Você está na página 1de 51
Adequação da taxa contributiva ao tipo de contrato de trabalho O Novo Regime dos Recibos

Adequação da taxa contributiva ao tipo de contrato

de trabalho

O Novo Regime dos Recibos Verdes

O Novo Regime dos Membros dos Órgãos Estatutários

Alargamento da base de incidência no regime geral dos trabalhadores por conta de outrem

Adequação da taxa contributiva ao tipo de contrato de trabalho 3

Adequação da taxa contributiva ao tipo de contrato de trabalho

Situação Actual A DEQUAÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA AO TIPO DE CONTRATO • Taxa contributiva global

Situação Actual

ADEQUAÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA AO TIPO DE CONTRATO

Taxa contributiva global de 34,75%, cabendo 23,75 % à empresa e 11 %

ao trabalhador

Alteração da taxa em função da modalidade do contrato

Já existiu para os contratos a termo certo

Limitada a empresas cuja % de trabalhadores contratados a termo certo

fosse a 15%

24,35% a partir do início do 4.º ano da duração do contrato e até ao final do 5.º

24,75% a partir do início do 6.º ano da duração do contrato

Taxa Contributiva Global A DEQUAÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA AO TIPO DE CONTRATO • Permanece nos

Taxa Contributiva Global

ADEQUAÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA AO TIPO DE CONTRATO

Permanece nos 34,75%, cabendo 23,75 % à entidade empregadora e 11 %

ao trabalhador

Princípio geral de adequação da Taxa

Nos contratos de trabalho por tempo indeterminado, parcela a cargo da empresa passa para 22,75%

Nos contratos de trabalho a termo (certo ou incerto), parcela a cargo da

empresa passa para 26,75%

Duas excepções:

Substituição de trabalhador em gozo de licença de parentalidade

Substituição de trabalhador com baixa por doença por período ≥ 90 dias

de licença de parentalidade • Substituição de trabalhador com baixa por doença por período ≥ 90

23,75%

5

Princípio geral de adequação da Taxa (cont.) A DEQUAÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA AO TIPO DE

Princípio geral de adequação da Taxa (cont.)

ADEQUAÇÃO DA

TAXA CONTRIBUTIVA

AO TIPO DE

CONTRATO

Nos contratos de comissão de serviço em que não tenha sido acordada a

permanência do trabalhador na empresa, parcela a cargo da empresa passa para 26,75%

A declaração, em pelo menos duas declarações de remunerações

consecutivas, de que um determinado contrato de trabalho foi celebrado

sem termo quando de facto foi celebrado a termo resolutivo determina a sua conversão em contrato de trabalho sem termo para todos os efeitos legais, designadamente os previstos no Código do Trabalho

legais, designadamente os previstos no Código do Trabalho Sempre que a segurança social receba uma declaração

Sempre que a segurança social receba uma declaração de remunerações que declare pela primeira vez o contrato de trabalho como sendo sem termo, informa a empresa da consequência acima referida

Princípio geral de adequação da Taxa (cont.) A DEQUAÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA AO TIPO DE

Princípio geral de adequação da Taxa (cont.)

ADEQUAÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA AO TIPO DE CONTRATO

Na proposta de Orçamento de Estado para 2011 prevê-se:

Necessidade de regulamentação da norma do Código Contributivo que consagra o princípio geral de adequação da taxa contributiva;

A regulamentação será precedida de avaliação efectuada em reunião da

Comissão Permanente de Concertação Social

Não ocorre antes de 1 de Janeiro de 2014
Não ocorre antes de 1 de
Janeiro de 2014
Entrega da Declaração de remunerações O BRIGAÇÕES DECLARATIVAS   Actualmente Novo Código Prazo de

Entrega da Declaração de remunerações

OBRIGAÇÕES

DECLARATIVAS

 

Actualmente

Novo Código

Prazo de entrega da Declaração de Remunerações

De 1 a 15 do mês seguinte àquele que respeita

De 1 a 10 do mês seguinte àquele a que respeita

Prazo de pagamento das contribuições e quotizações

De 1 a 15 do mês seguinte àquele a que respeitam as contribuições

De 10 a 20 do mês seguinte àquele a que respeita

Suprimento oficioso de omissões ou inexactidões da Declaração de Remunerações

Apenas em sede de fiscalização

Possível actualização pelos serviços

Suporte da Declaração de

Transmissão electrónica de

Transmissão electrónica de

Remunerações

dados (excepto empresa com menos de 10 trabalhadores)

dados (excepto pessoas singulares com uma pessoa ao serviço)

Obrigação de informar

OBRIGAÇÕES

DECLARATIVAS

O Código Contributivo, na sua redacção inicial, previa um dever de

informação, que impendia sobre as entidades empregadoras, quanto aos contratos de trabalho em vigor para implementação das normas do Código.

O incumprimento daquela obrigação, pelas entidades empregadoras,

determinaria a aplicação da taxa contributiva mais elevada.

Proposta de Orçamento de Estado para 2011

Revogação da norma do Código Contributivo que consagra aquela obrigação de informação

Comunicação de admissão de trabalhadores A DEQUAÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA AO TIPO DE CONTRATO •

Comunicação de admissão de trabalhadores

ADEQUAÇÃO DA TAXA CONTRIBUTIVA AO TIPO DE CONTRATO

Empresas vão passar a ter de declarar, também, se o contrato de trabalho é

a termo resolutivo ou sem termo

Comunicação da alteração da modalidade de contrato

Empresas vão passar a ter de declarar, também, a alteração da modalidade

de contrato de trabalho

O Novo Regime dos Recibos Verdes 11

O Novo Regime dos Recibos Verdes

O N OVO REGIME DOS RECIBOS VERDES Quem está abrangido Quem está excluído • Pessoas

O NOVO REGIME

DOS RECIBOS VERDES

Quem está abrangido

Quem está excluído

• Pessoas singulares que: • Exerçam actividade profissional sem sujeição a contrato de trabalho ou
• Pessoas singulares que:
• Exerçam
actividade
profissional
sem
sujeição
a
contrato
de
trabalho
ou
a
contrato
legalmente
equiparado
• Se obriguem a prestar a outrem o resultado da sua
actividade, e não se encontrem por essa actividade
abrangidos pelo regime geral de segurança social dos
trabalhadores por conta de outrem

Advogados e solicitadores integrados na respectiva Caixa

de Previdência Trabalhadores que exerçam em Portugal, com carácter temporário, actividade por conta própria e que provem o seu enquadramento em regime de protecção social obrigatório de outro país

12

Quem está isento de contribuir? O N OVO REGIME DOS RECIBOS VERDES • TI’s que

Quem está isento de contribuir?

O NOVO REGIME DOS RECIBOS VERDES

TI’s que acumulem com contrato de trabalho, desde que:

Recibo verde e contrato de trabalho estejam em empresas distintas que não tenham entre si uma relação de domínio ou de grupo

Contrato de trabalho determine enquadramento obrigatório noutro regime de protecção social que cubra a totalidade das eventualidades abrangidas pelo regime dos TI’s

O valor da retribuição no contrato de trabalho seja a 12 * IAS (5.030,64 valor para 2010)

cumulativos

Requisitos

TI seja pensionista de invalidez ou de velhice de regimes de protecção social, nacionais ou estrangeiros

TI seja titular de pensão resultante da verificação de risco profissional que sofra de incapacidade para o trabalho a 70 %

13

Antes do Código Contributivo Não há conceito de Entidade Contratante Entidade Contratante não tem que

Antes do Código Contributivo

Não há conceito de Entidade Contratante

Entidade Contratante não tem que contribuir para a Segurança Social

Não há obrigações declarativas

Código Contributivo antes de OE 2011

Entidade Contratante empresas ou particulares com actividade empresarial que beneficiem de prestação de serviços por TI

Entidade Contratante tem que contribuir à taxa de 5% (1) sobre 70% do valor do serviço prestado (2)

(1) 2,5% durante o ano de 2011?

(2) A contribuição da Entidade Contratante é devida mesmo que o TI esteja isento

Declaração é efectuada em cada trimestre do ano civil e deve ser apresentada até ao dia 10 do mês seguinte ao fim do trimestre

Contribuições devem ser pagas de 10 a 20

do mês seguinte ao fim do

trimestre

O NOVO REGIME DOS RECIBOS VERDES

Código Contributivo depois de OE 2011

Entidade Contratante empresas ou particulares com actividade empresarial que beneficiem, no mesmo ano civil, de pelo menos 80% do valor total da actividade de TI

Entidade Contratante tem que contribuir para a Segurança Social, à taxa de 5% (1) sobre 100% do valor do serviço prestado (2)

(1) 5% durante o ano de 2011

(2) Se o TI está isento, Entidade Contratante também estará

Ti declara, até 15 de Fevereiro de cada ano, valor total da prestação de serviços por Entidade Contratante

Segurança Social serviços prestados

As contribuições reportam-se ao ano civil anterior e

serão pagas até ao dia 20 do mês seguinte ao da emissão do documento de cobrança

apura oficiosamente o valor dos

14

O N OVO REGIME DOS RECIBOS VERDES Sempre que empresas beneficiem, no mesmo ano civil,

O NOVO REGIME DOS RECIBOS VERDES

O N OVO REGIME DOS RECIBOS VERDES Sempre que empresas beneficiem, no mesmo ano civil, de

Sempre que empresas beneficiem, no mesmo ano

civil, de pelo menos 80% do valor total da

actividade de TI, considerando-se para este efeito os serviços prestados a empresas do mesmo

agrupamento empresarial, a Segurança Social

notificará os serviços de inspecção da Autoridade para as Condições do Trabalho ou os serviços de fiscalização do Instituto da Segurança Social com

vista à averiguação da legalidade da situação

serviços de fiscalização do Instituto da Segurança Social com vista à averiguação da legalidade da situação
Como se processará pagamento pela Entidade Contratante? O N OVO REGIME DOS RECIBOS VERDES Segurança

Como se processará pagamento pela Entidade Contratante?

O NOVO REGIME

DOS RECIBOS VERDES

Segurança Social apura oficiosamente o valor dos serviços prestados às entidades Segurança Social emite
Segurança Social
apura
oficiosamente o
valor dos serviços
prestados às
entidades
Segurança Social
emite documento
de cobrança e
notifica entidade
contratante
contratantes

Com referência ao ano civil anterior, TI declara o valor total da prestação de serviços por entidade contratante.

Declaração pelo TI até 15 de Fevereiro do ano seguinte ao que respeita

Entidade

contratante paga até ao dia 20 do

mês seguinte ao da emissão do documento de

cobrança

16

Trabalhadores em regime de acumulação O N OVO REGIME D O S R E C

Trabalhadores em regime de acumulação

O NOVO REGIME DOS RECIBOS VERDES

Quem são?

Trabalhadores que acumulem trabalho por conta de

outrem com actividade profissional independente

para a mesma empresa ou para empresa do mesmo agrupamento empresarial

Se contrato de trabalho e recibo verde estão

concentrados na mesma empresa, estão isentos de

contribuir em relação aos recibos verde

Regime

Actual ?

Código

Contributivo

São integrados no regime geral dos trabalhadores por conta de outrem Logo, empresas vão ter que

contribuir

17

Trabalhadores em regime de acumulação (cont.) O N OVO REGIME DOS RECIBOS VERDES Base de

Trabalhadores em regime de acumulação

(cont.)

O NOVO REGIME DOS RECIBOS VERDES

Base de

incidência?

Taxa?

Retribuição pelo contrato de trabalho + Honorários pelo recibo verde

Empresa: 23,75%

Colaborador: 11%

18

O Estatutários Novo regime dos Membros dos Órgãos 19

O

Estatutários

Novo

regime

dos

Membros

dos

Órgãos

Regime Actual M EMBROS DOS Ó RGÃOS E STATUTÁRIOS   Taxa contributiva Base de incidência

Regime Actual

MEMBROS DOS

ÓRGÃOS

ESTATUTÁRIOS

 

Taxa contributiva

Base de incidência contributiva

Âmbito material de protecção

Determinação da base de incidência

 

31,25% (global)

Remunerações

Doença, parentalidade, doenças profissionais, invalidez, velhice e morte

 

efectivamente

Pelo conjunto das remunerações auferidas, até ao limite máximo

21,25% (empresa)

auferidas, com

MOE

10,00% (MOE)

limite máximo = a 5.030,64*

     

Doença,

Todas as

Remunerações efectivamente auferidas, sem limite máximo

parentalidade,

remunerações,

Trabalhador

34,75% (global)

23,75% (empresa)

11,00% (MOE)

doenças profissionais, desemprego, invalidez, velhice e

mesmo em acumulação de contratos, integram base de

 

morte

incidência

 

20

Regime Actual (cont.) M EMBROS DOS Ó RGÃOS E STATUTÁRIOS • Se as remunerações forem

Regime Actual (cont.)

MEMBROS DOS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS

Se as remunerações forem > a 5.030,64, pode ser exercida opção de

desconto pela totalidade desde que:

Aprovada pela AG

MOE tenha menos de 55 anos

MOE se encontre capaz para o exercício da sua actividade com atestado

passado pelo respectivo médico assistente

Os trabalhadores por contra de outrem eleitos, nomeados ou designados para cargos de gestão nas entidades a cujo quadro pertencem

para cargos de gestão nas entidades a cujo quadro pertencem São excluídos sendo- lhes aplicável o

São excluídos sendo-lhes aplicável o regime dos TCO’s

Alterações mais significativas M EMBROS DOS Ó RGÃOS E STATUTÁRIOS Protecção? • Continuam sem protecção

Alterações mais significativas

MEMBROS DOS

ÓRGÃOS

ESTATUTÁRIOS

Protecção?

Continuam sem protecção no desemprego

Empresa: 20,3%

MOE: 9,3%

Taxa Contributiva?

Senhas de presença?

Passam a integrar a base de incidência

Limite máximo?

Permanece nos 12 IAS (5.030,64 em 2010)

É aferido em função de cada uma das empresas onde o MOE

desempenha actividade

Exclusões

Trabalhador cujo contrato de trabalho na data em que iniciou o cargo tenha sido celebrado há pelo menos um ano e esteja inscrito no regime dos TCO’s

22

Alargamento da base de incidência no regime geral dos trabalhadores por contra de outrem 23

Alargamento da base de incidência no regime

geral dos trabalhadores por contra de outrem

O que muda com o novo Código? B ASE DE INCIDÊNCIA Alargamento da base de

O que muda com o novo Código?

BASE DE INCIDÊNCIA

Alargamento da base de incidência

Base de Incidência DR 12/83

da base de incidência Base de Incidência DR 12/83 Base de Incidência Código Contributivo Novas componentes

Base de Incidência Código Contributivo

DR 12/83 Base de Incidência Código Contributivo Novas componentes remuneratórias sujeitas a contribuições

Novas componentes remuneratórias sujeitas a contribuições

Adiamento da entrada em vigor / Entrada em vigor progressiva

Adiamento da entrada em vigor B ASE DE INCIDÊNCIA Prestações que apenas integrarão a base

Adiamento da entrada em vigor

BASE DE INCIDÊNCIA

Prestações que apenas integrarão a base de incidência contributiva quando forem regulamentadas

base de incidência contributiva quando forem regulamentadas Regulamentação não ocorrerá antes de 1 de Janeiro de

Regulamentação não ocorrerá antes de 1 de Janeiro de 2014

não ocorrerá antes de 1 de Janeiro de 2014 E após a análise da situação em

E após a análise da situação em que se encontre o mercado de trabalho a efectuar com os parceiros sociais

25

B ASE DE INCIDÊNCIA Adiamento da entrada em vigor (cont.) “(… ) por se tratarem

BASE DE INCIDÊNCIA

Adiamento da entrada em vigor (cont.)

“(…) por se tratarem de componentes remuneratórias mais variáveis no

que respeita à sua atribuição e periodicidade e tendo em conta a complexa

situação económica () do mercado de trabalho (…)”

Os montantes atribuídos aos trabalhadores a título de participação nos lucros da empresa

Os valores despendidos pela entidade empregadora com aplicações financeiras a favor dos trabalhadores (ex. seguros de vida, fundos de pensões, PPR)

Os prémios atribuídos ao trabalhador que estejam relacionados com o desempenho da empresa

Ajustamento progressivo da base de incidência B ASE DE INCIDÊNCIA 120% 100% 100% 80% 66%

Ajustamento progressivo da base de incidência

BASE DE INCIDÊNCIA

120% 100% 100% 80% 66% 60% 40% 33% 20% 0% 2011 2012 2013
120%
100%
100%
80%
66%
60%
40%
33%
20%
0%
2011
2012
2013
B ASE DE INCIDÊNCIA 120% 100% 100% 80% 66% 60% 40% 33% 20% 0% 2011 2012

Entrada em vigor progressiva

B ASE DE INCIDÊNCIA Remissão para o IRS • Sujeição a incidência contributiva nos mesmos

BASE DE INCIDÊNCIA

Remissão para o IRS

Remissão para o IRS

Sujeição a incidência contributiva nos mesmos termos previstos no Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Aumento dos limites do IRS por IRCT (Proposta do OE 2011)

Aumento dos limites do IRS por IRCT (Proposta do OE 2011)

Propõe-se que os limites previstos no Código do IRS possam ser acrescidos até 50% desde que o acréscimo resulte de Instrumento de Regulação Colectiva de Trabalho (IRCT)

Delimitação da base de incidência B ASE DE INCIDÊNCIA • Consideram-se remunerações as prestações pecuniárias

Delimitação da base de incidência

BASE DE INCIDÊNCIA

Consideram-se remunerações as prestações pecuniárias ou em espécie que

nos termos do contrato de trabalho, das normas que o regem ou dos usos são devidas pelas entidades empregadoras aos trabalhadores como contrapartida do seu trabalho

remissão para o conceito laboral de remuneração

importaçãopara o Código Contributivo de preceitos do Código do Trabalho

Abonos para falhas B ASE DE INCIDÊNCIA IRS • Integram a base de incidência contributiva

Abonos para falhas

BASE DE INCIDÊNCIA

IRS

Integram a base de incidência contributiva os abonos para falhas

DR 12/83 (artigo 2.º e 3.º)

Abono para falhas

- Excluído (norma revogada pelo Decreto-Lei n.º 140 -D/86, de 14 de Junho)

Código Contributivo (artigo 46.º)

Abonos para falhas [IRS]

Após OE 2011

Mantém-se a remissão para o IRS

Consagra-se a possibilidade de aumento dos limites até 50% por IRCT

Abonos para falhas [IRS] B ASE DE INCIDÊNCIA IRS • Consideram-se rendimentos do trabalho dependente

Abonos para falhas [IRS]

BASE DE INCIDÊNCIA

IRS

Consideram-se rendimentos do trabalho dependente os abonos para falhas

devidos a quem, no seu trabalho, tenha de movimentar numerário, na parte em que excedam 5% da remuneração mensal fixa

Entendendo-se como remuneração mensal fixa:

14 x remuneração mensal (1) fixa (sem diuturnidades)

12

(1) Acrescida da parte correspondente dos subsídios de férias e de Natal

Ajudas de custo, abonos de viagem, despesas de transporte e outras equivalentes B ASE DE

Ajudas de custo, abonos de viagem, despesas de transporte e outras equivalentes

BASE DE INCIDÊNCIA

IRS

DR 12/83 (artigo 2.º e 3.º)

 

Código Contributivo (artigo 46.º)

Ajudas de custo, abonos de viagem,

Importâncias atribuídas a título de ajudas de custo, abonos de viagem, despesas de transporte e outras equivalentes [IRS]

despesas

de

transporte

e

outras

equivalentes

- Excluídas (artigo 3.º do DR 12/83)

 
 

Após OE 2011

 

Mantém-se a remissão para o IRS

 

Consagra-se a possibilidade de aumento dos limites até 50% por IRCT

Ajudas de custo [IRS] B ASE DE INCIDÊNCIA IRS • Consideram-se rendimentos do trabalho dependente

Ajudas de custo [IRS]

BASE DE INCIDÊNCIA

IRS

Consideram-se rendimentos do trabalho dependente as ajudas de custo na

parte em que excedam os limites legais ou quando não sejam observados os pressupostos da sua atribuição aos servidores do Estado

pressupostos da sua atribuição aos servidores do Estado Abonos atribuídos pela entidade patronal aos trabalhadores

Abonos atribuídos pela entidade patronal aos trabalhadores que visam compensar o trabalhador pelas despesas efectuadas em virtude da sua deslocação em serviço,

designadamente, alimentação e alojamento, variando o seu valor em função das

necessidades do colaborador reportadas ao período em que se encontra deslocado

do colaborador reportadas ao período em que se encontra deslocado Limites quantitativos e requisitos materiais 33
Ajudas de custo [IRS] B ASE DE INCIDÊNCIA IRS Categoria do colaborador Valor máximo por

Ajudas de custo [IRS]

BASE DE INCIDÊNCIA

IRS

Categoria do colaborador

Valor máximo por dia para deslocações em território nacional

Valor máximo por dia para deslocações no estrangeiro

Quadros superiores que, pela natureza das funções

   

desempenhadas, possam ser equiparados a membros do Governo (ex: cargos de direcção)

69,19

167,07

 

Remuneração base > 1.355,96

62,75

148,91

Restantes casos (generalidade dos trabalhadores)

Remuneração base entre 892,53 e 1.355,96

51,05

131,54

Remuneração base < 892,53

46,86

111,88

Os montantes que excederem estes valores serão tributados em sede de IRS

34

Utilização de automóvel próprio ao serviço da empresa B ASE DE INCIDÊNCIA IRS • Considera-se

Utilização de automóvel próprio ao serviço da empresa

BASE DE INCIDÊNCIA

IRS

Considera-se rendimento do trabalho dependente as importâncias

auferidas pela utilização de automóvel próprio ao serviço da entidade

patronal

DR 12/83 (artigo 2.º e 3.º)

DR 12/83 (artigo 2.º e 3.º)

Utilização de automóvel próprio ao serviço da Empresa

- Excluída

- Excluída

Código Contributivo (artigo 46.º)

Código Contributivo (artigo 46.º)

Importâncias auferidas pela utilização de automóvel próprio ao serviço do empregador [IRS]

Após OE 2011

Mantém-se a remissão para o IRS

Consagra-se a possibilidade de aumento

dos limites até 50% por IRCT

35

Valores auferidos pela utilização de automóvel próprio ao serviço do empregador na parte em que

Valores auferidos pela utilização de automóvel próprio ao serviço do empregador na parte em que excedam os limites legais estabelecidos para os servidores do

Estado [IRS]

legais estabelecidos para os servidores do Estado [IRS] B ASE DE INCIDÊNCIA IRS Pagamento p/KM €
legais estabelecidos para os servidores do Estado [IRS] B ASE DE INCIDÊNCIA IRS Pagamento p/KM €
legais estabelecidos para os servidores do Estado [IRS] B ASE DE INCIDÊNCIA IRS Pagamento p/KM €
legais estabelecidos para os servidores do Estado [IRS] B ASE DE INCIDÊNCIA IRS Pagamento p/KM €

BASE DE INCIDÊNCIA

IRS

para os servidores do Estado [IRS] B ASE DE INCIDÊNCIA IRS Pagamento p/KM € 0,40 p/KM

Pagamento

p/KM

do Estado [IRS] B ASE DE INCIDÊNCIA IRS Pagamento p/KM € 0,40 p/KM O montante que

0,40

p/KM

B ASE DE INCIDÊNCIA IRS Pagamento p/KM € 0,40 p/KM O montante que exceder este valor

O montante que exceder este valor unitário é rendimento para

efeitos de IRS

Compensação por cessação do contrato trabalho por acordo (c/ desemprego) B ASE DE INCIDÊNCIA IRS

Compensação por cessação do contrato trabalho por acordo (c/ desemprego)

BASE DE INCIDÊNCIA

IRS

DR 12/83 (artigo 2.º e 3.º)

Compensação por cessação de contrato de trabalho por acordo

- Excluída (norma revogada pelo Decreto-Lei n.º 140-D/86, de 14 de Junho)

Código Contributivo (artigo 46.º)

Código Contributivo (artigo 46.º)

Compensação por cessação do contrato de trabalho por acordo, nas situações com direito a prestações de desemprego [IRS]

Após OE 2011

Acrescenta-se a expressão apenas

Mantém-se a remissão para o IRS e

Consagra-se a possibilidade de aumento

dos limites do IRS até 50% por IRCT

Compensação por cessação do contrato trabalho por acordo (c/ desemprego) [IRS] B ASE DE INCIDÊNCIA

Compensação por cessação do contrato trabalho por acordo (c/ desemprego) [IRS]

BASE DE INCIDÊNCIA

IRS

Sujeição a tributação

Sujeição a tributação

Apenas na parte que exceda o valor correspondente a uma vez e meia o valor médio das remunerações regulares com carácter de retribuição sujeitas a imposto, auferidas nos últimos 12 meses, multiplicado pelo número de anos ou fracção de antiguidade ou de exercício de funções na entidade devedora

 

Salvo

Quando nos 24 meses seguintes seja criado novo vínculo profissional ou empresarial,

independentemente da sua natureza, com a mesma entidade, caso em que as importâncias são

tributadas pela totalidade

Tributação pela totalidade

No caso de gestores, administradores ou gerentes de pessoa colectiva

38

Despesas de representação B ASE DE INCIDÊNCIA DR 12/83 (artigo 2.º e 3.º) • Despesas

Despesas de representação

BASE DE INCIDÊNCIA

DR 12/83 (artigo 2.º e 3.º)

Despesas de representação

- Excluída

Código Contributivo (artigo 46.º)

Código Contributivo (artigo 46.º)

Valores atribuídos a título de despesas de representação desde que se encontrem predeterminados

Após OE 2011

Valores efectivamente devidos a título de despesas de representação desde que se encontrem predeterminados e dos quais

não tenham sido prestadas contas até ao

termo do exercício

B ASE DE INCIDÊNCIA Utilização pessoal de viatura automóvel DR 12/83 (artigo 2.º e 3.º)

BASE DE INCIDÊNCIA

Utilização pessoal de viatura automóvel

DR 12/83 (artigo 2.º e 3.º)

Utilização pessoal de viatura automóvel

- Excluída

Código Contributivo (artigo 46.º)

Código Contributivo (artigo 46.º)

Despesas resultantes da utilização pessoal pelo trabalhador de viatura automóvel que gere encargos para a entidade empregadora [IRS]

Após OE 2011

Elimina-se a remissão para o IRS

Concretizam-se as situações em que esta

 

componente é considerada base de incidência

Utilização pessoal de viatura automóvel (cont.) B ASE DE INCIDÊNCIA Considera-se que a viatura é

Utilização pessoal de viatura automóvel (cont.)

BASE DE INCIDÊNCIA

Considera-se que a viatura é para uso pessoal sempre que tal se encontre previsto em acordo escrito do qual conste:

a afectação em permanência ao trabalhador de uma viatura concreta

que a entidade empregadora suporta na íntegra os encargos com a viatura e com a sua utilização e

a menção expressa da possibilidade de utilização para fins pessoais ou da

possibilidade de utilização durante 24 horas por dia (salvo se o trabalhador se

encontrar sob o regime de isenção de horário de trabalho)

Utilização pessoal de viatura automóvel (cont.) Uso pessoal B ASE DE INCIDÊNCIA Considera-se ainda que

Utilização pessoal de viatura automóvel (cont.)

Utilização pessoal de viatura automóvel (cont.) Uso pessoal B ASE DE INCIDÊNCIA Considera-se ainda que a

Uso pessoal

pessoal de viatura automóvel (cont.) Uso pessoal B ASE DE INCIDÊNCIA Considera-se ainda que a viatura

BASE DE INCIDÊNCIA

viatura automóvel (cont.) Uso pessoal B ASE DE INCIDÊNCIA Considera-se ainda que a viatura é para

Considera-se ainda que a viatura é para uso pessoal sempre que no acordo escrito:

(i)

seja afecta ao trabalhador em permanência viatura automóvel concreta

(ii)

com expressa possibilidade de utilização nos dias de descanso semanal

Despesas de transporte em benefício dos trabalhadores B ASE DE INCIDÊNCIA DR 12/83 (artigo 2.º

Despesas de transporte em benefício dos trabalhadores

BASE DE INCIDÊNCIA

DR 12/83 (artigo 2.º e 3.º)

Despesas de transporte

- Excluídas

Código Contributivo (artigo 46.º)

Despesas de transporte, pecuniárias ou não, suportadas pela entidade empregadora para custear as deslocações em benefício dos trabalhadores [IRS]

Após OE 2011

Elimina-se a remissão para o IRS

Concretizam-se as situações em que esta

componente é considerada base de incidência

Despesas de transporte em benefício dos trabalhadores (cont.) B ASE DE INCIDÊNCIA Despesas de transporte,

Despesas de transporte em benefício dos trabalhadores (cont.)

BASE DE INCIDÊNCIA

Despesas de transporte, pecuniárias ou não, suportadas pela entidade empregadora

para custear as deslocações em benefício dos trabalhadores na medida em que estas:

não se traduzam na utilização de meio de transporte disponibilizado pela entidade empregadora ou

excedam o valor do passe social ou, na inexistência deste, o que resultaria da

utilização de transportes colectivos

desde que quer a disponibilização daquele quer a atribuição destas

tenha carácter geral

B ASE DE INCIDÊNCIA Componentes remuneratórias incluídas • Integram ainda a base de incidência todas

BASE DE INCIDÊNCIA

Componentes remuneratórias incluídas

Integram ainda a base de incidência todas as prestações que sejam atribuídas ao trabalhador, com carácter de regularidade, em dinheiro ou em espécie, directa ou indirectamente como contrapartida da prestação do

trabalho

Após OE 2011

Após OE 2011

Adita-se um novo artigo com o conceito de regularidade

Componentes remuneratórias incluídas (cont.) • Qual é o conceito de regularidade? B ASE DE INCIDÊNCIA

Componentes remuneratórias incluídas (cont.)

Qual é o conceito de regularidade?

BASE DE INCIDÊNCIA

Considera-se que uma prestação reveste carácter de regularidade quando

constitui direito do trabalhador

por se encontrar pré-estabelecida segundo critérios objectivos e gerais

ainda que condicionais

por forma a que este possa contar com o seu recebimento

independentemente da frequência da concessão

A prestação não será regular quando a sua atribuição seja pontualmente decidida pela entidade patronal, segundo critérios subjectivos e arbitrários.

Exclusões B ASE DE INCIDÊNCIA • Importâncias atribuídas a título de complemento de prestações do

Exclusões

BASE DE INCIDÊNCIA

Importâncias atribuídas a título de complemento de prestações do

regime geral de segurança social

(também excluído pelo DR 12/83)

Subsídios concedidos a trabalhadores para compensação de encargos

familiares (creches, jardins-de-infância, estabelecimentos de educação,

lares de idosos e outros serviços ou estabelecimentos de apoio social) (também excluído pelo DR 12/83)

Subsídios eventuais destinados ao pagamento de despesas com

assistência médica e medicamentosa do trabalhador e seus familiares (também excluído pelo DR 12/83)

Exclusões (cont.) B ASE DE INCIDÊNCIA • Valores das refeições tomadas pelos trabalhadores em refeitórios

Exclusões (cont.)

BASE DE INCIDÊNCIA

Valores das refeições tomadas pelos trabalhadores em refeitórios das

respectivas entidades empregadoras

Importâncias referentes ao desconto concedido aos trabalhadores na aquisição de acções do empregador ou de entidades do mesmo grupo

empresarial

(Orientação Técnica 11.02.2004)

Exclusões: as indemnizações por cessação do contrato de trabalho B ASE DE INCIDÊNCIA Modalidade Regime

Exclusões: as indemnizações por cessação do contrato de trabalho

BASE DE INCIDÊNCIA

Modalidade

Regime

Importâncias atribuídas ao trabalhador a título de indemnização por

Excluída da base de incidência (cfr. artigo 48.º, alínea g))

força de declaração judicial da ilicitude do despedimento

Indemnização paga ao trabalhador pela cessação, antes de findo o prazo convencional, do contrato de trabalho a prazo

Excluída da base de incidência

(cfr. artigo 48.º, alínea i))

Compensação por cessação do contrato de trabalho no caso de

 

despedimento colectivo, por extinção do posto de trabalho e por

Excluída da base de

inadaptação Após OE 2011: por não concessão de aviso prévio, por caducidade e por resolução por parte do trabalhador

incidência (cfr. artigo 48.º, alínea h))

49

E QUIPA V D A Tiago Piló – tp@vda.pt Rita Magalhães – ram@vda.pt Frederico Antas

EQUIPA VDA

Tiago Piló tp@vda.pt Rita Magalhães ram@vda.pt Frederico Antas fda@vda.pt Joana Correia Miranda - jcm@vda.pt

Vieira de Almeida & Associados Tel.: (+351) 21 311 3400 Fax: (+351) 21 311 34 06

Correia Miranda - jcm@vda.pt Vieira de Almeida & Associados Tel.: (+351) 21 311 3400 Fax: (+351)
Correia Miranda - jcm@vda.pt Vieira de Almeida & Associados Tel.: (+351) 21 311 3400 Fax: (+351)
Correia Miranda - jcm@vda.pt Vieira de Almeida & Associados Tel.: (+351) 21 311 3400 Fax: (+351)
Correia Miranda - jcm@vda.pt Vieira de Almeida & Associados Tel.: (+351) 21 311 3400 Fax: (+351)

50

O D IREITO À E XCELÊNCIA www.vda.pt A R IGHT TO E XCELLENCE

O DIREITO À EXCELÊNCIA

www.vda.pt

A RIGHT TO EXCELLENCE