Você está na página 1de 3
www.euvoupassar.com.br

www.euvoupassar.com.br

Fabiano Sales

Fabiano Sales

TJ-PE: Analista Judiciário - Língua Portuguesa

16/01/2012

Olá, amigos do Eu Vou Passar!<?xml:namespace prefix = o ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:office" />

Apresento os comentários à prova de Analista Judiciário do TJ-PE.

Inicialmente, digo que a prova foi uma mistura de interpretação (questões 1, 2 e 3) com aspectos gramaticais (questões 4 a 10).

Informo, ainda, que não visualizei possibilidade de interpor recurso contra o gabarito das questões.

Vamos aos comentários! :-)

1.

O autor,

(E)

no terceiro período do primeiro parágrafo, com fundamentos manifestos, expressa um juízo que nega o caráter

absoluto ou independente da descrição feita no período inicial.

Comentário: No período inicial do texto, é posto em evidência o caráter absoluto das sociedades modernas. Contudo, no terceiro período, o autor nega a argumentação anterior, fundamentando que a novidade moderna consiste, antes, na rearticulação, em todos os planos, das formas e relações sociais antigas sob a égide desses novos traços.

2.

É INCORRETO afirmar:

(C)

em sociedades modernas, europeias ou não, houve uma ampla reorganização da ordem social quando formas

de ação conservadoras conseguiram se sobrepujar aos modernos modos de articulação social, forma de produção e valores jurídicos.

entretanto, não

eliminaram seus contrários - solidariedades étnicas, formas pré-capitalistas de produção, a vida rural ou as hierarquias sociais. A novidade moderna consiste, antes, na rearticulação, em todos os planos, das formas e relações sociais antigas sob a égide desses novos traços. A forma de reorganização não nos permite afirmar que as ações conservadoras (ou mais antigas) sobressaíram aos modernos modos de articulação social.

Comentário: No segundo e terceiro períodos do texto, o autor menciona que Tais traços (

),

3. Afirma-se com correção:

(D) é admissível considerar que a frase iniciada por Assim denota uma ilação.

Comentário: Por ilação compreende-se a ação de concluir, de inferir. Por meio do emprego do conectivo Assim, o autor concluiu o raciocínio, as ideias expressas no parágrafo anterior.

<?xml:namespace prefix = st1 ns = "urn:schemas-microsoft-com:office:smarttags" />4. A substituição que, acolhida pelo padrão culto escrito, mantém o sentido original do texto é a de:

(A) As sociedades modernas da Europa ocidental (

)

podem ser descritas por As sociedades modernas da Europa

Comentário: O verbo poder apresenta a estrutura descrevê-las como sujeito (oracional). É uma forma equivalente

a isso é possível. Por essa razão, ainda que houvesse uma ideia de voz passiva, o verbo poder permaneceu corretamente na terceira pessoa do singular.

5.

É correto afirmar sobre o excerto:

(B)

A presença concomitante de certas formas verbais, como, por exemplo, cruzou e é, evidencia que o autor,

nesse trecho, mescla segmentos narrativos com comentários a respeito dos fatos.

Comentário: Tempo narrativo é o momento em que a história se passa, podendo ser presente, passado ou futuro. Em narrativas, há o predomínio do tempo passado (pretérito), pois essa tipologia textual tem como característica básica o ?fato consumado?, isto é, o fato narrado já ocorreu. É o que ocorre com o emprego da forma verbal cruzou. Entretanto, ao empregar a forma verbal é no presente do indicativo, o autor expôs suas impressões, seus comentários acerca dos fatos.

6.

A análise do texto legitima a seguinte afirmação:

(E)

Considerando que futuro significa que ainda está por vir, nota-se que, nos casos em que a palavra foi usada, se

toma como presente do que está por vir o dia do fato a que o autor se refere.

Comentário: Nas passagens em que a palavra futuro foi empregada, o autor tem como referência um fato que ocorrerá após o momento presente em que se construíram os períodos. Na primeira ocorrência, o autor narra que

o então príncipe regente, o qual se tornaria o futuro imperador do Brasil e rei de Portugal, estava com dor de

barriga. Na última ocorrência, por sua vez, há a indicação de que o coronel Manual Marcondes é, no momento da

narrativa, o subcomandante da guarda de honra. Posteriormente a esse fato, ele tornar-se-ia o barão de Pindamonhangaba.

7.

Cada alternativa apresenta segmento (

)

(B)

o príncipe regente, futuro imperador do Brasil e rei de Portugal, estava com dor de barriga.

o príncipe regente futuro imperador do Brasil, e rei de Portugal, estava com dor de barriga.

Comentário: Na transcrição do fragmento do texto, a expressão futuro imperador do Brasil e rei de Portugal tem caráter explicativo, indicando D. Pedro seria, em momento futuro, imperador do Brasil e rei de Portugal. A alteração da vírgula para após a expressão imperador do Brasil mantém o respeito ao padrão culto escrito, mas modifica o sentido do trecho, indicando que D. Pedro já havia assumido o trono de Portugal.

8. As ideias estão articuladas de modo claro e correto na seguinte frase:

(A) Mesmo sendo ele um hábil articulador e a despeito do grande prestígio de que gozava, não obteve êxito na

transação, pois a verdadeira natureza do negócio lhe escapara.

Comentário: O excerto acima foi articulado de forma clara e correta. Em Mesmo sendo ele um hábil articulador e a despeito do grande prestígio de que gozava, temos uma oração subordinada adverbial concessiva deslocada, o que justifica o emprego da vírgula. O vocábulo êxito foi perfeitamente grafado com x. Também está correta a regência transitiva indireta da forma verbal escapara.

9.

A frase que está redigida em conformidade com o padrão culto escrito é:

(C)

Insipientes ou não nesse tipo de pesquisa, infringiram normas discutidas dias atrás, motivo pelo qual não lhes

dei endosso, sabendo que a maior parte deles o deseja muito.

Comentário: Não houve qualquer erro na assertiva. As demais apresentaram incorreções: impingiu os filhos; sabia que nada poderia sortir; discidentes; e Fosse quais fossem.

10. A frase que está em conformidade com o padrão culto escrito é:

(D) Ele é aquele a quem os astros nunca favoreceram, por isso diz que, se alguém lhe previr benesses de uma conjunção astral, reivindicará o direito de digladiar com ele.

Comentário: Não houve erro gramatical algum no trecho acima. A dúvida poderia ter surgido na expressão a quem. Entretanto, notem que temos um objeto direto preposicionado; portanto, a preposição a foi empregada corretamente. O vocábulo benesses (benefício, dádiva) foi corretamente grafado.

Observação: O texto O Grito já havia sido cobrado, de forma distinta, em um certame organizado pela Fundação CEPERJ.

Grande abraço! Prof. Fabiano Sales. fabianosales@euvoupassar.com.br

URL: http://www.euvoupassar.com.br/?go=artigos&a=mmtXS9y3WLEKbGIo9XakjDBCaf9dTUfFc2dhWFeQMdI~

Eu Vou Passar®. Todos os direitos reservados.