Você está na página 1de 11

10/02/2012

CURSO: LICENCIATURA EM QUÍMICA DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL II DOCENTE: Hygor R. Oliveira hygor.oliveira@ifms.edu.br

CURSO: LICENCIATURA EM QUÍMICA DISCIPLINA: QUÍMICA GERAL II

DOCENTE: Hygor R. Oliveira hygor.oliveira@ifms.edu.br
DOCENTE: Hygor R. Oliveira
hygor.oliveira@ifms.edu.br
ATKINS, P.; JONES, L. Princípios de Química: Questionando a Vida Moderna e o Meio Ambiente.
ATKINS, P.; JONES, L. Princípios de Química:
Questionando a Vida Moderna e o Meio Ambiente.
Editora Bookman, 2006.
BROWN, Theodore L.; LEMAY, H. Eugene; BURSTEN Bruce
E. Química: A ciência central. Ed. Pearson Education.
KOTZ, J. C. TREICHEL, P. M. & WEAVER, G. C. Química
geral e reações químicas. Volume 1 e 2. São Paulo:
Cengage Learning, 2010.
RUSSELL, J.B.; Química Geral, Volume 1 e 2. 2 a Edição
São Paulo: Makron Books Editora Ltda, 1994.
ALGUMAS SOLUÇÕES PRESENTES EM NOSSO DIA-A-DIA
ALGUMAS SOLUÇÕES PRESENTES EM
NOSSO DIA-A-DIA

CALENDÁRIO DE PROVAS

PRESENTES EM NOSSO DIA-A-DIA CALENDÁRIO DE PROVAS Seminário: 28/05/2012 Soluções são misturas homogêneas
PRESENTES EM NOSSO DIA-A-DIA CALENDÁRIO DE PROVAS Seminário: 28/05/2012 Soluções são misturas homogêneas

Seminário: 28/05/2012

NOSSO DIA-A-DIA CALENDÁRIO DE PROVAS Seminário: 28/05/2012 Soluções são misturas homogêneas de duas ou mais
NOSSO DIA-A-DIA CALENDÁRIO DE PROVAS Seminário: 28/05/2012 Soluções são misturas homogêneas de duas ou mais
Soluções são misturas homogêneas de duas ou mais substâncias. Substância em Substância em menor quantidade
Soluções são misturas homogêneas de
duas ou mais substâncias.
Substância em
Substância em
menor quantidade
maior quantidade
Exemplos:
açúcar em água, ar, ligas metálicas,

10/02/2012

10/02/2012 Estudar soluções para ?????? Saber expressar quantitativamente essa concentração; Compreender o
Estudar soluções para ?????? Saber expressar quantitativamente essa concentração; Compreender o significado da
Estudar soluções para
??????
Saber expressar
quantitativamente
essa concentração;
Compreender o
significado da
concentração de
soluções;
substância A substância B mistura A + B (solução)      O
substância A
substância B
mistura A + B (solução)
    
O O O O
O  O 
O  O 
O
    
O O O O
O  O  O  O 
O 
    
O O O O
 O  O  O 
 O
parede de separação
removendo a parede
A disseminação do soluto no solvente
ocorre de forma espontânea !
do soluto no solvente ocorre de forma espontânea ! Café forte ou fraco? Mais ou menos
Café forte ou fraco? Mais ou menos doce? O quanto de chumbo é permitido aparecer
Café forte ou fraco?
Mais ou menos doce?
O quanto de chumbo é permitido
aparecer na água potável?
O processo de dissolução Assim, as moléculas ou íons do soluto separam-se permanecendo dispersas no
O processo de dissolução
Assim, as
moléculas ou
íons do soluto
separam-se
permanecendo
dispersas no
solvente

10/02/2012

EXEMPLOS • Considere o NaCl (soluto) dissolvendo-se em água (solvente): – as ligações de H
EXEMPLOS
Considere o NaCl (soluto) dissolvendo-se em água
(solvente):
– as ligações de H da água têm que ser quebradas,
– o NaCl se dissocia em Na + e Cl - ,
– formam-se forças íon-dipolo: Na + … -OH 2 e Cl - … +H 2 O.
– Dizemos que os íons são solvatados pela água.
– Se água é o solvente, dizemos que os íons são
hidratados.
água é o solvente, dizemos que os íons são hidratados. O processo de dissolução Mudanças de
água é o solvente, dizemos que os íons são hidratados. O processo de dissolução Mudanças de
água é o solvente, dizemos que os íons são hidratados. O processo de dissolução Mudanças de
O processo de dissolução
O
processo de dissolução

Mudanças de energia e formação de solução

Há três fases de energia na formação de uma solução:

- a separação das moléculas do soluto (H 1 ),

- a separação das moléculas do soluto (  H 1 ),
- a separação das moléculas do soluto (  H 1 ), - a separação das
- a separação das moléculas do soluto (  H 1 ), - a separação das
- a separação das moléculas do solvente (  H 2 ) e

- a separação das moléculas do solvente (H 2 ) e

a formação das interações soluto-solvente (H 3 ).

Definimos a variação de entalpia no processo de dissolução

como

H dissol = H 1 + H 2 + H 3

O H soln pode tanto ser positivo como negativo, dependendo das forças intermoleculares.

+  H 3 O  H s o l n pode tanto ser positivo como
O processo de dissolução Mudanças de energia e formação de solução • A quebra de
O
processo de dissolução
Mudanças de energia e formação de solução
• A quebra de forças intermoleculares é sempre endotérmica.
• A formação de forças intermoleculares atrativas é sempe exotérmica.
• Para determinarmos se o H dissol é positivo ou negativo,
consideramos os comprimentos de todas as interações
soluto-soluto e soluto-solvente:
H 1 e H 2 são ambos positivos.
H 3 é sempre negativo.
–É possível termos tanto H 3 > (H 1 + H 2 ) quanto H 3 < (H 1 + H 2 ).

10/02/2012

10/02/2012 O processo de dissolução Mudanças de energia e formação de solução Regra Prática: “Semelhante
O processo de dissolução Mudanças de energia e formação de solução Regra Prática: “Semelhante dissolve
O
processo de dissolução
Mudanças de energia e formação de solução
Regra Prática: “Semelhante dissolve semelhante”
Nem todas as substãncias Iônicas são solúveis
em água. Ex: BaSO 4
Outro Caso Interessante: A molécula de etanol
(C 2 H 5 OH; momento dipolar 1,70 D) é menos polar do
que o cloreto de etila (C 2 H 5 Cl; 2,05D), contudo o
etanol é totalmente miscível em água enquanto a
solubilidade do cloereto de etila em água é baixa.
O processo de dissolução Formação de solução, espontaneidade e desordem • Um processo espontâneo ocorre
O
processo de dissolução
Formação de solução, espontaneidade e desordem
• Um processo espontâneo ocorre sem intervenção externa.
• Quando a energia do sistema diminui (por exemplo,
deixar um livro cair e permitir que ele caia para uma
energia potencial mais baixa), o processo é espontâneo.
• Alguns processos espontâneos não envolvem a variação
do sistema para um estado de energia mais baixa (por
exemplo, uma reação endotérmica).
O processo de dissolução Mudanças de energia e formação de solução Exemplos: – O NaOH
O
processo de dissolução
Mudanças de energia e formação de solução
Exemplos:
– O NaOH adicionado à água tem H dissol = -44,48 kJ/mol.
– O NH 4 NO 3 adicionado à água tem H dissol = + 26,4 kJ/mol.
‘Regra’: os solventes polares dissolvem solutos
polares. Os solventes apolares dissolvem solutos
apolares. Por quê?
Se o H dissol é demasiadamente endotérmico, não haverá a formação de
uma solução
O processo de dissolução Mudanças de energia e formação de solução - NaCl em gasolina:
O
processo de dissolução
Mudanças de energia e formação de solução
- NaCl em gasolina: as forças íon-dipolo são fracas, uma vez que a gasolina
é apolar. Conseqüentemente, as forças íon-dipolo não são compensadas
pela separação de íons.
-
Água
em
octano:
a
água
tem
ligações
de
H
fortes.
Não
forças atrativas entre a água e o octano para compensar as ligações de H.
O processo de dissolução Formação de solução, espontaneidade e desordem • Se o processo leva
O
processo de dissolução
Formação de solução, espontaneidade e desordem
• Se o processo leva a um maior estado de desordem,
então o processo é espontâneo.
• Exemplo: um mistura de CCl 4 e C 6 H 14 é menos ordenada
do que os dois líquidos separados. Conseqüentemente,
eles se misturam espontaneamente, apesar do H dissol ser
muito próximo de zero.
• Há soluções que se formam a partir de processos físicos
e outras por processos químicos.

10/02/2012

O processo de dissolução Formação de solução, espontaneidade e desordem Uma mistura de CCl 4
O
processo de dissolução
Formação de solução, espontaneidade e desordem
Uma mistura de CCl 4 e C 6 H 14 é menos ordenada
O processo de dissolução Formação de solução e reações químicas • Exemplo: NaCl(s) + H
O
processo de dissolução
Formação de solução e reações químicas
Exemplo:
NaCl(s) + H 2 O (l)  Na + (aq) + Cl - (aq).
Quando a água é removida da solução, encontra-se NaCl.
Conseqüentemente, a dissolução do NaCl é
um processo físico.
1)Quanto ao estado físico: - SÓLIDAS: ligas metálicas, medicamentos na forma de comprimidos, - LÍQUIDAS:
1)Quanto ao estado físico:
- SÓLIDAS: ligas metálicas, medicamentos
na forma de comprimidos,
- LÍQUIDAS: água mineral (sem gás), soro
fisiológico, bebidas,
- GASOSAS: ar (isento de poeira),
O processo de dissolução
O processo de dissolução

Formação de solução e reações químicas

Considere:

Ni(s) + 2HCl(aq) NiCl 2 (aq) + H 2 (g)

Observe que a forma química da substância sendo dissolvida se alterou (Ni NiCl 2 ).

Quando toda a água é removida da solução, não se encontra o Ni, apenas NiCl 2 ·6H 2 O(s).

Conseqüentemente, a dissolução do Ni em HCl é um processo químico.

o Ni, apenas NiCl 2 ·6H 2 O( s ). Conseqüentemente, a dissolução do Ni em
Exercícios 1) Considerando as energias das interações soluto-soluto, solvente-solvente e soluto- solvente, explique
Exercícios
1) Considerando as energias das interações soluto-soluto,
solvente-solvente e soluto- solvente, explique por que o
CuCl 2 dissolve em água, mas o benzeno (C 6 H 6 ) não se
dissolve.
2) Quanto à natureza do soluto: - MOLECULARES: o soluto é formado por moléculas, que
2) Quanto à natureza do soluto:
- MOLECULARES: o soluto é formado por
moléculas, que não se dissociam.
H
2 O
C 6 H 12 O 6(sólido )
C 6 H 12 O 6(aquoso)
- IÔNICAS: o soluto não apenas se dissolve,
mas se separa em íons.
H
2 O
NaCl (sólido)
Na + (aquoso) + Cl - (aquoso)
* A solução iônica conduz corrente elétrica !

10/02/2012

CLASSIFICAÇÃO DAS SOLUÇÕES 3) Quanto ao COEFICIENTE DE SOLUBILIDADE O Coeficiente de Solubilidade ou de
CLASSIFICAÇÃO DAS SOLUÇÕES
3) Quanto ao COEFICIENTE DE SOLUBILIDADE
O
Coeficiente de Solubilidade ou de
Saturação (C S ) é a quantidade máxima de um
soluto sólido, que pode ser dissolvida em certa
quantidade
de
um
solvente,
em
dada
temperatura.
O
é
uma
grandeza
determinada
C S
experimentalmente e apresentada em tabelas.
Por
exemplo:
NaCl
 C S = 36 g/100 g de água, à 20 o C
CaSO 4  C S = 0,2 g/100 g de água, à 20 o C
KNO 3  C S = 13,3 g/100 g de água, à 20 o C
Cs(A) = 5g/100g H 2 O T = 25ºC 3g do sal A + 10g
Cs(A) = 5g/100g H 2 O T =
25ºC
3g do sal A + 10g do sal
A
200 mL de
H
2 O
3g de
Precipitado ou
Corpo de Fundo
SOLUÇÃO SUPERSATURADA Cs(A) = 5g/100g H 2 O T = 25ºC 13g do sal A
SOLUÇÃO SUPERSATURADA
Cs(A) = 5g/100g H 2 O T =
25ºC
13g do sal A
200 mL de
H
2 O
INSTÁVEL
CLASSIFICAÇÃO DAS SOLUÇÕES Tomando-se como base o CS as soluções podem ser: - INSATURADAS: m
CLASSIFICAÇÃO DAS SOLUÇÕES
Tomando-se como base o CS as soluções
podem ser:
-
INSATURADAS: m (soluto dissolvido) < C.S.
Ex: 3,0 g NaCl/100 g H 2 O, à 20 o C (diluída)
30,0 g NaCl/100 g H 2 O, à 20 o C (concentrada)
-
SATURADAS: m (soluto dissolvido) = C.S.
Ex: 36 g NaCl/100 g H 2 O, à 20 o C
-
SUPERSATURADAS: m (soluto dissolvido) > C.S.
Ex: 38g NaCl/100 g H 2 O, à 20 o C

SOLUÇÃO INSATURADA

Cs(A) = 8g/100g H 2 O T =

45ºC

13g do sal A

INSATURADA Cs(A) = 8g/100g H 2 O T = 45ºC 13g do sal A 200 mL

200 mL de

H 2 O

8g/100g H 2 O T = 45ºC 13g do sal A 200 mL de H 2
8g/100g H 2 O T = 45ºC 13g do sal A 200 mL de H 2

Para solutos sólidos, em geral, o aumento da temperatura provoca aumento na solubilidade. Esse efeito varia de substância para substância e pode ser facilmente evidenciado em diagramas de solubilidade. Para substâncias gasosas o fenômeno é oposto pois o aumento da temperatura diminui a solubilidade. Por esse motivo

devemos conservar um refrigerante, após aberto, em geladeira, pois a menor temperatura favorece a dissolução do CO 2 .

conservar um refrigerante, após aberto, em geladeira, pois a menor temperatura favorece a dissolução do CO

10/02/2012

10/02/2012 SOLUBILIDADE E TEMPERATURA O quadro ao lado mostra a variação da solubilidade de KNO 3
SOLUBILIDADE E TEMPERATURA O quadro ao lado mostra a variação da solubilidade de KNO 3
SOLUBILIDADE E TEMPERATURA
O quadro ao lado
mostra a variação
da solubilidade de
KNO 3 com a
temperatura,
identificando as
regiões de soluções
insaturadas,
saturadas e
supersaturadas.
Exercícios Temperatura ºC d) Qual a substância menos solúvel a 70 o C? e) Que
Exercícios
Temperatura ºC
d) Qual a substância menos solúvel a 70 o C?
e) Que massa, aproximadamente, de KBr pode ser dissolvida
em 100g de H 2 O a 30 o C?
f) Que massa, aproximadamente, de K 2 SO 4 , pode ser
dissolvida em 250g de H 2 O a 40 o C?
Coeficiente de Solubilidade em
100g de água
SOLUBILIDADE E TEMPERATURA
SOLUBILIDADE E TEMPERATURA
Exercícios Temperatura ºC 1) Observando as curvas de solubilidade do gráfico acima, responda: a) Qual
Exercícios
Temperatura ºC
1) Observando as curvas de solubilidade do gráfico acima,
responda:
a) Qual a substância mais solúvel a 50 o C?
b) Qual a substância menos solúvel a 10 o C?
c) Qual a substância mais solúvel a 30 o C
Coeficiente de Solubilidade em
100g de água
Exercícios 2) A 10°C a solubilidade do nitrato de potássio é de 20,0g/100g H 2
Exercícios
2) A 10°C a solubilidade do nitrato de potássio é de
20,0g/100g H 2 O.Uma solução contendo 18,0g de nitrato de
potássio em 50,0g de água a 25°C é resfriada a 10°C.
Quantos gramas do sal permanecem dissolvidos na água?
3) Sabendo que a solubilidade de um sal a 100° C é 39
g/100 g de H 2O,calcule a massa de água necessária para
dissolver 780 g deste sal a 100° C.
4) Sabendo que a solubilidade do brometo de potássio, KBr,
a 60° C é 85,5 g/100 g de H 2 O, calcule a massa de água
necessária para dissolver 780 g de KBr 60° C.
5) O coeficiente de solubilidade de um sal é de 60 g por
100 g de água a 80º C. Qual a massa desse sal, nessa
temperatura, para saturar 80 g de H 2 O?

10/02/2012

Concentração é a relação entre a quantidade de soluto (massa, n o de mols, volume,
Concentração é a relação entre
a quantidade de soluto (massa, n o
de mols, volume,
)
e a quantidade
de solução.
Exemplo:
Soro fisiológico (NaCl) 0,9 %
- em cada 100 gramas dessa
solução há 0,9 gramas de
NaCl e 99,1 gramas de H 2 O.
UNIDADES DE MEDIDAS Unidades de volume Litro(L) = 10 3 mililitros = dm 3 m
UNIDADES DE MEDIDAS
Unidades de volume
Litro(L) = 10 3 mililitros = dm 3
m 3 = 10 3 litros
mililitro = cm 3 = 10 -3 litro
Uma solução de NaOH apresenta 200 mg dessa base num volume de 400 mL de
Uma solução de NaOH apresenta
200 mg dessa base num volume de 400
mL de solução. Qual a Concentração
(g/L)?
Solução: 2 g ; V = 400 mL = 0,4 L
0,2 g
m 1
C =
0,5 grama/Litro
V
0,4
L
Resposta: C = 0,5 g/L
Unidades de massa grama (g) = 10 3 miligramas quilograma (kg) = 10 3 gramas
Unidades de massa
grama (g) = 10 3 miligramas
quilograma (kg) = 10 3 gramas
miligrama (mg) = 10 -3 gramas = 10 -6 kg
É a razão entre a massa, em gramas, do soluto (m 1 ) e o
É a razão entre a massa, em
gramas, do soluto (m 1 ) e o
volume, em litros (V), da solução.
m
C 
1
unidades: grama/litro
V
É a razão entre a massa, em gramas, do soluto (m 1 ) e a
É a razão entre a massa, em
gramas, do soluto (m 1 ) e a massa,
em gramas, da solução(m).
m
m
T 
1
1
m
m
m
sem unidades
1
2
Ainda: T% = T . 100

10/02/2012

EXEMPLO: Foram dissolvidas 80 gramas de NaCl em 320 gramas de água. Qual o título
EXEMPLO:
Foram dissolvidas 80 gramas de
NaCl em 320 gramas de água. Qual o
título da solução ?
Solução:
m 1 = 80 g ; m 2 = 320 g ; m = 400 g
m
80
80
1
0,2
T = m 1 +m 2
80 + 320
400
Resposta: T = 0,2 ou T% = 20 %
EXEMPLO: Uma bebida alcoólica apresenta 25% de etanol (álcool). Qual o volume, em mL, do
EXEMPLO:
Uma bebida alcoólica apresenta
25% de etanol (álcool). Qual o volume,
em mL, do etanol encontrado em 2 litros
dessa bebida ?
Solução:
T v % = 25%  T v = 0,25 ; V = 2 L
V 1
T v =
V
V 1 = T v . V = 0,25 . 2 = 0,5 L
= 500 mL
X
Resposta: V 1 = 500 mL = 0,5 L
EXEMPLO: Uma solução de H 2 SO 4 contém 0,75 mols desse ácido num volume
EXEMPLO:
Uma solução de H 2 SO 4 contém 0,75
mols desse ácido num volume de 2500
cm 3 de solução. Qual a Molaridade ?
Solução: = 0,75 mol ; V = 2500 mL = 2,5
L
2500 cm 3 = 2,5 L
n 1
0,75
M =
0,3 mol/L ou 0,3 M
V
2,5
Resposta: M = 0,3 mol/L
É a razão entre o volume, em L ou mL, do soluto (V 1 )
É a razão entre o volume, em L ou
mL, do soluto (V 1 ) e o volume, em
L ou mL, da solução(V).
V
V
T
V
1
V
V
1
v
sem unidades
1
2
O
Título em volume é
usado para expressar
a
graduação alcoólica
Ainda: T v % = T v . 100
das bebidas.
Ex.: 38 o GL = 38 %
É a razão entre o n o de mols do soluto (n 1 ) e
É a razão entre o n o de mols do
soluto (n 1 ) e o volume, em litros
(V), da solução.
n1
M 
V
unidades: mol/litro ou M
m C  m 1 T  1  m 1 V m m 
m
C 
m
1
T 
1
m
1
V
m
m
m
1
2
dividindo C por T, resulta
m
1
C
V
m
densidade  d ou 
T
m
V
1
m

10/02/2012

1. A Concentração (C) sempre deve ser expressa em g/L; 2. Se a densidade também
1.
A
Concentração
(C)
sempre
deve ser expressa em g/L;
2.
Se a densidade também está
expressa em g/L a relação resultará
C = T . d
3.
Se a densidade está expressa
em g/mL (ou g/cm 3 ) a relação resultará
C = T . 1000 . d
EXEMPLO: Uma solução de HCl contém 36,5 %, em massa do ácido e densidade 1,2
EXEMPLO:
Uma solução de HCl contém 36,5 %, em
massa do ácido e densidade 1,2 g/mL. Qual a
Molaridade ?
Solução: = 36,5 %  T = 0,365; d = 1,2 g / mL
0,365 . 1000 . 1,2
M = T . 1000 . d
M
36,5
1
M = 12,0 mol ou 12,0 M ou 12,0 Molar
Resposta: M = 12,0 mol/L
Solução 1 Solução 2 + V água M = n 1 / V M ’
Solução 1
Solução 2
+ V água
M = n 1 / V
M ’ = n 1 / V ’
n 1 = M.V
n 1 = M ’ .V ’
M . V
= M ’ . V ’
n1 C  m m m 1 T  1  1  V m
n1
C 
m
m
m
1
T 
1
1
V
m
m
m
M
V
1
2
como n 1 = m 1 / M 1
m 1 = massa do soluto
M 1 = massa molar do
soluto
n
m
C
T
.
1000 d
.
V
1
V
1
.
M
M
M =
M
1
1
1
Diluir uma solução é adicionar solvente (em geral água) mantendo a quantidade de soluto constante.
Diluir uma solução é
adicionar solvente
(em geral água)
mantendo a
quantidade de soluto
constante.
EXEMPLO: Foram adicionados 750 mL de água destilada à 250 mL de uma solução 0,5
EXEMPLO:
Foram adicionados 750 mL de água
destilada à 250 mL de uma solução 0,5 M de
HCl. Qual a molaridade da solução formada ?
Solução: gua = L ; V = 0,25 L ; M = 0,5 ; M ’ = ?
V = 250mL + 750 mL = 1000 mL = 1L
M .V = M ’ .V ’
M .1 = 0,5 . 0,25
M = 0,5 . 0,25
= 0,125 mol/L
1
Resposta: M = 0,125 mol/L

10/02/2012

I - MESMO SOLUTO (sem reação química) Solução 1 Solução 2 Solução 3 + n
I - MESMO SOLUTO (sem reação química)
Solução 1
Solução 2
Solução 3
+
n 1 = M.V
+
n 1 ’ = M ’ .V ’
=
n 1 ’’ = M’’.V’’
donde resulta:
n 1 + n 1 ’ = n 1
’’
M.V + M ’ .V ’ = M ’’ .V ‘’
MISTURAS II - SOLUTOS DIFERENTES (c/ reação química) Ex.: solução de HCl + solução de
MISTURAS
II - SOLUTOS DIFERENTES (c/ reação química)
Ex.: solução de HCl + solução de NaOH
Nesse caso devemos levar em conta a
estequiometria da reação, no seu ponto final.
HCl + NaOH  NaCl + H 2 O
1 mol
1 mol
No ponto final da reação
n o mols ácido = n o mols da base
n ácido = n base
M ácido .V ácido = M base . V base
EXEMPLO: Foram neutralizados 600 mL de solução 1 M de NaOH, com 1,5 L de
EXEMPLO:
Foram neutralizados 600 mL de solução 1
M de NaOH, com 1,5 L de solução de HCl. Qual
a Molaridade da solução ácida ?
Solução:
M b = 1 ; V b = 600 mL = 0,6 L ; M a = ? ; V a = 1,5
Para essa reação, no ponto final,
M a .V a = M b . V b
M a = 1 . 0,6 / 1,5 = 0,4 mol/L
Resposta: M = 0,4 mol/L
EXEMPLO: Foram misturados 0,5 L de solução 1 M de NaOH, com 1,5 L de
EXEMPLO:
Foram misturados 0,5 L de solução 1 M
de NaOH, com 1,5 L de solução 2 M, da mesma
base. Qual a Molaridade resultante ?
Solução:
M = 1 ; V = 0,5 ; M ’ = 2 ; V ’ = 1,5 ; V ’’ = 2,0 ; M ’’ = ?
M .V + M ’ .V ’ = M ’’ .V ’’ 
M ’’ = M.V + M ’ V ’ / V ’’
M ’’ =(1 . 0,5) + (2 . 1,5) / 2,0 = 1,75 mol/L = 1,75 M
Resposta: M = 1,75 M
MISTURAS II - SOLUTOS DIFERENTES (c/ reação química) Nesse caso adiciona-se uma solução sobre a
MISTURAS
II - SOLUTOS DIFERENTES (c/ reação química)
Nesse caso
adiciona-se uma
solução sobre a
outra e o ponto
final da reação
pode ser
visualizado pela
adição de um
indicador ácido-
ácido
base
base.