Você está na página 1de 68

Exames Contrastados: Urografia Excretora

http://radiologiaraiosx.blogspot.com
1

Indicações
As principais indicações clínicas da urografia excretora incluem: • • • • • • • • • • • • • 1- massa abdominal ou pélvica 2- cálculos renais ou ureterais 3- traumatismo renal 4- dor no flanco 5- hematúria ou sangue na urina 6- hipertensão renal 7- infecções do trato urinário 8- Nefroptose (excessiva queda do rim com o paciente em pé) 09- Carcinoma de bexiga 10- Rim em ferradura 12- Hidronefrose 13- Pielonefrite 14 – Carcinoma de células renais (hipernefroma)
2

Contra-Indicações
• Bronquite asmática. • Reações alérgicas à todo e qualquer produto que tenha Iodo. • Anúria, ou ausência de excreção de urina. • Mieloma múltiplo. • Doença renal ou hepatite grave. • Insuficiência renal aguda ou crônica. • Insuficiência cardíaca congestiva. • Anemia falciforme. • Feocromocitoma. • Uso de Glucophage (metformin).
3

Preparo para realizar o exame . e conforme pedido do médico radiologista que realizará este exame. 4 .Realizar limpeza intestinal por via oral (laxante) e por via retal (fleet-enema) se necessário.Jejum absoluto de 8 a 10h antes do exame .

alto mAs e baixo tempo de exposição.Fatores Técnicos • Radiografia panorâmica do abdome: deve-se usar keV em torno de 65-75. pode alterar o protocolo básico. principalmente para otimizar a visualização das lesões que contêm cálcio e origem potencial no trato urinário. • Contraste iodado não-iônico venoso. 5 . Normalmente utiliza-se 1ml/kg de peso. a depender da situação e da indicação do exame. • Obs: O exame deve ser acompanhado por médico radiologista que a qualquer momento.

Contraste 6 .

Faixa de Compressão 7 .

 Massa abdominal.  Trauma abdominal agudo. 8 .  Aneurisma de aorta.Contra-indicação do uso de Faixa de Compressão  Possíveis cálculos ureterais.  Cirurgia abdominal recente.  Dor abdominal intensa.

Anatomia de Estudo 9 .

Estudo Renal 10 .

Radiografia localizada em “corte” (Nefrotomografia) .Radiografia após esvaziamento vesical.Injetar rapidamente o contraste. panorâmica se houver uropatia obstrutiva.Radiografia panorâmica 5 minutos após o início da injeção do contraste. 11 . Pode dividir o filme em 2 no eixo longitudinal.Fazer compressão se o paciente não estiver com dor ou se o paciente suportar a compressão.Radiografia de oblíquas panorâmicas para estudo dos ureteres. -Radiografia localizada 10 minutos após o início da injeção do contraste. . . .Radiografias mais tardias esperando encher a bexiga de contraste. .Soltar a compressão ao realizar a radiografia panorâmica de 15minutos. do contrário só localizada. .Radiografia simples panorâmica e “corte” simples (planigrafia dos rins sem contraste). . .Protocolo Básico do Exame .

Radiografia Piloto (simples) Observa-se o preparo intestinal e se a técnica está adequada para o exame. 12 .

Radiografia Localizada (Rins) Raio central deve incidir a nível de L2.Simples 13 . Pode ser utilizado um chassi 24x30 desde que inclua ambos os Rins. D .

Radiografia corte simples Planigrafia localizada sem injeção de contraste. 14 .

Nefrotomografia 15 .

Nefrotomografia 16 .

Nefrotomografia – 1min. Parênquima Renal Cálice Renal Pelve Renal Ureter 17 .

Localizada com 05 minutos Estudar os cálices renais e pelve renal cheios de contraste. Cálice Renal Pelve Renal Ureter 18 .

Localizada com 10 minutos Estudar os cálices renais e pelve renal cheios de contraste. Cálice Renal Pelve Renal Ureteres 19 .

20 .Panorâmica com 15 minutos Soltar a faixa de compressão e realizar radiografia panorâmica para documentar a excreção pelos ureteres.

Panorâmica com 20 minutos Realizar radiografia panorâmica para documentar a excreção pelos ureteres e esvaziamento dos rins. 21 .

Panorâmica com 25 minutos 22 .

pré miccional.Bexiga pré-miccional (cheia) Incidência localizada de bexiga. 23 .

pós micção. • Observa-se resíduo de contraste em bexiga.Pós-miccional ou Residual • Incidência localizada de bexiga. 24 .

Pós-miccional ou Residual Realizada radiografia panorâmica. devido dilatação de rim e ureter direito mais imagem de obstrução em região terminal do ureter direito. 25 .

Imagens Patológicas E Variações Anatômicas 26 .

Cálculos Renais A litíase. cálculo urinário ou pedra no rim. na verdade são uma desordem causada por uma estrutura cristalina que se forma nas várias partes do trato urinário. São depósitos organizados de sais minerais nos rins ou em qualquer parte do aparelho urinário. nefrolitíase. como são comumente conhecidos os cálculos renais. 27 .

28 . Rim esquerdo com cateter Duplo “J” implantado.Cálculos Renais Radiografia simples localizada. evidenciando cálculos renais bilaterais.

Cálculos Renais • Nefrotomografia pós injeção de contraste. evidenciando cálculos renais bilaterais. 29 . • Rim esquerdo com cateter Duplo “J” implantado.

Cateter Duplo J 30 .

Estenose de JUP Junção Uretero-Piélica 31 .

Estenose de Ureter Imagem bem evidenciada nesta reconstrução coronal na modalidade de tomografia. 32 .

Rim em Ferradura Imagem por Ressonância 33 .

(1min. • Para este protocolo necessita de intervalos menores para este estudo. 3min.Hipertensão Renal • Observa-se os rins pequenos e a excreção do contraste retardada. 5min) 34 . 2min.

Em sua maioria acontece por cálculos na pelve renal ou ureteres. em gestantes pode ocorrer se o feto estiver comprimindo os ureteres. 35 .Hidronefrose (inchaço. ou tumores que obstruem a excreção do contraste (urina). dilatação do rim). Observa uma distensão da pelve renal e dos cálices renais.

Hidronefrose 36 .

Hidronefrose 37 .

38 .

39 . • Este fator não altera a saúde do paciente.Duplicidade Ureteral • Observa a duplicação de 1 ou dos 2 ureteres ou pelve renais.

Duplicidade Ureteral 40 .

Duplicidade Ureteral (Peça anatômica) 41 .

Duplicidade Ureteral 42 .

Cistos Renais 43 .

• Observa queda excessiva do rim.Nefroptose • Realiza-se uma radiografia panorâmica. É mais comum em mulheres que em homens. • Nefroptose (também chamada de rim flutuante ou ptose renal) é uma condição anormal na qual o rim cai para baixo na pélvis quando o paciente é posto para cima. 44 . Foi um das doenças mais controversas entre doutores em sua diagnose e seus tratamentos. realizada com o paciente de pé pós injeção de contraste iodado. com os rins bem cheios de contraste. É necessário uma boa imagem em ortostático.

Imagem adquirida por TC com reconstrução multiplanar. pode ela pode interferir no mecanismo do parto. permanecendo na pelve.Rim ectópico • É um rim normal que não ascende ao abdome. • Este fator não altera a saúde do paciente. 45 . embora nas mulheres.

Ectopia Renal cruzada 46 .

Ectopia Renal cruzada 47 .

Ectopia Renal Pelviana 48 .

Divertículo Ureteral Urotomografia Imagem adquirida por TC com reconstrução multiplanar. 49 .

Carcinoma de células Renais 50 .

51 .Urinoma Acúmulo encapsulado de urina na área retroperitoneal. trauma renal ou perfuração do sistema coletor renal. Tem a aparência de um cisto (cistos). Abscesso ou quisto que contém urina. O urinoma geralmente é causado por obstrução ureteral.

Urinoma 52 .

Urinoma 53 .

Urinoma

54

Urinoma

55

Urinoma

56

também podem levar ao surgimento de uma fístula . A quantidade de perda urinária varia de acordo com a gravidade da fístula.. Outras causas como radioterapia. tumor de colo de útero. 57 . As fistulas surgem principalmente após procedimentos cirúrgicos na região pélvica. fístulas menores tendem a ter uma perda menor de urina. ou seja. Os principais sintomas são perda de urina contínua e infecção urinária. infecções. levando a perda contínua de urina.Fístula vesico-vaginal Fistula vesico-vaginal consiste de uma comunicação entre a bexiga e a vagina. em especial histerectomia. associadas a história de manipulação cirúrgica da região pélvica. etc.

Fístula vesico-vaginal 58 .

Fístula vesico-vaginal 59 .

Fístula vesico-vaginal 60 .

Cálculo Coraliforme + Cálculo Vesical 61 .

Cálculo Coraliforme + Cálculo Vesical 62 .

Cálculo Coraliforme 63 .

Direito vicariante e esquerdo atrófico 64 .

65 .

66 .

RT(R) Tratado de Técnica Radiológica e Base Anatômica http://pt.htm 67 .uronline. MA.br/urofeminina/fistula.unifesp.wikipedia.org/wiki/Nefroptose http://www.Referências Bibliográficas Kenneth L. Bontrager.

Robson Rocha Técnico em Radiologia Médica André Souza Tecnólogo em Radiologia Médica Deus é Fiel!!! http://radiologiaraiosx.blogspot.com 68 .