Você está na página 1de 16

ComunidadeComunidade emem OraçãoOração

Liturgia para o 2º Domingo da Quaresma/Ano B – 04.03.2012 Secretariado Diocesano de Pastoral – Erechim

– Ouvir a voz de Cristo e transfigurar o rosto dos irmãos para participar da glória.

– Montanha: lugar simbólico da experiência de comunhão com Deus.

– CF: Fraternidade e Saúde Pública – “Que a saúde se difunda sobre a terra!” (Eclo 38,8)

Cor litúrgica: Roxo

Ano 34 - Nº 1965

Nota: O es- paço cele- brativo pode dar destaque a três símbo- los fortes: a cruz, a cami- nhada e a luz.

a três símbo- los fortes: a cruz, a cami- nhada e a luz. 1. RITOS INICIAIS

1. RITOS INICIAIS

A. (Sib ou Lá) Na montanha com Jesus, no encontro com o Pai, recebemos a mensagem: /:“Ide ao mundo e o transformai!:”/

(nº 288, 2ª estrofe)

Anim.: Depois de uma semana de trabalhos, que bom encontrar- nos reunidos em celebração litúrgica dominical, o ponto alto de cada semana. Em cima da montanha, enxergamos mais lon- ge. Além da cruz, está a manhã da ressurreição.

A. (Dó) 1. Senhor, Deus de nossos pais, aqui estamos./ Teu amor, alegres, vimos celebrar./ Tua graça que nos salva nós busca- mos,/ nossa vida colocamos neste altar.

Ref.: Somos povo da aliança,/ ca- minhando na esperança,/ con- duzidos por tua mão! Com os pés no chão da vida,/ rumo à Páscoa tão querida/ te pedimos conversão! 2. A palavra nos anima e orien- ta,/ fortalece e dá sentido à nossa cruz./ O teu pão nos une

a todos, nos sustenta/ por ca-

minhos da justiça nos conduz.

Ou:

A. (Mim) Ref.: /:Voltai para o Se- nhor de todo o coração, mudai

as vossas obras em sinal de con- versão!:/

1. Sois filhos desta luz e não das trevas,/ vivei como herdeiros desta graça /:e frutos vingarão, de paz e de bondade,/ em pas- sos de justiça e verdade.:/ Saudação

P.

Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

A.

Amém.

P.

Que o amor misericordioso de Deus Pai, que se revela em Je- sus Cristo, seu Filho amado, es- teja convosco.

A.

Bendito seja Deus que nos reu- niu no amor de Cristo. A vida na liturgia

P.

Neste segundo domingo da qua- resma, somos convidados a su- birmos a montanha com Jesus e fazermos a experiência da ale- gria e da amizade com ele, para, depois, animados por sua palavra, descer ao chão de nos- sa realidade para transfigurá- la e transformá-la através de projetos concretos de solidarie- dade, a exemplo da Campanha da Fraternidade que nos convi- da para promovermos a saúde

pública. (Lembrar realidades a se- rem transfiguradas, transformadas, especialmente em relação à saúde

Acontecimentos da semana

ativida-

des conforme lembretes no final do

; mulher). (Acena para o Cartaz da CF e todos cantam o verso final do refrão do hino da CF)

08 – dia internacional da

folheto

A.

(Mi ou Fá) /:E que a saúde se difunda sobre a terra!:/

Ato Penitencial

P.

Irmãos e irmãs, reconhecendo nossa dificuldade em aceitar tudo o que exige um sacrifício maior de nossa parte e também

a nossa incapacidade de reco- nhecer o rosto de Cristo nos ir- mãos que sofrem, invoquemos a misericórdia de Deus.

A. (Dó) l. Da angústia e opressão vem libertar meu coração /:e atende o lamento desta minha oração.:/

Ref.: /:Ó Senhor, tem compaixão, com sede busco tua face. Der- rama a graça do teu perdão.:/

P. Lembrai-vos, Senhor, de vos- sa misericórdia e de vosso amor, pois são eternos. Nos-

sos inimigos (a fome, a injustiça, a violência, a acomodação, o egoís- mo, que desfiguram tantos rostos)

não triunfem sobre nós; libertai-nos, ó Deus, de toda a angústia e fortalecei-nos no caminho que nos conduz à vida eterna.

A. Amém.

P. OREMOS.

Ó Deus, que nos mandastes ouvir o vos- so Filho amado, alimentai nosso espírito com a vossa palavra, para que, purificado o olhar de nossa fé, nos alegremos com a visão de vossa glória. PNSrJC.

A. Amém.

2. LITURGIA DA PALAVRA

Anim.: Disponhamo-nos a acolher de coração aberto o que Deus nos diz neste segundo domingo de nossa caminhada quaresmal para a Páscoa.

1ª Leitura: Gn 22,1-2.9a.10-13.15-18

L. Leitura do Livro do Gênesis. Naqueles dias, Deus pôs Abraão à prova. Chamando-o, disse:

“Abraão!” E ele respondeu:

“Aqui estou”. E Deus disse:

“Toma teu filho único, Isaac, a quem tanto amas, dirige-te à terra de Moriá, e oferece-o aí em holocausto sobre um mon- te que eu te indicar”. Chega- dos ao lugar indicado por Deus, Abraão ergueu um altar, colo- cou a lenha em cima, amarrou o filho e o pôs sobre a lenha, em cima do altar. Depois, es- tendeu a mão, empunhando a faca para sacrificar o filho. E eis que o anjo do Senhor gri- tou do céu, dizendo: “Abraão! Abraão!” Ele respondeu:

“Aqui estou!” E o anjo lhe dis- se: “Não estendas a mão con- tra teu filho e não lhe faças ne- nhum mal! Agora sei que te- mes a Deus, pois não me recu- saste teu filho único”. Abraão, erguendo os olhos, viu um car- neiro preso num espinheiro pelos chifres; foi buscá-lo e ofe- receu-o em holocausto no lugar do seu filho. O anjo do Senhor chamou Abraão, pela segunda vez, do céu, e lhe disse: “Juro por mim mesmo – oráculo do Senhor –, uma vez que agiste deste modo e não me recusaste teu filho único, eu te abençoa- rei e tornarei tão numerosa tua descendência como as estrelas do céu e como as areias da praia do mar. Teus descendentes conquistarão as cidades dos ini- migos. Por tua descendência serão abençoadas todas as na- ções da terra, porque me obe- deceste”. - Palavra do Senhor.

A. Graças a Deus.

(Reflexão em silêncio)

Salmo: Sl 115 (116B)

S. Andarei junto a Deus na terra dos vivos.

A.

Andarei junto a Deus na ter- ra dos vivos.

S.

1. - Guardei a minha fé, mesmo dizendo:* “É demais o sofrimen- to em minha vida!” - É sentida por demais pelo Senhor* a mor- te de seus santos, seus amigos.

2.

- Eis que sou o vosso servo, ó Senhor,* mas me quebrastes os grilhões da escravidão.- Por isso oferto um sacrifício de lou- vor,* invocando o nome santo do Senhor.

3.

- Vou cumprir minhas promes- sas ao Senhor* na presença de seu povo reunido; - nos átrios da casa do Senhor,* em teu meio, ó cidade de Sião! 2ª Leitura: Rm 8,31b-34

L.

Leitura da Carta de São Pau- lo aos Romanos . Irmãos: Se Deus é por nós, quem será contra nós? Deus, que não poupou seu próprio filho, mas o entregou por to- dos nós, como não nos daria tudo junto com ele? Quem acusará os escolhidos de Deus? Deus, que os declara justos? Quem condenará? Jesus Cris- to, que morreu, mais ainda, que ressuscitou, e está à direi- ta de Deus, intercedendo por nós? - Palavra do Senhor.

A.

Graças a Deus.

A. (Sol) Louvor e glória a ti, Se-

nhor,/ Cristo, Palavra de Deus!/ Cristo, Palavra de Deus!

S.

Numa nuvem resplendente fez- se ouvir a voz do Pai:/ Eis meu Filho muito amado, escutai-o, to- dos vós.

A.

Louvor e glória a ti Evangelho: Mc 9,2-10

P.

O

Senhor esteja convosco.

A.

Ele está no meio de nós.

P.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo Marcos.

A.

Glória a vós, Senhor!

P. Naquele tempo, Jesus tomou con- sigo Pedro, Tiago e João, e os levou sozinhos a um lugar à par-

te sobre uma alta montanha. E

transfigurou-se diante deles.

Suas roupas ficaram brilhantes

e tão brancas como nenhuma

lavadeira sobre a terra poderia alvejar. Apareceram-lhe Elias e Moisés, e estavam conversando com Jesus. Então Pedro tomou a palavra e disse a Jesus: “Mes- tre, é bom ficarmos aqui. Vamos fazer três tendas: uma para ti, outra para Moisés e outra para Elias”. Pedro não sabia o que dizer, pois estavam todos com

muito medo. Então desceu uma nuvem e os encobriu com sua sombra. E da nuvem saiu uma voz: “Este é o meu Filho ama- do. Escutai o que ele diz!” E, de repente, olhando em volta, não viram mais ninguém, a não ser somente Jesus com eles. Ao descerem da montanha, Jesus ordenou que não contassem a ninguém o que tinham visto, até que o Filho do Homem tivesse ressuscitado dos mortos. Eles observaram essa ordem, mas co- mentavam entre si o que queria dizer “ressuscitar dos mortos”. - Palavra da Salvação.

A. Glória a vós, Senhor! Homilia

(Durante a homilia, pode-se fazer refe- rência à 3ª estrofe do Hino da CF e aos cantos sugeridos na comunhão eucarística).

Profissão da fé

A. Creio em Deus Pai todo-po- deroso

(Ou, como segue:)

L.

1. Creio em um só Deus, Pai

todo-poderoso, Criador do céu

e

da terra.

A.

Esta é a nossa fé, bendita seja a Palavra de Deus!

2.

Creio em só Senhor, Filho do eterno Pai, que por nós se fez homem.

3.

Creio no Espírito Santo, fonte de graça e vida, que do Pai pro- cede e do Filho.

4.

Creio na Santa Igreja, Povo de

Deus em marcha, sob a guia de seus pastores.

5.

Creio na vida eterna, quando o

Senhor vier para julgar os vivos

e os mortos. Preces dos fiés

(Preces espontâneas ou preparadas pela equipe e/ou a Oração da CF).

Oração da CF 2012

L. Senhor Deus de amor, Pai de bondade, nós vos louvamos e

agradecemos pelo dom da vida, pelo amor com que cuidais de toda a criação.

A. (Lá) Bendito sejais, ó Pai Cria-

dor, Pai Santo e Senhor, ben- dito sejais! L. Vosso Filho Jesus Cristo, em sua misericórdia, assumiu a cruz dos enfermos e de todos os sofre- dores, sobre eles derramou a esperança de vida em plenitude.

A.

(Mi ou Fá) Ó Senhor, nós que- remos a vida/ por Jesus que se faz nosso irmão,/ em seu povo, na fé, reunido,/ na partilha do amor e do pão.

L.

Enviai-nos, Senhor, o Vosso Es- pírito. Guiai a vossa Igreja, para que ela, pela conversão, se faça sempre mais solidária às dores e enfermidades do povo, e que a saúde se difunda sobre a terra. Amém.

A.

(Fá ou Mi) /:E que a saúde se difunda sobre a terra!:/

3. LITURGIA EUCARÍSTICA

Procissão e preparação das oferendas

Anim.: Oferta agradável a Deus é a pessoa que oferece sua vida em sacrifício pelo bem dos outros. Junto ao pão e ao vinho, apre- sentemos a Deus as atividades realizadas na promoção da saúde.

A. (Dó) 1. De coração arrependi-

do e humilhado,/ ó Pai, que- remos libertar-nos do pecado. Estr.: /:Que nossa oferta seja acei- ta com grande amor e se trans- forme em Corpo e Sangue do Senhor.:/ 2. Alegremente com louvor reco- nhecemos,/ que somos filhos e sois Pai e em vós vivemos.

Ou:

A.

(Dó) Ref.: Retorna, Israel, ao teu Senhor,/ pois Ele guarda os teus passos das ciladas./ Ele perdoa sempre a tua iniqüida- de./ Retorna, Israel, ao teu Senhor!

1.

“Curarei tuas feridas,/ tomarei- te pela mão,/ cuidarei com mui- to amor”./Isto diz o nosso Deus!

2.

“Eu serei como o orvalho/ e Isra- el florescerá,/ frutos mil vai pro- duzir”./ Isto diz o nosso Deus!

3.

“Retorna para mim/ e teu trigo reviverá,/ tua videira se espalha- rá”./ Isto diz o nosso Deus!

P.

Orai, irmãos e irmãs

A.

Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício para gló- ria do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja.

P. Ó Deus, que estas oferendas lavem os nos- sos pecados e nos santi- fiquem inteiramente

para celebrarmos a Pás- coa. Por Cristo, nosso Senhor.

A. Amém. Oração Eucarística II

Prefácio: A transfiguração do

Senhor. (Missal, p. 188)

P. Na verdade, é justo e necessá- rio, é nosso dever e salvação dar- vos graças, sempre e em todo o lugar, Senhor, Pai Santo, Deus eterno e todo-poderoso, por Cris- to, Senhor nosso. Tendo predito aos discípulos a própria morte, Jesus lhes mos- tra, na montanha sagrada, todo

o seu esplendor. E com o teste-

munho da Lei e dos Profetas, simbolizados em Moisés e Elias, nos ensina que, pela Paixão e Cruz, chegará à glória da ressur- reição. E, enquanto esperamos a reali- zação plena de vossas promes- sas, com os anjos e com todos os santos nós vos aclamamos, cantando a uma só voz:

A. (Dó ou Lá) Estr.: Santo, santo, santo,/ sois vós, Senhor nosso Deus.

1. O céu e a terra proclamam,/ proclamam a vossa glória.

2. Hosana, hosana, hosana,/ hosana nas alturas.

3. Bendito o que vem, bendito,/

em nome do Senhor. P. Na verdade, ó Pai, vós sois san-

to e fonte de toda santidade. Santificai, pois, estas oferendas, derramando sobre elas o vosso Espírito, a fim de que se tornem para nós o Corpo e + o Sangue de Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso. A. Santificai nossa oferenda, ó Senhor!

P. Estando para ser entregue e abra- çando livremente a paixão, ele tomou o pão, deu graças, e o partiu e deu a seus discípulos,

dizendo:

TOMAI, TODOS, E COMEI:

ISTO É O MEU CORPO, QUE SERÁ ENTREGUE POR VÓS. Do mesmo modo, ao fim da ceia,

ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente, e o deu

a seus discípulos, dizendo:

TOMAI, TODOS, E BEBEI:

ESTE É O CÁLICE DO MEU SANGUE, O SANGUE DA NOVA E ETERNA ALIANÇA, QUE SERÁ DERRAMADO POR VÓS E POR TODOS PARA RE- MISSÃO DOS PECADOS. FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM.

P.

Eis o mistério da fé!

A.

Salvador do mundo, salvai- nos, vós que nos libertastes pela cruz e ressurreição.

P.

Celebrando, pois, a memória da morte e ressurreição do vosso Filho, nós vos oferecemos, ó Pai,

o

pão da vida e o cálice da salva-

ção; e vos agradecemos porque

nos tornastes dignos de estar aqui

na vossa presença e vos servir.

A.

Recebei, ó Senhor, a nossa oferta!

P.

E

nós vos suplicamos que, parti-

cipando do Corpo e Sangue de Cristo, sejamos reunidos pelo Espírito Santo num só corpo.

A.

Fazei de nós um só corpo e um só espírito!

P.

Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja que se faz presente pelo mundo inteiro: que ela cresça na caridade, com o papa Bento, com nosso bispo Girônimo e to- dos os ministros do vosso povo.

A.

Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja!

P.

Lembrai-vos também dos nos- sos irmãos e irmãs que morre- ram na esperança da ressurrei- ção e de todos os que partiram desta vida: acolhei-os junto a vós na luz da vossa face.

A.

Lembrai-vos, ó Pai, dos vos- sos filhos!

P.

Enfim, nós vos pedimos, tende piedade de todos nós e dai-nos participar da vida eterna, com a Virgem Maria, mãe de Deus,

A.

com os santos Apóstolos e to- dos os que neste mundo vos ser- viram, a fim de vos louvarmos e glorificarmos por Jesus Cristo, vosso Filho. Concedei-nos o convívio dos eleitos!

P.

Por Cristo, com Cristo, em Cris- to, a vós, Deus Pai todo-pode- roso, na unidade do Espírito San- to, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre.

A.

Amém.

Diagramação e Impressão: Gráfica Editora Berthier Ltda. – Fone: (0**54) 3313-3255 – Passo Fundo-RS

Rito de Comunhão

(Pai nosso

Oração da Paz

Fração

do pão)

Comunhão

Anim.: A glória de Cristo transfigu- rado, revelada aos apóstolos na montanha, deu-lhes ânimo e co- ragem de lutar pelo Reino de Deus neste mundo. Participan- do da comunhão eucarística, fortalecemos nosso empenho em solidarizar-nos com os irmãos sofridos que encontramos na pla- nície da missão de cada dia. A. (Fá) Ouvir o Cristo, reconhecê- lo,/ seguir seus passos e cami- nhar:/ é ter certeza da vida nova,/ vencendo a morte e res- suscitar.

1. Com Pedro, Tiago e João,/ sozi- nhos, retirados./ Jesus num alto monte,/ é ali transfigurado.

2. Elias com Moisés,/ conversam com Jesus./ As vestes resplan- decem,/ se tornam como a luz.

3. Então Pedro falou:/ “É bom es- tar aqui!”/ Três tendas nós fare- mos,/ aos dois e para ti.

4. A nuvem envolveu,/ com som- bras a cobrir./ O medo os aba- teu,/ sem nada a proferir.

5. Da nuvem, uma voz:/ “Esse é meu Filho amado!”/ A voz tam- bém falou:/ “Ouvi o seu recado”.

(Canto Litúrgico 2012, nº 10) Ou:

A. (Dó) 1. Vem, ó meu povo, par- tilhar da minha mesa./ Com muito amor esse banquete eu preparei./ Este alimento será força na fraqueza,/ levanta e come deste pão que consagrei. Ref.: /: Nós te louvamos, ó Senhor por teu carinho/ que se faz pão, se faz palavra e traz per- dão./ A Eucaristia nos susten- ta no caminho/ nutre a espe- rança e fortalece na missão.:/

(1º dom.: Tentações e propostas do Reino)

2. Eu te proponho um novo Rei- no de Justiça,/ que tem por lei a igualdade, a compaixão./ Não te dominem o egoísmo e a cobiça!/ recorre à força da pa- lavra e da oração.

(2º dom.: Transfiguração)

3. No monte santo da oração, da Eucaristia/ encontrarás alento e paz, conforto, enfim./ Mas na planície da missão, no dia-a-

dia/ irmãos sofridos já te es- peram. Vai por mim! (Canto

Litúrgico 2012, nº 8)

P. OREMOS

Nós comungamos, Se- nhor Deus, no mistério da vossa glória, e nos empenhamos em render- vos graças, porque nos concedeis, ainda na ter- ra, participar das coisas do céu. Por Cristo, nos- so Senhor.

A. Amém.

4. RITOS FINAIS

Avisos

Compromisso

A. (Sib ou Lá) Na montanha com Jesus, no encontro com o Pai, recebemos a mensagem: /:”Ide ao mundo e o transformai!:/

(nº 288, 2ª estrofe) Ou:

A.

(Fá) Ref.: Tu, que vieste pra que todos tenham vida, (Jo 10,10)/ cura teu povo dessa dor em que se encerra;/ Que a fé nos salve e nos dê força nessa lida, (Mc 5,34)/ e que a saúde se difunda sobre a terra! (Cf Eclo 18,8) Bênção

P.

O Senhor esteja convosco.

A.

Ele está no meio de nós.

P.

Que Deus vos guie com a luz de sua palavra e vos transforme com a força de sua graça. E que vos abençoe o Deus todo-poderoso:

Pai e Filho e Espírito Santo.

A.

Amém.

P.

Glorificai o Senhor com vossa vida e transfigurai o rosto dos irmãos; ide em paz e que o Se- nhor vos acompanhe.

A.

Graças a Deus.

e que o Se- nhor vos acompanhe. A. Graças a Deus. Hino da CF 2012 (Fá)

Hino da CF 2012 (Fá) 1. Ah! Quanta espera, desde as frias madrugadas/ pelo remédio para aliviar a dor!/ Este é teu povo, em longas filas nas calçadas,/ a men- digar pela saúde, meu Senhor! Ref.: Tu, que vieste pra que todos te- nham vida, (Jo 10,10)/ cura teu povo dessa dor em que se encerra;/ Que a fé nos salve e nos dê força nessa lida,

(Mc 5,34)/ e que a saúde se difunda sobre a terra! (Cf Eclo 18,8)

2. Ah! Quanta gente que, ao chegar

aos hospitais,/ fica a sofrer sem leito

e sem medicamento!/ Olha, Senhor,

a gente não suporta mais, / Filho de

Deus com esse indigno tratamento!

3. Ah! Não é justo, meu Senhor, ver o teu povo/ em sofrimento e privação quando há riqueza!/ Com tua força, nós veremos mundo novo, (cf Ap 21,1-7)/ com mais justiça, mais saú- de, mais beleza!

4. Ah! Na saúde já é quase escuridão,/ fica conosco nessa noite, meu Senhor, (cf Lc 24,29)/ Tu que enxergaste, do teu povo, a aflição/ e que desceste pra curar a sua dor. (cf Ex 3,7-8)

5. Ah! Que alegria ver quem cuida des- sa gente/ com a compaixão daquele bom samaritano. (Lc 10,25-37)/ Que se converta esse trabalho na semen- te/ de um tratamento para todos mais humano!

6. Ah! Meu Senhor, a dor do irmão é a tua cruz!/ Sê nossa força, nossa luz e salvação! (cf Sl 27,1)/ Queremos ser aquele toque, meu Jesus, (cf Mc 5,20- 34)/ que traz saúde pro doente, nos- so irmão!

A. (Ré) Estr.: /:“Convertei-vos e crede no Evangelho”, eis o tempo favo- rável!:/ S. 1.
A.
(Ré) Estr.: /:“Convertei-vos e crede
no Evangelho”, eis o tempo favo-
rável!:/
S.
1. Tirarei de vós um coração de pe-
dra,/ e porei em vós um coração de
carne! (Ez 36,26)
2.
Dar-vos-ei o meu espírito de vida,/
mudarei a escravidão em liberdade!
(Ez 37,14)
3.
Retornai de coração arrependido,/
porque Deus é compassivo e indul-
gente! (Jl 2,12-13)

Lembretes:

03

– às 14h, encontro paroquial de ensaio de cantos em Severiano de Almeida.

03

e 04 – apresentação dos Seminaristas no Santuário de Fátima.

05

– às 8h30, reunião com as coordenado- ras paroquiais da Pastoral da Saúde, no CDP; às 14h30, reunião da Diretoria do Apostolado da Oração; às 18h30, reu- nião da Coordenação Diocesana de Pas- toral, no CDP.

06

– às 8h30, reunião dos presbíteros e diáconos, no CDP.

08

– Dia internacional da mulher.

11

– às 9h, instituição de Deocir Bertuol e missão canônica de Claudete da Rosa e Denacir A. S. de Araújo, na capela Santa Clara, Petit Village, paróquia São Fran- cisco de Assis, Erechim.

Leituras da semana: dia 05, 2ªf: Dn 9,4b-10; Lc 6,36-38; dia 06, 3ªf: Is 1,10.16-20; Mt 23,1-12; dia 07, 4ªf: Jr 18,18-20; Mt 20,17-28; dia 08, 5ªf: Jr 17,5-10; Lc 16,19-31; dia 09, 6ªf: Gn 37,3- 4.12-13a.17b-28; Mt 21,33-43.45-46; dia 10, Sab: Mq 7,14-15.18-20; Lc 15,1-3.11- 32; dia 11, Dom: Ex 20,1-17; Sl 18(19); 1Cor 1,22-25; Jo 2,13-25.

ComunidadeComunidade emem OraçãoOração

Liturgia para o 3º Domingo da Quaresma/Ano B – 11.03.2012 Secretariado Diocesano de Pastoral – Erechim

– Uma religião voltada para a vida, o amor e a liberdade.

– A nova casa de Deus é a comunidade dos discípulos missionários.

– CF: Fraternidade e Saúde Pública – “Que a saúde se difunda sobre a terra!” (Eclo 38,8)

Cor litúrgica: Roxo

Ano 34 - Nº 1966

1. RITOS INICIAIS

A. (Mi ou Fá)

/:Onde

reina

amor, fra-

terno

amor,

onde rei-

na amor,

Deus aí

está!:/

amor, fra- terno amor, onde rei- na amor, Deus aí está!:/ Anim.: É uma alegria muito

Anim.: É uma alegria muito grande sentir que somos a comunidade cristã, templo do Senhor. Reu- nidos como irmãos, a cada do- mingo, renovamos nosso amor a Deus e fortalecemos nossa convivência fraterna.

Procissão: Cruz, Cartaz da CF, Bíblia (Evangeliário ou Lecionário), o nº 10 (man- damentos)

A. 1. Dom da vida, ó Pai, cele-

bramos,/ na alegria de irmãos

a cantar,/ por teu Filho Jesus, te louvamos,/ e queremos com força, clamar:

Estr.: Ó Senhor, nós queremos a vida/ por Jesus que se faz nos- so irmão/ em seu povo, na fé reunido,/ na partilha do amor

e do pão.

2. Dom da vida é o sonho eterno/ de Deus Pai que nos fez filhos seus;/ seu projeto é um mun- do fraterno/ e, depois, vida plena nos céus.

3. Dom da vida é a felicidade,/ de saber com alegria viver./ Vida plena na paz, na bonda- de/ em Jesus, haveremos de ter.

Saudação

P. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

A. Amém.

P. Que a graça e a paz de nosso Senhor Cristo, que veio para res- gatar a dignidade de cada pes- soa, estejam convosco.

A.

Bendito seja Deus que nos reu- niu no amor de Cristo. A vida na liturgia

P.

(Lembra acontecimentos, fatos, ativi- dades da comunidade especialmente as

que estão relacionadas à CF ou con- forme lembretes do final deste folhe-

Neste domingo, Deus nos

propõe seus mandamentos para vivermos melhor e sermos mais felizes. Jesus expulsa aqueles que transformam o Templo em ins- trumento de opressão e explora- ção do povo. Pela Campanha da Fraternidade nos colocamos a serviço da vida de cada ser hu- mano, templo do Senhor, tendo especial carinho para com as pessoas doentes, a fim que “a saúde se difunda sobre a terra. A. (Mi ou Fá) /:E que a saúde se difunda sobre a terra.:/

Ato Penitencial A. (Sol) Quem ama perdoa./

Quem ama perdoa./ O perdão é prova, prova de amor./ Quem perdoa constrói a paz./ Quem perdoa constrói a paz.

to

L.

Senhor, que quereis habitar en-

tre nós na comunidade, templo de vossa morada, tende piedade de nós.

A.

Senhor, tende piedade de nós!

L.

Cristo, que na cruz manifestais a força e a fidelidade do vosso amor, tende piedade de nós.

A.

Cristo, tende piedade de nós!

L.

Senhor, que indicais o amor fra- terno como caminho da salva- ção, tende piedade de nós.

A.

Senhor, tende piedade de nós!

P. Deus de infinita misericórdia te- nha compaixão

A.

Amém.

P.

OREMOS.

Ó Deus, fonte de toda misericórdia e de toda

bondade, vós nos indi- castes o jejum, a esmo- la e a oração como re- médio contra o pecado. Acolhei esta confissão da nossa fraqueza para que, humilhados pela consciência de nossas faltas, sejamos conforta- dos pela vossa miseri- córdia. PNSrJC.

A.

Amém.

2. LITURGIA DA PALAVRA

A.

/:A vossa Palavra, Senhor, é sinal de interesse por nós!:/

1ª Leitura: Ex 20,1-3.7-8.12-17

L.

Leitura do Livro do Êxodo. Naqueles dias, Deus pronun- ciou todas estas palavras: “Eu sou o Senhor teu Deus que te tirou do Egito, da casa da es- cravidão. Não terás outros deu- ses além de mim. Não pronun- ciarás o nome do Senhor teu Deus em vão, porque o Senhor não deixará sem castigo quem pronunciar seu nome em vão. Lembra-te de santificar o dia de sábado. Honra teu pai e tua mãe, para que vivas longos anos na terra que o Senhor teu Deus te dará. Não matarás. Não co- meterás adultério. Não furta- rás. Não levantarás falso teste- munho contra o teu próximo. Não cobiçarás a casa de teu próximo. Não cobiçarás a mu- lher do teu próximo, nem seu escravo, nem sua escrava, nem seu boi, nem seu jumento, nem coisa alguma que lhe perten- ça”. - Palavra do Senhor.

A.

Graças a Deus.

Salmo: Sl 18(19b)

S.

Senhor, tu tens palavras de vida eterna!

A.

Senhor, tu tens palavras de vida eterna!

S.

1. - A lei do Senhor Deus é per- feita,* conforto para a alma! - O testemunho do Senhor é fiel,* sabedoria dos humildes.

2.

-

Os preceitos do Senhor são

precisos,* alegria ao coração. -

O

mandamento do Senhor é bri-

lhante,* para os olhos é uma luz.

3.

-

É puro o temor do Senhor,*

imutável para sempre. - Os jul- gamentos do Senhor são corre- tos* e justos igualmente.

4.

-

Mais desejáveis do que o ouro

são eles,* do que o ouro refina- do. - Suas palavras são mais doces que o mel,* que o mel que sai dos favos.

 

2ª Leitura: 1Cor 1,22-25

L.

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios. Irmãos: Os judeus pedem si- nais milagrosos, os gregos pro- curam sabedoria; nós, porém, pregamos Cristo crucificado, escândalo para os judeus e in- sensatez para os pagãos. Mas, para os que são chamados, tan- to judeus como gregos, esse Cristo é poder de Deus e sabe- doria de Deus. Pois o que é dito insensatez de Deus é mais sá- bio do que os homens, e o que é dito fraqueza de Deus é mais forte do que os homens. - Palavra do Senhor.

A.

Graças a Deus.

A.

(Sol) Louvor e glória a ti, Se- nhor, Cristo, Palavra de Deus! Cristo, Palavra de Deus!

S.

Destruí

este templo e o

 

reerguerei,/ no terceiro dos dias

o

levantarei.

A.

Louvor e glória a ti Evangelho: Jo 2,13-25

P.

O Senhor esteja convosco.

A.

Ele está no meio de nós.

P.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João.

A.

Glória a vós, Senhor!

P.

Estava próxima a Páscoa dos judeus e Jesus subiu a Jerusa- lém. No Templo, encontrou os

vendedores de bois, ovelhas e pombas e os cambistas que esta- vam aí sentados. Fez então um chicote de cordas e expulsou to- dos do Templo, junto com as ovelhas e os bois; espalhou as moedas e derrubou as mesas dos cambistas. E disse aos que ven- diam pombas: “Tirai isso daqui!

Não façais da casa de meu Pai uma casa de comércio!” Seus

discípulos lembraram-se, mais tarde, que a Escritura diz: “O

zelo por tua casa me consumi- rá”. Então os judeus pergunta- ram a Jesus: “Que sinal nos

mostras para agir assim?” Ele

respondeu: “Destruí este Tem- plo, e em três dias eu o levanta- rei”. Os judeus disseram: “Qua- renta e seis anos foram precisos para a construção deste santuá- rio e tu o levantarás em três dias?” Mas Jesus estava falan- do do Templo do seu corpo. Quando Jesus ressuscitou, os dis- cípulos lembraram-se do que ele tinha dito e acreditaram na Es- critura e na palavra dele. Jesus estava em Jerusalém durante a festa da Páscoa. Vendo os sinais que realizava, muitos creram no seu nome. Mas Jesus não lhes dava crédito, pois ele conhecia

a todos; e não precisava do tes- temunho de ninguém acerca do ser humano, porque ele conhe- cia o homem por dentro.

- Palavra da Salvação.

A. Glória a vós, Senhor!

Homilia

(Os roteiros homiléticos da Quaresma Ano B – Fe- vereiro/Abril 21012 da CNBB apresentam elemen- tos importantes para a reflexão de hoje: p. 41-47). Tantas realidades ligadas ao tema da CF podem ser lembradas, por exemplo, a dependência do álcool e

de outras drogas que profana o templo que é o nosso

corpo. “A dependência do álcool

”, p. 42.

Profissão da fé

A. Creio em Deus Pai todo-pode- roso

Preces dos fiéis P. Peçamos a força divina para nos ajudar a tornar este mundo uma casa de irmãos. Promovendo uma vida digna para todos, es- pecialmente para as pessoas com doença, atraímos a presença de Deus entre nós.

L. 1. Senhor, pedimos por toda a Igreja. Que ela ensine sempre a todos o amor a Vós e aos irmãos.

A. (Mi) Escutai, ó Senhor, a nos- sa prece!

Ou: (Ré) Ó Senhor, nós buscamos

vida plena, vida feliz!

2. Senhor, tornai-nos fortes e co-

rajosos no anúncio do Evange- lho da Vida e na denúncia das ameaças à dignidade humana. 3. Senhor, animai nossa comuni-

dade. Dai força aos agentes de pastoral. Sustentai nossa comu- nhão fraterna.

4. Senhor, fazei que os doentes co- loquem em Vós sua confiança e tenham nossa solidariedade.

5. (Outras, conforme necessidades da

comunidade, lembretes do final do fo-

lheto

)

E/ou:

Oração da CF 2012

A. Senhor Deus de amor,/ Pai de bondade,/ nós vos louvamos e agradecemos pelo dom da vida,/ pelo amor com que cuidais de toda a criação. Vosso Filho Jesus Cristo,/ em sua misericórdia,/ assumiu a cruz dos enfermos/ e de todos os sofredores,/ sobre eles der- ramou a esperança de vida em plenitude. Enviai-nos, Senhor, o Vosso

Espírito./ Guiai a vossa Igre- ja,/ para que ela, pela conver- são,/ se faça sempre mais soli- dária/ às dores e enfermidades

do povo,/e que a saúde se di- funda sobre a terra./Amém.

A. (Mi ou Fá) /:E que a saúde se difunda sobre a terra.:/

P. Pai de bondade, atendei nossos pedidos, socorrei-nos em nossas necessidades e fazei de nós vos- sos filhos e filhas pelo amor, perdão e solidariedade. Por Cristo, nosso Senhor

A. Amém.

3. LITURGIA EUCARÍSTICA

Procissão e preparação das oferendas Anim.: Junto ao pão e ao vinho, dons da ternura de Deus e do trabalho humano, ofereçamos nosso esforço de fraternidade nesta quaresma.

A. (Sol) 1. És bendito, Deus ter- nura/ pelo pão que, com far- tura,/ nos concedes cada dia./ Pelo vinho que alegra,/ quem festeja e quem celebra,/ pelo amor que nos recria.

Ref.: Abençoa, ó Pai de bonda-

de/ a oferenda que o povo te traz,/ nosso esforço de frater- nidade,/ nossa fome de pão e de paz.

2.

Neste encontro do teu povo/ nós sonhamos mundo novo,/ partilhamos luta e pão./ Supe- ramos a ganância,/ o egoísmo, a intolerância./ Procuramos ser irmãos.

3.

Onde há tantos excluídos,/ so- litários, esquecidos/ nós quere- mos construir/ nova terra pro- metida/ onde todos tenham vida,/ todos saibam repartir.

P.

Orai, irmãos e irmãs

A.

Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício para gló- ria do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja.

P. Ó Deus de bondade, concedei-nos por este sacrifício que, pedindo perdão de nossos peca- dos, saibamos perdoar a nossos semelhantes. Por Cristo, nosso Senhor.

A. Amém.

Oração Eucarística sobre Reconciliação II

(Missal, p. 871)

P.

Nós vos agradecemos, Deus Pai todo-poderoso, e por causa de vossa ação no mundo vos lou- vamos pelo Senhor Jesus. No meio da humanidade, dividi- da em contínua discórdia, sabe- mos por experiência que sempre levais as pessoas a procurar a re- conciliação. Vosso Espírito Santo move os co- rações, de modo que os inimigos voltem à amizade, os adversári- os se dêem as mãos e os povos procurem reencontrar a paz.

A.

Fazei-nos, ó Pai, instrumen- tos de vossa paz!

P.

Sim, ó Pai, porque é obra vossa que a busca da paz vença os con- flitos, que o perdão supere o ódio, e a vingança dê lugar à re-

conciliação. Por tudo de bom que fazeis, Deus de misericórdia, não podemos deixar de vos louvar e agradecer. Unidos ao coro dos reconciliados, cantamos a uma só voz:

A. (Fé) Ref.: Santo, cem vezes san- to, mil vezes santo, cantam os anjos de Deus!/ Santo, cem vezes santo, mil vezes santo, cantamos nós, filhos seus!

1. Céus e terra proclamam: San- to é o Senhor! Glória, hosana

e louvor!

2. Os milênios proclamam: San- to é o Senhor! Glórias, hosana

e louvor!

P. Deus de amor e de poder, louva-

do sois em vosso Filho Jesus Cristo, que veio em vosso nome.

Ele é a vossa palavra que liberta

e salva toda a humanidade. Ele é

a mão que estendeis aos peca-

dores. Ele é o caminho pelo qual nos chega a vossa paz. A. Fazei-nos, ó Pai, instrumen- tos de vossa paz!

P. Deus, nosso Pai, quando vos abandonamos, vós nos recondu-

zistes por vosso Filho, entregan- do-o à morte para que voltásse- mos a vós e nos amássemos uns aos outros. Por isso, celebramos

a reconciliação que vosso Filho

nos mereceu. Cumprindo o que ele nos mandou, vos pedimos: Santificai, + por vosso Espírito, estas oferendas. Antes de dar a vida para nos li- bertar, durante a ceia, Jesus to- mou o pão, pronunciou a bên- ção de ação de graças e o entre- gou a seus discípulos, dizendo:

TOMAI, TODOS, E COMEI:

ISTO É O MEU CORPO QUE SERÁ ENTREGUE POR VÓS. Naquela mesma noite, tomou nas mãos o cálice e, proclamando a vossa misericórdia, o deu a seus discípulos, dizendo: TOMAI, TODOS, E BEBEI: ESTE É O CÁLICE DO MEU SANGUE, O SANGUE DANOVA E ETERNA ALIANÇA, QUE SERÁ DER-

RAMADO POR VÓS E POR TODOS, PARA REMISSÃO DOS PECADOS. FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM. Eis o mistério da fé!

A. Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa

ressurreição. Vinde, Senhor Jesus!

P.

Ó Deus, Pai de misericórdia, vosso Filho nos deixou esta pro- va de amor. Celebrando a sua morte e ressurreição, nós vos damos aquilo que nos destes: o

sacrifício da perfeita reconciliação.

A.

Glória e louvor ao Pai, que em Cristo nos reconciliou!

P.

Nós vos pedimos, ó Pai, aceitai- nos também com vosso Filho e, nesta ceia, dai-nos o mesmo Es-

pírito de reconciliação e de paz.

A.

Glória e louvor ao Pai, que em Cristo nos reconciliou!

P.

Ele nos conserve em comunhão com o Papa Bento e nosso Bis- po Girônimo, com todos os bis- pos e o povo que conquistastes. Fazei de vossa Igreja sinal da uni-

dade entre os seres humanos e

instrumento da vossa paz.

A.

Glória e louvor ao Pai, que em Cristo nos reconciliou!

P.

Assim como aqui nos reunistes,

ó

Pai, à mesa do vosso Filho em

união com a Virgem Maria, Mãe de Deus, e com todos os san- tos, reuni no mundo novo, onde brilha a vossa paz, os homens e as mulheres de todas as classes

e

nações, de todas as raças e lín-

guas, para a ceia da comunhão eterna, por Jesus Cristo, nosso Senhor.

A.

Glória e louvor ao Pai, que em Cristo nos reconciliou!

P.

Por Cristo, com Cristo, em Cris- to, a vós, Deus Pai todo-pode- roso, na unidade do Espírito San- to, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre.

A.

Amém.

Rito de Comunhão

(Pai nosso

Oração da Paz

Fração

do pão)

Comunhão Anim.: Nesta ceia eucarística estamos vivendo um momento muito bonito. Vivendo a comu- nhão entre nós, entramos em co- munhão com Deus, pois somos comunidade dos discípulos mis- sionários, casa onde mora Deus. Nossa comunhão com Deus for- talece nossa missão de tornar toda sociedade mais solidária e fraterna.

Diagramação e Impressão: Gráfica Editora Berthier Ltda. – Fone: (0**54) 3313-3255 – Passo Fundo-RS

A. (Dó) 1. Vem, ó meu povo, par- tilhar da minha mesa./ Com muito amor esse banquete eu preparei./ Este alimento será força na fraqueza,/ levanta e come deste pão que consagrei. Ref.: /: Nós te louvamos, ó Senhor por teu carinho/ que se faz pão, se faz palavra e traz per- dão./ A Eucaristia nos susten- ta no caminho/ nutre a espe- rança e fortalece na missão.:/

(1º dom.: Tentações e propostas do Reino)

2. Eu te proponho um novo Rei- no de Justiça,/ que tem por lei

a igualdade, a compaixão./

Não te dominem o egoísmo e a

cobiça!/ Recorre à força da palavra e da oração.

(2º dom.: Transfiguração)

3. No monte santo da oração, da

Eucaristia / encontrarás alen-

to e paz, conforto, enfim./ Mas

na planície da missão, no dia-

a-dia / irmãos sofridos já te esperam. Vai por mim!

(3º dom.: Jesus no templo)

4.

é doce abrigo,/ mas a morada

A minha casa é lar que acolhe,

que prefiro é o coração./ Me alegra o culto que me prestas, como amigo,/ me alegra mais te ver cuidar do teu irmão.

(Canto Litúrgico 2012, nº 8) E/ou:

A. (Ré) 1. Ó Deus da vida, ó Deus de amor,/ aqui estamos pra

revelar,/ a Vós, ó Pai, e ao mundo inteiro/ que nós que- remos convosco estar:

Ref.: Servir a Vós, ó Deus,/ e aos irmãos também;/ amar de co- ração,/ perseverar no bem;/ eis vossa lei de Pai,/ eis nossa lei de irmãos./ /:Unir os corações

e abrir as mãos.:/

2.

Comunidade, de Deus mora- da,/ templo sagrado, lugar de

amor./ Os mandamentos, na caminhada,/ garantem vida e esplendor.

3.

Fortalecidos e alimentados/ pela Palavra e o Pão do altar;/ comprometidos e missionári- os,/ vamos da vida do irmão cuidar.

4.

ajudai-nos a ser Igreja,/ sem- pre a serviço de um mundo- irmão./ Em cada dia, bendita seja/ a nossa vida em comu- nhão.

E

P. OREMOS

Ó Deus, tendo recebido

o penhor do vosso mis- tério celeste, e já sacia- dos na terra com o pão do céu, nós vos pedimos

a graça de manifestar

em nossa vida o que o sacramento realizou em nós. Por Cristo, nosso Senhor.

A. Amém.

4. RITOS FINAIS

Avisos

Compromisso

A. (Ré) /:Vem, nosso irmão, aju- dar-nos a sermos amigos, ami- gos pra sempre; sempre e em todo o ambiente, amigos da vida, amigos de Deus:/

Ou:

(Ré) Servir a Vós, ó Deus, e aos

irmãos também; amar de co- ração, perseverar no bem; – eis vossa lei de Pai, eis nossa lei de irmãos – /:amar de co- ração e abrir as mãos.:/ Bênção

P.

O

Senhor esteja convosco.

A.

Ele está no meio de nós.

P.

Deus vos dê um coração sincero

e

vos torne seus verdadeiros

adoradores. E abençoe-vos o Deus todo-poderoso: Pai e Fi- lho e Espírito Santo.

A.

Amém.

P. Abri o vosso coração ao amor a

Deus e aos irmãos; ide em paz e

o Senhor vos acompanhe.

A. Graças a Deus.

Hino da CF 2012

(Fá) 1. Ah! Quanta espera, desde as frias madrugadas/ pelo re- médio para aliviar a dor!/ Este

é teu povo, em longas filas nas

calçadas,/ a mendigar pela saúde, meu Senhor! Ref.: Tu, que vieste pra que to- dos tenham vida, (Jo 10,10)/

cura teu povo dessa dor em que se encerra;/ Que a fé nos salve

e nos dê força nessa lida, (Mc

5,34)/ e que a saúde se difunda

sobre a terra! (Cf Eclo 18,8)

2. Ah! Quanta gente que, ao che- gar aos hospitais,/ fica a sofrer sem leito e sem medicamento!/ Olha, Senhor, a gente não su- porta mais,/ Filho de Deus com esse indigno tratamento!

3. Ah! Não é justo, meu Senhor, ver o teu povo/ em sofrimento e privação quando há rique- za!/ Com tua força, nós vere- mos mundo novo, (cf Ap 21,1- 7)/ com mais justiça, mais saú- de, mais beleza!

4. Ah! Na saúde já é quase escu- ridão,/ fica conosco nessa noi- te, meu Senhor, (cf Lc 24,29)/ Tu que enxergaste, do teu povo, a aflição/ e que desceste pra cu- rar a sua dor. (cf Ex 3,7-8)

5. Ah! Que alegria ver quem cui- da dessa gente/ com a compai- xão daquele bom samaritano. (Lc 10,25-37)/ Que se converta esse trabalho na semente/ de um tratamento para todos mais humano!

6. Ah! Meu Senhor, a dor do ir- mão é a tua cruz!/ Sê nossa força, nossa luz e salvação! (cf Sl 27,1)/ Queremos ser aquele toque, meu Jesus, (cf Mc 5,20- 34)/ que traz saúde pro doen- te, nosso irmão!

Lembretes:

11

– às 9h, instituição de Deocir Bertuol e

missão canônica de Claudete da Rosa e Denacir A. S. de Araújo, na capela Santa Clara, Petit Village, paróquia São Fran- cisco de Assis, Erechim.

12

– encontro regional dos coordenadores diocesanos da Pastoral Litúrgica, em POA; das 9h às 11h, encontro dos re- presentantes paroquiais do Apostolado da Oração, no CDP; às 19h, reunião da

Área de Jacutinga, em Paulo Bento.

13

– às 9h, reunião da Área de Gaurama, em Áurea; às 15h, reunião da Província Ecle- siástica de Passo Fundo, no ITEPA; às 18h30, missa de abertura do Ano Leti- vo; às 19h30, aula inaugural do Itepa, em Passo Fundo.

15

– às 13h30, reunião da Pastoral da Pes- soa Idosa, no CDP; reunião do Conselho

Missionário Regional - COMIRE, em Porto Alegre.

18

– às 10h30, missão canônica de Rosa Melânia Szczepanik, na capela São José, Linha Juventude, município de Gaurama.

Leituras da semana: dia 12, 2ªf: 2Rs 5,1-15a; Lc 4,24-30; dia 13, 3ªf: Dn 3,25.34-43; Mt 18,21-35; dia 14, 4ªf: Dt

4,1.5-9; Mt 5,17-19; dia 15, 5ªf: Jr 7,23-

28;

Lc 11,14-23; dia 16, 6ªf: Os 14,2-10;

Mc

12,28b-34; dia 17, Sab: Os 6,1-6; Lc

18,9-14; dia 26, Dom: 2Cr 36,14-16.19-

23; Sl 136(137); Ef 2,4-10; Jo 3,14-21.

ComunidadeComunidade emem OraçãoOração

Liturgia para o 4º Domingo da Quaresma/Ano B – 18.03.2012 Secretariado Diocesano de Pastoral – Erechim

– Deus é fiel; nunca abandona seu povo.

– Salvos, não por nossos méritos, mas por graça de Deus; Ele nos amou primeiro.

– CF: Fraternidade e Saúde Pública – “Que a saúde se difunda sobre a terra!” (Eclo 38,8)

Cor litúrgica: Roxo

Ano 34 - Nº 1967

1. RITOS INICIAIS

A.

/:O

de

nosso Deus

é para sem-

pre!:/

amor

(Ré)

INICIAIS A. /:O de nosso Deus é para sem- pre!:/ amor (Ré) Ou: (Sol) Quem ama

Ou: (Sol) Quem

ama per- doa. Quem ama per- doa. O perdão é prova, pro- va de amor. /:Quem perdoa constrói a paz!:/ Anim.: Saímos de casa, atraídos

pelo infinito amor de Deus Pai, que nos enviou seu Filho Jesus, não para nos condenar, mas para nos salvar.

A. (Ré) 1. Senhor, Deus de nossos pais, aqui estamos./ Teu amor, alegres, vimos celebrar./ Tua graça que nos salva nós bus- camos,/ nossa vida colocamos neste altar.

Ref.: /:Somos povo da aliança,/ caminhando na esperança,/ conduzidos por tua mão!/ Com os pés no chão da vida,/ rumo

à Páscoa tão querida,/ te pe- dimos conversão!

2. Celebrando a Eucaristia ensai- amos/ nossa Páscoa, vida ple- na em comunhão./ Pelas lutas

e conquistas te louvamos,/ tua

bênção te pedimos prá missão.

Ou:

A. (Lá ou Dó) 1. Cante ao Senhor a

terra inteira!/ Sirvam ao Se- nhor com alegria!/ /:Vinde ao seu encontro, alegremente!:/ Ref.: /:O Senhor é bom, eterno é seu amor! O Senhor é bom, eterno é seu amor!:/ 2. O Senhor é bom, nós repeti- mos,/ sua misericórdia é sem limite, /:seu amor fiel é para sempre!:/

Saudação

P.

Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

A.

Amém.

 

P.

Que a paz, a alegria e o amor de Cristo, enviado ao mundo para nos salvar, estejam convosco.

A.

Bendito seja Deus que nos reu- niu no amor de Cristo. A vida na liturgia

P.

Por mais que lhe sejamos infi- éis, Deus permanece sempre fiel conosco. Esta é a grande alegria que celebramos neste 4º Domin- go da Quaresma, em preparação

à

Páscoa. Motivados pela Cam-

panha da Fraternidade, sejamos

sempre mais solidários às dores

e

enfermidades do povo, colabo-

rando para que a saúde se di- funda sobre a terra. (Referência ao

dia de São José, padroeiro da Diocese e da catedral de Erexim e da Igreja Uni- versal, dia 19; acontecimentos da se- mana, da comunidade e conforme lem-

bretes do final deste folheto

)

 

Ato Penitencial

P.

Mandando seu Filho ao mundo, Deus vem salvar toda a humani- dade. Apesar dos pecados, Ele não abandona seu povo. Ele não

denuncia erros para anunciar con- denação, mas para oferecer a to- dos a oportunidade da conversão

e

do perdão que salva. Reconhe-

çamos nossos pecados e a grande misericórdia do Senhor. (pausa)

A.

(Mi ou Fá) Ref.: Tende piedade,

tende piedade, tende piedade de nós, ó Senhor. Tende pie- dade, tende piedade, vosso povo é santo, mas também é pecador. 1. Vosso coração de Pai sabe per- doar./ Vosso coração de Filho sabe perdoar./ Vosso coração de Deus consolador sabe per- doar, sabe perdoar.

P.

Deus, todo-poderoso

A.

Amém.

P.

OREMOS.

Ó Deus, que por vosso Filho realizais de modo admirável a reconcilia- ção do gênero humano, concedei ao povo cris- tão correr ao encontro das festas que se apro- ximam, cheio de fervor e exultando de fé. PNSrJC.

A.

Amém.

2. LITURGIA DA PALAVRA Anim.: Voltemos nossa atenção à proclamação da Palavra de hoje. Ela destaca a fidelidade do Se- nhor às suas promessas. Deus sempre manifesta sua vontade de salvar a vida.

1ª Leitura: 2Cr 36,14-16.19-23

L. Leitura do Segundo Livro das Crônicas. Naqueles dias, todos os chefes dos sacerdotes e o povo multi- plicaram suas infidelidades, imitando as práticas abominá- veis das nações pagãs, e profa-

naram o templo que o Senhor tinha santificado em Jerusa- lém. Ora, o Senhor Deus de seus pais dirigia-lhes frequen- temente a palavra por meio de seus mensageiros, admoestan- do-os com solicitude todos os dias, porque tinha compaixão do seu povo e da sua própria casa. Mas eles zombavam dos enviados de Deus, despreza- vam as suas palavras, até que o furor do Senhor se levantou

contra o seu povo e não houve mais remédio. Os inimigos in- cendiaram a casa de Deus e deitaram abaixo os muros de Jerusalém, atearam fogo a to- das as construções fortificadas e destruíram tudo o que havia de precioso. Nabucodonosor levou cativos para a Babilônia, todos os que escaparam à es- pada, e eles tornaram-se escra- vos do rei e de seus filhos, até que o império passou para o rei dos persas. Assim se cum- priu a palavra do Senhor pro- nunciada pela boca de Jeremias: “Até que a terra te- nha desfrutado de seus sába- dos, ela repousará durante to- dos os dias da desolação, até que se completem setenta anos”. No primeiro ano do rei- nado de Ciro, rei da Pérsia, para que se cumprisse a pala- vra do Senhor, pronunciada pela boca de Jeremias, o Se- nhor moveu o espírito de Ciro, rei da Pérsia, que mandou pu- blicar em todo o seu reino, de viva voz e por escrito, a seguin- te proclamação: “Assim fala Ciro, rei da Pérsia: O Senhor, Deus do céu, deu-me todos os reinos da terra, e encarregou- me de lhe construir um tem- plo em Jerusalém, que está no país de Judá. Quem dentre vós todos pertence ao seu povo? Que o Senhor, seu Deus, esteja com ele, e que se ponha a ca- minho”. - Palavra do Senhor.

A. Graças a Deus.

(Momento de silêncio)

Salmo: Sl 136(137)

S.

Que se prenda minha língua ao céu da boca/ se de ti, Jerusalém, eu me esquecer.

A.

Que se prenda minha língua ao céu da boca/ se de ti, Jeru- salém, eu me esquecer.

S.

1. = Junto aos rios de Babilônia

+ nos sentávamos chorando,* com saudades de Sião. - Nos salgueiros por ali* penduramos nossas harpas. 2. - Pois foi lá que os opressores* nos pediram nossos cânticos; - nossos guardas exigiam* alegria na tristeza; - “Cantai hoje para nós* algum cântico de Sião!”

3.

= Como havemos de cantar + os cantares do Senhor* numa terra estrangeira? = Se de Ti, Jerusa- lém, + algum dia eu me esque- cer,* que resseque a minha mão!

4.

= Que se cole a minha língua + e se prenda ao céu da boca,* se de ti não me lembrar! - Se não for Jerusalém* minha grande alegria! 2ª Leitura: Ef 2,4-10

L.

Leitura da carta de São Paulo aos Efésios. Irmãos: Deus é rico em mise- ricórdia. Por causa do grande amor com que nos amou, quando estávamos mortos por causa das nossas faltas, ele nos deu a vida com Cristo. É por graça que vós sois salvos! Deus nos ressuscitou com Cristo e nos fez sentar nos céus em vir- tude de nossa união com Jesus cristo. Assim, pela bondade que nos demonstrou em Jesus Cristo, Deus quis mostrar, através dos séculos futuros, a incomparável riqueza da sua graça. Com efeito, é pela gra- ça que sois salvos, mediante a fé. E isso não vem de vós; é dom de Deus! Não vem das obras, para que ninguém se orgulhe. Pois é ele quem nos fez; nós fomos criados em Jesus Cristo para as obras boas, que Deus preparou de antemão para que nós as praticássemos. - Palavra do Senhor.

A.

Graças a Deus.

A. (Sol) Louvor e glória a ti, Se-

nhor, Cristo, Palavra de Deus! Cristo, Palavra de Deus!

S. Tanto Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único;/ Todo aquele que crer nele há de ter a vida eterna.

A. Louvor e glória a ti Evangelho: Jo 3,14-21

(Durante a proclamação do evangelho, er- guer a cruz diante da Assembléia)

P.

O Senhor esteja convosco.

A.

Ele está no meio de nós.

P.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo João.

A.

Glória a vós, Senhor!

P.

Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos: Do mesmo modo como Moisés levantou a serpen- te no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja le-

vantado, para que todos os que nele crerem tenham a vida eter- na. Pois Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, para que não morra

todo o que nele crer, mas, tenha

a vida eterna. De fato, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas

para que o mundo seja salvo por ele. Quem nele crê, não é con- denado, mas, quem não crê, já está condenado, porque não acreditou no nome do Filho unigênito. Ora, o julgamento é este: a luz veio ao mundo, mas os homens preferiram as trevas à luz, porque suas ações eram más. Quem pratica o mal odeia

a luz, e não se aproxima da luz,

para que suas ações não sejam denunciadas. Mas, quem age conforme a verdade aproxima- se da luz, para que se manifeste que suas ações são realizadas em Deus. - Palavra da Salvação.

A.

Homilia

Profissão da fé

(Motiva, fazendo referência às pala- vras do evangelho: “Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Fi- lho do Homem seja levantado, para todos os que nele crerem tenham a vida eterna”. Alguém ergue a CRUZ diante da Assembléia).

Creio em Deus Pai todo-po- deroso Preces dos fiéis

(Espontâneas ou elaboradas pela equipe) E/ou:

P.

Glória a vós, Senhor!

A.

Oração da CF 2012

L.

Senhor Deus de amor, Pai de bondade, nós vos louvamos e agradecemos pelo dom da vida, pelo amor com que cuidais de toda a criação.

A.

(Lá) Bendito sejais, ó Pai Cria- dor, Pai Santo e Senhor, ben- dito sejais!

L.

Vosso Filho Jesus Cristo, em sua misericórdia, assumiu a cruz dos enfermos e de todos os sofre- dores, sobre eles derramou a esperança de vida em plenitude.

A.

(Fá) Ó Senhor, nós queremos a vida/ por Jesus que se faz nos- so irmão,/ em seu povo, na fé, reunido, na partilha do amor e do pão.

L. Enviai-nos, Senhor, o Vosso Es- pírito. Guiai a vossa Igreja, para que ela, pela conversão, se faça sempre mais solidária às dores e enfermidades do povo,e que a saúde se difunda sobre a terra./ Amém.

A. (Fá ou Mi) /:E que a saúde se difunda sobre a terra!:/

3. LITURGIA EUCARÍSTICA

Procissão e preparação das oferendas

Anim.: Sobre o altar colocamos pão e vinho para o banquete da sal- vação que o Pai oferece em Je- sus seu Filho e nosso irmão.

A. (Dó) 1. De coração arrependi- do e humilhado,/ ó Pai quere-

mos libertar-nos do pecado. Estr.: /:Que nossa oferta seja acei- ta com grande amor/ e se transforme em Corpo e San- gue do Senhor.:/

2. Alegremente com louvor reco- nhecemos,/ que somos filhos e sois Pai e em vós vivemos.

Ou:

A.

(Dó) Retorna, Israel, ao teu Senhor,/ pois Ele guarda os teus passos das ciladas./ Ele perdoa sempre a tua iniqüida- de./ Retorna, Israel, ao teu Senhor!

1.

“Curarei tuas feridas,/ toma- rei-te pela mão,/ cuidarei com muito amor”./Isto diz o nosso Deus!

2.

“Retorna para mim/ e teu tri- go reviverá,/ tua videira se es- palhará”./ Isto diz o nosso Deus!

3.

“Qual árvore frondosa/ com seus galhos verdejantes,/ é as- sim o meu perdão”./ Isto diz o nosso Deus!

P.

Orai, irmãos e irmãs

A.

Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício para gló- ria do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja.

P.

Ó

Deus, concedei-nos ve-

nerar com fé e oferecer

pela redenção do mundo os dons que nos salvam

e

que vos apresentamos

com alegria. Por Cristo,

nosso Senhor.

A.

Amém.

Oração Eucarística sobre Reconciliação I

(Missal, p. 866)

P. Na verdade, é justo e bom agra- decer-vos, Deus Pai, porque constantemente nos chamais a viver na felicidade completa. Vós, Deus de ternura e de bon- dade, nunca vos cansais de per- doar. Ofereceis vosso perdão a todos convidando os pecadores

a entregar-se confiantes à vossa

misericórdia.

A. Como é grande, ó Pai, a vossa misericórdia!

P. Jamais nos rejeitastes quando que- bramos a vossa aliança, mas, por Jesus, vosso Filho e nosso irmão, criastes com a família humana novo laço de amizade, tão estrei- to e forte, que nada poderá rom- per. Concedeis agora a vosso povo tempo de graça e reconcili- ação. Dai, pois, em Cristo novo

alento à vossa Igreja, para que se volte para vós. Fazei que, sem- pre mais dócil ao Espírito Santo, se coloque ao serviço de todos.

A.

Como é grande, ó Pai, a vossa misericórdia!

P.

Cheios de admiração e reconhe- cimento, unimos nossa voz à voz das multidões do céu para can- tar o poder de vosso amor e a alegria da nossa salvação:

A.

1. Deus é santo, Deus é amor,/ Deus é Pai e criador/ e nos deu Jesus por Irmão,/ louvado seja o Senhor.

2. Céus e terra cantarão/ ao que vem nos acolher/ no seu reino de amor./ Hosana damos ao Senhor.

P.

Ó

Deus, desde a criação do mun-

do, fazeis o bem a cada um de nós para sermos santos como vós sois santo. Olhai vosso povo aqui reunido e derramai a força do Espírito, para que estas oferendas se tornem o Corpo + e o Sangue do Filho

muito amado, no qual também somos vossos filhos. Enquanto estávamos perdidos e incapazes de vos encontrar; vós nos amastes de modo admirável:

pois vosso Filho – o Justo e Santo

entregou-se em nossas mãos

aceitando ser pregado na cruz.

A.

Como é grande, ó Pai, a vossa misericórdia!

P.

Antes, porém, de seus braços

abertos traçarem entre o céu e a terra o sinal permanente da vos- sa aliança, Jesus quis celebrar a páscoa com seus discípulos. Ce- ando com eles, tomou o pão e pronunciou a bênção de ação de graças. Depois, partindo o pão,

o

deu a seus amigos, dizendo:

TOMAI, TODOS, E COMEI:

ISTO É O MEU CORPO QUE

SERÁ ENTREGUE POR VÓS.

Ao fim da ceia, Jesus, sabendo que ia reconciliar todas as coi- sas pelo sangue a ser derramado na cruz, tomou o cálice com vi- nho. Deu graças novamente, e passou o cálice a seus amigos, dizendo: TOMAI, TODOS, E BEBEI: ESTE É O CÁLICE DO MEU SANGUE, O SANGUE DA NOVA E ETERNA ALIANÇA, QUE SERÁ DERRAMADO POR VÓS E POR TODOS, PARA RE- MISSÃO DOS PECADOS. FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM. Eis o mistério da fé!

A.

Anunciamos, Senhor, a vossa morte e proclamamos a vossa ressurreição. Vinde, Senhor Jesus!

P.

Lembramo-nos de Jesus Cristo, nossa páscoa e certeza da paz definitiva. Hoje celebramos sua morte e ressurreição, esperando

o

dia feliz de sua vinda gloriosa.

Por isso, vos apresentamos, ó Deus fiel, a vítima de reconcilia- ção que nos faz voltar à vossa

graça.

A.

Esperamos, ó Cristo, vossa vinda gloriosa!

P.

Olhai, com amor, Pai misericor-

dioso, aqueles que atraís para vós, fazendo-os participar no único sacrifício do Cristo. Pela força do Espírito Santo, todos se tornem um só corpo bem unido, no qual todas as divisões sejam superadas.

A.

Esperamos, ó Cristo, vossa vinda gloriosa!

P.

Conservai-nos, em comunhão de

e amor, unidos ao Papa Bento

e

ao nosso Bispo Girônimo.

Ajudai-nos a trabalhar juntos na

construção do vosso reino, até

o dia em que, diante de vós, for- mos santos com os vossos san- tos, ao lado da Virgem Maria e dos Apóstolos, com nossos ir-

Diagramação e Impressão: Gráfica Editora Berthier Ltda. – Fone: (0**54) 3313-3255 – Passo Fundo-RS

mãos e irmãs já falecidos que confiamos à vossa misericórdia. Quando fizermos parte da nova criação, enfim libertada de toda maldade e fraqueza, poderemos cantar a ação de graças do Cris- to que vive para sempre.

A. Esperamos, ó Cristo, vossa

vinda gloriosa! P. Por Cristo, com Cristo, em Cris- to, a vós, Deus Pai todo-pode- roso, na unidade do Espírito San- to, toda a honra e toda a glória, agora e sempre.

A. Amém. Rito de Comunhão

(Pai nosso

Oração da Paz

Fração

do pão)

Comunhão

Anim.: No banquete eucarístico, de que podemos participar agora, recebemos a vida que Jesus en- tregou como prova de amor à humanidade. Comungando, comprometemo-nos a também doar nossa vida, a fim de que os outros tenham mais vida.

A. (Dó) 1. Vem, ó meu povo, par-

tilhar da minha mesa./ Com muito amor esse banquete eu preparei./ Este alimento será força na fraqueza,/ levanta e come deste pão que consagrei. Ref.: /:Nós te louvamos, ó Senhor, por teu carinho/ que se faz pão, se faz palavra e traz per- dão./ A Eucaristia nos susten- ta no caminho/ nutre a espe- rança e fortalece na missão.:/

(1º dom.: Tentações e propostas do Reino)

2. Eu te proponho um novo Rei-

no de Justiça,/ que tem por lei

a igualdade, a compaixão./

Não te dominem o egoísmo e a

cobiça!/ Recorre à força da palavra e da oração.

(2º dom.: Transfiguração)

3. No monte santo da oração, da

Eucaristia/ encontrarás alento

e paz, conforto, enfim./ Mas na

planície da missão, no dia-a- dia/ irmãos sofridos já te es- peram. Vai por mim!

(3º dom.: Jesus no templo)

A minha casa é lar que acolhe,

é doce abrigo,/ mas a morada

que prefiro é o coração./ Me

4.

alegra o culto que me prestas, como amigo,/ me alegra mais

te ver cuidar do teu irmão.

(4º dom.: Jesus e Nicodemos – Luz e Trevas

5. Por tanto amar eu entreguei meu próprio Filho./ Pra te sal- var Ele se deu, morreu na cruz./ Se o mal te fere e do teu rosto ofusca o brilho/ comba- te as trevas! Faze o bem! Pro- cura a luz!

(5º dom.: Grão de trigo – morte e vida)

6.

Dará mais frutos toda a plan- ta que é podada./ A vida hu- mana é uma longa gestação./ À luz da fé, a dor é poda aben- çoada,/ à luz da páscoa, a mor- te é luz, ressurreição.

P.

OREMOS

Ó Deus, luz de todo ser humano que vem a este mundo, iluminai nossos corações com o esplen- dor da vossa graça, para pensarmos sempre o que vos agrada e amar-vos de todo o coração. Por Cristo, nosso Senhor.

A.

Amém.

4. RITOS FINAIS Avisos Compromisso Anim.: Jesus veio como “luz do

mundo”. Essa luz a iluminar as trevas não é para ficar guarda- da. Devemos fazê-la brilhar nos porões escuros da humanidade ferida em sua dignidade, para construirmos uma sociedade de vida saudável, em que todos te- nham acesso à saúde pública.

A.

(Ré) Sim, eu quero que a luz de Deus que, um dia, em mim bri- lhou,/ jamais se esconda e não se apague em mim o seu fulgor./

Sim, eu quero que o meu amor ajude o meu irmão/ a caminhar, guiado por tua mão,/ em tua lei, em tua luz, Senhor.

 

Bênção

P.

O

Senhor esteja convosco.

A.

Ele está no meio de nós.

P.

Que Deus vos proteja e vos guar- de. Ele vos faça trabalhar na campanha da fraternidade, para que a saúde se difunda em toda

a

parte. Abençoe-vos o Deus

todo-poderoso, Pai e Filho e

Espírito Santo.

A.

Amém.

P. A alegria e a misericórdia do Se- nhor sejam a vossa força; ide em

paz e o Senhor vos acompanhe.

A. Graças a Deus.

(Dó) 1. Vinde, alegres cantemos,/ a Deus demos louvor:/ nosso Pai exaltemos/ sempre com mais
(Dó) 1. Vinde, alegres cantemos,/ a Deus
demos louvor:/ nosso Pai exaltemos/
sempre com mais fervor.
Estr.: São José, a vós nosso amor,/ sede
nosso bom protetor./ Aumentai o
nosso fervor!
2. São José Operário/ que em Nazaré
trabalhou./ Num “servir” tão humil-
de,/ lá se santificou.
3. Começando em casa,/ o servir por
amor,/ seja o nosso trabalho,/ para
Deus em louvor!

Hino da CF 2012

(Fá) 1. Ah! Quanta espera, desde as frias madrugadas/ pelo remédio para alivi- ar a dor!/ Este é teu povo, em longas filas nas calçadas,/ a mendigar pela saúde, meu Senhor!

Ref.: Tu, que vieste pra que todos tenham vida,/ cura teu povo dessa dor em que se encerra;/ Que a fé nos salve e nos dê força nessa lida,/ e que a saúde se di- funda sobre a terra!

2. Ah! Quanta gente que, ao chegar aos hospitais,/ fica a sofrer sem leito e sem medicamento!/ Olha, Senhor, a gente não suporta mais,/ Filho de Deus com esse indigno tratamento!

3. Ah! Não é justo, meu Senhor, ver o teu povo/ em sofrimento e privação quan- do há riqueza!/ Com tua força, nós veremos mundo novo,/ com mais jus- tiça, mais saúde, mais beleza!

4. Ah! Na saúde já é quase escuridão,/ fica conosco nessa noite, meu Senhor,/ Tu que enxergaste, do teu povo, a afli- ção/ e que desceste pra curar a sua dor.

5. Ah! Que alegria ver quem cuida dessa gente/ com a compaixão daquele bom samaritano./ Que se converta esse tra- balho na semente/ de um tratamento para todos mais humano!

6. Ah! Meu Senhor, a dor do irmão é a tua cruz!/ Sê nossa força, nossa luz e salvação!/ Queremos ser aquele toque, meu Jesus,/ que traz saúde pro doente, nosso irmão!

Lembretes:

18

– às 10h30, missão canônica de Rosa Melânia Szczepanik, na capela São José, Linha Juventude, município de Gaurama.

19

– às 8h30, reunião da Infância e Adoles- cência Missionária, no CDP; às 14h, reu- nião do COMIDI no CDP

20

e 21 – reunião dos Organismos Regio- nais, em POA.

24

– das 8h às 19h, preparação ao matri- mônio (curso de noivos) das paróquia da Área de Aratiba, no salão paroquial de Aratiba.

24

e 25 – Curso de Leitura Orante da Bíblia com associados(as) Missionários(as) e Irmãs de Santo Agostinho – Congrega- ção Nossa Senhora, na URI, em Erechim.

Leituras da Semana: dia 19, 2ªf (São

José): 2Sm 7,4-5a.12-14a.16; Rm 4,13.161- 8.22; Mt 1,16.18-21.24a ou Lc 2,41-51a; dia 20, 3ªf: Ez 47,1-9.12; Sl 45; Jo 15,1- 16; dia 21, 4ªf: Is 7,10-14; 8,10; Sl 39; Hb

10,4-10; Lc 1,26-38; dia 22, 5ªf: Ex 32,7-

14; Sl 105; Jo 5,31-47; dia 23, 6ªf: Sb 2,1a.12-22; Sl 33; Jo 7,1-2.10.25-30; dia 24, Sab: Jr 11,18-20; Sl 7; Jo 7,40-53; dia 25, Dom: Jr 31,31-34; Sl 50; Hb 5,7-9; Jo

12,20-33

ComunidadeComunidade emem OraçãoOração

Liturgia para o 5º Domingo da Quaresma/Ano B – 25.03.2012 Secretariado Diocesano de Pastoral – Erechim

– Ver Jesus, a nova Aliança entre Deus e o povo, que, levantado da terra (na cruz), dando a própria vida, atrai todos a si.

– CF: Fraternidade e Saúde Pública – “Que a saúde se difunda sobre a terra!” (Eclo 38,8)

Cor litúrgica: Roxo

Ano 34 - Nº 1968

1. RITOS INICIAIS

A. (Mi) Quere-

mos ver Je- sus, quere- mos! Quere- mos ver Je- sus, quere- mos! Ele é o Caminho, a Verdade e a Vida! Queremos ver Jesus, Je- sus! Anim.: Sentimos a alegria de estar- mos reunidos para a celebração deste 5º domingo da quaresma, encontrando-nos com Cristo, presente na Palavra e no Pão da Eucaristia. Fazemos a memória da páscoa de Jesus, que se reali- za nas pessoas que, a exemplo dele, gastam a vida em favor dos outros.

(Procissão de entrada com a Cruz, velas e Bíblia ou Lecionário).

A. (Ré) Ref.: /:“Convertei-vos e crede no Evangelho”, eis o tem-

po favorável!:/ S. 1. Dar-vos-ei o meu espírito de vida,/ mudarei a escravidão em liberdade! (Ez 37,14)

2. “Quem se apega à sua vida, vai perdê-la”; “quem a doa, vai ganhá-la para sempre!” (Jo 12,25)

3. Retornai de coração arrependi- do,/ porque Deus é compassivo e indulgente! (Jl 2,12-13)

Ou:

(Mim) Ref. /:Voltai para o Senhor de todo o coração, mudai as vossas obras em sinal de con- versão!:/ 1. O Cristo entregou-se humilde- mente,/ doou a vida para nos salvar./ /:E toda a humanida- de foi restabelecida,/ a falta de Adão foi redimida.:/

de foi restabelecida,/ a falta de Adão foi redimida.:/ 2. Sois filhos desta luz e não

2. Sois filhos desta luz e não das trevas,/ vivei como herdeiros desta graça/ /:e frutos vinga- rão, de paz e de bondade,/ em passos de justiça e verdade.:/

Saudação

P. Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. P. Que o amor misericordioso de Deus, nosso Pai, e de Cris- to, que, a exemplo do grão de trigo, morre para dar mais vida, esteja convosco. A. Bendito seja Deus que nos reuniu no amor de Cristo.

A vida na liturgia

P. (Situações da vida da comunidade, acon- tecimentos da semana e conforme os lembretes do final do folheto; memó- ria de mártires que deram sua vida pe- los outros; dia 26, solenidade da Anunciação do Senhor, transferida de

As celebra-

ções comunitárias, os mo- mentos mais intensos de ora- ção pessoal e os encontros de grupos de reflexão nos fazem sentir a preparação progres- siva para a Páscoa, motiva- dos pela campanha da fraternidade sobre a saúde pública.

A. (Mi) /:E que a saúde se difun- da sobre a terra.:/

Ato Penitencial

P. Neste domingo, recebemos do Senhor o anúncio de que sua gló- ria passa pela experiência do grão de trigo que cai na terra para produzir e dar vida a todos os povos. Somos convidados a perder muitas coisas que ferem a vida e a dignidade: a indife-

hoje para amanhã;

rença diante da situação da saú- de pública e das pessoas enfer- mas, infidelidade aos compro- missos assumidos, a acomoda- ção que torna a vida mesqui-

Disponhamos o nosso co-

nha

ração para o reconhecimento dos nossos pecados diante da infinita misericórdia de Deus.

(Pausa)

S.

Tende compaixão de nós, Senhor.

A.

Porque somos pecadores.

S.

Manifestai, Senhor, a vossa mi- sericórdia.

A.

E dai-nos a vossa salvação.

P.

Deus, todo-poderoso

S.

Senhor, tende piedade de nós.

A.

Senhor, tende piedade de nós.

S.

Cristo, tende piedade de nós.

A.

Cristo, tende piedade de nós.

S.

Senhor, tende piedade de nós.

A.

Senhor, tende piedade de nós.

P.

OREMOS.

Senhor, nosso Deus, dai-nos por vossa gra- ça caminhar com ale- gria na mesma carida- de que levou o vosso fi- lho a entregar-se à mor- te no seu amor pelo mundo. Por Cristo, nos- so Senhor.

A.

Amém.

2. LITURGIA DA PALAVRA

Anim.: Neste 5ºdomingo da Quares- ma, já próximos da Semana San- ta, em que celebraremos a fide- lidade do amor de Jesus, acolha- mos o que nos diz a Palavra de Deus.

1ª Leitura: Jr 31,31-34

L.

Leitura do Livro do Profeta Jeremias. Eis que virão dias, diz o Se-

nhor, em que concluirei com

casa de Israel e a casa de Judá uma nova aliança; não como

a

a

aliança que fiz com seus pais,

quando os tomei pela mão para retirá-los da terra do Egito, e que eles violaram, mas eu fiz valer a força sobre eles, diz o Senhor. “Esta será a ali- ança que concluirei com a casa de Israel, depois desses dias, – diz o Senhor: – imprimirei

minha lei em suas entranhas,

e

hei de inscrevê-la em seu co-

ração; serei seu Deus e eles serão meu povo. Não será mais necessário ensinar seu próximo ou seu irmão, dizendo: ‘Co-

nhece o Senhor!’ Todos me reconhecerão, do menor ao maior deles, diz o Senhor, pois perdoarei sua maldade, e não mais lembrarei o seu pecado”.

-

Palavra do Senhor.

A.

Graças a Deus.

 

Salmo: Sl 50(51)

S.

Criai em mim um coração que seja puro,/ dai-me de novo um espírito decidido.

A.

Criai em mim um coração que seja puro,/ dai-me de novo um espírito decidido.

S.

1. - Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia!* Na imensidão de vosso amor, purificai-me! - Do meu pecado, todo inteiro, me lavai* e apagai completamente a minha culpa!

2.

- Criai em mim um coração que seja puro,* dai-me de novo um espírito decidido. - Ó Senhor, não me afasteis de vossa face* nem retireis de mim o vosso Santo Espírito!

3.

- Dai-me de novo a alegria de ser salvo* e confirmai-me com espírito generoso! - Ensinarei vossos caminhos aos pecado- res,* e para vós se voltarão os transviados.

 

2ª Leitura: Hb 5,7-9

 

livra-me desta hora!’? Mas foi precisamente para esta hora que eu vim. Pai, glorifica o teu nome!” Então, veio uma voz do céu:”Eu o glorifiquei e o glori- ficarei de novo!” A multidão que aí estava e ouviu, dizia que ti- nha sido um trovão. Outros afir- mavam: “Foi um anjo que fa- lou com ele”. Jesus respondeu e disse: “Essa voz que ouvistes não foi por causa de mim, mas por causa de vós. É agora o julga- mento deste mundo. Agora o chefe deste mundo vai ser expul- so, e eu, quando for elevado da terra, atrairei todos a mim”.

L.

Leitura da Carta aos Hebreus. Cristo, nos dias de sua vida terrestre, dirigiu preces e sú- plicas, com forte clamor e lá-

grimas, àquele que era capaz de salvá-lo da morte. E foi

A.

atendido, por causa de sua entrega a Deus. Mesmo sendo Filho, aprendeu o que signifi- ca a obediência a Deus por aquilo que ele sofreu. Mas, na consumação de sua vida, tor- nou-se causa de salvação eter- na para todos os que lhe obe- decem. - Palavra do Senhor.

Graças a Deus.

A.

(Sol) Louvor e glória a Ti, Se-

 

S.

nhor,/ Cristo, Palavra de Deus!/ Cristo, Palavra de Deus!

Jesus falava assim para indicar de que morte iria morrer. - Pa- lavra da Salvação.

A. Glória a vós, Senhor! Homilia

Se alguém me quer seguir, que venha atrás de mim; e onde eu estiver, ali estará meu servo.

Profissão da fé

A.

Louvor e glória

 

Evangelho: Jo 12,20-33

 

A. Creio em Deus Pai todo-pode- roso

Preces dos fiéis

P.

O

Senhor esteja convosco.

(Preces espontâneas ou preparadas pela

A.

Ele está no meio de nós.

equipe)

P.

Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo por João.

A.

(Ré) Ó Senhor, nós buscamos vida plena, vida feliz!

A.

Glória a vós, Senhor!

E/ou:

P.

Naquele tempo, havia alguns gregos entre os que tinham su- bido a Jerusalém, para adorar durante a festa. Aproximaram-

 

Oração da CF 2012

L.

Senhor Deus de amor, Pai de bondade, nós vos louvamos e agradecemos pelo dom da vida, pelo amor com que cuidais de toda a criação.

de Filipe, que era de Betsaida

da Galiléia, e disseram: “Se- nhor, gostaríamos de ver Jesus”. Filipe combinou com André, e os dois foram falar com Jesus. Jesus respondeu-lhes: “Chegou

se

A.

(Lá) Bendito sejais, ó Pai Cria- dor, Pai Santo e Senhor, ben- dito sejais!

L.

Vosso Filho Jesus Cristo, em sua

a

hora em que o Filho do Ho-

misericórdia, assumiu a cruz dos enfermos e de todos os sofre- dores, sobre eles derramou a esperança de vida em plenitude.

(Mim) Eu vim para que todos tenham vida, que todos te- nham vida plenamente.

mem vai ser glorificado. Em ver- dade, em verdade vos digo: Se o grão de trigo que cai na terra não morre, ele continua só um

grão de trigo; mas, se morre, então produz muito fruto. Quem se apega à sua vida, perde-a; mas quem faz pouca conta de sua vida neste mundo, conservá-la- á para a vida eterna. Se alguém me quer servir, siga-me, e onde eu estou estará também o meu servo. Se alguém me serve, meu Pai o honrará. Agora sinto-me angustiado. E que direi? ‘Pai,

A.

L.

Enviai-nos, Senhor, o Vosso Es- pírito. Guiai a vossa Igreja, para que ela, pela conversão, se faça sempre mais solidária às dores e enfermidades do povo,e que a saúde se difunda sobre a terra./ Amém.

A.

(Fá ou Mi) /:E que a saúde se difunda sobre a terra!:/

3. LITURGIA EUCARÍSTICA

Procissão e preparação das oferendas

Anim.: Junto ao pão e ao vinho ofe- reçamos a Deus todo trabalho realizado pelos agentes de pas- toral que, além de cuidar de suas famílias, têm tempo para ajudar a comunidade. Ofereçamos tam- bém toda iniciativa de promoção da saúde motivada pela Campa- nha da Fraternidade.

A. (Ré) 1. Os grãos que formam a espiga/ se unem pra serem pão,/ os homens que são Igre- ja/ se unem pela oblação.

Ref.: Diante do altar, Senhor,/ entendo minha vocação:/ devo sacrificar/ a vida por meu ir- mão.

2. O grão caído na terra/ só vive se vai morrer./ É dando que se recebe,/ morrendo se vai viver.

Ou:

A.

(Dó) Ref.: Retorna, Israel, ao teu Senhor,/ pois Ele guarda os teus passos das ciladas./ Ele perdoa sempre a tua iniqüida- de./ Retorna, Israel, ao teu Senhor!

1.

“Curarei tuas feridas,/ toma- rei-te pela mão,/ cuidarei com muito amor”./ Isto diz o nosso Deus!

2.

“Eu serei como o orvalho/ e Is- rael florescerá,/ frutos mil vai produzir”./ Isto diz o nosso Deus!

3.

“Retorna para mim/ e teu tri-

go reviverá,/ tua videira se es- palhará”./ Isto diz o nosso Deus!

P.

Orai, irmãos e irmãs

A. Receba o Senhor por tuas mãos este sacrifício para gló- ria do seu nome, para nosso bem e de toda a santa Igreja.

P. Deus todo-poderoso, concedei aos vossos fi- lhos e filhas que, forma- dos pelos ensinamentos da fé cristã, sejam puri- ficados por este sacrifí- cio. Por Cristo, nosso Senhor.

A. Amém.

Oração Eucarística II

Prefácio da Quaresma II, missal p. 415

P. Na verdade, é justo e necessá- rio, é nosso dever e salvação dar- vos graças, sempre e em todo o lugar, Senhor, Pai santo, Deus eterno e todo-poderoso, por Cris- to, Senhor nosso. Para renovar, na santidade, o coração dos vos-

sos filhos e filhas, instituístes este tempo de graça e salvação. Li- bertando-nos do egoísmo e das outras paixões desordenadas, superamos o apego às coisas da terra. E, enquanto esperamos a plenitude eterna, proclamamos a vossa glória, dizendo a uma só voz:

A. Santo, Santo, Santo,/ Senhor, Deus do universo!/ O céu e a terra proclamam a vossa gló- ria,/ Hosana nas alturas!/ Ben- dito o que vem em nome do Senhor!/ Hosana nas alturas!

P. Na verdade, ó Pai, vós sois san- to e fonte de toda santidade. Santificai, pois, estas oferendas, derramando sobre elas o vosso Espírito, a fim de que se tornem para nós o Corpo e + o Sangue de Jesus Cristo, vosso Filho e Senhor nosso.

A. Santificai nossa oferenda, ó

Senhor! P. Estando para ser entregue e abra- çando livremente a paixão, ele tomou o pão, deu graças, e o partiu e deu a seus discípulos, dizendo: TOMAI, TODOS, E COMEI: ISTO É O MEU COR- PO, QUE SERÁ ENTREGUE POR VÓS. Do mesmo modo, ao fim da ceia, ele tomou o cálice em suas mãos, deu graças no- vamente, e o deu a seus discí- pulos, dizendo: TOMAI, TO- DOS, E BEBEI: ESTE É O CÁ- LICE DO MEU SANGUE, O SANGUE DANOVA E ETERNA ALIANÇA, QUE SERÁ DER- RAMADO POR VÓS E POR TODOS PARA REMISSÃO DOS PECADOS. FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM.

P. Eis o mistério da fé!

A. Salvador do mundo, salvai- nos, vós que nos libertastes pela cruz e ressurreição.

P.

Celebrando, pois, a memória da morte e ressurreição do vosso

Filho, nós vos oferecemos, ó Pai,

pão da vida e o cálice da salva- ção; e vos agradecemos porque

o

nos tornastes dignos de estar aqui na vossa presença e vos servir.

A.

Recebei, ó Senhor, a nossa oferta!

P.

E

nós vos suplicamos que, parti-

cipando do Corpo e Sangue de Cristo, sejamos reunidos pelo Espírito Santo num só corpo.

A.

Fazei de nós um só corpo e um só espírito!

P.

Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja que se faz presente pelo mundo inteiro: que ela cresça na caridade, com o papa Bento, com nosso bispo Girônimo e to- dos os ministros do vosso povo.

A.

Lembrai-vos, ó Pai, da vossa Igreja!

P.

Lembrai-vos também dos nos- sos irmãos e irmãs que morre- ram na esperança da ressurrei-

ção e de todos os que partiram desta vida: acolhei-os junto a vós na luz da vossa face.

A.

Lembrai-vos, ó Pai, dos vos- sos filhos!

P.

Enfim, nós vos pedimos, tende piedade de todos nós e dai-nos participar da vida eterna, com a Virgem Maria, mãe de Deus, com os santos Apóstolos e to- dos os que neste mundo vos ser- viram, a fim de vos louvarmos e glorificarmos por Jesus Cristo, vosso Filho.

A.

Concedei-nos o convívio dos eleitos!

P.

Por Cristo, com Cristo, em Cris- to, a vós, Deus Pai todo-pode- roso, na unidade do Espírito San- to, toda a honra e toda a glória, agora e para sempre.

A. Amém. Rito de Comunhão

(Pai nosso

Oração da Paz

Fração

do pão)

Comunhão

Anim.: (Pode fazer a motivação com a 6ª estrofe do canto que segue: “Dará mais fruto ”)

A. (Dó) 1. Vem, ó meu povo, par- tilhar da minha mesa./ Com muito amor esse banquete eu preparei./ Este alimento será força na fraqueza,/ levanta e come deste pão que consagrei.

Diagramação e Impressão: Gráfica Editora Berthier Ltda. – Fone: (0**54) 3313-3255 – Passo Fundo-RS

Ref.: /:Nós te louvamos, ó Senhor, por teu carinho/ que se faz pão, se faz palavra e traz per- dão./ A Eucaristia nos susten- ta no caminho/ nutre a espe- rança e fortalece na missão.:/

(1º dom.: Tentações e propostas do Reino

2. Eu te proponho um novo Rei- no de Justiça,/ que tem por lei

a igualdade, a compaixão./

Não te dominem o egoísmo e a

cobiça!/ Recorre à força da palavra e da oração.

(2º dom.: Transfiguração

3. No monte santo da oração, da Eucaristia/ encontrarás alento

e paz, conforto, enfim./ Mas na

planície da missão, no dia-a- dia/ irmãos sofridos já te es-

peram. Vai por mim!

(3º dom.: Jesus no templo

A minha casa é lar que acolhe,

é doce abrigo,/ mas a morada

que prefiro é o coração./ Me

alegra o culto que me prestas, como amigo,/ me alegra mais

te ver cuidar do teu irmão.

(4º dom.: Jesus e Nicodemos – Luz e Trevas

5. Por tanto amar eu entreguei meu próprio Filho./ Pra te sal-

var Ele se deu, morreu na cruz./ Se o mal te fere e do teu rosto ofusca o brilho/ comba-

te as trevas! Faze o bem! Pro-

cura a luz!

4.

(5º dom.: Grão de trigo – morte e vida

6. Dará mais frutos toda a plan- ta que é podada./A vida hu- mana é uma longa gestação./

À luz da fé, a dor é poda aben-

çoada,/ à luz da páscoa, a mor-

te é luz, ressurreição.

P. OREMOS

Concedei, ó Deus todo- poderoso, que sejamos sempre contados entre os membros de Cristo, cujo Corpo e Sangue co- mungamos. Por Cristo, nosso Senhor

A. Amém.

4. RITOS FINAIS

Avisos

Compromisso A. (Ré) /:Vem, nosso irmão, aju- dar-nos a sermos amigos, ami-

gos pra sempre;/ sempre e em todo ambiente, amigos da vida, amigos de Deus!:/

Ou:

Anim.: Preparando-nos para parti- cipar da Semana Santa, a iniciar no próximo Domingo de Ramos, quando também vai acontecer a coleta da Campanha da Frater-

nidade, vivamos a espiritualidade da doação, a exemplo do grão que morre na terra para tornar- se vida mais abundante numa nova planta.

A.

(Dó ou Lá) /:Põe a semente na

terra, não será em vão. Não te preocupe a colheita, plantas para o irmão!:/ Bênção

P.

O Senhor esteja convosco.

A.

Ele está no meio de nós.

P.

Que Deus volte para vós o seu olhar, vos mantenha em sua amizade e inspire em vós gestos

de solidariedade. Abençoe-vos o Deus todo-poderoso, Pai e Fi- lho e Espírito Santo.

A.

Amém.

P.

Iluminados pela Palavra e for- talecidos pela Eucaristia, ide em paz e o Senhor vos acompanhe.

A.

Graças a Deus.

Gesto Concreto

No próximo domingo, 01 de abril, Do-

mingo de Ramos, vamos trazer nossa contribui- ção para a coleta da Campanha da Fraternidade. Será a expressão de nos- so gesto concreto nesta campanha. A oferta em dinheiro deve significar: esforço quaresmal; alegria de dar e ser generoso; co-responsabilidade de cristão; solidariedade.

Colaboremos todos! Experimentemos em nosso coração renovado, o que Je- sus dizia: “há mais alegria em dar do que em receber!”

“Ao longo de uma história de solidari- edade e compromisso com as incontáveis vítimas das inúmeras for- mas de destruição da vida, a Igreja se reconhece servidora do Deus da vida” (DGAE, n. 66). O gesto fraterno da oferta tem um caráter de conversão quaresmal, condição para que advenha um novo tempo marcado pelo amor e pela valorização da vida.

de conversão quaresmal, condição para que advenha um novo tempo marcado pelo amor e pela valorização

Hino da CF 2012

(Fá) 1. Ah! Quanta espera, desde as frias madrugadas/ pelo remédio para aliviar a dor!/ Este é teu povo, em longas filas nas calçadas,/ a mendi- gar pela saúde, meu Senhor!

Ref.: Tu, que vieste pra que todos te- nham vida, / cura teu povo dessa dor em que se encerra;/ Que a fé nos sal- ve e nos dê força nessa lida,/ e que a saúde se difunda sobre a terra!

2. Ah! Quanta gente que, ao chegar

aos hospitais, / fica a sofrer sem leito

e sem medicamento!/ Olha, Senhor,

a gente não suporta mais,/ Filho de

Deus com esse indigno tratamento!

3. Ah! Não é justo, meu Senhor, ver o teu povo/ em sofrimento e privação quando há riqueza!/ Com tua força, nós veremos mundo novo,/ com mais justiça, mais saúde, mais beleza!

4. Ah! Na saúde já é quase escuridão,/ fica conosco nessa noite, meu Se- nhor,/ Tu que enxergaste, do teu povo, a aflição/ e que desceste pra curar a sua dor.

5. Ah! Que alegria ver quem cuida des- sa gente/ com a compaixão daquele bom samaritano./ Que se converta esse trabalho na semente/ de um tra- tamento para todos mais humano!

6. Ah! Meu Senhor, a dor do irmão é a tua cruz!/ Sê nossa força, nossa luz e salvação!/ Queremos ser aquele to- que, meu Jesus,/ que traz saúde pro doente, nosso irmão!

Lembretes:

24 e 25 – Curso de Leitura Orante da Bíblia com associados(as) missionários(as) e Ir- mãs de Santo Agostinho – Congregação Nossa Senhora, na URI, em Erechim.

Dia 26, anunciação do Senhor (transferida de hoje para amanhã); – às 15h, reunião da Diretoria do Apostolado da Oração. 27 – Seminário sobre a Campanha da Fraternidade 2012.

29

– Conselho Universitário da URI

31

– às 8h30, reunião extraordinária do Conselho Diocesano de Pastoral, no Se- minário de Fátima.

31

– Curso INAPAF (Inst. Nacional da PF ) Fase I – Módulos 1, 2, 3 e 4 – Passo Fundo; das 8h30 às 11h30, reunião do Conselho Diocesano de Pastoral.

01

– Domingo de Ramos; às 10h30, missão canônica de Maria Inês Marchetto, na capela São Paulo, Bela Vista, paróquia de Jacutinga.

Leituras da Semana: dia 26, 2ªf:

(Anunciação do Senhor) Is 7.10- 14;8,10Hb 10,4-10; Lc 1,26-38; dia 27, 3ªf: Nm 21,4-9; Jo 8,21-30; dia 28, 4ªf:

Dn 3,14-20.24.49a.91-92.95; Jo 8,31-42; dia 29, 5ªf: Gn 17,3-9; Jo 8,51-59; dia 30, 6ªf: Jr 20,10-13; Jo 10,31-42; dia 31, Sab:

Ez 37,21-28; Jo 11,45-56; dia 01/04, Dom: Mc 11,1-10; Is 50,4-7; Fl 2,6-11; Mc

15,1-39.