Você está na página 1de 1

AA CONSTRUCONSTRUÇÇÃOÃO EE FUNCIONAMENTOFUNCIONAMENTO DEDE UMUM VIVEIROVIVEIRO DEDE MUDASMUDAS NATIVASNATIVAS COMOCOMO UMUM PROCESSOPROCESSO DEDE EDUCAEDUCAÇÇÃOÃO SSÓÓCIOCIO AMBIENTALAMBIENTAL

Daniel Gusmão Mendes dgmendes@yahoo.com.br sandro@ceset.unicamp.br

Prof. Dr. Sandro Tonso

Centro Superior de Educação Tecnológica – CESET/

UNICAMP

Palavras - Chave: Meio Ambiente - Viveiro de MudasPIBIC/SAE- Educação Ambiental

Introdução

De acordo com Capobianco (2002) a falta de percepção da importância dos benefícios ambientais proporcionados pela cobertura florestal nativa e a valorização exclusiva da madeira em detrimento de produtos não madeireiros levou a supressão de enormes áreas para a expansão de lavouras e assentamentos urbanos e a adoção de práticas de exploração seletiva e exaustiva de espécies. A necessidade de fixação do homem a terra induziu-o a utilização dos recursos naturais sem o compromisso com a preservação do ambiente

e com as gerações futuras, porém observa-se que a sensibilização da

sociedade com a causa ambiental vem paulatinamente modificando-se de maneira positiva. Uma vertente desse pensamento é a educação ambiental que reconhece a importância de transmitir conhecimentos juntamente com

a sensibilização do ser humano para atingir sua essência de forma a incentivar cada um a fazer sua parte por um mundo melhor. A pesquisa procurou, por meio da construção de um viveiro de mudas nativas, pesquisar seu potencial formativo em termos da Educação Ambiental, buscando através das atividades propostas, incentivar os diversos segmentos sociais na conservação e agregação de novos valores, comprometendo-os com as questões e problemáticas ambientais da região. Trazendo diferentes visões para contribuir com a construção de posturas comprometidas com a melhoria do meio ambiente.

Metodologia

A pesquisa constituiu-se em buscar as técnicas mais apropriadas

para a construção do viveiro de mudas, como: melhor área para a instalação do viveiro, escolha do material necessário para construção

e tipos de semeaduras. Estas informações foram buscadas em livros,

Internet, junto a profissionais da área e na Secretaria de Agricultura,

Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Para a elaboração da apostila foram pesquisados livros da área de Educação Ambiental e Viveiros de Mudas, e viveiros de mudas já existentes. Utilizamos como base para elaborar algumas atividades de Educação Ambiental livros e experiências adquiridas em aulas. E com profissionais da área agendamos algumas palestras. Juntos a outros projetos existentes no campus, elaboramos atividades que pudessem tratar os temas em comum com uma série de campanhas que visam reciclagem, reutilização, consciência ecológica, interação homem-meio ambiente e cooperatividade tanto entre os projetos, alunos, funcionários e a comunidade, em torno do bem comum, utilizando a Educação Ambiental como agente para a conscientização e preservação.

Resultados e Discussões

O projeto teve uma grande aceitação, não só pelos alunos, mas também pelos funcionários e membros da comunidade que tomaram conhecimento do projeto. A ajuda da Secretaria de Agricultura, Meio Ambiente e Recursos Hídricos, foi muito importante na fase inicial do projeto, onde tivemos um apoio técnico para a escolha e definição da área onde seria construído o viveiro, além da parceria firmada. Outros projetos se interessaram e buscaram uma parceria conosco, para que pudéssemos cooperar um com o outro trocando informações, como o projeto de compostagem, o de arborização do campus, o de reciclagem e o de reuso da água onde seria utilizado para a irrigação das mudas. Uma apostila técnica que ensina a construir um viveiro de mudas foi elaborada. A idéia de fazer a apostila surgiu devido à dificuldade de encontrar material sobre esse assunto e de pedimos feitos por alunos do curso de controle ambiental. Foram planejadas as seguintes atividades de Educação Ambiental:

Atendimento às escolas da rede municipal, estadual e particular de ensino médio através do envolvimento dos escolares com o ciclo de semeadura - germinação - repicagem - crescimento - transplante definitivo; Promoção de espaço para acadêmicos do campus atuando como monitores no atendimento às escolas e desenvolvendo atividades de manutenção do viveiro, e arborização do campus; Promoção do dia de campo com palestra sobre a importância das matas ciliares para a conservação dos mananciais hídricos e plantio de mudas; Participação em eventos institucionais, divulgando a importância das espécies florestais nativas para sustentabilidade do meio- ambiente.

Conclusão

Podemos dizer que por um lado o projeto foi bem sucedido pela sua grande aceitação e envolvimento dos alunos, funcionários e comunidades que ficaram sabendo do projeto. Mas por outro lado, não foi possível concluir a pesquisa dentro do cronograma estipulado dada a dificuldade na aquisição de materiais para a construção do viveiro. A integração do ensino, pesquisa e extensão, realizada no desenvolvimento do projeto, permitiram visualizar com clareza o quanto o papel da Universidade pode ser cumprido com ações simples e objetivas realizadas até o presente momento.

Referências Bibliográficas:

-CAPOBIANCO, J. P. R. Mata Atlântica: conceito, abrangência e área original. In: A Mata Atlântica e Você: como preservar, recuperar e se beneficiar da mais ameaçada floresta brasileira. Brasília: APREMAVI, 2002. -MACEDO, A. C. Restauração, Matas Ciliares e de Proteção Ambiental, Fundação Florestal, 1993. -MACEDO, A. C. Produção de Mudas em Viveiros Florestais: espécies nativas, Fundação Florestal, 1993. -NOAL, Fernando Oliveira, REIGOTA, Marcos & BARCELOS, Valdo H. L. Tendências da Educação Ambiental Brasileira. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 1998. -SORRENTINO, M. Reflexões sobre o panorama da Educação Ambiental no ensino formal. In: Panorama da Educação Ambiental no ensino fundamental /Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC; SEF, 2001. 149 p. (Oficina de trabalho realizada em março de 2000). -ZEPPONE, R. M. O. Educação Ambiental: teoria e práticas escolares. 1. ed. Araraquara: JM Editora, 1999. 154 p.