Introdução 3. Delimitação do tema 4. Formulação dos problemas 5. Hipóteses 6. Justificativa 7. Objetivo Geral 7.1 Objetivo Específico 8. Referencial Teórico 8.

2 Impactos causados pela extração dos minérios 8.3 Principais danos causados pela mineração 9. Degradação e Recuperação de áreas impactadas 9.1 Medidas de Recuperação e Reabilitação Ambiental 10. Metodologia 1. Cronograma 2. Introdução

04 05 05 06 07 08 08 09 10 1 14 17 19 20

8.1 Impactos ao meio ambiente causados pela mineração 09

A exploração de recursos minerais, exercida pelo homem desde a antiguidade, é um processo primordial para o desenvolvimento da sociedade em quase todos os seus setores. A mineração está presente constantemente no dia a dia da sociedade, desde artigos em vidro (areia) e cerâmica (argila) até a fabricação de medicamentos, jóias, etc. Atuando como base na maioria dos segmentos industriais, desempenhando um papel considerável na economia, tanto como geradora de empregos (cerca de um milhão entre diretos e indiretos) e impostos, como no desenvolvimento de cidades e regiões. A extração de minérios é responsável por aproximadamente 3% do PIB do país, porém considerando as etapas que envolvem a transformação do mineral, chega a 29%. Acrescentando-se as etapas de produção dos setores que utilizam produtos minerais beneficiados, como a indústria automobilística, eletroeletrônica, de eletrodomésticos e da construção civil, participam em até 40% na economia do Brasil. Em relação aos outros países, o Brasil possui a maior reserva de nióbio, com 83,3% das jazidas existentes; a terceira maior reserva de bauxita, com 12,2 %; a quarta maior reserva de caulim, com 9,3%; a quinta maior reserva de minério de ferro, com 8,3% e também a sexta maior de estanho, com 7,5%. No entanto, mesmo tendo grande importância para o país e para a sociedade como um todo, essa atividade produz grandes impactos ambientais que causam muitos acidentes ao longo dos anos, tendo assim uma imagem negativa diante da maior parte da população brasileira. 3. Delimitação do tema Impactos causados pela mineração. Uma questão de gestão ambiental. 4. Formulação dos problemas As atividades mineradoras causam impactos diretamente ao meio ambiente. Tanto no garimpo, quanto, na extração de minérios que se encontram no solo e subsolo. Muito de seus danos são irreversíveis. Assim, a exploração de uma jazida deve-se levar em consideração sua viabilidade econômica e ambiental. Com a abertura de deposito mineral em lavra (mina, garimpo) a geologia da área é perdida modificando o relevo podendo ocasionar erosões e assoreamentos. A produção de maneira inadequada dos minerais pode ter formas direta ou indiretamente quanto à degradação ambiental; gerando chuvas ácidas, o aquecimento global, poluição de reservatórios de água, etc. Além de gerar problemas sócio-ambientais, onde muitas famílias são remanejadas de seus locais para dar lugar às empresas mineradoras. Como também a questão visual de deposito mineral. Apesar dos problemas causados ao meio ambiente, a mineração é inevitavelmente essencial a humanidade uma vez que possibilita qualidade de vida e desenvolvimento sustentável. O maior desafio da indústria mineral é reduzir essas interferências no meio ambiente para níveis mais admissíveis, nos seus diferentes estágios de exploração, produção, utilização e disposição de resíduos.

Destrói completamente as áreas da jazida. Tais impactos provocam danos e desequilíbrios no ciclo da água. Objetivo Geral š Identificar os impactos ambientais ocasionados pela exploração de recursos minerais em áreas de minas. 7. Para que cresça de forma organizada faz-se necessário um estudo detalhado de seus riscos e benefícios que propicia a toda sociedade. já que a fauna. faz se necessário a recuperação de áreas degradadas pelas mineradoras. que originam um forte impacto visual. 6. destaca-se a erosão do material da superfície por ação das águas da chuva. no ar. Sendo assim. Os diretos modificam as características físicas. as bacias de rejeito e as áreas utilizadas para o depósito estéril. a reconstituição da paisagem é quase impossível na questão do tempo e econômica. quanto. buscando de forma simples levar as comunidades o conhecimento dessa área tão questionada nos dias atuais. através de condução adequada das operações de lavra e de um projeto de recuperação. Para que muitos dos problemas sejam solucionados rege-se a necessidade de uma política conservadora que fiscalize. desde a sua implantação como projeto até seu desativamento recuperando a área degradada. a flora. visto que as áreas destruídas jamais voltarão a ser como eram. Referencial Teórico 8. químicas e biológicas do ambiente. que causam a poluição dos recursos hídricos. 7. Justificativa A tendência da indústria mineradora é o crescimento. Os impactos causados podem ser intensos e extensos. Esses impactos. Assim. do método usado para a extração. afetam também todo o ambiente circunvizinho. fazendo com que áreas que anteriormente eram . devem-se levar em conta os benefícios e malefícios acarretados pela indústria mineradora. Os danos também podem ser de ordem direta e indireta. 8. Enquanto à extensão. etc. além de prejudicarem os proprietários. Os indiretos proporcionam mudanças na diversidade das espécies. as atividades realizadas pelas mineradoras. As alterações na topografia podem causar mudanças na direção das águas de escoamento superficial. š Compreender com mais clareza como ocorre à degradação das áreas de exploração e das circunvizinhas a mesma. que visem o futuro. tanto ao ambiente. Porém. no subsolo e na paisagem em geral. o impacto da mineração de argila depende da topografia original da área. no ciclo natural dos nutrientes. da característica e do volume de material que foi extraído da jazida. o relevo e o solo são completamente transformados. Deve-se haver o incentivo de cursos ligados a mineração. refletindo assim diretamente na bacia onde a mina se localiza. os cuidados para a recuperação das áreas mineradas vão desde a concepção do plano de lavra até a implantação do projeto que visem o reflorestamento de forma consciente. e são perceptíveis por toda a população. Uma vez que estão sujeitas a diversos fatores de riscos. quanto à intensidade. Hipóteses É preciso uma análise do avanço que a exploração mineral possui bem como sua degradação ao ambiente.1 Impactos ao meio ambiente causados pela mineração A mineração a céu aberto gera diversos impactos ao meio ambiente. alterações no nível do lençol freático e no volume de água encontrado na superfície. Nas grandes jazidas.5. instabilidade no ecossistema. do quanto foi aproveitado. Por exemplo. š Apresentar técnicas e soluções para a recuperação de áreas que já estejam degradadas ou em processo de degradação. no solo. Sabendo que de uma forma ou de outra todos necessitamos dos recursos minerais explorados. bem como melhoria de condições de trabalho as pessoas que atuam no ambiente.1 Objetivo Específico š Descrever os impactos que atingem diretamente a sociedade que se encontram localizadas ao redor ou próximas as áreas de exploração. a degradação ambiental pode ser reduzida e até eliminada.

que provoca principalmente a contaminação dos recursos hídricos. zinco e prata do Vale da Ribeira. provocando comprometimento ambiental do solo e dos recursos hídricos. Dentre eles estão: desmatamentos. como dunas e manguezais e alteram canais naturais de rios e aspectos da paisagem. uma vez que a atividade de mineração é imprescindível para a sociedade. Por exemplo. ‡ Agregados para construção civil (areia. por várias décadas.atingidas pela erosão tornem-se áreas de deposição e vice-versa. Contaminações com produtos químicos no solo decorrentes do derramamento de óleos e graxas das máquinas que são operadas na área também ocorrem com grande freqüência.2 Impactos causados pela extração dos minérios ‡ Mineração de Carvão Como é realizada a céu aberto geralmente compreende grandes áreas. ‡ Mineração de Ouro Como exemplo. Tais mudanças são prejudiciais. Normalmente as cavas são utilizadas como depósitos da construção civil e até como lixões. queimadas. que alcançam os corpos hídricos e tornam as águas impróprias para qualquer uso. No Brasil. desencadeamento dos processos erosivos. argila e brita) Os imapctos causados pela extração desses materiais são de grandes proporções. diversos impactos ocorrem e já ocorreram devido a essa atividade mineradora. alteração nos aspectos qualitativos e no regime hidrológico dos cursos de água. ‡ Garimpos É uma extração rudimentar. ‡ Chumbo. Em Nova Lima e Passagem de Mariana. 8. sendo necessário assim um sistema rígido de recuperação das áreas depois de explorada. na região carbonífera de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. funcionaram. no Paraná. a partir do que já foi apresentado. aproveitado como subproduto do minério. Depois de estudos realizados juntamente com a população infantil nos municípios de Adrianópolis e Cerro Azul. como fábricas de óxido de arsênio. causando grande poluição da água e do ar.CDC (1991). . já que alteram seu pH. Zinco e Prata Como exemplo existe as minas de chumbo. que estiveram ativas durante longo período do século X. mas devem ser admitidas. existem diversas áreas onde já houveram atividade garimpeira. Os materiais resultantes dos processos de metalurgia e refino do minério de chumbo foram estocados nas margens do rio Ribeira. As últimas minas e a refinaria encerraram suas atividades em novembro de 1995. o maior impacto causado pela atividade mineraria é a degradação visual da paisagem da área de extração. em São Paulo. Porém. elevando os valores de ferro e sulfato e destruindo a fauna e a flora local. poluição química provocada pelo mercúrio metálico na biosfera e na atmosfera. pois afetam ambientes de delicado equilíbrio ecológico. morte da ictiofauna. e em Ribeira e Iporanga. há a poluição hídrica causada pela drenagem ácida. envolvendo uma análise da quantidade total de chumbo e arsênio encontrados no sangue e urina das crianças constatou-se que as concentrações de chumbo no sangue foram superiores aos limites permitidos pelo Centers for Disease Control .3 Principais danos causados pela mineração ‡ Degradação da Paisagem Como é possível constatar. Os rejeitos de minério ricos em arsênio foram estocados às margens de riachos ou até mesmo lançados diretamente nas drenagens. especialmente nas décadas de 70 e 80. 8. localizadas nos estados de Minas Gerais e Bahia. pode-se citar o Quadrilátero Ferrífero em Minas Gerais. turgidez das águas. que é proveniente da infiltração da água da chuva juntamente com resíduos tóxicos originados pelas atividades de lavra e beneficiamento. onde há uma elevada presença do elemento tóxico arsênio. decorrente desse tipo de exploração.

os fatores que contribuem para a degradação do solo. ‡ Contaminação das Águas A maior parte das minerações no Brasil provoca poluição por lama.5% das áreas . diamante e várias outras. são: 1. caracterizadas pelo elevado nível de danos ambientais e de pequena capacidade de suporte humano (FAO. em ordem decrescente de participação relativa nas áreas degradadas no mundo. Estes resíduos podem ser solúveis. provocam normalmente poluição das águas apenas por lama. Porém. citado por Dias & Griffith (1998). Muitas minerações provocam também poluição de natureza química. Podem-se dividir as áreas degradadas em duas categorias principais. carregados de minérios. Segundo Oldeman (1994). O controle deve ser feito por meio de barragens para a contenção e sedimentação destas lamas. quando esses depósitos ficam muito volumosos. As minerações de ferro. A onda de choque gerada por eles apresentam comportamentos distintos. Superpastejo da vegetação (34. 9. Em períodos de chuvas. O problema pode ser minimizado por meio de um armazenamento adequado do material estéril e sua posterior utilização para reaterro de áreas já mineradas. bauxita. prejudiciais a saúde e bem estar da sociedade. A repetição freqüente desse processo provoca o transporte considerável desse material. e em muitos casos. que originam as ³áreas degradadas´. manganês. ‡ Tráfego de veículos O tráfego freqüente de veículos pesados. ressalta-se as áreas degradadas provenientes de atividades de mineração. Estas partículas suspensas podem ter sido originadas tanto nos trabalhos de perfuração das rochas como nas etapas de beneficiamento e de transporte dos minerais extraídos. tornam-se instáveis e sujeitos a escorregamentos localizados. gerando gradativamente um processo de assoreamento dos cursos d¶água. gerando assim ruídos. que dependem da distância e do tipo de material usado na explosão. Além destes. os rejeitos não causam problemas sérios. ‡ Rejeito e Estéril Quando destinados à recuperação das áreas. A maior parte das áreas degradadas nos Neotrópicos é proveniente de sistemas impróprios de uso de áreas que geram lucros em curto prazo. relaciona-se com a poeira. A poluição por gases é pouco relevante. Degradação e Recuperação de áreas impactadas Um dos problemas centrais que envolvem a questão de desmatamento no Brasil é resultante do estabelecimento de sistemas de utilização de terras de forma não sustentáveis. areia. causa uma série de transtornos à comunidade circunvizinha da mina de exploração: poeira. A poluição por compostos químicos solúveis é mais rara. ‡ Poeira e Gases Um das maiores contrariedades sofridas pelos habitantes localizados próximos e/ou aos que trabalham de maneira direta na extração de minerais.‡ Ruídos e vibrações Muitas extrações de minérios são feitas através da utilização de explosivos. principalmente por usarem cianetos altamente tóxicos no tratamento do minério. argila. granito. cassiterita. por efluentes dissolvíveis na água usada tanto no tratamento do minério como na água que passa pela área da extração. ou partículas que ficam em suspensão como lama e poeira. levando em consideração a cobertura da vegetação em: florestas secundárias e pastos abandonados. A repetição intensa desse processo provoca gradativamente o assoreamento dos cursos de água. As minerações que extraem ouro podem apresentar problemas mais sérios e complexos de contaminação das águas. devem ser removidos para áreas mais baixas continuamente. porém com um alto custo de degradação para o meio ambiente e subdesenvolvimento socioeconômico em longo prazo. As barragens são na maior parte das vezes os investimentos mais pesados em controle ambiental realizados pelas empresas de mineração. calcário. emissão de ruídos e freqüente deterioração do sistema viário da região são alguns deles. uma vez que em geral se restringe à emissão pelos motores das máquinas e dos veículos utilizados na lavra e no beneficiamento dos minérios. para cursos de água. A contribuição da mineração para a poluição do ar é principalmente causada pela produção de poeira. 1985).

outras podem ser ressaltadas são elas: lançamento de resíduos domésticos e hospitalares. 1980). 1990. 1982. pois a natureza pode se encarregar dessa tarefa. é possível afirmar que a degradação acontece a partir do momento que a vegetação e fauna nativa são destruídas. tanto de caráter social como ecológico. as principais justificativas para os reflorestamentos de proteção do meio ambiente abrangem a recuperação imediata dos benefícios ambientais. entre outros fatores. as principais fontes que causam a degradação são: a deposição de resíduos ou rejeitos provenientes do processo de beneficiamento dos minerais e a deposição do material não aproveitável. além da contaminação por elementos que liberam radiação e a poluição visual do local. após perturbações. topografia. abandoná-las à sucessão vegetal (Griffith. Atividades agrícolas. construção de estradas e urbanização (29. isto é. Contudo. A conceituação de uma área degradada é bastante polêmica na sociedade. 1996).Jesus.. 1994. depois de desenvolvido o escopo do sistema a ser adotado. mais significativa de benefícios. baseando-se na situação encontrada (Fonseca. ou seja. assim como nas suas manutenções.. tais como: uso de forma inadequada de fertilizantes. e suscetível de alterações durante a implantação das atividades previstas. Dentre as alternativas para a recuperação dessas áreas. Além dessas fontes que causam degradação. incluindo inúmeras variedades de práticas agrícolas. de esgoto sanitário. 3. clima. 1988. a localização. florestas comerciais. É fato que. estrutura trófica etc. Reabilitação refere-se a uma série de tratamentos que buscam a regeneração de uma ou mais funções do ecossistema. . Apresenta. reflorestamento. Existem diversos utilizações para as quais as áreas degradadas podem ser destinadas. uso de água para irrigação de baixa qualidade. pois elas já não dispõem daqueles eficientes mecanismos para sua regeneração.1%). seu retorno ao estado anterior pode não acontecer ou ser extremamente vagaroso. mas manteve seus meios de regeneração bióticos. como combustível. o reflorestamento para destinação múltipla envolve uma quantidade. a ação humana para a recuperação é indispensável. demanda mais tempo e requer um investimento maior. Vários autores procuraram sistematizar as técnicas de recuperação de áreas degradadas (Willians.). Silveira et al. 1989). ou simplesmente.Desmatamento ou remoção da vegetação natural para a agricultura. Atividades industriais ou bioindustriais que geram a poluição do solo (1. Existe também o ecossistema perturbado que é aquele que sofreu distúrbios. Griffith et al. juntamente com sua vegetação. ecológica e econômica envolvidos. como o cultivo/pastagens. A vegetação pode ser tida como um elemento de atuação e utilização nos programas de recuperação de áreas degradadas. produzido do decapeamento superficial (Ibram.1992.mundiais degradadas). 1994. 1992. o destino final da área recuperada deverá ser objeto de um estudo conjunto dos componentes de ordem social. As técnicas existentes para utilização da vegetação como um agente restaurador de áreas que sofreram degradação são recentes e envolve a regeneração natural. Viana. todavia os sistemas devem ser específicos para cada situação. o plantio de espécies arbóreas e arbustivas e a hidrossemeadura (Silva. Griffith.. e a restauração da forma (composição e diversidade de espécies. o nível de recuperação a ser alcançado. Logo. inicialmente.2%). 1994). teve suprimida. Os objetivos da recuperação de uma área degradada devem obedecer a requisitos individuais e o plano feito para sua recuperação deve deixar claro. Exploração intensiva da vegetação para fins domésticos. área urbana. Essas funções podem ser produção econômica e/ou ambiental. os seus meios de regeneração. vegetação e a natureza do(s) agente(s) causador(es) da degradação. e 5. 1990). mas pode auxiliar na recuperação. Essa questão em muitos casos não é avaliada com coerência. assumindo diferentes papéis. Restauração trata-se de uma série de tratamentos que visam recuperar a forma original do ecossistema. 1990). Nas áreas degradadas. pois as áreas degradadas podem tanto ser ³restauradas´ como ³reabilitadas´ (Cairns. expondo o solo diretamente à ação dos agentes causadores da erosão (6. baixa capacidade de recuperação.4%). 1994. e sempre de acordo com o projeto estabelecido. removidas ou expulsas. 1993). 2.. (1990) expõem uma definição mais precisa: um ecossistema degradado é aquele no qual . É preciso estabelecer qual o objetivo inicial a ser alcançado com a recuperação. parques e áreas para recreação. Carpanezzi et al. portanto.8%). agrupando. Nas atividades de extração de minérios. Geralmente. vazamentos ou derrames de óleos. isto é. Daniels. Geralmente recomendado para ecossistemas raros e ameaçados. Pompéia. uso inapropriado de maquinários agrícolas e ausência de práticas para a conservação do solo (28. admitindo-se várias definições baseando-se no enfoque desejado. solo. estabilidade do terreno. Adeam. sua estrutura original. torna-se prioridade frente à recuperação das utilidades do ecossistema. dando uma dinâmica toda especial às técnicas de recuperação. cercas etc. a camada mais fértil do solo é afetada e a qualidade de vazão do sistema hídrico é alterada (Teixeira & Silva Jr. da sua função ambiental (Viana. A ação humana nesse processo é dispensável. 1987). 4. ácidos e outros produtos químicos.

artigos. aterros. 1992). tratamento de efluentes (por exemplo: líquidos ou sólidos em suspensão) das bacias de decantação de rejeitos. assim como na implantação de cinturões verdes. verificados em determinada atividade mineradora. à jusante do sistema de drenagem da área. . garantindo o estabelecimento dos plantios realizados e que devem se prolongar. Na recuperação de áreas oriundas de degradação ao longo de ferrovias e reservatórios de água. entre outras de acordo com o problema da região. A camada de solo superficial orgânico pode ser retirada. captação e reutilização das águas utilizadas no processo produtivo. estocada e reutilizada para as superfícies lavradas ou de depósitos de estéreis e/ou rejeitos. sendo que na implantação desse projeto estejam incluídas as atividades de preparo do solo. estocada e reutilizada na construção de diques. pelo menos.) e tratamento de resíduos (esgotos. os autores indicam a recuperação por meio da implantação e manutenção dos plantios realizados. coveamento. coroamento. por um período de dois anos. š Áreas de infra-estrutura e circunvizinhas: Algumas medidas possíveis são: captação e desvio de águas pluviais. redimensionamento de cargas de detonação em rochas e outras. Essas soluções. As principais áreas de um empreendimento mineiro onde medidas de recuperação podem ser aplicadas são: š Áreas lavradas: Algumas das medidas usualmente empregadas são: retaludamento. 1993. que além da implantação desse plano de recuperação.1992. coleta (filtros. controle das formigas cortadeiras. revistas e periódicos especializados que abordavam ou até mesmo faziam alguma referência ou citação sobre os impactos da mineração ao meio ambiente e sobre técnicas de recuperação dessas áreas degradas. e exigem soluções especiais adaptadas às condições já estabelecidas. tratamento de águas subterrâneas contaminadas. 9. remodelamento de superfícies topográficas e paisagens. etc. 1984. geralmente utilizadas em mineração. caixas de brita. redimensionamento e reforço de barragens de rejeito (com a compactação e sistemas de drenagens no topo). além de murundus . Jesus (1994) ainda recomenda. A camada de solo de alteração pode ser retirada. 10. Neste período estão inseridas as atividades de roçada manual. Jesus et al. contenção ou retenção de blocos rochosos instáveis. murundus ou leiras de isolamento e barragens de terra. são usados técnicas de plantio de árvores para resgate de biodiversidade. Jesus & Engel..Cada situação deve ser estudada para a escolha da técnica que mais se adequada e não são raros os exemplos em que todas elas são utilizadas eu uma mesma área. Jesus. murundus ou leiras de isolamento. Nestes trabalhos. FRDSA. graxas) dragagem de sedimentos em depósitos de assoreamento. respaldam-se em observações de campo e literatura técnica e não raramente envolvem aspectos do meio físico. revegetação (com espécies arbóreas nas bermas e herbáceas nos taludes) e instalação de sistemas de drenagem (com canaletas de pé de talude. com sistemas adicionais de proteção dos cursos de água naturais por meio de canaletas. tratamento de águas lixiviadas em pilhas de rejeitos ou estéreis. execução de reparos em áreas circunvizinhas afetadas pelas atividades de mineração. a necessidade indispensável de sua manutenção. contenção de erosão. florestas de produção e amenização paisagística (FRDSA. As manutenções são feitas para garantir o estabelecimento dos plantios realizados e são indicadas normalmente durante um período de dois ou três anos posteriores ao plantio.instalação. implantação de barreiras vegetais.1 Medidas de Recuperação e Reabilitação Ambiental As medidas de recuperação tem por finalidade corrigir impactos ambientais negativos. controle daquelas formigas e o replantio. de caixas de sedimentação e/ou novas bacias de decantação de rejeitos. valetas. óleos. adubação e plantio. 1989. Metodologia Na primeira etapa do trabalho foi realizado um levantamento de bibliografias.morrotes feitos manualmente na crista dos taludes) em frentes de lavra desativadas. redimensionamento ou construção de extravazores ou vertedouros em barragens de rejeito. š Áreas de disposição de resíduos sólidos: As medidas usualmente empregadas são: revegetação dos taludes de barragens (neste caso somente com herbáceas) e depósitos de estéreis ou rejeitos.

2003.SCARIOT.scielo.61 n. Aldicir. Brasil.scielo. Planejamento para o fechamento prematuro de minas. 2008.30. Esc. D.br/ >Acesso em: 2 maio 2011.SCHNEIDER.CEBRAP no. município de Lagoa da Confusão. BRITO. Referências Bibliográficas CUNHA.n. Disponí vel em: <http://w.br/ >Aceso em: 23 maio 2011.scielo. ALMEIDA. Disponível em: <http://w. 2010.Esc.SP. E.R. Período/Atividade 1ºSemana 1. Minas v.829-836./jun. M.Tocantins. Estrutura Fitossociologica de um fragmento natural de floresta inundável em área de orzicultura irrigada.Esc. SÁNCHEZ. Desenvolvimento sustentável: qual a estratégia para o Brasil? Novos estud. Ver. Minas.v.5.2004.3. Estudo de caso de uma mina de grande porte.Logo após com todo o material em mãos foi feita uma seleção das partes que melhor abrangiam o tema e feita a compilação dos fragmentos dos textos selecionados formando o corpo do projeto de pesquisa apresentado no decorrer deste trabalho.Ivo André.C. LIMA.Ricardo.2. et al. Piracicaba.scielo. Disponível em: <http://w.Luis Enrique. Disponível em: <http://w.br/ >Acesso em: 21 maio 2011. A Intensidade da Exploração Agropecuária como Indicador da Degradação Ambiental na Região dos Cerrados. Cronograma Maio 2ºSemana 3ºSemana 4ºSemana 1ºSemana 2ºSemana Maio Maio Maio Maio Maio Pesquisa Bibliográfica Análise Bibliográfica Elaboração do Projeto Finalização do Projeto 1. MACHADO.2 Ouro Preto abr.br/ >Acesso em: 2 maio 2011. Rev. Disponí vel em: <http://w.2008. Mauricio Rios de. Principais normas e recomendações existentes para o controle de vibrações provocadas pelo uso de explosivos em áreas urbanas. SILVA.28. p. Rev.2011. et al. . Disponível em: <http://w. Disponível em: <http://w. Ouro Preto. et al. Garantia financeira para fins de fechamento de mina e sei impacto na viabilidade de uma mina.1. Minas v. Composição e estrutura da comunidade arbórea de uma floresta estacional decidual sobre afloramento calcário no Brasil central. Árvore.scielo./jun.br/ >Acesso em: 25 maio 2011.2 Ouro Preto abr.Luciana Angelita. Esc.Minas.n. Viçosa-MG.56 n. v. v. Árvore. .scielo. Rev.Ouro Preto. v.br/ >Acesso em: 2 maio 2011.br/ >Acesso em: 27 maio 2011.46. 2006.61. Hernani Mota de.scielo.scielo. Ensaios estáticos e cinéticos para a prevenção da geração de drenagem ácida de minas da mineração de carvão com escória de aciaria. BACCI.87 São Paulo jul. Disponível em: <http://w.2008.L. Luciana Álvares da. Viçosa-MG. n.n.br/ >Acesso em: 23 maio 2011. ABRAMOVAY.

N. n. n. 1992. Curitiba. 1989./jun.210 ± maio/jun. 1990. Funções Múltiplas das Florestas: Conservação e Recuperação do Meio Ambiente: Anais do VI Congresso Florestal Brasileiro. p. . O Estado da Arte de Recuperação de Áreas Mineradas no Brasil. Rev.p. Anais do I Simpósio Brasileiro de Recuperação de Áreas Degradadas.R. A intensidade da exploração agropecuária como indicador da degradação ambiental na região dos Cerrados. Increasing diversity by restoring damaged ecosystems. Revista Informe Agropecuário..155-162. L. Viçosa. A. 1994. Conceituação e Caracterização de Áreas Degradadas. A. TEIXEIRA. G. SILVA JR. J.46 n. W. A abordagem da economia ambiental no contexto da mineração. Morro do brumado serra da piedade propostas de recuperação ambiental Disponivel em:<http://w.br/ >Acesso em: 30 maio 2011. 2005.. W. p.br/ >Acesso em: 25 maio 2011. NETO..unifei. PR. 1994. p. São Paulo. S. Os Efeitos da Mineração sobre o Meio Ambiente. & Mello.cemarh. In: Anais do I Simpósio Brasileiro de Recuperação de Áreas Degradadas e I Simpósio Sul-americano. Disponível em: <http://w.com>. Disponível em: <http://w. mar. Univ. Esc.).59. COSTA. Tropical Forestry Action Plan.J.2. S.. SP. 1988.Ma. S. p. Rural v. DANIELS. JUCKSCH. Rev. L.). J. J.520. E. L. Brasil. SP. Sociol. Revista Saneamento Ambiental. CAIRNS. FAO. Recuperação de Áreas Urbanas Degradadas: Anais do I Congresso Brasileiro de Arborização Urbana. Mineração e Meio Ambiente.O. C. L. Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná. São Luís . Acesso em: 02 jun 2011. POMPÉIA. F. V. jan. Belo Horizonte. FONSECA. p. Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná. P. I. Wilson (ed. J. Y.37. Curitiba. (il. DIAS. PR.74-80. Biodiversity. 679p.3-334.). ALENCAR. J. L. p. In: Dias. 1994. GRIFFITH. National Academic Press. In: E. Rome. Curitiba. F. 7. Disponivel em:<http://w.scielo. PR.: GRIFFTITH. V.E. Fabio Gilberti De. Minas. 2008. Recuperação de Áreas Degradadas Usando Vegetação Nativa. 1980. GRIFFITH. E. Campos do Jordão.28-37. Recuperação conservacionista de superfícies mineradas: Uma revisão de literatura. IBRAM. Univ. 251p. Ouro Preto. J. Federal de Viçosa.scielo. 1998. A descoberta de uma jazida mineral ± uma abordagem de gestão econômica.br/ >Acesso em: 30 maio 2011. 1985. 2001 Recuperação de áreas degradadas. Disponível em: <http://w. J. PETTER.216-217. 1987. J.edu. S. Econ. p. Sociedade Brasileira de Recuperação de Áreas Degradadas. CASTRO. (eds. KAGEYAMA. et al. IBRAM. P..CUNHA. 1996. Federal do Paraná. W. DIAS. GRIFFITH. p. CARPANEZZI. A.br > Acesso em: 02 jun 2011.caetemh. Boletim Técnico SIF (2). 51.2 Brasília abr.. J. Brasil Mineral. Raul Olveira.679. G. L. Recuperação de Áreas Degradadas.scielo. J. Procedimentos Técnicos para Recuperação de Áreas Degradadas por Poluição:Anais do I Simpósio Brasileiro de Recuperação de Áreas Degradadas e I Simpósio Sul-americano. Restoration principals for disturbed lands..Carlos Otávio.

Espírito Santo. p. Curitiba. FRDSA. Recuperação de Áreas Degradadas. Revegetação: da Teoria a Pratica . Revegetação de encostas urbanas: o caso de Vitória:Anais do I Simpósio Brasileiro de Recuperação de Áreas Degradadas e I Simpósio Sul-americano. Linhares.350-362. p.v. Projeto contatado pela Companhia Vale do Rio Doce. Curitiba. 1994a. São Paulo. Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná. JESUS.679. FRDSA. Plano de Recuperação de Áreas Degradadas ± Ramal Costa Lacerda. Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná. 1994b. Projeto de Recuperação de Áreas Degradadas com Resgate da Biodiversidade nas áreas da VALESUL na grande Cataguases-MG.Paraná. R. JESUS. M. p. p. R. 1992. não publicado.679. Revista do Instituto Florestal. não publicado.Técnicas de Implantação: Anais do I Simpósio Brasileiro de Recuperação de Áreas Degradadas e I Simpósio Sul-americano. M..Capitão Eduardo. R.JESUS. . Linhares. Paraná. 1993.2 (parte única).7. Projeto Contratado pela Valesul Alumínio S/A. M.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful