Você está na página 1de 8
Nome Identidade Órgão Exp.: Assinatura Processo Seletivo – Escolas Técnicas de Educação Profissional do Estado
Nome Identidade Órgão Exp.: Assinatura Processo Seletivo – Escolas Técnicas de Educação Profissional do Estado
Nome Identidade Órgão Exp.: Assinatura Processo Seletivo – Escolas Técnicas de Educação Profissional do Estado
Nome Identidade Órgão Exp.: Assinatura
Nome
Identidade
Órgão Exp.:
Assinatura
Nome Identidade Órgão Exp.: Assinatura Processo Seletivo – Escolas Técnicas de Educação Profissional do Estado

Processo Seletivo – Escolas Técnicas de Educação Profissional do Estado de Pernambuco / Forma de Organização SUBSEQUENTE

Língua Portuguesa

TEXTO 1

O português são dois

Num conhecido poema seu, Drummond afirma, lembrando suas aulas em criança, que "o português são dois: o outro, mistério". Ele se refere, no caso, à diferença entre o português falado e a norma padrão escrita, aprendida na escola.

O fato é que o português do Brasil é mesmo um tanto

esquizofrênico, porque a sua forma padronizada está vinculada ao português de Portugal, enquanto sua forma falada, e

mesmo as normas cultas modernas, são completamente independentes do que se fala do outro lado do Atlântico. Disso resulta que a língua que se fala e se aprende em casa e nas ruas é tão radicalmente diferente da que se aprende na escola

e nas gramáticas que o falante brasileiro vive sob aquele velho estigma de que não sabe falar português, ou que fala tudo errado e que português é muito difícil etc. O que torna o português uma língua tão cheia de armadilhas é, antes de tudo, a noção errada de que a língua certa está lá no Velho Mundo e o que falamos aqui é uma corruptela, uma versão mal adaptada, tosca e ignorante da bela língua de Camões. Nada disso é verdade. Primeiro que, em Portugal, hoje, não se fala mais a mesma língua de Camões; ou melhor, é a mesma, mas mudou. Mudou porque, mesmo na época de Camões, aliás, mais ainda nela, não se falava apenas uma modalidade de língua em Portugal, ou seja,

a língua apresentava variações. Ora uma variante prevalecia,

ora outra, até que se fixou mais ou menos um padrão, que foi sendo lentamente modificado, apesar do conservadorismo linguístico dos nossos irmãos portugas.

Para não me estender muito e voltando ao ponto inicial,

o fato é que a norma padrão que adotamos hoje como “língua

oficial do Brasil” é uma variedade linguística imprópria ao País,

a qual não corresponde ao que quase duzentos milhões de

pessoas aprendem e usam todos os dias. A maioria dos gramáticos e professores de português usa esse fato como um instrumento de poder, como se eles fossem donos de uma verdade inacessível à massa ignara, o que cria uma relação de dependência que afeta a autoestima da maior parte dos brasileiros e lhes tira o acesso à plena cidadania, dado que quem não fala certo não pode ocupar certas posições sociais etc., etc.

O que fazer então? Acabar com a norma padrão e

decretar que cada um fala e escreve como der na telha? Não seria boa ideia. Uma padronização linguística é necessária por motivos óbvios, com benefício para o mercado editorial, a imprensa, a correspondência oficial etc., e por motivos mais sutis, como a preservação mesma da unidade linguística nacional e, consequentemente, da sua unidade social, territorial, política.

Então, que fazer? Parece-me que as respostas mais adequadas são aquelas que se propõem a estudar e

sistematizar a língua usada no Brasil. Em outras palavras, se trataria de concluir que a forma padrão no Brasil é “se trataria”,

e não “tratar-se-ia”, por exemplo; ou seja, desvincular a norma

padrão brasileira da portuguesa. Não se trata de mudar o nome

da língua para brasileiro; mas, sim, de entender, estudar e ensinar o português que se fala no Brasil, independentemente do que estiver ocorrendo em Portugal.

Luis Ladeira. Disponível em: http://aletramata.blogspot.com/2007/04/o- portugus-so-dois.html. Acesso em 13/01/2012. Adaptado.

TEXTO 2

Aula de português

A linguagem

na ponta da língua,

tão fácil de falar

e de entender.

A linguagem

na superfície estrelada de letras,

sabe lá o que ela quer dizer?

Professor Carlos Góis, ele é quem sabe,

e

vai desmatando

o

amazonas de minha ignorância.

Figuras de gramática, esquipáticas, atropelam-me, aturdem-me, sequestram-me.

Já esqueci a língua em que comia, em que pedia para ir lá fora, em que levava e dava pontapé,

a língua, breve língua entrecortada do namoro com a prima.

O português são dois; o outro, mistério.

Carlos Drummond de Andrade. Texto disponível em:

http://www.memoriaviva.com.br/drummond/poema053.htm.

Acesso em 13/01/12. Adaptado.

01. Acerca da forma composicional dos Textos 1 e 2, analise as proposições abaixo.

1)

Embora tenha sido escrito em prosa, o Texto 1 apresenta diversos elementos que são típicos dos textos poéticos.

2)

Apesar de ser estruturalmente composto em versos, não se evidencia, no Texto 2, o lirismo tão característico dos poemas.

3)

Os dois textos divergem não apenas do ponto de vista formal, mas principalmente nos propósitos com que foram elaborados.

4)

Para atender a seus propósitos comunicativos, no Texto 1 prevalece a linguagem denotativa e, no Texto 2, a conotativa.

Estão corretas, apenas:

A) 1 e 4.

B) 1, 2 e 4.

C) 3 e 4.

D) 2 e 3.

E) 1, 2 e 3.

02. Do ponto de vista temático, é correto afirmar que os Textos 1 e 2:

A) convergem: ambos tratam das diferenças linguísticas entre o Brasil e Portugal.

B) apontam para uma mesma conclusão: o português do Brasil e o de Portugal são o mesmo.

C) discordam no que se refere à ideia de que “o português são dois”.

D) tratam, ambos, da língua portuguesa, mas sob perspectivas bem diferentes.

E) abordam temas bem divergentes, inclusive com ideias conflitantes.

03. Refletindo sobre a circulação dos gêneros representados pelos Textos 1 e 2, é correto afirmar que:

A) ambos são típicos da esfera acadêmica.

B) apenas o Texto 2 é da esfera literária.

C) ambos circulam na esfera jornalística.

D) apenas o Texto 1 é da esfera publicitária.

E) ambos são típicos da esfera literária.

04. Sobre a situação de que trata o Texto 1, seu autor propõe, como possível solução:

A) que se promova a alteração da forma como se intitula

a língua do Brasil, que passaria a ser chamada de

“brasileiro”.

B) que não mais se permita que gramáticos e professores de português usem seu domínio da norma como instrumento de poder.

C) que no Brasil seja autorizado a qualquer cidadão, independente de seu desempenho linguístico, assumir todas as posições sociais.

D) que não haja mais uma ‘norma padrão’ instituída oficialmente, de modo que cada brasileiro possa falar e escrever como lhe convier.

E) que o estudo sobre a norma padrão brasileira se faça de forma não mais atrelada à norma portuguesa e aos fatos que ocorrem em Portugal.

05. Segundo o autor do Texto 1, “o português do Brasil é mesmo um tanto esquizofrênico” porque:

A)

é

muito acentuada a distância entre a norma padrão

instituída pela escola, com base nos manuais, e as formas que as pessoas usam no seu dia a dia.

B)

há, aqui, uma grande quantidade de formas variantes,

fruto da história sociopolítica do Brasil e do tratamento dado à língua pelos gramáticos.

C)

os professores de português insistem em que a língua do Brasil e a de Portugal são uma mesma, enquanto a massa de falantes defende a ideia contrária.

D)

todo brasileiro sabe falar bem o português, mas, no geral, o povo ainda vive sob o velho estigma de que não sabe falar a língua ou que fala tudo errado.

E)

a

língua do Brasil ainda revela uma dependência da

língua de Portugal, o que afeta a autoestima dos brasileiros e lhes tira o acesso à plena cidadania.

06. Como um dos recursos coesivos presentes no Texto 1, a referência a “Portugal”, que se faz no segundo parágrafo, é retomada ao longo do texto diversas vezes. Essa retomada se evidencia nos seguintes trechos:

1)

“do que se fala do outro lado do Atlântico” (2º §).

2)

“vive sob aquele velho estigma” (2º §).

3)

“a

língua certa está lá no Velho Mundo” (3º §).

4)

“uma verdade inacessível à massa ignara” (4º §).

Estão corretas:

A)

B)

C)

D)

E)

1, 2, 3 e 4. 1, 2 e 3, apenas. 2, 3 e 4, apenas. 2 e 4, apenas. 1 e 3, apenas.

07. “Acabar com a norma padrão e decretar que cada um fala e escreve como der na telha?” O sentido da expressão destacada nesse trecho é:

A) da forma recomendada.

B) com a devida correção.

C) segundo as normas vigentes.

D) livre das regras gramaticais.

E) da maneira que bem quiser.

08. Releia o seguinte trecho do Texto 1: “Primeiro que, em Portugal, hoje, não se fala mais a mesma língua de Camões; ou melhor, é a mesma, mas mudou.”. O autor se serve da expressão destacada para fazer:

A) uma citação.

B) uma elipse.

C) uma retificação.

D) uma retomada pronominal.

E) uma referência extratextual.

“Ora uma variante prevalecia, ora outra, até que se fixou mais ou menos um padrão, que foi sendo lentamente modificado, apesar do conservadorismo linguístico dos nossos irmãos portugas.”

09. “Ora uma variante prevalecia, ora outra sublinhados indicam que as ideias:

”.

Esses termos

A) se alternam.

B) se equivalem semanticamente.

C) se opõem.

D) se adicionam.

E) se referem ao mesmo sujeito.

10. “apesar do conservadorismo linguístico dos nossos irmãos

relação

portugas.”.

semântica de:

O

termo

destacado

sinaliza

uma

A) causalidade.

B) condição.

C) conclusão.

D) concessão.

E) finalidade.

11. Nas duas primeiras estrofes do Texto 2, o autor compara:

A) as variantes brasileira e europeia do português.

B) as modalidades falada e escrita da língua.

C) dois modos diferentes de aprender a língua.

D) duas variantes da língua portuguesa do Brasil.

E) os sentidos conotativo e denotativo das palavras.

12. “Professor Carlos Góis, ele é quem sabe, / e vai desmatando / o amazonas de minha ignorância.” Nesse trecho do Texto 2, o autor faz:

A)

B)

C)

D)

E)

uma crítica.

uma ironia.

um elogio.

uma censura.

uma denúncia.

13. O português são dois”. Nesse enunciado, a concordância se fez com o predicativo, e não com o sujeito. Sobre as regras de concordância verbal, analise os enunciados abaixo.

1)

Cada um de nós deveríamos saber que falamos duas línguas.

2)

Pode haver muitas variedades desconhecidas do português.

3)

Foi feito vários estudos que comprovam que o português são dois.

4)

O estudo das variedades do português espalhadas pelo mundo são necessárias.

Está(ão) correto(s), apenas:

A) 1 e 3.

B) 1, 3 e 4.

C) 2.

D) 2 e 3.

E) 1, 2 e 4.

14. Figuras de gramática, esquipáticas”. No contexto em que se insere, ainda que não saibamos seu significado, podemos inferir que o termo destacado:

A) é uma das figuras de linguagem.

B) é um objeto do qual o poeta se lembra.

C) insere uma qualidade positiva.

D) é usado para fazer uma caracterização negativa.

E) é usado para indicar um modo de estudar.

TEXTO 3

E) é usado para indicar um modo de estudar. TEXTO 3 Imagem disponível em:

Imagem disponível em:

http://portaldoprofessor.mec.gov.br/storage/discovirtual/galerias/imagem/00

00001827/0000022002.jpg. Acesso em 13/01/2012.

15. O humor do Texto 3 é provocado:

A) pela grande mentira evidenciada na declaração feita pelo amigo de Chico Bento.

B) pela enorme diferença na quantidade de gado que têm os pais das crianças do texto.

C) pela interpretação literal que o personagem Chico Bento faz da expressão “cabeça de gado”.

D) pela resposta humilde de Chico Bento, diante do esnobismo de seu amigo.

E) pelas diferenças de nível de escolaridade reveladas nos quadrinhos.

16. Sobre o enunciado final da tirinha: “O meu pai só tem um boi, mas ele tá inteirinho.”, analise as proposições abaixo.

1)

O termo “só” tem posição fixa no enunciado.

2)

O termo “um” indica quantidade.

3)

Em “inteirinho”, o diminutivo expressa ‘tamanho pequeno’.

4)

O pronome “ele” se refere a “boi”.

Está(ão) correta(s):

A) 2 e 4, apenas.

B) 3, apenas.

C) 1 e 3, apenas.

D) 4, apenas.

E) 1, 2, 3 e 4.

17. Sobre as gerações românticas no Brasil, assinale a alternativa em que a correlação está correta.

A) Primeira geração – ultrarromantismo.

B) Segunda geração – poesia indigenista.

C) Terceira geração – “mal do século”.

D) Terceira geração – poesia de cunho social.

E) Primeira geração – poesia condoreira.

18. Dentre as obras de José de Alencar listadas abaixo, assinale aquela que tem um índio como protagonista.

A) O gaúcho.

B) O guarani.

C) Senhora.

D) Cinco minutos.

E) A viuvinha.

19. A

ausência

de

subjetividade,

o

racionalismo,

a

simplicidade

e

o

bucolismo

são

algumas

das

características do:

A) realismo.

B) arcadismo.

C) romantismo.

D) parnasianismo.

E) barroco.

20. Dentre outros, a ficção romântica abordou:

1)

o indianismo.

2)

a miséria da sociedade brasileira.

3)

temas urbanos ou de costumes.

4)

o adultério.

Está(ão) correta(s):

A) 1, apenas.

B) 2, apenas.

C) 1 e 3, apenas.

D) 2 e 4, apenas.

E) 1, 2, 3 e 4.

Matemática

21. Três cones iguais possuem diâmetro da base igual a 60cm e lado de 50cm (Figura 1). Coloca-se uma quantidade desconhecida de água no primeiro cone. No segundo, coloca-se água até a metade da altura e no terceiro coloca-se água até um quarto da altura.

e no terceiro coloca-se água até um quarto da altura. Figura 1. Três cones (fora de

Figura 1. Três cones (fora de escala).

Quando se coloca a água dos três cones em qualquer um deles, esse cone fica totalmente preenchido. O volume de água no primeiro cone era de:

A)

B)

C)

D)

E)

O volume de água no primeiro cone era de: A) B) C) D) E) 22. Considere

22. Considere o seguinte sistema de equações lineares:

E) 22. Considere o seguinte sistema de equações lineares: Sobre o sistema, assinale a única alternativa

Sobre o sistema, assinale a única alternativa correta.

A) Se

B) Se

C) Se

D) Se

E) Se

ou
ou

, o sistema não tem solução.

, o sistema tem infinitas soluções.

, o sistema tem infinitas soluções.

, o sistema não tem solução.

, o sistema tem infinitas soluções.

23. Considere a Figura 2, abaixo.

tem infinitas soluções. 23. Considere a Figura 2, abaixo. Figura 2. Temos que , e .

Figura 2.

Temos que , e . Também, área de a área . A área do triângulo
Temos que
,
e
. Também, área de
a área
. A área do triângulo
A)
B)
C)
D)
E)

e

é:

24. Seja a reta que passa pela origem

B) C) D) E) e é: 24. Seja a reta que passa pela origem inclinação de

inclinação de

e é: 24. Seja a reta que passa pela origem inclinação de sentido anti-horário). Seja e
sentido anti-horário). Seja e .
sentido anti-horário). Seja
e .

e tem

com o eixo horizontal (medido no

a reta que passa pelos pontos

Seja

o ponto de

(medido no a reta que passa pelos pontos Seja o ponto de é: interseção das retas
(medido no a reta que passa pelos pontos Seja o ponto de é: interseção das retas

é:

interseção das retas e . O perímetro do

A)

B)

C)

D)

E)

interseção das retas e . O perímetro do A) B) C) D) E) 25. Sobre números,

25. Sobre números, analise as proposições a seguir.

1)

Todo quadrado pode decomposto em outros

Todo quadrado pode decomposto em outros
quadrados para .

quadrados para .

2)

Se um banco tem suprimento infinito de notas de 3 e 5 unidades, então ele pode pagar qualquer cheque de qualquer quantia maior que 7 unidades.

3)

Qualquer potência de 2 não pode terminar com quatro algarismos iguais.

4)

é menor que .

é menor que

.
.

Está(ão) correta(s):

A) 4, apenas.

B) 3 e 4, apenas.

C) 1, 2 e 3, apenas.

D) 2, 3 e 4, apenas.

E) 1, apenas.

26. O termo de ordem

termo de ordem

é
é

de uma progressão aritmética é

. O termo de ordem

é de uma progressão aritmética é . O termo de ordem é: A) B) C) D)

é:

A)

B)

C)

D)

E)

aritmética é . O termo de ordem é: A) B) C) D) E) e o 27.
aritmética é . O termo de ordem é: A) B) C) D) E) e o 27.

e o

27. As quantidades de números ímpares que podem ser formados com os algarismos 3, 4, 5, 8 e 9, sem repetição de algarismos e com repetição de algarismos são, respectivamente:

A)

B) 72 e 1.024.

C) 81 e 1.024.

D) 72 e 1.875.

E) 81 e 1.875.

72 e 512.

28. Com os algarismos 1, 3, 4, 5 e 7 são formados todos os números com 4 dígitos, sem repetição de dígitos. Em relação a tais números, analise as proposições abaixo.

1)

A quantidade total de números formados é 120.

2)

A quantidade de números que são múltiplos de 11 é

12.

3)

A quantidade de números que são múltiplos de 4 é

24.

4)

A quantidade de números que são múltiplos de 2 é

24.

Está(ão) correta(s), apenas:

A)

2, 3 e 4.

B)

1, 3 e 4.

C)

1, 2 e 4.

D)

1 e 2.

E)

1.

29. Duas rampas são construídas conforme o projeto apresentado na Figura 3, abaixo. A rampa A possui 12 metros de altura e o lado maior igual a 15 metros. A rampa B possui altura de 30 metros com o maior lado medindo 50 metros.

altura de 30 metros com o maior lado medindo 50 metros. Figura 3. Rampas (fora de

Figura 3. Rampas (fora de escala).

Os sopés das rampas, indicados pelos pontos P e Q, estão a uma distância de 2 metros. Deseja-se esticar um cabo (considerado sem massa, de modo que ela fique inteiramente esticada), para se praticar a tirolesa entre as

rampas. O inteiro mais próximo do comprimento do cabo medido a partir dos cumes das rampas é:

A) 52 metros.

B) 54 metros.

C) 62 metros.

D) 67 metros.

E) 72 metros.

30. O(s)

valor(es) de
valor(es)
de

para

o(s)

qual(is)

é válida é(são):

a

igualdade

A)

de para o(s) qual(is) é válida é(são): a igualdade A) B) C) D) E) . 31.

B)

C)

D)

E)

.
.

31. Num triângulo

é(são): a igualdade A) B) C) D) E) . 31. Num triângulo . respectivamente: A) B)
.
.

respectivamente:

A)

B)

C)

D)

E)

e e e e e
e
e
e
e
e

, temos que

Os

ângulos

, e
,
e

e

medem,

32. A função que é melhor representada pelo gráfico na Figura 4 é:

que é melhor representada pelo gráfico na Figura 4 é: Figura 4. Gráfico (fora de escala).

Figura 4. Gráfico (fora de escala).

A)

B)

C)

D)

4 é: Figura 4. Gráfico (fora de escala). A) B) C) D) Processo Seletivo – Escolas

E)

E) 33. A frequência de chegada de ônibus de uma determinada linha ao ponto próximo à

33. A frequência de chegada de ônibus de uma determinada linha ao ponto próximo à sua casa é de 15 minutos, sendo que o primeiro chega às 5h00 da manhã é o último às 23h45. Sabendo que 20% dos ônibus passam fora do horário, no final de 30 dias o número de ônibus que passam no horário é:

A) 900

B) 1.200

C) 1.500

D) 1.800

E) 2.100

34. Em uma escola há 900 estudantes, dos quais 450 não gostam de praticar futebol. Tem-se, ainda, que 150 estudantes estão no ensino médio matutino, 170 estudantes no ensino médio vespertino. Ainda, 100 estudantes gostam de praticar futebol e cursam o ensino médio matutino. Um(a) estudante é escolhido(a), ao acaso. Qual a probabilidade de ser aluno do ensino médio matutino ou gostar de praticar futebol?

A)

B)

C)

D)

E)

35. Denote por o conjunto dos números naturais e por o conjunto dos números inteiros. Analise as proposições abaixo, sobre funções.

e

(ou

Analise as proposições abaixo, sobre funções. e (ou 1) Sejam e , o número dois conjuntos
Analise as proposições abaixo, sobre funções. e (ou 1) Sejam e , o número dois conjuntos

1)

Sejam e , o
Sejam
e
,
o

número

dois conjuntos finitos com

de

funções

e , o número dois conjuntos finitos com de funções injetivas injetoras) é 56. 2) Se

injetivas

injetoras) é 56.

2) Se uma função é injetiva (ou injetora), então esta função não possui inversa. 3)
2)
Se uma função é injetiva (ou injetora), então esta
função não possui inversa.
3)
A função
definida por
é
sobrejetiva (ou sobrejetora).
4)
A função
dada por

é uma bijeção.

Estão corretas:

A) 1 e 2, apenas.

B) 1 e 4, apenas.

C) 1, 2, 3 e 4.

D) 3 e 4, apenas.

E) 2 e 3, apenas.

36.

O

domínio da função

domínio da função

é:

A)

. . .
.
.
.

B)

C)

D)

E)

37.

É

comum em antigas casas que sejam usadas como

trancas de portas e janelas um dispositivo muito simples chamado tramela (Figura 5).

 
 

Figura 5.Tramela com eixo principal indicado.

 

Pedrinho gosta de brincar com a tramela. Certo dia ele encontra a tramela com o eixo principal num ângulo com

a

vertical de medido no sentido anti-horário.

vertical de medido no sentido anti-horário.

Primeiramente, ele dá duas voltas e meia na tramela, no sentido horário. Depois ele gira a tramela de um ângulo

de , no sentido horário. E finalmente ele gira a

de , no sentido horário. E finalmente ele gira a

tramela com um ângulo de

tramela com um ângulo de

, no sentido anti-

horário. Então o menor ângulo que a tramela faz com a vertical é:

A)

A)

B)

B)

C)

C)

D)

D)

E)

E)

38.

Considere as seguintes equações

 
E) 38. Considere as seguintes equações   A) B) C) D) E) O valor de é:

A)

B)

C)

D)

E)

Considere as seguintes equações   A) B) C) D) E) O valor de é: Processo Seletivo

O valor de

é:

39. Numa mina de minério de ferro, há uma retroescavadeira que possui caçamba de 70 pés cúbicos (1 pé = 12 polegadas, 1 polegada = 2,54cm). Os caminhões desta mina têm capacidade de 16.250kg. Sabendo que a densidade do minério que está sendo carregado é de 2,5 toneladas por metro cúbico, o número máximo de carregamentos feitos pela retroescavadeira (completamente cheia) nestes caminhões é:

40.

A) 7.

B) 2.

C) 3.

D) 9.

E) 4.

Maria e Joaquim compraram um novo fogão. Esse fogão possui 5 queimadores (também conhecidos por “bocas”). Três dos queimadores são iguais e consomem . O quarto queimador (que é maior)

consome 50% a mais de gás que os três queimadores menores. O quinto queimador, chamado de tripla chama, consome 100% a mais que os queimadores menores. Maria e Joaquim utilizam o fogão com café da manhã, almoço e jantar da seguinte forma: os três queimadores menores ficam acionados por duas horas, o queimador maior durante uma hora e a tripla chama por 30 minutos por dia. Se considerarmos que um botijão de

(utilizado por Maria e Joaquim) possui 31,5 litros

), então o casal terá que trocar o botijão em aproximadamente:

o casal terá que trocar o botijão em aproximadamente: ( A) 28 dias. B) 30 dias
o casal terá que trocar o botijão em aproximadamente: ( A) 28 dias. B) 30 dias
(
(

A) 28 dias.

B) 30 dias

C) 37 dias.

D) 42 dias

E) 45 dias.