Você está na página 1de 1

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GOUVEIA

Ficha de leitura n. __2__ Indicao Bibliogrfica: Autor Ea de Queirs; Ttulo Contos A Civilizao; Editora Porto Editora; Data da reedio Setembro de 2011. um livro de: contos aventuras viagens histria outros

Assunto: Civilizao um conto de Ea de Queirs onde narrada a vida de Jacinto, um homem novo e culto que vivia luxuosamente, rodeado dos mais sofisticados e recentes inventos e das mais belas obras-primas da literatura. No entanto, apesar do luxo, ele vivia infeliz. Teve de se afastar um pouco da civilizao para poder perceber que no o luxo que deixa as pessoas felizes, so as coisas mais simples da vida. A personagem de que mais gostei foi o Z Brs porque devido a ele ser serrano, tinha uma maneira de falar diferente e dizia frases do gnero suas inselncias, por isso faz rir um pouco. A personagem de que menos gostei foi os amigos de Jacinto muito cultos porque s tinham conversas chatas (aborrecidas) e s falavam de coisas que quase ningum quer saber (sem ofensa). O lugar descrito que mais me impressionou foi o velho solar de Torges. O(s) momento(s) da aco que gostaria de ter vivido foi/foram a viagem de comboio que o Jacinto e o narrador (Jos) fizeram desde o palcio Jasmineiro, na cidade at ao velho solar de Torges, no campo. Agradou-me/desagradou-me o desfecho da histria porque o final ensina aos leitores que no o luxo que importa. s vezes, o mais simples da vida pode ser muito mais valioso para o bemestar das pessoas. Aconselho/no aconselho este livro aos meus amigos porque nos d um ensinamento moral. Aqui ficam registadas as frases/expresses que achei mais bonitas No h ideia mais consoladora do que esta que eu, e tu, e aquele monte, e o sol que, agora, se esconde so molculas do mesmo Todo, governadas pela mesma Lei, rolando para o mesmo Fim. () Nem ele nem eu sabamos os nomes desses astros admirveis. Eu, por causa da macia e indesbastvel ignorncia de bacharel, com que sa do ventre de Coimbra, minha me espiritual. Jacinto, porque na sua ponderosa biblioteca tinha trezentos e dezoito tratados sobre a astronomia! Mas que nos importava, de resto, que aquele astro alm se chamasse Srio e aquele outro Aldebar? Que lhes importava a eles que um de ns fosse Jos e o outro Jacinto? ramos formas transitrias do mesmo ser eterno e em ns havia o mesmo Deus.

Nome: Catarina Silva Marques

n. 8

ano 7

turma E