Universidade Bras Cubas Programa de Mestrado em Semiótica, Tecnologia da Informação e Educação Aluno: Valter Padulla RGM 255934

1

DISCIPLINA: Conhecimento Científico: Produção e Comunicação

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA PRODUÇÃO DE TEXTO

RESUMO: Este texto presta-se a demonstrar, como tarefa escolar, o que foi depreendido pelo autor nas aulas sobre “CONHECIMENTO CIENTÍFICO: PRODUÇÃO E COMUNICAÇÃO”, ministradas pela Profª Drª Eliana Meneses de Melo. A “desconstrução” (e posterior “reconstrução”) do artigo “Fragmentação Cultural e Sistema Mundial”, de Jean-Pierre Warnier, a servirem de modelo para exemplificar método de produção de textos científicos, indicada como boa prática a ser adotada pelo autor em sua produção científica, mormente em seu trabalho monográfico a ser apresentado ao final do programa de mestrado.

Introdução

A produção de conhecimento científico, e sua conseqüente transmissão, devem obedecer algumas regras, com o fito de que seja verificável, demonstrável e de fato produza conhecimento que se possa identificar como científico. Além das normas da gramática, da sintaxe e do estilo que torna agradável, ou não, determinada leitura, o autor de um texto científico deve ter em mente, por óbvio, que o prepara para leitura de outras pessoas (estudiosos, curiosos, especialistas) e que estas devem entender, encontrar nexo no que lêem, acima de tudo. A produção de textos é a expressão dos conhecimentos do autor sobre determinado assunto, o que pode ocorrer pela experiência pessoal de quem escreve ou pela leitura de outros autores, sendo que mesmo a experiência pessoal sempre se dará a partir dos que outros fizeram e registraram, portanto o contato com outros autores é primordial para produção de textos. O contato com outros autores é possível pessoalmente ou através dos registros de seus pensamentos e experimentos, o lapso temporal e distancia são algumas barreiras que separaram estudioso e autor, de onde se entende que os registros (escrita e outros) são fundamentais na transmissão de conhecimento. O encontro, estudioso-autor, se dá principalmente pelo estudo e compreensão de textos científicos, que capacitarão o autor a expor o que sabe sobre determinado assunto. Esta relação, leitura, entre as idéias de um autor e quem o estuda deve ser

que me levarão às minhas próprias conclusões sobre o assunto abordado e. normalmente aceita. acesso em 04/04/10 às 15:32.2 [grifo do autor] Da citação supra temos que o processo da globalização atinge a cultura e que se impulsiona por via dos meios de transporte e da comunicação. qual o tema?) e quem é o autor (qual a corrente de pensamento que defende?). que nortearão este trabalho intelectual transformando-o em algo mais substancial que o simples entendimento de uma “historinha”1. . esmiuçá-lo em seus argumentos. isto é. sem uma questão que acompanhe o texto. social. 2001). 1. a(s) resposta(s) mais satisfatória(s) e a(s) conclusão(ões). linguagem. que teria sido impulsionado pelo barateamento dos meios de transporte e comunicação dos países do mundo no final do século XX e início do século XXI. política.org/wiki/Globaliza%C3%A7%C3%A3o>. num estágio posterior. usos próprios. No texto analisado o articulista contraria a definição.Universidade Bras Cubas Programa de Mestrado em Semiótica. Penso que “leitura científica” seja o processo em que se observa um texto com uma proposta de entendê-lo cabalmente. foi analisado em sala de aula e dissecado em suas idéias essenciais. Do artigo científico “dissecado” e exposto em seus argumentos e encadeamento de raciocínio O artigo científico “Fragmentação cultural e sistema mundial” (Warnier. onde as pessoas desenvolvem costumes. cultural. meus pensamentos expostos e registrados em outro(s) texto(s) científico(s). 2 Texto disponível em <http://pt. que a cultura é característica de uma região com passado comum. de globalização como segue: A globalização é um dos processos de aprofundamento da integração econômica. tendo como ponto inicial saber do que se trata (qual o assunto?. O articulista sustenta.wikipedia. por sua argumentação. um texto científico exige uma “leitura científica”. afirma ainda que produtos culturais sim é que podem ser comercializados 1 Termo a designar a narração de idéias sem uma linha de raciocínio que dê sustentação. Os argumentos que expõem e demonstram as idéias de quem escreve devem ser posicionados corretamente. o problema que está em análise. ou seja. e isto não pode ser comercializado e nem socializado entre povos diferentes. A leitura científica produzirá uma identificação das minhas próprias idéias em relação ao que observo num dado texto. Tecnologia da Informação e Educação Aluno: Valter Padulla RGM 255934 2 pautada por alguns princípios.

que ela continua a ser uma formidável máquina de produzir a diferença cultural. em suma. Warnier constrói seu edifício de idéias sobre os seguintes pilares: Pilar Comunidade Científica Fato Sociólogos afirmando que a modernização não produziu a convergência esperada História Aparecimento sobre a Terra Desenvolvimento da agricultura dos homens Desenvolvimento em grupos distintos e isolados. [. modos de vida e de consumo muito diversos. Distinções culturais persistem. A aplicação desse método ao trabalho proposto pelo autor se dará de forma similar. Tecnologia da Informação e Educação Aluno: Valter Padulla RGM 255934 3 e estas são impulsionadas pelo desenvolvimento dos meios de transporte e comunicação. contendo tese. Destaca ainda que longe de se encontrar homogeneização a humanidade: [.Universidade Bras Cubas Programa de Mestrado em Semiótica. (mercado) e dos excedentes de rotas Conseqüência Apoio à hipótese sugerida pelo autor necessidade 2.. antítese e síntese.] (Warnier) O problema estudado é: Quais são as características mais marcantes das culturas-tradições quando comparadas à cultura globalizada com a qual entram em contato? (Warnier) A resposta de Warnier à questão é de que duas características marcam as culturas.. A partir do problema analisado e da resposta sugerida. Da aplicação do método verificado no artigo de Jean-Pierre Warnier ao trabalho monográfico do autor O método adotado por Warnier em seu artigo aponta um rumo. XVI) Revolução Industrial A busca por novas mercadorias aumenta a rapidez nos contatos interculturais Produção de manufaturas.. distinção cultural. mas ainda assim culturas preservadas Grandes descobrimentos (séc. a referência ao passado e a extrema fragmentação. bem como uma organização de pensamento lógico que . reservas de grupos.] é constitutivamente destinada a produzir clivagens sociais. com culturas diferentes Surgimento de cidades como ponto de trocas agrícolas comerciais Desenvolvimento transportes marítimos nos Mediterrâneo sob a bandeira do Império Romano..

O tema foi eleito a partir da experiência de vida profissional do autor. Tavares e João Antonio Batalha e Largos Coronel Benedito de Almeida e do Carmo. erros e acertos que tal situação propiciou e propicia. mas principalmente à feitura do texto.Universidade Bras Cubas Programa de Mestrado em Semiótica. mais especificamente o estudo. Tema A matéria do trabalho científico em questão é Segurança Pública. 27 anos trabalhando na Polícia Militar do Estado de São Paulo. em que tomo parte de processos decisórios. E considerando o fato de que estou em posição hierárquica. que aumenta a responsabilidade em relação a este trabalho. com as conseqüentes contribuições. Tecnologia da Informação e Educação Aluno: Valter Padulla RGM 255934 4 facilitará não somente a leitura dos que tomarão contato com esse texto. O tema é geratriz do título provisório da pesquisa: “A semiótica da arquitetura urbana pública: análise dos signos e significações nas praças públicas da área central de Mogi das Cruzes”. questionamentos. . análise e entendimento. dentro da Instituição. Problema Estudar e determinar qual é o impacto (positivo ou negativo) do ambiente na sensação de segurança vivenciada pelos transeuntes-usuários das praças públicas da área central do município de Mogi das Cruzes-SP3. fazendo com que o êxito em trazer algo útil e proveitoso à comunidade seja possível. signos e significados. a respeito das relações existentes entre o meio ambiente. Norival G. emoções. PROBLEMA. e a sensação de segurança experimentada por seus usuários. frustrações. A justificativa inicial para a resposta ao problema proposto é a de que o ambiente altera o comportamento dos cidadãos em relação à segurança pública. Hipótese O ambiente encontrado nas praças públicas é fator constituinte da sensação de segurança e garantidor da consecução da cidadania e direitos humanos. Para estruturar e organizar o pensamento e desenvolver o método de trabalho esse capítulo será dividido em TEMA. mas também possibilita a aplicabilidade imediata do que for estabelecido como verdade científica. 3 Nota do autor: Praças Osvaldo Cruz. HIPÓTESE e PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO.

como covil valores que possibilitam julgar (sensação de segurança) este local por sua aparência (sombras. sistematicamente. no sentido de que se expõe conhecimento quando se tem esse conhecimento. Planejamento Estratégico O autor estrutura seu trabalho. degradação física) 3. abandonado. poderá ser ocupado. por um sujeito que entenda as sombras e a degradação urbana. escritores 6. 4 Nota do autor: sigla para os termos Crime Prevention Through Environmental Design (Prevenção ao Crime por via do Desenho Ambiental). Considerações finais A leitura é parte integrante da escrita. em Conseqüência Apoio à hipótese sugerida pelo autor termos de sensação de segurança Relação entre histórico de violência e relacionamento entre os locais e as diferenças semióticas (discursos) Ocorrência perpetrados nos arredores dos locais-alvos de estudo Semiótica visual A formação do sujeito. e tal conhecimento advirá do contato com produtores de conhecimento. como se percebe do trabalho monográfico “Elementos Semióticos no Planejamento Urbano: O Caso de Curitiba” (Müller). 5 Nota do autor: registros dos crimes “Furto a transeunte”. 6 Pressuposto do autor: a gama de conhecimento acumulado pelo homem propicia a que sempre haverá escritores a consultar. “Lesão Corporal Dolosa” e “Roubo a transeunte”. com o fito de produzir convicção e significação aos leitores na seguinte conformidade: Pilar Comunidade Científica Fato Artigo: Broken Windows. Kelling Conceitos de CPTED4 Pesquisa Registro fotográfico dos locaisalvo de estudo Apoio à hipótese sugerida pelo autor Estabelecimento das condições físicas atuais dos locais-alvo de estudo e diferenças semióticas Questionário aos usuários de praças públicas de Mogi das Cruzes-SP Análise dos Boletins de de crimes 5 Registrar o impacto que as condições físicas do ambiente produzem. ou seja. . ou seja. “Homicídio Doloso”. L. em determinada cultura produz Um local que cause desprazer passa a ser não visitado. ninguém partirá do “zero absoluto” para produzir conhecimento. Tecnologia da Informação e Educação Aluno: Valter Padulla RGM 255934 5 conforme artigo “Broken windows” (WILSON e KELLING) e de que o entendimento da significação e simbologia dos ambientes urbanos é muito importante. Q. de J. Wilson e G.Universidade Bras Cubas Programa de Mestrado em Semiótica.

decodificar a intenção do autor e extrair o que é comunicado pelo texto. É preciso saber o que se procura. acima de tudo. . que é um trabalho intelectual. demanda busca por algo importante que está no texto e que será encontrado se houver diligência e. de produção.Universidade Bras Cubas Programa de Mestrado em Semiótica. Tecnologia da Informação e Educação Aluno: Valter Padulla RGM 255934 6 O processo de leitura. o leitor adota atitude de trabalho. suas convicções. deve ser entendido como tal. indo além o leitor “desconstruirá” o texto para entender o máximo possível e finalmente irá dialogar com o escritor para comparar conceitos próprios com os exarados pelo texto e então formar. para saber se foi encontrado ou não. método. ao efetuar o exame de registros escritos. isto é. para ser atitude de trabalho. É preciso reconhecer a intenção do autor e se reconhecer como leitor. A atitude. alterar ou reforçar. As mensagens contidas num texto se aclaram gradualmente. após estudando melhor o autor e suas idéias. a princípio uma leitura superficial.

pdf>. WARNIER. 1995. São Paulo: Contexto. e KELLING. Curitiba: Universidade Federal do Paraná. Semiótica visual: os percursos do olhar. J. G.Universidade Bras Cubas Programa de Mestrado em Semiótica.com. Fragmentação Cultural e Sistema Mundial. Broken windows: The police and neighborhood safety. WILSON. Jean-Pierre. Elementos Semióticos no Planejamento Urbano: O Caso de Curitiba. Disponível em <http://books. acesso em 04/04/10 às 17:50.br/books?hl=pt-BR&lr=&id= 7FWvvlWyQ0kC&oi=fnd&pg=PA5&dq=jean-pierre+warnier+cultura&ots=DqVqCpjzS 2&sig=nMaMihn5gA8rhcZ7y-EPYHMvzZk#v=onepage&q=&f=false>. G. MÜLLER. 2004. 04/04/10 às 14:55. La mundialización de la cultura. (Texto fornecido pela Universidade Brás Cubas). Texto disponível em <http://www. Tecnologia da Informação e Educação Aluno: Valter Padulla RGM 255934 7 Referências Bibliográficas LEOBOLD. 2001. Edmonton: Planning and Development.L. J. Design guide for a safer city.manhattan-institute. . PIETROFORTE.org/pdf/_atlantic acesso em _monthly-broken_windows. V. Quito: Ediciones ABYAAYLA. P. WARNIER.google. J. A.Q. 2004.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful