Você está na página 1de 1

AUXLIO RECLUSO

Um Direito Constitucional Uma questo humanitria


Por Rivaldo Rodrigues Cavalcante Jr, Advogado - Osasco, SP, em janeiro/2010

H grande discusso doutrinria sobre a concesso do polmico benefcio: alguns argumentam ser ele, o auxlio recluso, uma espcie de premiao para o preso; outros muitos argumentam que a sua concesso no incentiva a proliferao de crimes e violncia, porquanto ser o benefcio uma atenuante, um garantidor das necessidades bsicas no do detento - mas dos seus familiares, via de regra desamparados por ocasio da priso. Da a necessidade de pagamento de um benefcio que lhes garanta o mnimo indispensvel para se ter uma vida digna, o que, alis, um dos fundamentos do Estado Democrtico de Direito. Constitucionalmente o auxlio recluso est previsto no art. 201, IV, da Constituio de 1988. As regras para a sua aplicao esto no art. 80, da Lei 8.213/91 e nos arts. 116 a 119 do Decreto 3.048/99.
Art. 80. O auxlio-recluso ser devido, nas mesmas condies da penso por morte, aos dependentes do segurado recolhido priso, que no receber remunerao da empresa nem estiver em gozo de auxlio-doena, de aposentadoria ou de abono de permanncia em servio.

A pena tem, por primeira razo de existncia, o carter recuperatrio porm a severidade da sano penal impe ao apenado um carter aflitivo, como afirma Joo Antonio G. Pereira Leite em seu Curso elementar de direito previdencirio. Dessa forma, inconcebvel tratar-se do auxlio-recluso como um prmio, uma vez que a priso do segurado, alm de prejudicar a ele mesmo, pode deixar seqelas que atingem diretamente os sucessores do delinqente. Ressaltamos que o benefcio concedido em razo da deteno ou recluso direcionado famlia do recluso que, supe-se, sofra tanto com a deteno do ente querido quanto com a diminuio da renda familiar. Os requisitos da Lei 8.213/91 para a concesso do auxlio recluso so: o recolhimento do segurando priso; que o segurado no receba remunerao da empresa; que este no esteja em gozo do auxlio-doena, de aposentadoria ou de abono de permanncia de servio. H ainda outro requisito: o segurado, preso, dever ter salrio de contribuio igual ou inferior a R$ 752,12. Ou seja, dever ser provada a hipossuficincia da famlia mediante a prova de que o preso recebia, a ttulo de salrio, o equivalente ao mximo de R$ 752,12 para ter o direito assegurado. Se, na ocasio da priso, o detento estiver desempregado, a hipossuficincia ser presumida. No h perodo de carncia de contribuies, porm, para ter direito, o preso dever ter contribudo com a Previdncia ao menos uma vez e, portanto, comprovar a condio de segurado. importante ressaltar que, caso o detento receba poca de sua recluso, salrio de contribuio superior a R$ 752,12 estar excludo do rol de beneficirios. Diante de todo o exposto, tem-se que auxlio-recluso o benefcio (de um salrio mnimo) devido aos dependentes do segurado de baixa renda recolhido priso.

Você também pode gostar