Em geral, a equação do elipsóide centrado no ponto (x
0
, y
0
, z
0
) é:
(x −x
0
)
2
a
2
+
(y −y
0
)
2
b
2
+
(z −z
0
)
2
c
2
= 1
Em particular, a equação que representa a esfera de centro em (x
0
, y
0
, z
0
) e raio a é:
(x −x
0
)
2
+ (y −y
0
)
2
+ (z −z
0
)
2
= a
2
1.12.2 Hiperbolóide de uma folha
A equação que representa o hiperbolóide de uma folha de centro na origem é:
x
2
a
2
+
y
2
b
2

z
2
c
2
= 1
30 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
onde a, b, c ∈ R não são nulos.
Figura 1.22: Hiperbolóide de uma folha.
Interseções com os eixos coordenados: (±a, 0, 0) e (0, ±b, 0).
Simetrias: a equação não se altera se substituimos (x, y, z) por (−x, −y, −z); logo, o hiperbo-
lóide tem simetria em relação à origem.
Traços do hiperbolóide de uma folha:
No plano xy é a elipse:
x
2
a
2
+
y
2
b
2
= 1.
No plano yz é a hipérbole:
y
2
b
2

z
2
c
2
= 1.
No plano xz é a hipérbole:
x
2
a
2

z
2
c
2
= 1.
Figura 1.23: Hiperbolóide de uma folha e seus traços.
As equações:
x
2
a
2

y
2
b
2
+
z
2
c
2
= 1 e −
x
2
a
2
+
y
2
b
2
+
z
2
c
2
= 1,
1.12. SUPERFÍCIES QUÁDRICAS 31
representam também hiperbolóides de uma folha. No primeiro caso o eixo do hiperbolóide é
o eixo dos y e no segundo caso o eixo dos x. O termo negativo na equação indica o eixo do
hiperbolóide.
Figura 1.24: Outros hiperbolóides de uma folha.
1.12.3 Hiperbolóide de duas folhas
A equação que representa o hiperbolóide de duas folhas de centro na origem é:

x
2
a
2

y
2
b
2
+
z
2
c
2
= 1
onde a, b, c ∈ R não são nulos.
Figura 1.25: Hiperbolóide de duas folhas.
Interseções com os eixos coordenados: (0, 0, ±c).
Simetrias: a equação não se altera se substituimos (x, y, z) por (−x, −y, −z); logo, o hiperbo-
lóide de duas folhas tem simetria em relação à origem.
Traços do hiperbolóide de duas folhas:
No plano xy: nenhuma.
32 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
No plano yz é a hipérbole: −
y
2
b
2
+
z
2
c
2
= 1.
No plano xz é a hipérbole: −
x
2
a
2
+
z
2
c
2
= 1
Figura 1.26: Hiperbolóide de duas folhas e seus traços.
As equações:
x
2
a
2

y
2
b
2

z
2
c
2
= 1 e −
x
2
a
2
+
y
2
b
2

z
2
c
2
= 1,
representam também hiperbolóides de duas folhas. No primeiro caso o eixo do hiperbolóide
é o eixo dos x e no segundo caso o eixo dos y. O termo positivo na equação indica o eixo do
hiperbolóide.
Figura 1.27: Outros hiperbolóides de duas folhas.
1.12.4 Parabolóide elítico
A equação que representa o parabolóide elítico de centro na origem é:
x
2
a
2
+
y
2
b
2

z
c
= 0
1.12. SUPERFÍCIES QUÁDRICAS 33
onde a, b, c ∈ R não são nulos. Para c > 0, as parábolas tem a concavidade voltada para
cima. Para c > 0, o parabolóide "abre"para cima. De forma análoga, se c < 0, o parabolóide
"abre"para baixo.
Figura 1.28: Parabolóides elíticos.
Interseções com os eixos coordenados: (0, 0, 0).
Simetrias: a equação não se altera se substituimos x e y por −x e −y; logo, o parabolóide tem
simetria em relação aos planos yz e xz.
Traços do parabolóide elítico:
No plano xy: o ponto (0, 0, 0).
No plano yz é a parábola:
y
2
b
2

z
c
= 0.
No plano xz é a parábola:
x
2
a
2

z
c
= 0.
Figura 1.29: Parabolóide elítico e seus traços.
34 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
1.12.5 Parabolóide hiperbólico
A equação que representa o parabolóide hiperbólico de centro na origem é:
x
2
a
2

y
2
b
2

z
c
= 0
onde a, b, c ∈ R não são nulos. Para c < 0, as parábolas (traços no plano yz e xz) tem a
concavidade voltada para baixo.
Figura 1.30: Parabolóide hiperbólico.
Interseções com os eixos coordenados: (0, 0, 0).
Simetrias: a equação não se altera se substituimos x e y por −x e −y; logo, o parabolóide
hiperbólico tem simetria em relação aos planos yz e xz.
Traços do parabolóide hiperbólico:
No plano xy: é um par de retas que se intersectam na origem.
No plano yz é a parábola:
y
2
b
2
+
z
c
= 0.
No plano xz é a parábola:
x
2
a
2

z
c
= 0.
1.12. SUPERFÍCIES QUÁDRICAS 35
Figura 1.31: Parabolóide hiperbólico e seus traços.
1.12.6 Cone elítico
A equação que representa o cone elítico de centro na origem é:
x
2
a
2
+
y
2
b
2

z
2
c
2
= 0
onde a, b, c ∈ R não são nulos.
Figura 1.32: Cone elítico.
Interseções com os eixos coordenados: (0, 0, 0).
Simetrias: a equação não se altera se substituimos (x, y, z) por (−x, −y, −z); logo, o cone elítico
tem simetria em relação à origem.
Traços do cone elítico:
No plano xy é a origem.
No plano yz:
y
2
b
2

z
2
c
2
= 0, duas retas que se intersectam na origem.
36 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
No plano xz:
x
2
a
2

z
2
c
2
= 0, duas retas que se intersectam na origem.
Figura 1.33: Cone elítico e seus traços.
O traço em um plano z = k paralelo ao plano xy tem a equação:
x
2
a
2
+
y
2
b
2
=
k
2
c
2
,
que representa uma elipse.
1.12.7 Cilindros
Se C é uma curva plana e L é uma reta não situada no mesmo plano da curva, então o conjunto
de todas as retas paralelas a L e que intersectamC é chamado cilindro. Acurva C é dita diretriz
do cilindro e cada reta que passa por C paralela a L é chamada geratriz do cilindro. De acordo
com a observação, o cilindro de geratrizes paralelas ao eixo dos z e tendo como diretriz uma
elipse no plano xy centrada na origem, tem equação:
x
2
a
2
+
y
2
b
2
= 1
e é chamado cilindro elítico. ( a, b não são nulos).
1.12. SUPERFÍCIES QUÁDRICAS 37
Figura 1.34: Cilindro elítico.
Se por exemplo a equação é:
y
2
b
2

z
c
= 0
obtemos o chamado cilindro parabólico. ( b, c não são nulos). Desenho à esquerda. Se por
exemplo a equação é:
y
3
b
2

z
c
= 0
obtemos o chamado cilindro cúbico. ( a, c não são nulos). Desenho à direita.
Figura 1.35: Cilindro parabólico e cúbico, respectivamente.
Em geral, se na equação que descreve uma quádrica falta uma variável, ela representa um
cilindro, com geratrizes paralelas à variável que falta.
Exemplo 1.14.
[1] Ache a natureza da quádrica 9 x
2
− 18 x + 9 y
2
+ 4 z
2
+ 16 z − 11 = 0. Completando os
quadrados:
9 x
2
−18 x + 9 y
2
+ 4 z
2
+ 16 z −11 =
(x −1)
2
4
+
y
2
4
+
(z + 2)
2
9
−1;
38 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
a equação representa um elipsóide centrado no ponto (1, 0, −2).
[2] Determine a equação da esfera concêntrica à esfera x
2
+y
2
+z
2
+4x+2y −6z +10 = 0 e que
passa pelo ponto (−4, 2, 5). Como as esferas são concêntricas, completamos os quadrados para
determinar o centro da esfera dada: x
2
+y
2
+z
2
+4x+2y−6z+10 = (x+2)
2
+(y+1)
2
+(z−3)
2
−4;
então, o centro é (−2, −1, 3) e a equação é (x + 2)
2
+ (y + 1)
2
+ (z − 3)
2
= a
2
. Para determinar
a usamos o fato de que o ponto (−4, 2, 5) pertence à esfera; logo a
2
= 17. A equação é:
(x + 2)
2
+ (y + 1)
2
+ (z −3)
2
= 17.
[3] Verifique que a interseção do parabolóide hiperbólico
y
2
b
2

x
2
a
2
=
z
c
como plano z = b x+a y é
formada por duas retas. Para determinar a interseção, devemos resolver o sistema de equações
:
_
y
2
b
2

x
2
a
2
=
z
c
b x +a y = z.
Igualando as equações por z:
_
y
2
b
2

a y
c
_

_
x
2
a
2
+
b x
c
_
= 0; completando os quadrados:
1
b
2
_
y −
ab
2
2c
¸
2

1
a
2
_
x +
a
2
b
2c
¸
2
=
1
b
2
__
y −
a b
2
2 c
¸
2

_
b x
a
+
a b
2
2 c
¸
2
¸
= 0;
Figura 1.36: Exemplo [3].
logo: y −
a b
2
2 c
= ±
_
b x
a
+
a b
2
2 c
¸
.
[4] Determine a equação da superfície formada pelo conjunto dos pontos P = (x, y, z) equidis-
tantes do plano x−2 = 0 e do ponto (−2, 0, 0). Identifique a superfície. Sejam d
2
a distância do
ponto P ao plano x − 2 = 0 e d
0
a distância do ponto P ao ponto (−2, 0, 0); logo, d
2
= |x −2| e
d
0
=
_
(x + 2)
2
+y
2
+z
2
. Como d
0
= d
2
, temos: x = −
(y
2
+z
2
)
8
. A superfície é um parabolóide
elítico.
1.12. SUPERFÍCIES QUÁDRICAS 39
Figura 1.37: Exemplo [4].
[5] Determine a equação da superfície formada pelo conjunto dos pontos P = (x, y, z) equidis-
tantes das retas L
1
, que passa pela origemna direção (1, 0, 0) e, L
2
que passa pelo ponto (0, 1, 0)
na direção (0, 0, 1). Identifique a superfície.
Sejam d
1
(P, L
i
) as distâncias do ponto P às retas L
i
(i = 1, 2); como d
1
(P, L
1
) = d
1
(P, L
2
),
temos: y =
(x
2
−z
2
)
2
. A superfície é um parabolóide hiperbólico.
Figura 1.38: Exemplo [5].
[6] Mostre que se o ponto P
0
= (x
0
, y
0
, z
0
) pertence ao parabolóide hiperbólico z = y
2
− x
2
,
então, as retas L
1
que passa pelo ponto P
0
na direção (1, 1, 2 (y
0
−x
0
)) e L
2
que passa pelo ponto
P
0
na direção (−1, −1, −2 (y
0
− x
0
)) estão contidas no parabolóide hiperbólico. Consideremos
a reta L
1
. Temos:
_
¸
_
¸
_
x(t) = x
0
+t
y(t) = y
0
+t
z(t) = z
0
+ 2 t (y
0
−x
0
);
logo, y(t)
2
−x(t)
2
= (y
2
0
−x
2
0
) +2 t (y
0
−x
0
) = z
0
+2 t (y
0
−x
0
) = z(t). Para L
2
o procedimento
é análogo.
Os objetos sólidos do R
3
que utilizaremos neste texto são definidos através de inequações.
40 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
Exemplo 1.15.
[1] R = {(x, y, z) ∈ R
3
/a ≤ x ≤ b, c ≤ y ≤ d, p ≤ z ≤ q} = [a, b] × [c, d] × [p, q]. O conjunto R
representa um paralelepípedo retangular.
[2] B = {(x, y, z) ∈ R
3
/ x
2
+y
2
+z
2
≤ r
2
, r > 0}. O conjunto B representa uma bola sólida de
centro na origem e raio r ou o conjunto de todos os vetores de norma menor ou igual a r.
[3] C = {(x, y, z) ∈ R
3
/x
2
+y
2
≤ r
2
, 0 ≤ z ≤ h, h > 0}. O conjunto C é uma porção do cilindro
circular reto de altura h e raio r.
[4] F é o sólido obtido pela revolução de uma região do plano fechada e limitada por uma
curva:
Figura 1.39: Sólido emR
3
.
Note que todos estes conjuntos possuem volume.
1.13 Exercícios
1. Determine v =
−−−→
P
1
P
2
, se:
(a) P
1
= (1, 2, 1), P
2
= (−5, 3, 1)
(b) P
1
= (−3, 2, −1), P
2
= (15, 2, 6)
(c) P
1
= (12, 222, 1), P
2
= (5, 23, 11)
(d) P
1
= (4, 24, 18), P
2
= (−25, 23, 11)
(e) P
1
= (9, 3, 1), P
2
= (9, −3, 2)
(f) P
1
= (0, 12, −11), P
2
= (5, 2, 16)
(g) P
1
= (1, 1, 1), P
2
= (5, 3, 0)
(h) P
1
= (14, −12, 11), P
2
= (−1, 9, −1)
(i) P
1
= (−6, −4, 1), P
2
= (−2, 2, −6)
(j) P
1
= (4, −2, 20), P
2
= (3, 9, 9)
(k) P
1
= (−16, 14, 1), P
2
= (2, −2, 6)
(l) P
1
= (3, 3, 1), P
2
= (6, −9, 3)
(m) P
1
= (6, −4, 6), P
2
= (4, 2, 6)
(n) P
1
= (11, 23, 2), P
2
= (3, 0, 3)
(o) P
1
= (2, 2, −6), P
2
= (1, −4, −2)
1.13. EXERCÍCIOS 41
2. Determine v · w e os vetores unitários nas direções de v e w, se:
(a) v = (1, 2, 1), w = (−5, 3, 1)
(b) v = (−3, 2, −1), w = (1, 2, −6)
(c) v = (2, −2, 2), w = (−2, 2, 1)
(d) v = (4, 1, 8), w = (−2, −23, −1)
(e) v = (

5, −3, 6), w = (−9, −3, 2)
(f) v = (0, 1, −1), w = (3, 2, 6)
(g) v = (1, 1, 1), w = (0, 3, 0)
(h) v = (−1, −1, −1), w = (7, −3, 2)
(i) v = (4, −2, 11), w = (−1, 0, −1)
(j) v = (−6, −4, 1), w = (−2, 2, −6)
(k) v = (4/3, −1, 1), w = (−2/5, 5, −1)
(l) v = (4/5, 4, 1/6), w = (2/3, −1, 3/4)
3. Determine o ângulo formado pelos vetores v e w, se:
(a) v = (−1, 2, −1), w = (−5, 3, 1)
(b) v = (−1, −2, −1), w = (1, −2, −6)
(c) v = (2, −2, −2), w = (−1, 2, 1)
(d) v = (1, 1, −8), w = (−2, −3, −1)
(e) v = (5, −2, −6), w = (−8, 3, −2)
(f) v = (0, 1, −1), w = (3, 2, 6)
(g) v = (1, 1, 1), w = (0, 3, 0)
(h) v = (−1, −1, −1), w = (7, −3, 2)
(i) v = (4, −2, −1), w = (1, 0, 1)
(j) v = (−6, −4, 1), w = (−2, 2, 0)
4. Determine o valor k tal que os seguintes vetores sejam ortogonais:
(a) v = (3, −2 k, 4), w = (1, 2, 5)
(b) v = (−1, 1, k), w = (1, −1, 1)
(c) v = (−k, −1, −1), w = (3, 0, 1)
(d) v = (k, 1, k), w = (−2, k, −k)
5. Determine v × w, se:
(a) v = (−1, 2, −1), w = (−5, 3, 1)
(b) v = (−1, −2, −1), w = (1, −2, −6)
(c) v = (2, −2, −2), w = (−1, 2, 1)
(d) v = (1, 1, −8), w = (−2, −3, −1)
(e) v = (5, −2, −6), w = (−8, 3, −2)
(f) v = (0, 1, −1), w = (3, 2, 6)
(g) v = (1, 1, 1), w = (0, 3, 0)
(h) v = (−1, −1, −1), w = (7, −3, 2)
(i) v = (4, −2, −1), w = (1, 0, 1)
(j) v = (−6, −4, 1), w = (−2, 2, 0)
(k) v = (0, 1, −1), w = (2, 0, 1)
(l) v = (1, 0, 1), w = (3, 2, 1)
(m) v = (3, 1, 2), w = (−6, 2, −1)
(n) v = (1, 4, 2), w = (−1, 2, −1)
(o) v = (1/3, 2, 1), w = (4, 2/4, 3)
(p) v = (1/2, 1, 3/5), w = (4/3, 2, −1/5)
6. Determine o valor de k tais que os seguintes vetores sejam coplanares:
42 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
(a) u = (1, 2, −3), v = (1, k, 1),
w = (3, 2, 1)
(b) u = (−1, k, 2), v = (3, 2, 5),
w = (−1, 0, 1)
(c) u = (1, k, 0), v = (1, 2, 1),
w = (1, 0, k)
(d) u = (0, 1, −1), v = (k, 0, 1),
w = (1, 1, 2 k)
7. Determine a área do triângulo PQR, se:
(a) P = (1, −1, 2), Q = (0, 3, −1), R = (3, −4, 1)
(b) P = (−3, 0, 5), Q = (2, −1, −3), R = (4, 1, −1)
(c) P = (4, 0, 0), Q = (0, 5, 0), R = (0, 0, 2)
(d) P = (−1, 2, 0), Q = (0, 2, −3), R = (5, 0, 1)
8. Determine o volume do paralelepípedo formado por
−−→
PQ,
−→
PR e
−→
PT:
(a) P = (0, 0, 0), Q = (1, −1, 2), R = (0, 3, −1), T = (3, −4, 1)
(b) P = (2, 1, −1), Q = (3, 0, 2), R = (4, −2, 1), T = (5, −3, 0)
9. Determine d(P
1
P
2
), se:
(a) P
1
= (1, 2, 1), P
2
= (−5, 3, 1)
(b) P
1
= (−3, 2, −1), P
2
= (15, 2, 6)
(c) P
1
= (12, 222, 1), P
2
= (5, 23, 11)
(d) P
1
= (4, 24, 18), P
2
= (−25, 23, 11)
(e) P
1
= (9, 3, 1), P
2
= (9, −3, 2)
(f) P
1
= (0, 12, −11), P
2
= (5, 2, 16)
(g) P
1
= (1, 1, 1), P
2
= (5, 3, 0)
(h) P
1
= (1, 1, −1), P
2
= (7, 3, 1)
(i) P
1
= (14, −12, 11), P
2
= (−1, 9, −1)
(j) P
1
= (−6, −4, 1), P
2
= (−2, 2, −6)
(k) P
1
= (4, −2, −6), P
2
= (4, −9, 4)
(l) P
1
= (2, −4, 5), P
2
= (2, −2, −4)
(m) P
1
= (9, −3, 2), P
2
= (6, 9, 1)
(n) P
1
= (9, 0, 5), P
2
= (−5, 2, 1)
10. Verifique que para todo v e w ∈ R
n
; tem-se:
(a) |v · w| ≤ v w
(b) v + w ≤ v + w
(c) 2 u
2
+ 2 v
2
= u +v
2
+u −v
2
(d) u +v u −v = u
2
+v
2
(e) 4u · v = u +v
2
−u −v
2
11. Sejam P
1
= (2, 9, 8), P
2
= (6, 4, −2) e P
3
= (7, 15, 7). Verifique que
−−−→
P
1
P
2
e
−−−→
P
1
P
3
são
ortogonais e determine um ponto P tal que P
1
, P
2
, P e P
3
formem um retângulo.
1.13. EXERCÍCIOS 43
12. Sejam P
1
= (5, 0, 7) e P
2
= (2, −3, 6). Determine o ponto P sobre a reta que liga P
1
a P
2
tal que
−−→
P
1
P = 3
−−→
PP
2
.
13. Determine a equação do plano passando pelos pontos P
1
, P
2
e P
3
, sendo:
(a) P
1
= (−3, 0, 2), P
2
= (6, 1, 4), P
3
= (−5, 1, 0)
(b) P
1
= (2, 1, 4), P
2
= (1, −1, 2), P
3
= (4, −1, 1)
(c) P
1
= (1, 1, 1), P
2
= (0, −1, 1), P
3
= (2, −1, −1)
(d) P
1
= (1, −1, 1), P
2
= (1, −1, −1), P
3
= (3, −1, 1)
(e) P
1
= (3, −4, 2), P
2
= (3, 3, −3), P
3
= (2, −5, 2)
(f) P
1
= (2, 3, 1), P
2
= (−3, 2, 6), P
3
= (−4, 2, 5)
(g) P
1
= (1/2, 1/3, −2), P
2
= (1, 1, 1), P
3
= (1/4, 2, −1/5)
(h) P
1
= (1, 1, 2), P
2
= (1/2, −1, 1/3), P
3
= (4/5, 0, 1/5)
14. Determine a equação do plano passando pelo ponto P = (3, −1, 2), perpendicular à reta
determinada por P
1
= (2, 1, 4) e P
2
= (−3, −1, 7). Ache a distância do ponto P ao plano.
15. Verifique que a interseção dos planos x +y −2 z = 1 e x + 3 y −x = 4 é uma reta. Ache a
distância do ponto P = (1, 0, 1) a essa reta.
16. Determine a equação do plano paralelo ao plano 2 x+3 y −6 z = 3 e que passa pelo ponto
P = (1, 1, 1).
17. Determine o plano perpendicular à reta
x
2
=
y−2
2
= z + 1 e que passa pelo ponto P =
(1, 3, −1).
18. Determine a equação do plano perpendicular aos planos x + 2 y −7 z = 0 e x −y −z = 5
e que passa pela origem.
19. Determine a equação do plano ortogonal ao vetor (2, 3, 6) e que passa pelo ponto (1, 5, 3).
20. Determine a distância do plano do exercício [17] à origem e ao ponto (10, 15, 20).
Quádricas
1. Determine a natureza das seguintes quádricas:
(a) 4x
2
+ 9y
2
+z
2
= 36
(b) z −4(x
2
+y
2
) = 0
(c) 4x
2
+ 9y
2
−z
2
= 36
(d) x
2
−y
2
+z
2
= 0
(e)
x
2
36
+
z
2
25
−4y = 0
(f)
x
2
36

z
2
25
−9y = 0
(g) x
2
+16z
2
−4y
2
+16 = 0
(h) x
2
−2x +y
2
+z
2
= 0
(i) x
2
+y
2
= 2 y
(j) x
2
+y
2
= 4 x
44 CAPÍTULO 1. GEOMETRIA ANALÍTICA
2. Utilizando a técnica dos traços, esboce o gráfico de cada quádrica do exercício [1].
3. Determine a natureza da curva obtida pela projeção no plano xy da interseção de :
(a) z +x
2
= 1 e z −x
2
−y
2
= 0.
(b) x = 2 e x = y
2
+z
2
.
(c) z = 8 −5x
2
−3y
2
e z = 3x
2
+ 5y
2
.
4. Determine os valores de k tais que a interseção do plano x + k y = 0 com a quádrica
y
2
−x
2
−z
2
= 1 seja uma elipse e uma hipérbole, respectivamente.
5. Verifique que 2x − 2z − y = 10 intersecta 2z =
x
2
9
+
y
2
4
num único ponto e determine o
ponto.
6. Determine a, b, c e d de modo que os pontos dados pertençam à quádrica:
a x
2
+b y
2
+c z
2
+d = 0,
onde:
(a) (1, 1, −1), (2, 1, 0), (5, −5, 3).
(b) (2, −1, 1), (−3, 0, 0), (1, −1, −2).
(c) (1, 2, −1), (0, 1, 0), (2, 1, −2).
7. Determine a equação da superfície definida pelo conjunto dos pontos P = (x, y, z) tais
que a distância de P ao eixo dos x é o dobro da distância de P ao plano yz. Identifique a
superfície.
8. Determine a equação da superfície definida pelo conjunto dos pontos P = (x, y, z) tais
que a distância de P ao eixo dos y é
3
4
da distância de P ao plano xz. Identifique a
superfície.
9. Determine a equação da superfície definida pelo conjunto dos pontos P = (x, y, z) tais
que a distância de P ao ponto (0, 0, 1) é igual à distância de P ao plano y = −1. Identifique
a superfície.
10. Verifique que o ponto P = (1, 3, −1) pertence ao parabolóide hiperbólico 4 x
2
− z
2
= y e
determine as equações das duas retas que passam por P e estão contidas no parabolóide.
Capítulo 2
FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS
2.1 Introdução
Como no Cálculo de uma variável, neste capítulo estudaremos uma das noções centrais da
Matemática, o conceito de função. Uma função de várias variáveis reais é uma regra que des-
creve como uma quantidade é determinada por outras quantidades, de maneira única. Através
das funções de várias variáveis poderemos modelar uma grande quantidade de fenômenos dos
mais diversos ramos da Ciência.
Definição 2.1. Seja A ⊂ R
n
, n = 2 ou n = 3. Uma função f definida no subconjunto A com valores
em R é uma regra que associa a cada u ∈ A um único número real f(u).
u é chamada variável independente da função e a notação é:
f : A ⊂ R
n
−→R.
Se n = 3, denotamos a variável independente por u = (x, y, z) e a função por w = f(x, y, z).
Se n = 2, denotamos a variável independente por u = (x, y) e a função por z = f(x, y).
Exemplo 2.1.
[1] O número de indivíduos Q de uma certa colônia de fungos depende essencialmente da
quantidade N de nutrientes (gr), da quantidade H de água (cm
3
), da temperatura T (
0
C) e da
presença de uma certa proteina L (ml). Experimentalmente foi obtida a seguinte tabela:
N H T L Q
10 1 10 0.1 15
20 3.5 14 0.4 20
30 5.6 16 0.8 22
22 8 21 0.1 21
25 5.1 12 0.8 15
10 1.4 30 1.6 12
50 7.3 35 0.9 17
45
46 CAPÍTULO 2. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS
Q possivelmente não tem uma formulação matemática explícita, mas é uma função bem defi-
nida: Q = Q(N, H, T, L)
[2] O volume V de um cilindro é função do raio r de sua base e de sua altura h:
V (r, h) = π r
2
h.
Logo, um cilindro de altura h = 10 cm e raio r = 2 cm tem volume: V (2, 10) = 40 π cm
3
,
aproximadamente, 125.663 cm
3
[3] Um tanque para estocagem de oxigênio líquido num hospital deve ter a forma de um cilin-
dro circular reto de raio r e de altura l m (m =metros), com um hemisfério em cada extremi-
dade. O volume do tanque é descrito em função da altura l e do raio r.
r
l
Figura 2.1: O tanque do exemplo [3].
O volume do cilindro é π l r
2
m
3
e o dos dois hemisférios é
4 π r
3
3
m
3
; logo, o volume total é:
V (l, r) = π
_
4 r
3
3
+l r
2
_
m
3
.
Por exemplo, se a altura for 8 m e o raio r = 1 m, o volume é V (8, 1) =
28 π
3
m
3
.
[4] O índice de massa corporal humano (IMC) é expresso por:
IMC(P, A) =
P
A
2
,
onde P é o peso emquilos e Aa altura emm. OIMCindica se uma pessoa está acima ou abaixo
do peso ideal, segundo a seguinte tabela da OMS (Organização Mundial da Saude):
Condição IMC
Abaixo do peso < 18.5
Peso normal 18.5 ≤ IMC ≤ 25
Acima do peso 25 ≤ IMC ≤ 30
Obeso > 30
Por exemplo, uma pessoa que mede 1.65 m e pesa 98 quilos, tem IMC(98, 1.65) = 35.9; logo
segundo a tabela está obeso. Agora uma pessoa que mede 1.80 m e pesa 75 kg, tem
IMC(98, 1.65) = 23.1;
logo, segundo a tabela tem peso normal.
2.1. INTRODUÇÃO 47
[5] Da lei gravitacional universal de Newton segue que dada uma partícula de massa m
0
na
origemde umsistema de coordenadas xy z, o módulo da força F exercida sobre outra partícula
de massa m situada no ponto (x, y, z) é dado por uma função de 5 variáveis independentes:
Figura 2.2: Exemplo [5].
F(m
0
, m, x, y, z) =
g m
0
m
x
2
+y
2
+z
2
,
onde g é a constante de gravitação universal.
[6] A lei de um gás ideal confinado (lei de Gay - Lussac) é P V = k T, onde P é a pressão em
N/u
3
(N=Newton, u=unidades de medida), V é o volume em u
3
, T é a temperatura em graus
e k > 0 uma constante que depende do gás. Podemos expressar o volume do gás em função
da pressão e da temperatura; a pressão do gás em função do volume e da temperatura ou a
temperatura do gás em função da pressão e do volume:
V (P, T) =
k T
P
, P(V, T) =
k T
V
e T(P, V ) =
P V
k
.
[7] Quando um poluente é emitido por uma chaminé de h metros de altura, a concentração do
poluente, a x quilômetros da origemda emissão e a y metros do chão pode ser aproximada por:
P(x, y) =
a
x
2
_
e
h(x,y)
+e
k(x,y)
_
,
onde h(x, y) = −
b
x
2
_
y −h
_
2
e k(x, y) = −
b
x
2
_
y +h
_
2
.
O poluente P é medido em µg/m (µg=microgramas), onde a e b são constantes que dependem
das condições atmosféricas e da taxa de emissão do poluente. Sejam a = 200 e b = −0.002. Por
exemplo, para uma chaminé de 10 m, a contaminação a 1 km de distância e a uma altura de 2 m
é P(1000, 2) = 0.004 µg/m.
[8] Lei do fluxo laminar de Poiseuille: Fluxo sanguíneo através de um vaso, como artérias ou
veias. Como as quantidades envolvidas são pequenas, podemos considerar que vasos tem
formato cilíndrico não elástico.
48 CAPÍTULO 2. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS
R
Figura 2.3: Fluxo laminar de Poiseuille.
Denotemos por R o raio e l o comprimento, medidos em cm. Devido a fricção nas paredes
do vaso, a velocidade v do sangue é maior ao longo do eixo central do vaso e decresce se a
distância d (cm) do eixo à parede cresce e é zero na parede. v é uma função de quatro variáveis:
v(P, R, l, d) =
P (R
2
−d
2
)
4 l η
,
onde η é a viscocidade do sangue e P a diferença entre a pressão da entrada e a da saída do
sangue no vaso, medida emdina/cm
2
. Experimentalmente, para o sangue humano numa veia:
η = 0.0027. Por exemplo, se l = 1.675, R = 0.0075, P = 4 ×10
3
e d = 0.004, tem-se:
v(4 ×10
3
, 1.675, 0.004)) = 8.89994 cm/seg.
[9] Médicos dos desportos desenvolveram empiricamente a seguinte fórmula para calcular a
área da superfície de uma pessoa em função de seu peso e sua altura:
S(P, A) = 0.0072 P
0.425
A
0.725
,
onde P é o peso em quilogramas, A é a altura em cm e S é medido em m
2
. Uma pessoa que
pesa 50 quilos e mede 160 cm deve ter uma área da superfície corporal: S(50, 160) = 1.5044 m
2
.
[10] Um circuito elétrico simples é constituído de 4 resistores como na figura:
R R R
R
E
1 2
3
4
Figura 2.4: Circuito elétrico.
Aintensidade da corrente I neste circuito é função das resistências R
i
(i = 1, 2, 3, 4) e da tensão
da fonte E; logo:
I(R
1
, R
2
, R
3
, R
4
, E) =
E
R
1
+R
2
+R
3
+R
4
.
[11] Aprodução P ( valor monetário dos bens produzido no ano) de uma fábrica é determinada
pela quantidade de trabalho (expressa em operários/horas trabalhadas no ano) e pelo capital
2.2. DOMÍNIO E IMAGEM 49
investido (dinheiro, compra de maquinarias, matéria prima, etc.). A função que modela a
produção é chamada de Cobb-Douglas e é dada por:
P(L, K) = AK
α
L
1−α
,
onde L é a quantidade de trabalho, K é o capital investido, A e α são constantes positivas
(0 < α < 1). Por exemplo, se o capital investido é de R$ 600.000 e são empregados 1000
operários/hora, a produção é dada pela seguinte função de Cobb-Douglas:
P(L, K) = 1.01 L
3
4
K
1
4
;
então, P(1000, 600.000) = 4998.72. A função de produção de Cobb-Douglas tem a seguinte
propriedade para todo n ∈ N, P(nL, nK) = AnK
α
L
1−α
, isto é, para acréscimos iguais na
quantidade de trabalho e de capital investido obtemos o mesmo acréscimo na produção.
2.2 Domínio e Imagem
De forma análoga ao Cálculo de uma variável, os conjuntos Domínio e Imagem de uma função
são relevantes para o estudo das funções de várias variáveis.
Definição 2.2. Seja f : A ⊂ R
n
−→R uma função.
1. O conjunto de todas as variáveis independentes u ∈ R
n
tais que f(u) existe é chamado domínio
de f e é denotado por Dom(f).
2. O conjunto dos z ∈ R tais que f(u) = z e u ∈ Dom(f) é chamado imagem de f e é denotado por
Im(f).
Na prática o domínio de uma função é determinado pelo contexto do problema.
Exemplo 2.2.
[1] O volume V de um cilindro é função do raio r de sua base e de sua altura h. Logo,
V (r, h) = π r
2
h.
Como o raio e a altura de um cilindro devem ser positivos, temos que:
Dom(f) = {(r, h) ∈ R
2
/ r > 0, h > 0} = (0, +∞) ×(0, +∞)
e Im(f) = (0, +∞). No caso de não estar considerando a função como volume, teríamos que
Dom(f) = Im(f) = R
2
.
[2] Seja z = f(x, y) =
_
1 −x
2
−y
2
. Note que f é definida se, e somente se:
1 −x
2
−y
2
≥ 0,
ou seja x
2
+y
2
≤ 1; logo:
Dom(f) = {(x, y) ∈ R
2
/x
2
+y
2
≤ 1}.
50 CAPÍTULO 2. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS
Por outro lado 0 ≤ z =
_
1 −x
2
−y
2
≤ 1; logo, Im(f) = [0, 1].
1
1
Figura 2.5: Exemplo [2].
[3] Seja z = f(x, y) =
x
x −y
. Note que f é definida se o denominador x −y = 0; então, x = y e,
Dom(f) = {(x, y) ∈ R
2
/x = y} = R
2
−{(x, x)/x ∈ R}.
1
1
Figura 2.6: Exemplo [3].
[4] Seja z = f(x, y) = arcsen(x + y). Note que arcsen(u) é definido se −1 ≤ u ≤ 1; logo,
−1 ≤ x +y ≤ 1 o que acontece, se, e somente se, y ≤ 1 −x e −1 −x ≤ y; então:
Dom(f) = {(x, y) ∈ R
2
/ −1 −x ≤ y ≤ 1 −x}.
1
1
Figura 2.7: Exemplo [4].
2.2. DOMÍNIO E IMAGEM 51
[5] z = f(x, y) = ln(y − x). Note que a função logarítmica ln(u) é definida se u > 0; logo,
y −x > 0 e f é definida em todo o semi-plano definido por {(x, y) ∈ R
2
/y > x}.
1
1
Figura 2.8: Exemplo [5].
[6] z = f(x, y) =
y
_
x
2
+y
2
−1
. Note que o quociente é definido se x
2
+y
2
−1 > 0; logo, a
função é definida em todo o plano menos a região determinada por x
2
+y
2
≤ 1.
1
1
Figura 2.9: Exemplo [6].
[7] w = f(x, y, z) = y
_
x
2
+y
2
+z
2
−1. Note que a raiz quadrada está definida se, e somente
se:
x
2
+y
2
+z
2
−1 ≥ 0;
logo, a função é definida em todo R
3
menos a região determinada por x
2
+ y
2
+ z
2
< 1. De
outro modo, todo o espaço menos os vetores de R
3
de norma menor que 1.
[8] Da mesma forma que no caso de uma variável, as funções polinomiais de grau n, de várias
variáveis tem Dom(f) = R
n
e a Im(f) depende do grau do polinômio. Por exemplo. Se
f(x, y, z) = x
5
+y
3
−3 xy z
2
−x
2
+x
2
y z +z
5
−1, então, Im(f) = R. Se g(x, y) = x
2
+y
2
−2 xy,
então Im(f) = [0, +∞).
52 CAPÍTULO 2. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS
2.3 Gráfico de Funções de Várias Variáveis
Definição 2.3. Seja f : A ⊂ R
n
−→R uma função. O gráfico de f é o seguinte subconjunto de R
n+1
:
G(f) = {(x, f(x)) ∈ R
n+1
/x ∈ Dom(f)} ⊂ R
n
×R
Se n = 2 e x = (x, y); então:
G(f) = {(x, y, f(x, y))/(x, y) ∈ Dom(f)}.
G(f) é, em geral, uma superfície emR
3
. Por exemplo, o gráfico da função :
f(x, y) =
_
1 se x, y ∈ Q
0 se x, y / ∈ Q,
não é uma superfície.
Se n = 3, x = (x, y, z) e G(f) é uma "hipersuperfície"emR
4
. Para n = 2, a projeção do gráfico
de f sobre o plano xy é exatamente Dom(f).
Figura 2.10: Esboço do gráfico de uma função , ponto a ponto.
Figura 2.11: Gráfico de uma função.
2.3. GRÁFICO DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 53
2.3.1 Conjuntos de nível
Definição 2.4. O conjunto de nível de f com valor c ∈ R é definido por:
{x ∈ Dom(f)/f(x) = c}
Em particular:
Se n = 2, o conjunto de nível c é dito curva de nível c de f:
C
c
= {(x, y) ∈ Dom(f)/f(x, y) = c}
Se n = 3, o conjunto de nível c é dito superfície de nível c de f:
S
c
= {(x, y, z) ∈ Dom(f)/f(x, y, z) = c}
As curvas de nível são obtidas pela interseção do plano z = c com a superfície G(f). No caso
n = 3, G(f) ⊂ R
4
; portanto, somente poderemos exibir esboços de suas seções.
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 2.12: Curvas de nível e o gráfico, respectivamente.
Se z = T(x, y) é a temperatura em cada ponto de uma região do plano, as curvas de nível
correspondem a pontos de igual temperatura. Neste caso, as curvas são chamadas isotermas.
0.0 0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0
1.0
0.5
0.0
0.5
1.0
1.5
2.0
Figura 2.13: Curvas Isotermais.
54 CAPÍTULO 2. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS
Se z = P(x, y) é o potencial elétrico em cada ponto (x, y) de uma região do plano, as curvas de
nível correspondem a pontos de igual potencial elétrico. Neste caso, as curvas são chamadas
equipotenciais.
-4 -2 0 2 4
-4
-2
0
2
4
x
y
Figura 2.14: Curvas Equipotenciais.
Outra aplicação é o esboço de gráficos de função de duas variáveis:
A construção do esboço do G(f) é feita assim:
Uma vez dado o valor da "altura"z = c obtemos uma curva plana; elevando cada curva, sem
esticá-la ou incliná-la obtemos o contorno aparente de G(f); auxiliado pelas seções (como no
caso das quádricas), podemos esboçar G(f) de forma bastante fiel.
Note que curvas de nível muito espaçadas, significa que o gráfico cresce lentamente; duas
curvas de nível muito próximas significa que o gráfico cresce abruptamente.
-1 -0.5 0 0.5 1
-1
-0.5
0
0.5
1
Figura 2.15:
2.3. GRÁFICO DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 55
Figura 2.16:
Exemplo 2.3.
[1] Se T(x, y) = x +y
2
−1 representa a temperatura em cada ponto de uma região do plano, as
curvas de nível ou isotermas são T(x, y) = c, isto é:
x +y
2
−1 = c, c ∈ R.
Temos uma família de parábolas:
c x +y
2
−1 = c
0 x +y
2
= 1
1 x +y
2
= 2
-1 x +y
2
= 0
2 x +y
2
= 3
-2 x +y
2
= −1
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 2.17: Esboco das curvas de nível de T = T(x, y).
[2] Esboce o gráfico de z = f(x, y) = x
2
−y
2
. Note que Dom(f) = R
2
.
56 CAPÍTULO 2. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS
Interseções de G(f) com os eixos coordenados: somente a origem.
Simetrias: a equação:
z = x
2
−y
2
não se altera se substituimos x e y por −x e −y; logo, tem simetria em relação aos planos yz e
xz.
Curvas de nível:
Fazendo z = c, temos: x
2
− y
2
= c. Se c < 0, temos x
2
− y
2
= c, que são hipérboles que
intersectam o eixo dos y; Se c = 0, temos y = ±x, que são duas retas passando pela origem; Se
c > 0, temos x
2
−y
2
= c, que são hipérboles que intersectam o eixo dos x.
Traços:
No plano xy: um par de retas que se intersectam na origem.
No plano yz: a parábola: y
2
+z = 0.
No plano xz: a parábola: x
2
−z = 0. Logo z = f(x, y) = x
2
−y
2
é um parabolóide hiperbólico.
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 2.18: Curvas de nível e gráfico, respectivamente.
[3] Esboce o gráfico de z = f(x, y) = x +y
2
. Note que Dom(f) = R
2
.
Interseções de G(f) com os eixos coordenados: somente a origem.
Simetrias: a equação:
z = x +y
2
não se altera se substituimos y por −y; logo, tem simetria em relação ao plano xz.
Curvas de nível:
Fazendo z = c, temos y
2
= c −x, que é uma família de parábolas com foco no eixo dos y, para
todo c ∈ R.
Traços:
No plano yz é a parábola: y
2
−z = 0. No plano xz é a reta: x −z = 0. Logo z = f(x, y) = x+y
2
é um cilindro parabólico.
2.3. GRÁFICO DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 57
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 2.19: Curvas de nível e gráfico, respectivamente.
[4] Esboce o gráfico de z = f(x, y) = ln(x
2
+y
2
). Note que Dom(f) = R
2
−{(0, 0)}.
Interseções com os eixos coordenados: (0, ±1, 0), (±1, 0, 0).
Simetrias: a equação:
z = ln(x
2
+y
2
)
não se altera se substituimos x e y por −x e −y; logo, tem simetria em relação aos planos yz e
xz.
Curvas de nível.
Fazendo z = c, temos: x
2
+y
2
= e
c
, para todo c ∈ R. As curvas de nível são círculos centrados
na origem de raios e
c/2
; se c → −∞, o raio tende para zero e se c → +∞, o raio cresce. A
superfície tem o aspecto de um funil.
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 2.20: Curvas de nível e gráfico, respectivamente.
[5] Esboce o gráfico de z = f(x, y) = sen(x).
Note que Dom(f) = R
2
. Como na equação falta a variável y, o gráfico de f é um cilindro de
diretriz z = sen(x) no plano xz e geratriz paralela ao eixo dos y.
58 CAPÍTULO 2. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 2.21: Curvas de nível e gráfico, respectivamente.
[6] Esboce as superfícies de nível do gráfico de w = f(x, y, z) = x − y + z + 2. Note que
Dom(f) = R
3
.
Superfícies de nível:
Fazendo w = c, temos: x − y + z = c − 2, que representa uma família de planos paralelos de
normal (1, −1, 1), para qualquer c.
Figura 2.22: Superfícies de nível.
[7] Esboce as superfícies de nível do gráfico de w = f(x, y, z) = z −x
2
−y
2
.
Note que Dom(f) = R
3
.
Superfícies de nível:
Fazendo w = c, temos: z = x
2
+y
2
+c, que para cada c é a equação de um parabolóide circular
com eixo no eixo dos z.
2.3. GRÁFICO DE FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 59
Figura 2.23: Superfícies de nível.
[8] Esboce as superfícies de nível do gráfico de w = f(x, y, z) = x
2
−y
2
+z
2
.
Superfícies de nível: Fazendo w = c temos: x
2
− y
2
+ z
2
= c. Se c < 0, é um hiperbolóide de
duas folhas: x
2
−y
2
+z
2
= c.
Figura 2.24: Hiperbolóide de duas folhas.
Se c = 0, é um cone circular: x
2
−y
2
+z
2
= 0.
Figura 2.25: Cone circular.
60 CAPÍTULO 2. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS
Se c > 0, é um hiperbolóide de uma folha: x
2
−y
2
+z
2
= c; etc.
Figura 2.26: Hiperbolóide de uma folha.
Em alguns casos é mais conveniente esboçar as curvas nível do que o gráfico da função.
[9] Considere a função de Cobb-Douglas: P(L, K) = 1.01 L
3
4
K
1
4
. As curvas de nível de P para
diversas produções são esboçadas, indicando as possibilidades de L e K para cada produção.
0 50 100 150 200
0
50
100
150
200
Figura 2.27: Curvas de nível da função de Cobb-Douglas.
[10] Sabemos que o índice de massa corporal é dado por IMC(P, A) =
P
A
2
. As curvas de nível
de ICM indicam as possibilidades de 10 ≤ P ≤ 200 e 0.5 ≤ A ≤ 2.5.
2.4. EXERCÍCIOS 61
25 50 75 100 125 150 175 200
0.5
1
1.5
2
2.5
Figura 2.28: Curvas de nível da função da massa corporal.
De forma análoga ao caso de uma variável, nem toda superfície em R
3
é o gráfico de uma
função de duas variáveis. A condição necessária e suficiente para que uma superfície em R
3
seja o gráfico de uma função z = f(x, y) é que toda reta paralela ao eixo dos z intersecte a
superfície em um único ponto. A esfera x
2
+ y
2
+ z
2
= 1 não pode ser gráfico de uma função
de duas variáveis, mas os hemisférios da esfera são gráficos das funções:
z = f
1
(x, y) =
_
1 −x
2
−y
2
e z = f
2
(x, y) = −
_
1 −x
2
−y
2
.
Em geral, toda equação de tres variáveis que represente uma superfície é uma superfície de
nível de alguma função de tres variáveis. As superfícies quádricas são superfícies de algum
nível de funções de três variáveis.
Exemplo 2.4.
[1] Seja x
2
+y
2
+z
2
= 1; então: x
2
+y
2
+z
2
= 1 é superfície de nível c = 0 para
f(x, y, z) = x
2
+y
2
+z
2
−1,
x
2
+y
2
+z
2
= 1 é superfície de nível c = 1 para
g(x, y, z) = x
2
+y
2
+z
2
e x
2
+y
2
+z
2
= 1 é superfície de nível c = 30 para h(x, y, z) = x
2
+y
2
+z
2
+ 29.
[2] Seja z = f(x, y), considere h(x, y, z) = z −f(x, y); então, G(f) é uma superfície de nivel zero
de h.
2.4 Exercícios
1. Determine o volume em função de h e r.
(a) Um depósito de grãos tem formato de um cilindro circular reto de altura h e raio r,
com teto cônico.
(b) Um depósito de gás tem formato de um cilindro circular reto de altura h e raio r, com
teto uma semi-esfera.
2. Se f(x, y) = x
5
−y
5
−4 x
2
y
3
−3 x
3
y
2
+xy
2
+x
2
−y
2
−x +y + 1, calcule:
62 CAPÍTULO 2. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS
(a) f(0, 0)
(b) f(1, 1)
(c) f(x, x)
(d) f(y, −y)
(e) f(x
2
,

xy)
(f) f(1, h)
(g) f(h, 0)
(h)
f(x+h,y)−f(x,y)
h
(i)
f(x,y+h)−f(x,y)
h
3. Se f(x, y, z) = (xy z)
2
, calcule:
(a) f(0, 0, 0)
(b) f(1, 1, π)
(c) f(x, x, x)
(d) f(y, z, z)
(e) f(x
2
,

xy z, z
3
y)
(f)
f(x+h,y,z)−f(x,y,z)
h
(g)
f(x,y+h,z)−f(x,y,z)
h
(h)
f(x,y,z+h)−f(x,y,z)
h
(i)
f(x+h,y+h,z+h)−f(x,y,z)
h
4. Determine Dom(f) se:
(a) f(x, y) =
_
x−y
x+y
(b) f(x, y) =
x
2
−y
2
x−y
(c) f(x, y) =
x+y
x y
(d) f(x, y) = 16 −x
2
−y
2
(e) f(x, y) = |x|e
y
x
(f) f(x, y) =
_
|x| −|y|
(g) f(x, y) =
x−y
sen(x)−sen(y)
(h) f(x, y) =

y −x +

1 −y
(i) f(x, y, z) = xy z −x
4
+x
5
−z
7
(j) f(x, y, z) = sen(x
2
−y
2
+z
2
)
(k) f(x, y, x) =
y
z x
(l) f(x, y, z) = x
2
sec(y) +z
(m) f(x, y, z) = ln(x
2
+y
2
+z
2
−1)
(n) f(x, y, z) =
_
1 −x
2
−y
2
−z
2
(o) f(x, y, z) = e
x
2
+y
2
+z
2
(p) f(x, y, z) =
3
_
1 −x
2
−y
2
−z
2
.
5. Esboce Dom(f) no plano de cada função do exercício [4].
6. Seja x ∈ R
n
. Uma função f(x) é dita homogênea de grau n ∈ Z se para todo t > 0,
f(tx) = t
n
f(x). Verifique que as seguintes funções são homogêneas e determine o grau:
(a) f(x, y) = 3 x
2
+ 5 xy +y
2
(b) f(x, y) =
2
x
2
+y
2
(c) f(x, y) =
_
x
2
+y
2
sen(
y
x
), x = 0
(d) f(x, y, z) =
x
y
3
+
y
z
3
+
z
x
3
(e) f(x, y, z) =
1
x+y+z
(f) f(x, y, z) = x
2
e

y
z
7. Esboce as curvas de nível de f, para os seguintes c:
(a) f(x, y) =
_
100 −x
2
−y
2
, c = 0, 8, 10.
(b) f(x, y) =
_
x
2
+y
2
, c = 0, 1, 2, 3, 4
(c) f(x, y) = 4 x
2
+ 9 y
2
, c = 0, 2, 4, 6
(d) f(x, y) = 3x −7y, c = 0, ±1, ±2
(e) f(x, y) = x
2
+xy, c = 0, ±1, ±2, ±3
(f) f(x, y) =
x
2
y
2
+1
, c = 0, ±1, ±2, ±3
(g) f(x, y) = (x −y)
2
, c = 0, ±1, ±2, ±3
(h) f(x, y) = ln(x
2
+y
2
−1), c = 0, ±1
2.4. EXERCÍCIOS 63
(i) f(x, y) =
x
x
2
+y
2
+1
, c = ±1, ±2 (j) f(x, y) = e
x
2
+y
2
, c = 1, 2
8. Esboce as superfícies de nível de f, para os seguintes c:
(a) f(x, y, z) = −x
2
− y
2
− z
2
, c =
0, ±1, ±2
(b) f(x, y, z) = 4x
2
+ y
2
+ 9z
2
, c =
0, ±
1
2
, ±1
(c) f(x, y, z) = x
2
+y
2
+z, c = 0, ±1, ±2
(d) f(x, y, z) = x −y
2
+z
2
,
c = 0, ±1, ±2
(e) f(x, y, z) = xy z,
c = 0, ±1, ±2
(f) f(x, y, z) = e
−(x
2
+y
2
+z
2
)
,
c = 0, ±1, ±2
9. Esboce o gráfico das seguintes funções, utilizando as curvas de nível de f:
(a) f(x, y) = x −y −2
(b) f(x, y) = x
2
+ 4 y
2
(c) f(x, y) = xy
(d) f(x, y) = 2 x
2
−3 y
2
(e) f(x, y) = |y|
(f) f(x, y) =
_
16 −x
2
−y
2
(g) f(x, y) =
_
9 x
2
+ 4 y
2
(h) f(x, y) = e
−(x
2
+y
2
)
(i) f(x, y) = 1 −
_
x
2
+y
2
(j) z = 1 +y
2
−x
2
(k) z = x
2
(l) z =
_
1 +x
2
+y
2
(m) z = y
3
(n) z = sen(x)
(o) z = e
y
10. Função de DuBois-DuBois: EmMedicina, às vezes, se utiliza a seguinte função para deter-
minar a superfície corporal de uma pessoa: S(P, h) = 0.0072 P
0.425
h
0.725
, que estabelece
uma relação entre a área da superfície S (m
2
) de uma pessoa, o seu peso P (Kg) e sua
altura h (cm).
(a) Se uma criança pesa 15 kg e mede 87 cm, qual é sua superfície corporal?
(b) Esboce as curvas de nível da função S.
(c) Esboce o gráfico de S.
11. De forma análoga ao que ocorre no Cálculo de uma variável, dadas f e g funções defini-
das em A ⊂ R
n
, definimos:
_
f +g
_
(u) = f(u) +g(u).
_
f g
_
(u) = f(u) g(u); em particular,
_
λf
_
(u) = λf(u), para todo λ ∈ R.
_
f
g
_
(u) =
f(u)
g(u)
, se g(u) = 0.
(a) Calcule: f +g, f g, e
f
g
, se f(x, y) = x
3
−xy
2
−x
2
y −y
3
+x
2
+y
2
e g(x, y) =
= x
2
y +xy
2
−x
3
+y
3
+xy.
(b) Sejam f(x, y, z) = xy z −x
2
z
2
e g(x, y, z) = xy z −y
2
z
2
, calcule: f +g, f g, e
f
g
.
64 CAPÍTULO 2. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS
Capítulo 3
CONJUNTOS ABERTOS, FECHADOS
E FRONTEIRA
3.1 Introdução
Definição 3.1. Sejam r > 0 e x
0
∈ R
n
. A bola aberta de centro x
0
e raio r é denotada por B(x
0
, r) e
definida por:
B(x
0
, r) = {x ∈ R
n
/x −x
0
< r}.
Se n = 2; x
0
= (x
0
, y
0
) e x = (x, y); logo x −x
0
=
_
(x −x
0
)
2
+ (y −y
0
)
2
:
B(x
0
, r) = {(x, y) ∈ R
2
/(x −x
0
)
2
+ (y −y
0
)
2
< r
2
}
B(x
0
, r) é o "interior"de um círculo centrado em (x
0
, y
0
) e raio r, ou equivalentemente, o con-
junto dos vetores no plano de origem em (x
0
, y
0
) e norma menor que r. Neste caso, o conjunto
B(x
0
, r) é chamado disco aberto de centro (x
0
, y
0
) e raio r.
B(x,r)
x
0
0
y
r
(x ,y )
0 0
Figura 3.1: Disco aberto.
Analogamente, se n = 3; x
0
= (x
0
, y
0
, z
0
) e x = (x, y, z):
B(x
0
, r) = {(x, y, z) ∈ R
3
/(x −x
0
)
2
+ (y −y
0
)
2
+ (z −z
0
)
2
< r
2
}
65
66 CAPÍTULO 3. CONJUNTOS ABERTOS, FECHADOS E FRONTEIRA
B(x
0
, r) é o "interior"de uma esfera "sólida"centrada em (x
0
, y
0
, z
0
) e raio r, ou equivalente-
mente, o conjunto dos vetores no espaço de origem em (x
0
, y
0
, z
0
) e norma menor que r.
B(x,r)
r
x
Figura 3.2: Bola aberta.
Observe que em ambos os casos a desigualdade é estrita.
3.2 Conjuntos Abertos
Definição 3.2. A ⊂ R
n
é dito aberto em R
n
se para todo x ∈ A, existe B(x, r) tal que B(x, r) ⊂ A.
A
Figura 3.3: Conjunto aberto.
Estes conjuntos são a generalização natural de intervalos abertos em R. Por definição, o con-
junto vazio e R
n
são conjuntos abertos emR
n
.
Exemplo 3.1.
[1] Pela definição, {x} não é aberto emR
n
, pois toda bola ou disco aberto de centro x não está
contido em{x}. Em geral, os conjuntos do tipo {x
1
, x
2
, x
3
, ....., x
n
/ x
i
∈ R
n
} não são abertos.
[2] R "pensado"como a reta {(x, 0) / x ∈ R} ⊂ R
2
não é aberto no plano, pois qualquer disco
aberto centrado em (x, 0) não está contido emR.
3.3. CONJUNTO FRONTEIRA 67
x
Figura 3.4: Exemplo [2].
[3] A = (a, b) × (c, d) é aberto em R
2
. De fato, para todo (x, y) ∈ A, a < x < b e c < y < d,
denote por ε o menor número do conjunto {|x−a|, |x−b|, |y −c|, |y −d|}, onde | | é a distância
entre números reais. Então, por exemplo, considerando r =
ε
6
, temos, B((x, y), r) ⊂ A. Logo A
é um conjunto aberto.
A
c
d
a b
Figura 3.5: Exemplo [3].
[4] A = R
2
⊂ R
3
não é aberto no espaço, pois qualquer bola aberta centrada em (x, y, 0) não
está contida emR
2
.
[5] B(x
0
, r) é um conjunto aberto. De fato, denotando por d(x, y) a distância entre os pontos
x, y emR
n
, se x ∈ B(x
0
, r) então d(x, x
0
) < r; tomando r
1
= r−d(x, x
0
) < r, temos: B(x, r
1
) ⊂
B(x
0
, r).
Será útil dar um nome especial para um conjunto aberto que contenha um ponto dado x. A tal
conjunto chamaremos de vizinhança do ponto x.
3.3 Conjunto Fronteira
Definição 3.3. Seja A ⊂ R
n
. Um ponto x ∈ R
n
é dito ponto da fronteira ou do bordo de A se toda
vizinhança de x intersecta A e R
n
−A.
68 CAPÍTULO 3. CONJUNTOS ABERTOS, FECHADOS E FRONTEIRA
A
x
Figura 3.6: Bordo de A.
Denotamos o conjunto dos pontos da fronteira do conjunto A por ∂A. Um conjunto é aberto se
A ∩ ∂A = φ.
Exemplo 3.2.
[1] Se A = B(x, r) então ∂A = {y/d(x, y) = r}; logo o conjunto C = {y/d(x, y) ≤ r} não é
aberto.
A
C
Figura 3.7: Exemplo [2].
[2] Seja A = {(x, y) ∈ R
2
/x > 0}; este conjunto corresponde ao primeiro e ao quarto quadrantes
sem incluir a reta x = 0 e é aberto no plano; de fato, seja (x, y) ∈ A e escolhamos r = x > 0; se
(x
1
, y
1
) ∈ B((x, y), r) temos:
|x −x
1
| =
_
(x −x
1
)
2

_
(x −x
1
)
2
+ (y −y
1
)
2
< r = x.
Logo x
1
> 0 e B((x, y), r) ⊂ A; note que ∂A = {(0, y)/y ∈ R}.
3.4. CONJUNTOS FECHADOS 69
Figura 3.8: Exemplo [2].
3.4 Conjuntos Fechados
Definição 3.4. Um conjunto A ⊂ R
n
é dito fechado em R
n
se ∂A ⊂ A.
Exemplo 3.3.
[1] R
n
é também um conjunto fechado.
[2] A = {(x, y) ∈ R
2
/ x
2
+y
2
< r
2
, r > 0} não é fechado, pois sua fronteira é :
∂A = {(x, y) ∈ R
2
/x
2
+y
2
= r
2
, r > 0}.
Logo ∂A ⊂ A.
[3] O sólido W = {(x, y, z) ∈ R
3
/ x
2
+y
2
+z
2
≤ r
2
, r > 0} é fechado pois sua fronteira é:
∂W = {(x, y, z) ∈ R
3
/x
2
+y
2
+z
2
= r
2
, r > 0}.
Logo ∂W ⊂ W. Em geral, todos os sólidos são fechados.
[4] A = [a, b] × [c, d] é um conjunto fechado, pois ∂A é o retângulo formado pelas retas x = a,
x = b, y = c e y = d.
Nos próximos parágrafos apresenteremos uma caracterização mais eficiente dos conjuntos a-
bertos e fechados.
70 CAPÍTULO 3. CONJUNTOS ABERTOS, FECHADOS E FRONTEIRA
Capítulo 4
LIMITES E CONTINUIDADE
4.1 LIMITES
Seja f : A ⊂ R
n
−→R uma função e x
0
∈ A∪ ∂A. Intuitivamente, x
0
∈ A∪ ∂A significa que se
x
0
não pertence a A deve estar arbitrariamente "próximo"de A.
Definição 4.1.
O limite de f quando x aproxima-se de x
0
é L quando para todo ε > 0, existe δ > 0 tal que
x ∈ B(x
0
, δ) ∩ A implica |f(x) −L| < ε.
Notação:
lim
x→x
0
f(x) = L
Equivalentemente, lim
x→x
0
f(x) = L quando para todo ε > 0, existe δ > 0 tal que:
0 < x −x
0
< δ, implica em |f(x) −L| < ε.
Se n = 2: Consideramos x = (x, y), x
0
= (x
0
, y
0
) e o vetor x −x
0
= (x −x
0
, y −y
0
) a norma do
vetor x −x
0
é:
x −x
0
=
_
(x −x
0
)
2
+ (y −y
0
)
2
.
Usamos a seguinte notação:
lim
(x,y)→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = L
Se n = 3: Consideramos x = (x, y, z), x
0
= (x
0
, y
0
, z
0
) a norma do vetor x −x
0
é:
x −x
0
=
_
(x −x
0
)
2
+ (y −y
0
)
2
+ (z −z
0
)
2
.
Usamos a seguinte notação:
lim
(x,y,z)→(x
0
,y
0
,z
0
)
f(x, y, z) = L
71
72 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE
Exemplo 4.1.
Verifique que lim
(x,y)→(1,2)
(x + 2 y) = 5. De fato:
|x + 2 y −5| = |x −1 + 2 (y −2)| ≤ |x −1| + 2 |y −2|

_
(x −1)
2
+ (y −2)
2
+ 2
_
(x −1)
2
+ (y −2)
2
≤ 3 (x, y) −(1, 2).
Dado ε > 0, seja δ =
ε
3
; (x, y) −(1, 2) < δ implica em|x + 2 y −5| < 3 δ = ε. Logo:
lim
(x,y)→(1,2)
(x + 2 y) = 5.
As propriedades dos limites são análogas às dos limites de funções de uma variável e suas
provas seguem diretamente da definição.
Teorema 4.1. Seja f : A ⊂ R
n
−→R uma função. Se o limite de f quando x aproxima-se de x
0
existe,
então ele é único.
Este teorema permite fazer simplificações no cálculo de limites.
Proposição 4.1. Sejam f, g : A ⊂ R
n
−→ R, x
0
∈ A ∪ ∂A e c ∈ R, tal que lim
x→x
0
f(x) = L e
lim
x→x
0
g(x) = M, então:
1. lim
x→x
0
c f(x) = c · L,
2. lim
x→x
0
(f(x) +g(x)) = L +M,
3. lim
x→x
0
(f(x) · g(x)) = L · M,
4. lim
x→x
0
f(x)
g(x)
=
L
M
se M = 0.
5. Em particular, se P = P(x) é um polinômio de várias variáveis:
lim
x→x
0
P(x) = P(x
0
).
6. Se f(x) =
P(x)
Q(x)
é uma função racional:
lim
x→x
0
P(x)
Q(x)
=
P(x
0
)
Q(x
0
)
,
se x
0
∈ Dom(f).
Do teorema, podemos concluir que se duas curvas passam pelo ponto de abcissa x
0
e originam
valores diferentes para o limite de uma função quando restrita às curvas, então o limite da
função quando x se aproxima de x
0
não existe. Veja o exemplo [2].
4.1. LIMITES 73
Exemplo 4.2.
[1] Calcule lim
(x,y)→(0,0)
x
3
+ 2 x
2
+xy
2
+ 2 y
2
x
2
+y
2
.
Analogamente ao procedimento adotado no cálculo de limites de funções de uma variável,
temos: x
3
+ 2 x
2
+xy
2
+ 2 y
2
= (x + 2)(x
2
+y
2
), logo:
lim
(x,y)→(0,0)
x
3
+ 2 x
2
+xy
2
+ 2 y
2
x
2
+y
2
= lim
(x,y)→(0,0)
(x + 2) = 2.
[2] Calcule lim
(x,y)→(0,0)
2 xy
x
2
+y
2
.
Observemos que f é definida em R
2
− (0, 0). Consideremos o seguinte família de retas que
passam pela origem: y = k x; f calculada para y = k x é f(x, kx) =
2k
1 +k
2
e:
lim
(x,kx)→(0,0)
f(x, k x) =
2 k
1 +k
2
.
Figura 4.1: Exemplo [2].
Logo, sobre cada reta que passa pela origem, f tem um valor constante, mas que depende do
coeficiente angular k, de cada reta. O limite da função f depende do percurso do ponto (x, y)
quando ele tende à origem. Por exemplo, considere k = 0 e k = 1. Como o limite de f, se existe,
é único, podemos afirmar que o limite de f no ponto (0, 0) não existe.
74 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE
-0.1 -0.05 0 0.05 0.1
-0.1
-0.05
0
0.05
0.1
Figura 4.2: Curvas de nível do gráfico de f.
[3] Calcule lim
(x,y)→(0,0)
x
2
y
x
4
+y
2
.
Sejam a reta y = 0 e a parabóla y = x
2
. Então, f(x, 0) = 0 e:
lim
(x,y)−→(0,0)
x
2
y
x
4
+y
2
= 0.
Por outro lado, f(x, x
2
) =
1
2
e:
lim
(x,y)−→(0,0)
x
2
y
x
4
+y
2
=
1
2
.
Logo, o limite não existe. Veja as curvas de nível do G(f):
-1 -0.5 0 0.5 1
-1
-0.5
0
0.5
1
Figura 4.3: Curvas de nível do gráfico de f.
[4] Calcule lim
(x,y)→(0,0)
sen(x
2
+y
2
)
x
2
+y
2
.
Do cálculo em uma variável sabemos que lim
x−→0
sen(x)
x
= 1. Logo, para todo ε > 0, existe δ > 0
tal que 0 < |x| < δ < 1, implica
¸
¸
sen(x)
x
−1
¸
¸
< ε. Por outro lado se v = (x, y), então v
2
= x
2
+y
2
e:
lim
(x,y)→(0,0)
sen(x
2
+y
2
)
x
2
+y
2
= lim
v→0
sen(v
2
)
v
2
;
4.1. LIMITES 75
se 0 < v < δ, então 0 < v
2
< δ
2
< δ pois 0 < δ < 1, e
|f(v) −1| =
¸
¸
sen(v
2
)
v
2
−1
¸
¸
< ε.
Logo,
lim
(x,y)→(0,0)
sen(x
2
+y
2
)
x
2
+y
2
= 1.
Observemos que as curvas de nível e o gráfico de f são bem "comportados"numa vizinhança
de (0.0).
-1 -0.5 0 0.5 1
-1
-0.5
0
0.5
1
Figura 4.4: Curvas de nível e gráfico, respectivamente.
[5] Calcule lim
(x,y)→(0,0)
x
2
y
x
2
+y
2
.
A função f é definida em R
2
− {(0, 0)}. Consideremos a família de retas y = k x; f calculada
em y = k x é f(x, k x) =
k x
1+k
2
. Logo:
lim
(x,y)→(0,0)
x
2
y
x
2
+y
2
= lim
(x,kx)→(0,0)
k x
k
2
+ 1
= 0.
Mas, isto não nos garante que o limite:
lim
(x,y)→(0,0)
f(x, y) = 0.
Temos que utilizar a definição de limite. De fato, como x
2
≤ x
2
+y
2
e |y| ≤
_
x
2
+y
2
, temos:
¸
¸
¸
¸
x
2
y
x
2
+y
2
¸
¸
¸
¸
=
x
2
|y|
x
2
+y
2

(x
2
+y
2
)
_
x
2
+y
2
x
2
+y
2
=
_
x
2
+y
2
,
Tomando δ = ε, concluimos que
¸
¸
¸
¸
x
2
y
x
2
+y
2
¸
¸
¸
¸
< ε, se 0 <
_
x
2
+y
2
< δ. Portanto,
lim
(x,y)→(0,0)
x
2
y
x
2
+y
2
= 0.
76 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE
A seguir, apresentaremos uma observação e um algoritmo para verificar a não existência de
um limite, gentilmente cedidos pela Professora Patrícia Nunes da Silva do Departamento de
Análise do IME-UERJ. Consideremos o seguinte exemplo:
lim
(x,y)→(0,0)
f(x, y) = lim
(x,y)→(0,0)
x
3
x
2
+y
.
É fácil verificar que
x
3
x
2
+y
tende a zero, se nos aproximamos da origem ao longo de retas ou
curvas do tipo y = x
k
. No entanto, o limite acima não existe. Para determinar uma curva
segundo a qual o valor do limite de f quando (x, y) se aproxima da origem seja diferente de
zero, devemos proceder do seguinte modo:
i) Procuramos uma curva da forma y(x) = α(x) −x
2
com α(x) = 0. Temos:
f(x, y(x)) = f(x, α(x) −x
2
) =
x
3
α(x)
.
Como queremos nos aproximar da origem, a escolha de α(x) deve ser tal que:
lim
x→0
y(x) = lim
x→0
(α(x) −x
2
) = 0.
Por outro lado, desejamos que
x
3
α(x)
não se aproxime de zero. Por exemplo, se α(x) = x
3
, temos:
lim
(x,y)→(0,0)
f(x, x
3
−x
2
) = lim
(x,y)→(0,0)
x
3
x
3
= 1.
ii) Agora, vamos generalizar esta idéia. Devemos calcular o limite de uma função f quando
(x, y) se aproxima de um ponto (x
0
, y
0
) e encontramos várias curvas ao longo das quais a fun-
ção tende a zero. Sabemos que a função é dada pelo quociente de duas funções que se anulam
em (x
0
, y
0
), isto é:
lim
(x,y)→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = lim
(x,y)→(x
0
,y
0
)
p(x, y)
q(x, y)
, tal que
p(x
0
, y
0
) = q(x
0
, y
0
) = 0.
Além disso, a função q = q(x, y) se anula ao longo de uma curva γ(x) que passa pelo ponto
(x
0
, y
0
) e, nesta curva, p = p(x, y) só se anula no ponto (x
0
, y
0
). Isto é:
γ(x
0
) = y
0
, q(x, γ(x)) = 0 e p(x, γ(x)) = 0,
para todo x = x
0
. Para encontrar uma curva ao longo da qual a função f não tende a zero
devemos proceder do seguinte modo:
i) Procuramos uma curva da forma y(x) = γ(x) +α(x) com α(x) = 0.
ii) Avaliamos a função f(x, γ(x) +α(x)).
iii) Analisamos a função f(x, γ(x)+α(x)) a fim de determinar uma expressão conveniente para
α(x).
4.1. LIMITES 77
Exemplo 4.3.
Verifique que lim
(x,y)→(0,0)
x
3
+y
3
x −y
não existe. Considere p(x, y) = x
3
+ y
3
, q(x, y) = x − y e
p(0, 0) = q(0, 0) = 0.
i) Seja γ(x) = x, γ(0) = 0, q(x, γ(x)) = 0, p(x, γ(x)) = 2 x
3
= 0 se x = 0. Seja y(x) = x + α(x)
com α(x) = 0.
ii) Por outro lado:
f(x, x +α(x)) =
x
3
+ (x +α(x))
3
x −x −α(x)
=
x
3
+ (x +α(x))
3
−α(x)
= −
x
3
α(x)

(x +α(x))
3
α(x)
.
Seja α(x) = x
3
; logo: f(x, x +x
3
) = −1 −(1 +x
2
)
3
e:
lim
(x,y)→(0,0)
f(x, x +x
3
) = −1 −1 = −2.
78 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE
4.2 CONTINUIDADE
Seja A ⊂ R
n
e f : A ⊂ R
n
−→R uma função.
Definição 4.2. f é contínua em x
0
∈ A quando:
1. lim
x→x
0
f(x) existe
2. lim
x→x
0
f(x) = f(x
0
)
Equivalentemente, f contínua emx
0
, quando para todo ε > 0 existe δ > 0 tal que se:
x −x
0
< δ, então |f(x) −f(x
0
)| < ε.
Definição 4.3. Dizemos que f é contínua em A se f é contínua em cada x
0
∈ A.
Exemplo 4.4.
[1] Se P = P(x) é uma função polinomial de várias variáveis, então P é contínua em qualquer
ponto do R
n
.
[2] A seguinte função não é contínua na origem:
f(x, y) =
_
2 xy
x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0).
De fato:
lim
(x,y)→(0,0)
f(x, y) = lim
(x,k x)→(0,0)
2 k
k
2
+ 1
=
2 k
k
2
+ 1
isto é, o limite não existe pois depende de k; logo, f não é contínua.
[3] A seguinte função é contínua na origem:
f(x, y) =
_
x
2
y
x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0).
De fato:
lim
(x,y)→(0,0)
x
2
y
x
2
+y
2
= f(0, 0) = 0.
Veja os desenhos da curvas de nível e gráfico de f, respectivamente:
4.2. CONTINUIDADE 79
-1 -0.5 0 0.5 1
-1
-0.5
0
0.5
1
Figura 4.5: Exemplo [3].
[4] A função f(x, y) = arctg
_
y
x
_
não é contínua no conjunto A = {(0, y)/ y ∈ R}. Veja o gráfico
e as curvas de nível de f:
-0.2 -0.1 0 0.1 0.2
-0.2
-0.1
0
0.1
0.2
Figura 4.6: Exemplo [4].
As propriedades das funções contínuas são análogas às das funções contínuas de uma variável.
Suas provas seguem diretamente da definição.
Proposição 4.2. Sejam f, g : A ⊂ R
n
−→R funções contínuas no ponto x
0
. Então:
1. f +g e f · g são contínuas em x
0
.
2. Se f(x
0
) = 0 então
1
f
é contínua em x
0
.
As provas seguem da definição.
Exemplo 4.5.
[1] As função elementares são contínuas nos pontos onde estão definidas.
[2] As funções racionais nos pontos onde os polinômios do denominador não se anulam, são
contínuas.
[3] A função f(x, y) =
x
3
+y
x
2
+ 1
é contínua emR
2
.
80 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE
Proposição 4.3. Sejam f : A ⊂ R
n
−→ R uma função contínua no ponto x
0
∈ A e g : I ⊂ R −→R
uma função tal que f(A) ⊂ I de modo que g ◦ f esteja bem definida. Se g é contínua em f(x
0
), então
g ◦ f é contínua em x
0
.
A prova segue da definição.
Exemplo 4.6.
[1] A função f(x, y, z) = (x
2
+z
2
+y
4
)
4
+sen(z
2
) é contínua emR
3
.
A função f é a soma de duas funções contínuas: f
1
(x, y, z) = (x
2
+ z
2
+ y
2
)
4
e f
2
(x, y, z) =
sen(z
2
). f
1
é a composta da função h(x, y, z) = x
2
+z
2
+y
2
e g(u) = u
4
, ambas contínuas e f
2
é
a composta de h(x, y, z) = z
2
e g(u) = sen(u), também contínuas.
[2] A função h(x, y, z) =
(x
2
+z
2
+y
4
)
4
+sen(z
2
)
x
2
+y
2
+z
2
é contínua emR
3
−{(0, 0, 0)}.
De fato, escrevendo:
h(x, y, z) =
f(x, y, z)
g(x, y, z)
,
onde f é a função do exemplo anterior e g(x, y, z) = x
2
+ y
2
+ z
2
que é contínua e não nula,
exceto na origem. Pela propriedade ii) temos que h é contínua em A = R
3
−{(0, 0, 0)}.
[3] A função f(x) = x =
_
x
2
1
+x
2
2
+....... +x
2
n
é contínua para todo x ∈ R
n
. Em particular:
f(x
1
, x
2
, x
3
, ....., x
n
) ≥
_
x
2
i
= |x
i
|,
para todo x ∈ R
n
.
[4] Seja v = (x, y), então:
¸
¸
¸
¸
x
2
y
x
2
+y
2
¸
¸
¸
¸

v
2
v
v
2
= v. Como lim
v→

0
v = 0 temos
lim
(x,y)→(0,0)
¸
¸
¸
¸
x
2
y
x
2
+y
2
¸
¸
¸
¸
= 0 e lim
(x,y)→(0,0)
x
2
y
x
2
+y
2
= 0.
[5] Determine o valor de A para que a seguinte função seja contínua:
f(x, y) =
_
_
_
sen(

x
2
+y
2
)

x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
A se (x, y) = (0, 0).
Seja v = (x, y); então,
lim
(x,y)→(0,0)
sen(
_
x
2
+y
2
)
_
x
2
+y
2
= lim
v→

0
sen(v)
v
= 1;
logo, A = 1.
A seguinte proposição não será provada, pois ela decorre de um teorema, que fica fora do
contexto destas notas.
4.3. EXERCÍCIOS 81
Proposição 4.4. Seja h : R
n
−→R uma função contínua; então:
1. A = {x ∈ R
n
/ 0 < h(x)} é aberto em R
n
.
2. F = {x ∈ R
n
/ 0 ≤ h(x)} é fechado em R
n
.
3. ∂A = {x ∈ R
n
/ h(x) = 0}.
Exemplo 4.7.
[1] Os planos emR
3
são conjuntos fechados. De fato, considere:
h(x, y, z) = a x +b y +c z −d.
A função h é contínua emR
3
.
[2] O sólido W = {(x, y, z) ∈ R
3
/ x
2
+ y
2
+ z
2
≤ r
2
, r > 0} é um conjunto fechado. De fato,
considere:
h(x, y, z) = x
2
+y
2
+z
2
−r
2
.
A função h é contínua emR
3
e pela proposição W é fechado.
[3] A parábola A = {(x, y) ∈ R
2
/y = x
2
} é um conjunto fechado. De fato, considere:
h(x, y) = y −x
2
.
A função é contínua emR
2
e pela proposição A é fechado.
4.3 Exercícios
1. Utilizando as propriedades de limite, calcule:
(a) lim
(x,y)→(0,1)
x
3
y
(b) lim
(x,y)→(0,1)
e
x
y
(c) lim
(x,y)→(0,0)
xy
x
2
+y
2
+ 2
(d) lim
(x,y)→(0,0)
sen(xy)
xy
(e) lim
(x,y)→(1,1)
_
x
3
y +y
3
+ 3
_
(f) lim
(x,y)→(0,0)
sen
2
(xy)
(xy)
2
(g) lim
(x,y)→(1,1)
ln(|1 +x
2
y
3
|)
(h) lim
(x,y,z)→(1,2,6)
_
1
x
+
1
y
+
1
z
_
2. Verifique se os limites das seguintes funções dadas existem no ponto (0, 0):
(a) f(x, y) =
x
2
x
2
+y
2
(b) f(x, y) =
x
3
+y
3
x
2
+y
(c) f(x, y) =
6x
2
y
2
+2xy
3
(x
2
+y
2
)
2
(d) f(x, y) =
x
2
y
2
x
3
+y
3
(e) f(x, y) =
x
3
+y
3
(x
2
+y)
2
(f) f(x, y) =
x
4
+3 xy
2
x
2
+y
2
82 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE
3. Verifique que os limites das seguintes funções existem se (x, y) →(0, 0):
(a) f(x, y) =
x
3
+y
3
x
2
+y
2
(b) f(x, y) =
xy

x
2
+y
2
4. Verifique que:
(a) lim
(x,y)→(0,0)
1 −cos
_

xy
_
x
= 0 (b) lim
(x,y)→(0,0)
sen(x
2
+y
2
)
1 −cos
__
x
2
+y
2
_ = 2
5. Verifique que: lim
x→0
_
lim
y→0
x
2
x
2
+y
2
_
= lim
y→0
_
lim
x→0
x
2
x
2
+y
2
_
.
6. Seja: f(x, y) =
_
xsen
_
1
y
_
se y = 0
0 se y = 0.
. Verifique que:
(a) lim
(x,y)→(0,0)
f(x, y) = 0
(b) lim
x→0
_
lim
y→0
f(x, y)
_
= lim
y→0
_
lim
x→0
f(x, y)
_
.
7. Discuta a continuidade das seguintes funções:
(a) f(x, y) =
_
_
_
xy

x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0).
(b) f(x, y) =
_
x
2
y
x
4
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0).
(c) f(x, y) =
_
x+y
x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0).
(d) f(x, y) =
_
x
3
+y
3
x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0).
(e) f(x, y) =
_
x
3
y
3
x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0).
(f) f(x, y) =
_
sen(x+y)
x+y
se (x, y) = (0, 0)
2 se (x, y) = (0, 0).
(g) f(x, y, z) =
_
xz−y
2
x
2
+y
2
+z
2
se (x, y, z) = (0, 0, 0)
0 se (x, y, z) = (0, 0, 0).
8. Usando a composição de funções, verifique que as seguintes funções são contínuas:
4.3. EXERCÍCIOS 83
(a) f(x, y) =
_
x
2
+y
2
(b) f(x, y) =
xy
x
2
+y
2
+1
(c) f(x, y) =
_
x
4
+y
4
+ 1
(d) f(x, y) = sen(x
2
y +y
2
x)
(e) f(x, y) =
sen(xy)
x
2
+y
2
; x, y = 0
(f) f(x, y) = cos
3
(xy
3
)
(g) f(x, y) =
1

3−sen(xy)
; x, y = 0
(h) f(x, y) = sech
3
(xy
3
)
(i) f(x, y, z) = ln(
_
x
2
+y
2
+z
2
−1)
(j) f(x, y, z) =
1
x
2
−y
2
−z+1
9. Calcule o valor de a para que a função
f(x, y) =
_
_
_
x
2
y
2

y
2
+1−1
se (x, y) = (0, 0)
a −4 se (x, y) = (0, 0),
seja contínua.
84 CAPÍTULO 4. LIMITES E CONTINUIDADE
Capítulo 5
DERIVADAS PARCIAIS
5.1 Introdução
Definição 5.1. Sejam A ⊂ R
3
um conjunto aberto e f : A −→R uma função.
1. A derivada parcial de f em relação à variável x, no ponto (x, y, z) ∈ A é denotada por
∂f
∂x
(x, y, z) e definida por:
∂f
∂x
(x, y, z) = lim
t−→0
f(x +t, y, z) −f(x, y, z)
t
se o limite existe.
2. A derivada parcial de f em relação à variável y, no ponto (x, y, z) ∈ A é denotada por
∂f
∂y
(x, y, z) e definida por:
∂f
∂y
(x, y, z) = lim
t−→0
f(x, y +t, z) −f(x, y, z)
t
se o limite existe.
3. A derivada parcial de f em relação à variável z, no ponto (x, y, z) ∈ A é denotada por
∂f
∂z
(x, y, z) e definida por:
∂f
∂z
(x, y, z) = lim
t−→0
f(x, y, z +t) −f(x, y, z)
t
se o limite existe.
De forma análoga são definidas as derivadas parciais para funções de duas variáveis. Observe
que o conjunto A deve ser aberto, pois para todo x ∈ A é necessário que x+t e
i
∈ A i = 1, 2, 3,
o que é verdadeiro se |t| < η (η > 0 pequeno). Veja a bibliografia.
85
86 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS
Exemplo 5.1.
[1] Se z = f(x, y) = xy, calcule suas derivadas parciais. Estamos no caso n = 2:
∂f
∂x
(x, y) = lim
t−→0
f(x +t, y) −f(x, y)
t
= lim
t−→0
(x +t) y −xy
t
= lim
t−→0
t y
t
= y,
∂f
∂y
(x, y) = lim
t−→0
f(x, t +y) −f(x, y)
t
= lim
t−→0
x(t +y) −xy
t
= lim
t−→0
t x
t
= x.
[2] Se w = f(x, y, z) = x
2
y z
2
, calcule suas derivadas parciais. Estamos no caso n = 3:
∂f
∂x
(x, y, z) = lim
t−→0
f(x +t, y, z) −f(x, y, z)
t
= lim
t−→0
(x +t)
2
y z
2
−x
2
y z
2
t
= lim
t−→0
2 xy z
2
t +t
2
yz
2
t
= 2 xy z
2
,
∂f
∂y
(x, y, z) = lim
t−→0
f(x, t +y, z) −f(x, y, z)
t
= lim
t−→0
x
2
(t +y) z
2
−x
2
y z
2
t
= lim
t−→0
t x
2
z
2
t
= x
2
z
2
,
∂f
∂z
(x, y, z) = lim
t−→0
f(x, y, t +z) −f(x, y, z)
t
= lim
t−→0
x
2
y (t +z)
2
−x
2
y z
2
t
= lim
t−→0
t
2
x
2
y + 2 t x
2
y z
t
= 2 x
2
y z.
Observação 5.1.
Seja y = c, fixado e consideremos g(x) = f(x, c); logo:
g

(x) = lim
t−→0
g(x +t) −g(x)
t
= lim
t−→0
f(x +t, c) −f(x, c)
t
=
∂f
∂x
(x, c);
se h(y) = f(c, y), então:
h

(y) =
∂f
∂y
(c, y).
Analogamente para mais variáveis. Consequentemente, para derivar parcialmente uma função
em relação a x, as demais variáveis são consideradas como constantes e a derivação é feita
como em R. Em relação às outras variáveis o procedimento é análogo. Assim, todas as regras
de derivação estudadas para funções emR podem ser aplicadas.
5.1. INTRODUÇÃO 87
Exemplo 5.2.
[1] Se z = f(x, y) =
_
x
2
+y
2
, calcule suas derivadas parciais. Calculemos, primeiramente,
a derivada parcial de f em relação a x. Pela observação anterior consideramos z =

x
2
+c,
onde c = y
2
; derivando como emR:
∂f
∂x
(x, y) =
x

x
2
+c
=
x
_
x
2
+y
2
;
analogamente para y: fazemos c = x
2
:
∂f
∂y
(x, y) =
y
_
c +y
2
=
y
_
x
2
+y
2
.
[2] Se z = f(x, y) = (x
2
+ y
2
) cos(xy), calcule suas derivadas parciais no ponto (1, π). Cal-
culemos, primeiramente, a derivada parcial de f em relação a x. Pela observação anterior
consideramos z = (x
2
+c
2
) cos(c x), onde y = c; derivando como emR:
∂f
∂x
(x, y) =
_
(x
2
+c
2
) cos(c x))

= 2 xcos(c x) −c (x
2
+c
2
) sen(c x)
= 2 xcos(xy) −y (x
2
+y
2
) sen(xy);
analogamente para y: fazemos z = (c
2
+y
2
) cos(c y):
∂f
∂y
(x, y) =
_
(c
2
+y
2
) cos(c y)
_

= 2 y cos(c y) −c (c
2
+y
2
) sen(c y)
= 2 y cos(xy) −x(x
2
+y
2
) sen(xy));
∂f
∂x
(1, π) = −2,
∂f
∂y
(1, π) = −2 π.
[3] Se w = f(x, y, z) = ln(x
2
+y
2
+z
2
), calcule suas derivadas parciais. Calculemos, primeira-
mente, a derivada parcial de f em relação a x. Seja w = ln(x
2
+c), onde c = y
2
+z
2
; derivando
como emR, temos:
∂f
∂x
(x, y, z) =
2 x
x
2
+c
=
2 x
x
2
+y
2
+z
2
;
analogamente para y: fazemos c = x
2
+z
2
e para z: c = x
2
+y
2
:
∂f
∂y
(x, y, z) =
2 y
y
2
+c
=
2 y
x
2
+y
2
+z
2
e
∂f
∂z
(x, y, z) =
2 z
c +z
2
=
2 z
x
2
+y
2
+z
2
.
[4] Se w = f(x, y, z) = sen
_
xy
z
_
, calcule suas derivadas parciais. Calculemos, primeiramente, a
derivada parcial de f em relação a x; seja w = sen(c x), onde c =
y
z
; derivando:
∂f
∂x
(x, y, z) = c cos(c x) =
y
z
cos
_
xy
z
_
;
analogamente para y; fazemos c =
x
z
e para z; fazemos c = xy:
∂f
∂y
(x, y, z) = c cos(c y) =
x
z
cos
_
xy
z
_
e
∂f
∂z
(x, y, z) = −c z
−2
cos(
c
z
) = −
xy
z
2
cos
_
xy
z
_
.
88 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS
De forma análoga ao Cálculo de uma variável, as derivadas parciais de uma função são funções
e, portanto, podemos calcula-lás em pontos de seus domínios.
[5] Seja f(x, y) = ln (x
2
+y
2
+ 1); então:
∂f
∂x
(x, y) =
2 x
x
2
+y
2
+ 1
e
∂f
∂y
(x, y) =
2 y
x
2
+y
2
+ 1
.
Temos duas novas funções: g(x, y) =
2 x
x
2
+y
2
+ 1
e h(x, y) =
2 y
x
2
+y
2
+ 1
Logo,:
g(1, 1) = h(1, 1) =
2
3
, g(3, −2) =
3
7
e h(1, −2) = −
2
7
.
2
0
2
2
0
2
0
1
2
3
Figura 5.1: Gráfico de f.
Figura 5.2: Gráficos de g e h, respectivamente.
A não existência das derivadas parciais de uma função contínua de duas variáveis num ponto
indica que o gráfico da função apresenta "arestas"nesse ponto.
De fato, seja z = f(x, y) =
_
x
2
+y
2
; então, as derivadas parciais existem, exceto na origem.
5.2. GENERALIZAÇÕES 89
Figura 5.3: Gráfico de f(x, y) =
_
x
2
+y
2
.
5.2 Generalizações
Definição 5.2. Seja A ⊂ R
n
um conjunto aberto, x = (x
1
, x
2
, ..., x
n
) ∈ A e f : A −→R uma função.
A derivada parcial de f em relação à j-ésima variável no ponto x ∈ A é denotada por
∂f
∂x
j
(x) e definida
por:
∂f
∂x
j
(x) = lim
t−→0
f(x
1
, ..., x
j
+t, .., x
n
) −f(x
1
, ...., x
n
)
t
,
se o limite existe.
Fazendo j = 1, ..., n, temos as derivadas parciais de f em relação à primeira, à segunda, à
terceira, ......., à n-ésima variáveis, respectivamente. Denotando por e
j
= (0, ...., 1, ....0) o vetor
que tem todas as componentes zero exceto a j-ésima, que é igual a 1, temos:
∂f
∂x
j
(x) = lim
t−→0
f(x +te
j
) −f(x)
t
.
5.3 Interpretação Geométrica das Derivadas Parciais
O gráfico de uma função de duas variáveis z = f(x, y) é, em geral, uma superfície em R
3
. A
interseção desta superfície com um plano paralelo ao plano xz, que passa pelo ponto (0, y
0
, 0)
é uma curva plana (ou um ponto) que satisfaz às condições:
_
z = f(x, y)
y = y
0
.
Como a curva é plana, podemos considerá-la como o gráfico de uma função de uma variável, a
saber: g(x) = f(x, y
0
). Logo, o coeficiente angular da reta tangente à curva no ponto x
0
, relativa
ao plano, é:
g

(x
0
) =
∂f
∂x
(x
0
, y
0
)
Analogamente, a curva plana definida pela interseção do gráfico de f com o plano que passa
por (x
0
, 0, 0) paralelo ao plano yz pode ser definida por h(y) = f(x
0
, y). Logo, o coeficiente
90 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS
angular da reta tangente à curva no ponto y
0
, relativa ao plano, é:
h

(y
0
) =
∂f
∂y
(x
0
, y
0
)
Desenhos à esquerda e à direita, respectivamente:
Figura 5.4:
Figura 5.5:
Exemplo 5.3.
[1] Seja z = f(x, y) = x
2
+y
2
. Determine a equação da reta tangente à interseção do gráfico de
f com o plano de equação y = 2, no ponto (2, 2, 8). Pela observação anterior: z = x
2
+ 4; logo,
z = g(x) = x
2
+ 4 e a equação da reta tangente é: z − g(x
0
) = g

(x
0
)(x − x
0
), onde x
0
= 2, ou
seja: z −4x = 0.
-2
0
2
-2
0
2
0
2
4
6
-2
0
2
4
Figura 5.6: Exemplo [1].
5.3. INTERPRETAÇÃOGEOMÉTRICA DAS DERIVADAS PARCIAIS 91
[2] Seja z = f(x, y) = y
2
. Determine a equação da reta tangente à interseção do gráfico de f
com o plano de equação x = x
0
, no ponto (x
0
, 1, 1). Pela observação anterior: z = y
2
; logo
z = h(y) = y
2
e a equação da reta tangente é: z − h(y
0
) = h

(y
0
) (y − y
0
), onde y
0
= 1, ou seja:
z −2y + 1 = 0.
1
Figura 5.7: Exemplo [2].
Dos parágrafos anteriores temos:
Proposição 5.1. Seja f : A ⊂ R
2
−→R uma função tal que as derivadas parciais existam no conjunto
aberto A, então:
∂f
∂x
(a, b) = g

(a) se g(x) = f(x, b)
∂f
∂y
(a, b) = h

(b) se h(y) = f(a, y)
A prova segue das definições e observações anteriores. Esta proposição se estende natural-
mente para n ≥ 2.
Exemplo 5.4.
[1] Se f(x, y) =
4
_
x
4
+y
4
, calcule
∂f
∂x
(0, 0) e
∂f
∂y
(0, 0).
Seja g(x) = f(x, 0) = x e h(y) = f(0, y) = y; logo g

(x) = 1 e h

(y) = 1; então:
∂f
∂x
(0, 0) =
∂f
∂y
(0, 0) = 1.
[2] Se f(x, y) = x
2
_
(x
2
+y
2
ln(y
2
+ 1))
−5
e
tg(x
2
y+y
3
x
2
)
, calcule
∂f
∂x
(1, 0).
Seja g(x) = f(x, 0) = x
−3
e g

(x) = −3 x
−4
; logo:
∂f
∂x
(1, 0) = g

(1) = −3.
[3] Se f(x, y, z) =
cos(x +y +z)
ln(x
2
+y
2
+z
2
)
, calcule
∂f
∂x
(π, 0, 0).
Seja g(x) = f(x, 0, 0) =
cos(x)
2 ln(x)
e g

(x) = −
xln(x) sen(x) +cos(x)
2 ln
2
(x)
; logo:
∂f
∂x
(π, 0, 0) = g

(π) =
1
2 π ln
2
(π)
.
92 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS
5.4 Derivadas Parciais como Taxa de Variação
As derivadas parciais também podemser interpretadas como taxa de variação ou razão instan-
tânea. De fato, sejamA ⊂ R
2
aberto e f : A −→Ruma função tal que as derivadas parciais exis-
tem no ponto (x
0
, y
0
). A derivada parcial
∂f
∂x
(x
0
, y
0
) é a taxa de variação de f ao longo da reta
que passa pelo ponto (x
0
, y
0
) e na direção e
1
= (1, 0), isto é, c(t) = (x
0
, y
0
)+t (1, 0) = (x
0
+t, y
0
),
(|t| pequeno). De forma análoga interpretamos a outra derivada parcial:
∂f
∂y
(x
0
, y
0
) é a taxa de
variação de f ao longo da reta que passa pelo ponto (x
0
, y
0
) e na direção e
2
= (0, 1), isto é,
d(t) = (x
0
, y
0
) +t (0, 1) = (x
0
, y
0
+t), (|t| pequeno).
0
0
+t
0 0
+t
e
e
2
1
A
y
y
x
x
d(t) d(t)
c(t)
c(t)
Figura 5.8:
Isto é, as derivadas parciais medem a velocidade da variação parcial da função em relação a
cada variável, quando as outras estão fixadas.
Exemplo 5.5.
[1] A lei de um gás ideal confinado é P V = 8 T, onde P é a pressão em N/cm
2
, V é o volume
em cm
3
e T é a temperatura em graus. Se o volume do gás é de 150 cm
3
e a temperatura é de
100
o
, pede-se:
(a) Determine a taxa de variação da pressão em relação à temperatura para o volume fixo de
150 cm
3
.
(b) Determine a taxa de variação do volume em relação à pressão para a temperatura fixa de
100
o
.
(a) Escrevamos a pressão em função do volume e da temperatura:
P(V, T) = 8
T
V
; então,
∂P
∂T
(V, T) =
8
V
;
logo,
∂P
∂T
(150, T)

= 0.0533 N/cm
2
/kal.
Avariação da pressão emrelação à temperatura cresce a uma razão de 0.0533 N/cm
2
/kal. Note
que
∂P
∂T
não depende de T.
5.4. DERIVADAS PARCIAIS COMO TAXA DE VARIAÇÃO 93
(b) Escrevemos o volume em função da pressão e da temperatura:
V (P, T) = 8
T
P
; então,
∂V
∂P
(P, T) = −8
T
P
2
.
Por outro lado, P = 8
T
V
e para T = 100 e V = 150, obtemos P =
16
3
; logo:
∂V
∂P
(
16
3
, 100) = −28.13 cm
3
/N.
A variação do volume em relação à pressão diminui a uma razão de 28.13 cm
3
/N.
[2] O potencial elétrico no ponto (x, y, z) é dado por:
V (x, y, z) =
x
_
x
2
+y
2
+z
2
,
onde V é dado em volts e x, y e z em cm. Determine a taxa de variação instantânea de V em
relação à distância em (1, 2, 3) na direção do:
(a) eixo dos x;
(b) eixo dos y;
(c) eixo dos z.
(a) Devemos calcular
∂V
∂x
(1, 2, 3). Seja g(x) = f(x, 2, 3) =
x

x
2
+ 13
; então:
∂V
∂x
(x, 2, 3) = g

(x) =
13
(x + 13)
3/2
,
logo;
∂V
∂x
(1, 2, 3) =
13
14

14
volts/cm.
(b) Devemos calcular
∂V
∂y
(1, 2, 3): Seja h(y) = f(1, y, 3) =
1
_
y
2
+ 10
; então:
∂V
∂y
= h

(y) = −
y
(y
2
+ 10)
3/2
,
logo;
∂V
∂y
(1, 2, 3) = −
1
7

14
volts/cm.
(c) Devemos calcular
∂V
∂z
(1, 2, 3): Seja k(z) = f(1, 2, z) =
1

z
2
+ 5
; então:
∂V
∂z
= k

(z) = −
z
(z
2
+ 5)
3/2
,
logo;
∂V
∂z
(1, 2, 3) = −
3
14

14
volts/cm.
94 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS
[3] Quando materiais tóxicos são despejados ou manipulados num aterro podem ser liberadas
partículas contaminadas para a atmosfera circundante. Experimentalmente, a emissão destas
partículas pode ser modelada pela função:
E(V, M) = K ×0.00032 V
1.3
M
−1.4
,
onde E é a emissão (quantidade de partículas liberadas na atmosfera por tonelada de solo
manipulado), V é a velocidade média do vento (mph=metros por hora), M é a umidade con-
tida no material (dada em porcentagem) e K é uma constante que depende do tamanho das
partículas. Calcule a taxa de variação da emissão para uma partícula tal que K = 0.2, V = 10 e
M = 13 em relação:
(a) ao vento;
(b) à umidade.
10 20 30 40 50
10
20
30
40
50
Figura 5.9: Curvas de nível de E.
(a) Calculamos
∂E
∂V
(10, 13): Então,
∂E
∂V
(V, M) = 0.000122 V
0.3
M
−1.4
; logo,
∂E
∂V
(10, 13) = 0.00001496.
(b) Calculamos
∂E
∂M
(10, 13): Então,
∂E
∂M
(V, M) = −0.000291 V
1.3
M
−2.4
; logo,
∂E
∂M
(10, 13) = −0.00001234.
Interprete os resultados obtidos no último exemplo.
5.5 Diferenciabilidade
No caso de uma variável sabemos que se uma função é derivável num ponto, ela é contínua
no ponto. Gostaríamos de ter um comportamento análogo para funções de várias variáveis; no
entanto, a existência das derivadas parciais não garante a continuidade da função. De fato, a
existência de
∂f
∂x
depende do comportamento da função f somente na direção do eixo dos x e
5.5. DIFERENCIABILIDADE 95
a existência de
∂f
∂y
depende do comportamento da função f somente na direção do eixo dos y.
Por exemplo, sabemos que a função:
f(x, y) =
_
2 xy
x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0)
,
não é contínua na origem. No entanto, as derivadas parciais existem em todos os pontos,
inclusive na origem. De fato, sejam g(x) = f(x, 0) = 0 e h(y) = f(0, y) = 0; logo:
∂f
∂x
(0, 0) = g

(0) = 0 e
∂f
∂y
(0, 0) = h

(0) = 0.
As derivadas parciais para (x, y) = (0, 0) são:
∂f
∂x
=
2 y
3
−2 x
2
y
(x
2
+y
2
)
2
e
∂f
∂y
=
2 x
3
−2 xy
2
(x
2
+y
2
)
2
.
Em uma variável, a existência da derivada de uma função num ponto, garante que nas proxi-
midades desse ponto o gráfico da função fica bastante próximo da reta tangente a esse gráfico
no ponto considerado. Seguiremos esta idéia para estender o conceito de diferenciabilidade
para funções de várias variáveis. Correspondendo à reta tangente num ponto do gráfico de
uma função em R temos o "plano tangente"num ponto do G(f) e este plano deve ser uma
"boa"aproximação para o G(f) numa vizinhança do ponto.
Definição 5.3. Seja f : A ⊂ R
n
−→ R uma função definida no conjunto aberto A. Dizemos que f é
diferenciável no ponto x
0
∈ A se existem as derivadas parciais de f em x
0
e:
lim
h→0
¸
¸
f(x) −f(x
0
) −
n

j=1
∂f
∂x
j
(x
0
)h
j
¸
¸
h
= 0,
onde h = x −x
0
, h
j
é a componente j-ésima de h e x ∈ A.
Para n = 2, este limite expressa o que pensamos ao dizer que:
f(x
0
, y
0
) +
∂f
∂x
(x
0
, y
0
) (x −x
0
) +
∂f
∂y
(x
0
, y
0
) (y −y
0
),
é uma boa aproximação para f numa vizinhança de x
0
= (x
0
, y
0
).
Definição 5.4. f é diferenciável em A ⊂ R
n
, se é diferenciável em cada ponto de A.
Exemplo 5.6.
Considere a função:
f(x, y) =
_
_
_
x
2
y
x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0)
,
96 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS
f é contínua em (0, 0); suas derivadas parciais são:
∂f
∂x
(0, 0) =
∂f
∂y
(0, 0) = 0,
∂f
∂x
(x, y) =
2 xy
3
(x
2
+y
2
)
2
e
∂f
∂y
(x, y) =
x
2
(x
2
−y
2
)
(x
2
+y
2
)
2
.
Agora, apliquemos a definição de diferenciabilidade para f no ponto (0, 0):
lim
(x,y)−→(0,0)
|f(x, y)|
(x, y)
= lim
(x,y)−→(0,0)
|x
2
y|
(x
2
+y
2
)
_
x
2
+y
2
;
considere y = k x, k > 0:
lim
(x,y)→(0,0)
|x
2
y|
(x
2
+y
2
)
3
2
= lim
(x,y)→(0,0)
|kx
3
|
(x
2
+k
2
x
2
)
3
2
= lim
(x,y)→(0,0)
±k
(1 +k
2
)
3
2
= ±
k
(1 +k
2
)
3
2
;
o limite depende de k; logo f não é diferenciável em (0, 0).
Figura 5.10: Gráfico de f.
Aplicar diretamente a definição de função diferenciável pode ser, em muitos casos, bastante
complicado. Por isso, apresentamos o seguinte teorema:
Teorema 5.1. Seja f : A ⊂ R
n
−→R uma função definida no conjunto aberto A tal que existem todas
as derivadas parciais em cada ponto de A e cada uma delas é contínua no ponto x
0
∈ A. Então f é
diferenciável em x
0
.
O teorema estabelece apenas uma condição suficiente, ou seja, nem todas as funções diferen-
ciáveis num ponto x
0
devem ter derivadas parciais contínuas numa vizinhança de x
0
. Para a
prova do teorema, veja o apêndice.
Exemplo 5.7.
[1] Considere a seguinte função
f(x, y) =
_
_
_
x
2
y
2
x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0).
5.5. DIFERENCIABILIDADE 97
As derivadas parciais são:
∂f
∂x
(0, 0) =
∂f
∂y
(0, 0) = 0,
∂f
∂x
(x, y) =
2xy
4
(x
2
+y
2
)
2
e
∂f
∂y
(x, y) =
2x
4
y
(x
2
+y
2
)
2
.
As derivadas parciais existem em todo ponto. Aplicaremos o teorema para provar a diferen-
ciabilidade de f no ponto (0, 0). Para isto provaremos que as derivadas parciais são contínuas
no ponto (0, 0).
lim
(x,y)→(0,0)
∂f
∂x
(x, y) = lim
(x,y)→(0,0)
2xy
4
(x
2
+y
2
)
2
=
∂f
∂x
(0, 0) = 0.
De fato, |x| ≤
_
x
2
+y
2
e y
4
≤ (x
2
+ y
2
)
2
; logo,
|2 x y
4
|
(x
2
+y
2
)
2
≤ 2
_
x
2
+y
2
; se δ =
ε
2
, teremos
¸
¸
2 xy
4
(x
2
+y
2
)
2
¸
¸
< ε se 0 <
_
x
2
+y
2
< δ. Analogamente para a outra derivada parcial.
Figura 5.11: Exemplo [1].
[2] Os polinômios em várias variáveis são claramente diferenciáveis em todo ponto de R
n
.
[3] A função z = f(x, y) =
_
x
2
+y
2
é diferenciável emR
2
−{(0, 0)}. De fato:
∂f
∂x
=
x
_
x
2
+y
2
e
∂f
∂y
=
y
_
x
2
+y
2
e ambas são funções contínuas emR
2
−{(0, 0)}.
Definição 5.5. Uma função é dita de classe C
1
em A quando existem as derivadas parciais em cada
ponto de A e estas são contínuas. Logo f de classe C
1
implica em f diferenciável.
Proposição 5.2. Se f e g são funções de classe C
1
no ponto x
0
, então:
1. f +g é de classe C
1
em x
0
.
2. f g é de classe C
1
em x
0
.
98 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS
3. Se g(x
0
) = 0,
f
g
é de classe C
1
em x
0
.
As provas seguem da aplicação direta da definição.
Exemplo 5.8.
[1] As função definidas por polinômios de várias variáveis são de classe C
1
.
[2] A função f(x, y) = xy
2
+
y
x
2
+y
2
+ 1
é diferenciável em todo R
2
. De fato, escrevendo:
f(x, y) = f
1
(x, y) +
f
2
(x, y)
f
3
(x, y)
,
onde f
1
(x, y) = xy
2
, f
2
(x, y) = y e f
3
(x, y) = x
2
+ y
2
+ 1, vemos que as três funções são dife-
renciáveis em todo o plano, pois são polinômios e f
3
não se anula em nenhum ponto do plano.
Pelas propriedades anteriores, f é diferenciável emR
2
.
Teorema 5.2. Se f é diferenciável no ponto x
0
, então f é contínua em x
0
.
Para a prova, veja o apêndice. Se f é de classe C
1
, então f é diferenciável e portanto f é
contínua.
O plano tangente ao gráfico de uma função f num ponto é o plano que contem todas as retas
tangentes ao gráfico de f que passam pelo ponto. Se todas as retas tangente a esse ponto não
são co-planares, então dizemos que o plano tangente não existe. Nos próximos parágrafos
daremos uma justificativa para a seguinte definição:
Definição 5.6. Seja f : A ⊂ R
2
−→ R uma função diferenciável no ponto (x
0
, y
0
). A equação do
plano tangente ao G(f) no ponto (x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)) é:
z = f(x
0
, y
0
) +
∂f
∂x
(x
0
, y
0
) (x −x
0
) +
∂f
∂y
(x
0
, y
0
) (y −y
0
)
Figura 5.12: Plano tangente ao G(f).
5.5. DIFERENCIABILIDADE 99
Segue, de imediato, que os vetores normais ao plano tangente no ponto (x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)) são:
n(x
0
, y
0
, z
0
) = ±
_
∂f
∂x
(x
0
, y
0
),
∂f
∂y
(x
0
, y
0
), −1
_
Exemplo 5.9.
[1] Determine a equação do plano tangente ao gráfico de z = (x
2
+ y
2
+ 1) e
−(x
2
+y
2
)
no ponto
(0, 0, 1).
Observemos que f(x, y) = (x
2
+ y
2
+ 1) e
−(x
2
+y
2
)
é uma função diferenciável em R
2
. Sejam
g(x) = f(x, 0) = (1 + x
2
) e
−x
2
e h(y) = f(0, y) = (1 + y
2
) e
−y
2
; logo, g

(x) = −2 x
3
e
−x
2
e
h

(y) = −2 y
3
e
−y
2
e:
∂f
∂x
(0, 0) = g

(0) = 0;
∂f
∂y
(0, 0) = h

(0) = 0
e f(0, 0) = 1. A equação do plano tangente no ponto (0, 0, 1) é z = 1.
Figura 5.13: Plano tangente do exemplo [1].
[2] Determine a equação do plano tangente ao gráfico de z = x − 6 y
2
nos pontos (1, 1, f(1, 1))
e (−1, −1, f(−1, −1)).
Como f é diferenciável emR
2
: f(1, 1) = −5 e f(−1, −1) = −7. Por outro lado:
∂f
∂x
(x, y) = 1,
∂f
∂y
(x, y) = −12 y.
As equações dos planos tangente ao G(f) nos pontos (1, 1, −5) e (−1, −1, −7) são z = x−12 y+6
e z = x + 12 y + 6, respectivamente.
100 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS
Figura 5.14: Plano tangente do exemplo [2].
[3] Determine a equação do plano tangente ao gráfico de z = e
x−y
+xy
2
no ponto (1, 1, 2).
Note que f é diferenciável emR
2
:
f(1, 1) = 2,
∂f
∂x
(x, y) = e
x−y
+y
2
e
∂f
∂y
(x, y) = −e
x−y
+ 2 xy.
A equação do plano tangente ao G(f) no ponto (1, 1, 2) é z = 2 x + y − 1. Os vetores normais
no ponto (1, 1, 2) são n = (2, 1, −1) e n = (−2, −1, 1).
5.6 Aproximação Linear
Como em Cálculo I, podemos usar a "boa"aproximação do plano tangente ao gráfico numa
vizinhança de um ponto para efetuar cálculos numéricos aproximados.
Definição 5.7. Seja f diferenciável no ponto x
0
. A aproximação linear de f ao redor de x
0
é denotada
por l e definida como:
1. se n = 2 e z
0
= f(x
0
, y
0
):
l(x, y) = z
0
+
∂f
∂x
(x
0
, y
0
)(x −x
0
) +
∂f
∂y
(x
0
, y
0
)(y −y
0
)
2. se n = 3, x
0
= (x
0
, y
0
, z
0
) e w
0
= f(x
0
):
l(x, y, z) = w
0
+
∂f
∂x
(x
0
) (x −x
0
) +
∂f
∂y
(x
0
) (y −y
0
) +
∂f
∂z
(x
0
) (z −z
0
)
Seja ε > 0 pequeno. Para todo x ∈ B(x
0
, ε), o erro da aproximação é E(x) = |f(x) − l(x)| e
satisfaz:
lim
x−→x
0
E(x)
x −x
0

= 0.
Em outras palavras l(x) aproxima f(x) numa vizinhança de x
0
. A função l(x) também é cha-
mada linearização de f numa vizinhança de x
0
.
5.6. APROXIMAÇÃO LINEAR 101
Exemplo 5.10.
[1] Suponha que não dispomos de calculadora ou de outro instrumento de cálculo e precisamos
resolver os seguintes problemas:
(a) Se T(x, y) = xe
x y
representa a temperatura num ponto (x, y) numa certa região do plano,
calcular as seguintes temperaturas T(1.0023, 0.00012) e T(0.00012, 1.0023).
(b) Se ρ(x, y, z) = ln(
_
x
2
+y
2
+z
2
) representa a densidade de um ponto (x, y, z) numa certa
região do espaço que não contem a origem, determine ρ(1.005, 0.007, 1.01).
(c) Calcule, aproximadamente, o valor de

1.01
2
+ 4.01
2
+ 8.002
2
.
(a) Como (1.0023, 0.00012) está perto de (1, 0) acharemos a linearização de T numa vizinhança
de (1, 0). Isto é:
l(x, y) = T(1, 0) +
∂T
∂x
(1, 0) (x −1) +
∂T
∂y
(1, 0) y = 1 +
∂T
∂x
(1, 0) x +
∂T
∂y
(1, 0) y −
∂T
∂x
(1, 0).
∂T
∂x
(x, y) = e
x y
(1 +xy) e
∂T
∂y
(x, y) = e
x y
x
2
; então, numa vizinhança do ponto (1, 0), temos:
xe
x y
≃ x +y.
O ponto (1.0023, 0.00012) está perto do ponto (1, 0), logo:
1.0023 ×e
1.0023×0.00012
≃ 1.0023 + 0.00012 = 1.00242.
Analogamente, como (0.00012, 1.0023) está perto de (0, 1) acharemos a linearização de T numa
vizinhança de (0, 1). Isto é:
l(x, y) = T(0, 1) +
∂T
∂x
(0, 1) x +
∂T
∂y
(0, 1) (y −1) =
∂T
∂x
(0, 1) x +
∂T
∂y
(0, 1) y −
∂T
∂y
(0, 1) = x.
Então, numa vizinhança do ponto (0, 1), temos:
xe
x y
≃ x.
Logo: T(0.00012, 1.0023) ≃ 0.00012.
(b) Devemos determinar a linearização de ρ numa vizinhança de (1, 0, 1). Isto é:
l(x, y, z) = ρ(1, 0, 1) +
∂ρ
∂x
(1, 0, 1) (x −1) +
∂ρ
∂y
(1, 0, 1) y +
∂ρ
∂z
(1, 0, 1) (z −1).
Temos:
∂ρ
∂x
(x, y, z) =
x
x
2
+y
2
+z
2
,
∂ρ
∂y
(x, y, z) =
y
x
2
+y
2
+z
2
e
∂ρ
∂z
(x, y, z) =
z
x
2
+y
2
+z
2
.
Então, numa vizinhança do ponto (1, 0, 1), temos:
ln(
_
x
2
+y
2
+z
2
) ≃
x +z +ln(2)
2
−1.
Logo: ρ(1.005, 0.007, 1.01) ≃ 0.354.
102 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS
(c) Seja f(x, y, z) =
_
x
2
+y
2
+z
2
. Consideremos o ponto (x
0
, y
0
, z
0
) = (1, 4, 8) e determine-
mos a linearização de f numa vizinhança do ponto (1, 4, 8):
l(x, y, z) = f(1, 4, 8) +
∂f
∂x
(1, 4, 8) (x −1) +
∂f
∂y
(1, 4, 8) (y −4) +
∂f
∂z
(1, 4, 8) (z −8).
Temos:
∂f
∂x
(x, y, z) =
x
f(x, y, z)
,
∂f
∂y
(x, y, z) =
y
f(x, y, z)
e
∂f
∂z
(x, y, z) =
z
f(x, y, z)
.
Logo, f(1, 4, 8) = 9,
∂f
∂x
(1, 4, 8) =
1
9
,
∂f
∂y
(1, 4, 8) =
4
9
e
∂f
∂z
(1, 4, 8) =
8
9
; então, numa vizinhança do
ponto (1, 4, 8), temos:
_
x
2
+y
2
+z
2

1
9
(x + 4 y + 8 z),
Em particular, no ponto (1.01, 4.01, 8.002):
_
1.01
2
+ 4.01
2
+ 8.002
2

1
9
(1.01 + 4 ×(4.01) + 8 ×(8.002)) ≃ 9.0073.
[2] Lei de gravitação de Newton. A força de atração entre dois corpos de massa m e M, res-
pectivamente, situados a uma distância r é dada por:
F(m, M, r) =
GmM
r
2
,
onde G é a constante de gravitação. Determinemos a linearização da função F ao redor do
ponto (m
0
, M
0
, r
0
).
∂F
∂m
(m, M, r) =
GM
r
2
,
∂F
∂M
(m, M, r) =
Gm
r
2
e
∂F
∂r
(m, M, r) = −
2 GmM
r
3
;
logo, no ponto (m
0
, M
0
, r
0
), temos:
l(m, M, r) =
G
r
3
0
(M
0
r
0
m+m
0
r
0
M −2 m
0
M
0
r +m
0
M
0
r
0
).
Por exemplo, se m
0
= 1, M
0
= 2 e r
0
= 1, temos que:
F(m, M, r) ≃ G(2 m +M −4 r + 2),
para todo (m, M, r) numa vizinhança de (1, 2, 1).
[3] Um depósito de material radioativo tem o formato de um cilindro circular reto e deve pos-
suir altura no lado interno igual a 6 cm, raio interno com 2 cm e espessura de 0.1 cm. Se o custo
de fabricação do depósito é de 10 cv por cm
3
. (cv= centavos), determine o custo aproximado do
material usado.
5.7. DERIVADAS PARCIAIS DE ORDEM SUPERIOR 103
Figura 5.15: Depósito de material radioativo.
O volume exato do depósito é a diferença entre os volumes dos cilindros C
1
e C, onde C
1
tem
raio r
1
= 2.1 e altura h
1
= 6.2 e C tem raio r = 2 e altura h = 6. Determinemos a aproximação
linear do volume do cilindro: V (r, h) = π r
2
h. Como V (2, 6)) = 24 π,
∂V
∂r
(r, h) = 2 π r h e
∂V
∂h
(r, h) = π r
2
;
então, numa vizinhança do ponto (2, 6), temos: l(r, h) = 4 π(6 r + h − 12). O volume de C
1
é
V
C
1

= l(2.1, 6.2) = 27.2 π e o volume total é V =
_
27.2 π − 24 π
_
cm
3
= 3.2 π cm
3
. Logo o custo
aproximado é de 10 ×3.2 π

= 100.58 cv.
O argumento desenvolvido neste parágrafo se generaliza facilmente para mais de 3 variáveis:
[4] Suponha que 4 resistores num circuito são conectados em paralelo; a resistência R do cir-
cuito é dada por:
R(r
1
, r
2
, r
3
, r
4
) =
_
1
r
1
+
1
r
2
+
1
r
3
+
1
r
4
_
−1
.
Determine a linearização de R numa vizinhança do ponto (10, 20, 40, 10), onde os r
i
são medi-
dos em Ohms. Seja x = (r
1
, r
2
, r
3
, r
4
):
∂R
∂r
1
(x) =
(R(r
1
, r
2
, r
3
, r
4
))
2
r
2
1
,
∂R
∂r
2
(x) =
(R(r
1
, r
2
, r
3
, r
4
))
2
r
2
2
,
∂R
∂r
3
(x) =
(R(r
1
, r
2
, r
3
, r
4
))
2
r
2
3
,
∂R
∂r
4
(x) =
(R(r
1
, r
2
, r
3
, r
4
))
2
r
2
4
.
Logo, numa vizinhança do ponto (10, 20, 40, 10), temos:
R(r
1
, r
2
, r
3
, r
4
) ≃
1
121
(16 r
1
+ 4 r
2
+r
3
+ 16 r
4
).
5.7 Derivadas Parciais de Ordem Superior
Seja f : A ⊂ R
2
−→R uma função tal que suas derivadas parciais existem em todos os pontos
(x, y) ∈ A. As derivadas parciais são, em geral, funções de x e y e podemos perguntar se as
104 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS
derivadas parciais destas funções existem:
∂f
∂x
,
∂f
∂y
: A ⊂ R
2
−→R.
Definição 5.8. As derivadas parciais de segunda ordem de f são definidas e denotadas por:

∂x
_
∂f
∂x
_
(x, y) = lim
t→0
∂f
∂x
(x +t, y) −
∂f
∂x
(x, y)
t

∂x
_
∂f
∂y
_
(x, y) = lim
t→0
∂f
∂y
(x +t, y) −
∂f
∂y
(x, y)
t

∂y
_
∂f
∂x
_
(x, y) = lim
t→0
∂f
∂x
(x, y +t) −
∂f
∂x
(x, y)
t

∂y
_
∂f
∂y
_
(x, y) = lim
t→0
∂f
∂y
(x, y +t) −
∂f
∂y
(x, y)
t
,
se os limites existem.
As notações usuais são:

∂x
_
∂f
∂x
_
(x, y) =

2
f
∂x
2
(x, y)

∂x
_
∂f
∂y
_
(x, y) =

2
f
∂x∂y
(x, y)

∂y
_
∂f
∂x
_
(x, y) =

2
f
∂y∂x
(x, y)

∂y
_
∂f
∂y
_
(x, y) =

2
f
∂y
2
(x, y)
Exemplo 5.11.
[1] Calcule as derivadas parciais de segunda ordem de f(x, y) = x
2
y
3
.
Primeiramente, calculamos as de primeira ordem
∂f
∂x
= 2 xy
3
e
∂f
∂y
= 3 x
2
y
2
; logo:

2
f
∂x
2
=

∂x
_
∂f
∂x
_
=

∂x
_
2 xy
3
_
= 2 y
3
,

2
f
∂y
2
=

∂y
_
∂f
∂y
_
=

∂y
_
3 x
2
y
2
_
= 6 x
2
y,

2
f
∂x∂y
=

∂x
_
∂f
∂y
_
=

∂x
_
3 x
2
y
2
_
= 6 xy
2
,

2
f
∂y∂x
=

∂y
_
∂f
∂x
_
=

∂y
_
2 xy
3
_
= 6 xy
2
.
[2] Calcule as derivadas parciais de segunda ordem de f(x, y) = ln(x
2
+y
2
).
Primeiramente,
∂f
∂x
=
2x
x
2
+y
2
e
∂f
∂y
=
2y
x
2
+y
2
; logo:

2
f
∂x
2
=

∂x
_
2x
x
2
+y
2
_
=
2 (y
2
−x
2
)
(x
2
+y
2
)
2
,

2
f
∂y
2
=

∂y
_
2y
x
2
+y
2
_
=
2(x
2
−y
2
)
(x
2
+y
2
)
2
,

2
f
∂x∂y
=

∂x
_
2 y
x
2
+y
2
_
=
−4xy
(x
2
+y
2
)
2
,

2
f
∂y∂x
=

∂y
_
2 x
x
2
+y
2
_
=
−4 xy
(x
2
+y
2
)
2
.
5.7. DERIVADAS PARCIAIS DE ORDEM SUPERIOR 105
Em geral, se f : A ⊂ R
n
−→ R é uma função tal que suas derivadas parciais existem em todos
os pontos x ∈ A, definimos as derivadas parciais de segunda ordem de f da seguinte forma:

∂x
j
_
∂f
∂x
i
_
(x) = lim
t→0
∂f
∂x
i
(x +te
j
) −
∂f
∂x
i
(x)
t
,
se os limites existem. A notação é

∂x
j
_
∂f
∂x
i
_
(x) =

2
f
∂x
j
∂x
i
(x). Logo, definimos n
2
funções:

∂x
j
_
∂f
∂x
i
_
: A ⊂ R
n
−→R.
Se n = 2 temos 4 derivadas parciais de segunda ordem e se n = 3 temos 9 derivadas parciais
de segunda ordem. Se i = j:

∂x
i
_
∂f
∂x
i
_
(x) =

2
f
∂x
2
i
(x).
Analogamente, definimos as derivadas de ordem 3, 4, etc. Por exemplo, para i, j, k = 1....n:

3
f
∂x
j
∂x
i
∂x
k
(x) =

∂x
j
_

2
f
∂x
i
∂x
k
_
(x).
Exemplo 5.12.
[1] Calcule as derivadas parciais de segunda ordem de f(x, y, z) = xy z.
Calculemos as de primeira ordem:
∂f
∂x
= y z,
∂f
∂y
= xz e
∂f
∂z
= xy, logo:

2
f
∂x
2
=

∂x
(y z) = 0,

2
f
∂y
2
=

∂y
(xz) = 0,

2
f
∂z
2
=

∂z
(xy) = 0,

2
f
∂x∂y
=

∂x
(xz) = z,

2
f
∂x∂z
=

∂x
(xy) = y,

2
f
∂y∂x
=

∂y
(y z) = z,

2
f
∂y∂z
=

∂y
(xy) = x,

2
f
∂z∂x
=

∂z
(y z) = y,

2
f
∂z∂y
=

∂z
(xz) = x.
[2] Calcule as derivadas parciais de segunda ordem de f(x, y, z) = sen(xy z).
Calculemos as de primeira ordem:
∂f
∂x
= y z cos(xy z),
∂f
∂y
= xz cos(xy z) e
∂f
∂z
= xy cos(xy z);
logo:

2
f
∂x
2
== −y
2
z
2
sen(xy z),

2
f
∂y
2
= −x
2
z
2
sen(xy z),

2
f
∂z
2
= −x
2
y
2
sen(xy z),

2
f
∂x∂y
= z cos(xy z) −xy z
2
sen(xy z),

2
f
∂x∂z
= y cos(xy z) −xy
2
z sen(xy z),

2
f
∂y∂x
= z cos(xy z) −xy z
2
sen(xy z),
106 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS

2
f
∂y∂z
= xcos(xy z) −x
2
y z sen(xy z),

2
f
∂z∂x
= y cos(xy z) −xy
2
z sen(xy z),

2
f
∂z∂y
= xcos(xy z) −x
2
y z sen(xy z).
[3] Equação de Laplace: Seja u = u(x, y) uma função duas vezes diferenciável num conjunto
aberto do plano. A equação de Laplace é:

2
u
∂x
2
+

2
u
∂y
2
= 0.
A equação de Laplace está associada a fenômenos estacionários, isto é, independentes do
tempo, como por exemplo potenciais eletrostáticos. As soluções desta equação são chamadas
funções harmônicas. A função u(x, y) = sen(x) e
y
é harmônica. De fato:

2
u
∂x
2
= −sen(x) e
y
e

2
u
∂y
2
= sen(x) e
y
.
0 2 4 6 8
1
2
3
4
5
6
Figura 5.16: Curvas de nível da função u(x, y) = sen(x) e
y
.
[4] Equação da onda: Seja u = u(x, t) uma função duas vezes diferenciável num conjunto
aberto do plano. A equação homogênea da onda é:

2
u
∂t
2
= c
2

2
u
∂x
2
,
onde c > 0 (c é chamada a velocidade de propagação da onda). u(x, t) descreve o deslocamento
vertical de uma corda vibrante. A função :
u(x, t) = (x +c t)
n
+ (x −c t)
m
, n, m ∈ N
satisfaz à equação da onda. De fato.

2
u
∂x
2
= m(m−1) (x −c t)
m−2
+n(n −1) (x +c t)
n−2
,

2
u
∂t
2
= c
2
(m(m−1) (x −c t)
m−2
+n(n −1) (x +c t)
n−2
).
5.7. DERIVADAS PARCIAIS DE ORDEM SUPERIOR 107
Figura 5.17: Gráfico de z = u(x, t) para c =
1
6
, n = m = 3.
Analogamente, a função: u(x, t) =
sen(x +c t) +cos(x −c t)
2
satisfaz à equação da onda. De
fato.

2
u
∂x
2
= −
1
2
(sen(x +c t) +cos(x −c t)),

2
u
∂t
2
= −
c
2
2
(sen(x +c t) +cos(x −c t)).
Figura 5.18: Gráfico de z = u(x, t) para c = 2.
Definição 5.9. A função f : A −→R é de classe C
2
quando existem as derivadas parciais até a segunda
ordem em todos os pontos de A e as funções

∂x
j
_
∂f
∂x
i
_
: A ⊂ R
n
→R
são contínuas.
Notamos que nos exemplos estudados sempre verificamos que:

∂x
j
_
∂f
∂x
i
_
=

∂x
i
_
∂f
∂x
j
_
.
Isto é consequencia do seguinte teorema.
medskip
108 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS
Teorema 5.3. (Schwarz) Se f : A ⊂ R
n
−→ R é uma função de classe C
2
no ponto x
0
∈ A, então
para todo i, j = 1.....n tem-se:

∂x
j
_
∂f
∂x
i
(x
0
)
_
=

∂x
i
_
∂f
∂x
j
(x
0
)
_
para i = j.
Para a prova veja o apêndice.
Exemplo 5.13.
Consideremos a função: f(x, y) =
_
_
_
xy (x
2
−y
2
)
x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0).
Figura 5.19: Gráfico de f.
Se (x, y) = (0, 0), f(x, y) possui derivadas parciais de todas as ordens; em (0, 0) as derivadas
parciais de f(x, y) existem e são todas nulas:
∂f
∂x
=
y (x
4
−y
4
+ 4x
2
y
2
)
(x
2
+y
2
)
2
e
∂f
∂y
=
x(x
4
−y
4
−4x
2
y
2
)
(x
2
+y
2
)
2
.
Para todo y = 0, f(0, y) = 0,
∂f
∂x
(0, y) = −y,
∂f
∂y
(0, y) = 0 e:

2
f
∂x∂y
(0, y) = −1,

2
f
∂y∂x
(0, y) = 0.
Logo, a função não é de classe C
2
.
Em geral, as funções "bem comportadas", como as polinomiais, exponenciais e a maioria das
funções utilizadas neste livro são de classe C
2
. A seguir apresentamos os gráficos e as curvas
de nível da função de classe C
2
:
f(x, y) = (x
2
−y
2
) e
−x
2
+y
2
2
5.8. REGRA DA CADEIA 109
e de suas derivadas parciais de primeira e segunda ordem mistas, respectivamente:
Figura 5.20: Gráficos.
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 5.21: Curvas de nível
O teorema de Schwarz também é valido para derivadas mistas de ordem superior a dois. De
fato, se as terceiras derivadas de f são contínuas (f de classe C
3
), temos:

3
f
∂x∂x∂y
=

∂x
_

2
f
∂x∂y
_
=

∂x
_

2
f
∂y∂x
_
=

3
f
∂x∂y∂x
.
Por outro lado, fazendo g =
∂f
∂x
:

3
f
∂x∂y∂x
=

2
g
∂x∂y
=

2
g
∂y∂x
=

3
f
∂y∂x∂x
.
Fica como exercício determinar as outras igualdades. Em geral, f é de classe C
k
(k ≥ 1), no
conjunto aberto A se as derivadas parciais até ordem k existem e são contínuas em A. f e de
classe C

se é de classe C
k
para todo k ≥ 1.
5.8 Regra da Cadeia
Teorema 5.4. Se n = 2, z = f(x, y) é uma função de classe C
1
, x = x(r, s) e y = y(r, s) são funções
tais que suas derivadas parciais existem, então:
∂z
∂r
=
∂z
∂x
∂x
∂r
+
∂z
∂y
∂y
∂r
e
∂z
∂s
=
∂z
∂x
∂x
∂s
+
∂z
∂y
∂y
∂s
110 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS
r
x
z
y
r s s
Figura 5.22: A regra da cadeia para n = 2.
Em particular, se x = x(t) e y = y(t) são deriváveis, então:
dz
dt
=
∂z
∂x
dx
dt
+
∂z
∂y
dy
dt
x
z
y
t
Figura 5.23: Caso particular da regra da cadeia para n = 2.
Se n = 3, w = f(x, y, z) é uma função de classe C
1
, x = x(r, s, t), y = y(r, s, t) e z = z(r, s, t) são
tais que as derivadas parciais existem, então:
∂w
∂r
=
∂w
∂x
∂x
∂r
+
∂w
∂y
∂y
∂r
+
∂w
∂z
∂z
∂r
,
∂w
∂s
=
∂w
∂x
∂x
∂s
+
∂w
∂y
∂y
∂s
+
∂w
∂z
∂z
∂s
e
∂w
∂t
=
∂w
∂x
∂x
∂t
+
∂w
∂y
∂y
∂t
+
∂w
∂z
∂z
∂t
x
w
y z
r r s t r s t
t s
Figura 5.24: A regra da cadeia para n = 3.
Em particular, se x = x(t), y = y(t) e z = z(t) são deriváveis, então:
5.8. REGRA DA CADEIA 111
x y
t
z
w
Figura 5.25: Caso particular da regra da cadeia para n = 3.
dw
dt
=
∂w
∂x
dx
dt
+
∂w
∂y
dy
dt
+
∂w
∂z
dz
dt
Exemplo 5.14.
[1] Calcule
dw
dt
se w = f(x, y, z) = xy z onde x = x(t) = t
2
, y = y(t) = t e z = z(t) = t
4
.
dw
dt
=
∂w
∂x
dx
dt
+
∂w
∂y
dy
dt
+
∂w
∂z
dz
dt
,
∂w
∂x
= y z = t ×t
4
= t
5
,
∂w
∂y
= xz = t
2
×t
4
= t
6
e
∂w
∂z
= xy = t
2
×t = t
3
. Por outro lado, temos
que
dx
dt
= 2 t,
dy
dt
= 1 e
dz
dt
= 4 t
3
; então;
dw
dt
= 2 t
6
+t
6
+ 4 t
6
= 7 t
6
.
Observe que podemos obter o mesmo resultado fazendo a composição das funções:
w = f(t
2
, t, t
4
) = t
2
×t ×t
4
= t
7
, então
dw
dt
= 7 t
6
.
Pode explicar por que isto ocorre?
[2] Seja w = f(x, y, z) = x
2
+y
2
+ 2 z
2
, se:
x(ρ, α, θ) = ρ sen(α) cos(θ), y(ρ, α, θ) = ρ sen(α) sen(θ) e z(ρ, α, θ) = ρ cos(α).
Calcule
∂w
∂ρ
,
∂w
∂α
e
∂w
∂θ
.
∂w
∂ρ
=
∂w
∂x
∂x
∂ρ
+
∂w
∂y
∂y
∂ρ
+
∂w
∂z
∂z
∂ρ
= 2 xsen(α) cos(θ) + 2 y sen(α) sen(θ) + 4 z cos(α);
logo, utilizando a definição das funções x, y e z temos:
∂w
∂ρ
= 2 ρ sen
2
(α)
_
cos
2
(θ) +sen
2
(θ)
_
+ 4 ρ cos
2
(α) = 2 ρ + 2 ρ cos
2
(α).
Como antes, se fazemos w = f(ρ, α, θ) = ρ
2

2
cos
2
(α), obtemos:
∂w
∂ρ
= 2 ρ + 2 ρ cos
2
(α),
∂w
∂α
= −2 ρ
2
cos(α) sen(α) e
∂w
∂θ
= 0.
112 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS
[3] Emuminstante dado, o comprimento de umlado de umtriângulo retângulo é 10 cme cresce
à razão de 1 cm/seg; o comprimento do outro lado é 12 cm e decresce à razão de 2 cm/seg.
Calcule a razão de variação da medida do ângulo agudo oposto ao lado de 12 cm, medido em
radianos, no instante dado.
x
y
θ
Figura 5.26: Exemplo [3].
Sejam x = x(t) e y = y(t) os lados no instante t e θ = arctg
_
y
x
_
o ângulo em questão; pela regra
da cadeia:

dt
=
∂θ
∂x
dx
dt
+
∂θ
∂y
dy
dt
= −
y
x
2
+y
2
dx
dt
+
x
x
2
+y
2
dy
dt
;
temos x = 10,
dx
dt
= 1; y = 12,
dy
dt
= −2, pois y decresce. Substituindo estes valores na
expressão anterior

dt
= −
8
61
; logo, decresce à razão de
8
61
rad/seg.
[4] A resistência R, em Ohms, de um circuito é dada por R =
E
I
, onde I é a corrente em
ampères e E é a força eletromotriz, em volts. Num certo instante, quando E = 120 volts e
I = 15 ampères, E aumenta numa velocidade de 0.1 volts/seg e I diminui à velocidade de 0.05
ampères/seg. Determine a taxa de variação instantânea de R.
Como R = R(E, I) =
E
I
. SejamE = E(t) a força eletromotriz no instante t e I = I(t) a corrente
no instante t. Pela regra da cadeia:
dR
dt
=
∂R
∂E
dE
dt
+
∂R
∂I
dI
dt
=
1
I
dE
dt
+
_

E
I
2
¸
dI
dt
.
Temos E = 120,
dE
dt
= 0.1, I = 15,
dI
dt
= −0.05, pois I decresce. Substituindo estes valores na
expressão anterior:
dR
dt
=
1
30
Ohm/seg.
[5] A lei de um gás ideal confinado é P V = k T, onde P é a pressão, V é o volume, T é a
temperatura e k > 0 constante. O gás está sendo aquecido à razão de 2 graus/min e a pressão
aumenta à razão de 0.5 kg/min. Se em certo instante, a temperatura é de 200 graus e a pressão
é de 10 kg/cm
2
, ache a razão com que varia o volume para k = 8.
Escrevemos o volume do gás em função da pressão e da temperatura:
V (P, T) = 8
T
P
= 8 T P
−1
.
5.8. REGRA DA CADEIA 113
Sejam P = P(t) a pressão do gás no instante t e T = T(t) a temperatura do gás no instante t.
Pela regra da cadeia e usando que
dT
dt
= 2 e
dP
dt
= 0.5:
dV
dt
=
∂V
∂T
dT
dt
+
∂V
∂P
dP
dt
=
4
P
(4 −
T
P
).
Como T = 200 e P = 10, substituindo estes valores na expressão anterior:
dV
dt
= −
32
5
cm
3
/min.
O volume decresce à razão de
32
5
cm
3
/min.
[6] De um funil cônico escoa água à razão de 18 πcm
3
/seg. Se a geratriz faz com o eixo do cone
umângulo α =
π
3
, determine a velocidade comque baixa o nível de água no funil, no momento
em que o raio da base do volume líquido é igual a 6 cm.
r
h
α
Figura 5.27: Funil.
Sejam r = r(t) o raio do cone no instante t, h = h(t) a altura do cone no instante t. O volume
do cone é V (r, h) =
r
2

3
. Devemos calcular
dh
dt
.
dV
dt
=
∂V
∂r
dr
dt
+
∂V
∂h
dh
dt
=
π
3
_
2rh
dr
dt
+r
2
dh
dt
_
;
sabemos que
dV
dt
= 18π e tg(α) = r/h, logo r = htg(π/3) =

3 h e
dr
dt
=

3
dh
dt
e:
18 π =
π
3
_
2rh
dr
dt
+r
2
dh
dt
_
= π r
2
dh
dt
.
Logo, temos
dh
dt
=
18
r
2
=
1
2
cm/seg.
[7] Suponha que z = f
_
b x
2
2

a y
3
3
_
é diferenciável, a, b ∈ R. Então, f satisfaz à equação:
a y
2
∂z
∂x
+b x
∂z
∂y
= 0.
114 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS
De fato, seja u =
b x
2
2

a y
3
3
; então, z = f(u). Pela regra da cadeia:
∂z
∂x
=
dz
du
∂u
∂x
= f

(u) b x e
∂z
∂y
=
dz
du
∂u
∂y
= −f

(u) a y
2
;
logo, a y
2
∂z
∂x
+b x
∂z
∂y
= f

(u) (a b xy
2
−a b xy
2
) = 0.
[8] Equação da onda: Seja u = u(x, t) de classe C
2
. A equação homogênea da onda é dada por:

2
u
∂t
2
= c
2

2
u
∂x
2
,
A solução (chamada de d’Alambert) desta equação é dada por:
u(x, t) = f(x +c t) +g(x −c t),
onde f e g são funções reais de uma variável duas vezes diferenciáveis. De fato, pela regra da
cadeia:

2
u
∂x
2
= f
′′
(x +c t) +g
′′
(x −c t) e

2
u
∂t
2
= c
2
(f
′′
(x +c t) +g
′′
(x −c t)),
ou seja,

2
u
∂t
2
= c
2

2
u
∂x
2
.
5.9 Exercícios
1. Calcule as derivadas parciais das seguintes funções:
(a) z = x
2
y −xy
2
(b) z = x
3
y
3
(c) z = x
2
y
3
−3 x
4
y
4
(d) z = arctg(x
2
+y)
(e) z = sec(x
2
y)
(f) z = senh(

xy)
(g) z =
x y
x+y
(h) z =
x−y
x+y
(i) z =
1

x
2
+y
2
(j) z = tg(
4
_
y
x
)
(k) z = arcsec(
x
y
3
)
(l) z = cos(xy
4
)
(m) w = xy z +z sen(xy z)
(n) w = e
xyz
2
(o) w =
x+y+z
x
2
+y
2
+z
2
(p) w = arctg(x +y +z)
(q) w = arcsec(xy z)
(r) w = argsenh(xy z)
(s) w = x
2
y
3
z
4
(t) w = cos(xy +z x)
(u) w =
6

xy z
(v) w = ln(x
2
y
3
z
4
)
(w) w =
xy+z x
1+x
2
+y
3
z
4
(x) w = sen(ln(xy z
2
))
(y) w = e
x
2
y
3
z
4
(z) w = cos(ln(xy z
2
))
2. Seja
∂w
∂x
+
∂w
∂y
+
∂w
∂z
= 0. Verifique se as seguintes funções satisfazem à equação:
5.9. EXERCÍCIOS 115
(a) w = e
x−y
+cos(y −z) +

z −x
(b) w = sen(e
x
+e
y
+e
z
)
(c) w = ln(e
x
+e
y
+e
z
)
(d) w = cos(x
2
+y
2
+z
2
)
3. Ligando-se em paralelo n resitências R
1
, R
2
, ........, R
n
a resistência total R é dada por
1
R
=
n

i=1
1
R
i
.
Verifique que:
∂R
∂R
i
=
_
R
R
i
_
2
.
4. Determine a equação do plano tangente ao gráfico da função z = f(x, y) no ponto P se:
(a) z = x
2
+y, P = (1, 1, f(1, 1)).
(b) z = x
2
−y
2
, P = (0, 0, 0).
(c) z = x
2
+ 4 y
2
, P = (2, 1, f(2, 1)).
(d) z = x
2
y +y
3
, P = (−1, 2, f(−1, 2)). .
(e) z =
x

x
2
+y
2
, P = (3, −4, f(3, −4)).
(f) z = sen(xy), P = (1, π, 0).
(g) z =
x
2
+4 y
2
5
, P = (3, −2, 5).
(h) z =
4−xy
x+y
, P = (2, 2, f(2, 2)).
(i) z = xe
x
2
−y
2
, P = (2, 2, f(2, 2)).
(j) z = 3 x
3
y −xy, P = (1, −1, f(1, −1)).
(k) z =
1
xy
, P = (1, 1, f(1, 1)).
(l) z = cos(x) sen(y), P = (0,
π
2
, f(0,
π
2
)).
5. Determine o plano tangente ao gráfico de z = xy que passa pelos pontos (1, 1, 2) e
(−1, 1, 1).
6. Determine o plano tangente ao gráfico de z = x
2
+y
2
que seja paralelo ao plano z −2 x −
y = 0.
7. Verifique que o plano tangente ao gráfico de z = x
2
− y
2
na origem intersecta o gráfico
segundo duas retas.
8. Determine a linearização das seguintes funções, ao redor dos pontos dados:
(a) f(x, y) = sen(xy), (0, 1).
(b) f(x, y, z) =
4
_
x
2
+y
2
+z
2
, (1, 0, 0).
(c) f(x, y, z) = xy z, (1, 1, 1).
(d) f(x, y, z) = (xy)
z
, (12, 10, 1).
(e) f(x, y, z) = xy
3
+cos(π z), (1, 3, 1)
(f) f(x, y, z) = x
2
−y
2
−z
2
+xy z, (1, 1, 0)
9. Calcule, aproximadamente:
116 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS
(a)
4

1.0022
2
+ 0.0023
2
+ 0.00098
2
.
(b) 0.98 ×0.99 ×1.02.
(c) 3.001 ×(2.0023)
3
×cos((1.002) π).
(d) (12.03 ×10.04)
1.08
.
(e) 8.99 ×

9.99 −1.01
3
(f) 1.0023 ×2.9931
3
+cos(1.00012π).
10. Calcule as derivadas parciais de segunda e terceira ordem de:
(a) z = x
3
y −2 x
2
y
2
+ 5 xy −2 x
(b) z = xcos(xy) −y sen(xy)
(c) z = cos(x
3
+xy)
(d) z = arctg(x
2
−2 xy)
(e) z = e
x
2
+y
2
(f) w = x
2
y
3
z
4
(g) w = cos(x +y +z)
(h) w = x
3
y
2
z + 2 (x +y +z)
(i) w =
x
3
−y
3
x
2
+y
3
(j) w = e
xyz
(k) w = log
4
(x
2
+y z +xy z)
(l) w = e
xy
2
z
3
11. Verifique que as funções dadas satisfazem à equação de Laplace:

2
f
∂x
2
+

2
f
∂y
2
= 0.
(a) f(x, y) = e
−x
cos(y).
(b) f(x, y) = ln(
_
x
2
+y
2
).
(c) f(x, y) = arctg
_
y
x
_
, x > 0.
12. Verifique que as funções dadas satisfazem à equação de Laplace em dimensão 3:

2
f
∂x
2
+

2
f
∂y
2
+

2
f
∂z
2
= 0.
(a) f(x, y, z) = x
2
+y
2
−2 z
2
. (b) f(x, y, z) = e
3x+4y
cos(5z).
13. Usando a regra da cadeia para z = f(x, y) e w = f(x, y, z), calcule
dz
dt
e
dw
dt
:
(a) z = x
2
+ 2y
2
, x = sen(t), , y = cos(t)
(b) z = arctg(
y
x
), x = ln(t), y = e
t
(c) z = tg(
x
y
), x = t, y = e
t
(d) z = e
xy
, x = 3t + 1, y = t
2
(e) z = x
2
cos(y) −x, x = t
2
, y =
1
t
(f) z = ln(x) +ln(y) +xy, x = e
t
, y = e
−t
(g) w = xyz, x = t
2
, y = t
3
, z = t
4
(h) w = e
−x
y
2
sen(z), x = t, y = 2t, z = 3t
(i) w = x
2
+ y
2
+ z
2
, x = e
t
, y = e
t
cos(t),
z = e
t
sen(t)
(j) w =
x
2
+y
2
1+x
2
+y
2
+z
2
, x = cos(t),
y = sen(t), z = e
t
(k) w =
x+y+z
x
2
+y
2
+z
2
, x = cos(t),
y = sen(t), z = e
t
(l) w = (x
2
−y
2
) ln(
_
z
3
x
2
−y
2
), x = cosh(t),
y = senh(t), z = t
14. Usando a regra da cadeia para z = f(x, y) e w = f(x, y, z), calcule:
∂z
∂t
,
∂z
∂s
e
∂w
∂t
,
∂w
∂s
e
∂w
∂r
.
5.9. EXERCÍCIOS 117
(a) z = x
2
−y
2
, x = 3t −s, y = t + 2s
(b) z = e
y
x
, x = 2s cos(t), y = 4s sen(t)
(c) z = x
2
+y
2
, x = cosh(s) cos(t),
y = senh(s) sen(t)
(d) z = x
2
y
−2
, x = s
2
−t, y = 2st
(e) z = cosh(
y
x
), x = 3t
2
s, y = 6te
s
(f) ) z =
_
1 +x
2
+y
2
, x = se
t
, y = se
−t
(g) z = arcsen(3x+y), x = s
2
, y = sen(st)
(h) w = xe
y
, x = arctg(rst), y = ln(3rs +
5st)
(i) w = x
2
+ y
2
+ z
2
, x = rsen(t)cos(s),
y = rsen(t)sen(s), z = rcos(t)
(j) w =
_
x
2
+y
2
+z
2
, x = tg(t), y =
cos(r), z = sen(s)
(k) w = xy +yz +zx, x = tr, y = st, z = ts
(l) w = log
5
(xy+yz+zx), x = t
2
r, y = st
2
,
z = t
2
s
15. Se o raio r e a altura h de um tanque cônico decrescem à razão de 0.3 cm/h e 0.5 cm/h
respectivamente, determine a razão de decrescimento do volume do tanque quando r =
6 cm e h = 30 cm.
16. Num certo instante, a altura de um cone é 30 cm e o raio da base é 20 cm e cresce à razão
de 1 cm/seg. Qual é a velocidade com que a altura aumenta no instante em que o volume
cresce à razão de
2000
3
π cm
3
/seg?
17. Considere a lei de um gás ideal confinado, para k = 10. Determine a taxa de variação da
temperatura no instante em que o volume do gás é de 120 cm
3
e o gás está sob pressão
de 8 din/cm
2
, sabendo que o volume cresce à razão de 2 cm
3
/seg e a pressão decresce à
razão de 0.1 din/cm
2
.
18. Se z = f(x, y) é diferenciável, x = rcos(θ) e y = rsen(θ), verifique:
∂z
∂x
=
∂z
∂r
cos(θ) −
∂z
∂θ
sen(θ)
r
e
∂z
∂y
=
∂z
∂r
sen(θ) +
∂z
∂θ
cos(θ)
r
.
19. Sejam f(x, y) e g(x, y) funções diferenciáveis tais que:
∂f
∂x
=
∂g
∂y
e
∂f
∂y
= −
∂g
∂x
.
Se x = rcos(θ), y = rsen(θ) verifique que:
∂f
∂r
=
1
r
∂g
∂θ
e
∂g
∂r
= −
1
r
∂f
∂θ
.
20. Verifique que se w = f(x, y, z) é diferenciável e homogênea de grau n, então:
x
∂f
∂x
+y
∂f
∂y
+z
∂f
∂z
= nf(x, y, z).
118 CAPÍTULO 5. DERIVADAS PARCIAIS
Capítulo 6
DERIVADA DIRECIONAL
6.1 Introdução
Suponha que estamos numa ladeira de uma montanha e desejamos determinar a inclinação da
montanha na direção do eixo dos z. Se a montanha fosse representada pelo gráfico da função
z = f(x, y), então, já saberíamos determinar a inclinação em duas direções diferentes, a saber,
na direção do eixo dos x utilizando
∂f
∂x
(x, y) e na direção do eixo dos y utilizando
∂f
∂y
(x, y). Neste
parágrafo veremos como utilizar derivada para determinar a inclinação em qualquer direção;
para isto definimos um novo tipo de derivada chamada direcional. Este conceito generaliza o
de derivada parcial, isto é, as derivadas parciais de uma função podem ser obtidas como casos
particulares das derivadas direcionais.
Definição 6.1. Sejam A ⊂ R
n
aberto, f : A ⊂ R
n
−→ R uma função, x ∈ A e v um vetor unitário
em R
n
. A derivada direcional de f no ponto x e na direção v é denotada por:
∂f
∂v
(x)
e definida por:
∂f
∂v
(x) = lim
t−→0
f(x +t v) −f(x)
t
,
se o limite existe.
Se n = 3, A ⊂ R
3
aberto, f : A ⊂ R
3
−→ R uma função, x = (x, y, z) ∈ A e v = (v
1
, v
2
, v
3
) um
vetor unitário em R
3
. A derivada direcional de f no ponto (x, y, z) e na direção v é denotada
por:
∂f
∂v
(x, y, z) e definida por:
∂f
∂v
(x, y, z) = lim
t−→0
f(x +t v
1
, y +t v
2
, z +t v
3
) −f(x, y, z)
t
se o limite existe. Analogamente para n = 2:
∂f
∂v
(x, y) = lim
t−→0
f(x +t v
1
, y +t v
2
) −f(x, y)
t
se o limite existe.
119
120 CAPÍTULO 6. DERIVADA DIRECIONAL
Exemplo 6.1.
[1] A função:
f(x, y) =
_
_
_
x
2
y
x
4
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0)
,
não é contínua na origem. No entanto, as derivadas direcionais no ponto (0, 0) e em qualquer
direção v = (v
1
, v
2
) existem.
De fato:
f
_
(0, 0) +t (v
1
, v
2
)
_
−f(0, 0) = f
_
t v
1
, t v
2
_
=
t v
2
1
v
2
t
2
v
4
1
+v
2
2
;
então:
∂f
∂v
(0, 0) = lim
t→0
f
_
(0, 0) +t (v
1
, v
2
)
_
−f(0, 0)
t
= lim
t→0
v
2
1
v
2
t
2
v
4
1
+v
2
2
=
_
_
_
v
2
1
v
2
se v
2
= 0
0 se v
2
= 0.
[2] Calcule a derivada direcional de f(x, y) = x
2
+y
2
na direção (2, 2).
O vetor (2, 2) não é unitário; logo v =
(2, 2)
(2, 2)
=

2
2
_
1, 1
_
é unitário e:
f
_
x +

2 t
2
, y +

2 t
2
_
=
_
x +
t

2
2
_
2
+
_
y +
t

2
2
_
2
;
então, f
_
x +

2 t
2
, y +

2 t
2
_
−f(x, y) = t
2
+

2 t (x +y); logo,
∂f
∂v
= lim
t→0
f
_
x +

2 t
2
, y +

2 t
2
_
−f(x, y)
t
= lim
t→0
_
t +

2 (x +y)
_
=

2 (x +y).
[3] Calcule a derivada direcional de f(x, y, z) = xy z na direção (1, 1, 1). O vetor (1, 1, 1) não é
unitário; logo v =
(1, 1, 1)
(1, 1, 1)
=

3
3
_
1, 1, 1
_
é unitário e:
f
_
x +

3 t
3
, y +

3 t
3
, z +

3 t
3
_
=
_
x +
t

3
3
_ _
y +
t

3
3
_ _
z +
t

3
3
_
;
então,
f
_
x +

3 t
3
, y +

3 t
3
, z +

3 t
3
_
−f(x, y, z) =

3 t
3
9
+
t
2
(x +y +z)
3
+
t

3 (xy +xz, xy)
3
;
logo,
∂f
∂v
= lim
t→0
_

3 t
2
9
+
t (x +y +z)
3
+

3 (xy +xz +xy)
3
_
=

3 (xy +xz +xy)
3
.
6.2. DERIVADA DIRECIONAL COMO TAXA DE VARIAÇÃO 121
A derivada direcional é a generalização natural das derivadas parciais. De fato, se v = e
1
=
(1, 0, 0), então, a derivada direcional de f na direção v é a derivada parcial de f em relação a x:
∂f
∂e
1
(x, y, z) = lim
t→0
f(x +t, y, z) −f(x, y, z)
t
=
∂f
∂x
(x, y, z).
Analogamente se v = e
2
= (0, 1, 0) e v = e
3
= (0, 0, 1):
∂f
∂e
2
(x, y, z) =
∂f
∂y
(x, y, z) e
∂f
∂e
3
(x, y, z) =
∂f
∂z
(x, y, z).
A definição para n = 2 é análoga.
Notemos que na definição de derivada direcional o vetor v deve ser unitário. A razão disto é a
seguinte: se o vetor não fosse unitário, a derivada direcional não dependeria somente do ponto
e da direção, mas também do comprimento do vetor. Para n = 2, v determina a direção do
plano secante que intersecta o gráfico de f.
Figura 6.1:
Pode acontecer que a derivada direcional de uma função num ponto numa certa direção exista
e a derivada direcional da mesma função no mesmo ponto em outra direção não exista.
6.2 Derivada Direcional como Taxa de Variação
De forma análoga ao que ocorre com as derivadas parciais, a derivada direcional de f no ponto
x ∈ A na direção v exprime a taxa de variação de f ao longo da reta c(t) = x + tv ou, equiva-
lentemente, a taxa de variação de f em relação à distância, no plano xy, na direção v.
122 CAPÍTULO 6. DERIVADA DIRECIONAL
y
0
y
0
+t
x
0
x
0
+t
A
e
e
2
1
v
c(t)
Figura 6.2:
Novamente, a existência de todas as derivadas direcionais de uma função num ponto não ga-
rante a continuidade da função no ponto, pois, equivale a aproximar-se do ponto por retas.
Exemplo 6.2.
O potencial elétrico numa região do espaço é dado por V (x, y, z) = x
2
+4 y
2
+9 z
2
. Ache a taxa
de variação de V no ponto (2, −1, 3) e na direção de (2, −1, 3) para a origem.
O vetor (2, −1, 3) não é unitário; logo, v =
(2, −1, 3)
(2, −1, 3)
=
1

14
_
2, −1, 3
_
. Então:
f
_
x +
2 t

14
, y −
t

14
, z +
3 t

14
_
=
_
x +
2 t

14
_
2
+ 4
_
y −
t

14
_
2
+ 9
_
z +
3 t

14
_
2
;
e,
f
_
x +
2 t

14
, y −
t

14
, z +
3 t

14
_
−f(x, y, z) =
1
14
t
_
89 t + 2

14 (2 x −4 y + 27 z)
_
.
Logo,
∂f
∂v
= lim
t−→0
1
14
_
89 t + 2

14 (2 x −4 y + 27 z)
_
=

14
7
(2 x −4 y + 27 z). Então:
∂f
∂v
(2, −1, 3) =
89

14
7
.
Se f é diferenciável no ponto x
0
, então, f possui todas as derivadas direcionais em x
0
. A
recíproca é falsa. Procure exemplos.
6.3 Gradiente de uma Função
Definição 6.2. Sejam A ⊂ R
n
aberto, x ∈ A e f : A ⊂ R
n
−→ R uma função tal que as derivadas
parciais existem em x. O gradiente de f no ponto x é o vetor do R
n
denotado por ∇f(x) e definido
por:
∇f(x) =
_
∂f
∂x
1
(x),
∂f
∂x
2
(x), . . . ,
∂f
∂x
n
(x)
_
.
6.3. GRADIENTE DE UMA FUNÇÃO 123
Equivalentemente:
∇f(x) =
∂f
∂x
1
(x) e
1
+
∂f
∂x
2
(x) e
2
+............ +
∂f
∂x
n
(x) e
n
.
Se n = 3, A ⊂ R
3
aberto, f : A ⊂ R
3
−→ R uma função, x = (x, y, z) ∈ A o gradiente de f no
ponto (x, y, z) é definido por:
∇f(x, y, z) =
_
∂f
∂x
(x, y, z),
∂f
∂y
(x, y, z)
∂f
∂z
(x, y, z)
_
Analogamente para n = 2.
A rigor ∇f é uma função que associa a cada ponto x ∈ A ⊂ R
n
um único vetor ∇f(x) ∈
R
n
. Este tipo de função é chamado campo de vetores. O nome se justifica se expressarmos
graficamente ∇f do seguinte modo: em cada ponto x ∈ A desenhamos um vetor com origem
em x e com o comprimento e direção de ∇f(x).
A
Figura 6.3: O gradiente como campo de vetores.
Exemplo 6.3.
[1] Se f(x, y) = x
2
+y
2
; então, ∇f(x, y) = (2 x, 2 y).
(x, y) ∇f(x, y) ∇f(x, y)
(0, 0) (0, 0) 0
(1, 0) (2, 0) 2
(x, 0) (2x, 0) 2x
(0, y) (0, 2y) 2y
(1, 1) (2, 2) 2

2
(x, y) (2x, 2y) 2 (x, y)
À medida que o ponto se afasta da origem o comprimento do gradiente cresce e fica igual a
duas vezes a distância do ponto à origem.
124 CAPÍTULO 6. DERIVADA DIRECIONAL
Figura 6.4: Esboço de ∇f e das curvas de nível de f.
[2] Se f(x, y) = x
2
−y
2
; então, ∇f(x, y) = (2 x, −2 y).
(x, y) ∇f(x, y) ∇f(x, y)
(0, 0) (0, 0) 0
(1, 0) (2, 0) 2
(x, 0) (2x, 0) 2x
(0, y) (0, −2y) 2y
(1, 1) (2, −2) 2

2
(x, y) (2x, −2y) 2 (x, y)
À medida que o ponto se afasta da origem o comprimento do gradiente cresce ficando igual a
duas vezes a distância do ponto à origem.
Figura 6.5: Esboço de ∇f e das curvas de nível de f.
[3] Se f(x, y) = sen(x) sen(y); então, ∇f(x, y) = (cos(x) sen(y), sen(x) cos(y)).
6.3. GRADIENTE DE UMA FUNÇÃO 125
Figura 6.6: Esboço de ∇f e das curvas de nível de f.
[4] Se f(x, y, z) = x
2
+y
2
+z
2
, então: ∇f(x, y, z) = (2 x, 2 y, 2 z) e:
∇f(x, y, z) = 2
_
x
2
+y
2
+z
2
.
Figura 6.7: Esboço de ∇f.
Proposição 6.1. Se f é uma função diferenciável então:
∂f
∂v
(x) = ∇f(x) · v
Para a prova, veja o apêndice. Se n = 2, qualquer vetor unitário v pode ser escrito na forma
_
cos(θ), sen(θ)
_
, onde θ é o ângulo diretor de v. Logo:
∂f
∂v
(x, y) = cos(θ)
∂f
∂x
(x, y) +sen(θ)
∂f
∂y
(x, y)
Exemplo 6.4.
[1] Calcule as derivadas direcionais de z = f(x, y) = ln(
_
x
2
+y
2
) na direção do vetor (1, 1).
126 CAPÍTULO 6. DERIVADA DIRECIONAL
O ângulo formado por (1, 1) e o eixo positivo dos x é θ =
π
4
, logo:
∂f
∂v
(x, y) = cos(
π
4
)
x
x
2
+y
2
+sen(
π
4
)
y
x
2
+y
2
=

2
2
_
x +y
x
2
+y
2
_
.
[2] Calcule as derivadas direcionais de w = f(x, y, z) = xy z na direção do vetor (1, 2, 2).
Consideremos o vetor unitário v =
(1, 2, 2)
(1, 2, 2)
=
_
1
3
,
2
3
,
2
3
_
; logo:
∂f
∂v
(x, y, z) =
_
y z, xz, xy
_
·
_
1
3
,
2
3
,
2
3
_
=
y z + 2 xz + 2 xy
3
.
[3] Calcule as derivadas direcionais de w = f(x, y, z) = e
x
+y z na direção do vetor (−1, 5, −2).
O vetor (−1, 5, −2) não é unitário; logo v =
1

30
(−1, 5, −2).
∂f
∂v
(x, y, z) =
1

30
(e
x
, z, y) · (−1, 5, −2) =
−e
x
+ 5 z −2 y

30
.
6.3.1 Observações Geométricas sobre Gradientes
Sejam f : A ⊂ R
n
−→ R uma função diferenciável tal que ∇f =

0, v um vetor unitário e α o
ângulo formado por v e ∇f. Então:
∇f · v = ∇f v cos(α) = ∇f cos(α);
como cos(α) atinge o máximo em α = 0, então:
∂f
∂v
≤ ∇f. Se α =
π
2
, então, ∇f é ortogonal a
v. Se consideramos o vetor unitário v =
∇f
∇f
, então,
∂f
∂v
= ∇f ·
∇f
∇f
=
∇f
2
∇f
= ∇f.
Logo, temos a igualdade quando derivamos na direção de ∇f.
Proposição 6.2. Se ∇f = 0, então:
1. A taxa máxima de crescimento de f no ponto x
0
ocorre na direção e no sentido do gradiente.
Analogamente, a taxa mínima de crescimento de f no ponto x
0
ocorre na direção contrária a do
gradiente.
2. O valor máximo de
∂f
∂v
no ponto x
0
é ∇f(x
0
).
3. Se ∇f(x) =

0, então,
∂f
∂v
= 0 para todo v.
O gradiente de f no ponto x
0
indica a direção, no plano xy (Dom(f)), de maior crescimento
de f numa vizinhança do ponto x
0
.
6.3. GRADIENTE DE UMA FUNÇÃO 127
Figura 6.8:
Exemplo 6.5.
[1] Se T(x, y) =
100 xy
x
2
+ 4 y
2
+ 4
é a temperatura em graus Celsius, sobre uma lâmina metálica, x
e y medidos em cm, determine a direção de crescimento máximo de T a partir do ponto (1, 1) e
a taxa máxima de crescimento de T, nesse ponto.
Pela proposição anterior, no ponto (1, 1), a função cresce mais rapidamente na direção de
∇T(1, 1) e a taxa máxima de crescimento nesta direção é ∇T(1, 1).
∇T(x, y) =
100
(4 +x
2
+ 4 y
2
)
2
_
y (4 −x
2
+ 4 y
2
), x(4 +x
2
−4 y
2
)
_
;
∇T(1, 1) =
100
9
2
_
7, 1
_
e ∇T(1, 1) =
500

2
9
2

= 8.729
o
por centímetro.
A solução apresentada pode ser enganosa, pois, apesar de o gradiente apontar na direção de
maior crescimento da temperatura, não necessariamente indica o lugar mais quente da lâmina,
isto é, o gradiente nos dá uma solução num pequeno aberto ao redor do ponto (1, 1); se mu-
damos este ponto a direção de maior crescimento muda. Desenhos do gradiente ao redor do
ponto (1, 1) numa região do plano, respectivamente:
0.5 1 1.5 2
0.5
1
1.5
2
0 0.5 1 1.5 2
0
0.5
1
1.5
2
Figura 6.9:
128 CAPÍTULO 6. DERIVADA DIRECIONAL
[2] Suponha que o potencial numa lâmina plana é dado por V (x, y) = 80 − 20 xe

x
2
+y
2
20
em
volts, x e y em cm.
(a) Determine a taxa de variação do potencial em qualquer direção paralela ao eixo dos x.
(b) Determine a taxa de variação do potencial em qualquer direção paralela ao eixo dos y.
(c) Determine a taxa de variação do potencial na direção do vetor (1, 1).
(d) Qual é a taxa máxima de variação do potencial no ponto (1, 2)?
(e) Em que direção, a partir da origem, o potencial aumenta e diminui?
(a) Qualquer direção paralela ao eixo dos x é dada pelo vetor v = (1, 0); logo:
∂V
∂v
(x, y) =
∂V
∂x
(x, y) = 2 (x
2
−10) e

x
2
+y
2
20
.
(b) Analogamente, qualquer direção paralela ao eixo dos y é dada pelo vetor v = (0, 1); logo:
∂V
∂v
(x, y) =
∂V
∂y
(x, y) = 2 xy e

x
2
+y
2
20
.
(c) O vetor (1, 1) não é unitário; normalizando o vetor obtemos v =

2
2
(1, 1) e calculamos:
∂V
∂v
(x, y) = ∇V (x, y) · v.
Então:
∇V (x, y) =
_
∂V
∂x
(x, y),
∂V
∂y
(x, y)
_
= 2 e

x
2
+y
2
20
(x
2
−10, xy);
∂V
∂v
(x, y) =

2 ∇V (x, y) · (1, 1) =

2 e

x
2
+y
2
20
(x
2
+xy −10).
(d) A taxa máxima do potencial no ponto (1, 2) é ∇V (1, 2).
∇V (x, y) = 2 e
−x
2
−y
2
20
_
100 +x
4
+x
2
(y
2
−20);
logo, ∇V (1, 2) =
2

85
4

e
volts.
(e) A direção do gradiente é aquela onde o potencial cresce mais rapidamente. Logo, temos
que ∇V (0, 0) = (−20, 0). A partir da origem o potencial cresce mais rapidamente na direção
do vetor (−20, 0) e decresce mais rapidamente na direção do vetor −∇V (0, 0) = (20, 0). Veja o
seguinte desenho:
6.3. GRADIENTE DE UMA FUNÇÃO 129
Figura 6.10: Exemplo [3].
[3] A temperatura do ar em certa altitude é dada por f(x, y, z) = xy
2
z
3
+x
2
y z
3
+x
2
y
3
z. Um
avião está localizado no ponto (−1, 2, 1). Em que direção deve voar para que o motor resfrie o
mais rapidamente possível?
De todas as direções possíveis, a direção do gradiente é aquela onde a função cresce mais
rapidamente. Logo, o avião deverá voar na direção contrária a do gradiente.
∂f
∂x
(x, y) = y z (2 xy
2
+ 2 xz
2
+y z
2
),
∂f
∂y
(x, y) = xz (3 xy
2
+xz
2
+ 2 y z
2
),
∂f
∂z
(x, y) = xy (xy
2
+ 3 xz
2
+ 3 y z
2
), e ∇f(−1, 2, 1) = (−16, 9, 2).
O avião deverá voar na direção de (16, −9, −2).
[4] Uma lâmina metálica está situada no plano xy de modo que a temperatura T = T(x, y), em
graus Celsius, em cada ponto, seja proporcional à distância do ponto à origem. Se a tempera-
tura no ponto (3, 4) é de 150
o
C, pede-se:
(a) Ache a taxa de variação de T no ponto (3, 4) na direção (−1, 1).
(b) Em que direções a taxa de variação é zero?
Note que T(x, y) = k
_
x
2
+y
2
; então, 150 = T(3, 4) = 5 k; logo k = 30 e:
T(x, y) = 30
_
x
2
+y
2
e o gradiente ∇T(x, y) =
30
_
x
2
+y
2
(x, y).
Logo, ∇T(3, 4) = 6 (3, 4). Esboço de ∇f:
130 CAPÍTULO 6. DERIVADA DIRECIONAL
Figura 6.11: Exemplo [4].
(a) (−1, 1) não é unitário; logo, v =
_

1

2
,
1

2
_
; então,
∂T
∂v
(3, 4) = ∇T(3, 4) · v = 3

2.
(b) Seja v = (a, b) tal que a
2
+b
2
= 1;
∂T
∂v
(3, 4) = 0 se (3, 4) · (a, b) = 0; logo, obtemos o seguinte
sistema:
_
a
2
+b
2
= 1
3 a + 4 b = 0,
com solução a = ±
4
5
e b = ∓
3
5
. As direções solicitadas são (4, −3) e (−4, 3).
[5] A equação da superfície de uma montanha é z = f(x, y) = 1200 − 3 x
2
− 2 y
2
, onde as
distâncias são medidas em metros. Suponha que os pontos do eixo positivo dos x estão a leste
e os pontos do eixo positivo dos y ao norte e que um alpinista está no ponto (−10, 5, 850).
Figura 6.12: Exemplo [5].
(a) Qual é a direção da parte que tem a inclinação mais acentuada?
(b) Se o alpinista se mover na direção leste, ele estará subindo ou descendo e qual será sua
velocidade?
(c) Se o alpinista se mover na direção sudoeste, ele estará subindo ou descendo e qual será sua
velocidade?
6.3. GRADIENTE DE UMA FUNÇÃO 131
(d) Em que direção ele estará percorrendo um caminho plano?
Sabemos que
∂f
∂v
atinge o máximo valor se v =
∇f(x, y)
∇f(x, y)
e
∂f
∂v
= ∇f(x, y).
(a) ∇f(x, y) = (−6 x, −4 y) e ∇f(−10, 5) = (60, −20). A direção da parte que tem a inclinação
mais acentuada é (3, −1).
Figura 6.13: Esboço de ∇f e das curvas de nível de f
Um vetor unitário no plano se escreve v = (cos(α), sen(α)), onde α é o ângulo formado pelo
vetor e o eixo dos x.
(b) O vetor unitário na direção leste é v = (cos(0), sen(0)) = (1, 0); veja o desenho:
L
N
O
Figura 6.14:
∂f
∂v
(−10, 5) =
∂f
∂x
(−10, 5) = 60.
O alpinista estará subindo a uma razão de 60 m/min.
(c) O vetor na direção sudoeste é (−1, −1); logo, o vetor unitário nesta direção é dado por:
v = (−

2
2
, −

2
2
); veja o desenho:
132 CAPÍTULO 6. DERIVADA DIRECIONAL
O
S
Figura 6.15:
∂f
∂v
(−10, 5) = ∇f(−10, 5) · v = −20

2.
O alpinista estará descendo a uma razão de 20

2 m/min.
(d) Seja v = (cos(α), sen(α)) vetor unitário. Devemos determinar α tal que:
∂f
∂v
(−10, 5) = ∇f(−10, 5) · v = 0,
que é equivalente a 3 cos(α) − sen(α) = 0; logo tg(α) = 3. Utilizando a seguinte identidade
trigonométrica: sen
2
(α) =
tg
2
(α)
1 +tg
2
(α)
, obtemos sen(α) = ±
3

10
10
e cos(α) =
_
1 −sen
2
(α) =
= ±

10
10
. O alpinista estará percorrendo um caminho plano na direção de (1, 3) ou de (−1, −3).
6.4 Funções Implícitas
Sejam A ⊂ R
2
um conjunto aberto, f : A −→R
2
e c ∈ R fixado. A equação f(x, y) = c define y
implicitamente como função de x, quando existe g : I −→ R tal que y = g(x) e f(x, g(x)) = c.
Isto significa que:
f
−1
(c) = {(x, y) ∈ A/ f(x, y) = c}
é o gráfico de g.
Em geral uma equação do tipo f(x, y) = c quando define y em função de x o faz apenas local-
mente (ou seja numa vizinhança de umponto). Como veremos nos exemplos, nemsempre uma
equação do tipo f(x, y) = c define alguma função implicitamente. Para isto, basta considerar
c / ∈ Im(f).
Exemplo 6.6.
[1] Seja f(x, y) = x
2
+ y
2
. Se c = −1, f não define implicitamente nehuma função. Se c = 0,
então x = 0 e y = 0 e f não define implicitamente nenhuma função definida num intervalo não
degenerado. Se c = 1, f não define implicitamente nehuma função. Considerando x ∈ I =
(−1, 1), podemos definir:
g
1
(x) =
_
1 −x
2
se A
1
= {(x, y) ∈ R
2
/ y > 0},
6.4. FUNÇÕES IMPLÍCITAS 133
e
g
2
(x) = −
_
1 −x
2
se A
2
= {(x, y) ∈ R
2
/ y < 0}.
[2] Seja f(x, y) = xy e c ∈ R; então, f define implícitamente:
y = g(x) =
c
x
se x = 0.
Nosso objetivo é dar condições suficientes para que seja possível obter uma função definida
implicitamente. Exceto para as equações mais simples, por exemplo, lineares, quadráticas, esta
questão não é simples. O estudo das funções definidas implicitamente tem muitas aplicações
não só na Matemática como em outras Ciências.
[3] A lei de Gay-Loussac para gases ideais confinados: P V = k T, onde P é a pressão, V o
volume e T a temperatura.
[4] O sistema:
_
x
2
+y
2
+z
2
= 1
x +y +z = 0,
estabelece uma relação entre as coordenadas de um ponto da esfera unitária centrada na ori-
gem.
No estudo das funções definidas implicitamente surgem dois problemas:
1. Dada f(x, y) = c, f de classe C
k
, (k > 1), em que casos existe g definida implicitamente por
f(x, y) = c?
2. Se existe g diferenciável definida implicitamente por f(x, y) = c, como calcular a derivada
de g?
Teorema 6.1. (Função Implícita) Sejam A ⊂ R
2
um conjunto aberto, f : A −→ R de classe C
k
e
c ∈ R fixo. Se (x
0
, y
0
) ∈ A é tal que f(x
0
, y
0
) = c e
∂f
∂y
(x
0
, y
0
) = 0, então, existe um retângulo aberto
I
1
×I
2
centrado em (x
0
, y
0
) tal que f
−1
(c) ∩
_
I
1
×I
2
_
é o gráfico da função g : I
1
−→I
2
de classe C
k
e:
y

= −
∂F
∂x
(x, g(x))
∂F
∂y
(x, g(x))
.
I
x
g(x)
1
I
2
f=c
Figura 6.16:
134 CAPÍTULO 6. DERIVADA DIRECIONAL
O teorema da função implícita é um teorema de existência; isto é, não indica como determinar
a função definida implícitamente. O teorema tem consequências geométricas profundas. Se f
satisfaz às hipóteses do teorema, então f
−1
(c) é localmente uma curvas de classe C
k
. Veja [4]
na bibliografia. Nós, essencialmente, utilizaremos a fórmula para o cálculo das derivadas.
Exemplo 6.7.
[1] Se y = f(x) é definida implicitamente por e
x−y
+x
2
−y = 1, calcule y

.
Seja f(x, y) = e
x−y
+ x
2
− y − 1; f é de classe C
k
e
∂f
∂y
(x
0
, y
0
) = −e
x
0
−y
0
− 1 = 0 para todo
(x
0
, y
0
) ∈ R
2
; então:
y

=
e
x−y
+ 2 x
e
x−y
+ 1
.
[2] Se y = f(x) é definida implicitamente por x
2
+y
2
= 1, calcule y

.
Seja f(x, y) = x
2
+y
2
, f é de classe C
k
e
∂f
∂y
(x
0
, y
0
) = −2 y
0
= 0 para todo (x
0
, y
0
) ∈ R
2
tal que
y
0
= 0; então:
y

= −
x
y
.
[3] Seja f(x, y) = (x−2)
3
y+xe
y−1
. Não podemos afirmar que f(x, y) = 0 define implicitamente
uma função de x numretângulo aberto centrado em(1, 1). De fato, f(1, 1) = 0, f é de classe C
k
mas:
∂f
∂y
(1, 1) = (x −2)
3
+xe
y−1
¸
¸
¸
¸
(1,1)
= 0.
0 0.5 1 1.5 2
0
0.5
1
1.5
2
Figura 6.17: Curvas de nível de f num retângulo centrado em (1, 1).
Para n > 2 o teorema da função implícita também é válido. A seguir, apressentamos a versão
para n = 3:
Teorema 6.2. (Função Implícita) Sejam A ⊂ R
3
um conjunto aberto, f : A −→ R de classe C
k
e c ∈ R fixo. Se (x
0
, y
0
, z
0
) ∈ A é tal que f(x
0
, y
0
, z
0
) = c e
∂f
∂z
(x
0
, y
0
, z
0
) =, então, existe um
6.5. GRADIENTE E CONJUNTOS DE NÍVEL 135
paralelepípedo aberto I
1
×I
2
×I
3
centrado em (x
0
, y
0
, z
0
) tal que f
−1
(c) ∩
_
I
1
×I
2
×I
3
_
é o gráfico da
função g : I
1
×I
2
−→I
3
de classe C
k
tal que z = g(x, y) e:
∂g
∂x
= −
∂f
∂x
(x, , y, g(x, y))
∂f
∂z
(x, y, g(x, y))
e
∂g
∂x
= −
∂f
∂y
(x, , y, g(x, y))
∂f
∂z
(x, y, g(x, y))
.
Novamente o teorema implica em que toda superfície de classe C
k
é localmente o gráfico de
alguma função de classe C
k
. Veja [4] na bibliografia.
6.5 Gradiente e Conjuntos de Nível
Sabemos que ∇f aponta na direção para a qual f cresce o mais rapidamente, mas nas curvas de
nível a função f permanece constante, isto é, ao andarmos por uma curva de nível, os valores
de f são constantes; logo, a derivada direcional nessa direção será zero (sem variação):
∂f
∂v
(x
0
) = ∇f(x
0
) · v = 0.
Em geral, considere uma função f : A ⊂ R
n
−→R diferenciável.
Proposição 6.3. Seja x
0
∈ A tal que ∇f(x
0
) =

0. Então ∇f(x
0
) é perpendicular ao conjunto de nível
de f que passa pelo ponto x
0
.
Para a prova, veja o apêndice.
S
c
3
S
S
c
2
c
1
Figura 6.18: O gradiente perpendicular aos conjuntos de nível.
6.6 Gradiente e Curvas de Nível
Seja a função f : A ⊂ R
2
−→R diferenciável e as curvas de nível c de f:
C
c
= {(x, y) ∈ R
2
/f(x, y) = c}.
136 CAPÍTULO 6. DERIVADA DIRECIONAL
Se (x
0
, y
0
) ∈ C
c
tal que ∇f(x
0
, y
0
) =

0. Pela proposição 6.3, segue que a equação da reta
tangente à curva de nível f(x, y) = c no ponto (x
0
, y
0
) é
∇f(x
0
, y
0
) · (x −x
0
, y −y
0
) = 0
ou:
∂f
∂x
(x
0
, y
0
)(x −x
0
) +
∂f
∂y
(x
0
, y
0
)(y −y
0
) = 0
e a equação da reta normal é:
∂f
∂x
(x
0
, y
0
)(y −y
0
) −
∂f
∂y
(x
0
, y
0
)(x −x
0
) = 0
Exemplo 6.8.
[1] Determine as equações da reta tangente e da reta normal no ponto (x
0
, y
0
) da elipse centrada
na origem.
A equação da elipse centrada na origem é
x
2
a
2
+
y
2
b
2
= 1, (a, b = 0). Consideremos:
f(x, y) =
x
2
a
2
+
y
2
b
2
−1;
então, ∇f(x
0
, y
0
) = 2
_
x
0
a
2
,
y
0
b
2
_
; as equações das retas tangente e normal são, respectivamente:
_
b
2
x
0
x +a
2
y
0
y = a
2
b
2
,
b
2
x
0
y −a
2
y
0
x = (b
2
−a
2
) x
0
y
0
.
Em particular, se a = b temos um círculo de raio a e as equações da reta tangente e da reta
normal são, respectivamente,
_
x
0
x +y
0
y = a
2
x
0
y −y
0
x = 0.
[2] Determine a equação da reta tangente à elipse
x
2
16
+
y
2
9
= 1, que é paralela à reta x +y = 0.
Seja f(x, y) =
x
2
16
+
y
2
9
e g(x, y) = x +y. Pelo exercício anterior para a = 4 e b = 3, temos:
9 xx
0
+ 16 y y
0
= 144;
esta reta deve ser paralela à reta x +y = 0; logo, os vetores normais devemser paralelos, isto é,
devemos resolver o sistema:
_
_
_
∇f(x
0
, y
0
) = λ∇g(x
0
, y
0
)
x
2
0
16
+
y
2
0
9
= 1.
6.6. GRADIENTE E CURVAS DE NÍVEL 137
Ou, equivalentemente:
_
¸
¸
_
¸
¸
_
(1) x
0
= 8 λ
(2) 2 y
0
= 9 λ
(3)
x
2
0
16
+
y
2
0
9
= 1.
Fazendo (1) = (2) e utilizando (3), temos: (x
0
, y
0
) = ±
_
16
5
,
9
5
_
; logo, no ponto
_
16
5
,
9
5
_
, temos
x +y = 5 e no ponto
_

16
5
, −
9
5
_
, temos
x +y = −5.
-4 -2 2 4
-4
-2
2
4
Figura 6.19: Exemplo [2].
[3] Determine a equação da reta normal à parábola y
2
= −8 x que passa pelo ponto (−5, 0).
Primeiramente, observamos que o ponto (−5, 0) não pertence à parábola. Seja:
f(x, y) = y
2
+ 8 x;
logo, ∇f(x, y) = 2 (4, y). A equação da reta normal no ponto (x
0
, y
0
) é:
−xy
0
+ 4 y −4 y
0
+x
0
y
0
= 0.
Como esta reta deve passar por (−5, 0), temos x
0
= −1 ou y
0
= 0. Como o ponto (x
0
, y
0
)
pertence à parábola y
2
0
= −8 x
0
. Se y
0
= 0, então a equação é: y = 0. Se x
0
= −1, então
y
0
= ±2

2 e as equações são:
2 y −

2 x = 5

2 e 2 y +

2 x = −5

2,
nos pontos (−1, 2

2) e (−1, −2

2), respectivamente.
138 CAPÍTULO 6. DERIVADA DIRECIONAL
-5 -4 -3 -2 -1
-4
-2
2
4
Figura 6.20: Exemplo [3].
6.6.1 Ângulo entre Curvas que se Intersectam
Sejam as curvas de nível:
C
1
= {(x, y) ∈ R
2
/ F(x, y) = 0} e C
2
= {(x, y) ∈ R
2
/ G(x, y) = 0}
que se intersectam no ponto (x
0
, y
0
). O ângulo compreendido entre elas é definido como o me-
nor ângulo formado pelas retas tangentes a essas duas curvas no ponto (x
0
, y
0
), o qual é equiva-
lente ao ângulo α formado pelas respectivas normais no ponto (x
0
, y
0
). Logo, se ∇F(x
0
, y
0
) = 0
e ∇G(x
0
, y
0
) = 0, temos que o ângulo α, formado por C
1
e C
2
é dado por:
cos(α) =
∇F(x
0
, y
0
) · ∇G(x
0
, y
0
)
∇F(x
0
, y
0
) ∇G(x
0
, y
0
)
As curvas são ortogonais se:
∇F(x
0
, y
0
) · ∇G(x
0
, y
0
) = 0,
ou seja:
∂F
∂x
∂G
∂x
+
∂F
∂y
∂G
∂y
= 0
onde as derivadas parciais são calculadas no ponto (x
0
, y
0
).
Exemplo 6.9.
[1] Determine o ângulo entre as curvas xy = −2 e y
2
= −4 x no ponto (−1, 2).
Sejam f(x, y) = xy + 2 e g(x, y) = 4 x +y
2
; então, ∇f(x, y) = (y, x) e ∇g(x, y) = (4, 2 y). Logo,
cos(α) =
∇f(−1, 2) · ∇g(−1, 2)
∇f(−1, 2) ∇g(−1, 2)
e cos(α) =

10
10
.
6.7. GRADIENTE E SUPERFÍCIES DE NÍVEL 139
-2 -1
-2
2
Figura 6.21:
[2] Determine o ângulo entre as curvas x
2
+y
2
= 8 e 3 x
2
−y
2
= 8 no ponto (−2, 2).
Sejamf(x, y) = x
2
+y
2
e g(x, y) = 3 x
2
−y
2
; então, ∇f(x, y) = 2 (x, y) e ∇g(x, y) = = 2 (3 x, −y).
Logo,
cos(α) =
∇f(−2, 2) · ∇g(−2, 2)
∇f(−2, 2) · ∇g(−2, 2)
e cos(α) =

5
5
.
-2 -1 1 2
-3
-2
-1
1
2
3
Figura 6.22:
O gráfico de uma função y = f(x) pode ser considerado como a curva de nível zero de
F(x, y) = y −f(x); então:
∇F(x, y) = (−f

(x), 1); logo, y −y
0
= f

(x) (x −x
0
).
6.7 Gradiente e Superfícies de Nível
Neste caso, o conjunto de nível c de f são as superfícies de nível c de f. (c ∈ R):
S
c
= {(x, y, z) ∈ R
3
/f(x, y, z) = c}
140 CAPÍTULO 6. DERIVADA DIRECIONAL
Da proposição 6.3, segue que a equação do plano tangente à superfície de nível S
c
de f, no
ponto (x
0
, y
0
, z
0
) é:
∇f(x
0
, y
0
, z
0
) · (x −x
0
, y −y
0
, z −z
0
) = 0
se ∇f(x
0
, y
0
, z
0
) =

0, ou, equivalentemente:
∂f
∂x
(x
0
, y
0
, z
0
) (x −x
0
) +
∂f
∂y
(x
0
, y
0
, z
0
) (y −y
0
) +
∂f
∂z
(x
0
, y
0
, z
0
) (z −z
0
) = 0
Logo, a reta normal ao plano tangente deve ter a direção do gradiente e as equações paramé-
tricas desta reta no ponto (x
0
, y
0
, z
0
) são:
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
x(t) = x
0
+t
∂f
∂x
(x
0
, y
0
, z
0
)
y(t) = y
0
+t
∂f
∂y
(x
0
, y
0
, z
0
)
z(t) = z
0
+t
∂f
∂z
(x
0
, y
0
, z
0
), t ∈ R.
Como ∇f(x
0
, y
0
, z
0
) é normal ao plano tangente a S
c
no ponto (x
0
, y
0
, z
0
), o vetor normal uni-
tário a S
c
em qualquer ponto (x, y, z) é:
n(x, y, z) =
∇f(x, y, z)
∇f(x, y, z)
.
Exemplo 6.10.
[1] Determine o vetor normal unitário à superfície sen(xy) = e
z
no ponto (1,
π
2
, 0).
Seja f(x, y, z) = sen(xy) −e
z
. A superfície do exemplo é a superfície de nível zero de f;
S
0
= {(x, y, z) ∈ R
3
/f(x, y, z) = 0}.
Logo, ∇f(x, y, z) = (y cos(xy), xcos(xy), −e
z
) e ∇f(1,
π
2
, 0) = (0, 0, −1) é o vetor normal uni-
tário à superfície S.
0.0
0.5
1.0
1.5
1.5
2.0
2
1
0
Figura 6.23: Exemplo [1].
6.7. GRADIENTE E SUPERFÍCIES DE NÍVEL 141
[2] Determine o vetor normal unitário à superfície z = x
2
y
2
+y + 1 no ponto (0, 0, 1).
Seja f(x, y, z) = x
2
y
2
+y −z. A superfície do problema é a superfície de nível −1 de f;
S
−1
= {(x, y, z) ∈ R
3
/f(x, y, z) = 0}.
Logo, ∇f(x, y, z) = (2 xy
2
, 2 x
2
y + 1, −1) e ∇f(0, 0, 1) = (0, 1, −1); então,
n(0, 0, 1) =
1

2
(0, 1, −1).
1.0
0.5
0.0
0.5
1.0 1.0
0.5
0.0
0.5
1.0
0
1
2
3
Figura 6.24: Exemplo [2].
Esta definição de plano tangente é mais geral que a dada anteriormente. De fato, se z = g(x, y)
é uma função nas condições da proposição, então o gráfico de g pode ser definido como a
superfície de nível zero de f(x, y, z) = g(x, y) −z. Note que:
∇f =
_
∂g
∂x
,
∂g
∂y
, −1
_
,
que é exatamente, o vetor normal ao plano tangente ao gráfico de f em (x, y, g(x, y)). Note que
os vetores tangentes ao gráfico de f em (x, y, g(x, y)) são:
v
x
=
_
1, 0,
∂g
∂x
_
e v
y
=
_
0, 1,
∂g
∂y
_
.
Figura 6.25:
142 CAPÍTULO 6. DERIVADA DIRECIONAL
Lembramos, que todas as superfícies definidas por equações emtrês variáveis, como as quádri-
cas, podem ser consideradas como superfícies de algum nível de uma função de tres variáveis.
Exemplo 6.11.
[1] Seja f uma função de classe C
1
tal que f(1, 1, 2) = 1 e ∇f(1, 1, 2) = (2, 1, 3). A equação
f(1, 1, 2) = 1 define implícitamente uma função g? No caso afirmativo, determine a equação
do plano tangente ao gráfico de g no ponto (1, 1, 2).
Como ∇f(1, 1, 2) = (2, 1, 3); então,
∂f
∂x
(1, 1, 2) = 2,
∂f
∂y
(1, 1, 2) = 1 e
∂f
∂z
(1, 1, 2) = 3. Pelo
teorema da função implícita, existe z = g(x, y) de classe C
1
no ponto (1, 1), g(1, 1) = 2 e:
∂g
∂x
(1, 1) =
∂f
∂x
(1, 1, 2))
∂f
∂z
(1, 1, 2))
= −
2
3
e
∂g
∂y
(1, 1) = −
∂f
∂y
(1, 1, 2)
∂f
∂z
(1, 1, 2)
= −
1
3
.
Logo, a equação do plano tangente ao gráfico de g no ponto (1, 1, 2) é:
z = g(1, 1) +
∂g
∂x
(1, 1) (x −1) +
∂g
∂y
(1, 1) (y −1) =
6 −2 x −y
3
;
equivalentemente, 3 z + 2 x +y = 6.
[2] O cone x
2
+ y
2
− z
2
= 0 pode ser considerado como a superfície de nível c = 0 da função
f(x, y, z) = x
2
+ y
2
− z
2
. Determinaremos as equações do plano tangente e da reta normal à
superfície no ponto (1, 1,

2):
∇f(1, 1,

2) · (x −1, y −1, z −

2) = 0.
Temos ∇f(x, y, z) = (2 x, 2 y, −2 z) e ∇f(1, 1,

2) = 2(1, 1, −

2); então, a equação do plano
tangente é x +y −

2z = 0 e a reta normal passando por (1, 1,

2) tem equações paramétricas:
_
¸
_
¸
_
x = 1 + 2 t
y = 1 + 2 t
z =

2 −2

2 t;
o plano tangente à superfície contem a reta na direção (1, 1,

2) perpendicular ao ∇f(1, 1,

2).
-2
-1
0
1
2
-2
-1
0
1
2
0
0.5
1
1.5
2
-2
-1
0
1
2
-2
-1
0
1
2
Figura 6.26:
6.7. GRADIENTE E SUPERFÍCIES DE NÍVEL 143
[3] Determine a equação do plano tangente à superfície 3 xy +z
2
= 4 no ponto (1, 1, 1).
Considere f(x, y, z) = 3 xy +z
2
. Logo, superfície de nível c = 4 de f é 3 xy +z
2
= 4. No ponto
(1, 1, 1) a equação do plano tangente à superfície de nível de f é dada por:
∇f(1, 1, 1) · (x −1, y −1, z −1) = 0; ∇f(x, y, z) = (3 y, 3 x, 2 z) e ∇f(1, 1, 1) = (3, 3, 2);
então, a equação é:
3 x + 3 y + 2 z = 8.
[4] Determine:
(a) O vetor normal unitário a 5 x
2
+y
2

2 z
2
5
= 10 nos pontos (1, 0, 0) e (1,

5, 0).
(b) A equação do plano tangente à superfície 5 x
2
+y
2

2 z
2
5
= 10 no ponto (1,

5, 0).
(a) Seja f(x, y, z) = 5 x
2
+y
2

2 z
2
5
; ∇f(x, y, z) = (10 x, 2 y, −
4 z
5
). Então:
n
1
=
∇f(1, 0, 0)
∇f(1, 0, 0)
= (1, 0, 0) e n
2
=
∇f(1,

5, 0)
∇f(1,

5, 0)
=

30
30
(5,

5, 0).
(b) No ponto (1,

5, 0), teremos 5 x +

5 y = 10.
Figura 6.27:
[5] Determine as equações dos planos tangentes à superfície
x
2
+
y
2
4
+
z
2
9
= 1
paralelos ao plano x +y +z = 0.
Como o plano x+y+z = 0 é paralelo aos planos tangentes à superfície, então os vetores normais
a ambos os planos devemser paralelos; logo, existe λ = 0 tal que ∇f(x
0
, y
0
, z
0
) = λ(1, 1, 1), para
algum (x
0
, y
0
, z
0
) na superfície; ∇f(x
0
, y
0
, z
0
) = (2x
0
,
y
0
2
,
2
9
z
0
). Devemos resolver o sistema:
_
¸
_
¸
_
2 x
0
= λ
y
0
= 2λ
2 z
0
= 9λ,
144 CAPÍTULO 6. DERIVADA DIRECIONAL
sendo x
0
2
+
y
2
0
4
+
z
2
0
9
= 1; logo λ = ±
_
2
7
; obtemos, assim, os pontos p = ±
_
2
7
_
1
2
, 2,
9
2
_
. Logo,
∇f
_
p
_
= ±

14
7
_
1, 1, 1
_
; então, as equações dos planos tangentes nestes pontos, são:
x +y +z = ±

14.
[6] Determine a equação do plano tangente no ponto (x
0
, y
0
, z
0
) à superfície definida por:
Ax
2
+By
2
+C z
2
= D
onde A, B, C, D ∈ R.
Consideremos f(x, y, z) = Ax
2
+By
2
+C z
2
−D; logo, temos que:
∇f(x
0
, y
0
, z
0
) = (2 Ax
0
, 2 B y
0
, 2 C z
0
)
e a equação do plano tangente no ponto (x
0
, y
0
, z
0
) é:
Ax
0
x +By
0
y +C z
0
z = D
onde usamos o fato de que (x
0
, y
0
, z
0
) pertence à superfície. Em particular, o plano tangente no
ponto (x
0
, y
0
, z
0
) de:
1. um elipsóide centrado na origem é:
x
0
x
a
2
+
y
0
y
b
2
+
z
0
z
c
2
= 1
2. um parabolóide hiperbólico centrado na origem é:
2
x
0
x
a
2
−2
y
0
y
b
2

z
c
= 0
6.7.1 Ângulo entre Superfícies
Em diversas áreas da ciência é importante saber determinar o ângulo formado pela interseção
de duas superfícies num ponto dado. O ângulo entre duas superfícies num ponto comum é o
menor ângulo formado pelas normais a essas superfícies nesse ponto.
Figura 6.28: Interseção de superfícies.
6.7. GRADIENTE E SUPERFÍCIES DE NÍVEL 145
Suponha que as superfícies são definidas por:
F(x, y, z) = 0 e G(x, y, z) = 0
e tem um ponto comum (x
0
, y
0
, z
0
). Consideremos as funções:
w = F(x, y, z) e w = G(x, y, z)
tais que existam os gradientes e sejam não nulos neste ponto. As superfícies são as super-
fícies de nível c = 0 de w = F(x, y, z) e w = G(x, y, z), respectivamente. ∇F(x
0
, y
0
, z
0
) e
∇G(x
0
, y
0
, z
0
) são os vetores normais às superfícies de nível:
S
1
= {(x, y, z) ∈ R
3
/ F(x, y, z) = 0} e S
2
= {(x, y, z) ∈ R
3
/ G(x, y, z) = 0},
respectivamente. Se ∇F(x
0
, y
0
, z
0
) = 0 e ∇G(x
0
, y
0
, z
0
) = 0, temos que o ângulo α, formado
por S
1
e S
2
é dado por:
cos(α) =
∇F(x
0
, y
0
, z
0
) · ∇G(x
0
, y
0
, z
0
)
∇F(x
0
, y
0
, z
0
) ∇G(x
0
, y
0
, z
0
)
As superfícies são ortogonais no ponto (x
0
, y
0
, z
0
) se:
∂F
∂x
∂G
∂x
+
∂F
∂y
∂G
∂y
+
∂F
∂z
∂G
∂z
= 0
onde as derivadas parciais são calculadas no ponto (x
0
, y
0
, z
0
).
Exemplo 6.12.
[1] Determine o ângulo formado pelas superfícies z − e
xy
+ 1 = 0 e z − ln(
_
x
2
+y
2
) = 0 no
ponto (0, 1, 0).
Sejam F(x, y, z) = z −e
xy
+ 1 e G(x, y, z) = z −ln(
_
x
2
+y
2
);
∇F(x, y, z) = (−y e
xy
, −xe
xy
, 1), ∇G(x, y, z) = (
−x
x
2
+y
2
,
−y
x
2
+y
2
, 1),
∇F(0, 1, 0) = (−1, 0, 1), ∇G(0, 1, 0) = (0, −1, 1);
logo, ∇F(0, 1, 0) · ∇G(0, 1, 0) = 1; então, cos(α) =
1
2
e α =
π
3
.
Figura 6.29: Superfícies do exemplo [1].
146 CAPÍTULO 6. DERIVADA DIRECIONAL
[2] Determine o ângulo formado pelas superfícies:
xy +y z −4 z x = 0 e 3 z
2
−5 x +y = 0
no ponto (1, 2, 1).
Sejam F(x, y, z) = xy +y z −4 z x e G(x, y, z) = 3 z
2
−5 x +y
∇F(x, y, z) = (y −4 z, x +z, y −4 x), ∇G(x, y, z) = (−5, 1, 6 z),
∇F(1, 2, 1) = (−2, 2, −2), ∇G(1, 2, 1) = (−5, 1, 6);
logo, ∇F(1, 2, 1) · G(1, 2, 1) = 0; então, cos(α) = 0 e: α =
π
2
.
Figura 6.30: Superfícies do exemplo [1].
[3] Reta tangente à interseção de duas superfícies.
Seja C a curva (ou ponto) dada pela interseção das superfícies de nível:
S
1
= {(x, y, z) ∈ R
3
/ F(x, y, z) = 0} e S
2
= {(x, y, z) ∈ R
3
/ G(x, y, z) = 0}.
Sejam w = F(x, y, z), w = G(x, y, z) duas funções tais que as derivadas parciais existam e
P = (x
0
, y
0
, z
0
) um ponto comum às duas superfícies. Considere os vetores:
N
1
= ∇F(x
0
, y
0
, z
0
) e N
2
= ∇G(x
0
, y
0
, z
0
),
N
1
é normal à S
1
no ponto P e N
2
é normal à S
2
no ponto P. Logo N
1
e N
2
são normais a C
no ponto P. Se N
1
e N
2
não são paralelas, então o vetor tangente a C no ponto P tem a mesma
direção que N
1
× N
2
no ponto P (produto vetorial dos vetores normais). Como isto vale para
qualquer ponto P da interseção, temos que se N
1
× N
2
= (a, b, c), então a equação na forma
parámetrica da reta tangente a C no ponto P é:
_
¸
_
¸
_
x = x
0
+t a
y = y
0
+t b
z = z
0
+t c, t ∈ R.
Por exemplo, determinemos a equação da reta tangente à interseção das seguintes superfícies
3 x
2
+ 2 y
2
+z
2
= 49 e x
2
+y
2
−2 z
2
= 10 no ponto (3, −3, 2).
6.8. EXERCÍCIOS 147
Sejam F(x, y, z) = 3 x
2
+ 2 y
2
+z
2
−49 e G(x, y, z) = x
2
+y
2
−2 z
2
−10: então:
N
1
= ∇F(3, −3, 2) = 2 (9, −6, 2) e N
2
= ∇G(3, −3, 2) = 2 (3, −3, −4)
logo, (9, −6, 2) ×(3, −3, −4) = 3 (10, 14, −3); a equação, na forma paramétrica, da reta tangente
pedida é:
_
¸
_
¸
_
x = 3 + 10 t
y = −3 + 14 t
z = 2 −3 t.
6.8 Exercícios
1. Calcule o gradiente das seguintes funções:
(a) z = 2 x
2
+ 5 y
2
(b) z =
1
x
2
+y
2
(c) w = 3 x
2
+y
2
−4 z
2
(d) w = cos(xy) +sen(y z)
(e) w = ln(x
2
+y
2
+z
2
)
(f) w = cos(2 x) cos(3 y) senh(4 x)
(g) w = xy e
z
+y z e
x
(h) w =
xy
z
(i) w = ln(x
2
+y
2
+z
2
+ 1)
(j) w =
1
x
2
+y
2
+z
2
+1
(k) w = log
6
(x +y
2
+z
3
)
(l) w =
xy
2
z
3
x
2
+y
2
+z
2
+ 1
2. Determine a derivada direcional da função dada na direção v:
(a) z = 2 x
2
+ 5 y
2
, v = (cos(
π
2
), sen(
π
2
)).
(b) z =
1
x
2
+y
2
, v = (1, 1).
(c) z = x
2
y
3
, v =
1
5
(3, −4).
(d) z = x
2
+xy +y
2
+ 3 x −3 y + 3, v =
1

5
(1, 2).
(e) z = y
2
tg
2
(x), v =
1
2
(−

3, 1).
(f) w = 3 x
2
+y
2
−4 z
2
, v = (cos(
π
3
), cos(
π
4
), cos(

3
).
(g) w = cos(xy) +sen(y z), v = (−
1
3
,
2
3
,
2
3
).
(h) w = ln(x
2
+y
2
+z
2
), v =

3
3
(1, −1, −1).
(i) w = cos(2 x) cos(3 y) senh(4 z), v =

3
3
(1, −1, 1).
(j) w = xy e
z
+y z e
x
, v = (2, 2, 1).
(k) w =
x y
z
, v = (1, 1, 1).
(l) w = xsen(y) +y sen(z) +z sen(x), v = (1, 1, 1).
(m) w = e
xyz
, v = (1, 1, 1).
(n) w = e
1+x
2
+y
2
+z
2
, v = (1, 0, 1).
148 CAPÍTULO 6. DERIVADA DIRECIONAL
(o) w = arcsec(xy z), v = (0, 0, 1).
(p) w =
1
x
+
2
y
+
3
z
, v = (1, 1, 1).
(q) w =
1
x
2
+
2
y
2
+
3
z
3
, v = (1, 1, 1).
(r) w = sen(log
3
(x +y +z)), v = (2, 1, 2).
3. Determine o valor máximo da derivada direcional de f no ponto dado P e a direcão em
que ocorre:
(a) z = 2 x
2
+ 3 y
2
, P = (1, −1).
(b) z =
_
4 −x
2
−y
2
, P = (1, 1).
(c) z = xy, P = (1, 0).
(d) z = e
2y
arctg(
y
3 x
), P = (1, 3).
(e) w = sen(xy) +cos(y z), P = (−3, 0, 7).
(f) w = e
x
cos(y) +e
y
cos(z) +e
z
cos(x),
P = (0, 0, 0).
(g) w = 2 xy z +y
2
+z
2
, P = (2, 1, 1).
(h) w = e
xyz
, P = (1, 1, 1).
(i) w = cosh(xy z), P = (1, 0, 1).
(j) w =
_
x
2
+y
2
+z
2
+ 1, P = (1, 1, 1).
4. Verifique as seguintes identidades:
(a) ∇(f +g) = ∇f +∇g
(b) ∇(f g) = f ∇g +g ∇f
(c) ∇
_
f
g
_
=
g ∇f−f ∇g
g
2
se g = 0
5. Se f(x, y) = 2 e
−x
2
+e
−3y
2
é a altura de uma montanha na posição (x, y), em que direção,
partindo de (1, 0) se deveria caminhar para subir a montanha mais rapidamente?.
6. Em que direção a derivada direcional de f(x, y) =
x
2
−y
2
x
2
+y
2
no ponto (1, 1) é zero?.
7. Uma função tem derivada direcional igual a 2 na direção do vetor (2, 2), no ponto (1, 2) é
igual a −3 na direção do vetor (1, −1), no mesmo ponto. Determine o gradiente d função
no ponto (1, 2).
8. Verifique que os gráficos de z = x
2
+y
2
e z = −x
2
−y
2
−xy
3
são tangentes na origem.
9. Uma lámina de metal está situada num plano de modo que a temperatura T = T(x, y)
num ponto (x, y) é inversamente proporcional á distância do ponto á origem. Sabendo
que a temperatura no ponto P = (3, 4) é 100
o
C, determine:
(a) A taxa de variação de T no ponto P e na direção o vetor (1, 1).
(b) A direção em que T aumenta mais rapidamente no ponto P.
(c) A direção em que T decresce mais rapidamente no ponto P.
(d) A direção em que a taxa de variação é zero..
6.8. EXERCÍCIOS 149
10. Determine o plano tangente e a reta normal às superfícies no ponto P:
(a) x
2
+xy
2
+y
3
+z + 1 = 0, P = (2, −3, 4).
(b) x
2
+ 2 xy +y
2
+z −7 = 0, P = (1, −2, 6).
(c) x
2
−y
2
−z
2
= 1, P = (3, 2, 2).
(d) x
2
+y
2
−z
2
= 25, P = (5, 5, 5).
(e) x −y −z
2
= 3, P = (3, 4, 2).
(f)
3

x
2
+
3
_
y
2
+
3

z
2
=
3

a
2
, P = (x
0
, y
0
, z
0
).
(g) ln(
y
2 z
) −x = 0, P = (0, 2, 1).
(h)
x
2
a
2

y
2
b
2
+
z
2
c
2
= 1, P = (x
0
, y
0
, z
0
).
(i)
x
2
a
2

y
2
b
2

z
2
c
2
= 1, P = (x
0
, y
0
, z
0
).
(j)
x
2
a
2
+
y
2
b
2

z
2
c
2
= 1, P = (x
0
, y
0
, z
0
).
11. Um nave está perto da órbita de um planeta na posição (1, 1, 1). Sabendo que a tempera-
tura da blindagem da nave em cada ponto é dada por T(x, y, z) = e
−(x
2
+3y
2
+2z
2
)
graus,
determine a direção que a nave deve tomar para perder temperatura o mais rapidamente
possível.
12. Determine a equação do plano tangente à x
2
−2 y
2
− 4 z
2
= 16 e que é paralelo ao plano
4 x −2 y + 4 z = 5.
13. Adensidade de uma bola esférica de centro na origem, numponto (x, y, z) é proporcional
ao quadrado da dist ˆ ncia do ponto á origem. E fetuando um deslocamento a partir do
ponto (1, 2, 3) do interior da bola, na direção do vetor (1, 1/2, −1), a densidade aumenta
ou diminui? Justifique.
14. Determine o ângulo entre as seguintes superfícies no ponto P.
(a) x
2
y
2
+ 2 x +z
2
= 16, 3 x
2
+y
2
−2 z = 9 e P = (2, 1, 2).
(b) x
2
+ 3 y
2
+ 2 z
2
= 9, x
2
+y
2
+z
2
−8 x −8 y −6 z + 24 = 0 e P = (2, 1, 1).
(c) 3 x
2
+ 2 y
2
−2 z = 1, x
2
+y
2
+z
2
−4 y −2 z + 2 = 0 e P = (1, 1, 2).
(d) z −x
2
−y
2
+ 2 xy = 0, z −x
2
+y
2
= 0 e P = (0, 0, 0).
(e) x
2
−y
2
= 1, 3 x
2
+y
2
−2 z = 9 e P = (1, 0, 0).
(f) x
2
−2 y z +y
3
= 4, x
2
+ (4 c −2) y
2
−c z
2
+ 1 = 0 e P = (1, −1, 2), (c ∈ R).
15. Determine o ponto (ou pontos) em que o gradiente da função : f(x, y) = ln(x + y
−1
) é
igual a (1, −16/9).
16. Determine a equação da reta tangente à interseção das superfícies x
2
−y = 0 e y +z
2
= 16
no ponto (4, 16, 0).
150 CAPÍTULO 6. DERIVADA DIRECIONAL
17. Determine o ângulo entre os gradientes da função : f(x, y) = ln(
y
x
) nos pontos (1/2, 1/4)
e (1, 1).
18. Sejam as seguintes superfícies x
2
+y
2
+z
2
= 6 e 2 x
2
+ 3 y
2
+z
2
= 9.
(a) Determine as equações dos planos tangentes a cada superfície no ponto (1, 1, 2), res-
pectivamente.
(b) Determine o ângulo entre as superfícies no ponto (1, 1, 2).
(c) Determine a equação da reta tangente à interseção das superfícies no ponto (1, 1, 2).
19. O potencial V associado a um campo elétrico E é dado por V (x, y) =
1

x
2
+y
2
. Sabendo
que E = −grad(V ), determine E(4, 3). Em que direção, a partir do ponto (4, 3) a taxa de
variação do potencial é máxima?
20. Sejam φ, η e ψ funções de uma variável real com derivadas de segunda ordem satisfa-
zendo:
φ
′′
(x) +λ
2
φ(x) = 0 e ψ
′′
(t) +c
2
λ
2
ψ(t) = 0,
sendo λ, c constantes. Verifique que u(x, t) = φ(x) ψ(t) é solução da equação da onda.
21. Verifique que w(x, t) =
1

t
e

x
2
4kt
, t > 0 e k constante, é solução da equação do calor:
∂w
∂t
−k

2
w
∂x
2
= 0.
Capítulo 7
MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
7.1 Introdução
Definição 7.1. Sejam A ⊂ R
n
um conjunto aberto, f : A ⊂ R
n
−→R uma função e ε > 0 (pequeno).
1. Um ponto x
0
é um ponto de mínimo local de f se existe B(x
0
, ε), tal que:
f(x
0
) ≤ f(x), para todo x ∈ B(x
0
, ε)
2. Um ponto x
0
é um ponto de máximo local de f se existe B(x
0
, ε), tal que:
f(x) ≤ f(x
0
), para todo x ∈ B(x
0
, ε)
3. Em ambos os casos, x
0
é dito extremo relativo ou local de f e f(x
0
) é dito valor extremo de
f.
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 7.1:
Exemplo 7.1.
[1] Se z = f(x, y) = x
2
+y
2
, então, (0, 0) é ponto de mínimo local de f.
151
152 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
De fato, x
2
+y
2
≥ 0, para todo (x, y) ∈ R
2
.
0 = f(0, 0) ≤ f(x, y) = x
2
+y
2
, para todo(x, y) ∈ Dom(f)
e o valor mínimo é z = 0, que é atingido na origem.
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 7.2: Exemplo [1].
[2] Se z = f(x, y) = −x
2
; então {(0, y) ∈ R
2
/y ∈ R} é um conjunto infinito de pontos de
máximo locais de f.
De fato, −x
2
≤ 0, para todo (x, y) ∈ R
2
e f(0, y) = 0. Logo f(x, y) ≤ f(0, y) para todo
(x, y) ∈ R
2
. Então, f atinge seu valor máximo 0 emqualquer ponto da reta {(0, y) ∈ R
2
/y ∈ R}.
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 7.3: Exemplo [2].
Teorema 7.1. Seja f : A ⊂ R
n
−→ R uma função diferenciável definida no aberto A e x
0
∈ A um
ponto extremo local de f. Então ∇f(x
0
) =
˜
0.
Para a prova, veja o apêndice.
Definição 7.2.
1. Um ponto x
0
tal que ∇f(x
0
) = 0 é dito ponto crítico de f e f(x
0
) é dito valor crítico de f.
Caso contrário, x
0
é dito ponto regular de f e f(x
0
) valor regular de f.
7.1. INTRODUÇÃO 153
2. Um ponto crítico que não é máximo local nem mínimo local é chamado de ponto de sela.
Para n = 3, ∇f(x, y, z) =
˜
0 é equivalente a resolver o seguinte sistema de equações:
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
∂f
∂x
(x, y, z) = 0
∂f
∂y
(x, y, z) = 0
∂f
∂z
(x, y, z) = 0.
Analogamente para n = 2:
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
∂f
∂x
(x, y) = 0
∂f
∂y
(x, y) = 0.
Agora, podemos enunciar o Teorema da função implícita de uma forma mais geométrica:
Seja f uma função de classe C
k
(k > 0) definida num aberto de R
n
. Para todo valor regular c
de f, o conjunto f
−1
(c) ( se não for vazio) é uma superfície (curva) de classe C
k
.
Exemplo 7.2.
[1] Seja z = f(x, y) = x
2
+y
2
. Então ∇f(x, y) = (2 x, 2 y) e:
_
2 x = 0
2 y = 0;
a única solução do sistema é x = 0 e y = 0; (0, 0) é ponto crítico de f.
[2] Seja z = f(x, y) = 4 xy
2
−2 x
2
y −x.
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
(1)
∂f
∂x
(x, y) = 4 y
2
−4 xy −1 = 0
(2)
∂f
∂y
(x, y) = 8 xy −2 x
2
= 0;
o sistema é equivalente a:
_
(1) 4 y
2
−4 xy = 1
(2) 2 x(4 y −x) = 0;
de (2): as soluções são x = 0 ou 4y −x = 0.
Se x = 0, então, de (1), 4 y
2
= 1, y = ±
1
2
e (0, ±
1
2
) são os pontos críticos. Se 4 y = x, então, de
(1), 3 x
2
= −4, que não tem solução real.
154 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
[3] Seja f(x, y) =
xy
8
+
1
x
+
1
y
, x, y = 0.
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
(1)
∂f
∂x
=
y
8

1
x
2
= 0
(2)
∂f
∂y
=
x
8

1
y
2
= 0;
como x, y = 0, tirando o valor de uma das variáveis em (1) e subtituindo em (2), obtemos a
solução x = y = 2. Logo (2, 2) é o ponto crítico de f.
[4] Seja f(x, y) = 2 (x
2
+y
2
) e
−(x
2
+y
2
)
.
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
(1)
∂f
∂x
= 4xe
−(x
2
+y
2
)
(1 −x
2
−y
2
) = 0
(2)
∂f
∂y
= 4ye
−(x
2
+y
2
)
(1 −x
2
−y
2
) = 0,
que é equivalente ao sistema:
_
(1) x(1 −x
2
−y
2
) = 0
(2) y (1 −x
2
−y
2
) = 0;
de (1) e (2), as soluções do sistema são: x = y = 0 e x
2
+ y
2
= 1. Observe que esta função
tem uma curva de pontos críticos. Os pontos críticos são (0, 0) e os pontos do círculo {(x, y) ∈
R
2
/ x
2
+y
2
= 1}.
Figura 7.4: Exemplo [4].
[5] Seja f(x, y) = (x
2
−y
2
) e

x
2
+y
2
2
.
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
(1)
∂f
∂x
= e

(x
2
+y
2
)
2
(2 x −x(x
2
−y
2
)) = 0
(2)
∂f
∂y
= e

(x
2
+y
2
)
2
(−2 y −y (x
2
−y
2
)) = 0,
7.1. INTRODUÇÃO 155
que é equivalente ao sistema:
_
(1) x(2 −x
2
+y
2
) = 0
(2) y (−2 −x
2
+y
2
) = 0;
de (1) e (2), as soluções do sistema são: (0, 0), (±

2, 0) e (0, ±

2), que são os pontos críticos
de f.
Figura 7.5: Exemplo [5].
[6] Seja f(x, y) =
x
2
−y
2
x
2
+y
2
+ 1
.
_
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
_
(1)
∂f
∂x
=
2 x(1 + 2 y
2
)
x
2
+y
2
+ 1
= 0
(2)
∂f
∂y
=
2 y (1 + 2 x
2
)
x
2
+y
2
+ 1
= 0,
que é equivalente ao sistema:
_
(1) x = 0
(2) y = 0;
a única solução do sistema é: (0, 0), que é o ponto crítico de f.
156 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
Figura 7.6: Exemplo [6].
[7] Seja f(x, y, z) =
4

3 xy z
3 +x +y +z
. O sistema ∇f(x, y, z) =

0 é equivalente a:
_
¸
_
¸
_
(1) y z (3 −3 x +y +z) = 0
(2) xz (3 +x −3 y +z) = 0
(3) xy (3 +x +y −3 z) = 0;
de (1), (2) e (3), temos que o sistema tem como únicas soluções (0, 0, 0) e (3, 3, 3) , que são os
pontos críticos de f.
7.2 Determinação dos Extremos Locais
Seja f : A ⊂ R
2
−→ R. Para dimensão 2, o fato de que ∇f(x
0
) =

0 implica em que o plano
tangente ao gráfico de f no ponto x
0
seja paralelo ao plano xy, fato análogo ao que ocorre em
dimensão 1.
Teorema 7.2. Seja a família de funções:
f(x, y) = Ax
2
+ 2 Bxy +C y
2
,
tal que A, B, C ∈ R e não são todas simultaneamente nulas. Denotemos por ∆ = AC −B
2
.
1. Se ∆ > 0 e A > 0, então (0, 0) é ponto de mínimo de f.
2. Se ∆ > 0 e A < 0, então (0, 0) é ponto de máximo de f.
3. Se ∆ < 0, então (0, 0) é ponto de sela de f.
Para a prova, veja o apêndice. Note que A =
1
2

2
f
∂x
2
, B =
1
2

2
f
∂x∂y
e C =
1
2

2
f
∂y
2
.
No caso ∆ = 0, não é possível tomar uma decisão.
7.2. DETERMINAÇÃO DOS EXTREMOS LOCAIS 157
Exemplo 7.3.
[1] Determine os pontos extremos de f(x, y) = x
2
+ 3 xy +y
2
.
Neste caso A = 1, B =
3
2
e C = 1; ∆ < 0; então (0, 0) é um ponto de sela.
-4 -2 0 2 4
-4
-2
0
2
4
Figura 7.7: Exemplo [1].
[2] Determine os pontos extremos de f(x, y) = 3 x
2
−xy + 3 y
2
.
Neste caso A = 3, B = −
1
2
e C = 3; ∆ > 0; então (0, 0) é um ponto de mínimo de f e o valor
mínimo é f(0, 0) = 0.
-4 -2 0 2 4
-4
-2
0
2
4
Figura 7.8: Exemplo [2].
Denotemos por:
∆ = det(H(x, y))
onde:
H(x, y) =
_
¸
¸
¸
¸
_

2
f
∂x
2

2
f
∂x∂y

2
f
∂y ∂x

2
f
∂y
2
_
¸
¸
¸
¸
_
e as derivadas parciais são calculadas no ponto (x, y). A matriz H(x, y) é chamada de matriz
Hessiana de f.
158 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
Teorema 7.3. Sejam f uma função de classe C
2
definida num conjunto aberto U ⊂ R
2
e (x
0
, y
0
) ∈ U
um ponto crítico de f e denotemos por:
A(x, y) =

2
f
∂x
2
(x, y) e ∆(x, y) = det
_
H(x, y)
_
.
1. Se A(x
0
, y
0
) > 0 e ∆(x
0
, y
0
) > 0, então (x
0
, y
0
) é ponto de mínimo local de f em U.
2. Se A(x
0
, y
0
) < 0 e ∆(x
0
, y
0
) > 0, então (x
0
, y
0
) é ponto de máximo local de f em U.
3. Se ∆(x
0
, y
0
) < 0, então (x
0
, y
0
) é ponto de sela de f em U.
4. Se ∆(x
0
, y
0
) = 0, nada se pode concluir.
Para a prova, veja o apêndice.
Observação 7.1.
Se (x
0
, y
0
) é ponto de mínimo local de f, então as curvas de nível e o gráfico de f numa vizi-
nhança de (x
0
, y
0
) e (x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)), respectivamente, são da forma:
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 7.9:
Se (x
0
, y
0
) é ponto de máximo local de f, então as curvas de nível e o gráfico de f numa vizi-
nhança de (x
0
, y
0
) e (x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)), respectivamente, são da forma:
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 7.10:
Se (x
0
, y
0
) é ponto de sela de f, então as curvas de nível e o gráfico de f numa vizinhança de
(x
0
, y
0
) e (x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)), respectivamente, são da forma:
7.2. DETERMINAÇÃO DOS EXTREMOS LOCAIS 159
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 7.11:
Se f é uma função contínua no ponto (x
0
, y
0
) e se as derivadas parciais de f não existem
no ponto (x
0
, y
0
), mesmo assim é possível que este ponto seja extremo e deve ser examinado
separadamente. Por exemplo, f(x, y) =
_
x
2
+y
2
é contínua em R
2
e as derivadas parciais na
origem não existem. Por outro lado 0 ≤
_
x
2
+y
2
, para todo (x, y) ∈ R
2
e f(0, 0) = 0 ≤ f(x, y),
para todo (x, y) ∈ R
2
; logo, (0, 0) é ponto de mínimo local de f. Veja o exercício 6).
Figura 7.12:
No Cálculo em uma variável, se uma função contínua possui dois pontos de máximo local,
necessariamente deve existir um ponto de mínimo local. No caso de várias variáveis, uma
função pode ter dois pontos de máximo e não possuir nenhum ponto de mínimo. De fato:
Exemplo 7.4.
Seja f(x, y) = −(x
2
−1)
2
−(x
2
y −x −1)
2
; claramente f é contínua emR
2
.
Determinemos os pontos críticos:
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
∂f
∂x
= −2
_
2 x(x
2
−1) + (1 −2xy) (1 +x −x
2
y)
_
= 0
∂f
∂y
= 2 x
2
(1 +x −x
2
y) = 0.
Resolvendo o sistema obtemos os pontos críticos (−1, 0) e (1, 2).
A(x, y) = 2 + 4 y + 12 xy −12 x
2
(y
2
+ 1)
∆(x, y) = −8 x
2
(2 + 6 x +x
2
(5 −7 y) −9 x
3
y +x
4
(5 y
2
−3));
160 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
logo, A(−1, 0) = −10 e ∆(−1, 0) = 16; A(1, 2) = −26 e ∆(1, 2) = 16. Ambos os pontos são de
máximo local de f e f não possui pontos de mínimo.
Figura 7.13: Desenhos do gráfico de f ao redor dos pontos de máximo local e o gráfico de f
-1.4 -1.2 -1 -0.8 -0.6
-0.4
-0.2
0
0.2
0.4
0.6 0.8 1 1.2 1.4
1.6
1.8
2
2.2
2.4
-1 -0.5 0 0.5 1 1.5
-1
0
1
2
3
Figura 7.14: As respectivas curvas de níveis.
Pode existir um ponto de sela quando existem dois pontos de máximo ou de mínimo. De fato,
seja:
f(x, y) = x
4
+y
4
−4 xy + 1;
claramente f é contínua emR
2
. Os pontos críticos são (0, 0), (−1, −1) e (1, 1) e (0, 0) é ponto de
sela, (−1, −1) e (1, 1) são pontos de mínimo local de f.
Se consideramos g(x, y) = −f(x, y), o ponto (0, 0) é ponto de sela e (−1, −1) e (1, 1) são pontos
de máximo local de f.
7.2. DETERMINAÇÃO DOS EXTREMOS LOCAIS 161
-1.5 -1 -0.5 0 0.5 1 1.5
-1.5
-1
-0.5
0
0.5
1
1.5
Figura 7.15: Curvas de nível e gráfico de f(x, y) = x
4
+y
4
−4 xy + 1
7.2.1 Exemplos
[1] Classifique os pontos críticos de f(x, y) = x
2
+y
2
+x
2
y + 4.
Determinemos os pontos críticos: Resolvemos o sistema:
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
∂f
∂x
= 2 x + 2 xy = 2 x(1 +y) = 0
∂f
∂y
= 2 y +x
2
= 0,
que é equivalente a:
_
x(1 +y) = 0
2 y +x
2
= 0.
Os pontos críticos são (0, 0), (

2, −1) e (−

2, −1).
H(x, y) =
_
_
2 (y + 1) 2 x
2 x 2
_
_
.
A(x, y) = 2 (y + 1), ∆(x, y) = 4 (1 +y −x
2
).
Ptos. Críticos A ∆ Tipo V alor
(0, 0) 2 4 mín 4
(

2, −1) 0 −8 sela
(−

2, −1) 0 −8 sela
162 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 7.16: Curvas de nível e gráfico do examplo [1].
[2] Classifique os pontos críticos de f(x, y) = x
4
+y
4
−2 x
2
−2 y
2
.
Determinemos os pontos críticos:
∂f
∂x
= 4 x(x
2
−1) e
∂f
∂y
= 4 y (y
2
−1); o sistema é:
_
(1) x(x
2
−1) = 0
(2) y (y
2
−1) = 0.
Logo, os pontos críticos são: (0, 0), (0, 1), (0, −1), (1, 0), (−1, 0), (1, 1), (1, −1), (−1, 1) e (−1, −1).
H(x, y) =
_
_
4 (3 x
2
−1) 0
0 4 (3 y
2
−1).
_
_
.
A(x, y) = 4 (3 x
2
−1), ∆(x, y) = 16 (3 x
2
−1) (3 y
2
−1).
Ptos. Críticos A ∆ Tipo V alor
(0, 0) −4 16 máx 0
(0, 1) −4 −32 sela
(1, 0) 8 −32 sela
(1, 1) 8 64 mín -2
(0, −1) −4 −32 sela
(−1, 0) 8 −32 sela
(1, −1) 8 64 mín -2
(−1, 1) 8 64 mín -2
(−1, −1) 8 64 mín -2
7.2. DETERMINAÇÃO DOS EXTREMOS LOCAIS 163
-1 -0.5 0 0.5 1
-1
-0.5
0
0.5
1
Figura 7.17: Curvas de nível e gráfico do examplo [2].
[3] Classifique os pontos críticos de f(x, y) = (x
2
−y
2
) e
−(
x
2
+y
2
2
)
.
Sabemos que f possui os seguintes pontos críticos: (0, 0), (

2, 0), (−

2, 0), (0,

2) e (0, −

2).
H(x, y) = e
−(
x
2
+y
2
2
)
_
_
(2 −5 x
2
+y
2
+x
4
−x
2
y
2
) (x
2
−y
2
) xy
(x
2
−y
2
) xy (5 y
2
+x
2
y
2
−y
4
−x
2
−2).
_
_
.
A(x, y) = e
−(
x
2
+y
2
2
)
(2 −5 x
2
+y
2
+x
4
−x
2
y
2
),
∆(x, y) = −e
−(
x
2
+y
2
2
)
2
(4 −8 x
2
−3 x
4
+x
6
−8 y
2
+ 22 x
2
y
2
−x
4
y
2
−3 y
4
−x
2
y
4
+y
6
).
Ptos. Críticos A ∆ Tipo V alor
(0, 0) > 0 < 0 sela
(

2, 0) < 0 > 0 máx 2 e
−1
(−

2, 0) < 0 > 0 máx 2 e
−1
(0,

2) > 0 > 0 mín −2 e
−1
(0, −

2) > 0 > 0 mín −2 e
−1
164 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 7.18: Curvas de nível e gráfico do examplo [3].
[4] Classifique os pontos críticos de f(x, y) = x
4
+y
4
−2 (x −y)
2
.
Determinemos os pontos críticos:
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
(1)
∂f
∂x
= 4 (x
3
−x +y) = 0
(2)
∂f
∂y
= 4 (y
3
+x −y) = 0;
somando as equações ((1) + (2)): y = −x; de (2) obtemos que y = 0 ou y = ±

2 e temos as
seguintes soluções: (0, 0), (

2, −

2) e (−

2,

2).
A(x, y) = 12 x
2
−4, ∆(x, y) = −48 (x
2
+y
2
−3 x
2
y
2
).
Pts. Críticos A ∆ Tipo V alor
(0, 0) < 0 0 ?
(

2, −

2) > 0 > 0 mín −8
(−

2,

2) > 0 > 0 mín −8
Analisemos separadamente o ponto crítico (0, 0):
A(0, 0) < 0 e ∆(0, 0) = 0;
logo, o teorema não pode ser aplicado, mas examinaremos o sinal de f numa vizinhança de
(0, 0): f(0, 0) = 0. Aproximando-se de (0, 0) pela reta y = x, temos f(x, x) = 2 x
4
> 0.
Aproximando-se pelo eixo dos x, (y = 0), temos f(x, 0) = x
2
(x
2
− 2) < 0 se x
2
< 2; logo
f toma valores positivos e negativos numa vizinhança de (0, 0); então (0, 0) não é ponto de má-
ximo nem de mínimo. Nas curvas de nível de f, podemser observados os pontos de mínimo e
perto de (0, 0) não aparecem pontos de sela ou extremos:
7.2. DETERMINAÇÃO DOS EXTREMOS LOCAIS 165
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 7.19: Curvas de nível e gráfico do examplo [4].
[5] Classifique os pontos críticos de f(x, y) = 1 −
3
_
x
2
+y
2
.
Determinemos os pontos críticos:
_
¸
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
¸
_
(1)
∂f
∂x
= −
2 x
3
3
_
(x
2
+y
2
)
2
= 0
(2)
∂f
∂y
= −
2 y
3
3
_
(x
2
+y
2
)
2
= 0.
As derivadas parciais em (0, 0) não existem; logo, não tem pontos críticos. A função é contínua
em (0, 0); logo, apresenta uma "quina"na origem. Por outro lado:
1 = f(0, 0) ≥ f(x, y) = 1 −
3
_
x
2
+y
2
para todo (x, y) ∈ R
2
; então (0, 0) é um ponto de máximo de f.
-2 -1 0 1 2
-2
-1
0
1
2
Figura 7.20: Curvas de nível e gráfico do examplo [5].
[6] Determine os pontos extremos de f(x, y) = x
2
−2 xy +y
2
.
166 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
Determinemos os pontos críticos:
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
∂f
∂x
= 2 (x −y) = 0
∂f
∂y
= 2 (y −x) = 0.
Resolvendo o sistema obtemos y = x e os pontos críticos de f são os pontos da reta y = x.
A(x, y) = 2 e ∆(x, y) = 0. Como antes, notamos que: f(x, x) = 0 e f(x, y) = (x − y)
2
> 0 se
x = y; logo os pontos críticos (x, x) são pontos de mínimos locais.
-2
-1
0
1
2 -2
-1
0
1
2 -2
-1
0
1
2
Figura 7.21: Curvas de nível e gráfico do examplo [6].
7.3 Problemas de Otimização
[1] De todos os paralelepípedos retangulares cuja soma das arestas é constante e igual a a (a >
0), qual é o que tem volume máximo?
Sejam x, y e z as arestas do paralelepípedo tal que x +y +z = a.
x
y
z
Figura 7.22: Paralelepípedo do exemplo [1].
Seu volume é V = xyz. Como z = a −x −y, temos que V = xy z = xy (a −x −y) e a função a
maximizar é:
f(x, y) = xy (a −x −y)
7.3. PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 167
Determinemos os pontos críticos:
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
∂f
∂x
= −y (−a + 2 x +y) = 0
∂f
∂y
= −x(x −a + 2 y) = 0.
Como x e y são arestas x > 0, y > 0; o sistema é equivalente a:
_
−a + 2 x +y = 0
x −a + 2 y = 0;
a única solução possível é x =
a
3
e y =
a
3
.
A(x, y) = −2 y, ∆(x, y) = 4 xy −(a −2 (x +y))
2
A
_
a
3
,
a
3
_
< 0 e ∆
_
a
3
,
a
3
_
=
a
2
3
> 0;
logo
_
a
3
,
a
3
_
é ponto de máximo. As arestas são x =
a
3
, y =
a
3
e z =
a
3
; logo o volume é:
V =
a
3
27
.
O paralelepípedo é um cubo.
[2] Determine a distância mínima da origem ao plano x + 3y +z = 6.
Note que o plano não passa pela origem.
Figura 7.23: Exemplo [2].
O quadrado da distância da origem ao ponto (x, y, z) é dada por d
2
= x
2
+ y
2
+ z
2
; o ponto
(x, y, z) pertence ao plano; logo, z = 6 −x −3y e minimizaremos a seguinte função:
f(x, y) = x
2
+y
2
+ (6 −x −3 y)
2
.
168 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
Determinemos os pontos críticos:
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
∂f
∂x
= 2 (2 x + 3 y −6) = 0
∂f
∂y
= 2 (3 x + 10 y −18) = 0;
o sistema tem uma única solução:
_
6
11
,
18
11
_
, que é o ponto crítico de f.
Por outro lado, A(x, y) = 4 e ∆(x, y) = 44. Em particular,
A
_
6
11
,
18
11
_
> 0, e ∆
_
6
11
,
18
11
_
> 0;
então
_
6
11
,
18
11
_
é um ponto de mínimo local de f; z =
6
11
; logo,
d =
6

11
11
.
[3] Determine o valor máximo da soma dos co-senos dos ângulos de um triângulo.
Devemos maximizar:
w = cos(x) +cos(y) +cos(z),
onde x, y, z são os ângulos do triângulo dado. Mas, x +y +z = π; logo z = π −x −y.
f(x, y) = cos(x) +cos(y) +cos(π −(x +y)) = cos(x) +cos(y) −cos(x +y).
Determinemos os pontos críticos:
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
(1)
∂f
∂x
= −sen(x) +sen(x +y) = 0
(2)
∂f
∂y
= −sen(y) +sen(x +y) = 0;
fazendo (1) −(2), temos sen(x) = sen(y); então, x = y ou x = π −y.
(a) Se x = y, da primeira equação obtemos:
sen(x) −sen(2 x) = 0;
logo sen(x) = 0 ou cos(x) =
1
2
. Se sen(x) = 0, x = 0 ou x = π, o que é impossível. Se
cos(x) =
1
2
, x =
π
3
; como x = y, tem-se y =
π
3
, logo o ponto crítico é
_
π
3
,
π
3
_
.
(b) se x = π − y, da segunda equação obtemos; sen(y) = 0; logo y = 0 ou y = π, o que é
impossível.
Portanto,
_
π
3
,
π
3
_
é o único ponto crítico de f. Por outro lado:
A(x, y) = −cos(x) +cos(x +y), ∆(x, y) = cos(x) (cos(y) −cos(x +y)) −cos(y) cos(x +y),
A
_
π
3
,
π
3
_
< 0 e ∆
_
π
3
,
π
3
_
> 0;
7.3. PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 169
logo,
_
π
3
,
π
3
_
é um ponto de máximo local para f. Como z = π −x −y, z =
π
3
e o valor máximo
da soma é:
cos
_
π
3
_
+cos
_
π
3
_
+cos
_
π
3
_
=
3
2
.
[4] Uma caixa retangular tem três faces nos planos coordenados e um vértice P = (x, y, z) no
primeiro octante sobre a superfície x
2
+y
2
+z = 1. Calcule o volume da maior caixa com essas
características.
O volume da caixa é V = xyz onde x, y e z são os comprimentos das arestas da caixa; z =
1 −x
2
−y
2
. Seja f(x, y) = xy (1 −x
2
−y
2
). Determinemos os pontos críticos:
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
∂f
∂x
= y (1 −3 x
2
−y
2
) = 0
∂f
∂y
= x(1 −x
2
−3 y
2
) = 0;
x e y são arestas, logo x > 0, y > 0 e o sistema é equivalente a:
_
1 −3 x
2
−y
2
= 0
1 −x
2
−3 y
2
= 0;
logo, o único ponto crítico admissível é:
_
1
2
,
1
2
_
, pois x e y são comprimentos das arestas da
caixa (x > 0 e y > 0).
A(x, y) = −6 xy, ∆(x, y) = 36 x
2
y
2
−(1 −3 x
2
−3 y
2
)
2
, A
_
1
2
,
1
2
_
= −
3
2
e ∆
_
1
2
,
1
2
_
=
35
4
;
então
_
1
2
,
1
2
_
é um ponto de máximo, z =
1
2
e V =
1
8
u.v.
[5] De todos os triângulos de perímetro fixado, determine o de maior área.
Sejam x, y e z os lados do triângulo. Usando a fórmula de Heron, o quadrado da área do
triângulo é: A
2
= s (s −x) (s −y) (s −z), onde 2 s = x +y +z. Maximizemos a função:
f(x, y) = s (s −x) (s −y) (x +y −s).
Determinemos os pontos críticos:
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
∂f
∂x
= (s −y)(2s −2x −y) = 0
∂f
∂y
= (s −x)(2s −x −2y) = 0;
como s = x e s = y, obtemos: x =
2s
3
e y =
2s
3
. Por outro lado:
A(x, y) = −2 s (s −y), ∆(x, y) = −s
2
(5 s
2
−8 s (x +y) + 4 (x
2
+xy +y
2
)),
A
_
2s
3
,
2s
3
_
< 0, ∆
_
2s
3
,
2s
3
_
> 0;
logo,
_
2s
3
,
2s
3
_
é ponto de máximo e z =
2s
3
. O triângulo é equilátero.
170 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
7.3.1 Mínimos Quadrados
Suponha que numa experiência realizada foram coletados os seguintes pares de dados (x
1
, y
1
),
(x
2
, y
2
), . . ., (x
n−1
, y
n−1
), (x
n
, y
n
), tais que os x
i
não são todos iguais. A teoria subjacente à
experiência sugere que os dados devem estar ao longo de uma reta y = a x +b. Devido a erros
experimentais, os pontos não são colineares. O método dos mínimos quadrados consiste em
determinar a reta que melhor se ajusta aos dados, ou seja, consiste emdeterminar a e b de modo
que a soma dos desvios verticais seja mínima.
x
i
(x
i
,y
i
)
Figura 7.24:
Dados os pontos (x
i
, y
i
), (1 ≤ i ≤ n) o ponto sobre a reta y = a x+b que está mais próximo (dis-
tância vertical) dos pontos dados tem coordenadas (x
i
, a x
i
+ b); logo o quadrado da distância
vertical a estes pontos é:
E
2
i
= ((a x
i
+b) −y
i
)
2
, 1 ≤ i ≤ n.
Minimizaremos a função: f(a, b) = E
2
1
+ E
2
2
+ . . . + E
2
n
=
n

i=1
((a x
i
+ b) − y
i
)
2
. Calculando as
derivadas parciais
∂f
∂a
,
∂f
∂b
e igualando a zero, obtemos o sistema:
_
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
_
a
n

i=1
x
2
i
+b
n

i=1
x
i
=
n

i=1
x
i
y
i
a
n

i=1
x
i
+nb =
n

i=1
y
i
.
Este é um sistema linear, que tem uma única solução que minimiza f.
Exemplo 7.5.
7.3. PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 171
[1] Determine a reta que melhor se ajusta aos pontos (0, 0), (−1, 2), (−2, −1), (2, 3), (1, 2) e (3, 2).
i x
i
y
i
x
2
i
x
i
y
i
1 0 0 0 0
2 −1 2 1 -2
3 −2 −1 4 2
4 2 3 4 6
5 1 2 1 2
6 3 2 9 6
n

x
i

y
i

x
2
i

x
i
y
i
6 3 8 19 14
Logo, obtemos o sistema:
_
19 a + 3 b = 14
3 a + 6 b = 8,
que tem como solução a =
4
7
e b =
22
21
; então, a reta é y =
4x
7
+
22
21
.
2 1 1 2 3
1
1
2
3
Figura 7.25: Exemplo [1].
[2] Determine a reta que melhor se ajusta aos pontos (−3, −5), (−1, −2), (2, 1), (1, −1), (5, −1),
172 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
(4, 3) e (3, 4).
i x
i
y
i
x
2
i
x
i
y
i
1 −3 −5 9 15
2 −1 −2 1 2
3 2 1 4 2
4 1 −1 1 -1
5 5 −1 25 -5
6 4 3 16 12
7 3 4 9 12
n

x
i

y
i

x
2
i

x
i
y
i
7 11 −1 65 37
Logo; obtemos o sistema:
_
65 a + 11 b = 37
11 a + 7 b = −1;
que tem como solução a =
135
167
e b = −
236
167
; então, a reta é 167 y = 135 x −236.
2 2 4
4
2
2
4
Figura 7.26: Exemplo [2].
[3] Considere a seguinte tabela sobre mortes por consumação de álcool per cápita, no ano de
2003, dos seguintes países:
País l/p Mortes
A 250 95
B 300 120
C 350 165
D 370 167
E 400 170
F 470 174
i) Suponha que existe uma correlação linear entre os dados da tabela e utilize o método dos
mínimos quadrados para determinar a reta de melhor ajuste à tabela.
7.4. MÁXIMOS E MÍNIMOS ABSOLUTOS 173
ii) Se numpaís a consumação foi de 550 litros per cápita no ano de 2003, utilizando i), determine
a possível mortalidade.
i) Determinamos a reta que fica a menor distância vertical dos pontos (250, 95), (300, 120),
(350, 165), (370, 167), (400, 170) e (470, 174).
n

x
i

y
i

x
2
i

x
i
y
i
6 2140 891 792800 329070
Logo, obtemos o sistema:
_
792800 a + 2140 b = 329070
2140 a + 6 b = 891,
que tem como solução a =
846
2215
e b =
10875
886
; então, a reta é:
y =
846x
2215
+
10875
886
.
100 200 300 400 500
100
150
200
Figura 7.27: Exemplo [3] i).
ii) Se x = 550,
y =
196995
886
≃ 222.34.
7.4 Máximos e Mínimos Absolutos
Definição 7.3. Sejam f : A ⊂ R
n
−→R uma função e x
0
∈ A.
1. O ponto x
0
é um ponto de mínimo absoluto de f em A se f(x
0
) ≤ f(x), para todo x ∈ A.
2. O ponto x
0
é um ponto de máximo absoluto de f em A se f(x) ≤ f(x
0
), para todo x ∈ A.
Exemplo 7.6.
174 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
[1] Seja f : R
2
−→ R definida por f(x, y) = x
2
+ y
2
. Como x
2
+ y
2
≥ 0 para todo (x, y) ∈ R
2
e f(0, 0) = 0, temos que f(x, y) ≥ f(0, 0) para todo (x, y) ∈ R
2
. Logo (0, 0) é ponto de mínimo
absoluto de f.
[2] Seja f : R
2
−→ R definida por f(x, y) = −
_
x
2
+y
2
. Como −
_
x
2
+y
2
≤ 0 para todo
(x, y) ∈ R
2
e f(0, 0) = 0, temos que e f(x, y) ≤ f(0, 0) para todo (x, y) ∈ A. Logo (0, 0) é ponto
de máximo absoluto de f.
Figura 7.28: Desenhos do exemplo [1] e [2], respectivamente.
Nos parágrafos anteriores estabelecemos condições para que um ponto seja um ponto de má-
ximo local (ou de mínimo local) de f. Agora nosso objetivo é verificar a existência de pontos de
máximos e mínimos absolutos de f e determinar tais pontos. Do Cálculo de uma variável co-
nhecemos o teorema de Weierstrass que nos garante a existência de pontos extremos absolutos;
no teorema, é fundamental que a função contínua a estudar esteja definida em um intervalo
fechado e limitado. A seguir daremos algumas definições que estendem as características dos
intervalos fechados e limitados a R
n
e enunciaremos o teorema que garantirá a existência de
máximos e mínimos absolutos.
Definição 7.4. Um conjunto A ⊂ R
n
é dito limitado se existe uma constante c > 0 tal que x ≤ c,
para todo x ∈ A.
Equivalentemente, se A está contido na bola B(0, c). Lembramos que o conjunto A ⊂ R
n
é
fechado em R
n
se ∂A ⊂ A. Veja o Capítulo III. Intuitivamente, uma superfície é fechada e
limitada se ela separa o espaço em duas regiões, uma "interior"e outra "exterior"à supefície. É
o caso de uma esfera emR
3
.
Exemplo 7.7.
[1] A = {(x, y, z) ∈ R
3
/ x
2
+y
2
+z
2
≤ r
2
, r > 0} é fechado, pois sua fronteira é:
∂A = {(x, y, z) ∈ R
3
/x
2
+y
2
+z
2
= r
2
, r > 0}.
Logo ∂A ⊂ A. Claramente A é limitado.
[2] A = {(x, y) ∈ R
2
/ x
2
+y
2
< r
2
, r > 0} não é fechado, pois sua fronteira é :
∂A = {(x, y) ∈ R
2
/x
2
+y
2
= r
2
, r > 0}.
7.4. MÁXIMOS E MÍNIMOS ABSOLUTOS 175
Logo ∂A ⊂ A. A é limitado
[3] A = [a, b] × [c, d] é um conjunto fechado e limitado, pois ∂A é o retângulo formado pelas
retas x = a, x = b, y = c e y = d.
[4] Os planos emR
3
são fechados e não limitados.
Teorema 7.4. (Weierstrass) Seja f : A ⊂ R
n
−→ R uma função contínua no conjunto A fechado e
limitado. Então, existem pontos de máximo e mínimo absoluto de f em A, isto é, existem x
0
, x
1
∈ A
tais que f(x
0
) ≤ f(x) ≤ f(x
1
) para todo x ∈ A.
Exemplo importantes
[1] Sejam A = {(x, y) ∈ R
2
/x
2
+y
2
< 1} e f : A ⊂ R
2
−→R definida por f(x, y) = y.
i) f é diferenciável emR
2
; logo, é diferenciável em A; por outro lado ∇f(x, y) = (0, 1); então, a
função não possui pontos críticos e portanto não possui pontos extremos em A (nem emR
2
).
ii) Suponhamos que agora, f tome valores no conjunto B = {(x, y) ∈ R
2
/x
2
+y
2
≤ 1}. O con-
junto B é fechado e limitado; f é, claramente, contínua; o teorema de Weierstrass nos asegura
a existência de pontos extremos absolutos de f em B.
iii) Por i) os pontos extremos de f devem estar em ∂B = {(x, y) ∈ R
2
/x
2
+ y
2
= 1}. De fato, a
função f associa a cada par ordenado sua ordenada; então:
−1 = f(0, −1) ≤ f(x, y) ≤ f(0, 1) = 1,
para todo (x, y) ∈ B. Logo (0, −1) e (0, 1) são pontos de mínimo e máximo absolutos de f em
B. Note que estes pontos não são pontos críticos de f.
A seguir faremos algumas considerações geométricas sobre o exemplo, que serão importantes
nos parágrafos seguintes. Consideremos g(x, y) = x
2
+y
2
−1; então ∇g(x, y) = (2 x, 2 y); logo,
não é difícil ver que os únicos pontos onde ∇g(x, y) e ∇f(x, y) são paralelos são os nos pontos
de mínimo e máximo (0, −1) e (0, 1).
g(0,1)

g(0,-1)


f(x,y)
-1
1
f=c
Figura 7.29: Mínimo e máximo de g.
Se um extremo absoluto de f ocorre em A−∂A, então, também é um extremo local de f; logo,
um extremo absoluto que não seja um extremo local, necessariamente está na ∂A. Portanto,
176 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
para determinar um extremo absoluto, primeiramente determinamos os extremos locais e, en-
tão, comparamos o maior e o menor desses valores com os valores de f ao longo da ∂A. Logo
podem ocorrer pontos extremos de f na fronteira e estes extremos não serem pontos críticos
de f.
[2] Seja f : A ⊂ R
n
−→ R uma função definida por f(x, y) = x
2
+ 2 xy − 4 (x − 2 y), onde
A = [0, 1] × [0, 2]. O conjunto A é fechado e limitado e f contínua; logo, f tem pontos de
máximos e de mínimos absolutos. Pontos críticos de f em A −∂A:
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
∂f
∂x
= 2 x + 2 y −4 = 0
∂f
∂y
= 2 x + 8 = 0,
(−4, 6) é o único ponto crítico de f e (−4, 6) / ∈ A. Portanto, os pontos de máximo e mínimo de
f são atingidos na ∂A.
Análise dos pontos da ∂A: ∂A = L
1
∪ L
2
∪ L
3
∪ L
4
, onde L
i
(1 ≤ i ≤ 4) são os lados do
retângulo A:
L
L L
1
2
3
4
L
A
Figura 7.30:
A função :
g(y) = f(1, y) = 10 y −3; 0 ≤ y ≤ 2,
expressa f restrita a L
2
. O menor valor de g é atingido em y = 0 e o maior valor de g em y = 2.
Portanto, (1, 0) é ponto de mínimo de f e (1, 2) é ponto de máximo de f, quando restrita a L
2
.
A função :
h(x) = f(x, 2) = x
2
+ 16; 0 ≤ x ≤,
representa f restrita a L
3
. (0, 2) é ponto de mínimo de f restrita a L
3
. Analogamente, A função
f restrita a L
1
e L
4
tem pontos de máximo (0, 0) e (0, 2) respectivamente e pontos de mínimo
(1, 0) e (0, 0) respectivamente. f(0, 0) = 0,f(1, 0) = −3, f(1, 2) = 17 e f(0, 2) = 16.
P f(P)
(1,0) −3
(1,2) 17
(0,2) 16
(0,0) 0
7.5. MÉTODO DOS MULTIPLICADORES DE LAGRANGE 177
Conclusão: O valor máximo de f em A é 17 e é atingido no ponto (1, 2) e o valor mínimo de f
em A é −3 e é atingido no ponto (1, 0).
O método que estudaremos a seguir é devido a Lagrange e proporciona uma condição neces-
sária para a existência de pontos extremos sujeitos a uma restrição. Tais pontos extremos são
ditos condicionados.
7.5 Método dos Multiplicadores de Lagrange
Antes de apresentar o método, examinemos o seguinte exemplo:
Exemplo 7.8.
Determine os pontos extremos de f(x, y) = x
2
+y
2
tais que y = x + 1.
Considere a função g(x, y) = y −x −1 e o conjunto de nível zero de g:
S = {(x, y) ∈ R
2
/y −x −1 = 0}.
O conjunto de nível S é uma reta passando por (−1, 0) e (0, 1). As curvas de nível c de f são
x
2
+y
2
= c.
Para c > 0 são círculos concêntricos. Quanto menor a distância entre as circunferências e a
origem, menor será o valor de f. Desejamos encontrar os pontos extremos de f(x, y) quando
(x, y) ∈ S, ou seja, devemos determinar qual a circunferência que intersectando S está a menor
distância da origem.
Figura 7.31:
Observando o desenho vemos que a circunferência que tangencia a reta S é a que está mais
próxima da origem. No ponto de tangência, o vetor normal à circunferência é também normal
à reta S, logo, ∇f(x, y) = (2 x, 2 y) deve se múltiplo de ∇g(x, y) = (−1, 1), ou seja, (2 x, 2 y) =
= λ(−1, 1), λ ∈ R. Equivalentemente:
_
2 x = −λ
2 y = λ;
178 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
resolvendo o sistema e como y = x + 1, obtemos as soluções: x = −
1
2
e y =
1
2
. Logo,
∇f(−
1
2
,
1
2
) = ∇g(x, y). A função f(x, y) = x
2
+ y
2
atinge seu menor valor sobre a reta S
no ponto
_

1
2
,
1
2
_
. De fato:
f(x, y) −f(−
1
2
,
1
2
) = x
2
+y
2

1
2
= x
2
+ (x + 1)
2

1
2
= 2 (x +
1
2
)
2
≥ 0.
Figura 7.32:
7.6 Determinação dos Extremos Condicionados
Sejam f, g : A ⊂ R
n
−→ R funções diferenciáveis e A ⊂ R
n
um aberto. Para determinar os
pontos extremos de f restrito à condição g(x) = 0, formamos a combinação linear:
Φ(x) = f(x) +λg(x)
onde λ ∈ R. Consideremos o sistema de n + 1 equações:
_
_
_
∂Φ
∂x
r
(x) = 0 r = 1, 2, ....., n
g(x) = 0.
Note que
∂Φ
∂λ
(x) = g(x). Lagrange provou que a solução do problema é obtida resolvendo o
sistema.
Teorema 7.5. Sejam f, g : A ⊂ R
n
−→ R funções de classe C
1
. Denotemos por S um conjunto de
nível de g. Se f tem um ponto de máximo ou de mínimo x
0
∈ S e ∇g(x
0
) = 0, então existe λ ∈ R tal
que:
∇f(x
0
) = λ∇g(x
0
)
7.6. DETERMINAÇÃO DOS EXTREMOS CONDICIONADOS 179
Para a prova, veja o apêndice.
Interpretemos o teorema emR
2
. Suponha que desejamos determinar o valor máximo de f res-
trito às curvas de nível g(x, y) = 0. Façamos f(x, y) = c
i
, que representa para cada c
i
uma curva
de nível de f. Se por exemplo f(x, y) = c
0
intersecta a curva g(x, y) = 0 transversalmente, isto
é, de modo que, uma não seja tangente à outra ou, ∇f e ∇g sejam linarmente independentes
no ponto de interseção, é possível verificar que para valores próximos de c
0
as curvas de nível
de f continuam intersectando g(x, y) = 0.
g(x,y)<0


g(p)
f(p)
g(x,y)=0
p
f=c
f=c
2
f=c
1
Figura 7.33:
Então, procuramos o maior c
i
tal que f(x, y) = c
i
seja tangente a g(x, y) = 0 numponto (x
0
, y
0
).
Em tal ponto as curvas de nível de f e g tem a mesma reta tangente e, portanto, a mesma reta
normal, isto é, os vetores ∇f e ∇g devem ser paralelos no ponto (x
0
, y
0
). Analogamente para
n = 3. Do teorema anterior, segue que se f possui um ponto de máximo ou mínimo em
x
0
∈ S
c
então ∇f(x
0
) é ortogonal a S
c
no ponto x
0
. O teorema nos diz que para determinar os
pontos extremos condicionados devemos resolver o seguinte sistema de n +1 equações e n +1
incognitas:
_
∇f(x) = λ∇g(x)
g(x) = c.
Se n = 3, temos 4 equações:
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
∂f
∂x
(x, y, z) = λ
∂g
∂x
(x, y, z)
∂f
∂y
(x, y, z) = λ
∂g
∂y
(x, y, z)
∂f
∂z
(x, y, z) = λ
∂g
∂z
(x, y, z)
g(x, y, z) = c.
180 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
Analogamente para n = 2:
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
∂f
∂x
(x, y) = λ
∂g
∂x
(x, y)
∂f
∂y
(x, y) = λ
∂g
∂y
(x, y)
g(x, y) = c.
A diferença entre os problemas de máximos e mínimos não condicionados e os condicionados
é que nos últimos não temos critérios simples para distinguir os pontos de mínimo dos de
máximo. Cada ponto obtido pelo metódo de Lagrange deve ser examinado separadamente,
utilizando os dados do problema e/ou, argumentos geométricos.
Exemplo 7.9.
[1] Determine os pontos extremos de f(x, y) = xy tais que x
2
+y
2
= 1.
Utilizando o método de Lagrange, devemos resolver o sistema:
_
∇f(x, y) = λ∇g(x, y)
x
2
+y
2
= 1.
Logo,
_
(y, x) = λ(2 x, 2 y)
x
2
+y
2
= 1
, que é equivalente a:
_
¸
_
¸
_
(1) y = 2 λx
(2) x = 2 λy
(3) x
2
+y
2
= 1.
De (1) e (2) obtemos y (1 −4 λ
2
) = 0. Se y = 0, utilizando (3), temos, x = ±1; se λ =
1
2
, temos,
y = x; de (3), temos x = ±
1

2
e y = ±
1

2
. Por outro lado:
(x, y) f(x, y)
(±1, 0) 0
(±1/

2, ∓1/

2) −1/2
(±1/

2, ±1/

2) 1/2
Logo
_
±
1

2
, ∓
1

2
, −
1
2
_
são pontos de mínimo e
_
±
1

2
, ±
1

2
,
1
2
_
são pontos de máximo.
7.6. DETERMINAÇÃO DOS EXTREMOS CONDICIONADOS 181
-1 -0.5 0 0.5 1
-0.75
-0.5
-0.25
0
0.25
0.5
0.75
1
Figura 7.34: Exemplo [1].
[2] Determine os pontos extremos de f(x, y) = x
2
+ 2 y
2
tais que x
2
+y
2
≤ 1.
Determinemos os pontos extremos da função f no conjunto fechado e limitado:
D = {(x, y) ∈ R
2
/g(x, y) ≤ 0}, onde g(x, y) = x
2
+y
2
−1.
Se x
2
+y
2
< 1, ∇f(x, y) = (2 x, 4 y); logo, (0, 0) é o único ponto crítico de f. Se x
2
+y
2
= 1, por
Lagrange, devemos resolver o sistema:
_
(2 x, 4 y) = λ(2 x, 2 y)
x
2
+y
2
= 1,
que é equivalente a:
_
¸
_
¸
_
x = λx
2 y = λy
x
2
+y
2
= 1
, ou:
_
¸
_
¸
_
(1) x(1 −λ) = 0
(2) y (2 −λ) = 0
(3) x
2
+y
2
= 1,
de (1), x = 0 ou λ = 1 e de (2) y = 0 ou λ = 2; de (3), x e y, não podem ser ambos zero; logo,
de (1) e (3) e de (2) e (3) obtemos os pontos (0, ±1), (±1, 0).
Em x
2
+y
2
< 1, temos:
f(0, 0) = 0 ≤ x
2
+ 2 y
2
= f(x, y).
Em x
2
+y
2
= 1, temos:
f(±1, 0) = 1, f(0, ±1) = 2;
então (0, 0) é ponto de mínimo e (0, ±1) são pontos de máximo.
182 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
Figura 7.35: Exemplo [2].
[3] Determine os pontos extremos de f(x, y, z) = x
2
+y
2
+z
2
tais que 3 x −2 y +z −4 = 0.
Sejam:
g(x, y, z) = 3 x −2 y +z −4, ∇f(x, y, z) = (2 x, 2 y, 2 z) e ∇g(x, y, z) = (3, −2, 1).
Devemos resolver o sistema:
_
∇f(x, y, z) = λ∇g(x, y, z)
3x −2y +z −4 = 0,
ou, equivalentemente,
_
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
_
(1) 2 x = 3λ
(2) 2 y = −2λ
(3) 2 z = λ
(4) 3 x −2y +z −4 = 0.
Fazendo 3 ×(1) −2 ×(2) + (3) e utilizando (4), obtemos
λ =
4
7
, x =
6
7
, y = −
4
7
, z =
2
7
e
_
6
7
, −
4
7
,
2
7
_
é o ponto extremo.
[4] Determine os pontos extremos de f(x, y, z) = xy z tais que x
2
+
y
2
12
+
z
2
3
= 1.
Sejam:
g(x, y, z) = x
2
+
y
2
12
+
z
2
3
−1, ∇f(x, y, z) = (y z, xz, xy) e ∇g(x, y, z) =
_
2 x,
y
6
,
2 z
3
_
.
Devemos resolver o sistema:
_
_
_
∇f(x, y, z) = λ∇g(x, y, z)
x
2
+
y
2
12
+
z
2
3
= 1
7.7. PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 183
ou, equivalentemente,
_
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
_
(1) y z = 2 xλ
(2) xz =
y
6
λ
(3) xy =
2
3

(4) x
2
+
y
2
12
+
z
2
3
= 1;
multiplicando (1) por x, (2) por y e (3) por z obtemos:
_
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
_
(1

) xy z = 2 x
2
λ
(2

) xy z =
y
2
6
λ
(3

) xy z =
2
3
z
2
λ
(4) x
2
+
y
2
12
+
z
2
3
= 1
somando (1

) + (2

) + (3

) e tendo em vista (4), temos 3 xy z = 2 λ(x
2
+
y
2
12
+
z
2
3
) = 2λ;
substituindo xy z por

3
a em (1

), (2

) e (3

):
_
¸
_
¸
_
λ(3x
2
−1) = 0
λ(y
2
−4) = 0
λ(z
2
−1) = 0
Se λ = 0, x = ±

3
3
, y = ±2 e z = ±1. Se λ = 0, x, y e z podem ser nulos aos pares: x = y = 0 e
z = ±

3, x = z = 0 e y = ±2

3, y = z = 0 e x = ±1. Os pontos extremos de f são:


3
3
, ±2, ±1), (0, 0, ±

3), (0, ±2

3, 0) e (±1, 0, 0).
(x, y, z) f(x, y, z) Ponto
(

3/3, 2, 1) 2

3/3 máximo
(−

3/3, −2, −1) −2

3/3 mínimo
7.7 Problemas de Otimização
[1] De todos os paralelepípedos retangulares cuja soma das arestas é constante e igual a 4 a
(a > 0), qual é o que tem volume máximo?
Sejam x, y e z as arestas do paralelepípedo; seu volume é V (x, y, z) = xy z tal que x+y +z = a.
Seja g(x, y, z) = x +y +z.
_
∇V (x, y, z) = λ∇g(x, y, z)
g(x, y, z) = a,
184 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
ou, equivalentemente:
_
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
_
(1) y z = λ
(2) xz = λ
(3) xy = λ
(4) x +y +z = a.
Fazendo (1) = (2) obtemos x = y e fazendo (2) = (3) obtemos y = z; logo, x = y = z; de (4),
temos x = y = z =
a
3
e:
V
_
a
3
,
a
3
,
a
3
_
=
a
3
27
é o volume máximo.
[2] Determine as dimensões do paralelepípedo retangular de volume máximo sabendo que
as 3 faces do paralelepípedo estão nos planos coordenados e um vértice pertence ao plano
x
a
+
y
b
+
z
c
= 1 (a, b, c > 0). Calcule o volume.
O volume é V (x, y, z) = xy z. Seja g(x, y, z) =
x
a
+
y
b
+
z
c
−1; então,
_
∇V (x, y, z) = λ∇g(x, y, z)
x
a
+
y
b
+
z
c
= 1,
ou, equivalentemente,
_
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
_
(1) a y z = λ
(2) b xz = λ
(3) c xy = λ
(4)
x
a
+
y
b
+
z
c
= 1;
fazendo (1) = (2), como x, y, z = 0, temos y =
b x
a
; analogamente, fazendo (1) = (3), temos
z =
c x
a
, de (4) obtemos que x =
a
3
, y =
b
3
e z =
c
3
. O ponto de máximo é
1
3
(a, b, c) e:
V = V
_
a
3
,
b
3
,
c
3
_
=
a b c
27
.
[3] Determine a distância mínima entre a superfície 4 x
2
+y
2
−z = 0 e o ponto (0, 0, 8).
Como antes utilizamos o quadrado da distância: f(x, y, z) = x
2
+y
2
+ (z −8)
2
. Consideramos
g(x, y, z) = 4x
2
+y
2
−z; então,
_
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
_
(1) 2 x = 8 λx
(2) 2 y = 2 λy
(3) 2 (z −8) = −λ
(4) 4 x
2
+y
2
= z,
7.7. PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 185
ou, equivalentemente,
_
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
_
(1) x(1 −4λ) = 0
(2) y (1 −λ) = 0
(3) 2 (z −8) = −λ
(4) 4x
2
+y
2
= z;
temos: x = 0 e λ = 1; y = 0 e λ =
1
4
; x = 0 e y = 0. Se x = 0 e λ = 1, de (3) temos z =
15
2
; de
(4) temos y = ±
_
15
2
; logo, obtemos os pontos
_
0, ±
_
15
2
,
15
2
_
. Se y = 0 e λ =
1
4
, de (3) temos
z =
63
8
; de (4) temos x = ±
3

14
8
; logo, obtemos os pontos
_
±
3

14
8
, 0,
63
8
_
. Se x = 0 e y = 0
de (4), obtemos z = 0 e λ = 16; logo, obtemos o ponto (0, 0, 0).
(x, y, z) f(x, y, z) Ponto
(0, 0, 0) 64
(0, ±
_
15/2, 15/2) 31/4
(±3

14/8, 0, 63/8) 127/64 mínimo
A distância mínima é 1.4 u.m. (u.m.=unidades de medida); os pontos
_
±
3

14
8
, 0,
63
8
_
são de
mínimo.
[4] Se a temperatura sobre uma esfera de raio 1 é dada por T(x, y, z) = xz + yz, determine os
pontos em que a temperatura é mais baixa e os pontos em que a temperatura é mais alta.
Seja g(x, y, z) = x
2
+y
2
+z
2
−1; então,
_
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
_
(1) z = 2 λx
(2) z = 2 λy
(3) (x +y) = 2 λz
(4) x
2
+y
2
+z
2
= 1,
Fazendo (1) +(2) e substituindo em (3), obtemos z (2λ
2
−1) = 0 e z = 0 ou λ = ±

2
2
. Se z = 0,
de (1) e (2) temos x = y = 0, o que é impossível, ou λ = 0; de (3), obtemos x = −y e de (4),
y = ∓

2
2
; logo,
_

2
2
, −

2
2
, 0
_
e
_


2
2
,

2
2
, 0
_
são pontos extremos. Se λ = ±

2
2
, de (1) e (2)
temos x = y e de (3), z = ±

2x; de (4), obtemos x = y = ±
1
2
e z = ±

2
2
; logo
_
±
1
2
, ±
1
2
, ±

2
2
_
186 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
são pontos extremos.
(x, y, z) T(x, y, z) Temperatura
(±1/2, ±1, 2, ±

2/2)

2/2 máxima


2/2, ∓

2/2, 0) 0 mínima
[5] Se a densidade na placa xy + xz + y z = a, (x, y, z = 0) é dada por D(x, y, z) = xy z,
determine os pontos da placa onde a densidade é máxima e onde é mínima.
Seja g(x, y, z) = xy +xz +y z −a:
_
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
_
(1) y z = λ(y +z)
(2) xz = λ(x +z)
(3) xy = λ(x +y)
(4) xy +xz +y z = a;
multiplicando (1) por x, (2) por y, (3) por z e somando, temos:
3 xy z = λ(2 xy + 2 xz + 2 y z) = 2 a λ,
onde, na última igualdade utilizamos (4); substituindo λ por
3 xy z
2a
no sistema, obtemos:
_
¸
_
¸
_
(1) 3 x(y +z) = 2 a
(2) 3 y (x +z) = 2 a
(3) 3 z (x +y) = 2 a.
Igualando (1) a (2) obtemos x = y e igualando (2) a (3) obtemos z = y; logo x = y = z; de (4)
temos x = ±
_
a
3
e os pontos extremos são:
_
±
_
a
3
, ±
_
a
3
, ±
_
a
3
_
.
(x, y, z) D(x, y, z) Densidade
(
_
a/3,
_
a/3,
_
a/3) a

3a/9 máxima
(−
_
a/3, −
_
a/3, −
_
a/3) −a

3a/9 mínima
[6] Determine a equação do elipsóide
x
2
a
2
+
y
2
b
2
+
z
2
c
2
= 1 que passa pelo ponto (1, 2, 3) e tem
menor volume.
Note que as incógnitas são a, b e c. Seja V = f(a, b, c) =
4 a b c π
3
o volume do elipsóide. Como o
ponto (1, 2, 3) pertence à superfície:
1
a
2
+
4
b
2
+
9
c
2
= 1;
7.7. PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 187
logo, consideramos g(a, b, c) =
1
a
2
+
4
b
2
+
9
c
2
−1; então,
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
(1)
4 π
3
a b c = −
2
a
2
λ
(2)
4 π
3
a b c = −
8
b
2
λ
(3)
4 π
3
a b c = −
18
c
2
λ
(4)
1
a
2
+
4
b
2
+
9
c
2
= 1,
fazendo (1) = (2) e como λ = 0, obtemos que b
2
= 4 a
2
; fazendo (2) = (3), obtemos 4 c
2
= 9 b
2
;
logo, c
2
= 9 a
2
e de (4): a
2
= 3, b
2
= 12 e c
2
= 27; a equação do elipsóide é:
x
2
3
+
y
2
12
+
z
2
27
= 1.
[7] Um depósito cilíndrico de aço fechado deve conter 2 litros de um fluido. Determine as
dimensões do depósito de modo que a quantidade de material usada em sua construção seja
mínima.
Sejam x e y o raio e a altura do cilindro, respectivamente. Devemos minimizar a área total do
cilindro, incluindo as tampas:
f(x, y) = 2 π x
2
+ 2 π xy, sendo π x
2
y = 2.
Denote por g(x, y) = πx
2
y −2, ∇f(x, y) = (4πx+2πy, 2πx) e ∇g(x, y) = (2πxy, πx
2
). Osistema
é:
_
¸
_
¸
_
(1) 2 x +y = λxy
(2) 2 x = λx
2
(3) π x
2
y = 2.
De (2), x(2 − λx) = 0 e λx = 2; logo, de (1), y = 2x; ou seja, a altura é igual ao diâmetro da
base; de (3) obtemos: x = π

1
3
e y = 2π

1
3
, que são as coordenadas do ponto de mínimo (por
que ?). f(π

1
3
, 2π

1
3
) = 6
3

π.
[8] Um fio de cobre de comprimento a, deve ser dividido em 3 partes tais que o produto dos
comprimentos das partes seja máximo. Determine o produto.
Se x, y e z são os comprimentos das partes, então devemos maximizar f(x, y, z) = xy z tal que
x +y +z = a. O sistema é:
_
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
_
(1) y z = λ
(2) xz = λ
(3) xy = λ
(4) x +y +z = a.
188 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
Fazendo (1) = (2) e (2) = (3), obtemos x = y = z; de (4) x =
a
3
= y = z; (
a
3
,
a
3
,
a
3
) é o ponto de
máximo e f(
a
3
,
a
3
,
a
3
) =
a
3
27
.
[9] Determine os pontos da curva x
6
+y
6
= 1 mais afastados e os mais próximos da origem.
Novamente utilizamos o quadrado da distância da origem ao ponto (x, y): f(x, y) = x
2
+ y
2
,
sendo x
6
+y
6
= 1. Seja g(x, y) = x
6
+y
6
−1. O sistema é:
_
¸
_
¸
_
(1) x = 3 λx
5
(2) y = 3 λy
5
(3) x
6
+y
6
= 1,
ou, equivalentemente,
_
¸
_
¸
_
(1) x(1 −3λx
4
) = 0
(2) y (1 −3λy
4
) = 0
(3) x
6
+y
6
= 1.
Se x = 0, de (3) obtemos y = ±1 e em (2), λ =
1
3
; se y = 0, de (3) obtemos x = ±1 e em (1),
λ =
1
3
; os pontos são (±1, 0) e (0, ±1). Se x, y = 0, o sistema fica:
_
¸
_
¸
_
(1) (1 −3λx
4
) = 0
(2) (1 −3λy
4
) = 0
(3) x
6
+y
6
= 1.
Fazendo (2)-(1), λ(x
4
−y
4
) = 0, λ = 0 e y = ±x; de (3) obtemos:
_
2
−1/6
, 2
−1/6
_
,
_
2
−1/6
, −2
−1/6
_
,
_
−2
−1/6
, 2
−1/6
_
e
_
−2
−1/6
, −2
−1/6
_
,
onde λ =
2
2
3
3
.
(x, y) f(x, y) Ponto
(±1, 0) 1 mínimo
(0, ±1) 1 mínimo
_
2
−1/6
, 2
−1/6
_
2
2/3
máximo
_
2
−1/6
, −2
−1/6
_
2
2/3
máximo
_
−2
−1/6
, 2
−1/6
_
2
2/3
máximo
_
−2
−1/6
, −2
−1/6
_
2
2/3
máximo
7.7. PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO 189
-1 -0.5 0.5 1
-1
-0.5
0.5
1
Figura 7.36:
O método de Lagrange não é restrito a duas ou três variáveis. O método só depende de uma
função e uma restrição. É o que mostrará o exemplo a seguir.
[10] Determine o valor máximo da raiz n-ésima de um produto de n números positivos tal que
a soma dos números seja constante. Conclua que
n

x
1
x
2
.......... x
n

1
n
n

i=1
x
i
.
Sejam x = (x
1
, x
2
, x
3
, ........., x
n
), onde, x
i
> 0 para todo i = 1, 2.......n, e :
f(x) =
n

x
1
x
2
.......... x
n
,
tal que: x
1
+ x
2
+ x
3
+ ....... + x
n
= a. Denotando por g(x) = x
1
+ x
2
+ x
3
+ ....... + x
n
− a,
então, ∇g(x) = (1, 1, 1, ......, 1). Cálculo do gradiente de f: Se denotamos f(x) =
n
_
u(x) onde
u(x) = x
1
x
2
.......... x
n
, então:
∂f
∂x
i
=
∂u
∂x
i
n(u(x))
n−1
n
=
x
1
x
2
... x
i−1
x
i+1
...x
n
n(u(x))
n−1
n
;
para não escrever demais, denote por K(x) = n(u(x))
n−1
n
; o sistema é:
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
x
2
x
3
... x
n
= λK(x) (1)
x
1
x
3
... x
n
= λK(x) (2)
x
1
x
2
x
4
... x
n
= λK(x) (3)
. .
. .
. .
. .
. .
x
1
x
3
... x
n−2
x
n
= λK(x) (n −1)
x
1
x
3
... x
n−2
x
n−1
= λK(x) (n)
x
1
+x
2
+x
3
+....... +x
n
= a (n + 1).
190 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
Fazendo (1) = (2), temos x
1
= x
2
; de (2) = (3), x
2
= x
3
; assim, emgeral, igualando as equações
(j) = (j + 1) com j = 1, ..., n − 1, obtemos x
j
= x
j+1
e x
1
= x
2
= x
3
= .... = x
n
; usando a
equação (n + 1) temos:
x
1
= x
2
= x
3
= ...... = x
n
=
a
n
,
e f(
a
n
,
a
n
, .....,
a
n
) =
a
n
que é o valor máximo. Em particular,
f(x) ≤ f(
a
n
,
a
n
, .....,
a
n
) =
a
n
;
por outro lado, a =
n

i=1
x
i
; portanto:
n

x
1
x
2
.......... x
n

1
n
n

i=1
x
i
.
7.7.1 Generalização do Método
Seja S um conjunto de nível definido por:
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
g
1
(x
0
) = c
1
g
2
(x
0
) = c
2
g
3
(x
0
) = c
3
. .
. .
. .
g
k
(x
0
) = c
k
.
S é, emgeral, interseção de superfícies. Oteorema pode ser generalizado da seguinte forma: Se
f temumponto de máximo ou mínimo emx
0
∈ S
i
, para todo i, então, devemexistir constantes
λ
1
, λ
2
...... λ
k
tais que:
∇f(x
0
) = λ
1
∇g
1
(x
0
) +λ
2
∇g
2
(x
0
) +........... +λ
k
∇g
k
(x
0
).
Devemos resolver o sistema:
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
∇f(x
0
) = λ
1
∇g
1
(x
0
) +λ
2
∇g
2
(x
0
) +........... +λ
k
∇g
k
(x
0
)
g
1
(x
0
) = c
1
g
2
(x
0
) = c
2
g
3
(x
0
) = c
3
. .
. .
. .
g
k
(x
0
) = c
k
.
Exemplo 7.10.
7.8. EXERCÍCIOS 191
[1] Determine o ponto da interseção dos planos x + y +z = 1 e 3x + 2y + z = 6 mais próximo
da origem.
Sejam f(x, y, z) = x
2
+y
2
+z
2
, g
1
(x, y, z) = x +y +z −1 e g
2
(x, y, z) = 3x + 2y +z −6; temos:
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
2 x = λ
1
+ 3 λ
2
(1)
2 y = λ
1
+ 2 λ
2
(2)
2 z = λ
1

2
(3)
x +y = 1 −z (4)
3x + 2y = 6 −z, (5)
fazendo (1) + (2) + (3) obtemos, usando (4) e (5), o seguinte sistema:
_
3 λ
1
+ 6 λ
2
= 2
3 λ
1
+ 8 λ
2
= 10;
logo λ
2
= 4 e λ
1
= −
22
3
e x =
7
3
, y =
1
3
e z = −
5
3
. A distância é:
5

3
3
.
7.8 Exercícios
1. Determine os pontos críticos de:
(a) z = e
1+x
2
+y
2
(b) z = 3x
2
+ 2xy + 2x +y
2
+y + 4
(c) z = (x
2
−1) (y
2
−4)
(d) z = x
2
y −8 x −4 y
(e) z =
1
x

64
y
+xy
(f) z =
1
x
2
+y
2
+1
(g) z =
2 x+2 y+1
x
2
+y
2
+1
(h) z = x
5
+y
5
−5x −5y
(i) z = x
2
−4 xy +y
2
+ 1
(j) z = x
4
+xy +y
2
−6 x −5 y
(k) z = 3 x
2
+ xy −y
2
+ 1
(l) w = log
4
(x
2
+y
2
+z
2
+ 1)
(m) w = x
2
+y
3
+z
4
(n) w =
_
x
2
+y
2
+z
2
2. Determine se a origem é ponto de mínimo, de máximo ou sela de:
(a) z = x
2
.
(b) z = x
2
−4y
2
(c) z = −x
2
+ 2xy −y
2
(d) z = x
4
+y
4
(e) z = x
3
+y
3
(f) z = 4xy −3x
2
+ 4y
2
(g) z = 2x
2
+y
2
−3xy
(h) z = 5x
2
+y
2
−4xy
(i) z = x
2
−y
2
+ 6xy
(j) z = −x
2
+y
2
−xy
(k) z =
xy
4
−x
2

y
2
2
(l) z = 7y
2
−xy
3. Classifique os pontos críticos de:
192 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
(a) z = e
1+x
2
+y
2
(b) z = 3x
2
+ 2xy + 2x +y
2
+y
(c) z = (x
2
−1)(y
2
−4)
(d) z = x
2
y −8x −4y
(e) z =
1
x

64
y
+xy
(f) z =
1
x
2
+y
2
+1
(g) z =
2x+2y+1
x
2
+y
2
+1
(h) z = x
5
+y
5
−5x −5y
(i) z = x
2
−4xy + 4y
2
−x + 3y + 1
(j) z = x
4
+xy +y
2
−6x −5y
(k) z = (x −2)
2
+ (y −3)
2
(l) z = x −y
2
−x
3
(m) z = x
2
+y
3
(n) z = 3x
4
−4x
2
y +y
2
(o) z = x
2
+y
2
+xy +x
(p) z = 1 +x
2
+y
2
(q) z = 1 +x
2
−y
2
(r) z = x
3
+ 3 x
2
+ 4 xy +y
2
(s) z = x
2
y
2
(1 −x −y)
(t) z = xy −ln(x
2
+y
2
)
(u) z = 2 −(x + 2)
2
+ (y + 1)
2
(v) z = (x −1)
2
+ 2 (y + 2)
2
+ 3
(w) z = e
y
+e
x
−e
x+y
(x) z = xsen(y), 0 ≤ x, y ≤ π.
4. Determine a reta que melhor se ajusta aos seguintes pontos:
(a) (0, 0), (1, 1) e (2, 3).
(b) (0, 0), (
1
2
,
1
4
), (1, 1), (
3
2
,
9
2
) e (2, 4).
(c) (−2, −4), (−1, −2), (1, 1), (2, 3), (4, 2) e (3, 5).
(d) (−5, −4), (−3, −2), (−1, −1), (0, 0), (1, 1), (2, 3), (4, 2) e (3, 5).
5. Calcule os pontos de z
2
−xy = 1 mais próximos da origem.
6. Determine a menor distância de x
2
−4y = 0 ao ponto (0, b).
7. Determine o valor máximo do produto de três numeros positivos tais que
2 xy +xz + 3 y z = 72.
8. Determine a distância mínima entre 4x
2
+ 4y −z = 0 e o ponto (0, 0, 8).
9. Se os vértices de um triângulo são (0, 0), (2, 1) e (1, 3), determine o ponto P do triângulo
tal que a soma dos quadrados das distâncias aos vértices seja mínima.
10. Determine as dimensões do paralelepípedo de volume máximo, com lados paralelos aos
eixos coordenados, inscrito no elipsóide:
x
2
a
2
+
y
2
b
2
+
z
2
c
2
= 1.
11. Ache a equação do plano que passa por (1, 2, 1) e forma com os planos coordenados o
tetraedro de volume mínimo.
12. Uma calha deve ser construída com uma folha de aço, de largura a e comprimento b. Se a
seção da calha é um trapézio isósceles, qual deve ser a largura da base e a inclinação das
faces para que sua capacidade seja máxima?
13. Uma aplicação num doente de x miligramas de um remédio A e y miligramas de um
medicamento B ocasiona uma resposta R = R(x, y) = x
2
y
3
(c − x − y), (c > 0). Que
quantidade de cada remédio dará a melhor resposta?
7.8. EXERCÍCIOS 193
Multiplicadores de Lagrange
1. Determine os pontos extremos de:
(a) z = 25 −x
2
−y
2
tais que x
2
+y
2
−4 y = 0.
(b) z = x
2
+ 2 xy +y
2
tais que x −y = 3.
(c) z = 4 x
2
+ 2 y
2
+ 5 tais que x
2
+y
2
−2 y = 0.
(d) w = x
2
+y
2
+z
2
tais que 3 x −2 y +z −4 = 0.
(e) w = x +y +z tais que x
2
−y
2
+z
2
= 4.
(f) w = (x +y +z)
2
tais que x
2
+ 2 y
2
+ 3 z
2
= 1.
2. Determine os pontos extremos de: w = x
2
+y
2
+z
2
tais que x
2
+y
2
+z
2
≤ 1.
3. Determine a menor distância de y = x
2
ao ponto (0, b), b > 0.
4. Determine o maior e o menor valor de xy tal que 2 x +y = 2, x e y positivos.
5. Determine o maior e o menor valor de x
2
+y
2
tal que x
4
+y
4
= 1.
6. Determine o maior valor de 2 y −x tal que y = sen(x), 0 ≤ x ≤ 2π.
7. Determine os valores máximos e mínimos de f(x, y, z) = x + 2 y + z se x
2
+ y
2
= 1 e
y +z = 1.
8. Seja 0 < p < q. Determine o máximo e mínimo de x
p
+ y
p
+ z
p
tal que x
q
+ y
q
+ z
q
= 1,
x, y e z não negativos.
9. Determine os valores extremos de z = cos
2
(x) +cos
2
(y) se 4x + 4y = π.
10. Determine as dimensões do retângulo de menor perímetro e de área 16 cm
2
.
11. De todos os triângulos de perímetro fixo, determine o de maior área.
12. Determine o valor máximo de:
(a) f(x, y, z) = x +y +z tal que x
2
+y
2
+z
2
= a
2
e conclua que:
(x +y +z)
2
≤ 3 (x
2
+y
2
+z
2
).
(b) f(x, y, z) = xy z tal que x +y +x = s e conclua que: 3
3

xyz ≤ x +y +z.
(c) f(x, y, z) = xy z tal que x
2
+y
2
+z
2
= s, x, y e z positivos; conclua que:
3

xy z ≤
_
x
2
+y
2
+z
2
3
.
194 CAPÍTULO 7. MÁXIMOS E MI
´
NIMOS
13. Se a temperatura em qualquer ponto (x, y, z) do espaço é dada por:
T(x, y, z) = 100 x
2
y z,
determine a temperatura máxima e a temperatura mínima sobre x
2
+y
2
+z
2
≤ 4.
14. Determine o ponto P na elipse x
2
+ 2 y
2
= 6 e o ponto Q na reta x + y = 4 tal que a
distância de P a Q seja a menor possível.
15. Determine os pontos mais afastados da origem tais que x
2
+4 y
2
+z
2
= 4 e x+y +z = 1.
16. Determine as dimensões do paralelepípedo retangular de área total 2 a
2
cuja diagonal seja
mínima.
17. Dentre todos os triângulos de área S determine o que tem o perímetro menor.
18. Determine as dimensões do cilindro de maior volume inscrito numa esfera de raio R.
19. Dentre todos os triângulos retângulos de área S determine o que temhipotenusa mínima.
20. Determine o maior produto que podem ter 10 números positivos se a soma é 10 k, k ∈ N.
Capítulo 8
INTEGRAÇÃO DUPLA
8.1 Integração Dupla sobre Retângulos
Denotemos por R = [a, b] ×[c, d] = {(x, y) ∈ R
2
/a ≤ x ≤ b, c ≤ y ≤ d} um retângulo emR
2
.
Consideremos P
1
= {x
0
, x
1
, ...., x
n
} e P
2
= {y
0
, y
1
, ...., y
n
} partições de ordem n de [a, b] e [c, d]
respectivamente, tais que:
a = x
0
< x
1
< . . . . . . < x
n
= b e c = y
0
< y
1
< . . . . . . < y
n
= d
e x
i+1
−x
i
=
b −a
n
, y
j+1
−y
j
=
d −c
n
.
a b
c
d
x x
R
i i+1
y
j+1
y
j
R
ij
Figura 8.1: Partição de R.
O conjunto P
1
× P
2
é denominada partição do retângulo R de ordem n. Sejam os n
2
sub-
retângulos R
ij
= [x
i
, x
i+1
] ×[y
j
, y
j+1
] e c
ij
∈ R
ij
arbitrário (i, j = 0, ...., n). Considere a função
limitada f : R −→R. A soma
S
n
=
n−1

i=0
n−1

j=0
f(c
ij
) ∆x∆y,
onde ∆x =
b −a
n
e ∆y =
d −c
n
é dita soma de Riemann de f sobre R.
195
196 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO DUPLA
Definição 8.1. Uma função f : R −→ R limitada é integrável sobre R se lim
n→+∞
S
n
, existe indepen-
dente da escolha de c
ij
∈ R
ij
e da partição; em tal caso denotamos este limite por:
__
R
f(x, y) dxdy,
que é denominada integral dupla de f sobre R.
Teorema 8.1. Toda f : R −→R contínua é integrável.
A prova deste teorema pode ser vista em [EL].
8.2 Significado Geométrico da Integral Dupla
Se f é contínua e f(x, y) ≥ 0 para todo (x, y) ∈ R, a existência da integral dupla de f sobre R
tem um significado geométrico direto. Consideramos o sólido W ⊂ R
3
definido por:
W = {(x, y, z) ∈ R
3
/ a ≤ x ≤ b, c ≤ y ≤ d, 0 ≤ z ≤ f(x, y)}
Figura 8.2: O sólido W.
W é fechado e limitado superiormente pelo gráfico de z = f(x, y), inferiormente por R e late-
ralmente pelos planos x = a, x = b, y = c, y = d. Se denotamos por V (W) o volume de W,
então:
V (W) =
__
R
f(x, y) dxdy
De fato, escolhendo c
ij
como o ponto onde f atinge seu máximo sobre R
ij
(pois R é fechado,
limitado e f é contínua), então f(c
ij
) × ∆x × ∆y é o volume do paralelepípedo de base R
ij
e
altura f(c
ij
).
8.2. SIGNIFICADO GEOMÉTRICO DA INTEGRAL DUPLA 197
Figura 8.3: Partição e os paralelepípedos de W, respectivamente.
S
n
=
n−1

i=0
n−1

j=0
f(c
ij
) ∆x∆y
é o volume do sólido circunscrito a W. Analogamente se e
ij
é o ponto onde f atinge seumínimo
sobre R
ij
(pois R é fechado, limitado e f é contínua), então:
s
n
=
n−1

i=0
n−1

j=0
f(e
ij
) ∆x ∆y
é o volume do sólido inscrito em W. Como f é integrável, os limites das somas de Riemann S
n
e s
n
independem da escolha de c
ij
e e
ij
:
lim
n→∞
S
n
= lim
n→∞
s
n
=
__
R
f(x, y) dxdy.
Em outras palavras os volumes dos sólidos inscritos e circunscritos a W, tendem ao mesmo
limite. Portanto, é razoável chamar este limite de volume de W.
Figura 8.4: Reconstrução do sólido.
198 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO DUPLA
Figura 8.5: Reconstrução do sólido.
Novamente notamos que é possível mostrar rigorosamente que o significado geométrico da
integral dupla independe da escolha da partição e dos pontos c
ij
e e
ij
.
A integral dupla tem propriedades análogas às das integrais das funções de uma variável.
Proposição 8.1.
1. Linearidade da integral dupla. Se f e g são funções integraveis sobre R então para todo
α, β ∈ R, αf +β g é integrável sobre R, e:
__
R
_
αf(x, y) +β g(x, y)
_
dxdy = α
__
R
f(x, y) dxdy +β
__
R
g(x, y) dxdy.
2. Se f e g são integráveis sobre R e g(x, y) ≤ f(x, y), para todo (x, y) ∈ R, então:
__
R
g(x, y) dxdy ≤
__
R
f(x, y) dxdy.
3. Se Ré subdividido emk retângulos e f é integrável sobre cada R
i
, i = 1, ..., k então f é integrável
sobre R e,
__
R
f(x, y) dxdy =
k

i=1
__
R
i
f(x, y) dxdy.
8.3 Integrais Iteradas
Uma integral iterada de f sobre R é uma integral do tipo:
_
d
c
__
b
a
f(x, y) dx
_
dy.
Para calculá-la fixamos y e calculamos a integral
_
b
a
f(x, y) dx como integral de uma veriável
emx; o resultado é uma função de y que é novamente integrada emy, comlimites de integração
c e d.
A integral
_
b
a
__
d
c
f(x, y) dy
_
dx é calculada de forma análoga.
8.3. INTEGRAIS ITERADAS 199
Exemplo 8.1.
[1] Calcule
_
2
0
__
3
1
x
2
y dy
_
dx.
_
3
1
x
2
y dy = x
2
_
3
1
y dy = 4x
2
e
_
2
0
__
3
1
x
2
y dy
_
dx =
_
2
0
4x
2
dx =
32
3
.
[2] Calcule
_
π
0
__
π
0
cos(x +y) dx
_
dy.
_
π
0
cos(x +y) dx = sen(x +y)
¸
¸
x=π
x=0
= sen(y +π) −sen(y),
e
_
π
0
__
π
0
cos(x +y) dx
_
dy =
_
π
0
(sen(y +π) −sen(y)) dy = −4.
[3] Calcule
_
1
−1
__
1
−2
(x
2
+y
2
) dx
_
dy.
_
1
−2
(x
2
+y
2
) dx =
_
x
3
3
+xy
2
_
¸
¸
¸
¸
x=1
x=−2
= 3 + 3 y
2
e
_
1
−1
__
1
−2
(x
2
+y
2
) dx
_
dy =
_
1
−1
(3 + 3 y
2
) dy = 8.
[4] Calcule
_ π
3
π
6
__
4
0
ρ
2
e
ρ
3
sen(φ) dρ
_
dφ.
_
4
0
ρ
2
e
ρ
3
sen(φ) dρ = sen(φ)
_
4
0
ρ
2
e
ρ
3
dρ = sen(φ)
e
ρ
3
3
¸
¸
¸
¸
4
0
= sen(φ)
e
64
−1
3
e
_ π
3
π
6
__
4
0
ρ
2
e
ρ
3
sen(φ) dρ
_
dφ =
e
64
−1
3
_ π
3
π
6
sen(φ) dφ =
(e
64
−1) (

3 −1)
6
.
[5] Calcule
_
1
0
__

1−y
2
0
_
1 −y
2
dx
_
dy.
_

1−y
2
0
_
1 −y
2
dx = 1 −y
2
, e
_
1
0
__

1−y
2
0
_
1 −y
2
dx
_
dy =
_
1
0
(1 −y
2
) dy =
2
3
.
[6] Seja a função f : [0, 1] ×[0, 1] −→R definida por:
f(x, y) =
_
1 se x ∈ Q
2 y se x / ∈ Q.
200 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO DUPLA
Então:
_
1
0
dy =
_
¸
¸
_
¸
¸
_
_
1
0
dy = 1 se x ∈ Q
_
1
0
2 y dy = 1 se x / ∈ Q.
Logo,
_
1
0
_ _
1
0
dy
_
dx = 1. Por outro lado
_
1
0
f(x, y) dx não existe, exceto quando y =
1
2
; logo,
_
1
0
_ _
1
0
dx
_
dy
não existe. Em geral, nada garante a existência das integrais iteradas.
8.4 Teorema de Fubini
O seguinte teorema fundamental relaciona a integral dupla com as integrais iteradas, o que
facilitará seu cálculo.
Teorema 8.2. (Fubini): Seja f : R −→R contínua sobre R. Então:
__
R
f(x, y) dxdy =
_
d
c
__
b
a
f(x, y) dx
_
dy =
_
b
a
__
d
c
f(x, y) dy
_
dx
Prova: Veja o apêndice.
Uma visualização geométrica do teorema de Fubini pode ser feita usando o princípio de Cava-
lieri: “ Dado um sólido, se denotamos por A(y) a área da seção transversal ao sólido, medida
a uma distância y de um plano de referência, o volume do sólido é dado por: V =
_
d
c
A(y) dy,
onde c e d são as distâncias mínima e máxima ao plano de referência”.
Se f é uma função contínua e f(x, y) ≥ 0 em todo R, então
__
R
f(x, y) dxdy representa o
volume do sólido W:
W = {(x, y, z) ∈ R
3
/a ≤ x ≤ b, c ≤ y ≤ d, 0 ≤ z ≤ f(x, y)}.
c
R
b
d
a
Figura 8.6:
8.4. TEOREMA DE FUBINI 201
Se intersectamos o sólido por um plano paralelo ao plano yz a uma distância x da origem,
obtemos uma seção plana que tem como área A(x) =
_
d
c
f(x, y) dy. Pelo princípio de Cavalieri,
o volume total do sólido é:
__
R
f(x, y) dxdy =
_
b
a
A(x) dx =
_
b
a
__
d
c
f(x, y) dy
_
dx.
Analogamente, se intersectamos o sólido por um plano paralelo ao plano xz a uma distância y
da origem obtemos uma seção plana de área A(y) =
_
b
a
f(x, y) dx e pelo princípio de Cavalieri:
__
R
f(x, y) dxdy =
_
d
c
A(y) dy =
_
d
c
__
b
a
f(x, y) dx
_
dy.
Exemplo 8.2.
[1] Calcule
__
R
dxdy, onde R = [a, b] ×[c, d].
__
R
dxdy =
_
b
a
__
d
c
dy
_
dx =
_
b
a
(d −c) dx = (b −a) (d −c);
numericamente a integral dupla
__
R
dxdy, corresponde a área de R ou ao volume do parale-
lepípedo de base R e altura 1.
[2] Calcule
__
R
f(x, y) dxdy, onde R = [a, b] ×[c, d] e f(x, y) = h, h constante positiva.
__
R
f(x, y) dxdy = h
__
R
dxdy = h ×A(R) = h(b −a) (d −c),
onde a última igualdade expressa o volume do paralelepípedo de base R e altura h.
[3] Calcule
__
R
(xy +x
2
) dxdy, onde R = [0, 1] ×[0, 1].
__
R
(xy +x
2
) dxdy =
_
1
0
__
1
0
(xy +x
2
) dx
_
dy =
_
1
0
_
x
2
y
2
+
x
3
3
¸
¸
¸
¸
¸
x=1
x=0
dy
=
_
1
0
_
y
2
+
1
3
¸
dy =
7
12
.
O número
7
12
representa o volume do sólido limitado superiormente pelo gráfico da função
f(x, y) = xy +x
2
e pelos planos coordenados. ((x, y) ∈ [0, 1] ×[0, 1]).
202 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO DUPLA
0
1
0
1
Figura 8.7: Exemplo [4].
[4] Calcule
__
R
xy
2
dxdy, onde R = [−1, 0] ×[0, 1].
__
R
xy
2
dxdy =
_
1
0
__
0
−1
xy
2
dx
_
dy = −
1
2
_
1
0
y
2
dy = −
1
6
.
[5] Calcule
__
R
sen(x +y) dxdy, onde R = [0, π] ×[0, 2π].
__
R
sen(x +y) dxdy =
_

0
__
π
0
sen(x +y) dx
_
dy =
_

0
(cos(y) −cos(y +π)) dy = 0.
[6] Calcule o volume do sólido limitado superiormente por z = 1 − y e inferiormente pelo
retângulo definido por 0 ≤ x ≤ 1 e 0 ≤ y ≤ 1.
0.0
0.5
1.0
0.0
0.5
1.0
0.0
0.5
1.0
Figura 8.8: Sólido do exemplo [6].
O sólido está limitado superiormente pelo plano z = 1 − y e inferiormente pelo retângulo
R = [0, 1] ×[0, 1]; então, o volume V é:
V =
__
R
(1 −y) dxdy =
_
1
0
__
1
0
(1 −y) dx
_
dy =
_
1
0
(1 −y) dy =
1
2
u.v.
8.4. TEOREMA DE FUBINI 203
[7] Calcule o volume do sólido limitado por z = x
2
+ y
2
e pelos planos x = 0, x = 3, y = 0 e
y = 1.
0
0.25
0.5
0.75
1
x 0
0.25
0.5
0.75
1
y
0
0.2
0.4
0.6
0.8
1
z
0
0.25
0.5
0.75
1
x
0
0.2
0.4
0.6
0.8
Figura 8.9: Sólido do exemplo [7].
R = [0, 3] ×[0, 1]. O volume é:
V =
__
R
(x
2
+y
2
) dxdy =
_
1
0
__
3
0
(x
2
+y
2
) dx
_
dy =
_
1
0
(9 + 3y
2
) dy = 10 u.v.
u.v. =unidades de volume.
[8] Calcule o volume do sólido limitado por z = 1 − y
2
e pelos planos x = −1, x = 1, y = −1 e
y = 1.
-1
-0.5
0
0.5
1
x
-1
-0.5
0
0.5
1 y
0
0.2
0.4
0.6
0.8
1
z
-1
-0.5
0
0.5
1
x
0
0.2
0.4
0.6
0.8
Figura 8.10: Sólido do exemplo [8].
R = [−1, 1] ×[−1, 1]. O volume é:
V =
__
R
(1 −y
2
) dxdy =
_
1
−1
__
1
−1
(1 −y
2
) dx
_
dy = 2
_
1
−1
(1 −y
2
) dy =
8
3
u.v.
8.4.1 Extensão do Teorema de Fubini
Antes de estudar a integral dupla em regiões mais gerais enunciaremos uma genereralização
do teorema 8.1.
204 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO DUPLA
Definição 8.2. Seja A ⊂ R, R = [a, b] × [c, d]. O conjunto A ⊂ R tem conteúdo nulo se existe um
número finito de sub-retângulos R
i
⊂ R, (1 ≤ i ≤ n) tais que A ⊂ R
1
∪ R
2
∪ . . . ∪ R
n−1
∪ R
n
e:
lim
n→+∞
n

i=1
|R
i
| = 0;
onde |R
i
| é a área de R
i
.
Exemplo 8.3.
[1] Se A = {p
1
, p
2
, ......., p
m
}, p
i
∈ R, (1 ≤ i ≤ m). O conjunto A tem conteúdo nulo. Utilizando
uma partição de ordem n de R como antes, temos: |R
i
| =
(b−a) (d−c)
n
2
, 1 ≤ i ≤ n. Como cada
ponto pode estar no máximo em quatro sub-retângulos, então:
0 <
n

i=1
|R
i
| ≤
4 m(b −a) (d −c)
n
2
.
Logo lim
n→+∞
n

i=1
|R
i
| = 0.
[2] ∂R tem conteúdo nulo.
b
c
d
x x a
i i+1
y
j+1
y
R
R
ij
j
Figura 8.11: ∂R.
Os pontos de ∂R estão distribuido em 4 n −4 sub-retângulos R
ij
:
0 <
n

i=1
|R
i
| ≤
(4 n −4) (b −a) (d −c)
n
2

4 (b −a) (d −c)
n
,
pois
n−1
n
< 1. Logo:
lim
n→+∞
n

i=1
|R
i
| = 0.
É possível provar que o gráfico de uma função contínua f : [a, b] −→R tem conteúdo nulo.
8.5. INTEGRAÇÃO DUPLA SOBRE REGIÕES MAIS GERAIS 205
Figura 8.12: G(f).
Teorema 8.3. Se f : R −→ R é uma função limitada e o conjunto onde f é descontínua tem conteúdo
nulo, então f é integra´ vel sobre R.
Prova: Veja [EL] na bibliografia.
8.5 Integração Dupla sobre Regiões mais Gerais
8.5.1 Regiões Elementares
Definiremos três tipos especiais de subconjuntos do plano, que serão utilizados para estender
o conceito de integral dupla sobre retângulos a regiões mais gerais Seja D ⊂ R
2
.
Regiões de tipo I
D é uma região de tipo I se pode ser descrita por:
D = {(x, y) ∈ R
2
/a ≤ x ≤ b, φ
1
(x) ≤ y ≤ φ
2
(x)}
sendo φ
i
: [a, b] −→R (i = 1, 2) funções contínuas tais que φ
1
(x) ≤ φ
2
(x) para todo x ∈ [a, b].
a b
D
D
b
a
φ
φ
φ
φ
1
2
2
1
Figura 8.13: Regiões de tipo I.
206 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO DUPLA
Regiões de tipo II
D é uma região de tipo II se pode ser descrita por:
D = {(x, y) ∈ R
2
/c ≤ y ≤ d, ψ
1
(y) ≤ x ≤ ψ
2
(y)}
sendo ψ
i
: [c, d] −→R (i = 1, 2) funções contínuas tais que ψ
1
(y) ≤ ψ
2
(y) para todo y ∈ [c, d].
D
d
c
ψ
D
ψ
ψ
1
2
ψ
1
2
Figura 8.14: Regiões de tipo II.
Regiões de tipo III
D é uma região de tipo III se pode ser descrita como região de tipo I ou de tipo II.
As regiões de tipos I, II ou III são chamadas elementares. As regiões elementares são fechadas
e limitadas.
Exemplo 8.4.
[1] A região limitada pelas curvas y = x
2
e y = 4 x −x
2
pode ser descrita como de tipo I:
A interseção das curvas é dada pela solução do sistema:
_
y = x
2
y = 4 x −x
2
,
do qual obtemos: x = 0 e x = 2; logo, D = {(x, y) ∈ R
2
/ 0 ≤ x ≤ 2, x
2
≤ y ≤ 4x −x
2
}.
1 2
1
4
1 2
1
4
Figura 8.15: Região de tipo I.
[2] Seja a região D limitada pelas seguintes curvas: y
2
−x = 1 e y
2
+x = 1.
8.5. INTEGRAÇÃO DUPLA SOBRE REGIÕES MAIS GERAIS 207
A região pode ser descrita por D = {(x, y) ∈ R
2
/ −1 ≤ y ≤ 1, y
2
−1 ≤ x ≤ 1 −y
2
}; D é uma
região de tipo II.
-1 -0.5 0.5 1
-1
-0.5
0.5
1
-1 -0.5 0.5 1
-1
-0.5
0.5
1
Figura 8.16: Região de tipo II.
[3] A região D limitada pela reta x + y = 2 e pelos eixos coordenados, no primeiro quadrante,
pode ser descrita como de tipo II: D = {(x, y) ∈ R
2
/0 ≤ y ≤ 2, 0 ≤ x ≤ 2 −y}.
1 2
1
2
1 2
1
2
Figura 8.17: Região de tipo III.
[4] A região D limitada pelas curvas y = x −1 e y
2
= 2 x +6, pode ser descrita como de tipo II.
A interseção das curvas é dada pela solução do sistema:
_
y = x −1
y
2
= 2 x + 6,
do qual obtemos: x = −1 e x = 5; logo: D = {(x, y) ∈ R
2
/ −2 ≤ y ≤ 4,
y
2
2
−3 ≤ x ≤ y + 1} .
1 2 3
1
2
3
1 2 3
1
2
3
Figura 8.18: Região de tipo II.
208 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO DUPLA
[5] Seja D a região limitada pela curva x
2
+y
2
= 1; esta região é do tipo III. De fato:
De tipo I: D = {(x, y) ∈ R
2
/ − 1 ≤ x ≤ 1, φ
1
(x) = −

1 −x
2
≤ y ≤ φ
2
(x) =

1 −x
2
}. De tipo
II: D = {(x, y) ∈ R
2
/ −1 ≤ y ≤ 1, ψ
1
(y) = −
_
1 −y
2
≤ x ≤ ψ
2
(y) =
_
1 −y
2
}.
8.6 Extensão da Integral Dupla
Seja D uma região elementar tal que D ⊂ R, onde R é um retãngulo e f : D −→R uma função
contínua (logo limitada). Definamos f

: R −→R por:
f

(x, y) =
_
f(x, y) se (x, y) ∈ D
0 se (x, y) ∈ R −D.
f

é limitada e contínua, exceto, possivelmente, em∂D; mas se ∂D consiste de uma união finita
de curvas que são gráficos de funções contínuas, pelo teorema 8.1, f

é integrável sobre R.
D
R
R
D
Figura 8.19: Gráficos de f e f

, respectivamente.
Definição 8.3. f : D −→R é integrável sobre D se f

é integrável sobre R e em tal caso definimos:
__
D
f(x, y) dxdy =
__
R
f

(x, y) dxdy.
Se R
1
é outro retângulo tal que D ⊂ R
1
e f

1
: R
1
−→R é definida como antes, então:
__
R
f

(x, y) dxdy =
__
R
1
f

1
(x, y) dxdy,
pois f

= f

1
= 0 onde R e R
1
diferem.
8.7. INTEGRAL DUPLA E VOLUME DE SÓLIDOS 209
R
D
R
f* =f* =0
1
1
Figura 8.20:
Logo,
__
D
f(x, y) dxdy não depende da escolha do retângulo.
8.7 Integral Dupla e Volume de Sólidos
Proposição 8.2. Se f : D −→R é uma função contínua e limitada sobre D, então:
1. Se D é uma região de tipo I:
__
D
f(x, y) dxdy =
_
b
a
__
φ
2
(x)
φ
1
(x)
f(x, y) dy
_
dx
2. Se D é uma região de tipo II:
__
D
f(x, y) dxdy =
_
d
c
__
ψ
2
(y)
ψ
1
(y)
f(x, y) dx
_
dy
Para a prova, veja o apêndice.
Corolário 8.4. Se f(x, y) = 1 em todo D, então:
__
D
dxdy = Área(D)
De fato, se D é de tipo I, temos
__
D
dxdy =
_
b
a
_
φ
2
(x) −φ
1
(x)
¸
dx = A(D).
Se f(x, y) ≥ 0 e é contínua em D, podemos novamente interpretar a integral dupla de f sobre
D como o volume do sólido W limitado superiormente pelo gráfico de f e inferiormente por
D.
W = {(x, y, z) ∈ R
3
/(x, y) ∈ D, 0 ≤ z ≤ f(x, y)}
D é a projeção de W sobre o plano xy e:
V (W) =
__
D
f(x, y) dxdy
210 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO DUPLA
8.7.1 Exemplos
[1] Calcule
_
1
0
__
1
y
e
x
2
dx
_
dy. A integral não pode ser calculada na ordem dada. Observe que:
__
D
e
x
2
dxdy =
_
1
0
__
1
y
e
x
2
dx
_
dy.
A região D, onde está definida a integral, é de tipo II: 0 ≤ y ≤ 1 e y ≤ x ≤ 1.
1
1
1
1
Figura 8.21: A região D.
A região D é de tipo III; logo, D também é de tipo I. De fato: 0 ≤ x ≤ 1 e 0 ≤ y ≤ x e:
__
D
e
x
2
dxdy =
_
1
0
__
x
0
e
x
2
dy
_
dx =
_
1
0
xe
x
2
dx =
1
2
(e −1).
[2] Calcule
_
1
0
__
1
x
sen(y)
y
dy
_
dx.
A região D, onde está definida a integral é de tipo I: 0 ≤ x ≤ 1 e x ≤ y ≤ 1. Por outro lado, D é
de tipo III, logo D também é de tipo II: 0 ≤ y ≤ 1 e 0 ≤ x ≤ y:
1
1
1
1
Figura 8.22: A região D.
_
1
0
__
1
x
sen(y)
y
dy
_
dx =
_
1
0
__
y
0
sen(y)
y
dx
_
dy =
_
1
0
sen(y) dy = 1 −cos(1).
[3] Calcule
__
D
_
1 −y
2
dxdy, onde D é a região limitada por x
2
+ y
2
= 1 no primeiro qua-
drante.
8.7. INTEGRAL DUPLA E VOLUME DE SÓLIDOS 211
1
1
1
1
Figura 8.23: A região D.
Consideramos D como região de tipo II. D = {(x, y) ∈ R/0 ≤ y ≤ 1, 0 ≤ x ≤
_
1 −y
2
} . Pela
proposicão:
__
D
_
1 −y
2
dxdy =
_
1
0
__

1−y
2
0
_
1 −y
2
dx
_
dy =
_
1
0
(1 −y
2
) dy =
2
3
.
Note que se escrevemos D como região de tipo I, a integração é muito mais complicada.
[4] Calcule
__
D
(x +y)
2
dxdy, se D é a região limitada por y = x, 2 y = x + 2 e o eixo dos y.
1 2
1
1 2
1
Figura 8.24: A região D.
As retas se intersectam no ponto (2, 2). Escrevendo D como região de tipo I: 0 ≤ x ≤ 2,
x ≤ y ≤
x
2
+ 1.
__
D
(x +y)
2
dxdy =
_
2
0
__ x
2
+1
x
(x +y)
2
dy
_
dx =
1
3
_
2
0
__
3x
2
+ 1
_
3
−8x
3
_
dx =
21
6
.
[5] Determine o volume do sólido limitado por y −x +z = 1 e pelos planos coordenados.
Para ter uma visão geométrica do problema, fazemos o desenho do sólido, que é limitado
superiormente pelo plano que passa pelos pontos (0, 0, 1), (0, 1, 0), (−1, 0, 0) e inferiormente
pelo plano z = 0.
212 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO DUPLA
0
0.25
0.5
0.75
1
x
0
0.25
0.5
0.75
1
y
0
0.2
0.4
0.6
0.8
1
z
0
0.25
0.5
0.75
1 -1
1
-1
1
Figura 8.25: O sólido e a região, respectivamente.
A integral dupla representa o volume do sólido limitado superiormente pelo gráfico da função
z = f(x, y) = 1 +x −y e, inferiormente pela região D projeção de W no plano xy.
W = {(x, y, z) ∈ R
3
/ (x, y) ∈ D, 0 ≤ z ≤ 1 +x −y},
onde D = {(x, y) ∈ R
2
/ −1 ≤ x ≤ 0, 0 ≤ y ≤ x + 1} é região do tipo I. Seu volume é:
V (W) =
__
D
(1 +x −y) dxdy =
_
0
−1
__
x+1
0
(1 +x −y) dy
_
dx =
1
2
_
0
−1
(x + 1)
2
dx =
1
6
u.v.
[6] Determine o volume do sólido limitado por z = 2 x + 1, x = y
2
e x −y = 2.
-2
0
2
4
-2
0
2
4
0
1
2
3
4
5
-2
0
2
4
0
1
2
3
4
-2
0
2
4
-2
0
2
4
0
1
2
3
4
5
-2
0
2
4
Figura 8.26: O sólido do exemplo [6].
8.7. INTEGRAL DUPLA E VOLUME DE SÓLIDOS 213
1 2
-1
1
1 2
-1
1
Figura 8.27: A região D.
Observe que z = f(x, y) = 2 x + 1 e
V (W) =
__
D
(2 x + 1) dxdy,
onde D é a projeção do sólido no plano xy. Considerando D como região do tipo II, ela é
definida por:
D = {(x, y) ∈ R
2
/ −1 ≤ y ≤ 2, y
2
≤ x ≤ y + 2}.
O volume é:
V (W) =
__
D
(2x + 1) dxdy =
_
2
−1
__
y+2
y
2
(2 x + 1) dx
_
dy =
_
2
−1
(5 y + 6 −y
4
) dy =
189
10
u.v.
[7] Calcule o volume do sólido que está acima do plano xy e é limitado por z = x
2
+ 4 y
2
e
x
2
+ 4 y
2
= 4.
O gráfico de z = x
2
+ 4 y
2
é um parabolóide elítico e o de x
2
+ 4 y
2
= 4 é um cilindro elítico.
-2
-1
0
1
2
x
-0.5
0
0.5
1
y
0
1
2
3
z
-2
-1
0
1
2
x
-0.5
0
0.5
-2
-1
0
1
2
x
-1
-0.5
0
0.5
1
y
0
1
2
3
z
-2
-1
0
1
x
-1
-0.5
0
0.5
Figura 8.28: O sólido do exemplo [7].
214 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO DUPLA
1 -1 2
-1
1
1 -1 2
-1
1
Figura 8.29: A região do exemplo [7].
Pela simetria do sólido, calculamos o volume no primeiro octante e multiplicamos o resultado
por 4.
1 2
1
1 2
1
Figura 8.30: A região D.
D é a projeção do cilindro no plano xy. D é do tipo I: 0 ≤ x ≤ 2 e 0 ≤ y ≤

4−x
2
2
e,
V = 4
__
D
(x
2
+ 4y
2
) dxdy = 4
_
2
0
_ _

4−x
2
2
0
(x
2
+ 4 y
2
) dy
_
dx
= 2
_
2
0
_
x
2
_
4 −x
2
+
(4 −x
2
)
3
2
3
_
dx = 4 π u.v.
[8] Calcule a área da região plana limitada pelas curvas y = x
2
e y = 4 x −x
2
.
Os pontos de interseção das curvas são: (0, 0) e (2, 4).
1 2
1
4
1 2
1
4
Figura 8.31: A região D.
8.7. INTEGRAL DUPLA E VOLUME DE SÓLIDOS 215
D é do tipo I: 0 ≤ x ≤ 2 e x
2
≤ y ≤ 4x −x
2
.
A =
__
D
dxdy =
_
2
0
__
4x−x
2
x
2
dy
_
dx = 2
_
2
0
(2x −x
2
) dx =
8
3
u.a.
[9] Calcule o volume do sólido obtido pela interseção dos cilindros: x
2
+y
2
= a
2
e x
2
+z
2
= a
2
,
a = 0.
O sólido é simétrico em relação à origem.
Figura 8.32: Interseção dos cilindros.
Calculamos o volume da porção do sólido no primeiro octante e multiplicamos o resultado por
8.
Figura 8.33: O sólido no primeiro octante.
216 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO DUPLA
Claramente D é região do tipo I: 0 ≤ x ≤ a e 0 ≤ y ≤

a
2
−x
2
. A altura do sólido W é dada
por z = f(x, y) =

a
2
−x
2
e:
V = 8
__
D
_
a
2
−x
2
dxdy
= 8
_
a
0
__

a
2
−x
2
0
_
a
2
−x
2
dy
_
dx
= 8
_
a
0
(a
2
−x
2
) dx =
16 a
3
3
.
[10] Calcule o volume do sólido limitado por 3 x + 4 y = 10, z = x
2
+ y
2
e situado acima do
plano xy, no primeiro octante.
0
1
2
3
0
1
2
3
0
2
4
6
8
0
2
4
6
1 2 3
1
2
1 2 3
1
2
Figura 8.34: Sólido e região do exemplo [10], respectivamente.
D é uma região do tipo II: 0 ≤ y ≤
5
2
e 0 ≤ x ≤
10−4y
3
; logo:
V =
__
D
(x
2
+y
2
) dxdy =
_ 5
2
0
__ 10−4 y
3
0
(x
2
+y
2
) dx
_
dy
= −
2
81
_ 5
2
0
(2 y −5) (43 y
2
−80 y + 100) dy
= −
2
81
_ 5
2
0
(86 y
3
−375 y
2
+ 600 y −500) dy =
15625
1296
u.v.
[11] Calcule o volume do sólido limitado por z −xy = 0, z = 0, y = x
2
e y
2
−x = 0.
8.8. EXERCÍCIOS 217
Figura 8.35: Sólido do exemplo [11].
D é uma região do tipo I: 0 ≤ x ≤ 1 e x
2
≤ y ≤

x,
1
1
1
1
Figura 8.36: Região D.
logo V =
__
D
xy dxdy =
_
1
0
__

x
x
2
xy dy
_
dx =
1
2
_
1
0
(x
2
−x
5
) dx =
1
12
u.v.
8.8 Exercícios
1. Calcule
__
R
f(x, y) dxdy, se:
(a) f(x, y) = x
2
y
3
e R = [0, 1] ×[0, 1]
(b) f(x, y) = (x +y)
2
(x
2
−y
2
) e R = [0, 1] ×[0, 1]
(c) f(x, y) = x
2
+ 4 y e R = [0, 2] ×[0, 3]
(d) f(x, y) =
x
2
y
2
+1
e R = [−1, 1] ×[−1, 1]
(e) f(x, y) = e
x y
(x
2
+y
2
) e R = [−1, 3] ×[−2, 1]
218 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO DUPLA
(f) f(x, y) = xy −y
2
e R = [0, 5] ×[0, 4]
(g) f(x, y) = 5 xy
2
e R = [1, 3] ×[1, 4]
(h) f(x, y) = 2 x +c
2
y e R = [−2, 2] ×[−1, 1]
(i) f(x, y) = x
2
−y
2
e R = [1, 2] ×[−1, 1].
2. Calcule o volume do sólido limitado superiormente pelo gráfico da função e inferior-
mente pelo retângulo dado:
(a) z =
_
9 −y
2
e R = [0, 4] ×[0, 2]
(b) z = x
2
+y
2
e R = [−2, 2] ×[−3, 3]
(c) z = y
2
−x
2
e R = [−1, 1] ×[1, 3]
(d) z = 2 x + 3 y + 6 e R = [−1, 2] ×[2, 3]
(e) z = a cos(2 θ) +b sen(2 α) e R = [0,
π
2
] ×[0,
π
2
]
(f) z = xsen(y) e R = [0, π] ×[0, π]
3. Calcule as seguintes integrais mudando a ordem de integração:
(a)
_
1
0
_ _
1
y
tg(x
2
) dx
_
dy
(b)
_
2
1
_ _
x
1
x
2
y
2
dy
_
dx
(c)
_
1
0
_ _

1−x
2
0
_
1 −y
2
dy
_
dx
(d)
_
1
0
_ _
1
x
sen(y
2
) dy
_
dx
(e)
_
1
0
_ _
y
3y
e
x
2
dx
_
dy
(f)
_
3
0
_ _
9
y
2
y cos(x
2
) dx
_
dy
4. Calcule as seguintes integrais sabendo que D é limitada pelas curvas dadas:
(a)
__
D
y dxdy; y = 2 x
2
−2, y = x
2
+x
(b)
__
D
xy dxdy;
x
2
a
2
+
y
2
b
2
= 1, x, y ≥ 0
(c)
__
D
xdxdy; x −y
2
= 0, x = 1
(d)
__
D
dxdy
x
2
+ 1
; y −x
2
= 0, y = 1
(e)
__
D
(x
2
+y
2
) dxdy; y = 0, y = x −1 e x = 1, x = 0
(f)
__
D
e
x+y
dxdy; y = 0, y = x e x −1 = 0
8.8. EXERCÍCIOS 219
(g)
__
D
xcos(y) dxdy; y = 0, y = x
2
e x = 1
(h)
__
D
4 y
3
dxdy; y = x −6 e y
2
= x
(i)
__
D
(y
2
−x) dxdy; y
2
= x e x = 3 −2 y
2
(j)
__
D
(x
2
+ 2 y) dxdy; y = 2 x
2
e y = x
2
+ 1
(k)
__
D
(1 + 2 x) dxdy; x = y
2
e y +x = 2
(l)
__
D
dxdy; y
2
= x
3
e y = x
220 CAPÍTULO 8. INTEGRAÇÃO DUPLA
Capítulo 9
MUDANÇA DE COORDENADAS
9.1 Introdução
Seja D

⊂ R
2
uma região elementar no plano uv e:
x, y : D

−→R,
onde x = x(u, v) e y = y(u, v) são funções contínuas e com derivadas parciais contínuas num
retângulo aberto R tal que D

⊂ R. Estas duas funções determinam uma transformação do
plano uv no plano xy. De fato, T : D

−→R
2
, onde T(u, v) = (x(u, v), y(u, v)). Atransformação
T é também denotada por:
_
x = x(u, v)
y = y(u, v), (u, v) ∈ D

.
Denotemos a imagen de D

por T como D = T(D

), contida no plano xy.
T
D*
D
y
x
v
u
Figura 9.1: Mudança de coordenadas.
Exemplo 9.1.
Seja D

= [0, 1] ×[0, 2π] e T(r, t) = (r cos(t), r sen(t)), Determinemos D = T(D

) no plano xy.
_
x = r cos(t)
y = r sen(t);
221
222 CAPÍTULO 9. MUDANÇA DE COORDENADAS
logo: x
2
+y
2
= r
2
≤ 1; então D = {(x, y) ∈ R
2
/x
2
+y
2
≤ 1}.
π 2
L
D
t
1 r
*
D
x
y
1
T
Figura 9.2:
Definição 9.1. Uma transformação T é injetiva em D

se T(u
1
, v
1
) = T(u
2
, v
2
) implica em u
1
= u
2
e v
1
= v
2
, para todo par de elementos (u
1
, v
1
), (u
2
, v
2
) ∈ D

.
No exemplo 9.1, temos que D

= [0, 1] ×[0, 2π] e T(r, t) = (r cos(t), r sen(t)). A transformação
T não é injetiva: De fato, T(0, t
1
) = T(0, t
2
) = (0, 0) para t
1
= t
2
. Observe que T(L) = (0, 0),
onde L = {(0, t)/0 ≤ t ≤ 2 π}. Mas se D

= (0, 1] ×(0, 2π], T é injetiva.
Seja T : D

−→D uma transformação definida por:
_
x = x(u, v)
y = y(u, v), (u, v) ∈ D

.
Considere a seguinte matriz:
J =
_
¸
¸
¸
_
∂x
∂u
∂x
∂v
∂y
∂u
∂y
∂v
_
¸
¸
¸
_
onde as derivadas parciais são calculadas nos pontos (u, v) ∈ D

. J é chamada matriz Jacobiana
(de Jacobi) da transformação T.
Definição 9.2. O determinante da matriz J, dito jacobiano de T, é denotado e definido por:
∂(x, y)
∂(u, v)
= det(J) =
∂x
∂u
∂y
∂v

∂x
∂v
∂y
∂u
onde as derivadas parciais são calculadas nos pontos (u, v) ∈ D

.
A importância da matriz Jacobiana de uma transformação deverá ser estudada com mais rigor,
em disciplinas mais avançadas. Por enquanto citaremos a seguinte proposição, sem prova:
Proposição 9.1. Se:
∂(x, y)
∂(u, v)
(u
0
, v
0
) = 0, (u
0
, v
0
) ∈ D

,
então existe uma vizinhança do ponto (u
0
, v
0
) tal que a restrição de T a esta vizinhança é injetiva.
9.1. INTRODUÇÃO 223
Exemplo 9.2.
[1] No exemplo 9.1, temos que D

= [0, 1] ×[0, 2π] e T(r, t) = (r cos(t), r sen(t)). Logo,
∂(x, y)
∂(r, t)
= r.
Note que para todo (r, t) ∈ L temos
∂(x, y)
∂(r, t)
= 0.
[2] Seja o quadrado D

= [0, 1] ×[0, 1] e T(u, v) = (u +v, u −v).
_
x = u +v
y = u −v.
Se u = 0, então y = −x; se v = 0, então y = x, se u = 1; então y = 2−x e se v = 1, então y = x−2.
A região D = T(D

) é a região do plano xy limitada pelas curvas y = x, y = −x, y = x − 2 e
y = 2 −x. O jacobiano:
∂(x, y)
∂(u, v)
= −2.
1
1
1 2
1
1
Figura 9.3: Regiões D

e D, respectivamente.
[3] Seja D

a região limitada pelas curvas u
2
−v
2
= 1, u
2
−v
2
= 9, uv = 1 e uv = 4 no primeiro
quadrante, sendo T(u, v) = (u
2
−v
2
, uv). Determinemos T(D

) = D, fazendo:
_
x = u
2
−v
2
y = uv;
se u
2
− v
2
= 1, então x = 1; se u
2
− v
2
= 9, então x = 9, se uv = 1, então y = 1 e se uv = 4,
então y = 4
224 CAPÍTULO 9. MUDANÇA DE COORDENADAS
1 2 3
1
2
1 2 3
1
2
1 5 9
1
4
Figura 9.4: Regiões D

e D, respectivamente.
∂(x, y)
∂(u, v)
= 2(u
2
+v
2
), que não se anula em D

. Logo T é injetiva.
Teorema 9.1. Sejam D e D

regiões elementares no plano, T uma transformação de classe C
1
e injetiva
em D

. Suponha que T(D

) = D. Então, para toda função integrável f sobre D temos:
__
D
f(x, y) dxdy =
__
D

f(u, v)
¸
¸
¸
¸
∂(x, y)
∂(u, v)
¸
¸
¸
¸
dudv
onde
¸
¸
¸
¸
∂(x,y)
∂(u,v)
¸
¸
¸
¸
é o valor absoluto do determinante Jacobiano e f(u, v) = f(x(u, v), y(u, v)). Emparticular
a área de D é:
A(D) =
__
D
dxdy =
__
D

¸
¸
¸
¸
∂(x, y)
∂(u, v)
¸
¸
¸
¸
dudv
É possível mostrar que o teorema anterior é ainda válido se T não é injetiva num subconjunto
de conteúdo nulo de D

, como no caso de L, no exemplo 1.
Observe que podemos ir do plano uv ao plano xy e vice-versa, pois T é bijetiva.
9.2 Mudança Linear de Coordenadas
Consideremos a seguinte transformação:
x = x(u, v) = a
1
u +b
1
v
y = y(u, v) = a
2
u +b
2
v
onde a
1
b
2
−a
2
b
1
= 0. Como:
¸
¸
¸
¸
∂(x, y)
∂(u, v)
¸
¸
¸
¸
= |a
1
b
2
−a
2
b
1
|,
do teorema anterior, segue:
9.2. MUDANÇA LINEAR DE COORDENADAS 225
Corolário 9.2. Se f(u, v) = f(a
1
u +b
1
v, a
2
u +b
2
v), então:
__
D
f(x, y) dxdy = |a
1
b
2
−a
2
b
1
|
__
D

f(u, v) dudv
Em particular, a área de D é:
A(D) = |a
1
b
2
−a
2
b
1
| A(D

)
Note que:
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
u = u(x, y) =
b
2
x −b
1
y
a
1
b
2
−a
2
b
1
v = v(x, y) =
−a
2
x +a
1
y
a
1
b
2
−a
2
b
1
,
e que
¸
¸
¸
¸
∂(u, v)
∂(x, y)
¸
¸
¸
¸
=
¸
¸
¸
¸
∂(x, y)
∂(u, v)
¸
¸
¸
¸
−1
.
Exemplo 9.3.
[1] Calcule
__
D
xy dxdy, onde D é a região limitada pelas curvas y = 2 x, y = x, y = 2 x − 2 e
y = x + 1.
A presença dos termos 2 x −y e y −x sugerem a seguinte mudança:
_
u = 2 x −y
v = y −x.
A nova região D

é limitada pelas seguintes curvas: u = 0, u = −2, v = 0 e v = 1.
1 2 3
1
2
3
4
1 2 3
1
2
3
4
2 1
1
Figura 9.5: Regiões D

e D, respectivamente.
Note que:
_
x = u +v
y = u + 2 v,
226 CAPÍTULO 9. MUDANÇA DE COORDENADAS
logo,
¸
¸
¸
¸
∂(x, y)
∂(u, v)
¸
¸
¸
¸
= 1 e f(u, v) = (u +v) (u + 2 v) = u
2
+ 3 uv + 2 v
2
. Então:
__
D
xy dxdy =
_
1
0
__
0
−2
(u
2
+ 3 uv + 2 v
2
) du
_
dv = 1.
[2] Calcule
__
D
e
y−x
x+y
dxdy, onde D é a região limitada pela curva y + x = 2 e pelos eixos
coordenados.
A presença dos termos x +y e x −y sugerem a seguinte mudança:
_
u = x +y
v = y −x.
D é limitada pelas curvas x = 0, y = 0 e x + y = 2; então, D

é limitada pelas curvas u = v,
u = −v e u = 2, respectivamente.
1 2
1
2
1 2
1
2
1 2
2
2
Figura 9.6: Regiões D

e D, respectivamente.
¸
¸
¸
¸
∂(u, v)
∂(x, y)
¸
¸
¸
¸
= 2 e
¸
¸
¸
¸
∂(x, y)
∂(u, v)
¸
¸
¸
¸
=
1
2
, f(u, v) = e
v
u
; então:
__
D
e
y−x
x+y
dxdy =
1
2
__
D

e
v
u
dudv =
1
2
_
2
0
__
u
−u
e
v
u
dv
_
du
=
1
2
_
2
0
ue
v
u
¸
¸
¸
¸
v=u
v=−u
du =
e −e
−1
2
_
2
0
udu
= e −e
−1
.
[3] Determine a área da região D limitada pela curva fechada (2 x −4 y + 7)
2
+ (x −5 y)
2
= 16.
Considere a mudança:
_
u = 2 x −4 y + 7
v = x −5 y.
D

é a região limitada pela curva u
2
+v
2
= 16 que é um círculo centrado na origem e de raio 4.
9.2. MUDANÇA LINEAR DE COORDENADAS 227
-10 -5 1
-3
1
-10 -5 1
-3
1
-4 4
4
-4
-4 4
4
-4
Figura 9.7: Regiões D

e D, respectivamente.
¸
¸
¸
¸
∂(u, v)
∂(x, y)
¸
¸
¸
¸
= 6; então
¸
¸
¸
¸
∂(x, y)
∂(u, v)
¸
¸
¸
¸
=
1
6
e:
A(D) =
1
6
__
D

dudv =
1
6
A(D

) =
8
3
πu.a.
[4] Calcule
__
D
cos
_
x −y
x +y
_
dxdy, onde D é a região limitada pela curva y +x = 1 e pelos eixos
coordenados.
A presença dos termos x +y e x −y sugerem a seguinte mudança:
_
u = x −y
v = x +y.
1
1
1
1
1 -1
1
1 -1
1
Figura 9.8: Regiões D

e D, respectivamente.
D

é a região limitada pelas seguintes curvas: u = v, u = −v e v = 1,
¸
¸
¸
¸
∂(x, y)
∂(u, v)
¸
¸
¸
¸
=
1
2
e
f(u, v) = cos
_
u
v
_
; então:
__
D
cos
_
y −x
x +y
_
dxdy =
1
2
__
D

cos
_
u
v
_
dudv =
1
2
_
1
0
__
v
−v
cos
_
u
v
_
du
_
dv
=
1
2
_
1
0
v
_
sen(1) −sen(−1)
_
dv = sen(1)
_
1
0
v dv
=
sen(1)
2
.
228 CAPÍTULO 9. MUDANÇA DE COORDENADAS
[5] Calcule
__
D
y + 2 x
(y −2 x)
2
dxdy, onde D é a região limitada pelas curvas:
y −2 x = 2, y + 2 x = 2, y −2 x = 1, e, y + 2 x = 1.
A presença dos termos y + 2 x e y −2 x sugerem a seguinte mudança:
_
u = y + 2 x
v = y −2 x.
D

é a região limitada pelas seguintes curvas: u = 1, u = 2, v = 1 e v = 2.
-0.5 -1 1 0.5
1
2
-0.5 -1 1 0.5
1
2
1 2
1
2
1 2
1
2
Figura 9.9: Regiões D

e D, respectivamente.
¸
¸
¸
¸
∂(x, y)
∂(u, v)
¸
¸
¸
¸
=
1
4
e f(u, v) =
u
v
2
; então:
__
D
y + 2 x
(y −2 x)
2
dxdy =
1
4
__
D

u
v
2
dudv =
1
4
_
2
1
__
2
1
u
v
2
du
_
dv =
3
16
.
9.3 Mudança Polar de Coordenadas
Um ponto P = (x, y) em coordenadas retangulares tem coordenadas polares (r, θ) onde r é a
distância da origem a P e θ é o ângulo formado pelo eixo dos x e o segmento de reta que liga a
origem a P.
r
x
y
θ
P’
r
P
Figura 9.10: Mudança polar de coordenadas.
9.3. MUDANÇA POLAR DE COORDENADAS 229
A relação entre as coordenadas (x, y) e (r, θ) é dada por:
_
x = r cos(θ)
y = r sen(θ)
onde r =
_
x
2
+y
2
e θ = arctg
_
y
x
_
, x = 0.
Esta mudança é injetiva em D

= {(r, θ)/r > 0, θ
0
< θ < θ
0
+ 2π}, θ
0
=constante.
Note que a região circular D = {(x, y) /x
2
+ y
2
≤ a
2
} corresponde, em coordenadas polares, à
região retangular D

= {(r, θ) /0 ≤ r ≤ a, 0 ≤ θ ≤ 2 π} = [0, a] ×[0, 2 π].
Exemplo 9.4.
[1] A cardióide é uma curva de equação cartesiana x
2
+ y
2
=
_
x
2
+y
2
− y; em coordenadas
polares fica r = 1 −sen(θ), r ≥ 0.
[2] A lemniscata de Bernoulli é uma curva de equação cartesiana (x
2
+y
2
)
2
= a
2
(x
2
− y
2
); em
coordenadas polares fica r
2
= a
2
cos(2θ).
-1 1
-1
-2
Figura 9.11: Cardióide e lemniscata, respectivamente.
[3] O cilindro circular reto de raio a, em coordenadas cartesianas é definido como o seguinte
conjunto C = {(x, y, z) ∈ R
3
/ x
2
+y
2
= a
2
, a ≥ 0}; em coordenadas polares:
C = {(r, θ, z) ∈ R
3
/r = a, 0 ≤ θ ≤ 2 π}.
Calculemos o jacobiano da mudança de coordenadas polares:
¸
¸
¸
¸
∂(x, y)
∂(u, v)
¸
¸
¸
¸
= r > 0. Do teorema
anterior, segue:
Corolário 9.3. Se f(r, θ) = f(r cos(θ), r sen(θ)), então:
__
D
f(x, y) dxdy =
__
D

r f(r, θ) dr dθ
Esta igualdade ainda é válida se D

= {(r, θ)/r ≥ 0, θ
0
≤ θ ≤ θ
0
+ 2π}.
Em particular a área de D é:
A(D) =
__
D
dxdy =
__
D

r dr dθ
230 CAPÍTULO 9. MUDANÇA DE COORDENADAS
9.3.1 Regiões Limitadas por Círculos
Seja a > 0. A região D, limitada pelo círculo x
2
+y
2
= a
2
, em coordenadas polares é dada por:
D

= {(r, θ) ∈ R
2
/0 ≤ r ≤ a, 0 ≤ θ ≤ 2 π}.
Figura 9.12: A região D.
Neste caso:
__
D
f(x, y) dxdy =
_

0
__
a
0
r f(r, θ) dr
_

A região D, limitada pelo círculo (x −a)
2
+y
2
≤ a
2
, em coordenadas polares é:
D

= {(r, θ) ∈ R
2
/0 ≤ r ≤ 2 a cos(θ), −
π
2
≤ θ ≤
π
2
}.
Figura 9.13: A região D.
Neste caso:
__
D
f(x, y) dxdy =
_ π
2

π
2
__
2 acos(θ)
0
r f(r, θ) dr
_

A região D, limitada pelo círculo x
2
+ (y −a)
2
≤ a
2
, em coordenadas polares é:
D

= {(r, θ) ∈ R
2
/0 ≤ r ≤ 2 a sen(θ), 0 ≤ θ ≤ π}.
9.3. MUDANÇA POLAR DE COORDENADAS 231
Figura 9.14: A região D.
Neste caso:
__
D
f(x, y) dxdy =
_
π
0
__
2a sen(θ)
0
r f(r, θ) dr
_

Exemplo 9.5.
[1] Calcule
__
D
(x
2
+y
2
) dxdy, onde D é a região limitada pelas curvas:
x
2
+y
2
= 1, x
2
+y
2
= 4, y = x e y =

3 x
3
,
no primeiro quadrante.
1 2
1
1 2
1
Figura 9.15: A região D.
Usando coordenadas polares, a nova região D

no plano rθ é determinada por:
D

= {(r, θ) /1 ≤ r ≤ 2,
π
6
≤ θ ≤
π
4
}.
Como x
2
+y
2
= r
2
, temos:
__
D
(x
2
+y
2
) dxdy =
__
D

r
3
dr dθ =
_ π
4
π
6
__
2
1
r
3
dr
_
dθ =
5 π
16
.
232 CAPÍTULO 9. MUDANÇA DE COORDENADAS
[2] Calcule
__
D
ln(x
2
+y
2
) dxdy, onde Dé a região limitada pelas curvas x
2
+y
2
= a
2
e x
2
+y
2
=
b
2
, (0 < a < b).
Usando coordenadas polares temos que D

está determinada por: a ≤ r ≤ b e 0 ≤ θ ≤ 2π. Por
outro lado, ln(x
2
+y
2
) = 2 ln(r),
__
D
ln(x
2
+y
2
) dxdy =
__
D

2 r ln(r) dr dθ = 4 π
_
b
a
r ln(r) dr = π (r
2
(2 ln(r) −1))
¸
¸
¸
¸
b
a
= π (2 b
2
ln(b) −2 a
2
ln(a) +a
2
−b
2
).
[3] Determine o volume do sólido situado acima do plano xy e limitado pelos gráficos de z =
x
2
+y
2
e x
2
+y
2
= 2 y.
O gráfico de z = x
2
+y
2
é umparabolóide centrado na origeme o de x
2
+y
2
= 2y é um cilindro
circular reto centrado em (0, 1, 0) e de raio 1, pois, x
2
+y
2
−2 y = x
2
+ (y −1)
2
−1.
2
1
0
1
2
2
1
0
1
2
0
1
2
3
0
0.25
0.5
0.75
1
x
0
0.5
1
1.5
2
y
0
1
2
3
4
z
0.25
0.5
0.75
1
0
1
2
Figura 9.16: O sólido do exemplo [3].
Logo D = {(x, y) ∈ R
2
/x
2
+ (y −1)
2
≤ 1}, em coordenadas polares é:
D

= {(r, θ) ∈ R
2
/0 ≤ r ≤ 2 sen(θ), 0 ≤ θ ≤ π}.
O sólido W é limitado superiormente pelo parabolóide. V =
__
D
(x
2
+y
2
) dxdy. Utilizando
coordenadas polares temos x
2
+y
2
= r
2
e:
V =
__
D
(x
2
+y
2
) dxdy =
__
D

r
3
dr dθ =
_
π
0
__
2sen(θ)
0
r
3
dr
_
dθ = 4
_
π
0
sen
4
(θ) dθ
= −sen
3
(θ) cos(θ) −
3
2
cos(θ) sen(θ) +
3 θ
2
¸
¸
¸
¸
π
0
=

2
u.v.
[4] Calcule o volume do sólido limitado externamente por x
2
+y
2
+z
2
= 25 e internamente por
x
2
+y
2
= 9.
9.3. MUDANÇA POLAR DE COORDENADAS 233
5
0
5
5
0
5
5
0
5
0
1
2
3
4
5
x
0
1
2
3
y
0
1
2
3
4
z
0
1
2
3
4
5
x
0
1
2
Figura 9.17: O sólido do exemplo [4].
3 5
3
5
3 5
3
5
Figura 9.18: A região D.
Pela simetria do sólido, calculamos o volume no primeiro octante e multiplicamos o resultado
por 8.
V = 8
__
D
_
25 −x
2
−y
2
dxdy,
onde D é a projeção do sólido no plano xy. Usando coordenadas polares obtemos a nova região
D

definida por: 3 ≤ r ≤ 5, 0 ≤ θ ≤
π
2
e
_
25 −x
2
−y
2
=

25 −r
2
:
V = 8
__
D
_
25 −x
2
−y
2
dxdy = 8
_ π
2
0
__
5
3
r
_
25 −r
2
dr
_
dθ =
256π
3
u.v.
[5] Calcule o volume do sólido limitado pelo elipsóide
x
2
a
2
+
y
2
b
2
+
z
2
c
2
= 1; a, b, c = 0.
Pela simetria do sólido calculamos o volume relativo ao primeiro octante; logo:
V = 8 c
__
D
¸
1 −
_
x
2
a
2
+
y
2
b
2
_
dxdy.
A região D é limitada pela porção de elipse
x
2
a
2
+
y
2
b
2
= 1 no primeiro quadrante. Usemos
primeiramente a seguinte mudança:
_
x = a u
y = b v;
234 CAPÍTULO 9. MUDANÇA DE COORDENADAS
o determinante Jacobiano da mudança é a b e D

é limitada por u
2
+v
2
= 1. Temos:
V = 8 c
__
D
¸
1 −
_
x
2
a
2
+
y
2
b
2
_
dxdy = 8 a b c
__
D

_
1 −u
2
−v
2
dudv.
Agora, usamos coordenadas polares:
_
u = r cos(θ)
v = r sen(θ).
O determinante Jacobiano é r;

1 −u
2
−v
2
=

1 −r
2
e a nova região D
∗∗
é definida por
0 ≤ r ≤ 1 e 0 ≤ θ ≤
π
2
:
V = 8 a b c
__
D
∗∗
r
_
1 −r
2
dr dθ =
4 a b c π
3
u.v.
Em particular, se a = b = c temos uma esfera de raio a e V =
4 π a
3
3
u.v.
[6] Calcule
_
+∞
0
e
−x
2
dx.
Esta integral é muito utilizada em Estatística. Seja R = [−a, a] ×[−a, a]. Então:
__
R
e
−(x
2
+y
2
)
dxdy =
_
a
−a
__
a
−a
e
−x
2
e
−y
2
dy
_
dx =
__
a
−a
e
−x
2
dx
_ __
a
−a
e
−y
2
dy
_
.
O gráfico de f(x, y) = e
−(x
2
+y
2
)
é:
Figura 9.19:
Se denotamos por L(a) =
_
a
−a
e
−u
2
du = 2
_
a
0
e
−u
2
du, temos:
L
2
(a) =
__
R
e
−(x
2
+y
2
)
dxdy.
Sejam D e D
1
regiões elementares tais que D ⊂ R ⊂ D
1
onde D é a região limitada pelo círculo
inscrito em R e D
1
é a região limitada pelo círculo circunscrito a R:
9.3. MUDANÇA POLAR DE COORDENADAS 235
R
D1
D
Figura 9.20:
Como f(x, y) = e
−(x
2
+y
2
)
é contínua em D
1
e e
−(x
2
+y
2
)
> 0, para todo x, y,
__
D
e
−(x
2
+y
2
)
dxdy ≤ L
2
(a) ≤
__
D
1
e
−(x
2
+y
2
)
dxdy.
Usando coordenadas polares, D é definida por 0 ≤ r ≤ a e 0 ≤ θ ≤ 2π, D
1
é definida por
0 ≤ r ≤

2 a e 0 ≤ θ ≤ 2π; e
−(x
2
+y
2
)
= e
−r
2
e:
_

0
__
a
0
r e
−r
2
dr
_
dθ = π (1 −e
−a
2
);
então,
_
π (1 −e
−a
2
) ≤ L(a) ≤
_
π (1 −e
−2a
2
).
Como lim
a→+∞
_
a
0
e
−u
2
du =
_
+∞
0
e
−u
2
du, temos:
_
+∞
0
e
−u
2
du =

π
2
.
[7] Se D = {(x, y) ∈ R
2
/1 ≤ (x −y)
2
+ (x +y)
2
≤ 4, y ≤ 0, x +y ≥ 0}, calcule:
__
D
e
x+y
x−y
(x −y)
2
dxdy.
Usamos mudança linear:
_
u = x −y
v = x +y.
Logo, a nova região D

é limitada pelas curvas u
2
+v
2
= 1, u
2
+v
2
= 4, v ≤ u e 0 ≤ v:
236 CAPÍTULO 9. MUDANÇA DE COORDENADAS
1 2
1
2
1 2
1
2
Figura 9.21: Região D.
∂(u, v)
∂(x, y)
= 2 então
∂(x, y)
∂(u, v)
=
1
2
e
__
D
e
x+y
x−y
(x −y)
2
dxdy =
1
2
__
D

e
v
u
u
2
dudv.
Usando coordenadas polares obtemos a região D
∗∗
definida por: 1 ≤ r ≤ 2 e 0 ≤ θ ≤
π
4
:
1
2
__
D

e
v
u
u
2
dudv =
1
2
__
D
∗∗
r e
tg(θ)
r
2
cos
2
(θ)
dr dθ =
ln(2)
2
(e −1).
9.3.2 Aplicação
Seja D região do tipo II, limitada por curvas de equações (em forma polar): r = g(θ) e r = h(θ)
e definida por:
D = {(r, θ)/g(θ) ≤ r ≤ h(θ), θ
1
≤ θ ≤ θ
2
},
onde g, h : [θ
1
, θ
2
] −→R são funções contínuas tais que 0 ≤ g(θ) ≤ h(θ).
D
h
g
y
x
θ
1
θ
2
r
θ
D*
θ
2
θ
1
Figura 9.22:
Então:
__
D
f(x, y) dxdy =
_
θ
2
θ
1
__
h(θ
2
)
g(θ
1
)
r f(r, θ) dr
_

9.3. MUDANÇA POLAR DE COORDENADAS 237
Em particular, a área de D é:
A(D) =
__
D
dxdy =
1
2
_
θ
2
θ
1
_
(h(θ))
2
−(g(θ))
2
_

Exemplo 9.6.
[1] Calcule o volume do sólido limitado pelo cone z =
_
x
2
+y
2
e pelo cilindro r = 4 sen(θ),
no primeiro octante.
Usando coordenadas polares temos que o cone escreve-se z = r; no plano r θ o cilindro projeta-
se no círculo r = 4 sen(θ); logo 0 ≤ r ≤ 4 sen(θ) e 0 ≤ θ ≤
π
2
.
-2 -1 1 2
1
2
3
4
-2 -1 1 2
1
2
3
4
0
0.5
1
1.5
2 x
0
1
2
3
4
y
0
1
2
3
4
z
0
0.5
1
1.5
2
0
1
2
3
Figura 9.23:
V =
__
D

r
2
dr dθ =
_ π
2
0
__
4 sen(θ)
0
r
2
dr
_
dθ =
128
9
u.v.
[2] Calcule a área da região limitada pelo interior do círculo r = 4 sen(θ) e pelo exterior do
círculo r = 2.
-2 2
-2
2
-2 2
-2
2
Figura 9.24:
Os círculos se intersectam em: θ =
π
6
e θ =

6
e:
A(D) =
1
2
_ 5π
6
π
6
(16 sen
2
(θ) −4) dθ =
_

3
+ 2

3
_
u.a.
238 CAPÍTULO 9. MUDANÇA DE COORDENADAS
[3] Calcule a área da região limitada por r = 2(1 +sen(θ)).
-2 -1 1 2
1
2
3
4
Figura 9.25:
0 ≤ θ ≤ 2 π. Logo:
A(D) = 2
_

0
(1 +sen(θ))
2
dθ = 6πu.a.
[4] Calcule a área da região limitada por r = sen(3θ).
Figura 9.26:
0 ≤ θ ≤ 2 π. Logo:
A(D) =
1
2
_

0
sen
2
(3θ) dθ =
π
2
u.a.
9.4 Outras Aplicações da Integral Dupla
Como em uma variável, outras aplicações, além do cálculo de volumes, podem ser definidas
através de integrais duplas, tais como, massa total, centro de massa e momento de inércia.
9.4.1 Massa Total
Suponha que uma lâmina fina tem a forma de uma região elementar D e consideremos que
a massa está distribuida sobre D com densidade conhecida, isto é, existe uma função z =
f(x, y) > 0 em D que representa a massa por unidade de área em cada ponto (x, y) ∈ D. Se
a lâmina é feita de material homogêneo, a densidade é constante. Neste caso a massa total da
9.4. OUTRAS APLICAÇÕES DA INTEGRAL DUPLA 239
lâmina é o produto da densidade pela área da lâmina. Quando a densidade f varia de ponto a
ponto em D e f é uma função integrável sobre D, a massa total M(D) de D é dada por:
M(D) =
__
D
f(x, y) dxdy
9.4.2 Momento de Massa
O momento de massa de uma partícula em torno de um eixo é o produto de sua massa pela
distância (na perpendicular) ao eixo. Então, os momentos de massa da lâmina D em relação ao
eixo dos x e dos y são respectivamente:
M
x
=
__
D
y f(x, y) dxdy, M
y
=
__
D
xf(x, y) dxdy
x
y
(x,y) D
Figura 9.27:
9.4.3 Centro de Massa
O centro de massa da lâmina é definido por (x, y), onde:
x =
M
y
M(D)
, y =
M
x
M(D)
Fisicamente (x, y) é o ponto em que a massa total da lâmina poderia estar concentrada sem
alterar seu momento em relação a qualquer dos eixos. Se f(x, y) = k, (k > 0) em todo D, (x, y)
é chamado centróide de D. Neste caso o centro de massa é o centro geométrico da região D.
Exemplo 9.7.
[1] Calcule o centro de massa do retângulo [0, 1] × [0, 1] se a densidade é dada pela função:
f(x, y) = e
x+y
.
A massa total de D = [0, 1] ×[0, 1] é:
M(D) =
_
1
0
__
1
0
e
x+y
dx
_
dy = e
2
−2e + 1.
240 CAPÍTULO 9. MUDANÇA DE COORDENADAS
Os momentos de massa respectivos são:
M
x
=
_
1
0
__
1
0
y e
x+y
dx
_
dy = e −1 e M
y
=
_
1
0
__
1
0
xe
x+y
dx
_
dy = e −1
e o centro de massa de D é (
1
e −1
,
1
e −1
).
[2] Determine o centro de massa da região limitada por um semicírculo D de raio a centrado
na origem, sabendo que sua densidade em cada ponto é proporcional à distância do ponto à
origem.
Figura 9.28:
f(x, y) = k
_
x
2
+y
2
. Calculamos a massa total usando coordenadas polares. A nova região
D

é definida por: 0 ≤ r ≤ a e 0 ≤ θ ≤ π;
_
x
2
+y
2
= r:
M(D) = k
_
π
0
__
a
0
r
2
dr
_
dθ =
k π a
3
3
.
Os momentos de massa respectivos são:
M
x
=
_
a
0
__
π
0
r
3
cos(θ) dθ
_
dr = 0 e M
y
=
_
a
0
__
π
0
r
3
sen(θ) dθ
_
dr =
a
4
2
;
o centro de massa de D é (0,
3 a
2 k π
).
[3] Determine o centróide da região limitada pelas curvas y = x
2
e y = 4 x −x
2
.
1 2
4
2
1 2
4
2
Figura 9.29:
9.4. OUTRAS APLICAÇÕES DA INTEGRAL DUPLA 241
Neste caso f(x, y) = 1 para todo (x, y) ∈ D, onde:
D = {(x, y) ∈ R
2
/0 ≤ x ≤ 2, x
2
≤ y ≤ 4 x −x
2
}
e M(D) = A(D) =
8
3
. Esta área já foi calculada anteriormente.
M
x
=
_
2
0
__
4x−x
2
x
2
y dy
_
dx =
16
3
e M
y
=
_
2
0
__
4x−x
2
x
2
xdy
_
dx =
8
3
;
o centróide de D é (2, 1).
[4] Determine o centro de massa da região limitada pelas curvas y = x +x
2
, y = 0 e x = 2 se a
densidade em cada ponto é f(x, y) =
y
1+x
.
M(D) =
_
2
0
__
x(x+1)
0
y
1 +x
dy
_
dx =
1
2
_
2
0
(x
3
+x
2
) dx =
10
3
,
M
x
=
_
2
0
__
x(x+1)
0
y
2
1 +x
dy
_
dx =
1
2
_
2
0
(x
4
+x
3
) dx =
412
45
,
M
y
=
_
2
0
__
x(x+1)
0
xy
1 +x
dy
_
dx =
1
3
_
2
0
(x
5
+ 2 x
4
+x
3
) dx =
26
5
;
o centro de massa de D é (
39
25
,
206
75
).
9.4.4 Momento de Inércia
Sejam L uma reta no plano, D uma lâmina como antes e δ(x, y) = d((x, y), L), onde d é a
distância no plano e (x, y) ∈ D.
D
L
(x,y)
δ
Figura 9.30:
Se f(x, y) é a densidade emcada ponto de D, o momento de inércia da lâmina emrelação à reta
L é:
I
L
=
__
D
δ
2
(x, y) f(x, y) dxdy
Em particular, se L é o eixo dos x:
I
x
=
__
D
y
2
f(x, y) dxdy
242 CAPÍTULO 9. MUDANÇA DE COORDENADAS
Se L é o eixo dos y:
I
y
=
__
D
x
2
f(x, y) dxdy
O momento de inércia polar em relação à origem é:
I
0
= I
x
+I
y
=
__
D
(x
2
+y
2
) f(x, y) dxdy
O momento de inércia de um corpo em relação a um eixo é sua capacidade de resistir à acele-
ração angular em torno desse eixo.
Exemplo 9.8.
[1] Determine o momento de inércia polar da região limitada pelas curvas y = e
x
, x = 1, y = 0
e x = 0, se a densidade em cada ponto é f(x, y) = xy.
I
x
=
__
D
xy
3
dxdy =
_
1
0
__
e
x
0
xy
3
dy
_
dx =
1
64
(3 e
4
+ 1),
I
y
=
__
D
yx
3
dxdy =
_
1
0
__
e
x
0
y x
3
dy
_
dx =
1
16
(e
2
+ 3);
logo, o momento de inércia polar é:
I
0
= I
x
+I
y
=
1
64
(3 e
4
+ 4 e
2
+ 13).
[2] Uma lâmina fina com densidade constante k é limitada por x
2
+ y
2
= a
2
e x
2
+ y
2
= b
2
,
(0 < a < b). Calcule o momento de inércia polar da lâmina.
Usando coordenadas polares, a nova região é definida por: a ≤ r ≤ b e 0 ≤ θ ≤ 2 π e o momento
de inércia polar é:
I
0
= k
_
2 π
0
__
b
a
r
3
dr
_
dθ =
k (b
4
−a
4

2
.
9.5 Exercícios
1. Determine o volume dos seguintes sólidos:
(a) Limitado superiormente por z = x
2
+ y
2
e inferiormente pela região limitada por
y = x
2
e x = y
2
.
(b) Limitado superiormente por z = 3 x
2
+ y
2
e inferiormente pela região limitada por
y = x e x = y
2
−y.
(c) Limitado por y
2
+z
2
= 4 , x = 2 y, x = 0 e z = 0, no primeiro octante.
(d) Limitado por z = x
2
+y
2
+ 4 , x = 0, y = 0, z = 0 e x +y = 1.
(e) Limitado por x
2
+y
2
= 1 , y = z, x = 0 e z = 0, no primeiro octante.
2. Calcule a área da região limitada pelo eixo dos y e as curvas y = sen(x) e y = cos(x).
3. Calcule a área das regiões limitadas pelas seguintes curvas:
9.5. EXERCÍCIOS 243
(a) y = x
2
, y = 2x +
5
4
(b) y = −x
2
−4, y = −8
(c) y = 5 −x
2
, y = x + 3
(d) x = y
2
, y = x + 3, y = −2, y = 3
(e) y
3
= x, y = x
(f) y = −x
2
−1, y = −2x −4
(g) x = y
2
+ 1, y +x = 7
(h) y = 4 −x
2
, y = x
2
−14
4. Determine o centro de massa da lâmina plana R, no plano xy e densidade dada f:
(a) R é limitado por x
2
+y
2
= 1 no primeiro quadrante e f(x, y) = xy
(b) R é limitado por y = x e y = x
2
e f(x, y) = x
2
+y
2
5. Definimos o valor médio de f sobre a região D por:
V
M
=
1
A
__
D
f(x, y) dxdy,
onde A é a área de D. Calcule V
M
se:
(a) f(x, y) = x
2
, e D do retângulo de vértices (0, 0), (4, 0), (4, 2) e (0, 2)
(b) f(x, y) = x
2
y
2
e D do retângulo de vértices (0, 0), (4, 0), (4, 2) e (0, 2)
(c) f(x, y) = x
2
y
2
e D do triângulo de vértices (0, 0), (4, 0), e (0, 2)
(d) f(x, y) = x
2
y
2
e D do triângulo de vértices (−1, 0), (1, 0), e (0, 1)
Mudanças de Variáveis
1. Utilizando a mudança de variáveis: x = u +v e y = u −v, calcule:
_
1
0
_ _
1
0
_
x
2
+y
2
_
dx
_
dy.
2. Utilizando a mudança de variáveis: x +y = u e x −y = v, calcule:
__
D
_
x +y
_
2
(x −y)
2
dxdy,
onde D é limitado pelo quadrado de vértices (1, 0), (2, 1) e (0, 1).
3. Utilizando a mudança de variáveis: u = x −y e v = x +y, calcule:
__
D
_
x
2
−y
2
_
sen
2
(x +y) dxdy,
onde D = {(x, y)/ −π ≤ x +y ≤ π, −π ≤ x −y ≤ π}.
4. Utilizando coordenadas polares, calcule as seguintes integrais duplas:
244 CAPÍTULO 9. MUDANÇA DE COORDENADAS
(a)
__
D
e
x
2
+y
2
dxdy, sendo D = {(x, y)/x
2
+y
2
≤ 1}
(b)
__
D
ln(x
2
+y
2
) dxdy, sendo D = {(x, y)/x ≥ 0, y ≥ 0, a
2
≤ x
2
+y
2
≤ b
2
}
(c)
__
D
sen(
_
x
2
+y
2
)
_
x
2
+y
2
dxdy, sendo D limitadas por x
2
+y
2
=
π
2
4
e x
2
+y
2
= π
2
5. Calcule a área da região limitada pelas seguintes curvas: x = 4 −y
2
e x + 2 y −4 = 0.
6. Utilizando coordenadas polares, calcule a área da região limitada pelas curvas:
(a) r = 1 e r =
2cos(θ)

3
(fora a circunferência r = 1).
(b) r = 2 (1 +cos(θ)) e r = 2 cos(θ).
(c) r = 2 (1 −cos(θ)) e r = 2.
7. Calcule
__
D
sen(x
2
+y
2
) dxdy, sendo D o disco unitário centrado na origem.
8. Sendo dadas a parábola y
2
= x + 1 e a reta x + y = 1, calcule o momento de inércia em
relação a cada eixo e o momento de inércia polar.
Capítulo 10
INTEGRAÇÃO TRIPLA
10.1 Integração Tripla sobre Paralelepípedos
Este capítulo é totalmente análogo ao anterior.
Sejam R ⊂ R
3
o paralelepípedo retangular definido por R = [a, b] × [c, d] × [p, q] e a função
limitada w = f(x, y, z) definida em R. Consideremos as seguintes partições de ordem n dos
intervalos: [a, b], [c, d] e [p, q]:
a = x
0
< x
1
< ...... . . . . . . < x
n
= b
c = y
0
< y
1
< ...... . . . . . . < y
n
= d
p = z
0
< z
1
< ...... . . . . . . < z
n
= q.
Subdividamos R em n
3
sub-paralelepípedos R
ijk
= [x
i
, x
i+1
] ×[y
j
, y
j+1
] ×[z
k
, z
k+1
].
b
c d
a
p
q
R
Figura 10.1: Subdivisão de R.
Denotemos por ∆x =
b −a
n
, ∆y =
d −c
n
, ∆z =
q −p
n
. Escolhamos c
ijk
∈ R
ijk
e formemos a
245
246 CAPÍTULO 10. INTEGRAÇÃO TRIPLA
seguinte soma de Riemann:
S
n
=
n−1

i=0
n−1

j=0
n−1

k=0
f(c
ijk
)∆x∆y ∆z.
Definição 10.1. Se lim
n→+∞
S
n
existe e é independente da escolha dos c
ijk
∈ R
ijk
e da partição, denomi-
namos este limite de integral tripla de f sobre R e a denotamos por:
lim
n→+∞
S
n
=
___
R
f(x, y, z) dxdy dz
Em tal caso f é dita integrável sobre R.
Teorema 10.1. Se f é contínua em R, então f é integrável sobre R.
Para a prova do teorema veja [EL].
No capítulo anterior vimos que se f(x, y) ≥ 0 e contínua para todo (x, y) ∈ [a, b] × [c, d], a
integral dupla
__
R
f(x, y) dxdy representa o volume do sólido:
W = {(x, y, z) ∈ R
3
/ (x, y) ∈ [a, b] ×[c, d], 0 ≤ z ≤ f(x, y)}.
Para integrais triplas esta interpretação geométrica não é conveniente, pois o gráfico de f é um
subconjunto de R
4
o qual não é possível visualizar.
Mas se f(x, y, z) = 1 para todo (x, y, z) ∈ R:
___
R
f(x, y, z) dxdy dz
representa o volume de R (veja o exemplo 1). Isto se justifica, pois a soma de Riemann corres-
pondente:
S
n
=
n−1

i=0
n−1

j=0
n−1

k=0
∆x∆y ∆z
é a soma dos volumes dos n
3
sub-paralelepípedos formado pela partição; então, lim
n→+∞
S
n
é
exatamente o volume de R.
A integral tripla tem propriedades análogas às das integrais duplas.
Proposição 10.1. Seja x = (x, y, z) ∈ R.
1. Linearidade da integral tripla. Se f e g são funções integráveis sobre R, então para todo
α, β ∈ R, αf +β g é integrável sobre R, e:
___
R
_
αf(x) +β g(x)
_
dxdy dz = α
___
R
f(x) dxdy dz +β
___
R
g(x) dxdy dz
onde x = (x, y, z).
10.1. INTEGRAÇÃO TRIPLA SOBRE PARALELEPÍPEDOS 247
2. Se f e g são integráveis sobre R e g(x) ≤ f(x), para todo x ∈ R, então:
___
R
g(x) dxdy dz ≤
___
R
f(x) dxdy dz
3. Se R é subdividido em k paralelepípedos e f é integrável sobre cada R
i
, i = 1, ..., k então f é
integrável sobre R e,
___
R
f(x) dxdy dz =
k

i=1
___
R
i
f(x) dxdy dz
A prova segue diretamente das definições.
A noção de conteúdo nulo poder ser estendida ao paralelepípedo R de forma completamente
análoga ao caso do retângulo; mudando sub-retângulos por sub-paralelepípedos e área por
volume. Como antes, o teorema é válido se o conjunto de descontinuidades de f é de con-
teúdo nulo. Para integrais triplas continua valendo o teorema de Fubini. Agora temos 3 ! = 9
possíveis integrais iteradas.
Teorema 10.2. (Fubini) Seja f : R −→R contínua em R. Então:
___
R
f(x, y, z) dxdy dz =
_
b
a
__
d
c
__
q
p
f(x, y, z) dz
_
dy
_
dx
=
_
q
p
__
d
c
__
b
a
f(x, y, z) dx
_
dy
_
dz
=
_
d
c
__
b
a
__
q
p
f(x, y, z) dz
_
dx
_
dy
=
_
b
a
__
q
p
__
d
c
f(x, y, z) dy
_
dz
_
dx
= ..................
A prova do teorema de Fubini para integrais triplas é completamente análoga à das integrais
duplas, que pode ser vista no apêndice.
Exemplo 10.1.
[1] Calcule
___
R
dxdy dz, onde R = [a, b] ×[c, d] ×[p, q].
___
R
dxdy dz =
_
b
a
__
q
p
__
d
c
dy
_
dz
_
dx = (d −c) (q −p) (b −a),
que é o volume de R.
[2] Calcule
___
R
xyz dxdy dz, onde R = [0, 1] ×[1, 2] ×[0, 3].
___
R
xyz dxdy dz =
_
2
1
__
1
0
__
3
0
xyz dz
_
dx
_
dy =
9
2
_
2
1
__
1
0
xy dx
_
dy =
27
8
.
248 CAPÍTULO 10. INTEGRAÇÃO TRIPLA
[3] Calcule
___
R
sen(x +y +z) dxdy dz, onde R = [0, π] ×[0, π] ×[0, π].
___
R
sen(x +y +z) dxdy dz =
_
π
0
__
π
0
__
π
0
sen(x +y +z) dz
_
dx
_
dy = −8.
[4] Calcule
___
R
(x
2
+y
2
+z
2
+xy z) dxdy dz, onde R = [0, 1] ×[0, 1] ×[0, 1].
___
R
(x
2
+y
2
+z
2
+xy z) dxdy dz =
_
1
0
__
1
0
__
1
0
(x
2
+y
2
+z
2
+xyz) dz
_
dx
_
dy
=
_
1
0
__
1
0
(x
2
+y
2
+
1
3
+
1
2
xy)) dx
_
dy
=
_
1
0
(
2
3
+
y
4
+y
2
) dy =
9
8
.
10.2 Integrais Triplas sobre Regiões mais Gerais
10.2.1 7.2.1 Regiões Elementares no Espaço
De forma análoga ao estudado no capítulo das integrais duplas definidas em regiões mais
gerais. Consideremos W ⊂ R
3
.
Regiões de tipo I
A região W é do tipo I se pode ser descrita por:
W = {(x, y, z) ∈ R
3
/(x, y) ∈ D, f
1
(x, y) ≤ z ≤ f
2
(x, y)}
onde D é a região elementar do plano, projeção de W no plano xy e f
1
, f
2
: D −→R contínuas,
sendo f
1
≤ f
2
.
D
W
z=f
z=f
2
1
Figura 10.2: Região de tipo I.
10.2. INTEGRAIS TRIPLAS SOBRE REGIÕES MAIS GERAIS 249
Regiões de tipo II
W é do tipo II se pode ser descrita por:
W = {(x, y, z) ∈ R
3
/(x, z) ∈ D, g
1
(x, z) ≤ y ≤ g
2
(x, z)}
onde D é a região elementar do plano, projeção de W no plano xz e g
1
, g
2
: D −→R contínuas,
sendo g
1
≤ g
2
.
W
y=g
y=g
2
1
D
Figura 10.3: Região de tipo II.
Regiões de tipo III
W é do tipo III se pode ser descrita por:
W = {(x, y, z) ∈ R
3
/(y, z) ∈ D, h
1
(y, z) ≤ x ≤ h
2
(y, z)}
onde D é a região elementar do plano, projeção de W no plano yz e h
1
, h
2
: D −→R contínuas,
sendo h
1
≤ h
2
.
W
D
x=h
x=h
1
2
Figura 10.4: Região de tipo III.
250 CAPÍTULO 10. INTEGRAÇÃO TRIPLA
A região W é de tipo IV se é do tipo I, ou tipo II, ou tipo III, como por exemplo região limitada
por uma esfera, ou por um elipsóide.
Em qualquer dos casos anteriores, W é chamada região elementar do espaço. As regiões W
são conjuntos fechados e limitados emR
3
. Alguns exemplos de regiões elementares:
Figura 10.5: Regiões elementares do espaço.
10.3 Extensão da Integral Tripla
Seja W uma região elementar em R
3
tal que W ⊂ R, R um paralelepípedo como antes. Se
f : W −→R é uma função contínua, definamos f

: R −→R por
f

(x, y, z) =
_
f(x, y, z) se (x, y, z) ∈ W
0 se (x, y, z) ∈ R −W.
Se ∂W tem conteúdo nulo, então, f

é integrável sobre R e definimos a integral tripla de f
sobre W como:
___
W
f(x, y, z) dxdy dz =
___
R
f

(x, y, z) dxdy dz.
Em tal caso dizemos que f é integrável sobre W. A integral não depende da escolha do para-
lelepípedo R.
Proposição 10.2. Seja f : W ⊂ R
3
−→R contínua.
1. Se W é do tipo I:
___
W
f(x, y, z) dxdy dz =
__
D
__
f
2
(x,y)
f
1
(x,y)
f(x, y, z) dz
_
dxdy
2. Se W é do tipo II:
___
W
f(x, y, z) dxdy dz =
__
D
__
g
2
(x,z)
g
1
(x,z)
f(x, y, z) dy
_
dxdz
10.3. EXTENSÃO DA INTEGRAL TRIPLA 251
3. Se W é do tipo III:
___
W
f(x, y, z) dxdy dz =
__
D
__
h
2
(y,z)
h
1
(y,z)
f(x, y, z) dx
_
dy dz
Observe que emtodos os casos anteriores D é uma região elementar do plano e, portanto, pode
ser do tipo I, II ou III; dependendo do tipo continuamos com a integral dupla.
Volume : Em particular, se f(x, y, z) = 1 para todo (x, y, z) ∈ W, então:
___
W
dxdy dz = V (W)
onde V (W) é o volume de W.
Exemplo 10.2.
[1] Calcule I =
_
2
0
_
4−x
2
0
_
x
0
sen(2 z)
4 −z
dy dz dx.
Note que I =
__
D
_ _
x
0
sen(2 z)
4 −z
dy
_
dz dx, onde D = {(x, z) / 0 ≤ x ≤ 2, 0 ≤ z ≤ 4 −x
2
}:
2
4
2
4
Figura 10.6:
Calculamos primeiro
_
x
0
sen(2 z)
4 −z
dy =
xsen(2 z)
4 −z
; a seguir, precisamos calcular:
__
D
xsen(2 z)
4 −z
dz dx,
onde consideramos D = {(x, z) / 0 ≤ x ≤

4 −z, 0 ≤ z ≤ 4} como uma região de tipo III;
logo,
I =
_
4
0
_

4−z
0
xsen(2 z)
4 −z
dxdz =
_
4
0
sin(2 z)
2
dz =
1 −cos(8)
4
.
[2] Calcule o volume do sólido limitado por z +x
2
= 9, z +y = 4, y = 0 e y = 4.
O sólido é limitado superiormente por z = 9 −x
2
e inferiormente por z = 4 −y. W é do tipo I.
252 CAPÍTULO 10. INTEGRAÇÃO TRIPLA
-5
-2.5
0
2.5
5
-5
0
5
10
0
2
4
6
8
10
-5
-2.5
0
2.5
5 x
y
z
Figura 10.7: Sólido do exemplo [2].
W = {(x, y, z) ∈ R
3
/(x, y) ∈ D, 4 −y ≤ z ≤ 9 −x
2
},
Determinação de D: A região D é a projeção de W no plano xy; para determinar D basta
eliminarmos z das equações ou, equivalentemente achar a interseção de ambas as superfícies:
_
z = 9 −x
2
z = 4 −y;
obtemos x
2
= y + 5 e D = {(x, y) ∈ R
2
/ −

y + 5 ≤ x ≤

y + 5, 0 ≤ y ≤ 4}.
-3 3
4
-3 3
4
Figura 10.8: A região D.
Logo, V (W) =
___
W
dxdy dz =
_
4
0
__

y+5


y+5
__
9−x
2
4−y
dz
_
dx
_
dy; então:
V (W) =
_
4
0
__

y+5


y+5
_
5 −x
2
+y
_
dx
_
dy =
_
4
0
_
5x −
x
3
3
+xy
_
¸
¸
¸
¸

y+5


y+5
dy
=
4
3
_
4
0
(y + 5)
3
2
dy =
8
15
(y + 5)
5
2
¸
¸
¸
¸
3
0
=
648
5

40

5
3
u.v.
10.4. EXERCÍCIOS 253
[3] Calcule
___
W
xdxdy dz onde W é limitado por z = x
2
+y
2
, z = 2, no primeiro octante.
Se considerarmos W como região de tipo II, W é definida por 0 ≤ y ≤

z −x
2
e D é a projeção
de W no plano xz; fazendo y = 0 obtemos a parábola z = x
2
e z = 2; logo, D é definida por
0 ≤ x ≤

z e 0 ≤ z ≤ 2.
0
1
2
3
x
0
1
2
3
y
0
1
2
3
4
z
0
1
2
3
x
0
1
2
1
2
1
1
2
1
Figura 10.9: O sólido e a região do exemplo [2].
___
W
xdxdy dz =
_
2
0
__

z
0
_
_

z−x
2
0
xdy
_
dx
_
dz
=
_
2
0
__

z
0
_
x
_
z −x
2
_
dx
_
dz
=
1
3
_
2
0
z
3
2
dz
=
8

2
15
.
10.4 Exercícios
1. Calcule as seguintes integrais:
(a)
_
3
0
_
2
0
_
1
0
(x
2
+y
2
+z
2
) dxdy dz
(b)
_
1
−1
_
1
−1
_
1
−1
x
2
y
2
z
2
dxdy dz
(c)
_
1
0
_
x
0
_
xy
0
xdz dy dx
(d)
_
4
0
_
π
0
_
1−x
0
x
2
sen(y) dz dxdy
(e)
_ π
2
0
_
y
0
_ 1
y
0
sen(y) dz dxdy
254 CAPÍTULO 10. INTEGRAÇÃO TRIPLA
(f)
_
1
−2
_
x
0
_
y
0
x
2
z
4
dz dy dx
2. Considere o sólido limitado por x + y + z = 3, x + y − z = 1 e os planos coordenados.
Calcule o volume do sólido, fazendo:
(a)
_ _ _ _ _
dz
_
dy
_
dx
(b)
_ _ _ _ _
dx
_
dy
_
dz
(c)
_ _ _ _ _
dy
_
dx
_
dz
(d)
_ _ _ _ _
dx
_
dz
_
dy
3. Calcule
___
W
xdxdy dz se W é o paralelepípedo limitado pelos planos x = 2, y = 3 e
z = 1.
4. Calcule
___
W
z
2
dxdy dz se W é o sólido limitado pelo cilindro x
2
+y
2
= 1 e pelos planos
z = 0 e z = 4.
5. Calcule
___
W
dxdy dz
(x +y +z + 1)
3
se W é o sólido limitado pelo plano x +y +z = 1 e pelos
planos coordenados.
6. Calcule
___
W
(x
3
+y
3
+z
3
) dxdy dz se W é o sólido limitado pela esfera:
(x −a)
2
+ (y −a)
2
+ (z −a)
2
= a
2
.
7. Calcule
___
W
z
_
x
2
+y
2
dxdy dz se W é o sólido limitado pelo cilindro x
2
+ y
2
= 2 x e
os planos y = 0, z = 0 e z = a.
8. Determine o volume do sólido limitado pelos planos 4 y + 2 x + z = 8, x = 0, y = 0 e
z = 0.
9. Determine o volume do sólido limitado por z = 9 −x
2
, z = 5 −y, y = 0 e y = 5.
Capítulo 11
MUDANÇA DE COORDENADAS
11.1 Introdução
Sejam W

uma região elementar no espaço e x, y e z as seguintes funções:
x, y, z : W

−→R,
onde x = x(u, v, w), y = y(u, v, w) e z = z(u, v, w) são funções contínuas e com derivadas par-
ciais contínuas num paralelepípedo aberto R tal que W

⊂ R, Estas três funções determinam
uma transformação do espaço uvw no espaço xyz. De fato:
T : W

−→R
3
,
onde T(u, v, w) = (x(u, v, w), y(u, v, w), z(u, v, w)).
A transformação T é também denotada por:
_
¸
_
¸
_
x = x(u, v, w)
y = y(u, v, w)
z = z(u, v, w), (u, v, w) ∈ W

Denotemos a imagem de W

por T como W = T(W

), contida no espaço xyz.
Definição 11.1.
1. T é injetiva em W

se T((u
1
, v
1
, w
1
)) = T((u
2
, v
2
, w
2
)) para todos (u
1
, v
1
, w
1
), (u
2
, v
2
, w
2
) ∈
W

implica em u
1
= u
2
, v
1
= v
2
e w
1
= w
2
.
2. O determinante Jacobiano de T é denotado e definido por:
∂(x, y, z)
∂(u, v, w)
= det
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
∂x
∂u
∂x
∂v
∂x
∂w
∂y
∂u
∂y
∂v
∂y
∂w
∂z
∂u
∂z
∂v
∂z
∂w
_
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
¸
_
,
onde as derivadas parciais são calculadas no ponto (u, v, w) ∈ W

.
255
256 CAPÍTULO 11. MUDANÇA DE COORDENADAS
Teorema 11.1. Sejam W e W

regiões elementares no espaço, T uma transformação de classe C
1
e
injetiva em W

. Suponha que T(W

) = W. Então para toda função integrável f sobre W temos:
___
W
f(x, y, z) dxdy dz =
___
W

f(u, v, w)
¸
¸
¸
¸
∂(x, y, z)
∂(u, v, w)
¸
¸
¸
¸
dudv dw
onde f(u, v, w) = f(x(u, v, w), y(u, v, w), z(u, v, w)) e
¸
¸
¸
¸
∂(x, y, z)
∂(u, v, w)
¸
¸
¸
¸
é o valor absoluto do determinante
Jacobiano.
Novamente, é possível mostrar que o teorema anterior é ainda válido se T não é injetiva num
subconjunto de W

que seja de conteúdo nulo.
11.2 Coordenadas Cilíndricas
Se P = (x, y, z) é um ponto no espaço xyz, suas coordenadas cilíndricas são (r, θ, z), onde (r, θ)
são as coordenadas polares da projeção de P no plano xy e são definidas por:
_
¸
_
¸
_
x = r cos(θ),
y = r sen(θ),
z = z,
ou, explicitamante r =
_
x
2
+y
2
, z = z e:
θ =
_
¸
¸
¸
_
¸
¸
¸
_
arctg
_
y
x
_
se x, y > 0,
π +arctg
_
y
x
_
se x < 0,
2π +arctg
_
y
x
_
se x > 0, y < 0.
Se x = 0, então θ =
π
2
quando y > 0 e θ =

2
quando y < 0. Se x = y = 0, θ não é definido.
(x,y,z)
r
θ
(x,y,0)
Figura 11.1: Coordenadas cilíndricas.
11.2. COORDENADAS CILÍNDRICAS 257
Esta transformação é injetiva no seguinte subconjunto:
{(r, θ, z)/r > 0, θ
0
< θ < θ
0
+ 2π, z ∈ (−∞, +∞)}
e o jacobiano da transformação é:
∂(x, y, z)
∂(r, θ, z)
= r
Exemplo 11.1.
[1] O cilindro circular reto C de raio a: C = {(x, y, z) ∈ R
3
/ x
2
+y
2
= a
2
, z ∈ (−∞, +∞)}.
Em coordenadas cilíndricas x
2
+y
2
= r
2
; logo r = a, então:
C = {(r, θ, z) ∈ R
3
/ r = a, 0 ≤ θ ≤ 2 π, z ∈ (−∞, +∞)}.
[2] O cone com base num disco D de raio 1.5 centrado na origem e altura 3.
Em coordenadas cilíndricas:
z = z, 0 ≤ r ≤
3
2
, 0 ≤ θ ≤ 2 π
logo, o cone em coordenadas cilíndricas:
S = {r, θ, z) ∈ R
3
/ 0 ≤ r ≤
3
2
, 0 ≤ θ ≤ 2 π, 0 < z < 3}.
0
1
2
3
Figura 11.2: O cone do exemplo [2].
Do teorema anterior:
Corolário 11.2. Seja f(r, θ, z) = f(r cos(θ), r sen(θ), z); então:
___
W
f(x, y, z) dxdy dz =
___
W

r f(r, θ, z) dr dz dθ
Esta igualdade ainda é válida se W

= {(r, θ, z)/r ≥ 0, θ
0
≤ θ ≤ θ
0
+ 2π, z ∈ (−∞, +∞)}. Em
particular, se f(x, y, z) = 1 para todo (x, y, z, ) ∈ W, então:
V (W) =
___
W

r dz dr dθ.
258 CAPÍTULO 11. MUDANÇA DE COORDENADAS
Exemplo 11.2.
[1] Determine o volume do sólido limitado por x
2
+y
2
= a
2
, z = 0 e z = b; a, b = 0.
O sólido W é um cilindro centrado na origem, de raio a e altura z tal que 0 ≤ z ≤ b. Usando
coordenadas cilíndricas obtemos a nova região W

definida por: 0 ≤ r ≤ a, 0 ≤ θ ≤ 2 π e
0 ≤ z ≤ b:
V (W) =
___
W
r dz dr dθ =
_
b
0
__
2 π
0
__
a
0
r dr
_

_
dz = π a
2
b u.v.
[2] Calcule
___
W
xdxdy dz, onde W é limitado por x = 0, y = 0, z = 4 e z = x
2
+y
2
.
O sólido W é definido por x
2
+ y
2
≤ z ≤ 4. Usando coordenadas cilíndricas obtemos a nova
região W

definida por: r
2
≤ z ≤ 4, 0 ≤ r ≤ 2 e 0 ≤ θ ≤
π
2
; D é a projeção do parabolóide no
plano xy, no primeiro quadrante:
0
1
2
3
x
0
1
2
3
y
0
1
2
3
4
z
0
1
2
3
x
0
1
2
1 2
2
1
1 2
2
1
Figura 11.3: O sólido e a região do exemplo [2], respectivamente.
___
W
xdxdy dz =
___
W

r
2
cos(θ) dz dr dθ =
_ π
2
0
__
2
0
__
4
r
2
r
2
cos(θ)dz
_
dr
_
dθ =
64
15
.
[3] Calcule
___
W
_
x
2
+y
2
dxdy dz, onde W é o sólido limitado por x
2
+y
2
= 1, z = 1−x
2
−y
2
abaixo do plano z = 4.
11.2. COORDENADAS CILÍNDRICAS 259
Figura 11.4: Vistas do sólido do exemplo [3].
W é determinado por 1 −x
2
−y
2
≤ z ≤ 4. A projeção no plano xy é limitada por x
2
+y
2
≤ 1.
1 -1
-1
1
1 -1
-1
1
Figura 11.5: A região D.
Usando coordenadas cilíndricas obtemos a nova região W

determinada por: 1 − r
2
≤ z ≤ 4,
0 ≤ r ≤ 1 e 0 ≤ θ ≤ 2 π; logo:
___
W
_
x
2
+y
2
dxdy dz =
_

0
_ _
1
0
_ _
4
1−r
2
r
2
dz
_
dr
_
dθ =
12 π
5
.
[4] Calcule
___
W
z dxdy dz, onde W é limitado por z =
_
8 −x
2
−y
2
e z =
_
x
2
+y
2
.
260 CAPÍTULO 11. MUDANÇA DE COORDENADAS
Figura 11.6: O sólido do exemplo [4].
W é determinado por
_
x
2
+y
2
≤ z ≤
_
8 −x
2
−y
2
. A projeção no plano xy é limitada por
x
2
+ y
2
≤ 4. Usando coordenadas cilíndricas obtemos a nova região W

determinada por:
r ≤ z ≤

8 −r
2
, 0 ≤ r ≤ 2 e 0 ≤ θ ≤ 2 π; logo:
___
W
z dxdy dz =
_
2
0
__

0
__

8−r
2
r
r z dz
_

_
dr = 8 π.
[5] Determine o volume do sólido limitado por uma esfera de raio a.
Pela simetria do sólido calculamos o volume da calota superior da esfera e multiplicamos o re-
sultado por 2. O sólido é definido por 0 ≤ z ≤
_
a
2
−x
2
−y
2
. Usando coordenadas cilíndricas
temos que o novo sólido é definido por 0 ≤ z ≤

a
2
−r
2
, 0 ≤ r ≤ a e 0 ≤ θ ≤ 2 π; logo:
V (W) = 2
___
W
dxdy dz = 2
_
a
0
__

0
__

a
2
−r
2
0
r dz
_

_
dr =
4
3
π a
3
u.v.
[6] Determine o volume do sólido limitado por z =
_
1 −x
2
−y
2
e z + 1 =
_
x
2
+y
2
.
Figura 11.7: O sólido do exemplo [6].
11.3. COORDENADAS ESFÉRICAS 261
W é definido por
_
x
2
+y
2
− 1 ≤ z ≤
_
1 −x
2
−y
2
. Usando coordenadas cilíndricas temos
que o novo sólido é definido por r −1 ≤ z ≤

1 −r
2
, 0 ≤ r ≤ 1 e 0 ≤ θ ≤ 2 π; logo:
V (W) =
___
W
dxdy dz = 2
_
1
0
__

0
__

1−r
2
r−1
r dz
_

_
dr = πu.v.
[7] Determine o volume do sólido limitado por z = 9 −x
2
−y
2
e z = 1 +x
2
+y
2
.
Figura 11.8: O sólido do exemplo [7].
W é definido por 1 + x
2
+ y
2
≤ z ≤ 9 − x
2
− y
2
. Usando coordenadas cilíndricas temos que o
novo sólido é definido por 1 +r
2
≤ z ≤ 9 −r
2
, 0 ≤ r ≤ 2 e 0 ≤ θ ≤ 2 π; logo:
V (W) =
___
W
dxdy dz =
_

0
__
2
0
__
9−r
2
1+r
2
r dz
_
dr
_
dθ = 16 πu.v.
11.3 Coordenadas Esféricas
Seja P = (x, y, z) um ponto no espaço xyz. Suas coordenadas esféricas são (ρ, θ, φ) onde ρ é a
distância do ponto P à origem, θ é o ângulo formado pelo eixo positivo dos x e o segmento de
reta que liga (0, 0, 0) a (x, y, 0) e φ é o ângulo formado pelo eixo positivo dos z e o segmento de
reta que liga P à origem:
_
¸
_
¸
_
x = ρ sen(φ) cos(θ)
y = ρ sen(φ) sen(θ)
z = ρ cos(φ),
onde ρ =
_
x
2
+y
2
+z
2
> 0, 0 ≤ θ < 2 π e 0 ≤ φ ≤ π, o que define uma região no espaço ρθφ.
262 CAPÍTULO 11. MUDANÇA DE COORDENADAS
(x,y,z)
(x,y,0)
θ
φ
Figura 11.9: Coordenadas esféricas.
O jacobiano da transformação é:
∂(x, y, z)
∂(ρ, θ, φ)
= −ρ
2
sen(φ)
Exemplo 11.3.
[1] Em coordenadas esféricas uma esfera de raio a é:
S = {(ρ, φ, θ) ∈ R
3
/ρ = a, 0 ≤ φ ≤ π, 0 ≤ θ ≤ 2 π}.
[2] Os cones circulares com eixos coincidentes com o eixo dos z são caracterizados por:
S = {(ρ, φ, θ) ∈ R
3
/ ρ ∈ [0, +∞), φ = c
0
, 0 ≤ θ ≤ 2 π},
onde c
0
∈ R.
Casos particulares:
Se c
0
= 0 e φ = 0, S representa o semi-eixo positivo dos z.
Se c
0
= π e φ = π, S representa o semi-eixo negativo dos z.
Se c
0
=
π
2
e φ =
π
2
, S representa o plano xy.
Se 0 < c
0
<
π
2
e φ = c
0
, o cone "abre"para cima.
Se
π
2
< c
0
< π e φ = c
0
, o cone "abre"para baixo.
[3] O sólido limitado por x
2
+ y
2
+ z
2
≥ 1 e x
2
+ y
2
+ z
2
≤ 4 em coordenadas esféricas é dado
por:
W = {(ρ, φ, θ) ∈ R
3
/ ρ ∈ [1, 2], 0 ≤ φ ≤ π, 0 ≤ θ ≤ 2 π}.
11.3. COORDENADAS ESFÉRICAS 263
2
1
0
1
2
2
1
0
1
2
2
1
0
1
2
Figura 11.10: Sólido do exemplo [3].
Do teorema anterior:
Corolário 11.3. Seja f(ρ, θ, φ) = f(ρcos(θ)sen(φ), ρsen(θ)sen(φ), ρcos(φ)), então:
___
W
f(x, y, z) dxdy dz =
___
W

ρ
2
sen(φ) f(ρ, θ, φ) dρ dθ dφ
Esta igualdade ainda é válida se W

= {(ρ, θ, φ) / ρ ∈ [0, +∞), 0 ≤ θ ≤ 2 π, 0 ≤ φ ≤ π}. Em
particular, se f(x, y, z) = 1 para todo (x, y, z, ) ∈ W, então:
V (W) =
___
W

ρ
2
sen(φ) dρ dθ dφ
Exemplo 11.4.
[1] Calcule o volume do sólido limitado por uma esfera de raio a centrada na origem.
___
W
dxdy dz =
_
a
0
__
π
0
__

0
ρ
2
sen(φ) dθ
_

_

= 2π
_
a
0
__
π
0
ρ
2
sen(φ) dφ
_

=
2
3
πa
3
_
π
0
sen(φ) dπ
=
4
3
πa
3
u.v.
[2] Calcule
___
W
e

(x
2
+y
2
+z
2
)
3
dxdy dz onde W é o sólido limitado por x
2
+y
2
+z
2
= 1.
Usando coordenadas esféricas temos 0 ≤ ρ ≤ 1, 0 ≤ θ ≤ 2 π e 0 ≤ φ ≤ π, que define uma região
264 CAPÍTULO 11. MUDANÇA DE COORDENADAS
no espaço ρθφ. Por outro lado e

(x
2
+y
2
+z
2
)
3
= e
ρ
3
___
W
e
(x
2
+y
2
+z
2
)
3
2
dxdy dz =
_
1
0
__
π
0
__

0
ρ
2
e
ρ
3
sen(φ) dθ
_

_

= 2π
_
1
0
__
π
0
_
ρ
2
e
ρ
3
sen(φ)
_

_

= 4π
_
1
0
ρ
2
e
ρ
3

=
4
3
π(e −1).
[3] Calcule
___
W
_
x
2
+y
2
+z
2
dxdy dz onde W é o sólido limitado inferiormente por
z =
_
x
2
+y
2
e superiormente por x
2
+y
2
+ (z −
1
2
)
2
=
1
4
.
0
0
0
1
0
0
Figura 11.11: Sólido do exemplo [3].
A esfera x
2
+y
2
+ (z −
1
2
)
2
=
1
4
, em coordenadas esféricas, tem como equação: ρ = cos(φ) e o
cone: φ =
π
4
; logo, 0 ≤ ρ ≤ cos(φ), 0 ≤ φ ≤
π
4
e 0 ≤ θ ≤ 2 π:
___
W
_
x
2
+y
2
+z
2
dxdy dz =
_ π
4
0
__
cos(φ)
0
__

0
ρ
3
sen(φ) dθ
_

_

= 2π
_ π
4
0
__
cos(φ)
0
ρ
3
sen(φ) dρ
_

=
π
2
_ π
4
0
cos
4
(φ) sen(φ) dφ
=
π
10
(1 −

2
8
).
[4] Calcule
___
W
e
(x
2
+y
2
+z
2
)
3
2
dxdy dz onde W é o sólido limitado pela esfera centrada na ori-
gem de raio 4 e os cones z =
_
3(x
2
+y
2
) e z =
_
x
2
+y
2
3
.
11.4. EXERCÍCIOS 265
-4
-2
0
2
4
-4
-2
0
2
4
0
1
2
3
4
0
1
2
3
Figura 11.12: Sólido do exemplo [4].
Usando coordenadas esféricas a equação da esfera x
2
+ y
2
+ z
2
= 16 é ρ = 4 e as dos cones
z =
_
3(x
2
+y
2
) e z =
_
x
2
+y
2
3
são, φ =
π
6
e φ =
π
3
, respectivamente; logo, a região no
espaço ρθφ é definida por: 0 ≤ ρ ≤ 4, 0 ≤ θ ≤ 2π e
π
6
≤ φ ≤
π
3
:
___
W
e
(x
2
+y
2
+z
2
)
3
2
dxdy dz =
_

0
__ π
3
π
6
__
4
0
ρ
2
e
ρ
3
sen(φ) dρ
_

_
dθ =
π
3
(

3 −1)(e
64
−1).
11.4 Exercícios
1. Faça a mudança de variável necessária para calcular as seguintes integrais:
(a)
_
2
−2
_

4−x
2


4−x
2
_
4
x
2
+y
2
xdz dy dx.
(b)
_
2
0
_

4−x
2
0
_

16−x
2
−y
2
0
_
x
2
+y
2
dz dy dx.
(c)
_
1
−1
_

1−x
2


1−x
2
_
1+

1−x
2
−y
2
1
xdz dy dx.
(d)
_
1
0
_

1−x
2
0
_

1−x
2
−y
2
0
_
x
2
+y
2
+z
2
dz dy dx.
2. Calcule:
(a)
__
W
xdxdy dz, onde W é o sólido limitado pelos planos x = 0, y = 0, z = 2 e pelo
parabolóide z = x
2
+y
2
.
266 CAPÍTULO 11. MUDANÇA DE COORDENADAS
(b)
__
W
xdxdy dz, onde W é o sólido limitado pelo parabolóide x = 4 z
2
+ 4 y
2
e pelo
plano x = 4.
(c)
__
W
6 xy dxdy dz, onde W está acima da região plana limitada pelas curvas y =

x,
y = 0, x = 1 e abaixo do plano z = 1 +x +y.
(d)
__
W
xy dxdy dz, onde W é o tetraedro de vértices (0, 0, 0), (1, 0, 0), (0, 2, 0) e (0, 0, 3).
3. Determine o volume:
(a) do sólido limitado pelo cilindro x = y
2
e pelos planos z = 0 e x +z = 1.
(b) do sólido limitado pelo cilindro y = cos(x) e pelos planos z = y, x = 0, x =
π
2
e
z = 0.
4. O valor médio de uma função w = f(x, y, z) sobre a região W é definido por:
V
M
=
1
vol(W)
___
W
f(x, y, z) dxdy dz.
Determine o valor médio da função f(x, y, z) = xy z sobre o cubo com lados de compri-
mento L que está no primeiro octante com um vértice na origem e arestas paralelas aos
eixos coordenados.
5. Calcule, usando coordenadas cilíndricas:
(a)
___
W
_
x
2
+y
2
dxdy dz, onde W é a região contida dentro do cilindro x
2
+y
2
= 16
e entre os planos z = −5 e z = 4.
(b)
___
W
_
x
2
+y
2
_
dxdy dz, onde W é o cone
_
x
2
+y
2
≤ z ≤ 1.
(c)
___
W
_
1 +
_
x
2
+y
2
_
dxdy dz, onde W = {(x, y, z) ∈ R
3
/
_
x
2
+y
2
≤ z ≤ 1}.
6. Calcule, usando coordenadas esféricas:
(a)
___
W
_
x
2
+y
2
+z
2
dxdy dz, onde W é o sólido limitado por abaixo pelo cone ρ =
π
6
e acima pela esfera ρ = 2.
(b)
___
W
_
x
2
+y
2
+z
2
_
dxdy dz, onde W = {(x, y, z) ∈ R
3
/ x
2
+y
2
+z
2
≤ 1}.
(c)
___
W
dxdy dz
__
x
2
+y
2
+z
2
_
3
, onde W é o sólido limitado pelas esferas x
2
+y
2
+z
2
= a
2
e x
2
+y
2
+z
2
= b
2
, (a < b).
(d)
___
W
dxdy dz
z
2
, onde W é o sólido limitado pelas superfícies
z =
_
x
2
+y
2
, z =
_
1 −x
2
−y
2
e z =
_
4 −x
2
−y
2
.
11.4. EXERCÍCIOS 267
(e)
___
W
_
x
2
+y
2
+z
2
dxdy dz, onde
W = {(x, y, z) ∈ R
3
/ x
2
+y
2
+z
2
≤ 2 z , 1 ≤ z}.
7. Calcule o volume do sólido limitado:
(a) Por z = 4 −x
2
−y
2
e pelo plano xy.
(b) Por z = x
2
+y
2
e x
2
+y
2
+z
2
= 2.
(c) Por z = x
2
+ 9 y
2
e z = 18 −x
2
−9 y
2
.
(d) Por z = 2 x
2
+ 2 y
2
e z = 48 −x
2
−y
2
.
8. Calcule
___
W
_
x
2
a
2
+
y
2
b
2
+
y
2
c
2
_
dxdy dz, onde a, b, c > 0 e o sólido definido por:
W = {(x, y, z) ∈ R
3
/
x
2
a
2
+
y
2
b
2
+
y
2
c
2
≤ 1}.
9. Calcule
___
W
xy z dxdy dz, onde W é formado pelo primeiro octante do elipsóide do
exercício anterior, (x, y, z ≥ 0).
10. Utilizando coordenadas cilíndricas, calcule:
(a)
___
W
(x
2
+y +z
2
)
3
dxdy dz, onde W é o sólido limitado pelo cilindro x
2
+z
2
= 1 e
pelos planos y = 0 e y = 1.
(b)
___
W
(x
2
+y
2
) dxdy dz, onde W é o sólido limitado por 2 z = x
2
+y
2
e z = 2.
(c)
___
W
dxdy dz, onde W é o sólido limitado por x
2
+ y
2
+z
2
= 2 Rz, x
2
+y
2
= z
2
e
que contem o ponto (0, 0, R).
11. Utilizando coordenadas esféricas, calcule:
(a)
___
W
(x
2
+y
2
) dxdy dz, onde W = {(x, y, z) ∈ R
3
/ x
2
+y
2
+z
2
≤ a
2
, z ≥ 0}.
(b)
___
W
_
1 + (x
2
+y
2
+z
2
)
3/2
dxdy dz, onde W = {(x, y, z) ∈ R
3
/ x
2
+y
2
+z
2
≤ 1}.
(c)
___
W
_
x
2
+y
2
+z
2
dxdy dz, onde W = {(x, y, z) ∈ R
3
/ x
2
+y
2
+z
2
≤ x}.
(d)
___
W
a dxdy dz, onde W = {(x, y, z) ∈ R
3
/ x
2
+y
2
+z
2
≤ 1, x ≥ 0}.
12. Calcule o volume do sólido limitado:
(a) pelo cilindro x
2
+ 4 y
2
= 4 e pelos planos z = 0 z = x + 2
268 CAPÍTULO 11. MUDANÇA DE COORDENADAS
(b) pelo parabolóide z = x
2
+y
2
e pelo plano z = x
(c) pelos parabolóides z = 9 x
2
+y
2
e z = 18 −9 x
2
−y
2
(d) pelas superfícies z =
_
x
2
+y
2
e z = x
2
+y
2
(e) pela superfície z = 4 −4 x
2
−y
2
e o plano xy
(f) pelos cilindros x
2
+z
2
= 1 e y
2
+z
2
= 1.
(g) pelos planos z = 0, y = 0, z = x e pelo cilindro x
2
+y
2
= 9
13. Se W é umsólido não homogêneo comdensidade emcada ponto dada por w = f(x, y, z),
a massa de W é definida por:
M
W
=
___
W
f(x, y, z) dxdy dz.
As coordenadas do centro de massa do sólido W são definidas por:
x =
___
W
xf(x, y, z) dxdy dz
M
W
, y =
___
W
y f(x, y, z) dxdy dz
M
W
e
z =
___
W
z f(x, y, z) dxdy dz
M
W
(a) Calcule a massa de W = {(x, y, z) ∈ R
3
/ x
2
+ y
2
≤ 9, 0 ≤ z ≤ 9 − x
2
− y
2
} se a
densidade é f(x, y, z) = z
(b) Calcule o centro de massa do sólido limitado por z
2
= xy, x = 5, y = 5 e z = 0 se a
densidade é f(x, y, z) = 1
(c) Calcule o centro de massa do sólido limitado pela esfera x
2
+y
2
+z
2
= a
2
e situado
acima do plano z = 0, sabendo que a densidade em cada ponto é proporcional á
distância do ponto ao centro da esfera.
(d) Se a densidade num ponto de uma estrla esférica gaseosa é dada por f = C e
−(ρ/R)
3
,
onde C > 0, R é o raio da estrela e ρ é a distância do ponto ao centro da estrela.
Calcule a massa da estrela
14. Se W é umsólido não homogêneo comdensidade emcada ponto dada por w = f(x, y, z),
então os momentos de inércia em torno dos eixos coordenados são definido por:
I
x
=
___
W
(y
2
+z
2
) f(x, y, z) dxdy dz, I
y
=
___
W
(x
2
+z
2
) f(x, y, z) dxdy dz
e
I
z
=
___
W
(x
2
+y
2
) f(x, y, z) dxdy dz
Determine o momento de inércia de cada sólido em relação ao eixo indicado supondo
que a densidade é K constante.
(a) W = {(x, y, z) ∈ R
3
/ x
2
+y
2
≤ a
2
, 0 ≤ z ≤ h} em relação ao eixo dos x
(b) W = {(x, y, z) ∈ R
3
/ a
2
≤ x
2
+y
2
≤ b
2
, 0 ≤ z ≤ h} em relação ao eixo dos z
Capítulo 12
APÊNDICE
12.1 Limite e Continuidade
Teorema 12.1. Seja f : A ⊂ R
n
−→ R uma função. Se o limite de f quando x aproxima-se de x
0
existe, então ele é único.
Suponha que lim
x→x
0
f(x) = L e lim
x→x
0
f(x) = M. Então, para todo ε > 0 existe δ > 0 tal que
0 < x − x
0
< δ implica em |f(x) − L| <
ε
2
e |f(x) − M| <
ε
2
. Como x
0
∈ A ∪ ∂A, podemos
escolher x ∈ A tal que 0 < x −x
0
< δ, o que acarretará:
|L −M| ≤ |L −f(x)| +|f(x) −M| <
ε
2
+
ε
2
= ε.
Como ε é arbitrário, L = M.
12.2 Diferenciabilidade
Teorema 12.2. Seja f : A ⊂ R
n
−→ R uma função definida no conjunto aberto A tal que existem
todas as derivadas parciais em cada ponto de A e cada uma delas é contínua no ponto x
0
∈ A. Então f é
diferenciável em x
0
.
Faremos a prova do teorema para n = 2. Ocaso geral é análogo. Sejamx
0
= (x
0
, y
0
) e h = (h, k)
tal que x
0
+h ∈ A. Denotemos por M = f(x
0
+h, y
0
+k) −f(x
0
, y
0
); então:
M = (f(x
0
+h, y
0
+k) −f(x
0
, y
0
+k)) + (f(x
0
, y
0
+k) −f(x
0
, y
0
)).
Definamos a função g(t) = f(x
0
+ t h, y
0
+ k), t ∈ [0, 1]; pelo teorema do valor médio para
funções de uma variável, existe θ
1
∈ (0, 1) tal que g(1) −g(0) = g


1
), ou equivalentemente:
f(x
0
+h, y
0
+k) −f(x
0
, y
0
+k) = h
∂f
∂x
(x
0

1
h, y
0
+k).
Definamos a função h(t) = f(x
0
, y
0
+ t k), t ∈ [0, 1]; pelo teorema do valor médio para funções
de uma variável, existe θ
2
∈ (0, 1) tal que h(1) −h(0) = h


2
) ou:
f(x
0
, y
0
+k) −f(x
0
, y
0
) = k
∂f
∂y
(x
0
, y
0

2
k).
269
270 CAPÍTULO 12. APÊNDICE
Então M = h
∂f
∂x
(x
0

1
h, y
0
+k) +k
∂f
∂y
(x
0
, y
0

2
k), ou:
f(x
0
+h, y
0
+k) −f(x
0
, y
0
) = h
∂f
∂x
(x
0

1
h, y
0
+k) +k
∂f
∂y
(x
0
, y
0

2
k).
Denote por: K = f(x
0
+h, y
0
+k) −f(x
0
, y
0
) −h
∂f
∂x
(x
0
, y
0
) −k
∂f
∂y
(x
0
, y
0
),
L = (
∂f
∂x
(x
0

1
h, y
0
+k) −
∂f
∂x
(x
0
, y
0
)) e S = (
∂f
∂y
(x
0
, y
0

2
k) −
∂f
∂y
(x
0
, y
0
)). Então
|K|

h
2
+k
2

|h|

h
2
+k
2
|L| +
|k|

h
2
+k
2
|S|.
0 ≤
|h|

h
2
+k
2
≤ 1 e 0 ≤
|k|

h
2
+k
2
≤ 1. Pela continuidade das derivadas parciais no ponto x
0
,
segue que f é diferenciável no ponto x
0
.
Proposição 12.1. Se f é diferenciável no ponto x
0
, então f é contínua em x
0
.
(n = 2). O caso geral é análogo. Devemos provar, que para todo ε > 0 existe δ > 0 tal que:
|f(x, y) −f(x
0
, y
0
)| < ε se 0 < x−x
0
< δ. Se f é diferenciável no ponto x
0
, então, para ε
1
= 1
existe δ
1
> 0 tal que:
|f(x, y) −f(x
0
, y
0
) −
∂f
∂x
(x
0
)(x −x
0
) −
∂f
∂y
(x
0
)(y −y
0
)| < x −x
0
,
se 0 < x − x
0
< δ
1
. Denotaremos por: k(x, y) = (
∂f
∂x
(x
0
, y
0
) (x − x
0
) +
∂f
∂y
(x
0
, y
0
) (y − y
0
));
então:
|f(x, y) −f(x
0
, y
0
)| = |f(x, y) −f(x
0
, y
0
) −k(x, y) +k(x, y)|
≤ |f(x, y) −f(x
0
, y
0
) −k(x, y)| +|k(x, y)|
< x −x
0
+|k(x, y)|.
Por outro lado,
¸
¸
¸
¸
∂f
∂x
(x
0
)(x −x
0
)
¸
¸

¸
¸
∂f
∂x
(x
0
)
¸
¸
_
(x −x
0
)
2
+ (y −y
0
)
2
,
¸
¸
∂f
∂y
(x
0
)(y −y
0
)
¸
¸

¸
¸
∂f
∂y
(x
0
)
¸
¸
_
(x −x
0
)
2
+ (y −y
0
)
2
.
Denotemos por M o maior entre |
∂f
∂x
(x
0
)| e |
∂f
∂y
(x
0
)|. Teremos: |k(x, y)| ≤ 2 Mx −x
0
; então:
|f(x, y) −f(x
0
, y
0
)| < (2 M + 1) x −x
0
.
Dado ε > 0, seja δ = min{δ
1
,
ε
2 M + 1
}; se x −x
0
< δ, temos |f(x, y) −f(x
0
, y
0
) < ε.
Teorema 12.3. (Schwarz) Se f : A ⊂ R
n
−→ R é uma função de classe C
2
no ponto x
0
, então para
todo i, j = 1.....n tem-se:

∂x
j
_
∂f
∂x
i
(x
0
)
_
=

∂x
i
_
∂f
∂x
j
(x
0
)
_
,
para i = j.
12.2. DIFERENCIABILIDADE 271
Faremos a prova do teorema para n = 2. O caso geral é análogo. Consideremos x
0
= (x
0
, y
0
).
Sejam ε > 0 tal que (x
0
−ε, x
0
+ε) ×(y
0
−ε, y
0
+ε) ⊂ A e t ∈ (−ε, ε). Definamos as funções:
φ(t) = f(x
0
+t, y
0
+t) −f(x
0
+t, y
0
) −f(x
0
, y
0
+t) +f(x
0
, y
0
) e r(x) = f(x, y
0
+t) −f(x, y
0
);
então φ(t) = r(x
0
+ t) − r(x
0
). Aplicando o teorema do valor médio para funções de uma
variável à função: r(x) onde x ∈ [x
0
, x
0
+ t], existe θ
1
∈ (0, 1) tal que r(x
0
+ t) − r(x
0
) =
t r

(x
0
+t θ
1
) ou:
φ(t) = t (
∂f
∂x
(x
0
+t θ
1
, y
0
+t) −
∂f
∂x
(x
0
+t θ
1
, y
0
)).
As funções
∂f
∂x
e
∂f
∂y
são contínuas no ponto (x
0
, y
0
). Aplicando o teorema do valor médio para
funções de uma variável a m(y) =
∂f
∂x
(x
0
+ t θ
1
, y), y ∈ [y
0
, y
0
+ t], existe θ
2
∈ (0, 1) tal que
m(y
0
+t) −m(y
0
) = t

2
f
∂y∂x
(x
0
+t θ
1
, y
0
+t θ
2
) ou:
φ(t) = t
2

2
f
∂y∂x
(x
0
+t θ
1
, y
0
+t θ
2
).
De forma análoga para s(y) = f(x
0
+t, y) −f(x
0
, y), obtemos: φ(t) = t
2 ∂
2
f
∂x∂y
(x
0
+t θ
3
, y
0
+t θ
4
),
θ
3
, θ
4
∈ (0, 1), e:

2
f
∂y∂x
(x
0
+t θ
1
, y
0
+t θ
2
) =

2
f
∂x∂y
(x
0
+t θ
3
, y
0
+t θ
4
);
fazendo t −→ 0 e lembrando que as derivadas parciais de segunda ordem são contínuas, pro-
vamos o teorema.
Proposição 12.2. Se f é uma função de classe C
1
então:
∂f
∂v
(x) = ∇f(x) · v.
Seja g(t) = f(x +t v
1
, y +t v
2
, z +t v
3
); g é uma função derivável de uma variável; utilizando a
regra da cadeia, derivamos g:
g

(0) =
∂f
∂x
v
1
+
∂f
∂y
v
2
+
∂f
∂y
v
3
= ∇f(x, y, z) · v;
por outro lado
∂f
∂v
(x, y, z) = g

(0).
Definição 12.1.
1. Uma curva diferenciável parametrizada γ pasando por x
0
em R
n
é determinada por n funções
diferenciáveis:
x
i
: I ⊂ R −→R,
i = 1, 2, ..., n tal que γ(t) = (x
1
(t), x
2
(t), ........, x
n
(t)) e γ(t
0
) = x
0
, onde I ⊂ R.
2. A derivada de γ é γ

(t) = (x

1
(t), x

2
(t), ........, x

n
(t)).
272 CAPÍTULO 12. APÊNDICE
3. Uma curva parametrizada γ em A ⊂ R
n
é tal que γ(I) ⊂ A.
Proposição 12.3. Seja (x
0
, y
0
, z
0
) ∈ S
c
. Se ∇f(x
0
, y
0
, z
0
) =

0, então ∇f(x
0
, y
0
, z
0
) é normal ao
plano tangente a S
c
no ponto (x
0
, y
0
, z
0
).
Seja γ uma curva sobre a superfície S
c
tal que γ(t
0
) = (x
0
, y
0
, z
0
), para algum t
0
∈ R. Então
f(γ(t)) = c, pois γ pertence à S
c
.
d
dt
(f(γ(t))
¸
¸
¸
¸
t=t
0
= 0 e ∇f(γ(t)) · γ

(t) = 0;
logo: ∇f(x
0
, y
0
, z
0
) · γ

(t
0
) = 0.
Isto é válido para qualquer curva em S
c
passando por (x
0
, y
0
, z
0
).
Teorema 12.4. Seja f : A ⊂ R
n
−→ R uma função diferenciável definida no aberto A e x
0
um ponto
extremo local de f. Então
∇f(x
0
) = 0.
Suponha que x
0
é ponto de máximo de f. Para todo v ∈ R
n
a função real h(t) = f(x
0
+ tv)
possui um ponto de máximo em t = 0; pela regra da cadeia:
0 =
d
dt
h(t)|
t=0
= ∇f(x
0
) · v
e a igualdade vale para todo v; então ∇f(x
0
) = 0. A prova é análoga se x
0
é ponto de mínimo
local de f.
Teorema 12.5. Seja a família de funções:
f(x, y) = Ax
2
+ 2 Bxy +C y
2
,
tal que A, B, C ∈ R e não são todas simultaneamente nulas. Denotemos por ∆ = AC −B
2
.
1. Se ∆ > 0 e A > 0, então (0, 0) é ponto de mínimo de f.
2. Se ∆ > 0 e A < 0, então (0, 0) é ponto de máximo de f.
3. Se ∆ < 0, então (0, 0) é ponto de sela de f.
Suponha que ∆ > 0; logo A = 0.
f(x, y) = A
_
x +
By
A
_
2
+
1
A
∆y
2
;
ambas as parcelas tem o mesmo sinal que A e f(x, y) = 0 se e somente se:
_
_
_
x +
By
A
= 0
y = 0;
então f(x, y) = 0 se e somente se x = y = 0.
1. Se A > 0, temos 0 = f(0, 0) < f(x, y) e (0, 0) é ponto de mínimo de f.
12.2. DIFERENCIABILIDADE 273
2. Se A < 0, temos f(x, y) < f(0, 0) = 0 e (0, 0) é ponto de máximo de f.
3. Suponha que ∆ < 0 e A = 0; denotando por E =

B
2
−AC
A
, temos:
f(x, y) = A
__
x +
By
A
_
−Ey
___
x +
By
A
_
+E y
_
;
f(x, y) = 0 se, e somente se: y =
Ax
AE−B
ou y = −
Ax
AE+B
; logo, f(x, y) > 0 se y >
Ax
AE−B
ou
y > −
Ax
AE+B
e f(x, y) < 0 se y <
Ax
AE−B
ou y < −
Ax
AE+B
. Portanto, numa vizinhança de (0, 0) f
toma valores negativos e positivos. Se A = 0, então f(x, y) = 2 B xy + C y
2
; logo B = 0, caso
contrário ∆ = 0; então:
f(x, y) = y (2 B x +C y);
portanto: f(x, y) > 0 se, e somente se
_
y > 0 e Bx +C y > 0 ou
y < 0 e Bx +C y < 0.
f(x, y) < 0 se, e somente se
_
y > 0 e Bx +C y < 0ou
y < 0 e Bx +C y > 0.
Teorema 12.6. Sejam z = f(x, y) uma função de classe C
2
definida num conjunto aberto U ⊂ R
2
e
(x
0
, y
0
) ∈ U um ponto crítico de f. Denotemos por:
A(x, y) =

2
f
∂x
2
(x, y), B(x, y) =

2
f
∂x∂y
(x, y), C(x, y) =

2
f
∂y
2
(x, y) e
∆(x, y) = A(x, y) C(x, y) −B
2
(x, y).
Então:
1. Se A(x
0
, y
0
) > 0 e ∆(x
0
, y
0
) > 0, então (x
0
, y
0
) é ponto de mínimo local de f em U.
2. Se A(x
0
, y
0
) < 0 e ∆(x
0
, y
0
) > 0, então (x
0
, y
0
) é ponto de máximo local de f em U.
3. Se ∆(x
0
, y
0
) < 0, então (x
0
, y
0
) é ponto de sela de f em U.
4. Se ∆(x
0
, y
0
) = 0, nada se pode concluir.
Seja θ ∈ [0, 2 π]. Consideramos a seguinte função de uma variável:
h(r) = f(x
0
+r cos(θ), y
0
+r sen(θ));
h(r) descreve o comportamento de f ao longo da reta que passa pelo ponto (x
0
, y
0
) e na direção
(cos(θ), sen(θ)). Denotemos por a = x
0
+r cos(θ) e b = y
0
+r sen(θ); usando a regra da cadeia,
derivemos a função h:
274 CAPÍTULO 12. APÊNDICE
h

(r) =
∂f
∂x
(a, b) cos(θ) +
∂f
∂y
(a, b) sen(θ);
então, r = 0 é ponto crítico de h. Derivando novamente:
h
′′
(r) =

2
f
∂x
2
(a, b) cos
2
(θ) + 2

2
f
∂x∂y
(a, b) cos(θ) sen(θ) +

2
f
∂y
2
(a, b) sen
2
(θ).
Fazendo A =

2
f
∂x
2
(x
0
, y
0
), B =

2
f
∂x∂y
(x
0
, y
0
), C =

2
f
∂y
2
(x
0
, y
0
), x = cos(θ) e y = sen(θ),
obtemos:
h
′′
(0) = Ax
2
+ 2 B xy +C y
2
Como A > 0 e ∆ > 0, pelo teorema anterior h
′′
(0) > 0; então h possui um ponto de mínimo em
r = 0. O argumento vale para todo θ ∈ [0, 2 π]. Logo f possui um ponto de mínimo local em
(x
0
, y
0
). Os demais casos ficam como exercícios.
Teorema 12.7. Sejam f, g : A ⊂ R
n
−→ R funções de classe C
1
. Denotemos por S um conjunto de
nível de g. Se f tem um ponto de máximo ou de mínimo x
0
∈ S e ∇g(x
0
) = 0, então existe λ ∈ R tal
que ∇f(x
0
) = λ∇g(x
0
).
Faremos a prova para n = 2, o caso n = 3 é análogo. Suponha que a curva de nível de g se
escreva na forma paramétrica γ(t) = (x(t), y(t)) e que γ

(t) = (x

(t), y

(t)) =

0; consideremos a
seguinte função de uma variável β(t) = f(γ(t)) = f(x(t), y(t)) tal que t ∈ (a, b). Como f possui
um ponto extremo em x
0
, então, existe t
0
∈ (a, b) tal que β possui um ponto extremo em t
0
;
logo, β

(t
0
) = 0 e pela regra da cadeia:
β

(t) =
∂f
∂x
(x(t), y(t))
dx
dt
+
∂f
∂y
(x(t), y(t))
dy
dt
= ∇f(x(t), y(t)) γ

(t).
Denotando x
0
= (x(t
0
), y(t
0
)) e calculando β

(t
0
) = 0; temos, ∇f(x
0
) · γ

(t
0
) = 0; portanto
∇f(x
0
) e γ

(t
0
) = 0 são ortogonais. Como ∇f é ortogonal às curvas de nível de f, no ponto x
0
as curvas de nível de g e de f devem ser tangentes e ∇f(x
0
) = λ∇g(x
0
).
12.3 Integração
Teorema 12.8. (Fubini) Seja f : R −→R
2
contínua sobre R. Então:
__
R
f(x, y) dxdy =
_
d
c
__
b
a
f(x, y) dx
_
dy =
_
b
a
__
d
c
f(x, y) dy
_
dx,
onde R = [a, b] ×[c, d].
12.3. INTEGRAÇÃO 275
Fixemos x
0
∈ [a, b] e consideremos a função f
x
0
: [c, d] −→ R definida por f
x
0
(y) = f(x
0
, y),
para todo y ∈ [c, d]. Como f
x
0
é contínua em [c, d], é integrável em [c, d]; definamos A(x
0
) =
_
d
c
f(x
0
, y) dy. Provaremos que a função: A : [a, b] −→R é integrável em [a, b] e:
_
b
a
A(x) dx =
__
R
f(x, y) dxdy.
Como antes, seja c = y
0
< y
1
< ..... < y
n
= d uma partição de ordem n de [c, d] tal que
∆y =
d−c
n
; logo:
A(x) =
n−1

k=0
_
y
k+1
y
k
f(x, y) dy.
Pelo teorema do valor médio para integrais, temos:
_
y
k+1
y
k
f(x, y) dy = f(x, y

k
(x)) (y
k+1
−y
k
),
onde y

k
(x) ∈ [y
k
, y
k+1
] (y

k
(x) possívelmente depende de x); então:
A(x) =
n−1

k=0
f(x, y

k
(x)) (y
k+1
−y
k
).
Pela definição de integral para funções de uma variável:
_
b
a
__
d
c
f(x, y) dy
_
dx =
_
b
a
A(x) dx = lim
n→+∞
n−1

k=0
A(p
j
) (x
j+1
−x
j
),
onde a = x
0
< x
1
< ..... < x
n
= b é uma partição de ordem n de [a, b] tal que ∆x =
b−a
n
e
p
j
∈ [x
j
, x
j+1
]. Considere c
jk
= (p
j
, y
k
(p
j
)) ∈ R
jk
, logo A(p
j
) =
n−1

k=0
f(c
jk
) (y
k+1
−y
k
) e
_
b
a
_ _
d
c
f(x, y) dy
_
dx =
_
b
a
A(x) dx = lim
n→+∞
n−1

j=0
A(p
j
) (x
j+1
−x
j
)
= lim
n→+∞
n−1

j=0
n−1

k=0
f(c
jk
), (y
k+1
−y
k
) (x
j+1
−x
j
) =
__
R
f(x, y) dxdy.
De forma análoga prova-se que
_
d
c
_ _
b
a
f(x, y) dx
_
dy =
__
R
f(x, y) dxdy.
Proposição 12.4. Se f : D −→R é contínua e limitada sobre D, então:
1. Se D é uma região de tipo I:
__
D
f(x, y) dxdy =
_
b
a
__
φ
2
(x)
φ
1
(x)
f(x, y) dy
_
dx.
276 CAPÍTULO 12. APÊNDICE
2. Se D é uma região de tipo II:
__
D
f(x, y) dxdy =
_
d
c
__
ψ
2
(y)
ψ
1
(y)
f(x, y) dx
_
dy.
Se R = [a, b] × [c, d] e D ⊂ R, podemos utilizar todos os resultados anteriores. Em particular
para integrais iteradas. De fato,
__
D
f(x, y) dxdy =
__
R
f

(x, y) dxdy =
_
b
a
__
d
c
f

(x, y) dy
_
dx =
_
d
c
__
b
a
f

(x, y) dx
_
dy.
Suponha que D é uma região de tipo I definida por: φ
i
: [a, b] −→ R, i = 1, 2. Consideremos
_
b
a
__
d
c
f

(x, y) dy
_
dx.
φ
1
2
φ
c
d
R
D
b x a
Figura 12.1:
Fixando x ∈ [a, b], f

é limitada e contínua, exceto, possivelmente em dois pontos, logo a
integral
_
d
c
f

(x, y) dy existe; mas f

(x, y) = 0 se c < y < φ
1
(x) e φ
2
(x) < y < d.
_
d
c
f

(x, y) dy =
_
φ
2
(x)
φ
1
(x)
f

(x, y) dy =
_
φ
2
(x)
φ
1
(x)
f(x, y) dy,
pois f = f

em D. Então, se D é de tipo I:
__
D
f(x, y) dxdy =
_
b
a
__
φ
2
(x)
φ
1
(x)
f(x, y) dy
_
dx.
Se D é do tipo II, a prova é análoga.
12.3. INTEGRAÇÃO 277
]
278 CAPÍTULO 12. APÊNDICE
Bibliografia
[TA] T. Apostol: Mathematical Analysis: A Modern Approach to Advanced Calculus, Reading,
Mass, Addison-Wesley Pub. Co.
[EL] E. Lima: Curso de Análise, Vol. II, Ed. Universitaria.
[MW] J. Marsden- A. Weinstein: Calculus, Vol. II e III, Springer-Verlag.
[RO] R. Osserman: Principles of Mathematical Analysis, Mc Graw-Hill.
[JS] J. Stewart: Calculus, concepts and contex, Brooks/Cole Publishing Company, Itp.
[VC] M. Vilches - M. Corrêa: Cálculo: Volume I, www.ime.uerj.br/∼calculo.
279

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful