Você está na página 1de 15

DEPOSIÇÂO DE METAIS PRECIOSOS

Links para Acesso Rápido

Banhos De Prata Banhos De Ouro Banhos De Paládio

Banhos De Platina Banhos De Ródio

Deposição de Metais Preciosos

Alguns dos componentes utilizados pelas indústrias eletrônicas, informática, aeroespacial e outras, devem resistir aos ataques químicos e à oxidação, inclusive em altas temperaturas e ao mesmo tempo precisam ser soldáveis e bons condutores elétricos.

Essas exigências são tão rigorosas, que só conseguimos com a deposição de metais preciosos. Em conseqüência, a utilização dos metais nobres por eletrodeposição multiplicou-se várias vezes nas últimas duas décadas. Surgiram as novas aplicações técnicas e incrementou também o seu emprego por este meio no seu ramo tradicional na indústria decorativa.

Entre os banhos de metais nobres, os mais difundidos são os de prata e ouro, mas os banhos de ródio, paládio também têm aplicações importantes.

BANHOS DE PRATA

DEPOSIÇÂO DE METAIS PRECIOSOS Links para Acesso Rápido Banhos De Prata Banhos De Ouro Banhos De

PROPRIEDADES DA PRATA

A prata metal é dúctil, de baixa dureza, ótimo condutor elétrico e térmico, não oxida, porém em contato com sulfetos ela formará uma película escura na sua superfície. A prata é solúvel em ácido nítrico, ácido sulfúrico e em cianeto de potássio.

BANHOS DE PRÉ PRATEAÇÃO

A maioria dos metais precipitam prata por simples imersão das soluções normalmente usadas para prateação. A camada assim depositada não tem boa aderência no substrato.

Para prevenir este defeito recomenda-se a pré-prateação.

Os banhos de pré-prateação contêm baixo teor de prata e relativamente alto teor de cianeto livre.

A pré-prateação do aço geralmente é feita em duas etapas: a primeira, em solução contendo, além da prata, cobre, e a segunda, na solução convencional de pré-prateação.

São as seguintes as condições de uso dos banhos de pré-prateação:

A pré-prateação do aço geralmente é feita em duas etapas: a primeira, em solução contendo, além

Além de assegurar a boa aderência da prata do metal-base, a pré-prateação melhora a penetração e a distribuição da camada principal.

Em razão da rápida passivação do níquel eletrodepositado é recomendada a sua ativação

antes da pré-prateação. Na mesma forma é importante a pré-ativação das ligas de níquel (alpaca, kovar) e do aço inoxidável.

No tratamento de artigos montados de peças em diferentes metais, recomenda-se a aplicação de pré cobre anterior à pré-prata.

BANHOS DE PRATEAÇÃO

Os banhos de prata mais usados são os cianídricos, compostos principalmente de cianeto de prata e de cianeto de potássio ou Sódio.

A prata está presente na forma de complexo duplo KAg (CN)2 ou NaAg (CN) 2'

Os banhos a base de potássio são preferidos porque permitem deposição mais rápida, são mais tolerantes aos carbonatos e a camada formada tem uma cristalização mais fina.

Apesar da grande variedade das formulações conhecidas, as quais trabalham em diversas condições, na prática as mesmas poderão ser divididas em apenas três tipos, como segue:

  • - banhos convencionais com baixo teor de prata;

  • - banhos rápidos com consideravelmente mais alto teor de prata.

  • - banhos de prata brilhante.

A pré-prateação do aço geralmente é feita em duas etapas: a primeira, em solução contendo, além

BANHO DE PRATA CONVENCIONAL

Usa-se este banho para depositar uma camada de prata de até 50 micrometros de espessura.

Geralmente trabalha na temperatura do ambiente com agitação (movimentação da barra catódica ou circulação da solução). Não é recomendável ultrapassar a densidade de corrente de 1,2 A/dm 2 porque poderá causar polarização dos anodos que, por sua vez, resultará na decomposição dos cianetos, aumento do carbonato e redução do teor da prata.

Os depósitos são foscos, mas com aplicação de abrilhantadores consegue-se depósitos semibrilhantes. Os abrilhantadores mais usados (bissulfeto de carbono e rodanato de amônia) são de difícil controle, devem ser adicionados em pequenas quantidades.

BANHO RÁPIDO DE PRATA

Os banhos rápidos são usados para depositar agitação.

camadas grossas. É necessária uma forte

A movimentação da barra catódica deve ser complementada com a circulação da solução.

A fim de prevenir depósitos muito porosos, deve-se filtrar permanentemente a solução é fazer um bom ensacamento dos os anodos. O constante tratamento com carvão ativo é particularmente importante no caso do uso de anodos insolúveis, em razão da forte tendência para a formação de produtos de decomposição.

Pode-se reduzir este efeito com a adição periódica de hidróxido de potássio, mantendo o pH do banho acima de 12.

Os banhos de prata para deposição seletiva contêm de 45 a 75 g/I de prata metálica, bem como, sal condutor específico. Costumam operar na temperatura de 60 - 70°C e o pH fica entre 8,0 e 9,0.

Devem depositar de 1,0 a 2,5 micrometro de espessura num espaço de tempo mais curto possível, algo como de 2 a 10 segundos. A densidade de corrente aplicada fica entre 50 e 200 A/dm 2 e na maioria dos casos os anodos são insolúveis.

BANHO DE PRATA BRILHANTE

BANHO DE PRATA CONVENCIONAL Usa-se este banho para depositar uma camada de prata de até 50

As exigências de melhor qualidade desenvolveram os banhos de prata também. Os depósitos obtidos dos banhos brilhantes, comparando com os anteriores, têm melhor resistência à abrasão e ao enegrecimento, a sua dureza superficial é muito superior e são quase isentos de porosidades.

O brilho especular, na maioria dos casos, permite eliminar o polimento posterior à prateação.

A sua composição é um pouco diferente da dos banhos convencionais, o conteúdo de prata é algo mais alto e o teor de cianeto livre é substancialmente maior.

Geralmente dois aditivos são aplicados:

A) O primário é o abrilhantador, um composto solúvel de antimônio ou selênio, adicionado de acordo com o consumo de ampare/hora e

B) O secundário é um umectante.

Por causa das restrições surgidas ao emprego dos abrilhantadores metálicos, principalmente nas aplicações decorativas, os banhos mais recentes estão utilizando abrilhantadores orgânicos.

ANODOS

A relação anodo/catodo deve ser no mínimo 1/1, nas aplicações de deposição seletiva esta relação fica de 2/1 a 5/1. Os anodos normalmente são de prata de alta pureza (99,9%). As impurezas, mesmo em quantidades pequenas, podem causar efeitos prejudiciais; mas em muitos casos as condições não satisfatórias do banho (baixo pH, alta densidade de corrente anódica, baixo teor de cianeto, etc.) são origens do escurecimento dos anodos.

Para evitar camadas ásperas, os anodos devem ser ensacados. Para este fim, devem ser usados sacos de nylon.

Podem ser usados anodos de aço inoxidável também. Neste caso, para manter o teor de prata, deve-se adicionar periodicamente o sal de prata.

Os anodos insolúveis nos equipamentos para deposição seletiva costumam ser em titânio platinado ou em pura platina.

VELOCIDADE DE ELETRODEPOSIÇÃO

B) O secundário é um umectante. Por causa das restrições surgidas ao emprego dos abrilhantadores metálicos,

A eficiência catódica fica geralmente entre 95 e 100%. Com a densidade de corrente de 1 A/dm 2 e eficiência catódica de 100%, deposita-se 66 miligramas de prata por minuto e por dm 2 , o que corresponde a 0,64 micrometros de espessura.

A densidade de corrente aplicável está em relação direta com o teor de prata na solução.

Em banhos não-movimentados com teor de prata de 20 a 40 g/I, a densidade de corrente

máxima ficará de 0,65 significativamente.

a

1

A/dm 2 .

Com agitação estes valores poderão ser

aumentados

A eficiência catódica dos banhos seletivos é

de

A eficiência catódica dos banhos seletivos é de aproximadamente 85 - 90% e o sal

aproximadamente

85

-

90%

e

o

sal

condutor. específico utilizado permitirá a aplicação da densidade de corrente de 50 a 200

A/dm2.

EQUIPAMENTOS

Os tanques de ferro devem ser revestidos de PVC, polietileno ou borracha dura, materiais

resistentes a soluções fortemente alcalinas.

As bombas-filtro devem ser de aço inoxidável ou revestido de material plástico.

Os equipamentos utilizados para deposição seletiva são especialmente projetados para esta finalidade, de acordo com o tipo do depósito a ser produzido.

PROBLEMAS MAIS COMUNS EM BANHOS DE PRATA

PROBLEMAS MAIS COMUNS EM BANHOS DE PRATA CÁLCULO DE CUSTO Onde C, em R$, é o

CÁLCULO DE CUSTO

PROBLEMAS MAIS COMUNS EM BANHOS DE PRATA CÁLCULO DE CUSTO Onde C, em R$, é o

Onde C, em R$, é o custo de prata depositada na peça.

Onde A, em dm2, é a área prateada da peça.

Onde E, em micrometros, é a espessura da prata depositada.

Onde P, em R$, é o preço da prata (anodo)

por kg.

A fim de apurar o custo real, deve-se considerar as perdas por arraste também.

BANHOS DE OURO

OURO (Au)

Peso atômico 196,967

Valência 1

Peso específico 19,32 g/cm3

Equivalente eletroquímico 7,3567 g/Ah

PROPRIEDADES DO OURO

PROBLEMAS MAIS COMUNS EM BANHOS DE PRATA CÁLCULO DE CUSTO Onde C, em R$, é o

O ouro é dúctil, de baixa dureza, bom condutor elétrico, não oxida, é solúvel em água régia e em cianeto de potássio.

Tipos De Banhos De Ouro

  • a) Classificação pela composição da solução:

    • - banhos cianídricos (quente, frio)

    • - banhos neutros

    • - banhos ácidos

    • - banhos alcalinos sem cianeto

      • b) Classificação pela composição do depósito

        • - banhos para deposição de ouro puro

        • - banhos para deposição de ligas de ouro

          • c) Classificação pela espessura depositada

            • - banhos de folheação

            • - banhos de douração (até 0,25 micrometros)

BANHOS CIANíDRICOS DE OURO

Banhos Cianídricos Quentes

Durante quase um século este tipo era o único banho de ouro disponível. Hoje sua aplicação ficou reduzida apenas para a produção de camadas muito finas.

Os banhos normalmente contêm ouro na faixa de 0,5 a 1 g/I para dou ração, de 3 a 10 g/I para folheação, em forma de cianeto de ouro e potássio.

O sal condutor mais usado é o cianeto de potássio, nos limites de 7 a 14 g/I nos banhos de douração e de 30 a 60 g/I nos de folheação.

Alguns banhos contêm ainda carbonatos e/ou fosfatos.

Os limites das condições de trabalho na maioria dos banhos são os seguintes:

O ouro é dúctil, de baixa dureza, bom condutor elétrico, não oxida, é solúvel em água

Os banhos de douração em geral funcionam parados.

Como regra geral os banhos de teor mais alto de ouro e sais são usados para folheação, porque estes permitem a aplicação mais alta de densidade de corrente e também a eficiência catódica é mais alta.

A agitação catódica e a temperatura elevada aumentarão a velocidade da eletrodeposição.

Quando o anodo é insolúvel, deve-se repor o ouro gasto em forma de sal.

A fim de manter a composição normal do banho, deve-se adicionar periodicamente cianeto de potássio também, porém não há necessidade da adição de carbonato de potássio, porque a tendência destes banhos é produzi-lo durante o funcionamento.

Nas aplicações decorativas é muito importante a cor do depósito, enquanto nas técnicas é a sua dureza e, em ambos os casos, o seu custo.

Pela deposição de ligas de ouro poderão ser produzidos depósitos verdes, rosados, avermelhados, etc., e a sua dureza original de 60-80' VHB poderá chegar a 180. A redução da pureza do depósito, substituindo o ouro por outro metal, reduzirá o seu custo, porém isto também reduzirá a sua resistência à oxidação.

Os metais mais usados na formulação das ligas são níquel, cobre, prata e cádmio. São aplicados nas soluções em forma de seus cianetos.

Limitações dos banhos cianídricos quentes:

a) Formação de produtos de decomposição em razão da alta temperatura de trabalho, ocasionando contaminações orgânicas e metálicas, as quais se depositam junto com o ouro, surgindo inclusões no depósito, dificultando a deposição de ouro puro,

alterando a composição das ligas.

b) Os depósitos são porosos, portanto, a resistência à oxidação é baixa. Para depositar camadas mais grossas é necessário o polimento intermediário. Para obter acabamento brilhante é necessário o polimento posterior, a não ser que a espessura da

camada seja muito fina.

c) É muito difícil a manutenção e o controle das soluções. Para eliminar as contaminações orgânicas, a solução deve ser tratada freqüentemente com carvão ativo. Até com pequenas alterações nas condições de trabalho (temperatura, densidade de corrente, teor dos componentes) modifica a cor do depósito.

Banhos Cianídricos Frios

Como regra geral os banhos de teor mais alto de ouro e sais são usados para

Na década de 1950 descobriu-se que com a adição da prata no eletrólito cianídrico consegue- se depositar camadas mais grossas com brilho constante sem os polimentos intermediários ou posterior, mencionados antes.

A temperatura de trabalho destes banhos é baixa (18-25°C) e em conseqüência a decomposição dos cianetos é bem mais lenta, resultando maior espaço de tempo entre os tratamento necessário e mais longa vida útil das soluções. Os abrilhantadores utilizados são metálicos, os quais não são afetados pelos tratamentos.

Os cristais depositados são finos e consistentes, melhorando a porosidade do depósito.

Composição química e condições de trabalho dos banhos cianídricos frios:

Composição química e condições de trabalho dos banhos cianídricos frios: As limitações das suas aplicações são

As limitações das suas aplicações são as seguintes:

  • a) a pureza do depósito - máx. 99%

  • b) a dureza do depósito - máx. 180 VHB

  • c) as cores a serem produzidas são limitadas

A área de aplicação mais importante destes banhos é a deposição de altas ligas no sistema de cama das compostas.

Neste tipo de aplicação, a primeira camada (2/3 a 3/4 do total) geralmente é produzida num banho cianídrico frio depositando ouro de 18, 16 ou 12 quilates (75%, 67% ou 50% de pureza), cujo peso específico é de aproximadamente 16, 14,5 ou 12,5 g/cm3, proporcionando 37, 49 ou 67% de economia de ouro, respectivamente.

A camada complementar

mais fina, normalmente

é ouro 22

a 23

pureza) de alta dureza com a cor final desejada.

quilates (93

a 96% de

Banhos Neutros De Ouro

A finalidade dos primeiros banhos neutros desenvolvidos na década de 1950 era produzir camadas com conteúdo de ouro mais baixo, geralmente de 58% ou 75% (14 ou 18 quilates), destinados especificamente às indústrias de jóias e relógios.

O metal mais importante utilizado

para formar a

quantidade pequena de prata ou cádmio.

liga

é

o

cobre e

em alguns casos uma

Na primeira das duas composições básicas, os metais entram nas suas formas de sal de cianeto e o sal condutor é fosfato de sódio bibásico.

O teor de ouro metal está na faixa de 6 a 8 g/I. É importante que o teor de cianeto livre seja baixo ou, se for possível, mantido em zero.

As condições operacionais são as seguintes:

Temperatura :70°C, PH :7, Densidade de corrente: 0,5 - 1,0 A/dm2

Na outra formulação o teor de ouro é mais baixo, aproximadamente 2 g/I, e o cobre entra na forma de complexo EDTA. O sal condutor é EDTA bissódico.

As condições operacionais são:

Temperatura : 55°C, pH: 8,5, Densidade de corrente: 1,0 a 1,5 A/dm2.

A desvantagem destes banhos é a necessidade de freqüentes tratamentos para eliminar decompostos produzidos durante a eletrólise.

Outro tipo de banho, este para depositar ouro de alta pureza, é utilizado na fabricação de semicondutores. Entre as suas vantagens citamos a ótima resistência do depósito à oxidação, inclusive em alta temperatura (500°C) e a possibilidade de utilizar tambor rotativo para processar as peças.

As condições operacionais do banho são as seguintes:

Ouro: 8 g/I, Temperatura: 60°C, pH: 6,0 - 6,5. Densidade de corrente 0,1 - 0,3 A/dm 2

Banhos Ácidos De Ouro

A indústria eletrônica, para uma série das suas aplicações, específica depósito de ouro puro, resistente à oxidação em alta temperatura e boa ductilidade. Outras aplicações requerem alta dureza superficial e boa resistência à abrasão, além da soldabilidade. Outro fator importante na indústria moderna é a confiabilidade do processo ou seja a sua estabilidade, longa vida permitindo a fabricação em massa sempre com características iguais.

Os banhos ácidos foram os primeiros que atenderam estas exigências.

Os banhos ácidos para folheação geralmente contêm de 4 a 8 g/I de ouro metal, aplicado em forma de cianeto de ouro e potássio. O teor de ouro dos banhos de dou ração é de aproximadamente 1 g/I.

As condições de trabalho geralmente são as seguintes:

Temperatura: Ambiente a 40°C. Densidade de corrente: 0,5 - 3 A/dm 2 ,PH: 4,5, Anodos:Titânio platinado

Vantagens:

a - Soluções mais estáveis.

b - Depósitos livres de porosidade.

c - Permite depósitos com maior dureza com aplicação de cobalto e de níquel à liga.

d - A eficiência catódica dos banhos ácidos é baixa.

Banhos Alcalinos Sem Cianetos

A desvantagem destes banhos é a necessidade de freqüentes tratamentos para eliminar decompostos produzidos durante a

O mais recente desenvolvimento é o banho alcalino sem cianetos. Além da vantagem no tratamento das águas efluentes, este tipo de banho apresenta uma característica desconhecida até então, entre os banhos de ouro: o poder de nivelamento.

Os depósitos produzidos nestes banhos são brilhantes, muito dúcteis e possuem uma excelente dureza superficial. A distribuição da camada é uniforme e a penetração é ótima.

O conteúdo de ouro metal dos banhos de dou ração é de 0,4 a 0,8 g/I e os de folheação ficam na faixa de 4 a 1 O g/I.

O ouro é aplicado em forma de cloreto ou como um complexo de sulfito.

Os banhos de alta velocidade de deposição contêm 30 a 50 g/I de ouro e funcionam com 3 a 5 vezes mais alta densidade de corrente que os convencionais.

As condições de trabalho geralmente são as seguintes:

Temperatura: 50 - 75°C, Densidade de corrente catódica:

8

Anodos: platina.

0,3 - 1,0 A/dm2, PH: acima de

Normalmente é recomendável a agitação dupla, ou seja, catódica e a da solução.

Estes banhos permitem também o processamento das peças em tambores rotativos.

Os depósitos obtidos destes banhos podem chegar até os 99,9% de pureza.

Outrossim, podem ser produzidos os mais diversos tipos de ligas, tanto para aplicações técnicas como decorativas.

Os metais mais usados para produção das ligas são: cádmio, cobre, níquel, paládio e prata.

Assim como os banhos cianídricos, estes também permitem a deposição de altas ligas (de 12 a 18 quilates) para aplicação em depósitos compostos ou a produção de diferentes cores, inclusive as tonalidades rosadas.

Entre as limitações dos banhos alcalinos livres de cianetos, destacamos a vida útil limitada do eletrólito e a sua grande sensibilidade. Em geral, são indispensáveis os controles rigorosos da temperatura, do pH e da composição da solução.

O banho deve possuir também um sistema de filtração contínua.

Ciclo De Trabalho

A

fim

de

obter

resultados satisfatórios, a elaboração do ciclo de trabalho adequado

é

fundamental. Não há receita única, mas são princípios a serem considerados de acordo com o

material usado

na confecção

da

peça,

o

estado

geral da superfície

a

ser

tratada e

a

especificação

da peça,

o

estado

geral da superfície

a

ser

tratada e

a especificação do

acabamento final.

 

A limpeza da superfície antes da eletrodeposição é convencional e dependerá do metal base e do seu estado.

O nivelamento anterior à deposição do ouro é muito importante. Recomenda-se a deposição de 5 a 10 micrometros de cobre ou de níquel ou a combinação dos dois.

Em geral o poder de nivelamento dos banhos de ouro é muito baixo, mas também seria antieconômico aumentar a espessura da camada de ouro somente em função deste requisito.

Outra finalidade da camada de níquel é servir como barreira entre os metais que têm a tendência de migração.

A ativação anterior à dou ração tem a finalidade de assegurar a aderência da camada de ouro na superfície.

A economia proporcionada pela redução da rejeição é sempre maior do que o aumento do custo pela inclusão desta operação.

São disponíveis formulações específicas para ativação eletrolítica de níquel ou de suas ligas (alpaca, kovar, etc.), de prata e de aço inoxidável.

A lavagem em água destilada das peças antes da entrada nos banhos de ouro, diminuirá a possibilidade da contaminação destes por arraste.

Esta operação

não

substitui

a lavagem normal

em água corrente,

serve

apenas como

complementação.

A pré-douração é indicada antes da folheação a ouro e a sua função é múltipla:

  • a. Proteger o subseqüente banho de alto teor de ouro das contaminações por arraste.

  • b. Assegurar a perfeita aderência da camada principal.

  • c. Promover a melhor penetração e a distribuição uniforme.

  • d. Melhorar os índices de porosidade de depósito.

A recuperação é um tanque de água parada logo após o banho de ouro, cuja finalidade é reduzir as perdas por arraste.

A lavagem em água quente é a última operação antes de secar as peças. É recomendado manter as peças nesta água de 85 - 95°C durante aproximadamente 5 minutos a fim de eliminar resíduos da superfície que poderiam causar manchas, e também promover o envelhecimento acelerado do ouro, evitando assim a posterior mudança da sua cor.

Equipamentos

A economia proporcionada pela redução da rejeição é sempre maior do que o aumento do custo

O tanque é feito em ferro revestido de PVC ou polipropileno, PVC rígido e outros. O tanque em aço inoxidável pode ser utilizado nos banhos cianídricos.

O aquecimento do banho pode ser externo, tipo "banho-maria" ou por resistência em tubos de pirex ou titânio imersos na solução.

Outra alternativa para o resfriamento/aquecimento da solução é a serpentina, em teflon ou titânio, imersa.

Nos banhos cianídricos os tubos das resistências ou a serpentina podem ser de aço inoxidável.

A agitação dos banhos de folheação na maioria dos casos deve ser dupla, a da solução e da peça. A primeira é por uma bomba e a segunda é pela movimentação da barra catódica, respectivamente.

Os banhos de ouro normalmente não são agitados a ar.

A filtração contínua é recomendada para manter a solução sempre limpa, reduzindo assim a possibilidade de contaminação do banho bem como a de defeito nas peças.

Em todos tipos de banhos de ouro é preferível o uso de bomba-filtro de plástico. Deve-se tomar cuidado na escolha do cartucho para que seja o adequado ao tipo do banho utilizado.

Existem equipamentos desenvolvidos especialmente para banhos de ouro, reunindo em uma única unidade o controle da temperatura, a agitação da solução e a sua filtração contínua.

Recomenda-se o emprego de retificadores individuais nos banhos de ouro, equipados com ampêre/horas, voltímetro e controle contínuo da densidade de corrente.

No caso de folheação, a utilização do medidor de ampère/horas facilitará tanto o controle da espessura como a manutenção da solução.

A técnica de "pulse-plating" requer um retificador especialmente finalidade.

projetado para esta

Os anodos utilizados em alguns banhos cianídricos quentes são de ouro puro.

Os banhos cianídricos em geral e alguns outros de dou ração empregam os anodos de aço inoxidável.

A recomendação é utilizar anodos de titânio platinado nas soluções ácidas ou alcalinas sem cianeto, bem como nas neutras.

Deposição Seletiva

Devido ao alto preço do ouro é possível realizar importante redução de custo confinando o depósito à parte da superfície onde a função da peça exige a presença de ouro.

Dependendo do tipo da peça, a economia pode chegar até 95% do ouro utilizado com os métodos convencionais.

A técnica empregada nestes casos é a "deposição seletiva" e as suas aplicações mais importantes são nas áreas de componentes eletrônicos, especificamente na fabricação de circuitos impressos, conectores e semicondutores (Iead frames).

Equipamentos especiais foram desenvolvidos para esta finalidade, que podem ser classificados em dois grupos, de acordo com o princípio do seu funcionamento.

  • a. Imersão parcial ou altura controlada (controlled-depth).

  • b. Isolamento ou mascaramento das áreas a não serem cobertas.

As máquinas são especificamente projetadas para cada aplicação, mas normalmente em seqüência contínua incluem todas as operações a partir da limpeza. A fim de tornar econômica a sua utilização, devem encurtar ao mínimo o tempo das operações, assegurando a alta produtividade.

Na mesma forma como os equipamentos, os banhos também devem ser adaptados

Existem equipamentos desenvolvidos especialmente para banhos de ouro, reunindo em uma única unidade o controle da

particularmente para cada aplicação. A velocidade de eletrodeposição é excepcionalmente rápida. A densidade de corrente pode variar de 50 a 250 A/dm2, com eficiência catódica de 50 a 100%.

O teor de ouro dos banhos pode chegar até 32 g/l.

Existem formulações tanto para deposição de ouro puro como para ligas de ouro duro utilizadas na fabricação de semicondutores ou de contatos, respectivamente.

Existem equipamentos desenvolvidos especialmente para banhos de ouro, reunindo em uma única unidade o controle da

BANHOS DE PALÁDIO

PALÁDIO (Pd)

Peso atômico:106,4, Valência: 2. Peso específico: 12,16 g/cm 3 , Equivalente Eletroquímico:

1,9903 g/Ah.

Propriedades Do Paládio

O paládio metal é dúctil, a sua cor é branca acinzentada como o aço.

As suas propriedades elétricas permitem a sua utilização como contato, com exceção de quando há corrente de alta freqüência. É atacado por ácido nítrico e é solúvel em água régia e ácido clorídrico, ambos a quente.

Banhos De Paládio

Nos últimos anos os banhos de paládio estão cada vez mais utilizados em conseqüência da importância do próprio paládio como um substituto mais econômico no lugar do ródio e do ouro na indústria decorativa e eletrônica, respectivamente.

Grandes variedades de banhos foram e estão sendo desenvolvidos, baseados geralmente nas formulações antigas dos banhos de platina.

As condições de trabalho normalmente ficam entre os seguintes limites:

Paládio metal: 4 a 30 g/l,

Densidade de corrente catódica: 0,5 a 3,0 A/dm 2,

Temperatura: 30 a 50°C,

Anodo:insolúvel (paládio ou platina).

BANHOS DE PLATINA

Platina (pt)

Peso atômico: 195,09,

Valência: 2,

Peso específico: 21,45 g/cm 3 ,

Equivalente eletroquímico: 1,8208 g/Ah.

Propriedades Da Platina

BANHOS DE PALÁDIO PALÁDIO (Pd) Peso atômico:106,4, Valência: 2. Peso específico: 12,16 g/cm , Equivalente Eletroquímico:

A platina metal é branca acinzentada, muito dúctil e maleável. Tem boa resistência a alta temperatura e é inatacável por ácidos quando estes agem separadamente. É solúvel em água régia e em cianeto de potássio.

Banhos De Platina

Na prática, os banhos de platina são pouco usados. Além da joalheria, as suas aplicações são as seguintes: anodos de titânio platinado, alguns aparelhos de laboratório e componentes eletrônicos expostos a uma temperatura muito alta.

Os banhos

mais

usados são

os ácidos, e as condições de trabalho geralmente são as

seguintes:

Platina metal: 10 g/l

PH: pH 0,2 a 1,5

Densidade de corrente catódica: 0,5 a 10 A/dm 2

Temperatura: 55 a 85°C

BANHOS DE RÓDIO

Ródio (Rh)

Peso atômico: 102,905

Valência: 3

Peso específico: 12,44 g/cm 3

Equivalente eletroquímico: 1,2797 g/Ah

Propriedades Do Ródio

A platina metal é branca acinzentada, muito dúctil e maleável. Tem boa resistência a alta temperatura

O ródio metal é branco como a prata, duro e muito resistente aos ataques químicos. O seu desempenho em alta temperatura não é satisfatório - já a 600°C começa a oxidar. É solúvel numa mistura de ácido sulfúrico com ácido clorídrico.

Banhos De Ródio

Os três tipos de banho de ródio normalmente usados são a base de ácido sulfúrico, os de ácido fosfórico e os de mistura dos dois ácidos.

As condições de trabalho geralmente são as seguintes:

Ácido fosfórico ou ácido sulfúrico: 10 a 30

Densidade de corrente catódica: 2 a 15

Temperatura: 40 - 50°C

Anodo: Platina

Os metais-base para depositar ródio normalmente são de níquel, prata ou ouro. A espessura da camada varia entre 0,03 e 1 micrometro. As aplicações mais freqüentes são as seguintes:

jóias, refletores, alguns contatos eletro-eletrônicos e outros.

Interesses relacionados