O Processo De Humanização Da Natureza

Paulo M eksenas
A) PEQUENO ESBOÇO DA EVOLUÇ ÃO DO SER HUMANO A existência do planeta Terra é superior a quatro bilhões de anos, segundo pesquisas geológicas. A vida também é antiga, pois os biólogos acreditam que as primeiras células vivas datam de três bilhões de anos. Entretanto, o aparecimento dos animais superiores, aqueles que possuem uma anatomia complexa, é recente:datam de setenta milhões de anos. O ser humano, mamífero descendente de um ramo dos primatas, se desenvolve há três milhões de anos. Até nossos dias, a evolução do ser humano esteve condicionada por uma série de mudanças na espécie, que só foram possíveis devido a sua capacidade de pensar e lutar pela superação de suas necessidades. Foi enfrentando com o raciocínio necessidades como alimentação, vestuário ou moradia que o gênero humano se desenvolveu. Nesse processo de evolução, a utilização das mãos foi decisiva.A partir do momento que um grupo específico de primatas conseguiu adotar uma postura ereta,as mãos começaram a ser usadas como ferramentas para pegar e segurar objetos. Ao contrário de outros mamíferos, quando o homem passou a utilizar apenas os pés para se locomover., deixando as mãos livres, pôde fabricar outras ferramentas que o ajudaram a enfrentar o meio em que vivia. Nasce assim o trabalho: atividade que exige do gênero humano ouso constante das capacidades mentais e físicas na construção dos meios que possibilitem a sobrevivência. Vale salientar que iodo esse processo, além de levar milhares de anos, não atingiu um indivíduo isoladamente, mas todos. Essas conquistas se deram dentro de um processo educativo coletivo, no qual os seres humanos aprenderam juntos a sobreviver. Foi esse enfrentamento coletivo com a natureza que possibilitou o desenvolvimento da linguagem. De posse das formas de expressão e comunicação que a linguagem possibilitou e, através do uso de novas ferramentas, os seres humanos aperfeiçoaram seus hábitos alimentares, o que implicou um maior desenvolvimento do seu modo de viver e de pensar. Assim, com o passar do tempo, o gênero humano começa a utilizar o fogo, a roda, os metais, novos tipos de alimentos... O trabalho leva o ser humano a seguir o caminho da civilização: a partir do momento em que transforma a natureza, o homem também se transforma. A natureza, por sua vez, passa a trazer as marcas da ação humana. Passando a viver em lugares fixos através de atividades agrícolas e pastoris, foi possível ao homem organizar-se em tribos. As tribos evoluem, as atividades ligadas ao trabalho .se dividem,nasce a especialização das funções: enquanto alguns caçam, outros plantam ou ainda fabricam cestos. Aparecem as regras de convivência, as crenças, as tradições, o desejo de domínio de uma tribo sobre outra. As lutas entre tribos rivais levou às primeiras formas de exploração do homem pelo homem. Nascem as primeiras formas de escravidão. É em meio à divisão social do trabalho e à escravidão que vão aparecendo as primeiras cidades. O início da vida urbana traz novas atividades como o comércio, a navegação, o artesanato. A cidade institui nova forma de viver; a troca de idéias passa a ser maior. Surgem novas formas de organizar a vida: as normas se tornam leis e as leis, por sua vez, fixam costumes, tradições e maneiras de agir que são tidas como convenientes pelo grupo social. Nasce assim a sociedade: uma vida em grupo que se caracteriza por apresentar relações sociais complexas onde, segundo Durkheim, o interesse coletivo impõe regras às condutas individuais. As primeiras grandes organizações sociais complexas aparecem entre 4000 e 2000 a.C. São as civilizações do Egito, Mesopotâmia, Fenícia, índia, China, Grécia e as civilizações americanas pré-colombianas.

mesmo existindo uma instituição especializada em educar (a escola).mas também fazem parte da nossa sociedade urbano-industrial. valores e crenças sobre seu modo de vida. faz e ensina. para que todos se lembrassem do ocorrido. por exemplo. quebrou um coco proibido. os avós. Nas palavras do antropólogo Carlos Rodrigues Brandão. no qual a origem da noite é atribuída à atitude de um grupo que. Nasce assim a educação: maneiras de transmitir e assegurara outras pessoas o conhecimento de crenças. também vivemos ligados aos mitos: o carnaval ou o futebol são. outro não sabe. escurecendo toda a mata.o mito fez com que o ser humano procurasse entender o mundo através do sentimento e buscando a ordem das coisas. com as mães. está em todo lugar e atinge a todos em meio a suas atividades cotidianas. Us mitos carregam mensagens que se traduzem nos costumes e na tradição de um povo. traz mensagem ou normas que podem criar um tipo de comportamento no indivíduo necessário para a vida em grupo Por exemplo. Por isso omito é educativo. a educação é informal. feiticeiro). tendas. Os mais velhos ensinam aos mais jovens os segredos da sobrevivência e as formas possíveis de entender o mundo em que vivemos. 'Vemos que a educação nasce como processo comunitário de ensinar e aprender. no trabalho ou no lazer. também refletem e representam o mundo em que vivem. direta ou indiretamente. com os velhos em volta das fogueiras. . Antes de explicá-lo racionalmente. Esse fato faz com que o ser humano se preocupe em transmitir suas experiências cotidianas a seus semelhantes.as irmãs mais velhas.Não nos preocupando em saber se realmente a existência da noite pode ser explicada por esse mito ou pela idéia científica do movimento do globo terrestre. em nossa sociedade urbano-industrial. Onde um sabe. importante salientar que o mito não é algo do passado apenas. o que possibilita que o conhecimento humano sobre a natureza não se perca. porque ele fixa uma norma social: os perigos que podem aparecer a um grupo quando não se respeitam certas tradições ou o cuidado que devemos ter com o desconhecido. mas com a condição de que agora seria sempre intercalada comum período noturno. sem necessitar de professores ou escolas. o que importa é saber que esse mito acaba sendo educativo. Dali fugiu a noite. a educação aparece numa sociedade indígena quando: "As meninas aprendem com as companheiras de idade. um mito o explica pela fé (crença sem necessidade de provas). vemos também a existência de toda uma rede de relações educativas informais na família. os guerreiros. Essas formas primárias de socialização estão presentes. podemos afirmar que a educação também é dimensão essencial na evolução do ser humano. religiões ou ritos que compõem a vida de qualquer povo. Aq uilo que se aprende na prática é veiculado p ara outras pessoas. forçam iniciativas de aprendizagem e treinamento. sentindo piedade dos demais índios. pois. A educação nasce como meio de garantira outras pessoas aquilo q ue um determinado grup o aprendeu. o ser humano tamb ém desenvolveu idéias. As pessoas não só trabalham. ou aquela especialista em algum tipo de magia ou artesanato.com algum xamã (mago. ligado com as necessidades de cada grupo social. com esta. de camaradagem ou de amor. não só nas sociedades do passado. Podemos afirmar que o ser humano não se caracterizou sempre por entender o mundo através das provas que o raciocínio lógico 'lhe oferece. observa e aprende. Se a filosofia ou a ciência explicam o mundo através da razão. os velhos sábios da tribo. as avós. nasce de modo espontâneo. devolveram-lhes a claridade do dia. nem só nas sociedades indígenas. o ser humano sente o meio em que vive (tem medo. são uma maneira possível de explicar um modo de vida. crenças. Com isso. os irmãos da mãe. Os meninos aprendem entre jogos e brincadeiras de seus grupos de idade. transformando a natureza através do trabalho. A princípio. de lazer.B) QUANDO A EDUCAÇÃO SE DÁ ATRAVÉS DO MITO Ao mesmo tempo em que o gênero humano evoluiu. Todos os agentes desta educação de aldeia criam a parte situações que. atividades que nos fornecem mitos . ansiedade). coragem. técnicas e hábitos que um grupo social já desenvolveu a partir de suas experiências de sobrevivência. há um mito muito difundido entre alguns índios do Brasil. Os deuses. Elas existem misturadas coma vida em momentos de trabalho. Quase sempre não são impostos e não é raro que sejamos aprendizes os que tomam a seu cargo procurar pessoas e situações: de troca que lhes possam trazer algum aprendizado". . não obedecendo às tradições do seu povo. O que isso significa?Podemos definir simplificadamente o mito como conjunto de histórias. pois em cada conquista rumo a civilização também se faz presente a necessidade de transmissão aos semelhantes. mas se acumule de geração em geração. nos dias de hoje. aprendem com os pais. Podemos também afirmar que essa educação se dá através do mito.

Nesse sentido. pois a consciência filosófica não se limita a sentir o mundo. Interessa muito relembrar que a consciência filosófica se desenvolve no seio duma sociedade (Grécia) já dividida entre escravos e senhores. temos também a consciência filosófica e a consciência científica. maior é a divisão entre os que podem aprender e aqueles que não podem. que o levará a ser dominador e de outro. Nasce a hierarquização do saber: isto é. isto é. que o levará a ser dominado. nas primeiras sociedades complexas e ainda hoje o saber é o privilégio de alguns. a postura básica é duvidar de todo conhecimento já instituído. aqueles que organizam e dirigem e aqueles que são dirigidos. Para isso.) que o ser humano ocidental começa a entender aquilo que ocorre no mundo. é a primeira vez que um grupo humano deixa de se guiar apenas pela consciência mítica para ter uma consciência crítica da realidade. Aqui a educação se altera profundamente. a filosofia não será atividade criativa ao alcance de todos: as mulheres gregas e os escravos estarão dela excluídos. para legitimar e aumentar as desigualdades.que dão origem a modelos e padrões de comportamentos sociais. D) A CONSCIÊNCIA FILOSÓFICA E A CONSCIÊNCIA CIENTÍFICA .e assim por diante. seria de novo questionado. Pitágoras foi quem pela primeira vez forjou a palavra filosofia. Nesse momento que a educação passa a não ser a mesma para todos. dando origem a outro dado do conhecimento. devemos ² em primeiro lugar ² criticar o que já conhecemos. teremos de um lado a educação do senhor. É sua ambição interpretá-lo de modo racional para.questionar a realidade.C. a educação do escravo. Na época das primeiras civilizações . Nesse sentido. em seguida. que pode ser traduzida como sendo a atitude de "amor à sabedoria". mas racionalmente. podemos dizer que a consciência filosófica é um modo de pensar que pretende sempre buscar a verdade. pois deixa de ser meio de fazer com que todos tenham acesso ao mesmo saber e a uma vida comunitária. podemos afirmar que a filosofia se opõe ao mito. Isso implica a divisão entre aqueles que produzem e aqueles que usufruem o produzido. Um dos mais importantes filósofos da Grécia. afirmava que não existe no mundo conhecimento pronto e acabado e que se desejamos chegar à raiz do conhecimento. devemos desenvolver perguntas sobre aquilo que já é tido como o conhecimento verdadeiro. aqueles que podem saber um pouco (apenas senhores) e aqueles que não devem saber quase nada (mulheres e escravos). É nesse momento que nasce a filosofia. Se na sociedade tribal o saber é comunitário. Sócrates. afirmamos que a filosofia é uma tentativa de entender o mundo racionalmente. Daí a importância da antiga civilização grega clássica. Surge o desejo de descobriras leis que regem o nosso mundo. a querer entender o mundo de modo racional. a diferença é que não possuímos apenas a consciência mítica. Por isso. Na primeira etapa. C) A CONSCIÊNCIA MÍTICA E A CONSCIÊNCIA FILOSÓFICA O gênero humano desenvolve de tal modo sua consciência no tempo que chega um momento onde não basta sentir o mundo criando valores (mitos) sobre o mundo. não só pela emoção. contribuindo para o desenvolvimento de uma postura que procura sempre questionar as certezas antigas na busca de novas certezas. Em relação ao passado. o conhecimento humano ainda estava nas primeiras etapas de desenvolvimento e por isso existia apenas a consciência mítica: esta era a única forma possível de pensar. Enquanto o mito. Será apenas com o desenvolvimento da civilização grega clássica (aproximadamente 300 a. O método socrático de buscar a verdade constitui-se em duas etapas fundamentais: a ironia e a maiêutica. na segunda etapa. Perguntas bem-formuladas nos levariam a duvidar daquilo que já conhecemos para. através de histórias e crenças. a filosofia luta por descobrir o porquê das coisas e a possibilidade de lhes modificar a ordem. Percebemos que quanto mais se desenvolvem as sociedades. Nesse sentido. todos aprendem e ensinam. formas racionais de explicar o mundo. contribuía para o ser humano aceitar o mundo e se adaptar. podermos construir um conhecimento novo que no futuro. a sociedade se divide entre aqueles que podem saber muito (os senhores que eram filósofos).

a partir do continente europeu. isto é. que narra as etapas citadas anteriormente no caso específico da invenção da vacina contra a varíola. surgem novos inventos como o telescópio. da aplicação da 'vacina'. medir o espaço e o tempo que um corpo usa para atingir um plano e ainda confirmou que o nosso sistema solar é heliocêntrico."MOMENTO DA OBSERVAÇÃO: Jenner observou que num rebanho de vacas atacadas pela varíola. que produzem a doença) Injetados nas vacas sãs provocam. 4. sofriam apenas levemente de varíola e. uma Imunização natural (hoje chamamos de anticorpos). a geografia.. após curadas.C). observemos as palavras de Otaviano Pereira. ao contrário do filósofo. Por fim. Conclui-se que o estudo aprofundado de uma realidade qualquer. GENERALIZAÇÃO OU LEI. tirando-se o máximo proveito. o próprio conhecimento se fragmenta. O ser humano deixa de apenas explicar ou questionar racionalmente a natureza. então. entre outras coisas. a Terra e demais planetas giram em torno do Sol. teremos as pesquisas seguindo um método rigoroso através dessas etapas: 1. Informação sobre o mundo. Por que? Porque as vacas atacadas com varicela não pegam varíola? 2. ao passo que as outras morriam. hipótese. que tenta evitar ao máximo as idéias e conclusões ambíguas e. Ao extrair um pouco da matéria contaminada das vacas doentes e injetando em vacas sãs . Com essa alteração. estabelecer a lei da queda dos corpos. A ciência dá origem a uma linguagem objetiva. precisa seguir inicialmente as etapas citadas: observação. para se preocupar com a questão de como utilizá-la melhor. que dá origem a uma Hipótese (pergunta cuja resposta exige a investigação do cientista). 3. . que estuda as substâncias dos elementos.Observação dos fatos. inoculando no organismo do animal gérmens da doença. É o momento da prática. ficavam Imunizadas contra a doença. HIPÓTESE: surgiu-lhe a idéia de relacionar os dois tem tipos da doença. apenas de forma débil.A partir do século XVII (1601-1700 d. 2. o importante consiste em saber usar melhor a natureza para nosso maior progresso e conforto. Um conjunto de leis dá origem a uma teoria e.C). que estuda a ocupação humana do espaço e assim por diante. aiJenner conclui que os gérmens patógenos (isto é. desenvolvida na Inglaterra por um cientista chamado Jenner: 1. que estuda o desenvolvimento das relações sociais. Começa nova era em que tanto a organização do trabalho como o conhecimento sofrem modificações. Desconfiou que algo se formava no organismo das vacas após a primeira enfermidade. Presumiu que provavelmente o organismo do animal proporciona uma defesa. que estuda os seres vivos: a química. para ser considerado como ciência. se toma muito grande. Nascem as ciências particulares: a biologia. o conhecimento. pois agora não se trata apenas de entender a raiz das coisas. experimentação e lei.A reordenação dos fatos (síntese) que dá origem às leis da ciência (é a hipótese confirmada e generalizada para explicar outros fatos semelhantes). que se preocupa com a totalidade do saber. EXPERIMENTAÇÃO: Jenner Imaginou que poderia tentar uma imunização artificial. que conseguiu. a física. 3. um modo de interpretar o mundo com fins técnicos. Nasce assim a ciência. com isso. o cientista se torna o especialista de um só aspecto desse conhecimento. a história. Isto passa então a ter validade para todos os casos".Estas. a produção de anticorpos que combatiam qualquer gérmen da doença.Decomposição dos fatos em partes (análise). Na Grécia Antiga (= 500 a. que dá origem à experimentação e atividade prática que visa verificar a hipótese. o filósofo se perguntava o porquê da existência das coisas. nova alteração ocorre no mundo ocidental. Um dos primeiros cientistas do século XVII a seguir esse método foi Galileu Galilei (1564-1642). Para exemplificar. a bússola. o cientista do século XVII se pergunta como utilizar melhor as coisas. balanças de precisão. no seu organismo. Essa divisão vem de que a ciência esteja preocupada em entender a natureza com muito rigor: é a busca de um conhecimento exato sobre a realidade para que se possa agir sobre ela. que se preocupa com o movimento dos elementos. várias teorias formam uma doutrina científica. as que já haviam sofrido anteriormente a varíola branca (varicela) se salvaram. o microscópio..

a partir do século XIV. A intensa urbanização do nosso século é fruto desse processo e o aparecimento de classes sociais também o é. a camada dos comerciantes e artesãos livres: pessoas que. Assim. que. o pensamento religioso moldava a vida da maioria das pessoas. na verdade. bancos. e sim de atividades puramente urbanas. de mundo agrário. Todas essas novas dimensões da política burguesa devem dar a aparência de que o Estado. ao lado da consciência filosófica. mas apenas uma peça que.Por ser a terra fonte de riquezas é que os seus poucos proprietários se tornavam poderosos: a camada dominante dos senhores feudais. acima dos interesses de classe. Nessa sociedade de base agrária. isto é. o trabalho parcelado em inúmeras atividades a partir da introdução de novas e melhores máquinas e técnicas. para sobreviver. sob a sociedade capitalista. Em segundo lugar. muitos a chamaram de revolução . mas que já se caracterizavam pela divisão interna de funções. Agora. a Europa era um continente onde a organização econômica principal girava em tomo da terra e da propriedade da terra. É a divisão social do trabalho. esse mundo começará a se transformar rapidamente. ainda primitivas. técnicas. A partir do século XIV. Por outro lado. Assim. Cada operador de máquinas já não elabora o produto por inteiro. E essa transformação que nos interessa. judiciário e legislativo. que compreendia a nobreza e o alto clero. No entanto. ao entrarmos nos séculos XVIII e XIX. somada às peças de outros operadores isolados.E) A ORIGEM DA SOCIEDADE CAPITALISTA Daquilo que foi discutido até aqui. surgem aqueles que passam a investir grandes somas de riquezas em manufaturas. foi uma revolução econômica. os poucos proprietários dos meios de produção se constituem na classe empresarial (burguesia) enquanto que uma imensa maioria de pessoas não-proprietárias se constituem na classe trabalhadora (proletariado). Esse modo de produção que se originou do comércio e da manufatura foi o responsável pelo desenvolvimento de novas invenções. teremos as fases da Revolução Industrial que foi a dimensão econômica da revolução que deu origem ao capitalismo. pagando pelo uso dessa terra vários tributos: a camada dos servos que compreendia uma imensa população de trabalhadores pobres. mas sim a propriedade de fábricas. eram pouco mais que pequenas aldeias.C) . foi uma revolução política. Essas manufaturas. vem organizar democraticamente a sociedade. serão agora os empresários que passarão a organizar a política e. Essa mudança não ocorreu em pouco tempo. pois. O modo de vida era ligado ao trabalho rural: principal fonte de organização social.economicamente mais forte. já não dependiam mais da terra. isto é. ficam algumas dúvidas: de que modo a sociedade se altera a ponto de fazer com que. pois a organização do trabalho se alterou profundamente: da sociedade estratificada em apenas dois grandes estamentos. nascem as formas de governo eleitas pelo voto e regidas por uma Constituição. . que tanto valoriza a ciência? Como se dá a educação nesse novo período da evolução do ser humano?Para responder a tais questões. como foi uma mudança social radical. dá origem ao produto final. cidades quase não existiam. o modo de vida era completamente diferente do que é hoje em dia: pouco comércio. troca sua capacidade de trabalho por salário. Dos artesãos e comerciantes mais poderosos. pois a antiga nobreza feudal acaba por perder o domínio para a classe burguesa. Enquanto no feudalismo persistiu uma política que representava os interesses dos senhores feudais e do clero. aumento das atividades produtivas. a fonte de riquezas não é mais a terra. apareça agora uma outra consciência: a científica? Como se apresenta a sociedade contemporânea.Essa revolução que levou a Europa do feudalismo ao capitalismo teve muitas dimensões e momentos: Em primeiro lugar. a E uropa caminhou p ara o mundo urbano-industrial.pois foi esse período que deu origem a nossa sociedade atual. existia uma imensa maioria de pessoas forçadas a trabalhar nas terras da nobreza feudal para sobreviver. dando origem à moderna indústria. a propriedade dos meios de produção. nasce o Estado moderno. máquinas. eram as primeiras indústrias. Nasce o parlamento e o poder do Estado se divide em executivo. surgiu novo grupo social muito importante. foram precisos no mínimo três séculos para que ela se completasse. a partir daí. Nasce assim a democracia burguesa. Sabemos que no período citado. é importante inicialmente nos fixar na Europa dos séculos IV a XIV (301-400 a 15011400 d.

nunca visto antes na história da civilização. se origina a partir de novos métodos de interpretação da natureza.Em terceiro lugar. decomposição cm panes (análise) e de sua reordenação (síntese) se interpreta uma natureza regida por leis. A partir da observação dos fatos. como também a idéia de enriquecimento. faz nascer o sentimento de individualismo. . dinâmica e competitiva. foi uma revolução ideológica e científica.A vida. Isso possibilita. A ciência. com uma série de novos inventos. pois a visão de mundo sob o capitalismo se alterou: a idéia de progresso se propaga. grande domínio do ser humano sobre a natureza. como já aprendemos.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful