Você está na página 1de 27

1

A LÍNGUA INGLESA EM CIBERESPAÇO1: UMA REALIDADE VIRTUAL.

Paulo Sandro Teixeira de Paula

In the same way that the direction of the wind doesn't determine the
sailor's destination, the language we speak will not determine our destiny2.

Ricardo Shültz

RESUMO

Este artigo apresenta um relatório sobre o perfil dos usuários de


ciberespaços na cidade de Porto Velho, com foco na aquisição da língua
inglesa, principal veículo de acesso aos espaços virtuais e expõe também, os
resultados obtidos durante a aplicação de um questionário em algumas das
principais LAN houses, cyber cafés e laboratórios de informática de nossa
cidade, visando levantar informações sobre o nível de escolaridade, o tempo de
permanência conectados aos sites mais populares e o nível de compreensão e
motivação para aprendizagem da língua inglesa.

PALAVRAS-CHAVE

Internet, aquisição de língua estrangeira, ciberespaço.

ABSTRACT

This article presents a study on internet users at Porto Velho city,


focusing on utilization and acquisition of the English Language, which is the
main instrument in cyberspaces. In addition, this paper presents the results of a

1
O termo ciberespaço começa a se infiltrar no nosso vocabulário cotidiano e é cada vez mais
freqüente usá-lo para indicar a relação entre o homem e o computador.

2
Assim como não é a direção do vento que determina o rumo do navegador, não é a língua
que o mundo fala que determinará o nosso destino. (tradução do autor)
2

questionnaire applied at LAN house, cyber cafés and Informatics lab in our city,
searching for information on school age, time connected on main sites and
their knowledge and motivation to learn the English Language.

KEYWORDS

Internet, acquisition of foreign language, cyberspace.

INTRODUÇÃO

O crescente número de ciberespaços na cidade de Porto Velho vem


chamando a atenção de diversos segmentos da sociedade para uma realidade
cada vez mais emergente no cotidiano de uma boa parte da população local.
Esses espaços abrem muitas oportunidades, não só para o setor
comercial, com o surgimento de diversas lojas de produtos ligados à
informática, mas também, para o aparecimento de dezenas de LAN houses,
laboratórios de informática e cyber cafés, que estão entre os locais mais
freqüentados por boa parte da juventude rondoniense.
Esta realidade leva-nos a refletir sobre duas questões de fundamental
importância para os professores de idiomas: qual o nível de aprendizagem da
língua inglesa e como ocorre a utilização dela pelos internautas3 na cidade de
Porto Velho?
Todavia, o objetivo deste artigo é apenas identificar e avaliar os usuários
de ciberespaço de Porto Velho quanto a utilizarem conscientemente a língua
inglesa durante o tempo em que eles ficam expostos aos computadores
navegando pelos mais diferentes sites e para avaliar o grau de proficiência na
língua inglesa que eles possuem. Embora se saiba que “a investigação
cientifica não termina com os dados; ela começa com eles. O resultado da

3
Assim como quem “navega nos astros” é um “astronauta” e quem “navega na Argo” é um
“Argonauta”, logo quem “navega na internet” é um “internauta”.
3

ciência é uma teoria ou uma hipótese de trabalho, e não os assim chamados


fatos” (G. H.Mead. The Philosophy of Act. p.93).
Para tanto, fiz o levantamento dos principais sites e salas de bate papo
por eles utilizados e também cataloguei alguns dos termos mais utilizados em
inglês durante o acesso à internet.
Concluído o primeiro passo elaborei um questionário (ver anexo I ) que
serve de base para a pesquisa etnográfica onde proponho responder a
seguinte pergunta “o que está acontecendo aqui?” E, através da integração
com a comunidade alvo, durante as visitas aos ciberespaços em Porto Velho,
passei a observar e catalogar o que está acontecendo em nossa cidade, com
relação ao grande interesse das pessoas pelo mundo virtual e também para
tentar visualizar os usuários de internet para melhor compreende-los e
descrevê-los.
Ao identificar o público alvo passei a entrevistá-los através dos
questionários, escolhendo aleatoriamente 15 (quinze) internautas, sendo que
os dividimos em três grupos com 5 (cinco) pessoas conforme a faixa etária ( 12
a 16, 17 a 21 e acima de 22 ).
Neste questionário focalizei o seguinte: quem são os usuários de
ciberespaços em Porto Velho; quais os principais sites e salas de bate papo
utilizados por eles e qual sua faixa etária.
Este questionário está dividido em três blocos principais: o primeiro
bloco indaga sobre as características pessoais de cada indivíduo, tais como:
nome, idade e escolaridade. Estes itens são de grande importância para
conhecermos os internautas e principalmente para dividirmos os grupos que
são abordados na pesquisa.
O segundo bloco questiona a freqüência com que cada internauta utiliza
a internet, as salas mais visitadas e a língua que eles utilizam durante as
conexões, pois muitos, apesar de utilizarem a língua inglesa ao lerem,
escreverem ou falarem não se dão conta do uso da mesma.
O terceiro bloco procura identificar o grau de conhecimento da língua
inglesa, o tempo que o entrevistado estudou ou estuda a língua inglesa e quais
dos principais sites, ferramentas e termos da internet utilizadas em inglês e são
conhecidos pelo entrevistado.
4

LINGUA INGLESA, PORTAL DE ACESSO À INTERNET.

Com o passar dos anos e o desenvolvimento de tecnologias cada vez


mais avançadas, percebemos que não há limites quando a palavra chave é
comunicação, e nada resume melhor este conceito que a Internet, pois, pela
sua própria natureza, permite-nos entrar em contato com muito mais pessoas e
obtermos informações em um ritmo cada vez mais acelerado.
Porém, a internet não é a solução para todos os problemas do ensino,
transformando todos os nossos alunos em falantes proficientes, mas pode ser
uma verdadeira fonte de informações, quando usada de forma sensata,
podendo contribuir de forma significativa para o progresso do ensino-
aprendizagem.
Como resultado, percebí que cada parte da Internet é uma oportunidade
para a aprendizagem e interação com a verdadeira "língua autêntica", sendo a
língua inglesa o portal de acesso desse novo conceito mundial, como comenta
Celso Luft fazendo referência as acrescente mutações que as línguas têm
sofrido com o advento da internet, principalmente devido ao contato delas com
a língua inglesa: “Não há duvidas que as línguas se aumentam e se alteram
com o tempo e as necessidades dos usos e costumes”.( Vestibular de
português: textos e testes, 1972.p.20)
Internet é a rede mundial de computadores interconectados. É o sistema
de informação global que: a) é logicamente ligado por um endereço único
global baseado no Internet Protocol (IP) ou suas subseqüentes extensões; b) é
capaz de suportar comunicações usando o Transmission Control Protocol
/Internet Protocol (TCP/IP) ou suas subseqüentes extensões e/ou outros
protocolos compatíveis ao IP; e c) provê, usa ou torna acessível, tanto
publicamente como privadamente, serviços de mais alto nível.
O surgimento da internet tornou necessária a utilização de uma
linguagem prática e eficaz, que combine com a facilidade e agilidade que esta
pode proporcionar. Da mesma forma que os computadores se comunicam,
independentemente de cor e raça, ou melhor, de fabricante e protocolo de
comunicação, também os internautas possuem uma linguagem comum: a
5

língua inglesa, que se tornou ao longo das duas últimas décadas, a mais
importante do mundo digital.
David Crystall 4, em recente entrevista a revista Época, afirma que morre
uma língua por semana e que apenas a internet é capaz de salvar alguns
idiomas da extinção. Prevê ainda, que “o inglês vai se fragmentar, influenciado
pela internet e pelos falantes não-nativos”. (edição 289. p 23)
A afirmação de Crystall pode ser comprovada, sobre tudo, devido o
crescente interesse do homem pela internet, e faz nos refletir sobre a
possibilidade de um número cada vez maior de pessoas entrarem em contato
com a língua inglesa. Visto que, a comunicação na Grande Rede, atualmente,
é predominantemente feita, por mensagens escritas, enviadas pelo correio
eletrônico (e-mail), trocadas por meio do uso de softwares de comunicação,
como o mIRC5, ICQ6, Netmeeting7 e, principalmente, nas "salas" de bate-papo
quando utiliza-se a língua inglesa para quase todas as atividades realizadas
na internet, sendo ela peça fundamental no processo de ínclusão digital ou
infoinclusão que é a democratização do acesso às tecnologias da Informação,
de forma a inserir todos na sociedade da informação. Dessa forma, toda a
sociedade pode ter acesso a informações disponíveis na Internet, e assim
produzir e disseminar conhecimento.
É claro que nem todos que utilizam a Internet compreendem a língua
inglesa. Embora, mais de 80% dos documentos e das comunicações feitas
através da Internet, encontram-se em inglês. E seja perfeitamente possível

4
Lingüista Britânico, 64 anos, vive com a esposa e quatro filhos, formado pela University College
London. Membro da Associação de Professores de Inglês como língua estrangeira e autor de mais de 60
livros, entre eles obras de referência como Cambridge Encyclopedia of Language.

5
mIRC é um cliente de IRC, shareware, para o sistema operativo Microsoft Windows, criado em 1995 e
desenvolvido por Khaled Mardam-Bey
6
ICQ (ou iCQ) é um programa de comunicação instantânea pela Internet que foi o mais popular durante
anos. A sigla é um trocadilho feito baseado na pronúncia das letras em Inglês (I Seek You), em português,
"Eu procuro você". O ICQ foi o pioneiro desta tecnologia tendo sua primeira versão lançada em 1997 por
uma empresa israelense chamada Mirabilis, fundada por Yair Goldfinger, Arik Vardi, Sefi Vigiser e
Amnon Amir.

7
O netmeeting é um programa para videoconferências e chat, onde é possível que se compartilhem
arquivos, possibilitando também que as pessoas possam colaborar em aplicações. Esta página vai mostrar
de uma forma bem fácil e clara como devemos proceder para compartilhar arquivos com outras pessoas.
6

usar a Internet e se divertir muito navegando apenas por sites escritos em


português.
Realmente, para se ler, falar, escrever e ouvir com fluência a língua
inglesa são geralmente necessários de seis a oito anos de estudo constante.
Todavia, para que aprender todas as habilidades se o mais importante é
apenas ler? É muito mais fácil dominar alguns dos aspectos de um idioma
(como por exemplo, a leitura) do que todas as quatro habilidades
simultaneamente (ler, ouvir, falar e escrever).

A Internet possui amplo conteúdo interativo, onde a capacidade de se


falar e escrever bem a língua inglesa, certamente é uma grande vantagem,
porém o mais importante certamente é saber ler. Ler para utilizar a informação
existente na Internet, para aprender, resolver problemas pessoais ou
profissionais, se divertir, enfim, para uma infinidade de propósitos.
Todos os propósitos que estão agregados a utilização da internet faz
com que o homem moderno seja inserido no processo dinclusão digital que é
um dos grandes objetivos compartilhados por diversos governos ao redor do
mundo nas últimas décadas.
Com a internet os povos ficaram mais próximos havendo assim, a
oportunidade de interação entre falantes nativos de língua inglesa e outros
povos cuja necessidade de aprender o léxico anglosaxônico tem sido cada vez
mais emergente, sendo,a língua inglesa um "divisor de águas, sem o qual a
história da humanidade não poderá ser escrita”. Valente & Damski (1995: p.1)

O CIBERESPAÇO

Termo criado por William Gibson8 (1984) em seu romance Neuromancer


que trata do conjunto das redes de computadores interligadas e de toda a
atividade aí existente. É uma espécie de planeta virtual, em que pessoas

8
Wiiliam Gibson é um autor de ficção científica americana que vive em Vancouver, Canadá. Desde os
anos 70 escreve contos, e o seu primeiro romance Neuromancer, livro em que o conceito de Ciberespaço
nasceu, foi publicado em 1984. Escreveu também além do já citado Neuromancer (1984), Count Zero
(1986), Mona Lisa Overdrive (1988), The Difference Engine (1991), Agrippa (a Book ok The Dead)
(1992), Virtual Light (1993), Idoru (1996) e uma coletânea de contos chamada Burning Chrome (1986).
7

(a sociedade da informação) se relacionam virtualmente, por meio eletrônico e


definido por Pierre Lévy (1999, p.92) como sendo:
O espaço de comunicação aberto pela interconexão
mundial dos computadores e das memórias dos
computadores, inclui o conjunto dos sistemas de
comunicação eletrônicos (aí incluídos os conjuntos
de redes hertzianas e telefônicas clássicas), na
medida em que transmitem informações
provenientes de fontes digitais ou destinadas à
digitalização.

Serve para faciliatar as relações interpessoais da sociedade em geral.


Estes novos ambientes e contextos de comunicação, interação e aprendizagem
que se configuram como ciberespaço parecem proporcionar condições
favoráveis para ações pedagógicas fundamentadas na concepção
interacionista9 de aquisição da linguagem. Conforme explica Richter (2000:
p.27):
(...) adquirir linguagem é: aprender a comportar-se
de maneiras socialmente dotadas de sentido -
usando, para isso, o sistema de signos que o grupo
adota, verbais e não-verbais; e aprender a orientar o
comportamento em função do outro (o
comportamento humano é inseparável das relações
sociais).
Essa definição fundamenta-se na teoria sócio-histórico-cultural do
desenvolvimento das funções cognitivas, de Vygotsky10, quando “a interação

9
A teoria interacionista defende que a aquisição da linguagem provém da interação do
programa mental do aprendiz com a linguagem realizada pelo aprendiz e um
interlocutor. Além disso, argumenta que a aprendizagem de uma língua encontra suas
raízes em um sistema de reciprocidade comportamental, isto é, o aprendiz precisa
comportar-se socialmente, dando sentido às suas ações. Sabemos que é difícil ser
absolutamente preciso sobre os fatores que envolvem a leitura, mas defendemos que
uma proposta interativa poderá dar orientação para se alcançar determinados fins como
resolver problemas, lembrar de informações e aplicar conhecimentos.
10
Lev Semionovitch Vygotsky nasceu em 17 de Novembro de 1896, Orsha na Russia e
morreu em 11 de Junho de 1934, Moscou, foi um psicólogo belarusso, descoberto nos
8

social torna-se um fator crucial para o desenvolvimento e a aprendizagem do


ser humano” (Vygotsky, 1991: p.99).
No entanto, em Porto velho, a língua inglesa é utilizada em
ciberespaços de forma, geralmente, sutil. Pois, a grande maioria dos
internautas não admite conhecê-la, embora faça uso dela.
Isso acontece, porque o grande número dos termos utilizados nas
conexões já faz parte da realidade dos internautas e boa parte deles não
percebem que adquirem conhecimento da língua inconscientemente e também
devido ao poderio político, econômico e social dos estados Unidos que reinam
no mundo Globalizado desde a Segunda Guerra Mundial até nossos dias
fazendo com que, o processo de americanização aconteça de forma rápida,
mas aparentemente lenta e principalmente fazendo com que a cultura
americana e não apenas a língua , faça parte do cotidiano das pessoas
introduzindo assim novos rumos a sociedade mundial e consequentemente
local..
Crystall assegura que uma língua não se torna global por causa de suas
propriedades estruturais, pelo tamanho de seu vocabulário, por ser veículo de
uma grande literatura do passado, ou ter sido associada a uma grande cultura
ou religião. Ele menciona que uma língua torna-se internacional por uma razão
maior: o poder político de seu povo, especialmente seu poderio militar e
assegura quanto ao domínio internacional de uma língua que não decorre
apenas da força militar. ( Crystall, 1997)
Conclui-se então, que o poder militar de uma nação pode impor uma
língua, mas é necessário um poderio econômico para mantê-la e expandi-la,
pois, o crescimento dos negócios e de uma indústria competitiva trouxe uma
explosão internacional do marketing e do business enquanto que a tecnologia,
na forma do cinema e dos discos, canalizou as novas formas de entretenimento
de massa, o que teve um impacto mundial. O impulso no progresso da ciência
e da tecnologia criou um ambiente internacional de pesquisa, conferindo ao
conhecimento acadêmico um grau elevado de desenvolvimento. “Qualquer

meios académicos ocidentais depois da sua morte, causada por tuberculose, aos 37 anos.
Pensador importante, foi pioneiro na noção de que o desenvolvimento intelectual das
crianças ocorre em função das interações sociais (e condições de vida).
9

língua, no centro dessa explosão de atividades internacionais, repentinamente,


teria sido alçada a um status global”. (Crystall, 1997).
Infelizmente, porém, sabe-se que para a maioria da população mundial,
ter um computador é uma realidade bem distante e no Brasil não seria
diferente, embora haja programas em que o Governo Federal incentiva à
compra de computadores em longo prazo.
Para Levy “a perspectiva da digitalização geral das informações
provavelmente tornará o ciberespaço o principal canal de comunicação e
suporte de memória da humanidade a partir do início do próximo século”.
(LÉVY, 1999, p.93).
Partindo desta realidade, muitos cursos livres de língua inglesa, escolas
de idiomas e até mesmo escolas regulares têm inserido em seus espaços
físicos os laboratórios de informática, cyber cafés, LAN houses entre muitas
outras denominações que também são consideradas ciberespaços, pois
servem para agregar os mais diferentes serviços encontrados no “mundo
virtual”.
Estes espaços têm colaborado para tornar as pessoas cada vez mais
próximas, e é um dos principais objetivos do processo de globalização
atualmente presenciado e até mesmo o Governo Estadual tem colaborado,
mesmo que de maneira tímida, para a inserção dos cidadãos neste “novo
conceito mundial”.
Na cidade de Porto Velho identifica-se que há mais de 100 (cem)
espaços destinados ao acesso da internet, sendo a maioria de características
privadas, embora existam bons espaços públicos, como o existente no
Shopping Cidadão, onde qualquer pessoa pode acessar a internet
gratuitamente.
Por outro lado, entre os principais espaços particulares destinados a
conectar o homem ao mundo virtual na cidade de Porto Velho, visitamos os
seguintes: Cyber LAN (localizado no centro da cidade), Areal LAN (localizado
no bairro Areal), Games Net Cyber (localizado no bairro Areal) e LAN House
Conecte-se (localizada no Centro da cidade); pode-se considerar os seguintes
itens para a escolha deles:espaço físico adequado, privacidade, localização,
número de máquinas, preço por hora cobrada, acesso a jogos virtuais em rede,
pessoal de apoio e lanchonete.
10

Ao visitar estes lugares, um fato chamou a atenção: há um grande


número de jovens que freqüenta as LAN houses na madrugada, ou seja, entre
meia noite e cinco horas da manhã. Estes internautas, oriundo de quase todos
os bairros da cidade e geralmente pertencentes às classes sociais B e C,
buscam principalmente mais economia para acessar os ciberespaços, visto
que, o grande atrativo é o preço, um real por cada hora e em alguns dos
espaços pesquisados, vez por outra, é oferecido um lanche pela manhã.
Estes espaços estão presentes em quase todos os bairros da capital
rondoniense, contudo, há determinadas normas estipuladas pelo Juizado da
Infância e do Adolescente que precisam ser cumpridas, tais como: alunos
usando uniformes não podem permanecer nestes espaços e o uso de sites
pornográficos é de responsabilidade do proprietário, caso algum menor os
acesse.
Entretanto, não foram encontradas normas com relação à idade para
freqüentar as LAN houses e muito menos controle com relação ao nome,
endereço ou algo desse tipo, pois, em quase todos os lugares que visitamos
perguntam apenas o nome pelo qual a pessoa é conhecida, e não é exigido
nenhum tipo de documento, tais como: Carteira de Identidade ou Carteira
Estudantil.

AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM OU ESTRAGERISMO?

Para a grande maioria das pessoas aprender uma nova língua


geralmente requer muito tempo e esforço. Porém, há aqueles que adquirem um
novo léxico sem muito esforço, todavia, existem algumas controvérsias quando
tratamos de aquisição da linguagem, visto que, para muitos lingüistas o que na
verdade há, não é uma aquisição, mas uma infiltração de termos estrangeiros
no cotidiano.
Estrangeirismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira
no lugar de equivalente vernácula entretanto, Para alguns, a influência do
Inglês; presença esmagadora entre os termos de informática, é uma ameaça
11

que gera desconforto e indignação ao nosso bom e velho Português. Enquanto


outros acreditam que a Língua sai enriquecida após essa “invasão”, e que
idiomas recebem influências de todos os lados, apropriando-se apenas do que
lhes é conveniente.
Porém, observa-se que a questão do estrangeirismo tem causado
muita polêmica em solo tupiniquim. Tanto, que gerou um projeto de lei que, se
aprovado pelo plenário da Câmara dos Deputados, proíbe escrever e até falar
palavras estrangeiras. A autoria desse projeto que impede o uso de palavras
importadas de um modo geral é do deputado Aldo Rebelo (PC do B), que não
descansa com tantas expressões made in USA.
O certo é que há milhares de termos em inglês que são utilizados na
internet e que já fazem parte do nosso dia-a-dia e essa realidade leva-nos a
refletir sobre a questão uma questão; estamos transformando nossa língua
vernácula em um novo tipo de idioma ou estaríamos apenas enriquecendo
nosso campo lexical?
Bem, responder essas perguntas não é tarefa fácil, Como explica Richter
(2000: p.27).
(...) adquirir linguagem é: aprender a comportar-se
de maneiras socialmente dotadas de sentido -
usando, para isso, o sistema de signos que o grupo
adota, verbais e não-verbais; e aprender a orientar o
comportamento em função do outro (o
comportamento humano é inseparável das relações
sociais).
Essa definição fundamenta-se na teoria sócio-histórico-cultural do
desenvolvimento das funções cognitivas, de Vygotsky, que considera a
interação social um fator crucial para o desenvolvimento e a aprendizagem do
ser humano (Vygotsky, [1978] 1991:99).
Por outro lado, os professores de idiomas poderiam aproveitar a
oportunidade para despertar nos internautas a possibilidade de adquirirem a
língua inglesa, usufruindo das centenas de expressões que são conhecidas
pelos internautas e que fazem parte de uma nova realidade, não só em nossa
cidade, mas em todo o planeta. Pois sabemos que para um professor ter
sucesso como facilitador na aprendizagem da língua inglesa ele precisa deixar
12

claro que o internauta (aprendiz de uma nova língua) precisa engajar-se em


situações e contextos sociais e culturais autênticos na língua-alvo, nos quais
ele realmente produza sentidos colaborativamente com seus interlocutores, ou
seja, nos quais ele realmente aja socialmente, como afirma Richter (2000:
p.28).
A língua-alvo raramente é usada como 'forma de se
estar no mundo', como um sistema sociossemiótico
que nos possibilita produzir significados relevantes
para falantes e ouvintes, escritores e leitores, mas
sim como uma disciplina ou objeto de estudo, um
sistema de regras abstratas que por serem
aprendidas adequadamente não fazem parte de
nossa educação global.
Porém, para que os professores de língua estrangeira possam usar de
maneira compete o ciberespaço e todas as ferramentas que a internet propicia
na aprendizagem da língua inglesa é necessária “uma mudança de
mentalidade e de orientações teóricas de ensino a fim de que não se utilizem
as ferramentas eletrônicas para reproduzir e reforçar as práticas ditas
tradicionais de ensino de línguas”. (Braga, 1999:1).

OS INTERNAUTAS PORTOVELHENSES

Porto Velho é a capital e o maior município, tanto em extensão territorial


quanto em população, do estado de Rondônia. Com uma área de 34.068,50
km², o município é maior que os estados de Sergipe e Alagoas, apesar disso a
sua população é de 373.917 habitantes, sendo assim, a terceira maior capital
da região Norte só perdendo para as cidades de Manaus e Belém. Localiza-se
à margem direita do rio Madeira (afluente do rio Amazonas).
Durante as visitações para aplicação do questionário base do projeto,
percebí que o número de internautas é cada vez maior e crescente, em um
ritmo constantemente acelerado. E também,que não há como relacionarmos
que bairros da cidade apresentam maior ou menor número de interessados
13

pela internet, pois em todos os ambientes visitados haviam pessoas de todos


os lugares, credos, estilos e nivel social.
Para compreender melhor os resultados da pesquisa faz-se necessario
dividir os entrevistados em tres sub-grupos, conforme a faixa etária.
No primeiro grupo de entrevistados (12 a 16 anos) constatei que o
número de homens é superior ao das mulheres, visto que poucas foram
encontradas nas salas visitadas. Contudo, identificar o sexo dos usuários não
é nosso propósito, mas sim o tempo que os internautas utilizam os
computadores e a exposição e o conhecimento deles diante de termos em
inglês.
Neste bloco foi identificado que 80% dos entrevistados dessa faixa etária
estão cursando o ensino fundamental e dizem que pretendem concluir o curso
o mais breve possível. Com relação ao acesso da internet, percebí que 60%
dos entrevistados freqüentam as salas de bate papo duas ou três vezes por
semana e o mesmo percentual diz que procura estes espaços principalmente
para utilizar jogos virtuais.
Indagados sobre quando se deparam com alguma palavra
desconhecida, 80% dos entrevistados garantem que “descobrem sozinhos”
utilizando a própria internet. Porém, quando indagados sobre que língua eles
utilizam ao entrarem em salas de bate-papo 60% respondem utilizar sempre a
língua portuguesa. Outros 40% dizem misturar termos em português e em
inglês. Contudo, 60% dos entrevistados garantem que a maioria das palavras
que está na internet é escrita em inglês e 100% destes, dizem que seu nível de
entendimento de língua inglesa é regular, embora 80% dos entrevistados já
tenham estudado entre 5 e 8 anos de língua inglesa.
Com relação aos sites mais visitados por este grupo de entrevistados,
80% dizem freqüentar Orkut e MSN e que a internet serve principalmente para
conversar com amigos e apenas 20% dos entrevistados têm página na internet
ou bate papo com pessoas desconhecidas.
Com relação aos termos em inglês que este grupo de pesquisado diz
conhecer temos o seguinte: 100% dos entrevistados dizem conhecer o
significado da expressão Chat, Site, LAN House, CPU (Central Prosseing Unit).
Já 80% sabem o significado de Delete, outros 60% afirmam que sabem o de
Home e 40% garantem que sabem o de WWW .
14

Chegamos à conclusão que 80% dos entrevistados deste grupo, embora


tenham tido cinco ou mais anos de estudo de língua inglesa, ainda não estão
totalmente seguros de que possuem um conhecimento interno da língua.
Mesmo fazendo o uso dela corriqueiramente, ainda não despertaram para a
sua funcionalidade e o que lhes falta é exatamente uma motivação que deveria
ser feita por seus professores de língua inglesa para que eles desenvolvam
uma melhor concepção do que realmente sabem.
O segundo grupo de entrevistados corresponde aos jovens com idade entre 17
e 21 anos.
Neste grupo vimos que 100% dos entrevistados já concluíram o ensino
fundamental e estão cursando o ensino médio; 80% deles costumam utilizar a
internet quatro ou mais vezes por semana, sendo que 100% de todos os
entrevistados freqüentam principalmente as salas de bate-papo e apenas 20%
afirmam utilizar a internet para pesquisas.
Com relação aos termos desconhecidos na internet, 60% diz que
“procuram alguém para ajudá-los” e outros 40% “descobrem sozinhos
utilizando a própria internet”. Já nas salas de bate-papo, 80% dos entrevistados
dizem que misturam termos em português com outras línguas e apenas 20%
dos entrevistados consideram que a maioria das palavras na internet está em
português. O restante dos entrevistados garante que a maioria das palavras
está em inglês e 100 % dos entrevistados dizem que seu nível de entendimento
de língua inglesa é regular, mesmo que 60 % dos entrevistados já tenha
estudado entre 5 e 8 anos de língua inglesa.
Indagados sobre quais os sites mais freqüentados durante o acesso, a internet,
temos os seguintes dados: 100% dos entrevistados acessam Orkut, MSN e
Hotmail; 80% acessam Yahoo; UOL e Google; 60% acessam Globo e Terra e
20% acessam BOL e Pop.
Detectamos que 100% dos entrevistados fazem parte e/ou freqüentam
alguma comunidade de relacionamento; 80% conversam com diferentes
pessoas em qualquer lugar; 60% utilizam o MSN para conversar com seus
amigos e nenhum dos entrevistados costuma conversar com pessoas
desconhecidas.
Com relação às expressões utilizadas na internet, 100% dos entrevistados
garantem conhecer as seguintes: Chat, Delete, CPU, WWW, Site, Backspace,
15

Enter, e LAN house. Já 80% dos entrevistados conhecem o significado de blog,


home, backup, hackers, laptop, nerd. Para 60 % dos entrevistados, os termos
page up, insert e cyber são conhecidos e os termos AVG, Byte e JPG são
conhecidos por 20 % dos entrevistados.
Percebemos que neste grupo há um maior equilíbrio com relação aos
termos conhecidos e que da mesma forma que o grupo um, eles alegam ter um
nível regular de conhecimento da língua inglesa, embora conheçam a maioria
dos termos em inglês questionados e tenham passado mais de cinco anos
estudando este idioma em escolas regulares ou cursos de línguas.
O terceiro grupo de entrevistados é formado por todos os
internautas acima de 21 anos. Esses internautas formam um grupo bastante
heterogêneo, visto que 40% dos entrevistados possuem apenas o ensino
médio incompleto, outros 40% o superior completo e 20% dos entrevistados
possuem o nível superior completo. Com relação à freqüência com que eles
utilizam a internet, notamos que 80% deles freqüentam os ciberespaços quatro
ou mais vezes por semana. Outros 100% dos entrevistados afirmam que na
internet procuram principalmente sites de pesquisa. Ainda observamos que
80% deles dizem que “descobrem sozinhos, utilizando a própria internet” para
obter o significado de alguma palavra desconhecida e alegam que sempre
utilizam a língua portuguesa nas salas de bate-papo, sendo que apenas 20%
alternam o uso da língua portuguesa com a inglesa. Contudo, 60% dos
entrevistados deste grupo acreditam serem as palavras na internet, em sua
grande maioria, escritas em inglês e 40% em português. Os que reconhecem
que as palavras na internet estão na maioria em inglês são aqueles que
possuem ou que estão cursando o nível superior. Por outro lado, 80% dos
entrevistados dizem possuir o nível de entendimento de língua inglesa regular e
apenas 20% consideram “bom” o nível de entendimento da língua inglesa.
Quando indagados sobre “o tempo” que eles têm estudado a língua
inglesa, 40% afirmam ter estudado entre 5 e 8 anos; outros 40% entre 1 e 4
anos e apenas 20% mais de 8 anos.
Com relação ao acesso à internet, os sites mais visitados são os
seguintes: 100% dos entrevistados utilizam Hotmail, 80% dos entrevistados
utilizam Google, Yahoo, 60% Orkut, MSN, UOL, 40% dos entrevistados utilizam
16

BOL e Globo, e 20% dos entrevistados utilizam Terra e sites da região como
Rondoniagora, ClubPVH e FestasBrasil.
Ao usar a internet, 80% dos entrevistados deste grupo dizem conversar
apenas com pessoas conhecidas, 60% conversam com pessoas diferentes em
qualquer lugar e também possuem sua própria página e fazem parte e/ou
freqüentam alguma comunidade de relacionamento. Já 40% dos entrevistados
utilizam o MSN para conversar com os amigos, 20% possuem seu blog e
nenhum dos entrevistados possui seu fotolog.
Com relação às expressões mais utilizadas na internet, obtemos o
seguinte: 100% dos entrevistados afirmam conhecer as expressões insert,
backup, page up, byte, e LAN house; 80% conhecem as expressões home,
backup, delete, CPU, Hackers, laptop, nerd, backspace, insert,page up, enter
byte e LAN house; por outro lado, 60% conhecem também o significado de
blog, JPG, AVG, cyber.
Ao averiguarmos os números deste terceiro grupo percebemos que há
um grande número de termos em inglês que são conhecidos pelos
entrevistados e, mesmo tendo uma variação significativa entre os entrevistados
com nível superior e nível médio, na mesma faixa etária, não percebemos uma
grande disparidade quanto ao entendimento das expressões em inglês.

CONCLUSÃO
17

Com a análise dos números obtidos através dos questionários aplicados


em vários ciberespaços de Porto Velho, percebemos que a grande maioria dos
entrevistados possui um bom entendimento dos termos em inglês utilizados na
internet. No entanto, sabemos que há uma grande lacuna entre o que muitos
dos professores de língua inglesa ensinam em escolas regulares e cursos
livres de idioma e os que poderiam ensinar em suas aulas tornando-as mais
eficazes.
Poderíamos aproveitar esse gigantesco interesse pela internet como
suporte em nossas aulas, mas geralmente o que percebemos é que não há um
estudo quanto à utilização destes termos nas aulas de língua inglesa,
principalmente porque os livros didáticos, na grande maioria, não trazem um
estudo direcionado para essa finalidade.
Precisamos estar cientes de que a língua inglesa nos ciberespaços é
uma realidade. Por esta razão, os cursos de Letras, que formam profissionais
para o ensino deste idioma como uma segunda língua, deveriam preparar seus
acadêmicos para esta realidade. No entanto, não é o que geralmente temos
presenciado, pois a maioria dos cursos de graduação carece da disciplina de
multimídia, onde os professores seriam capacitados a lidar com as ferramentas
que formam a internet, e mais ainda, provocaria uma verdadeira revolução na
aprendizagem da língua inglesa, despertando um grande interesse na maioria
das pessoas que utilizam a internet.
Podemos observar através dos números e entrevistas feitos durante a
visita aos ciberespaços que a maioria dos entrevistados não acredita em seu
potencial, em se tratando de entendimento de língua inglesa; eles não se
consideram seguros ou não acreditam que realmente conhecem a língua
inglesa.
Observamos que, ao serem indagados sobre a utilização da língua
inglesa, 80% dos entrevistados afirmam saber que a maioria das palavras na
internet está em inglês. Isto demonstra a necessidade de uma conscientização
dos alunos para a aprendizagem deste idioma e, seguramente uma
oportunidade que não pode ser desprezada no mundo globalizado.

ANEXO I
18

O QUESTIONÁRIO

NOME: _______________________________________

IDADE: ( ) entre 12 e 16anos.


( ) entre 17 e 21anos.
( ) acima de 21 anos.

ESCOLARIDADE:
ENSINO FUNDAMENTAL
( ) incompleto.
( ) completo.
ENSINO MÉDIO ( ) completo.
( ) incompleto.
ENSINO SUPERIOR ( ) incompleto.
( ) completo.

Você costuma utilizar a Internet


( ) uma vez por semana.
( ) duas ou três vezes por semana.
( ) quatro ou mais vezes por semana.

Na Internet você visita principalmente


( ) sites de pesquisa.
( ) salas de bate papo.
( ) jogos virtuais.
19

Quando você se depara com alguma palavra desconhecida na internet


( ) simplesmente ignora.
( ) procura alguém para lhe ajudar.
( ) descobri sozinho utilizando a própria internet.

Ao entrar em salas de bate-papo você utiliza


( ) sempre a língua portuguesa.
( )mistura termos do português com outras línguas.
( ) mistura português / inglês.
( ) sempre utiliza inglês.

Ao usar a internet você considera que as palavras estão na maioria em


( ) inglês.
( ) alemão.
( ) português.
( ) outras línguas

Você considera o seu nível de entendimento da língua inglesa


( ) regular.
( ) bom.
( ) ótimo.

Entre as aulas de inglês na escola e outros cursos, há quanto tempo você tem estudado
está língua? ( ) entre 1 e 4 anos.
( ) entre 5 e 8 anos.
( ) mais de 8 anos.
( ) nunca estudou.
20

Ao acessar a internet quais dos sites abaixo você costuma freqüentar?


( ) HOTMAIL ( ) YAHOO ( ) MSN
( ) ORKUT ( ) POP ( ) TERRA
( ) GOOGLE ( ) ALTAVISTA ( ) UOL
( ) BOL ( ) FOLHA DIRIGIDA ( ) GLOBO
( ) OUTROS SITES OU BLOGS:____________________________________

Na internet você ( ) possui sua própria página.


( ) possui seu blog
( ) possui seu fotolog
( ) faz parte e/ou freqüenta alguma comunidade do tipo Orkut.
( ) utiliza o MSN para conversar com seu amigos
( ) bate papo apenas com pessoas conhecidas.
( ) bate papo com diferentes pessoas em qualquer lugar.

Das expressões abaixo utilizadas na internet quais você conhece?


( ) ATM ( ) BLOG ( ) CHAT ( ) HOME
( ) TY ( ) BACKUP ( ) DELETE ( ) CPU
( ) HACKERS ( ) JPG ( ) LAPTOP ( ) NERD
( ) WWW ( ) SITE ( ) BACKSPACE ( ) PAGE UP
( ) AVG ( ) INSERT ( ) ENTER ( ) CYBERSPACE
( )BUTTONS ( ) BYTE ( ) LAN

ANEXO II
21

GLOSSÁRIO DAS EXPRESSÕES EM INGLÊS INDAGADAS NO


QUESTIONÁRIO

1. ATM: (Asynchronous Transfer Mode) - Método para liberar largura de banda. É uma
tecnologia projetada para permitir que a informação viaje mais rápido ao maximizar a
capacidade disponível na rede.

2. TY: Thank You!

3. HACKERS: Alguém que se diverte invadindo computadores, termo sempre aplicado


a pessoas que se aproveitam ilegalmente dessas explorações.

4 .WWW: Muitas vezes confundida com a própria Internet (que abrange muito mais do
que a WWW), a World-Wide-Web é um grande sistema de servidores que apóiam entre
si documentos especialmente formatados. Como se explicita nas definições abaixo,
esses documentos são formatados numa linguagem chamada HTML (Hyper Text
Markup Language), que permite conexões para outros documentos assim como para
arquivos de gráficos, áudio e vídeo. Abaixo segue uma boa definição da World-Wide-
Web para a comunidade não-técnica:

5.AVG : Anti Vírus Alemão

6.BUTTUNS: Botões ou selos ilustrativos que fazem parte da programação visual do


website.

7. BLOG:( Weblog ) – Diário on-line. Páginas que podem ser criadas na internet sem
nenhum conhecimento técnico sendo atualizadas diariamente. Trazem uma visão
pessoal sobre os mais diversos assuntos.
8. BACKUP: - Uma cópia exata de um programa, disco ou arquivo de dados, feita para
fins de arquivamento ou para salvaguardar informações.
22

9. JPEG / JPG (Joint Photographic Experts Group) - Padrão de compressão de imagens,


normalmente utilizado para fotografias e aceito por todos os navegadores. Permite alta
taxa de compressão e boa qualidade.

10. SITE: É o conjunto de páginas ou lugar no ambiente Web da Internet que é


ocupado com informações (texto, fotos, animações gráficas, sons e até vídeos) de uma
empresa ou de uma pessoa. É também o diminutivo de website.

11.BYTE: (binary term) - Uma unidade de dados de oito bits. Um byte representa um
único caractere, como uma letra, um dígito ou uma pontuação. Como um byte
representa apenas uma pequena quantidade de informação, a capacidade de memória e
de armazenamento é geralmente expressa em kilobytes (1.024 bytes), megabytes
(1.048.576 bytes), gigabytes (1.073.741.824 bytes).

12.CHAT: O IRC (Internet Relay Chat) foi criado em 88 na Finlândia. Rapidamente se


estabeleceu uma rede de computadores que dispunham de recursos para o IRC por toda
a Internet. No começo o público era principalmente de estudantes que tinham tempo
para jogar fora. Hoje se encontra gente de todos os tipos e idades no IRC.
O IRC é dividido em canais. Qualquer um pode criar um canal, a qualquer
momento e sair conversando. O IRC era adaptado aos usuários que tinham acesso a
computadores em universidades e estavam familiarizados com computador. Hoje existe
uma variedade de programas que possibilitam a conversa pelo computador. Muitos
podem ser acessados diretamente na Web. Isso significa que você nem precisa sair do
programa de navegação que usa (por exemplo, Netscape, Mosaic ou Explorer) para
conversar.

13. LAPTOP: Pequeno e leve computador portátil. Tem grande espaço de


armazenamento e excelente capacidade de processamento.

14.LAN: Local Area Network ( Rede local )


23

Qualquer rede tecnológica física de comunicações que opera em alta velocidade


(0.1 a 100 Mbps) em curtas distâncias. Serve aos usuários dentro de uma área
geográfica limitada.

15. HOMEPAGE:é a página de entrada ou página principal de um website.


É nesta página que estão os links para as demais páginas do website.

16.CPU: Quer dizer Central Processing Unit ou Unidade Central de Processamento. É a


unidade que leva e traz instruções da memória do computador e as decodifica para
controlar todas as outras partes do computador.

17.NERD: Pessoa com pouca habilidade de relacionamento, pouco sociável, em geral


desajeitada e com alta capacidade de concentração e percepção. Amante inveterado de
tecnologia. Prefere aprender sozinho, fuçando ou através de leituras. Aquele que tem
intenso desejo de novidades tecnológicas ( Micreiro).

18.CYBERSPACE( CIBERESPAÇO): Um termo inventado por William Gibson em seu


romance Neuromancer usado para descrever o coletivo "mundo" de computadores em
rede. Agora, costumeiramente utilizado para se referir ao universo formado pelas redes
de computadores, acessadas pelas tecnologias de comunicação. Nossa definição favorita
é simplesmente "o domínio elétrico".

REFERÊNCIAS
24

ABREU, L. S. O chat educacional: o professor diante desse gênero


emergente. In: A. P. Dionísio; A. R. Machado e M. A. Bezerra (orgs.): Gêneros
textuais & Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.

ALMEIDA FILHO, J. C. P. de. Dimensões comunicativas no ensino de línguas.


Campinas, SP: Pontes, 1998.

ALVES, RUBEM. Filosofia da Ciência - Introdução ao jogo e suas regras.


Editora Brasiliense. 1981. São Paulo.

AURÍA, C. P. L. e ALASTRUÉ, R. P. Re-thinking rhetorical strategies in


academic genres. In: I. Fortanet, S. Posteguillo, J. C. Palmer, J. F. Coll
(Eds.): Genre Studies in English for Academic Purposes. Castelló de la Plana:
Universitat Jaume I, 1998.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BOGDAN.R, E BIKEN.S.N. Qualitative Research for Education. Boston:


Allynand , Bacon, 1982.

BECHARA, Evanildo. Moderna Gramática Portuguesa. Rio de Janeiro: Ed.


Lucerna; 2001.
Bíblia Sagrada. Tradução de Padre Antônio Pereira de Figueiredo. Rio de
Janeiro: Encyclopaedia Britannica, Edição Ecumênica. 1980.

BRAGA, D. B. Aprendendo a ler na rede: a construção de material didático


para aprendizagem autônoma de leitura em inglês, 1999. Disponível em:
<http://www.abed.org.br/antiga/htdocs/paper_visem/denise_bertoli_braga.htm>.
Acesso em: 16 de dezembro 2006.
25

CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, Brasília, v. 26. n.3, 1997. Disponível em:


<http://www.ibict.br/cionline/>. Acesso em: 16 de out. 2006.

CRISTÓVÃO, V. L. L. Modelo didático de gênero como instrumento para


formação de professores. In: J. L. Meurer e D. Motta-Roth (orgs.): Gêneros
textuais. Bauru, SP: EDUSC, 2002.

CRYSTALL, David. English as a global language. Cambridge, Cambridge


University Press,(1997).

EVANS, F. Cyberspace and the Concept of Democracy. First Monday, 5(10),


2000. Disponível
em:<http://firstmonday.org/issues/issue5_10/evans/index.html>. Acesso em: 16
de novembro 2006.

FISHMAN, J.; COOPER, R. & CONRAD, A. (orgs.), The spread of the English,
Rowley (Massachusetts), Newbury House Publishers. 1997.

FISHMAN, J.; COOPER, R. & ROSENBAUM, Y. "English around the world", in


J. Fishman, R. Cooper e A. Conrad (orgs.), The spread of the English, Rowley
(Massachusetts), Newbury House Publishers,1997.

GUIMARÃES JR., Mário José Lopes. A cibercultura e o surgimento de novas


formas de sociabilidade. Disponível em:
<http://www.cfh.ufsc.br/guima/ciber.html>. Acesso em: 12 de out. 2006.

GIBSON, W., Neuromancer, New York: Ace Books, 1984.


LÉVY, Pierre. Cibercultura. Ed. 34, São Paulo. 1999.

___________. A inteligência coletiva. Trad. Luiz Paulo Rouanet. São Paulo:


Edições Loyola, 1998.

_____________ .O ciberespaço como um passo meta evolutivo. Edipucrs.


Porto Alegre, 2000 (artigo Revista FAMECOS, nº 13 dezembro de 2000).
26

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais emergentes e atividades lingüísticas no


contexto da tecnologia digital. Conferência apresentada no GEL, USP, SP, de
23 a 25 de maio de 2002.

MORAES, M. C. Tecendo a rede, mas com que paradigma? In: M. C. Moraes,


(org.) Educação a Distância: fundamentos e práticas. Campinas:
UNICAMP/NIED, p. 01-25. 2002.

MALOFF, Joel. A internet e o valor da "internetização". Ciência da Informação,


Brasília, v. 26, n. 3, 1997. Disponível em: <http://www.ibict.br/cionline/>. Acesso
em: 16 out. 2006.

MENGA, L.; MARLI E.D. A. André. Pesquisa em Educação: abordagens


qualitativas. São Paulo: EPU; 1986.

PAIVA, V.L.M.O. (ed.). Interação e. aprendizagem em ambiente virtual. Belo


Horizonte: Poslin/FALE/UFMG, p. 230-247. 2001.

THE HOLY BIBLE, King James Version. Salt Lake City: The Church of Jesus
Christ of Latter-day Saints, 1990.

RHEINGOLD, H. The Virtual Community: Homesteading on the Electronic


Frontier. Addison-Wesley ,NewYork, 1993.

RICHTER, M. G. Ensino do Português e Interatividade. Santa Maria: Editora da


UFSM, 2000.

SAYEG, M. E. M. Interação no Cyberespaço: Real ou Virtual?, 2001. Disponível


em: <http://sites.uol.com.br/tesseract/cyberspace.htm>. Acesso em: 15 de
novembro de 2006.
27

SILVA, M. Sala de aula interativa: a educação presencial e a distância em


sintonia com a era digital e com a cidadania, 2001. Disponível em:
<http://www.rbc.org.br/educom/intercom/sala_de_aula_interativa.pdf>. Acesso
em: 06 de novembro de 2006.

REGO, T. C. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação.


Petrópolis: Vozes, 1998.

RHEINGOLD, H. The Virtual Community: Homesteading on the Electronic


Frontier. New York: Addison-Wesley, 1993.

RICHTER, M. G. Ensino do Português e Interatividade. Santa Maria: Editora da


UFSM, 2000.

SAYEG, M. E. M. Interação no Cyberespaço: Real ou Virtual?, 2001. Disponível


em: <http://sites.uol.com.br/tesseract/cyberspace.htm>. Acesso em: 04 de
dezembro 2006.

VALENTE, André & DAMSKI, José Carlos. Internet: guia do usuário brasileiro.
São Paulo: MAKRON Books, 1995.

VYGOTSKY, L.S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos


processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

FISHMAN, J.; COOPER, R. & CONRAD, A. (orgs.). (1977), The spread of the
English, Rowley (Massachusetts), Newbury House Publishers.