Você está na página 1de 21

ORGANIZAÇÃO DAS INDUSTRIAS

Clique
GRUPO I: para editar Arthur Wilson subtítulo o estilo do Thiago Pirelli Tiago Motta Mariana Torres Kup Guilherme trindade M.M. da silva Ricardo Matheus Meliande Vinícius Alves de F. Guedes Seuer Luis Diaz Rodriguez

mestre

O MODELO JAPONÊS DE PRODUÇÃO

foi só a partir da crise capitalista da década de 70 que foi caracterizado como filosofia da produção industrial. matéria-prima e capital que possuiam EUA e Europa iniciaram um processo de mudanças na produção. Não tendo o mesmo mercado consumidor. Com um fluxo de produção mais flexível do que o adotado no Fordismo utilizado pelos americanos. onde se produzia primeiro e vendia depois quando já dispunham de grandes estoques.A Origem do Toyotismo Idealizado nos anos 50 logo após a segunda guerra. .

Bases do Modelo Modelo de produção composto por: v Mecanização Flexível Ø v Just-in-time v v Trabalho em Equipe v v Gestão Participativa .

 .    Consiste em detectar a demanda e a Just-in-time:  produção de bens em função da necessidade específica. mantendo um fluxo de produção contínuo.Uma dinâmica oposta à rígida automação Mecanização Flexível: fordista decorrente da inexistência de escalas que viabilizassem a rigidez. toda demanda tem que ser produzida após ter sido efetivada sua venda. ao contrário do fordismo. Assim.

no toyotismo vemos eliminado esse tempo entre um trabalhador e outro. considerado “tempo morto” e que não agrega valor à produção. com a função de coordenar o grupo e substituir qualquer um que venha faltar. Este trabalharia junto com os demais operários. A idéia consiste em agrupar os trabalhadores em equipes. com a orientação de um líder.Trabalho em equipe: Usada pela Toyota para racionalizar a utilização de mão-de-obra. Enquanto no fordismo cada trabalhador é responsável por uma parte da produção e após realizá-la passa adiante para que outro trabalhador realize a parte que lhe cabe. adequando-se a .

passam a responder pela marcha da produção. Assumem um posto de liderança frente a um grupo (líderes coordenadores da linha de montagem.Gestão Participativa: Onde os trabalhadores são levados a se sentirem como participantes da empresa. com a ilusão de se tornarem “gerentes”. . ao mesmo tempo em que executam o processo de controle de qualidade. por exemplo) e.

Multifuncionalização da mãode-obra .

Mecanização flexível e personificação do produto .

As Revoluções industriais .

.

.

•Hierarquizado •Redução da responsabilidade do trabalhador •Nenhuma segurança do trabalho • .

Condições de eficácia do Modelo Japones: Opressão e Seleção Como aconteceu ao longo do tempo e se intensificou a partir de 1986. .

Empregos Vitalícios: Para quem? Em detrimento de quem? Seleção da Classe Assalariada: Como e a que tempo ela é feita? Divisão do trabalho de acordo com o sexo.  . A descriminação. inferiorização e preconceito a classe assalariada feminina.

 . Longa jornada de trabalho.A vida na empresa: Vida na empresa = Vida pessoal?  Equilíbrio frágil entre Vida Profissional e Vida Pessoal.

  . pelo coletivo e pela empresa.A Autonomia controlada: Controle do papel coletivo do assalariado. Como se dá o controle do comportamento do assalariado.

introduziu que o Japão falhas na instituição:  O emprego vitalício desestabilizado  Uma profunda mudança do mercado de trabalho. .As Crescentes Contradições do Modelo A forte e prolongada expansão econômica Japonês vem conhecendo.

As Crescentes Contradições do Modelo Aumento considerável da atividade profissional Japonês principalmente como das mulheres. no setor de pesquisa e desenvolvimento. . assalariadas em regime parcial (que hoje representa um terço do conjunto das mulheres assalariadas). Importantes modificações começam a surgir: Recrutamento de um certo número de mulheres universitárias para ocuparem postos qualificados na indústria eletrônica e na informática. nos laboratórios industriais.

. na indústria ou nos serviços é executado principalmente pelos asiáticos.  Trabalho clandestino na construção civil.As Crescentes Contradições do Modelo Japonês acentuado do trabalho O crescimento estrangeiro (ilegal).  Surgimento do trabalho dos brasileiros de origem japonesa.

o toyotismo tem obtido sucesso em remontá-la. Evidenciando assim que. ainda vai longe esse modelo de sociedade composta por . de participação submissa e cooptada da força de trabalho.CONCLUSÕES: Partindo do desmonte da subjetividade da coletividade operária pelo taylorfordismo e a fragmentação do trabalho. agora nos moldes adequados à lógica do capital.