As pteridófitas são um grupo de vegetais vasculares sem sementes, com o cormo composto por raiz, caule e folhas.

Incluem as samambaias e cavalinhas, entre outras As plantas vasculares (divisão Tracheophyta ou Tracheobionta) são as plantas com tecidos especializados - o xilema e o floema - para o transporte de água e seiva que alimentam as suas células. Pertencem a esta divisão o grupo das Pteridófitas e as Espermatófitas[1]. Plantas avasculares (também plantas não-vasculares ou atraqueófitos), são vegetais que não possuem vasos de transporte. São exemplos de vegetais avasculares: Algas e Briófitas. As briófitas (divisão Bryophyta) são um grupo de plantas verdes, sem raizes (mas com um rizóide composto por pêlos absorventes) e também sem um verdadeiro caule ou folhas. São também desprovidas de um sistema vascular, motivo pelo qual se desenvolvem preferencialmente em locais húmidos e protegidos da luz directa do sol, como faces protegidas de pedras e falésias e ramos de árvores (especialmente a sua face inferior). As briófitas mais comuns são os musgos; estão descritas mais de 10.000 espécies de musgos, o que faz deste grupo o terceiro mais diversificado entre as plantas verdes. Tradicionalmente, os briófitos incluem os musgos, as hepáticas, e os antóceros. As briófitas são criptógamas, ou seja, plantas que não produzem sementes Para além desta característica única, nas plantas vasculares o esporófito é a geração que tem a forma das plantas que estamos habituados a ver, enquanto que o gametófito é uma fase temporária: nas Pteridófitas, consiste num pequeno protalo, enquanto que nas Espermatófitas, o gametófito encontra-se nas flores das angiospérmicas ou nos cones ou pinhas das gimnospérmicas Em botânica, denominam-se rizóides aos órgãos das plantas, como os musgos e as samambaias, que exercem as funções de raiz sem terem a estrutura das raízes das plantas vasculares. Os rizóides estão presentes nas Briófitas. As partes desses vegetais, por não apresentarem vasos condutores de seiva, recebem os termos de caulóides para os caules, filóides para as folhas e rizóides para as raízes. Em botânica, distinguem-se dois tipos de seiva:[1] Seiva bruta, formada nas raizes, por absorção da solução existente no solo (ou noutro suporte onde a planta se encontre fixa – ver plantas epífitas), que é levada até aos órgãos verdes da planta (caule e folhas) através das células do xilema, para ser utilizada na produção de substâncias orgânicas e assim transformada em Seiva elaborada, que é dispersa por todos os tecidos da planta através dos vasos do floema, para alimentar as células. O componente principal desta seiva é a glicose, um açúcar simples formado pela fotossíntese.

As briófitas são plantas avasculares. pinheiro-do-paraná e pínus. Diferenciando-se assim das . Já falando das gimnospermas.Em botânica. Criptógamas: são plantas que não possuem flor. ex. Elas precisam da água para a sua reprodução e sobrevivência. que não são protegidas pro frutos. não possuem vasos condutores de seiva. Elas são divididas em gimnospermas.: de angiospermas: mangueira. algumas possuem frutos e outras não.desde a raiz até às folhas. abacateiro. os exemplos mais conhecidos dessa planta são as coníferas."urna" e sperma (σπέρμα) . isto é. Em botânica. Ex. e angiospermas. ex. As briófitas e as ptridófitas vivem em lugares úmidos e sombreados. a sua nutrição é feita de célula por célula.a seiva bruta . Fanerógamas: são plantas que possuem raiz. o floema é o tecido das plantas vasculares encarregado de levar a seiva elaborada pelo caule até à raiz e aos órgãos de reserva. As angiospermas são divididas em outra classe. As gimnospérmicas ou gimnospermas (do grego gimnos = nu / sperma = semente) são plantas vasculares com frutos não carnosos (frutos sem polpa) e cujas sementes não se encerram num fruto. As Angiospermas ou angiospérmicas (do grego: angos (ἄγγος) .: de briófitas: musgos e hepáticas. As gimnospermas possuem semente nuas. elas já possuem vasos condutores de seiva. como as criptógamas. As fanerógamas são divididas em outros grupos também. o das briófitas e pteridófitas. as monocotiledôneas e as dicotiledôneas.: de gimnospermas: cedro. jaqueira. elas tem uma estrutura reprodutora chama de cones ou estróbilos."semente") são plantas espermatófitas cujas sementes são protegidas por uma estrutura denominada fruto. Ex. folha e semente. fruto e nem semente. lentamente. e já as pteridófitas são vasculares.: de pteridófitas: samambaia. chama-se xilema ao tecido das plantas vasculares por onde circula a água com sais minerais dissolvidos . caule. bambuzal (monocotiledôneas). milharal. isto é. avenca e xaxim. As monocotiledôneas são as que possuem apenas um cotilédone e as dicotiledôneas possuem dois cotilédones (cotilédone é uma folha modificada que tem uma substância nutritiva que alimente o embrião na fase inicial de seu desenvolvimento). ou seja. tomateiro (dicotiledôneas). e as angiospermas não tem suas sementes nuas. Dentro das criptógamas está um outro grupo. elas já são protegidas por um fruto.

angiospérmicas. uma vez que cumprem uma função especial para a subsistência deste ser vivo. gerado por um ovário[1]. São estruturalmente diferentes das outras folhas. enquanto as dicotiledôneas possuem dois. que têm suas sementes envoltas por um fruto. Nas gimnospérmicas. As sementes das monocotiledôneas possuem apenas um cotilédone. irrompendo durante a germinação das sementes[1]. o número de cotilédones é variável[2]. contribuindo com suas reservas de nutrientes para alimentar a plântula em desenvolvimento. enquanto esta não pode ainda produzir a quantidade suficiente de nutrientes através da fotossíntese. Cotilédones são as primeiras folhas que surgem dos embriões das espermatófitas. .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful