Você está na página 1de 8
P RÊMIO FINEP • C ENTRO -O ESTE Edição Especial do 7º Prêmio FINEP de

P RÊMIO FINEP • CENTRO-OESTE

Edição Especial do 7º Prêmio FINEP de Inovação Tecnológica Nº 19 • Outubro • 2004 Informativo da FINEP

do 7º Prêmio FINEP de Inovação Tecnológica Nº 19 • Outubro • 2004 Informativo da FINEP
do 7º Prêmio FINEP de Inovação Tecnológica Nº 19 • Outubro • 2004 Informativo da FINEP
do 7º Prêmio FINEP de Inovação Tecnológica Nº 19 • Outubro • 2004 Informativo da FINEP
do 7º Prêmio FINEP de Inovação Tecnológica Nº 19 • Outubro • 2004 Informativo da FINEP
do 7º Prêmio FINEP de Inovação Tecnológica Nº 19 • Outubro • 2004 Informativo da FINEP

Região Centro-Oeste

P RÊMIO FINEP • C ENTRO -O ESTE

P RÊMIO FINEP • CENTRO-OESTE

Inscrições no Centro-Oeste cresceram 52%

Região teve um total de 67 concorrentes em 2004, contra 44 em 2003

Foram escolhidos em Campo Grande (MS), no dia 16 de setembro, os 11 finalistas do Prê- mio FINEP de Inovação Tecnológica 2004 – Cen- tro-Oeste. Goiás teve cinco projetos escolhidos, Mato Grosso do Sul, quatro, e Mato Grosso e Distrito Federal, um cada. As categorias Grande

e Pequena Empresa tiveram apenas um finalista cada uma, pois não houve pontuação suficiente para segundos e terceiros colocados. Disputarão a Etapa Nacional do Prêmio os primeiros colocados de cada categoria. As- sim, a região Centro-Oeste estará representa- da por dois projetos de Goiás, concorrendo em Produto e Grande Empresa, dois de Mato Gros- so do Sul, em Processo e Pequena Empresa, e

um do Distrito Federal, na categoria Instituição de Pesquisa (veja o quadro com a colocação). O número de inscritos no Prêmio FINEP da Região Centro-Oeste aumentou 52% este ano: passou de 44 em 2003 para 67 concor- rentes. Goiás foi o estado que apresentou o maior número de inscritos: 31. Mato Grosso do Sul apresentou 16, enquanto Mato Grosso teve 12 e o Distrito Federal, oito.

Vencedores

Produto 1º lugar – Mecat (GO) 2º lugar – O Fixo-Condutor (GO) 3º lugar – Nacional Hidroturbo (GO)

Processo 1º lugar – Ediplam (MS) 2º lugar – Projeto Coorimbatá (MT) 3º lugar – Imbaúba Laticínios (MS)

Pequena Empresa 1º lugar – Prata 1000 (MS)

Média/Grande Empresa 1º lugar – Equiplex (GO)

Instituição de Pesquisa 1º lugar – Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia (DF) 2º lugar – Fundação do Ensino Superior de Rio Verde – Fesurv (GO) 3º lugar – Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Pantanal – Uniderp (MS)

Composição do Júri

Marcos Elias Moreira

Presidente do Júri – Superinten-

dente de Desenvolvimento

Científico, Tecnológico e Estudos

Climatológicos – Secretaria de

Ciência e Tecnologia do Estado

de Goiás

Ana Lúcia Moura de Oliveira Analista do Sebrae Nacional

Bergson Henrique da Silva Amarilla Coordenador do IEL/MS –

Federaçao de Indústrias do

Mato Grosso do Sul – FIEMS

Carlos Eduardo Sartor

Analista da FINEP

José Roberto Assy

Diretor da Apollo Indústria e

Comércio e Representação de

Equipamentos Agrícolas –

Representante da ANPEI

Nelson Anibal Lesme Arué Assessor Técnico da Federação

de Indústrias do Estado de

Goiás

Paulo Teixeira Pró-Reitor de Pesquisa da

Universidade Federal de Mato

Grosso

Tito Manuel Sarabando Bola Estanqueiro

Assessor da Diretoria Financeira

do Sebrae/MS

Coordenação do Prêmio FINEP – Região Centro-Oeste Deuci Elben Castro e Souza – dcastro@finep.gov.br

P RÊMIO FINEP • C ENTRO -O ESTE

P RÊMIO FINEP • CENTRO-OESTE

O Fixo-Condutor

P RÊMIO FINEP • C ENTRO -O ESTE O Fixo-Condutor Colete garante mais segurança para motociclistas

Colete garante mais segurança para motociclistas e caronas

O colete de segurança para condutores de motocicletas e similares é um produto iné- dito da O Fixo-Condutor Indústria Tecno- lógica e Comércio (GO). O objetivo princi- pal de tornar seguro o transporte de passa- geiros em motocicletas foi alcançado por meio das alças para apoio e fixação das mãos. O colete atua como agente de estabilidade do veículo, uma vez que o conjunto motorista- passageiro torna-se um único bloco. Como característica secundária, possui ainda locais específicos destinados à identificação do

Produto

A Turbofiltração é um processo que efe- tua a separação de partículas sólidas insolú- veis em suspensão nos líquidos por meio do equipamento Turbo Filtro. Pode ser utilizada com sucesso praticamente em quase todas as indústrias alimentícias, como as de suco de laranja, açúcar e álcool, laticínios amido, abrangendo também outros setores industriais, como papel e celulose. A Turbofil- tração desenvolvida pela Mecat Filtrações Industriais (GO) tem uma série de vanta- gens em relação aos similares: pode ser utili- zado em vários campos de aplicação, por usar uma microtela de alta tecnologia, com exten- sa gama de diâmetros de furos; che-

ga a reduzir em 80% o consumo energético do processo; possui ex- celente durabilidade por ter o aço inox como matéria-prima; ótima preservação qualitativa do produto final, já que opera em cir- cuito fechado, evitando contato atmosférico com o produto e sua oxidação ou contaminação por agen- tes externos; e elimina em até 80% o espaço físico, otimizando o proje- to da planta.

motorista, espaço para publicidade, porta- celular e/ou rádio (no caso de profissional da categoria de Moto-Táxi) e mochila para transporte de documentos e encomendas diversas. O projeto e desenvolvimento do co- lete de segurança O Fixo-Condutor foi condu- zido internamente pela empresa, fundamen- tado em ensaios realizados pelo IPT/SP – Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo.

Mecat

Filtro inovador reduz em 80% consumo de energia

– Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Mecat Filtro inovador reduz em 80%
P RÊMIO FINEP • C ENTRO -O ESTE

P RÊMIO FINEP • CENTRO-OESTE

Produto

constituída por uma turbina hidráulica e uma bomba centrífuga ou bomba pistão, movida a água, aparentemente como as outras no mer- cado. A principal diferença é seu tamanho compacto e o baixo consumo hídrico, pois a Hidrobomba funciona mesmo em pequenos cursos d’água, como a água que sai da mina, normalmente desperdiçada. Em relação às rodas d’água, a diferença está em seu alto rendimento. Com as mesmas condi- ções de trabalho, a Hidrobomba che- ga a ser 30 vezes mais potente. Além de ter fácil instalação, sem necessi- tar de construção de barragens para seu funcionamento, o que resulta em baixíssimo impacto ambiental.

Processo

o que resulta em baixíssimo impacto ambiental. Processo Nacional Hidroturbo Hidrobomba revoluciona com baixo consumo

Nacional Hidroturbo

Hidrobomba revoluciona com baixo consumo e alto rendimento

A Hidrobomba HB-XX – NHT da Nacio- nal Hidroturbo Indústria e Comércio (GO) revoluciona o mercado de bombeamento e irrigação, melhorando a produtividade das atividades de plantio com menor custo, aumentando a qualidade de vida de peque- nos produtores rurais. A Hidrobomba é

Imbaúba

Qualidade e quantidade do leite ganham controle informatizado

O processo premiado da Imbaúba Lati- cínios (MS) é um sistema de informação da qualidade e quantidade do leite recebido. An- tes o registro era feito em livros, impossibili- tando análises imediatas por fornecedor, re- gião ou periodicidade. O sistema possibilitou a rastreabilidade do leite recebido, com um con-

trole on-line de sua qualidade. O projeto é novo no País e também permitirá outra inovação no estado – a política de pagamento ao produtor pela qualidade do leite en- tregue. Com o controle informatiza- do, a empresa pode oferecer um pro- duto com qualidade superior e efetu- ar um pagamento mais justo aos for- necedores. O novo software permite ainda, ao funcionário do laboratório, maior agilidade na análise estatística dos indicadores quantitativos e qua- litativos do leite recebido e na elabo- ração da folha de pagamento, de mais

quantitativos e qua- litativos do leite recebido e na elabo- ração da folha de pagamento, de

de 150 produtores.

P RÊMIO FINEP • C ENTRO -O ESTE

P RÊMIO FINEP • CENTRO-OESTE

P RÊMIO FINEP • C ENTRO -O ESTE Ediplam Método racional de construção diminui custo de

Ediplam

Método racional de construção diminui custo de obras em 17%

A Ediplam – Edificações e Planejamen- to (MS) desenvolveu o Sistema Construtivo In- tegrado (SCI), um método racional de edifica- ção. Ele permite a execução simultânea de pila- res, vigas, lajes e paredes divisórias de qualquer edificação, tanto térrea como de vários andares, por meio de um conjunto único de formas que permitem a utilização de materiais alternativos e de descarte para enchimento das paredes. As vantagens são inúmeras: o SCI possibilita dar des- tino a materiais de descarte, como garrafas, pa- pelão, sobras de isopor e raspa de pneus, e a industrialização de peças pré-moldadas com a in- clusão de enchimento como garrafas pet para im- plantação rápida de conjuntos residenciais para população de baixa renda; com a utilização de

solo argila-arenoso existente em grande parte do estado, substitui-se a areia, cuja extração provo- ca assoreamento de rios; preserva o meio ambi- ente ao evitar o uso de tijolos cerâmicos, que em sua produção usam lenha para a queima nos fornos; facilita mutirões de construção, pela faci- lidade de manuseio e transporte; melhora a qua- lidade de vida dos operários, pois o esforço físico é menor; tem conforto térmico e acústico superi- ores; pode-se construir com o mesmo processo tanto uma casa com acabamento simples como uma de alto padrão; e gera uma diminuição de custos da ordem de 17% em comparação com uma obra realizada pelo método convencional.

Projeto Coorimbatá

Pesquisador cooperado vira elo entre academia e comunidade

Ação integrada para produção, proces- samento e comercialização de frutas regio- nais em sistema artesanal cooperativo sus- tentável, o Projeto Coorimbatá (MT) é um projeto de extensão da UFMT. Começou em ação integrada da Coorimbatá com a UFMT e os Supermercados Modelo, propiciando aos pescadores cooperados a venda de manga colhida por um valor 12 vezes maior que o recebido dos “mangueiros” compradores de

Processo

outras regiões. Hoje, toda a produção da cooperativa já tem mercado consumidor ga-

rantido. Esse projeto inova na academia, cri- ando a figura do Pesquisador Cooperado. Sua função é direcionar aspectos de suas pesqui- sas para a solução dos problemas da coope- rativa e também servir como articulador para que outros setores da sociedade atuem para

a solução desses problemas. O Pesquisador

Cooperado não participa da renda da Coo-

rimbatá, porém, caso a cooperativa tenha pre- juízos, ele terá também que se responsabili- zar. Este modelo gera maior envolvimento do pesquisador com a comunidade, ampliando aspectos educativos e favorecendo a atua- ção interdisciplinar.

A pesquisa executada

leva em conta aspec- tos culturais e opera- cionais que normal- mente são desconsi- derados quando se isola um problema para ser estudado em laboratórios ou fazen- das experimentais que funcionam dentro das universidades.

isola um problema para ser estudado em laboratórios ou fazen- das experimentais que funcionam dentro das
P RÊMIO FINEP • C ENTRO -O ESTE

P RÊMIO FINEP • CENTRO-OESTE

Grande Empresa

Prata 1000
Prata 1000

Líder no mercado investe mais de R$1 milhão em P&D

A Prata 1000 Indústria e Comércio (MS)

é líder no mercado da indústria de máquinas

agrícolas, no segmento de sementes de forrageiras.

A empresa tem como carro-chefe a colheitadeira

de sementes de capim Prata 1000. Além da colheitadeira de capim, a empresa desenvolveu a ceifadeira Prata 1000 e o enleirador GR300. Nos últimos três anos, a Prata 1000 faturou R$ 23,6 milhões e investiu em P&D R$1,2 milhão.

Pequena Empresa

Equiplex Empresa investe em pesquisa com preservação da natureza A Equiplex Indústria Farmacêutica (GO) tem

Equiplex

Empresa investe em pesquisa com preservação da natureza

A Equiplex Indústria Farmacêutica (GO) tem como objetivo principal produzir e distri- buir medicamentos e produtos hos- pitalares. A empresa nasceu em 1986 , em Goiânia, com o trabalho de esterilização de descartáveis. Nos últimos três anos, a Equiplex teve um faturamento de R$ 46,7 milhões e investiu R$547,9 mil em P&D. Sua postura empresarial é pautada na preservação da natu- reza. A Equiplex mantém parceria com as universidades, empresas e laboratórios de P&D.

P RÊMIO FINEP • C ENTRO -O ESTE

P RÊMIO FINEP • CENTRO-OESTE

Instituição de Pesquisa

Embrapa genética de espécies agrícolas e disponibilizá-las para a pesquisa agropecuária no Brasil. Para

garantir às gerações futuras uma

alimentação mais segura e varia- da e ao mesmo tempo disponibi- lizar germoplasma para progra- mas de melhoramento ge- nético no Brasil, a Embra- pa possui câmaras frias à temperatura de -20ºC, onde sementes de espé cies vegetais de impor- tância sócio-

econômica são

conservadas

mais de

Congelamento de sementes garante mautenção de espécies

A Embrapa Recursos
A
Embrapa
Recursos

por

100 anos.

Genéticos e Biotecnologia (DF) desenvolve atividades de inter- câmbio, quarentena, coleta, ca- racterização, conservação, avali- ação, documentação, informação e uso de germoplasma com o ob- jetivo de ampliar a variabilidade

de germoplasma com o ob- jetivo de ampliar a variabilidade Fesurv Gestão Ambiental reduz impacto no

Fesurv

Gestão Ambiental reduz impacto no meio ambiente e garante sustentabilidade

Resíduos orgânicos contêm grandes quantidades de nutrien- tes e, se manejados corretamen-

te, podem substituir a fertiliza- ção mineral de culturas. Se uti- lizados inade- quadamente, podem causar a contaminação do solo e das águas, como por exem- plo por nitrato, fósforo e metais

pesados. Neste contexto, a Fundação do Ensino Superior de Rio Verde

contexto, a Fundação do Ensino Superior de Rio Verde - Fesurv (GO) elaborou um pla- no

- Fesurv (GO) elaborou um pla- no de gestão ambiental visando reduzir o impacto

no meio ambiente e garantir a sustenta- bilidade agrícola. Os resíduos podem ser aproveitados como fonte de nu- trientes para a pro- dução de grãos, sendo utilizados na

agricultura como biofertilizantes, pois são ricos em elementos químicos essenciais para as plantas, podendo ser uti- lizados como substituto total ou parcial da adubação mineral de culturas.

essenciais para as plantas, podendo ser uti- lizados como substituto total ou parcial da adubação mineral
P RÊMIO FINEP • C ENTRO -O ESTE

P RÊMIO FINEP • CENTRO-OESTE

Uniderp

Universidade integra comunidade regional e empresas

Uniderp Universidade integra comunidade regional e empresas Instituição de Pesquisa A missão da Universidade para o

Instituição de Pesquisa

A missão da Universidade para o Desenvolvimento do Estado e da Região do Panta- nal – Uniderp (MS) é contribuir para o desenvolvimento do Esta- do de Mato Grosso do Sul. Para isso tem investido na implemen- tação de núcleos de pesquisas, de forma a obter inovações em pro- dutos e processos em diversas áreas integradas à comunidade regional e às empresas do estado.

Por meio de grupos de pesquisa,

a Uniderp tem desenvolvido, em

parceria com empresas privadas e instituições de fomento à pesqui- sa, metodologias e produtos de

alto valor tecnológico. Entre eles

o controle e automação da opera-

ção de distribuição do gás natu- ral, o restritor de fluxos de gás na- tural microcontrolador e a utiliza- ção de plantas medicinais no pro- cesso de cicatrização.

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Praia do Flamengo 200 1 o , 2 o , 3

Praia do Flamengo 200 1 o , 2 o , 3 o , 4 o , 5 o , 7 o , 9 o , 13 o e 24 o andares Rio de Janeiro - RJ - CEP 22210-030 www.finep.gov.br

Presidente

Sergio Machado Rezende

Eliane de Britto Bahruth

Diretoria de Inovação para o Desenvolvimento Econômico e Social

Michel Chebel Labaki

Diretoria de Administração e Finanças

Odilon Marcuzzo do Canto

Diretoria de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Coordenação e Edição

Vera Marina da Cruz e Silva

Redação

João Luiz Ribeiro, Márcia Telles, Paula Ferreira, Ricardo Koiti, Rodrigo Pelot e Renato Pelot

Revisão Hélder Castro e

Léa Cardoso Alves

Fotos Divulgação

Programação Visual e Diagramação

Ali Celestino

Telefone (21) 2555-0716

e-mail imprensa@finep.gov.br

Fax (21) 2555-0719