Você está na página 1de 36
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

1

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Aula 1 • Introdução : – Os principais passos
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Aula 1
Aula 1

Introdução:

Os principais passos na Investigação Operacional para a resolução dum problema:

Formulação;

Modelação;

Resolução;

Avaliação;

Decisão;

Implementação.

Esquema Geral.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

2

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional I. Introdução A Investigação Operacional é uma ciência
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
I. Introdução
I. Introdução

A Investigação Operacional é uma ciência aplicada, cujo

objectivo é a melhoria do desempenho de organizações, ou

seja, é aplicada a sistemas produtivos que usam recursos

materiais, financeiros, humanos e ambientais (os chamados

"meios de produção"). Ela baseia-se na formulação de

modelos matemáticos a serem resolvidos, sendo feita em

seguida a análise e a implementação das soluções obtidas.

sendo feita em seguida a análise e a implementação das soluções obtidas. Prof. Doutor Engº Jorge

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

3

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Origem da Investigação Operacional Para quê a Investigação
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Origem da Investigação Operacional
Origem da Investigação Operacional
Para quê a Investigação Operacional (IO)?
Para quê a Investigação Operacional (IO)?
A Investigação Operacional (IO) como ciência surgiu para resolver, duma forma mais eficiente, os problemas
A Investigação Operacional (IO) como ciência surgiu
para resolver,
duma forma mais eficiente, os problemas na
administração das organizações,
originados pelo acelerado desenvolvimento
provocado pela revolução industrial.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

4

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Origem da Investigação Operacional Mais desenvolvimento, mais
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Origem da Investigação Operacional
Origem da Investigação Operacional

Mais desenvolvimento, mais complexidade na:

Produção

Mais desenvolvimento, mais complexidade na: Produção Distribuição de recursos Utilização óptima de recursos

Distribuição de recursos

mais complexidade na: Produção Distribuição de recursos Utilização óptima de recursos Gestão da Organização

Utilização óptima de recursos

Distribuição de recursos Utilização óptima de recursos Gestão da Organização Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 5

Gestão da Organização

Distribuição de recursos Utilização óptima de recursos Gestão da Organização Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 5

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

5

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional IO e Gestão. A partir da Revolução Industrial aumentam
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
IO e Gestão.
IO e Gestão.

A partir da Revolução Industrial aumentam os problemas na gestão das organizações:

As diferentes componentes dentro duma organização são

sistemas autónomos com objectivos e gestão próprios;

– Os objectivos cruzam-se: o que pode ser melhor para uns pode ser prejudicial para
– Os objectivos cruzam-se: o que pode ser melhor para uns
pode ser prejudicial para outros.
O Problema:
Como gerir para obter uma melhor
eficácia dentro de toda a organização?

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

6

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Surgimento da IO. Quando é que surgiu a IO?
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Surgimento da IO. Quando é que surgiu a IO?
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Surgimento da IO. Quando é que surgiu a IO?
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Surgimento da IO. Quando é que surgiu a IO?
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Surgimento da IO. Quando é que surgiu a IO?
Surgimento da IO.
Quando é que surgiu a IO?
Operacional Surgimento da IO. Quando é que surgiu a IO? A origem da IO como ciência
A origem da IO como ciência é atribuída à coordenação das operações militares durante a
A origem da IO como ciência é atribuída à
coordenação das operações militares durante a 2ª
Guerra Mundial.
Em 1947, George Dantzig (1914-2005) e outros
cientistas do Departamento da Força Aérea Americana,
apresentaram um método denominado Simplex para a
resolução dos problemas de Programação Linear (PL).

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

7

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Outros cientistas …. Outros cientistas que têm dedicado os
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Outros cientistas ….
Outros cientistas ….

Outros cientistas que têm dedicado os seus estudos a IO (“à pesquisa do óptimo”) são:

na Antiguidade:

Euclides, Newton, Lagrange

no XX século:

Wassily Leontief (1906 -1999)

Lagrange no XX século: Wassily Leontief (1906 -1999) Fez análises pioneiras em sistemas de contas do

Fez análises pioneiras em sistemas de contas do tipo

unidades de produção-consumo e recebeu o Prémio

Nobel de Economia (1973) por desenvolver uma teoria de planeamento económico através da análise de um sistema do tipo unidades de produção-consumo.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

8

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Outros cientistas …. John Von Neumann (1903-1957) Fez
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Outros cientistas ….
Outros cientistas ….

John Von Neumann (1903-1957)

Outros cientistas …. John Von Neumann (1903-1957) Fez contribuições em matemática pura, matemática

Fez contribuições em matemática pura, matemática aplicada. As suas contribuições seminais levaram à realização dos primeiros computadores digitais, à teoria económica e à moderna previsão numérica do tempo.

Leonid Vitalevich Kantorovich (1912 -1986)

do tempo. Leonid Vitalevich Kantorovich ( 1912 -1986) Foi um dos primeiros a utilizar a programação

Foi um dos primeiros a utilizar a programação linear como ferramenta na economia e esta apareceu em uma publicação de métodos matemáticos de organização e

planeamento da produção, que publicou em 1939.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

9

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Natureza de IO (1) O que é a Investigação
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Natureza de IO (1)
Natureza de IO (1)
O que é a Investigação Operacional?
O que é a Investigação Operacional?
Natureza de IO (1) O que é a Investigação Operacional? Como o seu nome indica: IO
Natureza de IO (1) O que é a Investigação Operacional? Como o seu nome indica: IO

Como o seu nome indica:

IO é investigação das operações

seu nome indica: IO é investigação das operações Investigação das operações ( actividades ) duma
seu nome indica: IO é investigação das operações Investigação das operações ( actividades ) duma

Investigação das operações (actividades) duma organização

das operações Investigação das operações ( actividades ) duma organização Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 10

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

10

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Natureza de IO (2) O que é a Investigação
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Natureza de IO (2)
Natureza de IO (2)
O que é a Investigação Operacional?
O que é a Investigação Operacional?
Natureza de IO (2) O que é a Investigação Operacional? Uma abordagem científica na tomada de
Natureza de IO (2) O que é a Investigação Operacional? Uma abordagem científica na tomada de

Uma abordagem científica na tomada de decisões

Uma abordagem científica na tomada de decisões Um conjunto de métodos e modelos matemáticos aplicados
Uma abordagem científica na tomada de decisões Um conjunto de métodos e modelos matemáticos aplicados

Um conjunto de métodos e modelos matemáticos aplicados à resolução de complexos problemas nas operações (actividades) duma organização

à resolução de complexos problemas nas operações (actividades) duma organização Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 11

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

11

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Características da IO. Quais são as características fundamentais
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Características da IO.
Características da IO.
Quais são as características fundamentais da IO?
Quais são as características fundamentais da IO?
 A aplicação de métodos científicos na gestão das organizações;  A orientação sistémica; 
 A aplicação de métodos científicos
na gestão das organizações;
 A orientação sistémica;
 A extensibilidade.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

12

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Impacto da IO A IO tem provocado um significativo
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Impacto da IO A IO tem provocado um significativo
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Impacto da IO
Impacto da IO
de Engenharia – Investigação Operacional Impacto da IO A IO tem provocado um significativo impacto na
A IO tem provocado um significativo impacto na gestão e administração de empresas em diferentes
A IO tem provocado um significativo impacto na
gestão e administração de empresas em diferentes
organizações.
Os serviços militares dos E.U. continuaram a trabalhar
activamente nesta área.
Com o desenvolvimento da informática nas últimas
décadas, a IO tem sido estendida a numerosas
organizações.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

13

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Algumas Aplicações da IO… Organização Aplicação Ano
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Algumas Aplicações da IO…
Algumas Aplicações da IO…

Organização

Aplicação

Ano

Economia Anual

(US$)

The

Desenvolver a política nacional de gestão de recursos hídricos, inclusive a combinação de novas instalações, procedimentos e tarifas.

   

Neederlands

1985

15 milhões

Rijkswaterstaat

 

Reestruturar a cadeia global de

   

Digital

Equipment

Corp.

abastecimentos de fornecedores, fábricas

industriais centros de produção e áreas de mercado.

1995

800 milhões

China

Seleccionar e programar, de forma optimizada, projectos em grande escala para atender a necessidades futuras de energia do país.

1995

450 milhões

Forças de Defesa da África

Redesenhar de forma optimizada, o tamanho e o formato as forças de defessa e

1997

1,1 bilhões

do Sul

o seu sistema de armamento.

14

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional IO: Ciência da Administração Denominada “ a ciência da
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
IO: Ciência da Administração
IO: Ciência da Administração

Denominada “a ciência da administração”, a sua utilização e

implementação tem sido estendida à:

business ;

economia;

industria ;

industria militar;

engenharia civil;

Governos;

hospitais, etc.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

15

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Programação = Os Ramos da IO. Planeamento de Actividades
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Programação =
Os Ramos da IO.
Planeamento de
Actividades
Quais são os ramos mais importantes
desenvolvidos na IO?
• PROGRAMAÇÃO MATEMÁTICA
 Programação Linear (LP)
 Problemas de distribuição de recursos;
 Problemas de transporte;
 Problemas de planeamento da produção;
 Problemas de corte de materiais, etc.
 Programação Não Linear;
 Programação Dinâmica;
 Programação Inteira;
 Optimização Global.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

16

Outros Ramos da IO. Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Quais são outros ramos da
Outros Ramos da IO.
Outros Ramos da IO.

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional

Quais são outros ramos da IO? OUTROS RAMOS DA IO são:  Análise Estatística; 
Quais são outros ramos da IO?
OUTROS RAMOS DA IO são:
 Análise Estatística;
 Teoria de Jogos;
 Teoria de Filas;
 Organização do tráfego aéreo;
 Construção de barragens, etc.
 Simulação;
 Gestão de stocks, etc.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

17

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Campo de Aplicação de Investigação Operacional –Em
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Campo de Aplicação de Investigação Operacional –Em relação às pessoas:
Campo de Aplicação
de Investigação Operacional
–Em relação às pessoas:

Organização e Gerência; Absenteísmo e relações de trabalho;

Economia;

Decisões individuais; Pesquisa de mercado. Em relação às pessoas e máquinas (produção):

– Em relação às pessoas e máquinas (produção):  Eficiência e Produtividade;  Organização de Fluxos
– Em relação às pessoas e máquinas (produção):  Eficiência e Produtividade;  Organização de Fluxos

Eficiência e Produtividade;

Organização de Fluxos em Fábricas; Métodos de Controle de Qualidade, inspeção e amostragem; Prevenção de acidentes; Organização de mudanças tecnológicas. Em relação aos movimentos:

mudanças tecnológicas. – Em relação aos movimentos:  Transporte, estoque, distribuição e manipulação
mudanças tecnológicas. – Em relação aos movimentos:  Transporte, estoque, distribuição e manipulação

Transporte, estoque, distribuição e manipulação (Logística); Comunicação.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

18

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Esquema Geral Definição do Problema Implementação Domínio
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Esquema Geral
Esquema Geral
de Engenharia – Investigação Operacional Esquema Geral Definição do Problema Implementação Domínio
Definição do Problema Implementação Domínio
Definição
do Problema
Implementação
Domínio
Geral Definição do Problema Implementação Domínio Formulação Modelação Solução Avaliação Decisão 19
Geral Definição do Problema Implementação Domínio Formulação Modelação Solução Avaliação Decisão 19

Formulação

do Problema Implementação Domínio Formulação Modelação Solução Avaliação Decisão 19 Prof. Doutor

Modelação

Problema Implementação Domínio Formulação Modelação Solução Avaliação Decisão 19 Prof. Doutor Engº Jorge

Solução

Implementação Domínio Formulação Modelação Solução Avaliação Decisão 19 Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Avaliação

Implementação Domínio Formulação Modelação Solução Avaliação Decisão 19 Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu
Implementação Domínio Formulação Modelação Solução Avaliação Decisão 19 Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Decisão

Implementação Domínio Formulação Modelação Solução Avaliação Decisão 19 Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

19

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional 1º Passo: Formulação(1) É muito difícil procurar uma solução
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional 1º Passo: Formulação(1) É muito difícil procurar uma solução
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
1º Passo: Formulação(1)
1º Passo: Formulação(1)

É muito difícil procurar uma solução “certa” para um problema mal formulado !!!

Primeiramente a equipa de IO deve formular correctamente o problema em estudo.

O problema deve ser analisado a partir de um sistema integrado, onde interactuam várias componentes, todas elas interdependentes, para o qual é preciso obter uma solução óptima que satisfaça a todas elas.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

20

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional 1º Passo:Formulação(2) Para formular correctamente um problema
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
1º Passo:Formulação(2)
1º Passo:Formulação(2)

Para formular correctamente um problema de IO é preciso

definir correctamente:

os objectivos que se pretendem alcançar com a resolução do problema.

as restrições (limitações) existentes no sistema em geral, definidas pelas relações de interdependências entre as componentes integrantes do sistema.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

21

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional 2º Passo: Construção do Modelo Matemático. O que é
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional 2º Passo: Construção do Modelo Matemático. O que é
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
2º Passo: Construção do Modelo Matemático.
2º Passo: Construção do Modelo
Matemático.
O que é um modelo ?
O que é um modelo ?
Construção do Modelo Matemático. O que é um modelo ? Um modelo é uma representação simplificada
Construção do Modelo Matemático. O que é um modelo ? Um modelo é uma representação simplificada

Um modelo é uma representação simplificada de uma situação da vida real.

simplificada de uma situação da vida real. Um modelo reflecte a essência do problema, representando as
simplificada de uma situação da vida real. Um modelo reflecte a essência do problema, representando as
simplificada de uma situação da vida real. Um modelo reflecte a essência do problema, representando as
Um modelo reflecte a essência do problema, representando as relações de interdependência existentes entre todas
Um modelo reflecte a essência do problema, representando as
relações de interdependência existentes entre todas as componentes
da situação em estudo.

22

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional 2º Passo: Construção do Modelo Matemático. 
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
2º Passo: Construção do Modelo Matemático.
2º Passo: Construção do Modelo
Matemático.
Operacional 2º Passo: Construção do Modelo Matemático.  Conceitualmente, um modelo matemático ou simplesmente
 Conceitualmente, um modelo matemático ou simplesmente modelo, pode ser apresentado como uma representação de
 Conceitualmente, um modelo matemático ou simplesmente modelo,
pode ser apresentado como uma representação de um sistema real, o que
significa que um modelo deve representar um sistema e a forma como
ocorrem as modificações no mesmo.
 O acto de modelar, conhecido como modelagem, pode ser aplicado a um
grande número de problemas. Por exemplo, o estudo da análise
ambiental nas proximidades de um rio, a forma da asa de um avião, um
sistema económico, uma cultura agrícola, um estudo populacional, um
estudo físico, e até mesmo um sistema matemático como o conjunto dos
números naturais.

23

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Modelo Matemático O que é um modelo matemático? Produção
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Modelo Matemático
Modelo Matemático
O que é um modelo matemático?
O que é um modelo
matemático?

Produção (t/h)

Perdas %

20

1.2605

30

1.1445

40

1.0405

50

0.9485

60

0.8685

70

0.8005

80

0.7445

90

0.7005

100

0.6685

1.4 1.2 1 0.8 0.6 0.4 0.2 0 20 40 60 80 100 Perdas de
1.4
1.2
1
0.8
0.6
0.4
0.2
0
20
40
60
80
100
Perdas de calor q5 [%]

Produção [t/h]

40 60 80 100 Perdas de calor q5 [%] Produção [t/h] Per = -0,0074 ·Pro +
Per = -0,0074 ·Pro + 1,3525 R² = 0,9674 1.4 1.2 1 0.8 0.6 0.4
Per = -0,0074 ·Pro + 1,3525
R² = 0,9674
1.4
1.2
1
0.8
0.6
0.4
0.2
0
20
40
60
80
100
Produção [t/h]
Perdas de calor q5 [%]
Per= 6 ·10 -05 Pro 2 – 0,0146 ·Pro + 1,5285 R² = 1 1.4
Per= 6 ·10 -05 Pro 2 – 0,0146 ·Pro + 1,5285
R² = 1
1.4
1.2
1
0.8
0.6
0.4
0.2
0
20
40
60
80
100
Produção [t/h]
Perdas de calor q5 [%]

24

40 60 80 100 Produção [t/h] Perdas de calor q5 [%] 24 A modelação matemática dum
A modelação matemática dum problema possibilita uma melhor compreensão da essência do mesmo !!!
A modelação matemática dum
problema possibilita uma melhor
compreensão da essência do mesmo !!!

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Modelo Matemático de um Problema de Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Modelo Matemático de um Problema de Investigação Operacional
Modelo Matemático de um Problema
de Investigação Operacional
Matemático de um Problema de Investigação Operacional • Um modelo matemático de um Problema de
Matemático de um Problema de Investigação Operacional • Um modelo matemático de um Problema de

Um modelo matemático de um Problema de Investigação Operacional é definido por:

–
Problema de Investigação Operacional é definido por: – um número N de decisões a ser tomadas,
Problema de Investigação Operacional é definido por: – um número N de decisões a ser tomadas,

um número N de decisões a ser tomadas, denominadas variáveis de

decisão;
decisão;

uma função matemática, que representa a medida da vantagem

função matemática, que representa a medida da vantagem ( desvantagem ) da tomada de decisão denominada

(desvantagem) da tomada de decisão denominada função objectivo;

um conjunto de restrições associadas às variáveis de decisão denominadas restrições do modelo;

variáveis de decisão denominadas restrições do modelo ; – um conjunto de constantes (coeficientes) da função

um conjunto de constantes (coeficientes) da função objectivo e das

restrições

(coeficientes) da função objectivo e das restrições denominadas parâmetros do modelo. Prof. Doutor Engº Jorge

denominadas parâmetros do modelo.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

25

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Aspectos fundamentais a ter em conta durante a modelação
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Aspectos fundamentais a ter em conta durante a modelação (I)
Aspectos fundamentais a ter em
conta durante a modelação (I)

1. Simplificar sem perder a essência do problema.

CUIDADO !!!: a simplificação do modelo deve

corresponder à realidade, de tal forma que as soluções

obtidas através do modelo matemático possam

realmente ser aplicadas na vida real.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

26

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Aspectos fundamentais a ter em conta durante a modelação
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Aspectos fundamentais a ter em conta durante a modelação (II)
Aspectos fundamentais a ter em
conta durante a modelação (II)

2. Processo em espiral

O processo de modelação desenvolve-se em forma de espiral, começando por uma

representação simplificada do problema, até se chegar depois de vários ciclos a uma representação mais próxima da situação em estudo na vida real.

Um problema pode ser reformulado se:

Durante a etapa da avaliação os resultados demonstram que é preciso uma reformulação do problema incorporando novas restrições, alterando os valores de alguns dos parâmetros, etc

Depois de avaliadas e implementadas as soluções, pretende-se agora avançar para uma etapa mais complexa de resolução.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

27

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Aspectos fundamentais a ter em conta durante a modelação
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Aspectos fundamentais a ter em conta durante a modelação (III)
Aspectos fundamentais a ter em
conta durante a modelação (III)

3. Processo em espiral …

Este processo de reformulação e remodelação pode

repetir-se, até que o modelo desenvolvido e as suas

soluções representem, o mais fielmente possível, a

complexidade do problema em estudo, e as soluções

implementadas satisfaçam completamente os principais

objectivos traçados.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

28

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Aspectos fundamentais a ter em conta durante a modelação
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Aspectos fundamentais a ter em conta durante a modelação (IV)
Aspectos fundamentais a ter em
conta durante a modelação (IV)

4. Escolha do modelo certo

Na maioria das situações, o problema pode ser

representado por modelos e problemas tipo já

desenvolvidos pela IO. Neste caso, formular

matematicamente o problema não é mais do que

convertê-lo em certos modelos e problemas tipo da IO

(modelos de Programação Linear, Programação

Dinâmica, Problema de Transporte, etc.)

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

29

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional 2º Passo: Construção do Modelo Matemático. A IO estrutura
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional 2º Passo: Construção do Modelo Matemático. A IO estrutura
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
2º Passo: Construção do Modelo Matemático.
2º Passo: Construção do Modelo
Matemático.
A IO estrutura e formula um problema de Investigação Operacional da vida real dentro dum
A IO estrutura e formula um problema de Investigação
Operacional da vida real dentro dum modelo matemático
que reflecte a essência do problema, de forma que as
decisões (soluções) obtidas, possam ser aplicadas na
situação real.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

30

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional 3º Passo: Resolução. Determinação de uma solução. Uma vez
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
3º Passo: Resolução. Determinação de uma solução.
3º Passo: Resolução.
Determinação de uma solução.
3º Passo: Resolução. Determinação de uma solução. Uma vez realizada a formulação matemática do problema, é

Uma vez realizada a formulação matemática do problema, é preciso aplicar métodos e algoritmos desenvolvidos para a resolução do correspondente

modelo de IO. Para isto podem ser utilizados muito dos softwares e pacotes

de computação disponíveis para a resolução de problemas de IO. Se o modelo foi correctamente formulado, a solução obtida pode ser uma boa

aproximação da solução a implementar na situação real. “Pode ser” em lugar

de “é”. Qualquer modelo, como representação do problema, possui um certo grau de incerteza, motivado fundamentalmente pelas simplificações efectuadas. Realmente uma solução óptima do modelo pode estar longe de ser a solução óptima na situação real.

31

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional 3º Passo: Resolução. Análise de sensibilidade e
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
3º Passo: Resolução. Análise de sensibilidade e Pós-optimização
3º Passo: Resolução.
Análise de sensibilidade e Pós-optimização
Resolução. Análise de sensibilidade e Pós-optimização Neste passo é incorporada outro tipo de análise denominada

Neste passo é incorporada outro tipo de análise denominada "análise de sensibilidade e pós-optimização" em que é abordado o comportamento da

solução óptima quando são efectuadas pequenas alterações em certos

parâmetros do modelo. Para isto, é preciso determinar quais são os parâmetros do modelo que mais influenciam a solução óptima (denominados parâmetros

sensíveis”).

A análise de sensibilidade e pós-optimização possibilita um espectro mais alargado de soluções quando ocorrem alterações nestes parâmetros “sensíveis”. Uma vez concluído este passo, a equipa de IO, está pronta para avaliar várias propostas de modelos e as respectivas soluções óptimas .

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

32

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional 4º Passo: Avaliação Neste passo serão avaliados, quer o
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
4º Passo: Avaliação
4º Passo: Avaliação
– Investigação Operacional 4º Passo: Avaliação Neste passo serão avaliados, quer o modelo escolhido, quer

Neste passo serão avaliados, quer o modelo escolhido, quer as soluções

obtidas. Dependendo das conclusões da avaliação, será determinado o

passo a seguir:

se a avaliação é satisfatória:

proceder à tomada de decisão, que

prepara as condições para a

implementação da solução obtida na situação real. se a avaliação é não satisfatória:

proceder à reformulação, remodelação e resolução do novo modelo, a partir dos resultados obtidos no processo de avaliação

e também na análise de pós-optimização.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

33

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional 5º Passo: Tomada de decisão Uma vez concluída satisfatoriamente
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
5º Passo: Tomada de decisão
5º Passo: Tomada de decisão

Uma vez concluída satisfatoriamente a etapa de avaliação, é

preciso elaborar um relatório bem documentado que possibilite a implementação da situação obtida na situação real.

a implementação da situação obtida na situação real. Este relatório deve incluir: o modelo escolhido; uma
a implementação da situação obtida na situação real. Este relatório deve incluir: o modelo escolhido; uma

Este relatório deve incluir:

o modelo escolhido; uma metodologia bem detalhada com todos os passos que sejam necessários seguir para a implementação da solução

obtida.

34

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional 6º Passo: Implementação. Neste passo efectua-se a
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
6º Passo: Implementação.
6º Passo: Implementação.
– Investigação Operacional 6º Passo: Implementação. Neste passo efectua-se a implementação das soluções

Neste passo efectua-se a implementação das soluções obtidas usando a metodologia elaborada. No processo de implementação é preciso envolver activamente a administração e todas as componentes da organização que actuam no sistema em estudo.

da organização que actuam no sistema em estudo. Como foi mencionado no 2.º Passo, depois de

Como foi mencionado no 2.º Passo, depois de se terem implementado as soluções, pode ser necessário avançar para uma etapa mais complexa do problema, incluindo alguns elementos novos. Neste caso, inicia-se um novo ciclo para a resolução do problema em causa, só que agora com um nível superior de complexidade do mesmo.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

35

Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional Conclusões A formulação e resolução de modelos matemáticos
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Faculdade de Engenharia – Investigação Operacional
Conclusões A formulação e resolução de modelos matemáticos para os Problemas de Investigação Operacional
Conclusões
A formulação e resolução de modelos matemáticos para os
Problemas de Investigação Operacional representam
apenas uma parte de todo o processo que envolve um
estudo de Investigação Operacional.
Os outros passos aqui mencionados, também são de
grande importância para o sucesso da resolução do
problema em estudo.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

36