Você está na página 1de 9

Crime de Lavagem de Dinheiro

-Conceito e histórico • • • • Lavagem de dinheiro – prática econômica adotada para esconder ou mascarar origem ilícita de dinheiro, ativos e bens; Sensibilizou sociedade internacional no final dos anos 80 (Convenção de Viena – 1988) – devido ao lucro observado no tráfico de drogas Exigência internacional de tipificação da prática como crime grave Nos anos 2000 – grandes bancos privados internacionais adotam a prática conhecida como Know your Custumer (Conheça seu cliente) para prevenir Crimes de Lavagem de Dinheiro Após 11 de setembro, Crimes de lavagem de dinheiro são relacionados diretamente ao Financiamento do Terrorismo; Terrorismo: origem do dinheiro não necessariamente ilícita. Lavagem de dinheiro ao contrário (mascarar aplicações do dinheiro)

• •

-Etapas • 3 etapas: colocação/introdução, ocultação/transformação e integração o Colocação/Introdução: dinheiro introduzido no SFN de forma pulverizada (depósitos e compra de ativos) o Ocultação/Transformação: valores transferidos entre contas ou aplicações para despistar e aglutinar paulatinamente os valores; o Integração: valores introduzidos na economia formal, geralmente em setores que apresentam crescimento; Através de doleiros valores podem ser remetidos a paraísos fiscais e de lá voltarem como se fossem investimentos estrangeiros; Lavagem de ativos: obtenção de certificados de legalidade para obras de arte ou pedras preciosas. Criminosos não visam lucro. Podem fazer negócios considerados ruins: aquisição de firmas falidas para tornarem-se firmas de fachada;

• • •

-Lei 9.613/98 • • Lei que cria o COAF (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) Trata da prevenção do uso do sistema financeiro para lavagem de dinheiro

-Dos Crimes de Lavagem ou ocultação de Bens, Direitos e Valores • Reclusão de 3 a 10 anos a quem ocultar ou dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou propriedade de bens direitos e valores provenientes direta ou indiretamente dos seguintes crimes: o Tráfico de drogas o Terrorismo e seu financiamento; o Contrabando e tráfico de armas

negocia etc o Importa/exporta bens com valores distorcidos Mesma pena também para quem: o Utiliza bens/direitos na sua atividade econômica sabendo de sua origem ilícita o Participa de grupo. pode ser decretada apreensão ou seqüestro dos bens. havendo indícios suficientes. intermediação e aplicação de recursos financeiros de terceiros em moeda nacional ou estrangeira o Compra e Venda de moeda estrangeira ou ouro.• • • • Extorsão mediante seqüestro Contra a Adm Pública (inclusive exigência de vantagens para prática de atos administrativos ou omissão. emissão. direitos e valores o Converte em ativos lícitos o Adquire. direitos e valores para a União Interdição do exercício de cargo ou função pública e de diretor ou membro do conselho de adm. Mesma pena para quem de posse dos bens. distribuiçãode TVM o Bolsas de valores e BMF o Seguradoras. o Custódia. associação ou escritório tendo conhecimento que sua atividade principal ou secundária é a prática de crimes previstos nessa lei o A tentativa deste crime tbm é punida o Pena pode ser reduzida ou até deixada de ser aplicada caso o autor colabore nas investigações. o Praticado por organização criminosa o Praticado por particular contra a adm pública estrangeira. corretoras de seguros. o Contra o sistema financeiro nacional. administração. Durante o processo. Tem que provar a licitude para obtê-los de volta Administrador dos bens apreendidos fará juz a remuneração e prestará informações periódicas sobre tais bens o o -Efeitos das condenações o o Perda de bens. liquidação. temporária ou não: o Captação. negociação. troca. entidades de previdência complementar ou capitalização . direitos e valores o Definido por Tratados o Se houver reciprocidadeReciprocidade o Divisão meio-a-meio de valores ressalvando direito do lesado -Pessoas sujeitas à lei • Pessoas que tem como atividade principal ou acessória. de instituições do SFN -Crimes praticados no estrangeiro • Para crimes praticados no exterior. poderá ser decretada apreensão ou seqüestro dos bens. direitos e valores do acusado. recebe.

clientes e procuradores das IF. • • -Comunicação das operações financeiras: • • • • IF devem dispensar especial atenção nas operações que possam caracterizar crime Devem comunicar a proposta ou operações citadas num prazo de 24 horas a autoridade competente. o O limite varia de operação para operação e são definidos pelo BACEN e CVM Atender no prazo as requisições do COAF BACEN manterá cadastro centralizado de correntistas. . pedras. por pelo menos 5 anos após encerramento da conta Manter registro das transações que ultrapassem o limite fixado pela autoridade competente (por pelo menos 5 anos após realização da transação) o Várias operações com uma mesma pessoa dentro de um mesmo mês que ultrapasse o limite tbm deve ser registrada. Empresas de arrendamento mercantil e factoring Demais entidades cujo funcionamento dependa de autorização de órgão regulador do mercado financeiro PF ou PJ que represente instituição financeira que exerça qualquer das atividades acima PJ que atuem com promoção imobiliária ou compra e venda de imóveis PF ou PJ que comercializem jóias. metais preciosos. 200% do lucro obtido (ou que seria obtido pela operação) ou multa de até R$200mil Caso deixem de regularizar no prazo as falhas apontadas na advertência Não realizarem a identificação dos clientes ou registro das transações que excedam o limite predeterminado. da empresa e sócios e dirigentes). objetos de arte e antiguidades PF e PJ que comercialize bens de luxo ou de alto valor.o o o o o o o Administradoras de cartões e de consórcios p/ aquisição de bens. Deixarem de atender requisição do COAF Deixarem de comunicar as transações ou não atenderem Às vedações. Devem abster-se de comunicar ao cliente envolvido Transações com pessoas não fiscalizadas por órgãos específicos. que envolvem grandes movimentações em espécie. -Responsabilidade Administrativa • IF ou seus administradores que não comunicarem as transações podem receber punição: o Advertência (irregularidade nos cadastros ou registro das transações acima do limite determinado) o Multa de 1% até o dobro do valor da operação. -Tais instituições/pessoas deverão • • Identificar seus clientes e manter cadastro atualizado (no caso de PJ. comunicação diretamente ao COAF.

recebe examina e identifica as ocorrências suspeitas de Crime de Lavagem de Dinheiro e ocultação. . filiais/representantes de IF estrangeiras instaladas no Brasil: o Manter atualizada informações cadastrais de seus clientes (no caso de PJ. agências de turismo. credenciados a atuar no segmento de Câmbio Flutuante (adm cartões internacionais. também dos representantes e controladores). aplica penas administrativas. além das Administradoras de Consórcio. Infrações graves quantos às obrigações desta lei Reincidência em falha já punida anteriormente com multa o Cassação da autorização para operação ou funcionamento. Dará Instruções e aplicará sanções às pessoas não fiscalizadas por órgão específico serão de responsabilidade do COAF. Da Fazenda dentre os funcionários do: o BACEN o CVM o SUSEP o Procuradoria Geral da Fazenda Nacional o Receita Federal o Órgão de Inteligência do Poder Executivo (ABIN) o DPF o MRE o CGU Presidente do COAF: Nomeado pelo Presidente da República por indicação do Ministro da Fazenda Das decisões do COAF.• Inabilitação por até 10 anos para cargo de administrador nas IF referidas. Reincidência em infrações já punidas com inabilitação temporária Garantido o contraditório e ampla defesa na aplicação de todas as sanções referidas. cabe recurso junto ao Ministério da Fazenda • • • • • • • -Circular BACEN 2852 • • Sobre procedimentos para a prevenção dos CLD Obrigações das IF e demais instituições autorizadas a funcionar pelo BACEN. hotéis etc). Coordenará e proporá mecanismos de cooperação e troca de informações para combate aos CLD Poderá requerer junto aos órgãos da Adm Pública informações cadastrais bancárias e financeiras de pessoas envolvidas em atividades suspeitas Comunicará autoridades competentes para instauração de procedimentos cabíveis após detecção de CLD COAF composto por servidores públicos de reputação ilibada designados pelo Min. o -COAF (Conselho de Controle de Atividades Financeiras) • • Órgão vinculado ao Ministério de Fazenda Disciplina. sem prejuízo dos demais órgãos normativos/fiscalizadores.

objetivem burlar os mecanismos de identificação. estrangeira. PPE: pessoas que desempenham ou tenham desempenhado nos últimos 5 anos.) IF devem indicar diretor ou gerente responsável pelo cumprimento da circular e pelas comunicações de operações. o Ocupantes de cargo no Poder Executivo da União: ministro ou equiparado. metais e outros ativos. empregos ou funções públicas relevantes. empresas públicas ou sociedades de economia mista Grupo Direção e Assessoramento Superiores (comissionados) o Membros do CNJ. Procurador Geral da Justiça Militar.000. Cooperativa de Crédito e associação de poupança em empréstimo. diretor de autarquias. vice-presidente. Procurador Geral do Trabalho. valores. seus adm e empregados serão aplicadas sanções conforme lei 9613 (advertência. conglomerado ou grupo que excederem em um mesmo mês calendário R$10. no Brasil ou em países. de valor superior a R$10. o -Circular BACEN 3339/06 o o Sobre movimentação financeira de Pessoas Politicamente Expostas (PPE) junto a Bancos.00 Comunicação será feita sem a ciência do cliente IF devem promover treinamento adequado aos funcionários para detecção dos crimes bem como desenvolver procedimentos internos de detecção dos mesmos Às IF. multa etc. Manutenção de informações sobre cadastros e operações permanecem durante 5 anos contados a partir do 1º dia do ano subseqüente do encerramento da conta ou conclusão da operação.000. 5 anos contados retroativamente do início da relação de negócio.• • • • • • • Controlar a adequada identificação do cliente para verificar a compatibilidade das movimentações financeiras e sua atividade econômica. territórios e dependências estrangeiros. Procuradores Gerais de Justiça dos Estados e do DF. o Membros do TCU e o membro do Ministério Público junto ao TCU. forma de realização sejam consideradas suspeitas. Caixa. IF devem comunicar ao BACEN operações ou propostas que pelas partes. fundações públicas. TVM. STF e Tribunais Superiores o Membros do Conselho Nacional do MP.00 o Operações de crédito ou débito. o . de natureza especial (Secretários Executivos em ministérios) presidente. subprocuradores Gerais da República. Devem ser obrigatoriamente registradas: o Operações com a mesma pessoa. o Manter registro de operações realizadas em moeda nacional. que por sua habitualidade. o Detentores de mandatos eletivos do poder executivo e legislativo da União. cargos. bem como seus familiares (até o 1º grau) ou pessoas de seu relacionamento próximo. Procurador e vice procurador Geral da República.

o Movimentação incompatível com o patrimônio e capacidade financeira do cliente. o Prefeitos e presidente de câmaras de capitais de estado No caso de clientes PPE estrangeiros: o IF deve solicitar declaração expressa a respeito de sua classificação. Alta gerência deve autorizar estabelecimento ou manutenção de relacionamento com PPE’s. o Depósitos contendo notas falsas ou mediante utilização de documentos falsificados.000. Operações relacionadas a manutenção de contas correntes. o -Carta-circular BACEN 2826/98 o o Sobre operações que podem indicar CLD e sobre sua comunicação Operações em espécie ou cheques de viagem: o Superiores a R$10. presidentes dos TCE. o Troca de grandes qtdes de notas de pequeno valor por notas de grande valor.o o o o o o Governadores de estado e do DF. em grande quantidade sem evidência de propósito claro. de Assembléia legislativa e de câmara distrital. por exemplo) e identificação dos fundos envolvidos nas transações com PPE’s. admite-se que a instituição financeira estrangeiras adote as providências com relação ao cliente. especialmente se acompanhados de transferências em seguida a destino anteriormente não relacionado com o cliente. o Depósitos picados. o Depósitos de grandes quantias por meio eletrônico ou meios que evitem o contato com funcionários do banco. o Aumento no volume de depósitos em conta sem causa aparente. o . o Saques a descoberto com cobertura no mesmo dia. presidentes do TJ. o que denota tentativa de burlar a identificação da operação. desde que o BACEN seja informado dos procedimentos adotados. porém observadas com freqüência. o Recorrer a informações publicamente disponíveis. TCM e TCDF. o Movimentação de recursos em praças localizadas em fronteiras. o Recorrer a base de dados eletrônica sobre as PPE Comunicação sobre transações com PPE devem informar que se tratam de PPE’s Procedimentos internos devem possibilitar identificação de PPE (preenchimento de cadastro.00 o Ou de valor menor. porém com valor total significativo. o Proposta de troca de grandes somas de moeda nacional por moeda estrangeira e vice-versa. o Movimentações por PF ou PJ de pessoas que costumam se utilizar de cheques ou outros meios. IF devem manter vigilância redobrada no relacionamento com PPE’s No caso de relacionamento com cliente estrangeiro que tbm é cliente de instituição financeira fiscalizada por órgão semelhante ao BACEN. o Compras de cheques de viagem e cheques adm.

Dispensa recebimento de rendimentos. Abertura de conta e movimentação por detentor de procuração ou qualquer outro tipo de mandato. como rodoviárias. Abertura de contas realizada em locais turísticos ou de grande circulação de pessoas. -Situações relacionadas a atividades internacionais: o o o Operação ou proposta que envolva residente em regiões consideradas paraísos fiscais. Recebimento de recursos com imediata compra de cheques de viagem. Retirada de quantia significativa de conta até então pouco movimentada ou que tenha recebido depósito inusitado. cujos valores somados apresentam-se significativos. Atuação no sentido de induzir funcionário a não manter em arquivo relatório sobre alguma operação realizada. Solicitações freqüentes de elevação de limites para transações. Numerosas contas para acolhimento de depósitos em nome de um mesmo cliente. Solicitação para facilitar aquisição de imóveis quando a fonte de renda do cliente não está identificada de forma clara. Créditos e débitos que por sua habitualidade. Processo regular de consolidação de recursos provenientes de outras IF da mesma localidade para posterior transferência de recursos. ou ainda prestação de informação falsa. Transações envolvendo clientes não residentes. Contas que recebem valores aparentemente não relacionados a atividade formal do cliente. aeroportos ( salvo se por empresas ou residentes na localidade). Utilização conjunta e simultânea de caixas separados para realização de grandes operações em espécie ou de câmbio. . Proposta de abertura de conta com RG e CPF emitidos em regiões de fronteira ou por pessoa residente nessas localidades. Solicitação de facilidades para negociação de moeda estrangeira. Pagamento inusitado de empréstimo problemático sem justificativa plausível para tal. Operações de interesse de pessoa não tradicional ou desconhecida para o banco que tenha relacionamento bancário e financeiro em outra praça. Atuação de forma contumaz em nome de terceiros ou sem a revelação da identidade do beneficiário. Recebimento em cheque ou dinheiro de várias localidades com transferência para terceiros. Mudança repentina no padrão e tipo das transações efetuadas. ordens de pagamentos e outros instrumentos para pagamento a terceiros.o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o Resistência em prestar informação para abertura de conta ou para atualização de cadastro. valor e forma configurem artifício para dificultar identificação dos depositantes e dos beneficiários dos saques.

o Número da IF e conta destino ou receptora do montante. Colocação de títulos de emissão própria ou de quotas de fundos de investimento. . Transferência unilaterais freqüentes de valores altos a título de doação. Devem registrar no SISBACEN: o Na data da ação. depósito em espécie. Negociação com ouro por pessoas não tradicionais no ramo. múltiplos. Modificação inusitada no salário/retirada do empregado ou representante Qualquer negócio realizado por empregado ou representante quando desconhecida a identidade do último beneficiário.o o o o Pagamentos antecipados de importação e exportação por empresa sem tradição ou com movimentação incompatível com capacidade financeira. -Devem ser consideradas para fins de comunicação o conjunto de movimentações financeiras em: o o o o o o Depósitos de qualquer espécie Venda de metais preciosos. o De valor inferior no caso que apresente indícios de ocultação ou dissimulação de natureza. retirada em espécie ou pedido de provisionamento para saque no valor igual ou superior a R$100 mil independente da finalidade ser plausível ou não. sociedades de cobrança e empréstimo e cooperativas de crédito. Venda de cheques administrativos ou de viagem Ordens de pagamento Pagamento ou amortizações antecipadas de empréstimos. o Deve ser informado o CPF ou CNPJ do do proprietário do dinheiro e da pessoa que está efetuando a ação mencionada. -Carta Circular 3098/03 o o o Sobre as retiradas em espécie e pedido de provisionamento para saques Bancos comerciais. conforme o caso. sociedades de crédito imobiliário. -Comunicação dos indícios efetuados via SISBACEN. -Dados de operações comunicadas ao BACEN devem ser mantidos à disposição do BACEN: o o o o Tipo Valor em reais Data de realização Nº do CPF ou CNPJ do titular. -Situações relacionadas com empregados das instituições e seus representantes o o o Alteração inusitada no padrão de vida e de comportamento. Utilização de cartão de crédito em valor não compatível com a capacidade financeira do usuário.

o . Caso não haja nenhuma ocorrência no mês. saque ou provisionamento.o o Nr. o A data do depósito. Atentar para a habitualidade nos procedimentos pois pode tratar-se de burla à norma vigente. do CPF ou CNPJ e das contas na IF (caso tenham conta) dos receptores do dinheiro em outra IF. tal fato deve ser informado ao BACEN via SISBACEN.