Fonética e Fonologia – conceitos básicos, classificação dos fonemas, sílabas, encontros vocálicos, encontros consonantais, dígrafos, vogais, semivogais e separação de sílabas, ortoépia. Capítulos 5 e 6

 

Ortografia – conceitos básicos, o alfabeto, orientações ortográficas, uso do porque, uso do hífen, crase. Acentuação – conceitos básicos, acentuação tônica, acentuação gráfica, os acentos, aspectos genéricos das regras de acentuação, as regras básicas, as regras especiais, hiatos, ditongos, formas verbais seguidas de pronomes, acentos diferenciais.

Morfologia – estrutura e formação das palavras, conceitos básicos, derivação e composição, prefixos, sufixos e afixos, radicais, tipos de composição, verbos regulares e irregulares, verbos auxiliares, verbos defectivos, classe de palavras, flexão nominal e verbal, emprego de locuções, substantivo, artigo, adjetivo, numeral, pronome, locução verbal, advérbio, preposição, conjunção, interjeição e vozes verbais.

 

Sintaxe – predicação verbal, concordância verbal e nominal, regência nominal e verbal, pontuação, colocação de pronomes, orações subordinadas coordenadas. Termos ligados ao verbo – adjunto adverbial, agente da passiva, objeto direto e indireto, advérbio, vozes verbais, termos essenciais da oração, termos integrantes da oração, termos acessórios da oração, período, sintaxe de concordância, sintaxe de regência, sintaxe de colocação, funções e empregos das palavras que e se, sinais de pontuação.

     

Semântica – Sinônimos, antônimos, denotação e conotação. Figuras de linguagem – eufemismo, hipérbole, ironia, prosopopeia, catacrese, paradoxo. Figuras de linguagem – comparação, catacrese, metonímia. Figuras de construção – Elípse, hipérbato, pleonasmo, silepse. Figuras de pensamento – antítese, vícios de linguagem. Narração, dissertação, descrição, tipos de discurso e coesão textual.

sem ela não há sílaba. porém pronunciado mais fraco. por isso. Sílaba  Fonema ou grupo de fonemas pronunciados numa só emissão de voz.  Sílaba Átona – É a pronunciada com baixa intensidade. SÇ. I – U podem ser substituídos por Y – W  Exemplos: Boy – Boi Saudade – Sawdade  Consoantes – A corrente de ar vinda dos pulmões encontra obstáculos (língua. SC.Fonética e Fonologia Fonema  Menor unidade sonora da palavra Funções do fonema  Sozinho ou ao lado de outros fonemas constituem palavras e distingue uma palavra da outra A escrita representa os sons da fala Letra  Representação gráfica dos fonemas da fala Dígrafo e Difono  Combinações de duas letras que representam um único fonema. Polissílaba.  Sílaba Tônica – É a pronunciada com mais intensidade. Dissílaba. = S – AM. lábios).  Classificação das palavras quanto ao número de sílabas – Monossílaba.  Exemplos: LH – NH – QU – RR – SS. A base da sílaba é a vogal. Trissílaba. não constrói sílaba sozinho e sempre acompanha uma vogal. dentes. Classificação das palavras quanto à posição da sílaba tônica  Quanto à posição da sílaba tônica. com baixa intensidade. AN = Ã Classificação dos fonemas  Vogal – Base da silaba  Semivogal – É o fonema produzido pela vogal. as palavras de duas ou mais sílabas classificam-se em: .

Tremer. Platina. ex. Pelo fato de uma semivogal sozinha não poder constituir sílaba. cis. Proparoxítonas: quando a sílaba tônica é a antepenúltima sílaba da palavra: Dramático.   Oxítonas: quando a sílaba tônica é a última sílaba da palavra.  Separam-se: Hiatos. dis. trans.  Exemplo: Clave. as vogais dos hiatos ficam sempre em sílabas separadas. Exemplo Soluçou – Pará. não se pode dividir o ditongo silabicamente. nh. prefixos(bis. Como só pode haver uma vogal em cada sílaba. Por conter uma única vogal. dígrafos (rr – ss – sc – sç – xc). cç). Exemplo: Quaisquer = Qu – a – i – s – quer Encontro consonantal  Agrupamento de consoantes numa mesma palavra. Divisão silábica  Não se separam: Ditongos. o tritongo é indivisível silabicamente. ch. Exemplo: Caída = Ca – i – da  Ditongo: É o encontro de uma vogal e uma semivogal. Encontros vocálicos  É uma união de fonemas vocálicos – vogais ou semivogais – em uma mesma sílaba ou em sílabas diferentes. qu. encontros consonantais (cc. .  Hiato: É o encontro de duas vogais. Exemplo: Urso. Paroxítonas: quando a sílaba tônica é a penúltima sílaba da palavra. dígrafos (lh. Cédula. tritongos. Exemplo: Canção = Can – ção  Tritongo: É o encontro de uma semivogal + uma vogal + semivogal. Lisetta. e consoantes não seguidas de vogal (Apto – Apto). gu) encontros consonantais.

Mexer – Mexilhao.Agem – Igem – Ugem. Jiboia  G usa-se nas terminações: Ágio – Égio – Igio – Ogio – Ugio. Exemplo: Não sei por que ele se ofendeu. porque ele esta com a razão?  Porquê – Quando a expressão for substantivada. uma vez que.E depois de me inicial.Você brigou por quê ?  Porque – Quando a expressão equivale a – Pois. Duas exceções Pajem e Lambujem.        Exemplo: Por que você demorou tanto? Sempre que estiverem subentendidas as palavras motivo e razão.  Exemplo: O diretor negou-se a explicar o porquê da sua decisão. . Exceção Mecha. Emprego Z ou S  Z usa-se nos sufixos ez – eza – Usados para formar substantivos abstratos derivados de adjetivos. para que.  Exemplo: Não responda. Exemplo: Por que os governos substituiu o ministro da economia  Por quê – Quando a expressão aparece no final da frase ou sozinha. situação em que é sinônimo de motivo e razão. E depois de EN inicial – Enxurrada – Enxarcada – Exceções – Encher – Encharcar – Enchumaçar e derivados dessas. Em títulos.  Exemplo: Você brigou ? Por quê? .Ortografia Emprego J ou G  J usa-se nas palavras de origem árabe. africana e indígena. Emprego X ou CH  X usa-se depois de um ditongo – Peixe . Exemplo: A estrada por que passei está esburacada. Quando a expressão puder ser substituída por: Para que ou Pelo qual. O restante é ch. Exemplo: Rico – Riqueza Porquês  Por que – Interrogativas diretas e indiretas.

sem-número. porto-alegrense. como: ponte Rio-Niterói. Antes de nomes de lugares determinados pelo artigo. morada.  Nos encadeamentos de vocábulos. Alsácia-Lorena. Crase  Fusão de duas vogais idênticas a+a  Artigo feminino – Exemplo: Exceto para quem é alérgico à qualidade. pé-de-meia. água-de-colônia. arco-íris. Angola-Brasil. erva-doce. etc. queima-roupa. aquela. Em palavras compostas por espécies botânicas e zoológicas: couve-flor. Não ocorre crase quando indica lar. lança-o e amá-loei. Exemplo: Fiz uma excursão a Roma – Fiz uma excursão à Roma de meus avós.e pró-: pré-natal. nos termos que se unem para formam um novo significado: tio-avô. vice-prefeito. etc. recém-nascido. as locuções não possuem hífen. bem-me-quer. mais-que-perfeito. luso-brasileiro. pró-europeu. recém e sem: além-mar. Nas formações com os prefixos ex-. abraça-o. etc. abóbora-menina.  Nos compostos com elementos além. Exemplo: À proporção que se aproximava o dia da entrega do prêmio. bem-te-vi.  Na ênclise e tmese: amá-lo. ex-presidente. Nas formações com os prefixos hiper-. eva-do-chá. dá-se. pré. arco-davelha. segunda-feira. recém-casado. super-racional. pós-graduação. vice-: ex-diretor. Exemplo: Estou em casa . residência.quando associados com outro termo que é iniciado por r: hiper-resistente. Exemplo: À direita ficava o quartinho de despejos.  Ocorre crase:     Locuções adverbiais e prepositivas formadas por substantivos femininos. primeiro-ministro.Hifen  Em palavras compostas por justaposição que formam uma unidade semântica. falar-lhe-ei. etc. conta-gotas. vicegovernador. inter. Nas expressões na medida que. Exemplo: Voltamos à antiga casa de nossos pais um dia destes. pré-escolar. percurso Lisboa-Coimbra-Porto e nas combinações históricas ou ocasionais: Áustria-Hungria.  No geral.e super. mas algumas exceções continuam por já estarem consagradas pelo uso: cor-de-rosa. aquém. azul-escuro. guarda-chuva.  Pronomes demonstrativos – Exemplo: Aquele. deixá-lo. feijãoverde. interracial. etc. na proporção que. tenente-coronel. aquilo. aquém-fiar. Antes da palavra casa se ela for determinada. ou seja.     Nas formações com os prefixos pós-. deus-dará.

Parabéns. Exemplo: Saí. eis. em. desceram a terra. u. Táxi. us. companhia mesmo diante de palavras masculinas. Exemplos: Tórax. PS. Ã. Exemplo: Pá. eu. Exemplo: O diretor fez uma advertência a sua irmã (ou à sua irmã)..  Quando estão subentendidas as expressões à moda de. ÃOS. US. Exemplo: A nave espacial russa voltou à terra.  Acentua-se palavras oxítonas terminadas em a. – Diante de pronomes possesivos femininos. balaústre. Exemplo: Vatapá.  Acento gráfico – Sinal utilizado para indicar a silaba tônica de certas palavras. apoio.Diante de pronomes propios femininos.  Palavras terminadas em guem são acentuadas Exemplo: Álibi. pé. i. chápeu.  Acentua-se hiatos tônicos em i. Exemplo: Os marinheiros. is. UNS. ois. pás. iS. es. Antes da palavra terra. a palavra terra não admite artigo e. oi. assim que o navio atracou no cais. N. ens.  Acentua-se as palavras paroxítonas terminadas em R. seguidos de nh na sílaba seguinte. não são acentuadas: rainha.  Acentua-se todas as palavras proparoxítonas. e ditongo. – Na locução prepositiva até a. à maneira de ou palavras como faculdade. Exemplo: Levou a discussão até as ultimas consequências. o. baú. Belém.. ÃO. Quando se opõe a bordo. . o. eus. portanto não ocorre a crase. L.  Facultativas . empresa. ÃS. as. os. es. os. Exemplo: Idéia. Esteriótipo.  Acentua-se ditongos abertos tônicos ei. Exemplo: Refiro-me ào FRJ. X. pó. Acentuação  Acento tônico – Corresponde a maior intensidade sonora com que se pronuncia certa silaba das palavras. tinha. Exemplo: Esta – Está. Exemplo: Procurou ser agradável a lia ( ou à Lia). Exceção: Os hiatos em i. Regras de acentuação gráfica  São acentuados apenas os monossílabos tônicos terminados em: A. as. bainha. UM. e. e.

etc. Palavras negativas (não. Já o pôde continua com acentuação para não ser confundido com pode (o mesmo verbo conjugado no presente). que significa para. a(s).  pêlo (substantivo/pelo (do verbo pelar)  Duas palavras fogem à nova regra: pôr (verbo) e pôde (o verbo conjugado no passado) continuam com o acento diferencial. nos.). ou no futuro do pretérito no modo indicativo desde que não haja condição de próclise. No caso do pôr é para evitar a confusão com a preposição por. . Colocação pronominal  Ordem direta Termos da orção se dispõe na sequencia: Sujeito+Verbo+Complemento: Obejto direto ou indireto + predicativo+ adjuntos.  Mesóclise – É a colocação do pronome quando o verbo se encontra no futuro do presente. lhe(s).  Emprego da próclise – Exercem atração sobre o verbo   Exemplo: Esqueci que a Danaê se mudou. nada.  Exemplo: Contar-lhe-ia o segredo. ninguém. nenhum.. não seguida de pausa(ponto. jamais. etc..Os pronomes pessoias oblíquos átonos: Me. se pudesse.  Colocação pronominal . se. Podem estar em três posições ao verbo ao qual se ligam.  Colocação: Modo de dispor na ordem direta ou inversa os termos que compõe uma oração. virgula). te. o(s). Danaê. Colocação pronominal em relação ao verbo  Ênclise – Colocação normal do pronome na variedade padrão.  Ordem inversa – Alteração na disposição dos termos.  Próclise: Colocação do pronome quando antes do verbo a palavras que exercem atração sobre ele.Acento diferencial:     pára (do verbo parar) e para (preposição) péla (do verbo pelar) e pela (união da preposição com o artigo) pólo (substantivo) e polo (uma forma quase em desuso que une por e lo) pêra (o substantivo) e péra (um substantivo em desuso que significa pedra). vos. Exemplo: Nunca nos revelou sua verdadeira identidade.  Exemplo: Deseje-me boa sorte. em oposição a pera (uma preposição que também não se usa mais. nem. nunca.

Exemplo: Deus lhe pague moço. Exemplo: Pensei que lhe dariam um emprego. Havendo virgula depois de palavra negativa ou adverbio. usa-se ênclise. Exemplo: Quem te acompanhou até aqui. Conjunção subordinativa. Orações optativas com sujeito antes do verbo. derivação e composição. Proclítico ou enclítico em relação ao verbo auxiliar Mesoclítico em relação ao verbo auxiliar se este estiver no futuro do presente ou futuro do pretérito. Exemplo: Para se desculparem enviaram a menina flores e bombons. Exemplo: Contrapor .  Tipos de derivação:  Derivação prefixal – Ocorre quando a um acréscimo de um prefixo ao radical. importar um termo de uma língua estrangeira ou alterar o significado de uma palavra antiga. Exemplo: Depois me dirigi ao balcão de informações. por meio de acréscimos de elementos que lhe alteram o sentido primitivo ou lhe acrescentam um novo sentido. não me meto. Derivação  Processo pela qual a partir da uma palavra se formam outras. se este estiver no infinitivo ou gerúndio.       Adverbio não seguido de virgula. Preposição em seguida de gerúndio.  Existem 2 processos comuns na formação de palavras. Colocação pronominal em relação aos tempo compostos e as locução verbais  Pronome obliquo pode estar    Enclítico em relação ao verbo principal. Exemplo: Em se tratando de brigas familiares. Pronomes relativos e indefinidos. Formação de palavras  Neologismo – palavra nova formada a partir de elementos já existentes. Infinitivo pessoal precedido de preposição. A palavra formada se chama derivada e que lhe da formação primitiva.

a festa estava um tremendo barato. normalmente o acento tônico. Algumas vezes a palavra não existe sem o prefixo. Exemplo: Planalto = Plano + alto . anti — significa "contra".  Composição por justaposição – Palavras associadas conservam sua autonomia fonética isto é. contramão etc. Derivação parassintética – Acréscimo simultâneo de um prefixo e um sufixo ao radical. Exemplo: Sobrar – Sobra  Derivação impropria – Mudança de sentido de classe gramatical.  Prefixos de oposição são prefixos que transformam o significado original de alguns radicais no seu sentido oposto. E . Fidalgo = Filho de algo. Exemplo: Passatempo  Composição por aglutinação – Palavras associadas se fundem num todo fonético. Exemplo: Atravessar – Radical = atravess Prefixo  Precede o radical nas palavras. Substantivos deverbais formados pela junção das vogais temáticas nominais : A. Radical  Significação básica da palavra. Exemplo: obcônica (forma de um cone com a ponta para baixo). Derivação prefixal e sufixal – Acorre quando a um acréscimo não simultâneo a um sufixo e de um prefixo a um radical. Exemplo: Arvoredo. É o      contra — significa "em oposição a".  Derivação regressiva – Eliminação de elementos terminais (desinências e sufixos). Podem apresentar formas substantivas ou femininas. e o primeiro componente perde alguns elementos. Exemplo: Cara. vogais e consoantes. Exemplo: Imperdoável. o — significa "em oposição a". Exemplos: antibiótico. Exemplo: paradoxo. Exemplo: Engarrafar.   Derivação sufixal – Acréscimo de um sufixo ao radical. Exemplos: contragolpes.  Podem ser de dois jeitos: Composição por justaposição ou aglutinação. Composição  Formação de palavras resultante da união de dois ou mais radicais. ao radical de um verbo. para — significa "contrário". Exemplo: oponente. antiofídico etc.O. cada componente conservam seu acento tônico e seus fonemas. ob — significa "invertido". .

origem e estado do ser. Indica-nos uma quantidade exata de pessoas ou coisas. Indicam ação. um acontecimento representado no tempo. funciona como um prefixo de oposição). Conjunções . Verbos . outro advérbio ou uma oração inteira.  Alguns prefixos de negação: in. o prefixo de negação se opõe ao significado original da palavra (neste caso. após o radical. fato.Classe de palavras quantitativas. Servem para representar um substantivo e para o acompanhar determinandolhe a extensão do significado.Classe de palavras que indicam as qualidades. Determinantes .  sufixo verbal: aquele responsável pela formação de um verbo: computador + izar. Adjetivos . des. Advérbios . podendo também modificar um adjetivo. Toda palavra que se pode conjugar. Sufixo  Adiciona-se ao final da palavras. em português apenas o sufixo -mente: feliz-mente Classes gramaticais  Classes principais: são a base do idioma e formam o núcleo das orações:            Substantivos . estado ou fenômeno.Classe de palavras de forma variável que exprimem o que se passa. O adjetivo é essencialmente um modificador do substantivo. im. i. Numerais .Classe de palavras invariáveis que ligam outras duas palavras ou duas orações. ou ser. an.  Algumas palavras não existem sem o prefixo de negação. á. É o caso de intocável.  sufixo nominal: aquele responsável pela formação de nome (substantivo ou adjetivo): pad-eiro. Em alguns casos.Classe de palavras que acompanham os substantivos. Interjeições -Classe de palavras invariáveis usadas para substituir frases de significado emotivo ou sentimental.  sufixo adverbial: aquele responsável pela formação de advérbio.Classe de palavras variáveis com que se designam e nomeiam os seres em geral. Prefixos de negação – são prefixos gramaticais que em geral negam o sentido original de uma palavra. Pronomes . determinando-os. dis. ou o lugar que elas ocupam numa série. .Classe de palavras invariáveis indicadoras de circunstâncias diversas. como também de substituir a sua referência. favel-ado.Classe de palavras invariáveis que ligam outras duas subordinando a segunda à primeira palavra.Classe de palavras com função de substituir o nome. isto é. Conectivos: Servem para estruturar a sintaxe de uma oração: Preposições . é fundamentalmente um modificador do verbo.

Não se pluraliza o adjetivo contraído grã. Exemplo: Amizade luso-brasileira – Amizade luso-brasileiras. as . Classificação  Definido: o.  Plural substantivos compostos – Pluralizaram-se (substantivo e adjetivo).  Flexão dos substantivos – Gênero(masculino feminino). grão. continuam Artigo  Palavra que antecede o substantivo. Exemplo: Grão-duques. desejos. advérbios interjeições. Adjetivo  É a palavra que caracteriza os seres. não pluraliza verbos.  Pode-se pluralizar apenas o primeiro substantivo se o segundo funcionar como especificador.  Classificação quanto a formação: Primitivo derivado. Grã-cruzes. Exemplo: Quadro politico-economico – Integração politico-economica.Substantivo  Palavras que designam serem visíveis ou não.em adjetivos compostos formam o feminino variando apenas o segundo elemento. numero e grau(no caso de adjetivo – superlativo e comparativo).  Locuções adjetivas – Amor de pai – Paterno / de manhã . simples composto.  Azul-marinha. pombos-correio. Classificação quanto à formação: Primitivo derivado.  Número – Plural em compostos variam apenas os segundos elementos. os. estados.Matutino  Flexão do adjetivo – Gênero. animados ou não. ideias. invariáveis. simples composto.  Genero do adjetivo. amarelo-canário. refere-se sempre a um substantivo explicito ou subentendido na frase no qual concorda em gênero e numero. definindo-o ou indefinindo-o. Exemplo: pés-decabra. grau(aumentativo e diminutivo). ações.    Nos compostos formados por palavras repetidas ou onomatopeias pluraliza-se o segundo elemento: Corre-corres. Dias da semana pluraliza os dois. a. com ou sem auxilio de preposição. sentimentos. azul-celeste. número(singular e plural). verde-oliva.

orações e frases expressas anteriormente. se. o. consigo. Indefinidos: um. lhe. que elas ocupam em uma determinada sequencia. as. coisas. os. Pronome  São palavras que substituem ou acompanham outras palavras. convosco. vós. conosco. principalmente os substantivos. ela. ele.  Pronome substantivo – funcionam como substantivo.  Exemplo – Feri-me com a tesoura. a.  Classificação:  Pronome pessoal do caso reto – funciona como complemento -: eu. tu. te. Classificação:  Cardinais – 1. uma. umas Numeral  Palavra que expressa quantidade exata de pessoas.2. uns. nos. comigo. eles. Locutário 2ª pessoa. Podem também remeter a palavras. nós. si.  Pronomes pessoais – designam diretamente uma das pessoas do discurso: Locutor 1ª pessoa. elas. vós. elas.  Pronome pessoal do caso oblíquo átono (usado sem preposição): me. eles. (a mim mesmo) .  Pronome reflexivo – da se nome de pronome reflexivo ao pronome oblíquo que se refere ao mesmo ser indicado pelo reto. dúzias. nós. contigo.3  Ordinais – 1º. se. vos. lugares. ele.  Pronome adjetivo – acompanha o substantivo Exemplo: Esta casa é mais confortável que a outra. consigo.  Pronome pessoal do caso oblíquo tônico (usado sem preposição): mim. lhes. 3º  Multiplicativos – dobro. Pronomes pessoais – funciona como sujeito – Aqueles que indicam as 3 pessoas do discurso. triplo  Fracionários – ½  Coletivos – dezenas. 2º. centenas. Assunto ou referente 3ª pessoa. ti.

aquilo. sua. vosso (a). oem).  Pronome possesivo plural .  Pronome possesivo singular – meu. muito. vossa majestade. senhorita. ou no próprio texto. certo. tudo. vossa magnificência.passado esta-futuro . assumem as formas : lo. mais passado  Pronomes indefinidos – se referem a substantivo de modo vago. essa(a). as. nada. quem. quanto.plural  Pronomes demonstrativos – situam pessoas ou coisas em relação a 3 pessoas do discurso. aquele(s). qual. vossa senhoria. isso.  Pronomes possessivos – indicam posse em relação as 3 pessoas do discurso. outrem. seu. Essa. e as formas no. vai acontecer aquela – passado. qualquer. os. vario. seu.  Formas de tratamento – você. no espaço. impreciso ou genérico. esta(s). vossa santidade. nenhum. teu. a. tanto. nosso(a). senhora. sua. vossa eminencia. vossa alteza. quando empregados em frases interrogativas. aquela(s). vossa excelência. ou z. los. las.  Pronomes demonstrativos invariáveis – isto.  Pronomes indefinidos variáveis – algum. nas. cada. senhor.  Pronomes demonstrativos variáveis – este(s). s. la.  Pronomes indefinidos invariáveis – alguém.  Exemplo: Vou escrever uma carta – Vou escreve la Poe os livros ali – Poe-nos ali  Eu – tu – função sujeito  Mim – Ti – Outras funções  Pronome de tratamento – palavras e expressões empregadas para tratar familiar ou cerimoniosamente o interlocutor. em. . após formas verbais terminadas em r. algo. minha. nos. Os pronomes oblíquos o. tua. esse(s). na. pouco. após fonemas nasais (am. o que. outro.  Pronomes interrogativos – pronomes indefinidos que. todo. Essa localização pode se dar no tempo. ninguém.

 Pronomes relativos – aquele que liga duas orações substituindo na segunda oração um termo já expresso na 1ª. cujo(s).  Mais bem ou mais mal não é errado desde que junto de adjetivo representado por particípio. quem.  Locução adverbial – Duas ou mais palavras com função de adverbio.  Pronomes relativos invariáveis – que. lugar. negação. a qual. quanto(s). modo. onde. Adverbio  Palavras que indica a circunstancia que se da a ação verbal.  Pronomes relativos variáveis – o qual. as quais. .  Valores semânticos dos advérbios: tempo. duvida. os quais. afirmação. quantas. cuja(s).

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful