Você está na página 1de 2

ESCOLA BÁSICA DOS 2º. E 3º.

CICLOS DA TORRE
Língua Portuguesa
9º. Ano

Análise

Os Lusíadas de Luís de Camões

DESPEDIDAS DE BELÉM
Notas importantes
1ª. Alguém narra as despedidas, ou a partida das naus: Vasco da Gama. Ele identifica-se
na estância 84:

“...a gente marítima e a de Marte


Estão pera seguir-me a toda parte.”

O pronome pessoal me= Vasco da Gama, pois é ele que comanda a frota. Ele é narrador
participante e participa como personagem principal. Portanto narrador autodiegético.

Outros exemplos do uso da 1ª. Pessoa:

Est. 86: “Aparelhámos a alma pera morte...”


“ Implorámos favor que nos guiasse,
E que nossos começos aspirasse.
“Partimo-nos...” (est. 87)

VASCO DA GAMA REI DE MELINDE

Emissor receptor

“Certifico-te, ó Rei, que, se contemplo...”

2º.-Na estância 84, o poeta refere-se à mitologia Greco-latina, evocando os nomes de


Neptuno e Marte, mas fá-lo, simplesmente, para dar mais beleza ao texto e por tal
recurso estar enquadrada dentro do espírito da época (relação com a cultura greco-
latina).
3º. A Perífrase- Recurso estilístico

Consiste em dizer por muitas palavras o que poderia ser dito simplesmente por algumas
ou alguma, exemplo:

“Partimo-nos assi do Santo Templo


Que nas praias do mar está assentado,
Que do nome tem da terra, pera exemplo,
Donde Deus foi em carne ao mundo dado.”

BELÉM- Ermida de Nossa Senhora de Belém, situada no Restelo

DESPEDIDAS DE BELÉM- RESUMO

O capitão Vasco da Gama relata ao rei de Melinde a partida das Naus do porto de
Lisboa.
Os nautas são remunerados pelo rei D. Manuel, antes de partirem. Este estimula-
os material e espiritualmente.
Na praia do Restelo, as naus estão prontas para a partida e os nautas cheios de
vontade. Tudo parece indicar uma viagem magnífica e bem sucedida.
Os marinheiros fazem uma última visita à capela de Santa Maria de Belém. Aí,
pedem protecção a Deus para tão longa e arriscada viagem. Depois, em procissão,
dirigem-se até aos batéis acompanhados por muitos religiosos.
Na praia, imensas pessoas aguardam a partida das naus, sobretudo os familiares
mais próximos (mães, esposas, irmãs), que receiam pela vida dos parentes queridos que
partem.
Os nautas embarcam sem as despedidas do costume, para que não fiquem
deprimidos ou mudem os seus intentos.

CF