Você está na página 1de 15

Equipamentos e sistemas técnicos.

(funcionalidades) desempenho mais eficaz e


participativo.
O computador como arte e cultura ex. Através da inter nete, podemos visitar museus
em todo o mundo, tratamento de imagens, ouvir musica, elaboração de textos, ver ou tratar
filmes, reproduzir e compor musica, desenhar e pintar etc.:

Introdução

A Arte Digital

"a arte que usa a tecnologia digital na forma de processo (meio) e/ou produto (resultado)”

"as tecnologias como ferramenta ao serviço do engenho criativo artístico, ou seja, como motor
para a criação de novas formas de arte (maior) seja ao nível dos processos ou dos produtos."

O processamento da informação através da exploração da sua expressividade visual, auditiva, táctil e imersiva, que

hoje se denominam tecnologias do multimédia interactivo, têm vindo a abrir novas necessidades de formação,

específicas em termos das tecnologias.

O Artista Digital

Deverá ser capaz de conjugar conhecimentos profundos ao nível da: computação gráfica, som e música digitais,

realidade virtual, aumentada e mista, visão por computador, entre outras e da sua exploração conjunta com técnicas

de expressão artística, para gerar novas aplicações, produtos e narrativas e experiências estéticas, nas áreas da

indústrias do multimédia, da educação e entretenimento, e expressão cultural.


Escola Secundária Jaime Cortesão
Curso de Educação e Formação de Alunos
Nível Secundário Escola Secundária de Jaime Cortesão

Cultura, Língua, Comunicação – Equipamentos e Sistemas Técnicos


DR1 – Contexto privado – Tema de Vida – Equipamentos Domésticos

Pergunta Aglutinadora:
Conhece, no seu ambiente doméstico, equipamentos e sistemas técnicos, compreendendo a
sua multiplicidade de funções e usa-os no seu quotidiano privado?

Guião para a Resposta/Actividade: Conheço

1. Consulte num dicionário em papel ou on-line os conceitos de Doméstico,


Electrodoméstico e Equipamento Técnico. Trace uma relação entre os três.

Relativo a casa à vida familiar; que è criado dentro de casa, caseiro; familiar, o que serve
por soldada.
Disse da aparelhagem e utensílios eléctricos que se usam na vida de casa, cada um desses
utensílios; de eléctro + domestico.----------------------------------------------------------------
Conjunto de meios mecânicos destinados a facilitar e melhorar a vida do Homem.
Os electrodomésticos, são sistemas técnicos, são um subgrupo dos equipamentos técnicos.

- Informação Útil
O uso do dicionário. O dicionário é uma ferramenta de trabalho muito útil mas há que ter em conta as suas
características para tirar melhor partido dele. Assim note que: 1) As palavras encontram-se ordenadas
alfabeticamente. 2) Os verbos encontram-se no infinitivo. 3) Os nomes encontram-se no singular. 4) Os adjectivos
estão no grau normal, por vezes incluem o advérbio correspondente. 5) À frente das palavras aparecem
informações relevantes como s.m. (substantivo masculino); s.f. (substantivo feminino); adj. (adjectivo); v,tr.
(verbo transitivo); v. intr. (verbo intransitivo); v. refl (verbo reflexo); pl (plural). 6) Os dicionários têm sempre um
índice de abreviaturas que devemos consultar. 7) Uma palavra pode ter diversos significados que são registados
numericamente. A ordem escolhida é, geralmente, a do uso mais comum para o uso menos comum.

2. Leia o texto que se segue. Sublinhe todas as referências a Equipamentos e


Sistemas Técnicos de uso doméstico.

OPERAÇÃO ILEGAL
[putos d'hoje, aulas d'ontem]

08:29:00 – vinte e quatro jovens educados e compostos, calças vincadas, cabelos


alinhados em silêncio respeitoso, de um respeito muito feito de temor aguardam, pacientes, o
mestre.
08:29:30 – ao fundo do corredor surge o senhor professor. Alguns endireitam um pouco
mais as costas, colocam expressões ainda mais respeitosas e o silêncio agora é total. Alguém
importante vai passar.
08:30:00 – a aula, começa. O mestre usa um fato riscado de fazenda. Uma camisa
branca e um gravata sóbria completam o ambiente de plena sobriedade que envolve o espaço.
O mestre tem uma mala preta de cabedal. Todos os seus haveres estão metodicamente
organizados e são só os suficientes, nem demais, nem de menos. O mestre expõe. O silêncio
entrou na sala com os demais e veio para ficar. Ninguém tem dúvidas, ninguém ousa.
08:50:00 – paremos, por magia ou facilidade da escrita, a aula neste momento. Das
cinco filas de seis carteiras vamos pousar o olhar sobre a terceira carteira da fila do meio. Ao
lado de um figurante anónimo para esta história está o João (perdoem-me a originalidade no
nome!). Que vê o João?
De onde está, o João vê a nuca do colega da frente erguer-se alva e ligeiramente inclinada
sobre o escuro da fazenda do fato e, quando este se baixa, vê também a nuca do primeiro colega
(primeiro em tudo, a localização geográfica no espaço da sala é sintomática, o que faz do nosso-joão-
olhos-do-passado-com-funções-de-máquina-do-tempo um aluno mediano!).
À sua direita vê, em visão periférica porque levantar muitos olhos, mostrar curiosidade, pode
ser mal interpretado, as sombras das costas dos fatos escuros dos colegas. À sua esquerda mantém-se
a monotonia simétrica do panorama.

Ao fundo, em boca de cena, sobre o estrado, mais alto do que realmente é, está o
mestre. Junto à secretária, não encostado a ela. Sóbrio. A secretária tem um aspecto sólido e
por detrás um cadeirão. Na parede um Cristo ainda na cruz. Para a direita abre-se a imensidão
negra do quadro. Chegar ali só por razões muito boas ou muito más. Mais à direita, ainda ao
fundo, chegando ao canto oposto ao do professor um armário médio que guarda
paralelepípedos entre outras coisas abafadas pelo pó e, menos poeirenta, a menina de cinco
olhos. Por cima deste, uma foto em tons de cinzento e negro do Senhor Presidente do Conselho
a quem Portugal está agradecido.

O João não vê mais nada além disto a não ser o seu material geometricamente disposto
e organizado sobre o tampo impecável da mesa. Para ele, isto não é bom nem mau. É assim!

Meio século depois: sejamos francos, não mudámos tanto assim!


Adicionamos umas cores e uns sons à paisagem, somamos uma atitude mais ligeira aos
intervenientes, trocamos alguns adereços e a essência mantém-se. As nucas e as costas dos da
frente, carteira à esquerda, armário à direita, professor sóbrio pela frente, quadro negro, por
vezes irritantemente verde, ainda muitos estrados e o professor expõe. Se tivéssemos
mantido o João adormecido na sua sala e o acordássemos agora, estranharia pouco! MAS...
mantenhamo-lo adormecido e vejamos como é este João de hoje que ocupa aquele mesmo
lugar sem suspeitas da anterior presença de um homónimo.
No pulso, um Casio electrónico com lcd luminoso e não sei quantas teclas com quantas
funções. Na sala de jantar tem uma mesinha com um suporte onde estão seis
comandos a distância: tv, vídeo, vídeo para gravações, dvd, aparelhagem e ar
condicionado. Depois dos Pokemons vai à net e tudo é colorido, tem movimento, cintila,
é chamativo e responde.
- O trabalho de História? Fiz uma busca no Google Vista e já ‘tá!
- Aquela coisa complicada para filosofia? Fui à diciopédia!
Regressa à sala e vai-se aos vídeos sobre vida animal. Hoje não teve tempo para a
consola.
Na mesa-de-cabeceira um rádio despertador a despertar a horas diferentes em dias
diferentes de acordo com as actividades e horários. Um painel lcd para dominar no micro-ondas
antes do leite matinal. Entretanto, antes de sair vai imprimir um teste à mãe, faz dois resets e
reinstala a impressora. Demora 15 minutos. Tem sucesso. Vê o pai digitar o número do alarme
antes de saírem para o carro que o pai abre com um comando incorporado na chave. O
computador de bordo avisa: CUIDADO CARBURANTE. Enquanto o pai conduz rapa do
telemóvel, muda-lhe o toque para chatear e quando chega à aula vai ocupar o lugar sombra do
João que lá deixámos há cinquenta anos:

OPERAÇÃO ILEGAL! - Puto d’hoje, aula d’ontem!

Do ponto de vista do design e, consequentemente, do interface a aula tradicional


mantém-se na sua essência de há muitas décadas para cá. Acontece que o interface tradicional
sugere, por tradição e pelas condicionantes a que sujeita a praxis quotidiana, um professor de
perfil tradicional. Tem formação científica, sobretudo. Pedagógica, alguma. Prepara as aulas o
melhor que pode sabe e transmite conhecimentos. O mesmo interface sugere também um
aluno de perfil tradicional. Obediente, sossegado, não muito curioso para não perturbar o
normal decorrer do processo. Primeiro problema: destes dois só o professor consegue, por
vontade própria, ou não, adaptar-se ao papel que o interface lhe sugere.
2.1 Seleccione dois dos Equipamentos sublinhados e um que não conste do texto e
crie uma rede semântica.

 TV  Comando
Na televisão podemos ver Para que a interacção
imagens e ouvir sons que aconteça, recorremos ao
nos levam a interagir com o comando para fornecer à TV
próprio aparelho eléctrico, as informações necessárias
vemos cor, movimentos para a nossa distracção.
zaping

 Consola de jogos
Ainda assim os dois
 - Informação Útil aparelhos anteriores dão-
Rede semântica. Uma rede semântica constitui-se por associação de ideias. Difere da família de palavras por isso
mesmo. Enquanto a Família de palavras assenta em palavras com a mesma nos a exemplo,
raiz, por possibilidade de
chuva, chover,
recorrer a outra forma
chuvinha, chuviscar, a rede semântica consiste num conjunto de palavras unidas por pertencerem a um mesmo de
campo de ideias e não por terem a mesma raiz, por exemplo, pé, mão, perna, divertimento como que têm
braço, cabeça, são palavras a
algo em comum, ou seja, pertencem ao corpo humano. Vê, como é simples… consola de jogos. Já que
sem a TV e o comando seria
3. Os EST não têm todos o mesmo tipo de uso, o impossível de desfrutar do
mesmo tipo de funcionalidade. Digamos que podem prazer do jogo
ser-nos úteis em áreas diversas da nossa vida telecomandado.
quotidiana. O que lhe pedimos, agora, é que agrupe Maquina fotográfica etc.
Equipamentos de acordo com as suas categorias,
sendo que estas categorias são determinadas por um
critério: a área de intervenção em que o equipamento
nos é útil na nossa vida quotidiana e doméstica.

Higiene e Limpeza Culinária Lazer


Máquina de barbear, Batedeira, forno e fogão, Televisão, dvd e vídeo,

Aspirador, Máquinas de lavar torradeira, grelhador, robot. consola de jogos,

etc. computador, MP3 musica,

bicicleta, máquina fotográfica

Comunicação Mobilidade Segurança e Iluminação


Telefone e telemóvel, Computador, telemóvel Mp3, Alarme, células fotoeléctricas

computador e fax, TV rádio, GPS, elevador. laser, câmaras de


videovigilância, candeeiro.

4. O que é que há hoje que não havia no meu tempo?


Quando era adolescente, já havia cartões multibanco? Se ainda é uma pessoa
muito nova pense no tempo em que os seus pais tinham a sua idade. Converse
com eles e vai espantar-se com a facilidade com que incorporamos as coisas na
nossa vida! De repente parece que estiveram sempre ao pé de nós mas o certo é
que há muito pouco tempos ainda não existiam: tem a certeza de que todas as
televisões nasceram com um comando a distância?

Comece por fazer um levantamento dos EST que há hoje e não havia no seu
tempo… ou no tempo dos seus pais. Depois, para que tudo faça sentido, registe as
alterações que esses novos equipamentos trouxeram à vida das pessoas e, por
fim, diga-nos se foram tudo rosas: pois, pois, queremos saber as vantagens e as
desvantagens…

Nos dias de hoje é com alguma certeza, quase posso dizer que há tudo o que não havia no meu

tempo, a começar pelas facilidades de vida, pelos meios que nos são colocados ao dispor, os

equipamentos que temos e que não havia, a forma como comunicamos, como nos movimentamos

etc.

Recordo-me de o telefone ser de manivela e com uma pilha enorme incorporada, ferros de passar

com brasas, de em 1980 ter lido num jornal que foi colocada na estação de Mont Parnasse em

Paris a 1ª cabine telefónica de cartão magnético, parecia ficção científica. Lembro-me de aparecer

o gravador de imagem e que custava 8.000$00.

No meu tempo não havia cartões Multibanco, havia uma caderneta da C.G.D. onde os caixas

anotavam manualmente os depósitos e levantamentos, e só mais tarde apareceram os extractos. A

partir dos anos 80 deu-se o boom da electricidade em Portugal, foi uma terceira revolução

industrial, mas desta vez electrónica, apareceram tv’s a cores, os equipamentos domésticos

tornaram-se mais acessíveis, lembro-me de as tv’s funcionarem com válvulas quase do tamanho

de chaminés de candeeiros, depois mais pequenas. Hoje uma televisão sem comando quase não

tem utilidade.

Olhando para trás parece que tudo isto apareceu ontem. Hoje há equipamentos e sistema técnicos

para tudo e todos os gostos, no entanto aparelhos de televisão eram escassos não havia cores,

frigoríficos, máquinas de lavar, secar, micro-ondas fornos eléctricos, torradeiras automáticas,


alarmes, exaustores, computadores, vídeos dvd’s e mp3, telemóveis. Fax etc.

Todos eles serviram para dar maior comodidade às pessoas, que passaram a ter mais tempo para si e

para o seu lazer, fazer mais em menos tempo e com menos esforço. Alteraram profundamente a vida

quotidiana, lava-se tudo à máquina, passa-se a roupa com ferros a vapor.

En fim temos a vida mais facilitada, os meios de comunicação estão mais acessíveis, aproximam as

pessoas cada vez mais, é tudo mais rápido e melhor.

Mas com tanta facilidade começaram por se criar bases de dados, vigilância electrónica, escutas

electrónicas que nos tiram a privacidade, sabendo tudo sobre nos em tempo real e em qualquer parte

do mundo. Os equipamentos técnicos embora nos dêem muitas vantagens não sabemos ainda até que

ponto ns são prejudicais, para já sabemos que houve aumento no consumo dos combustíveis fósseis e

de electricidade contribuindo para um aumento da poluição, do endividamento externo e maior

dependência face a outros países, por agora saboreamos os proveitos, mas os custos ainda não os

quantificamos.

José António da costa silva

Votos de Bom Trabalho

Curso de Educação e Formação de Adultos


Nível Secundário

Cultura, Língua, Comunicação – Equipamentos e Sistemas Técnicos


DR1 – Contexto privado – Tema de Vida – Equipamentos Domésticos

Pergunta Aglutinadora:
Conhece, no seu ambiente doméstico, equipamentos e sistemas técnicos, compreendendo a
sua multiplicidade de funções e usa-os no seu quotidiano privado?

Guião para a Resposta/Actividade: Conheço e Compreendo

1. Parece não haver muitas dúvidas de que os EST mudam o perfil das nossas
relações domésticas e familiares. A forma como comunicamos uns com os outros
tem sido das mais afectadas. O que lhe pedimos é um trabalho que pode ser
agradável mas será exigente.
Ora repare: imagine que, no seu mundo familiar, precisa de escrever uma carta a alguém
das suas relações. Faça-o. Depois avance uns anitos no tempo e nos recursos e redija o
mesmo texto mas com o intuito de o enviar por correio electrónico. Por fim, sirva-se do
mais pequeno, vendido e usado equipamento dos dias de hoje: o telemóvel, e verta a sua
missiva para uma mensagem sms… lindo!

- Informação Útil
Redigir uma carta familiar. Uma carta familiar é redigida em tom coloquial. Não tem cuidados formais no
tratamento do destinatário porque se trata de alguém que é conhecido e próximo do remetente. A abertura começa
com o registo do local e data de escrita e com uma saudação. No desenvolvimento, as primeiras linhas destinam-
se, normalmente, a averiguar do estado de saúde do familiar ou amigo em questão e respectiva família. Depois
vem a parte mais importante da missiva onde se escrevem os assuntos principais que levaram à redacção da carta.
O encerramento faz-se com votos de saúde, sucesso, desejo de que os problemas se resolvam e de que as coisas
boas da vida continuem. Fecha com uma saudação familiar e cordial.

No espaço abaixo, preencha o envelope e redija a missiva.

Coimbra, 10 de Outubro de 2008.

José António Silva Olá amigo, como estás, bem? espero, e a tua
Coimbra família, andam todos bem? Como vão de saúde? O
rapaz como vai na escola?

Estou a escrever-te com a finalidade de te avisar


que no dia 15 vou almoçar convosco e levo a
família.
Regressamos à noite. Um forte abraço deste vosso
António Luís da Silva Coelho amigo sempre ao dispor
Rua dos Alcatruzes nº 25 3º dtº José António.
9000 – 205 Funchal

- Informação Útil
Preencher um envelope. No local do remetente deve
colocar todos os seus dados, nome completo, e morada
completa, rua, nº, andar, código postal com os dois
segmentos de números e a localidade. É importante que os
dados sejam completos e correctos para efeitos de extravio
ou devolução.
No destinatário coloque todos os dados tal como no
remetente. Aqui, eles são da maior importância porque
garantem que a carta seja entregue correctamente.
Em termos de posicionamento, o remetente regista-se no
canto superior esquerdo e o destinatário no canto inferior
direito.

No espaço abaixo, redija a mensagem de correio electrónico e identifique os comandos.


Almoço dia 15

Boa tarde
Serve o presente e-mail para te informar que no dia 15 do corrente vou almoçar convosco e levo a
família, regressamos nesse dia à tarde.
Um abraço do teu amigo
José António

:9

- Informação Útil
Escrever mensagem de correio electrónico. Deve começar-se por escrever a zona superior da mensagem com
o destinatário, possíveis conhecedores terceiros da mensagem e, claro, o assunto. O segundo momento consiste
em redigir a mensagem em frases curtas e simples, de compreensão fácil. Sá após a redacção da mensagem nos
dedica à formatação do texto: tipo de fonte, tamanho da fonte, sublinhado, negrito e outros. Por fim, não esquecer
de incluir os anexos. Claro que sempre que desejar transmitir uma emoção pode usar um expressivo e-moticon.

Para que servem estes comandos?


Para: Campo dos destinatários públicos da mensagem
Anexar um Ficheiro: os anexos são ficheiros ou itens que podem ser enviados como
parte de uma mensagem de correio electronico
Adicionar Cc campo dos destinatários secundários que não são aqueles para os
quais inicialmente escreveu a mensagem, os destinatários secundários no contexto de
correspondencia dactilografada seriam aqueles que recebiam cópias de
carbono.--------
Adicionar Bcc campo dos destinatários a serem discretamente informados da
comunicação, não devendo ser vistos por quaisquer dos outros destinatários
endereçados.

hiperligação: designa partes clicáveis: em forma de texto ou imagem que levam a outras
partes de um sitio, atalho, comando, ou ligação.---------------------------------------------------

Na tabela de baixo, redija a SMS no espaço próprio, ou seja, no visor do


telemóvel.
- Informação Útil
Escrever uma sms. Tal como o nome indica, são
mensagens curtas. São fundamentalmente compostas
por verbos (em geral de acção) e por nomes. Usam-se
alguns adjectivos poupam-se os advérbios e as
preposições.
Trata-se de uma escrita de poupança quer pelas
limitações do teclado, quer do tamanho do visor. Dia 15 almoço
Usam-se para transmitir mensagens breves e sucintas, convosco levo
contudo, nos últimos tempos, o seu uso de alta família
frequência (é já o modo de comunicação mais usado regressamos a
em ocasiões festivas (feriados, festas e celebrações tarde mesmo
públicas) tem levado, com recurso a alguma dia espero:9
imaginação, a inovações gráficas e têm-se inventado :)
grafismos com recurso à conjugação dos caracteres
disponíveis no teclado. Tal como nas mensagens de
correio electrónico, também nas sms se utilizam e-
moticons.

O que quer dizer a sigla SMS? Short Message Service ( Serviço de Mensagens Curtas)

E-moticons

Redija a definição, diga no que consistem e depois faça um pequeno dicionário de e-


moticons. O primeiro já vai feitinho para começar.

È uma combinação de letras e símbolos que significam reacções.


Forma de comunicar através de bonecos. Nova maneira de comunicar.

O sorriso (smile) significa boa disposição, alegria ou concordância com o que o


:) interlocutor acabou de dizer.
:Si=Si Confuso

Triste
:/
:D Alegre

;) Piscadela de olho

:) Chorar

:(I) Cara de macaco

:9 Delicioso, comida deliciosa

:I=I Incerto

O_O Usando óculos

2 Não fiquemos por aqui, agora é preciso que nos diga as diferenças entre os equipamentos
que teve de usar para redigir cada mensagem bem como as diferenças discursivas, ou seja,
onde é que o texto sofreu alterações: foi no vocabulário? Na estrutura das frases? Na
pontuação?

Equipamentos: no e-mail não temos limites de palavras ou caracteres, tempo lugar ou


preço, podemos enviar fotografias etc. no telemóvel estamos limitados a 160 caracteres por
mensagem.
Computador: denomina-se uma máquina capaz de variados tipos de tratamento automático
de informação ou processamento:
Telemóvel: é um aparelho de comunicações por ondas electromagnéticas que permite a
transmissão bidireccional de voz e dados utilizáveis numa área geográfica.

No e-mail não temos limites de palavras ou caracteres, podemos dar azos à nossa
imaginação enviar fotografias trabalhos, ficheiros etc.
No telemóvel, estamos limitados a 160 caracteres por mensagem.

Computador, denomina-se uma máquina capaz de variados tipos de tratamento automático


de informação ou processamento de dados:

Telemóvel é um aparelho de comunicações por ondas electromagnéticas que permite a


transmissão bidireccional de voz e dados utilizáveis numa área geográfica.
Discurso: (formalidades) discurso directo, numa carta a escrita é mais cuidada, é como se
estivéssemos a falar pessoalmente com a pessoa, utilizamos uma linguagem menos
cuidada, menos formal.
No correio electrónico ou telemóvel, a escrita é mais formal, utilizam-se abreviaturas smile
fotografias etc.

3 Por fim, diga-nos que consequências têm os recursos usados na composição de uma
mensagem no que respeita ao teor, ao volume e ao ritmo das comunicações…

A introdução de smile na mensagem, permite-nos comunicar mais em menos espaço, mais rápido e

permite-nos expressar emoções e sentimentos sem termos de escrever palavras, mais emoção, mais

informação mais feedback.

O ritmo e o volume das comunicações depende de pessoa para pessoa há quem consiga enviar 100

SMS por dia, outras enviam 5 ou 10. Por exemplo há pacotes de 1500 mensagens e há quem as

envie em menos de uma semana, o seu ritmo de comunicações é muito elevado.


A introdução de smile na mensagem, permite-nos comunicar mais em menos espaço, mais rápido, e

permite-nos expressar emoções e sentimentos sem termos que escrever palavras.


O ritmo e o volume das comunicações dependem de pessoa para pessoa há quem consiga enviar 100

SMS por dia outras enviam 5 ou 10.


Por exemplo: há pacotes de 1500 mensagens e há quem as envie em menos de uma semana, o seu

ritmo de comunicações è muito elevado.

José António da Costa Silva


União Europeia

Fundo Social
Europeu

Centro Novas Oportunidades


Escola Secundária Jaime Cortesão Centro Novas Oportunidades
Escola Secundária de Jaime Cortesão

Curso EFA- Nível Secundário


Cultura, Língua, Comunicação – Equipamentos e Sistemas Técnicos
DR1 – Contexto privado – Tema de Vida – Equipamentos Domésticos

Pergunta Aglutinadora:
Conhece, no seu ambiente doméstico, equipamentos e sistemas técnicos, compreendendo a
sua multiplicidade de funções e usa-os no seu quotidiano privado?

Guião para a Resposta/Actividade: Conheço, Compreendo e Utilizo

1.1 Consulte http://manual-de-instrucoes.com


1.2 Seleccione um equipamento e descarregue o respectivo manual.
1.3 Consulte cuidadosamente as instruções do equipamento que escolheu

2. Analise a construção das instruções do aparelho

- Informação Útil
Analisar um folheto informativo. Repare nos aspectos estruturais: o folheto tem índice? As páginas estão
numeradas? A informação está separada por espaços, rectângulos ou colunas de texto? Repare na construção
gráfica: O texto é acompanhado de imagens do equipamento? São sugestivas e esclarecedoras? Os títulos e as
partes mais importantes do texto têm destaques gráficos, como sublinhados coloridos ou outros? Repare na
construção do texto: A informação é precedida de títulos? Os títulos são longos ou curtos? Que classe de palavras é
mais utilizada nos títulos? As explicações são muito extensas ou são constituídas por frases curtas? Que tempo
verbal é mais utilizado nas instruções? Porquê? Repare no conteúdo do texto: Tal conteúdo reporta-se
exclusivamente ao aparelho? Antes do aparelho há instruções para escolha do local onde colocar o aparelho?
Incluem-se indicações sobre a instalação antes do uso? Há referência à primeira utilização? Há indicações sobre a
limpeza do equipamento? Inclui avisos acerca dos riscos que a sua utilização acarreta? Tem sugestões de
procedimentos caso surjam anomalias de funcionamento? São instruções “amigas” do ambiente?

- Informação Útil
Classes de Palavras. Conjunto das palavras que, por partilharem características morfológicas, sintácticas e/ou
semânticas, podem ser agrupadas numa mesma categoria. As classes de palavras não podem ser estabelecidas
apenas com base em critérios morfológicos, uma vez que há classes que não se distinguem morfologicamente,
como por exemplo as preposições e as conjunções

 Eu escolhi trabalhar o… Televisor

 Por norma todos os folhetos têm índice, mas este não tem. E as páginas estão
numeradas. A informação está separada por espaços, colunas de texto e
rectângulos.

O texto e acompanhado de imagens do televisor, comando e pilhas, que são muito


esclarecedoras e sugestivas. Os títulos e as partes mais importantes do texto têm
destaques a preto e alguns botões do comando são coloridos

A informação é precedida de títulos curtos exemplo: “preparação”. A classe de palavras mais


utilizada nos títulos são os substantivos, as explicações são constituídas por frases curtas e
o tempo verbal mais utilizado é p infinitivo porque é de mais fácil compreensão e não se
refere a ninguém em particular. O conteúdo do texto reporta-se também aos materiais
empregues no seu fabrico, cuidados com o meio ambiente, aviso sobre imagens, cuidados a
ter, etc.

Há instruções para escolha do local onde colocar o aparelho, inclui indicações sobre a
instalação antes do uso, faz referencia à primeira utilização, às ligações principais, controlo
Remoto, programação, etc.. Explica a forma como limpar o ecrã, “limpar cuidadosamente
com algodão absorvente ou outro material suave” menciona avisos acerca dos riscos que a
sua utilização acarreta “não toque na superfície com as mãos, desligue o televisor durante a
noite”. Tem instruções amigas do ambiente, o consumo de energia contribui para a poluição
da água e do ar. Não encontrei sugestões na eventualidade de surgirem anomalias de
funcionamento, caso surjam, são quase sempre; cabo da antena e ficha eléctrica.

3. Imagine, agora, apresentar o equipamento a alguém, um familiar ou amigo,


adicionando já a sua opinião acerca do aparelho. Para tal construa uma síntese
informativa em processador de texto onde inclua a identificação, categorização,
descrição aspectual e opinião crítica, descrição do funcionamento e opinião crítica
e o papel desse equipamento no quotidiano doméstico.

- Informação Útil
Escrever uma síntese. Pessoa verbal – a síntese deve ser escrita com recurso à 3ª pessoa do singular. Carácter –
Evidenciam-se as intenções do seu autor uma vez que tem um carácter apreciativo e crítico. Organização – a
estruturação do texto depende da orientação escolhida pelo seu autor. Há uma clara liberdade na ordenação e
organização das ideias. Fidelidade – Não pode "trair" o texto-fonte no sentido de que não pode partir de
pressupostos aí inexistentes pelo que, nessa medida, deve ser fiel ao texto de que parte ainda que opere juízos de
valor acerca do mesmo. Uso frequente – É frequentemente usada para juízos comparativos pelo que emerge a
intencionalidade comparativa.

Televisor Samsung PS 50 A 410


Equipamento domestico de laser
Televisor de écran plano plasma 42” 90 canais com teletexto, controlo remoto com dígitos
de 0 a 9; programação dos vários canais, e do televisor onde podem ser programadas
várias funções tais como: alarme, relógio, volume, activar desactivar o pay tv, mover acima
abaixo, informações rádio, selecção de canais, formato da imagem, teletexto informação.
Pode ser comandado manualmente, pode ter incorporado DVD, contém materiais recicláveis
e reutilizáveis não colocar pilhas no lixo, e é recomendado não deixar o aparelho ligado
durante a noite.
O controlo tem duas pilhas que vão ser incorporadas. Este televisor tem algumas regras de
segurança: não colocar nenhuma chama viva acesa perto do televisor evitar calor, luz
directa do sol e exposição a intempéries, longe de gotas de água, derrames de líquidos e
não colocar nada em cima do televisor; Não limpar com panos de pó impregnados com
produtos químicos, não tocar na superfície com os dedos, limpe com algodão absorvente ou
material suave. O ar deve circular livremente.
É um aparelho muito bom, moderno, transmite imagens muito bem definidas em alta
resolução, som Stereo, com saída de 10Wx2, bloqueio infantil, fácil de transportar, pode ser
colocado na parede ou no móvel, o preço é acessível pelo que é uma boa aquisição.

Em relação aos analógicos, tem a observar não pode ser tocado com os dedos, não pode
ter uma luz acesa junto do televisor, pode causar uma pós imagem permanente do ecram,
ou a chamada queimadura de fósforo. Como aparelho muito duradouro, a sua reparação é
muito dispendiosa, como vantagens para o lar, reduz o espaço ocupado com um pequeno
suporte pode ser colocado em qualquer parede, em cima da qualquer móvel, pode ser
deslocado com facilidade para qualquer lugar da casa devido ao seu pequeno peso.
Tem um consumo menor de energia, não cria fuligem na parede, tem melhor qualidade de
imagem e som, vemos tudo plano, aproxima-se da imagem real.

4. Converta o texto produzido para um suporte multimédia (PowerPoint, Movie Maker,


Flash, Photoshop). Publique-o num blogue. Torne-o mais agradável de ler e fácil de
perceber. Conjugue o texto escrito com a força da imagem e, se possível, do som.

- Informação Útil
Escolher um multimédia. Quando se produz um material multimédia pode optar-se por um material off-line ou
on-line. Os materiais produzidos off-line têm a vantagem de ser mais controlados por quem os produz pois não
dependem de tutoriais nem receitas pré-feitas. Contudo, exigem um software instalado no computador. Por sua
vez, o multimédia produzido on-line estão mais dependentes das “receitas” mas não carecem de qualquer software
para serem produzidos.

Eu escolhi elaborar…


 Informações acerca do meu projecto:

Votos de Bom Trabalho

União Europeia

Fundo Social
Europeu