Você está na página 1de 137

MISSÃO CARISMÁTICA INTERNACIONAL

ESCOLA DE LÍDERES

SUMÁRIO
PRIMEIRO NÍVEL
DOUTRINA

2000 © Missão Jovem Internacional


Publicado pela Missão Jovem Internacional
Cll 22c No. 31-01
3 37 92 11

Elaborado por Juan Carlos Rojas e César Bladimir Reyes


Diagramação: Camila Dias Torres

Santafé de Bogotá D.C. Colômbia

É proibida a reprodução total ou parcial desta obra em qualquer de suas formas,


gráfica ou audiovisual, sem a autorização prévia e escrita do autor.

1
TEMA 1

SALVAÇÃO
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda a importância de nossa salvação e a obra expiatória


de Cristo.

 INDICADORES
1. Que o aluno possa explicar a condição do homem quando foi criado, com
fundamento bíblico.
2. Que o aluno possa explicar porque o ser o humano necessita da expiação.
3. Que o aluno explique a forma em que o ser humano deve responder ao
sacrifício de Cristo.

FUNDAMENTO BÍBLICO

João 3:16-21

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

A. CONDIÇÃO DO HOMEM QUANDO FOI CRIADO (Gen. 1:27).

Explicar o fundamento bíblico deste ponto. Fomos criados à imagem de


Deus. É necessário descrever as características da imagem de Deus no
homem.

B. A QUEDA DO HOMEM (Romanos 3:10-18; Romanos 3:23).

Conseqüências da queda do homem.


Destituídos da glória de Deus

C. A OBRA EXPIATÓRIA DE JESUS CRISTO (João 3:16-21; Isaías 53:3-11).

Definir o termo Expiação e explicar o que significa no contexto bíblico

2
D. COMO RESPONDER AO SACRIFÍCIO DE CRISTO (Atos 2:38-42).

• Entender o sacrifício de Cristo


• Crer no sacrifício de Cristo
• Aceitar o sacrifício de Cristo

Conclusão

Você compreendeu a obra expiatória de Cristo; agora é sua responsabilidade


crer nas bênçãos que tem em Cristo e aceitá-las.

 AVALIAÇÃO

Avalie o fundamento bíblico desta lição, pois é fundamental para a vida


cristã.
Passe logo a avaliar os conceitos de acordo com o planejado nos indicadores.
Um exercício pode ser uma boa forma de fazer esta avaliação.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

• Teologia Bíblica e Sistemática de Myer Pearlman, no capítulo dedicado à


Doutrina da Salvação, contém elementos interessantes que
complementarão os conceitos ensinados nesta lição.

Bíblicas

É necessário explicar muito bem aos alunos o fundamento bíblico deste


importante tema, que é a Salvação, pelo que é importante um aprofundamento
bíblico do mesmo.

Metodológicas

É recomendado o método de preleção, para desenvolver esta lição.

 TAREFA

Fale com alguém que não conhece a Cristo (amigo, familiar, etc.); ore
primeiro, e, ao falar com ele ou ela, explique cada um dos passos que aprendeu
nesta lição. Depois escreva sua experiência.

3
TEMA 2

O HOMEM VELHO E A NOVA NATUREZA


 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda como se deve fortalecer a nova natureza e como


enfraquecer a velha.

 INDICADORES
1. Que o aluno defina o que é a Velha e a Nova Natureza.
2. Que o aluno explique como aparece a Nova Natureza
3. Que o aluno explique como se deve fortalecer a Nova Natureza

FUNDAMENTO BÍBLICO

Efésios 4:17-24

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

A. DEFINIR A VELHA NATUREZA (Efésios 4:17-21).

• A VELHA NATUREZA É... “Andar na vaidade da sua mente, entenebrecidos


no entendimento, separados da vida de Deus pela ignorância que há neles,
pela dureza do seu coração; os quais, tendo-se tornado insensíveis,
entregaram-se à lascívia para cometerem com avidez toda sorte de
impureza.”
• Andar na vaidade da sua mente
• Entendimento entenebrecido
• Separado da vida de Deus, pela ignorância
• Dureza de coração
• Perda da sensibilidade
• Cometer com avidez toda sorte de impureza

B. COMO SURGE A NOVA NATUREZA (Romanos 8:9-11).

4
No momento em que Cristo vem morar em nós, a nova natureza é
vivificada.
O conflito entre a nova e a velha natureza (Gálatas 5:16-17).

C. O QUE É A NOVA NATUREZA E COMO FORTALECÊ-LA

A nova natureza é renovar a mente e tornar-se novamente a semelhança


de Deus (Efésios 4:22-24).
Para fortalecê-la:
• Renovar a mente
• Crucificar a carne
• Revestir-se do novo homem

Conclusão

A natureza que vai controlar sua vida será a que você mais fortalecer.

Ministração

Ministrar levando a renunciar, em oração, a lista deste texto: Efésios 4:25-


32.
Leve-os a examinarem suas vidas para detectarem se há marcas da velha
vida.

 AVALIAÇÃO

Os conceitos a serem avaliados nesta lição são importantes; assegure-se de


que haja clareza nas explicações dadas quando aplicar o teste

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

• Teologia Bíblica e Sistemática - Myer Pearlman


• Paz com Deus – Billy Graham
• Dicionário Bíblico – Vila Escuain
• Rompendo Cadeias – Anderson Neil
• Como Ajudar Outras a Encontraram a Liberdade em Cristo – Anderson Neil.

Bíblicas

Para alcançar a meta proposta é importante a interpretação e explicação


corretas de cada um dos textos bíblicos apresentados.

5
Metodológicas

O método de perguntas e respostas, combinado com preleção, pode


dinamizar o desenvolvimento da lição.

 TAREFA

Escreva uma lista de coisas que em sua vida ainda pertencem à velha
natureza, e investigue na Palavra de Deus o que Ele diz a respeito dela.

6
TEMA 3

O ARREPENDIMENTO
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda que o Arrependimento é a única forma de restaurar


nossa comunhão com Deus.

 INDICADORES
1. O aluno descreverá a condição do homem devido ao pecado.
2. O aluno explicará as diferenças entre arrependimento e remorso.
3. O aluno explicará o conceito de redenção e os passos para o
arrependimento.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

FUNDAMENTO BÍBLICO

Ezequiel 14:6

A. ELEMENTOS INTRODUTÓRIOS

As conseqüências do pecado do homem foram:


• Provou a morte espiritual. Romanos 5:12
• Obscureceu-se-lhe o coração. Romanos 1:21-25
• Conheceu o mundo. Romanos 3:16-18
• Reconheceu que estava nu. Gênesis 3:10
• Escondeu-se da voz de Deus. Gênesis 3:10

B. DIFERENÇA ENTRE ARREPENDIMENTO E REMORSO

• Arrependimento
Decidir dar um novo sentido à vida.
Não é uma emoção, mas uma decisão seguida de uma atitude de mudança.
Voltar-se... “Quando se está conduzindo por um estrada e descobre-se que
errou o caminho, decide-se regressar em “U”.

7
O arrependimento genuíno é conhecido porque há frutos, mudança de
pensamento e conduta.

• Remorso
Não confrontar sua vida passada, sentindo dor por seus pecados.
Não haver humilhação e quebrantamento diante de Deus.
Não tomar a decisão de voltar-se para Deus.
Sentir pesar e angústia profunda sem mudança de rumo.

C. O PLANO REDENTOR PARA O ARREPENDIDO

O propósito de Deus para o homem está encerrado no termo Redenção.


Há três palavras em grego que traduzem o termo Redenção:
Agorazo: “Comprar no mercado”- esta palavra encerra a idéia de um
mercado de escravos.
Exagorazo: “Comprar e tirar do mercado”- Ser redimido implica em não
continuar sendo exposto à venda.
Lutroo: “Soltar”, pôr em liberdade mediante o pagamento de um preço.

A redenção cobre três áreas:

• Redenção espiritual João 3:16; Gálatas 3:13


• Redenção física Isaías 53:4-5
• Redenção financeira Salmo 23:1; Deuteronômio 28:29

D. PASSOS ESPECÍFICOS PARA O ARREPENDIMENTO

• Sentir dor profunda por haver ofendido a Deus Jeremias 33:3


• Confessar os pecados Sal 32:5; 1 João 1:9
• Renunciar o pecado, cortando toda maldição Gal. 3:13; Col.
2:14-15

Conclusão

Quando uma pessoa chega ao verdadeiro arrependimento, seguindo cada um


desses passos, estará pronta para desfrutar dos benefícios que Deus tem
preparado para ela.

Ministração

Leve seus alunos a uma restauração com Deus, caso estejam presentemente
em falta, conforme os passos ensinados.

 AVALIAÇÃO

8
Um exercício ou uma tarefa podem ser úteis para avaliar os indicadores
estabelecidos.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

Para melhor desenvolvimento do tema é necessário consultar o livro


Arrependimento, Porta de Entrada da Bênção, da série Tão Firmes Como a
Rocha do Pr. César Castellanos.

Bíblicas

• É interessante conhecer a forma como os diferentes personagens bíblicos


expressavam seu arrependimento (cilício, cinza, jejum e outros). Pode ser
uma boa tarefa, tanto para o professor quanto para o aluno.
• Um exemplo bíblico para o arrependimento e seus frutos pode ser
evidenciado na vida de Paulo. Pode servir como uma excelente ilustração.

Metodológicas

Uma excelente combinação de métodos como o de Perguntas e Respostas,


Preleção e Ilustração podem servir para levar a cabo o desenvolvimento do
tema.

 TAREFA

Coloque diante da classe um caso onde:


a. Uma pessoa que não é crente, como chegaria ao arrependimento?
(Apresente um caso específico)
b. Uma pessoa que é crente mas peca, como chegaria ao
arrependimento? (Apresente um caso específico).

9
TEMA 4

A BÍBLIA
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda as razões fundamentais pelas quais a Bíblia é a


Palavra de Deus para nossas vidas

 INDICADORES
1. O aluno explicará o fundamento bíblico da utilidade das Escrituras
mencionado na carta a Timóteo.
2. O aluno mencionará perfeitamente a estrutura básica da Bíblia.
3. O aluno descreverá as características da Bíblia.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

FUNDAMENTO BÍBLICO

2 Timóteo 3:16-17

A. ASPECTOS QUE DISTINGUEM A BÍBLIA DOS DEMAIS LIVROS

• A Revelação de Deus ao homem. 2 Pedro 1:19-20


• O referente à salvação do homem. Atos 13:16-40
• O referente à verdade 1 João 2:21
• Jesus como personagem central João 14:9

B. A ESTRUTURA BÁSICA DA BÍBLIA

Pentateuco
Livros Históricos
Livros Poéticos
Profetas Maiores
Profetas Menores
Os Evangelhos ou Livros Biográficos
O Livro de Atos ou Livro Histórico
As Epístolas Paulinas
10
As Epístolas Gerais
O Livro do Apocalipse ou Profético

C. CARACTERÍSTICAS DA BÍBLIA

• Iluminação João 16:13


• Inspiração 2 Pedro 1:20-21
• Revelação 2 Timóteo 3:16
• Exatidão
• Unidade
• Utilidade
• Extraordinária Circulação
• Atualidade
• Preservação 1 Pedro 1:25
• Profecias cumpridas Isaías 55:11

Conclusão

Não fique como um bebê que precisa de leite. Se você leva tanto tempo na
igreja tem que ser desmamado e começar a receber pão e depois comida
sólida. A concretização desse fortalecimento espiritual levará o crente a
converter-se posteriormente em pai e estará sendo preparado para alimentar a
outros.

Ministração

Ore para que Deus avive em seus alunos o amor pela Palavra de Deus;
comprometa-os em oração para que estabeleçam uma disciplina de estudo
diário da Palavra.

 AVALIAÇÃO

• De acordo com os indicadores, verifique a memorização de 2 Timóteo


3:16-17 e, além disto, a explicação de cada um dos aspectos de utilidade
das Escrituras. Pode ser em exercício ou um tarefa de casa a ser
entregue.
• A estrutura da Bíblia é um tema muito importante, que deve ser
perfeitamente manejado por um Líder de Célula; por esta razão deve ser
consistentemente avaliado para que se consiga a memorização,
compreensão e manuseio. Faça constantes exercícios para alcançar esse
indicador.

 RECOMENDAÇÍES

11
Bibliográficas

Para melhor desenvolvimento do tema é necessário consultar o livro


Conhecendo a Verdade, da série Tão Firmes Como a Rocha do Pr. César
Castellanos.
McQuay Earl(1960). Un Panorama de la Bíblia. México: La Liga Bíblica
Internacional.
Grooms J. La Senda Dorada a ka Memorización Bíblica. USA: Treasure Path to
Soul Winning, Inc.
Demaray Donald (1989) Introducción a la Biblia. USA: UNILIT

Bíblicas

• A carta aos Hebreus fala muito sobre a maturidade e o crescimento


através da Palavra. Faça investigações a respeito e oriente seus alunos a
fazerem o mesmo.
• O manuseio dos textos bíblicos desta lição deve realizar-se de modo
agradável e dando segredos para a memorização bíblica.

Metodológicas

Recomenda-se uma combinação de Discussão, Perguntas e Respostas e


Preleção. Além disso, fazer uso de recursos como questionários e ou quadros
para tornar mais amena a aula.

 TAREFA

Decorar para a próxima aula os 66 livros da Bíblia

12
TEMA 5

A ORAÇÃO

 META DE ENSINO
Que o aluno compreenda o benefício de desenvolver uma vida de oração
eficaz, através da memorização dos elementos básicos da oração efetiva.

 INDICADORES
1. Que o aluno mencione o fundamento bíblico do tema da Oração.
2. Que o aluno explique as condições para que a oração seja eficaz.
3. Que o aluno explique o que é orar e como se pode obter respostas às
petições.

FUNDAMENTO BÍBLICO
Mateus 6:5-15

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA
LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

A. O QUE É A ORAÇÃO
• Dialogar com Deus: oração conversacional, companheirismo
• É adoração e louvor
• Confissão
• Guerra Espiritual

Ilustrar o modelo do Pai Nosso como guia.

B. CONDIÇÍES PARA QUE A ORAÇÃO SEJA EFICAZ


Mateus 6:5-7; 14:15

• Não seja hipócrita. Não é para ser vista. Deve ser sincero com Deus. Ele
conhece o coração.
• Não utilizar repetições. Faça da oração algo conversacional e espontâneo.
• Não guarde nada um contra o outro (Mateus 6:14-15; Mateus 5:23-
24).

13
C. COMO OBTER RESPOSTAS ÀS PETIÇÍES
• Crer que Ele pode e quer responder as petições
• Pedir de maneira clara e específica
• Visualize a resposta
• Insista até obter a confirmação de que a resposta vem a caminho
• Louve a Deus pela resposta

D. AMBIENTE PROPÍCIO PARA A ORAÇÃO


• Hora fixa diária
• Um lugar específico
• Usar a Bíblia e um caderno para anotar o que Deus fala e um registro
das petições feitas a Deus, com data do pedido e da resposta.

 AVALIAÇÃO
Dentro da avaliação do curso é necessário que o aluno explique o
fundamento bíblico deste tema, que lhe servirá para toda a vida cristã.

Leve os alunos a fazerem uma lista das petições que não foram respondidas,
e que olhem para as coisas que podem estar impedindo que elas alcancem a
resposta. Pode revisar essa tarefa nos primeiros cinco minutos da próxima aula,
caso o tempo nesta aula não o permita.

 RECOMENDAÇÍES
Bibliográficas

A Quarta Dimensão – David Yonggi Cho


Nem uma Hora – Larry Lea
A Voz de Deus – Cindy Jacobs
Oremos com Poder – Peter Wagner
Igrejas que Oram – Peter Wagner
A Oração que Prevalece – D.L. Moody

Bíblicas
• Através de toda a Bíblia a Oração é encontrada fazendo parte essencial da
vida de homens e mulheres, nações, povos e igrejas nos momentos
distintos da história bíblica; por esta razão é necessário que tanto o aluno
quanto o professor façam esse tipo de análise.

Metodológicas

O método de Perguntas e Respostas é apropriado para iniciar a aula e


conhecer o estado dos alunos em relação a este tema, que gera dúvidas e
inconvenientes.
14
A Preleção é importante para explicar o conteúdo da lição.
Tendo em conta a recomendação bíblica, pode-se projetar uma atividade em
grupo com base na análise proposta e discutir dentro da classe aqueles
aspectos que auxiliem a conseguir a meta proposta. Para tanto ter-se-á que
elaborar algum tipo de material escrito.

 TAREFA
Escreva:
a. Dois casos em que você haja feito uma petição a Deus e alcançou a
resposta.
b. Quais são seus maiores obstáculos para a oração.

15
TEMA 6

O BATISMO NAS ÁGUAS


 META DE ENSINO
Que os alunos conheçam a importância do batismo nas águas para o novo
crente e tomem a decisão de obedecer a este mandamento.

 INDICADORES

1. O aluno definirá etimologicamente a palavra Batismo


2. O aluno mencionará os requisitos e benefícios de ser batizado nas águas
3. O aluno explicará o fundamento bíblico da importância do batismo nas
águas.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA
LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

FUNDAMENTO BÍBLICO
Mateus 28:19 – Ênfase na característica do que é um mandamento

A. DEFINIÇÃO
O que é o batismo?

• Baptizo (bapto = molhar ou tingir; afundar ou submergir (Romanos


6:3). Sepultamento do indivíduo, sepultar sua antiga maneira de viver
a fim de ressurgir para uma nova vida.
• Ordem incluída na Grande Comissão (Mateus 28:19).
• Identificamo-nos com Cristo em Sua morte, em Sua sepultura e em Sua
ressurreição (Romanos 6:4).
• Confissão pública de que estamos mortos com Cristo para os nossos
pecados.

B. IMPORTÂNCIA DO BATISMO
Por que devemos ser batizados nas águas?

• Somos discípulos de Cristo 1 João 2:6


• Cristo nos deu exemplo Mateus 3:14-15
16
• É um passo de obediência por fé Tiago 2:17-18

C. REQUISITOS PARA SER BATIZADOS Mateus 3:16-17

• Crer Marcos 16:16


• Reconhecer a obra de Cristo na Cruz Hebreus 8:37
• Produzir frutos dignos de arrependimento Atos 2:38

D. BENEFÍCIOS DE SER BATIZADO Mateus 3:16-17

• Os céus se abrem diante deles


• O Espírito Santo vem sobre sua vida
• A voz de Deus vem ao coração.

Conclusão

Através do batismo agimos em obediência, demonstrando à nossa família e


ao mundo, o significado de nossa fé em Cristo, o único que pode transformar-
nos.

Ministração

Oração de compromisso com Deus para que neste trimestre cada aluno tome
a decisão de se batizar.

 AVALIAÇÃO

A avaliação desta lição específica determinará se os alunos serão batizados


ou não ao longo do Trimestre.
É necessário avaliar o tema conceitualmente, através de exercícios ou uma
tarefa relacionada com o tema.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

Para melhor desenvolvimento do tema é necessário consultar o livro


Submergidos em Seu Espírito, da série Tão Firmes Como a Rocha do Pr.
César Castellanos.

Bíblicas

• Diferencie o batismo nas águas do batismo no Espírito Santo a fim de


aclarar as dúvidas que porventura existam a respeito do assunto.

17
• Para a avaliação seria conveniente que os alunos investigassem acerca do
batismo na Igreja Primitiva, consultando o livro de Atos e algumas
Epístolas.

Metodológicas

Recomenda-se o uso da metodologia de Preleção, com alguns recursos


visuais. Deve-se deixar que os alunos participem da investigação bíblica.

 TAREFA

Que cada aluno seja batizado antes que termine o primeiro nível.
Esta tarefa será avaliada no fim do nível.

18
TEMA 7

A FÉ
 META DE ENSINO

Que os alunos compreendam o conceito bíblico da fé e sua importância para


uma vida de crescimento e vitória.

 INDICADORES
1. O aluno definirá o conceito de fé, bíblica e teoricamente
2. O aluno mencionará os passos para obter uma fé vitoriosa
3. O aluno identificará a verdadeira fé e a sua falta em dois exemplos
bíblicos

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

FUNDAMENTO BÍBLICO

Hebreus 11:1

“Antes fechava minha Bíblia e orava por fé. Mais tarde abria minha Bíblia e
começava a estudá-la e, desde então, minha fé não tem parado de crescer”
(D.L. Moody).

A. DEFINIÇÃO

O que é a fé?
Explique o que quer dizer o Fundamento Bíblico.

No Velho e Novo Testamentos encontramos palavras em hebraico que nos


dão uma idéia do que é:
Amém - “Apoiar com o objetivo de sustentar-se”- Este vocábulo é usado para
fazer referência à fé para salvação
Batai – Este vocábulo pertence à linguagem da luta livre e com ele ilustra-se
a imagem de um lutador lançando ao chão seu contra-atacante. Aqui
falamos da fé que luta.

19
Jasa – “Escapar-se para um refúgio”, como em busca de proteção, em uma
situação de perigo.
Qavá – “Esperar”
Pistis – “Ação de depender de; recostar-se sobre”

B. CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS DA FÉ

• A fé está ligada à Bíblia


• A fé está acima dos sentidos
• A fé e a incredulidade
• A fé e a fidelidade

C. PASSOS PARA TER UMA FÉ VITORIOSA


• Arrependimento
• Confissão
• Aceitação
• Conhecimento
• Obediência
• Enchimento do Espírito Santo
• Fruto do Espírito Santo

Defina brevemente e comprove o porquê se diz que são “PASSOS” e como


se relacionam entre si. Além disso aborde os resultados de segui-los
cuidadosamente.

Conclusão

Todo crente foi chamado a ser um conquistador, caminhando na dimensão da


fé.
Tudo depende da submissão à Deus e colocação em prática dos princípios
conhecidos nesta aula.

Ministração

Ore a Deus para que a fé de seus alunos seja renovada e não decaia devido
às situações difíceis, mas que Deus os fortaleça para que vençam.

 AVALIAÇÃO

Ao preparar esta lição é de todo necessário aprofundar cada aspecto do


desenvolvimento do tema para conseguir um melhor ensino do mesmo.
• Os alunos podem investigar dois casos bíblicos nos quais é demonstrada
a verdadeira fé e a falta desta; deste modo demonstrar-se-á se houve ou
não compreensão do tema ensinado. Esta pode ser uma tarefa a revisar-
se na próxima aula.
20
• Uma boa ferramenta para avaliar os indicadores concernentes à definição
conceitual e à menção dos passos para uma vida de vitória é um
exercício.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

Para melhor desenvolvimento do tema é necessário consultar o livro


Entrando na dimensão da Fé, da série Tão Firmes Como a Rocha do Pr. César
Castellanos.
• A Quarta Dimensão, de David Yonggi Cho, é um bom livro que traz
exemplos úteis para o ensino deste tema.

Bíblicas

• Ressalte a forma como Jesus “avaliava” a fé das pessoas em quem


realizava milagres, e a forma como ressaltava os exemplos de fé.
• Tiago menciona importantes aspectos da fé relacionada com as obras, que
você, como professor, deve conhecer para usar na, classe caso a
discussão o requeira.
• Mencione ou exponha (quadros, fichas, etc.) versículos bíblicos
importantes relacionados com o tema, tais como: Romanos 1:17; 2
Coríntios 5:7. Pode ser um bom exercício de memorização.

Metodológicas

• É recomendável o método de Perguntas e Respostas a fim de introduzir o


tema para conhecer o estado da fé dos seus alunos. A explicação pode
ser desenvolvida com o método de Preleção e de Ilustração. É necessária
uma boa combinação desses métodos.

 TAREFA

Que cada aluno escreva no máximo duas folhas acerca de uma


experiência onde:
a. Haja pedido algo a Deus e já obteve a resposta
b. Haja fortalecido sua fé.

21
TEMA 8

ESPÍRITO SANTO
 META DE ENSINO

Que os alunos compreendam a importância do enchimento do Espírito Santo e


os princípios necessários para obtê-lo e conservá-lo.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique os passos necessários para receber o enchimento
do Espírito Santo.
2. Que o aluno possa descrever o Espírito Santo e fundamentá-lo
biblicamente.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA
LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

FUNDAMENTO BÍBLICO

Atos 1:8 (Explicar o texto, levando em conta seu contexto)

A. PASSOS FUNDAMENTAIS PARA RECEBER O ENCHIMENTO DO


ESPÍRITO SANTO
• Purificação do coração 2 Coríntios 5:17
• Crer Mateus 12:34
• Não entregar o corpo ao pecado Romanos 6:13
• Recebe-se o Espírito voluntariamente 2 Cor. 3:17

B. CONHEÇAMOS O ESPÍRITO SANTO

• O Espírito Santo é uma Pessoa Atos 10:38


• Glorificar a Jesus João 16:14-15
• Gera em nós o novo nascimento João 3:1-15
• É nosso guia João 16:13
• Revela os segredos divinos 2 Coríntios 2:9-10

22
C. COMO ASSEGURAR-SE DE QUE O ESPÍRITO NÃO SE APAGUE EM
NÓS

Estudar a Palavra de Deus

Remover os embaraços em nossa vida

Deixar que o Espírito Santo encha cada vazio em nossa vida

Testemunhar de Cristo a outras pessoas

Ter a certeza de que o Senhor cumprirá Sua parte, dando-nos Seu
Espírito
Conclusão

Para que cada crente prove em sua vida cristã e ministério a dimensão da
prosperidade e autoridade que Deus exige, deve provar a experiência do
batismo no Espírito Santo.

Ministração
Ore por cada ponto encontrado no ítem C.

 AVALIAÇÃO
• Enfatize cada uma das divisões da lição para a avaliação dos indicadores.
Repita a característica principal de que Ele é UMA PESSOA e as
características de alguém cheio do Espírito Santo.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas
Para melhor desenvolvimento do tema é necessário consultar o livro
Submergidos em Seu Espírito, da série Tão Firmes Como a Rocha do Pr.
César Castellanos.
• Mais Próximo da Chama – Swindoll Charles

Bíblicas

• Efésios 4:23-32 apresenta as características do enchimento do Espírito


Santo
• O livro de Atos enfatiza o ministério do Espírito Santo na Igreja Primitiva.
Leve em conta essas referências para cumprir a meta de sua lição.

Metodológicas
Fazer a introdução com Perguntas e Respostas a fim de conhecer o estado
do grupo e desta maneira passar para a preleção.
Muitas dúvidas sobre o tema devem ser esclarecidas.

23
 TAREFA
Avalie em sua própria vida se tem velado para que o Espírito em você não
seja apagado. Qualifique de 1 a 5:
a. Estudar a Palavra ____
b. Remover barreiras em sua vida _____
c. Há vazios que o Espírito Santo não preencheu _____
d. Está convicto de que o Senhor cumprirá Sua parte de dar-nos Seu
Espírito Santo ____

Nota: Avalie, como professor, esta tarefa. Caso se encontrem em seu grupo
muitos que deixaram o Espírito ser apagado em suas vidas, separe um tempo
no qual você orará por eles a fim de que sejam novamente avivados no
Espírito Santo; ore por aqueles que ainda não receberam a evidência de falar
em outras línguas.

24
TEMA 9

A IMPOSIÇÃO DE MÃOS
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda como o poder de Deus flui através da Imposição de


Mãos.

 INDICADORES
1. O aluno deve explicar a importância da imposição de mãos dentro do
processo de ministração a outros.
2. O aluno deve mencionar os propósitos para os quais deve-se impor
mãos.
3. O aluno deve mencionar pelo menos três sugestões para não agir com
precipitação.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

FUNDAMENTO BÍBLICO

1 Timóteo 5:22

A. O QUE SE ENTENDE POR IMPOSIÇÃO DE MÃOS 1 Timóteo 5:22

Toda pessoa que aspira ser usada, deve estar disposta a passar pelo processo
de ministração e, para tanto, se recomenda:

• Reconhecer e aceitar sua condição Provérbios 28:3


• Disposição de ser quebrantado e morrer João 12:24

B. PROPÓSITOS DA IMPOSIÇÃO DE MÃOS

• Transmitir Cura Interior


• Transmitir Libertação
• Transmitir Bênção
• Transmitir Autoridade
• Transmitir Cura Física
25
• Transmitir o Batismo no Espírito Santo
• Transmitir dons e comissionar a outros.

C. SUGESTÍES PARA EVITAR AGIR COM PRECIPITAÇÃO

• Não se deve impor as mãos em alguém que não passou pelo processo
de arrependimento e confessado sua fé em Jesus Cristo.
• Executar o processo na ordem biblicamente estabelecida.
• Comprovando-se que o necessitado abriu seu coração a Jesus, o
processo de imposição de mãos deve seguir a seguinte ordem:
compartilhar a Palavra, infundir fé, impor as mãos, orar.
• Manter sempre um espírito de oração e humildade.
• Entendendo que a imposição de mãos vai acompanhada da palavra
profética, é importante manter comunhão com o Espírito Santo,
aspirando Sua direção ao longo do processo.

Conclusão

Insistimos na importância da imposição de mãos e da ministração a todos


aqueles que desejam crescer na vida cristã, livres de ataduras e maldições
que representam um obstáculo para o crescimento espiritual e numérico da
igreja e da pessoa.

Ministração

Ore a Deus para que seus alunos obtenham a sensibilidade para ouvir Sua
voz e dessa maneira ministrarem a outros.

 AVALIAÇÃO

Realizando um exercício ou um trabalho relacionado com este tema. Ver


Recomendações Bíblicas.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

Para melhor desenvolvimento do tema é necessário consultar o livro Sua Mão


Está Sobre Mim, da série Tão Firmes Como a Rocha, do Pr. César
Castellanos.

Bíblicas

• Novamente o livro de Atos provê grandes exemplos sobre a imposição de


mãos no ministério da Igreja Primitiva. Torna-se necessário aprofundar o
26
assunto para uma melhor compreensão e fruto do ensino, tanto por parte
do professor quanto do aluno.

Metodológicas

Pode-se utilizar o método de Preleção e o de Perguntas e Respostas para


orientar o estudo.

 TAREFA

Com base no texto de Marcos 16:17-18 e com o aprendido nesta lição, ore
por alguém e escreva o resultado dessa oração num máximo de duas
páginas.

27
TEMA 10

COMO VENCER OS OBSTÁCULOS


 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda quais são as ferramentas que lhe servirão para
enfrentar os obstáculos que se apresentam em sua vida cristã e como superá-
los.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique como vencer o obstáculo que o mundo pode
apresentar-lhe
2. Que o aluno explique como vencer a tentação
3. Que o aluno explique como vencer os obstáculos que se lhe podem
apresentar na família.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

FUNDAMENTO BÍBLICO

Romanos 8:35-39

Faça uma introdução à lição, levando os alunos a escreverem em uma folha


de papel quais os obstáculos com os quais têm se deparado (passados e
atuais) em sua vida cristã até agora.

Três dos obstáculos mais fortes com os quais os cristãos se deparam são:

A. O MUNDO (João 17:15)

• Os desejos do mundo (glória, riquezas, poder, etc.)


• Os desejos da carne (tudo o que é contrário ao Espírito)
• As amizades

Como vencê-los?

28
• Tendo o pensamento sempre em Deus Filipenses 4:8
• Preocupando-se com as coisas do Espírito Romanos 8:5-6
• Não tendo alianças com o mundo em nenhuma área 2 Cor. 6:14-16
• Com a Palavra Salmo 119:9
• Ganhando os amigos para Cristo Tiago 5:19-20

B. A TENTAÇÃO

1. O que é?
a. A tentação não é pecado; pecado é ceder à tentação.
b. A tentação vem de:
• Satanás
• A concupiscência ou desejos da carne

2. Como vencer a tentação?


a. Orar: Comunhão constante com o Espírito Santo.
b. Encher-nos da Palavra para confessá-la (Mateus 4).
c. Renunciar a qualquer raiz de pecado que permita a tentação.
d. Encher nossas mentes com as coisas do Espírito.

C. A FAMÍLIA (Mateus 10:36)

Faça uma curta introdução sobre este ponto

O que fazer?
• Ganhar a família em oração.
• Crer nas promessas de Deus.
• Ser prudente nas coisas que faz, tendo um bom testemunho diante
deles.
• Perseverar, ser constante.

Ministração

Leve o aluno a escrever novamente a lista de obstáculos atuais que se têm


levantado diante dele nas áreas estudadas: mundo, tentação e família.

 AVALIAÇÃO

É necessário avaliar a maneira como os alunos compreenderam a forma


em que se deve vencer os obstáculos nas três áreas anteriormente
explicadas. Isto pode ser parte da avaliação final.

 RECOMEN DAÇÍES

Bibliográficas

29
• Manual de Billy Graham para Obreiros Cristãos
• A Luta – John White
• Três Passos Para a Frente e Dois Para Trás – Charles Swindoll
• Sorria Outra Vez – Charles Swindoll
• Soluções Para os Problemas da Vida – Billy Graham.

Bíblicas

Muitos personagens da Bíblia enfrentaram obstáculos em sua relação com


Deus; algumas vezes era em sua família, outras em sua sociedade, outras na
área econômica. Leve seus alunos a investigarem alguns obstáculos com os
quais pelos menos três deles se depararam e o modo como os venceram.

Metodológicas

Para a abordagem deste tema a classe pode ser dividida em grupos para
usarem a Representação a fim de exemplificarem a maneira de vencer
obstáculos com os quais se podem deparam. No final um aluno apresentará
uma conclusão de cada área e o professor esclarecerá as dúvidas que se
possam apresentar.

 TAREFA

Faça uma lista dos obstáculos que não conseguiu ainda vencer e dê as
razões porque não pôde vencê-los.

30
MISSÃO CARISMÁTICA
INTERNACIONAL
ESCOLA DE LÍDERES

SUMÁRIO
SEGUNDO NÍVEL
DOUTRINA

31
TEMA 1
Célula PARA O CRESCIMENTO
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda a importância das Células dentro da Visão do


ministério.

 INDICADORES
1. O aluno deve mencionar o fundamento bíblico das células.
2. O aluno deve explicar os quatro passos básicos da visão.
3. O aluno deve explicar o que é a visão.

FUNDAMENTO BÍBLICO

Mateus 9:35-38. Atos

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

A igreja primitiva iniciou nas casas dos crentes; foi a estratégia de Deus para
a igreja, dessa maneira iniciou um crescimento não só numérico, mas
também espiritual (1 Coríntios 16:19).

A. É a maneira eficaz de servir a Deus na igreja.

B. É a forma de crescimento genuíno: A igreja primitiva cresceu de


uma maneira verdadeira, isto é, numérica e espiritualmente. Neste
crescimento cumpriram-se 4 coisas:

• Evangelização (Atos 5:42)


• Consolidação (Atos 9:32-35)
• Edificação (Atos 2:42)
• Envio (Atos 6:3; 6:5)

C. A melhor maneira de suprir a necessidade das pessoas (Atos 2:44-47)

D. Estratégia de Jesus (Lucas 6:13)

32
Cristo dedicou-se sempre a um grupo de pessoas, Seus discípulos:
evangelizou-os, consolidou-os, edificou-os e os enviou.

 AVALIAÇÃO

Cada indicador deve ser avaliado conscientemente devido a importância


deste tema para a liderança. Pode ser por meio de um Exercício ou uma
tarefa para revisar. É necessário que o aluno compreenda realmente o
fundamento bíblico das Células e os quatro passos da visão.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

O livro “Sonha e Ganharás o Mundo”, do Pastor César Castellanos, trata


aspectos importantes para explicar este tema.
O Plano Mestre de Evangelismo, de Robert Coleman, serve para conhecer
a estratégia de Jesus para evangelizar e formar sua equipe.

Bíblicas

Uma análise do livro de Atos é fundamental para entender e explicar a visão.


O professor deve estudar profundamente este livro e combinar seu estudo
com um evangelho (pelo menos). O fundamento bíblico da visão deve ser
amplamente explicado.

Metodológicas

O método de perguntas e respostas deve ser combinado com o de Preleção


para o desenvolvimento da aula. Deve-se despertar o interesse dos alunos
para aprofundar-se no fundamento bíblico de nossa visão. Na medida do
possível, deve-se utilizar auxílios visuais para a explicação dos temas.

 TAREFA

Escrever em uma folha se assiste ou não a uma Célula. Se a resposta for


sim, indique o bairro da Célula, o líder que a dirige e como ela tem
beneficiado sua vida. Se a resposta é não, explique porquê.

33
TEMA 2
A VISÃO
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda o conceito de visão, suas características e sua


importância fundamental dentro do ministério.

 INDICADORES
1. Que o aluno defina o que é visão.
2. Que o aluno explique as características da visão.
3. Que o aluno explique qual é a visão da M.C.I.

FUNDAMENTO BÍBLICO

Atos 16:19 - 20

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

O professor deve, ao planejar a aula, investigar cada uma das divisões do


desenvolvimento do tema para poder alcançar a meta de ensino.

DEFINIÇÃO
É ter uma imagem clara do que Deus quer que eu seja ou faça.

DE ONDE PROCEDE A VISÃO?


É dada por Deus à Igreja. O líder é o responsável por transmití-la.

QUEM DEVE CAPTÁ-LA?


O líder é o primeiro que deve captá-la. A visão é para todo o integrante da
Igreja.

COMO DESENVOLVÊ-LA?
Aproveitando a infra-estrutura que temos na Igreja: Células, Encontros,
Reencontros, Escola de Líderes, Equipe dos Doze.

A VISÃO DE NOSSO MINISTÉRIO

34
Fazer de cada membro um líder com o caráter necessário para fazer a obra
de Deus

 AVALIAÇÃO

Devido a importância do tema, na avaliação parcial é necessário verificar se


o aluno compreendeu o que significa a visão dentro do ministério.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

No livro Desenvolva o Líder que Está em Você, de Jhon C Maxwell, há um


capítulo dedicado ao tema da visão
No livro Como Viver Acima do Nível da Mediocridade, de Charles Swindoll, há
um capítulo dedicado ao tema da visão
O livro Sonha e Ganharás o Mundo, de César Castellanos, provê informação
importante para desenvolver o tema

Bíblicas

Deus levou Abraão a sonhar; ele é um bom exemplo de um personagem


bíblico que serve para complementar a aula.
Jesus também foi um homem com visão; é importante enfatizar que nossa
visão é completamente Bíblica e Cristocêntrica

Metodológicas

A aula pode ser desenvolvida com um workshop no qual, por grupos, os


alunos formulam as perguntas que conformam o desenvolvimento do tema
na parte inicial; e depois, em plenária, cada grupo exporá os resultados do
trabalho em grupo. O professor deve estar bastante atento ao trabalho que
está em andamento e concluir explicando corretamente o desenvolvimento
do tema buscando, acima de tudo, conseguir a meta de ensino.

 TAREFA

Escrever em duas páginas o que você entendeu acerca da visão.

35
TEMA 3

A PREPARAÇÃO PESSOAL PARA LIDERAR UMA


CÉLULA
 META DE ENSINO
Que o aluno compreenda a necessidade de preparar-se como líder de Célula
e as áreas nas quais deve fazê-lo.

 INDICADORES
1. O aluno deve definir o que é preparar-se e sua importância para a
liderança
2. O aluno de explicar as áreas nas quais deve preparar.

FUNDAMENTO BÍBLICO

II Timóteo 2:15 Lucas 2:52

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

A. QUE É PREPARAR-SE
O professor deve explicar que quer dizer esta palavra e dar exemplos da
preparação que se requer a nível secular para aspirar a certos cargos.

B. ÁREAS NAS QUAIS DEVE-SE PREPARAR

Espiritual
• Consagração: Separado, dedicado a.
• Comunhão com Deus. No Velho Testamento derivava da palavra hebraica SOD,
que significa amizade e conhecimento intimo. No Novo Testamento a palavra
KOINONIA, que quer dizer ter comunhão, companheirismo.
• Atitude de serviço: Atitude é a disposição de ânimo manifestada exteriormente.
• Participar nos eventos que são edificantes e ministrarão a sua vida.

Intelectual
• Autoformação: Cultivar excelentes hábitos de leitura. Estar disposto a
aprender constantemente.
36
• Manter um programa consistente de estudo e leitura.
• Integrar-se em cursos de preparação espiritual (Escola de Líderes,
Instituto Bíblico).
• Conhecer seus discípulos.

Emocional
• Que Deus transforme a auto-estima e o auto-conceito.
• Examinar continuamente suas emoções para que Deus vá formando o
caráter de Cristo.
• Guardar a área sentimental para o tempo de Deus.
• Eliminar e evitar a amargura e o ressentimento.

Física
• Preocupar-se pelo estado físico periodicamente.
• Revisões médicas contínuas.
• Cuidar da alimentação

Social
• Manter boas relações pessoais.
• Cultivar amizades que sejam edificantes, como ensina a Palavra de Deus.

 AVALIAÇÃO

• É necessário avaliar se o aluno compreendeu a importância da


preparação dentro da liderança.
• Pode deixar-se um trabalho no qual o aluno estabeleça um “Programa
de Preparação” que o ajude a estabelecer sua disciplina e edificação em
cada uma das áreas mencionadas. A revisão destes trabalhos será
importante para eles.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

O primeiro capítulo de Ensino para Mudar Vidas de Howard Hendriks.

Bíblicas
• É necessário a correta explicação do fundamento bíblico desta aula.
• O livro de Provérbios contém excelentes conselhos para os que busca a
sabedoria e a inteligência. Um exame deste livro será de grande ajuda,
tanto para o Professor como para o Aluno.

Metodológicas

37
É bom introduzir este tema com o método de Perguntas e Respostas para
conhecer o estado de seus alunos em cada área.
Por meio do método de preleção pode-se explicar o conteúdo da lição e o
fundamento da mesma.

 TAREFA
Aliste de 1 – 5 sua preparação pessoal para dirigir uma Célula

Área Qualificação

Nota: Você, como professor, examine esta tarefa e chame para


aconselhamento aqueles que você verificar que sua preparação é baixa ou
insuficiente; ou então informe ao líder imediato do aluno(a).

38
TEMA 4

ESTRUTURA DE UMA Célula


 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda qual é a forma efetiva de realizar uma Célula e a


estrutura da mesma.

 INDICADORES
1. Que o aluno defina que é uma Célula.
2. Que o aluno explique a estrutura geral da Célula.
3. Que o aluno explique os erros que se deve evitar numa Célula

FUNDAMENTO BÍBLICO

Atos 5:42

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

A. QUE É UMA Célula

• CIC quer dizer: Célula de Igrecrescimento Carismático


• Reuniões nos lares onde se evangeliza, consolida, edifica e envia.
• O centro de sua atenção é o novo.
• É o ponto entre as pessoas e a igreja.

B. ESTRUTURA GERAL DE UMA Célula

1. Louvor e Adoração (10 minutos)

2. Introdução: (10 minutos) Uma boa introdução assegurará de uma boa


forma o interesse pela reunião, de maneira que deve-se ser muito
cuidadoso na forma de saudar e dar início a Célula. Deve-se ter em
conta fazer uma breve revisão do tema anterior. É necessário quebrar o
gêlo e tornar agradável a participação na reunião.

39
3. Desenvolvimento do Tema: (30 minutos) Exposição do tema. Pregar
com entusiasmo e sensibilidade a mensagem de Deus para os
assistentes.
4. Aplicação: (5 minutos) Neste ponto leve as pessoas a algo prático onde
possam aplicar as palestras à sua vida cotidiana.

5. Atividades finais: (5 minutos) Orar pelas necessidades das pessoas e


encerrar a reunião. Além disso pode tomar nota das pessoas que
assistiram e apresentar-se diretamente às pessoas novas, demonstrando
um interesse pessoal por elas.

C. ERROS QUE SE DEVEM EVITAR DENTRO DA Célula

• Que uma pessoa não autorizada a dirija


• Ministrar libertação
• Impor mãos
• Que outras pessoas tomem a Palavra e o líder não tenha o controle da
reunião.
• Demorar-se mais do que o tempo estipulado
• Que se apresentem disputas ou discussões.
• Descuidar do novo (louvor, dança, palestra).
• Estar mudando continuamente da casa onde se realiza a reunião.

 AVALIAÇÃO

É necessário avaliar se o aluno compreendeu a definição de uma Célula e sua


estrutura geral para que desta maneira se evitem problemas futuros. Pode
realizar-se um exercício para levar a cabo esta avaliação.

 RECOMENDAÇÍES

Bíblicas

Novamente trata-se de aclarar o fundamento bíblico do trabalho celular e


sua efetividade na Igreja Primitiva

Metodológicas

O método de Perguntas e Respostas é útil para indagar os problemas que os


alunos tenham observado especificamente na Estrutura da Célula. (Como
assistente ou como líder).
A preleção se utilizará para explicar os conteúdos da aula e aclarar as
dúvidas a respeito.
40
 TAREFA

Ao finalizar este nível o aluno terá aberto sua primeira Célula.

41
TEMA 5

METODOLOGIA DE UMA Célula


 META DE ENSINO

Que o aluno adquira a habilidade para Ganhar, Reter e Edificar as pessoas


de suas Células.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique a forma efetiva de evangelizar a Célula.
2. Que o aluno explique a forma efetiva de reter as pessoas que foram
evangelizadas.
3. Que o aluno explique a forma efetiva de edificar as pessoas da Célula

FUNDAMENTO BÍBLICO

Atos 4:12-16

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

A. COMO GANHAR

Evangelismo: Um exemplo de Estratégia de Evangelismo pode-se encontrar


em João 4.

• Quebrar o gelo (vs. 7). Explique a seus alunos alguns formas de


quebrar o gelo para evangelizar e que eles também indiquem
estratégias.
• Cristo não se deixou desviar de sua mensagem apesar das objeções
(vs. 9-10). Faça uma lista de objeções mais comuns.
• Vá às necessidades das pessoas para supri-las através de Cristo (vs.
25-26).
• Crie um ambiente de expectativa (vs. 10-15).
• Fale de Cristo (25-26).
• Leve-a a aceitar a Cristo; a entrega é voluntária.

42
B. COMO RETER

Consolidação
• Telefonar para os integrantes de suas Células, e também aos novos que
acabam de chegar.
• Visite-os
• Preocupe-se com as necessidades de seus discípulos. Ore por eles.
• Motive sua gente a ir a suas Células e à igreja.

C. COMO EDIFICAR

Discipulado: Prepare seus ensinos

• Ensine as coisas fundamentais (salvação, arrependimento, etc.)


• Dê ferramentas a seus discípulos para que possam defender-se na vida
cristã.
• Guie-os em tudo.
• Dedique tempo para escutá-los.
• Ame a seus discípulos, seja amigo deles.
• Dê-lhes o melhor de si mesmo.
• Anime-os para que possam colocar em prática as coisas que lhes ensinou.

 AVALIAÇÃO

Pode-se realizar, pedindo aos alunos, um trabalho no qual explique o que


vão fazer na Célula para aplicar o conteúdo ensinado.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

Existe grande quantidade de Bibliografia sobre o tema de Evangelismo.


Deve-se ser sábio na seleção do mesmo. Recomenda-se:
• Ganhadores de Homens de Charles Spurgeon.
• O Plano Mestre de Evangelismo de Roberto Coleman
• O Evangelismo Pessoal de Myer Pearlman

O livro de Consolidação pode ser utilizado unicamente para explicar a


definição e o objetivo de Consolidação.

Bíblicas

O livro de Atos também contém exemplos de evangelização que ajudam a


compreender a forma eficaz de realizar esta tarefa.

43
Para discipular é necessário que o líder tenha um profundo e constante
estudo da Palavra de Deus. De modo que todo tipo de sugestão nesta área
será valioso para os alunos.

Metodológicas

Essencialmente o método de preleção pode ser utilizado, combinando com


perguntas e respostas, especialmente num tema de como ganhar, no qual se
podem compartilhar experiências interessantes que os alunos utilizam para
quebrar o gelo e ganhar almas

 TAREFA

Escreva um trabalho sobre uma pessoa que você haja ganho, (como a
ganhou?) reteve, (como a reteve?) e edificou (como a edificou?) segundo o
que foi estudado em aula.

44
TEMA 6
ESTRATÉGIA PARA O SUCESSO
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda que para ter sucesso em sua Célula existe uma
estratégia adequada.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique o fundamento bíblico e as estratégias para o
sucesso.
2. Que o aluno defina uma estratégia que implementará em seu trabalho
com a Célula.

FUNDAMENTO BÍBLICO

Josué 1 Josué 6

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

A. O QUE É UMA ESTRATÉGIA

O professor deve investigar o que é uma estratégia, o que é ter um


pensamento estratégico e qual é a relação com o trabalho na Célula.
Este ponto está muito relacionado com o planejamento do trabalho e
atividades necessárias para conseguir uma meta.

B. BUSCAR A ESTRATÉGIA DE DEUS (Josué 1:1-9; Josué 6:1-5)

1. Ter o desejo de uma estratégia de Deus.


2. Orar.
3. Ler a Palavra.
4. Meditar muito no que foi lido.

A. PESQUISAR EM TODAS AS FONTES SOBRE A ESTRATÉGIA (Josué


1:8)
(Josué 1:10-18; Josué 6:6-8)

45
Informar-se muito bem sobre as condições das quais se vai implementar a
estratégia e os recursos de que dispõe para a mesma. Rodear-se de pessoas
chave.

D. COMUNICAR A ESTRATÉGIA E INVOLVER AS PESSOAS


(Josué 1:10-18; Josué 6:6-8)
Deve existir uma habilidade muito boa de comunicador para que a visão e as
metas não percam sua força original. A motivação é importante,
conscientizando do trabalho que se vai realizar e dos resultados esperados.

E. PLANEJAR SEU DESENVOLVIMENTO


Não se deve desejar nada para improvisar, deve-se ter em conta os menores
detalhes para que a consecução das metas não seja interrompida.

F. EMPREENDER: TOMANDO OS RECURSOS NECESSÁRIOS PARA A


ESTRATÉGIA
(Josué 6:12-20)
Ter a coragem de empreender a ação confiando no respaldo de Deus e
estando disposto a aprender de tudo que aconteça na implementação da
estratégia.

 AVALIAÇÃO

É necessário indagar sobre o pensamento estratégico que os alunos têm


atualmente, e se eles compreenderam a que se refere quando se fala de
uma estratégia.
A Avaliação basicamente se realiza revisando um trabalho no qual o aluno
defina a estratégia para sua Célula de acordo com os pontos explicados na
classe.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

Nos livros de administração de empresas relacionados com planejamento e


pensamento estratégico pode-se encontrar a definição do termo e alguns
importantes relacionados com o tema. Estes livros são de fácil aquisição em
bibliotecas públicas.

Um comentário do livro de Josué ampliará a explicação que se pode dar do


tema tratado.

Bíblicas

46
É necessário estudar profundamente o livro de Josué, pois é o fundamento
bíblico desta aula. Estude o contexto histórico do livro, seu propósito, seus
ensinos principais e o conteúdo do próprio livro para conhecê-lo a fundo.

Metodológicas

Esta aula é um estudo bíblico em companhia dos alunos; desperte o


interesse adequadamente para que eles anelem conhecer o ensino que pode
ser extraído do livro de Josué; você guiará o estudo, ampliando e explicando
os passos da estratégia que estão planejando em aula.
Deve concentrar seus esforços em aplicar toda a estratégia à Visão do
Ministério.

 TAREFA

Segundo o estudado em aula, e seguindo cada passo, escreva uma


estratégia que você queira pôr
prática para quando abrir sua Célula.
TEMA 7

MOTIVAÇÃO PARA O CRESCIMENTO


 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda a importância da motivação dentro do trabalho


ministerial.

 INDICADORES
1. Que o aluno defina o que é motivação.
2. Que o aluno descreva a estratégia utilizada por Neemias para motivar as
pessoas a reconstruir os muros..

FUNDAMENTO BÍBLICO

Neemias 2:17-20 Neemias 3:1-32

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

47
A. MOSTRAR A VISÃO E A SOLUÇÃO (vs. 17)

B. FORMAÇÃO DE EQUIPE: ENVOLVENDO-OS NA SITUAÇÃO

C. CONHECER E VISUALIZAR OS BENEFÍCIOS DO FUTURO (vs. 17)


“... e não estejamos mais em opróbrio...”

D. COMEÇO DO TRABALHO COM ESFORÇO (Neemias 3:1-32)


Organização.

E. DAR A CONHECER A PALAVRA RHEMA DA PARTE DE DEUS (vs. 18)


Sem fé é impossível agradar a Deus

 AVALIAÇÃO

Deve-se avaliar se o aluno compreende a estratégia que Deus deu a


Neemias.
Avalie a forma em que o aluno relaciona esta estratégia com a de Josué e
com o tema de Pensamento Estratégico.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

Passe-me Outro Tijolo, de Charles R. Swindoll, é um libro baseado no estudo


do livro de Neemias.
Um comentário do livro de Neemias provê informações importantes para
usar nesta aula

Bíblicas

Assim como na aula anterior, o estudo e análise do livro de Neemias é


importante para o desenvolvimento do tema.
Estude o contexto histórico do livro, seu propósito, seus ensinamentos
principais e o conteúdo do próprio livro para conhecê-lo a fundo.

Metodológicas

Novamente guie o estudo bíblico com seus alunos, enfatizando:


• As diferentes formas em que Deus nos usa.
• A importância da motivação no processo da Estratégia e sua
Implementação.
• A relação direta deste tema com a Visão do Ministério.
• Relações e Diferenças com o exemplo de Josué.

 TAREFA
48
Escreva as razões pelas quais você foi desmotivado e como conseguiu
motivar-se.

49
TEMA 8
COMO SOLUCIONAR OS PROBLEMAS NA
Célula
 META DE ENSINO

Que o aluno adquira habilidade para resolver problemas que se apresentam


no ministério.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique os parâmetros para resolver um problema.
2. Que o aluno explique com um trabalho prático a maneira como resolveria
um problema específico.

FUNDAMENTO BÍBLICO

Tiago 1:5 e Josué 7

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

A. PARAMETROS GERAIS PARA RESOLVER UM PROBLEMA. (Josué 7)

• Intercessão: Buscar a direção de Deus e que Ele nos revele Suas


estratégias.
• Revelação: Deus nos revela algo específico com respeito ao problema, o
que devemos fazer.
• Obediência: Pôr em prática o que Deus nos mostrou.
• O resultado: A glória de Deus no problema.
• Consultar os líderes: Eles darão orientação, ajudarão a solução do
problema.

Conclusão

A chave é que os alunos entendam que não há problema grande para Deus
e que se eles buscam Sua direção, poderão solucionar qualquer conflito. É
importante que entendam que um problema não pode desanimar, pelo
contrário, permite maturidade e novas forças.
50
 AVALIAÇÃO

Com o trabalho em grupo e a exposição realizada pode-se avaliar a


compreensão do tema tratado. Requer-se trabalho constante do professor
para aclarar dúvidas que se apresentam durante o tempo de trabalho em
grupo.

 RECOMENDAÇÍES

Bíblicas

Pode-se explicar o contexto da passagem de Josué 7, que é o fundamento


bíblico do tema a tratar.

Metodológicas

Introduza a aula explicando os parâmetros gerais para resolver um problema.


Depois divida a classe em pequenos grupos, entregue a cada um uma folha
com o método sistemático para a resolução de problemas e um dos
problemas mais freqüentes para que em grupo desenvolvam este método.
Depois, em plenária, os alunos expõem os resultados de seu trabalho.
Problemas Comuns
(No transcurso deste trabalho, pergunte se eles necessitam trabalhar em
algum outro problema específico)

• Falta de Compromisso
• Monotonia
• Manifestação Demoníaca
• Pecado
• Falta de Visão

Nota: A distribuição do tempo pode ser:


10 min. na introdução
20 min. trabalho em grupo
30 min. Exposições

 TAREFA

Traga escrito em uma folha qual é sua atitude quando enfrenta um problema
difícil em sua vida.
Nota: Na aula seguinte ore por esses problemas que seus alunos possam
estar enfrentando.

51
COMPLEMENTO

Método sistemático para a resolução de problemas.


Um método sistemático para a resolução de problemas geralmente contém
estes passos:
1. A definição do problema.
2. A obtenção dos dados.
3. A integração dos dados.
4. A determinação de soluções possíveis.
5. A eleição das melhores soluções.

Este método, popularizado por John Dewey, requer a análise detalhada de


muitos aspectos de um problema.

52
TEMA 9
PARÂMETROS PARA ESCOLHER UMA EQUIPE
DE LÍDERES
 META DE ENSINO
Que os alunos compreendam quais são os parâmetros que Jesus seguiu para
escolher sua equipe de doze.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique a importância do trabalho em equipe.
2. Que o aluno explique os parâmetros para escolher uma equipe de líderes.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

A. IMPORTÂNCIA DE EQUIPE
A aula pode ser introduzida explicando-se a importância de formar uma
equipe de trabalho e a estratégia de Jesus ao dedicar-se a um grupo seleto
de homens.
No livro Plano Mestre de Evangelismo trata-se bastante deste tema.

B. PARÂMETROS PARA ESCOLHER A EQUIPE

• ORAÇÃO
Jesus passou toda a noite em oração. Só Deus conhece o coração das
pessoas.

• ESCOLHEU HOMENS FIÉIS (Marcos 1:16-18)


• ESCOLHEU PESSOAS QUE TENHAM O DESEJO DE SERVIR AO
SENHOR (João 1:35-42)
Os discípulos queriam sempre saber mais do Mestre e diante de todos os motivou a
seguirem a Jesus e seu amor por Deus.

• ESCOLHEU HOMENS MOLDÁVEIS (João 1:48 - 50)


Que sejam pessoas que se deixem tratar por Deus e através das quais Deus
possa fazer grandes maravilhas. Somos argila nas mãos de Deus e Ele pode
fazer grandes coisas se nós o permitirmos.

53
• PROVOU-OS
• Isto significa que através das situações se pode conhecer o que há no
coração dos discípulos. (Não se trata de buscar a queda de ninguém).

Conclusão

A equipe é fundamental no ministério de uma pessoa, como foi na de


Jesus, que revolucionou o mundo através de 12 homens. A chave é que os
alunos entendam que devem tomar o tempo e o cuidado para escolher suas
pessoas seguindo o exemplo de Jesus.

 AVALIAÇÃO

Em um exercício deve-se avaliar se o aluno compreendeu cada um dos


parâmetros mencionados e a importância da equipe.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

• .O Plano Mestre de Evangelismo de Robert Coleman

Bíblicas

Estudar cada uma das referências bíblicas sugeridas e analisar nos


Evangelhos a maneira como Jesus escolheu sua equipe e a formou.

Metodológicas

Recomenda-se o Método de Preleção para a explicação do tema.

 TAREFA

Fazer um resumo das coisas mais importantes que você encontrou no livro
“O Plano Mestre de Evangelismo”

54
TEMA 10
RELAÇÃO LÍDER E DISCÍPULOS
 META DE ENSINO
Que o aluno compreenda os princípios básicos para manter uma boa relação
em uma equipe de líderes.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique cada um dos princípios para manter uma boa
relação com uma equipe de líderes.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA
LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

A. INTERCESSÃO PELA EQUIPE (1


B. 1 Samuel 12:23(b))
Pagar o preço em oração.

B. SUPRIR SUAS NECESSIDADES (Marcos 6:30-32)

C. TER UMA RELAÇÃO DE AMIZADE (João 13:1)

D. DELEGAR (Lucas 9:1-6)

Se o líder não delega responsabilidades constantemente está enredado em


um pântano de detalhes secundários que podem derrubá-lo e impedi-lo de
funcionar em suas responsabilidades primárias.

1. Por que alguns líderes fracassam?

Há várias razões pelas quais os líderes descartam a função de delegar:


• Crêem que os discípulos não podem manejar o que lhe é designado.
• Temem que os discípulos não tenham competência.
• Têm temor de perder o reconhecimento.
• Temem que suas fragilidades sejam expostas.
• Pensam que não terão tempo para entregar o trabalho a outros e
oferecer a necessária preparação.

1. Como delegar?

55
• Selecionar os trabalhos que serão delegados e organizá-los para
transferi-los.
• Escolher a pessoa adequada para o trabalho.
• Preparar e motivar a pessoa a quem há de entregar o trabalho para a
sua realização.
• Entregar a tarefa e assegurar-se de que compreende plenamente o que
há de fazer.
• Estimular a independência.
• Manter supervisão do controle: nunca solte as rédeas.

D. SER EXEMPLO EM TUDO (JOÃO 13:15)

Eles serão o reflexo de nós. O melhor sermão é o exemplo.

E. MINISTRAÇÃO E DOUTRINAMENTO (LUCAS 22:39-40)


Ensinar-lhes a estudar a Palavra de Deus estabelecendo disciplina diária de
estudo.

AVALIAÇÃO

Pode avaliar-se a compreensão do tema com um exercício.

RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

O Plano Mestre de Evangelismo de Robert Coleman

Bíblicas

Estude o fundamento bíblico de cada ponto para explicá-lo da melhor


maneira.

Metodológicas

Pode-se introduzir a aula por meio de Perguntas e Respostas para conhecer o


estado atual dos alunos.
O Método de Preleção é importante para guiar o estudo bíblico deste tema.

TAREFA
Você tem discípulos? (pessoas que já ganhou e está doutrinando). Se a
resposta é SIM, escreva (segundo o estudado em aula). Como é sua relação
com eles? Se a resposta é NÃO, diga o por quê.

56
MISSÃO CARISMÁTICA
INTERNACIONAL
ESCOLA DE LÍDERES

SUMÁRIO
SEGUNDO NÍVEL
SEMINÁRIO

57
SEGUNDO NÍVEL
SEMINÁRIO

58
2000 © Missão Jovem Internacional
Publicado pela Missão Jovem Internacional
Cll 22c No. 31-01
3 37 92 11

Elaborado por Juan Carlos Rojas


César Bladimir Reyes
Claudia Barrera

Diagramação: Camila Dias Torres

Santafé de Bogotá D.C. Colômbia

É proibida a reprodução total ou parcial desta obra em qualquer de suas formas,


gráfica ou audiovisual, sem a autorização prévia e escrita do autor.

59
INTERCESSÃO
LIÇÃO 1
 META DE ENSINO
Que o aluno compreenda a definição de intercessão e sua importância para o
ministério.

 INDICADORES
1. Que o aluno defina a palavra intercessão.
2. Que o aluno explique de que depende a intercessão.

FUNDAMENTO BÍBLICO

Jeremias 33:3

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

A. DEFINIÇÃO

Ação de apresentar súplicas e petições a Deus, geralmente a favor de outros.


Tanto o verbo Hebraico paga, como o grego Entygjano quer dizer “Encontrar-se
com uma pessoa”, e seu significado deriva de “buscar seu auxilio”.

B. A INTERCESSÃO DEPENDE DE:

1. Um sentido de solidariedade entre os homens, que o induz a buscar o bem


do outro.
2. A convicção por parte do intercessor de que Deus pode salvar ou abençoar a
pessoa necessitada por quem se intercede.

C. EXEMPLOS DE INTERCESSORES

Pergunte porque foram intercessores, para que intercederam, e o que


aconteceu com sua intercessão, para que fique claro ao aluno que Deus
responde a intercessão. Deixe que o aluno encontre as respostas, ajude-o
apenas com perguntas.

1. Abraão (Gênesis 18:23-33)


2. Moisés (Êxodo 32:11-14,21-24)
3. Samuel (I Samuel 7:5,8,9)
4. Isaías e Ezequiel (Isaías 37: 5-38)
5. Daniel (Daniel 9:1-9)
6. Jesus (João 17:15-21)
7. Paulo (Romanos 1:9)
60
 AVALIAÇÃO

A avaliação do seminário de intercessão em geral se deve evidenciar de alguma


forma prática, isto é, observando até que graus os alunos integram a disciplina
da intercessão à sua vida cotidiana.
A parte conceitual pode ser examinada nas avaliações parciais.
Para esta aula é importante que os alunos realizem um trabalho sobre os
personagens bíblicos que foram tomados como exemplo de intercessores.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

O livro: O intercessor de Norman Grubb é uma biografia interessante e


edificante para estudar e utilizar como exemplo para a classe.
Os livros de Biografias de grandes cristãos mostram exemplos claros da
intercessão nos distintos momentos da história.

Bíblicas

O estudo dos personagens é muito importante; o professor é o primeiro que deve


realizá-lo e depois levar os alunos a investigar o mesmo.
Também é interessante realizar um estudo especificamente da forma como
Jesus intercede por nós e apresentá-lo na aula para que desta maneira seja
Cristocêntrica.

Metodológicas

O método de perguntas e respostas é bom para introduzir a lição e tornar claros


alguns conceitos errados que os alunos possam ter com respeito à intercessão.
A explicação pode ser feita por meio do método de preleção. Além disso
recomenda-se planejar algum tipo de projeto que esteja ligado com o seminário
de Evangelismo.

 TAREFA

O aluno deve fazer um trabalho sobre as áreas nas quais nosso país
necessita de intercessão.

61
INTERCESSÃO

LIÇÃO 2
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda quais as orações que são frutíferas e como se pode
consegui-lo.

 INDICADORES
1. Que o aluno mencione quais são as orações que jamais se perdem, com
fundamento bíblico
2. Que o aluno explique como se consegue vitórias em oração.

FUNDAMENTO BÍBLICO

Mateus 26:41

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

A. ORAÇÍES QUE JAMAIS SE PERDEM

1. A oração para que haja avivamento na Igreja. (Atos 4:23-31)


2. A oração para que Deus mande obreiros para Sua seara (Mateus
9:37-38)
3. A oração pela colheita de almas (João 4:35)
4. A oração para que seja salvo o indivíduo em particular (I Timóteo
2:1-6)
5. A oração para que Deus abençoe uma nação. (Salmo 2:8)
6. A oração para que Satanás seja contido e derrotado. (Tiago 4:7)

B. COMO SE CONSEGUE VITÓRIAS NA ORAÇÃO

1. Lance a ofensiva em oração (II Coríntios 10:4,5)


2. Faça tudo no poder do Espírito. (Zacarias 4:6 Isaías 59:19b)
3. Resista, e expulse a Satanás com fé. (Mateus 16:19)
4. Sature sua mente com a Palavra de Deus. (Colossenses 3:16;
Romanos 10:17)
5. Consiga o Apoio de outras pessoas em oração (Mateus 18:19)
6. Persevere em oração até derrotar a Satanás (Isaías 62:1)

Conclusão

62
A oração deve fazer-se com a motivação correta e de maneira sábia;
sobretudo deve existir a perseverança.

MINISTRAÇÃO

Ore por seus alunos para que o Senhor desperte suas vidas em oração, e
para eliminar obstáculos em sua oração.

AVALIAÇÃO

Na avaliação parcial devem ser tidos em conta os indicadores propostos para


esta aula.
Sem dúvidas, através da tarefa o professor pode avaliar a maneira como
seus alunos compreenderam o tema.
Além disso, se está adiantado um projeto, este tema provê importantes
ferramentas para que este seja realizado de maneira excelente.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

O livro: O Intercessor de Norman Grubb é uma biografia interessante e


edificante para estudar e utilizar como exemplo para a classe.

Bíblicas

Recomenda-se o bom uso do fundamento bíblico da classe de maneira que o


professor deve insistir em consultar cada texto para levar a cabo sua
explicação.

Metodológicas

O método de perguntas e respostas servirá para introduzir a aula e


conhecer os problemas que seus alunos têm tido na área de
intercessão. Anote no quadro aqueles problemas mais freqüentes
que eles mesmos mencionem (falta de perseverança, de fervor, de
fé, de coragem, etc.) e depoois, por meio do método de preleção,
explique cada aspecto da lição. Pode utilizar recursos para
trabalhar melhor esta aula quanto ao conteúdo bíblico.

 TAREFA

Os alunos devem estabelecer em suas próprias vidas as orações que jamais


se perdem, pondo em prática os conselhos acerca de como conseguir vitória
na oração e consignar durante uma semana os resultados que obtiveram
para que o professor os revise.
63
64
INTERCESSÃO

LIÇÃO 3
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda os dois exercícios espirituais fundamentais para a


intercessão.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique a relação existente entre o jejum e a intercessão.
2. Que o aluno explique a relação existente entre a Palavra de Deus e a
intercessão.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

A. O JEJUM

Explique, tendo em conta a definição do que é o jejum e seu propósito, qual


é sua importância dentro do trabalho da intercessão.

Algumas recomendações sobre como jejuar para o Senhor.

• Jejue para agradar a Deus (Zacarias 7:5)


• Jejue em resposta ao chamado de Deus (Joel 1:13-14)
• Jejue para humilhar-se diante de Deus (I Reis 21:27)
• Jejue para buscar mais plenamente a face de Deus (Marcos
12:30,33)
• Jejue como disciplina santa para sua alma.

B. ESTUDO DAS ESCRITURAS

Explique igualmente o poder que tem a Palavra de Deus confessando-a na


intercessão, porém explique que para poder fazer isto, é necessário primeiro
conhece-la amplamente.

Algumas formas de usar a Bíblia que ajudam a tornar mais eficaz sua
intercessão:

1. Comece seus períodos de oração regulares lendo a Palavra de Deus.


2. Aplique o que lê à sua vida.
3. Faça leituras das Escrituras durante o seu tempo devocional.
4. Encha sua mente da Palavra para aumentar a fé que tem
( Romanos 10:17)
65
5. Aprenda de cor versículos das Escrituras que podem ser úteis na oração.
6. Utilize as Escrituras para louvar e adorar ao Senhor. (Salmos)
7. Utilize as orações e expressões de oração das Escrituras, como por
exemplo:
8.
• Purificação (Salmo 19:12-13;51:1-10)
• Bênção para o trabalho: (Salmo 90:16-17)
• Cumprimento da Palavra de Deus: (II Samuel 7:26-28)
• Direção Divina: (Salmo 5:8; 25:45; 31:3)

9. Reivindique as promessas da Bíblia quando ora.


10.Use as Escrituras para repreender a Satanás. A Guerra Espiritual é mais
efetiva quando utilizamos a Palavra de Deus.

Conclusão

O aluno, a Palavra de Deus e a Intercessão fazem uma arma efetiva e


poderosa.

MINISTRAÇÃO

Ore com seus alunos exemplificando o uso das Escrituras.

 AVALIAÇÃO
Faça um exercício onde os alunos estabeleçam as realizações requeridas
para o cumprimento da meta proposta.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

O livro: O Intercessor, de Norman Grubb é uma biografia interessante e


edificante para estudar e utilizar como exemplos para a classe.
Outros livros importantes são: O Jejum Escolhido por Deus.
Como Estudar a Bíblia, de James Braga
Como Estudar a Bíblia por si Mesmo, de Tim
Lahaye.

Bíblicas

Os personagens também nos fornecem exemplos do uso do jejum para


buscar a Deus e consagrar o povo; analise alguns exemplos bíblicos que
ampliem o seu ensino. O Senhor Jesus utilizou as Escrituras quando
enfrentou a tentação; este é um grande exemplo que devemos ressaltar
nesta aula.

66
Metodológicas

O método de perguntas e respostas novamente nos servirá para indagar a


forma como está jejuando e usando a Palavra de Deus. A explicação feita
em forma de preleção deve focalizar o alcance da meta e que se pratiquem
estes conselhos na vida de cada aluno.

 TAREFA

De acordo com tarefa anterior, agora seus alunos devem adotar uma
disciplina de jejum e estudo da Bíblia, devem apresentar por escrito a
organização do tempo dedicado a este propósito e os motivos para os quais
o farão.

INTERCESSÃO

LIÇÃO 4
 META DE ENSINO
Que o aluno compreenda a importância de interceder sendo guiado pelo
Espírito Santo para ter unção, autoridade e vitória.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique a importância do Espírito Santo na Intercessão.
2. Que o aluno mencione cada um dos aspectos nos quais o Espírito Santo se
relaciona com a Intercessão.

FUNDAMENTO BÍBLICO

Romanos 8:26

O professor deve explicar claramente o fundamento bíblico, tendo em conta


o contexto.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

O ESPÍRITO SANTO E A INTERCESSÃO

1. O Espírito Santo aumenta em você o desejo de orar.


2. O Espírito Santo traz à sua memória a Escritura enquanto você ora.
3. O Espírito Santo o torna consciente das metas espirituais que deve
alcançar.
4. O Espírito o torna consciente de necessidades que devem ser supridas.
5. O Espírito Santo lhe dará um peso de oração

67
6. O Espírito Santo o chamará à oração em momentos de crise.
7. O Espírito Santo dará uma profundidade, poder e uma fé especial à sua
oração.

Conclusão

O Espírito Santo deseja que sua vida de oração chegue a ser poderosa e
eficaz.

MINISTRAÇÃO

Ore por seus alunos para que o Espírito Santo aumente o desejo de
interceder e que abra seus sentidos espirituais para serem sensíveis a sua
voz.

 AVALIAÇÃO

Avalie a relação dos seus alunos com o Espírito Santo.


Na avaliação parcial deve ter-se em conta os indicadores propostos.
Faça um exercício para avaliar se os alunos compreendem a importância do
Espírito Santo na Intercessão.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

O Livro: O Intercessor, de Norman Grubb é uma biografia interessante e


edificante para estudar e utilizar como exemplos para a classe.
Os livros de biografias de Grande Cristãos mostram exemplos claros de intercessão
nos distintos momentos da História.

Metodológicas

Posto que os seminários têm por objetivo aprofundar mais na ministração, é


importante conhecer o estado dos alunos em cada um dos temas do
seminário; por isso recomenda-se dar as explicações usando-se perguntas e
respostas, bem como a preleção..

 TAREFA

A tarefa para esta aula pode focalizar a evolução da relação dos alunos com
o Espírito Santo, a revisão desta tarefa pode ser uma grande ferramenta
para ministrar aos seus alunos.

68
EVANGELISMO
LIÇÃO 1
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda o que é evangelizar e quando sabemos que na


verdade se ganhou uma alma para Jesus.

 INDICADORES
1. Que o aluno defina a Palavra Evangelizar.
2. Que o aluno explique o que é Evangelismo.
3. Que o aluno explique as evidências de que uma pessoa foi ganha para
Cristo.

FUNDAMENTO BÍBLICO

Mateus 28:19

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

A. DEFINIÇÃO

Evangelizar é: Dar a conhecer as Boas Novas da Salvação de nossa alma por


meio da fé em Jesus Cristo. Amplie o conceito de Evangelismo.

Que é ganhar uma alma?

É evangelizar uma pessoa e guiá-la para que aceite a Jesus como o Senhor
de sua vida.

O que não é:
• Não é roubar ovelhas.
• Não é inscrever membros.
• Não é despertar emoções.

B. EVIDÊNCIAS DE QUE UMA PESSOA FOI GANHA PARA CRISTO.

• Convicção de pecado
Na verdade compreenda que está destituída da glória de Deus, e que é o
pecado que a separa de Deus e a condenará eternamente. A convicção de
pecado produzida pelo Espírito Santo e seu resultado é o arrependimento.

• Fé em Cristo
69
A fé em Cristo é evidenciada se a pessoa crer que só através dEle, obtém a
reconciliação com Deus e a Vida Eterna.

• Arrependimento
É profunda dor por haver falhado, o que traz como conseqüência o desejo de
mudar de maneira de pensar.

• Mudança de Vida
Evidências reais que deixou sua antiga maneira de viver e adotou novos
pensamentos, hábitos, sentimentos e desejo de crescer espiritualmente.

• Oração
Mesmo que a princípio não seja fácil, a pessoa começará a adquirir o hábito
da oração e entenderá que é o meio de comunicação com Deus e desejará
fazê-lo.

• Obediência
Que a pessoa entenda que a obediência é fundamental para levar uma vida
de santidade e crescimento.

C. REQUISITOS QUE DEUS PEDE DE NÓS PARA GANHAR ALMAS

1. Santidade
2. Espiritualidade
3. Humildade
4. Fé
5. Sensibilidade
6. Rendição a Cristo.

MINISTRAÇÃO

Ore por seus alunos para que o Senhor lhes dê amor pelas almas.

 AVALIAÇÃO

Neste seminário, juntamente com o de Intercessão, pode levar-se a cabo um


projeto para que se faça prático e os alunos desenvolva um melhor
aprendizado.
É necessário que os alunos manejem os conceitos ensinados nesta aula e
busquem aquelas qualidades que Deus deseja de nós para ganhar almas.
Pode avaliar-se em um exercício ou em uma avaliação parcial.

 RECOMENDAÇÍES

70
Bibliográficas

• Evangelismo Pessoal. Myer Pearlman. Ed. Vida


• A Reprodução Espiritual. James D. Crane. Casa Batista de Publicações.
• Nascido para Multiplicar-se. Dawsom Trotman.
• Fundamentalmente, a maioria dos livros do tema do seminário de
Evangelismo se ampliam no livro Ganhadores de Homens de Charles
Spurgeon. Ed. CLIE

Bíblicas

É necessário revisar o fundamento Bíblico da Salvação da Alma, no livro


Teologia Bíblica e Sistemática, dentro da doutrina do homem, dando uma
explicação do que é a alma, que o professor pode consultar para aclarar
dúvidas a respeito. Além disso consultar a doutrina da Salvação pode servir
para melhorar nossa apresentação do Plano da Salvação e determinar
quando uma pessoa foi realmente ganha para Cristo.

Metodológicas

O método da discussão, servirá para introduzir a aula em torno do tema da


definição de Evangelismo e das evidências de que uma pessoa foi ganha.
Perguntas a seus alunos:
• Uma pessoa pode ser evangelizada, mas não ganha?
• Como sabemos quando uma pessoa foi realmente ganha para Cristo?
• O que vem primeiro: A mudança e depois a Salvação ou vice-versa?
• Como estamos preparando-nos para ser ganhadores de almas?

 TAREFA

Os alunos devem avaliar em suas próprias vidas os requisitos que Deus pede
para ganhar almas, e entregar esta avaliação na próxima aula.

71
EVANGELISMO

LIÇÃO 2
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda os conceitos necessários para apresentar o Plano


da Salvação e o preço que deve ser pago como ganhador de almas.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique o que a pessoa nova deve entender
2. Que o aluno explique o que o ganhador de almas deve entender
3. Que o aluno descreva o que custa ser um ganhador de almas

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

A. COMO GANHAR ALMAS PARA CRISTO?

É um trabalho de equipe: A parte do novo e a parte do ganhador de almas.

A parte do novo é que compreenda:

O que é a salvação?
Defina o que é a salvação. (Como um Dom de Deus e como pode o ser
humano ser salvo.)
• É obra de regeneração.
• É obra miraculosa.
• É obra do Espírito Santo.

A parte do ganhador de almas é que compreenda:

Qual é seu trabalho?


20
• A pregação, uma boa pregação
• Trabalho pessoal: Oração, estudo da Palavra, clareza de conceitos.
• Ser versátil: Utilizar folhetos, tratados, etc. Dependendo da ocasião.
• A visitação
• O discipulado.

B. O QUE CUSTA SER GANHADOR DE ALMAS

1. Identificasse com a necessidade de Deus.


2. Estilo de vida: Reta, intocável, que viva o que prega.
72
3. Oração.
4. Tempo para discipular.

CONCLUSÃO

O Ganhar almas requer não só amor pelas almas, mas também uma
preparação espiritual, porque lembre-se que somos testemunhas e
embaixadores de Cristo no mundo.

 AVALIAÇÃO

Por meio de um exercício, ou de avaliação parcial, pode avaliar os conteúdos


da aula. Esta deve estar ligada aos indicadores propostos.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

O Capítulo: O que Custa Ser um Ganhador de Almas, do livro Ganhadores de


Homens, deve ser consultado.

Bíblicas

É bom que o professor tome a primeira parte da aula com seus alunos e
busque o fundamento bíblico de cada um dos aspectos que deve entender o
novo crente e o ganhador de almas.

Metodológicas

O método de discussão novamente serve para que os alunos proponham o


que devem entender tanto o novo crente como o ganhador de almas, para
que o professor explique o que se propõe na classe.

 TAREFA

O aluno deve escrever um trabalho sobre o que custa ser um ganhador de


almas, comentando suas próprias experiências e a disposição para
empreender melhor esta obra.

NOTA:

UM ESTUDO BÍBLICO IMPORTANTE QUE OS ALUNOS DEVEM


DESENVOLVER AO LONGO DO SEMINÁRIO É DAS VIAGENS
MISSIONÁRIAS DE PAULO. É UM DOS MELHORES EXEMPLOS DE
EVANGELISMO.
DEVE-SE ESTABELECER TEMAS DE ANÁLISE AO REALIZAR O ESTUDO,
POR EXEMPLO:
73
• As condições geográficas das cidades que visitou.
• A atitude de Paulo e seus acompanhantes.
• As condições sociais e culturais.
• Os resultados obtidos.

ENTRE OUTROS QUE O PROFESSOR CONSIDERAR NECESSÁRIOS.

74
EVANGELISMO

LIÇÃO 3
 META DE ENSINO

Que o aluno desenvolva a habilidade de evangelizar efetivamente.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique alguns conselhos para melhorar o evangelismo.
2. Que o aluno explique como vencer objeções.

FUNDAMENTO BÍBLICO

II Coríntios 6:2

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

A. COMO EVANGELIZAR

Realmente é algo muito simples. É importante ter a direção do Espírito


Santo para obter resultados efetivos.

Não esquecer

• Prepare-se diariamente em oração para que em qualquer momento


evangelize
• “Quebre o gelo”, isto é, estabeleça um primeiro contato agradável
onde demonstre interesse por suas necessidades.
• Fale de Cristo. Utilize seu testemunho junto com conceitos bíblicos de
salvação. Pode usar os cinco ensinos.
• Guie-os à oração de fé; é necessário que eles dêem este importante
passo.

COMO QUEBRAR O GELO?

1. Fazendo amigos: Gere um ambiente no qual haja cordialidade e confiança.


Torne-se amigo deles.
2. Faça perguntas, indagando seus conhecimentos acerca de Deus e suas
possíveis práticas religiosas, não julgue em nenhum momento nem
permita que se gere discussão.
Estas perguntas devem ser feitas no momento mais oportuno na
conversação, e tendo em conta a pessoa.
3. Encontrar o ponto sensível da pessoa.
75
B. OBJEÇÍES

1. Não estou preparado: Ajude-o a ler mais a Bíblia; necessita de


fundamento.
2. Não, sem nenhuma razão sólida: Atos 17:32-34. Fale-lhe de que é
necessário ter uma mudança:
Isaías 1:18; Eclesiastes 12:1; Provérbios 27:1
Provérbios 29:1; II Coríntios 6:2 Josué 24:15.

3. Obstáculos Genuínos:

• Tenho medo de que não me mantenha firme. (I Coríntios


10:13)
• Temo que tenha ido longe demais. Deus não pode perdoar-me (I João
1:9)
• Não sou mau. (Romanos 3:23)
(Isaías 53:6)
• Quero desfrutar a vida. (João 10:10)
• Que pensarão meus amigos? (Apocalipse 20:15)

4. Não sei como receber a Cristo. Leve-o a recebê-lo através da oração de


entrega.

Conclusão

É necessário envolver-se ativamente na obra de evangelismo para


desenvolver esta habilidade e melhorar a forma em que estamos fazendo.

MINISTRAÇÃO

Ore por seus alunos para que Deus dê sabedoria e capacidade a cada um
deles para evangelizar efetivamente.

 AVALIAÇÃO

Se está adiantando um projeto, esta será a melhor forma de avaliar a


maneira de evangelizar de seus alunos. Um trabalho ou avaliação parcial
servirão, em parte, para conhecer se os alunos compreenderam os temas
desenvolvidos.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

• Evangelismo Pessoal. Myer Pearlman. Ed. Vida


76
• A Reprodução Espiritual. James D. Crane.
• Nascido para Multiplicasse. Dawson Trotman. De. La Bíblia Dice
• Fundamentalmente, a maioria dos temas do seminário de evangelismo se
amplia no livro Ganhadores de Homens, de Charles Spurgeon. Ed. Clie.

Bíblicas

Na Bíblia existem exemplos de evangelização em massa e pessoal; o


professor deve selecionar alguns deles (Evangelhos e Atos) e guiar os alunos
a desenvolver esta mesma investigação.

Metodológicas

Os alunos podem indicar experiências quanto à forma de evangelizar e as


objeções que têm enfrentado. Isto guiará a uma discussão. A preleção pode
servir para explicar o desenvolvimento do tema.

 TAREFA

Faça com que seus alunos estudem estes pontos para realizar o projeto.

77
EVANGELISMO

LIÇÃO 4
 META DE ENSINO

Melhorar as habilidades necessárias para o evangelismo através de um


projeto ou um workshop.

 INDICADORES
1. O aluno orou pelo respaldo de Deus neste projeto.
2. O aluno põe em prática o ensino no Seminário de Intercessão e
Evangelismo.

Esta aula deve ser utilizada para:

• Levar a cabo o projeto planejado desde o princípio do curso


• Avaliar o projeto desenvolvido entre a aula anterior e esta.
• Em caso de que não se realize o projeto, esta aula deve ser utilizada
para fazer um workshop com os alunos acerca da prática do
evangelismo, buscando alcançar a meta desta aula.

Faça um workshop da maneira que você veja que vai ser mais benéfico para
seu curso; planeje-o, pois é importante que eles vejam, de maneira prática,
como quebrar o gelo com as pessoas novas, e como derrubar objeções

78
SERVIÇO
LIÇÃO 1
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda a definição de serviço e os exemplos Bíblicos de


importância no ministério.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique o que é Serviço.
2. Que o aluno explique dois exemplos de homens que foram modelos de
serviço.

FUNDAMENTO BÍBLICO

JOÃO 13:1-3

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

A. DEFINIÇÃO

1. É uma atitude interior que tem seu fruto no exterior.


2. Ser útil.
3. É uma característica fundamental em um discípulo de Cristo.
4. É incondicional, não espera nada em troca.
5. Não é dividido: sirvo só aqueles que me convém servir.
6. Não se faz à força; faz-se de maneira voluntária.
7. A pessoa que serve é uma pessoa que aprendeu a conhecer a seu
próximo.

C. EXEMPLOS

1. Josué (Josué 1:1)


2. Eliseu (I Reis 19:21)
3. Jesus (Mateus 20:28)
4. Estevão (Atos 6:5,8)
5. Paulo (I Coríntios 9:19)

Explique em que eles foram servos, e como Deus usou a cada um deles.

CONCLUSÃO

O servo não é servo se não serve.


79
MINISTRAÇÃO

Ore por seus alunos, para que o senhor lhes dê espirito de serviço.

 AVALIAÇÃO

Em um exercício pode-se avaliar facilmente o serviço. Na avaliação final é


necessário ter em conta os indicadores propostos para esta aula.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

Desafio a Servir, de Charles R. Swindoll.

Bíblicas

O professor deve estudar muito bem o fundamento bíblico desta aula para
explicar a importância que Jesus dá a esta atitude fundamental.

Metodológicas

Para definir o que é serviço pode utilizar o método de preleção; para


desenvolver os exemplos de serviço divida a classe em grupos e a cada
grupo designe um personagem para que seja estudado e numa plenária
exponha o trabalho realizado.

 TAREFA

O Aluno deve escrever as áreas nas quais pode desenvolver esta atitude de
serviço, explicando como a vai fazer.

80
SERVIÇO

LIÇÃO 2
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda a importância de serviço em seu ministério,


analisando o exemplo de Estevão.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique quem era Estêvão e a importância de seu ministério
na Igreja Primitiva.
2. Que o aluno defina detalhadamente a característica de um grande
ministério.

FUNDAMENTO BÍBLICO

ATOS 6:1-10

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

A. O SERVIÇO: CARACTERÍSTICA DOS GRANDES MINISTÉRIOS.

1. O ministério de Estêvão . Atos 6:8-10


“...Fazia grandes prodígios e sinais...”
“...Não podiam resistir a sua sabedoria e ao espírito com que falava...”

2. O segredo de seu ministério. Atos 6:1-4


• serviço; Estêvão servia à mesa.

3. Não era qualquer um que podia servir. Atos 6:3


• Bom testemunho
• Cheio do Espírito Santo. Explique estes três conceitos.
• Sabedoria

4. Idéias errôneas com respeito ao serviço.

• Crê-se que é uma atitude desonrosa


• Tem que ser uma pessoa que não tem ministério
• É algo que sai “dos dentes para fora” a fim de agradar alguém.
• Incluindo a aparência do servo tem-se desviado do conceito correto.

81
5. O serviço não é uma opção dos grandes ministérios; é um requisito
indispensável. Estêvão servia às mesas, porém tinha um ministério de
poder, de prodígios e sinais; não era um homem de aparência deplorável
mas, pelo contrário, era um homem que tinha o fogo do Espírito Santo
ardendo dentro dele.

CONCLUSÃO

Como Estêvão, Deus também quer nos usar, porém devemos romper com
argumentos em nossas mentes, para que entendamos que a chave para ter
grandes ministérios é SERVIR.

MINISTRAÇÃO

Ore por seus alunos, contra os argumentos que os impeçam de servir:


orgulho, altivez, conceitos errados, etc.

 AVALIAÇÃO

Na avaliação final pode-se conhecer se o aluno compreendeu a importância


do serviço dentro do ministério.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

Desafio a servir. Charles R. Swindoll

Bíblicas

A Ampliação da análise de Estêvão é importante para a meta desta aula. As


Bíblias de estudo trazem dados e informações importantes. (Bíblia Diario
Vivir)

Metodológicas

O método de preleção pode usar-se para explicar o desenvolvimento da


aula.

 TAREFA

Os alunos devem estabelecer princípios em sua vida com respeito ao serviço


na área ministerial.

82
TERCEIRO NÍVEL
DOUTRINA

83
TEMA 1

O QUE É SER LÍDER


 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda a definição de liderança e suas funções


dentro da obra de Deus.

 INDICADORES:
1. Entre algumas definições, o aluno dirá, em uma palavra, o que é liderança.
2. O aluno explicará as características de uma liderança efetiva.
3. O aluno identificará as funções da liderança dentro da obra de Deus.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

A. DEFINIÇÃO DE LIDERANÇA.

Existem cerca de 300 definições de liderança, porém a mais exata é a que define a
liderança como Influência.
Influência é a Habilidade para obter seguidores. Tratando-se de uma
habilidade, pode ser aprendida.
“O que pensa que dirige e não tem ninguém seguindo-o, somente está dando
um passeio”.

Influência na Bíblia: Mateus 5: 1-16. Influência ganhando almas.

B. CARACTERÍSTICAS DA LIDERANÇA.

No decorrer do curso, os temas tratarão de qualidades, princípios e outras


características inerentes à liderança. Serão mencionadas aqui algumas importantes
em relação à definição dada.

 Serviço. Marcos 9:35


“Ministro” vem da palavra grega juperetes, que significa: um remador subordinado,
alguém que serve com as mãos; alguém que ajuda a outro em um trabalho, um
ajudante.

Explique o versículo Bíblico.

 Visão.

Definir o termo Visão.


Lembrar a visão de nosso Ministério.
84
Compare uma visão com um líder que quer implementar esse sonho e
começará o movimento. As pessoas não seguem o sonho em si mesmo.
Seguem o líder que tem esse sonho e que tem a capacidade para comunicá-
lo de forma efetiva.
 Exercitar a fé. Hebreus 11

Hebreus 11 é a “galeria” de homens e mulheres que exercitaram a fé.


Andamos por fé e não por vista. O justo viverá pela fé.

C. FUNÇÍES DA LIDERANÇA.

 Busca a efetividade
Efetividade
Eficiência Eficácia
Resultado das ações
Ações excelentes Grau em que uma ação excelentes e o
=
para alcançar um alcança os resultados sucesso das metas
propósito esperados

Uma vez que a liderança não é uma posição, é necessário que esta seja
eficiente no que se propõe. Que as metas sejam alcançadas com ações
adequadas as mesmas. Isso é efetividade. São necessários ministérios
efetivos que impactem as vidas e a sociedade.

 Proporciona orientação.
Uma vez que é alguém que dirige outros, que ensina a forma de atuar e de
viver, orientando os passos a seguir.

 Sempre atua.
Demonstrando assim seu serviço, sua fé e seu exemplo.

 AVALIAÇÃO

A avaliação desta aula poderá ser realizada no final por meio de um exercício
que contenha os três indicadores propostos para obter sua meta.
Também poder-se-ia dar uma pequena tarefa na qual os alunos relacionem os
conteúdos ensinados com um personagem Bíblico e o expliquem.
Lembre-se que esta avaliação não é somente para alunos senão também
para a forma como foi ensinada a lição.

 RECOMENDAÇÍES
Cada aspecto mencionado anteriormente deve ser ampliado na preparação
da lição de modo que haja clareza na exposição dos temas.

Bibliográficas

85
 Alguns capítulos dos livros de Maxwell sobre liderança:
Desenvolva o líder que há em Você.
Desenvolva os líderes que estão ao redor de Você.
Sejamos pessoas de Influência.
 Comentário do Novo Testamento. 1 e 2 Timóteo e Tito. William
Hendriksen. Livros Desafio.

Bíblicas

• É importante que os alunos se aproximem do fundamento Bíblico da


Influência. Por exemplo, Jesus falou dele em Mateus 5: 13-16. Busque na
Bíblia outras citações a respeito.
• Ressalte o valor Bíblico do Serviço e da Fé como características
essenciais da liderança cristã.
• É importante que os alunos aprofundem biblicamente o tema da
liderança. Forneça alguns exemplos de líderes notáveis com os quais
possam identificar-se.

Metodológicas

É bom combinar o método de perguntas e respostas com preleções,


permitindo ampla participação dos alunos. Utilize também boas ilustrações.

 TAREFA

Qualifique de 1 a 5 sua liderança

Características Funções

Serviço ______ Buscar a efetividade ____


Visão ______ Proporcionar orientação ____
Exercitar a fé ______ Atuar sempre ____

86
TEMA 2

O CHAMADO
 META DE ENSINO
Que o aluno compreenda a importância de conhecer o chamado de Deus em
sua vida e seus efeitos sobre o ministério.

 INDICADORES
1. O aluno deve explicar cada um dos Dons Ministeriais.
2. O aluno deve explicar como podem ser reconhecidos o chamado e seu
fundamento Bíblico.
3. O aluno deve descrever as características de um chamado específico por
meio de um exemplo Bíblico.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

FUNDAMENTO BÍBLICO

Romanos 11:29 2Timóteo 1: 9 Filipenses 3: 14


2 Tessalonicenses Hebreus 3: 1

A. O QUE É O CHAMADO?
É um ato Divino através do qual Deus nos comissiona para uma
obra específica dentro do Corpo de Cristo.

Efésios 4: 11 específica os dons Ministeriais:

• Apóstolo
• Evangelista
• Profeta
• Pastor
• Mestre

B. COMO RECONHECER O CHAMADO?

1. A convicção Romanos 8:16 Dada pelo Espírito Santo.


2. A palavra Lucas 4: 16-21 Confirma o chamado.
87
3. O talento ou Dom Romanos 12: 6-8 Natural ou dado por Deus.
4. Submissão à liderança Romanos 13:1-2 Como princípio para o
líder.
5. A necessidade do Corpo de Cristo Ezequiel 22: 30
C. A POSIÇÃO QUE PODE SER TOMADA FRENTE AO CHAMADO

1. Fria: Totalmente apático ao chamado.


2. Morna: Tomam a liderança com leviandade.
3. Quente: Compreendem esse chamado e o desenvolvem com a vontade
de Deus.

Conclusão

Uma vez que sei como reconhecer o chamado e sua importância em minha
vida, é necessário tomar a atitude correta frente ao mesmo e começar a
preparar-me e desenvolver o ministério.

 AVALIAÇÃO

 Por meio de um exercício pode-se determinar se compreenderam quais


são os Dons Ministeriais.
• Um trabalho ou tarefa para revisar que dirija os alunos a escolherem
um personagem para ser analisado e descrevam o processo que Deus
usou em sua vida.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

• Os Dons Ministeriais. Kenneth Hagin


• Discursos Para Meus Estudantes. Charles Spurgeon. Especificamente o
Capítulo 2 (A Vocação para o Ministério).
• Comentário do Novo Testamento. 1 e 2 Timóteo e Tito. William
Hendriksen. Livros Desafio.

Bíblicas

• Para todo o curso do terceiro nível, em geral recomenda-se um


comentário Bíblico das conhecidas Epístolas Pastorais de Paulo que são 1
e 2 Timóteo e Tito.
• Analisar o contexto do fundamento bíblico sugerido para poder explicar
a importância deste tema na Bíblia.
• Reafirmar a função dos Dons Ministeriais que se encontram em Efésios
4: 11 e a relação existente entre cada um deles.

88
• Estudar personagens que foram chamados por Deus e o modo como Ele
os usou.

Metodológicas
É aconselhável iniciar a aula com Perguntas e Respostas para saber
quantos alunos conhecem verdadeiramente seu chamado e o porquê o
conhecem ou não.
Isto conduzirá a aula à Preleção, explicando cada parte da lição e buscando
alcançar sua meta.

 TAREFA
Escolher um personagem bíblico com o qual se identifica em seu chamado e
fazer uma análise em relação ao que foi ensinado.
.

89
TEMA 3

A PERSONALIDADE DO LÍDER
Nota: Esta aula deve ser exposta em duas sessões

SESSÃO 1
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda o conceito de personalidade e as atitudes ou


comportamentos que devem caracterizar a personalidade do líder cristão.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique a diferença entre os conceitos de Temperamento,
Caráter e Personalidade.
2. Que o aluno explique a relação entre Personalidade e Fruto do Espírito
Santo.
3. Que o aluno explique as atitudes que devem caracterizar o Líder Cristão.

Nota: Sugere-se a apresentação deste tema em duas sessões se for o caso.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

FUNDAMENTO BÍBLICO

1 Timóteo 3: 1-10. Tito: 1: 5-7 2 Timóteo 2: 15

A. DEFINIÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DE TERMOS.

Deve-se definir e diferenciar estes termos, usados comumente em nosso


meio.

Personalidade: Conjunto particular de atributos, qualidades, atitudes e


comportamentos que caracterizam a individualidade de uma pessoa e por
meio da qual, juntamente com seus atributos físicos, se reconhece uma
pessoa como um indivíduo único.
90
Temperamento: Com base na Teoria dos quatros humores do ser humano
(sangue, bílis amarela, bílis negra e fleuma) desenvolvida por Hipócrates,
delineou-se uma hipótese sobre quatro tipos de temperamentos
correspondentes aos quatro humores.

• O tipo sangüíneo, com excesso de sangue, envolvia ser vigoroso e


atlético.
• O tipo colérico, com um excesso de bílis amarela, aborrecia-se com
facilidade.
• O tipo melancólico, com excesso de bílis negra, em geral sentia-se
deprimido ou triste.
• O tipo fleumático, com excesso de fleuma, sentia-se cronicamente
cansado ou fraco.

Idéia da personalidade em relação às características físicas.

Caráter: Características básicas da personalidade de um indivíduo,


especificamente relacionadas com os valores e as atitudes em um nível
moral.

B. CARACTERÍSTICAS QUE DISTINGUEM A PERSONALIDADE DO LÍDER

Posto que a personalidade é um conjunto de características, qualidades,


atributos e comportamentos que definem a individualidade; destacam-se
algumas características que devem constituir a personalidade de um líder.
Sem dúvida deve haver muito mais.

• Entusiasmo: Nenhum pessimista foi um grande líder. Em toda


oportunidade o pessimista vê uma dificuldade; em contrapartida o
otimista vê uma oportunidade em toda a dificuldade. O otimista ri para
esquecer, o pessimista esquece para rir. O bom líder conhece o valor que
tem um sorriso contagiante.

• Integridade: O líder tem que ser digno da confiança daqueles que o


seguem; é um homem ou mulher de palavra.

• Disciplina: O homem que tem qualidade de líder trabalhará enquanto


outros gastam mal seu tempo; estudará enquanto outros dormem. Orará
enquanto outros jogam.

• Confiança (Segurança): Se o líder não crer em si mesmo, ninguém crerá


nele.

• Decisão: A indecisão em momentos de emergência destrói a capacidade


do líder.
91
• Coragem: A coragem é a capacidade para permanecer no perigo 5
minutos mais.

• Lealdade: Expressa-se por meio da constância, da resolução e da


fidelidade.

• Generosidade: Esta é demonstrada pelo líder que pode se esquecer de


suas próprias necessidades pelo interesse dos demais.

• Desejo de realização: Alguém disse que o entusiasmo, como o


combustível do jet, pode servir para dispará-lo até realizações jamais
alcançadas.

SESSÃO 2
• Autoridade: A excelência na liderança exige uma forte sensibilidade para
usar a autoridade precisamente no momento oportuno.

• Criatividade: O pensamento criador é simplesmente a capacidade para


pensar com originalidade.

• Delegar: O líder permite que as pessoas que estão sob sua direção
funcionem responsavelmente em determinada tarefa.

• Resolução: Para ajudar a dirigir os demais, a pessoa tem que saber o que
quer e como alcançá-lo. Se lhe é difícil tomar decisões, os discípulos
perderão a fé e a confiança nele e começarão a pôr em julgamento sua
capacidade.
Quando o líder está seguro da vontade de Deus, e sabe que está
correto seu curso de ação, toma de imediato a decisão diante das
circunstâncias.

• A fé e a oração.

C. A PERSONALIDADE DO LÍDER E O FRUTO DO ESPÍRITO SANTO.

Analisando as características anteriormente mencionados, estão


relacionadas de uma ou de outra forma com o Fruto do Espírito (Gálatas 5:
22-23); assim que o professor deve explicar esta relação e mencionar que o
Fruto do Espírito é o modelo de Personalidade do Líder Cristão.

Amor
Gozo
Paz
Paciência
92
Benignidade
Bondade

Mansidão
Temperança

Ministração: Faça com que o aluno escreva uma lista de qualidades fortes,
fracas e as que não possui e ore para que o Senhor as mantenha, fortaleça e
as conceda.

 AVALIAÇÃO
A avaliação deve enfocar, como mostram os indicadores, até a clareza dos
conceitos e a capacidade para relacionar os mesmos com o fruto do Espírito
Santo.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

• Comentário do Novo Testamento. 1 e 2 Timóteo e Tito. William


Hendriksen. Livros Desafio.
• Alguns capítulos dos livros de Maxwell sobre liderança:
Desenvolva o líder que há em Você.
Desenvolva os líderes que estão ao redor de Você.
Sejamos pessoas de Influência.

Bíblicas

• Para todo o terceiro nível do curso, em geral recomenda-se um comentário


Bíblico das conhecidas Epistolas Pastorais de Paulo, que são 1 e 2 Timóteo
e Tito.
• Análise do Fruto do Espírito em Gálatas 5: 22-23
• Buscar nos Evangelhos algumas passagens em que Jesus modelou a
personalidade do Líder.

Metodológicas
O método de Preleção é importante para as explicações, além disso deve dar-
se espaço para a Discussão e as Perguntas e Respostas.

 TAREFA

Investigue qual é seu temperamento, identificando suas virtudes e suas


fraquezas, comparando-as com o fruto do Espírito Santo.

93
TEMA 4

O PREÇO DA LIDERANÇA
 META DE ENSINO

Que os alunos compreendam o preço que custa uma grande liderança, e por
conseguinte um grande ministério.

 INDICADORES
1. Que os alunos expliquem a forma com que o líder deve pagar o preço.
2. Que o aluno explique o fundamento bíblico de pagar um preço pelo
ministério.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

FUNDAMENTO BÍBLICO

Marcos 10: 21-22. Epístolas Pastorais. 2 Coríntios.

A. O PREÇO DA LIDERANÇA

1. A Crítica: Se alguém não aceita a crítica, isso significa que


fundamentalmente é emocionalmente imaturo. O fato de estar mais
exposto o faz mais susceptível à crítica.

2. O Cansaço: Um líder sábio tratará de encontrar um equilíbrio, e buscará


um passatempo, uma marcha mais lenta, para reduzir a tensão. O
cuidado adequado com a saúde, o descanso e o equilíbrio colaborarão
para que o líder mantenha sua capacidade de persistir.

3. Tempo para pensar: A solução não está em trabalhar mais


intensamente, e sim em trabalhar mais habilmente.

4. A solidão: Uma das razões pelas quais a solidão é tão difícil é que os
líderes podem necessitar emocionalmente de pessoas. Por esta razão não

94
podem chegar a ser pessoas reservadas. Os líderes estão amiúde
separados. Este é um grande preço que devem pagar.

5. Identificação: Para identificar-se com as pessoas, o líder tem que pagar


o preço de separar tempo para conhecê-las: compartilhar suas emoções,
vitórias e derrotas.

6. Decisões desagradáveis: É o fato de tomar decisões obrigatórias que


afetam o bem fundamental de seu ministério. As organizações cristãs têm
problemas neste ponto porque os líderes são naturalmente avessos a ferir
as pessoas.

7. A Utilização do tempo: Temos que fazer um planejamento de nosso


tempo de forma tão cuidadosa como planejamos nosso dinheiro.

8. A Rejeição: Sempre há a possibilidade de que algum aspecto de sua fé ou


de sua perspectiva cristã sobre as coisas seja caluniado. Jesus andou por
este caminho: “Veio para os que eram seus e os seus não o receberam”.
(João 1:11)

Ministração

Faça um apelo para aqueles que querem pagar o preço e ore por eles.

 AVALIAÇÃO

Especificamente voltada para aumentar a compreensão do fundamento


bíblico do preço ministério.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

Discursos para meus Estudantes. Charles Spurgeon. Capítulo 11(


Decadência do Ânimo do Ministro).

Bíblicas

• Segunda aos Coríntios apresenta um exemplo especial sobre os


sofrimentos de Paulo como Apóstolo de Jesus Cristo. Repetidas vezes
menciona o modo como foi levado a pagar o preço pelo ministério. Deixa
ver como o sofrimento foi uma característica de seu ministério.
• Nas Epístolas Pastorais, Paulo dá conselhos sobre o preço do ministério.
Investigue onde se encontram e leve seus alunos a conhecê-los e recordá-
los continuamente.

95
Metodológicas
O método de perguntas e respostas pode servir para introduzir o tema e pode
ser combinado com a Preleção e Discussão.

 TAREFA
Investigue quais personagens da Bíblia enfrentaram cada um dos pontos
mencionados na aula. Cite pelo menos um personagem para cada ponto e
escreva qual foi a situação que experimentou.

96
TEMA 5

PRINCÍPIOS PARA UMA EXCELENTE


LIDERANÇA
 META DE ENSINO

Que os alunos compreendam os princípios necessários para que sua liderança


se caracterize pela Excelência.

 INDICADORES
1. Que o aluno defina os conceitos de Princípio e Excelência.
2. Que o aluno possa explicar quais são os princípios que o levarão à
Excelência.
3. Que o aluno proponha 3 novos princípios (que não tenham sido
mencionados) e que os estabeleça em seu ministério.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

FUNDAMENTO BÍBLICO

Epístolas Pastorais.

A.DEFINIÇÃO DOS TERMOS

Princípio: Norma ou idéia fundamental que rege o pensamento e/o a


conduta.

Excelência: Qualidade superior ou bondade que constitui alguma coisa de


seu gênero digna de uma estimação e apreço singular.

Excelente: Que se sobressai em bondade, mérito ou estima, entre as


coisas que são boas em sua própria espécie.

B. PRINCÍPIOS DE UMA EXCELENTE LIDERANÇA

97
1. Finque o pé no futuro: A excelência requer que se torne os homens
responsáveis, dando-lhes tarefas e oferecendo-lhes motivações para que
possam realizá-las no futuro.

2. Resolução de Problemas: O manejo adequado das situações


problemáticas exige tato e às vezes habilidade para conduzir as pessoas.
Isto requer que se tome as medidas necessárias para fazer frente às
causas que produziram a tensão e o conflito. Os problemas com as
pessoas não se tornarão maiores se forem mantidos pequenos. Para
tanto é preciso agir rápida e diretamente ao surgimento da mais leve
tensão entre os indivíduos.

3. Aprenda com os erros: Tomás A. Edson, segundo se conta, dizia: “Não o


chames um erro; chame-o uma aprendizagem”. Freqüentemente, o
sucesso depende da habilidade do líder para não cometer o mesmo erro
duas vezes.

4. Seja flexível: A habilidade para fazer mudanças quando se fizerem


necessárias.

5. O compromisso com as pessoas: Faça que seu pessoal tenha um


compromisso com Deus e com você.

Conclusão

Não é tanto o que o líder pensa que está procurando fazer, e sim o que
pensam as pessoas que estão sob sua direção.

 AVALIAÇÃO

É preciso verificar a compreensão dos conceitos.


Pode-se realizar através de uma tarefa na qual o aluno faça uma Declaração
Pessoal de Princípios, na qual estabeleça aqueles que vão levar seu ministério
até à excelência.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

• Como Viver Acima da Mediocridade. Charles Swindoll.

Bíblicas

• Em Malaquias, a Bíblia nos ensina alguns indícios de mediocridade


permitidos pelos sacerdotes. Uma investigação a respeito ampliará a
apresentação dos conteúdos deste tema.
98
• As Epístolas pastorais contém princípios que na atualidade devemos
observar e obedecer para alcançar nosso objetivo.

Metodológicas

O método de Perguntas e Respostas servirá para orientar a maior parte da


aula. A Preleção deve ser usada para explicar alguns conteúdos importantes
e a Discussão pode ser empregada em torno de alguns textos bíblicos que o
professor mencione de acordo com as recomendações bíblicas e
bibliográficas.

 TAREFA

Sua liderança é excelente? Qualifique de 1 a 5 de acordo com o


explicado em classe.

• Investe no futuro ________


• Manejo de situações problemáticas________
• Aprender com os erros _________
• Ser flexível ________
• Compromisso com o meu povo _______
• Compromisso de meus discípulos comigo _______

Escreva quais os princípios que irá estabelecer para que sua liderança seja
excelente.

99
TEMA 6

PERIGOS DA LIDERANÇA
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda cada um dos perigos que a liderança pode ter.

 INDICADORES
1. O aluno explicará porquê cada um dos pontos explicados representa um
perigo para o líder.
2. O aluno fundamentará biblicamente os perigos da liderança.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

A. PERIGOS DA LIDERANÇA

A. Orgulho Romanos 12:3


B. Murmuração Números 12: - 16
C. Rebelião Números 16: 1-50
D. Revelações falsas 1 Timóteo 4: 1-3
E. Desânimo Josué 1:9
F. Negligência Provérbios 13: 4
G. Inveja Filipenses 2: 3
H. Cobiça Josué 7: 21
I. Sexo oposto 2 Coríntios 6: 14 3
J. Esperar a recompensa dos homens Colossenses 3: 2
K. Medo 2 Timóteo 1: 7

Conclusão

O líder está cercado de perigos que o podem fazer cair.

Ministração: Ore por seus alunos, orientando-os a que renunciem ao que está
gerando neles um perigo para seu ministério.

 AVALIAÇÃO
100
A Avaliação estará sendo realizada em cada uma das explicações
apresentadas pelos alunos. No transcurso da aula o professor deve
esclarecer as dúvidas e inquietações que interfiram na execução da meta
proposta para esta aula.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

• .A Esposa de Cristo, Charles Swindoll. Capítulos 7 e 8..

Bíblicas

• Recomenda-se conhecer e manejar o contexto de cada um dos textos


sugeridos para os perigos mencionados.
• O livro de 2 Coríntios também assinala alguns perigos enfrentados por
Paulo para desenvolver seu ministério, mas que não o detiveram em seu
propósito.

Metodológicas

Recomenda-se preparar esta aula a partir da anterior, na qual se deve


distribuir cada um dos pontos, com sua citação bíblica, entre os alunos, para
que no dia da aula eles exponham cada um dos perigos, explicando:
• A que se refere.
• Porquê significa um perigo para o líder.
• Fundamento Bíblico Ampliado.
• Como enfrentá-lo e vencê-lo.
Esta explicação dos alunos pode ser criativa; algumas vezes limitar-se-ão a
expô-la, mas em outras poderão fazer apresentações ou elaborar material
importante. O professor pode dar recomendações para que os alunos não se
limitem a uma simples exposição.
O manejo do tempo é um fator importante para esta aula, pois somente
dispõe de uma sessão para desenvolvê-la.

101
TEMA 7

TIPOS DE LIDERANÇA
 META DE ENSINO
Que o aluno compreenda os três tipos de liderança existentes e os relacione
com alguns dos temas vistos anteriormente.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique cada um dos tipos de liderança.
2. Que o aluno relacione o tema dos tipos de liderança com o da
personalidade do líder por meio de um ensaio.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

A. TIPOS DE LIDERANÇA

1. AUTOCRÁTICA
• É o estilo de liderança onde somente o líder fixa as regras, sem a
participação do grupo.
• O líder determina as ações e as técnicas para a execução das tarefas.
• O líder determina qual é a tarefa que cada um deve executar e quem é
seu companheiro de trabalho.
• O líder é dominador e pessoal nos elogios e nas críticas ao trabalho de
cada discípulo.

Influência deste estilo nos resultados:

• O grupo mostra forte tensão, frustração e agressividade e nenhuma


espontaneidade e iniciativa, nem formação de grupos de amizade.
• O trabalho se desenvolve com a presença física do líder.
• Apresenta maior quantidade de trabalho produzido.

2. DEMOCRÁTICO

• As regras são debatidas e decididas pelo grupo, estimulado e assistido


pelo líder.
102
• O grupo mesmo esboça as ações, modos e meios para alcançar o
objetivo, solicitando o conselho do líder, quando é necessário. Este
sugere as alternativas para que o grupo escolha.
• A divisão das tarefas fica a critério do grupo que pode eleger livremente
seus companheiros.
• O líder busca ser um membro normal do grupo, é objetivo e se limita aos
fatos e críticas e elogios.

Influência deste estilo nos resultados:


• Há formação de grupos de amizade.
• Melhora-se a comunicação líder-grupo.
• O trabalho mostra um ritmo suave e seguro, mesmo quando o líder não
está.
• Há compromisso e sentido de responsabilidade, integração grupal e
satisfação.

3. LIBERAL

• O estilo no qual o líder dá liberdade para as decisões grupais ou


individuais, com participação mínima do líder.
• A participação do líder no debate é mínima, apresentando somente alguns
materiais ao grupo e expondo que poderá fornecer informações se forem
solicitadas.
• As decisões sobre tarefas e escolha dos companheiros ficam a cargo do
grupo.
• O líder não tem o intento de avaliar ou regular o curso dos
acontecimentos. Somente fará comentários extraordinários sobre as
atividades dos membros quando for perguntado.

Influência deste estilo nos resultados:

• A produção do grupo é medíocre.


• As tarefas desenvolver-se-ão ao acaso, com oscilações e perda de tempo.
• Gera-se uma situação de individualismo e pouco respeito com relação ao
líder.

Conclusão

O estilo apropriado depende muito da tarefa e da fase em que se encontra a


organização, assim como também a necessidade do momento.

 AVALIAÇÃO

A avaliação deve estar enfocada na compreensão dos três tipos de liderança


e na relação existente entre este tema e o da personalidade do líder. Para
103
isto estão anexas duas pequenas leituras que ajudarão o aluno a estabelecer
tal relação e a produzir o experimento.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

Fazer as duas leituras complementares. Levar os alunos a fazê-las e a


relacioná-las com o tema ensinado.

As leituras complementares são:


• Um extrato do livro “Desenvolvimento da Liderança” onde se encontra
uma descrição de uma investigação realizada sobre estilos de liderança
e participação dos membros da equipe. É interessante para ser
analisada.
• O capítulo 1 do livro “Princípios Absolutos de Liderança” que se chama
A Personalidade da Liderança”, onde se estabelecem cinco estilos de
liderança relacionados diretamente com a personalidade de cada um
deles.
Bíblicas

De acordo com os exemplos de líderes analisados no primeiro tema, sobro o


Que é ser Líder, pode-se agora analisar seu estilo e relacioná-lo com as
leituras feitas.

Metodológicas

A Preleção deve ser utilizada para explicar os três tipos de liderança; além
disso o professor deve atribuir as leituras desde a aula anterior para que logo
após a explicação seja dado tempo para Discussão do tema com base nos
experimentos.

 TAREFA
Avaliar honestamente que tipo de liderança você tem e escreva qual é e
porquê.

104
TEMA 8

CONSELHOS PRÁTICOS PARA PREGAR


Nota: Esta aula deve ser ministrada em duas sessões.

SESSÃO 1
 META DE ENSINO
Que o aluno adquira a habilidade necessária para ser um bom pregador da
Palavra de Deus.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique a Definição de Pregação e Persuasão.
2. Que o aluno faça um esboço de pregação.
3. Que o aluno mencione os aspectos mais importantes quanto à forma de
pregar.
4. Que o aluno pregue um sermão aplicando as regras de interpretação e os
conselhos ensinados.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

LEMBRE-SE!!!
Deve existir uma boa forma de despertar o interesse de seus alunos.
Consulte o material de apoio sobre as chaves para despertar o desejo de
aprender.

A. DEFINIÇÃO.

“A pregação é a comunicação da verdade por um homem aos homens. Tem em


si dois elementos: a verdade e a personalidade. Não pode prescindir de nenhum
destes elementos e ser, portanto, uma pregação. A verdade mais correta, a
declaração carregada da maior autoridade acerca da vontade divina, se for
comunicada aos homens de outra forma que não seja através da personalidade de
um homem, irmão, não é uma verdade pregada...
Por outro lado, se os homens comunicarem aos demais homens algo que não
que seja a verdade, se empregarem seus poderes de persuasão ou de
entretenimento para conseguir que prestem atenção a suas próprias
especulações, ou com o fim de que seja feita sua própria vontade, ou que
seja aplaudido por seus próprios talentos, isso tampouco se trata de
pregação. O primeiro carece de personalidade, e o segundo a verdade. E a
pregação é a apresentação da verdade através da personalidade.”

105
(Phillips Brooks. Lectures on Preaching. Grand Rapids: Zondervan Publishing
House. Citado por James d. Crane en El Sermón Eficaz. Casa Bautista de
Publicaciones.)

O propósito real da pregação é o de persuasão.

Persuadir é influir sobre a vontade dos ouvintes para que estes ajam de
acordo com a vontade de Deus.

B. O ESBOÇO DA PREGAÇÃO

Existem três modelos fundamentais de esboços que são:

• Textual
• Temático
• Expositivo

A estrutura básica de um sermão poderá ser estabelecida de acordo com os


seguintes tópicos:
• Título
• Objetivo
• Introdução
• Texto
• Divisões Principais
• Conclusão

SESSÃO 2
C. COMO MELHORAR A PREGAÇÃO

• PREPARAÇÃO DO PREGADOR

1. Deve dar testemunho em tudo.


2. Amar a obra de Deus e as almas.
3. Aprender a falar o melhor e o mais corretamente possível, evitando
frases e expressões vulgares.
4. Usar constantemente o dicionário, aprendendo gramática.
5. Estudar e preparar-se diariamente no estudo da Palavra.

• Estude por livros, capítulos, passagens e personagens.


• Primeiro aplique sua mensagem a nível pessoal.
• Memorize versículos que irão ajudá-lo na mensagem.
• Memorize os livros da Bíblia.

106
• EXPRESSÃO E ATITUDES

1. Observações gerais:

• Deve-se conservar a própria personalidade.


• Deve-se resistir a inclinação de converter-se em ator.
• Pensamentos emprestados devem ser digeridos e tornados próprios
antes de serem pregados.
• Deve-se ter algo que dizer e a segurança de que vale a pena ser
dito.
• Deve-se comer moderadamente antes de pregar.
• Deve-se adquirir o costume de corrigir suas próprias faltas.

2. A voz
A voz é o fundamento do orador e este deve saber:
• O alcance maior e menor de sua voz.
• O volume.
• A melodia, a doçura e a flexibilidade.

2. O aprimoramento da voz

• Cantar com notas.


• A leitura em voz alta.
• Cuidado habitual na pronúncia.
• Exercícios vocais.

3. O uso da voz ao falar em público

• Não inicie demasiado alto, nem tampouco demasiado baixo.


• Não permita que a voz decaia nas últimas palavras de um período.
• Não descuide em tomar fôlego, e aprenda a respirar utilizando toda
a força dos pulmões.
• Fixar os olhos com freqüência nos ouvintes mais distantes, para
saber se todos podem ouvir.
• A monotonia destrói a eloqüência, como também o muito gritar.

5. Não leia muitas passagens bíblicas, mantenha um equilíbrio.

6. A leitura da Bíblia em público

• A leitura selecionada deve ter íntima relação com a mensagem.


• Declarar a passagem claramente duas ou três vezes.
• Deve ter lido a passagem anteriormente para fazê-lo com poder e
clareza.
107
• Deve aprender a ler bem, com clareza, presteza, dando ênfase nas
palavras e frases importantes.

 AVALIAÇÃO

• É necessário que os alunos tenham clareza nos conceitos ensinados nesta


lição.
• Os alunos devem preparar pelo menos dois Esboços de Sermões com as
partes que foram ensinadas nesta lição.
• Se for possível deve-se realizar o workshop de pregação onde se ponha
em prática os conselhos quanto à forma de pregação.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

• O Sermão Eficaz. James D. Crane. Casa Bautista de Publicaciones.


• Como Preparar Mensagens Bíblicas. James Braga.
• Manual de Homilética. Samuel Vila

Bíblicas

1 Coríntios 1: 21 é também um bom fundamento bíblico para esta aula,


de modo que se deve preocupar em explicá-lo exaustivamente.
Recomenda-se também que se estude o tema da Pregação ao longo do livro
de Atos. Ali encontram-se sermões excelentes para serem tomados como
exemplo. Leve seus alunos a investigar a respeito.

Metodológicas

O método de preleção deve ser amplamente utilizado porque o tema é muito


importante. Deve estar aberto para qualquer inquietação que seguramente
apresentar-se-á.

 TAREFA
Fazer um esboço de uma pregação com tema livre e escolha a aula de
esboço (textual, temático ou expositivo) de acordo com a estrutura básica
que aprendeu na aula.

108
109
MISSÃO CARISMÁTICA
INTERNACIONAL
ESCOLA DE LÍDERES

SUMÁRIO
TERCEIRO NÍVEL
SEMINÁRIO

110
TERCEIRO NÍVEL
SEMINÁRIO

111
2000 © Missão Jovem Internacional
Publicado pela Missão Jovem Internacional
Cl 22c No. 31-01
3 37 92 11

Elaborado por Juan Carlos Rojas e César Bladimir Reyes


Diagramação: Camila Dias Torres

Santafé de Bogotá D.C. Colômbia

É proibida a reprodução total ou parcial desta obra em qualquer de suas formas,


gráfica ou audiovisual, sem a autorização prévia e escrita do autor.

112
CONSOLIDAÇÃO
LIÇÃO 1
 META DE ENSINO
Que o aluno compreenda qual é o propósito do processo da consolidação.

 INDICADORES
3. Que o aluno explique qual é o propósito do processo da consolidação.
4. Que o aluno explique o trabalho que demanda a consolidação.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

Sabemos que o chamado de Deus para nós é que levemos as Boas Novas da
Salvação a toda a criatura e que logo entremos no processo de cuidado,
atenção e contato contínuo com o novo crente até que se sinta fortalecido e
animado para converter-se em um discípulo de Cristo. A este processo nós
chamamos consolidação.

D. QUAL É O PROPÓSITO DO PROCESSO DE CONSOLIDAÇÃO?

• Mostrar os benefícios de pertencer à família de Deus.


• Mostrar interesse por suas necessidades.
• Oferecer companheirismo.
• Regar a semente que foi plantada (I Coríntios 3:6)
• Ensinar-lhe a Cristo. Seu amor e a vida abundante que Ele tem.
• Torná-lo consciente de sua decisão por Cristo.
• Integrá-lo nas atividades da Célula.

E. O TRABALHO NA CONSOLIDAÇÃO.

É necessário entender que somos colaboradores de Deus (I Coríntios 3:9) e


que nosso chamado consiste em ganhar e reter as pessoas até que elas
mesmas sejam capazes de fazer o mesmo com outros (II Timóteo 2:2).
Portanto este trabalho demanda de nós:

• Oração pelas pessoas que estamos cuidando (Romanos 1:9)


• Compartilhar tempo com eles (Atos 19:8)
• Mostrar interesse por sua família (Atos 16:31-34)
• Sentir peso por suas necessidades e problemas (Atos 17:16)
• Estar disponível a todo momento para eles (Atos 19:22-23)
113
• Na medida do possível suprir suas necessidades (Atos 11:29)

Para que a consolidação seja efetiva é bom ensinar a cada membro da Célula
que o pratique como um estilo de vida.

CONCLUSÃO

A consolidação é fundamental dentro do desenrolar da visão e necessária


para o cumprimento das metas.

MINISTRAÇÃO

Em oração, busque que seus alunos conscientizem-se da importância da


consolidação e comprometam-se com o trabalho que este processo demanda.

 AVALIAÇÃO

É necessário que na avaliação (total ou parcial) o aluno demonstre a real


compreensão do ensino desta lição.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

Consolidação: Um processo Eficaz Para Formar discípulos, da Pastora Claudia


de Fajardo

Bíblicas

Desenvolva amplamente o Fundamento Bíblico da aula explicando os textos


que usa para respaldar o conteúdo.

Metodológicas
A Primeira parte da aula pode desenvolver com o método de preleção; para a
segunda parte, o professor pode distribuir as referências Bíblicas entre os alunos
para que eles as expliquem com o auxilio do professor.

 TAREFA

O aluno deve buscar na Bíblia o exemplo de consolidação e explicá-lo.

114
CONSOLIDAÇÃO

LIÇÃO 2
 META DE ENSINO
Que a pessoa compreenda princípios básicos para fazer uma consolidação
efetiva.

 INDICADORES
3. Que o aluno explique a melhor maneira de realizar a consolidação.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

A. COMO SONSOLIDAR

É recomendável que a pessoa que evangelizou consolide, pois já se


estabeleceu uma relação de confiança e amizade, por isto é tão importante
que cada membro da célula saiba como fazê-lo; se você é líder, tome tempo
para ensinar a seus discípulos.

Este processo implica em tempo concentrado que varia de acordo com cada
pessoa.

O que deve fazer é:


Explique o Plano da Salvação; para isto use os 5 ensinos:
• Ensino do amor ( João 3:16; João 10:10b)
• O ensino sobre o pecado (Romanos 3:12,23)
• O ensino de Cristo como único e suficiente Salvador (João 14:6;
Gálatas 3:13; Efésios
2:8-9; Isaías 53)
• Ensino do arrependimento (Atos 3:19; I João 1:9;
Isaías 1:18; Provérbios
28:13)
• O ensino de aceitar e receber (Apocalipse 3:20; João 1:12)

• Conheça e resolva suas inquietações com respeito à Bíblia, a Igreja e a


Deus. Há perguntas que são comuns pelo contexto religioso de nosso País:
• Vocês não crêem na virgem.
• Qual é a diferença entre Católicos e Crentes.
• Estou mudando de religião?
• Que fazer com as ofertas?
• O que faz o pastor?

• Identifique suas necessidades e problemas mostrando interesse neles.


115
• Ensine a pedir com fé a Deus e mantenha-os em oração.
• Busque textos Bíblicos que os fortaleça e lhes ensine o ponto de vista de
Deus.
• Seja sábio em aconselhá-los e motive-os para que sejam eles que tomem
as decisões.
• Se está ao seu alcance ajude-os materialmente
• Envolva-os nas atividades de seu ministério.
B. PARA TER ÊXITO DURANTE O PROCESSO
• Entenda que os novos crentes têm dúvidas e inquietações que devem ser
resolvidas.
• Nem todas as pessoas reagem da mesma maneira; umas levam mais
tempo que outras.
• Ganhe a confiança de sua família, sem entrar em intimidades que possam
ser tomadas como abusos. Cuide de sua imagem e a da Igreja.
• Mostre respeito por tudo (seu trabalho, no que investe seu dinheiro, etc.).
Mais adiante terá a oportunidade de instrui-lo para que tome decisões
conforme a vontade de Deus.
• Mostre-lhe interesse no que é como pessoa e não como um número para
alcançar a meta.
• Motive-o constantemente em fé
• Não o pressione, seja flexível.
• Envolva-o nas atividades e faça-o sentir-se importante.
• Nunca mostre o assistir a Igreja como uma mudança de religião.
• Apresente mais pessoas com as quais pode estabelecer vínculos de
amizade.

Conclusão
A habilidade para realizar uma excelente consolidação é adquirida à medida
que nos preparamos e o fazemos constantemente.

MINISTRAÇÃO

Ore com seus alunos para que Deus forme neles um verdadeiro interesse
pelas pessoas novas, de modo a levá-los a trabalhar continuamente com elas.

AVALIAÇÃO
É necessário que na avaliação o aluno demonstre a real compreensão do que
foi ensinado em classe.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

116
Consolidação: Um Processo Eficaz para Formar discípulos, da Pastora Claudia
de Fajardo.

Metodológicas

Utilize auxílios visuais que o ajudem a desenvolver a preleção e permita que


os alunos expressem suas experiências quando formaram parte do processo
de consolidação.

 TAREFA
O aluno deve trazer um informe da consolidação realizada na última semana
com uma das pessoas novas que haja ganho nas últimas semanas.

117
ESPÍRITO SANTO
LIÇÃO 1
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda qual é o ministério do Espírito Santo e a importância


do fruto do Espírito como base para receber a unção.

 INDICADORES
3. Que o aluno explique o ministério do Espírito Santo.
4. Que o aluno identifique aquelas características que são contrárias às
apresentadas no fruto do Espírito Santo.
5. Que o aluno explique cada uma das características do fruto do Espírito
Santo.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

C. O MINISTÉRIO DO ESPÍRITO SANTO

1. Ensinar todas as coisas (João 14:26)


2. Convencer o mundo do pecado, justiça e juízo (João 16:8)
3. Guiar a toda verdade (João 16:13)
4. Glorificar a Jesus (João 16:14)
5. Esquadrinhar as coisas profundas de Deus (I Coríntios 2:10)
6. Interceder (Romanos 8:26)
7. Dar segurança à nossa salvação (Romanos 8:16)
8. Dar Poder (Atos 1:8)
9. Transmitir dons e manifestações para o que é útil. (I Coríntios 12:4-
7)
D. O FRUTO DO ESPÍRITO SANTO

FUNDAMENTO BÍBLICO

Gálatas 5:22-23

Aprofundar e explicar cada um dos seguintes conceitos:

1. AMOR
2. GOZO RELAÇÃO COM DEUS
3. PAZ
4. PACIÊNCIA
5. BENIGNIDADE RELAÇÃO COM OS DEMAIS
6. BONDADE
118
7. FÉ
8. MANSIDÃO VIDA CRISTÃ
9. DOMINIO-PRÓPRIO

MINISTRAÇÃO

Ore para que o Espírito Santo dê Seu fruto de uma forma plena em cada
aluno.

 AVALIAÇÃO

Posto que é um tema que requer análise e reflexão, é melhor que a avaliação
se realize por meio de um trabalho no qual os alunos tomem cada uma das
características, sua característica contrária, e examinem seu próprio caráter,
escrevendo aquelas coisas as quais vão renunciar.
Sem dúvida alguma, na avaliação parcial também deve ter –se em conta os
indicadores propostos.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas
Mais Perto da Chama. Charles Swindoll
Espírito Santo meu Companheiro. David Y. Cho
Teologia Bíblica e Sistemática. Myer Pearlman. Capítulo sobre a Doutrina do
Espírito Santo.

Bíblicas

Memorizar o fundamento bíblico é completamente necessário.


É necessário também examinar nos Evangelhos estas características do Fruto
do Espírito na vida de Jesus.

Metodológicas

Uma boa maneira de explicar inicialmente em que consiste cada uma das
características do Fruto do Espírito é pedindo aos alunos que expliquem qual
a característica contrária. Escreva-as em um quadro e depois comece a
explicar.
Faça constantes exercícios de repetição.

 TAREFA

À guisa de revisão os alunos devem investigar sobre as características do


Espírito Santo como pessoa.

119
ESPÍRITO SANTO

LIÇÃO 2
 META DE ENSINO
Que o aluno compreenda quais são os dons do Espírito Santo e a necessidade
dos mesmos para exercer o ministério.

 INDICADORES
8. Que o aluno explique quais são os dons e qual a atitude que devemos ter
diante deles.
9. Que o aluno explique cada um dos dons e a relação dos mesmo com o
chamado divino.
10.Que o aluno explique cada um dos dons ministeriais.

FUNDAMENTO BÍBLICO

I Coríntios 12:4-11

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

QUE SÃO?

É a equipe de trabalho, ferramentas que Deus deu à Sua Igreja para sua
edificação.

ATITUDES QUE DEVEMOS TER PARA COM OS DONS

1. Não ser ignorantes. (I Coríntios 12:1)


2. Não ser descuidados. (I Timóteo 4:14)
3. Desejá-los e procurá-los. (I Coríntios 12:31; 14:12)
4. Avivá-los. (II Timóteo 1:6)
5. O motivo mais alto para exercitar os dons é o amor. (I Coríntios 13;
12:7,31)

DONS DO ESPÍRITO

• Cura
• Milagres.
• Profecias.
• Discernimento de espíritos.
• Diversidade de Línguas.
• Interpretação de Línguas.
120
• Sabedoria
• Conhecimento
• Fé

Conclusão

Para receber os dons é necessário deixar que o Fruto do Espírito controle


nossas vidas. O Espírito Santo é a essência de nosso ministério, pois nos
capacita para exercê-lo com poder.

MINISTRAÇÃO

Ore por seus alunos para que o Espírito Santo:


1. Avive os dons existentes.
2. Semeie os dons nos que não os têm.

 AVALIAÇÃO

Na avaliação parcial tenha em conta as explicações que o aluno dá; também


leve em conta o estabelecimento de relações para avaliar o seminário em seu
conjunto. Leve o aluno a fazer diferença entre o Fruto do Espírito e os dons
do Espírito.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

Mais Perto das Chamas. Charles Swindoll


Espírito Santo, Meu Companheiro. David Y. Cho
Teologia Bíblica e Sistemática. Myer Pearlman. Capitulo sobre a Doutrina do
Espírito Santo.
Os dons Ministeriais. Kennet Hagin
Bíblia de estudo como a Pentecostal e a Plenitude explicam claramente a
cada um dos dons.

Bíblicas

A ênfase é que a metodologia se adapte à abundância de material bíblico que


deve abarcar.

Metodológicas

Para os dons espirituais, o mestre deve levar um material onde se descreva


cada um; divide-se a classe em grupos, dá-se tempo de trabalho e
investigação na Bíblia de estudo que os alunos levem e depois, em plenária,

121
os grupos devem dramatizar (talvez em mímica) em que consiste cada um
dos dons.
O mestre deve está muito disposto a assessorar e guiar esta atividade,
esclarecendo dúvidas e tirando conclusões importantes.
Sem dúvidas também pode-se apresentar esta aula usando o método de
preleção.

 TAREFA

O aluno deve examinar em sua própria vida quais têm sido os dons nos quais
têm fluído e os que não e porquê.

ESPÍRITO SANTO

LIÇÃO 3
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda as funções e as relações de cada um dos dons


ministeriais.

 INDICADORES
4. Que o aluno explique a função, em geral, dos dons Ministeriais.
5. Que o aluno explique a função de cada um dos ministérios.
6. Que o aluno explique a relação entre os ministérios.

FUNDAMENTO BÍBLICO

Efésios 4:11

DONS MINISTERIAIS

• APOSTOLO
• PROFETA
• EVANGELISTA
• PASTOR
• MESTRE

CONCLUSÃO

122
A Igreja de Jesus Cristo tem uma ordem para seu crescimento e edificação,
por este motivo Deus dá estes dons. É importante que Ele confirme nossos
ministérios.

MINISTRAÇÃO

Ore para que Deus confirme o ministério a seus alunos e para que eles
comecem a preparar suas vidas para o mesmo.

 AVALIAÇÃO

Na avaliação final é importante que os alunos estabeleçam diferenças e


relações entre os dons do Espírito, os dons Ministeriais e o Fruto do Espírito.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

Os Dons Ministeriais. Kennet E. Hagin.

Bíblicas

Explicação do fundamento bíblico e exemplos bíblicos dos ministérios que


sirvam para ilustrar sua explicação.

Metodológicas

Introduzindo esta lição, e fazendo uma revisão da história do Cristianismo,


seria interessante mostrar exemplos de homens que com seus ministérios
têm impactado nações inteiras, e nisto, seus alunos podem trazer exemplos
que eles conhecem.
A Explicação dos Ministérios pode se feita a partir dessa ilustração.

 TAREFA

Entrevistar algumas pessoas na Igreja que já estão exercendo um dos


ministérios e interrogar a mesma como Deus a está usando e que dons
espirituais têm visto em suas vidas.

123
LIÇÃO 1
ACONSELHAMENTO
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda a definição e a importância do aconselhamento


dentro do trabalho ministerial.

 INDICADORES
1. Que o aluno explique a definição de aconselhamento
2. Que o aluno explique a importância do aconselhamento.
3. Que o aluno explique um exemplo bíblico de aconselhamento.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

C. DEFINIÇÃO.

A palavra que se usa no Novo Testamento para aconselhar é NOUTHESIA que


implica dar direção escritural. No Velho Testamento significa dar conselho ou
direção.
Para aconselhar biblicamente o conselheiro tem que conhecer a fundo as
Escrituras e desenvolver a capacidade de identificar os problemas e conhecer
as técnicas apropriadas para as soluções esperadas.

O propósito do aconselhamento é conseguir uma mudança de conduta,


emoções e caráter por meio de transformações de valores e atitudes, com
fundamento bíblico.

O aconselhamento é básico para o pastoreio e cuidado dos discípulos. Por


meio dele o líder os conhecerá a fundo e poderá conceder-lhes ajuda e
ministração em cada área de sua vida.

D. IMPORTÂNCIA

• Necessária para pastorear e cuidar


• Útil para detectar problemas e ministrar
• Para formar o caráter de Cristo
• Dar respaldo, apoio e companheirismo aos crentes
• Melhorar o processo de restauração
• Corrigir erros doutrinários.

C. ACONSELHAMENTOS BÍBLICOS
124
• João 3:1-15Jesus com Nicodemos
• João 4 Jesus com a mulher samaritana.

Conclusão

O aconselhamento é uma prática bíblica muito importante para o exercício da


liderança.

Ministração

Ore por seus alunos para que Deus comece a prepará-los para enfrentar
casos que se apresentem com seus discípulos.

 AVALIAÇÃO

Em um exercício pode se avaliar os indicadores propostos. Na tarefa propõe-


se um trabalho que servirá para que seus alunos expliquem a importância do
aconselhamento na Palavra de Deus.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

- Manual do aconselhamento Cristão de Jay Adams. Ed. CLIE.


- O Conselho Terapêutico. Pablo Polischuk
- Cura da Alma Ferida. Volumes I,II,III
- Sobre o tema do aconselhamento existe bastante bibliografia que se
recomenda e o professor deve consultar.

Bíblicas

Tanto o professor como o aluno podem investigar no Velho Testamento o


papel que se desempenhava no aconselhamento.

Metodológicas

Utilize uma combinação do método de preleção com o de perguntas e


respostas para desenvolver o conteúdo desta aula.

 TAREFA

O aluno deve escolher um dos exemplos bíblicos de aconselhamento, analisá-


lo e apresentá-lo, explicando a importância do aconselhamento nesta
passagem específica.

125
ACONSELHAMENTO

LIÇÃO 2
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda quem são as pessoas implicadas no processo de


aconselhamento e a relação entre eles.

 INDICADORES
3. Que o aluno explique o papel que desempenha o Espírito no processo de
aconselhamento
4. Que o aluno explique o papel que desempenha o conselheiro no processo
de aconselhamento.
5. Que o aluno explique o papel que desempenha o aconselhando no
processo de aconselhamento.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

PESSOAS IMPLICADAS NO ACONSELHAMENTO

O contexto bíblico do aconselhamento sempre implica no mínimo três


pessoas: O conselheiro, o Aconselhando e o Espírito Santo.

A. O ESPÍRITO SANTO

A tradução do Espírito Santo como “Consolador” vem da palavra Parakletos,


que é sinônimo de conselheiro, ajudador ou intercessor. Não inclui-lo no
aconselhamento e não depender dEle é um ato de auto-suficiência.

Devemos recordar a obra do Espírito Santo e relacioná-lo com o


aconselhamento:
• João 14:26 - Ele nos ensinará e recordará todas as coisas
• João 16:13 - Guiar-nos-á à verdade
• João 16:7-8 - Convence do pecado
• Lucas 12:12 - Ensina-nos o que devemos dizer.
• I Coríntios 2:13 - Falamos com os dons do Espírito.
• I João 2:27 - A unção nos ensinará.

B. O CONSELHEIRO

O aconselhamento é um trabalho que requer preparação e sabedoria; o líder


de célula deve preparar-se para desempenhar esta tarefa e está em
comunicação com seus líderes superiores para ser supervisionado nesta área.
126
Requisitos para o Conselheiro:
• Conhecimento extenso e profundo da Bíblia.
Isaías 11:2 Colossenses 3:16

O conselheiro deve estar convencido de que a Bíblia é a verdade e


fundamentar-se nela para motivar e inculcar a fé em outros. Este aspecto é
muito importante porque nos permite conhecer a vontade de Deus para cada
caso e não desviar-nos da doutrina.

• Sabedoria Divina.
Provérbios 2:6-7 Lucas 21:15 Tiago 1:5
Esta provém de Deus e nos serve para aplicar o conhecimento da maneira
mais adequada para resolver conflitos e encontrar soluções.
A Sabedoria é um Dom de Deus (I Coríntios 12:8); aumenta-se com a
experiência (Jó 32:7) e é adquirida em oração e estudo bíblico.

• Boa vontade para os demais.


Tendo o AMOR como base fundamental para nossas relações com os irmãos
da Igreja, pois este nos leva a querer servir-lhes de maneira desinteressada
buscando seu benefício e mostrando um interesse ativo para oferecer ajuda.

I Tessalonicenses 3:12. O Senhor faz criar este amor.


Romanos 12:9 Deve ser sem fingimento.
Mateus 22:39 Amor ao próximo.

Características do Conselheiro.
• São emocionalmente. Mateus 15:14
• Conhecimento da natureza humana.
• Disposição para ouvir. Tiago 1:19
• Preparação intelectual. Ler livros sobre o tema.
• Disponibilidade e Compromisso com o aconselhando.
• Discernimento para encontrar na Bíblia a solução dos problemas.
• Dedicação à oração buscando a direção divina.
• Crer que o aconselhando pode mudar.

E. O ACONSELHANDO

Devemos reconhecer a individualidade de cada ser. Cada um tem um


contexto diferente e uma maneira especial de ser e assumir a vida. A herança
cultural, espiritual, social, econômico, educativa é diferente em cada pessoa
e, portanto, é necessário conhecê-lo para prestar uma ajuda eficaz a seu
problema.

127
É necessário crer que o aconselhando pode mudar, que necessita se ouvido e
motivado para tanto.

Que espera o aconselhando?

• Que entendam seu problema ainda melhor do que ele o faz; que alguém
chegue à raiz do problema.
• Que lhe prestem auxilio em tempo de crise.
• Que o ajudem em mudanças de conduta indesejáveis e que lhe ensinem o
que é adequado
• Crescimento e maturidade.

Conclusão
É importante ter em conta que o processo de aconselhamento é dinâmico e é
necessário ser sensível ao papel que cada pessoa implicada desempenha.

MINISTRAÇÃO

Ore por seus alunos para eles estejam preparados para aconselhar; na
realidade muitos deles necessitam neste momento um conselho ou uma
ministração especifica para que tenham a estabilidade emocional necessária
para desenvolver esta tarefa.

 AVALIAÇÃO

A parte conceitual desta aula pode ser avaliada por meio de exercício ou de
uma avaliação parcial.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

• Manuel do Conselheiro Cristão de Jay Adams


• O Conselheiro Terapêutico. Pablo Polischuk.
• Sobre o tema de aconselhamento existe bastante bibliografia que se
recomenda que o professor consulte.

Bíblicas
Guie a seus alunos para que realizem um estudo bíblico profundo acerca do
papel do Espírito Santo no aconselhamento.

Metodológicas
O método recomendado para esta aula é o de preleção.

 TAREFA

128
Realizar o trabalho acerca do papel do Espírito Santo.

129
ACONSELHAMENTO

LIÇÃO 3
 META DE ENSINO

Que o aluno compreenda os aspectos importantes para ter em conta o


aconselhamento.

 INDICADORES
3. Que o aluno explique as sugestões para realizar o aconselhamento.
4. Que o aluno explique as recomendações dadas para o processo do
aconselhamento.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

A PRÁTICA DO ACONSELHAMENTO

A. SUGESTÍES PARA REALIZAR O ACONSELHAMENTO.

Há casos que requerem uma só seção e outros de algumas seções


programadas dependendo do tipo de problema.

• Comece e termine com oração


• Escute com atenção o problema
• Faça perguntas acerca de tudo o que possa influenciar no problema de
acordo com a área.
• Plante soluções para cada área que seja avaliada. Tenha metas
definidas do que se quer conseguir.
• Respalde cada solução com fundamento bíblico
• Avalie o progresso (se é o casa de requerer várias sessões).
• Deixe tarefas apropriadas que reforcem as metas.
• Estudos Bíblicos.
• Escrever cartas.
• Exercícios que impliquem ação.
• Na medida do possível envolva as pessoas que têm relação com o
problema.
• Envolva também o líder; motive-o para que forme parte da solução.
• Esteja preparado para ministrar segundo o caso.
• Tenha bibliografia para recomendar ao aconselhando como parte do
processo

130
E. RECOMENDAÇÍES

Um bom aconselhamento se podia sintetizar em:

1. Qual é o problema especifico (ou os problemas)?


Deve-se compreender completamente o problema e a sua profundidade com
detalhes.

2. Que princípios bíblicos se aplicam neste caso? Que diz a Bíblia sobre o
assunto?. Em alguns casos é bom que o aconselhando seja quem busque
na Bíblia e explique o que entendeu.

3. Como aplicar o princípio bíblico para solucionar o caso?

4. Escutar com muita atenção ao aconselhando no que diz e como diz pois
geralmente dará ênfase em algo que produz muita perturbação, mesmo
sem que o aconselhando o note. Na realidade, há casos nos quais o
aconselhando não reconhecerá o problema e necessitará de uma palavra
de conhecimento e sabedoria para discerni-lo. Poder-se-á também notar
frustrações, sentimentos ocultos, fixações e desculpas que produzem
hábitos e geram problemas.

5. O Conselheiro deve reproduzir ou resumir com suas palavras o que


entendeu do que o aconselhando falou; isto serve para verificar se a
comunicação é correta e evitar maus entendidos ou ambigüidades.

6. O conselheiro não deve esquecer que a comunicação não é apenas verbal,


mas também com um olhar, um gesto, a postura do corpo e o tom da voz,
está estabelecendo comunicação.

7. Mostre respeito, aceitação e confiança pelo aconselhando para que se sinta


em liberdade de expressar seus sentimentos e pensamentos. Um
conselheiro deve deixar de lado qualquer tipo de preconceito.

8. É importante identificar os sentimentos que tem com respeito ao assunto e


a pessoas implicadas e confrontá-las com o que Deus ensina em Sua
Palavra.

F. CASOS FREQUENTES.

• Conflitos Pessoais
• Relações interpessoais
• Recordações do passado
• Problemas financeiros
• Problemas espirituais e doutrinários
• Pecado
131
• Relação com Deus
• Problemas familiares (Conjugais)

Conclusão

É necessário ser sensível e adquirir sabedoria para que o aconselhamento se


realize adequadamente.

MINISTRAÇÃO

Ore para que Deus capacite a seus alunos e os guie constantemente no


momento em que devem ser aconselhados

 AVALIAÇÃO

Na avaliação parcial deve-se propor um caso que os alunos devem tratar de


solucionar de acordo com o conteúdo da lição.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

• Manuel do Conselheiro Cristão de Jay Adams


• O Conselheiro Terapêutico. Pablo Polischuk.
• Cura da Alma Ferida Tomos, I,II, III
• Sobre o tema de aconselhamento existe bastante bibliografia que se
recomenda que o professor consulte.

Metodológicas

O método de preleção pode ser utilizado para esta aula, porém devido o fato
deste tema ser amplo é necessário usar algum tipo de recurso como quadro,
folhetos e fotocópias.

 TAREFA

Seguramente seus alunos já tiveram que dar aconselhamento; a tarefa


consiste em que explique um caso que haja tido e a forma como se
desenvolveu, de acordo com o ensinado na aula.

132
ACONSELHAMENTO

LIÇÃO 4
 META DE ENSINO

Que o aluno adquira a habilidade para manejar textos bíblicos adequados a


um problema específico.

INDICADORES

1. Que o aluno conheça referências bíblicas para problemas específicos.


2. Que o aluno relacione problemas com referências bíblicos adequados.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

De acordo com os seguintes tópicos o aluno deve buscar referências bíblicas


que correspondam ao tema, que mostrem o ponto de vista de Deus e que
ofereçam soluções. Compartilhe-os em classe e o professor complementará
com os dados do sumário.

ARGUMENTOS ATITUDES
Provérbios 15:1-9 Filipenses 2:5-11
Provérbios 26:17-28 Filipenses 4:4-9
Filipenses 22:12-18
Tito 3:1-11

DEPRESSÃO: IMORALIDADE
I Reis 19:1-9 Romanos 2:1-16
Salmos 42:1-11 Romanos 12:1-8

MEDO GOZO
Josué 1:1-18 Mateus 5:1-12
Salmos 27:1 I Timóteo 6:3-10
Salmos 56:11
Salmos 91:1-8
Salmos 121:1-8 RESSENTIMENTO
Provérbios 29:25 João 1:1-27

INFERIORIDADE FRUSTAÇÃO
Salmo 63:3 Efésios 6:1-18
Salmos 86:13
Salmo 139:13-16 SEXO
I Coríntios 1:26-29 Provérbios 5:15-21
I Pedro 2:9-10 I Coríntios 7:1-11
I Tessalonicenses 4:1-8
133
CONCLUSÃO

É importante para a liderança providenciar soluções para os problemas dos


discípulos de acordo com os princípios bíblicos.

 RECOMENDAÇÍES

Bibliográficas

• Manuel do Conselheiro Cristão de Jay Adams


• O Conselheiro Terapêutico. Pablo Polischuk.
• Cura da alma ferida Tomos, I,II, III
• Sobre o tema de aconselhamento existe bastante bibliografia que se
recomenda que o professor consulte.

Metodológicas
O professor deve escrever em um quadro determinado problema e pedir aos
alunos que busquem na Bíblia o fundamento para o conselho adequado. Deve
ir conduzindo a classe ao desenvolvimento de cada problema e dar-lhe a
conhecer os que estão no sumário.

 TAREFA

Estudar cada um dos textos e buscar para outros problemas que considere
importantes. Prepare-se para o seminário da próxima aula.

134
ACONSELHAMENTO

LIÇÃO 5
SEMINÁRIO DE ACONSELHAMENTO

 META DE ENSINO

Que o aluno desenvolva a habilidade de encontrar possíveis soluções para um


caso esboçado.
.

INDICADORES
1. Que o aluno proponha soluções a um caso especifico de acordo com as
recomendações explicadas e o estudo bíblico praticado.
2. Que o aluno relacione os conteúdos das aulas anteriores com um caso
esboçado.

 DESENVOLVIMENTO DO TEMA

O professor deve buscar casos que mereçam um aconselhamento e escreve-


los para se entregues aos grupos de trabalhos nos quais a classe será
dividida.

Uma vez designados os casos, os alunos buscarão referências bíblicas,


formularão perguntas que sirvam para obter informação importante,
proporão possíveis soluções, esboçarão tarefas e ministração.

Nesta aula é importante em conta todo o ensino do seminário, e o trabalho


que você faca no plano dos casos; consulte livros, fale com pessoas que
tenha maior experiência neste campo.

Entregue os casos por escrito e passe por cada grupo de trabalho para guiar a
atividade

1. Não se consagra porque recebe muitas pressões em casa.


2. Não entendo porque devo deixar meus amigos do mundo
3. Não me sinto bem dentro do meu grupo.
4. Ainda não sinto completamente o perdão de Deus.

AVALIAÇÃO

Basicamente, a maneira como os alunos se desempenham no seminário é


uma boa avaliação da compreensão deles e do ensino do professor; sem
135
dúvida, na avaliação parcial deve incluir os aspectos mais importantes deste
seminário com o que os alunos devem responder.

136
137