UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

MARCUS VINÍCIUS T. G. QUINTELLA RIBEIRO

EAD E A CAPACITAÇÃO CONTINUADA À DISTÂNCIA:

CURSO FUNDAMENTOS DE VOIP

TIRADENTES - MG 2010

2

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

MARCUS VINÍCIUS T. G. QUINTELLA RIBEIRO

EAD E A CAPACITAÇÃO CONTINUADA À DISTÂNCIA:

CURSO FUNDAMENTOS DE VOIP

Monografia submetida ao Programa de PósGraduação Lato Sensu Especialização em Design Instrucional para EaD Virtual: Tecnologias, Técnicas e Metodologias como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Design Instrucional para EaD Virtual. Orientador: Prof. Dr. José Gilberto da Silva

TIRADENTES - MG 2010

3

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

MARCUS VINÍCIUS T. G. QUINTELLA RIBEIRO

EAD E A CAPACITAÇÃO CONTINUADA À DISTÂNCIA:

CURSO FUNDAMENTOS DE VOIP

Monografia aprovada por banca examinadora em 03 de dezembro de 2010, conferido ao aluno título de Especialista em Design Instrucional para EaD Virtual.

Banca Examinadora:

Prof. Dr. José Gilberto da Silva (Orientador)

Profª Drª. Eliane G.P. Melloni

Prof. Dr. Fernando das G.B. da Silva

4

Dedico este trabalho a minha família.

5

AGRADECIMENTOS

Agradeço a minha família, pela paciência ao longo de toda esta jornada, e a equipe na UNIFEI, em especial ao meu orientador, Prof. Dr. José Gilberto da Silva, pelo apoio e atenção dispensados.

6

“A educação exige os maiores cuidados, porque influi sobre toda a vida.” (Sêneca)

7

RESUMO

A presente monografia apresenta uma proposta de design instrucional para a realização de um curso de capacitação profissional em VoIP. Para o desenvolvimento da concepção pedagógica do curso, realizamos uma pesquisa bibliográfica que constituiu o referencial teórico do trabalho. A metodologia adotada foi a qualitativa, que melhor se enquadra com a proposta do curso, que é capacitar o cursista a aplicar a tecnologia VoIP em seu dia a dia, tendo o aluno como foco e uma abordagem prática e envolvente. Estão descritas as principais ferramentas utilizadas pelo Designer Instrucional: o Mapa de Atividades, a Matriz de DI e o Storyboard, essenciais para um bom planejamento e execução do trabalho de transposição do conteúdo presencial. Em relação á proposta do curso pode-se observar que as boas perspectivas, em função da pouca oferta e grande demanda, com risco baixo devido a quase ausência de concorrência e o diferencial da aplicação prática dos conhecimentos transmitidos ainda durante as aulas. Neste trabalho destaca-se a figura do designer instrucional que ocupa um lugar importante na equipe de produção de conteúdos digitais para ambientes virtuais de aprendizagem. Porém, o seu papel e atuação não seriam possíveis sem que se constitui-se uma equipe. Aliás, esse também é mais um diferencial na concepção de cursos para Educação a Distância.

Palavras-chave: Design Instrucional, VoIP; EaD; Formação continuada.

8

SUMÁRIO Introdução...............................................................................................................p.13 1 Fundamentação Teórica.....................................................................................p.16 1.1 Andragogia.........................................................................................................p.17 1.2 Pensamento Cartesiano x teorias contemporâneas..........................................p.18 1.4 Estilos de Aprendizado.......................................................................................p.19 1.3 O Design Instrucional nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem.....................p.20 2 Metodologia.........................................................................................................p.21 3 Design Instrucional do Curso Fundamentos de VoIP.....................................p.22 3.1 Curso Fundamentos de VoIP.............................................................................p.22 3.1.1 Conteúdos Curriculares...................................................................................p.23 3.1.2 Pré-requisitos..................................................................................................p.23 3.1.3 Período de Duração........................................................................................p.24 3.1.4 Carga-horária..................................................................................................p.24 3.1.5 Cronograma.....................................................................................................p.24 3.1.6 Objetivos de Aprendizagem............................................................................p.25 3.1.7 Estratégias de Aprendizagem.........................................................................p.25 3.1.8 Metodologia.....................................................................................................p.26 3.1.8.1 Ferramentas e recursos do Teleduc............................................................p.27 3.1.9 Sistema de Tutoria – apoio ao aprendizado...................................................p.27 3.1.10 Conteúdo disponibilizado no AVA.................................................................p.28 3.1.11 Avaliação.......................................................................................................p.29 3.1.12 Custos...........................................................................................................p.30 3.1.13 Equipe...........................................................................................................p.31 3.2 Recursos de Design Instrucional.......................................................................p.31 3.2.1 Mapa de Atividades.........................................................................................p.31 3.2.2 Matriz de Design Instrucional..........................................................................p.34 3.2.3 Storyboard.......................................................................................................p.36 4 Análise do Design Instrucional do Curso.........................................................p.39 4.1 Perspectivas.......................................................................................................p.39 4.2 Diferenciais.........................................................................................................p.40 4.3 Riscos.................................................................................................................p.40 4.4 Recomendações................................................................................................p.41

9

Considerações Finais............................................................................................p.42 Bibliografia..............................................................................................................p.43

10

LISTA DE FIGURAS Figura 1. Storyboard, tela 1.....................................................................................p.36 Figura 2. Storyboard, tela 2.....................................................................................p.37 Figura 3. Storyboard, tela 3.....................................................................................p.37 Figura 4. Storyboard, tela 4.....................................................................................p.38 Figura 5. Storyboard, tela 5.....................................................................................p.38

11

LISTA DE TABELAS

Tabela 1. Cronograma.............................................................................................p.24 Tabela 2. Orçamento para o projeto de DI..............................................................p.30 Tabela 3. Mapa de Atividades.................................................................................p.32 Tabela 4. Matriz de DI..............................................................................................p.35

12

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

AVA – Ambiente Virtual de Aprendizagem CD – Compact Disc DVD - Digital Versatile Disc EAD – Educação a Distância e-learning – educação on line I.M. – Inteligências Múltiplas MEC – Ministério da Educação Q.I. – Quociente de Inteligência RFID – Radio-Frequency IDentification TIC – Tecnologias de Informação e Comunicação TV – aparelho de televisão VoIP –Voz sobre IP WWW – Word Wide Web

13

INTRODUÇÃO

Nos últimos anos pudemos assistir a um grande avanço tecnológico no campo das Tecnologias da Informação e Comunicação, que nos permitem acesso a pessoas e informações de forma muito mais simples, barata e rápida. Internet banda larga, TV a cabo, TV via satélite, som digital, CDs, DVDs, fotografia digital, cinema digital, www, streamings de vídeo pela Internet, redes wireless, Bluetooth, RFID, são apenas alguns exemplos de tecnologias que permeiam nosso dia a dia e que sequer existiam a algumas décadas ou mesmo a alguns anos atrás. Hoje, estar em contato com alguém em outro país é tão trivial como estar em contato com nosso vizinho, situações antecipadas somente nas ficções científicas até então. A humanidade vê suas fronteiras cada vez menores e mais próximas, obriga-se a todo um redesenho dos cenários econômicos, sociais, jurídicos e educacionais. A palavra aqui é interatividade. É neste contexto em que o ensino a distância vem ganhando força, saltando de ações unidirecionais, como os cursos por correspondência, pioneiros na área, para cursos a distância online. O surgimento de ambientes virtuais de aprendizagem gratuitos, como o Moodle e o Teleduc também contribuíram para o crescimento desta modalidade de ensino, que vem atender a um novo mundo, cada vez mais conectado e próximo, no qual pessoas geograficamente isoladas tem cada vez mais acesso às informações e à educação. Várias dentre as TICs citadas acima tornam o ato de ensinar a distância mais confortável: correio eletrônico, listas de discussão, chats, áudio digital, imagens digitais, apresentações, audioconferências, videoconferências e realidade virtual, estão facilitando o contato com o aluno e a apresentação do conteúdo sem a presença física do professor. Todas essas possibilidades tecnológicas e este novo cenário para educação, também trouxe desafios, dentre os quais o de trabalhar o conteúdo para que, mesmo sem a presença do professor, o aluno consiga aprender. Além disto, é preciso saber como, quando e quais ferramentas tecnológicas utilizar para determinado conteúdo e público, o que não é tarefa simples. Estes e ainda

14

outros desafios são o que o designer instrucional irá enfrentar neste novo modelo de educação contemporânea e futura. O designer instrucional é o profissional responsável pela concepção de cursos, treinamentos e materiais didáticos; pela transposição de conteúdo fornecido pelos autores, é peça-chave na educação não-presencial, uma vez que irá construir a ponte entre professores, equipe técnica e pedagógica e alunos por intermédio da moldagem do conteúdo e utilizando as ferramentas mais adequadas a cada situação, bem como as teorias mais adequadas para cada caso. Para abranger todas essas necessidades do ensino não presencial, o designer instrucional precisará estar atualizado não só com a parte pedagógica, mas também com as ferramentas tecnológicas disponíveis para a execução de seu trabalho, sendo o elo entre os ambientes virtuais de aprendizagem e a educação presencial que cada vez mais se aproximam para tornarem-se híbridas. Esta monografia tem por objetivo geral propor o design instrucional para produção de um curso de formação profissional em técnicas de comunicação telefônica baseada em tecnologia de Voz sobre IP. Ainda com relação aos objetivos, especificamente, esse trabalho pretende: identificar as teorias que embasam o trabalho pedagógico do designer instrucional; relacionar as questões pedagógicas e os referenciais culturais do público-alvo da Educação a Distância no Brasil, que atualmente constitui-se prioritariamente de jovens e adultos; e ainda analisar as alternativas teórico-metodológicas que se apresentam como possíveis alternativas para concepção de ambientes virtuais de aprendizagem bem como para produção de seus conteúdos e designs instrucionais. No design instrucional do curso proposto, o grande desafio a ser vencido parece ser a transposição de um conteúdo com alta carga tecnológica e de cunho prático para o ensino não presencial, sem que se perca a compreensão do material ou o interesse do aluno pelas aulas. E para vencer este desafio, focamos na atuação do designer instrucional que terá papel fundamental, uma vez que uma de suas funções é tornar simples um conteúdo complexo. Esse trabalho monográfico foi constituído pelo fundamento teórico apresentado na primeira parte seguido da análise do design instrucional para o curso de VOIP. Na elaboração do referencial teórico, recorremos à pesquisa bibliográfica, selecionando autores que discutem sobre as teorias da educação, investigando, principalmente, os estudos de Jean Piaget e Lev Vygotsky. E para

15

complementar o embasamento teórico, no que diz respeito ao Design Instrucional, buscamos referências em Andréa Filatro. Ao final, apresentamos as nossas considerações finais sobre as possibilidades de se utilizar a educação à distância, através de um projeto de design instrucional, para a transmissão de conteúdos emergentes e complexos, sujeitos a um alto grau de mudanças em intervalos a cada vez mais curtos de tempo.

16

CAPÍTULO 1 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

O sistema educacional como se vê atualmente baseia-se sobre os princípios da divisão do conhecimento em áreas, métodos e conteúdos que privilegiam o raciocínio lógico-matemático e currículos estruturados a partir de questões políticas e econômicas (APPLE, 2006). Esta divisão do conhecimento é uma herança do modelo aplicado para capacitação de mão-de-obra destinada às indústrias, e influencia nossa sociedade desde a Revolução Industrial. Entre as últimas décadas do século XX e o início de século XXI, a evolução das Tecnologias de Informação e Comunicação, bem como sua inserção no meio da educação, vem causando grandes transformações, gerando novas demandas educacionais e levantando diversas questões, como a virtualidade, interatividade, tempo e espaço virtual. Tais questões abrem um enorme leque de possibilidades, que certamente demandarão uma mudança de rumos para o sistema educacional vigente, trabalho que deverá envolver pedagogos, psicólogos, filósofos, sociólogos, antropólogos, e demais agentes que trabalham o tema educação. O modelo de ensino em vigor deverá passar por grandes mudanças, com novos temas colocados em discussão, como educação continuada e ao longo da vida, produção coletiva de conhecimento, sociedade da informação, equipes interdisciplinares, multiculturalidade e diversidade, somente para citar alguns. Também há a necessidade de se ampliar o escopo do conhecimento no que se refere à educação de adultos, campo de estudo da Andragogia. O curso em estudo neste trabalho monográfico tem como público-alvo aprendentes adultos, o que nos leva a um aprofundamento sobre Andragogia, tema que será abordado com mais detalhes a seguir.

17

1.1

Andragogia Andréa Filatro (2007) apresenta uma visão sobre o processo educacional

para adultos em ensino a distância que contribuiu de forma essencial para a elaboração deste trabalho. No que se refere à aprendizagem de adultos, a autora baseia-se na Andragogia, que seria uma contraposição à Pedagogia, pois essa última refere-se ao ensino de crianças. O modelo andragógico proposto por Filatro (2007) baseia-se em princípios determinados por Malcom Knowles (MORAIS, 2008): 1. Necessidade de saber: adultos precisam saber por que precisam aprender algo e qual o ganho que terão no processo. 2. Autoconceito do aprendiz: adultos são responsáveis por suas decisões e por sua vida, portanto querem ser vistos e tratados pelos outros como capazes de se autodirigir. 3. Papel das experiências: para o adulto suas experiências são a base de seu aprendizado. As técnicas que aproveitam essa amplitude de diferenças individuais serão mais eficazes. 4. Prontidão para aprender: o adulto fica disposto a aprender quando a ocasião exige algum tipo de aprendizagem relacionado a situações reais de seu dia-a-dia. 5. Orientação para aprendizagem: o adulto aprende melhor quando os conceitos apresentados estão contextualizados para alguma aplicação e utilidade. 6. Motivação: adultos são mais motivados a aprender por valores intrínsecos: autoestima, qualidade de vida, desenvolvimento. A educação à distância no Brasil ainda privilegia o ensino de adultos, por intermédio da oferta cada vez maior de cursos na modalidade à distância para este público. Assim sendo, cabe aos atores envolvidos com a produção de cursos voltados para este público, principalmente designers instrucionais, ficarem atentos às necessidades e especificidades do adulto aprendiz.

18

1.2 Pensamento cartesiano x teorias contemporâneas Retomando a análise de nosso sistema de ensino, a qual começamos no início deste capítulo, percebemos que ele ainda está fortemente pautado nos preceitos da racionalidade cunhados pelo racionalismo cartesiano. Teorias da psicologia aplicadas à educação baseadas no construtivismo de Jean Piaget e no sócio construtivismo de Lev Vygotsky são fundamentais por conta da importância dada ao sujeito aprendente no processo educacional. As teorias de Piaget e Vygotsky, apesar de diferentes, são complementares, partilhando pontos de vista semelhantes, uma vez que ambos enxergam o conhecimento como adaptação, como construção individual, trazendo o aprendente para o centro da discussão, como parte ativa do processo educacional. Vygotsky (1998) estava interessado na questão de como os fatores sociais e culturais influenciam o desenvolvimento intelectual, trazendo a cultura como fator relevante para o processo de aprendizado. A abordagem de ambos, tendo o aprendente como centro de todo o processo educacional, identifica-se perfeitamente com a nova realidade trazida pela evolução das TIC nos últimos anos, onde diversas barreiras foram e ainda continuam sendo quebradas, mudando por completo diversos conceitos da educação e a própria percepção do mundo por parte do aprendente. Devido ao avanço da tecnologia e ao seu barateamento, um número cada vez maior de indivíduos tem acesso a Internet, unindo-se em comunidades virtuais, onde pessoas que nunca se viram interagem sem que exista uma barreira geográfica, unidos por interesses comuns, trazendo como possibilidade a criação de comunidades de aprendizado, onde o conhecimento é construído de forma coletiva, gerando um novo paradigma para a educação em seus moldes tradicionais, colocando em xeque a fórmula professor-aluno. Aqui, o aluno é ao mesmo tempo aluno e professor, uma vez que pode contribuir ativamente na construção do conhecimento, deixando de ser sujeito passivo no processo de aprendizado. É a reconstrução do conhecimento em sua essência, o que exige também uma “reconstrução” dos atores envolvidos no processo educacional. As experiências vividas por aluno passam a se incorporar ao processo educacional, enriquecendo a discussão e auxiliando na construção do conhecimento.

19

1.3 Estilos de Aprendizagem Um fator que deve ser levado em conta na hora de transpor conteúdo para EaD são os estilos de aprendizado, que são caracterizados pela forma com que cada individuo tem mais facilidade de aprender. Um estilo de aprendizagem define a maneira como o aprendente se comporta durante o processo de aprendizagem. Pesquisadores da Universidade de Harvard, EUA, definem que os Estilos de Aprendizagem identificados até o momento são os seguintes: - Físico: indivíduos inquietos, que raciocinam melhor quando estão em movimento. Interagem melhor com o mundo através do contato manual. Aulas práticas atraem seu interesse. - Intrapessoal: indivíduos solitários, que seguem seu próprio ritmo, muitas vezes descritos como tímidos. Não são antissociais, mas pensam melhor quando são deixados à vontade em seu próprio ritmo. Este estilo de aprendizagem se beneficia com atividades onde possam trabalhar sozinhos, em projetos independentes e trabalhos de pesquisa. - Interpessoal: indivíduos sociáveis, comunicativos e solidários. Conseguem aprender melhor quando podem defender suas ideias e ajudar os companheiros a resolverem problemas. Relacionam-se com o mundo através de suas interações com os demais, tendo seus melhores resultados no trabalho em equipes. - Linguístico ou Verbal: indivíduos que se relacionam melhor com o meio através da linguagem. Resultados positivos são obtidos com atividades que incluam o uso da palavra falada e leitura literária. Contar histórias, debates, entrevistas são atividades eficientes para este estilo. - Matemático: indivíduos apaixonados por matemática e por jogos, que raciocinam de acordo com um padrão lógico. Se relacionam melhor com o mundo através do raciocínio, números, padrões e sequências. Entre as atividades que melhor se encaixam para este estilo estão a contagem e classificação de objetos, além da solução de problemas complexos. - Musical: indivíduos veem sons em tudo, que podem não ser os melhores cantores ou músicos, mas têm habilidade natural para interagir e entender os sons, musicais ou não. A relação deste tipo de indivíduo com o mundo é através de sons e ritmos, e as atividades mais proveitosas envolvem músicas, instrumentos e canto.

20

- Visual: indivíduos que tem um dom natural para as cores e para harmonizar ambientes. Tem um sentido artístico exacerbado, que faz com que tudo criem pareça agradável aos olhos. Este estilo se relaciona com o mundo através de pinturas e imagens. Conhecendo o estilo predominante de torna-se mais fácil a assimilação do conteúdo, uma vez que se pode passá-lo em atividades compatíveis com a maneira na qual o aprendente consegue captá-lo melhor. Cabe ao designer instrucional propor as atividades adequadas ao público-alvo, mesclando diferentes estilos, de forma a tornar interessante o aprendizado. 1.4 O Design Instrucional nos Ambientes Virtuais de Aprendizagem As potencialidades educacionais dos AVAs podem ser melhor exploradas levando-se em conta um modelo de desenvolvimento de design instrucional contextualizado, como o proposto por Filatro (2007). Com sua estruturação em esperais, sempre acrescentando mais detalhes e revendo o que já foi feito, este modelo permite a agilidade necessária para a manutenção das informações e da própria maneira de oferta-las aos alunos. O design instrucional bem cuidado, fundamentado nas teorias já expostas, explorando adequadamente os estilos de aprendizado e as técnicas da andragogia, pode tornar muito mais fácil o processo de aprendizado do cursista, que, bem conduzido através do ambiente virtual, poderá aproveitar ao máximo o conteúdo apresentado, o que no caso do curso abordado nesta monografia é essencial.

21

CAPÍTULO 2 METODOLOGIA

Na elaboração da monografia a abordagem qualitativa foi a mais adequada, uma vez que, ao invés de utilizar uma abordagem positivista, na qual o observador deve ficar fora do objeto de estudo, utiliza uma abordagem onde o pesquisador interage com o objeto de estudo, substituindo a resposta pela construção. Neste tipo de abordagem, o pesquisador participa, saindo da neutralidade, compreendendo a realidade em toda a sua complexidade, sem tentar reduzi-la a um pequeno conjunto de leis e premissas. A ferramenta mais utilizada para o levantamento de informações ao longo deste trabalho, além da observação, foi a entrevista. As entrevistas conduzidas ao longo do trabalho com parceiros da instituição patrocinadora do trabalho foram feitas de acordo com as premissas da abordagem escolhida, onde pesquisador e sujeito pesquisado interagem, de forma a construir juntos o resultado, sem uma predefinição de onde devem chegar. Durante as entrevistas ficou clara a necessidade deste tipo de treinamento, uma vez que as instituições privadas cada vez mais aderem a tecnologia VoIP, sem ter pessoal preparado para auxiliá-los na transição entre o modelo convencional e o novo modelo proposto. Ao todo, foram entrevistados doze parceiros, priorizando sempre falar com dois segmentos, a alta administração, geralmente na figura do proprietário ou de um diretor, e com a área técnica, na figura do gerente de infraestrutura ou assemelhado. O resultado final dos levantamentos foi bastante satisfatório, permitindo um bom embasamento para a apresentação de uma proposta de curso para a administração da faculdade, que encampou o projeto sem ressalvas.

22

CAPÍTULO 3 DESIGN INSTRUCIONAL DO CURSO “FUNDAMENTOS DE VOIP”

A proposta para o curso Fundamentos de VoIP ofertado na modalidade a distância surgiu da observação das tendências de mercado e de levantamentos existentes junto aos parceiros da Faculdade Famatec, instituição responsável pela produção e disponibilização do curso. O AVA utilizado foi o Teleduc, tanto pelo simplicidade quanto pelo grau de entrosamento da equipe com a ferramenta, diminuindo a necessidade de capacitação e acelerando o startup do projeto. O fato do Teleduc ser um ambiente aberto e gratuito também contou para a sua escolha.

3.1 Curso Fundamentos de VoIP – Plano de Curso As TICs são, entre outros fatores, um marco para a Revolução do Conhecimento ou Era Digital como vem sendo chamado esse momento de transformações culturais, sociais, política e econômicas impulsionados pelos avanços tecnológicos comunicacionais e informacionais. No curso proposto, a educação a distância permitirá levar novas técnicas de comunicação telefônica a um público mais amplo, dando acesso a uma tecnologia emergente e potencialmente vantajosa para promover a comunicação entre pessoas e empresas a um custo muito mais baixo, através da formação de profissionais capacitados a fornecer soluções básicas de Voz sobre IP.

3.1.1 Conteúdos curriculares O curso está organizado em cinco aulas teórico-práticas constituídas por informações básicas relacionadas aos conceitos vinculados à telefonia, noções de VoIP e utilização dessa comunicação.

23

Aula 1 - Noções de Telefonia – 6h 1.1 - O que é telefonia 1.2 - Como funciona um telefone 1.3 - Rede Pública de Telefonia Aula 2 - Noções de VoIP – 6h 2.1 - O que é VoIP 2.2 - Benefícios 2.3 - Problemas 2.4 - Aplicações típicas Aula 3 - Cenários com VoIP – 6h 3.1 – Cenários básicos 3.2 – Instalação doméstica 3.3 – Instalação comercial Aula 4 - Utilizando Operadoras VoIP – 6h 4.1 – Principais operadoras nacionais 4.2 – Principais operadoras internacionais 4.3 – Escolhendo a melhor operadora para sua necessidade Aula 5 - Utilizando VoIP – 6h 5.1 – Uso no computador 5.2 – Uso com telefone VoIP 5.3 – Uso com gateway VoIP

3.1.2 Pré-requisitos Para participar do curso o interessado deverá ser residente em cidades com mais de 100 mil habitantes e banda larga disponível. Ter segundo grau completo, não sendo necessária formação específica. Cursos técnicos nas áreas de telefonia e informática são desejáveis.

24

O critério de 100 mil habitantes foi definido com base na oferta de banda larga nas cidades brasileiras, que costuma ocorrer geralmente em cidades com densidade populacional acima da citada. 3.1.3 Período de Duração O curso tem duração de seis semanas, com datas ainda a serem definidas. 3.1.4 Carga-Horária O curso totaliza uma carga horária de 30h, estimando-se 6h para cada módulo, dispostos entre a participação no ambiente de aprendizagem virtual e estudos individuais de conteúdo. Pressupõe-se uma dedicação diária de pelo menos 1h por parte do cursista, com um dia de folga entre um módulo e outro. 3.1.5 Cronograma O curso seguirá o cronograma em termos de execução das fases previstas, apresentado na tabela 1:
Tabela 1 – Cronograma do curso

Fase Planejamento Desenvolvimento Execução Avaliação Revisão Duração da ação

Subfase Levantamento inicial Planejamento de DI Produção de Material Estruturação geral Divulgação Inscrições Oferta do curso -

Duração 3 dias 4 dias 7 dias 7 dias 7 dias 14 dias 42 dias 14 dias 7 dias 105 dias

3.1.6 Objetivos de aprendizagem

25

Geral Promover a capacitação de profissionais para o uso de tecnologia VoIP por intermédio da utilização da Internet como um meio potencial para a atividade de comunicação empresarial bem como pelo aprendizado e uso de ferramentas digitais para telefonia. Específicos − − Definir com precisão os conceitos relativos à telefonia a partir dos conteúdos estudados. Identificar oportunidades para o emprego da tecnologia VoIP diante das alternativas de comunicação telefônica, incluindo-se as questões de custo benefício para as empresas. − − − Aplicar o aprendizado básico em atividades de comunicação das empresas as quais está vinculado. Praticar o trabalho em rede de comunicação em busca de parceiros e expansão de negócios. Avaliar a infraestrutura VoIP e disponibilizá-la como alternativa comunicacional para a empresa. 3.1.7 Estratégias de Aprendizagem Com base no perfil de pré-requisitos observa-se que o curso atingirá uma clientela com nível de escolaridade média e superior, com alguma ou nenhuma experiência em estudo a distância. Essa clientela, conforme já constatado por outros estudos sobre modalidade EAD, não dispõe de muito tempo para dedicar-se à formação continuada, mesmo na modalidade em questão que não exige o deslocamento e a presença física do cursista. A definição das estratégias de aprendizagem do curso foi norteada principalmente por essas constatações. A partir desse norte, estabeleceram-se as seguintes estratégias: 1 - Conteúdo a ser disponibilizado em arquivos elaborados com textos precisos e curtos, construídos a partir de conceitos chaves e visualmente trabalhos de maneira que o cursista possa fazer uma leitura textual e visual que lhe seja agradável,

26

atrativa e da qual ele possa extrair os conhecimentos necessários para atingir as metas do curso. E, principalmente, passíveis de impressão em virtude da necessidade cultural da leitura em papel. Além disto, oferta de materiais em vídeo, através do próprio AVA ou de sítios externos, como o YouTube. 2 - Por intermédio de ferramentas interativas e colaborativas do Teleduc, incentivar no grupo de cursistas a troca de ideias e experiências com a utilização de Fóruns. 3 - Treinamento e acompanhamento dos tutores para que assumam uma postura proativa e motivadora diante da condução das atividades de tutoria além de procederem com atitudes que resultem em recuperações semanais de conteúdos por parte dos cursistas. 4 - Disponibilizar um fórum de dúvidas com tópicos específicos sobre os conteúdos abordados nos módulos, onde os cursistas compartilhem dúvidas além de obterem feedback do tutor e dos colegas. 3.1.8 Metodologia O curso será ministrado no ambiente de aprendizagem virtual Teleduc na modalidade a distância com a orientação de tutores e sem previsão de encontros presenciais entre cursistas e equipe pedagógica. O conteúdo, dividido em cinco módulos, é constituído por informações básicas relacionadas aos conceitos vinculados à telefonia, noções de VoIP e utilização dessa comunicação. Os módulos foram divididos em semanas e podem ser antecedidos por um Módulo de Ambientação, caso necessário. Nesse módulo, o cursista receberá orientações de navegação no ambiente virtual de aprendizagem Teleduc, sobre o curso e sobre estudar a distância.

3.1.8.1 – Ferramentas e recursos do Teleduc

27

As atividades de ensino/aprendizagem serão subsidiadas pelos recursos disponíveis no AVA: leitura de textos, vídeos e bibliografia (disponíveis em arquivos e links), participação em fóruns e demais ferramentas interativas. As atividades pedagógicas utilizarão meios síncronos e assíncronos de comunicação na forma das seguintes ferramentas: a) Correio: para troca de informações entre os membros da equipe pedagógica do curso; para comunicação entre tutores e cursistas; para comunicação entre a coordenação do curso e os demais membros do projeto. b) Fóruns de discussão: para disponibilizar questões administrativas do curso (avisos e notícias); para promover debates temáticos entre os cursistas sobre o conteúdo do curso; para a comunicação entre os tutores visando a troca de experiências e avaliações sobre as atividades de tutoria ao longo do processo de atuação no curso.

3.1.9 Sistema de tutoria - apoio ao aprendizado Ao tutor cabe a mediação entre o que está sendo disponibilizado no AVA e os cursistas, sanando dúvidas de conteúdo, de operação do ambiente de aprendizagem, uso das médias, enfim, todo e qualquer assunto relacionado diretamente ao processo de ensino/aprendizado relativo ao curso. Principais atividades do tutor: • Acesso ao AVA e orientação permanente, com feedbacks rápidos sobre os conteúdos do curso. • Exercitar ações proativas que visem a motivação da participação do cursista no AVA, inclusive para estudar e pesquisar sobre conteúdos complementares aos do curso. • Utilizar as ferramentas de comunicação disponíveis no AVA e as outras previstas nesse plano de curso para a execução das atividades de tutoria.

28

Acompanhamento sistemático dos cursistas por intermédio de relatórios emitidos com o objetivo de motivar cursistas participativos e auxiliar na recuperação e motivação daqueles que estão com dificuldades de acompanhar o curso.

Manter os cursistas atentos à participação nos fóruns por intermédio de chamadas via correio.

Comunicar-se semanalmente com todos os cursistas para informar sobre o encerramento do módulo semanal e fazer a apresentação do módulo da próxima semana.

Elaborar

e

redigir

relatórios

semanais

e

o

Relatório

Final

de

acompanhamento das atividades de tutoria. • Avaliar as atividades de sistematização e a participação dos cursistas nas atividades interativas, emitindo as menções pertinentes a cada uma delas. • Atuar sob a supervisão da Coordenação Pedagógica do curso.

3.1.10 Conteúdo disponibilizado no AVA Por intermédio do AVA Teleduc o estudante poderá acessar: o conteúdo básico da disciplina disponibilizado em arquivos e textos processados em programas de editoração eletrônica, além de vídeos disponibilizados no próprio AVA ou em sites externos, como o YouTube.  a bibliografia da disciplina necessária para a complementação e aprofundamento dos estudos que estará disponibilizada no formato de arquivos para download e links para sites e conteúdos complementares aos assuntos abordados.  as atividades relativas aos conteúdos de cada módulo caracterizadas pela sistematização dos conteúdos estudados na forma de tarefas e relatórios de participação.

29

as atividades interativas disponibilizadas por intermédio de fóruns nos quais serão debatidos tópicos relacionados aos conteúdos estudados.

3.1.11 Avaliação Os cursistas serão avaliados durante o curso com base na elaboração e envio das tarefas propostas nas aulas; e na participação das atividades interativas. A soma das pontuações obtidas nessas etapas corresponde a 70% da menção final. Os 30% restantes virão das participações nos fóruns de discussão. Pontuação das atividades avaliadas em cada aula: Aula 1 – Texto sobre os benefícios da telefonia – 25 pontos Aula 2 – Criação de anúncio publicitário sobre as vantagens do VoIP - 25 pontos Aula 4 – Texto com Comparação entre duas operadoras VoIP nacionais – 25 pontos Aula 5 – Texto com Comparação entre os usos de VoIP – 25 pontos Total: 100 pontos Para aprovação e emissão de certificado o cursista deverá atingir no mínimo 50 (cinquenta) pontos. Considerações gerais: • As atividades poderão ser enviadas até 24h do domingo da aula em curso. • Os fóruns ficarão abertos durante todo o curso encerrando-se a participação no último dia do curso. Critérios de avaliação Atividades de sistematização de aprendizagem • Pontualidade no cumprimento do prazo de entrega

Atividades de interação • • Capacidade de expressão e coerência de ideias com o tópico Interação com o grupo

30

• •

Disponibilidade para relatar e compartilhar experiências Capacidade de elaborar ideias a partir dos conteúdos do curso e das contribuições inseridas nos fóruns pelos demais participantes

• •

Coerência e criatividade na inserção de termos no glossário Pontualidade no cumprimento do prazo

3.1.12 Custos O custo total do projeto foi estimado em R$ 20.100,00, com um custo por aluno de R$ 100,50, conforme demonstrado na tabela 2.
Tabela 2 - Orçamento para o projeto de DI do curso Faculdade Famatec PROJETO: Curso em EAD Fundamentos de VoIP RESPONSÁVEL: Marcus Vinícius Quintella Ribeiro PREMISSAS ESTABELECIDAS Verba orçamentária Alunos matriculados Custo méd. previsto aluno Duração da ação CUSTOS ORÇADOS ITEM CUSTOS FIXOS 1 Design Instrucional 2300,00 2 Desenvolv. conteúdo 3000,00 3 Tutoria 4. Avaliação 4.1 Rel. acompanhamento 400,00 2.2 Certificados 3. Outros 3.1 Consumíveis 3.2 Secretaria SUBTOTAIS 5700,00 CUSTO TOTAL CUSTO MÉD. ALUNO

R$ 25.000,00 200 R$ 125,00 105 dias CUSTOS VARIÁVEIS

9600,00

200,00 200,00 4400,00 14400,00 R$ 20.100,00 R$ 100,50

Fonte: FILATRO, Andrea - Design instrucional na prática / São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2008.

3.1.13 Equipe O curso contou com a participação dos seguintes profissionais:

31

Coordenador de EAD - Marcus Ribeiro Designer Instrucional - Marcus Ribeiro Web Designer - Orgete Batista Conteudista - Marcus Ribeiro Tutores - Rogério Estrela e Gilson Duarte Secretária - Lunalva Montelo Assistente - Fabíola Sales 3.2 Recursos de Design Instrucional Os recursos de DI são ferramentas utilizadas pelo designer instrucional para auxiliar no trabalho de transposição de conteúdo para o formato adequado ao EaD. Neste trabalho, abordaremos o Mapa de Atividades, a Matriz de Design Instrucional e o Storyboard. 3.2.1 Mapa de Atividades O mapa de atividades é uma das ferramentas de DI mais importantes, pois facilita a transposição do material fornecido pelo professor/conteudista, geralmente focado para ensino presencial, para o formato adequado para EaD. O mapa é uma tabela que contempla os seguintes itens: período, unidade, subunidade, objetivos específicos, atividades teóricas e práticas, bem como os recursos e ferramentas a serem utilizados nas atividades. No curso apresentado, o mapa de atividades (tabela 3) teve papel fundamental, pois proporcionou clareza ao DI para operacionalização do treinamento, aumentando a produtividade da equipe e a coerência do trabalho. Nele, foram priorizadas atividades teóricas que permitissem ao aluno maior envolvimento com a tecnologia VoIP, através do estudo de seus usos e vantagens, promovendo a fixação do conteúdo através de atividades práticas que levassem o aluno a explorar as possibilidades de uso da tecnologia e seu impacto no mercado.

32

Tabela 3 – Mapa de Atividades do curso

Curso/Disciplina: Fundamentos de VoIP Atividades práticas e recursos/ferramentas de EaD
Atividade 2 – Fórum sobre o tema “Qual a sua opinião sobre a evolução da telefonia convencional nas últimas décadas com base no material lido?” Ferramenta: Fóruns de Discussão Atividade 3 – Disponibilizar no portfólio individual texto contendo entre 20 e 30 linhas com a sua opinião sobre os benefícios trazidos pela telefonia convencional ao desenvolvimento do Brasil nas últimas três décadas. Ferramenta: Portfólio Atividade 6 – Dinâmica: Criação de Anúncio Publicitário sobre as Vantagens da Tecnologia VoIP Ferramenta: Portfólio Atividade 7 – Pesquisar e disponibilizar no portfólio individual links para páginas contendo dois usos diferentes da tecnologia VoIP: Ferramenta: Portfólio

Aula/ Semana

Unidade

Sub-unidades

Objetivos específicos
1 – Informar o conceito de telefonia

Atividades teóricas e recursos/ferramentas de EaD

1 - O que é telefonia Aula 1 7 dias CH 6h Noções de Telefonia 2 - Como funciona um telefone 3 - Rede Pública de Telefonia

2 – Explicar como funciona um telefone padrão esquemático 3 – Explicar de forma geral como opera a rede pública de telefonia e qual sua importância para o país 1 - Explicar o conceito de telefonia por IP

Atividade 1 – Leitura da Apresentação sobre Telefonia Recurso: texto em PDF Ferramenta: Leituras

1 - O que é VoIP Aula 2 7 dias CH 6h 2 - Benefícios Noções de VoIP 3 - Problemas 4 - Aplicações típicas

2 – Identificar e discutir seus benefícios em relação à telefonia convencional 3 – Identificar os principais problemas com a tecnologia VoIP 4 – Identificar as principais aplicações da nova tecnologia

Atividade 4 – Assistir ao vídeo O que é VoIP. Recurso: Aula em vídeo Ferramenta: YouTube (link externo) Atividade 5 – Leitura do texto Aplicações para a Tecnologia VoIP Recurso: texto em PDF Ferramenta: Leituras

33

Aula/ Semana

Unidade

Sub-unidades

Objetivos específicos
1 – Identificar cenários básicos de utilização da tecnologia VoIP 2 – Explicar uma instalação básica de VoIP doméstica 3 – Identificar uma instalação básica de VoIP comercial 1 – Identificar as principais operadoras VoIP nacionais, seus serviços e tarifas 2 – Identificar suas necessidades e escolher a melhor operadora VoIP 1 – Explicar a utilização do VoIP utilizando o computador 2 – Explicar a utilização do VoIP utilizando telefone específico 3 – Explicar a utilização do VoIP utilizando gateway apropriado

Atividades teóricas e recursos/ferramentas de EaD
Atividade 8 – Assistir ao vídeo VoIP no Dia a Dia. Recurso: Aula em vídeo Ferramenta: YouTube (link externo) Atividade 9 – Leitura do texto Cenários de VoIP – Em Casa e no Trabalho Recurso: texto em PDF Ferramenta: Leituras

Atividades práticas e recursos/ferramentas de EaD
Atividade 10 – Fórum sobre o tema “Em sua opinião, qual a principal vantagem do cenário híbrido da tecnologia VoIP para empresas?” Ferramenta: Fóruns de Discussão

1 – Cenários básicos Aula 3 7 dias CH 6h Cenários com VoIP 2 – Instalação doméstica 3 – Instalação comercial 1 – Principais operadoras nacionais Aula 4 7 dias CH 6h Utilizando Operadoras VoIP 2 – Principais operadoras internacionais 3 – Escolhendo a melhor operadora para sua necessidade 1 – Uso no computador Aula 5 7 dias CH 6h Utilizando VoIP 2 – Uso com telefone VoIP 3 – Uso com gateway VoIP

Atividade 11 – Leitura do texto Comparativo sobre Operadoras VoIP Recurso: texto em PDF Ferramenta: Leituras

Atividade 12 – Fórum sobre o tema “Quais os principais fatores que influenciam na escolha de uma operadora VoIP?” Ferramenta: Fóruns de Discussão Atividade 13 – Pesquisar e disponibilizar no portfólio individual comparação entre duas operadoras VoIP nacionais, focando as tarifas. Ferramenta: Portfólio Atividade 16 – Fórum sobre o tema “Quais os requisitos básicos para uso de VoIP em computadores?” Ferramenta: Fóruns de Discussão Atividade 17 – Disponibilizar no portfólio individual comparação entre os três tipos de uso da tecnologia VoIP. Ferramenta: Portfólio

Atividade 14 – Leitura do texto Diferentes Configurações para Uso de VoIP Recurso: texto em PDF Ferramenta: Leituras Atividade 15 – Assistir ao vídeo Configurando VoIP no Seu Computador. Recurso: Aula em vídeo Ferramenta: YouTube (link externo)

3.2.2 Matriz de Design Instrucional A Matriz de Design Instrucional é o detalhamento de uma aula, cujo objetivo é identificar o tema a ser transmitido, os objetivos da aula, os conteúdos que serão abordados, as atividades que serão desenvolvidas e as referências necessárias, como sites, textos, e vídeos, por exemplo. O objetivo é que tutores e monitores saibam seu exato papel na formação ao longo da execução das atividades, bem como quais ferramentas do AVA serão utilizadas e quais os produtos esperados ao fim da aula, incluindo ai as avaliações. Na matriz (tabela 4), ressaltamos a Aula 2, que inclui um grau maior de complexidade, em função da presença de uma atividade dinâmica, o que resultou em seu detalhamento. Esta aula possui duas atividades práticas, que são a criação de um anúncio publicitário e uma pesquisa a ser disponibilizada no portfólio individual. O anúncio visa promover as vantagens da tecnologia VoIP, levando o cursista a ter que pesquisar e botar em prática os conhecimentos acumulados sobre o assunto, melhorando a fixação conteúdo. Já a pesquisa, tem por objetivo incentivar o aluno a descobrir os usos da tecnologia, desenvolvendo a integração entre a teoria apresentada e seu uso no mundo corporativo, criando um laço entre a teoria e a prática.

35

Tabela 4 – Matriz de DI do curso

Identificação da Atividade

Descrição/ proposta da dinâmica

Objetivo(s)

Critérios / avaliação

Tipo de interação

Prazo

Ferramenta

Conteúdo(s) de apoio e complementares

Produção dos alunos / avaliação

Feedback

Aula 2 Atividades 3 e 4

Trabalho visando a criação de anúncio publicitário sobre a tecnologia VoIP, além de pesquisa disponibilizada no portfólio individual. Visa incentivar o aluno à pesquisa sobre o assunto e exposição dos conhecimentos adquiridos.

Explicar o conceito de telefonia por IP Demonstrar seus benefícios em relação à telefonia convencional Identificar as principais aplicações de VoIP

Atividade 3 – Dinâmica Criação de Anúncio Publicitário sobre as Vantagens da Tecnologia VoIP: 1 – Disponibilização do anúncio dentro do prazo estipulado. Individual Atividade 4 – Pesquisar e disponibilizar no portfólio individual links para páginas contendo dois usos diferentes da tecnologia VoIP: 1 – Disponibilização dos links dentro do prazo estipulado. 3 dias úteis

Portfólio

Vídeo: O que é VoIP, do professor Marcus Recurso: Aula em vídeo Ferramenta: YouTube (link externo) Texto Aplicações para a Tecnologia VoIP Recurso: texto em PDF Ferramenta: Leituras

Anúncio em forma de cartaz ou página web tentando convencer o público a adotar a tecnologia VoIP, além de promover dois usos diferentes para a tecnologia através de links interessantes sobre o assunto.

2 Notas: N1 - Atividade 3: 10 dias após a data limite de entrega do trabalho. N2 - Atividade 4: 10 dias após a data limite de entrega do trabalho

36

3.2.3 Storyboard O storyboard permite que o designer instrucional oriente a equipe de produção sobre o que se espera em determinado ponto do curso, uma vez que expõe detalhes do treinamento, que podem ser desde o fluxo de uma aula até a descrição de uma atividade. Também é possível utilizar este recurso para mapear o curso em toda a sua extensão dando uma visão geral de todas as aulas e atividades envolvidas. Em nosso caso, o storyboard foi utilizado para demonstrar o fluxo de algumas aulas e para o detalhamento de algumas atividades, facilitando sua compreensão (figuras 1, 2, 3, 4 e 5).

Figura 1. Storyboard da aula 1 do curso Fundamentos de VoIP

37

Figura 2. Storyboard da aula 1 do curso Fundamentos de VoIP, com detalhe da atividade 1

Figura 3. Storyboard da aula 1 do curso Fundamentos de VoIP, com detalhe da atividade 2

38

Figura 4. Storyboard da aula 1 do curso Fundamentos de VoIP, com detalhe da atividade 3

Figura 5. Storyboard da aula 2 do curso Fundamentos de VoIP

Nas telas, foram detalhas duas aulas, bem como todas as atividades previstas, facilitando a construção deste conteúdo dentro do AVA. Os recursos de DI são imprescindíveis para que o designer instrucional produza de forma organizada e rápida, atingindo o objetivo com clareza e precisão.

39

CAPÍTULO 4 ANÁLISE DO DESIGN INSTRUCIONAL DO CURSO “FUNDAMENTOS DE VOIP”

Neste

capítulo,

abordaremos

as

perspectivas,

diferenciais,

riscos

e

recomendações para o curso, levando em conta suas especificidades, bem como a dificuldade de se transpor o tipo de conteúdo proposto para um ambiente virtual. 4.1 Perspectivas Apesar do tema do curso ser novo e ainda pouco explorado, o mercado mostra-se favorável por qualquer informação ou possibilidade de capacitação disponível, o que pode ser comprovado pelo sucesso observado nos treinamentos já realizados sobre o tema e pelo aquecimento do mercado de VoIP, que hoje começa a atingir os consumidores domésticos, atraídos pelas possibilidade de economia em ligações telefônicas com pouco ou até mesmo nenhum investimento. Este curso é apenas o piloto de uma série que visa abordar a tecnologia VoIP de forma mais completa, sempre aprofundando mais os conhecimentos transmitidos e abrindo novas possibilidades para o aluno. Este curso dará a base, mas trará mais curiosidade sobre o assunto, potencializando a oferta de novos cursos. Como pontos positivos do projeto podemos destacar a existência de profissionais detentores de conhecimento dentro da empresa, o que facilita a elaboração do curso, bem como a boa receptividade junto aos parceiros habituais da instituição, que apoiou o projeto sem ressalvas. O projeto em si também tem algumas novidades interessantes, como o uso de vídeos para apoio ao aprendizado e a possibilidade de se utilizar de fato a tecnologia oferecida de forma gratuita para experimentação, o que possibilitará ao aluno realmente colocar a “mão na massa”.

40 4.2 Diferenciais Um dos principais diferenciais do projeto é a baixa oferta deste tipo de treinamento no mercado, bem com ao pequeno número de profissionais capacitados na área, hoje em alta devido à necessidade crescente das empresas de tecnologia por este tipo de mão de obra. O projeto em si tem algumas novidades interessantes, como o uso de vídeos para apoio ao aprendizado e a possibilidade de se utilizar de fato a tecnologia oferecida de forma gratuita para experimentação, o que possibilitará ao aluno realmente colocar a “mão na massa”. Este tipo de abordagem não é usual para este tipo de treinamento. A linguagem informal e o uso intenso de imagens também auxilia a humanizar o curso, trabalhando mais o emocional do aluno, centro de todo o processo. O foco no aluno é certamente o ponto mais importante na estruturação do curso, numa abordagem predominantemente construtivista.

4.3 Riscos Como riscos do projeto, podemos elencar os seguintes: − Obsolescência da tecnologia – por ser uma tecnologia relativamente nova e sujeita a mudanças significativas, há necessidade de revisão periódica do material ofertado, sob pena de ser passar informação defasada ou já fora de contexto aos alunos; − Equipe de professores/tutores – em função da especificidade do tema, sempre há dificuldades em se encontrar profissionais com perfil adequado ao acompanhamento dos alunos e manutenção do curso. Para mitigar este risco é necessário sempre ter a disposição alguns nomes aptos a substituir componentes da equipe em caso de necessidade; − Concorrência – neste momento a concorrência ainda é pequena, porém a cada dia que passa novas empresas investem neste segmento, o que pode

41 levar a uma saturação de mercado, porém este risco ainda é pequeno neste momento; − Acessibilidade – este curso representa um grande desafio para PNE’s uma vez que a adaptação do conteúdo é trabalhosa e difícil; − Retorno do investimento – em função do baixo custo para a instituição na elaboração do curso, os riscos financeiros são baixos. 4.4 Recomendações As recomendações gerais são poucas, e referem-se principalmente a manutenção de pessoal capacitado para assessorar os alunos, uma vez que os tutores escalados possuem conhecimento sobre o assunto, e a modernização constante do conteúdo, que muda com grande frequência e deve ser atualizado todas as vezes em que novas técnicas surgirem. Seguindo as recomendações acima, é possível manter a qualidade do treinamento, tornando-o atual e dando aos cursistas uma formação perfeitamente alinhada com as melhores práticas de mercado, valorizando o profissional e a instituição. Neste capítulo ficam claras as perspectivas do curso, que, apesar dos riscos envolvidos, tem grandes potencial de mercado, em função de seus diferenciais, que o tornam bastante interessante e competitivo.

42

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A utilização dos recursos disponibilizados pelas TICs associadas às alternativas pedagógicas para a EAD está viabilizando a ampliação da circulação de conteúdos digitais com finalidade de capacitação profissional e educacional. Nessa modalidade educacional, a formação continuada e a transdisciplinaridade tornam-se viáveis a cada dia e ainda a autonomia do aprendiz que se organiza em torno daquilo que sente como lacuna de conhecimento necessária ao seu aperfeiçoamento profissional. Atualmente, no Brasil, a prioridade dos investimentos estatais na modalidade EaD volta-se para a formação de professores, buscando licenciar o maior número de profissionais para atuar no ensino básico brasileiro. Essa é uma das metas da Universidade Aberta do Brasil. Aliada a isso, diversas instituições corporativas e empresariais buscam a EaD para capacitar e aperfeiçoar o seu quadro de pessoal. Com isso, queremos destacar que, por enquanto, o profissional em design instrucional está voltado para a pesquisa em torno das necessidades educacionais de um público adulto, o que é um cenário extremamente favorável para o curso objeto deste trabalho monográfico. No curso objeto deste trabalho, o grande desafio é a correta transposição do conteúdo do curso para o ambiente virtual, uma vez que o tema ainda é novo e com poucas experiências práticas através de EaD, respeitando sempre a teoria do pensamento complexo, proposta por Morin, e a teoria das inteligências múltiplas, proposta por Gardner, em contraposição ao tradicional pensamento cartesiano, focando na solução de problemas. Acreditamos que utilizando as técnicas corretas e mantendo a atualidade do conteúdo, este projeto certamente atingirá seu objetivo, conseguindo transpor um conteúdo com alto grau de uso de tecnologia para um ambiente virtual, possibilitando que alunos de diversas localidades tenham acesso a um conteúdo atual e contemporâneo, que certamente abrirá novas perspectivas profissionais para os alunos, além de uma excelente perspectiva de construção de uma carreira sobre o tema, tendo o curso em questão como ponto de partida.

43

REFERÊNCIAS
APPLE, Michael. Ideologia e Currículo. Porto Alegre: Artmed, 2006. FILATRO, A. Design instrucional: educação e tecnologia. 2ª ed. São Paulo: Editora Senac, 2007. 215 p. GARDNER, Howard Inteligências Múltiplas: a teoria na prática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. Vygotsky, L.S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1988. PIAGET, J. A equilibração das estruturas cognitivas. Rio de Janeiro: Zahar. 1978.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful