SOBRE COMIDAS E MULHERES CAPITULO 4

O cru (estado de selvageria) e o cozido (universo socialmente elaborado), o alimento e a comida, o doce e o salgado, é assim que equacionamos simbolicamente a mulher com a comida. O cru é tudo aquilo que está fora do controle da casa, já o cozido é algo social por definição. No Brasil há certos alimentos ou pratos que abrem uma brecha definitiva no mundo diário, engendrando ocasiões em que as relações sociais devem ser saboreadas e prazerosamente desfrutadas, de modo que não se sabe no fim, se foi a comida. Os americanos inventaram o fast food e uma de suas procupações básicas é comer para viver em sua maioria, comer entre eles é um ato que pode ser profundamente individual.Já no Brasil existe uma diferença entre alimento e comida, nem tudo que é alimento é comida, alimento é tudo aquilo que pode ser ingerido para manter uma pessoa viva; já comida é tudo aquilo que se come por prazer; nesse sentido o alimento é a moldura e a comida é o quadro. Já O alimento é algo geral e universal, mas a comida é algo que define um domínio e põe as coisas em foco, costumeiro que define um grupo, uma classe, uma pessoa. Por exemplo para nos brasileiros, queijo é alimentos mas, é comida de rato, falar de queijo então remete a idéia de rato, marca portanto sua personalidade e identidade. Do mesmo modo que sabemos que churrasco é comida de gaucho. Mas qual é a comida brasileira básica? Certamente é feijão-com-arroz, que misturados forma uma papa, um pirão que a sociedade brasileira tanto adora, comer feijão-com-arroz é misturar preto com branco. Portanto temos alimento e comida, comida não é apenas uma substância alimentar, mas é também um modo, um estilo e um jeito de se alimentar. Existem várias metáforas com as palavras comer ou comida: pão-duro para quem é avarento, para economizar como o pão dormido; gato por lebre qundo há uma confusão, uma mistura; água na boca quando se deseja muito alguma coisa; boca na botija quando somos apanhados sem esperar; com a faca e o queijo na mão para quando somos vitoriosos; por cima da carne seca que está com o poder e a força; comes e bebes alguma festa; boca pra fora coisa que não deve ser levada a sério. Desse modo a comida e o alimento são códigos complexos que nos permite compreender como a sociedade brasileira se funde. Ainda comer do bom e do melhor mostra a classe social.

Já a mulher da rua é a comida de todos. Assim a mulher que coloca seus favores sexuais e sua capacidade reprodutiva a disposição da família torna-se a fonte da virtude. Para nossa sociedade portanto. uma culinária relacional.Mas há comidas e comidas fala-se que mulher oferecida não é comida. Ele fala que nos brasileiros preferimos comidas cozidas. que é dessa forma um código marcado pela ligação. já na relação com as mulheres da vida eles são comidos. e certamente o cozido e a feijoada realizam isso de modo perfeito. para elas serem comidas devem primeiro se tornar noivas e esposas. provocando a sua perturbação moral. que estão no intermédio do solido e do liquido bem definidos nos pratos europeus. a virgem. Temos portanto. ao contrário. . são coisas fundamentalmente coletivas.. a esposa e mãe que reside nas casas e que jamis é comida ou poderá virar comida. para moral brasileira dessas mulheres deve-se fugir. As comidas se associam à sexualidade de tal modo que o ato sexual pode ser traduzido por um ato de comer. mas sem elas o mundo seria igual uma comida sem sal. Na relação dos homens com as esposas eles são os comedores. ela surge como aquela mulher que pode causar indigestão nos homens. portanto para os brasileiros a relação sexual é heterogênea e dividida em comedor e comido. ou melhor. a comida e a sexualidade ainda não se tornaram assuntos inteiramente individuais. que está refletida em nossa culinária.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful