BOI VOADOR - npLARP 2011

Núcleo de Pesquisa em Live Action Roleplaying Edição 2011

CONTATO

(11) 8586-0234 boivoador.larp@gmail.com

Quem Somos
O grupo BOI VOADOR é um coletivo voltado para a criação de LARPs mistura de jogo e teatro no qual os participantes encarnam personagens para participar de uma história de maneira completamente interativa: sem roteiro definido. No segundo semestre de 2011 fomos contemplados pelo Programa VAI da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo. Este material refere-se principalmente às atividades desenvolvidas nesse período.

“Um larp é um encontro entre pessoas que, por meio de seus personagens, relacionam-se uns com os outros em um mundo ficcional” (Eirik Fatland e Lars Wingård, Manifesto Dogma 99)

O que é larp?
Um LARP (Live Action Roleplaying) é um jogo de interpretação de personagens e um tipo de arte participativa. Ele pode até se assemelhar ao teatro ou à performance, mas não é para ser visto: é para ser vivido! Ao jogar um LARP, os participantes interagem interpretando papéis em uma história. São personagens que eles mesmos criaram ou receberam para o jogo. No entanto, não há um roteiro ou script. As decisões são tomadas pelos jogadores no desenrolar da história, na base do improviso, enquanto estão brincando de ser essa outra pessoa. Também não há platéia, os jogadores interpretam para si e uns para os outros! Assim, a história é conduzida pelas ações de todos e pode tomar os rumos mais inesperados! Um LARP pode ter dois jogadores ou até centenas deles. Pode durar 5 minutos, algumas horas ou semanas inteiras! Há LARPs para todos os gostos e agendas: pequenos jogos para se divertir no bar com os amigos, propostas experimentais de vanguarda e também acampamentos nerd com zumbis ou cavaleiros.

Tango para Dois

Tango for two Even Tømte & Tor Kjetil Edland Noruega, 2008
para 16 jogadores agosto de 2011 O. C. Amácio Mazzaropi

Tango para dois é um larp para uma tarde. Dois jogadores serão diferentes partes da personalidade de uma personagem. É possivel ser o eu consciente ou os desejos ocultos do indivíduo. Os dois trabalharão juntos, cada um deles sendo a parte dominante em fases diferentes do jogo. Tango para dois discute cooperação e musicalidade, é sobre compromisso e conflito, e sobre tomar, oferecer ou perder o controle.

Tango para Dois
(Tango for two)
um LARP de Even Tømte & Tor Kjetil Edland, 2008 Adaptação: Grupo Boi Voador Designer Gráfico: Luiz Falcão Aplicação: Cauê Martins, Erika Bundzius, Luiz Falcão. Foto e Vídeo: Luiz Falcão e Erika Bundzius realizado no dia 13 de agosto de 2011 na Oficinas Cultural Amácio Mazzaropi

“Nós entramos no mundo sozinhos. E o deixamos exatamente da mesma forma. Mas entre isso, existe a dança chamada vida. O problema é que é preciso dois para o tango. Então olhamos os sinais; alguma coisa que nos ajude a achar nossos pares perfeitos. Um sorriso, uma vibração. Mas temos que ser cuidadosos; por que enquanto alguns sinais podem ser mal interpretados, outros podem ser completamente perdidos... Em algumas danças você fica de fora. Em outras você troca de parceiro. A coisa importante é... você nunca para de dançar”
- Chuck Fishman, Edição de amanhã

Como parte do calendário do programa de larps do Boi Voador e de pesquisa do NpLarp, trazemos para o Brasil Tango para Dois, o primeiro larp experimental realizado neste projeto. Desenvolvido por Even Tømte e Tor Kjetil Edland na Noruega, o jogo busca criar uma relação com o Tango e o fato de que toda dança necessita de duas pessoas para acontecer. Tango para Dois convida para uma reflexão sobre a dança da vida: há momentos que dançamos, trocamos de par, erramos ou acertamos o passo, outros que desistimos da dança e às vezes nem ao menos entramos nela. A nossa atitude nesta dança de relacionamentos é decisiva. E nisso, como nós lidamos com a nossa mente? Falamos ou fazemos tudo o que pensamos? E o que acontece quando perdemos o controle por um minuto e soltamos o que não deveríamos dizer? Tango para Dois traz uma mecânica diferenciada na qual o grande atrativo é que cada personagem precisa ser interpretado por dois jogadores: um será o Id (representação dos desejos internos) e outro, o Ego (representação das atitudes).

iluminação e figurinos são características essenciais do jogo Tango para Dois

Caleidoscópolis

Cauê Martins e Grupo Boi Voador Brasil, 2011
4-18 jogadores agosto de 2011 O. C. Amácio Mazzaropi

Caleidoscópolis é nosso larp mais livre e dinâmico. A criação de quase todos os elementos é participativa, espontânea e de improviso. A partir de maquetes dispostas no espaço, figurinos e estereótipos sorteados em papéis, os jogadores definem - relacionando-se apenas em estado de jogo - quem são, o que estão fazendo e quais são as ligações entre eles.

Caleidoscópolis
Um LARP de Cauê Martins e do Boi Voador, 2011 Concepção/Direção: Cauê Martins Produção textual: Cauê Martins Cenografia: Luiz Falcão e Erika Bundzius Produção de Arte: Erika Bundzius e Cauê Martins Aplicação: Cauê Martins, Erika Bundzius, Luiz Falcão. Foto e Vídeo: Luiz Falcão e Erika Bundzius realizado no dia 27 de agosto de 2011 na Oficina Cultural Amácio Mazzaropi

Neste jogo os participantes terão o objetivo de criar e tornar cada vez mais complexas as relações de seus personagens. Com liberdade de criação, os jogadores tentarão se relacionar com as proposições uns dos outros pelos 3 atos que dividem os momentos do jogo e o final dessa história será também decidido pelos próprios jogadores. O cenário desses acontecimentos serão 4 locais da cidade de Caleidoscópolis, uma cidade que muda dependendo que quem está nela.

Primeiro larp criado pelo grupo em 2011, Caleidoscópolis surge como uma experiência radical de criação coletiva. O jogo é composto por 4 etapas. Primeiro, cada jogador sorteia um estereótipo e deve compôr seu personagem a partir do papel sorteado. Nesta etapa, pode escolher algumas peças de figurino (roupas e acessórios) para ajudá-lo a construir este personagem. Na segunda parte, o grupo de jogadores se divide entre três das quatro maquetes. Cada um dos núcleos deve, então, sem combinar nada previamente, começar a se relacionar, como se já se conhecessem. Cabe aos jogadores lançarem afirmativas e as confirmarem ou negarem, gerando toda a história de modo improvisado. Na terceira etapa, todos os núcleos se reúnem em torno da quarta maquete. Agora, eles tem que improvisar suas relações para além dos personagens que já conheceram. Na quarta e última etapa, os jogadores se reúnem - ‘fora’ de seus personagens - para decidir o fim da história. A partir daí os jogadores podem se direcionar para qualquer uma das maquetes, relacionando-se com aqueles que fizeram a mesma escolha que ele.

duas das quatro maquetes usadas como ambientes do jogo Caleidoscópolis

Roleplaying Poems

Mistery loves Company, Noruega (2008) Good Night Darlings, Noruega (2010) CaleidoscopolisMini, Brasil (2011)
5 - 350 jogadores agosto / novembro / dezembro de 2011 RPG ARTE / O. C. Amácio Mazzaropi/ Bibl. Monteiro Lobato/Galeria Olido

Formato de jogo que surgido na Escandinávia, os Roleplaying Poems são jogos curtos de temática e clima variados. Simples e rápidos de jogar são ideiais para “aquecimentos”, jogos casuais (em eventos, por exemplo) e para apresentar o larp para novos praticantes!

Mystery loves Company
Um Roleplay poem de Lasse Lundin e Erlend Bruer Noruega, 2008 para 5 jogadores

Good Night Darlings
Um Roleplay poem de Matthijs Holter Noruega, 2010

Caleidoscopolis Mini
Um Roleplay poem de Cauê Martins Brasil, 2011 -realizados em 21 de agosto de 2011, no evento RPG-ARTE 5 de novembro de 2011, na Oficina Cultural Amácio MAzzaropi 27 de novembro de 2011, na Bibl. Munic. Monteiro Lobato 3 de dezembro na Galeria Olido, Mostra do Programa VAI Essa seleção reune um jogo mais descontraído, ideal para desinibir os participantes (Mistério ama Companhia), um jogo com possibilidades de aprofundamento em diversos sentidos (Boa Noite, queridinhas) e um jogo mais flexível e mais realista, embora com mecânicas de jogo bastante explícitas (Caleidoscópolis Mini). Os três jogos são perfeitos para apresentar conceitos como improviso em larp, jogo do sim, cooperação e encadeamento narrativo : práticas que tornam o larp mais proveitoso e divertido!

A Clínica

Luiz Falcão e Grupo Boi Voador Brasil, 2011
para 13 jogadores dezembro de 2011 Biblioteca Monteiro Lobato

“A Clínica” é um LARP experimental no qual os participantes receberem roupas brancas e deixam tudo o que é seu para trás. Quando o jogo começa eles se tornam outras pessoas, confinadas em uma sala-laboratório e sem nenhuma memória. Aos poucos, recordam-se de alguns detalhes de suas vidas e tem descobrir o que fazem ali e como sair.

A Clínica: Projeto Memento
Um LARP de Luiz Falcão e do Boi Voador, 2011 Concepção/Direção: Luiz Falcão Produção textual: Cauê Martins e Luiz Falcão Produção Gráfica: Luiz Falcão Produção de Arte e Cenografia: Erika Bundzius Aplicação: Cauê Martins, Erika Bundzius, Luiz Falcão. Foto e Vídeo: Mariana Waechter e Leonardo França realizado no dia 17 de dezembro de 2011 na Biblioteca Pública Municipal Monteiro Lobato

Treze pessoas confinadas . Elas não sabem nada sobre quem são, seu passado e motivações. Nem sobre como foram para ali. Folhas em branco. Seja uma delas.
Presos em um clínica clandestina, 13 pessoas vestidas inteiramente de branco e sem comunicação com o mundo exterior procuração recordar quem são e o que fazem ali e, quem sabe, encontrar uma saída. A Clínica é um jogo de interpretação de personagens dinâmicos, que se constroem enquanto a história caminha e os jogadores se relacionam, entre si e com o espaço.

Criação de Personagens Dinâmica
Ao contrário do que costuma acontecer em um larp convencional, aqui, os participantes não receberão seus personagens nem criarão eles mesmos. Eles entrarão na narrativa com personagens completamente desmemoriados, vestidos de branco. Seus personagens serão criados “aleatoriamente”, a partir de dados dispostos pelo cenário e ativados pelos jogadores e da interpretação e improvisação que os jogadores fizerem deles.

material grãfico usado no jogo A Clínica

Um jogo de Desenvolvimento Psicológico e Mistério
A Clínica não é apenas um jogo narrativo que se desdobra a partir da interação e improviso. Também é um jogo de investigação e mistério. Além da mecânica diferenciada, há um enredo e uma história por trás destas 13 pessoas. Assim, o jogo pode ser jogado de muitas maneiras: com foco na interpretação, no desenvolvimento dos personagens ou na resolução do conflito.

Proposta para imersão
Para criar um ambiente de imersão nos personagens, antes do jogo será proposto que os jogadores troquem suas roupas e pertences cotidianos pelos uniformes da clínica (Essas roupas serão disponibilizadas pelo grupo antes jogo). Também durante o jogo haverá uma relação diferenciada entre os jogadores e o cenário/espaço propostos.

as atividades do Núcleo de Pesquisa

Oficinas, Debates, Encontros e Mesas Redondas

Núcleo de Pesquisa: Encontros
Paralelamente ao grupo BOI VOADOR, conduzimos em 2011 as atividades do Núcleo de Pesquisa em Live-Action Roleplaying, o npLARP.. A manutenção de um blog com artigos nacionais e internacionais, a promoção de encontros de pesquisa e a publicação de um guia online foram as principais atividades desta etapa.

Larp encontra o Teatro de Máscaras

21 de julho de 2011 O. C. Amácio Mazzaropi

Este WORKSHOP promoveu um encontro de experimentações e contribuições mútuas entre a linguagem do larp e do Teatro de Máscaras. Coordenado pelo ator e pesquisador Lion Santiago e o npLARP.

Larp encontra o larp: grupos de SP
21 de agosto de 2011 Encontro RPG-ARTE

A mesa reuniu pela primeira vez representantes dos principais grupos de larp do Estado de São Paulo. Foi uma oportunidade para os grupos se conhecerem e dividirem problemas e soluções comuns.

Larp encontra Jane Eliot
9 de setembro de 2011 O. C. Amácio Mazzaropi

Jane Eliot é uma professora americana que desenvolveu um workshop imersivo sobre preconceito. O encontro teve foco nas estratégias de imersão e condução deste workshop e os possíveis empregos desses recursos no larp.

Larp encontra os Jogos de Tabuleiro

27 de novembro de 2011 Bibl. Munic. Monteiro Lobato

Em parceria com a loja FUNBOX, realizamos a versão live do jogo ‘Cash’n Guns’ . Nosso foco neste encontro foram as contribuições em game design, mecânicas de jogo, difusão e acabamento gráfico.

11 de dezembro de 2011 Bibl. Munic. Monteiro Lobato

Larp encontra o RPG de vanguarda

A mesa promoveu o debate sobre RPG independente, suas inovações em game design e narrativa compartilhada. Teve a participação do grupo Metagamers e de criadores e especialistas em RPG alternativo.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful