Você está na página 1de 7

1

MÚSICA & ARTES VISUAIS:

UM ENSINO ATRAVÉS DO FAZER INTERARTÍSTICO

Shirley Cristina Gonçalves 1

Universidade Federal de Goiás/UFG

Joelma Carrijo Ferreira de Melo 2

Universidade Federal de Uberlândia/UFU

Resumo: Este trabalho pretende apresentar os resultados de uma proposta interartística desenvolvida com alunos do Ensino Infantil e Fundamental (1ª à 4ª séries) em uma escola particular da cidade de Uberlândia - MG, onde ambas as autoras deste texto trabalhavam (Joelma Carrijo como arte-educadora, e, Shirley Cristina como educadora musical). Esta proposta interartística se fundamentou no contínuo intercâmbio existente entre as diversas formas de manifestação artística por meio da integração da literatura, da música, da história da arte e suas produções plásticas desenvolvendo o potencial criativo e o senso crítico-reflexivo dos alunos. Tivemos como meta promover, anualmente, uma semana de exposições de trabalhos plásticos e apresentações musicais, produzidos nas aulas de artes visuais e de música, almejando o despertar do olhar do aluno para essas duas modalidades, como também de outras áreas do conhecimento, por meio da interação entre as mesmas durante o desenvolvimento das aulas. Desta forma, no ano de 2004 foi desenvolvida a I Semana Cultural, cujo assunto foram as influências e finalidades da modernidade no contexto artístico, pretendendo ampliar o conhecimento, explorar o potencial criativo e, principalmente, conscientizar os alunos de sua identidade. Devido aos resultados que repercutiram na participação, valorização e respeito da equipe pedagógica, professores, pais, e, principalmente dos alunos, em 2005 nós promovemos a II Semana Cultural, que abordou as manifestações folclóricas regionais priorizando caracterizar e fortalecer a identidade cultural dos alunos. Essa experiência através da interação entre as artes valorizou as aulas de ambas as professoras. Enfim, acreditamos que o maior resultado foi despertar o pensamento de toda a escola, especialmente os alunos para o entendimento das Artes como forma de linguagem, de comunicação visual e sonora, além de manifestação cultural.

Hoje muito se fala sobre as relações interartísticas. Apesar do natural e contínuo

intercâmbio existente entre as diversas formas de manifestação artística desde tempos

imemoriais, houve enquadramentos limitativos que tenderam a negar o que sempre

existiu não apenas entre os artistas, mas na pessoa de cada artista. Desta forma, se

concretizou a crença de que o músico só pode ser músico, o pintor pode apenas pintar; o

1 shirley_cristinag@yahoo.com.br

2 joelmasimeao@gmail.com

2

escultor deve se limitar a esculpir; o escritor pode escrever, mas nunca cantar; e o dançarino não pode escrever nem tocar. Algo que também ocorre na manifestação artística ou mesmo em seu ensino é a separação entre a prática da teoria: de um lado os artistas e de outro os teóricos (que escrevem sobre, estudam e definem a arte). Porém, o diálogo interartes se propõe a superar quaisquer destes obstáculos intencionais ou não, vivendo a experiência de transitar com liberdade entre as diversas artes. Buscando este contexto de interartes nós Joelma Carrijo (arte-educadora) e Shirley Cristina (educadora musical), elaboramos uma proposta para ser desenvolvida com alunos do Ensino Infantil e Fundamental (1ª à 4ª séries) em uma escola particular da cidade de Uberlândia, onde ambas trabalhamos. Tivemos como meta promover anualmente, uma semana de exposições de trabalhos plásticos e apresentações musicais, produzidos nas aulas de artes visuais e de música, almejando o despertar do olhar do aluno para essas duas modalidades, como também para outras modalidades artísticas por meio da interação entre as mesmas durante o desenvolvimento das aulas. Esta proposta surgiu primeiramente pelo sentimento de desvalorização que nós tivemos perante as prioridades pedagógicas da instituição especialmente no que diz respeito a essas disciplinas – artes visuais e música. Portanto, a proposta da Semana Cultural teve a pretensão de conquistar o respeito e valorização das finalidades e prioridades dessas modalidades por meio da interação arriscando a adentrar também nas demais áreas do conhecimento, como teatro e a literatura (poesia), buscando o envolvimento e a participação dentro e fora da escola. Assim, através de um tema central construímos com os alunos produções plásticas e musicais que pudessem promover, por meio do fazer artístico, a consciência da cultura na qual estamos inseridos. Também, buscamos a exposição destas produções dos alunos para que pudessem ser apreciadas pela comunidade escolar. A ação recíproca foi essencial nos planejamentos entre as duas modalidades – artes visuais e música para corresponder aos objetivos dessa proposta. Trabalhamos com os alunos a capacidade de produzirem arte através das diversas categorias existentes, sem que uma excluísse a outra. Desta forma, no ano de 2004 foi desenvolvida a I Semana Cultural, cujo assunto foram as influências e finalidades da modernidade no contexto artístico. Devido aos resultados que repercutiram na participação, valorização e respeito que conquistamos da equipe pedagógica, professores, pais, e, principalmente dos alunos, em 2005, nós promovemos a II Semana Cultural, que abordou as manifestações folclóricas regionais

3

priorizando caracterizar e fortalecer a identidade cultural dos alunos. Por motivos judiciais, a instituição foi fechada e não tivemos a oportunidade de dar continuidade à proposta no ano posterior. Porém, as conquistas e o aprendizado que construímos foram de grande estima e, por isso, a iniciativa em relatarmos essa experiência.

Objetivos

A Educação Musical teve como objetivo contribuir para a educação das crianças por meio do fazer musical com prazer e significação. Portanto, tinha como meta conscientizar os alunos do seu ambiente musical e sonoro, estimulando-os a descobrir e ampliar os seus meios de expressão musical, através principalmente de instrumentos musicais confeccionados a partir de materiais recicláveis e também da formação de um coral. Dentro desta proposta foi possível envolver os alunos em atividades que visavam desenvolver as habilidades necessárias para cantar neste coral; cantar canções propostas pelos alunos e pela professora, porém, dentro dos temas centrais de cada Semana Cultural; tocar instrumentos de bandinha ou produzidos pelos próprios alunos; construir improvisações rítmicas não só com instrumentos, mas também com o corpo; arranjar e parodiar canções que faziam parte do contexto sócio-cultural dos alunos; sonorizar histórias; desenvolver conceitos musicais, porém, sempre relacionando prática e teoria, pois o objetivo central era o fazer musical; conhecer diversos estilos musicais e compositores, além dos que faziam parte do cotidiano dos alunos; conhecer diversos instrumentos musicais. Contudo, as atividades musicais na Semana Cultural ainda tinham o objetivo de promover a participação da criança no seu meio cultural através da música; desenvolver o senso crítico-musical em relação às várias manifestações musicais disponíveis em seu ambiente, isto é, inseri-lo em seu meio sócio-cultural de modo crítico e participante; desenvolver sua percepção rítmica e melódica; levar o aluno a expressar-se criativamente através dos elementos sonoros, ou seja, o fazer musical através da improvisação; procurar o entendimento da decodificação da linguagem musical, não através da escrita tradicional, mas sim através de códigos/símbolos relacionados ao cotidiano do aluno. Neste contexto, pensando a Arte como forma de linguagem, de comunicação, a proposta dentro das Artes Visuais priorizou o desenvolvimento da elaboração e

4

construção criativa, da leitura visual e da crítica por meio da inteiração entre as artes visuais e musicais. A teoria e a prática mesclaram-se aos fundamentos da linguagem visual e às abordagens teóricas referentes aos temas específicos (modernidade e folclore) que caracterizaram a integração das duas modalidades – visual e musical, como também de outras áreas do conhecimento, provocando e explorando os sentidos, os movimentos e as idéias do cotidiano dos alunos. Implicou em estimular pesquisas, performances e criações plásticas não apenas correspondendo, mas, elaborando técnicas diversas de acordo com a necessidade e curiosidade instigadas pela investigação como também pelo surgimento de novas idéias durante a experimentação tátil e visual. Portanto, o intuito foi possibilitar a descoberta e fortalecimento da identidade cultural e da essência das artes como forma de manifestação e comunicação através da reciprocidade entre as abordagens teóricas específicas da música e das artes visuais e, principalmente das produções desenvolvidas nas aulas de artes visuais e musicais.

Conteúdos

Considerando que a modernidade é um intrigante tema a ser explorado em diversas áreas do ensino, pois, ela está representada nas mais variadas manifestações artísticas e literárias do séc. XX, a I Semana Cultural tratou dessas manifestações dentro de um contexto histórico, literário e artístico. Esta primeira semana, que ocorreu de 08 a 10 de dezembro de 2004, pretendeu ampliar o conhecimento, explorando o potencial criativo e, principalmente, conscientizar os alunos de sua identidade, como também, estimular idéias inovadoras ativando o pensamento reflexivo por meio da ação criadora. Destarte, conseguimos integrar a literatura, a música, a história da arte e suas produções plásticas questionando desde os primeiros indícios da modernidade e as demais discussões sociais e culturais geradas anterior e posteriormente aos manifestos modernistas, desenvolvendo o potencial criativo e o senso crítico. No ano seguinte, abordamos questões relevantes às manifestações artísticas do povo brasileiro e as peculiaridades do folclore regional, por meio do conhecimento teórico e prático resultando na conscientização dos movimentos culturais que caracterizam este manifesto popular. Tivemos como foco a visão de que precisamos nos comunicar seja por palavras, gestos ou imagens, logo a Arte é necessária para que haja

5

essa troca de sinais, sons, e símbolos, pois, antes de tudo ela abrange o pensamento, a percepção, as ações do corpo, além de estar presente em tudo que fazemos. Abordando este contexto foi realizada a II Semana Cultural de 23 a 25 de novembro 2005, cuja meta principal era incorporar ao estudo das expressões folclóricas a história da música, as artes visuais e suas produções.

Resultados

No contexto de toda esta proposta, confeccionada e realizada, a Semana Cultural possibilitou aos alunos e toda a comunidade escolar entender o mérito e valores das Artes em nosso cotidiano através de diversas formas de manifestações, desvelando e refletindo inteiramente no que somos. Mesmo que as pessoas não percebam, o trabalho artístico é carregado de conceitos, pré-conceitos, experiências, conhecimento de mundo e sentimentos. Não é preciso ser artista para apreciar a Arte. “Na verdade é necessário que desenvolvamos a nossa capacidade de ver, analisar, criticar e compreender significados que visualmente nos é transmitido” (Ferreira, 2004, p. 4). É possível concluir que o fazer artístico, em geral, contribuiu fundamentalmente para um melhor entendimento das artes, pois foram trabalhadas a percepção, a sensibilidade, a criação, o discernimento etc. Mas esta compreensão através da produção artística se deu por conseqüência do conhecimento da essência dos movimentos e referenciais teóricos os quais os alunos puderam, além de conhecer, vivenciar, experimentar e examinar criticamente desenvolvendo seu potencial criativo e descobrindo sua identidade cultural. Observando que a Arte expressa uma intensa relação entre o ser humano e o universo manifestando também as controvérsias e diferenças no mundo, foi possível compreender o Folclore como um manifesto que expressa criatividade, conhecimento, e religiosidade por meio de lendas, crenças, canções e artesanato onde a soma de tudo isso se transforma de modo espontâneo em um conjunto de tradições populares. O estudo dessas manifestações permitiu o reconhecimento e fortalecimento de nossa identidade cultural e conseqüentemente nos estimulou a contribuir e nos perceber como peças integrantes dessa necessária forma de comunicar com o outro e com o mundo, através de um magnífico processo extremamente relevante à nossa formação social e cultural.

6

É de suma importância relatar ainda que a proposta da Semana Cultural como

forma de interação entre as artes valorizou as aulas de ambas as professoras. Os alunos

passaram a respeitar e entender melhor as aulas de música e artes. Ficaram

entusiasmados com as apresentações, ansiosos para mostrar e explicar seus trabalhos

aos pais e familiares. Além disso, os demais professores passaram as ver as aulas de arte

com “outros olhos”. Criou-se maior respeito por aquilo que é produzido artisticamente,

tanto no âmbito das artes visuais quanto da música. Isto se tornou perceptível devido o

envolvimento dos demais funcionários da escola com o fazer artístico. Posteriormente,

os professores se interessaram em participar das atividades artísticas independente deste

evento – Semana Cultural.

Enfim, acreditamos que o maior resultado foi possibilitar à escola, especialmente

aos alunos, pensar as Artes como forma de linguagem, de comunicação visual e sonora,

além de manifestação cultural. Porém, não priorizando corresponder apenas as

influências de grandes artistas e técnicas precursores das histórias das artes, mas sim, as

criações e produções dos próprios alunos.

Referências

AMARAL, Aracy Abreu. Artes plásticas na Semana de 22. 5. ed. São Paulo: Ed. 34,

1988.

ARAÚJO, Alceu Maynard de. Folclore ncional II: Danças, recreação, música. São Paulo: Melhoramentos, s.d.

ARGAN, Giulio Carlo. Arte mderna. 5. ed. São Paulo: Ed. Cia das Letras, 1992.

BARBOSA, João Alexandre. As ilusões da modernidade: notas sobre a historicidade na lírica moderna. São Paulo: Perspectiva, 1986.

BENJAMIN,

Roberto.

Folguedos

e

danças

de

Pernambuco.

Recife:

Fundação

Cultural, 1989.

BENJAMIN, Walter. A modernidade e os modernos. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro 1975.

BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, l985.

BURKE, Peter. A cultura popular na Idade Moderna. São Paulo: Companhia das Letras, s.d.

7

CAMARGOS, Márcia. Semana de 22: entre vaias e aplausos. São Paulo: Ed. Bom Tempo, 2002.

COSTA, Maria Cristina Lemes de Souza. Relato de experiência: A vivência musical nos primeiros anos de vida da criança: uma experiência compartilhada com os pais. Texto não publicado apresentado no IX Encontro Anual da ABEM, Belém, 2000.

FABRIS, Annateresa (org.). Modernidade e modernismo no Brasil. São Paulo:

Mercado de Letras, 1994.

FERREIRA, Joelma. C. Introdução aos elementos visuais de linguagem da Arte rumo à construção plástica da imagem de Santa Clara no Mosteiro Monte Alverne. 2004. Projeto l (Graduação em Artes Plásticas / Licenciatura), Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2004.

GORDON, Edwin E. Teoria de aprendizagem para recém-nascidos e crianças em idade pré-escolar. Tradução de Paulo Maria Rodrigues. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2000. 169 p.

OLIVEIRA, Alda de Jesus Oliveira. Múltiplos espaços e novas demandas profissionais na educação musical: competências necessárias para desenvolver transações musicais

significativas. In: ENCONTRO DA ABEM, X, 2001, Uberlândia. Anais 2001, p.19-40.

Uberlândia,

PENNA, Maura. Reavaliações e buscas em musicalização. São Paulo: Loyola, 1990.

85p.

RAMOS, Artur. O folclore negro do Brasil. S.n.: Editora da Casa do Brasil, 1935

OMERO, Sílvio. Folclore brasileiro: Cantos Populares. [s.n.]: José Olímpio Editora,

1954.