PERÍODO PRÉ-COLONIAL Denominamos período pré-colonial a fase transcorrida entre a chegada da esquadra de Pedro Álvares Cabral

e o primeiro projeto nitidamente colonizador empreendido por Martim Afonso de Souza em 1531. Durante esse período, a região conhecida como América portuguesa teve um papel secundário na economia de Portugal, no momento em que o comércio com as Índias Orientais monopolizava os interesses mercantis do Império. Diversas expedições foram para procurar no Brasil riquezas que pudessem ser exploradas e ao mesmo tempo combater invasores estrangeiros (principalmente espanhóis e franceses). Essas expedições não conseguiram descobrir os tão sonhados metais preciosos, que só foram encontrados no final do século XVII. No entanto, localizaram nos litorais brasileiros um produto de importância menor que viabilizou o surgimento de um incipiente comércio: o do pau-brasil. A exploração dessa madeira, que era utilizada na tintura de tecidos europeus, tornou-se a principal atividade econômica do período pré-colonial. Esse comércio tornou-se viável graças ao escambo com os indígenas e ao surgimento de algumas poucas feitorias no litoral. Bula Inter Coetera Durante o século XV, Portugal seguiu conquistando novas terras na Costa Africana. Nessa época a Coroa Espanhola iniciou sua expansão marítima em busca das Índias. A disputa por novas terras coloniais iniciou um conflito entre Portugal e Espanha. Com receio do crescimento espanhol no setor comercial por vias marítimas, Portugal ameaçou entrar em conflito com os espanhóis, caso suas possessões fossem desrespeitadas. A Espanha recorreu ao papa Alexandre VI com o intuito de evitar uma guerra e poder auxiliar nessa richa. A Bula inter Coetera foi definida como um tratado em Maio de 1493, do Papa Alexandre VI, onde determinava que o “novo mundo”era dividido entre Portugal e Espanha. A Bula Inter Coetera procurou acordar e assegurar os direitos de Portugal e de Espanha. As novas terras descobertas por Cristóvão Colombo seriam da Espanha e, para Portugal a costa da África. À Portugal foi determinado como sendo suas, as terras encontradas até 100 léguas à oeste do Arquipélago de Cabo Verde, já para a Espanha, todas as terras que fossem descobertas fora desse limite, lhe pertenciam. Porém, um detalhe considerável veio a tona, a 100 léguas de Cabo Verde só havia o Oceano Atlântico. Claro que Portugal solicitou uma revisão para esse impasse onde foi negociado o Tratado de Tordesilhas,

Observe-se que uma das testemunhas que assinaram o Tratado de Tordesilhas. conquista e “choque cultural” entre europeus e índios foi denominado como “o encontro de dois mundos”. os índios (foram chamados de índios pois os portugueses acharam estar nas Índias). a 5 de Setembro do mesmo ano. os termos do tratado foram ratificados por Castela a 2 de Julho e. Consequências do Tratado Com a expedição de Pedro Álvares Cabral à Índia. Em sua chegada. As culturas européias e indígenas descobriram seus opostos e assimilaram alguns costumes da cultura adversa. O Tratado estabelecia a divisão das áreas de influência dos países ibéricos. Contrariando a bula anterior de Alexandre VI. O tratado definia como linha de demarcação o meridiano 370 léguas a oeste da ilha de Santo Antão no arquipélago de Cabo Verde. Países Baixos) passaram a questionar a exclusividade da partilha do mundo entre as nações ibéricas. Encontro entre dois Mundos A chegada dos conquistadores europeus no continente americano representou o encontro de duas civilizações completamente diferentes. conforme determinado no Tratado de Tordesilhas. Inglaterra. por Portugal.770 km) a oeste das ilhas de Cabo Verde. Como resultado das negociações. avistou a nova terra e os novos habitantes. Inter Coetera (1493). Chegada da Esquadra de Pedro Álvares Cabral Pedro Álvares Cabral partiu de Portugal para encontrar terras alémAtlântico. assinado na povoação castelhana de Tordesilhas em 7 de Junho de 1494. a mando de D. Manuel I. em 22 de abril. Em documento escrito por Duarte Pacheco Pereira.Tratado de Tordesilhas O Tratado de Tordesilhas. e à Espanha as terras que ficassem além dessa linha. cabendo a Portugal as terras "descobertas e por descobrir" situadas antes da linha imaginária que demarcava 370 léguas (1. “Esse processo de descoberta. . outras potências marítimas europeias (França. com sua saída do Porto de Restelo. que queria se certificar da existência de terras além do Atlântico das quais poderia tomar posse. um dos nomes ligados a um suposto descobrimento a exploração americana (o ouro castelhano e o pau-brasil português). por Portugal. o novo tratado foi aprovado pelo Papa Júlio II em 1506. as Índias. que atribuía à Espanha a posse das terras localizadas a partir de uma linha demarcada a 100 léguas de Cabo Verde. Sua expedição contava com cerca de 1500 homens e sua missão era feitorias nas Índias e criar bases comerciais permanentes na Ásia. existe um indicador de que o rumo tomado era proposital. a costa do Brasil foi atingida (abril de 1500) pelos Portugueses. foi Duarte Pacheco Pereira. foi um tratado celebrado entre o Reino de Portugal e o recém-formado Reino da Espanha. o que séculos mais tarde viria a abrir uma polêmica historiográfica acerca do "acaso" ou da "intencionalidade" da descoberta. Iniciou sua viagem em 9 de março de 1500. intercâmbio.

Oficialmente. a colheita e o preparo dos alimentos.árvore que existia com relativa abundância em largas faixas da costa brasileira.Brasil A primeira riqueza explorada pelo europeu em terras brasileiras foi o pau-brasil (caesalpinia echinata). com a importante participação do indígena. O interesse comercial nessa madeira decorria da possibilidade de extrair-se dela uma substância corante. em derrubar as grandes árvores. cabendo aos homens as tarefas mais pesadas. Às mulheres cabia a responsabilidade sobre as crianças. Antes da chegada dos colonizadores. o colonizador provocou uma resistência por parte do indígena e então. a não ser de forma muito limitada. a terra era usufruída coletivamente. o trabalho do índio era conseguido "amigavelmente" com o escambo. Contato entre Índios e Europeus Inicialmente o contato dos colonizadores europeus com os indígenas foi pacífico. Este consistia. de contato amistoso o relacionamento entre conquistador e conquistado passou a ser pautado pela hostilidade. cortá- . aumentar o número de fiéis seguidores da Igreja Católica na América. Entre eles não havia propriedade privada. como caça. mas pouco a pouco os nativos passaram a perceber qual era realmente os objetivos daqueles “invasores” Ao exigirem a cooperação e o trabalho indígena em moldes diferentes daqueles que a população estava habituada. A descoberta mútua entre duas culturas amenizou os conflitos. A primeira concessão para explorar o pau-brasil foi fornecida a Fernão de Noronha. em 1501. Ao se apropriar das terras americanas e exigir do indígena o trabalho compulsório.Além de explorar a nova terra. agiam intensamente no litoral brasileiro. preparação do solo para o cultivo. tudo o que se produzia se destinava a subsistência. o homem desestruturou a economia nativa e provocou a reação violenta de algumas comunidades que não aceitavam a subordinação ao colonizador europeu Exploração de Pau . O trabalho era dividido conforme a idade e o sexo. comumente utilizada para tingir tecidos. ninguém poderia retirá-lo de nossas matas sem prévia concessão da coroa e o pagamento do correspondente tributo. Foi com esse propósito que vieram junto com os colonizadores diversos membros da Companhia de Jesus. O esquema montado para a extração do pau-brasil contava. Os indígenas não praticavam o comércio. os portugueses também queriam expandir o domínio da fé cristã pelo novo mundo. Só as tripulações dos navios que efetuam o tráfico não dariam conta. essencialmente. nem tampouco desigualdade social. A população indígena não aceitou com facilidade a imposição do trabalho escravo e os conflitos passaram a ser invitáveis. que alcança um metro de diâmetro na base do tronco e 10 a 15m de altura. da árdua tarefa de cortar árvores de grande porte como o pau-brasil. construção de habitações e a guerra. A princípio. basicamente. que estava associada a vários comerciantes judeus. a plantação. convertendo a população indígena por meio da catequese. extraindo a madeira sem pagar os tributos exigidos pela coroa portuguesa. O rei de Portugal não demorou a declarar a exploração do pau-brasil um monopólio da coroa portuguesa. ou seja. Os Franceses. que não reconheciam a legitimidade do Tratado de Tordesilhas.

Para armazenar o pau-brasil que havia sido explorado foram criadas as Feitorias que eram estruturas comerciais. Desta forma. daí. o índio no Brasil realizava suas atividades econômicas apenas para sua subsistência. que a nova colônia passará a ser povoada. Os índios derrubavam as grandes árvores. toda a mercadoria no Brasil exigia trabalho do português em sua extração.e o açúcar passou a ser a base lucrativa da colônia. transportá-las até a praia e. A exploração imediata do pau-brasil caracterizou-se pela extração predatória. que serviam de entrepostos com o interior da colônia. devido à ameaça francesa. ao passo que estas novas expedições já se caracterizavam pelo interesse comercial e também pelo intuito de assegurar do domínio colonial contra os corsários. em troca recebiam facas. as costas brasileiras passaram a ser exploradas apenas a partir dos anos de 1501 e 1502. durante a expedição de Martim Afonso de Sousa. A fase anterior tratou-se de expedições também destinadas à pesquisa geográfica. O número de habitantes portugueses em território brasileiro era mínimo em relação aos quase 2 milhões de índios aborígines (número estatístico aproximado. eles haviam de achar outra maneira de gerar lucro para a metrópole então começaram com o plantio da cana de açúcar já que o açúcar na Europa era um produto de grande “aceitação” na época. Mais tarde. aos locais onde estavam ancorados os navios. em geral fortificadas e situadas no litoral. Logo após a chegada dos portugueses no Brasil.Assim que os primeiros portugueses chegaram aqui com intuito de formar uma colônia de povoamento e não mais de extrativismo. pois na verdade é praticamente impossível determinar o número exato de habitantes aborígines). baseada em especiarias já acabadas enquanto produtos. Colonização Portuguesa No período pré-colonial. O pau-brasil era o objeto de atividade de extração para fins comerciais: pouco foi aproveitado dos demais recursos em estado natural neste primeiro período. Foi mínima a ocupação portuguesa nos primeiros anos após a descoberta da nova terra por Portugal. pouco a pouco foi propiciado o melhor conhecimento da costa brasileira. nos anos de 1515 e 1516. é fundada a vila de São Vicente. BRASIL COLONIA A partir de 1531. Em 1532. as expedições à Terra de Santa Cruz tornaram mais frequentes e de maior importância. Portanto. o escambo foi intensamente empregado nas relações entre europeus e ameríndios para carregamento do pau-brasil. Ainda havia descaso de Portugal com relação à nova terra: o comércio com as Índias era mais vantajoso e menos dispendioso. pois o único trabalho ao qual o português se entregava nesta atividade era o corte e o transporte das árvores. . Enquanto o povo das Índias já possuía uma tradição comercial. Este escambo realizado entre os índios e os portugueses era basicamente a troca de bens e serviços sem a intermediação do dinheiro. para ser colocada nos navios. cortavam-nas em pequenas toras e transportavam-nas até a praia. espelhos e bugigangas de fabricação européia.las em pequenas toras.

Em troca destes serviços. Embora tenha vigorado por pouco tempo. o que facilitava as comunicações e o comercio e São Vicente que á contava com habitantes e recursos que não existiam em outras capitanias. a falta de recursos e a extensão territorial dificultaram muito a implantação do sistema. Portugal estava ciente de inúmeros recursos valiosos presentes nas terras brasileiras. passariam de pai para filho. em 1549. como a permissão de explorar as riquezas minerais e vegetais da região. como o pau-brasil e os metais preciosos. Fato que explica o nome deste sistema administrativo. a Carta de Doação e o Foral. Desta forma. o sistema das Capitanias Hereditárias deixou marcas profundas na divisão de terra do Brasil. que partiam do litoral até a linha imaginária do Tratado de Tordesilhas. Cabia também aos donatários combater os índios de tribos que tentavam resistir à ocupação do território. em 1500. o reino português estabeleceu um contrato o oficializou direitos e deveres dos donatários. Estas enormes faixas de terras. além das terras. proteger e desenvolver a região. A distância de Portugal. cabendo ao governador geral às funções antes atribuídas aos donatários. chamados de donatários. foram doadas para nobres e pessoas de confiança do rei. Com exceção das capitanias de Pernambuco que ficava mais perto da Europa. Este seria mais centralizador. todas acabaram fracassando. Atualmente. conhecidas como Capitanias Hereditárias. colonizar. Por isso. também sabia que precisava criar uma forma de proteger as novas terras das invasões de piratas ingleses. Utilizando dois documentos. A carta de Doação era a concessão dos direitos administrativos e Foral era a relação dos direitos e deveres dos capitães. tinham a função de administrar. muitos não possuem terras. os donatários recebiam algumas regalias. o rei de Portugal criou um novo sistema administrativo para o Brasil: o GovernoGeral. Estes territórios seriam transmitidos de forma hereditária. Estes que recebiam as terras. os ataques indígenas. franceses e holandeses. João III resolveu dividir a terra brasileira em quinze grandes faixas.FORMAÇÃO DAS CAPITANIAS HEREDITÁRIAS Após o descobrimento do Brasil. . ou seja. A distribuição desigual das terras gerou posteriormente os latifúndios. Entre os anos de 1534 e 1536. o rei de Portugal D. causando uma desigualdade no campo. enquanto poucos possuem grandes propriedades rurais. propagar a fé católica. As dificuldades de administração das capitanias eram inúmeras.

No entanto. o governo-geral trouxe a criação de novos cargos administrativos. Além destas duas autoridades. essa experiência não determinou que o governador cumprisse todas essas tarefas por si só. principalmente. a integração dos indígenas com os centros de colonização. também foi sendo estruturada uma administração de âmbito local. Quando havia desentendimentos ou conflitos entre eles. como as capitanias eram hereditárias. o combate do comércio ilegal. atender às necessidades do norte e do sul da colônia. João III foi obrigado a comprar a capitania da Bahia ao filho de Francisco Pereira Coutinho. Para pertencer à câmara não bastava apenas ser rico. ligadas ao combate dos invasores estrangeiros e ao ataque dos nativos. nomeada por ele. para nela poder estabelecer a sede do . João III Achava que as capitanias não progrediam porque faltava uma autoridade a que todos os donatários obedecessem. o governo português intervinha. impondo assim a sua autoridade.O GOVERNO GERAL D. A pena a ser dada a quem cometesse um pequeno furto. Com o surgimento das primeiras vilas e cidades. De tal modo. Em resumo. a cargo das câmaras municipais. Foi essa autoridade. que se chamou governador-geral. de forma violenta. o que o governo português buscava era efetivar maior controle na organização produtiva do sistema colonial mercantilista. construir embarcações. Mesmo que centralizadora. oficialmente instituídas somente nos municípios mais importantes. Entretanto. tendo por base o governo-geral. pontes e chafarizes. o governador-geral deveria viabilizar a criação de novos engenhos. Por isso D. já que o poder continuou descentralizado pelas vilas e municípios. defender os colonos e realizar a busca por metais preciosos. judeus ou mouros. tinha poderes para tomá-las de seus donatários. ficando em geral nas mãos dos proprietários rurais. em 1548. era preciso também ter “pureza de sangue”: não eram aceitos descendentes de negros. muitas vezes. O ouvidor-mor era o funcionário responsável pela resolução de todos os problemas de natureza judiciária e o cumprimento das leis vigentes. As câmaras eram controladas pelos chamados “homens bons”. Nas câmaras municipais. assim. o capitão-mor desenvolvia ações militares de defesa que estavam. A conservação e a limpeza das ruas. os “homens bons” decidiam sobre: Os impostos locais e a forma de arrecadá-los. nem o próprio rei que as havia criado. Para a sede do governo-geral. essa política centralizadora foi mais aparente do que prática. Os salários pagos a trabalhadores livres. O relacionamento com os povos indígenas. Ao decidir implantar uma administração mais centralizadora. Era comum que os vereadores desobedecessem ao governador-geral. passando de pai para filho. O chamado provedor-mor estabelecia os seus trabalhos na organização dos gastos administrativos e na arrecadação dos impostos cobrados. representados pelos grandes proprietários de terras e de escravos. o rei escolheu a Bahia. É que essa capitania ficava mais ou menos no meio da costa brasileira e o governador podia.

Álvaro foi censurado pelo bispo. Tomé de Sousa percorreu as capitanias do Sul. pois queria saber pessoalmente quais as medidas que deveria tomar para que elas continuassem progredindo: na de São Vicente aprovou a fundação da Vila de Santos e. os franceses não teriam invadido o Rio de Janeiro em 1555. porque era homem simples e trabalhador. chegou à baía de Todos os Santos a esquadra que trazia. nomeado para o cargo de capitão-mor da Costa. Administração de Tomé de Sousa Tomé de Sousa recebeu do rei grandes poderes: deveria fundar na baía de Todos os Santos a cidade do Salvador. que cuidava da justiça. Ajudado pelos índios de Diogo Álvares. Também acompanhava o novo governador o seu filho. ao passar pela baía de Guanabara. Os jesuítas começaram a catequese dos índios e. podendo até condenar à morte os colonos que os escravizassem. o provedormor da Fazenda Antônio Cardoso de Barros. ficou entusiasmado com o lugar e aconselhou ao rei fosse fundada uma povoação para garantir a defesa desse litoral contra os estrangeiros. o rei nomeou um alcaide-mor. os primeiros que chegaram ao Brasil. para defender o litoral dos ataques dos estrangeiros. Tomé de Sousa foi substituído por D. a de Francisco Bruza Espinosa. também donatário da capitania do Ceará. chefe da milícia. o bispo D. tratar bem os índios que se mostrassem amigos dos portugueses. então com dezenove anos de idade. criou-se o primeiro bispado. um capitão-mor da Costa. Álvaro da Costa. D. além de Tomé de Sousa. D. Também vinham na esquadra homens de ofício. chefiados por Manuel da Nóbrega. O próprio governador-geral. Pero Fernandes Sardinha. Em março de 1549.governo-geral. o Caramuru. o primeiro governador-geral do Brasil. Duarte da Costa. O governador tornou a defesa do filho. deveria ainda nomear funcionários e conceder sesmarias (grandes extensões de terras) aos que quisessem estabelecer-se com engenhos de açúcar. Tomé de Sousa iniciou a construção da cidade do Salvador. Para auxiliar Tomé de Sousa. pedreiros. Por isso. moço valente mas de maus costumes. o que provocou agitações na Bahia: . Se o seu conselho fosse seguido por D. João III. que partiu para o sertão baiano. como pagamento dos funcionários. Em 1553. sendo nomeado. e Vero Góis da Silveira. muitos soldados e colonos. como cobrança dos impostos. levava em seus ombros as tábuas e outros materiais para a construção das casas. o ouvidor-geral da Justiça Pêro Borges. e das despesas. que cuidava das rendas da colônia. por conselho do Padre Manuel da Nóbrega. além de vários jesuítas. carpinteiros. além do noviço José de Anchieta. com as primeiras cabeças de gado que o governador-geral mandou vir das ilhas do Cabo Verde. já no governo seguinte. um ouvidor geral. Foi muito proveitosa a administração de Tomé de Sousa: desenvolveram-se as plantações e iniciou-se a atividade pastoril. inaugurada alguns meses depois. e um provedor-mor da Fazenda. Tomé de Sousa ainda se interessou em verificar se havia ouro no Brasil e por isso organizou uma expedição ou entrada. Segundo Governador-Geral Com o segundo governador-geral vieram vários jesuítas. para servir na Bahia.

que tanto ajudou Tomé de Sousa na fundação da cidade do Salvador. e acabou com uma epidemia de varíola. na Vila do Pereira. combateu o jogo. verificou-se. então muito praticado. origem da cidade do mesmo nome. que desde o governo de D. em janeiro de 1567. embarcou o bispo para a Europa. Duarte da Costa: em Portugal morreu o rei D. João III e na Bahia. a 25 de janeiro (dia da conversão de São Paulo). Mas o navio em que viajava. Nesse período José de Anchieta. Duarte da Costa. Aconselhado pelo Padre Manuel da Nóbrega. Essa data. o colégio de São Paulo. Duarte da Costa. Ainda no governo de D. enquanto outras estavam a favor de D. no qual Estácio de Sá foi ferido por . os’ franceses ocuparam o Rio de Janeiro. 1. indo à Bahia para tornar-se padre. importante acontecimento: foi fundado pelos jesuítas. na capitania de São Vicente. Terceiro Governador-Geral Mem de Sá começou a governar em 1558 e fez boa administração. juntou suas forças com as de Estácio de Sá. Pêro Fernandes Sardinha foi morto e devorado pelos caetés. donatário da capitania do Ceará. Os franceses foram vencidos em dois combates. Mem de Sá reuniu os índios mansos em aldeias ou missões e fez guerra aos que não queriam aceitar a amizade dos portugueses. no de Uruçu-Mirim e no de Paranapecu (depois ilha do Governador).° de março desse ano iniciou uma povoação entre o Pão de Açúcar e o Cara de Cão. voltou a ocupar suas antigas posições. Durante dois anos. inimigos dos portugueses. Nessas lutas perdeu a vida. Fernão de Sá. Duarte. seu filho. depois chamada ilha de Villegagnon. Dois outros acontecimentos ocorreram no governo de D. o Caramuru. foi António Cardoso de Barros. Um dos seus companheiros. com uma pequena esquadra e com a ajuda enviada pela capitania de São Vicente. que se havia ocultado nas matas do litoral. é a da fundação da cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. Em 1560.muitas pessoas apoiavam o bispo. Nossa Senhora da Ajuda. eram chefiados por Nicolau Durand de Villegagnon e contavam com a aliança dos índios tamoios. provocada pelas brigas entre as pessoas que tinham apoiado o bispo e as que foram partidárias de D. Quando ele chegou à Bahia. de 1565 a 1567. pois era ainda noviço. Estado de Sá. Mem de Sá agiu com energia: restabeleceu a ordem. quando Mem de Sá regressou à Bahia. Em 1554. o governador-geral atacou e destruiu o forte de Coligny que os franceses haviam fundado na ilha de Sergipe. em novembro de 1555. o inimigo. Em 1565 chegou ao Rio de Janeiro uma esquadra comandada pelo sobrinho do governador.° de março de 1565. recebeu mais reforços na capitania de São Vicente e. a luta permaneceu indecisa. Mas. Duarte da Costa ocupavam o Rio de Janeiro. transmitiu ao governador-geral o pedido de ajuda que lhe fazia o sobrinho. que a 1. a capital estava em desordem. no planalto de Piratininga. que também teve & mesmo fim. morto a flechadas quando combatia os selvagens da capitania de São Vicente. Mem de Sá partiu então para o Sul. Mas o maior serviço prestado por Mem de Sá ao Brasil foi a expulsão dos franceses. naufragou na costa de Alagoas e D. doença de origem africana e que na capital fazia muitas vítimas. Com o fim de explicar ao rei o que acontecia no Brasil.

em latim. chefe indígena famoso por sua crueldade. sem poder realizar seu último desejo. . Voltando para a Bahia. Seu sucessor. Luís de Brito combateu os índios do rio Real (Sergipe) e fundou a vila de Santa Luzia. chamada Confederação dos Tamoios. Os índios de São Paulo e Rio de Janeiro haviam-se unido para guerrear os portugueses. não chegou ao Brasil. Interessado cm descobrir riquezas minerais. Os sucessores de Mem de Sá Em 1573 o Brasil foi dividido cm dois governos: para o Norte.flecha. conseguida por Nóbrega e Anchieta. Dia primeiro de março de 1567 a cidade de São Sebastião foi transferida pelo govenador. o de voltar para Portugal. António Salema fez guerra aos Famoios de Cabo Frio porque esses índios eram aliados dos franceses que. que não decidiram o fim da luta. mandou ao sertão da Bahia a entrada chefiada por António Dias Adorno. Nessa ocasião José de Anchieta. um poema à Virgem Maria. Esses padres ficaram conhecidos pelo nome de os Quarenta Mártires do Brasil. Também morreram. António Salema. os quarenta jesuítas que acompanhavam o governador ao Brasil. atacado por corsários franceses. na areia da praia. esses dois jesuítas conseguiram a paz por meio de um acordo com os índios. sendo nomeado para governá-la outro sobrinho de Mem de Sá. D. com a capital em Salvador. Jorge de Mascarenhas (1640). Mem de Sá morreu em Salvador. pois morreu na viagem. Salvador Correia de Sá. entre os selvagens da aldeia de Iperoig.geral para o morro do Castelo ou São Januário. nessa ocasião. Luís de Vasconcelos. escreveu. Dessa aliança. fazia parte Cunhambebe. faziam o contrabando do paubrasil. Primeiro vice-rei do Brasil: D. com sede no Rio de janeiro. foi nomeado Luis de Brito c Almeida e para o Sul. em 1572. vindo a morrer no mês seguinte. nessa região. Ainda durante o governo de Mem de Sá verificou-se a pacificação dos tamoios. Último governador-geral e vice-rei do Brasil: oitavo Conde dos Arcos. só. Depois de vários combates. hoje demolido. até 1808.

Retrata como os Portugueses se fixaram na terra e o que encontraram no novo mundo.Introdução O trabalho consiste em apresentar a chegada dos colonizadores portugueses no Brasil. . onde explica os tratados entre Portugal e Espanha e a extração do Pau Brasil e o Período Colonial irá apresentar como se formou a primeira forma de governo do Brasil. Abrange assuntos como o período Pré Colonial.

. Com a exploração dos índios e o comércio do pau Brasil os portugueses se fixaram no Brasil e isso acarretou no início da história do Brasil que é contada até hoje nos livros de histórias. Um fator que contribuiu para o acontecimento desse importante fato foi o monopólio econômico Italiano nas rotas comerciais. que forçou os países Ibéricos a descobrirem novas rotas em busca das especiarias.Conclusão Concluímos que a chegada dos portugueses no Brasil foi um grande marco na história mundial.

com.php http://www.br/articles/629/1/BRASIL---PERIODO-PRECOLONIAL/Paacutegina1.net/arprotasio/brasil-colonial-xvi-xvii? src=related_normal&rel=1326961 .com/colonia/governo_geral.portalsaofrancisco.wikipedia.mundovestibular.htm http://www.suapesquisa.html http://pt.com.Bibliografia http://www.html http://www.br/historia/colonizacao-portuguesa-no-brasil.br/alfa/brasil-colonia/administracao-colonial.org/wiki/Tratado_de_Tordesilhas http://www.algosobre.slideshare.com.

04 DE ABRIL. N° 04 HISTÓRIA DO BRASIL Turma: 301 Turno: Manhã Professor: Maximiliano SÃO MARCOS. 2012 . N° 03 Fernanda Fabbro.COLÉGIO MUTIRÃO DE SÃO MARCOS (ASSEMARCOS) HISTÓRIA COMPONENTES: Amanda Scodro. N° 01 Eduardo Araujo.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful