Você está na página 1de 1

DIREITO E ODONTOLOGIA

OBRIGAÇÃO DE MEIO E DE RESULTADO

Dr. Edwin Despinoy


Advogado e Cirurgião Dentista
Diretor Jurídico do SOMGE
despinoy@gmail.com

A responsabilidade civil do Cirurgião Dentista vem sendo vista, hoje, pelo nosso
Direito, de formas diversas no que tange a obrigação ser de meio ou de resultado,
dependendo para tal enquadramento, em regra geral, da especialidade odontológica, assim
como do ponto de vista de cada autor ou tribunal, no que ainda não se chegou a consenso.

Diz-se haver obrigação de meio quando nada mais se exige do profissional que pura
e simplesmente o emprego de determinados meios, sem se olhar o resultado. Em outras
palavras, é a obrigação em que o profissional se obriga a dedicar seus melhores esforços e se
utilizar de todos os meios disponíveis no sentido de obter o melhor para o seu paciente sem,
contudo se comprometer na obtenção da cura do mesmo, ou com determinado resultado
específico.

No caso da obrigação de resultado, o profissional deve alcançar um determinado


resultado, não o alcançando não terá cumprido sua obrigação, sobrevindo assim o dever de
indenizar.

No âmbito da odontologia, da mesma forma que na medicina, determinadas


especialidades têm sido consideradas como de obrigação de meio, como no caso da Cirurgia
Buco Maxilo Facial, Prótese Buco Maxilo Facial e Periodontia. Nas demais especialidades, em
geral, há entendimento de que devam ser consideradas como sendo de resultado. Contudo,
não há consenso dos autores nem dos tribunais sobre quais especialidades devam responder
pela obrigação de meio ou de resultado. Este entendimento bastante avesso à realidade da
ciência odontológica, ainda tem sido muito adotado nas decisões judiciais por todo Brasil, e tem
resultado em muitas decisões judiciais injustas. Critica-se o fato de que a imputação da
obrigação de resultado ao Cirurgião Dentista, não considera as inúmeras variáveis envolvidas
no tratamento odontológico, que freqüentemente estão fora do controle do Cirurgião Dentista,
impedindo-o de ter em suas mãos o pleno controle do resultado. Assim mais justo seria imputar
ao cirurgião dentista a obrigação de meio.

Por outro lado, não é raro nos depararmos com situações de demandas judiciais em
que o Cirurgião Dentista prometeu resultado impossível ou de difícil obtenção na prática, ou
mesmo forneceu termo escrito de garantia do tratamento odontológico por cinco anos ou mais.
Nesses casos, mesmo quando o profissional deva responder pela obrigação de meio,
responderá pela obrigação de resultado por ele assumida, tornando sua defesa em juízo
muito mais difícil e diminuindo suas chances de sucesso caso não tenha alcançado o resultado
prometido.

É importante que o cirurgião dentista se mantenha bem informado sobre os aspectos


jurídicos do exercício da odontologia, agindo sempre de forma preventiva dos riscos legais
envolvidos no exercício profissional.