Você está na página 1de 10
Estudo de caso
Estudo de
caso

P á g i n a

| 1

O ALUNO MARCOS

Estudo de caso: Descrição do aluno Marcos pela professora e apresentação de uma atividade realizada pelo mesmo.

MARCOS Estudo de caso: Descrição do aluno Marcos pela professora e apresentação de uma atividade realizada
Estudo de caso
Estudo de
caso

P á g i n a

| 2

O ALUNO MARCOS

Estudo de caso P á g i n a | 2 O ALUNO MARCOS
Estudo de caso
Estudo de
caso

P á g i n a

| 3

O ALUNO MARCOS

Estudo de caso P á g i n a | 3 O ALUNO MARCOS
Estudo de caso P á g i n a | 3 O ALUNO MARCOS
Estudo de caso
Estudo de
caso

P á g i n a

| 4

O ALUNO MARCOS

Estudo de caso P á g i n a | 4 O ALUNO MARCOS
Estudo de caso P á g i n a | 4 O ALUNO MARCOS
Estudo de caso
Estudo de
caso

P á g i n a

| 5

O ALUNO MARCOS

1.

UMA ANÁLISE A PARTIR DO ESTUDO DE CASO INDICATIVOS

OBSERVAVEIS

EM

RELAÇÃO

AS

ENTREVISTAS

COM

A

FAMILIA,ESCOLA, PROFESSOR E COLEGAS.

 

a) A situação familiar

Através das informações apresentadas pela professora, percebe-se que Marcos possui um

ambiente familiar com poucos investimentos na superação das suas dificuldades,

comprometendo o seu desenvolvimento intelectual.

É uma criança que já tem um histórico de repetência na disciplina de Matemática e que,

diante de tal situação, a própria mãe o caracteriza como incapaz, chamando-o de “burro”.

Mais ainda, nota-se que a habilidade na realização de tarefas que envolvem cálculos é

valorizada pela mãe, que relata que gostaria “muito que ele fosse bom nas contas e fosse

mais inteligente, pois assim ele poderia fazer as compras para ela”.

Desta forma, percebe-se que existe uma expectativa de que Marcos seja bem sucedido na

aprendizagem da matemática, mas o contexto familiar do aluno não é favorável, pois seus

pais não têm domínio dos conteúdos. Assim, eles não conseguem auxiliá-lo nos deveres ou

nas dificuldades que surgem, o rotulando como inábil, podendo desencadear, inclusive, um

processo de baixa auto-estima e desinteresse pela aprendizagem, uma vez que a própria

criança afirma que gostaria “de ser ajudado a deixar de ser burro, como sua família costuma

lhe chamar”.

O fato de ser filho de pais separados, não ter a presença paterna no seu cotidiano e em casa

desempenhar tarefas domésticas como cuidar das irmãs mais novas, embora não sejam

determinantes, também devem ser considerados no estudo de caso do aluno.

b) A relação com os colegas e as professora

Diante do relato da professora, não é possível perceber em Marcos nenhuma inadequação

relacional no ambiente escolar, nem com os colegas, tampouco com a professora. Durante as

aulas ele se apresenta de forma participativa, interagindo com as professoras e com os seus

pares nas atividades propostas. No entanto, o que fica claro através das informações

apresentadas pela docente é que as dificuldades que Marcos possui em Matemática são

bastante evidenciadas e que tal condução, faz com que ele fique muito exposto, gerando,

durante as atividades desta disciplina, uma exclusão por parte dos colegas e uma intolerância

da professora.

Estudo de caso
Estudo de
caso

P á g i n a

| 6

O ALUNO MARCOS

c) A postura da professora

Pelo relato da professora é possível notar algumas contradições na sua fala. Ao mesmo

tempo em que ela apresenta Marcos como um aluno que “presta atenção (

participar das aulas de Português e das outras matérias; pede sempre para ler; é um menino muito criativo e alegre”, ela o caracteriza como uma criança que “não faz nada durante as aulas e, quando faz, não conclui, demora muito e acaba não dando tempo”. A incoerência desta descrição pode estar associada a uma dificuldade que a própria professora possui com a Matemática e, sobretudo em lidar com as dificuldades que Marcos possui na aprendizagem desta disciplina. Sendo assim, o desenvolvimento do estudante fica comprometido, já que a docente não consegue despertar nele o gosto pela disciplina e também não consegue auxiliá-lo na superação das suas dificuldades. Apesar do papel do professor corresponder a uma parcela significativa na condução do aprendizado dos alunos, é importante ressaltar que a realidade de uma sala de aula com 30 alunos não permite um atendimento individualizado, principalmente nas questões específicas de cada criança. Desta forma, é fundamental que esta estrutura seja repensada, inclusive com o desenvolvimento de atividades diversificadas e com a proposta de trabalhar com os grupos, possibilitando trocas e aprendizagens entre os pares. Acreditamos, ainda, que a professora poderia encaminhar o aluno para uma aula de reforço escolar em matemática, em um horário extra classe, de maneira que ele possa acompanhar mas a turma durante as atividades.

) gosta muito de

d) As atividades feitas pelo aluno.

As atividades apresentadas mostram indícios de falta de compreensão e interpretação nas realizações das atividades. Marcos domina os fatos da adição e subtração, mas ainda não adquiriu competência para operar as operações de multiplicação e divisão de maneira mais complexa, recorrendo, frequentemente, ao suporte concreto, fazendo poucas inferências abstratas, que são habilidades mais próprias da sua faixa etária.

Estudo de caso
Estudo de
caso

P á g i n a

| 7

O ALUNO MARCOS

2. Diagnóstico - Para fazer um diagnóstico, é preciso analisar os sintomas apresentados pelo aluno, sua história de vida, a queixa da família e da escola. Considerando os elementos que foram apresentados na queixa da professora, a seguir, consta um diagnóstico e algumas hipóteses sobre as dificuldades escolares do aluno.

a) Elaboração de diagnóstico: Esta criança apresenta aparentemente dificuldade relacionada

à lingüística na ordem da compreensão do emprego da nomenclatura matemática; denominação de operações matemáticas e codificação de problemas representados através de símbolos matemáticos. Quanto à habilidade perceptiva, este aluno apresenta dificuldade de reconhecimento ou leitura de símbolos numéricos ou sinais aritméticos; já em relação à habilidade de atenção identifica-se que Marcos possui dificuldade em observar os sinais da operação. Nota-se, ainda, que a dificuldade dele é mais recorrente quando a atividade envolve uma quantidade maior de informações.

b) Hipóteses:

I. Este aluno possui algumas dificuldades relacionadas à compreensão da nomenclatura matemática, uma vez que não compreende o que lhe é solicitado ao realizar uma atividade matemática. Necessita ainda do suporte concreto para realizar as operações e resolver os problemas matemáticos, apresentando dificuldade em abstrair.

II. O aluno parece estar desestimulado para a aprendizagem da matemática, já que foi

reprovado na disciplina por duas vezes, na sua turma ninguém quer fazer as atividades com ele, pois já tem o rótulo de fracassado nesta disciplina, não consegue apoio na família, para auxiliá-lo nas dificuldades que apresenta, é desacreditado pela professora e com frequência não consegue realizar as atividades de matemática propostas em sala de aula. III. Este aluno demonstra dificuldade relacionada a componentes de lembrança dos passos a seguir em uma tarefa, partindo de algum modelo geral disponível na memória, e de significados dos aspectos conceituais dos números, dos símbolos gráficos, uma vez, que dá conta de esquematizar a situação da divisão, mas não sabe estabelecer um vínculo relacional com os resultados obtidos, pois ao registrar o fato estrutural da expressão 45: 5 com os registros gráficos ele reconhece que é

Estudo de caso
Estudo de
caso

P á g i n a

| 8

O ALUNO MARCOS

uma divisão, sabe estabelecer um raciocínio lógico para tanto, mas não processa o resultado de forma satisfatória.

3. A seguir, foi elaborado

uma proposta de intervenção com os seguintes

itens: identificação, hipóteses, objetivos, plano de ação e estratégias de acompanhamento (ou avaliação) focando os elementos apresentados nos itens anteriores.

Proposta de Intervenção

O estudante possui algumas dificuldades relacionadas a compreensão da nomenclatura matemática uma vez que não

O estudante possui algumas dificuldades relacionadas a compreensão da nomenclatura matemática uma vez que não compreende o que lhe é solicitado ao realizar uma atividade matemática. Necessita ainda do suporte concreto para realizar as operações e resolver os problemas matemáticos, apresentando dificuldade em abstrair.

O aluno parece estar desestimulado para a aprendizagem da matemática, já que foi

O

aluno parece estar desestimulado para a aprendizagem da matemática, já que foi

reprovado na disciplina por duas vezes, na sua turma ninguém quer fazer as atividades com ele, pois já tem o rótulo de fracassado nesta disciplina, não consegue apoio na família, para auxiliá-lo nas dificuldades que apresenta, é desacreditado pela professora e com frequência não consegue realizar as atividades de matemática propostas em sala de aula.

O aluno demonstra dificuldade relacionada a componentes de lembrança dos passos

O

aluno demonstra dificuldade relacionada a componentes de lembrança dos passos

a seguir em uma tarefa, partindo de algum modelo geral disponível na memória, e de significados dos aspectos conceituais dos números, dos símbolos gráficos, uma vez, que dá conta de esquematizar a situação da divisão, mas não sabe estabelecer um vínculo relacional com os resultados obtidos, pois ao registrar o fato estrutural da expressão 45: 5 com os registros gráficos ele reconhece que é uma divisão, sabe estabelecer um raciocínio lógico para tanto, mas não processa o resultado de forma satisfatória.

Os objetivos da intervenção visam:

Estudo de caso
Estudo de
caso
Estudo de caso P á g i n a | 9 O ALUNO MARCOS Auxiliar o

P á g i n a

| 9

O ALUNO MARCOS

Auxiliar o aluno a superar os problemas e dificuldades na aprendizagem da matemática. Colaborando para que ele adquira habilidades de compreensão da nomenclatura matemática, de reconhecimento ou leitura dos símbolos numéricos ou sinais aritméticos e observação dos sinais da operação. Desta forma o aluno vai adquirir autonomia para resolver as atividades matemáticas.

A professora deve ampliar as expectativas em relação ao aluno, favorecendo a

A

professora deve ampliar as expectativas em relação ao aluno, favorecendo a

aprendizagem do mesmo.

Estimular o desenvolvimento da auto-estima do aluno em relação a aprendizagem da matemática, sem reforçar

Estimular o desenvolvimento da auto-estima do aluno em relação a aprendizagem da matemática, sem reforçar perante a turma as suas dificuldades.

Possibilitar através de jogos e brincadeiras o desenvolvimento da capacidade de abstração.

Possibilitar através de jogos e brincadeiras o desenvolvimento da capacidade de abstração.

Para atingir os objetivos listados acima, definimos como plano de ação:

Estimular seus processos de memória através de jogos variados, como dominó, jogoos objetivos listados acima, definimos como plano de ação: da memória, entre outros. Realizar atividades de

da memória, entre outros.

Realizar atividades de matemática contextualizadas, para despertar o interesse do aluno e torná-las mais significativas.variados, como dominó, jogo da memória, entre outros. Promover atividades em que o aluno possa fazer

Promover atividades em que o aluno possa fazer uso do conhecimento que possui, evidenciando as suas conquistas e proporcionando a ampliação dos seus conhecimentos.o interesse do aluno e torná-las mais significativas. Dedicar momentos extra classe para auxiliar o aluno

Dedicar momentos extra classe para auxiliar o aluno em suas dúvidas.e proporcionando a ampliação dos seus conhecimentos. De acordo com os elementos apontados nos itens anteriores,

De acordo com os elementos apontados nos itens anteriores, definimos como estratégias de acompanhamento:

Uma avaliação permanente do aluno, de maneira que a professora volte o seu olhar para ele, acompanhando o seu percurso de aprendizagem. Neste sentido, concebemos a avaliação também como um instrumento regulador da ação do professor, capaz de redirecionar a prática pedagógica, tanto no aspecto de definição de novas intervenções, como na proposição de atividades e metodologias que geram avançosanteriores, definimos como estratégias de acompanhamento: na aprendizagem do estudante, garantindo o seu pleno

na aprendizagem do estudante, garantindo o seu pleno desenvolvimento.

Acreditamos que no caso do Marcos, é fundamental que a professora utilize de estratégias diferenciadas, já que se trata de uma criança com dificuldades na disciplina. No entanto, mesmo diante das dificuldades, observa-se que o aluno possuide atividades e metodologias que geram avanços na aprendizagem do estudante, garantindo o seu pleno desenvolvimento.

Estudo de caso
Estudo de
caso

P á g i n a

| 10

O ALUNO MARCOS

uma forma específica de compreensão da Matemática e de realizar as tarefas. Embora em algumas atividades ele se equivoque na resposta, como na questão 3 letra A, no momento de realizar os procedimentos para resolução, ele consegue apresentar um pensamento pertinente, apesar de ainda estar muito associado à representação gráfica para expor a sua maneira de raciocinar. Sabemos que o desenvolvimento de habilidades acontece de forma diferente em cada indivíduo. Algumas crianças conseguem seguir de forma correta esse padrão e outras não. No caso do Marcos, como, de acordo com o relato da professora, acontece um atraso muito grande no desenvolvimento dessas habilidades deve-se ficar alerta e procurar um médico para que seja avaliada e diagnóstica uma possível dificuldade de aprendizagem da Matemática, mas sem desconsiderar as habilidades que ele já domina e a forma particular como ele opera.