Você está na página 1de 12

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) foi criado na década de 60 para

proteger o trabalhador demitido sem justa causa. Sendo assim, no início de cada mês, os empregadores depositam, em contas abertas na CAIXA, em nome dos seus empregados

e vinculadas ao contrato de trabalho, o valor correspondente a 8% do salário de cada funcionário.

Com o fundo, o trabalhador tem a chance de formar um patrimônio, bem como adquirir sua casa própria, com os recursos da conta vinculada. Além de favorecer os trabalhadores, o FGTS financia programas de habitação popular, saneamento básico e infraestrutura urbana, que beneficiam a sociedade, em geral, principalmente a de menor renda.

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) foi criado pelo Governo Federal,

com o objetivo de proteger o trabalhador demitido sem justa causa, mediante a abertura

de uma conta vinculada ao contrato de trabalho.

No início de cada mês, os empregadores depositam, em contas abertas na CAIXA, em nome dos seus empregados, o valor correspondente a 8% do salário de cada funcionário.

O FGTS é constituído pelo total desses depósitos mensais e os valores pertencem

exclusivamente aos empregados que, em algumas situações, podem dispor do total

depositado em seus nomes.

Em vigor desde 1967, o fundo é regido por normas e diretrizes estabelecidas pelo Conselho Curador do FGTS, composto por representantes do governo, dos trabalhadores e dos empregadores.

O percentual de 8% do FGTS não é recolhido somente sobre o valor do salário recebido

pelo empregado. Incide, também, sobre o valor das horas extras, adicionais de periculosidade e insalubridade, trabalho noturno, 13º salário, valor das férias e sobre o valor do aviso prévio trabalhado ou indenizado.

O FGTS tem como objetivo, ainda:

Formar um fundo de indenizações trabalhistas;trabalhado ou indenizado. O FGTS tem como objetivo, ainda: Oferecer ao trabalhador a possibilidade de formar

Oferecer ao trabalhador a possibilidade de formar um patrimônio em troca da estabilidade no emprego;ainda: Formar um fundo de indenizações trabalhistas; Proporcionar ao trabalhador aumento de sua renda real, pela

Proporcionar ao trabalhador aumento de sua renda real, pela possibilidade de acesso à casa própria;formar um patrimônio em troca da estabilidade no emprego; Formar fundo de recursos para o financiamento

Formar fundo de recursos para o financiamento de programas de habitação popular, saneamento básico e infraestrutura urbana.renda real, pela possibilidade de acesso à casa própria; O FGTS foi instituído pela Lei nº

O FGTS foi instituído pela Lei nº 5.107, de 13/09/66. Esta lei foi regulamentada pelo Decreto nº 59.820, de 20/12/66. Formado por depósitos mensais, efetuados pelas empresas em nome de seus empregados, no valor equivalente ao percentual de 8% das

remunerações que lhes são pagas ou devidas; em se tratando de contrato temporário de trabalho com prazo determinado, o percentual é de 2%, conforme dispõe o inciso II do art. 2º da Lei nº 9.601, de 21/01/98.

Atualmente, a Lei que dispõe sobre o FGTS é a de nº 8.036, de 11/05/90, republicada em 14/05/90, já tendo sofrido várias alterações.

O Fundo constitui-se em um pecúlio disponibilizado quando da aposentadoria ou morte

do trabalhador, e representa uma garantia para a indenização do tempo de serviço, nos

casos de demissão imotivada.

A diferença básica em relação ao modelo anterior é que esses depósitos integram um

Fundo unificado de reservas, com contas individualizadas em nome dos trabalhadores.

Além de ampliar o direito indenizatório do trabalhador, que pode, ao final do tempo útil de atividade, contar com o valor acumulado dos depósitos feitos em seu nome, o sistema também o favorece de forma indireta, ao proporcionar as condições necessárias à formação de um Fundo de aplicações, voltado para o financiamento de habitações, assim como para investimentos em saneamento básico e infra-estrutura urbana.

Como conseqüência, este mecanismo também proporciona a geração de empregos na construção civil, bem como possibilita aos trabalhadores ganhos indiretos decorrentes da ampliação da oferta de moradias.

Com o novo sistema, o encargo adicional gerado para as empresas, por ocasião da implantação do sistema, foi de apenas 2,8%, já que a contribuição de 8% para o FGTS foi compensada com a extinção de outras contribuições até então existentes. Deve-se ressaltar, ainda, o fato de que a contribuição para o FGTS guarda proporcionalidade com a indenização prevista na CLT, permitindo, assim, que a empresa efetive a cobertura parcelada da indenização a que teria direito o trabalhador, quando de seu desligamento. Esse aspecto pode ser considerado, também, como um benefício para o empregador.

A quem se destina

A todos os trabalhadores com contrato de trabalho formal, regido pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) desde 5/10/88. Antes dessa data, o direito ao FGTS era opcional. Também têm direito ao FGTS, trabalhadores rurais, temporários, avulsos, safreiros (operários rurais, que trabalham no período de colheita) e atletas profissionais. O diretor não empregado e o empregado doméstico podem ser incluídos no sistema, a critério do empregador.

Quando sacar o FGTS

- Na demissão sem justa causa;

- No término do contrato por prazo determinado;

- Na rescisão do contrato por extinção total ou parcial da empresa; na decretação de

anulação do contrato de trabalho nas hipóteses previstas no art. 37 §2º , da Constituição Federal, ocorrida após 28/07/2001, quando, mantido o direito ao salário; na rescisão do contrato por falecimento do empregador individual;

- Na rescisão do contrato por culpa recíproca ou força maior;

- Na aposentadoria;

- No caso de necessidade pessoal, urgente e grave, decorrente de desastre natural

causado por chuvas ou inundações que tenham atingido a área de residência do trabalhador, quando a situação de emergência ou o estado de calamidade pública for assim reconhecido, por meio de portaria do Governo Federal;

- Na suspensão do Trabalho Avulso;

- No falecimento do trabalhador;

- Quando o titular da conta vinculada tiver idade igual ou superior a 70 anos;

- Quando o trabalhador ou seu dependente for portador do vírus HIV;

- Quando o trabalhador ou seu dependente for acometido de neoplasia maligna - câncer;

- Quando o trabalhador ou seu dependente estiver em estágio terminal, em razão de doença grave;

- Quando a conta permanecer sem depósito por 3 anos seguidos, cujo afastamento tenha ocorrido até 13/07/90;

- Quando o trabalhador permanecer por 03 anos seguidos fora do regime do FGTS, cujo

afastamento tenha ocorrido a partir de 14/07/90, podendo o saque, neste caso, ser

efetuado a partir do mês de aniversário do titular da conta;

- Para aquisição de moradia própria, liquidação ou amortização de dívida ou pagamento de parte das prestações de financiamento habitacional. Quem faz o depósito na conta do trabalhador? O empregador ou o tomador de serviços. Quando o depósito deve ser feito? Até o dia 7 do mês subsequente ao mês trabalhado.

8% (Oito por cento) do salário pago ao trabalhador. No caso de contrato de trabalho firmado nos termos da Lei n.º 11.180/05 (Contrato de Aprendizagem), o percentual é reduzido para 2%. O FGTS não é descontado do salário, é uma obrigação do empregador, exceto em caso de trabalhador doméstico. Como conferir se os depósitos estão sendo feitos?

A partir do extrato do FGTS, que o trabalhador recebe em casa a cada 2 meses. Se não

estiver recebendo o extrato, o trabalhador deverá informar seu endereço completo em uma agência da CAIXA, pelo sítio da CAIXA, na internet ou, ainda, pelo 0800 726 01

01.

O trabalhador deverá procurar a Delegacia Regional do Trabalho (DRT), já que o

responsável pela fiscalização das empresas é o Ministério do Trabalho e Emprego.

Sim. Todo dia 10 recebem atualização monetária mensal mais juros de 3% a.a.

Documentos para retificação de dados

A correção de dados cadastrais ou financeiros das contas vinculadas do FGTS e a

solicitação da transferência dessas contas devem ser feitas pelo empregador, de acordo com orientações da Circular Caixa 449/2008 e 452/2008. As circulares contêm, ainda,

orientações de como preencher os formulários de PTC - Pedido de Transferência de Contas; RDE - Retificação de Dados do Empregador; RDT - Retificação de Dados do Trabalhador; Retificação do Recolhimento Rescisório e RDF - Retificação com Devolução do FGTS.

Em situações específicas e detalhadas na Circular Caixa 449/2008, o pedido de retificação ocorre por meio do envio, pelo empregador, do registro de alteração cadastral do SEFIP ou ainda a utilizacão Conectividade Social para obtenção de informações e comunicado de movimentação dos trabalhadores.

Depois de preenchidos, os formulários, disponíveis logo abaixo, devem ser entregues nas Agências da CAIXA ou na rede bancária conveniada. Vale lembrar que o RDF é recebido apenas nas Agências da CAIXA e, nas localidades onde não exista Agência da CAIXA, o formulário deve ser remitido por via postal conforme definido na Circular Caixa 452/2008.

O saldo do seu FGTS pode ser sacado em qualquer agência da CAIXA. As regras e a

documentação necessária para receber o benefício variam de acordo com a situação do

trabalhador.

Quais são os deveres do Empregador?

a) depositar o FGTS até o dia 7 de cada mês, no valor correspondente a 8% da

remuneração paga ou devida no mês anterior; ou 2%, caso se trate de contrato temporário de trabalho com prazo determinado, nos termos da Lei nº 9.601/98;

b) informar, mensalmente, no recibo de pagamento do trabalhador, o valor depositado

em sua conta vinculada;

c) até o dia 10 de cada mês, deve colocar à disposição de seus empregados, do sindicato,

ou associações de empregados, documentos que comprovem os recolhimentos

realizados ao Fundo de Garantia, inclusive dos meses anteriores;

d)

prestar informações sobre o FGTS de seus empregados aos sindicatos, quando

solicitado;

e) quando o empregador demitir sem justa causa, deve, por ocasião da rescisão do

contrato, depositar 50% do total de todos os depósitos realizados na conta vinculada do trabalhador, atualizados monetariamente e mais os juros, sendo 40% na conta vinculada deste, e 10% para contribuições sociais de que trata a Lei Complementar nº 110, de

26/06/01.

f) quando a dispensa ocorrer por culpa recíproca ou força maior, reconhecida pela Justiça do Trabalho, deve depositar na conta vinculada do trabalhador, 20% do total dos depósitos realizados na conta vinculada, atualizados monetariamente e mais os juros;

g) ocorrendo rescisão do contrato de trabalho, por parte do empregador, ficará este

obrigado a depositar na conta vinculada do empregado, além dos 40% previstos na alínea "e" ou 20% previstos da alínea "f", os valores relativos aos depósitos referentes ao mês de rescisão e ao imediatamente anterior que ainda não houver sido recolhido;

h) no caso de rescisão do contrato de trabalho ou, ainda, nas hipóteses em que o

trabalhador fizer jus à utilização dos valores de sua conta vinculada, durante o período

da vigência de parcelamento, o empregador deverá antecipar os recolhimentos relativos ao trabalhador dispensado, deduzindo-se esses valores das parcelas a vencer.

Informações para os Sindicatos

Papel do Sindicato na Fiscalização do FGTS

a) o sindicato pode, sem necessidade de procuração, obter informações relativas ao

FGTS, junto ao empregador, à Caixa Econômica Federal e aos bancos;

b) em caso de irregularidades, o sindicato deve formular denúncia à fiscalização do

trabalho:

c) o sindicato pode ingressar com reclamação trabalhista perante a Justiça do Trabalho,

contra o empregador que não cumprir suas obrigações para com o FGTS.

Quem tem direito ao FGTS?

Têm direito ao FGTS os trabalhadores urbanos e rurais, regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, o diretor não empregado, ou seja, o que não pertence ao quadro de pessoal da empresa, mas por esta tenha sido equiparado a empregado; os trabalhadores avulsos, a exemplo dos estivadores, conferentes e vigias portuários, etc.

Quem não tem direito?

Não têm direito ao FGTS os trabalhadores eventuais, aqueles que prestam serviços em caráter provisório, não sujeitos a subordinação e horário, e não exercem tarefas ligadas à atividade principal do tomador de serviços; os autônomos, e os servidores públicos civis e militares, estes últimos regidos por legislação própria.

E o empregado doméstico, tem direito?

A Medida Provisória nº 1.986-2, de 10/02/2000, convertida na Lei nº 10.208, de

23/03/01, facultou a inclusão do empregado doméstico no sistema do FGTS, mediante requerimento do empregador. O Decreto nº 3.361, de 10/02/2000, regulamentou a matéria relativa ao acesso do trabalhador doméstico ao FGTS e ao Seguro-Desemprego.

A inclusão do empregado doméstico no FGTS será automática com o primeiro depósito

na conta vinculada, efetuado na Caixa Econômica Federal ou na rede conveniada.

Direitos do Trabalhador

O Trabalhador tem direito a:

a) ter na sua conta vinculada do FGTS (a conta de poupança obrigatória do FGTS) o

depósito mensal do valor correspondente ao percentual de 8% da sua remuneração, ou de 2%, caso se trate de contrato temporário de trabalho com prazo determinado;

b) ter na sua conta vinculada, todo dia 10 de cada mês, o crédito dos valores

referentes aos juros e atualização monetária;

c) ser informado, mensalmente, no recibo de pagamento, do valor depositado em sua

conta vinculada;

d) ter à sua disposição os documentos que comprovem os valores recolhidos pelo seu

empregador em sua conta vinculada;

e) receber, de dois em dois meses, no endereço fornecido pelo trabalhador, o extrato

do FGTS, emitido pela CEF;

f) obter, a qualquer tempo, junto à Caixa Econômica Federal, informações sobre sua

conta vinculada;

g) usar, total ou parcialmente, o FGTS, nas hipóteses que a lei permitir.

Observações: Havendo dúvida sobre o extrato ou sobre informação contida no recibo de pagamento, o empregado deve procurar o seu empregador, a Caixa Econômica Federal (CEF), seu sindicato ou a Delegacia Regional do Trabalho.

Remuneração: considera-se remuneração, para efeito de incidência do percentual de 8% ou 2%, no caso da Lei nº 9.601/98, o salário-base, inclusive as parcelas "in natura" (as utilidades concedidas, habitualmente, pelo empregador, por força de lei, de acordo ou do costume, correspondentes a habitação, alimentação e vestuário) acrescido de todos os adicionais de caráter remuneratório. Exemplos: horas extras, adicional de insalubridade, adicional de periculosidade, adicional noturno, gratificações ajustadas, repouso remunerado, feriados civis e religiosos, aviso prévio, gorjetas, etc.

É importante, observar, entretanto, que com a alteração do § 2º do art. 458 da CLT, pelo

art. 2º da Lei nº 10.243, de 19/06/01, não são considerados como salário as seguintes utilidades concedidas pelo empregador:

I vestuários, equipamentos e outros acessórios fornecidos aos empregados e utilizados

no local de trabalho, para a prestação do serviço;

II educação, em estabelecimento de ensino próprio ou de terceiros, compreendendo os

valores relativos a matrícula, mensalidade, anuidade, livros e material didático;

III transporte destinado ao deslocamento para o trabalho e retorno, em percurso

servido ou não por transporte público;

IV assistência médica, hospitalar e odontológica, prestada diretamente ou mediante

seguro-saúde;

V seguros de vida e de acidentes pessoais;

VI previdência privada;

Conta Vinculada

A conta no FGTS é vinculada ao trabalhador, tem como origem a lei, e como premissa a

remuneração que lhe é paga ou devida, a qual é decorrente de um contrato de trabalho.

Até 1990, as contas do FGTS estavam distribuídas por toda a rede bancária, a quem cabia manter o controle.

A partir de 1990, com a centralização das contas vinculadas na Caixa Econômica

Federal, esta é a responsável pelo controle destas contas, cabendo aos demais bancos, a partir de então, o papel de arrecadadores das contribuições ao Fundo.

A conta vinculada pode ser ativa ou inativa, sendo:

Conta Ativa: aquela que recebe, regularmente, depósitos mensais; e

Conta Inativa: a) aquela que permanecer sem crédito de depósitos durante três anos ininterruptos, em razão de rescisão de contrato de trabalho, ocorrida até 13/07/90, podendo o trabalhador, a qualquer momento, solicitar o saque;

b) aquela, cujo titular completou três anos corridos fora do regime do FGTS, a partir de 14/07/90, sendo que, neste caso, o saque poderá ser efetuado a partir do mês de aniversário do titular da conta.

Particularidades da Conta Inativa

1. A CEF tem o prazo máximo de 15 dias para remeter à residência do trabalhador, a resposta a sua solicitação de saque. Em até 5 dias úteis após essa resposta, os saldos das contas passíveis de liberação estarão à disposição para saque, no local e data informados no próprio formulário.

Para as contas cujo trabalhador permanecer fora do regime do FGTS por mais de três

anos seguidos, a partir de 14/07/90, a CEF providenciará o pagamento no prazo máximo

de 5 dias úteis, contados do dia seguinte ao do recebimento do pedido.

OBSERVAÇÃO: Havendo atraso no pagamento, o trabalhador tem o direito de receber

o valor com a atualização correspondente aos dias de atraso.

O melhor dia para efetuar o saque da conta inativa é o dia 10 de

O

melhor dia para efetuar o saque da conta inativa é o dia 10 de cada mês, pois a

atualização monetária dessas contas é mensal e ocorre no dia 10.

Se existirem outras contas inativas passíveis de saque, e não tendo o seu titular feito

Se existirem outras contas inativas passíveis de saque, e não tendo o seu titular feito essa solicitação, a CEF poderá providenciar o seu pagamento.

Ao se aposentar, o trabalhador possuidor de contas inativas, poderá solicitar o saque em razão

Ao se aposentar, o trabalhador possuidor de contas inativas, poderá solicitar o saque em razão de sua aposentadoria, incluindo na solicitação, todas as contas inativas, não necessitando, neste caso, observar o calendário.

O trabalhador que, por qualquer motivo, não tenha dado baixa do contrato de

O

trabalhador que, por qualquer motivo, não tenha dado baixa do contrato de

trabalho na Carteira de Trabalho e Previdência Social - CTPS, poderá sacar sua conta inativa, desde que seja possível comprovar o desligamento da empresa há mais de três anos, apresentando o documento que comprove a data de afastamento.

Para sacar a conta inativa de uma pessoa falecida, há necessidade de apresentar no ato

Para sacar a conta inativa de uma pessoa falecida, há necessidade de apresentar no ato do pedido, a Relação de Dependentes Habilitados perante a Previdência Social, ou órgão equivalente ou, ainda, o alvará judicial. Neste caso o interessado não precisa observar o calendário para requerer o saque.

· Não é possível solicitar o saque em uma localidade e receber em outra. O

trabalhador deverá solicitar o saque na localidade onde pretende receber o pagamento.

· Nos casos das contas inativas, somente as agências da CEF estão habilitadas a

providenciar o pagamento. Tratando-se de contas ativas, nas localidades onde não há agência da CEF, tanto a solicitação do saque quanto o seu recebimento poderá ser feito através de agências de outros bancos, desde que credenciados para pagamento do FGTS.

Objetivos do FGTS

O Governo Federal criou o FGTS, com o objetivo de proteger o trabalhador regido pela

Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, contra despedidas sem justa causa, mediante

a formação de um pecúlio a ser recebido quando da demissão. O Fundo possibilita,

ainda, a arrecadação de recursos para aplicação em programas sociais, tais como:

habitação popular, saneamento básico e infra-estrutura urbana (ex. construção de casas

populares, calçamento de ruas, rede de esgotos sanitários etc).

Os objetivos pretendidos com a instituição do FGTS podem ser assim resumidos:

Formar um Fundo de Indenizações Trabalhistas;com a instituição do FGTS podem ser assim resumidos: Oferecer ao trabalhador, em troca da estabilidade

Oferecer ao trabalhador, em troca da estabilidade no emprego, a possibilidade de formar um patrimônio;resumidos: Formar um Fundo de Indenizações Trabalhistas; Proporcionar ao trabalhador aumento de sua renda real, pela

Proporcionar ao trabalhador aumento de sua renda real, pela possibilidade de acesso à casa própria;no emprego, a possibilidade de formar um patrimônio; Formar Fundo de Recursos para o financiamento de

Formar Fundo de Recursos para o financiamento de programas de habitação popular, saneamento básico e infra-estrutura urbana.um patrimônio; Proporcionar ao trabalhador aumento de sua renda real, pela possibilidade de acesso à casa

Opção pelo FGTS na atual Constituição Federal

A Constituição Federal, de 05/10/88, ao incluir o FGTS como um direito social do trabalhador, não tratou de forma particular a opção pelo Fundo de Garantia, demonstrando que a partir de sua vigência todos os trabalhadores regidos pela Legislação Trabalhista estão sujeitos ao regime do FGTS, a partir de sua admissão no emprego.

Ainda com relação à opção, podemos destacar dois pontos tratados na Lei nº 8.036, de

11/05/90:

a) O tempo de serviço anterior à atual Constituição (05/10/88) poderá ser transacionado

entre empregador e empregado, respeitado o limite mínimo de 60% da indenização a que tem direito;

b) O trabalhador poderá optar, a qualquer tempo, pelo FGTS, retroagindo até 1º/01/67,

ou à data de sua admissão no emprego, se for posterior àquela.

O que fazer quando os direitos do FGTS são desrespeitados?

Todo trabalhador, seus dependentes, herdeiros e sucessores, ou o sindicato da categoria profissional podem denunciar o empregador que não cumprir suas obrigações para com o FGTS.

Nesse caso o interessado deve se dirigir às Delegacias Regionais do Trabalho.

Quando o estabelecimento bancário não liberar os recursos ou não prestar as informações devidas, o interessado deve se dirigir à Caixa Econômica Federal.

Tanto o trabalhador, quanto seus dependentes, herdeiros e sucessores, ou ainda o sindicato da categoria profissional podem propor ação na Justiça do Trabalho contra o empregador ou banco com relação às obrigações com o FGTS.

Conselho Curador do FGTS - CCFGTS

|

A

instância máxima de gestão e administração do Fundo de Garantia é o Conselho

Curador.

O Conselho é um colegiado tripartite composto por representantes dos trabalhadores,

dos empregadores e do Governo Federal, atendendo ao disposto no art. 10 da Constituição Federal, de 05/10/88, que determina essa composição quando os interesses de trabalhadores e empregadores se fizerem presentes em colegiados dos órgãos Públicos.

O Conselho Curador do FGTS é formado por oito representantes do Governo Federal,

quatro representantes dos trabalhadores e quatro representantes dos empregadores,

tendo a seguinte composição:

Composição do Conselho Curador

REPRESENTANTES DO GOVERNO

REPRESENTANTES DAS ENTIDADES PATRONAIS

REPRESENTANTES DAS ENTIDADES LABORAIS

Gestor de Aplicações

De acordo com a Lei do Fundo (Lei nº 8.036, de 11/05/90), o Mistério das Cidades - MC, exerce a função de Gestor da Aplicação do FGTS; cabe-lhe, nessa qualidade, a responsabilidade legal pela seleção e hierarquização dos projetos a serem contratados. Com a reforma administrativa introduzida pela MP 1.795 de 1º/01/99, alterada pela MP. 1.799 de 18/01/99, e Decreto nº 2.982 de 04/03/99, o Gestor da Aplicação do FGTS passou a ser a Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Sedu. Atualmente, o Gestor de Aplicação é o Ministério das Cidades, conforme determina a MP. 103, de

30/12/02.

Agente Operador

A Caixa Econômica Federal, empresa pública federal vinculada ao Ministério da

Fazenda, na qualidade de Agente Operador do FGTS, é o órgão responsável por todas

as atividades operacionais ligadas ao Fundo de Garantia, destacando-se dentre elas, as relativas a:

a) Centralização das contas vinculadas;

b) Controle da rede arrecadadora;

c) Avaliação da capacidade econômica e financeira dos tomadores de recursos do

FGTS;

d) Implementação de atos de alocação de recursos e concessão de créditos;

e) Risco de crédito das operações com recursos do FGTS.

Representação Judicial e Extrajudicial do FGTS

A representação judicial e extrajudicial do FGTS é de responsabilidade da Procuradoria-

Geral da Fazenda Nacional - PGFN, instituição vinculada à Advocacia Geral da União, que também exerce a Consultoria Jurídica do Ministério da Fazenda, bem assim as atribuições de inscrição em dívida ativa e execução dos créditos de natureza fiscal da Fazenda Nacional.

A atribuição de representar o Fundo de Garantia também pode ser exercida pela Caixa

Econômica Federal, Agente Operador do Fundo, mediante convênio com a

Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional.

Fiscalização do FGTS

De acordo com as Leis nos 8.036, de 11/05/90, e 8.844, de 02/01/94, MPs. 1.795, de 1º/01/99 e 1.799, de 18/01/99, que dispõem sobre o FGTS, cabe ao Ministério do Trabalho e Emprego a fiscalização e a apuração das contribuições ao FGTS, bem como a aplicação das multas decorrentes de infrações a essa legislação; essa tarefa é exercida pela Secretaria de Inspeção do Trabalho - SIT, órgão integrante da estrutura do Ministério.

Secretaria Executiva do Conselho Curador do FGTS

De acordo com a Lei nº 8.036, de 11/05/90, o Conselho Curador disporá de uma Secretaria Executiva, localizada na estrutura do Ministério do Trabalho e Emprego; esta função vem sendo exercida pela Coordenação-Geral do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, unidade integrante da estrutura do MTE, com as seguintes competências:

subsidiar o Conselho na definição de diretrizes e programas de alocação de todos os recursos do FGTS;da estrutura do MTE, com as seguintes competências: subsidiar o processo de acompanhamento e avaliação da

subsidiar o processo de acompanhamento e avaliação da gestão econômica e financeira dos recursos do FGTS;e programas de alocação de todos os recursos do FGTS; coordenar a elaboração do relatório das

coordenar a elaboração do relatório das contas do FGTS, antes do seu encaminhamento aos órgãos de controle interno e externo;da gestão econômica e financeira dos recursos do FGTS; coordenar a elaboração dos relatórios sobre as

coordenar a elaboração dos relatórios sobre as recomendações dos órgãos de controle interno e externo;encaminhamento aos órgãos de controle interno e externo; oferecer subsídios ao Conselho para dirimir dúvidas quanto

oferecer subsídios ao Conselho para dirimir dúvidas quanto à aplicação das normas relativas ao FGTS;recomendações dos órgãos de controle interno e externo; coordenar a elaboração de atos normativos relacionados com

coordenar a elaboração de atos normativos relacionados com o desempenho das atividades do Conselho;dúvidas quanto à aplicação das normas relativas ao FGTS; providenciar a divulgação no Diário Oficial da

providenciar a divulgação no Diário Oficial da União de todas as decisões proferidas pelo Conselho, bem como das no Diário Oficial da União de todas as decisões proferidas pelo Conselho, bem como das contas do FGTS e dos respectivos pareceres emitidos;

agendar e secretariar as reuniões do Conselho;das contas do FGTS e dos respectivos pareceres emitidos; agendar e presidir as reuniões do Grupo

agendar e presidir as reuniões do Grupo de Apoio Permanente ao Conselho;emitidos; agendar e secretariar as reuniões do Conselho; assessorar e subsidiar o Ministro, na qualidade de

assessorar e subsidiar o Ministro, na qualidade de Presidente do Conselho, nos assuntos pertinentes;as reuniões do Grupo de Apoio Permanente ao Conselho; promover as articulações necessárias e o acompanhamento

promover as articulações necessárias e o acompanhamento das atividades dos grupos técnicos instituídos no âmbito do Conselho;de Presidente do Conselho, nos assuntos pertinentes; atuar de forma integrada com a Secretaria de Fiscalização

atuar de forma integrada com a Secretaria de Fiscalização do Trabalho, oferecendo-lhe subsídios para sua atuação, nos assuntos relacionados ao FGTS;dos grupos técnicos instituídos no âmbito do Conselho; atuar de forma integrada com a Assessoria Parlamentar

atuar de forma integrada com a Assessoria Parlamentar do Ministério no acompanhamento da tramitação dos projetos de lei referentes ao FGTS, em articulação com os demais órgãos governamentais envolvidos com o mesmo;para sua atuação, nos assuntos relacionados ao FGTS; organizar e manter atualizados os arquivos com informações

organizar e manter atualizados os arquivos com informações sócio-econômicas e gerenciais sobre o FGTS;os demais órgãos governamentais envolvidos com o mesmo; recepcionar e dar tratamento às denúncias encaminhadas à

recepcionar e dar tratamento às denúncias encaminhadas à Coordenação-Geral, objetivando sua averiguação;informações sócio-econômicas e gerenciais sobre o FGTS; recepcionar e promover o atendimento dos auditores e de

recepcionar e promover o atendimento dos auditores e de suas demandas por ocasião das auditorias sobre o FGTS, providenciando as justificativas e esclarecimentos necessários, no que se refere ao Conselho e à Coordenação- Geral;à Coordenação-Geral, objetivando sua averiguação; cumprir e fazer cumprir as decisões do Conselho; praticar

cumprir e fazer cumprir as decisões do Conselho; praticar os demais atos necessários para o cumprimento das atribuições de competência do Conselho.providenciando as justificativas e esclarecimentos necessários, no que se refere ao Conselho e à Coordenação- Geral;