Você está na página 1de 2
Universidade de Aveiro | DeCA | Ano lectiv o 2008/2009 | Ergonomia Cognitiva | NTC

Universidade de Aveiro | DeCA | Ano lectivo 2008/2009 | Ergonomia Cognitiva | NTC | TIC

Blog: Ergonomia 012 Nome: Mariana Santos Nome: Paula Carvalho

Nº mec: 42953 Nº mec: 42004

Referência bibliográfica ao artigo

Maria de Fátima Mendes de Azevedo, M.S.d.S. O uso da cor no ambiente de trabalho: uma ergonomia da percepção.

Ideias conteúdo

1.

Todas as actividades humanas (principalmente o trabalho) sofrem a influência de três aspectos: físico, cognitivo e psíquico e uma conjugação adequada destes factores permitem projectar ambientes de trabalho confortáveis, seguros e eficientes;

2.

O estudo de cor torna se necessário cada vez mais para um ergonomista, pois assim este pode adequar a utilização do uso da cor ao nível de segurança, ordenação, saúde e bemestar dos trabalhadores (influencia psicológica);

3.

A

cor não deve ser apenas um aspecto estético, mas sim um aspecto

técnico como a usabilidade ou o factor psicológico;

4.

As cores transmitem mensagens e provocam determinadas reacções, emoções e comportamentos no utilizador;

5.

Sabe se que as cores actuam no ser Humano não no canal perceptivo da

visão, mas também através da luz (cromoterapia);

6.

Pode se estudar a aplicabilidade das cores por quatro planos diferentes:

Química, Física, Sentidos, Afecto;

7.

No campo da fisiologia da cor, é através dos órgãos de recepção (cones) que o homem percebe a identificação das cores que são reflectidas;

8.

As

palavras fundamentais na descrição da percepção das cores são: matiz,

saturação e claridade;

9.

Existe uma diferença a ter em conta quando nos referimos a fisiologia (mecanismos físicos) de percepção da cor e psicologia, que no âmbito do estudo da cor se refere aos efeitos da cor nas emoções do ser humano;

10.

O

uso da cor tem importância prática desde a propaganda/publicidade à

arquitectura.

11.

Às cores (primárias e secundárias), segundo os especialistas, é possível associar significados como por exemplo a cor vermelha associar a paixão.

12.

Uma sala de trabalho ou de descanso deve obedecer a determinadas regras

de predominância de cores e variar consoante o ambiente e local de forma

a melhorar as condições nesse mesmo local. Caso não exista esta

preocupação estados de fadiga, exaustão podem ser consequências de

ambientes onde a preocupação no que diz respeito a escolha de cores não

foi

a mais adequada;

13.

Além da cor devese ter em conta a ventilação e iluminação do local de trabalho e evitar linhas frias e criar ambientes de trabalho acolhedores, agradáveis, convidativos e principalmente funcionais;

14.

A utilização da cor pode mudar a percepção do espaço pois este pode ficar aparentemente mais alto, mais claro, mais amplo;

15.

A cor é um dos recursos mais económicos de promover a mudança de um ambiente;

Tópicos para a estrutura do texto

A utilização da cor no

ambiente de trabalho

O estudo das cores no

ambiente de trabalho e seus efeitos

A importância da cor

no trabalho ou num outro espaço (de lazer)

Diferença entre fisiologia da cor e psicologia da cor

A associação de

significados a cor

As vantagens do estudo da cor no contexto de um

ambiente de trabalho/descanso e suas aplicações

práticas

O porque da

mudança/adequação

da cor tendo em conta os diferentes factores

Trabalho aula TP04 (2008-10-06): grelha de leitura e resumo de artigo científico

Universidade de Aveiro | DeCA | Ano lectiv o 2008/2009 | Ergonomia Cognitiva | NTC

Universidade de Aveiro | DeCA | Ano lectivo 2008/2009 | Ergonomia Cognitiva | NTC | TIC

Resumo:

O estudo da cor e da sua integração nos ambientes de trabalho ou repouso deve ser cuidadosamente estudado e adequar a cada situação particularmente. As mudanças ao nível de rendimento, factores psicológicos entre outros são consideráveis, pois torna os locais mais agradáveis, acolhedores e funcionais. Assim a cor é um recurso económico e traz mudanças significativas.

Trabalho aula TP04 (2008-10-06): grelha de leitura e resumo de artigo científico