Quadrinhos nas aulas de Arte

O Menino Esperto Tatá é um menino muito esperto. Ele tem 6 anos e já sabe escrever seu nome. Ele gosta de brincar com seu amiguinho Luiz. Luiz chamou Tatá para brincar. Tatá falou: – Espera que vou pedir para a minha mãe. - Oba a minha mãe deixou!

O dia estava muito quente. Por isso Tatá e Luiz foram acampar lá na praça. Levaram brinquedos e passaram o dia inteiro brincando. Depois chegaram a Mônica e o Cebolinha convidando-os para tomar Sorvete. Tomaram o sorvete e como já era noite voltaram para casa. No caminho pararam para tirar fotografias das árvores que eram grandes e muito bonitas. Ivanilda Carolina Souza 1º segmento. Termo III- 2006

Uma boa técnica para se trabalhar em artes são os quadrinhos. É uma técnica bem versátil, que possibilita a interdisciplinaridade. Na escola onde trabalhamos esta técnica, houve a união de duas disciplinas: Arte e Língua Portuguesa. Nosso objetivo com esse trabalho foi ensinar os alunos a construir um texto com princípio, meio e fim. Propusemos a eles que escrevessem uma historinha que vivenciaram quando criança. Nessa ocasião os alunos não se sentiram à vontade para criar uma história, mas aceitaram contar um ocorrido no passado, ou dos netos, o que foi muito bom, pois passaram a entender melhor como construir textos. Paralelamente, a disciplina de Artes teve como objetivo consolidar essa aprendizagem na prática ao ilustrar três quadrinhos seqüenciais, cada qual representando um conceito trabalhado na Língua Portuguesa: no primeiro quadro, foi ilustrado o princípio da história; no segundo, o meio e no terceiro, o fim. Ao mesmo tempo eles aprendiam,

O menino chorava muito. Um belo dia ele foi caçar e o filho queria ir junto. Uma das adequações feitas nesse projeto foi em função da dificuldade desses alunos para desenhar. Alexandre. Como usar as histórias em quadrinhos na sala de aula. Paulo. mas ficou chorando. VERGUEIRO. Mas o pai não deixou porque ele queria levar o cachorro. RAMOS. Zelinda 1º segmento termo III 2006 . as histórias e fotos dos trabalhos relacionados abaixo: A caça Seu José gosta muito de caçar tatu. então propusemos que selecionassem revistas. essa arte é muito indicada para o desenvolvimento infantil. VILELA. Ângela. São Paulo: Contexto. nossas crianças são extremamente curiosas! Explorem essa técnica com elas e deixem que liberem sua criatividade! Este trabalho foi divulgado pelo CEAM. A mãe veio e disse: – Deixa ele levar o cachorro! Mas o pai não deixou. Túlio. A leitura do livro: RAMA. Recomendo: Uma visita a quatro sites: um com o históricos dos quadrinhos . gibis. Aliás. O menino obedeceu ao pai. primeiro e segundo planos. “tecendoCidadaniacomARTE”. Embora essa técnica tenha sido usada com jovens e adultos. jornais para recortar e colar. – Eu quero o meu cachorro! – Você não vai levar o cachorro! Dizia o pai. outro com atividades para se trabalhar quadrinhos com crianças Oficina de Educação Através de História em Quadrinho e para o educador A nona arte HQs e também. para compor suas ilustrações. Waldomiro. conceitos de equilíbrio das cores. Confira. BARBOSA. perspectiva. também. lateralidade.também. 2006. visão espacial. em seu jornal online EDUCA-AÇÃO da Universidade São Judas Tadeu.

cabra. Eles tinham um cachorro de nome Lilo. Um dia Lilo saiu de casa e demorou para voltar. tinha pouco tempo para levá-los ao cinema. Maria José 1º segmento termo III. Amara Maria da Conceição 1° segmento termo III. Deste dia em diante. Com as dificuldades da vida meus pais me mandaram para São Paulo. e tinham plantação de milho. Lembro-me que minha mãe ia procurar alimento na casa da minha tia para dar aos meus irmãos. soltando o cachorro. Meus filhos ainda eram pequenos. Meus pais lutaram muito para sobreviver. Eles ficaram para vir depois. batata doce. pois tinham que resolver alguns problemas. foi um tempo muito gostoso. e fava. Eles adoravam brincar no quintal e na praça com o cachorro. Murilo colocou uma coleira no cachorro e nunca mais o deixou sair sozinho. mandioca.2006 A Confusão Tudo aconteceu há algum tempo atrás. ou festas de aniversário dos amigos. e logo em seguida vieram meus irmãos. Na roça eles criavam gado. Quando Eduardo viu o cachorro vindo em sua direção subiu na mesa do bolo e foi uma confusão danada. Eduardo tinha muito medo de cachorro. Encontraram Lilo no meio das flores. Eles moravam na roça e resolveram vir para São Paulo porque a vida na roça era muito difícil. Tinha tanto medo. parques. – Ufa! Foi só um susto. galinha. Como eu trabalhava fora. que quando foi no aniversário do primo Alexandre quiseram fazer uma brincadeira com ele. Não víamos a hora de meus .2006 Alita e João Esta é a história de meus pais.Mônica e Murilo Esta é história de Mônica e Murilo. algodão. Os dois ficaram desesperados e saíram para procurá-lo. feijão.

pais chegarem também. Faz todo mundo de bobo. O macaco desta história é um tremendo “cara-de-pau”.2006 A Festa no Sítio O mês de junho é o mês das festas juninas. Chegando lá na cidade lembramos que tínhamos que falar com o padre e aproveitamos para convidá-lo para a nossa festa. é um macaco legal. Fui ao sitio de minha mãe em Bragança Paulista. Dançamos até o dia amanhecer. Seu amigo . Severina Termo III Iº Segmento.2006 Os Macacos Certos macacos são como algumas crianças. Milva 1° segmento – Termo II – 2006. O Menino Rogério Era uma vez um menino que se chamava Rogério. Então fomos buscar ovos para fazer vários bolos. que vivem por aí fazendo “estripulia”. batata doce e gengibre para fazer quentão. Finalmente é chegado o dia de meus pais pegaram o ônibus a caminho da cidade para se juntarem á nós. Ele saiu de casa para trabalhar e quando chegou lá. Foi umafesta maravilhosa. Neide 1º segmento. Chegando lá resolvemos fazer uma festa. Mas. teve uma grande surpresa. Festa junina sem fogueira não é festa junina. Puxam os cabelos dos outros e roubam frutas do quintal do vizinho. cria confusão. compramos pinhão. Depois fomos atrás da lenha para a fogueira. Termo III. pipoca.

Mas apesar de toda esta poluição não só deste rio. e a visual… São Paulo possui a melhor vida noturna! Maria José Pereira 1° segmento – Termo VI – 2006. pois seu pai fez sua inscrição na corrida de cavalos que será no próximo sábado. as estrelas brilham. Pedrinho. É quinta feira. Danielle 1° segmento-Termo VI-2006. Rio Tietê: da Nascente à Noite Paulistana Na cidade de Salesópolis é onde se encontra a nascente do rio Tiête. Ele passa por outras cidades até chegar a São Paulo. Juninho. adamirando toda aquela beleza sua mãe comenta: . Juninho chega feliz. Juninho é o mais velho. Jorginho e Verinha. Cleusa Gomes Bezzera 1° segmento – Termo VI – 2006. é lua cheia. . o céu está bonito. Para completar tanta beleza. perto dela. mas também a sonora. do ar. Chegando aqui já poluído com tanta sujeira. O Sonho de Juninho Seu José e Dona Rita. sendo impossível encontrara vida nele.Bruno falou para ele que aquele trabalho estava muito ruim e pediu para o Rogério que fosse trabalhar com ele. moram no sítio e eles têm quatro filhos.Que noite linda! – falando para seus irmãos que estavam ali. ele gosta de andar a cavalo e seu sonho é de ganhar uma corrida de cavalos.

Ela falou: . Uma Família Feliz Dona Dalva tem um único filho chamado Júnior. resolveu chamar o Cascão. mas não conseguiu nenhum peixe.Junior. escondeu-se entre as árvores de sua casa para que Sr. Chico Bento ficou tentando pescar. Joelma de Souza Sanna 1° segmento – Termo VI – 2006. E assim foi mais um domingo. Cláudio não a visse e viu que Junior ficou uma fera! Cláudio viu a tristeza de seu filho e ficou pensativo. o pai de Júnior viu o menino com o cachorro e falou: . Dona Dalva. . que saiu correndo e atropelando.A Pescaria que não Deu Certo Amanheceu e Chico Bento decidiu ir pescar. Um dia ela viu o menino brincando e alimentando um cachorro.Eu estou indo jogar bola! Nervoso ele resolveu ir sozinho pescar. se arrumou e saiu. O cascão disse que não ia pescar porque estava brincando de carrinho. Cláudio resolveu trazer o cachorro e ele mesmo o alimentou. No dia seguinte Sr.Eu não quero você com esse cachorro. vou levá-lo embora. dizendo: . seu pai não vai gostar de ver você com este cachorro! Outro dia o Sr. Então ele resolveu chamar o Zé Lelé. porque era domingo e também ele estava com vontade de comer peixe. Ele levantou-se. mas na querendo ir sozinho. Comprou uma vara e foi direto para o rio. Cláudio. Chico Bento ficou desanimado e achou melhor comprar um peixe. por horas e horas… Ficou na beira do rio tentando pescar por muito tempo.

Maria Alice Pereira Araújo 1° segmento – Termo IV – 2006. quando viu a alegria de Júnior.Como é bom ver nosso filho feliz. . .Dona Dalva. não é? E foram felizes também brincar com Júnior e seu cachorro. disse para seu marido.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful