Você está na página 1de 45
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ DIRETORIA DA ÁREA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ DIRETORIA DA ÁREA DE INDÚSTRIA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC

Prof. Rogério da Silva Oliveira, M.Sc Prof. Cícero Roberto de Oliveira Moura, M.Sc

Fortaleza

2010

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Se aproveitares bem o dia de hoje, dependerás menos do dia de amanhã. (Sêneca)

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

SUMÁRIO

1. PROCEDIMENTO GERAL

5

2. FUNDAMENTAÇÃO

6

3. CONCEITOS

7

3.1. CONHECIMENTO, CIÊNCIA E METODOLOGIA

8

3.2. PESQUISA CIENTÍFICA

9

4. CARACTERÍSTICAS DA MONOGRAFIA 15

4.1.

ESTRUTURA

15

4.1.1.

CAPA

16

4.1.2.

FOLHA DE ROSTO 16

4.1.3.

ERRATA

17

4.1.4.

TERMO DE APROVAÇÃO 17

4.1.5.

DEDICATÓRIA

17

4.1.6.

AGRADECIMENTOS

17

4.1.7.

EPÍGRAFE

17

4.1.8.

RESUMO

17

4.1.9.

LISTAS

18

4.1.10.

SUMÁRIO

18

4.1.11.

TEXTO PRINCIPAL

18

4.1.12.

CITAÇÃO

20

4.1.13.

REFERÊNCIAS 21

4.1.14.

APÊNDICES

24

4.1.15.

ANEXOS

24

4.1.16.

GLOSSÁRIO

25

4.2.

FORMATAÇÃO BÁSICA 25

4.2.1.

IMPRESSÃO

25

4.2.2.

ENCADERNAÇÃO

26

5.

APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA

27

5.1. REGRAS BÁSICAS

27

5.2. COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

27

5.3. RECURSOS AUDIOVISUAIS

27

5.4. ELEMENTOS PARA UMA BOA APRESENTAÇÃO

28

5.5. REGRAS BÁSICAS PARA PRODUZIR UM BOM SLIDE

29

5.6. CONSELHOS ÚTEIS

30

APÊNDICE A: EXEMPLO - CAPA 32

APÊNDICE B: EXEMPLO - FOLHA DE ROSTO

33

APÊNDICE C: EXEMPLO - TERMO DE APROVAÇÃO

34

APÊNDICE D: EXEMPLO - DEDICATÓRIA

35

APÊNDICE E: EXEMPLO - AGRADECIMENTOS

36

APÊNDICE F: EXEMPLO - EPÍGRAFE 37

38

APÊNDICE G: EXEMPLO - RESUMO

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

APÊNDICE H: EXEMPLO - ABSTRACT

39

APÊNDICE I: EXEMPLO - LISTA DE FIGURAS

40

APÊNDICE J: EXEMPLO - SUMÁRIO

41

APÊNDICE K: EXEMPLO - INTRODUÇÃO

42

APÊNDICE L: EXEMPLO – FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

43

BIBLIOGRAFIA

44

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

1. PROCEDIMENTO GERAL

1)

Matricular-se na disciplina TCC - Trabalho de Conclusão de Curso caso a expectativa de conclusão do trabalho seja do semestre corrente, caso não, matricular-se no semestre em que está planejada a conclusão do trabalho.

2)

Escolher o professor orientador do trabalho, fazer um pré-projeto do seu trabalho e apresentar ao orientador.

3)

Executar o trabalho. É recomendável reuniões periódicas (semanais ou quinzenais) com o orientador para acompanhamento.

4)

Escrever a monografia e providenciar a revisão do trabalho (gramática, ortografia, etc.).

5)

Preparar a apresentação e enviar ao orientador para eventuais correções. A apresentação só poderá ser feita com um prazo mínimo de 30 dias corridos antes do final do semestre.

6)

A banca é sugerida em comum acordo entre o orientador e o aluno. A indicação dos nomes dos professores para a banca é aprovada pelo orientador. Pede-se que seja feita uma consulta prévia, a fim de evitar a sobrecarga de alguns professores ou de contar com pessoas que eventualmente estejam ausentes no período.

7)

Entregar à equipe do orientador três cópias impressas do trabalho, para a distribuição entre os componentes da banca e uma cópia em formado eletrônico em formato Rich Text (*.rtf) ou no formato do MS Word (*.doc) ou similar.

8)

A apresentação perante a banca deverá ter duração entre 20 e 30 minutos. Agendar a sala de apresentação e se for necessário o uso de equipamentos multimídia, reservar a sala de áudio visual.

9)

Efetuar as possíveis correções sugeridas pela banca e enviar o arquivo da monografia (em meio eletrônico) para o orientador e professor de TCC.

10)

Duas cópias impressas em capa dura devem ser encaminhadas à Coordenação de Mecatrônica.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

2. FUNDAMENTAÇÃO

O presente manual destina-se à orientação dos trabalhos monográficos elaborados

pelos alunos do CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL, tendo ainda como escopo a padronização da sua apresentação física e formatação básica.

O manual tem por meta servir como fonte rápida e prática de consulta aos alunos;

assim, somente os tópicos mais comuns serão tratados, buscando-se a concisão e a simplicidade na exposição.

Este manual trata das formalidades que devem seguidas pelos acadêmicos na elaboração de suas monografias, quanto ao conteúdo. São transcritos conceitos e regras apresentadas em normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) sobre trabalho acadêmico, bem como outras orientações necessárias ao desenvolvimento da monografia.

A Metodologia Científica se apresenta como uma ferramenta fundamental no desenvolvimento de produções científicas pelos alunos que ingressam nas universidades e ao longo do curso são estimulados a desenvolver trabalhos científicos como parte dos requisitos de avaliação.

O estudo de Metodologia Científica abordará as principais regras da produção científica para os alunos de graduação, fornecendo uma melhor compreensão sobre a sua natureza e objetivos, podendo auxiliar para melhorar a produtividade dos alunos e a qualidade das suas produções.

A metodologia objetiva bem mais do que levar o aluno a elaborar projetos, a

desenvolver um trabalho monográfico ou um artigo científico como requisito final e conclusivo de um curso acadêmico. Ela almeja levar o aluno a comunicar-se de forma correta, inteligível, demonstrando um pensamento estruturado, plausível e convincente, através de regras que facilitam e estimulam à prática da leitura, da análise e interpretação de textos e conseqüentemente a formação de juízo de valor, crítica ou apreciação com argumentação plausível e coerente.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

3. CONCEITOS

Para Reflexão: “Se eu fosse o dono do mundo, a primeira coisa que eu faria seria fixar o significado da palavra, uma vez que a ação depende da definição.” Confúcio

Graduação - é o primeiro nível na estrutura do ensino superior. São cursos abertos a candidatos que tenham concluído o ensino médio ou equivalente e tenham sido classificados em processo seletivo, conforme a LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional) de

1996.

Pós-graduação - compreendem programas de mestrado e doutorado, cursos de especialização, aperfeiçoamento e outros, abertos a candidatos diplomados em cursos de graduação e que atendam às exigências das instituições de ensino, conforme a LDB de 1996. São estruturados segundo duas vertentes:

· Pós-Graduação stricto sensu (em sentido estrito), de natureza mais acadêmica e voltada para a geração do conhecimento, promove a formação de pesquisadores com amplo domínio de seus campos do saber, e leva à obtenção dos graus de mestre e doutor.

· Pós-Graduação lato sensu (em sentido amplo), ou especialização, visa principalmente ao aperfeiçoamento técnico-profissional, em uma área mais restrita do saber.

MBA (Master in Business Administration) - grau do ensino superior área de gestão empresarial. Os cursos de MBA normalmente têm enfoque mais voltado ao mercado do que acadêmico, com estudos de caso e professores com forte atuação profissional na área em que ministram. Devem ser realizados como pós-graduação lato sensu.

Extensão - são cursos ofertados pelas instituições de ensino superior organizados em qualquer campo do saber, com carga horária e público-alvo determinado pela instituição de ensino, sem necessidade de autorização do MEC.

Pós-doutorado - Possibilitar ao pesquisador a consolidação e atualização de seus conhecimentos e/ou a reorientação da sua linha de pesquisa por meio de estágio e desenvolvimento de projeto em instituição de reconhecido nível de excelência, com grupo de pesquisa consolidado na área de especialização do candidato. Os candidatos devem ter doutorado e algumas instituições recomendam que o pós-doutoramento não se realize no mesmo grupo em cujo âmbito se tenha realizado o doutoramento do candidato.

Monografia - é a exposição escrita de um único tema específico e bem delimitado, resultado de investigação científica ou produção intelectual. O Trabalho de Conclusão de Curso pode ser denominado Monografia quando é apresentado com requisito parcial para a conclusão de curso de graduação, ou quando é apresentado como requisito parcial para obtenção de título de especialista em cursos lato-senso. Tem por finalidade apresentar contribuição relevante ou original e pessoal em relação ao conhecimento, segundo normas metodológicas próprias.

Dissertação - documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico retrospectivo, de tema único e bem delimitado em sua extensão, com o objetivo de reunir, analisar e interpretar informações. Deve evidenciar o conhecimento de literatura existente sobre o assunto e a capacidade de sistematização do candidato. É feito sob a coordenação de um orientador (doutor). É a pesquisa desenvolvida em nível de pós-graduação (strictu-sensu), exigida como requisito para a obtenção do grau

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

acadêmico de mestre. Para tal, a monografia deve revelar domínio de conhecimentos específicos na área de concentração e capacidade de síntese.

Tese - documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou exposição de um estudo científico de tema único e bem delimitado. Deve ser elaborado com base em investigação original, constituindo-se em real contribuição para a especialidade. É a pesquisa desenvolvida também em nível de pós-graduação (strictu-sensu). Sua característica principal é a originalidade. Também é um trabalho monográfico defendido publicamente que deverá trazer uma contribuição efetiva para o conhecimento. Requisito exigido para obtenção do grau acadêmico de doutor.

Projeto de Pesquisa - é um relatório escrito e apresentado ao professor orientador, no qual o acadêmico especifica o problema que pretender pesquisar, situando-o espacial e temporalmente, expõe qual é o seu marco teórico de referência (impressões iniciais sobre o problema) e indica os meios e os métodos a serem empregados.

Artigo - é um texto com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas e resultados nas diversas áreas do conhecimento. O artigo pode ser original, quando apresenta temas ou abordagens próprias, e de revisão, quando resume, analisa e discute informações já publicadas.

Resenha - apresentação do conteúdo de uma obra, acompanhada de uma avaliação crítica. Expõe conteúdo, propósito e método e em seguida desenvolve uma apreciação crítica em relação ao conteúdo, distribuição das partes, do método, de sua forma e estilo.

3.1. CONHECIMENTO, CIÊNCIA E METODOLOGIA

CONHECIMENTO - Conjunto de insights (percepção), experiências, valores e informações contextuais, que existe dentro das pessoas, dos processos, das rotinas de trabalho e que se situariam próximos da ação. (Davenport e Prusak)

Conhecer é o processo de compreender e internalizar as informações recebidas, possivelmente combinando-as de forma a gerar mais conhecimento.

Segundo Nonaka & Takeuchi, existem dois tipos de conhecimento: tácito e explícito, O conhecimento tácito é aquele disponível com pessoas e que não se encontra formalizado em meios concretos. Já o conhecimento explícito é aquele que pode ser armazenado, por exemplo, em documentos, manuais, bancos de dados ou em outras mídias.

Níveis de Conhecimento:

Conhecimento Popular - também denominado conhecimento vulgar, conhecimento sensível (senso comum), ou ainda empírico, provém da experiência do dia a dia, fruto do acaso, obtido através de investigações pessoais feitas ao sabor das circunstâncias da vida ou então do saber dos outros e das tradições da coletividade.

Conhecimento Teológico (Religioso) - é o conhecimento revelado, aceito pela fé teológica, relativo a Deus, ser independente e origem do universo, revelado ao homem nas coisas, e no próprio homem, devido à sua imagem e semelhança ao criador. Este conhecimento é apoiado em doutrinas de proposições sagradas e direcionado à compreensão do mundo em sua totalidade.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Conhecimento Filosófico - a filosofia apoia-se basicamente na reflexão, suas hipóteses advêm da experiência e não da experimentação. Esta por sua vez fornece um amplo leque de interpretações e por conseguinte impressões, opiniões e conclusões diversas.

Conhecimento Científico – o conhecimento científico transpõe o empírico, pois procura conhecer não só o fenômeno, mas suas relações de causa e efeito. Pressupõe um ou mais problemas a serem resolvidos, ou hipóteses a serem confirmadas, através processos de pesquisa norteados por métodos.

CIÊNICA - conjunto de conhecimentos socialmente adquiridos ou produzidos, historicamente acumulados, dotados de universalidade e objetividade que permitem sua transmissão, e estruturados com métodos, teorias e linguagens próprias, que visam compreender e orientar a natureza e as atividades humanas. (Dic. Aurélio)

A ciência, pura ou básica, seja teórica ou experimental, se propõe unicamente a enriquecer o

conhecimento humano, geralmente de interesse do pesquisador.

O propósito da ciência é explicar e compreender de maneira abrangente, não só para descrever os fenômenos, mas também para predizer.

Tecnologia é o conjunto das aplicações da ciência básica. Os conhecimentos tecnológicos consistem em novos procedimentos, mediante os quais se alcançam fins práticos.

A Ciência e a Tecnologia são inseparáveis. Assim como a Tecnologia se apropria da Ciência,

esta não progride sem a outra.

METODOLOGIA - corpo de regras e diligências estabelecidas para realizar uma pesquisa. (Houaiss)

Conjunto de técnicas e processos utilizados para ultrapassar a subjetividade do autor e atingir

a obra literária. (Dic. Aurélio)

Explicação minuciosa, detalhada, rigorosa e exata de toda ação desenvolvida no método (caminho) do trabalho de pesquisa. É a explicação do tipo de pesquisa, do instrumental utilizado (questionário, entrevista etc), do tempo previsto, da equipe de pesquisadores e da divisão do trabalho, das formas de tabulação e tratamento dos dados, enfim, de tudo aquilo que se utilizou no trabalho de pesquisa.

Metodologia Científica é um conjunto de procedimentos padronizados que são utilizados no mundo acadêmico (científico) sempre que se deseja alcançar objetivos e soluções de problemas específicos. (Máttar Neto)

3.2. PESQUISA CIENTÍFICA

PESQUISA - é um conjunto de investigações, operações e trabalhos intelectuais ou práticos que tenham como objetivo a descoberta de novos conhecimentos, a invenção de novas técnicas e a exploração ou criação de novas realidades.

PESQUISA CIENTÍFICA - é um processo de busca, tratamento e transformação de informações, levado a efeito segundo determinadas regras fornecidas pela Metodologia da Pesquisa.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

TIPOS DE PESQUISA

Do ponto de vista da sua natureza:

- PESQUISA BÁSICA: objetiva gerar conhecimentos novos úteis para o avanço da ciência sem aplicação prática prevista. Envolve verdades e interesses universais.

- PESQUISA APLICADA: objetiva gerar conhecimentos para aplicação prática dirigidos à solução de problemas específicos. Envolve verdades e interesses locais.

Do ponto de vista da forma de abordagem do problema:

- PESQUISA QUANTITATIVA: considera que tudo pode ser quantificável, o que significa

traduzir em números opiniões e informações para classificá-las e analisá-las. Requer o uso de recursos e de técnicas estatísticas (percentagem, média, moda, mediana, desvio-padrão,

coeficiente de correlação, análise de regressão, etc.).

- PESQUISA QUALITATIVA: considera que há uma relação dinâmica entre o mundo real e o

sujeito, isto é, um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade do sujeito que

não pode ser traduzido em números. A interpretação dos fenômenos e a atribuição de significados são básicas no processo de pesquisa qualitativa. Não requer o uso de métodos e técnicas estatísticas. O ambiente natural é a fonte direta para coleta de dados e o pesquisador é o instrumento-chave. É descritiva. Os pesquisadores tendem a analisar seus dados indutivamente. O processo e seu significado são os focos principais de abordagem.

Do ponto de vista de seus objetivos:

- PESQUISA EXPLORATÓRIA: - Vvisa proporcionar maior familiaridade com o problema com vistas a torná-lo explícito ou a construir hipóteses. Envolve levantamento bibliográfico; entrevistas com pessoas que tiveram experiências práticas com o problema pesquisado; análise de exemplos que estimulem a compreensão. Assume, em geral, as formas de Pesquisas Bibliográficas e Estudos de Caso.

- PESQUISA DESCRITIVA: visa descrever as características de determinada população ou

fenômeno ou o estabelecimento de relações entre variáveis. Envolve o uso de técnicas

padronizadas de coleta de dados: questionário e observação sistemática. Assume, em geral,

a forma de Levantamento.

- PESQUISA EXPLICATIVA: visa identificar os fatores que determinam ou contribuem para a

ocorrência dos fenômenos. Aprofunda o conhecimento da realidade porque explica a razão, o

“porquê” das coisas. Quando realizada nas ciências naturais, requer o uso do método

experimental, e nas ciências sociais requer o uso do método observacional. Assume, em geral,

a formas de Pesquisa Experimental e Pesquisa Depois do Fato.

Do ponto de vista dos procedimentos técnicos:

- PESQUISA BIBLIOGRÁFICA: quando elaborada a partir de material já publicado, constituído principalmente de livros, artigos de periódicos e atualmente com material disponibilizado na Internet.

- PESQUISA DOCUMENTAL: quando elaborada a partir de materiais que não receberam tratamento analítico.

- PESQUISA EXPERIMENTAL: quando se determina um objeto de estudo, selecionam-se as

variáveis que seriam capazes de influenciá-lo, definem-se as formas de controle e de observação dos efeitos que a variável produz no objeto.

- LEVANTAMENTO: quando a pesquisa envolve a interrogação direta das pessoas cujo comportamento se deseja conhecer.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

- ESTUDO DE CASO: quando envolve o estudo profundo e exaustivo de um ou poucos objetos de maneira que se permita o seu amplo e detalhado conhecimento.

PESQUISADOR - são recomendáveis alguns atributos para ser um bom pesquisador. Além do conhecimento do assunto, deve ter curiosidade, criatividade, integridade intelectual e sensibilidade social. É também importante possuir humildade para ter atitude autocorretiva, uma imaginação disciplinada, perseverança, paciência e confiança na experiência. Seu sucesso está vinculado a sua capacidade de captar recursos e pessoas para trabalhar em sua equipe, fazendo alianças que proporcionem a tecnologia e os equipamentos necessários para o desenvolvimento de sua pesquisa. O resultado obtido com suas publicações pode garantir um maior prestígio e reconhecimento no mundo científico.

PROJETO DE PESQUISA - o projeto é uma das etapas componentes do processo de elaboração, execução e apresentação da pesquisa. Necessita ser planejada com extremo rigor, caso contrário o investigador, em determinada altura, encontrar-se-á perdido num emaranhado de dados colhidos, sem saber como dispor dos mesmos ou até desconhecendo seu significado e importância.

Em uma pesquisa, nada se faz ao acaso. Desde a escolha do tema, fixação dos objetivos, determinação da metodologia, coleta dos dados, sua análise e interpretação para a elaboração do relatório final (monografia, dissertação e tese), tudo é previsto no projeto de pesquisa.

O planejamento de uma pesquisa dependerá basicamente de três fases:

- FASE DECISÓRIA: referente à escolha do tema, à definição e à delimitação do problema de

pesquisa;

- FASE CONSTRUTIVA: referente à construção de um plano de pesquisa e à execução da pesquisa propriamente dita;

- FASE REDACIONAL: referente à análise dos dados e informações obtidas na fase

construtiva. É a organização das idéias de forma sistematizada visando à elaboração do relatório final. A apresentação do relatório de pesquisa deverá obedecer às formalidades requeridas pela Instituição de Ensino.

Etapas da Pesquisa:

- Escolha do tema;

- Formulação do problema;

- Justificativa;

- Determinação de objetivos;

- Metodologia;

- Revisão de literatura;

- Coleta e tratamento de dados;

- Análise e discussão dos resultados;

- Redação e apresentação do trabalho científico.

Obs.: Deve-se também fazer um cronograma do projeto e o orçamento de gastos necessário.

TEMA - escolher um tema significa eleger uma parcela delimitada de um assunto, estabelecendo limites ou restrições para o desenvolvimento da pesquisa pretendida.

O Tema deve ser:

- Restrito (focado);

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

- Preciso;

- Pertinente ao curso.

Fatores que influenciam na escolha do tema:

a. Está vinculada ao gosto pelo assunto a ser trabalhado.

b. Levar em consideração a quantidade de trabalho a ser executado.

c. Ter consciência de suas limitações de conhecimento.

d. Deverá ter uma importância para pessoas, grupos de pessoas ou para a sociedade.

e. Delimitado dentro do tempo possível para a conclusão do trabalho.

f. Disponibilidade do material para consulta.

FORMULAÇÃO DO PROBLEMA

Deve-se refletir sobre o problema que pretende resolver na pesquisa, se é realmente um problema e se vale a pena tentar encontrar uma solução para ele.

A pesquisa científica depende da formulação adequada do problema, isto porque objetiva

buscar sua solução.

É uma sentença em forma interrogativa ou uma questão sobre a relação de duas ou mais

variáveis ou fenômenos a serem pesquisados.

Sua formulação deve ser clara, compreensível e operacional.

JUSTIFICATIVA

Nesta etapa deve-se refletir sobre “o porquê” da realização da pesquisa procurando identificar as razões da preferência pelo tema escolhido e sua importância.

É o convencimento de que o trabalho de pesquisa é fundamental de ser efetivado. O Tema

escolhido pelo pesquisador e o Problema levantado são de suma importância, para a

sociedade ou para alguns indivíduos, de ser comprovada.

A Justificativa exalta a importância do tema a ser estudado, ou justifica a necessidade de se levar a tal empreendimento.

A justificativa deve indicar:

A relevância social do problema a ser investigado.

As contribuições que a pesquisa pode trazer no sentido de proporcionar respostas aos problemas propostos ou ampliar as formulações teóricas a esse respeito.

O estágio de desenvolvimento dos conhecimentos referentes ao tema.

A possibilidade de sugerir modificações no âmbito da realidade proposta pelo tema.

OBJETIVOS

A definição dos Objetivos determina o que o pesquisador quer atingir com a realização do

trabalho de pesquisa. Objetivo é sinônimo de meta, fim. Devem estar coerentes com a justificativa e o problema proposto.

São divididos em geral e específicos e deverá sintetizar o que se pretende alcançar com a pesquisa. O objetivo geral será a síntese do que se pretende alcançar, e os objetivos específicos explicitarão os detalhes e serão um desdobramento do objetivo geral.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Os objetivos devem ser iniciados com verbos que exprimam ação, tais como: conhecer, identificar, verificar, analisar, descobrir, avaliar, caracterizar, explicar, descrever,e determinar, entre outros.

MÉTODO

Nesta etapa deve-se definir onde e como será realizada a pesquisa.

Definirá o tipo de pesquisa, a população (universo da pesquisa), a amostragem, os instrumentos de coleta de dados e a forma como pretende tabular e analisar seus dados.

REVISÃO DA LITERATURA (FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA)

Deverá responder às seguintes questões: quem já escreveu e o que já foi publicado sobre o assunto, que aspectos já foram abordados, quais as lacunas existentes na literatura.

Saber ler e interpretar um texto é de fundamental importância. Para facilitar o processo de leitura recomenda-se que esta seja feita com base nas seguintes dimensões de análise:

ANÁLISE TEXTUAL: Requer o levantamento esquemático da estrutura redacional do texto. Objetiva mostrar como o texto foi organizado pelo autor permitindo uma visualização global de sua abordagem.

ANÁLISE TEMÁTICA: Requer a procura de respostas para as seguintes questões: de que trata o texto? Qual o objetivo do autor? Como o tema está problematizado? Que posições o autor assume? Que idéias defendem? O que quer demonstrar? Qual foi o seu raciocínio, a sua argumentação? Qual a solução ou a conclusão apresentada pelo autor?.

ANÁLISE INTERPRETATIVA: Requer análise dos posicionamentos do autor situando-o em um contexto mais amplo da cultura filosófica em geral. Deve-se fazer avaliação crítica das idéias do autor observando a coerência e validade de sua argumentação, a originalidade de sua abordagem, a profundidade no tratamento do tema, o alcance de suas conclusões.

Critérios para redação de um texto:

CLAREZA: deve ser escrito para ser compreendido;

CONCISÃO: deve dizer o máximo no menor número possível de palavras;

CORREÇÃO: deve ser escrito corretamente conforme as regras gramaticais;

ENCADEAMENTO: as frases, os parágrafos, os capítulos devem estar encadeados de forma lógica e harmônica;

CONSISTÊNCIA: o texto deve usar os verbos nos mesmos tempos, preferencialmente na voz ativa;

CONTUNDÊNCIA: o texto não deve fazer rodeios, e sim ir direto ao ponto desejado, apresentando as colocações de forma objetiva;

PRECISÃO: o texto deve evitar o uso de termos ambíguos ou apresentar a definição adotada;

ORIGINALIDADE: o texto deve evitar o uso de frases feitas. Deve ser autônomo e apresentar idéias novas;

FIDELIDADE: o texto deve respeitar o objeto de estudo, as fontes empregadas e o leitor. Devem estar indicadas as fontes usadas para escrevê-lo.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

COLETA E TRATAMENTO DE DADOS

Na fase de coleta deverá ocorrer a pesquisa de campo ou em laboratório, utilizando ferramentas como questionários, entrevistas ou outros meios de levantamento de dados.

O tratamento de dados coletados é caracterizado pela utilização de métodos manuais ou

computacionais para organização e análise. Nesta fase a informática é fundamental no suporte a elaboração de cálculos estatísticos, índices, tabelas, quadros e gráficos.

ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

Sintetizar os resultados obtidos com a pesquisa e explicitar se os objetivos foram atingidos é a característica desta etapa. Verificar também a contribuição dos resultados para o meio acadêmico e o desenvolvimento da ciência e tecnologia.

REDAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO

A redação do relatório de pesquisa: monografia, dissertação ou tese deverá ser escrito

considerando as normas de documentação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), visando a padronização da apresentação gráfica do texto e das indicações

bibliográficas.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

4. CARACTERÍSTICAS DA MONOGRAFIA

De um modo geral pode-se afirmar que uma monografia:

a) é um trabalho escrito, sistemático e completo, estudo pormenorizado e;

b) exaustivo, abordando vários aspectos e ângulos do caso;

c) trata de um tema específico ou particular de uma ciência ou de parte dela;

d) dá tratamento extenso em profundidade, mas não em alcance (pois é sempre delimitado);

e) possui metodologia científica.

f) traz uma contribuição importante, original e pessoal para a ciência.

Uma monografia não é:

Repetição pura e simples do que já foi dito por outros, sem apresentar nada de novo, seja em relação ao enfoque, seja em relação ao desenvolvimento ou às conclusões.

Resposta a uma espécie de questionário - não é simplesmente executar um trabalho semelhante ao que se fez em um exame ou deveres escolares.

Manifestação de meras opiniões pessoais sem fundamentá-las com dados comprobatórios logicamente correlacionados e embasados em raciocínio.

Uma cópia de trabalhos já expostos na internet. Estes podem e devem ser consultados, mas o autor deve ser citado. Escreva o que foi dito com suas palavras, sempre dando credito ao autor do original. Trabalhos que não obedecem a esta regra estão sujeitos a punições.

Um trabalho que se encomenda para outra pessoa escrever. o diploma é de quem fez o curso, portanto a monografia deve ser escrita por esta pessoa. Trabalhos que não obedecem a esta regra estão sujeitos a punições (para quem encomenda e para quem escreve).

4.1.

ESTRUTURA

Elementos pré-textuais:

Capa

Folha de Rosto

Errata

(opcional)

Termo de Aprovação

Dedicatória

(opcional)

Agradecimentos

(opcional)

Epígrafe

(opcional)

Resumo e Abstract

Listas

(opcional)

Sumário

Texto Principal:

Introdução

Fundamentação Teórica

Metodologia

Resultados / Estudo de Caso

Conclusão

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Elementos pós-textuais:

Referências

Apêndice (s)

(opcional)

Anexo (s)

(opcional)

Glossário

(opcional)

Opcional – A palavra opcional significa em seu uso corrente, a liberdade de praticar ou não praticar determinada ação. Por isso, cabe advertir que na apresentação da monografia, embora seja opcional, quanto mais elementos nela estiverem contidos, mais completo será o trabalho.

4.1.1. CAPA

A capa serve de proteção às páginas do volume que compõe a monografia; deve ser do mesmo tamanho das páginas (A4), preferencialmente de plástico transparente branco, para melhor proteger o documento, bem como para permitir ao leitor a visualização da folha de rosto, a qual indica o título da obra e seu autor. (Apêndice A)

Uma capa também deve ser posta após a última página do trabalho, com o mesmo escopo de proteção e manuseio; esta, todavia, deve ser de cor escura, de preferência preta, e opaca.

Informações indispensáveis à sua identificação, na seguinte ordem:

a) Instituição

b) Título do trabalho (subtítulo, se houver)

c) Nome do autor

d) Número do volume (se houver mais de um)

e) Local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado

f) Ano de depósito da entrega

4.1.2. FOLHA DE ROSTO

A folha de rosto é elemento obrigatório, que contém os elementos essenciais à identificação do trabalho. Deve conter: (Apêndice B)

a) Nome do autor (responsável intelectual do trabalho) - a 3 cm da margem superior:

b) Título do trabalho (subtítulo, se houver) no fim do primeiro terço da página (a 11 cm do topo), centralizado;

c) Natureza (tese, dissertação e outros) e objetivo (aprovação em disciplina, grau pretendido e outros); nome da instituição a que é submetido; área de concentração e o nome do orientador (se houver, do co-orientador) - logo abaixo (a 15 cm do topo), um parágrafo cuja margem esquerda se inicia no alinhamento vertical do centro do parágrafo do título da monografia;

d) Local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado - na parte mais baixa da folha, em parágrafos centralizados e sobrepostos.

e) Ano de depósito da entrega - logo abaixo do local.

No verso da folha de rosto deve conter a ficha catalográfica, conforme o Código de Catalogação Anglo-Americano - CCAA2 (opcional para nosso caso).

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

4.1.3. ERRATA

Elemento opcional, que consiste em uma lista das folhas e linhas em que ocorrem erros, seguida das devidas correções. Apresenta-se quase sempre em papel avulso ou encartado, acrescido ao trabalho depois de impresso. A errata, se houver, deve ser inserida logo após a folha de rosto. O texto da errata deve estar disposto da seguinte maneira:

Exemplo:

ERRATA

Folha

Linha

Onde se lê

Leia-se

32

3

publiacao publicação

4.1.4. TERMO DE APROVAÇÃO

Contém dados do trabalho, do aluno, da instituição, data de aprovação, e os nomes (com titulação e assinatura) da banca examinadora. (Apêndice C)

4.1.5. DEDICATÓRIA

A dedicatória é um pequeno texto onde o autor presta homenagem ou dedica seu

trabalho a pessoas do seu estreito relacionamento. (Apêndice D)

4.1.6. AGRADECIMENTOS

Elemento dirigido àqueles que contribuíram de maneira relevante à elaboração do trabalho. (Apêndice E)

4.1.7. EPÍGRAFE

Epígrafe é um elemento onde o autor apresenta uma citação, seguida de indicação de autoria, relacionada com a matéria tratada no corpo do trabalho. (Apêndice F)

Podem também constar epígrafes nas folhas de abertura das seções primárias.

4.1.8. RESUMO

a) Resumo na língua vernácula

Elemento que consiste na apresentação concisa dos pontos relevantes do trabalho. (Apêndice G)

Texto corrido, com no mínimo de 150 palavras e um máximo de 250 (500, no caso da dissertação), mostrando: objetivo, método, resultados, conforme a ABNT NBR 6028.

O Resumo deverá incluir palavras-chave imediatamente abaixo da última linha de texto.

Sugerem-se três palavras-chave com palavras representativas do conteúdo do trabalho, em português, separadas por vírgula, com primeira letra de cada palavra em maiúsculo e o restante em minúsculo.

seguido, logo abaixo, das palavras representativas do conteúdo do trabalho, isto é, palavras-chave e/ou descritores,

b) Resumo na língua estrangeira

Elemento obrigatório, que consiste em uma versão do resumo em idioma de divulgação internacional (em inglês Abstract, em castelhano Resumen, em francês Résumé, por exemplo). (Apêndice H)

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Não é um texto diferente do resumo, é apenas a sua tradução em outra língua.

O abstract pode e deve ser feito por um profissional. Isso é tão importante quanto a

revisão ortográfica do trabalho.

4.1.9. LISTAS

LISTA DE ILUSTRAÇÕES: deve ser elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto, com cada item acompanhado do respectivo número da página. Recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo de ilustração (quadros, lâminas, plantas, fotografias, gráficos, organogramas, fluxogramas, esquemas, desenhos e outros). (Apêndice I)

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS: relação alfabética das abreviaturas e siglas utilizadas no texto, seguidas das palavras ou expressões correspondentes grafadas por extenso. Recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo.

LISTA DE SÍMBOLOS (opcionais): deve ser elaborado de acordo com a ordem apresentada no texto, com o devido significado.

4.1.10. SUMÁRIO

Consiste na enumeração das principais divisões, seções e outras partes do trabalho, na mesma ordem e grafia em que a matéria nele se sucede, acompanhado do respectivo número da página. (Apêndice J)

Não incluir no sumário o que vem antes dele (abstract, por exemplo). E não esquecer de listar os elementos pós-textuais (apêndices e anexos, em especial).

4.1.11. TEXTO PRINCIPAL

O texto principal (Elemento Textual) é a monografia em si. No mínimo, divide-se em

três partes, que podem ganhar capítulos destacados: introdução, desenvolvimento e

conclusão. São itens com numeração (itens e subitens).

Deve utilizar verbos na terceira pessoa ou no infinitivo.

4.1.11.1. Introdução

Na introdução, o autor expõe o problema que motivou a pesquisa, situando-o espacial e temporalmente, indicando o objetivo e o método nesta empregado. É a parte do trabalho onde o assunto é apresentado como um todo, sem detalhes. Trata-se do elemento explicativo do autor para o leitor. (Apêndice K)

O conteúdo da introdução pode conter:

.

Apresentação do tema

.

Objetivos do trabalho (gerais e específicos)

.

Justificativa

.

Limitações

.

Metodologia adotada na pesquisa

.

Estrutura geral do trabalho

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

4.1.11.2. Desenvolvimento

O desenvolvimento do trabalho é a parte principal dele, onde o autor faz uma retrospectiva da situação problemática, como ela vem sendo tratada pela comunidade científica, elabora sua crítica e apresenta suas teses, explicando, detalhadamente, suas conclusões.

Citar todas as bases e todos os dados utilizados.

. Fundamentação Teórica ou Revisão da Literatura (Apêndice L)

Mostra, por meio da compilação crítica e retrospectiva de várias publicações, o estágio de desenvolvimento do tema da pesquisa e estabelece um referencial teórico para dar suporte ao desenvolvimento o trabalho.

. Metodologia ou Tratamento Metodológico

Fornece o conjunto de procedimentos técnicos utilizados na pesquisa bibliográfica, de campo ou de laboratório. Usualmente utilizado para monografias, dissertações e teses.

Deve:

a) Fornecer o detalhamento da pesquisa.

b) Esclarecer os caminhos que foram percorridos para chegar aos objetivos propostos;

c) Apresentar

todas

as

especificações

técnicas

dos

materiais

e

dos

equipamentos

empregados;

d) Indicar como foi selecionada a amostra e o percentual em relação à população estudada;

e) Apontar os instrumentos de pesquisa utilizados (questionário, entrevista, etc.);

f) Mostrar como os dados foram tratados e como foram analisados.

. Resultados

Descrevem analiticamente os dados levantados, por uma exposição sobre o que foi observado e desenvolvido na pesquisa.

A descrição pode ter o apoio de recursos estatísticos, tabelas e gráficos, elaborados no decorrer da tabulação dos dados.

Na análise e discussão, os resultados estabelecem as relações entre os dados obtidos, o problema da pesquisa e o embasamento teórico dado na revisão da literatura.

Os resultados podem estar divididos por tópicos com títulos logicamente formulados.

4.1.11.3. Conclusão

A conclusão é a síntese interpretativa dos argumentos ou dos elementos contidos no desenvolvimento. Por isso não admite nenhuma idéia, nenhum fato ou argumento novo.

Deve conter:

.

Síntese das discussões (resultados)

.

Limitações

.

Proposta de novos trabalhos

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Obs.: No corpo do texto principal podem ser inseridos elementos gráficos, fotos, tabelas etc., desde que essenciais para a sua compreensão, caso contrário, estes são inseridos como apêndices ou anexos.

4.1.12. CITAÇÃO

Menção, no texto, de uma informação extraída de outra fonte, conforme a NBR 10520.

Citação Direta: usa a idéia e a forma do autor citado. A é transcrição literal e virá entre “aspas”.

Citações diretas com até 3 linhas, aparecem no texto entre aspas; as citações maiores aparecem destacadas (recuo de 4 cm da margem esquerda, letra menor, sem aspas).

Exemplo:

Segundo Vieira (1998, p.5) o valor da informação está “diretamente ligado à maneira como ela ajuda os tomadores de decisões a atingirem as metas da organização”.

Drucker (1997, p.XVI) chama a nova sociedade de sociedade capitalista. Nesta nova sociedade:

O recurso econômico básico - ‘os meios de produção’, para usar uma expressão dos economistas - não é mais o capital, nem os recursos naturais (a ‘terra dos economistas’), nem a ‘mão-de-obra’. Ele será o conhecimento. As atividades centrais de criação de riqueza não serão nem a alocação de capital para usos produtivos, nem a ‘mão-de-obra’ - os dois pólos da teoria econômica dos séculos dezenove e vinte, quer ela seja clássica, marxista, keynesiana ou neoclássica. Hoje o valor é criado pela ‘produtividade’ e pela ‘inovação’, que são aplicações do conhecimento ao trabalho. Os principais grupos sociais da sociedade do conhecimento serão os ‘trabalhadores do conhecimento’ - executivos que sabem como alocar conhecimento para usos produtivos

Podem ser alteradas, mediante uso de [ ]

Citação Indireta: usa só a idéia do autor. É uma citação livre, usando suas palavras para dizer o mesmo que o autor disse no texto. A idéia expressa continua sendo de autoria do autor que você consultou.

Exemplo:

O valor da informação está relacionado com o poder de ajuda aos tomadores de decisões a atingirem os objetivos da empresa (VIEIRA, 1998).

Citação de Citação: menção de um documento ao qual você não teve acesso, mas que tomou conhecimento por citação em um outro trabalho.

É obrigatório o uso da expressão apud (“citado por”) entre estes autores.

Exemplo:

Porter (apud CARVALHO e SOUZA, 1999, p.74) considera que “a vantagem competitiva surge fundamentalmente do valor que uma empresa consegue criar para seus compradores e que ultrapassa o custo de fabricação pelas empresas”.

Sistemas de chamada: . Numérico

Sistema Numérico:

. Autor x Ano

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Exemplo:

Segundo Stewart, “o capital humano é a capacidade, conhecimento, habilidade e experiências individuais ”

Sistema Autor x Ano:

Indicar o sobrenome do autor do texto citado e o ano desta publicação (permitindo localizar a obra nas referências!).

No caso de citações diretas, é obrigatório citar também a página em que se localiza o texto transcrito. (Nos demais casos, é elegante citar a página)

Quando o crédito é dado no texto, o sobrenome é grafado normalmente (letras maiúsculas e minúsculas).

Quando o crédito é dado fora do texto (entre parênteses), todo o sobrenome aparece em letras maiúsculas!

Exemplos:

Leal (2002, p.40) diz que “a educação [

5

]

permite a aquisição de habilidades importantes”.

ou

“a

educação [

]

permite a aquisição de habilidades importantes” (LEAL, 2002, p.40).

Quando houver coincidência de autores com o mesmo sobrenome e data de edição, acrescentam-se as iniciais de seus prenomes.

Exemplos:

Segundo Cintra, O. (1998)

Conforme Cintra, A. (1998)

As citações de diversos documentos e o mesmo autor, publicados no mesmo ano, são distinguidas pelo acréscimo de letras minúsculas após a data e sem espacejamento.

Exemplos:

Na concepção teórica de estratégias de leitura apresentada em análise documentária Cintra

(1987a) concorda com a visão

O domínio da estrutura textual implica o conhecimento das partes

.

(CINTRA, 1987b).

Obs.: O formato das citações no TCC deve ser no formato autor-data, conforme NBR 10520.

4.1.13. REFERÊNCIAS

Conjunto padronizado de elementos descritivos retirados de um documento, que permite sua identificação individual, conforme a NBR-6023.

Todas as obras citadas no texto devem obrigatoriamente figurar nas referências bibliográficas para permitir identificação inequívoca da obra.

Elas permitem que o leitor rastreie a veracidade das afirmativas feitas (quesito “verificável”, do saber científico).

Item pós-textual colocado logo depois da conclusão, e não leva numeração.

Toda referência incluída na lista deve ter sido citada no texto e vice-versa.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Referências devem ser listadas em ordem alfabética ao final do trabalho. Para cada referência, recuar todas as linhas, exceto a primeira, de 0,7cm a partir da margem esquerda. Todas deverão ser alinhadas à esquerda.

A NBR-6023 exige a colocação de três dados nas referências:

a) A autoria do trabalho;

b) O título do trabalho;

c) Os dados básicos da publicação.

Outros dados podem ser colocados, mas não são obrigatórios. Exemplos:

Título original da obra Tradutor da obra Formato da publicação, etc

A Autoria:

Usa-se o último sobrenome (paterno) do autor, em caixa alta.

Os prenomes e demais sobrenomes podem ser citados de várias formas (recomendo colocar por extenso, para evitar dubiedade).

Ex:

RODRIGUES, Celso Luiz Pereira RODRIGUES, Celso Luiz P. RODRIGUES, Celso L. P. RODRIGUES, Celso RODRIGUES, C.

RODRIGUES

Observações:

a)

Os indicativos de parentesco (Filho, Júnior, Sobrinho, Segundo, etc) não são sobrenomes!

As partículas (de, da) em geral não fazem parte do sobrenome, salvo em casos especiais

Ex:

Existindo, eles seguem o último sobrenome. SEVERIANO FILHO, Cosmo.

b)

GUALBERTO FILHO, Antônio.

Ex:

(Von, Del, Mc). SILVA, Jerônimo Lima da DEL CARLO, Ualfrido McCORMICK, Ernest

c)

Caso existam diversos autores, eles devem ser separados por ; (ponto e vírgula).

Ex: FROTA, Anésia; SCHIFFER, Sueli.

d) Quando existirem mais de três autores pode-se citar apenas o primeiro, seguindo-se a expressão et al.

Ex.: GUÉRIN, F. et al. Ou: GUÉRIN, F.; LAVILLE, A; DANIELLOU, F.; DURAFFOURG, J.; KERGUELEN, A

e) Quando um autor tem um papel diferenciado dos demais, isto deve ser destacado.

Ex.: CONTADOR, José Celso (org.)

f) Caso o autor seja uma instituição, todo o nome vem em caixa alta.

Ex.: UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ.

g) Caso não exista uma autoria definida, a referência se inicia pelo título do trabalho. Neste caso, apenas a primeira palavra é grafada com letras maiúsculas.

Ex.: O DESCOBRIMENTO do Brasil.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

h) A denominação do trabalho deve focar o nome comercial da obra, e ser destacada de

forma constante (sublinhado, negrito, etc). Ex: RODRIGUES, Celso Luiz Pereira. Métodos de dimensionamento de estações de trabalho

e seus reflexos nas condições de segurança.

i) Se houver, deve-se indicar o sub-título (separado do título por dois pontos, e sem destaque).

j) Se for consultada apenas uma parte do trabalho, isto deve ser indicado! Para isto, usa-se a expressão In, destacando-se a obra completa.

k) Se não for a primeira edição, isto deve ser indicado! Usar apenas o número da edição e as letras ed (3.ed., por exemplo).

l) Os dados obrigatórios acerca da publicação são: local da editora: nome da editora, ano. No campo “local”, indicar apenas o nome da cidade em que se localiza a entidade responsável pela publicação do trabalho. Só mencionar o estado se existirem cidades homônimas!

m) Indicar apenas o nome da editora, e não a sua razão social!

Ex: Edgard Blücher, e não Editora Edgar Blücher Ltda.

n) Indicar o ano correspondente à edição utilizada. Em caso de dúvida, colocar o que se supõe ser coreto, com interrogação.

Ex: São Carlos: UFSCar, 1986?.

o) Em caso de desconhecimento, registrar o fato entre colchetes:

[s.l.] = sem local conhecido [s.e.] = sem editora conhecida [s.d.] = sem data conhecida.

p) As referências devem ser:

alinhadas à esquerda (e não justificadas) digitadas em espaço simples (e não duplo) separadas uma do outra por espaço duplo

Exemplos:

Livro:

GOMES, L. G. F. F. Novela e sociedade no Brasil. Niterói: Ed. UFF, 1998. 137 p., 21 cm. (Coleção Antropologia e Ciência Política, 15). Bibliografia: p. 131-132.

PERFIL da administração pública paulista. 6. ed. São Paulo: FUNDAP, 1994. 317 p., 28 cm. Inclui índice.

Tese:

BARCELOS, M. F. P. Ensaio tecnológico, bioquímico e sensorial de soja e guandu enlatados no estádio verde e maturação de colheita. 1998. 160 f. Tese (Doutorado em Nutrição) - Faculdade de Engenharia de Alimentos, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Trabalho de Congresso:

SILVA, R. N.; OLIVEIRA, R. Os limites pedagógicos do paradigma da qualidade total na educação. In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UFPe, 4., 1996, Recife. Anais

eletrônicos

educ/ce04.htm>. Acesso em: 21 jan. 1997.

Dicionário:

Recife: UFPe, 1996. Disponível em: <http://www.propesq.ufpe.br/anais/anais/

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

HOUAISS, A. (Ed.). Novo dicionário Folha Webster’s: inglês/português, português/inglês. Co-editor Ismael Cardim. São Paulo: Folha da Manhã,

Coleção de Revista:

REVISTA BRASILEIRA DE GEOGRAFIA. Rio de Janeiro: IBGE, 1939. Trimestral. Absorveu Boletim Geográfico do IBGE. Índice acumulado, 1939-1983. ISSN 0034-723X. BOLETIM GEOGRÁFICO. Rio de Janeiro: IBGE, 1943-1978. Trimestral.

Fascículo de Revista:

DINHEIRO: revista semanal de negócios. São Paulo: Ed. Três, n. 148, 28 jun. 2000. 98 p.

Artigo de Revista:

GURGEL, C. Reforma do Estado e segurança pública. Política e Administração, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 15-21, set. 1997.

Artigo na Internet:

RIBEIRO, P. S. G. Adoção à brasileira: uma análise sócio-jurídica. Datavenia, São Paulo, ano 3, n. 18, ago.1998. Disponível em: <http://www.datavenia.inf.br/frameartig.html>. Acesso em:

10 set. 1998.

WINDOWS 98: o melhor caminho para atualização. PC World, São Paulo, n. 75, set. 1998. Disponível em: <http://www.idg.com.br/abre.htm>. Acesso em: 10 set. 1998.

Anais de Congresso:

SIMPÓSIO BRASILEIRO DE REDES DE COMPUTADORES, 13., 1995, Belo Horizonte.

Anais

Base de Dados:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Biblioteca de Ciência e Tecnologia. Mapas. Curitiba, 1997. Base de Dados em MicroIsis, versão 3.7.

Mesmo Autor com mesmo Ano:

CINTRA, Ana Madalena. Elementos de lingüística para estudos de indexação automatizada. Ciência da Informação, Brasília, v.15, n.2, p.5-22, jan./jun.1987b.

CINTRA, Ana Madalena. Estratégias de leitura em documentação. In: SMITT, Johanna. Análise documentária: análise da síntese. Brasília: IBICT, 1987a. p.29-38.

Belo Horizonte: UFMG, 1995. 655 p.

4.1.14. APÊNDICES

Aparece no final do trabalho. Apêndice, segundo a ABNT NBR-14724, consiste em um texto ou documento elaborado pelo próprio autor, a fim de complementar sua argumentação, sem prejuízo da unidade nuclear do trabalho. Os apêndices são identificados por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelos respectivos títulos. Exemplo:

APÊNDICE A - Formulário de Pesquisa de Dados de Laboratório

APÊNDICE B - Questionário de Pesquisa de Campo

4.1.15. ANEXOS

Consiste em um texto ou documento não elaborado pelo autor, que serve de fundamentação, comprovação e ilustração. Os anexos são identificados por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelos respectivos títulos. Exemplo:

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

ANEXO A - Representação gráfica de contagem de células inflamatórias presentes nas

caudas em regeneração - Grupo de controle I (Temperatura

ANEXO B - Representação gráfica de contagem de células inflamatórias presentes nas

caudas em regeneração - Grupo de controle II (Temperatura

)

)

4.1.16. GLOSSÁRIO

Elemento que consiste em uma lista em ordem alfabética de palavras ou expressões técnicas de uso restrito ou de sentido obscuro, utilizadas no texto, acompanhadas das respectivas definições.

4.2. FORMATAÇÃO BÁSICA

4.2.1. IMPRESSÃO

Os textos devem ser apresentados em papel branco, formato A4 (21,0 cm x 29,7 cm),

digitados no anverso (frente) da folha, exceto a folha de rosto.

Deve-se, para digitação, utilizar a fonte (Arial do MS Word) tamanho 12 para o texto e tamanho 10 para citações longas e notas de rodapé. Palavras em língua estrangeira devem ser escritas em itálico.

A impressão do texto principal deve ser feita em tinta preta. Outras cores,

principalmente as mais vivas, devem ser de uso restrito às eventuais ilustrações, fotos e

tabelas.

As folhas devem apresentar margem esquerda de 3,0 cm; direita, superior de e inferior

de 2,5 cm.

Cada parágrafo deverá ter um recuo de 1,25cm e todo texto deve ser digitado com 1,5 de entrelinhas.

As citações longas, as notas, as referências e os resumos em vernáculo e em língua

estrangeira devem ser digitados em espaço simples.

Os títulos das seções devem ser separados do texto que os precede ou que os sucede

por uma entrelinha dupla (um espaço duplo ou dois espaços simples). Devem ser posicionados à esquerda, numerados com algarismos arábicos (1. , 2. , 3. etc.). Deve-se utilizar texto em negrito e com todas as letras maiúsculas. Não colocar ponto final nos títulos, nem dois pontos. Deverá ser posicionada uma linha abaixo e acima do corpo de texto. Resumo, Agradecimento, Lista de Ilustrações, Referências, Apêndices e Anexos não recebem numeração e devem ser centralizados.

Usar somente dois ou no máximo quatro níveis para subseções. Deve-se utilizar texto em negrito e com somente a primeira letra em maiúsculo. Deverá ser posicionada uma linha abaixo e acima do corpo de texto.

Figuras, quadros e tabelas devem legíveis e ter legendados abaixo das mesmas, centralizado e citando a fonte de pesquisa (tamanha da fonte igual a 10). Todas deverão ser referenciadas no texto.

Todas as folhas do trabalho, a partir da folha de rosto, devem ser contadas seqüencialmente, mas não numeradas. A numeração é colocada, a partir da primeira folha da parte textual, em algarismos arábicos, no canto superior direito da folha, a 2,5 cm da borda superior, ficando o último algarismo a 2,5 cm da borda direita da folha. Havendo apêndice e

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

anexo, as suas folhas devem ser numeradas de maneira contínua e sua paginação deve dar seguimento à do texto principal.

Para evidenciar a sistematização do conteúdo do trabalho, deve-se adotar a numeração progressiva para as seções do texto. Os títulos das seções primárias, por serem as principais divisões de um texto, devem iniciar em folha distinta Destacam-se gradativamente os títulos das seções, utilizando-se os recursos de negrito ou itálico.

O formato das citações deve ser no formato autor-data, conforme NBR 10520.

As Referências devem ser listadas em ordem alfabética ao final do trabalho. Todas deverão ser alinhadas à esquerda. Entre uma referência e outra deve ter um espaço de 6 pontos. Toda referência incluída na lista deve ter sido citada no texto e vice-versa.

Após aprovação do trabalho pelo orientador, deverá ser agendada sua apresentação com o orientador, que será o responsável pela composição dos membros da banca examinadora.

Após a apresentação do artigo o aluno deve providenciar as correções definidas pelos membros banca e enviar o trabalho, em meio digital, corrigido para o orientador e para o professor de TCC. O orientador deve enviar um e-mail ao professor de TCC informando o título do artigo apresentado, nome do aluno, data da apresentação, média da nota dos membros da banca (ou nota de cada um) e nome completo dos membros da banca.

4.2.2. ENCADERNAÇÃO

A encadernação serve para facilitar o manuseio e a conservação das laudas da monografia e deve ser feita depois de aprovada a monografia. O aluno deverá entregar à coordenação do cruso dois volumes da versão definitiva em capa dura, na cor preta. Um CD contendo a versão aprovada da monografia em arquivo no formado do Microsoft Office, OpenOffice ou Latex. Caso seja relevante anexar um CD com tabelas, arquivos, informações adicionais e citadas na monografia, colar um envelope com outro CD na 3a capa da monografia, e identificado com o título do trabalho e o autor.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

5. APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA

5.1. Regras Básicas

Qualquer indivíduo, com algum treinamento, pode expor suas idéias, apresentar um trabalho ou fazer uma apresentação, sem maiores dificuldades, desde que conheça o assunto sobre o qual deverá falar. Prepare adequadamente a sua apresentação e siga algumas regras básicas.

Seja criterioso, prepare sua apresentação com dedicação, organize suas idéias, faça um roteiro, prepare slides de apoio, use linguagem corrente, seja educado e atencioso e respeite o tempo previsto para o seu trabalho.

5.2. Comunicação Científica

Entende-se como a troca de informações entre membros de uma comunidade científica.

Podem ser divididas em:

- Comunicação Oral

- Aulas

- Palestras

- Mesa Redonda ou Painel

- Seminários

- Simpósio

- Conferências

- Congressos

- Comunicação Escrita

- Relatório

- Pôster em Congresso

- TCC ou TFC

- Monografia

- Dissertação

- Tese

- Artigos ou Paper

5.3. Recursos Audiovisuais

A apresentação que utiliza recursos audiovisuais tem todas as chances de assegurar a compreensão e a memorização dos principais pontos do tema discutido, por uma platéia atenta.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Tipos e aplicações:

COMPUTADOR

Uma apresentação destinada a um número reduzido de participantes pode ser ilustrada por gráficos, tabelas ou pranchas, projetadas na tela de um computador.

FLIP CHARTS

Grupos pouco maiores podem visualizar com facilidade o material de ilustração preparado em cartazes.

o material de ilustração preparado em cartazes. RETROPROJETOR A projeção de transparências em retr
o material de ilustração preparado em cartazes. RETROPROJETOR A projeção de transparências em retr

RETROPROJETOR

A projeção de transparências em retroprojetor é um método adequado para ilustrar uma apresentação para grupos pequenos e médios de pessoas, além de ser de preparo fácil, rápido e de baixo custo.

além de ser de preparo fác il, rápido e de baixo custo. PRFOJETOR MULTIMÍDIA (Slides) As

PRFOJETOR MULTIMÍDIA (Slides)

As apresentações para mais de 25 ou 30 pessoas, por exemplo, podem ser melhor ilustradas com o emprego da projeção de slides (diapositivos).

O preparo dos slides são frequentemente feitos com programas de computador, destinados

àquela finalidade. Dentre estes, o mais usado é o PowerPoint, preferido pela maioria dos apresentadores.

5.4. Elementos para uma Boa Apresentação

a) ATENÇÃO AOS DETALHES

Certifique-se de saber a data, local, sala e a hora exatos da sua apresentação.

Informe-se sobre a audiência prevista, tipo de público, número aproximado de participantes, especialmente se você pretende distribuir um resumo escrito da sua apresentação.

Chegue ao local com antecedência, para uma checagem final das condições gerais e ainda a tempo de promover eventuais ajustes, se necessário.

b) NÚMERO DE SLIDES ADEQUADO

Uma boa regra para determinar o número ideal de slides é considerar no máximo, um slide simples para cada minuto de apresentação.

A apresentação de um tema livre com a duração de 10 minutos deve ser feita com um número de slides entre 6 e 8 (máximo de 10 slide).

Um número maior de slides assegura que ou o tempo da apresentação será ultrapassado ou

os últimos slides não serão mostrados.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

c) ATENÇÃO À PLATÉIA

Enquanto estiver falando, retribua a atenção que a platéia dispensa ao apresentador. Olhe para o seu público e não fixe o olhar apenas em algum conhecido sentado na primeira fila ou nos slides que ilustram a sua apresentação.

tempo é

insuficiente para demonstrar os principais aspectos relacionados ao tema que nos propomos

Além de não significar muita, estas frases desperdiçam um tempo

precioso para apresentador.

d) MANTENHA A CALMA

Para manter a calma você deve estar preparado para a apresentação. Focalize sua atenção na apresentação e não na platéia. Use gestos e movimente-se. Pratique a abertura da sua apresentação e planeje exatamente como ela deve ser e como você vai fazê-la. A platéia, em geral, julga você nos primeiros 30 segundos da sua apresentação.

e) EXPERIÊNCIA PESSOAL

Sempre que possível use exemplos e casos da sua experiência pessoal. Intercale pequenos casos que podem enfatizar o seu ponto de vista. Compartilhe a sua experiência com a platéia.

f) PLANEJE SEUS GESTOS

Estabeleça algumas posições em que você deve ficar a maior parte do tempo e mova-se entre elas. Evite ficar parado no mesmo ponto com as mãos para traz ou no bolso. Fale preferencialmente de pé, a menos que a organização da mesa requeira o contrário. Sempre que se mover, mantenha contato visual com a platéia.

g) USE HUMOR NATURAL

Não tente transformar sua apresentação numa comédia. Uma ligeira "pitada" de humor pode ser benéfica a apresentação. Use um humor natural - faça um leve gracejo com alguma coisa que você disse ou mostrou. Nunca faça piadas com alguém da platéia. Se você não tem experiência com apresentação, é melhor evitar este item.

h) “DAR A IMPRESSÃO"

A melhor maneira de "dar a impressão" de que você conhece o assunto de que está falando é

realmente conhecer o assunto sobre sua apresentação. Isto significa que você deve conhecer estar capacitado a responder algumas perguntas relacionadas ao tema.

Porém, é impossível para estar preparado para responder toda e qualquer pergunta sobre o assunto. Assim, não é nenhuma vergonha responder não sei, quando a resposta não lhe ocorre imediatamente. Esta resposta é preferível à uma resposta incorreta, incompleta ou à uma divagação inconclusiva sobre o tema da pergunta. A platéia aceita melhor e compreende perfeitamente.

5.5. Regras Básicas para Produzir um Bom Slide

a) COLOQUE TÍTULO

Evite os repetitivos jargões dos apresentadores, por exemplo:

discutir nessa sessão"

"infelizmente

o

Um bom título deve ser simples, de poucas palavras e muito esclarecedor.

O título auxilia o ouvinte a identificar imediatamente as informações que irá observar nos slides.

O título deve ser colocado na parte superior do slide.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

b) ESCREVA COM LETRAS LEGÍVEIS

Escolha letras grandes, com tamanho suficiente para serem lidas por todas as pessoas da

sala.

Alguns slides são produzidos com letras tão pequenas que só quem está nas primeiras fileiras consegue ler. Os demais ficam sem entender do que se trata e, por isso, podem perder o interesse pela exposição.

c) COMPONHA FRASES CURTAS

Cada frase deve representar em essência uma idéia completa, com o menor número de palavras possível. De maneira geral, seis ou sete palavras são suficientes.

d) USE POUCAS LINHAS

Como idéia de grandeza, procure usar seis ou sete linhas.

e) USE CORES

Use, mas não abuse. Use cores contrastantes para destacar bem as informações e estabeleça um limite de três a quatro cores por visual.

f) UTILIZE APENAS UMA ILUSTRAÇÃO EM CADA VISUAL

A ilustração pode ajudar a tornar clara a mensagem, facilitando a compreensão dos ouvintes. Uma única ilustração é suficiente. Se precisar, complemente o visual com setas e flechas que orientem o sentido em que a informação deve ser lida - horizontal, vertical, de cima para baixo, de baixo para cima, etc.

g) RETIRE TUDO O QUE PREJUDICAR A COMPREENSÃO DA MENSAGEM

Retire todas as informações desnecessárias, como números, gráficos, legendas que possam distrair a concentração ou dificultar o entendimento do ouvinte. Só deixe no visual os dados que facilitem a compreensão da mensagem.

5.6. Conselhos Úteis

a. Verificar antecipadamente a ordem dos slides, o estado do projetor e do microfone se necessário.

b. Ensaiar a apresentação.

c. Não complicar e concentrar-se no que fala e não nos detalhes.

d. Falar devagar e cuidado com os vícios de linguagem.

e. Checar o nível de compreensão da platéia.

f. Não ler simplesmente o que está escrito e, sim, falar sobre o material.

g. Usar anotações se necessário (é permitido).

h. Nunca exceder o tempo previsto.

i. Ser educado e polido.

j. Ser natural e permanecer tranqüilo.

k. Ao responder as questões, remiti-las e agradecer.

l. Terminar com estilo, para ser lembrado (Gran Finale).

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

m.Apresentações de artigo e monografias devem conter somente conteúdo do trabalho escrito.

n. Quando os membros da banca de defesa sugerirem correções e alterações, agradecer e anotar sugestões.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Apêndice A: Exemplo - Capa

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ

CURSO DE TECNOLOGIA EM MECATRÔNICA INDUSTRIAL

Nome da instituição de ensino (Fonte: Arial, Negrito - 13 e 12 - maiúsculas -
Nome da instituição de ensino
(Fonte: Arial, Negrito - 13 e 12 -
maiúsculas - centradas)
Título do Trabalho (Fonte: Arial, Negrito - 16 - maiúsculas - centradas)
Título do Trabalho
(Fonte: Arial, Negrito - 16 -
maiúsculas - centradas)

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO

JOAQUIM JOSÉ DA SILVA

Cidade e Ano de conclusão dos trabalhos. (Fonte: Arial, Negrito - 14 - maiúsculas -
Cidade e Ano de
conclusão dos trabalhos.
(Fonte: Arial, Negrito - 14
- maiúsculas - centradas)
Nome Completo do autor do trabalho (Fonte: Arial, Negrito - 14 - maiúsculas - centradas)
Nome Completo do autor do
trabalho
(Fonte: Arial, Negrito - 14 -
maiúsculas - centradas)

FORTALEZA

2010

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Apêndice B: Exemplo - Folha de Rosto

JOAQUIM JOSÉ DA SILVA

Nome do autor do trabalho (Fonte: Arial, Negrito - 16 - maiúsculas - centradas)
Nome do autor do trabalho
(Fonte: Arial, Negrito - 16 -
maiúsculas - centradas)
Título do Trabalho (Fonte: Arial, Negrito - 16 - maiúsculas - centradas)
Título do Trabalho
(Fonte: Arial, Negrito - 16 -
maiúsculas - centradas)

METODOLOGIA PARA AVALIAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO AMBIENTAL, DA QUALIDADE E DE SEGURANÇA

Nota indicando a natureza acadêmica do trabalho, unidade de ensino (instituição) e nome do orientador . (Fonte: Arial, Negrito - 12 - maiúsculas), recuado

Trabalho de final de curso apresentado e julgado adequado para aprovação na sua forma final pelos professores do Curso de Tecnologia em Mecatrônica Industrial do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará.

Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará. ORIENTADOR: Prof. Francisco José Cidade e Data de

ORIENTADOR: Prof. Francisco José

Cidade e Data de conclusão dos trabalhos. (Fonte: Arial, Negrito - 16 - maiúsculas - centradas)

José Cidade e Data de conclusão dos trabalhos. (Fonte: Arial, Negrito - 16 - maiúsculas -

2010

FORTALEZA

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Apêndice C: Exemplo - Termo de Aprovação

TERMO DE APROVAÇÃO

Aluno:

Curso:

Matrícula:

Título:

Data da Apresentação:

Devem ser impressas duas vias, uma a ser anexada ao trabalho final e outra a ser encaminhada para coordenação de curso.

Banca Examinadora

Conceito:

Fortaleza,

de

de

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Apêndice D: Exemplo - Dedicatória

DEDICATÓRIA

Ao amor na sua forma mais sublime.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Apêndice E: Exemplo - Agradecimentos

AGRADECIMENTOS

Agradeço ao Departamento de Engenharia de Produção e Sistema da Universidade Federal de Santa Catarina pela oportunidade de realizar este estudo. Ao Centro Federal de Educação Tecnológica do Ceará por minha liberação, em tempo integral, para realizarmos este Doutorado. Ao professor Dr. Francisco da Silva por sua orientação, tantas vezes oportuna e precisa. Ao professor Carlos Manoel por sua amizade e incentivo ao longo desta trajetória. À professora Maria José pelo seu apoio, colaboração, presença e responsabilidade nas dificuldades desta árdua jornada - a composição do trabalho de tese.

Aos amigos professores do curso de Mecatrônica pelo apoio e incentivo. Aos meus familiares Marcos, João e Francisco, pelo apoio e incentivo nas horas difíceis desta jornada. À meu pai, que em vida tanto valorizou a educação, como o grande meio para o crescimento de um ser humano.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Apêndice F: Exemplo - Epígrafe

"Não há ciência isolada e integral; nenhuma pode ser manejada com mestria pelo que ignora todas as outras. Quando falham os elementos filológicos e os jurídicos, é força recorrer aos filosóficos e aos históricos, às ciências morais e políticas."

Carlos Maximiliano

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Apêndice G: Exemplo - Resumo

RESUMO

O presente trabalho teve por objetivo o desenvolvimento e validação de uma metodologia de avaliação integrada do Sistema de Gestão da Manutenção, contemplando a integração de Sistemas de Gestão da

Qualidade. Utilizaram-se como base metodológica as interfaces existentes entre a norma NBR ISO 9001: 2000 de Sistemas de Gestão da Qualidade

e o Prêmio Nacional da Qualidade PNQ 2005. Tem-se como

fundamentação teórica para elaboração dos requisitos de avaliação, o

estudo dos conceitos e características dos Sistemas de Gestão da Qualidade (NBR ISO 9001: 2000 e PNQ 2005), de um Sistema de Gestão

da Manutenção e de processos de avaliação. A metodologia utilizada

nesta pesquisa considerou que existe uma significativa interação entre os Sistemas de Gestão da Qualidade estudados. Através de uma análise rigorosa de seus conteúdos, com a utilização de critérios de similaridade,

complementaridade e congruência, foram identificados os elementos de interface que permitiram a elaboração da ferramenta de pesquisa da

metodologia. A validação da metodologia foi realizada por especialistas

da área de qualidade e manutenção utilizando o Método Delphi, bem

como através de um diagnóstico do Sistema de Gestão da Manutenção

de uma empresa. De um modo geral esta pesquisa permitiu viabilizar um

instrumento que poderá auxiliar empresas a se auto-avaliarem ou se auditarem, identificando os pontos fortes e oportunidades de melhorias dos processos de gestão da empresa.

Palavras-chave: Sistema de gestão da qualidade, Sistema de gestão da manutenção, PNQ 2005, Avaliação integrada.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Apêndice H: Exemplo - Abstract

ABSTRACT

This work had, as a purpose, to develop and validate a Maintenance Management System integrated evolution methodology, thus integrating Quality Management Systems integration. The existing interfaces between

the Standard NBR ISO 9001: 2000, the Quality Management Systems and the National Quality Prize PNQ 2005 were used as the methodological basis. The theoretical fundamentals for the evolution requirements include the study of the concepts and the characteristics of the Quality Management Systems (NBR ISO 9001: 2000 and PNQ 2005), of a Maintenance Management System and of evolution process in general. For the methodology used in this research, it was considered that there is

a meaningful interaction between the Quality Management Systems

studied. Through a rough content analysis with the use of similarity criteria,

complementarity and congruency, they were identified the interface elements that allowed the construction of the research methodological tool. Its validation was performed through Delphi methodology by the maintenance area experts, as well as by a diagnosis of the Maintenance

Management System. Generally, this research has allowed the availability

of an instrument that will help enterprises to self-evaluate or audit, thus

identifying the strong points and the opportunities of improvement of their management process.

Key-words: Quality Management Systems, Maintenance Management System, PNQ 2005, Integrated evaluation.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Apêndice I: Exemplo - Lista de Figuras

LISTA DE FIGURAS

Figura 1: Modelo descritivo do

16

Figura 2: Gráfico dos seis

20

Figura 3: Subcomitês e Grupos de Trabalho do TC 207 da ISO

25

Figura 4: Modelo de sistema de gestão

26

Figura 5: Grupos de Trabalho da Norma NBR ISO para Auditoria Ambiental

33

Figura 6: Barreiras na implantação do SGA

36

Figura 7: Modelo de Gestão Ambiental

39

Figura 8: Proposta de implantação do SGA

40

Figura 9: Esquema de implantação do SGA

41

Figura 10 : Visão do modelo de gestão

42

Figura 11: Modelo de excelência ambiental

43

Figura 12: Modelo Dinâmico de Estratégia Ambiental

44

Figura 13: Modelo PSR – Pressão, Estado e Resposta

45

Figura 14: Modelo de implantação e aprendizagem de SGA

46

Figura 15: Processo de implantação: distribuição acumulada

46

Figura 16: Classificação e atividades realizadas

50

Figura 17: Escala de

52

Figura 18: Fases do Método

54

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Apêndice J: Exemplo - Sumário

SUMÁRIO

CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO

12

1.1 Considerações gerais

12

1.2 Objetivos

13

1.2.1 Objetivo geral

13

1.2.2 Objetivos específicos

13

1.3 Justificativa

14

1.4 Limites do trabalho

14

1.5 Metodologia e Estrutura do trabalho

15

CAPÍTULO 2 - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

17

2.1 Considerações gerais

17

2.2 Breve histórico do desenvolvimento sustentável

19

2.3 Legislação ambiental

22

2.4 A NBR ISO 14000

23

2.4.1

Requisitos de um Sistema de Gestão Ambiental

27

2.5 Auditoria Ambiental (AA)

32

2.6 A Importância da Cultura Organizacional

34

2.7 Participação e atuação de organizações na implantação do SGA

34

2.8 Barreiras na implantação do SGA

36

2.9 Fatores de sucesso na Implantação do SGA

37

2.10 Análise final

47

CAPITULO 3 - METODOLOGIA DE TRABALHO

48

3.1 Caracterização Metodológica da pesquisa

49

3.2 Descrição detalhada do estudo

50

3.3 Instrumento de coleta de dados

51

3.4 Descrição detalhada do método de trabalho

54

CAPÍTULO 4 - APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

58

4.1 Fase 1: Fase de preparação

58

4.2 Fase 2: Conhecer as organizações

58

4.3 Fase 3 e 4: Mapeamento, análise e avaliação do SGA

76

4.4 Fase 5: Orientação aos resultados

92

CAPÍTULO 5 - CONCLUSÕES E SUGESTÕES

95

5.1 Conclusões

96

5.2 Sugestões

98

REFERÊNCIAS

99

APÊNDICES

108

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Apêndice K: Exemplo - Introdução

CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO

Este capítulo apresenta o tema da pesquisa, a definição do problema e sua justificativa, bem como a definição dos objetivos gerais e específicos e a limitação da pesquisa, além da estrutura da dissertação.

1.1 PROBLEMA DA PESQUISA

O desenvolvimento dos sistemas de gestão tem despertado o interesse de profissionais e empresas nas questões da interface entre sistemas. Isto pode ser percebido desde 1994, com o lançamento do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ), proposto na série de normas ISO 9000 de 1994, e o Prêmio Nacional da Qualidade (PNQ) em 1991.

Boa parte dos padrões normativos relativos

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Apêndice L: Exemplo – Fundamentação Teórica

CAPÍTULO 2 - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

Neste capítulo são abordados os conceitos e características sobre o sistema de gestão da qualidade da série de normas NBR ISO 9000 de 2000 e do PNQ de 2005, bem como a teoria e métodos de avaliação, visando fundamentar o trabalho de pesquisa.

2.1 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE (SGQ)

A origem e conceituação de sistemas tem seu suporte na Teoria Geral dos Sistemas (TGS), publicação de Luwig von Bertalanffy em 1951. Existem vários conceitos diferentes sobre sistemas, variando conforme o tipo de sistema e conforme o enfoque desejado pelo seu autor. Para os fins desse trabalho, Senn (apud CORNACHIONE JÚNIOR, 2001, p.46) define sistema como “um conjunto de componentes que interagem para atingir um

2.1.1 Conceituação de Qualidade

Não existe consenso universal sobre a definição da qualidade. Porém, Paladini (2004, p.31) destaca dois conceitos

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

BIBLIOGRAFIA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: Informação e documentação - Referências - Elaboração. Rio de Janeiro, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6028: Informação e documentação - Resumos - Apresentação. Rio de Janeiro, 2003.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: Informação e

documentação - Citações em documentos - Apresentação

Rio de Janeiro, 2002.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14724: Informação e documentação - Trabalhos Acadêmicos - Apresentação. Rio de Janeiro, 2005.

BRENNER, Eliana de Moraes; JESUS, Dalena Maria N. Manual de Planejamento e Apresentação de Trabalhos Acadêmicos: Projeto de Pesquisa, Monografia e Artigo. São Paulo: Atlas, 2007.

CASTELHANO, Susan Stavros. Anatomia de uma Apresentação. Disponível em <www.virtual.epm.br/cursos/apresentacao/apresentap.htm>, acesso em 01.05.2007.

CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 6.ed. São Paulo: Cortez,

2003.

DAVENPORT, Thomas H; PRUSAK, Laurence. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. 3.ed. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2001.

LIMA, Manolita Correia. Monografia: a engenharia da produção acadêmica. São Paulo:

Saraiva, 2004.

MAIA, Rosane Tolentino. A importância da disciplina de metodologia científica no desenvolvimento de produções acadêmicas de qualidade no nível superior. Revista Urutágua - revista acadêmica multidisciplinar. Paraná, Universidade Estadual de Maringá, - ISSN 1519.6178, Nº 14, dez. 07/jan./fev./mar. 2008.

MARTINS, Gilberto dee Alexandre; LINTZ, Alexandre. Guia para elaboração de monografias e trabalhos de conclusão de curso. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2007.

MÁTTAR NETO, João Augusto. Metodologia científica na era da informática. São Paulo:

Saraiva, 2002.

MÜLLER, Mary Stela; CORNELSEN, Julce Mary. Normas e padrões para teses, dissertações e monografias. 5.ed. Londrina: Eduel, 2003.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa: Como as empresas Japonesas geram a dinâmica da inovação. 14.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1995.

PESSOA, Simone. Dissertação não é bicho-papão: desmistificando monografias, teses e escritos acadêmicos. Rio de Janeiro: Rocco, 2005.

IFCE

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

POLITO, Reinaldo. Recursos Audiovisuais nas Apresentações de Sucesso. 3.ed., São Paulo: Saraiva, 1997.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 22.ed. São Paulo: Cortez,

2002.

SILVA, Airton Marques et al. Trabalhos Científicos: Organização, Redação e Apresentação. Fortaleza: EDUECE, 2003.

SILVA, Edna Lúcia da; MENEZES, Estera Muszkat. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 3.ed. Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, 2001. 121p.

SOUZA, Maria Helena; ELIAS, Decio. Apresentação do Trabalho Científico. Disponível em <http://perfline.com/tutorial/apres/indice.html>, acesso em 01.05.2007.

VIANA, Ilca Oliveira de Almeida. Metodologia do trabalho científico: um enfoque didático da produção científica. São Paulo: E.P.U., 2001.