Você está na página 1de 23

Luciana Moherdaui

OS CRITÉRIOS DE COMPOSIÇÃO
NO JORNALISMO DIGITAL1
Em busca de um modelo ideal2 de páginas noticiosas

Projeto de Pesquisa do curso de doutorado do


Programa de Pós-Graduação em Semiótica e
Comunicação. Linha de pesquisa: Processos
de criação nas mídias. Pontifícia
Universidade Católica de São Paulo.

Orientador: Profª. Dra. Giselle Beiguelman

São Paulo - SP
outubro de 2007

1
O presente trabalho foi realizado com o apoio do UOL (www.uol.com.br), através do Programa UOL Bolsa
Pesquisa, processo número 20080102180000.
2
Não se trata aqui do ideal de ego freudiano, no sentido narcisista (Freud, 1914, p.111). O ideal em nossa
proposta se refere ao ideal kantiano, ou seja, algo que a razão pura exige, mas que não é dado no campo da
experiência (Kant: 2005, p. 109-117). Ou ainda: que possui, em grau superlativo, as qualidades positivas de sua
espécie ou que se ajusta exatamente a um modelo, a uma lei, a um ideal; perfeito. In: Dicionário Houaiss.
Disponível em http://houaiss.uol.com.br. Acesso em 04 mai. 2008. Nesse sentido, esta pesquisa conceituará
como ideal as páginas noticiosas que atendem certas condições (estabelecidas pela teoria do jornalismo, mais
precisamente os critérios de noticiabilidade e de composição pensados desde os anos 1600) e enfatizará as
propriedades fundamentais da página noticiosa em oposição às suas representações particulares. Essa lógica
segue o conceito de ideal do matemático Richard Dedekind (1831-1916): um sistema de inteiros algébricos que
atendiam a certas condições.
Resumo do projeto

Esta pesquisa analisa os elementos de composição da página noticiosa no jornalismo digital.


O objetivo principal é propor um modelo ideal de página para sites jornalísticos a partir de
critérios de composição específicos. A fundamentação teórica está apoiada na Teoria do
Jornalismo, tendo o newsmaking como a base principal de nossas proposições, a partir da
releitura de Gaye Tuchman (1978), Johan Galtung e Johan Ruge (1965), Herbert Gans (1979),
Peter Golding e Philip Elliott (1979) Mauro Wolf (1995) e Nelson Traquina (2003). Michael
Schudson (1978). A sistematização dos critérios de composição será pensada a partir das
seguintes noções: Alteridade (HALL: 2001), Endoestética (GIANNOTTI: 2006), Interface
(JOHNSON: 2001), Arquitetura da informação (WURMAN: 1962; LÓPEZ, GAGO e
PEREIRA: 2003; MACHADO: 2004; SCHWINGEL: 2008), Interatividade (MEADOWS:
2003), Tele-ação (MANOVICH: 2001), Gêneros (MELO: 1994; BAKHTIN: 2003; SEIXAS:
2004, 2008), Remediação (BOLTER: 2000), Multimídia e multiculturalismo (DEUZE: 2005),
Cultura cíbrida (BEIGUELMAN: 2005), Narrativas (MOHERDAUI: 2007) e Denominações
e nomeações (FOUCAULT: 2002, 2007). Nesse sentido, o ponto de partida é examinar a
estrutura nos jornais com mais acesso na internet, segundo dados recentes do Ibope
NetRatings3: G1(Globo Notícias), Folha Online, Terra Notícias, Último Segundo,
estadao.com.br, CNN, MSNBC, The New York Times, ABC News, CBS, Washington Post Le
Monde, Le Figaro, La Repubblica, Corriere Dela Sera, El Pais, El Mundo, BBC News e
Guardian Unlimited.4

Palavras-chave: design – narrativa – composição – tecnologia - jornalismo digital

3
G1 (http://g1.globo.com), Folha Online (www.folha.uol.com.br), Terra Notícias (http://noticias.terra.com.br),
Último Segundo (http://ultimosegundo.ig.com.br), estadao.com.br (http://www.estadao.com.br), CNN
(www.cnn.com) , MSNBC (www.msnbc.com), The New York Times (www.nytimes.com), ABC News
(http://abcnews.go.com), CBS (www.cbsnews.com), Washington Post (http://www.washingtonpost.com) Le
Monde (www.lemonde.fr), Le Figaro (www.lefigaro.fr), La Repubblica (www.repubblica.it), Corriere Dela Sera
(www.corriere.it), El Pais (www.elpais.es), El Mundo (www.elmundo.es), BBC News (www.bbc.co.uk) e
Guardian Unlimited (www.guardian.co.uk).
4
A nomenclatura se justifica porque os sites noticiosos usados como corpus nesta pesquisa são diagramados em
uma página em branco (o browser) e, apesar de serem originários de veículos diferentes (como tevê e impresso),
apresentam mesmo formato: conteúdo próprio – agências de notícias + fotos + multimídia + links. Trata-se da
noção de remedição, ou seja, a representação de um meio em outro (BOLTER & GRUSIN: 1998).
2
“Nenhum conhecimento precede a
experiência, todos começam por ela”
Immanuel Kant

1. Introdução

Desde que surgiu, há mais de 13 anos, o jornalismo praticado no ciberespaço criou um

movimento no campo cientifico que procura elucidar conceitos e nomenclaturas (Salaverría,

2005; Mielniczuk, 2003; Machado, 2000), escrever a cronologia histórica, mapear fases de

evolução e características do produto (Armañanzas, 1996; Barbosa, 2002; Bardoel e Deuze,

2000; Bonnet, 2001; Machado, 2000a; Mielniczuk; 1998, 2001 e 2003a; Palacios, 1999 e

2002; Pavlik, 2001; Saad, 2003; Santos, 2002; Silva Júnior, 2000), propor narrativas

específicas (Salaverría, 2006, Paul, 2005, McAdams, 2005, Murray, 2003, Landow, 1995),

elaborar modelos de design (Cairo, 2007; Harrower, 2002; Bringhurst, 2004; García, 2005;

Nielsen, 2000; De Pablos, 1999; Carson, 1995), experimentar sistemas de publicação variados

(Schwingel, 2003 e 2004; Gilmor, 2004), analisar as funções que o usuário passa a ocupar

nesse novo formato de jornalismo (Machado, 2000b; Boczkowski 2004, Moherdaui, 2005),

examinar modos de verificação de audiência nos sites noticiosos (Moherdaui, 2005a) e

entender as mudanças nos processos produtivos, as novas funções do jornalista e o conceito

de tempo (Castells, 1999; Wolton, 2004; Moherdaui, 2005b).

Ao longo dos anos, diversos pesquisadores utilizaram nomenclaturas diferentes para

denominá-lo. Para Luciana Mielniczuk e João Canavilhas, o mais adequado é chamá-lo

webjornalismo, pois designa a produção de conteúdo exclusivamente para a web. Javier Díaz

Noci, professor de Redação jornalística e de ciberperiodismo da Universidad do País Basco,

defende a nomenclatura jornalismo eletrônico multimídia interativo. Apesar dessa

denominação, Noci pondera que são produtos informativos jornalísticos dedicados à

informação atual elaborada e publicados conforme regras estabelecidas da profissão e


3
geralmente por empresas de comunicação que têm apostado na internet como principal

negócio. A definição mais correta do ponto de vista das possibilidades de produção,

distribuição e de circulação de conteúdos é a de Machado: jornalismo digital, pois o termo é

utilizado ao jornalismo produzido na web ou outros suportes de publicação de conteúdo:

Jornalismo em que todas as etapas do processo de produção e de circulação


de conteúdos – apuração, composição, circulação e modelo de negócios –
são desenvolvidos no limite do ciberespaço. A diferença entre o Jornalismo
Assistido por Computadores e o Jornalismo Digital consiste em que, no
primeiro caso, o computador entra como um elemento auxiliar para a
produção das informações enquanto que, no segundo, o computador
constitui a própria plataforma para todas as etapas do processo de produção
e circulação dos conteúdos jornalísticos. (MACHADO, 2007: 131).

Ampliamos o conceito de Machado e incluímos nessa definição as formas de apuração

e de produção de informação já consagradas pela mídia tradicional, pois em diversas ocasiões

se faz necessário o uso de métodos como entrevista ao vivo ou checagem de informação por

telefone, entre outros. Em nossa pesquisa, utilizaremos a denominação jornalismo digital, pois

implica a possibilidade da manipulação conjunta de dados digitalizados de diferentes

naturezas: texto, som e imagem.5

O jornalismo produzido no ciberespaço criou cinco impactos (Pavlick, 2000) nos

grupos de comunicação: 1) sobre como os jornalistas fazem seu trabalho; 2) sobre o conteúdo

noticioso; 3) nas redações e nas estruturas industriais; 4) na relação entre as organizações de

notícias e seus públicos e 5) sobre a ética.

O avanço da internet e, consequentemente, o aumento do número de pessoas

conectadas - sobretudo a ampliação do uso da banda larga no mundo, estimado em mais de

300 milhões, segundo dados da consultoria britânica Point Topic6 -, propiciaram um maior

acesso aos sites jornalísticos no Brasil e no mundo, e também possibilitaram apresentar novos

formatos de narrativa. Atualmente, mais de 12 milhões de brasileiros lêem notícias na

internet. Nos EUA, esse número chega a quase 100 milhões, seguido do Japão (33,8 milhões),

5
MOHERDAUI, Luciana. Guia de Estilo Web – Produção e Edição de Notícias On-line. São Paulo: SENAC, 3 ed.
2007. p. 119-121.
6
BRASIL é 11º mercado mundial para internet de banda larga. BBC Brasil. São Paulo, 14 jun. 2007. Disponível
em http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2007/06/070614_internetbandalargarw.shtml. Acesso em
5 ago. 2007.
4
Alemanha (21,9 milhões), Reino Unido (16,6 milhões) França (16,5 milhões), Espanha (13,5

milhões), Itália (10,6 milhões), Austrália (7 milhões) e Suíça (2,6 milhões).7

A inovação tecnológica permitiu a criação de novas ferramentas de publicação e de

estruturação das páginas noticiosas. Hoje, é possível inserir variados elementos, além dos

básicos – (enviar e-mail e imprimir) -: incluir comentários, adicionar a sites de bookmarks

(favoritos), escolher o melhor conteúdo, eleger critérios de credibilidade por meio de votação,

RSS (Really Simple Syndication), newsletter, verificar estatísticas de acesso, postagem de

conteúdo via blog, fotolog e sistemas de open source, como Wikipedia, por exemplo, e

melhorar o desempenho da busca por meio de palavras-chave inseridas no texto, entre outros.

A utilização de gerenciadores de conteúdo com interfaces amigáveis, com ferramentas de

edição de áudio, vídeo, imagem, flash, slide show, permitem realizar todo o processo de

produção em uma redação online.

O design e a composição da página também levam em conta fatores como a

configuração da tela do usuário (NIELSEN, 2000). Recentemente, os principais sites

noticiosos redesenharam suas páginas a partir do layout horizontal, porque foi verificado que

a maioria dos internautas usa a resolução de tela 1024 x 768 pixels. A configuração anterior

(800 x 600 pixels), que era modelo de design na web, diminuiu seu uso em menos de 10%.

Um dos primeiros jornais a apostar no formato horizontal foi o espanhol El Pais8

(www.elpais.es)9 e o site da rede americana CNN (www.cnn.com). Também foi o jornal

espanhol um dos precursores no uso de variados elementos de composição da página

noticiosa. Outras mídias, como o celular, com recursos cada vez mais avançados de produção

de imagem e vídeo contribuíram para o incremento da estrutura noticiosa na internet. As

7
Dados de audiência do Ibope NetRatings referentes a junho de 2007.
8
NOVEDADES en el rediseño de ELPAIS.com. EL PAIS. Espanha, 22 nov. 2006. Disponível em
http://www.elpais.com/graficos/sociedad/Novedades/rediseno/ELPAIS/com/elpgra/20061117elpepusoc_2/Ges/?
page=1. Acesso 5 ago. 2007.
9
ELPAIS DIGITAL (1996) - ELPAIS.com (2006). EL PAIS. Espanha, 22 nov. 2006. Disponível em:
http://www.elpais.com/graficos/sociedad/ELPAIS/DIGITAL/ ELPAIS/com/2006/elpgra/20061117. (Acesso em
5 de agosto de 2007).

5
máquinas fotográficas digitais de alta capacidade e os gravadores digitais facilitaram o

trabalho do profissional da web. O jornalista faz o texto e o complementa com imagens, vídeo

e áudio editados por ele, utilizando sistemas de edição gratuitos e disponíveis na rede.

Tendo em vista os avanços da tecnologia internet que motivaram alterações em seu

modelo de produção no jornalismo digital, esse projeto direciona-se à análise da estruturação

da página noticiosa desenvolvida especificamente para o suporte web. Conceitualmente, a

pesquisa proposta está relacionada à linha de pesquisa Processos de Criação nas Mídias, do

Programa de Estudos Pós-Graduados em Comunicação e Semiótica da PUC/SP, por se tratar

de um tema de extrema importância, os estudos para a consolidação da plataforma internet

como novo suporte para produção, publicação e circulação de conteúdos, e por integrar os

temas discutidos nos últimos anos por pesquisadores da universidade no Brasil e no Exterior.

2. Objeto e Justificativa

Desde que entraram no ar os primeiros sites noticiosos, foram testados diversos modelos de

edição de conteúdos até alcançar algumas das principais características do novo ambiente,

segundo defendem Palacios (1999), Moherdaui (2000), Pavlick (2001), Deuze (2003) e

Murray (2003): conteúdo dinâmico, atualização constante, memória, interatividade,

hipertextualidade, multimidialidade, personalização e imersão. Esses modelos foram

classificados em quatro fases: (Silva Jr., 2002; Mielniczuck, 2003b; Boczkowski, 2004b;

Machado, 2004): primeira geração, sustentada pela reprodução dos conteúdos dos meios

impressos; segunda geração, quando mesmo submetido à metáfora do impresso são

desenvolvidos novos tipos de produtos; terceira geração, quando são lançadas iniciativas tanto

empresariais quanto editoriais adaptadas às características do ciberespaço, sendo que

Boczkowski incluiu na terceira fase a produção de conteúdo pelo usuário; quarta geração,

jornalismo digital baseado em bancos de dados inteligentes.

Especificamente ao que se refere ao tema proposto neste estudo, pesquisadores que

trabalham com narrativas como: Machado (2007), Salaverría (2006), McAdams (2005), Paul

(2005), Díaz Noci (2005), Murray (2003b) e Landow (1995) propuseram variados formatos.
6
Para Murray, (2003c), o ponto de partida é levar em conta que o computador é um meio

expressivo capaz de ampliar a nossa capacidade de relatar fatos e como tal torna possível a

criação de narrativas multiformes ou multisequenciais.

A autora sugere inventar múltiplas formas para os textos lineares que forçam as

fronteiras de um meio pré-digital como uma figura bidimensional tentando escapar de sua

moldura anterior. A pesquisadora defende a criação de histórias multiformes,

multisequenciais, e afirma que o formato do conteúdo deve levar em conta seu propósito.

Planejamos notícias, ficção, games? “Os jogos precisam mesmo de um vocabulário crítico

distinto da terminologia narrativa”, escreve:

Percebi ser útil evitar o termo não-linear e substituí-lo por multissequencial


e multiforme, como expressões para compreender os novos formatos
narrativos. Histórias multissequenciais proporcionam ao interator (Murray
chama o usuário que acessa notícias de interator) de navegar por um arranjo
fixo de eventos de diferentes maneiras, todas elas bem definidas e
significativas. O sentido mais profundo da obra emerge da compreensão
desses caminhos entrecruzados, como na narrativa de um caso amoroso
contada a partir de dois pontos de vista que se encontram. Uma história
multiforme é aquela na qual múltiplas versões podem ser geradas a partir da
mesma representação fundamental, como num jogo que pode ser repetido
de modos diversos, ou num sistema narrativo como o The Sims, que pode
oferecer muitas versões, sendo que cada uma delas terá suas próprias
peculiaridades de eventos e caracteres. Histórias complexas podem ajudar-
nos a perceber causa complexas de acontecimentos complexos, assim como
imaginar diferentes desfechos para uma mesma situação. (MURRAY, 2003c:
11).

Nora Paul (2005) afirma em The elements of digital storytelling10 que a narrativa na

web é composta por cinco elementos: media (refere-se à mídia utilizada para criar narrativas

digitais), action (narrativas digitais têm dois movimentos: conteúdo dinâmico e ação do

usuário), relationship (interação entre a narrativa digital e o usuário), context (elementos que

explicam e complementam a narrativa digital) e communication (entre o desenvolvedor do

conteúdo e o usuário). Os espanhóis Díaz Noci e Salaverría vão além e apresentam modos de

compor as narrativas. Para Salaverría, à produção do texto na web devem ser considerados

dois elementos-chave: a extensão e a estrutura. “El redactor debe aprender a dosificar con

10
Proposta de narrativa digital da pesquisadora Nora Paul publicada em 2005, disponível em
http://www.inms.umn.edu/elements. (Acesso em 28 de agosto de 2007).
7
cuidado la cantidad de texto que pone a disposicíon del lector em cada pantalla o nodo.” O

autor divide a estrutura hipertextual em axial (linear) e reticular (que envolve um número

indeterminado de links). Uma estrutura é considerada reticular quando possui, no mínimo, três

links. Se houver apenas dois links, ela é axial. As estruturas axiais são divididas em: 1)

unilinear (texto cronológico e linear) e 2) multilinear (texto com variadas linhas de

composição, que podem ser arbóreas ou paralelas).11

Díaz Noci propõe que o lead seja substituído em, alguns casos, por infográficos

animados.

A pirâmide invertida é apenas uma entre tantas formas para estruturar o


texto. Na internet, é possível usar uma espécie de pirâmide invertida que
responda apenas a algumas perguntas que compõem o lead. O texto deve ser
curto, deve convidar o leitor a clicar para outros níveis de informação. As
infografias multimídia podem substituir o lead em alguns casos como, por
exemplo, mostrar como ocorreram os atentados em Madri, em 11 de março
de 2004. Os flashes são outro exemplo de formato.12

Na mesma linha de raciocínio está Mindy McAdamns. Tendo em vista a

multimidialidade e a interatividade como elementos essenciais à produção no ciberespaço, a

professora de jornalismo da Universidade da Flórida propõe a criação de pacotes multimídia,

slideshow com fotos e sons e infrográficos animados, baseados na tecnologia flash13. Partindo

do pressuposto do pesquisador russo Lev Manovich, o brasileiro Elias Machado avança e

entra na quarta fase do jornalismo digital, constituído a partir da narrativa em bancos de

dados.

(...) Com a incorporação, pelas organizações jornalísticas, dos sistemas de


gerenciamento de conteúdos estruturados na forma de Base de Dados para
formatação das informações (MACHADO, 2004), passa a existir a infra-estrutura
necessária para a diversificação de tipos de narrativas nos diferentes meios
jornalísticos existentes no ciberespaço (DÍAZ NOCI e SALAVERRÍA, 2003). A
linguagem XML, utilizada nestes sistemas, automatizados de gestão de informações

11
SALAVERRÍA, Ramón. Redacción periodística en internet. 2ª ed. Espanha: EUNSA, 2006, p. 102-105.
12
MOHERDAUI, Luciana. Pesquisador afirma que infografia pode substituir o lead. In: A Tarde On Line.
Salvador: 10 nov. 2005.
13
MCADAMS, Mindy. Flash journalism: how to create multimedia news packages. USA: Focal Press, 2005, p.1-
16.

8
de produtos jornalísticos, permite desvincular a forma do conteúdo (...) (MACHADO,
2007: 60).

Conforme foi apresentado anteriormente, os estudos sobre jornalismo digital apostam

em diversas possibilidades narrativas, ainda não há definições sobre como estruturar as

páginas noticiosas, objeto deste trabalho. A narrativa aparece sempre em primeiro plano ao se

planejar uma página na web. O mesmo é notado em autores da área de design, como Jakob

Nielsen (2000) e Tim Harrower (2002), considerados clássicos (o primeiro sobre mídia

digital, e o segundo sobre papel): não contemplam a composição em seus trabalhos. Oferecem

um guia sobre como estruturar um site a partir a lógica da usabilidade, dos browsers, das

configurações, do hipertexto. Arriscam propostas de titulação, mas param por aí.

Tal problematização foi levantada por Ted Nelson14, o pai do hipertexto, ao afirmar

em 2001 que na web repetimos convenções estabelecidas e, por isso, o computador ainda

simula duas coisas: hierarquia e papel. Em O Livro depois do livro, Giselle Beiguelman

(2003, p. 37, 67) também faz críticas ao uso de práticas sociais estabelecidas que restringem à

produção à superfície da tela, transformando o navegador em um paginador.

De modo geral, a composição está sendo estruturada (e tem evoluído) ao longo dos

últimos anos levando em conta principalmente: a) aumento do uso da banda larga no mundo;

b) baixo custo de acesso à internet; c) crescimento do interesse dos usuários por sites

noticiosos; d) inovações tecnológicas que possibilitam desenvolver conteúdo jornalístico no

ciberespaço, com as características exclusivas do novo suporte; e) tendências de design

observadas a partir de análise de perfil de consumo do usuário e do tipo de configuração de

seu computador. Itens, sem dúvida, essenciais ao planejamento on-line, mas se perdem ao

serem utilizados sem critérios.

3. Referencial teórico

14
NELSON, Ted. Deeper Cosmology, Deeper Documents, 2001. In:
http://www.sigweb.org/ht01/tech.html#ted. Acesso em 21 abr. 2008.
9
Na tentativa de propor um modelo ideal de páginas noticiosas, uma vez que internet é uma

nova forma social que produz uma nova prática social e, por isso, possibilita ações especificas

(Echeverría, 1999; Castels, 1999), esta pesquisa irá analisar os elementos de composição que

estão sendo utilizados ou desenvolvidos exclusivamente para o jornalismo praticado na web.

A Teoria do Jornalismo irá fundamentar este trabalho em todos os aspectos – objetivo

(principal e secundário), hipótese, metodologia e conclusão-, com recorte específico nos

critérios de noticiabilidade15, a partir da releitura dos conceitos de Gaye Tuchman (1978),

Johan Galtung e Johan Ruge (1965), Herbert Gans (1979), Philip Elliott (1972, 1977, 1978),

Mauro Wolf (1995) e Nelson Traquina (2003). Michael Schudson (1972, 1978, 1989), sem ter

a narrativa como objetivo primeiro. Mas antes, porém, se faz necessária uma ampliação da

teoria por conta das mudanças provocadas pelo surgimento do jornalismo digital.

No artigo What is journalism16, Mark Deuze propõe repensar a teoria do jornalismo e a

identidade dos jornalistas para manter um entendimento conceitual coerente do jornalismo

praticado na web. O autor critica o fato de a literatura geralmente discutir o papel do

jornalismo cívico ou a relação dos jornalistas e empresas de comunicação, e afirma que faltam

de textos que discutam teoria do jornalismo, multimídia e multiculturalismo. Para Deuze, a

multimídia e o multiculturalismo desafiam a percepção do jornalismo e do modo de fazer

jornalismo. Portanto, devem integrar a teoria.

Nesse sentido, ele divide o conceito de jornalismo em três partes: 1) Jornalismo como

ideologia17; 2) Jornalismo e tecnologia: multimídia; e 3) Jornalismo e sociedade:

multiculturalismo18.

15
O conjunto de critérios e operações que fornecem a aptidão de merecer um tratamento jornalístico, isto é,
possuir valor como notícia. Assim, os critérios de noticiabilidade são o conjunto de valores-notícia que
determinam se um acontecimento, ou assunto, é susceptível de se tornar notícia, isto é, de ser julgado como
merecedor de ser transformado em matéria noticiável e, por isso, possuindo valor-notícia (newsworthiness). In:
TRAQUINA, Nelson. Teorias do Jornalismo. Volume 2. . Santa Catarina: Insular, 2005. p.63.
16
DEUZE, Mark. What is journalism? Professional identity and ideology of journalists reconsidered. London,
Sage Publications, 2005.
17
Jornalistas oferecem um serviço público, são neutros, objetivos, imparciais e credíveis, têm autonomia
editorial, liberdade e independência, senso de imediatismo, ética e legitimidade.
18
Contato entre as diferenças formas de culturas nacionais e locais - que entende a cultura não está restrita à
etnia, à nação ou à nacionalidade, mas como um lugar de direitos coletivos para a determinação própria de
grupos.
10
A partir dessa lógica, a aplicação dos critérios de noticiabilidade em nosso objeto de estudo

(páginas noticiosas, detalhadas a seguir) será apoiada em:

1) as relações de alteridade, em Stuart Hall19

2) a definição de interface, de Steven Johnson20;

3) a interatividade, em Mark Stephen Meadows21

4) o sentido de usabilidade, por Jacob Nielsen22

5) a tele-ação, segundo Lev Manovich23;

6) a noção de remediação, de David J. Bolter e Richard Grusin24;

19
Para Hall, não há identidades fixas, estáveis, unificadas nas sociedades modernas: "é precisamente porque as
identidades são construídas dentro e não fora do discurso que nós precisamos compreendê-las como produzidas
em lugares históricos e institucionais específicos, no interior de formações e práticas discursivas específicas, por
estratégias e iniciativas específicas. a identidade plenamente unificada, completa, segura e coerente é uma
fantasia. Ao invés disso, à medida que os sistemas de significação e representação cultural se multiplicam, somos
confrontados por uma multiplicidade desconcertante e cambiante de identidades possíveis, com cada uma das
quais poderíamos nos identificar — ao menos temporariamente."
20
Para Steven Johnson, em seu sentido mais simples, a palavra interface se refere a softwares que dão forma à
interação entre usuário e computador. A interface atua como uma espécie de tradutor, mediando entre as duas
partes, tornando uma sensível para a outra. Em outras palavras, a relação governada pela interface é uma relação
de semântica, caracterizada pelo significado e expressão, não por força física. In:, JOHNSON, Steven. A cultura
da interface. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001. p. 17.
21
Meadows identifica três pares opostos como princípios básicos na interação: 1) Ingresso/Saída, 2)
Dentro/Fora e 3) Aberto/Fechado. O primeiro destes princípios preceitua que todo ingresso ou saída de
informação no sistema deve gerar mais informação. É a habilidade do ciclo de interação para acrescentar
informação ao sistema, pontua Meadows, que define a qualidade desta interação (Meadows:2003, 39). O
segundo princípio, Dentro/Fora, estabelece que deve existir um diálogo entre os mundos interno e
externo. A interação dentro da cabeça articula o mundo da imaginação do teleator enquanto que a interação de
fora da cabeça está baseada no que o teleator percebe no nível empírico ou experencial. O terceiro princípio,
Aberto/Fechado, postula que um sistema quanto mais usado funciona melhor. Sistemas abertos são mais
complicados, menos previsíveis e mais interessantes do que sistemas fechados. Além destes três princípios da
interação, Meadows (2003:44) identifica quatro passos porque passa o processo interativo: 1) Observação; 2)
Exploração; 3) Modificação e 4) Mudança Recíproca. Os princípios são, para o autor, guias para o
desenvolvimento da interação enquanto que os passos são meios para avaliar o resultado deste desenvolvimento.
No primeiro passo, o usuário avalia a narrativa como espaço navegável; no segundo desenvolve alguma ação; no
terceiro muda o sistema e, no quarto, o sistema tenta mudar o usuário. Tomando estes princípios e passos como
orientadores da interação, Meadows define narrativa interativa como: “... An interactive narrative is a time-based
representation of character and action in which a reader can affect, choose, or change the plot. The first, second
or third person characters may actually be the reader. Opinion and perspective are inherent. Image is not
necessary, but likely…(Meadows:2003:62).
22
A má arquitetura da informação levará sempre à má usabilidade. A maioria dos sites tem estrutura hierárquica
com níveis cada vez mais detalhados de informações. Outros sites têm uma estrutura tabular na qual as páginas
são classificadas com relação a um número de atributos ou parâmetros. As duas regras mais importantes sobre a
estrutura do site são ter uma estrutura e fazer com que ela reflita a visão dos usuários do site e suas informações
ou serviços. Pode parecer óbvio, mas muitos sites evoluíram sem ter qualquer estrutura planejada e acabaram
num caos total. In: Websites que funcionam. NIELSEN, Jakob.. São Paulo: Campus, 2000, p. 198-229.
23
Lev Manovich afirma que o usuário de uma narrativa está atravessando uma base de dados, seguindo links
entre seus registros as estabelecidos pelo criador da base de dados. “Uma narrativa interativa pode ser entendida
como a soma de múltiplas trajetórias através de uma base de dados" In: The language of new media, de Lev
Manovich. Cambridge: MIT, 2001.p. 227.
24
David Bolter e Richard Grusin definem como remediação a representação de um meio no outro (pp.45) e
argumentam que ela é uma característica específica da nova mídia digital. Eles argumentam que a lógica da
remediação descrita no livro é similar ao que Derrida considerou ‘mimesis’. E citam “mimesis aqui não é a
11
7) os conceitos de semelhança e similitude, em Michel Foucault25;

8) a endoestética, em Claudia Gianetti26,

9) a cultura cíbrida, em Giselle Beiguelman27,

10) a classificação de narrativas, em Luciana Moherdaui28

11) o conceito de arquitetura da informação, em López, Gago e Pereira 29

12) os gêneros, em José Marques de Melo30

representação de uma coisa por outra, a relação de semelhança ou identificação entre dois seres, a reprodução de
um produto da natureza por um produto da arte. Não é a relação de dois produtos, mas de duas produções. E de
duas liberdades. (...) A verdadeira ‘mimesis’ é entre duas matérias em produção e não entre duas coisas
produzidas (9)”. (pp.52) Ao argumentar que toda mediação é remediação, Bolter e Grusin esclarecem que não
estão querendo dizer que a remediação é a essência nem da mídia digital, nem da mediação de forma genérica,
mas, sim, que no momento histórico atual a remediação é a convenção predominante que está em funcionamento
para estabelecer a identidade da nova mídia digital. O conceito de meio, para os autores, está relacionado à
lógica da remediação: o meio é aquilo de remedia. (pp. 65). Para eles, na nossa cultura, um meio nunca pode
operar de forma isolada. Precisa estar envolvido em relações de respeito e rivalidade com outros meios.
25
Movido por uma hipótese de trabalho - ou seja, a de uma possível (re)afirmação (de ordem puramente sígnica
e não ilustrativa) do texto pela imagem e vice-versa - Foucault empenhou-se em elaborar uma teoria geral da
representação pictórica (constituída em torno das questões da semelhança e da similitude), centrada na dualidade
entre ícone e símbolo, no entre-deux típico das formulações discursivo-pictóricas magrittianas. O que nos
interessa aqui é a noção de nomeações como forma de impor denominações.
26
Cláudia Giannetti conceitua Endoestética a partir da Endofísica, em seu livro Estética Digital – Sintopia da
arte, a ciência e a tecnologia. A Endofísica (e também a Endoestética, como veremos à seguir) está sempre
discutindo a relação entre o endo (dentro) e o exo (fora). O sujeito é, ao mesmo tempo, um observador da
realidade (como já vimos, um observador parcial na medida que incorpora elementos de sua subjetividade na
observação), e alguém que está nela, mais ainda, alguém que influência ativamente nela, a modificando
constantemente. A Endoestética trata dos mundos artificiais baseados na interface, nos quais podemos participar
(endo) e observar (exo) ao mesmo tempo. Com essa dupla atuação do interator num universo simulado se podem
explorar as propriedades de nosso mundo. ´Uma nova tecnologia que, ao contrário de todas as outras conhecidas,
não só muda algo no mundo, mas o próprio mundo, se revela como uma possibilidade cognitiva (p. 197-201).
27
Em O Livro depois do livro, Giselle Beilguelman aposta na possibilidade de uma cultura cíbrida, pautada pela
interpenetração de Redes on line e off line, que incorpore e recicle os mecanismos de leitura já instituídos,
apontando para novas formas de significar, ver e memorizar. São as zonas de fricção entre as culturas impressas
e digitais o que interessa, as operações combinatórias capazes de engendrar uma outra constelação
epistemológica e um outro universo de leitura correspondentes às transformações que se processam hoje nas
formas de produção e transmissão dos textos, dos sons e das imagens(p. 12-13).
28
A partir da seguinte divisão das narrativas no ciberespaço: [acesso hipertextual à informação], b) reportagem
multiforme [compreende novos formatos narrativos] e c) pacote multimídia [reúne todos os elementos
multimídia em um template em formato flash].28 Esses formatos podem ser estáticos ou de atualização contínua.
29
O termo arquitetura da informação refere-se ao entendimento dos autores López, Gago e Pereira (2003, p. 198):
segundo o qual trata-se do planejamento estrutural do mapa de conteúdo: a definição de seus itens de conteúdo,
das relações que operam entre eles e, em geral, de toda a organização de fundo que sustenta o sistema. A
arquitetura da informação envolve, portanto, o estabelecimento de alicerces, os espaços internos e o aspecto
externo de um cibermeio. Não interessa nesta pesquisa usar o conceito de arquitetura da informação como 1)
sistema de orientação para se chegar a determinadas informações (62 a 90), 2) sistema que orienta o usuário na
busca, possibilita a recuperação das informações (90) e 3) roteiro para a criação de narrativas multimidiáticas
(2000). O conceito foi criado em 1962 por Richard Wurman e com a crescente utilização das tecnologias em
rede tem sido modificado, sobretudo após a atualização feita por Rosenfeld e Morville (1998) para a wolrd wide
web.
30
José Marques de Melo é autor da obra sobre gêneros jornalísticos mais utilizada no Brasil. Por meio
de dois critérios que reforçam a diferença de propósito entre informar e opinar, Marques de Melo
classificou os gêneros a partir da sistematização de Luiz Beltrão.
12
Nesse sentido, examina-se a estrutura nos sites jornalísticos do Brasil e do exterior

com mais acesso na internet, segundo dados recentes do Ibope NetRatings: G1

(http://g1.globo.com), Folha Online (www.folha.uol.com.br), Terra Notícias

(http://noticias.terra.com.br), Último Segundo (http://ultimosegundo.ig.com.br),

estadao.com.br (http://www.estadao.com.br), CNN (www.cnn.com) , MSNBC

(www.msnbc.com), The New York Times (www.nytimes.com), ABC News

(http://abcnews.go.com), CBS (www.cbsnews.com), Washington Post Le Monde

(www.lemonde.fr), Le Figaro (www.lefigaro.fr), La Repubblica (www.repubblica.it), Corriere

Dela Sera (www.corriere.it), El Pais (www.elpais.es), El Mundo (www.elmundo.es), BBC

News (www.bbc.co.uk) e Guardian Unlimited (www.guardian.co.uk)

4. Objetivos

4.1. Principal

• Propor um modelo ideal de página noticiosa para sites jornalísticos a partir da lógica

de valor-notícia de composição.

4.2. Secundários

• Investigar como o avanço da tecnologia possibilita novos formatos de composição e

examinar que modelos têm sido gerados a partir dessas inovações.

• Verificar se a ativação desses potenciais (geração de novos formatos) depende das

formas sociais das apropriações dessas tecnologias e de fatores como modelo de

negócio ou resistência administrativa ou profissional/corporativa à mudança, entre

outros.

• Averiguar se há um consenso geral do que representa a arquitetura de informação na

web, se os jornais seguem um padrão de identidade visual, se existe algo que os

diferencie.

• Comprovar se há um conceito de jornal ideal na web.

5. Hipóteses

5.1. Hipótese central:


13
Ao longo de mais de uma década de consolidação do jornalismo digital, as pesquisas têm se

baseado apenas em propor narrativas e não consideram a composição da página. As fórmulas

propostas para escrever para suportes digitais não dão conta de apontar critérios estabelecidos

para estruturar os elementos, distribuí-los e editá-los adequadamente ao ciberespaço.

5.2. Hipóteses secundárias

• As características constitutivas do jornalismo digital presentes nos formatos de

exibição das páginas noticiosas apontam possibilidades que alteram aspectos do

jornalismo contemporâneo, gerando modificações na produção de conteúdos e criando

novas práticas sociais.

• As relações de alteridades presentes na composição das páginas não são

sistematizadas. Não há padronização nos elementos distribuídos.

• O design e a narrativa são inseparáveis, pois o produtor de conteúdo não pode

estabelecer um fluxo multimídia que não seja relacionado à estrutura da página

noticiosa e aos elementos de interatividade que a compõem.

• Os produtos jornalísticos elaborados para a web, que utilizam as características do

jornalismo digital, fundam os princípios ontológicos (ciência que considera o ser em si

mesmo independente de como ele se manifesta) desta nova prática jornalística.

• As palavras-chave utilizadas nos textos jornalísticos para obter melhor posicionamento

em sites de busca modificam a constituição da notícia e interferem na formatação da

página.

6. Metodologia

O método de pesquisa está sistematizado em:

• Pesquisa bibliográfica para ampliar o quadro referencial teórico-metodológico.

• Estudo da composição das páginas noticiosas dos seguintes sites jornalísticos:

G1 - Globo Notícias, Folha Online, Terra Notícias, Último Segundo,

estadao.com.br, CNN, MSNBC, The New York Times, ABC News, CBS,
14
Washington Post Le Monde, Le Figaro, La Repubblica, Corriere Dela Sera, El

Pais, El Mundo, BBC News e Guardian Unlimited.

• Elaborar uma lista de elementos de composição e dividi-los em: elementos de

narrativa e elementos de design.

• Enumerar os critérios levados em conta pelo produtor de conteúdo ao estruturar

uma pagina de notícia.

• Sistematizar a historicidade dos modelos de páginas desenvolvidas desde que

surgiram os primeiros sites jornalísticos até os atuais formatos em uso na

internet e apresentar tendências de evolução.

• Realização de entrevistas com os editores, designers e técnicos responsáveis pela

criação das páginas noticiosas dos sites pesquisados e aplicação de questionário

sobre o processo de composição e edição dos conteúdos.

7. Bibliografia de base

ARMAÑANZAS, E., NOCI, J.D. e MESO, K. El periodismo electrónico: información y


servicios multimedia en la era del ciberespacio. Barcelona: Ariel Comunicación, 1996.
BARBOSA, S.; MACHADO, E. et. al. Além das profecias: uma crítica a Nora Paul. In: Anais
III Encontro Nacional de Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor). Florianópolis: UFSC,
novembro/2005.
BASTOS, H. Jornalismo electrónico: internet e reconfiguração de práticas nas redações.
Coimbra: Minerva, 2000.
BEIGUELMAN, G. O livro depois do livro. São Paulo: Peirópolis, 2003.
________________. Linke-se. São Paulo: Peirópolis, 2005.
BERNERS-LEE. T. Background of the world wide web. 1996. Disponível em:
www.w3.org/People/Berners-Lee/9602affi.html. Acesso em setembro de 2007.
BOLTER, J. D., GROMALA, D.. Windows and mirrors: interaction design, digital art, and
the myth of transparency. Cambridge: The MIT Press, 2003.
BOLTER, J. D., GRUSIN, R. Remediation: understanding new media. Cambridge: The MIT
Press, 2000.
BOLTER, J. D. Writing in cyberspace: the computer, hypertext and the history of writing.
New Jersey: Lawrence Erlbaum Associate Publishers, 1991.
CAIRO, A. Multimedia formats and infographics. In: Master em Jornalismo Digital, 2007.
São Paulo.
CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
DE WOLK, R. Introduction to online journalism: publishing news and information. Boston:
Allyn and Bacon, 2001.
DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs – Capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora
34, 1995.
DERRIDA, J. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 2006.

15
DEUZE, M. What is multimedia journalism? In: Journalism Studies, vol. 5, n°. 2, pp. 139-52 ,
2004.
____________. What is journalism? Professional identity and ideology of journalists
reconsidered. London, Sage Publications, 2005.
DÍAZ NOCI, J., SALAVERRIA, R. Manual de redacción ciberperiodística. Barcelona: Ariel,
2003.
ECHEVERRÍA, J. Los señores del aire: telépolis y el tercer entorno. Barcelona: Destino,
1999.
FIDLER. R. Mediamorphosis: understanding new media. Londres: Pine Forge Press, 1997.
FOUCAULT, M.. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
__________________.Isto não é um cachimbo. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

GALTUNG, J. , RUGE, J. The structure of foreign news. Journal of Peace Research, vol 1.
Noruega, 1965. p. 64-90. Disponível em http://jpr.sagepub.com/cgi/content/abstract/2/1/64.
Acesso em 04 mai. 2008.
GANS, H. Deciding what´s news. A study of CBS Evening News, NBC Nightly News, News,
Newsweek and Time. New York: Pantheon Books, 1979.
GARRISON, B. Computer: assisted reporting. Mahwah: Lawrence Erlbaum Associates, 1995.
GIDDENS, A. As conseqüências da modernidade. São Paulo: Unesp, 1991.
GILLMOR, D. We the Media: grassroots journalism by the people for the people. Cambridge:
O'Reilly, 2004.
GOLDING, P., ELLIOTT, P. Making the news. Londres: Longman, 1979.
GUATTARI, F. Caosmose – Um novo paradigma estético. São Paulo: Editora 34, 2008.
HALL, J. On line journalism: a critical primer. Londres: Pluto Press, 2002.
HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 5 ed., Rio deJaneiro: DP&A, 2001.
HERRING, S.C. Slouching toward he ordinary: current trends in computer-mediate
communication. In: New Media & Society. London: Sage, vol. 6 (1), 2004. p 26-36.
JOHNSON, S. Cultura da interface: como o computador transforma nossa maneira de criar e
comunicar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.
KOCH. T. Journalism for the 21st century: online information, electronic databases and the
news. New York: Praeger, 1991.
KOVACH, B. ROSENSTIEL, T. The Elements of Journalism. New York: Three Rivers
Press: 2007
LANDOW, G. P. Hypertext: the convergency of contemporary critical theory and technology.
Baltimore and London: The John Hopkins University Press, 1992.
LAPHAM, C. The evolution of the newspaper of the future. In:
http://sunsite.unc.edu/cmc/mag/1995/jul/lapham.html. Acesso em setembro de 2007.
LEMOS, A. Anjos interativos e retribalização do mundo - Sobre interatividade e interafaces
digitais. In: http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/lemos/interativo.pdf. Acesso em 28 abr.
2008.
LIEVROUW, L.A. What’s changed about new media? introduction to the fifth anniversary
issue of new media & society. In: New Media & Society. London: Sage, vol. 6(1), 2004. p 09-
15.
MACHADO, E., PALACIOS, M. Manual de jornalismo na internet. Salvador:
FACOM/UFBA, 1996. Disponível em: http://www.facom.ufba.br/jol. Acesso em setembro de
2007.
_____________. Modelos de jornalismo digital. Salvador, Calandra, 2003.
MACHADO, E. La estructura de la noticia en las redes digitales: un estudio de las
consecuencias de las metamorfosis tecnológicas en el periodismo. 2000. 521 fls. Tese
(Doutorado em Comunicação) – Universidad Autónoma de Barcelona, Barcelona.
_____________. O jornalismo digital em base de dados. Florianópolis: Calandra, 2007.

16
MALTER, R. [Imc-proposals]: Global indymedia "open publishing" *proposal*. Disponível
em http://archives.lists.indymedia.org/imc-proposals/2001-April/000003.html. Acesso em
setembro de 2007.
MANOVICH, L. The language of new media. Cambridge: MIT, 2001.
MANTA, A. Guia do jornalismo na Internet. Disponível em:
http://www.facom.ufba.br/pesq/cyber/manta/Guia. Acesso em setembro de 2007.
MARCUCHI, L. A., XAVIER, A. C. Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de
construção de sentido. Rio de Janeiro: Editora Lucerna, 2005.
MAYORDOMO, T. A. La comunicación retórica en los sitos web. II Congreso Online OCS,
GT-24 Retórica y comunicación persuasiva en la sociedad digital, 2004. Disponível em:
http://www.cibersociedad.net. Acesso em setembro de 2007).
MCADAMS, M. Inventing an online newspaper. Disponível em:
http://www.helsinki.fi/science/optek/1995/n3/mcadams.txt. Acesso em setembro de 2007.
_____________. Flash journalism: how to create multimedia news packages. EUA: Focal
Press, 2005.
MEADOWS, M. S. Pause & effect: the art of interactive narrative. Indiana: New Riders,
2003.
MEDITSCH, E. O jornalismo é uma forma de conhecimento? Conferência apresentada nos
Cursos da Arrábida – Universidade de Verão, 1997. Lisboa, Portugal. Disponível em
http://bocc.ubi.pt/pag/meditsch-eduardo-jornalismo-conhecimento.html. Acesso em abril de
2008.
MIELNICZUK, L. Jornalismo na web: uma contribuição para o estudo do formato da notícia
na escrita hipertextual. 2003. 246 pgs. Tese (Doutorado em Comunicação) – Faculdade de
Comunicação, Universidade Federal da Bahia, Salvador.
MOHERDAUI, L. Guia de estilo web: produção e edição de notícias on-line. 3ª ed. São
Paulo: Senac, 2007.
_____________. Pesquisador diz que infografia pode substituir o lead. In: A Tarde OnLine.
Salvador, 10 nov. 2005. Disponível em:
http://www.atarde.com.br/jornalatarde/local/noticia.jsf?id=517875 e
http://www.atarde.com.br/cidades. Acesso em 28 agosto de 2007.
____________________. As lentes de Barbie Zelizer. In: Revista Contratempo, n 14. Rio de
Janeiro, 2006.
MONACHESI, J.Contra a clicagem burra. Folha de S. Paulo, São paulo, p. 8 - 9, 18 jan.
2004.
MORGAINE. D. Diez años para sobrevivir: el diario de massas de 1980. Madrid: Editora
Nacional, 1972.
MORRIS, D. Globalization and media democracy: the case of indymedia. In: Shaping the
network society. MIT Press, 2003. Disponível em:
http://www.fis.utoronto.ca/research/iprp/c3n/CI/DMorris.htm. Acesso em setembro de 2007.
MORRIS, M.; OGAN, C. The internet as mass medium. In: Journal of computer mediated
communication, n. 4, 1996. Disponível http://jcmc.indiana.edu/vol1/issue4/morris.html.
Acesso em setembro de 2007.
MURRAY, J. Hamlet on the holodeck: the future of narrative in cyberspace. New York: The
MIT Press, 1997.
NIELSEN, J. Projetando websites. Rio de Janeiro, Campus: 2000.
_____________. Homepage: 50 websites desconstruídos. Rio de Janeiro, Campus: 2002.
NELSON, Ted. Deeper Cosmology, Deeper Documents, 2001. In:
http://www.sigweb.org/ht01/tech.html#ted. Acesso em 21 abr. 2008.
PALACIOS, M., MIELNICZUK, L., BARBOSA, S., RIBAS, B., et. al. Um mapeamento de
características e tendências no jornalismo online brasileiro e português. In: Comunicarte,
Revista de Comunicação e Arte. Portugal: Universidade de Aveiro, vol. 1, nº 2, set.2002.

17
PALACIOS, M. Ruptura, continuidade e potencialização no jornalismo on-line: o lugar da
memória. In: MACHADO, E., PALACIOS, M. Modelos de jornalismo digital. Salvador,
Calandra, 2003.
________________. Jornalismo e Literatura na internet. Combinando pesquisas com
experiências didáticas. Texto Digital, Florianópolis, ano 2, n. 1, Julho 2006. Disponível em
http://www.textodigital.ufsc.br/num02/palacios.htm. Acesso em 12 mai. 2008.
PAUL, N. The elements of digital story making. Disponível em:
http://www.inms.umn.edu/elements. Acesso em agosto de 2007.
PAVLIK, J. V. Journalism and new media. New York: Columbia University Press, 2001.
PENA, F. Sistematizações do jornalismo em abordagens européias, brasileiras e americanas.
In: Intercom. Revista Brasileira Ciências da Comunicação. São Paulo. V.29 n2, p. 39-53,
jul/dez 2006.
QUINN, S. Convergence's fundamental question. In: Journalism Studies, vol 6, n° 1, pp. 15-
28, 2005.
RICH, C. Redação jornalística para a web: um estudo para o Instituto Poynter de Estudos de
Mídia. Porto Alegre: Agência experimental de jornalismo da Unisinos (1998). Título original:
Newswriting for the web: a study for the Poynter Institute of Media Studies.
ROSEN, J. What are journalists for? New Haven. Yale University Press. 1999.
SAAD CORRÊA, E. Arquitetura estratégica no horizonte da terra cognita da informação
digital. Revista USP, São Paulo, dez-fev. 2000-2001. p. 100-118.
_____________. As estratégias da desconstrução: sobre o uso de estratégias diferenciadas por
empresas informativas na internet. 2001. 439 fls. (Tese de Livre Docência) – Escola de
Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo.
_____________.Estratégias para mídia digital. São Paulo: Editora Senac, 2003
SALAVERRÍA, R. Redacción periodística em internet. Navarra: EUNSA, 2005.
_____________. Aproximación al concepto de multimedia desde los planos comunicativo e
instrumental. Estudios sobre el mensaje periodístico. Departamento de Periodismo I de la
Facultad de Ciencias de la Información de la Universidad Complutense de Madrid, 2001.
Disponível em: http://www.ucm.es/info/perioI/Period_I/EMP/Numer_07/7-5-Inve/7-5-
13.htm. Acesso em setembro de 2007.
SCHWINGEL, C. A arquitetura da informação e o sistema de publicação do
Independent Media Center. In: Anais do V Congreso Iberoamericano de Periodismo en
Internet. Salvador: FACOM/UFBA, 2004.
_____________. Jornalismo digital de quarta geração: a emergência de sistemas
automatizados para o processo de produção industrial no Jornalismo Digital. In: Anais do
XIV Compós. Niterói, junho de 2005a.
SCOLARI, C. Hacer clic: hacia una sociosemiótica de las interacciones digitales. Barcelona:
Gedisa Editorial, 2004.
SMITH, A. Goodbye Gutenberg: the newspaper revolution of the 1980s. New York: Oxford
University Press, 1980.
SOUSA, J. P. Tobias Peucer. Progenitor da Teoria do Jornalismo. Biblioteca
On-Line de Ciências da Comunicação. Portugal, 2004. Disponível em
http://www.bocc.ubi.pt/pag/sousa-jorge-pedro-tobias-peucer.pdf. Acesso em 08
mar. 2006.
TRAQUINA, N. Teorias do Jornalismo. Volume 2. Santa Catarina: Insular, 2005.
TUCHMAN, G. Making news: a study in the construction of reality. New York:
Press. 1978.
WILLIAMS, R. Cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1992.
WOLF, M. Teorias da Comunicação de Massa. Lisboa: Presença, 1995
ZAMORRA, L. N. Los géneros y los periodistas en la convergencia digital. In.: Pauta Geral,
Revista de Jornalismo, ano 10, n°5. Salvador: Calandra, 2003.
ZELIZER, B. Taking journalism seriously. Routledge. London. 2004.

18
8. Bibliografia a consultar

2° CONGRESSO INTERNACIONAL de design da informação. São Paulo: Senac, 2005. CD-


ROM.
3° CONGRESSO INTERNACIONAL de design da informação. Curitiba: Senac, 2007. CD-
ROM.
ÅKESSON, Maria. Design patterns for the online newspaper genre - a genre analysis of 85
swedish daily online newspapers. Disponível em
http://www.handels.gu.se/epc/archive/00002936. Acesso em abril de 2008.
BAKHTIN, M. (2003) Estética da criação verbal. Mikhail Bakhtin: introdução e tradução do
russo Paulo Bezerra; prefácio à edição francesa Tzvetan Todorov, 4ª ed., São Paulo: Martins
Fontes.
BAKHTIN, M./VOLOCHINOV, V. N. (1929) Marxismo e filosofia da linguagem. SP:
Hucitec, 1981.
BARBOSA, S. Jornalismo digital e a informação de proximidade: o caso dos portais
regionais, com estudo sobre o UAI e o iBAHIA. Programa de Pós-Graduação em
Comunicação e Cultura Contemporâneas. FACOM/UFBA, Salvador, 2002. Dissertação.
BELTRÃO, L. (1980). Jornalismo Opinativo. Porto Alegre, Sulina.
BELTRÃO, L. (1976). Jornalismo Interpretativo. Porto Alegre, Sulina.
BRINGHURST, R. Elementos do estilo tipográfico - versão 3.0. São Paulo: Coisac & Naif,
2004.
CAIRO, A. Visual Journalism: Print and Multimedia Infographics Storytelling. 2008
CANÃS, J. e WAERNS, Y. Ergonomia Cognitiva. EUA: Paperback, 2007.
CARSON, D., BLACKWELL, L. The end of print –The graphic design of David Carson.
EUA: Chronicle Books, 1995.
DE PABLOS, J. M. Infoperiodismo: el periodista como creador de infografia. Madrid:
Editorial Síntesis, 1999.
FERNÁNDEZ-LADREDA, R. Cores. Infográficos multimedia: el mejor ejemplo de noticias
hipertextuales. In: Mediaccionline. Mayo de 2004. Disponível em
http://www.mediaccion.com/mediaccionline/temas/periodigital. Acesso setembro de 2007.
FLUSSER, V. Mundo codificado – Por uma filosofia do design da comunicação. São Paulo:
Coisaic & Naif, 2006.
FONTCUBERTA, M., BORRAT, H. Periódicos: sistemas complejos, narradores en
interacción. Argentina: La Crujía Ediciones, 2006.
FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense, 2007.
GAGO, M. La arquitectura de la información, ingeniería del periodismo. In: LÓPEZ, X.
Sistemas Digitales de información. Madri, Pearson Educación, 2006. p. 81-142.
GARCIA, M. Redesigning Print for the Web. EUA: Paperback, 1997.
GARRET, J. J. The elements of user experience: user center design for the web. London: New
Riders, 2003.
GIANNETTI, C. Estética Digital – Sintopia da arte, a ciência e a tecnologia. São Paulo:
COM/Arte, 2006.
GUERRA, J. L. O percurso interpretativo da produção da notícia. 2003. 250 pgs. Tese
(Doutorado em Comunicação) – Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia,
Salvador.
HARROWER, T. The newspaper designer´s handbook. New York: McGraw Hill, 2002.
IHLSTRÖM, C. The evolution of a new(s) genre. 2004. 174 pgs. Tese (Doutoral
Ciência da Informação) – Universidade Halmstad, Halmstad, Suécia.
________________. Navigation in large web sites. 1999. Disponível em
http://www.handels.gu.se/epc/archive/00002312. Acesso em abril de 2008.
________________.From print to web to e-paper .
The challenge of designing the e-newspaper. 2004. Disponível em
http://elpub.scix.net/data/works/att/249elpub2004.content.pdf. Acesso em abril de 2008.
19
KRESS, G., Reading Images: the Grammar of visual Design. EUA: Paperback, 2006.
_______________. Multimodal Discourse: The Modes and Media of Contemporary
Communication
KAWAMOTO, K. Digital journalism: emerging media and the changing horizons of
journalism. Lanham: Rowman & Littlefield Publishers, 2003.
LÓPEZ, X. Sistemas Digitales de información. Madri, Pearson Educación, 2006.
LÓPEZ, X.; GAGO, M.; PEREIRA, X. Arquitectura y organización de la información. In:
NOCI, J.D,;
LUPTON, Ellen. Pensar com tipos. São Paulo: Cosaic & Naif, 2006.
MARQUES DE MELO, J. (1994). A opinião no Jornalismo Brasileiro. Petrópolis: Vozes, 2ª
edição revista.
PITE, S. P. The Digital Designer: 101 Graphic Design Projects for Print, the Web,
Multimedia, and Motion Graphics
RICOEUR, P. Tempo e Narrativa. Trad. Constança M. Cesar. Campinas: Papirus, 1994.
Tomo I.
ROSENFELD, L; MORVILLE, P. Information architecture for the world wide web. Santa
Clara: O'Reilly & Associates, 1998.
ROSENSTIEL, T., KOVACH, B. The elements of journalism. EUA: Three Rivers Press,
2007.
RASKIN, J. The humane interface, New Jersey, ACM Press, 2000
RIBAS, B. A narrativa webjornalística - Um estudo sobre modelos de composição no
ciberespaço. Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura Contemporânea da
Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005. Dissertação
RYAN, M. Narrative as virtual reality: immersion and interactivity in literature and electronic
media. Baltimore: The John Hopkins University Press, 2001.
SCHUDSON, M. Discovering the news: a Social History of American
Newspapers. New York: Basic Books, 1978.
SCHWINGEL, C. A. Os sistemas de publicação como fator da terceira fase do Jornalismo
Digital. In: II Encontro Nacional da SBPJor. Novembro de 2004. Salvador. Brasil. CD.
______. A arquitetura da informação e o sistema de publicação do Independent Media Center.
In: Anais do V Congresso Iberoamericano de Periodismo en Internet. Novembro de 2004b.
Salvador, Bahia.
______. Jornalismo digital de quarta geração: a emergência de sistemas automatizados para o
processo de produção industrial no jornalismo digital. In: Anais do XIV Compós. Junho de
2005. Niterói, Rio de Janeiro.
_____. O processo de produção e os elementos constitutivos dos sistemas de publicação de
conteúdos do ciberjornalismo. In: Anais do V SBPjor - Encontro Nacional
de Pesquisadores em Jornalismo, 2007, Aracaju, Sergipe.
_____. Ferramentas de publicação de conteúdos na internet no contexto do ciberjornalismo.
In: CD ROM do XI Encontro de Professores de Jornalismo. São Paulo, 2008.
SEIXAS, Lia Gêneros Jornalísticos Digitais. Um estudo das práticas discursivas no ambiente
digital, artigo apresentado na Compós, Rio Grande do Sul, 2004, disponível em
http://www.facom.ufba.br/Pos/gtjornalismo/home_2004.htm.
SILVA JR. J. A. Jornalismo 1.2: características e usos da hipermídia no jornalismo, com
estudo de caso do Grupo Estado de São Paulo. Programa de Pós-Graduação em Comunicação
e Cultura Contemporânea da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2000. Dissertação.
______. A Interface Como Estrutura de Produção do Jornalismo de Fonte Aberta.
Trabalho apresentado ao NP 02 – Jornalismo. IV Encontro dos Núcleos de Pesquisa da
Intercom, Porto Alegre, 2004.
______. Uma Trajetória em Redes: Modelos e Características Operacionais das Agências de
Notícias, das Origens às Redes Digitais, com três estudos de caso. Programa de Pós-
Graduação em Comunicação e Cultura Contemporânea da Universidade Federal da Bahia,
Salvador, 2006. Tese.
20
SIMONDON, G. Du mode d'existence des objets techniques. Paris: Editions Aubier, 1958.
SPINILLO, C. G, COUTINHO, S. G. Select Readings of the Information Design
Internacional Conference. São Paulo: Senac, 2003.
VESNA, V. Database Aesthetics – Art in the age of information overflow. EUA:
Universidade Of Minnesota Press, 2007.
WEINBERGER, D. The Hyperlinked Metaphysics of the Web. In:
http://www.hyperorg.com/misc/metaphysics, 2000. Acesso em 28 abr. 2008.

21
8. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO 2008 2009

Mar Abr Mai Jun Julh Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun
Período 08 08 08 08 08 08 08 08 08 08 09 09 09 09 09 09
Atividades

Cumprimento das X X X X X X X X X X
disciplinas revisão da
bibliografia
Análise sobre o estado da
arte do jornalismo digital e
construção do referencial X X
teórico
Definição da metodologia
adotada na pesquisa e
justificativas para escolha
do método qualitativo X X X X
Elaboração dos capítulos e
redação da entrega do
primeiro relatório X X
Mapeamento as estruturas
noticiosas dos dezenove
sites noticiosos X X X X X
Organização e
sistematização das
informações recolhidas e
redação da entrevista aos
profissionais dos sites X X
Organização das respostas
obtidas nas entrevistas
(transcrição e tabulação X
dos questionários)

22
2010
2009

Jul Ago Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul
Período 09 09 09 09 09 09 10 10 10 10 10 10 10
Atividades

Elaboração da entrega do X
primeiro relatório
Redação de análises gerais X X X
e conclusões
Qualificação, construção
dos capítulos X X X X
Elaboração do segundo X
relatório
Conclusão da pesquisa X
Redação X X X X
Revisão X
Defesa da tese X

23