Você está na página 1de 7

“Comércio do Minho”

(1918)

• Quinta-feira, 9 de Maio de 1918

Faleceu terça-feira, num quatro particular do hospital de S.


Marcos, onde foi submeter-se a uma operação, o Sr. Manuel Clemente
Barbosa, casado, de 55 anos de idade, comerciante desta praça, o
qual no dia 28 do mês findo, por ocasião das eleições, fora atingido
na assembleia de S. Victor, por um tiro de pistola que casualmente
disparou um indivíduo presente.

Após a referida operação, sobreveio uma bronco-pneumonia


que o vitimou.

• Quinta-feira, 3 de Outubro de 1918

“A epidemia – Medidas de precaução”

Por motivo da epidemia bronco-pneumonica, foi adiada a


abertura das aulas de todos os estabelecimentos de ensino do país,
assim como a realização do serviço de exames.

 Foram também suspensas as reinspecções militares.

 As grandes feiras e romarias foram proibidas.

 Por causa da epidemia bronco-pneumónica, a autoridade


administrativa de Guimarães proibiu a peregrinação que domingo
devia realizar-se à Penha, e ordenou o encerramento dos templos aos
domingos e dias santificados.

• Domingo, 6 de Outubro de 1918

“A epidemia – Medidas de precaução”


Pela repartição de instrução primária e pedagógica foram
excedidas ordens de minatites para não se permitir a abertura tanto
das escolas oficiais como das particulares, por motivos de epidemia.

Estão suspensas as comunicações ferroviárias entre Portugal


e Espanha;

Foram mobilizados para o ataque a epidemia, os médicos


milicianos da 1ªdivisão e os quintanistas de medicina;

Vão fechar os teatros e cinematógrafos de Lisboa, e serão


proibidos os cortejos fúnebres.

• Quinta-feira, 10 de Outubro de 1918

“A epidemia”

O Sr. Governador civil deste distrito (Braga) mandou afixar um


edital determinado:

a) As autoridades administrativas mobilizarão nos seus


concelhos os veículos que julgarem necessários, e sejam
quais forem os seus possuidores, para transporte dos
médicos a todas as freguesias infectadas.
b) Serão proibidos desde já, e enquanto durar a epidemia com a
intensidade que hoje manifesta, as feiras e romarias, bem
como outros actos públicos ou particulares que determinem
aglomerações, sempre perigosas nos momentos epidémicos.
- S. excª o Sr. Presidente da República enviou 15.000$000 ao
Sr. Governador civil, para o conveniente tratamento e
socorros aos pobres deste distrito que forem atacados da
bronco-pneumónica.

• Domingo, 13 de Outubro de 1918

“A epidemia”

Tendo decrescido a gripe bronco-pneumonica em Guimarães,


foram restabelecidos os actos de culto nas igrejas daquele concelho,
aos domingos e dias santificados, sendo porém os enterramentos
feitos desde as 8h às 22h da noite e só se permitindo responsas nas
igrejas aos cadáveres encerrando em caixão de chumbo.

O hospital de typhosoa do Colégio do Espírito Santo,


desta cidade, foi adaptado para hospitalização dos
epidemiados da gripe bronco-pneumónica.

Pela direcção geral de saúde foi suprimido, enquanto durar a


epidemia, o descanso dominical nas farmácias.

A câmara deste concelho mandou anteontem e ontem lavar as


ruas com água do Cávado, trabalho a que procederam os bombeiros
municipais e voluntários.

Também mandou queimar nas praças folhagem de eucaliptos e


rama de pinheiros para purificar o ar.

A epidemia tem feito grande número de vítimas nesta cidade e


nas aldeias.

Os armadores não têm tido descanço.

• Quinta-feira, 17 de Outubro de 1918

“A epidemia”

A autoridade civil mobiliza todos os automóveis e trens desta


cidade, a fim de serem prontamente socorridos os indivíduos
atacados da gripe bronco-pneumónica.
A câmara municipal continuou domingo a mandar queimar, nas
ruas e praças da cidade, folhagem de eucaliptos e rama de pinheiros,
a fim de purificar a atmosfera.

Nas casas também se tem feito grande consumo, em


defumadores, das resinas e outras folhagens bal´smicas.

As malas das imediações da cidade têm sido assaltadas pelo


rapazio e gente do povo, para se prover de amos de árvores
resinosas, que depois queimam ou vendem.

Foi proibido a dobre de sinos a finadoa em todas as igrejas da


cidade.

O Sr. Administrador do concelho fez retirar para o matadouro,


em carroças, os suínos encontrados em cortes nos quintais, dentro da
cidade. Foram requisitados enfermeiros militares para serviço do
hospital de S. marcos, onde se encontram doentes muitos
empregados.

• Domingo, 20 de Outubro de 1918

“A epidemia”

Grassa de uma maneira assustadora, em todo o país, a


epidemia da gripe bronco-pneumónica, fazendo diariamente grande
número de vítimas.

Nas freguesias rurais do nosso concelho tem alastrado


consideravelmente, como todos sabem, mas na cidade, felizmente, o
mal não tem sido de maior.

Vão sendo postas em prática as medidas que em casos tais a


higiene aconselha, para que a terrível doença não possa alastrar,
mas, pelo contrário, seja prontamente debilada.

Todos nós, sejam quais forem as condições sociais em que


vivamos, temos obrigação restrita de observar as preocupações que
pelas autoridades sanitárias nas são indicadas, porque a não
observação das mesmas implica uma falta de consideração pela
saúde publica. Só assim poderemos tornar menos densa a nuvem de
terror que vai envolvendo o espírito público, netas horas dolorosas
que vão passando.
Infelizmente, a nossa cidade tem sido muito desonrada no que
diz respeito a sanidade geral.

Nós não temos saneamento; a limpeza municipal deixa muito a


desejar, havendo ruas onde raras vezes passa a vassoura e para onde
criaturas ignorantes do mal que podem causam lançam toda a sorte
de detritos; essas há, onde as fossas são outras tantos focos
epidémicos, pela sua péssima construção, e onde os canos de esgoto,
por falta de isolamento conveniente, extilam um cheiro pestilento;
dentro da cidade, e a dois passos dos prédios, ainda se vêem
cortelhos de suínos; e a lavagem da via pública, nos dias ardentes do
ostio, é feita de modo a deixar muito a desejar.

A tudo isto é necessário por cobro imediatamente, já que tanto


dinheiro o município gastou, prodigamente em melhoramentos de
somenos importância e não olhou para o que era do máximo
interesse e deveria ter sido feito em primeiro lugar.
E o máximo rigor deve haver na observância das posturas
municipais, para que todos saibam cumprir o seu dever no momento
erítico que vamos atravessando.

Há quem não tenha a menor consideração pela saúde pública,


lançando das janelas para a rua toda a sorte de porcaria e para a rua
varrendo os pavimentos das varandas, de maneira que os passeios e
valetas se encontram sempre cheios de lixo

Ora, francamente, isto não se pode consentir; isto deve ser


energicamente reprimido porque é um abuso inqualificável, de que
podem redundar inúmeros malefícios.

Se a hora que passa, apavora, cumpra cada um o seu dever,


velando pela higiene particular e contribuindo para que não seja
descurada a higiene pública.

• Domingo, 27 de Outubro de 1918

“A epidemia”

Continuam sendo numerosíssimos os casos da gripe bronco-


pneumónica, tanto nesta cidade como nas aldeias sendo também
muito elevada a mortalidade.
Desde um do corrente mês registaram-se no cemitério 260
enterramentos.

• Quinta-feira., 31 de Outubro de 1918

“A epidemia – socorros”

Sábado de tarde, realizou-se no paço archiepiscoal uma reunião


dos rev.os paracos da cidade e presidentes das associações católicas e
de beneficientes sob a presidência do ex.mo Arcebispo Primaz, afim de
se organizar, por meio de subscrição, a assistência aos epidemiados.

O revendendo Prelado subscreveu logo com 200$00.

Os rev.os paracos já iniciaram a subscrição nas suas freguesias.

É tesoureiro o Sr. António Joaquim Cardoso estimado


comerciante da rua S. João.

Já se não realiza o bando precatório projectado para o mesmo


fim.

• Quinta-feira, 7 de Novembro de 1918

“A Epidemia – Seu decrescimento”

Acentuando-se o decrescimento da epidemia em todo o país, foi


autorizado que as farmácias voltem ao horário normal, e levantada a
proibição das grandes feiras.

Os colégios particulares começaram a funcionar, e as escolas


oficiais reabrirão no dia 20 se a epidemia continuar declinado,

• Quinta-feira, 27 de Março de 1919

“Epidemia”
Não tem diminuindo os casos de typhoexanthematico,
continuando todavia o combate contra a terrível moléstia.

Grassa também intensamente a varíola.

Interesses relacionados