Você está na página 1de 48

AULA 4 Estúdio de áudio

SOM DIGITAL

Quando mandamos o som analógico para uma placa de som de computador ou para uma mesa digital, o sinal elétrico terá que ser digitalizado, ou convertido em informações expressas em números.

ou convertido em informações expressas em números. SOM DIGITAL X SOM ANALÓGICO • A primeira grande

SOM DIGITAL X SOM ANALÓGICO

A primeira grande diferença é que no áudio digital não há ruído da fita. Uma fita analógica, mesmo virgem, tem um ruído de fundo.

diferença é que no áudio digital não há ruído da fita. Uma fita analógica, mesmo virgem,

Playlist Digital 5.0

Playlist Digital 5.0
Playlist Digital 5.0
Guia Hoje Nela são mostrados os principais fatos históricos e jornalísticos do dia.

Guia Hoje

Nela são mostrados os principais fatos históricos

e jornalísticos do dia.

Edição não destrutiva

O Playlist Digital inclui automaticamente marcas no início e no final dos arquivos para eliminar trechos indesejados como silêncios e aplausos. O sistema marca também trechos de amostras (refrão) e o ponto ideal de mixagem de cada áudio sem alterar o arquivo original.

marca também trechos de amostras (refrão) e o ponto ideal de mixagem de cada áudio sem

OMNI-DIRECIONAIS - captam igualmente os sons em todas as direções, são ideais para captação de orquestras e corais. Não é aconselhável para entrevistas.

sons em todas as direções, são ideais para captação de orquestras e corais. Não é aconselhável

BI-DIRECIONAIS - possuem sensibilidade igual, tanto na parte frontal quanto na posterior. Ótimo para captação de dois assuntos frontais, colocando-o entre os dois.

Conhecido também como "Figura 8".

Ótimo para captação de dois assuntos frontais, colocando-o entre os dois. Conhecido também como "Figura 8".

DIRECIONAIS - captam os sons provenientes de uma

única direção, eles se subdividem em:

cardióides - seu campo de captação tem a forma de um

coração. Adequado para captação de instrumentos.

vozes ou

em: cardióides - seu campo de captação tem a forma de um coração. Adequado para captação

supercardióides - mais sensível que o cardióide, entretanto, tem uma pequena sensibilidade na área de trás.

supercardióides - mais sensível que o cardióide, entretanto, tem uma pequena sensibilidade na área de trás.
supercardióides - mais sensível que o cardióide, entretanto, tem uma pequena sensibilidade na área de trás.

ultradirecionais ou hipercardióides - apresenta enorme sensibilidade para captação dos sons frontais, porém existe uma pequena sensibilidade traseira. Excelente para captação de voz à distância.

sons frontais, porém existe uma pequena sensibilidade traseira. Excelente para captação de voz à distância. Shotgun

Shotgun

Microfone de mão - É o tipo mais comum. Muito usado em entrevistas e por cantores, além de permitir ser segurado pelo usuário, pode ser fixado em um pedestal, pendurado ou mesmo deixado no chão.

fixado em um pedestal, pendurado ou mesmo deixado no chão. Para uma captação melhor, o microfone

Para uma captação melhor, o microfone de mão deve ser posicionado a uma distância de 15 a 30 cm da boca do locutor e num ângulo de 45 graus.

Lapela - Microfone projetado para ser usado junto do corpo humano. O microfone de lapela, também conhecido por lavalier (de Madame de La Vallière, uma senhora da corte francesa na época de Luís XIV, famosa por suas jóias próprias para o pescoço), é ótimo para entrevistas paradas, mas pode captar ruídos de roupas, se seu portador movimentar-se demais. De formato muito pequeno, é preso à roupa deixando o usuário com as mãos livres. Ele pode ser facilmente escondido atrás de qualquer objeto.

é preso à roupa deixando o usuário com as mãos livres. Ele pode ser facilmente escondido
Ótimo para entrevistas em lugares silenciosos, sendo que cada um dos participantes terá um microfone;

Ótimo para entrevistas em

lugares silenciosos, sendo que

cada um dos participantes terá um microfone; também é excelente para apresentadores.

Mas algumas

vezes

não

se

consegue usá-los

perto

de

aeroportos ou

de

bases

militares, devido a interferência nas rádio-freqüências.

Foley

Foley é o nome dado, em pós produção de som pra cinema, à técnica de "recriar os sons que compõem uma cena, de forma a completá-la ou valorizá-la ou mesmo engrandecê-la". O espectro sonoro possível de ser trabalhado numa enorme tela de imagens (como é o cinema) é imenso e praticamente impossível de ser captado por um ou mesmo

mais microfones na gravação do som direto. Além do que, com o

surgimento do sistema 5.1 no cinema, multiplicou-se as possibilidades para explorar o ambiente sonoro dos filmes.

O nome foi dado por Jack Foley, inventor da técnica no início dos anos

50 quando era editor de som da Universal Studios. Ele começou a

perceber a necessidade de "reforçar" o ambiente sonoro, pois o som direto captado no set não era o suficiente pra dar a dimensão e a espacialidade sonora necessários para preencher as grandes telas de cinema. A solução foi recriar os sons (como passos, objetos caindo,

nuances de movimento e uma infinidade de outros sons possíveis nas

cenas) gravando-os na etapa de pós produção, em sincronia com as imagens do filme já montado.

Foley

Foley

- Unidade 7

- Unidade 8