Você está na página 1de 1

ESTUDO DO COMPORTAMENTO DA ZONA TERMICAMENTE AFETADA VARIANDO O MODO DE TRANSFERNCIA METLICA NO PROCESSO DE SOLDAGEM GMAW DO AO EN-10025-3-04-S355-NL

BASSANELLI,
1Faculdade

1*1; E.

SANTOS, V.

12 A.

; BORGES, R.

23 L.

de Tecnologia CEETEPS, Pindamonhangaba, Brasil 2Orientador: Faculdade de Tecnologia CEETEPS, Pindamonhangaba, Brasil 1 eliane.bassaneli@fatec.sp.gov.br; 2 vanessa.santos2@fatec.sp.gov.br; 3 romulo.borges@fatec.sp.gov.br

OBJETIVO
Estudar o comportamento da zona termicamente afetada variando o modo de transferncia metlica no processo de soldagem GMAW do ao EN-10025-3-04-S355-NL.

INTRODUO
O processo de soldagem MIG/MAG caracterizado pela transferncia metlica para a poa de fuso atravs do arco. Como os demais processos, este tambm implica severos ciclos trmicos que alteram a microestrutura do metal base e por isso ocorre variao das propriedades do material. Nas juntas soldadas so formadas diferentes regies denominadas metal base (MB), zona termicamente afetada (ZTA) e metal de solda (MS) onde o ciclo trmico exerce seu efeito. A Zona Termicamente Afetada (ZTA) a regio em que normalmente ocorrem transformaes no estado slido durante a soldagem. No perodo de permanncia em alta temperatura na soldagem dos aos, nessa zona ocorrem transformaes de fase e, portanto mudanas microestruturais marcantes. Podem ocorrer fenmenos crticos como transformaes martensticas, crescimento de gros e precipitao de carbonetos duros. Durante o resfriamento, ocorrem transformaes no estado slido que dependem essencialmente da composio do ao e dos parmetros do processo de soldagem, alm das dimenses do material. A presena de martensita na zona termicamente afetada deve ser evitada, devido a fragilidade desta estrutura. O crescimento de gro deve ser minimizado, devido a reduo na resistncia mecnica e tenacidade.

METODOLOGIA
Utilizou-se chapas com 19,0 mm de espessura do ao EN-10025-3-04-S355-NL que foram pr-aquecidas a 100C e soldadas pelo processo GMAW. O arame slido utilizado foi AWS ER 70S6 1,32 mm e como gs de proteo usou-se uma mistura de 80% Argnio e 20% CO2. A energia de soldagem e o modo de transferncia foram variados conforme tabela abaixo:

Os ensaios de dureza e as macrografias foram realizados pelo laboratrio Labmetal.

RESULTADOS

Figura 1: Macrografias das juntas soldadas

Figura 3: Ensaio de Dureza Vickers. Figura 2: Micrografias mostrando a microestrutura das regies da junta soldada.

CONCLUSES
O comportamento da Zona Termicamente Afetada foi semelhante nos trs corpos de prova analisados, assim esperamos que as propriedades mecnicas, como tenacidade e resistncia a trao sejam semelhantes. Sugesto para trabalhos futuros: comparativo da taxa de deposio variando o modo de transferncia .

IV Simpsio de Tecnologia da FATEC Pindamonhangaba, 19 a 21 Outubro de 2011. Apoio:

Você também pode gostar